Palavras-chave: Ensino de Ciências, Ensino Fundamental Formação Docente.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: Ensino de Ciências, Ensino Fundamental Formação Docente."

Transcrição

1 ENSINO DE CIÊNCIAS NOS ANOS INICIAIS E FORMAÇAO DE PROFESSORES: A EXPERIÊNCIA PIBID NALICENCIATURA EM PEDAGOGIA Bernadete Benetti 1, Eugenio Maria de França Ramos 2 Universidade Estadual Paulista (UNESP), São Paulo, Brasil 1 2 Resumo Apresentamos neste trabalho percepções de ex-bolsistas, participantes do subprojeto O Ensino de Ciências nas séries iniciais do Ensino Fundamental, no âmbito do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência PIBID - CAPES. Tal projeto foi desenvolvido com a participação dedoze graduandos do Curso de Pedagogia da Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP, campus de Marilia, SP, e de duas escolas de Ensino Fundamental, do município de Marilia, SP, parceiras do subprojeto, sendo uma estadual e outra municipal. No âmbito do subprojeto os bolsistas participaram, entre outras atividades, de grupos de estudos e de formação para aprofundamento teórico, elaboraram planos de ensino e implementaram atividades em salas de aula, do 1 o ao 5 o ano do Ensino Fundamental. Destacaremos a importância do subprojeto na formação de seus participantes para o trabalho com conteúdos de ciências nesse nível de escolaridade. Para isso nos fundamentaremos nos depoimentos de cinco ex-bolsistas, participantes deste estudo preliminar. Os relatos revelam que o projeto proporcionou uma rica experiência docente, oferecendo, particularmente, um aprendizado para o trabalho educativo com conteúdos de ciências, complementando e enriquecendo assim sua formação inicial. Destacam ainda, que procuram estender tal aprendizado para suas atuais práticas docentes.embora preliminar, este estudo confirma a importância de se investir na formação inicial oferecendo aos futuros professores espaços para o diálogo, as dúvidas, as trocas de ideias, as oportunidades de vivenciar e refletir sobre possibilidades de práticas educativas inovadoras bem como o suporte teórico, se almejamos formar profissionais capacitados para um ensino de ciências que contribua para a formação de uma cultura científica. Palavras-chave: Ensino de Ciências, Ensino Fundamental Formação Docente. - Anos Iniciais, Introdução Os professores dos anos iniciais, 1º ao 5º anos do Ensino Fundamental, têm sob sua responsabilidade o ensino de diferentes disciplinas, das quais poderíamos destacar: Matemática, Língua Portuguesa, Geografia, História, Artes e Ciências Naturais (Biologia, Física, Química, Geociências, Astronomia e Educação Ambiental), como sugerido em documentos curriculares, como os PCNs (BRASIL, 1997) ou as Propostas Curriculares do Estado de São Paulo (2008)

2 2 Como apoio ao desenvolvimento do trabalho educativo, escolas de todo o Brasil recebem materiais didáticos destinados ao Ensino, dos quais é ilustrativo mencionar os oriundos do Programa Nacional do Livro Didático dirigido a toda Educação Básica, inclusive com materiais destinados a Educação Infantil. Apesar de tais orientações curriculares oficiais e mesmo do oferecimento de materiais de apoio, pode-se verificar, acompanhando as atividades escolares neste nível de ensino, a dificuldade que os professores encontram para introduzir em suas práticas educacionais conhecimentos como os de Ciências da Natureza. A origem dessa situação é complexa, relacionada em nosso entendimento a própria formação do professor deste nível de ensino. Analisando a estrutura curricular da Licenciatura em Pedagogia percebe-se que - em sua formação acadêmica - dificilmente o futuro professor tem acesso a conteúdos específicos de diferentes áreas de conhecimento que irá lecionar. Isso acaba gerando no professor inseguranças com relação a conteúdos, como os das Ciências da Natureza, como indicado por diferentes pesquisadores(rocha; MEGID NETO, 2009; ROSA; PEREZ; DRUM, 2007, ZIMMERMANN E EVANGELISTA, 2007). Diferentes autores, como Lorenzetti e Delizoicov (2001), Bizzo (2009),reconhecem a importância e a necessidade de os conteúdos de ciências estarem presentes desde os primeiros anos do Ensino Fundamental. No texto dos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental (Brasil, 1997), também está presente essa preocupação ao considerar que Numa sociedade em que se convive com a supervalorização do conhecimento científico e com a crescente intervenção da tecnologia no dia-a-dia, não é possível pensar na formação de um cidadão crítico à margem do saber científico. (Brasil, 1997, p. 21) Contudo, não basta estar apenas estar presente, há que sebuscar novas formas de ensinar Ciências que ultrapassem o caráter livresco e memorístico, em que o aluno é mero expectador. Documentos curriculares, como os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) Ciências Naturais (1997) também destacam a preocupação com um ensino de Ciências que não se resuma à apresentação de conceitos, valorizando procedimentos que contribuam para um ensino mais dinâmico e participativo. Considera-se então o importante papel da escola e do professor, em proporcionar 02736

3 3 um ambiente de aprendizagem que possibilite aos estudantes a formação de uma cultura científica. Tendo em vista essas considerações, discutiremos neste trabalho a importância do subprojeto O Ensino de Ciências nas séries iniciais do Ensino Fundamental, desenvolvido no âmbito do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência PIBID-CAPES, que buscou oferecer aos bolsistas, graduandos do Curso de Pedagogia da Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP, campus de Marilia, SP, oportunidades de aproximação do ambiente escolar com vistas a refletir sobre possibilidades para o Ensino de Ciências em uma perspectiva mais dinâmica e participativa. Assim sendo tínhamos por um de nossos objetivosaproximar os futuros professores do contexto educacional, proporcionando oportunidades para elaborar atividades educacionais, sobretudo as que puderem enfocar o ensino de Ciências. Dessa forma os bolsistas participaram de grupos de estudos e de formação para aprofundamento teórico, elaboraram planos de ensino e implementaram atividades em salas de aula, do 1 o ao 5 o ano do Ensino Fundamental, em duas escolas de Ensino Fundamental do município de Marilia, SP, parceiras do subprojeto, sendo uma municipal e outra estadual. Pautados por um referencial teórico metodológico que considera o aluno como sujeito do processo educativo e o ensino de Ciências na perspectiva dialógica e problematizadora, desenvolvemos diferentes temáticas envolvendo conteúdos de Biologia, Física, Astronomia, como: Sementes e Germinação, Astronomia, Eletrostática, Relações entre seres vivos a cadeia alimentar, Reprodução Humana, O ciclo da água, com alunos dos 1 o ao 5 o anos do Ensino Fundamental, das duas escolas parceiras. Os momentos de formação, orientação, planejamento e replanejamento do trabalho educativo foi fundamental para que os bolsistas pudessem interagir com os alunos e professores em exercício, refletir sobre a importância de proporcionar um ensino de Ciências que ofereça aos alunos oportunidades de expressarem o que sabem, o que compreenderam sobre determinado fenômeno observado, bem como suas dúvidas e expectativas. O PIBID e a formação docente Após o término do projeto buscamos compreender o impacto na formação dos bolsistas participantes. Solicitamos a alguns deles que nos indicassem, por meio de um relato escrito, sobre a importância do PIBID para sua formação acadêmica e para o 02737

