CENTROGRÃOS: UMA ALTERNATIVA DE COMERCIALIZAÇÃO DE SOJA E FINANCIAMENTO AGRÍCOLA EM MATO GROSSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTROGRÃOS: UMA ALTERNATIVA DE COMERCIALIZAÇÃO DE SOJA E FINANCIAMENTO AGRÍCOLA EM MATO GROSSO"

Transcrição

1 1 CENTROGRÃOS: UMA ALTERNATIVA DE COMERCIALIZAÇÃO DE SOJA E FINANCIAMENTO AGRÍCOLA EM MATO GROSSO Fabiana Batista Nídia Guerra Gomes Tatiana Eloá Pilger Adriano Marcos Rodrigues Figueiredo RESUMO O crédito agrícola no Brasil atende hoje apenas 20% da necessidade do setor produtivo nacional. Assim como no restante do País, em Mato Grosso a expansão da produção agrícola vem dependendo da busca de alternativas de financiamento. O problema, no caso da soja, é que a opção mais comum no Estado vem sendo a captação de recursos junto às tradings a juros de 18% ao ano, ou com o comprometimento de grande parte da produção. Nesse contexto, este trabalho analisou os efeitos da criação de um escritório central de comercialização de soja em Mato Grosso, visando assessorar o produtor em todas as etapas que envolvem o processo de financiamento e venda de sua produção. Analisaram-se comparativamente duas opções de obtenção de recursos, via tradings e via Adiantamento sobre Contrato de Câmbio. Essa última alternativa realizada via escritório de assessoramento apresentou custos financeiros menores do que via tradings, da ordem de 3% e, ainda, permite que o produtor tenha recursos para custear sua lavoura, de forma independente das tradings. Palavras-chave: comercialização, financiamento agrícola e rentabilidade do produtor. I. INTRODUÇÃO Os financiamentos concedidos à agricultura vêm sendo reduzidos a cada ano, o que pressionou para a busca de formas alternativas de obter recursos para o produtor. O financiamento desembolsado em 1999 representou um decréscimo de 20,18% em relação ao ano de Também, a média de aplicações nos últimos anos representa menos de 30% do que se aplicava no auge dos desembolsos do crédito rural no Brasil nos anos 70 (Gasques e Conceição, 2001). Nos últimos anos houve mudanças profundas na forma de atuação do governo no crédito rural. Isso por conta da necessidade de controle dos gastos públicos, em decorrência da política fiscal e do esforço de modernização do Estado. A principal alteração ocorreu nas fontes, antes apoiadas fortemente nos recursos do Tesouro Nacional, tendo estes sido reduzidos substancialmente nos últimos 25 anos. (Gasques e Conceição, 2001). Em 1985, essa fonte em conjunto com os Recursos Obrigatórios financiava 96% do crédito rural. Atualmente, a participação do Tesouro ficou reduzida a 0,02% do total de financiamentos concedidos. Em contrapartida, os recursos obrigatórios (Fundo de Amparo ao Trabalhador e Poupança Rural) passaram a representar em 2000, 79% dos recursos aplicados.

2 2 Em 1997, o Tesouro aplicava R$ 230,24 mil em Custeio Agropecuário, valor que caiu para R$ 158,48 mil em Um dos resultados mais visíveis da mudança no padrão de atuação do governo foi o aumento da importância relativa de fontes alternativas de financiamento. Em 1995, aproximadamente 50% dos recursos do Tesouro para custeio eram liberados na forma de concessão de empréstimos. Em 1999, esse percentual passou a ser nulo e, o restante passou a ser aplicado sob a forma de equalização de taxas. Percebe-se, portanto, uma dupla alteração na forma de conduzir a política de financiamento: diminuição deliberada dos recursos alocados em custeio agropecuário e alteração na forma de alocação, que se dá principalmente por meio das equalizações (...). As estimativas feitas pela Secretaria do Tesouro Nacional são de que, para cada real aplicado pelo governo em 1996, foram mobilizados cerca de nove reais de recursos privados aplicados no crédito rural (Gasques e Conceição, 2002 p.102). Nesse contexto, apareceram alternativas de financiamento como os Fundos Constitucionais e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), este último com atuação expressiva no crédito de investimento. Outro redirecionamento da ação do governo foi a redução também do financiamento da comercialização para estimular a participação da iniciativa privada na comercialização, principalmente, nas operações de carregamento de estoques. Apesar da redução da disponibilidade de recursos do crédito rural dos últimos anos, ainda existe tendência de redução ainda maior (Gasques e Conceição, 2001), por conta do esgotamento do Sistema Nacional de Crédito Rural que estaria apoiado em fontes que não têm conseguido suprir a necessidade de recursos como, por exemplo, compulsórios sobre os depósitos à vista. Assim, esse processo de retração da participação de recursos formais para financiamento rural, sobretudo da agricultura, vem fazendo com que os produtores busquem fontes alternativas de crédito. Certamente, a redução do crédito governamental em diversos países, incluindo o Brasil, tem impulsionado a expansão dos mercados informais de crédito, mas pouco se sabe ainda sobre as suas reais dimensões. Assim, o crédito informal é oriundo de diversos tipos de agentes privados, tais como traders, emprestadores não-tradicionais, familiares e conhecidos, dentre outros. Ele traz,

