Cultura do Trigo MÁRCIO OLIVEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cultura do Trigo MÁRCIO OLIVEIRA"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS JÚLIO DE CASTILHOS CURSO TÉCNICO AGRÍCOLA COM HABILITAÇÃO EM AGRICULTURA Cultura do Trigo RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO MÁRCIO OLIVEIRA JULIO DE CASTILHOS, RS, Brasil 2010

2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS JÚLIO DE CASTILHOS CURSO TÉCNICO AGRÍCOLA COM HABILITAÇÃO EM AGRICULTURA Cultura do Trigo por Márcio de Oliveira Relatório de Estágio Profissional apresentado como requisito parcial para obtenção do título de Técnico Agrícola com Habilitação em Agricultura do Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos RS Orientador: JOVANI LUZZA Júlio de Castilhos, RS, Brasil

3 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: 1 Estagiário 1.1 Nome: Márcio de Oliveira 1.2 Curso: Técnico Agrícola com Habilitação em Agricultura 1.3 Turma: Agricultura Endereço: Av. Borges de Medeiros Município e estado: Júlio de Castilhos -RS 1.6 CEP: Telefone: / Empresa 2.1 Nome: Coopertec - Cooperativa de Desenvolvimento e Difusão de Tecnologia Agricola de Cruz Alta - LTDA 2.2 Endereço: Avenida General Osório, n andar, Centro. 2.3 Município e estado: Cruz Alta, RS. 2.4 CEP: Fone/Fax: (55) Estágio 3.1 Área de realização: Assistência Técnica 3.2 Coordenador do curso: Ricardo Luis Schons 3.3 Professor Orientador: Jovani Luzza 3.4 Supervisor de Estágio na empresa: Alcione Fontoura Portella 3.5 Carga horária total: 608 horas 3.6 Data de início e término: 15 de outubro de 2009 até 15 de fevereiro de

4 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS JÚLIO DE CASTILHOS CURSO TÉCNICO AGRÍCOLA COM HABILITAÇÃO EM AGRICULTURA O Supervisor da Empresa, Alcione Fontoura Portella, o Estagiário, Marcio de Oliveira e o orientador Jovani Luzza abaixo assinados, cientificam-se do teor do Relatório do Estágio Curricular Supervisionado do Curso Técnico Agrícola com Habilitação em Agricultura. Cultura do Trigo elaborado por Márcio de Oliveira como requisito parcial para obtenção do título de Técnico Agrícola com Habilitação em Agricultura Alcione Fontoura Portella (Supervisor de Estágio) Márcio de Oliveira (Estagiário) (Profº Engº Agrônomo) Jovani Luzza (Orientador) 4

5 Júlio de Castilhos RS, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS JÚLIO DE CASTILHOS CURSO TÉCNICO AGRÍCOLA COM HABILITAÇÃO EM AGRICULTURA A Comissão Examinadora, abaixo assinada, aprova o Relatório de Estágio Curricular Supervisionado Cultura do Trigo elaborada por Márcio de Oliveira como requisito parcial para obtenção do título de Técnico Agrícola com Habilitação em Agricultura COMISSÃO EXAMINADORA: Prof.Jovani Luzza Prof. Carlos Alberto Casali Prof. Cleudson José Michelon 5

6 Júlio de Castilhos RS, SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO DA EMPRESA CULTURA DO TRIGO Rotação de culturas Cultivares Dessecação Adubação e Correção de solo Tratamento de sementes Aplicações de pós emergência Pragas da lavoura de trigo Pulgão...15, Percevejos Lagarta Controle de Doenças Giberela Ferrugem Oídio Manchas Foliares Fitotoxidade Colheita do Trigo CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA

7 LISTA DE FIGURAS: Figura 1 Planta de trigo no estádio final de perfilhamento...11 Figura2 Cobertura de solo de inverno utilizando o nabo forrageiro...12 Figura 3 Figura 3. Pulgões que atacam a cultura do trigo: a) pulgão da espiga b) pulgão verde; c) pulgão da aveia; d) pulgão da folha...16 Figura 4 Percevejo Nezara viridula que ataca a cultura do trigo...17 Figura 5 Lagarta que ataca a cultura do trigo...18 Figura 6 Área com sintomas de fitotoxicidez causada por excesso de defensivo..,...19 Figura 7 Espigas de trigo com sintomas de giberela...21 Figura 8 Folhas de trigo com sintomas de ferrugem...22 Figura 9 Folha de trigo com sintomas de Oídio...23 Figura 10 Folhas de trigo com sintomas de manchas foliares...24 Figura 11 Fitotoxidade

8 1 INTRODUÇÃO O trigo (Triticum aestivum L.) é uma gramínea cultivada em todo o mundo, sendo o segundo cereal mais plantado, superado apenas pelo milho. O grão de trigo é um alimento básico usado principalmente na confecção de pães, massas, bolachas, biscoitos e outros. Eu escolhi essa cultura por ser a de menor valor comercial no sul e no Brasil mas de grande valia nutricional e conservação do solo devido a palhada que deixa depois da colheita, com esse estágio vi e vivenciei que a cultura do trigo ainda é implantada por incentivo de técnicos agrícolas para controle de planta daninhas,praga e doenças que poderão afetar a principal cultura que os agricultores semeiam no verão o soja. As principais opções de plantio de inverno no sul do país são o trigo (Triticum aestivum L.), a aveia preta (Avena strigosa L.), o centeio (secale cereale L.) a cevada cervejeira (Hordeum vulgare L.) e o triticale ( Triticosecale Wittmack), sendo que o trigo representa a cultura de maior expressão, pois foi a cultura que teve maior a importância nos anos 70, por causa do trigo que houve os aparecimentos da cooperativas tritícolas, era a cultura mais semeada no estado do sul pais, depois de tempos que o soja tomou o seu lugar. O presente relatório de Estágio Supervisionado do Curso Técnico Agrícola com Habilitação em Agricultura refere-se às atividades desenvolvidas na empresa Coopertec, junto a Cereais São Pedro, localizada no município de Júlio de Castilhos, no período de 15 de agosto de 2009 até 15 de novembro de 2009 totalizando 608 horas. O estágio foi realizado na área de assistência técnica da empresa, focando a cultura do trigo do período de perfilhamento até sua fase final de desenvolvimento. 8