4 4 trabalho com o ensino de Ciências nesse nível de escolaridade. Participaram deste estudo preliminar cinco ex-bolsistas. Dada a extensão deste trabalho, apresentamos a seguir trechos dos depoimentos de dois participantes do subprojeto, que já atuam como professores em escolas públicas de Educação Infantil e de Ensino Fundamental I, que trazempercepções dos participantes quanto a importância do PIBID para o trabalho com o Ensino de Ciências nos anos iniciais: Atualmente, sou educadora em uma Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) [em uma cidade do interior do estado de São Paulo. Apesar de não ter o ensino e a matéria de Ciências como componente curricular, toda a experiência que tive como bolsistas PIBID de Ciências me fez perceber que esta é parte fundamental de nossas vidas, que não deixamos de aprender algo sobre Ciências por esta não estar intitulada como, ou ter os conteúdos explicitamente anunciados.[...] Dessa forma, procuro preparar aulas que sejam sempre significativas e levem os alunos a questionarem, levantarem hipóteses e a buscarem informações que permitam a construção de seus conhecimentos. (Bolsista1) [...] Mais do que uma formação de qualidade, o programa despertou ainda mais o interesse que eu sempre tive pelo Ensino de Ciências. Através das oficinas desenvolvidas no decorrer do subprojeto, pude não só ter a oportunidade de ensinar, mas também de aprender muitas coisas com os alunos, os quais, com seus olhares brilhantes e entusiasmados, me ensinaram muito mais do que eu poderia aprender com os livros ou durante as aulas ministradas na graduação. No ano passado, iniciei minha carreira docente ministrando aulas na rede estadual de ensino, para uma turma do 4º ano do ensino fundamental. No decorrer do ano letivo, pude colocar em prática todo o conhecimento que desenvolvi durante minha formação acadêmica, e, principalmente, o que pude aprender com a participação no PIBID. Nesse período, pude realizar o trabalho com dois projetos acerca do ensino de Ciências: Relações alimentares entre os seres vivos e Germinação de sementes. [...]Todas as atividades desenvolvidas foram baseadas em experimentos, e atividades práticas e reflexivas, que envolveram o lúdico e o saber científico. (Bolsista 2) Tais relatos indicam que o projeto PIBID ofereceu uma rica experiência docente, que eles procuram atualmente estender para suas aulas. Os diferentes momentos de estudos teóricos, diálogos com os colegas do projeto, com os professores supervisores, a participação em congressos e encontros, ampliou a formação de maneira significativa no que tange aos conhecimentos teóricos e práticos da Licenciatura em Pedagogia.Particularmente, no caso deste subprojeto, os bolsistas tiveram uma rica inserção no conteúdo de Ensino de Ciências. O trabalho por eles vivenciado foi bastante diferenciado, por incluir aspectos teórico-metodológicos,como a experimentação e conteúdos que não fizeram parte nem mesmo de sua formação na Educação Básica

5 5 Considerações Finais Consideramos que os momentos oferecidos pelo subprojeto proporcionaram um ambiente de aprendizagem, em que os bolsistas puderam visualizar possibilidades para o Ensino de Ciências bem como refletir sobre os desafios da profissão docente. Embora preliminar, este estudo destaca a importância de se investir na formação inicial oferecendo aos futuros professores espaços para o diálogo, as dúvidas, trocas de ideias, oportunidades de vivenciare refletir sobre possibilidades de práticas educativas inovadoras, bem como o suporte teórico, se almejarmos formar profissionais capacitados para um ensino de Ciências que contribua para a formação de uma cultura científica. REFERÊNCIAS BIZZO, N. Ciências: fácil ou difícil? São Paulo: Biruta, BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasília: MEC SEF, LORENZETTI, L.; DELIZOICOV, D.; A alfabetização científica no contexto das séries iniciais. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências. V. 3(1), jun.2001, p ROCHA, M. B.; MEGID NETO, J. Prática de Formação de professores para o ensino de Ciências nas séries iniciais do Ensino Fundamental. Anais, VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, ROSA, C. W. et al. O Ensino de Física nas séries iniciais: concepções da prática docente. Investigações em Ensino de Ciências, v.12 (3), p , ZIMMERMANN, E.; EVANGELISTA, P.C.Q.; Pedagogos e o Ensino de Física nas séries iniciais do Ensino Fundamental. Caderno Brasileiro de Ensino de Física. V.24(2). p ,

INTEGRAR ESCOLA E MATEMÁTICA

INTEGRAR ESCOLA E MATEMÁTICA INTEGRAR ESCOLA E MATEMÁTICA BONFIM, Isabela Prado 1 NETTO, Geisson Fernandes 2 SILVA, Élida Alves da 3 CUNHA, Juliana Bernardes Borges da 4 PALAVRAS-CHAVE: Educação, Matemática, Oficinas, Laboratório.

Leia mais

A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Silvia Helena Vieira Cruz

A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Silvia Helena Vieira Cruz A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia Helena Vieira Cruz INTRODUÇÃO Os ganhos decorrentes das experiências vividas pelas crianças em creches e pré-escolas dependem diretamente

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE)

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) Núcleo de Apoio à Prática Profissional das Licenciaturas CURSOS DE LICENCIATURAS PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Atualizado em 17 jun 2016 5º. PERÍODO 4º. PERÍODO

Leia mais

O USO DE MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A ALUNOS PORTADORES DE NECESSIDADES VISUAIS E AUDITIVAS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

O USO DE MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A ALUNOS PORTADORES DE NECESSIDADES VISUAIS E AUDITIVAS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ISSN 2316-7785 O USO DE MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A ALUNOS PORTADORES DE NECESSIDADES VISUAIS E AUDITIVAS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Alexandre da Silva Universidade Regional Integrado