3 3 normalmente, uma série de imperfeições relacionadas principalmente a assimetria de informação entre o tomador e o emprestador. Desta forma, os mercados informais têm como características gerais taxas de juros (em alguns casos) mais altas, custos de transação pré-contratuais menores e custos de transação pós-contratuais maiores, devido à possibilidade de elevada má adaptação contratual (Lazzarini e Chaddad, 2000: 187). Estudos mostram, também, que na atualidade, o valor liberado para crédito agrícola na formação das principais culturas tem se situado abaixo de 20% do total de crédito necessário para custeio e comercialização da safra (Araújo, 1997). Diante das circunstâncias as quais o setor agrícola foi submetido, sem subsídios e com recursos formais insuficientes para financiamento de suas atividades, esse artigo parte do pressuposto de que é mais vantajoso ao produtor de soja em Mato Grosso comercializar sua produção de forma associativa, do que de maneira individual. A questão que se apresenta é: a Centrogrãos realmente se apresenta como alternativa vantajosa? A Centrogrãos é uma central de comercialização criada em meados de 2003 em Mato Grosso pela Federação da Agricultura de Mato Grosso (Famato) e uma empresa privada de consultoria. O objetivo geral deste trabalho é mostrar ao produtor as vantagens da comercialização em grupo, ao invés de fazê-lo de forma isolada, como vem sendo praticada pela maior parte dos produtores de Mato Grosso. Especificamente, pretende-se mostrar ao produtor as imperfeições de mercado geradas quando comercializa sua produção isoladamente e, assim, despertar a necessidade de alternativas mais rentáveis de comercialização, contribuindo para que ele se desvincule da prática de custeio via tradings, uma vez que o crédito formal não atende sua demanda. Pretende-se comparar o custo de transação dos sistemas tradicionais de custeio, via crédito informal e, ainda, avaliar o custo de obtenção de crédito via Adiantamento de Contrato de Câmbio, sugerido pela Centrogrãos, para soja de Mato Grosso na safra 2003/2004. II. EMBASAMENTO TEÓRICO II.I. CUSTOS DE TRANSAÇÃO A teoria de Custo de Transação (CT), está inclusa na relação entre o empregador e o tomador de crédito (Williamson, 1996, citado por Zylbersztajn, 2000) e, define os custos de

4 4 transação como os custos pré-contratuais de se elaborar, negociar, salvaguardar, chegar ao acordo, e os custos pós-contratuais de controle, monitoramento e má adaptação, como no caso de inadimplência. Tais custos podem ser entendidos como o custo contratual na sua totalidade. Os custos de transação são geralmente custos fixos - independem do volume de crédito de uma determinada transação. Com isso, penalizam-se as transações de menor volume e a formação de cooperativas ou associações de crédito surge como solução para o problema. Dessa maneira, as associações voluntárias emergem quando são capazes de prover incentivos para a contribuição espontânea de seus membros. A relação entre uma associação e seus membros é coordenada pelo equilíbrio entre incentivos e controles. Esses, por sua vez, são necessários para manter alinhados os interesses dos membros com os interesses privados dos gerentes. Nos grupos pequenos e homogêneos, em geral formados por grandes empresas, o alinhamento de interesses é grande. Isso faz com que a associação seja provedora de bens coletivos, apropriados por todos os associados. Nesses grupos, os bens coletivos são produzidos ou comercializados - porque há custos de transação altos para as empresas produzirem ou comercializarem - por conta própria. Nessa função, as associações demonstram eficiência no cumprimento de seus objetivos. No aspecto teórico, a Teoria da Ação Coletiva explica, para os grupos pequenos e homogêneos, que os custos de transação ganham poder explicativo na ação dessas associações. Pode-se considerar que, tanto os custos de informação, quanto os de transação, são levados em conta como fricções no fluxo de capitais, dadas a condição de simetria de informações entre as partes envolvidas na operação de crédito, somadas as dificuldades e imperfeição de se incorporarem mecanismos de incentivos, punição e controle. Para efeito de melhor visualização desse conceito, mostra-se a equação abaixo sobre a taxa de juros nominal para o tomador do crédito: Rt = Re + I + Ta + Tp em que: Rt = taxa de juros nominal cobrada ao tomador; Re = taxa de juros nominal recebida pelo emprestador; I = custo de aquisição de informações (screening); Ta = custos de transações pré-contratuais (ex ante); Tp = custo de transações pós contratuais (ex pont).