9 2. DESCRIÇÃO DA EMPRESA A Coopertec-Cooperativa de Desenvolvimento e Difusão de Tecnologia Agricola de Cruz Alta-LTDA, tem sua sede instalada no município de Cruz Alta, RS. O diretor da empresa é o senhor Jocemir José Guzzo de Cruz Alta, o corpo técnico no município de Júlio de Castilhos é formado pelos técnicos Alcione Fontoura Portella e Leandro Daniel Mundstock. A empresa tem uma história estável de 11 anos, sempre a serviço do produtor, realizando o planejamento técnico, consultoria e assessoria agronômica necessária para que as lavouras da região central, assistidas pela empresa, tenham um bom desenvolvimento e sempre se superem em produtividade. O principal objetivo da Coopertec é a defesa socioeconômica de seus associados, organizando o trabalho individual, tratando de seus interesses junto a terceiros, sem qualquer objetivo de lucro, na área de serviços agronômicos, contribuindo assim para o desenvolvimento socioeconômico da região. Atualmente a Coopertec se encontra presente, com escritórios instalados nos municípios de Boa Vista do Incra, Boa Vista do Cadeado, Fortaleza dos Valos, Pejuçara e Júlio de Castilhos. No meu período do meu estágio dentro da coopertec, tinha como rotina de trabalho nos dias não chuvosos o acompanhamento supervisionado do trigo no seus estágios de crescimento(perfilhamento), observando as necessidades de nitrogênio(uréia), o aparecimento de pragas e as doenças nas lavouras até seu desenvolvimento final,também retirada de solo para analise,entre outros trabalhos, projetos rurais (pronaf,proagro) em dias chuvosos. 9

10 3. CULTURA DO TRIGO O trigo (Triticum aestivum) é uma planta de ciclo anual, sendo classificada dessa forma porque completa seu ciclo de desenvolvimento dentro do mesmo ano. O trigo é uma espécie semeada e cultivada durante o período de inverno ou primavera dependendo de sua resposta a baixas temperaturas durante a fase de florescimento e períodos de chuvas excessivas no período de maturação, o que prejudica a qualidade do grão (CUNHA; BACALTCHUK, B., 2000). O grão é moído e sua farinha é utilizada na fabricação de pão, massa alimentícia, bolo e biscoito, por isso é considerado alimento primário na nossa alimentação. Quando não atinge a qualidade necessária para consumo humano, esse é usado para fabricação de ração ou empregado diretamente na alimentação animal. O trigo ocupa o segundo lugar em volume de produção mundial. No Brasil, a produção anual oscila entre cinco e seis milhões de toneladas. É cultivado nas regiões Sul (RS, SC e PR), Sudeste (MG e SP) e Centro-oeste (MS, GO e DF). O consumo anual no país tem se mantido em torno de 10 milhões de toneladas. Sendo que cerca de 90% da produção de trigo está no Sul do Brasil. O cereal vem sendo introduzido na região do cerrado, sob irrigação ou como cultura em sequeiro. (EMBRAPA TRIGO, 2009). É uma alternativa muito importante para a prática de rotação de cultura pois tem como benefícios a promoção da biodiversidade, o favorecimento ao manejo integrado de pragas, de doenças e de plantas infestantes, a promoção de cobertura permanente do solo, a diversificação e estabilização da produtividade, a racionalização de mão-de-obra e a redução do risco de perdas de renda. 10

11 Figura 1. Planta de trigo no estádio final de perfilhamento. (Foto autor) 3.1 Rotações de culturas O que é Rotação de Cultura? A rotação de culturas reduz a reprodução inicial dos parasitas presentes nos restos culturais, conseqüentemente a intensidade de doenças na parte aérea da planta. Esse é o caminho para a produção de plantas sadias, portanto as lavouras produtoras de grãos devem apresentar como padrão a observância dessa prática. A rotação de cultura pode ser feita com o cultivo no inverno de trigo, aveia, ervilhaca ou nabo forrageiro, para semeadura de milho e soja no verão. Essa prática evitar o cultivo de trigo sobre trigo como alternativa de inverno, que não é recomendado, pois causa o surgimento precoce de doenças da parte aérea, o que pode aumentar os custos para o produtor com o uso de defensivos quando 11

12 cultivado sobre seus próprios restos culturais, quebrando assim o ciclo de pragas e doenças. A escolha das culturas e do sistema de rotação deve ser feita de modo a atender às particularidades regionais e as perspectivas de comercialização dos produtos. (FUNDACEP, 2005). Figura 2. Cobertura de solo de inverno utilizando o nabo forrageiro. (Foto do autor) 3.2 Cultivares A escolha da cultivar de trigo é importante pois é ela que levará a uma alta produtividade mas sempre seguindo o zoneamento agroclimático e com as recomendações técnicas do Ministério da Agricultura do estado (MAPA). Hoje o mercado moageiro é altamente exigente na qualidade da farinha, necessitando classificar algumas variedades, que caracterizam como produtos que satisfazem esse mercado exigente em qualidade. A empresa recomenda a seus assistidos o uso das variedades que são mais aceitas pelo mercado moageiro: Fundacep Raízes, Cep Cristalino, Cep Horizonte, BRS Guamirim, BRS Safira, BRS Marfim, BRS Abalone, etc, consideradas variedades tipo pão com melhor rendimento de farinha, elasticidade de massa, Ph e coloração da farinha. 12