Leia mais

PIBID NA ESCOLA: AÇÕES QUE PROMOVEM A MELHORIA DO ENSINO DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA

PIBID NA ESCOLA: AÇÕES QUE PROMOVEM A MELHORIA DO ENSINO DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA PIBID NA ESCOLA: AÇÕES QUE PROMOVEM A MELHORIA DO ENSINO DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA José Vinícius Fernandes Silva¹, Johab Moreira dos Santos Paiva¹, Jorge Xavier de Almeida Neto², Michelle Gomes Santos³ 1

Leia mais

PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA

PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA MANUAL DO PROJETO PEDAGÓGICO PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA LICENCIATURA Ribeirão Pires Missão da FIRP Alcançar a oferta e a prática de uma educação solidária, possibilitando

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Ms. Vanessa Paula Reginatto Dra. Miriam Ines Marchi Dra. Eniz Conceição de Oliveira Um curso de formação continuada de professores ocorreu no Centro Universitário UNIVATES,

Leia mais

CURSO e IFES: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA/UENF

CURSO e IFES: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA/UENF Música e Educação Educação de Jovens e Adultos Língua Portuguesa na Educação 2 Licenciatura plena em Letras (todas as habilitações) ou Linguística Teatro e Educação Estágio Curricular Supervisionado 1

Leia mais

AS DROGAS COMO TEMA GERADOR PARA CONTEXTUALIZAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA

AS DROGAS COMO TEMA GERADOR PARA CONTEXTUALIZAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA AS DROGAS COMO TEMA GERADOR PARA CONTEXTUALIZAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA Rafaela Alves de Andrade (1) ; Anderson Savio de Medeiros Simões (1); Kelvin Costa de Araújo (2); José Vieira da Silva (3); Oziel

Leia mais

Construção da Identidade Docente

Construção da Identidade Docente Construção da Identidade Docente Dra. Maria Saleti Ferraz Dias Ferreira saletif@gmail.com O cenário da formação dos professores universitários De quem é a incumbência de formar o professor universitário?

Leia mais

Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP

Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP Universidade de São Paulo Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP Qual a USP que queremos: A USP hoje e daqui a 20 anos Estela Damato NUSP 7693618 São Paulo 2014 Introdução Pensar no futuro de uma universidade

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Educação. Ações de formação e supervisão de estágios na área de educação especial

Universidade de São Paulo Faculdade de Educação. Ações de formação e supervisão de estágios na área de educação especial Universidade de São Paulo Faculdade de Educação Ações de formação e supervisão de estágios na área de educação especial Docentes da área: Carla Biancha Angelucci Cássia Geciauskas Sofiato Karina Soledad

Leia mais

PROJETO EDUCAÇÃO LINGUÍSTICA E INTERCULTURAL- ESPANHOL VIA PROJETOS: IMPRESSÕES E PERSPECTIVAS

PROJETO EDUCAÇÃO LINGUÍSTICA E INTERCULTURAL- ESPANHOL VIA PROJETOS: IMPRESSÕES E PERSPECTIVAS PROJETO EDUCAÇÃO LINGUÍSTICA E INTERCULTURAL- ESPANHOL VIA PROJETOS: IMPRESSÕES E PERSPECTIVAS Adriele Delgado Dias (Autora) Chaiane Viera dos Santos (Autora) Scárlati Castro de Menezes (Autora) Eliana

Leia mais

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS E LÚDICAS NAS AULAS DE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS E LÚDICAS NAS AULAS DE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A GRAVITAÇÃO UNIVERSAL ATIVIDADES INVESTIGATIVAS E LÚDICAS NAS AULAS DE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Maria Betania Guedes Cândido 1 ; Alessandro Frederico da Silveira 2 1 Escola Estadual de Ensino Médio Dr.

Leia mais

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Versão final MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA UNOESC CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 1º O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

ENSINO DE ÁREA E PERÍMETRO DE FIGURAS PLANAS COM O USO DO TANGRAM

ENSINO DE ÁREA E PERÍMETRO DE FIGURAS PLANAS COM O USO DO TANGRAM ISSN 2316-7785 ENSINO DE ÁREA E PERÍMETRO DE FIGURAS PLANAS COM O USO DO TANGRAM Denise Pasternak 1 deni.maninha@gmail.com Thaís Francielli Casadia 1 thaisfrancielly92@hotmail.com Alessandra Querino da

Leia mais

Considerações sobre os projetos institucionais do PIBID/UFRB

Considerações sobre os projetos institucionais do PIBID/UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA UFRB PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Considerações sobre os projetos institucionais do PIBID/UFRB Uma análise das edições 29,

Leia mais

A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos

A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos Organizadoras: Francisca Izabel Pereira Maciel Mônica Correia Baptista Sara Mourão Monteiro Estrutura da exposição 1. O contexto

Leia mais

Destaca iniciativa do Ministério da Educação de ampliar o crédito estudantil para o financiamento dos cursos superiores a distância.

Destaca iniciativa do Ministério da Educação de ampliar o crédito estudantil para o financiamento dos cursos superiores a distância. ** Discurso pronunciado pelo Deputado GONZAGA PATRIOTA PSB/PE Na Sessão do dia / / Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Destaca iniciativa do Ministério da Educação de ampliar o crédito estudantil

Leia mais

RELAÇÃO DOS TRABALHOS XVIII ENACED

RELAÇÃO DOS TRABALHOS XVIII ENACED RELAÇÃO DOS TRABALHOS XVIII ENACED Abaixo, a relação dos trabalhos aptos ou inaptos para apresentação e/ou publicação. Caso alguém queira o parecer do seu trabalho não aprovado, favor entrar em contato

Leia mais

A DEDUÇÃO DAS FÓRMULAS PARA OS CÁLCULOS DAS ÁREAS DAS FIGURAS PLANAS A PARTIR DO TANGRAM

A DEDUÇÃO DAS FÓRMULAS PARA OS CÁLCULOS DAS ÁREAS DAS FIGURAS PLANAS A PARTIR DO TANGRAM A DEDUÇÃO DAS FÓRMULAS PARA OS CÁLCULOS DAS ÁREAS DAS FIGURAS PLANAS A PARTIR DO TANGRAM Elizete Maria Possamai Ribeiro 1, Marleide Coan Cardoso 2, Álvaro Maciel 3 1 Instituto Federal Catarinense Campus

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação Continuada. Alfabetização. Professores. Anos Iniciais.

PALAVRAS-CHAVE Formação Continuada. Alfabetização. Professores. Anos Iniciais. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

TÓPICOS DE RELATIVIDADE E NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO MÉDIO: DESIGN INSTRUCIONAL EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM.