5 5 Conclui-se que, em um mundo sem fricções, a taxa de juros ofertada ao tomador (Rt) converge com a taxa de juros recebida pelo emprestador (Re). Em resumo, a redução das fricções ao fluxo de capitais tem um efeito de redução das taxas de juros do mercado. Outros conceitos ainda sobre CT estão em Coase (1937), no clássico artigo The Nature of the Firm, onde o autor argumenta que os custos das transações, da coordenação e da contratação deveriam ser considerados explicitamente para se entender a extensão da integração vertical. Desse ponto de vista, as firmas, na busca da maximização de lucros, passariam a realizar as atividades que envolvessem custos inferiores em relação à contratação no mercado. O que incluiria, então, a busca de outras alternativas. Os custos de transação foram definidos por Williamson (1996) citado por Zylbersztajn (2000), como os custos ex-ante de preparar, negociar e salvaguardar um acordo, bem como os custos ex-post dos ajustamentos e adaptações quando a execução de um contrato é afetada por falhas, erros, omissões e alterações inesperadas. Em suma, são os custos de conduzir o sistema econômico. Ainda segundo Zylbersztajn (op. cit.), o objetivo dessa teoria é estudar o custo das transações como o indutor dos modos alternativos de organização da produção dentro de um arcabouço analítico institucional. Assim a unidade de análise fundamental passa a ser a transação, onde são negociados direitos de propriedade. Esse autor relaciona os pressupostos da CT: Custos de Transação: aparecem tanto na utilização do sistema de preços como em transações regidas por contratos internos à firma, o que significa que todos os tipos de contratos (externos ou internos à firma) são importantes para o funcionamento da economia; Ambiente institucional: as transações ocorrem em ambientes institucionais estruturados (regulamentos formais ou informais nos diversos agrupamentos sociais) e as instituições interferem nos custos de transação, por afetarem o processo de transferência dos direitos de propriedade (uso, controle e apropriação de resultados dos ativos); Racionalidade limitada: considera-se que o agente econômico busca um comportamento otimizador e racional, mas que não conseque satisfazer esse desejo, dada sua limitação na capacidade cognitiva de receber, armazenar, recuperar e processar informações, o que faz com que não seja totalmente racional em suas decisões; e Oportunismo: conceito que resulta da ação dos indivíduos na busca de seu auto interesse, mas com uma conotação não cooperativa. Ele pode ocorrer, por exemplo, quando um agente tem

6 6 uma informação sobre a realidade não disponível a outro agente, e ela é utilizada de modo a permitir que o primeiro desfrute de algum benefício do tipo monopolístico. II.II. INEFICIÊNCIA DO MERCADO COMPETITIVO As imperfeições ou ineficiências de mercado não ocorrem apenas em mercados de oligopólios ou monopólios, mas também em mercados competitivos. Existem duas condições exigidas para que o mercado seja considerado eficiente. A primeira nos diz que deveríamos nos assegurar de que os requisitos de competição estejam vigorando de tal forma que os recursos possam ser eficientemente alocados em um dado mercado. A segunda atribui importância à afirmação de que os requisitos da competição provavelmente não conseguirão vigorar e que deveremos nos concentrar no tratamento dos desvios da eficiência, ou seja, nos fatores que causam a ineficiência do mercado (Pindyck e Rubinfeld, 1994). Dessa forma, mercados competitivos apresentam quatro desvios de eficiência tidos como básicos: 1 Poder de Mercado: neste caso a ineficiência surge quando um fabricante ou um fornecedor de algum fator de produção possui poder de mercado, com isso ele determinará a quantidade produzida para qual receita marginal seja igual ao custo marginal e venderá uma quantidade menor por um preço mais elevado do que em um mercado competitivo; 2 Informação incompleta: ocorre quando os consumidores não possuem informações exatas a respeito dos preços de mercado ou da qualidade do produto. A falta de informação estimulará os produtores a ofertarem quantidades excessivas de determinados produtos e quantidades ineficientes de outros, ou seja, determinados consumidores poderão não estar adquirindo um determinado produto que lhe cause benefícios, enquanto outros poderiam estar adquirindo produtos que lhe causem prejuízos causando com isso uma ineficiência do mercado; 3 Externalidades: acontece quando os preços de mercado não refletem as atividades dos produtores ou de consumidores, ou seja, uma externalidade ocorre quando alguma atividade da produção ou consumo possui um efeito indireto sobre outras atividades de consumo ou produção que não estejam diretamente refletidas nos preços de mercado. O termo externalidade é usado quando os efeitos sobre outros itens são externos ao mercado. Ex. poluição ambiental causada pela utilização de determinado tipo de insumo e a empresa não está pagando o verdadeiro custo causado por esta poluição, gerando uma ineficiência de insumo; e