13 3.3 Dessecação Essa prática é recomendada nas áreas de plantio direto onde a semeadura é realizada sobre os restos culturais da cultura anterior (palhada), sendo que essa pode vir a rebrotar e começar a concorrer com a cultura implantada como, por exemplo, nabiças, aveia e azévem. Além disso, tem como objetivo a eliminação total das invasoras não desejadas na referida área, a prática é realizada normalmente entre 15 e 20 dias antes da implantação da cultura. Deve ser aplicado o dessecante antes do plantio, pois não feito essa aplicação haverá custo a mais com aplicações de pós emergência com glifosato, na maioria das áreas assistidas a dessecação foi feita com o uso do dessecante de ação total glifosato (Polaris) com a dose de 2 l/ha. 3.4 Adubação e Correção de solo Nas áreas acompanhadas a correção do solo foi realizada com a aplicação de calcário nas doses de 2 a 3 toneladas por hectare de acordo com a análise de solo e índice SMP, com o objetivo de elevação do Ph do solo, neutralização do alumínio(al), aumentando a CTC e os nutrientes presentes no solo. Essa prática foi feita antes do período de início do estágio. Foi feitas adubação com fórmula de adubo N.P.K , dando em torno de 16,10kg/há de nitrogênio,39,10kg/há de fósforo e 39,10kg/ha de potássio, na quantidade de 230kg/ha, quantidade que de acordo com a análise de solo atende as necessidades da cultura para alcançar a produtividade desejada, aplicado na linha juntamente com a semeadura. A cultura é altamente exigente em nitrogênio (N) desde o início do desenvolvimento, exigindo adubação com fórmulas nitrogenadas aplicadas na linha de semeadura para bom desenvolvimento inicial. 13

14 Em pós-emergência no inicio do perfilhamento foi feita aplicação de Nitrogênio a lanço em cobertura na quantia de 120kg/ha de uréia equivale 46% de N,no total deu 55,20kg/há de nitrogênio. Para realizar essa prática deve-se levar em consideração a temperatura do ar a velocidade do vento que devem ser amenas para que não haja perdas de N por volatilização e umidade do solo que deve ser suficiente para que os produtos sejam dissolvidos e transportados pela água para o interior do solo (FUNDACEP, 2005), assim como a cultivar de trigo usada para que essas quantidades de N não causem acamamento, ou que prejudica os tratos culturais na cultura seguinte. Efetua-se a aplicação de N no inicio do perfilhamento porque é nessa fase que a cultura começa a definir o seu potencial produtivo. Efetua-se a aplicação de N no inicio do perfilhamento porque é nessa fase que a cultura começa a definir o seu potencial produtivo, se necessitar aplicação com mais de 100kg de uréia essa aplicação deverá ser realizada em duas vezes, para uma melhor dissolvição da uréia no solo sempre após uma ocorrência de chuva, aplicações sempre pela manha ou no final da tarde. nas lavouras onde feitas as aplicações houve excelente desenvolvimento da planta até o aparecimento da folha bandeira. 3.5 Tratamento de sementes É uma prática de suma importância, realizada na própria propriedade com máquinas específicas ou manualmente, respeitando dosagem e volume de calda para não danificar as sementes e para que tenha boa cobertura. Essa prática tem como objetivo eliminar fungos e pragas que poderão prejudicar o desenvolvimento inicial da cultura. Os produtos receitados pelos técnicos aos agricultores foram: Imidacloprido (guaucho) na dosagem de 100gr/há, inseticida indicado para o controle de pulgões 14

15 e coró Carboxina+Thiran (Vitavax-thiran) 125ml/ha, fungicida usado para controle de manchas foliares sendo vitavax com ação sistêmica e thiram com ação de contato. Para todos os fungicidas, indica-se regular as semeadoras com as sementes tratadas, o carvão é indicado no caso de sementes provenientes de lavouras infestadas com mais de 0,1% de espigas com carvão, destinadas à produção de sementes.(embrapa TRIGO,2009) 3.6 Aplicações de pós emergência A aplicação de herbicidas em pós-emergência tem como objetivo controlar plantas invasoras que podem estar competindo com a cultura de trigo, como aveia, azévem, guanxuma e nabiça, normalmente em áreas sem rotação de cultura para implantar a cultura do trigo. O produto indicado para essas aplicações foi Iodosulforom-metilico (Hussar) com a dose de 70 gr/ha produto esse seletivo a cultura do trigo houve excelente resultado na lavouras onde foi aplicado não aparecendo plantas invasoras para competir com o trigo na fase inicial. 3.7 Pragas da lavoura de trigo Das dezenas de espécies de insetos fitófagos que podem ser encontrados na lavoura de trigo, uma minoria ocorre em quantidade e freqüência que as caracteriza como pragas do ponto de vista econômico Pulgão 15

16 Uma das pragas que pode causar prejuízo é o pulgão(metopolophium Dirhodum), inseto sugador capaz de enfraquecer a planta e transmitir doenças que reduzem a produção. Segundo os técnicos da empresa, até setembro aproximadamente, o produtor deve ficar atento ao controle dos pulgões, principalmente se o clima for atípico, quente e úmido. Os danos causados pelos pulgões-da-espiga do trigo podem ser importantes na redução do peso de mil grãos, do peso de hectolitro, do poder germinativo das sementes e do número de grãos por espiga. (FUNEP, 2008) Os pulgões são insetos que ao sugarem as espigas e as folhas da cultura do trigo, podem causar danos de duas naturezas: diretos (enfraquecendo as plantas pela sucção de seiva e provocando morte de tecido foliar pela injeção de toxinas salivares) e indiretos (transmitindo o Vírus do Nanismo Amarelo da Cevada o VNAC). Os pulgões são controlados no tratamento de sementes e aplicações aéreas, depois de identificada a praga. O controle recomendado é com o inseticida metamidofós, 120gr de ingrediente ativo por ha. (FUNDACEP, 2005) Nas visitas a campo em eu estive houve pequenos aparecimentos no estágio inicial devido a grandes geadas em 2009 mas também houve aparecimentos no estágio de espigamento devido a variações de temperatura sendo controlados com aplicações de inseticidas. 16