TÓPICOS DE RELATIVIDADE E NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO MÉDIO: DESIGN INSTRUCIONAL EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM. TÓPICOS DE RELATIVIDADE E NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO MÉDIO: DESIGN INSTRUCIONAL EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM. Palavras-chave: física moderna, ambiente virtual de aprendizagem, design instrucional,

Leia mais

Palavras chaves: Recurso didático; bioquímica; ensino médio.

Palavras chaves: Recurso didático; bioquímica; ensino médio. A UTILIZAÇÃO DE RERCURSO DIDÁTICO PARA O ENSINO DA BIOQUÌMICA Juliana bezerra dos santos (UFPE/CAV) Valéria Bezerra da Silva (UFPE/CAV) Renata Priscila Alves da Silva (UFPE/CAV) Elis Carla de Moura Lima

Leia mais

O uso de jogos didáticos como instrumento motivador para o ensino de química: o jogo Banco Atômico Químico Ana Beatriz Francelino Jota Universidade

O uso de jogos didáticos como instrumento motivador para o ensino de química: o jogo Banco Atômico Químico Ana Beatriz Francelino Jota Universidade O uso de jogos didáticos como instrumento motivador para o ensino de química: o jogo Banco Atômico Químico Ana Beatriz Francelino Jota Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional

Leia mais

TÍTULO: PROJETO EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS (EJA) CIDADÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE ESCOLA.

TÍTULO: PROJETO EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS (EJA) CIDADÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE ESCOLA. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROJETO EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS (EJA) CIDADÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE

Leia mais

ENSINO DE ADIÇÃO DE FRAÇÕES HETEROGÊNEAS: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DE AÇÕES DE MONITORIA 1

ENSINO DE ADIÇÃO DE FRAÇÕES HETEROGÊNEAS: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DE AÇÕES DE MONITORIA 1 ENSINO DE ADIÇÃO DE FRAÇÕES HETEROGÊNEAS: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DE AÇÕES DE MONITORIA 1 Joici Lunardi 2, Rafael Da Anunciação Gonçalves 3, Isabel Koltermann Battisti 4. 1 Texto produzido a partir

Leia mais

O currículo do Ensino Religioso: formação do ser humano a partir da diversidade cultural

O currículo do Ensino Religioso: formação do ser humano a partir da diversidade cultural O currículo do Ensino Religioso: formação do ser humano a partir da diversidade cultural Prof. Ms. Henri Luiz Fuchs Pedagogo e teólogo. Professor no Centro Universitário La Salle, Canoas, RS. Integrante

Leia mais

CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS ACERCA DO LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS NO ENSINO FUNDAMENTAL DO 6º AO 9º ANOS DO MUNICÍPIO DE ALTOS PI

CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS ACERCA DO LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS NO ENSINO FUNDAMENTAL DO 6º AO 9º ANOS DO MUNICÍPIO DE ALTOS PI CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS ACERCA DO LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS NO ENSINO FUNDAMENTAL DO 6º AO 9º ANOS DO MUNICÍPIO DE ALTOS PI Isaura Pereira de Araújo Mesquita Graduanda em Licenciatura em Língua

Leia mais

Aula 7 Projeto integrador e laboratório.

Aula 7 Projeto integrador e laboratório. Projeto integrador e laboratório Conteúdos da aula 2. Laboratório 2 O Projeto integrador: uma forma de evidenciar o saber Ao ingressar no ensino técnico, os alunos se deparam com a questão da formatação

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. O que são os Parâmetros Curriculares Nacionais? (A) Um documento com leis educacionais. (B) Um livro didático para ser aplicado em sala. (C) Um referencial para

Leia mais

CAPACITAÇÃO PRÁTICA DO USO DO GEOPROCESSAMENTO EM PROJETOS

CAPACITAÇÃO PRÁTICA DO USO DO GEOPROCESSAMENTO EM PROJETOS CAPACITAÇÃO PRÁTICA DO USO DO GEOPROCESSAMENTO EM PROJETOS Reis 1, Christiane Maria Moura Silva 2, Araci Farias Segundo Neto 3, Francisco Vilar de Araújo RESUMO O presente trabalho refere-se aos resultados

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Introdução à Engenharia Civil Código: ENGCIV- 000 CH Total: 30 Pré-requisito: -----

Leia mais

MEMORIZAR PARA APRENDER: O USO DO JOGO DA MEMORIA NO ENSINO DA QUÍMICA.

MEMORIZAR PARA APRENDER: O USO DO JOGO DA MEMORIA NO ENSINO DA QUÍMICA. 1 MEMORIZAR PARA APRENDER: O USO DO JOGO DA MEMORIA NO ENSINO DA QUÍMICA. CAÔN FILHO, Osmar 1 DEL PINO, Kristiane Fanti 2 OLIVEIRA, Larissa Nayara de 3 BRITO, Tainá Mendonça 4 INTRODUÇÃO A disciplina de

Leia mais

GUIA DO PROFESSOR SHOW DA QUÍMICA

GUIA DO PROFESSOR SHOW DA QUÍMICA Conteúdos: Tempo: Objetivos: Descrição: Produções Relacionadas: Estudo dos gases Uma aula de 50 minutos SHOW DA QUÍMICA Testar o conhecimento do aluno quanto à teoria dos gases. Os alunos de um colégio

Leia mais

Objetivo geral: Construir a partir de dados históricos um conceito de globalização;

Objetivo geral: Construir a partir de dados históricos um conceito de globalização; UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES. DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) I. Plano de Aula: Data:

Leia mais

O USO DE EXPERIMENTOS COM MATERIAIS ALTERNATIVOS NO ENSINO DE ELETROSTÁTICA

O USO DE EXPERIMENTOS COM MATERIAIS ALTERNATIVOS NO ENSINO DE ELETROSTÁTICA O USO DE EXPERIMENTOS COM MATERIAIS ALTERNATIVOS NO ENSINO DE ELETROSTÁTICA Francinaldo Maciel de Brito PPGECM/UEPB francinaldo.uepb@hotmail.com Dr. Alessandro Frederico da Silveira PPGECM/UEPB alessandrofred@yahoo.com.br

Leia mais

PROFISSÕES A ESCOLHA CERTA

PROFISSÕES A ESCOLHA CERTA PROFISSÕES A ESCOLHA CERTA Sala 15 Temas Diversificados EM Integral E.E. PROFESSOR MILTON DA SILVA RODRIGUES Professores Apresentadores: CLEONICE PAES DE BARROS CLAUDIO ROMUALDO Realização: Justificativa

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU507 DISCIPLINA: METODOLOGIA DA PESQUISA EM EDUCAÇÃO II CARGA HORÁRIA: 30h EMENTA: Execução