7 7 4 Bens públicos: esta imperfeição surge quando o produtor não consegue ofertar mercadorias que sejam valorizadas por muitos consumidores. Um bem público é uma mercadoria que pode estar disponível a baixo custo para muitos consumidores, contudo, logo depois de ser ofertada a alguns consumidores, torna-se muito difícil evitar que outros também consumam. Conclui-se que os mercados ofertam quantidades insuficientes de bens públicos seja por meio do fornecimento de tal mercadoria seja por meio de estímulos para que as empresas privadas se disponham a produzí-la e, com isso, atender à demanda existente no mercado. III. Fontes dos dados e Método de Análise Os dados utilizados neste trabalho são secundários obtidos por meio de consulta a instituições de pesquisa e bibliografia existente. A abrangência deste trabalho limita-se ao estudo comparativo entre as vantagens obtidas pelos produtores que comercializam sua commodity (soja) individualmente e, os que atuam de forma conjunta por meio de uma associação, sendo estes, auxiliados e representados por uma central de comercialização de grãos que passou a atuar, desde meados de 2003, em forma de parceria entre a FAMATO e uma empresa privada de assessoria e consultoria. As variáveis utilizadas para que se possa avaliar em qual das duas situações o produtor obterá maiores vantagens serão: custos de transação e respectivos componentes de custo, os quais serão analisados nas duas situações - o produtor individual e os produtores associados na central de comercialização. IV. ANÁLISE DOS RESULTADOS IV. I Centrogrãos A escassez de crédito agrícola, principalmente para custeio, fez com que o produtor buscasse fontes alternativas de financiamento da lavoura. A mais comum em Mato Grosso é a troca de produção por insumos com as tradings o que resulta em grande comprometimento da safra 1. Outra alternativa ainda via tradings é o empréstimo de recursos para compra dos insumos, contudo, a taxas de juros de cerca de 18% ao ano, com perda de rentabilidade do produtor. 1 Informações do Imea mostram que, em dezembro de 2003, portanto, antes de ser colhida, a safra de Mato Grosso estava 50% comprometida com as tradings por toca de insumos ou empréstimos para custear a lavoura.

8 8 Observa-se, ainda, que existem outras alternativas de comercialização ao produtor. Entre elas, a Cédula de Produtor Rural, contudo, que somente pode ser utilizada individualmente, sem as vantagens da associação de produtores e com custo elevado face ao deságio entre os valores de face e o concedido aos produtores. Outra forma é a associação por meio de Condomínios. Por meio dela o produtor poderia se reunir sem precisar seguir as regras de uma cooperativa, por exemplo, e comercializar sua produção em bloco. Entretanto essa alternativa ainda não está bem difundida dentro de Mato Grosso. Atualmente, mais de 70% da soja colhida em Mato Grosso é exportada, segundo dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agrícola (Imea) da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato). Desse total, apenas 1% é realizado diretamente pelos produtores e, o restante, por tradings. Ainda, segundo estudo realizado pelo Imea, a venda de soja no mercado interno em Mato Grosso gera perda ao produtor de R$ 1,28 por saca (60 kg) se comparada à exportação feita diretamente. Os dados são mostrados na Tabela 1. Tabela 1. Comparativo dos preços de soja no mercado interno e para exportação (Cotações do dia 10/12/2003). DESCRIÇÃO UNIDADE VALOR Cotação na CBOT (Fechamento em 05/02/04) (A) US$ / bushel 8,3100 Prêmio para exportação em Maio/2004 (B) US$ / bushel -0,6500 Cotação menos prêmio (C=A-B) US$ / bushel 7,6600 Conversão de unidades = 7,66 / 27,215 * 1000 (D) US$ / tonelada 281,45 Frete de Sorriso a Paranaguá (E) US$ / tonelada 70,00 Fobing em Paranaguá (F) US$ / tonelada 4,80 SUB-TOTAL (G=D-E-F) US$ / tonelada 206,65 Conversão de unidades = 206,65 / 1000x60 US$ / saca 12,40 VLR Final da Exportação: 12,40 * 2,93 (H) R$ / saca 36,45 Valor bruto no mercado interno (I) R$ / saca 36,00 Desconto do Funrural (J) R$ / saca 0,83 Valor líquido no Mercado Interno (K=I-J) R$ / saca 35,17 Diferença em Favor da Exportação (L=H-K) R$ / saca 1,28 Fonte: Imea/Famato, 2003 Comparando-se a comercialização da soja no mercado interno com o externo, constata-se que o valor líquido ao produtor quando vende no mercado interno é de R$ 35,17 por saca, considerando a cotação do dia 10 de dezembro de Já quando essa venda é feita ao exterior diretamente pelo produtor, com assessoramento da Centrogrãos, esse valor líquido é de R$ 36,45 por saca, sendo que, desconta-se mais R$ 0,18 por saca para o pagamento uso