17 Figura 3. Pulgões que atacam a cultura do trigo: a) pulgão da espiga b) pulgão verde; c) pulgão da aveia; d) pulgão da folha. (Fonte: Embrapa) Percevejos Por falta de alimento no inverno o percevejo Nezara viridula se instalam em outras culturas, como a do trigo, sendo que 1 percevejo para 10 espigas, pode causar perdas de 4 a 13% na produção final. A fase crítica do trigo para o dano do percevejo é a de emborrachamento, ele suga a seiva das folhas e ataca sugando as espigas, fazendo com que as mesmas sequem. O controle é feito com o aparecimento de 5 a 10/insetos por metro quadrado, com uso de metamidofós com dose conforme indicação técnica. O tratamento de sementes é uma alternativa viável para o controle dos percevejos da soja atacando a cultura do trigo, indicando-se para isso o uso de inseticidas sistêmicos nas sementes. (FUNEP, 2008). Houve aparecimentos de percevejos nas vistorias que fiz juntamente com o pulgão e controlados com inseticida metamidofós. 17

18 Figura 4. Percevejo Nezara viridula que ataca a cultura do trigo. (Fonte: Embrapa) Lagartas As lagartas do trigo vivem por 25 dias, tem coloração que varia desde castanho ao pardo com faixas brancas e amarelas nas laterais. A fase adulta são mariposas com coloração amarela-palha a pardo-acinzentado que vive 8 dias. (IAPAR, 1997) O controle das lagartas desfolhadoras deve ser realizado com pulverizações com os inseticidas. O nível para controle: 10 lagartas (com mais de 2cm de comprimento) por metro quadrado. O produto indicado é o diflubenzurom com dose 60 ml/ha de produto. As lagartas mais comuns na cultura são a lagarta do trigo, a lagarta militar e a elasmo. Também houve contato visual sendo contado e visto que tínhamos mais de 12 lagarta por metro quadrado em algumas lavouras, nem em todas que foram visitadas tinham as mesmas quantidades porque havia sido feito aplicações preventivas. Figura 5 Lagarta que ataca a cultura do trigo. (Fonte: Dowagro) 18

19 3.8 Controle de doenças É uma prática imprescindível na cultura do trigo, com o objetivo de manter a sanidade da área foliar da cultura, garantindo assim o enchimento de grãos. Para controlar as doenças deve-se observar o clima, seguido de bom monitoramento para definir o momento mais correto para iniciar o controle de doenças. Normalmente a primeira aplicação é após a emissão da folha bandeira ou antes do florescimento, que indica que a área foliar já esta definida. Aplicações antecipadas somente se forem variedades susceptíveis a doenças como ferrugem, manchas foliares e mofo branco, por isso exige monitoramento técnico. Para o controle dessas doenças a indicação é: 500 ml/ha de Tubuconazole e 200 ml/ha de Azoxistrobina (priori) para controle da ferrugem da folha e manchas foliares; 300 ml/ha de Azoxistrobina+Ciproconazol (Priorixtra), para controle fungico da ferrugem e manchas foliares e 750 ml/ha de Tebuconazol, triazol específico para controle de ferrugem, Sempre respeitando e observando as tecnologias de aplicação como vazão, temperatura, umidade do ar e vento. O indicativo de aplicação ou não de fungicidas é o residual do produto e o ponto de maturação fisiológica da cultura. 19

20 Figura 6. Área com sintomas de fitotoxicidez causada por excesso de defensivo. (foto autor) Giberela A giberela é uma doença da espiga do trigo, atualmente uma das mais importantes da cultura. É causada principalmente pelo fungo Gibberella zeae. Os sintomas característicos são espiguetas despigmentadas, de coloração esbranquiçada ou cor de palha, que contrastam com o verde normal de espigas sadias. Nas espiguetas atacadas, formam-se grãos chochos, enrugados, de coloração branco-rosada a pardo-clara, até mesmo a ausência de grão na espiga. Até o momento, parece não existir uma cultivar de trigo de alta produtividade e que seja completamente resistente ao fungo da Giberela. Controle químico deve ser preventivo, assim para minimizar os danos causados pela giberela, além da associação do uso de cultivares com maior resistência genética e do controle químico, é recomendável o escalonamento da semeadura dentro do período recomendado ou o cultivo de cultivares com ciclos distintos, para possibilitar o escape da doença, que ocorre quando a fase reprodutiva do trigo não coincide com as condições ambientais favoráveis à doença.(funep, 2008) A variação climática no período do estagio foi bastante favorável ao desenvolvimento da giberela pelo escesso de chuvas na fase de florescimento, que favoreceu a giberela foi o acúmulo de água entre as espiguetas, para melhor controle da doença na região foi indicado variedades 20

21 não susceptíveis a doença, essas variedades apresentam espiguetas com formações mais encaixadas entre as sementes ocorrendo assim o não acumulo de água entre eles e o não aparecimento da doença, mas durante as visitas foi visualizado algumas doenças devido chuvas com mais de 48hrs e variedades suspetiveis. O produto indicado no caso foi Tebuconazole que tem modo de ação sistêmico com dose 150g de ingrediente ativo por ha. Figura 7 Espigas de trigo com sintomas de giberela. (Foto autor) 3.8.2Ferrugem Doença causada pelo fungo Puccinia recondita. Ataca folhas principalmente, apresenta-se em forma de pústulas de coloração amareloalaranjada, predominantemente na face superior da folha, são sintomas que podem alcançar o caule e as espigas. Temperaturas entre 15 a 22ºC favorecem o progresso da doença. O controle pode ser feito com uso de variedades resistentes à doença ou então pulverizações com fungicidas é medida necessária para controle da ferrugem que deverá ser iniciado no aparecimento das primeiras pústulas, (traços 21