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO PIBID/FAI 2014 Edital 04/2014 Dados do Docente Escola: Nome: CPF: RG: Endereço: Cidade: Telefone: Celular: Email: Área(s) onde o professor concorrerá: Ensino Infantil ( ) Pedagogia Ensino

Leia mais

Relatório de participação no PIBID

Relatório de participação no PIBID Relatório de participação no PIBID Julio Cesar Bertolotti 1 Relatório de participação no PIBID Sumário Objetivo... 3 Expectativas iniciais... 4 Introdução... 5 Atividades Exercidas... 6 Conclusão... 9

Leia mais

Palavras-chave: PIBID, prática docente, Ciências Biológicas

Palavras-chave: PIBID, prática docente, Ciências Biológicas Ensino Lúdico e Aprendizagem Significativa em Ciências Tatiana Aparecida Tosta UNIUBE thatitosta@hotmail.com Lilian Costa Souza Guimarães guimaraeslcj@uol.com.br Tatiana Candido de Oliveira UNIUBE tatianacandidodeoliveira@gmail.com

Leia mais

A Matemática na busca da profissão. Eixo temático: Etnomatemática e as relações entre tendências em educação Matemática.

A Matemática na busca da profissão. Eixo temático: Etnomatemática e as relações entre tendências em educação Matemática. A Matemática na busca da profissão 078400854-07 Maria Isabel da Costa Pereira Joélia dos Santos Medeiros Klêffiton Soares da Cruz Orientadora: Giselle Costa de Sousa Eixo temático: Etnomatemática e as

Leia mais

LIVRO DIDÁTICO E SALA DE AULA OFICINA PADRÃO (40H) DE ORIENTAÇÃO PARA O USO CRÍTICO (PORTUGUÊS E MATEMÁTICA)

LIVRO DIDÁTICO E SALA DE AULA OFICINA PADRÃO (40H) DE ORIENTAÇÃO PARA O USO CRÍTICO (PORTUGUÊS E MATEMÁTICA) O LIVRO DIDÁTICO NA SALA DE AULA DO ENSINO FUNDAMENTAL: 5ª A 8ª SÉRIES CLEITON BATISTA DE VASCONCELOS 2 LIVRO DIDÁTICO E SALA DE AULA: ESCOLHA E MODOS DE USAR (PNLD EM AÇÃO) LIVRO DIDÁTICO E SALA DE AULA

Leia mais

COLETA DE DADOS E PRODUÇÃO DE GRÁFICOS EM UMA ATIVIDADE SOBRE TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO MÉDIO

COLETA DE DADOS E PRODUÇÃO DE GRÁFICOS EM UMA ATIVIDADE SOBRE TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO MÉDIO COLETA DE DADOS E PRODUÇÃO DE GRÁFICOS EM UMA ATIVIDADE SOBRE TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO MÉDIO Talita Moraes Modolo 1 Lauro Chagas e Sá 2 Cátia Aparecida Palmeira 3 Agência financiadora: CAPES

Leia mais

O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DAS AÇÕES DE UMA ESCOLA PÚBLICA 1

O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DAS AÇÕES DE UMA ESCOLA PÚBLICA 1 O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DAS AÇÕES DE UMA ESCOLA PÚBLICA 1 Maira Simoni Brigo 2, Joici Lunardi 3, Bruna Maroso De Oliveira 4, Isabel Koltermann Battisti 5. 1 Texto produzido

Leia mais

Metodologias de Ensino para a Melhoria do Aprendizado

Metodologias de Ensino para a Melhoria do Aprendizado Metodologias de Ensino para a Melhoria do Aprendizado Victor Ulisses Pugliese viktao@msn.com IFSP Eduardo Noboru Sasaki ensasaki@uol.com.br IFSP Resumo:O projeto tem por objetivo a pesquisa e o estudo

Leia mais

Mestrados Profissionais em Ensino: Características e Necessidades

Mestrados Profissionais em Ensino: Características e Necessidades Mestrados Profissionais em Ensino: Características e Necessidades Carlos Eduardo Aguiar Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Instituto de Física, Universidade Federal do Rio de Janeiro www.if.ufrj.br/~pef/

Leia mais

Elaborado por Undime Goiás http://go.undime.org.br

Elaborado por Undime Goiás http://go.undime.org.br http://basenacionalcomum.mec.gov.br Neste portal, você pode conhecer a proposta de BNC que foi elaborada por 116 especialistas de 35 IES de nosso país Pode também interagir com o documento preliminar da

Leia mais

O profissional da informação e o papel de educador em uma Escola Técnica de Porto Alegre-RS

O profissional da informação e o papel de educador em uma Escola Técnica de Porto Alegre-RS Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) O profissional da informação e o papel de educador em uma Escola Técnica de Porto Alegre-RS Luciane Berto Benedetti (GHC) - lucianeberto@yahoo.com.br Resumo: Relata a experiência

Leia mais

LICENCIATURA EM FÍSICA

LICENCIATURA EM FÍSICA LICENCIATURA EM FÍSICA COORDENADOR Robson Luiz Santos robsonls@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2010 63 ATUAÇÃO O curso de Licenciatura em Física oferece ao estudante a oportunidade de obter ampla formação

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance EDITAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA- PIBID/2015 EDITAL Nº 01/2015- SELEÇÃO DE BOLSISTAS SUPERVISORES PARA O PIBID. O Núcleo de Pesquisa da Faculdade de Ciências Humanas e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA ESCOLA DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA ESCOLA DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA ESCOLA DE MATEMÁTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA O presente

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO COM JOGOS

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO COM JOGOS ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO COM JOGOS Janaina da Silva Lourenção/Bolsista PIBID/CAPES/UFGD 1 Deborah Salette Fernandes Cruz/Supervisora do PIBID/PEDAGOGIA/CAPES/UFGD 2 Maria de Lourdes dos Santos/Coordenadora

Leia mais

Soletrando o Br- As- I- L com símbolos químicos

Soletrando o Br- As- I- L com símbolos químicos Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Química DQ PIBID - Química Soletrando o Br- As- I- L com símbolos químicos Antônio Joaquim Franco- Mariscal e Maria José Cano- Iglesias Bolsista:

Leia mais

TÍTULO: A ARTE COMO PROCESSO EDUCATIVO: UM ESTUDO SOBRE A PRÁTICA DO TEATRO NUMA ESCOLA PÚBLICA.