9 9 dos serviços da central de comercialização. Ou seja, um valor líquido de R$36,27 por saca e uma diferença de R$1,10 por saca em prol da exportação. Além de alcançar preços com base na bolsa de Chicago (e não preços de balcão como ocorre na venda a tradings 2 ), vendendo diretamente ao exterior o produtor fica isento do pagamento de Funrural que incide em R$ 0,83 por saca, ou 2,3%. Assim, para a Centrogrãos a alternativa para o produtor se capitalizar e reduzir a dependência do crédito agrícola escasso do governo e dos altos custos do crédito informal das tradings estaria na exportação direta, com o financiamento pelo Adiantamento sobre Contratos de Câmbio (ACC). Esse instrumento formal é utilizado hoje por cerca de 95% dos produtos exportados pelo Brasil, segundo dados do Imea. Com juros de 8% ao ano, esse tipo de financiamento é colocado pela rede bancária à disposição das empresas exportadoras e permite ao exportador obter recursos financeiros antes do embarque da mercadoria. A taxa reduzida do ACC proporciona às empresas menores custos de produção e, conseqüentemente, maior competitividade. A Centrogrãos parte da premissa de que, para conseguir esse financiamento nos bancos a condições favoráveis, a negociação em escala e de forma organizada é fundamental para mostrar redução de risco e ganhar poder de barganha. Dessa forma, esse é um dos papéis a ser assumido pela Centrogrãos. Ao possibilitar o financiamento da lavoura a custos menores ao produtor, já que defende o uso do ACC, essa central tem a intenção de minimizar o impacto negativo da necessidade de comercialização de grande parte da produção de forma desvantajosa com tradings, já que os recursos do governo para custeio são insuficientes para atender a demanda. Assim, partindo do pressuposto de que a comercialização é um elo frágil da cadeia produtiva, na medida em que, como produtor de commodities, o produtor rural torna-se um tomador de preços no mercado. A Centrogrãos possibilitará, por meio da formação de um pool de produtores, a exportação direta da produção de soja pelo produtor 3, a redução do preço dos fretes, assim como dos insumos com a negociação em escala, e possibilidade de fixação de preços e do dólar no melhor momento. Com a proposta de assessorar o produtor, a Centrogrãos visa negociar com bancos acesso a linhas de crédito diferenciadas, a exemplo do ACC. 2 - De acordo com dados do Imea, na safra passada (2003/2004) 50% da produção de Mato Grosso foi vendida a tradings por US$ 8,5 a US$ 9/saca, sendo que a cotação hoje está em US$ Toda a documentação e procedimentos para exportar serão executados pela equipe do Centrogrãos, em nome dos próprios produtores rurais, mediante procuração repassada por estes.

10 10 Em 2002, dos US$ 1,7 bilhão exportados de soja e seus derivados de Mato Grosso, cerca de 83% foram efetuados por tradings. Essa relação assume duas formas principais. A primeira ocorreu quando o produtor trocou sua produção por insumos das tradings para financiar sua lavoura, resultando assim o comprometimento médio de 50% de sua produção. A segunda forma aconteceu quando o produtor captou recursos na trading a juros altos, de 18% ao ano, para ele mesmo comprar seus insumos. Essa relação gerou, portanto, imperfeições de mercado. A primeira delas surgiu do poder de mercado das tradings, que resultou em vantagem na negociação com o produtor. Elas detinham o insumo e, ao mesmo tempo, o papel de comprador da mercadoria. Assim se facilitou o custeio da lavoura, contudo, gerando redução de rentabilidade ao produtor, pois ao negociar o comprometimento de sua produção, o sojicultor, na maior parte das vezes, se submeteu ao preço de balcão, já que é desprovido de informações sobre preços reais de sua commodity. Assim, se comprova a teoria de Pindyck de que a falta de informações gera deficiência de mercado. Deve-se considerar também, que o produtor, ao se submeter a esse tipo de escambo com as tradings, o faz por falta de alternativas e/ou comodismo em buscar outras opções de custeio. Operando de forma conjunta, ou seja, se associando, o produtor reduz custos fixos de transação se comparado com a operação feita individualmente. Assim, ele consegue melhores preços de frete, de insumos e de taxas de juros quando o volume comercializado/financiado é maior. As vantagens de financiar a lavoura com o ACC, conforme proposta da Centrogrãos, também são maiores do que utilizar os recursos das tradings. Enquanto a taxa de juros do ACC fica em torno de 8% ao ano, o adiantamento junto às tradings é de 18%. Além disso, pelo ACC o produtor compromete 1 saca para financiar a mesma quantia que pela trading exige o comprometimento de 2,34 sacas (Tabela 2). Tabela. 2 Comparação entre adiantamento sobre contratos de câmbio (ACC) x adiantamento via tradings. ACC Tradings Valor por saca US$ 11,70 US$ 5,00 Valor por tonelada *US$ 195,00 US$ 83,33 Taxa de juros 8% a.a. s/r$ 18% a.a. s/us$ Fixação Base Chicago Base Balcão Comprometimento 1 saca 2,34 sacas