22 de 5% de infecção). A determinação desse nível se dá quando 50% das plantas amostradas tiverem esse índice (FUNEP, 2008). O ano de 2009 foi um ano de alta incidência de ferrugem, devido ao clima úmido e quente. O produto indicado foi o Tebuconazole com dose de 125 g de ingrediente ativo por ha e Azoxistrobina+Ciproconazol (Priori xtra) na dose de 300ml/ha. Figura 8.Folhas de trigo com sintomas de ferrugem. (Foto autor) Oidio Oídio do trigo (cinza) é uma doença causada pelo fungo Erysiphe graminis f. sp. Tritici E. Marchal. Dias amenos e secos, com temperaturas entre 15 e 22 C propiciam o desenvolvimento da doença. As perdas atribuídas ao oídio podem atingir até 45%. Ocorre em colônias (de coloração branca) superficiais sobre as folhas, à medida que passa o tempo a coloração passa a cinza. No lado oposto da folha aparecem manchas amareladas. (EMBRAPA 2009) 22

23 O plantio de cultivares resistentes as aplicações de fungicida justifica-se em cultivos com elevado potencial de rendimento em grãos. Produtos fungicidas indicados: Tubuconazole+Azoxistrobina Priori na dose de 300ml/há. Foi identificado o oidio em minhas visitas com o supervisor, em algumas lavouras, porque não fizeram aplicações preventivas, mas que foram controlados com fungicida. Fig 9. Folha de trigo com sintomas de Oídio. (Foto: Leila Costamilan) Manchas foliares As manchas são controladas com o tratamento de sementes, ou a rotação de culturas, se mesmo assim houver incidência de mancha foliar, parte-se para aplicações com fungidas a base de triazol ou estrubirulina. Em safras anteriores as manchas foram controladas com produtos a base de Triazois, mas com o passar dos anos e o excessivo uso desse produto, em algumas regiões,ocorreu resistência de manchas foliares, sendo que produtos a base da mistura de triazois e estrubirulina combatem as manchas com bastante eficácia. Produtos a base de 23

24 triazois, ainda são usados por motivos econômicos de alguns produtores, mas os produtos mais indicados são produtos a base da mistura Azoxistrobina (Priori), Piraclostrobina+Epoxiconazol (Opera), Picoxystrobina+Ciproconazol (Aprochprima) entre outros fungicidas disponíveis no mercado, as doses foram as mesmas recomendadas para ferrugem, e sempre acompanhados com 0,5% da calda de óleo mineral. Nas lavouras que estive presente é a doença mais freqüente, foi me informado que o aparecimento é normal, e que devem ser adquiridos sementes resistentes a essa doença. Fig. 10 Folhas de trigo com sintomas de manchas foliares. (Fonte Embrapa) Fitotoxidez A fitotocidade ocorre devido aplicações incorretas não sendo observadas corretamente as dosagens e também limpeza de implementos de aplicações, tendo dentro algum resíduo de secante na hora da aplicação de fungicidas. - Dosagens incorretas e não limpeza de implementos aplicativos: Pode ocorrer morte da planta, o não desenvolvimento, variações de altura e espaçamento. 24

25 Fig.11 Fitoxidade (foto do autor) 3.9.Colheita do Trigo Como parte conclusiva do processo, a colheita da cultura deve ser realizada no momento certo, levando em conta o ponto de maturação da cultura, a umidade do grão, as condições das colheitadeiras, local para secagem se necessária, e armazenamento. As lavouras de trigo podem ser colhidas antecipadamente, visando escapar de chuvas na maturação plena, evitando-se o problema de germinação na espiga, dentre outros. Nesse caso, para colheita ao redor de 20% e umidade, é aconselhável a regulagem cuidadosa da colhedora. Recomenda-se, nesse caso, folga entre cilindro e côncavo de 6mm e 1300 rpm de rotação de cilindro. Deve-se ter cuidado especial na velocidade e na localização do ar do ventilador, lembrando que tanto palha quanto o grão estão mais pesados (FUNDACEP, 2005) 25

26 4- CONCLUSÃO Ao término do estágio curricular obrigatório concluí, que este período foi de grande valia e muito importante para minha formação profissional. Na fusão de teoria e prática adquiri experiência e maior conhecimento na área da cultura do trigo. A prática me fez vivenciar todas as etapas, suas particularidades e complexidades do cultivo do trigo, complementando assim todo o aprendizado teórico de forma palpável. Todo profissional que pretende atuar na área agricola deve ter um amplo conhecimento, organização, planejamento, ter visão de suas atribuições, ser gentil, e outro sim, ser polivalente. Portanto, para ter um excelente crescimento profissional mais do que ter uma profissão a ser seguida, fazer coisas de maneira certas e não certas coisas a minha maneira e, além disso, saber conviver com alguns fatos desagradáveis ou rudes, é a melhor maneira de colocar em prática o equilíbrio emocional, fator fundamental no exercício de qualquer profissão. 26

27 5 BIBLIOGRAFIA CUNHA; G.R.; BACALTCHUK, B., Org. Tecnologia para produzir no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: assembléia Legislativa. Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo/ Passo Fundo: Embrapa Trigo, p. (Série Culturas, n 02) EMBRAPA TRIGO, Indicações técnicas da Comissão Sul-Brasileira de Pesquisa de Trigo.- Passo Fundo, RS FUNDACEP, 2005.Indicações técnicas da comissão Sul-Brasileira de Pesquisa de Trigo: trigo e triticale / Comissão Sul-Brasileira de Pesquisa de Trigo. Cruz Alta, RS: FUNEP, CUNHA; G.R.; BACALTCHUK, B., Tecnologia para produzir trigo no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Assembléia Legislativa. Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo/Passo Fundo: Embrapa Trigo, p. (Série Culturas n o 02). IAPAR - PARANÁ - Recomendações técnicas para cultura do trigo no Paraná 1997.Circular nº 92 - Abril-97.Londrina Paraná. 27

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra!