TÍTULO: A ARTE COMO PROCESSO EDUCATIVO: UM ESTUDO SOBRE A PRÁTICA DO TEATRO NUMA ESCOLA PÚBLICA. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A ARTE COMO PROCESSO EDUCATIVO: UM ESTUDO SOBRE A PRÁTICA DO TEATRO NUMA ESCOLA PÚBLICA. CATEGORIA:

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL PARA A DOCÊNCIA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: O QUE PENSAM OS ESTUDANTES

FORMAÇÃO INICIAL PARA A DOCÊNCIA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: O QUE PENSAM OS ESTUDANTES FORMAÇÃO INICIAL PARA A DOCÊNCIA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: O QUE PENSAM OS ESTUDANTES Flaviane Pelloso Molina Freitas Karen Regiane Soriano Simara Pereira da Mata Caroline de Vasconcelos Flamínio Tainá de Oliveira

Leia mais

O SIGNIFICADO DA PESQUISA SEGUNDO PROFESSORES FORMADORES ENS,

O SIGNIFICADO DA PESQUISA SEGUNDO PROFESSORES FORMADORES ENS, O SIGNIFICADO DA PESQUISA SEGUNDO PROFESSORES FORMADORES ENS, Romilda Teodora PUCPR/PUCSP romilda@bruc.com.br GT: Formação de Professores / n. 08 Agência Financiadora: Sem Financiamento Introdução A palavra

Leia mais

Atividades Complementares: Resolução 078 de 05/10/2007 e possíveis adaptações às necessidades do EaD

Atividades Complementares: Resolução 078 de 05/10/2007 e possíveis adaptações às necessidades do EaD III Encontro dos Estudantes de Administração e Turismo Presencial e à Distância Atividades Complementares: Resolução 078 de 05/10/2007 e possíveis adaptações às necessidades do EaD Profa. Isabela de Fátima

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO 1 ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO EDITAL Nº 2.009 / 2016/ SED RETIFICAÇÃO (ALTERA o Edital n. 1.960 /2016 / SED) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

SALA DE APOIO À APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS PARA OS 6ºS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ESPAÇO COMPLEMENTAR DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

SALA DE APOIO À APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS PARA OS 6ºS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ESPAÇO COMPLEMENTAR DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 7.014, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº 7.014, DE 2013 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 7.014, DE 2013 Dá nova redação ao artigo 64 da Lei n 9.394/96, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Autor: Deputado ADEMIR CAMILO Relator: Deputado

Leia mais

Iapony Rodrigues Galvão Mestre em Geografia/UFRN e Professor do DGC-CERES/UFRN iapony@ufrnet.br

Iapony Rodrigues Galvão Mestre em Geografia/UFRN e Professor do DGC-CERES/UFRN iapony@ufrnet.br GT 1: ENSINO DE GEOGRAFIA O XADREZ COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA: A EXPERIÊNCIA DO PIBID NA ESCOLA ESTADUAL FLORIANO CAVALCANTI, EM NATAL /RN Kellia de Oliveira Bezerril Graduanda em Geografia/UFRN

Leia mais

A TABELA PERIÓDICA: JOGO DOS ELEMENTOS QUÍMICOS

A TABELA PERIÓDICA: JOGO DOS ELEMENTOS QUÍMICOS A TABELA PERIÓDICA: JOGO DOS ELEMENTOS QUÍMICOS Maria Patricia Alves do Carmo Araujo 1 *, Maria Regilane de Sousa Rodrigues 1, Eduardo da Silva Firmino 1, Sara Jane de Oliveira 1, Neidimar Lopes Matias

Leia mais

CONCEPÇÕES E REFLEXÕES A CERCA DO CAMPO DE ESTÁGIO EM GEOGRAFIA: UM ESTUDO DE DUAS SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL

CONCEPÇÕES E REFLEXÕES A CERCA DO CAMPO DE ESTÁGIO EM GEOGRAFIA: UM ESTUDO DE DUAS SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 CONCEPÇÕES E REFLEXÕES A CERCA DO CAMPO DE ESTÁGIO EM GEOGRAFIA: UM ESTUDO DE DUAS SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL Aline Ross Carlos Eduardo das Neves 1 RESUMO: Este texto aponta algumas reflexões sobre

Leia mais

de professores para os desenhos de crianças, de

de professores para os desenhos de crianças, de RESENHA Ver depois de olhar: a formação do olhar de professores para os desenhos de crianças, de Silvana de Oliveira Augusto Estela Bonci* O livro Ver depois de olhar: a formação do olhar de professores

Leia mais

PROJETO NÚCLEO DE ESTUDOS DE ENSINO DA MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR

PROJETO NÚCLEO DE ESTUDOS DE ENSINO DA MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR PROJETO NÚCLEO DE ESTUDOS DE ENSINO DA MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR Márcia Aurélia Stopassoli (Universidade Regional de Blumenau stopa@furb.br) Rosinete Gaertner (Universidade Regional

Leia mais

PARA PENSAR O ENSINO DE FILOSOFIA

PARA PENSAR O ENSINO DE FILOSOFIA PARA PENSAR O ENSINO DE FILOSOFIA Rosevânio de Britto Oliveira UEPB e-mail: rosevaniobritto@hotmail.com Prof. Dr. Valmir Pereira UEPB e-mail: provalmir@gmail.com Introdução Temos consciência de que a educação

Leia mais

Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando

Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando a improvisação e a rotina. Explicitar princípios, diretrizes

Leia mais

NOME DO CURSO: A Gestão do Desenvolvimento Inclusivo da Escola Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância. Parte 1 Código / Área Temática

NOME DO CURSO: A Gestão do Desenvolvimento Inclusivo da Escola Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância. Parte 1 Código / Área Temática NOME DO CURSO: A Gestão do Desenvolvimento Inclusivo da Escola Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação

Leia mais

CAPÍTULO II DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO II DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento dispõe sobre as normas e procedimentos a serem observados

Leia mais

Professores Regentes: Angela Aparecida Bernegozze Marlei Aparecida Lazarin Asoni Marlene Antonia de Araujo

Professores Regentes: Angela Aparecida Bernegozze Marlei Aparecida Lazarin Asoni Marlene Antonia de Araujo 4 1. IDENTIFICAÇÃO Título do Projeto: Trabalhando a tabuada através de jogos on-line Público Alvo: Alunos do 3º e 5º do Ensino Fundamental Turno: Matutino Disciplinas Envolvidas: Matemática Professores

Leia mais

Formação Continuada do Professor de Matemática: um caminho possível

Formação Continuada do Professor de Matemática: um caminho possível Formação Continuada do Professor de Matemática: um caminho possível Ana Lúcia dos Santos CABRAL Instituto de Matemática e Estatística; analucia.mat@hotmail.com José Pedro Machado RIBEIRO Instituto de Matemática

Leia mais

ERRATA AO EDITAL DA SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 001/2016 SME

ERRATA AO EDITAL DA SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 001/2016 SME ERRATA AO EDITAL DA SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 00/206 SME A PREFEITURA MUNICIPAL DO CABO DE SANTO AGOSTINHO/PE, no uso de suas atribuições, resolve SUPRIMIR o item.0 do Edital da Seleção Pública Simplificada

Leia mais

SUBPROJETO PIBID/PUCPR LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: PRODUÇÕES, IMPACTOS E DIFICULDADES

SUBPROJETO PIBID/PUCPR LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: PRODUÇÕES, IMPACTOS E DIFICULDADES SUBPROJETO PIBID/PUCPR LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: PRODUÇÕES, IMPACTOS E DIFICULDADES Resumo Luís Rogério de Albuquerque 1 - PUCPR Maria Cristina Kogut 2 - PUCPR Grupo de Trabalho Formação de Professores

Leia mais

ENEM COMO PROPOSTA PEDAGÓGICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA

ENEM COMO PROPOSTA PEDAGÓGICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA ENEM COMO PROPOSTA PEDAGÓGICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA Dionata Jakson Garcia Bragança Eudelaine Zocche Hellainy Lopes Santos Wanessa Hoffmann Filiação Institucional: IFMT Campus Juína Resumo O PIBID (Programa

Leia mais

Eixo Temático: (Resolução de Problemas e Investigação Matemática) TRABALHANDO COM A TRIGONOMETRIA

Eixo Temático: (Resolução de Problemas e Investigação Matemática) TRABALHANDO COM A TRIGONOMETRIA (ISBN N. 978-85-98092-14-0) Eixo Temático: (Resolução de Problemas e Investigação Matemática) TRABALHANDO COM A TRIGONOMETRIA Ana Rita DOMINGUES UNESP SP (anarita_smiley@hotmail.com) Jaime Edmundo Apaza

Leia mais

As Licenciaturas nas Instituições Comunitárias de Ensino Superior (ICES)

As Licenciaturas nas Instituições Comunitárias de Ensino Superior (ICES) As Licenciaturas nas Instituições Comunitárias de Ensino Superior (ICES) - relatório preliminar da pesquisa- 1. Instituições participantes A pesquisa obteve respostas de 35 ICES, filiadas à ABRUC. 1 Centro

Leia mais

Palavras-chave: Paulo Freire. Formação Permanente de Professores. Educação Infantil.

Palavras-chave: Paulo Freire. Formação Permanente de Professores. Educação Infantil. FORMAÇÃO PERMANENTE DOS EDUCADORES EM UMA UNIDADE ESCOLAR DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS NA PERSPECTIVA FREIREANA Ilka Campos Amaral Arnholdt Pontifícia Universidade Católica PUC/SP RESUMO Esta pesquisa tem

Leia mais

SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA O PROJETO PIBID DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA O PROJETO PIBID DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Edital nº 19, 21 de janeiro de 2013 SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA O PROJETO PIBID DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO A Pró-reitoria de Graduação (PR1) torna público

Leia mais

OS DESAFIOS DE TRABALHAR A INTERDISCIPLINARIDADE NA VISÃO DOS PROFESSORES DE UMA ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE SOBRAL/CE

OS DESAFIOS DE TRABALHAR A INTERDISCIPLINARIDADE NA VISÃO DOS PROFESSORES DE UMA ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE SOBRAL/CE OS DESAFIOS DE TRABALHAR A INTERDISCIPLINARIDADE NA VISÃO DOS PROFESSORES DE UMA ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE SOBRAL/CE 1 Maria do Livramento Oliveira Nascimento; Ana Paula Feijão

Leia mais

O ENSINO NUMA ABORDAGEM CTS EM ESCOLA PÚBLICA DE GOIÂNIA

O ENSINO NUMA ABORDAGEM CTS EM ESCOLA PÚBLICA DE GOIÂNIA O ENSINO NUMA ABORDAGEM CTS EM ESCOLA PÚBLICA DE GOIÂNIA Rafaella Rodrigues Santos 1 Danielle Regina de Ávila 2 Paulo Vinícius de Carvalho 3 Mirian Pacheco Silva 4 RESUMO: Pensando na formação de sujeitos

Leia mais

SISTEMA DE EDUCAÇÃO. www.logosofico.com.br. 9 de abril - sábado, das 8h às 12h15

SISTEMA DE EDUCAÇÃO. www.logosofico.com.br. 9 de abril - sábado, das 8h às 12h15 SISTEMA 9 de abril - sábado, das 8h às 12h15 SISTEMA Local: Colégio Logosófico Unidade Funcionários Rua Piauí, 742 Bairro Funcionários Fone: (31) 3218-1717 Inscrições pelo e-mail: cursos-fc@colegiologosofico.com.br

Leia mais

EXPLORANDO O COMPRIMENTO DA CIRCUNFERÊNCIA COM O USO DE MATERIAL DIDÁTICO DE MANIPULAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

EXPLORANDO O COMPRIMENTO DA CIRCUNFERÊNCIA COM O USO DE MATERIAL DIDÁTICO DE MANIPULAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EXPLORANDO O COMPRIMENTO DA CIRCUNFERÊNCIA COM O USO DE MATERIAL DIDÁTICO DE MANIPULAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Introdução Ayze Jammylle Batista Ferreira¹ ayzeifpb@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Cristiane Patrícia Genésio da Silva Graduação Pedagogia UEG/Formosa-GO crispati406@gmail.com Maria Isabel Nascimento Ledes Docente Pedagogia

Leia mais

A TABELA PERÍÓDICA EM LIBRAS COMO INSTRUMENTO DE ACESSIBILIDADE PARA O ESTUDANTE SURDO NO APRENDIZADO DA QUÍMICA. Introdução

A TABELA PERÍÓDICA EM LIBRAS COMO INSTRUMENTO DE ACESSIBILIDADE PARA O ESTUDANTE SURDO NO APRENDIZADO DA QUÍMICA. Introdução A TABELA PERÍÓDICA EM LIBRAS COMO INSTRUMENTO DE ACESSIBILIDADE PARA O ESTUDANTE SURDO NO APRENDIZADO DA QUÍMICA *Deivisson Santos da Silva, Elias de Melo, Joferlândia Grigório Siqueira, Marcos Rogério

Leia mais

Estrutura curricular da Licenciatura em Educação Básica 2015/2016

Estrutura curricular da Licenciatura em Educação Básica 2015/2016 Estrutura curricular da Licenciatura em Educação Básica 2015/2016 Sigla Obrigatórios Optativos Educação FEG 18 2 Português FAD 30 Matemática FAD 30 5 Estudo do Meio FAD 30 Expressão Físico-Motora FAD 6

Leia mais

O que o professor de matemática deve fazer para que seu aluno tenha motivação, interesse e dedicação em sua aula?

O que o professor de matemática deve fazer para que seu aluno tenha motivação, interesse e dedicação em sua aula? RENILSON ANDRADE COSTA¹ O que o professor de matemática deve fazer para que seu aluno tenha motivação, interesse e dedicação em sua aula? Dezembro/ 2014 SUMÁRIO 1- Introdução 2 - Motivação em sala de aula

Leia mais

Utilizando o Modelo Webquest para a Aprendizagem de Conceitos Químicos Envolvidos na Camada de Ozônio

Utilizando o Modelo Webquest para a Aprendizagem de Conceitos Químicos Envolvidos na Camada de Ozônio Utilizando o Modelo Webquest para a Aprendizagem de Conceitos Químicos Envolvidos na Camada de Ozônio Thiago do Nascimento Silva (IC) - thyaggo.nascimento@gmail.com Zara Íris Maciano de Andrada (IC) -

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD-UENP. EDITAL PROGRAD/PIBID nº 09/2013

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD-UENP. EDITAL PROGRAD/PIBID nº 09/2013 EDITAL PROGRAD/PIBID nº 09/2013 SELEÇÃO DE BOLSISTAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) - PIBID/UENP A Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP),

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO LIVRO DIDÁTICO DE GEOGRAFIA NA PRÁTICA DOCENTE

A INFLUÊNCIA DO LIVRO DIDÁTICO DE GEOGRAFIA NA PRÁTICA DOCENTE A INFLUÊNCIA DO LIVRO DIDÁTICO DE GEOGRAFIA NA PRÁTICA DOCENTE ¹PEREIRA, Priscila Santos; Graduada pela UFCG priscila.badcat@hotmail.com INTRODUÇÃO A proposta desta pesquisa vem no sentido de verificar

Leia mais

Cursos Educar [PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO] Prof. M.Sc. Fábio Figueirôa

Cursos Educar [PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO] Prof. M.Sc. Fábio Figueirôa Cursos Educar Prof. M.Sc. Fábio Figueirôa [PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO] O curso tem o objetivo de ensinar aos alunos de graduação e de pós-graduação, as técnicas de produção de artigos científicos, nas

Leia mais

Aluno, é assim que se faz

Aluno, é assim que se faz Aluno, é assim que se faz SILVA, Elizabeth Maria da (Org.). Professora, como é que se faz? Campina Grande: Editora Bagagem, 2012 Guilherme Arruda do Egito 1 Universidade Federal de Campina Grande O livro

Leia mais

WORKSHOP: CONTEXTUALIZANDO PROPRIEDADES COLIGATIVAS

WORKSHOP: CONTEXTUALIZANDO PROPRIEDADES COLIGATIVAS WORKSHOP: CONTEXTUALIZANDO PROPRIEDADES COLIGATIVAS Julio dos Santos Ferreira Costa 1 ; Ingrine Shérida da Silva 1 ; Jeissy Maelly Silva Monteiro 1 Maycon dos Santos Moraes 2 ; Roberto Araújo Sá 1. 1 Universidade

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE FUNGOS PRESENTES NO NOSSO DIA-A-DIA ATRAVÉS DE AULAS PRÁTICAS

IDENTIFICAÇÃO DE FUNGOS PRESENTES NO NOSSO DIA-A-DIA ATRAVÉS DE AULAS PRÁTICAS IDENTIFICAÇÃO DE FUNGOS PRESENTES NO NOSSO DIA-A-DIA ATRAVÉS DE AULAS PRÁTICAS Viviane Estácio de Paula¹ vivianeestaciodpaula@bol.com.br, Ana Paula Weiwanko², Ângela Tavares Martins³, Emanuelli Gemelli

Leia mais

GINCANA DA FÍSICA: UMA PROPOSTA DE ATIVIDADE LÚDICA PARA O ENSINO MÉDIO

GINCANA DA FÍSICA: UMA PROPOSTA DE ATIVIDADE LÚDICA PARA O ENSINO MÉDIO GINCANA DA FÍSICA: UMA PROPOSTA DE ATIVIDADE LÚDICA PARA O ENSINO MÉDIO Renally Gonçalves da Silva¹; Alessandro Frederico da Silveira² 1 Universidade Estadual da Paraíba, renally.gs@gmail.com 2 Universidade

Leia mais

Professores colaboradores: Claudemir, David Cardoso Siqueira, Edilson Araujo do Nascimento, Emerson, Glaucia, Luciene Maria da Silva Oliveira

Professores colaboradores: Claudemir, David Cardoso Siqueira, Edilson Araujo do Nascimento, Emerson, Glaucia, Luciene Maria da Silva Oliveira 1. NOME OU TÍTULO DO PROJETO: Conhecendo minha cidade 2. DADOS DE IDENTIFICAÇAO Área ou Disciplina de Origem: Matemática Professor coordenador: Professores colaboradores: Claudemir, David Cardoso Siqueira,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ DALGLISH GOMES ESTRUTURAS CRISTALINAS E MOLECULARES NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ DALGLISH GOMES ESTRUTURAS CRISTALINAS E MOLECULARES NA PRÁTICA PEDAGÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ DALGLISH GOMES ESTRUTURAS CRISTALINAS E MOLECULARES NA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO A utilização de materiais de fácil manuseio pode levar a um

Leia mais

GINÁSTICA E PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES NA ESCOLA MARIA LUIZA COSTA E RÊGO.

GINÁSTICA E PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES NA ESCOLA MARIA LUIZA COSTA E RÊGO. GINÁSTICA E PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES NA ESCOLA MARIA LUIZA COSTA E RÊGO. Autor: Renan Santos Furtado (FURTADO, Renan) UFPA renan.furtado@yahoo.com.br Coautores: Leandro Henrique

Leia mais

A INTERAÇÃO DO PIBID-BIOLOGIA JUNTAMENTE COM AS CRIANÇAS DO LAR ESPIRITA SÃO VICENTE DE PAULA SITUADO NA CIDADE DE CERES-GO

A INTERAÇÃO DO PIBID-BIOLOGIA JUNTAMENTE COM AS CRIANÇAS DO LAR ESPIRITA SÃO VICENTE DE PAULA SITUADO NA CIDADE DE CERES-GO 1 A INTERAÇÃO DO PIBID-BIOLOGIA JUNTAMENTE COM AS CRIANÇAS DO LAR ESPIRITA SÃO VICENTE DE PAULA SITUADO NA CIDADE DE CERES-GO TEIXEIRA, Natalia D.N. ¹ ; SOARES, Leucivânia S.²; NUNES,Patrícia G.³. ¹ Instituto

Leia mais