11 11 Fonte: Imea/Famato. Observações Importantes: A diferença do custo financeiro significa, em 5 meses, R$ 1,10 por saca. Pelo ACC, o preço é fixado pela cotação da Bolsa de Chicago e não do chamado preço de balcão, ou seja, do valor determinado pela trading. Segundo levantamento do Imea, em 2003 a diferença de fixação entre os preços da Bolsa de Chicago e de Balcão foi de R$ 3,00 por saca. V. CONCLUSÕES A análise de cenários comparativos para o financiamento do plantio e colheita de soja em Mato Grosso revelou vantagens para a comercialização conjunta da produção com o uso da central de comercialização (Centrogrãos) apoiada pela Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso. A central oferece assessoramento na exportação direta da produção, o que viabiliza a contratação de Adiantamento de Câmbio (ACC), retirando parte da dependência do produtor junto às tradings do setor, uma vez que os juros do financiamento informal via tradings ficam entre 18% e 30% ao ano, contra a taxa média de 8% ao ano do ACC. Enquanto o ACC exige o comprometimento de uma saca por cada unidade monetária utilizada para custear o plantio de uma determinada área, para o mesmo valor, o financiamento via tradings demandaria 2,3 sacas. A operação atrelada à exportação permite que o produtor fixe o preço com base na cotação da Bolsa de Chicago (CBOT), ao invés de se limitar ao valor imposto pela trading. Por outro lado, o uso da Centrogrãos também resulta em encargos e desvantagens, a saber: 1) Não haverá pagamento de taxa para cadastramento do produtor no Centrogrãos, contudo, depois de realizada a comercialização, o produtor pagará à central uma taxa fixa de 0,5% do valor da operação e mais de 0,3% das concessões de ACC; e 2) As operações de comercialização e também de aquisição de insumos serão intermediadas pela central de comercialização. Entretanto, essa dependência será vinculada ao acompanhamento do Instituto Mato-grossense de Economia Agrícola, cuja administração envolve diferentes segmentos do agrronegócio regional (universidades, representantes patronais, agências de financiamento entre outras).

12 12 Assim, constata-se que, mesmo com o custo de utilização da Centrogrãos (0,5% sobre o valor da operação), é mais rentável ao produtor realizar a comercialização e, outras operações como financiamento da lavoura, transporte e compra de insumos pela central. Dessa forma, o resultado é de que ao produtor, a utilização da Centrogrãos resulta na sua capitalização, já que, comercializando em conjunto é possível reduzir o custo de produção e obter médias de preços superiores aos praticados hoje no mercado. BIBLIOGRAFIA: ARAÚJO, C. Estrutura Agrária e Eficiência Econômica: Latifúndio x Minifúndio. In. Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural, 35, 1997, Natal. Natal: Sober, p COASE, R.H. The Nature of the Firm. Econômica, v.4, p , Reimpresso em WILLIAMSON, O.E.; WINTER, S.G. (Eds.) The nature of the firm: origins, evolution and development, Oxford: Oxford University Press, GASQUES, J.G.; CONCEIÇÃO, J.C. (organizadores). Transformação da agricultura e políticas públicas. Brasília: IPEA, LAZZARINI, S.G.; CHADDAD, F.B. Finanças no agribusiness. In: ZYLBERSZTAJN, D.; NEVES, M.F. (organizadores). Economia e Gestão dos Negócios Agroalimentares: indústria de alimentos, indústria de insumos, produção agropecuária. São Paulo: Pioneira, p PINDYCK, R.S.; RUBINFELD, D.L. Microeconomia. São Paulo: Makron Books, TALAMINI, E.; MONTOYA, M.A. O Crédito Agrícola na Região da Produção: Informalidade versus Formalidade. Universidade de Passo Fundo RS. Mimeo. ZYLBERSZTAJN, D.; NEVES, M.F. (organizadores). Economia e Gestão dos Negócios Agroalimentares: indústria de alimentos, indústria de insumos, produção agropecuária. São Paulo: Pioneira, 2000.