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra! GUIA DE CULTIVARES A semente é a base do sucesso de uma lavoura. Sua qualidade é essencial para os bons resultados de cada safra, garantindo maior produtividade, competitividade e o lucro do produtor.

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS PATO BRANCO CURSO DE AGRONOMIA DEIVERSON JOSÉ AGOSTINI

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS PATO BRANCO CURSO DE AGRONOMIA DEIVERSON JOSÉ AGOSTINI UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS PATO BRANCO CURSO DE AGRONOMIA DEIVERSON JOSÉ AGOSTINI ASSISTÊNCIA TÉCNICA AS CULTURAS DO MILHO E DO TRIGO NO MUNICÍPIO DE SÃO JORGE D OESTE RELATÓRIO

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO

AGRICULTURA DE PRECISÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETÁRIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA - CAMPUS JÚLIO DE CASTILHOS CURSO TÉCNICO AGRICOLA COM HABILITAÇÃO EM AGRICULTURA AGRICULTURA DE PRECISÃO

Leia mais

Relatório Geral. Safra 2014/2015 Sexto Levantamento Março/2015. ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA Rio Grande do Sul GRÃOS CLIMA

Relatório Geral. Safra 2014/2015 Sexto Levantamento Março/2015. ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA Rio Grande do Sul GRÃOS CLIMA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO CONAB SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO RIO GRANDE DO SUL GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO E SUPORTE ESTRATÉGICO SETOR DE APOIO A LOGÍSTICA E GESTÃO DE OFERTA ACOMPANHAMENTO DA

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Milho + brachiaria: investimento mínimo, máximo retorno Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Taurino Alexandrino Loiola

Taurino Alexandrino Loiola PRINCIPAIS PROBLEMAS DA CULTURA DO FEIJÃO SOB A ÓTICA DO AGRÔNOMO DE CAMPO Taurino Alexandrino Loiola Brasília / DF, 03/12/2010 Culturas na safra Panorama das safras: 08/09 09/10 Soja 8.195 ha (+38%) Feijão

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Diagnose de doenças não parasitárias em trigo

Diagnose de doenças não parasitárias em trigo Diagnose de doenças não parasitárias em trigo Erlei Melo Reis, Sandra Maria Zoldan e Beatriz Coelho Germano Equipe de fitopatologia da OR Melhoramento de Sementes Ltda 1. Introdução. A diagnose (determinação

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo

Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo Gerson Sander 1, Antonio Carlos Torres da Costa 2, Jose Barbosa Junior Duarte 3 1 Eng. Agrôn., Mestrando

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

TRIGO PARANÁ - BRASIL 2009. Brasília, 21 de outubro 2009 Ivo Carlos Arnt Filho

TRIGO PARANÁ - BRASIL 2009. Brasília, 21 de outubro 2009 Ivo Carlos Arnt Filho TRIGO PARANÁ - BRASIL 2009 Brasília, 21 de outubro 2009 Ivo Carlos Arnt Filho Área Produção Rendimento Médio 08-09 07-08 08-09 07-08 08-09 07-08 UF % % % a/b a b a/b (a) (b) a/b (a) (b) PR 34 1.100 820

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS Lutécia Beatriz Canalli Eng. Agr., MSc Solos, Dra em Agronomia - Produção Vegetal Sistemas de produção sustentáveis

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

O azevém e a sanidade das lavouras de cereais de inverno: uma planta do bem ou do mal?

O azevém e a sanidade das lavouras de cereais de inverno: uma planta do bem ou do mal? Plantas Daninhas O azevém e a sanidade das lavouras de cereais de inverno: uma planta do bem ou do mal? Erlei Melo Reis 1 e Anderson Luiz Durante Danelli 1 Figura 1. Pastagem de azevém como forrageira

Leia mais

Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP)

Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP) Reunião do Consórcio Antiferrugem 26 de junho de 2008. Londrina, PR. Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP) Dulândula S. M. Wruck - Epamig Leila

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Dados do Participante (Campeão) PRODUTOR: FREDERIK JAKOBUS WOLTERS CONSULTOR

Leia mais

A CULTURA DO FEIJÃO CAUPI

A CULTURA DO FEIJÃO CAUPI A CULTURA DO FEIJÃO CAUPI 1 Introdução 1.1 Botânica: - Família: Fabaceae = Leguminosae - Gênero: Vigna - Espécie Vigna Unguiculata (L) Walp 1.2 Centro de Origem: Sudeste asiático O feijão Caupi é uma cultura

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-ILP

Integração Lavoura-Pecuária-ILP Integração Lavoura-Pecuária-ILP Evolução da Produção e da Área Plantada de Grãos - Brasil 144,1 149,0 131,8 135,1 123,2 119,1 114,7 122,5 PRODUÇÃO (milhões de t) +157,3% = 4,8% aa 100,3 96,8 68,4 68,3

Leia mais

Mas que negócio é esse de resistência de insetos?

Mas que negócio é esse de resistência de insetos? O milho Bt é obtido por meio da transformação genética de plantas de milho com genes da bactéria Bacillus thuringiensis, os quais promovem a expressão de proteínas com ação inseticida. Um trabalho que

Leia mais

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA 10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA CONVENCIONAL (SOJA LIVRE) EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja convencionais (Soja Livre) em

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012 174 ISSN 1679-0472 Abril, 2012 Dourados, MS Fotos - lavoura: Nilton P. de Araújo; percevejo: Foto: Narciso Claudio da Lazzarotto S. Câmara Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul,

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

Canola. Informação sobre a. Reunião Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel DF 03.07.2013

Canola. Informação sobre a. Reunião Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel DF 03.07.2013 Produção de mel Informação sobre a Produção de Canola Raízes profundas Reunião Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel Brasília DF 03.07.2013 Engº Agrº Msc Valdir Zonin SEAPA Coordenador

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE José de Barros França Neto - Engenheiro Agrônomo, Ph.D., Pesquisador da Embrapa Soja, Caixa Postal 231, CEP 86001-970 Londrina, PR, Brasil -

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Controle Plantas Infestantes

Controle Plantas Infestantes Controle de Plantas Infestantes ',' Domingo Haroldo R. C. Reinhardt Francisco Alissonda Silva Xavier Aristóteles Pires de Matos Getúlio Augusto Pinto da Cunha 118 Quais são os problemas provocados pelas

Leia mais

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011 3 Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 200/20 André Luis F. Lourenção 3.. Introdução Analisando o oitavo levantamento da Conab (20), observase que a área semeada com milho

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.01 9 de abril de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 6 Figuras Figura 1. Adoção da

Leia mais

PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011

PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011 Estado do Rio Grande do Sul CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011 Boletim de Informações

Leia mais

Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho

Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho Marco Antônio Lucini Engenheiro Agrônomo Curitibanos, setembro de 2009. PRINCIPAIS DOENÇAS FÚNGICAS NA CULTURA DO ALHO Marco Antônio Lucini 1 O Brasil é um

Leia mais

Evolução das estratégias para o manejo químico de doenças do trigo

Evolução das estratégias para o manejo químico de doenças do trigo 1 Evolução das estratégias para o manejo químico de doenças do trigo Erlei Melo Reis, Sandra Maria Zoldan e Beatriz Germano OR Melhoramento de sementes Ltda, Passo Fundo, RS. 1. Introdução O manejo sustentável

Leia mais

Dionísio Brunetta Manoel Carlos Bassoi Pedro Luiz Scheeren Luís César V. Tavares Claudinei Andreoli Sérgio Roberto Dotto

Dionísio Brunetta Manoel Carlos Bassoi Pedro Luiz Scheeren Luís César V. Tavares Claudinei Andreoli Sérgio Roberto Dotto Desenvolvimento de linhagens e de cultivares de trigo de ciclo precoce e médio, das classes Pão e Melhorador, adaptadas à Região Centro-Sul Subtropical (Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul) Dionísio

Leia mais

www.revistacultivar.com.br

www.revistacultivar.com.br www.revistacultivar.com.br Soja Maio 2015 03 Plano estratégico Na batalha travada a cada safra pelos produtores de soja contra a ferrugem asiática e outras doenças que afetam a cultura, contar com tecnologia,

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL ANO III / Nº 70 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 01 A 13 DE JANEIRO DE 2014 Este Relatório apresenta algumas informações negativas para a situação fitossanitária do algodão

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE FUNGICIDAS PARA TRATAMENTO DE SEMENTES E CONTROLE DE OÍDIO E DE DOENÇAS DE FINAL DE CICLO DA SOJA, SAFRA 1998/99

RECOMENDAÇÕES DE FUNGICIDAS PARA TRATAMENTO DE SEMENTES E CONTROLE DE OÍDIO E DE DOENÇAS DE FINAL DE CICLO DA SOJA, SAFRA 1998/99 ISSN 004-564 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agropecuária Oeste Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR 6, km 5,6 - Trecho Dourados-Caarapó Caixa Postal 66 79804-970 Dourados

Leia mais

Localização. O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil.

Localização. O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Localização Peru Chile Bolívia Paraguai Uruguai Argentina Passo Fundo, RS O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Embrapa Trigo Rodovia

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho Fertilidade do Solo, Adubação e 1 Nutrição da Cultura do Milho Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno 1 1.1. Amostragem do solo A amostragem de solo com objetivo de orientar a utilização de corretivos e

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO. MAURO BRAGA Pesquisador

MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO. MAURO BRAGA Pesquisador MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO MAURO BRAGA Pesquisador Sistemas agrícolas Insetos e ácaros na soja Insetos no milho Inseticidas: manejo melhor Sistemas agrícolas Sistemas agrícolas

Leia mais

EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO. PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max)

EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO. PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) Autor(es): Apresentador: Rodrigo Ciotti Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: MOTTA, Marcelo;

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo A cultura da soja está exposta, durante gemmatalis (lagarta todo o seu ciclo, ao ataque de diferentes Pseudoplusia includens espécies de insetos. Esses insetos

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso.

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. RELATÓRIO TÉCNICO Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. Executora: P.A. Av. Nilo Torres, n 913 W, Parque Leblon, Tangará da Serra-MT CEP:

Leia mais

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon)

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon) Pragas que atacam as plântulas PRAGAS DO FEIJOEIRO Pragas que atacam as folhas Lagarta enroladeira (Omiodes indicata) Pragas que atacam as vargens Lagarta elasmo (ataca também a soja, algodão, milho, arroz,

Leia mais

Manejo da cultura da soja com foco em terras baixas. Giovani Theisen

Manejo da cultura da soja com foco em terras baixas. Giovani Theisen Manejo da cultura da soja com foco em terras baixas Giovani Theisen Soja em terras baixas» Manejo do solo e rotação» Implantação da cultura» Fixação biológica de nitrogênio» Manejo de pragas Soja requer

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 10 A 17 DE MARÇO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 10 A 17 DE MARÇO DE 2014 ANO III / Nº 78 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 10 A 17 DE MARÇO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes Semana com muitas precipitações na

Leia mais

Circular. Técnica COMPETIÇÃO DE GENÓTIPOS DE AVEIA BRANCA E AVEIA PRETA EM ARAXÁ, MG.

Circular. Técnica COMPETIÇÃO DE GENÓTIPOS DE AVEIA BRANCA E AVEIA PRETA EM ARAXÁ, MG. 12 Circular Técnica Arejacy Antônio Sobral Silva 1 Paulo de Tarso Veloso Menezes Brando 2 Nayara Aparecida da Silva 2 Emanuely Torres Melo 2 1 Professor do Uniaraxá arejacysilva@uniaraxa.edu.br 2 Graduando

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

Passo a passo na escolha da cultivar de milho

Passo a passo na escolha da cultivar de milho Passo a passo na escolha da cultivar de milho Beatriz Marti Emygdio Pesquisadora Embrapa Clima Temperado (beatriz.emygdio@cpact.embrapa.br) Diante da ampla gama de cultivares de milho, disponíveis no mercado

Leia mais

2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013

2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InFover Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VIII Nº 76 Junho de 2015 Universidade Federal de

Leia mais

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2 157 ISSN 1679-0472 Fevereiro, 2010 Dourados, MS Foto: Nilton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2010, em Cultivo Solteiro e Consorciado com Brachiaria ruziziensis, na Região

Leia mais

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia FATOS 80.000 70.000 60.000 ÁREA CULTIVADA (milhões/ha)

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.03 16 de dezembro de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais

Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo

Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo 103 Trigo no Brasil começa nos Cerrados Márcio Só e Silva Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo dos anos, tem procurado opções de culturas para melhorar, tanto agronomicamente quanto economicamente,

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Época de Aplicação de N em Cobertura no Milho em Sucessão ao Consórcio Ervilhaca/Aveia Preta Laís Corrêa Miozzo 1,

Leia mais

MANEJO DE ERVAS INVASORAS. Evitar o aumento da infestação de ervas invasoras

MANEJO DE ERVAS INVASORAS. Evitar o aumento da infestação de ervas invasoras MANEJO DE ERVAS INVASORAS Evitar o aumento da infestação de ervas invasoras O manejo do solo é o melhor procedimento para reduzir as ervas invasoras. O objetivo do manejo integrado de plantas invasoras

Leia mais

Foram quase dez mil anos de agricultura e praticamente

Foram quase dez mil anos de agricultura e praticamente 93 Buscando o trigo do terceiro milênio Gilberto R. Cunha Foram quase dez mil anos de agricultura e praticamente não houve nenhuma evolução perceptível no rendimento das lavouras de trigo, quando se compara

Leia mais

Guia de Produtos 2014. Região Sul

Guia de Produtos 2014. Região Sul Guia de Produtos 2014 Sul Eleita em 2013 a melhor empresa brasileira de sementes * *Revista Globo Rural Supervisores regionais Índice Mato Grosso do Sul Nicolas Alves Cornacioni (67) 8118 6043 nicolas.cornacioni@coodetec.com.br

Leia mais

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO LEANDRO CARLOS FERREIRA 1,3 ; ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,3 RESUMO: O sistema de cultivo

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos,

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos, colônias de café nas regiões de Araraquara e Ribeirão Preto, SP, enquanto outros se deslocaram para a capital paulista, onde viraram operários na construção civil. Anos depois, João e os filhos mudaramse

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI SISTEMAS TRADICIONAIS DE EXPLORAÇÃO DA FAZENDA: Onde é pasto sempre foi pasto e será pasto! Onde é lavoura sempre foi lavoura e será lavoura! QUASE SEMPRE

Leia mais

Herbicida 1. CULTURAS PLANTAS DANINHAS ESTÁDIO DOSE (L/ha)

Herbicida 1. CULTURAS PLANTAS DANINHAS ESTÁDIO DOSE (L/ha) COMPOSIÇÃO: PROPAQUIZAFOPE 100 g/l CLASSE: Herbicida GRUPO QUÍMICO: Ácido Ariloxifenoxipropiônico TIPO DE FORMULAÇÃO: Concentrado Emulsionável CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA III - MEDIANAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES

Leia mais

CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO

CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO TECNOAGRO Rodovia BR 060, km 11 - Condominio Rural Fundação Chapadão Casas 4, 5 e 6 - Caixa postal 39 - CEP 79.560-000 Chapadão do Sul, MS - www fundacaochapadao.com.br

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA. Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar.

SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA. Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar. SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA Moacir Roberto Darolt 1 e Francisco Skora Neto 2 1 Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar.br 2 Pesquisador IAPAR Ponta

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

Sandra Maria Santos Campanini Lebna Landgraf do Nascimento José Graças Maia de Andrade

Sandra Maria Santos Campanini Lebna Landgraf do Nascimento José Graças Maia de Andrade Transferência de tecnologias comunicação e marketing para negócios Sandra Maria Santos Campanini Lebna Landgraf do Nascimento José Graças Maia de Andrade Número do Plano de Ação: 04.02.616.02.10 Introdução

Leia mais

Data: 05/10/2012 Assunto:

Data: 05/10/2012 Assunto: Veículo: Refrescante Data: 05/10/2012 Assunto: Manejo Integrado de Pragas promove cafeicultura sustentável http://refrescante.com.br/manejo-integrado-de-pragas-promove-cafeicultura-sustentavel.html Os

Leia mais

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 212, em relação à produção obtida em 211 A quinta avaliação da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293 Página 1293 CULTIVAR BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE POLICULTIVO NA AGRICULTURA FAMILIAR DO MUNICÍPIO DE ESPERANÇA-PB - SAFRA 2009 1Waltemilton Vieira Cartaxo- Analista Embrapa Algodão, 2. José Aderaldo Trajano

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto

Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto OSistema de Plantio Direto (SPD) consolida-se cada dia mais na região. Ao mesmo tempo existe a preocupação com sua qualidade, para que traga os

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 112. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 112. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca. PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO DE 20 DE ABRIL A 17 DE MAIO DE 2015 INFORMATIVO Nº 112 1 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes Na Região de Chapadão do Sul,

Leia mais