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015 Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural Produtor, a, atenta a diversos relatos de produtores quanto a insistência de agentes bancários

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO

1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO ,661Ã 1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO 1~PHUR 1RYHPEURGH O sistema financeiro e o crédito rural Moyses Kessel ISSN 1519-7212 CGC 00 038 166/0001-05 Notas Técnicas do Brasília n 6 nov 2001 P 1-10 Banco

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Manual para Modelagem Financeira Definição de Ano Safra

Manual para Modelagem Financeira Definição de Ano Safra Manual para Modelagem Financeira Definição de Ano Safra Muito embora os resultados financeiros da Companhia sejam divulgados no calendário de ano-civil (ex. o primeiro trimestre divulgado compreende o

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Certificado de Recebíveis do Agronegócio Instrumento de captação de recursos e de investimento no agronegócio O produto O Certificado de

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

Avenida Paulista, 949 22º andar

Avenida Paulista, 949 22º andar Avenida Paulista, 949 22º andar São Paulo, 30 de novembro de 2012 1 I n t r o d u ç ã o 140 CRÉDITO PRODUÇÃO BRASIL Fase de ouro Fase de crise Fase da agricultura de mercado 133 127 162 120 114 117 105

Leia mais

Programa 2014 Agropecuária Sustentável, Abastecimento e Comercialização

Programa 2014 Agropecuária Sustentável, Abastecimento e Comercialização 0299 - Equalização de Preços nas Aquisições do Governo Federal e na Formação de Estoques Reguladores e Estratégicos AGF 1. Descrição: O AGF (Aquisições do Governo Federal) é o instrumento tradicional da

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA Adriano Mallet adrianomallet@agrocult.com.br ARMAZENAMENTO NA FAZENDA O Brasil reconhece que a armazenagem na cadeia do Agronegócio é um dos principais itens da logística de escoamento da safra e fator

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Milho Período: 13 a 17/07/2015

Milho Período: 13 a 17/07/2015 Milho Período: 13 a 17/07/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,1507 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Evandro Gonçalves Brito Diretoria de Agronegócios / Banco do Brasil Uberlândia (MG), 18 de novembro de 2010. Desafios Globais Os dez maiores

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009 MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009 1 - PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA ESTOCAGEM DE ÁLCOOL ETÍLICO COMBUSTÍVEL

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA! O que é hedge?! Como estar protegido de um eventual prejuízo de uma operação financeira da empresa no futuro?! Como podemos hedgear uma operação efetuada em dólar?! Como

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras).

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). LEASING Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). Leasing financeiro mais comum, funciona como um financiamento.

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO Custos Algodão A produção de algodão no Brasil está crescendo de forma expressiva, devido à boa competitividade dessa cultura frente a outras concorrentes em

Leia mais

Cédula de Produto Rural -

Cédula de Produto Rural - Renda Fixa Cédula de Produto Rural - CPR Cédula do Produto Rural Comercialização de produtos do agronegócio com recebimento antecipado O produto A Cédula do Produtor Rural é um título de crédito lastreado

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Ivan Wedekin Diretor de Produtos do Agronegócio e Energia ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária 1 Brasil o gigante da pecuária

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária

Contabilidade Financeira e Orçamentária Contabilidade Financeira e Orçamentária Mercados Gestão de Riscos Planejamento Orçamentário Mercado Financeiro Mercado financeiro Em uma economia, de um lado existem os que possuem poupança financeira

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Classificação por Categoria Econômica

Classificação por Categoria Econômica Classificação por Categoria Econômica 1. Classificação A classificação por categoria econômica é importante para o conhecimento do impacto das ações de governo na conjuntura econômica do país. Ela possibilita

Leia mais

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Objetivos Orientar os empreendedores sobre a importância da permanente gestão empresarial e sua direta

Leia mais

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO OS NOVOS INSTRUMENTOS C D C A L C A C R A MOTIVOS DA CRIAÇÃO Essencialmente 3: 1º Falta de recursos 2º Insuficiência de credibilidade

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

Bolsa de Mercadorias & Futuros

Bolsa de Mercadorias & Futuros OPERAÇÕES EX-PIT Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos negócios ex-pit. O que é a operação ex-pit, para que

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros 2015 Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros Sumário Introdução... 2 O Programa PROEX... 2 PROEX Financiamento... 3 Mais Alimentos Internacional... 4 PROEX Equalização...

Leia mais

Milho Período: 19 a 23/10/2015

Milho Período: 19 a 23/10/2015 Milho Período: 19 a 23/10/2015 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços médios semanais apresentados nas praças de

Leia mais

RANKING NACIONAL DE CRÉDITO RURAL - MAIO/2009

RANKING NACIONAL DE CRÉDITO RURAL - MAIO/2009 Rural Mercantil do Brasil Banestes RANKING NACIONAL DE CRÉDITO RURAL - MAIO/2009 Saldo devedor do Crédito Rural em R$ mil 16.000.000 14.000.000 12.000.000 10.000.000 8.000.000 6.000.000 4.000.000 5,9 %

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MARÇO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Teoria dos ciclos de investimento

Teoria dos ciclos de investimento Teoria dos ciclos de investimento elaborada por Kalecki KALECKI, Michal. Teoria da dinâmica econômica. São Paulo, Abril Cultural, 1976. (original de 1954). COSTA (2000), Lição 6.3: 241-245. http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Leia mais

Mecanismo de Transmissão Monetário:

Mecanismo de Transmissão Monetário: Mecanismo de Transmissão Monetário: Interação e Iteração Canais de transmissão Idéia-chave heterodoxa Decisões fundamentais http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ 1. Metodologia: interação e iteração.

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Riscos e Gestão do Regulamentação para gestão do seguro rural em eventos catastróficos Otávio Ribeiro Damaso Secretário Adjunto de Política Econômica / otavio.damaso@fazenda.gov.br Campinas,

Leia mais

CONTA INVESTIMENTO. (Apresentação Baseada no paper Contas Correntes de Investimento elaborado para a ANDIMA em outubro 2003) FEBRABAN Junho de 2004

CONTA INVESTIMENTO. (Apresentação Baseada no paper Contas Correntes de Investimento elaborado para a ANDIMA em outubro 2003) FEBRABAN Junho de 2004 CONTA INVESTIMENTO (Apresentação Baseada no paper Contas Correntes de Investimento elaborado para a ANDIMA em outubro 2003) FEBRABAN Junho de 2004 Apresentado por Prof. MBA FIPE/USP CPMF: PRÓS E CONTRAS

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos 1 FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa é o instrumento que permite a pessoa de finanças planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros de sua empresa para determinado período. captação

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO PANORAMA RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO SEMANA DE 10 A 14 DE AGOSTO de 2009 Semana de nova estabilidade no preço do Boi Gordo no mercado físico do Rio Grande do Sul, fechando a semana em R$ 5,28/kg

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES EM OUTRA MOEDA

GESTÃO DE OPERAÇÕES EM OUTRA MOEDA GESTÃO DE OPERAÇÕES EM OUTRA MOEDA Diante da importância do controle de vendas, compras e custos em outras moedas resolvemos elaborar um material informativo mais detalhado sobre o assunto. O SIAGRI Agribusiness

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012 ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA Brasília outubro de 2012 Agricultura e Armazenagem Produzir até 2050, de forma sustentável e ordenada, + 1 bilhão de toneladas de grãos e + 200 milhões de toneladas de carne,

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO

PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO NORMAS E PROCEDIMENTOS 1. Política de Crédito; 2. Limites em contas produção; 3. Seguro de Produção; 4. Comentários gerais. 1. POLÍTICA DE CRÉDITO 1.1 Comentários

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ECONOMIA

FUNDAMENTOS DA ECONOMIA Aula 4 FUNDAMENTOS DA ECONOMIA 1.2.3 Noção de custo de oportunidade e de análise marginal A escassez de recursos leva os produtores a efetuar escolhas para produção de bens. Em um mundo de recursos limitados,

Leia mais

Reiteradas Vendas Pressionam a Curva Futura das Cotações do Café 1

Reiteradas Vendas Pressionam a Curva Futura das Cotações do Café 1 % v. 10, n. 5, maio 2015 Reiteradas Vendas Pressionam a Curva Futura das Cotações do Café 1 A elevação da taxa SELIC anunciada pelo Comitê de Política Monetária (COPOM) na última quarta-feira do mês de

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA BOLSA DE CHICAGO 3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA Chuvas diminuíram nesta semana, mas ainda acumularam grandes volumes em pontos já muitos úmidos do Meio-Oeste 3 EUA Lavouras De Soja Ruins

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Sociedades de Fomento Mercantil (Factoring); NÃO integram o SFN; As empresas de factoring se inserem na livre

Leia mais

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR.

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR. NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR Área: ECONOMIA LOPES, Janete Leige PEREIRA, Kelli Patrícia PONTILI, Rosangela

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais