PRIMEIRAS AVALIAÇÕES DO RADAR METEOROLÓGICO DOPPLER DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, PARTE I: MONITORAMENTO DE TEMPO SEVERO NUM RAIO DE 150 KM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRIMEIRAS AVALIAÇÕES DO RADAR METEOROLÓGICO DOPPLER DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, PARTE I: MONITORAMENTO DE TEMPO SEVERO NUM RAIO DE 150 KM"

Transcrição

1 PRIMEIRAS AVALIAÇÕES DO RADAR METEOROLÓGICO DOPPLER DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, PARTE I: MONITORAMENTO DE TEMPO SEVERO NUM RAIO DE 150 KM Ana Catarina Farah Perrella 1 Thomaz Lacerda Cordeiro Garcia 2 Marlene Elias Ferreira 3 UNIVAP - Universidade do Vale do Paraíba Rua Paraibuna, São José dos Campos SP E mail: ABSTRACT Since January 2000, an S-band Doppler weather radar (RMT 0100D System, manufactured by the Brazilian company Tectelcom Aeroespacial Ltda.) is being operated experimentally in São José dos Campos SP, Brazil. At this present stage, evaluation studies of various kinds for better understanding the performance of this equipment are in order. As a first approach, a two-part study was made aiming to verify the radar capabilities to monitor severe storms in the 150 km-range. For this part (Part I), two severe weather events were selected (February 28, 2000 and March 16, 2000). In Part II, to be found elsewhere in these proceedings, a study on successive squall lines is presented (March 7, 2000). In both cases, the evolution of the MAX CAPPI reflectivity data were analysed. Overall, this study shows that the São José dos Campos radar performs very well in depicting the life cycle of mesoscale phenomena, even in the 150 km-range borders. INTRODUÇÃO O radar meteorológico foi um grande passo dado pela Meteorologia, tendo se tornado importante não só para a previsão do tempo de curto prazo mas, também, para o estudo da estrutura interna e da dinâmica das tempestades. É ferramenta fundamental para a identificação e o acompanhamento dos fenômenos meteorológicos de curta duração, com destaque para as tempestades com ciclo de vida inferior a cerca de duas horas (nowcasting). Os produtos de radares Doppler encontram aplicações em diversas áreas que dependem de informações meteorológicas, entre elas a Agricultura, a Hidrologia, a Meteorologia Aeronáutica e a Previsão Numérica do Tempo. Para o monitoramento da precipitação, em particular, dispõe-se hoje de várias alternativas, cada uma com suas peculiaridades, destacando-se as que empregam radares, satélites (Vicente & Ferreira, 1998) e, naturalmente, a rede de estações de superfície, que podem ser usadas isoladamente ou em conjunto, dependendo dos requisitos da aplicação. Como discutido por Ferreira (1987), para a Hidrologia, por exemplo, quanto menor forem as escalas espacial e temporal de interesse, maior será a exigência quanto à amostragem temporal e menor será a exigência quanto à precisão das estimativas de chuva. Para alertas de picos de cheias em bacias urbanas (áreas inferiores a cerca de 100 km 2 ), toleram-se erros percentuais médios elevados, mas exigem-se altas taxas de amostragem temporal (até 144 observações por dia, ou seja, a cada 10 minutos), além de alta resolução espacial (ver também Ferreira & Calheiros, 1995). Em princípio, estas altas taxas de observação, conjugadas com a alta resolução espacial, só podem ser conseguidas pelos radares meteorológicos. [Note-se que a varredura rápida (rapid scanning) possibilita a obtenção de imagens por sensores a bordo de satélites geoestacionários em intervalos de até um minuto, mas está longe de ser empregada operacionalmente em nossas regiões (Ferreira & Calheiros, 1995)]. No Brasil, o número de trabalhos de pesquisa que tratam da utilização de radares no monitoramento de sistemas meteorológicos e nos esquemas de alerta de eventos severos para diferentes aplicações vêm aumentando significativamente, em virtude do número crescente deste tipo de equipamento no país. Em tempos recentes tem-se, a título de exemplo, os artigos de autoria de Pereira Filho (1999); Gomes (1998); Abdoulaev & Lenskaia (1998); Starostin (1998); Abdoulaev et al. (1998); Sales & Pereira Filho (1998); Beneti et al.(1998) e Gomes (1994). 1913

2 Em janeiro de 2000 foi iniciada a operação de um radar Doppler na banda S (Sistema RMT 0100D, fabricado pela Tectelcom Aeroespacial Ltda.). Este sistema pertence ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e é operado pelo Laboratório de Meteorologia (LabMet) da Fundação Valeparaibana de Ensino (FVE)/Universidade do Vale do Paraíba (UniVap), localizado em São José dos Campos (SJC) SP, cujas coordenadas geográficas são: 23 o 14 S e 45 o 05 W. Este sistema radar encontra-se provisoriamente instalado na Tectelcom Aeroespacial Ltda., também localizada em SJC-SP. Esta fase inicial de operação tem caráter experimental e, portanto, exige a realização de atividades de diferentes tipos para melhor se conhecer as capacidades do equipamento. Assim sendo, o presente estudo teve por finalidade avaliar o desempenho do radar de SJC, particularmente no que tange a detecção e o acompanhamento da evolução de sistemas meteorológicos severos num raio de 150 km. Sua redação compreende duas partes. Nesta primeira parte (Parte I) são apresentadas as principais características de operação do radar quando da obtenção dos dados empregados e dois estudos de caso de chuvas intensas que atingiram a região metropolitana de São Paulo, cidades do ABC e do Vale do Paraíba. Na Parte II (Perrella et al., 2000, também nestes anais) foi monitorada uma seqüência de linhas de instabilidades que passaram por São José dos Campos, provocando chuvas intensas. Em todos os casos estudados, o radar de SJC apresentou desempenho satisfatório e mostrou ser uma ferramenta de grande valia para a previsão de curto prazo. DADOS E METODOLOGIA Dados básicos e modos de varredura espacial do radar Doppler Um radar Doppler é aquele que, além de medir a potência média que retorna dos alvos (intensidade dos ecos) para a estimativa da refletividade equivalente (a qual destina-se à inferência da intensidade da precipitação), permite também que sejam obtidas medidas da velocidade Doppler dos alvos. Mais especificamente, os radares Doppler obtêm dois parâmetros a mais que os radares convencionais: um é a velocidade radial média, uma estimativa do movimento médio das partículas iluminadas pelo feixe do radar, ponderado pela refletividade, ao longo do feixe do radar; e, o outro, é a largura espectral, uma medida (desvio padrão) da variabilidade da velocidade radial no volume dos alvos. Assim, além das medidas de localização (distância entre o radar e os alvos e posição angular de elevação e azimute, em coordenadas polares, dos alvos em relação ao radar), os dados básicos gerados pelos radares Doppler são: a refletividade equivalente, a velocidade (Doppler) radial (média) e a largura espectral (da velocidade) (ver, por exemplo, Librelato, 1997; Rinehart, 1999). Por outro lado, a varredura do espaço pelo radar compreende a varredura em azimute (dá origem ao PPI Plan Position Indicator ), a varredura em elevação (dá origem ao RHI Range Heght Indicator ) e a varredura volumétrica (dá origem a vários produtos, entre eles o CAPPI Constant Altitude PPI e o MAX CAPPI Maximum CAPPI ). O MAX CAPPI representa a projeção, dos valores máximos obtidos numa varredura volumétrica (refletividade equivalente - e, após sua conversão, taxa de precipitação; velocidade radial média; e, largura espectral), em três planos: de cima para baixo, no plano horizontal; de oeste para leste, no plano vertical lateral direito rebatido; de sul para norte, no plano vertical lateral superior, rebatido. (Librelato, 1997). Produtos do radar Doppler de SJC utilizados no estudo Note-se que as atividades operacionais propriamente ditas (H-24) do radar meteorológico Doppler de SJC tiveram início em 10 de fevereiro de Desde então, a operação tem sido contínua e compreende varreduras volumétricas, processamento, registro e arquivamento dos dados coletados. Em ambas as partes deste estudo, a variável de interesse é a precipitação. Portanto, em termos de radar, o foco é a refletividade equivalente (Z). Embora o raio de alcance do radar seja de cerca de 400 km, a quantificação de Z tem sido processada, por várias razões, para um raio máximo de 200 km. 1914

3 Para cada volume de varredura, enquanto se realiza a tarefa, selecionam-se o tipo de processamento, os filtros a serem utilizados nas medições da velocidade Doppler, a freqüência de obtenção de dados (resolução temporal), o raio de alcance (área de abrangência), a Freqüência de Repetição de Pulsos (Pulse Repetition Frequency PRF), entre outros. Procurou-se definir uma tarefa de processamento e armazenamento de dados em uma única área subentendida por um raio de 150 km, com a finalidade de evitar, simultaneamente, o dobramento em distância ( distance folding ) e o dobramento em velocidade ( velocity folding ). Assim sendo, para o acompanhamento dos sistemas meteorológicos analisados em ambas as partes deste estudo, foram empregados produtos obtidos por meio de varreduras volumétricas, entre eles: MAX CAPPI de 60 km, CAPPI de 3 km e MAX CAPPI de 150 km, de acordo com as tarefas de operação que constam na Tabela 1. Tabela 1. Características das tarefas de operação do radar de SJC empregadas na obtenção dos dados utilizados neste estudo (Parte I e Parte II). Tempo gasto na varredura volumétrica Cerca de 10 minutos Steps de varredura em elevação 15, de 0,1 a 25,5 o de elevação Raio 150 km Resolução radial 0,375 km Filtro Número 3 (Doppler) Velocidade da antena 15 o /s PRF Pulso longo: 476 Hz Pulso curto: 714 Hz Foram também utilizadas imagens obtidas pelos satélites GOES-Leste (GOES-8) na região espectral do infravermelho termal, para o monitoramento e a identificação dos sistemas em escala sinótica que estavam atuando na área de estudo. Como já mencionado, foram selecionados alguns casos associados a sistemas convectivos ativos na área compreendida por um raio de cerca 150 km em torno do radar de SJC. Nesta Parte I do estudo, são analisados dois eventos severos ocorridos nos dias 28 de fevereiro e 16 de março de BREVE DISCUSSÃO DOS CASOS EM ESTUDO Análise do dia 28 de fevereiro de 2000 Foram destaques nas principais manchetes nos jornais da cidade de São Paulo os problemas que as chuvas do dia 28 fevereiro de 2000 causaram na cidade: moradores de São Paulo, das cidades do ABC e do Vale do Paraíba enfrentaram um dia caótico com as chuvas que começaram na madrugada. Deslizamentos causaram mortes na Zona Sul da capital. O Rio Tietê transbordou pela manhã e o trânsito na Marginal do Tietê ficou praticamente interrompido durante o dia todo. Os congestionamentos espalharam-se pelas principais vias da cidades e a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) registrou recordes de lentidão do ano, tanto pela manhã quanto à tarde: 101 quilômetros às 10h 30 e das 12 às 19 horas. A Defesa Civil municipal de São Paulo decretou estado de alerta entre as 15h 30 e 17h 30 em bairros de 12 administrações regionais. No ABC, São Caetano do Sul, onde havia sido decretado estado de calamidade por causa das cheias duas semanas antes, voltou a enfrentar problemas. No Vale do Paraíba, São José dos Campos foi o município mais afetado pelas chuvas. Segundo os registros da estação meteorológica do aeroporto de SJC, o temporal, que foi acompanhado de rajadas de ventos com mais de 70 km/h, durou aproximadamente 40 minutos, provocando caos no trânsito da cidade e derrubando dezenas de árvores. Isto ocorreu entre 15 e 17 horas. 1915

4 As imagens obtidas pelo satélite GOES 8 no dia 28 de fevereiro (Figura 1) mostram uma frente fria sobre o Rio Grande do Sul deslocando-se para o interior da região Sul. No decorrer do dia esta frente associou se às linhas de instabilidade geradas pela convergência de umidade associada à Zona de Convergência Intertropical (situada na costa norte da Região Nordeste) e à Alta da Bolívia. Estas linhas de instabilidade formaram-se em boa parte do Estado de São Paulo e, no decorrer do dia, contribuíram, junto com o aquecimento diurno, para a formação de convecção local, principalmente no leste do estado [Figuras 2(a), 2(b) e 2(c)], onde as chuvas foram bem intensas e isoladas. a b c Figura 1. Imagens da América do Sul e adjacências obtidas pelo satélite GOES 8 (infravermelho termal) no dia 28/02/2000 às: (a) 12:00Z, (b) 15:00Z e (c) 18:00Z. a b c Figura 2. Imagens setorizadas da região sudeste obtidas pelo GOES-8 (infravermelho termal) no dia 28/02/2000 (a) 12:00Z, (b) 15:00Z e (c) 18:00Z. A partir das 12:00 Z [Figura 2(a)] pode ser observado no centro-norte e leste do Estado de São Paulo um aumento significativo de formações convectivas isoladas. Essas formações intensificaram-se principalmente no setor leste do estado, inclusive em todo o Vale do Paraíba [Figuras 2(b) e 2(c)], onde as chuvas foram bem intensas. Na Figura 3, de (a) a (f), é mostrada uma seqüência temporal de imagens de refletividade MAX CAPPI obtida pelo sistema radar de SJC (representado pela cruz no mapa), numa área compreendida por um raio de cerca de 150 km em torno do equipamento (destacada pelo círculo em tons mais claros), a qual abrange a Grande São Paulo e o Vale do Paraíba. Nesta seqüência de imagens, pode-se observar uma linha de cumulus que penetrou pelo norte [Figura 3(a)] e provocou chuvas nas regiões centro-norte e noroeste da grande São Paulo. Note-se que entre 17:52 Z e 19:40 Z, os valores de refletividade aumentaram bastante: variaram de 48 dbz a 64 dbz, representados nas cores entre o azul bem claro e o laranja. A refletividade máxima ocorreu às 18:20 Z. A partir das 20:00 Z as nuvens convectivas começam a diminuir na cidade de São Paulo, deslocando-se ao longo do Vale do Paraíba [Figura 3(f)]. 1916

5 a b c d e f Figura 3.Seqüência das imagens de refletividade MAX CAPPI obtidas pelo radar meteorológico Doppler de SJC num raio de 150 km em torno do sistema radar (localizado pela cruz no mapa), onde as cores representam a escala de variação em dbz indicando a linha de convecção (áreas em azul) e nuvens convectivas fortes (áreas em laranja), nos seguintes horários: (a) 17:52 Z, (b) 18:12 Z, (c)18:20 Z, (d) 18:32 Z, (e)18:40 Z e (f) 18:52 Z. Análise do dia 16 de março de 2000 Como noticiado pela imprensa, o evento de chuva ocorrido no dia 16 de março de 2000 também tumultuou o município de São Paulo, causando sérios transtornos. O Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), da Prefeitura, declarou estado de atenção em toda a cidade a partir das 15h30, situação que permaneceu até as 17 h, quando a chuva enfraqueceu. As Zonas Sul, Leste e Oeste foram as mais atingidas, com diversos pontos de alagamento, que causaram lentidão no trânsito durante toda a tarde. O trasbordamento do Córrego Pirajuçara, em dois pontos diferentes no Butantã (Zona Oeste) e no Campo Limpo (Zona Sul), e do Córrego Aricanduva (Zona Leste), causaram alagamentos. A CET registrou 79 km de congestionamento, um índice alto para o horário. Nas imagens setorizadas obtidas pelo satélite GOES 8 no canal infravermelho termal, pode-se observar, na seqüência de horários, um aumento das nuvens convectivas avançando para a região metropolitana de São Paulo. [Figuras 4: (a), (b) e (c)]. Nesse dia, a situação que predominava após a passagem de um sistema frontal sobre o Estado de São Paulo no período da manhã era de cobertura estratiforme [Figura 4: (a) e (b)]. A partir da tarde várias nuvens convectivas formaram-se rapidamente sobre a grande São Paulo, provocando chuvas intensa localizadas na região metropolitana da cidade [Figura 4(c)]. 1917

6 Esse sistema convectivo serviu como exemplo da capacidade de monitoramento pelo radar de SJC, por mostrar com detalhe a evolução do deslocamento da convecção. Para facilitar a visualização, fez-se um zoom sobre a Grande São Paulo (área mais clara do mapa, onde também aparecem as principais rodovias de acesso à região), o que permite melhor identificar os pontos mais afetados pelas chuvas [Figura 5, (a) a (l)]. Pode ser observado nesta figura, a rápida evolução da banda de nebulosidade convectiva que atingiu a cidade. Entre o aparecimento do primeiro eco, com refletividade em torno de 45 dbz (azul bem claro), até que fosse atingido 64 dbz, passaram-se 2 horas [Figura 5, (d) e (e)]. A máxima refletividade atingiu mais intensamente o setor oeste da Grande São Paulo. a b c Figura 4. Imagens setorizadas obtidas pelo GOES-8 (infravermelho termal), da região Sudeste, para o dia 16/03/2000: (a) 12:00 Z, (b) 15:00 Z e (c) 18:00 Z. a b c d e f g h i j k l Figura 5. Seqüência das imagens de refletividade MAX CAPPI sobre a Grande São Paulo obtidas pelo radar Doppler de SJC, num raio de 150 km em torno do sistema radar onde aparecem a linha de convecção (áreas em azul claro) e nuvens convectivas intensas (áreas amarelas). Horários: (a) 15:54 Z, (b) 16:15 Z, (c)16:26 Z, (d) 16:37 Z, (e)16:48 Z, (f) 17:43 Z, (g) 17:54 Z, (h) 18:05 Z, (i) 18:16 Z, (j) 18:27 Z, (k) 18:38 Z e (l) 18:49 Z. A escala de cores em dbz segue a da Figura

7 CONSIDERAÇÕES FINAIS As atividades operacionais (H-24) no radar meteorológico Doppler de SJC tiveram início em 10 de fevereiro de 2000 e, desde então, a operação tem sido contínua, compreendendo varreduras volumétricas, processamento, registro e arquivamento dos dados coletados. Como já mencionado, esta etapa inicial de operação, que tem caráter experimental, exige uma série de atividades e estudos que possibilitem melhor conhecer o desempenho desse radar. Os estudos aqui apresentados se encaixam neste escopo e constituem as primeiras avaliações da capacidade de monitoramento do radar. Nesta Parte I do estudo, são analisados dois casos de chuvas intensas (28 de fevereiro e 16 de março de 2000), associadas a sistemas convectivos de mesoescala, cuja formação e evolução foram claramente detectadas pelo radar de SJC, por meio de configurações relacionadas à estrutura do campo de refletividade obtido no modo MAX CAPPI. Os resultados da análise dos dois casos confirmam a utilidade radar Doppler de banda S recém instalado em São José dos Campos no acompanhamento de sistemas convectivos de curta duração que ocorram num raio de 150 km em torno do equipamento. Portanto, este radar constitui uma ferramenta valiosa para subsidiar alertas e tomadas de decisão quando da ocorrência de chuvas intensas, não só no Vale do Paraíba, mas também em locais mais afastados, como na Grande São Paulo. Após a mudança do local da antena, deverão ser conduzidos estudos mais detalhados, desta e de outras naturezas, que propiciem um melhor conhecimento das capacidades e limitações deste radar Doppler. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABDOULAEV, S., LENSKAIA, O. Evolução das linhas de convecção severa. Parte1. Classificação. Rev. Bras. Meteorol., v.13, n.2, p.15-36, dez ABDOULAEV, S., STAROSTIN, A., LENSKAIA, O., GOMES, R.G. Sistemas de mesoescala de precipitações no Rio Grande do Sul. Parte 1: Classificação dos sistemas de mesoescala de precipitações. Rev. Bras. Meteorol., v.13, n.2, p.57-74, dez BENETI, C., NOZU, I., SARAIVA, E. A. Monitoramento da precipitação e de eventos de tempo severo com radar meteorológico no Estado do Paraná. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA, 10, CONGRESSO DA FLISMET, 8, 1998, Brasília-DF. Anais Rio de Janeiro: SBMET, [CD-ROM- MR98007]. FERREIRA, M. E. Possíveis aplicações de satélites meteorológicos na área de recursos hídricos. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE HIDROLOGIA E RECURSOS HÍDRICOS, 7, SIMPÓSIO LUSO-BRASILEIRO DE HIDRÁULICA E RECURSOS HÍDRICOS, 3, 1987, Salvador-BA. Anais São Paulo: ABRH, 1987, v.1, p FERREIRA, M. E., CALHEIROS, R. V. Hidrologia e satélites ambientais: aspectos operacionais no Brasil. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HÍDRICOS, 11, SIMPÓSIO DE HIDRÁULICA DOS PAÍSES DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA, 2, 1995, Recife-PE. Anais Recife-PE: ABRH, 1995, v.1, p GOMES, A. M. Radar meteorológico Doppler e seu potencial na identificação de tempestades severas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA, 10, CONGRESSO DA FLISMET, 8, 1998, Brasília-DF. Anais Rio de Janeiro: SBMET, [CD-ROM: MR98002]. Radar Doppler de Bauru: características e aplicações operacionais. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA, 8, CONGRESSO LATINO-AMERICANO E IBÉRICO DE METEOROLOGIA, 2, 1994, Belo Horizonte-MG. Anais Belo Horizonte: SBMET, 1994, v.1, p LIBRELATO, A.S. Introdução ao sistema radar meteorológico Doppler RMT 0100D. In: CURSO de INTERPRETAÇÃO E ANÁLISE METEOROLÓGICA, 5, 1997, São José dos Campos. Universidade do Vale do Paraíba, p. OFCM (Office of Federal Coordinator for Meteorological Services and Supporting Research) Doppler radar meteorological observation. Parte B Doppler Radar Theory and Meteorology. Washington, D.C., p. PEREIRA FILHO, A. J. Radar measurements of tropical summer convection: urban feedback on flash floods. In: CONFERENCE ON RADAR METEOROLOGY, 29, 1999, Montreal, Quebec, Canada. Proceedings...,

8 PERRELLA, A. C. F., GARCIA, T. L. C., FERREIRA, M. E. Primeiras avaliações do radar meteorológico de São José dos Campos, Parte II: monitoramento de chuvas intensas associadas a linhas de instabilidades sucessivas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA, 11, Rio de Janeiro, Anais Rio de Janeiro: SBMET, [CD-ROM]. RINEHART, R.E. Radar for meteorologists. 3.ed. (second printing) Fargo, ND (USA): Knight Printing, p. SALES, F.H, PEREIRA FILHO, A. J. Aspectos observacionais de uma linha de instabilidade simétrica de longa duração. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA, 10, CONGRESSO DA FLISMET, 8, 1998 Brasília-DF. Anais SBMET, [CD-ROM:MM98006]. STAROSTIN, A. Previsão da evolução de uma linha de convecção. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA, 10, CONGRESSO DA FLISMET, 8, 1998, Brasília-DF. Anais Rio de Janeiro: SBMET, [CD-ROM: MR98023]. VICENTE, G.A., FERREIRA, M.E. Estimativa de precipitação via satétlite para estudo de tempo e clima: avanços e perspectivas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA, 10, CONGRESSO DA FLISMET, 8, 1998, Brasília-DF. Anais Rio de Janeiro: SBMET, [CD-ROM: MS98005]. 1920

O TORNADO NA CIDADE DE MUITOS CAPÕES, RIO GRANDE DO SUL. Palavras-chave: tornado, radar meteorológico, tempestades severas.

O TORNADO NA CIDADE DE MUITOS CAPÕES, RIO GRANDE DO SUL. Palavras-chave: tornado, radar meteorológico, tempestades severas. O TORNADO NA CIDADE DE MUITOS CAPÕES, RIO GRANDE DO SUL Lizandro Oliveira Jacóbsen (1), Fernando Mendonça Mendes (2) RESUMO: As tempestades severas que causaram muitos estragos e danos no norte e nordeste

Leia mais

RADAR METEOROLÓGICO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS: ROTINAS DE OPERAÇÃO, GERAÇÃO DE PRODUTOS E TRATAMENTO DIGITAL DE IMAGENS

RADAR METEOROLÓGICO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS: ROTINAS DE OPERAÇÃO, GERAÇÃO DE PRODUTOS E TRATAMENTO DIGITAL DE IMAGENS RADAR METEOROLÓGICO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS: ROTINAS DE OPERAÇÃO, GERAÇÃO DE PRODUTOS E TRATAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Jojhy Sakuragi 1, Ana Catarina Farah Perrella 1, Joice Martelli Parmezani 1 Denis Gonçalves

Leia mais

MONITORAMENTO DA PRECIPITAÇÃO E DE EVENTOS DE TEMPO SEVERO COM RADAR METEOROLÓGICO NO ESTADO DO PARANÁ

MONITORAMENTO DA PRECIPITAÇÃO E DE EVENTOS DE TEMPO SEVERO COM RADAR METEOROLÓGICO NO ESTADO DO PARANÁ MONITORAMENTO DA PRECIPITAÇÃO E DE EVENTOS DE TEMPO SEVERO COM RADAR METEOROLÓGICO NO ESTADO DO PARANÁ Cesar Beneti, Itsumi Nozu e Ernandes A. Saraiva SIMEPAR Sistema Meteorológico do Paraná COPEL Companhia

Leia mais

SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE

SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE ANATOLI STAROSTIN PAULO ROBERTO PELUFO FOSTER 1 ROSELI GUETHS GOMES 1 VLADAIR MORALES DE OLIVEIRA

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE RADAR DA EVOLUÇÃO DO SISTEMA CONVECTIVO DE MESOESCALA. PARTE I: DESCRIÇÃO GERAL DA EVOLUÇÃO DO CAMPO DO ECO DE RADAR.

CARACTERÍSTICAS DE RADAR DA EVOLUÇÃO DO SISTEMA CONVECTIVO DE MESOESCALA. PARTE I: DESCRIÇÃO GERAL DA EVOLUÇÃO DO CAMPO DO ECO DE RADAR. CARACTERÍSTICAS DE RADAR DA EVOLUÇÃO DO SISTEMA CONVECTIVO DE MESOESCALA. PARTE I: DESCRIÇÃO GERAL DA EVOLUÇÃO DO CAMPO DO ECO DE RADAR. Abstract Anatoli Starostin Universidade Federal de Pelotas, Centro

Leia mais

O Radar Meteorológico

O Radar Meteorológico O Radar Meteorológico Demilson Quintão PY2UEP Bauru, 2014 1 Previsão Meteorológica 1-Climática: indica tendência das estações em escalas regionais, continentais, globais. 2-Previsão Meteorológica comum

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 ESTUDO DE CASO - TEMPESTADE NA AMAZÕNIA BRASILEIRA Mamedes L. Melo 1, André L. de Moura, Flávia Lacerda, Ligia R. Bernardet, Reinaldo B. da Silveira Instituto Nacional de Meteorologia INMET RESUMO No dia

Leia mais

Características Climáticas da Primavera

Características Climáticas da Primavera Previsão Climática para a Primavera/2013 Data da Previsão: 16/09/2013 Duração da Primavera: 22/09/2013(17h44min) a 21/12/2013 (14h11min*) *Não acompanha o horário de verão Características Climáticas da

Leia mais

Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe

Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe / A Rede de Detecção de Relâmpagos Total GLD360 da Vaisala detecta atividades meteorológicas no mundo inteiro A rede em que você pode confiar! A Rede de Detecção

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 CARACTERÍSTICAS DAS PRECIPITAÇÕES CONVECTIVAS INTENSAS NA ÁREA DO RADAR METEOROLÓGICO DE SÃO PAULO Emanuella de Cássia Vicente Clóvis Angeli Sansigolo LMO, CPTEC, INPE, São José dos Campos, SP Augusto

Leia mais

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002).

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002). 1 PROGNÓSTICO CLIMÁTICO (Fevereiro, Março e Abril de 2002). O Instituto Nacional de Meteorologia, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base nas informações de análise e prognósticos

Leia mais

ANÁLISE DE TEMPESTADES SEVERAS COM O SOFTWARE TITAN USANDO OS DADOS DO RADAR METEOROLÓGICO DE BAURU

ANÁLISE DE TEMPESTADES SEVERAS COM O SOFTWARE TITAN USANDO OS DADOS DO RADAR METEOROLÓGICO DE BAURU ANÁLISE DE TEMPESTADES SEVERAS COM O SOFTWARE TITAN USANDO OS DADOS DO RADAR METEOROLÓGICO DE BAURU Adelmo Antonio Correia 1 e José Carlos Figueiredo Resumo: Este trabalho visa analisar ocorrência de precipitação

Leia mais

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio Atmosfera e o Clima A primeira camada da atmosfera a partir do solo é a troposfera varia entre 10 e 20 km. É nessa camada que ocorrem os fenômenos climáticos. Aquecimento da atmosfera O albedo terrestre

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011

Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011 Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011 1. Introdução O inverno de 2011 foi marcado por excessos de chuva na Região Sul do país que, por sua

Leia mais

CLIMATOLOGIA DE RELÂMPAGOS NO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR

CLIMATOLOGIA DE RELÂMPAGOS NO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR CLIMATOLOGIA DE RELÂMPAGOS NO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR Rosangela Barreto Biasi Gin Departamento de Ciências Atmosféricas - IAG, Universidade de São Paulo - USP, R. do Matão No. 1226 Cidade Universitária,

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2003 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A primavera começa neste ano às 07:47h do dia 23 de setembro e vai até 05:04h (horário de Verão) de Brasília, do dia

Leia mais

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 11 de novembro de 2004 Número 11 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 CARACTERIZADO O INÍCIO DO FENÔMENO

Leia mais

ABSTRACT. Palavras-chave: Aviso Meteorologia Especial, INMET, São Paulo. 1 - INTRODUÇÃO

ABSTRACT. Palavras-chave: Aviso Meteorologia Especial, INMET, São Paulo. 1 - INTRODUÇÃO Avisos Meteorológicos Especiais: Um Estudo de Caso para a Cidade de São Paulo-SP Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Wagner de Aragão Bezerra². 1, 2 Meteorologista, Instituto Nacional de Meteorologia

Leia mais

APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO

APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO Anete S. Fernandes Instituto Astronômico e Geofísico - USP anete@model.iag.usp.br Mário T.L. Barros Escola Politécnica - PHD

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A.

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. Carlos Augusto Morales Rodriguez 1, Jojhy Sakuragi 2, Domingos

Leia mais

Estudo de caso de um sistema frontal atuante na cidade de Salvador, Bahia

Estudo de caso de um sistema frontal atuante na cidade de Salvador, Bahia Estudo de caso de um sistema frontal atuante na cidade de Salvador, Bahia Fernanda Gonçalves Rocha 1 ; Maria Regina da Silva Aragão 2 1 Bolsista (CNPq), Programa de Pós-graduação em Meteorologia/DCA/UFCG,

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO ESTIMADA POR RADAR METEOROLÓGICO NO LESTE DA AMAZÔNIA

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO ESTIMADA POR RADAR METEOROLÓGICO NO LESTE DA AMAZÔNIA ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO ESTIMADA POR RADAR METEOROLÓGICO NO LESTE DA AMAZÔNIA Amanda Souza Campos 1 ;Maria Isabel Vitorino 2 ;Paulo Kunh 2 ;Jaci Saraiva Bilhalva 3 ; Adriano M. Leão de Sousa 4 1 UFPA/IG/FAMET

Leia mais

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros MESA 4 MONITORAMENTO E SISTEMA DE ALERTA Mario Thadeu Leme de Barros 1 A QUESTÃO DO CONTROLE DE CHEIAS URBANAS Medidas Estruturais versus Medidas Não Estruturais 2 Medidas não estruturais que se destacam:

Leia mais

EVENTOS EXTREMOS NO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO: UMA ANÁLISE DAS CHEIAS DE 1985 E 2004.

EVENTOS EXTREMOS NO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO: UMA ANÁLISE DAS CHEIAS DE 1985 E 2004. EVENTOS EXTREMOS NO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO: UMA ANÁLISE DAS CHEIAS DE 1985 E 2004. Marília Guedes do Nascimento 1, Magaly de Fatima Correia 2 Weber Andrade Gonçalves 3 RESUMO Neste trabalho são analisados

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento,

Leia mais

Variabilidade na velocidade do vento na região próxima a Alta da Bolívia e sua relação com a precipitação no Sul do Brasil

Variabilidade na velocidade do vento na região próxima a Alta da Bolívia e sua relação com a precipitação no Sul do Brasil Variabilidade na velocidade do vento na região próxima a Alta da Bolívia e sua relação com a precipitação no Sul do Brasil Luiz Carlos Salgueiro Donato Bacelar¹; Júlio Renato Marques ² ¹Aluno graduando,

Leia mais

ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013

ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013 ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013 Ricardo Antonio Mollmann Junior 1, Natalia Parisotto Sinhori 1, Yasmin Uchôa da Silva 1, Heliofábio Barros Gomes¹, Rosiberto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO Éder P. Vendrasco1; Carlos F. Angelis1; Edson T. Branco2; Caetano T. Lo Ré2; Marcelo Santos2 1 Divisão de Satélites e Sistemas Ambientais

Leia mais

Usos de Imagens de Satélite, Estimativa Quantitativa de Precipitação e Previsão de Precipitação a Curto Prazo pela Agência de Meteorologia do Japão

Usos de Imagens de Satélite, Estimativa Quantitativa de Precipitação e Previsão de Precipitação a Curto Prazo pela Agência de Meteorologia do Japão Usos de Imagens de Satélite, Estimativa Quantitativa de Precipitação e Previsão de Precipitação a Curto Prazo pela Agência de Meteorologia do Japão 26 de Fevereiro de 2014 Departamento de Previsão, Divisão

Leia mais

COMPARAÇÃO DE MEDIDAS OBTIDAS POR RADAR DE SUPERFÍCIE E RADAR ORBITAL: UM ESTUDO DE CASO PARA O RADAR DE SÃO ROQUE

COMPARAÇÃO DE MEDIDAS OBTIDAS POR RADAR DE SUPERFÍCIE E RADAR ORBITAL: UM ESTUDO DE CASO PARA O RADAR DE SÃO ROQUE COMPARAÇÃO DE MEDIDAS OBTIDAS POR RADAR DE SUPERFÍCIE E RADAR ORBITAL: UM ESTUDO DE CASO PARA O RADAR DE SÃO ROQUE Izabelly Carvalho da Costa 1 Carlos Frederico de Angelis 1 RESUMO Tendo em vista que a

Leia mais

Uso de sensoriamento remoto para análise de uma linha de instabilidade: Estudo de caso ocorrido no Rio Grande do Sul

Uso de sensoriamento remoto para análise de uma linha de instabilidade: Estudo de caso ocorrido no Rio Grande do Sul Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.2150 Uso de sensoriamento remoto para análise de uma linha de instabilidade:

Leia mais

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 Previsão de Consenso 1 INMET e CPTEC/INPE PREVISÃO DE NORMALIDADE DAS CHUVAS E DAS TEMPERATURAS NA MAIOR PARTE DO PAÍS Sumário

Leia mais

ANÁLISE DA PASSAGEM DE UM SISTEMA FRONTAL NO SUL DE SANTA CATARINA EM AGOSTO DE 2005. Rafael Marques 1

ANÁLISE DA PASSAGEM DE UM SISTEMA FRONTAL NO SUL DE SANTA CATARINA EM AGOSTO DE 2005. Rafael Marques 1 ANÁLISE DA PASSAGEM DE UM SISTEMA FRONTAL NO SUL DE SANTA CATARINA EM AGOSTO DE 2005. Rafael Marques 1 RESUMO: Este artigo descreve a ocorrência da passagem de um sistema frontal em Tubarão, região sul

Leia mais

Eny da Rosa Barboza Natalia Fedorova Universidade Federal de Pelotas Centro de Pesquisas Meteorológicas natalia@cpmet.ufpel.tche.

Eny da Rosa Barboza Natalia Fedorova Universidade Federal de Pelotas Centro de Pesquisas Meteorológicas natalia@cpmet.ufpel.tche. ASSOCIAÇÕES ENTRE A CORRENTE DE JATO SUBTROPICAL E COMPLEXOS CONVECTIVOS DE MESOESCALA PARTE I: A INFLUÊNCIA DA CORRENTE DE JATO SUBTROPICAL NO DESENVOLVIMENTO DE COMPLEXOS CONVECTIVOS DE MESOESCALA Eny

Leia mais

www.omnisys.com.br Importância da FAPESP na história da Omnisys

www.omnisys.com.br Importância da FAPESP na história da Omnisys www.omnisys.com.br Importância da FAPESP na história da Omnisys 1 / Sumário 1. Quem somos nós? 2. Nossas instalações 3. Distribuição de receita 4. Áreas de atuação 5. A importância da FAPESP 6. Conclusão

Leia mais

Análise das condições atmosféricas durante evento extremo em Porto Alegre - RS

Análise das condições atmosféricas durante evento extremo em Porto Alegre - RS Análise das condições atmosféricas durante evento extremo em Porto Alegre - RS Madson T. Silva 1, Vicente de P.R da Silva 2, Julliana L. M. Freire 3, Enilson P. Cavalcanti 4 1 Doutorando em Meteorologia,

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003). 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Endereço: Eixo Monumental VIA S1 Telefone: + 55 61 344.3333/ Fax:+ 55 61 344.0700 BRASÍLIA / DF - CEP:

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Precipitações Professora: Mayara Moraes Água da atmosfera que atinge a superfície na forma de chuva, granizo, neve, orvalho, neblina ou geada

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE ANÁLISE E VISUALIZAÇÃO DE DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO DOPPLER

SISTEMA INTEGRADO DE ANÁLISE E VISUALIZAÇÃO DE DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO DOPPLER SISTEMA INTEGRADO DE ANÁLISE E VISUALIZAÇÃO DE DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO DOPPLER Leonardo Calvetti Cesar Beneti Cicero Zandoná Instituto Tecnológico SIMEPAR Caixa Postal 19100 Curitiba PR CEP 81.531-990

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO, RASTREAMENTO E PREVISÃO DE TEMPESTADES SEVERAS PARTE I: EVENTO DE GRANIZO. Ana Maria Gomes 1* e Gerhard Held 1

IDENTIFICAÇÃO, RASTREAMENTO E PREVISÃO DE TEMPESTADES SEVERAS PARTE I: EVENTO DE GRANIZO. Ana Maria Gomes 1* e Gerhard Held 1 IDENTIFICAÇÃO, RASTREAMENTO E PREVISÃO DE TEMPESTADES SEVERAS PARTE I: EVENTO DE GRANIZO Ana Maria Gomes 1* e Gerhard Held 1 RESUMO: No presente estudo a potencialidade do sistema TITAN, desenvolvido pelo

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA METEOROLOGIA MCA 105-13 MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO RADAR METEOROLÓGICO 2010 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE

Leia mais

PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS CONTRIBUÍMOS

PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS CONTRIBUÍMOS PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS O TEMPO O CLIMA A ACTIVIDADE SÍSMICA CONTRIBUÍMOS V Encontro Nacional de Riscos Auditório

Leia mais

Acumulados significativos de chuva provocam deslizamentos e prejuízos em cidades da faixa litorânea entre SP e RJ no dia 24 de abril de 2014.

Acumulados significativos de chuva provocam deslizamentos e prejuízos em cidades da faixa litorânea entre SP e RJ no dia 24 de abril de 2014. Acumulados significativos de chuva provocam deslizamentos e prejuízos em cidades da faixa litorânea entre SP e RJ no dia 24 de abril de 2014. Ao longo de toda a quinta-quinta (24/04) a intensa convergência

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DE INFORMAÇÕES SIPAM X SEMDEC

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DE INFORMAÇÕES SIPAM X SEMDEC PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DE INFORMAÇÕES SIPAM X SEMDEC Saraiva, Ivan 1 ; Senna, Renato Cruz 2 ; Saraiva, Jaci Bilhalva 3 RESUMO - Este trabalho tem como objetivo apresentar o Software de Integração SIPAM

Leia mais

CHUVAS DE VERÃO E AS ENCHENTES NA GRANDE SÃO PAULO: EL NIÑO, BRISA MARÍTIMA E ILHA DE CALOR. Augusto José Pereira Filho

CHUVAS DE VERÃO E AS ENCHENTES NA GRANDE SÃO PAULO: EL NIÑO, BRISA MARÍTIMA E ILHA DE CALOR. Augusto José Pereira Filho CHUVAS DE VERÃO E AS ENCHENTES NA GRANDE SÃO PAULO: EL NIÑO, BRISA MARÍTIMA E ILHA DE CALOR Augusto José Pereira Filho Universidade de São Paulo, São Paulo USP / IAG / DCA Rua do Matão, 1226, São Paulo-SP,

Leia mais

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br

Leia mais

Simulação de Evento de Tempo Extremo no Estado de Alagoas com o Modelo Regional BRAMS

Simulação de Evento de Tempo Extremo no Estado de Alagoas com o Modelo Regional BRAMS Simulação de Evento de Tempo Extremo no Estado de Alagoas com o Modelo Regional BRAMS Heriberto dos Anjos Amaro 1, Elisângela Gonçalves Lacerda 1, Luiz Carlos Baldicero Molion 2 1 Pontifícia Universidade

Leia mais

CICLONE EXTRATROPICAL MAIS INTENSO DAS ÚLTIMAS DUAS DÉCADAS PROVOCA ESTRAGOS NO RIO GRANDE DO SUL E NO URUGUAI

CICLONE EXTRATROPICAL MAIS INTENSO DAS ÚLTIMAS DUAS DÉCADAS PROVOCA ESTRAGOS NO RIO GRANDE DO SUL E NO URUGUAI CICLONE EXTRATROPICAL MAIS INTENSO DAS ÚLTIMAS DUAS DÉCADAS PROVOCA ESTRAGOS NO RIO GRANDE DO SUL E NO URUGUAI Entre os dias 22 e 23 de outubro de 2012 o processo de formação de um ciclone extratropical

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

ESTUDO DE CASO DE CHUVAS EXTREMAS NO NEB: RECIFE (PE) - ABRIL DE 2011. wendellmax@gmail.com

ESTUDO DE CASO DE CHUVAS EXTREMAS NO NEB: RECIFE (PE) - ABRIL DE 2011. wendellmax@gmail.com ESTUDO DE CASO DE CHUVAS EXTREMAS NO NEB: RECIFE (PE) - ABRIL DE 2011 Wendell Max Barbosa Fialho 1 e Luiz Carlos Baldicero Molion 1 1 Universidade Federal de Alagoas Instituto de Ciências Atmosféricas

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PREVISÃO METEOROLÓGICA E MONITORAMENTO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PREVISÃO METEOROLÓGICA E MONITORAMENTO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PREVISÃO METEOROLÓGICA E MONITORAMENTO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS Cesar Augustus Assis Beneti Eduardo Alvim Leite Instituto Tecnológico SIMEPAR

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TEMPERATURA NA REGIÃO DE GUARATINGUETÁ - SÃO PAULO - BRASIL

EVOLUÇÃO DA TEMPERATURA NA REGIÃO DE GUARATINGUETÁ - SÃO PAULO - BRASIL 1 EVOLUÇÃO DA TEMPERATURA NA REGIÃO DE GUARATINGUETÁ - SÃO PAULO - BRASIL João Ubiratan de Lima e Silva; Milton César Marques RESUMO O presente trabalho está fundamentado em uma pesquisa com base nos dados

Leia mais

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA MARIANE CECHINEL GONÇALVES 1 KARINA GRAZIELA JOCHEM 2 VANESSA RIBAS CÚRCIO 3 ANGELA PAULA DE OLIVEIRA 4 MÁRCIA

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERACAO DE SISTEMAS ELETRICOS GOP

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERACAO DE SISTEMAS ELETRICOS GOP SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GOP 15 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERACAO DE SISTEMAS ELETRICOS GOP ANÁLISE METEOROLOGICA

Leia mais

PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC

PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC Gean Carlos CANAL 1 ; Leonardo de Oliveira NEVES 2 ; Isaac Weber PITZ 3 ; Gustavo SANGUANINI 4 1 Bolsista interno IFC; 2 Orientador; 3 Graduando Agronomia;

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE MEDIDAS DE VELOCIDADE DO VENTO EM RIO GRANDE, RS, DE 2001 A 2006

COMPARAÇÃO ENTRE MEDIDAS DE VELOCIDADE DO VENTO EM RIO GRANDE, RS, DE 2001 A 2006 COMPARAÇÃO ENTRE MEDIDAS DE VELOCIDADE DO VENTO EM RIO GRANDE, RS, DE 2001 A 2006 Joel Rubert 1, Margareth Badejo dos Santos 2, Nisia Krusche 3 RESUMO: Diferenças entre as medidas de vento, realizadas

Leia mais

Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET

Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET I N F O C L I M A BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 14 de fevereiro de 2004 Número 2 Divisão de Operações Chefia: Dr. Marcelo Seluchi Editor: Dr. Marcelo Seluchi Elaboração: Operação Meteorológica

Leia mais

ANÁLISE DE UMA LINHA DE INSTABILIDADE QUE ATUOU ENTRE SP E RJ EM 30 OUTUBRO DE 2010

ANÁLISE DE UMA LINHA DE INSTABILIDADE QUE ATUOU ENTRE SP E RJ EM 30 OUTUBRO DE 2010 ANÁLISE DE UMA LINHA DE INSTABILIDADE QUE ATUOU ENTRE SP E RJ EM 30 OUTUBRO DE 2010 No sábado do dia 30 de outubro de 2010 uma linha de instabilidade provocou temporais em áreas entre o Vale do Paraíba

Leia mais

Cemtec - MS Centro de Monitoramento de Tempo, do Clima e dos Recursos Hídricos

Cemtec - MS Centro de Monitoramento de Tempo, do Clima e dos Recursos Hídricos (Cemtec MS) Previsão do tempo PARA OS DIAS: 27 de maio (quarta-feira) a 29 de maio (sexta-feira) Chuva em Campo Grande para o mês de MAIO (até dia 26 às 13 h): 77,6 mm (estação do Inmet) A Normal Climatológica

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS ELEMENTOS CLIMÁTICOS OBSERVADOS NAS ESTAÇÕES DOS AEROPORTOS DE GUARULHOS, CONGONHAS, CAMPINAS E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

COMPARAÇÃO DOS ELEMENTOS CLIMÁTICOS OBSERVADOS NAS ESTAÇÕES DOS AEROPORTOS DE GUARULHOS, CONGONHAS, CAMPINAS E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS COMPARAÇÃO DOS ELEMENTOS CLIMÁTICOS OBSERVADOS NAS ESTAÇÕES DOS AEROPORTOS DE GUARULHOS, CONGONHAS, CAMPINAS E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Ana Catarina F. Perrella 1, Edson Cabral 2, cia Teixeira Lima 3, Sheila

Leia mais

REDE DE RADARES METEOROLÓGICOS: AÇÃO CONJUNTA DECEA INPE/CPTEC

REDE DE RADARES METEOROLÓGICOS: AÇÃO CONJUNTA DECEA INPE/CPTEC REDE DE RADARES METEOROLÓGICOS: AÇÃO CONJUNTA DECEA INPE/CPTEC Carlos Frederico de Angelis 1 Luiz Augusto Toledo Machado 1 Carlos Augusto Morales 2 Sergio Antonio Alves Silva 3 Carlos RobertoHenriques

Leia mais

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley)

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley) CAPÍTULO 8 CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA 1 CLIMA I 8.1 CIRCULAÇÃO GLOBAL IDEALIZADA Nosso conhecimento dos ventos globais provém dos regimes observados de pressão e vento e de estudos teóricos de movimento dos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FISIOGRÁFICAS NO LESTE DO NORDESTE DO BRASIL UTILIZANDO O MODELO RAMS

A INFLUÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FISIOGRÁFICAS NO LESTE DO NORDESTE DO BRASIL UTILIZANDO O MODELO RAMS A INFLUÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FISIOGRÁFICAS NO LESTE DO NORDESTE DO BRASIL UTILIZANDO O MODELO RAMS Dirceu Luís Herdies* Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos CPTEC-INPE Rodovia Presidente

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

METEOROLOGIA AEROESPACIAL NO INSTITUTO DE AERONÁUTICA E ESPAÇO (IAE)

METEOROLOGIA AEROESPACIAL NO INSTITUTO DE AERONÁUTICA E ESPAÇO (IAE) METEOROLOGIA AEROESPACIAL NO INSTITUTO DE AERONÁUTICA E ESPAÇO (IAE) Antônio Paulo de Queiroz 1, Cleber Souza Correa 2 1,2 Instituto de Aeronáutica e Espaço, São José dos Campos, Brasil email: 1 queirozapq@iae.cta.br,

Leia mais

01 Introdução 02 O que é um tornado? 03 Quanto custa um tornado? Tipo de destruição 04 Tornado é coisa de norte americano? 05 O que é um downburst?

01 Introdução 02 O que é um tornado? 03 Quanto custa um tornado? Tipo de destruição 04 Tornado é coisa de norte americano? 05 O que é um downburst? 01 Introdução 02 O que é um tornado? 03 Quanto custa um tornado? Tipo de destruição 04 Tornado é coisa de norte americano? 05 O que é um downburst? Mecanismos de disparo em áreas subtropicais Mecanismo

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

AMBIENTE SINÓTICO DE UM CCM OCORRIDO ENTRE OS DIAS 10 E 11 DE JANEIRO DE 2006 NO RS

AMBIENTE SINÓTICO DE UM CCM OCORRIDO ENTRE OS DIAS 10 E 11 DE JANEIRO DE 2006 NO RS AMBIENTE SINÓTICO DE UM CCM OCORRIDO ENTRE OS DIAS 10 E 11 DE JANEIRO DE 2006 NO RS Vanderlei R. de Vargas Jr. 1, Cláudia R. J.de Campos 1, Gustavo Rasera 1, Cristiano W. Eichholz 1 1 Universidade Federal

Leia mais

Recuperação do Campo de Vento a partir de Radar Meteorológico Doppler utilizando a técnica VAP

Recuperação do Campo de Vento a partir de Radar Meteorológico Doppler utilizando a técnica VAP Recuperação do Campo de Vento a partir de Radar Meteorológico Doppler utilizando a técnica VAP 1 Leonardo Calvetti, 1 Cesar Beneti e 1 André Luis dos Santos e 2 Rogil Escuciatto 1 Instituto Tecnológico

Leia mais

MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DE EVENTOS EXTREMOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO UMA APLICAÇÃO COM O SISMADEN

MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DE EVENTOS EXTREMOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO UMA APLICAÇÃO COM O SISMADEN MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DE EVENTOS EXTREMOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO UMA APLICAÇÃO COM O SISMADEN João Bosco Coura dos Reis 1 Thiago Batista dos Santos² Eymar Silva Sampaio Lopes³ 1 Instituto

Leia mais

INMET/CPTEC-INPE INFOCLIMA, Ano 13, Número 07 INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07

INMET/CPTEC-INPE INFOCLIMA, Ano 13, Número 07 INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07 PERMANECE A TENDÊNCIA DE CHUVAS ABAIXO DA MÉDIA NA REGIÃO SUL SUMÁRIO EXECUTIVO A primeira semana da estação de inverno,

Leia mais

Instituto Tecnológico SIMEPAR

Instituto Tecnológico SIMEPAR Evolução e Aspectos Institucionais Missão e Foco de Atuação Modelo Institucional Sistemas de Monitoramento e Previsão Produtos, Serviços e Sistemas Áreas de Pesquisa & Desenvolvimento Ações Estratégicas

Leia mais

Resumo. Abstract. 1. Introdução

Resumo. Abstract. 1. Introdução Contribuições da Região Amazônica e do Oceano Atlântico nas chuvas intensas de Janeiro de 2004 sobre a Região Nordeste do Brasil Raimundo Jaildo dos Anjos Instituto Nacional de Meteorologia raimundo.anjos@inmet.gov.br

Leia mais

Materiais e Métodos Resultados e Discussões

Materiais e Métodos Resultados e Discussões Sistema de Informações Meteorológicas e Imagens de Satelites - SIMSAT Wagner de A. Bezerra¹; Ivanete M. D. Ledo¹; Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Maria G. R. De Oliveira²; Kleber R. da P. Ataide¹

Leia mais

Simulação numérica de um evento extremo de precipitação ocorrido na região de Pelotas-RS.

Simulação numérica de um evento extremo de precipitação ocorrido na região de Pelotas-RS. Simulação numérica de um evento extremo de precipitação ocorrido na região de Pelotas-RS. Bruna Zaparoli, Claudinéia B. Saldanha, Rita de Cássia Marques Alves Centro Estadual de Pesquisas em Sensoriamento

Leia mais

ESTUDO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL E SUDESTE DO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR

ESTUDO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL E SUDESTE DO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR ESTUDO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL E SUDESTE DO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR Rosangela Barreto Biasi Gin, Augusto José Pereira Filho, Departamento de Ciências Atmosféricas-IAG, Universidade

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRECIPITAÇÃO UTILIZANDO SAT~LITE E RADAR METEOROLOGICO

DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRECIPITAÇÃO UTILIZANDO SAT~LITE E RADAR METEOROLOGICO 111 DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRECIPITAÇÃO UTILIZANDO SAT~LITE E RADAR METEOROLOGICO Jorge Conrado Conforte 1 Maria Aparecida Senaubar 2 Oswaldo Massambani 2 Fausto Carlos de Almeida 1 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014

Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014 Relatório Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014 Introdução O presente documento pretende explicar o mais exato possível as condições meteorológicas que afetaram as soltas no dia 19ABR14.

Leia mais

ESTUDO SINOTICO DE UM EVENTO EXTREMO EM 2012 NA CIDADE DE RIO GRANDE RS

ESTUDO SINOTICO DE UM EVENTO EXTREMO EM 2012 NA CIDADE DE RIO GRANDE RS ESTUDO SINOTICO DE UM EVENTO EXTREMO EM 2012 NA CIDADE DE RIO GRANDE RS Dejanira Ferreira Braz¹ 1Universidade Federal de Pelotas UFPel/Faculdade de Meteorologia Caixa Postal 354-96.001-970 - Pelotas-RS,

Leia mais

Análise comparativa de imagens de radar meteorológico e de campos de densidade de descargas elétricas atmosféricas para eventos convectivos severos

Análise comparativa de imagens de radar meteorológico e de campos de densidade de descargas elétricas atmosféricas para eventos convectivos severos Análise comparativa de imagens de radar meteorológico e de campos de densidade de descargas elétricas atmosféricas para eventos convectivos severos Mirian Caetano, Augusto Brandão D'Oliveira, César Strauss,

Leia mais

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO 1 SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO VISÃO GERAL O Sistema de Rastreio Óptico, ou simplesmente SISROT, foi desenvolvido com o objetivo de rastrear foguetes nos primeiros instantes de

Leia mais

ANÁLISE QUALITATIVA DE EVENTOS DE PRECIPITAÇÃO INTENSA NA BACIA DO GREGÓRIO, SÃO CARLOS - SP

ANÁLISE QUALITATIVA DE EVENTOS DE PRECIPITAÇÃO INTENSA NA BACIA DO GREGÓRIO, SÃO CARLOS - SP ANÁLISE QUALITATIVA DE EVENTOS DE PRECIPITAÇÃO INTENSA NA BACIA DO GREGÓRIO, SÃO CARLOS - SP Anaí Floriano Vasconcelos, Juliana Pontes Machado de Andrade 2, Eduardo Mario Mendiondo ³ Escola de Engenharia

Leia mais

VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ

VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ José E. Prates (1) e-mail: jeprates@simepar.br Marcelo Brauer Zaicovski (1) e-mail: brauer@simepar.br Alexandre K. Guetter (1) e-mail:

Leia mais

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro.

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A Primavera começa este ano às 22h04min (hora de Brasília), no dia 22 de setembro e termina às 17h20min (horário de

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DA CHUVA COM DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO EM ÁREAS CULTIVADAS, ATRAVÉS DE TRÊS RELAÇÕES Z-R

QUANTIFICAÇÃO DA CHUVA COM DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO EM ÁREAS CULTIVADAS, ATRAVÉS DE TRÊS RELAÇÕES Z-R QUANTIFICAÇÃO DA CHUVA COM DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO EM ÁREAS CULTIVADAS, ATRAVÉS DE TRÊS RELAÇÕES Z-R ZILDENE PEDROSA O. EMÍDIO 1, ROBERTO V. CALHEIROS² ¹Meteorologista, Ph.D., Instituto de Pesquisas

Leia mais

VALIDAÇÃO DA ASSIMILAÇÃO DE DADOS NA INFERÊNCIA DA REFLETIVIDADE DE UM RADAR COM O SISTEMA MM5

VALIDAÇÃO DA ASSIMILAÇÃO DE DADOS NA INFERÊNCIA DA REFLETIVIDADE DE UM RADAR COM O SISTEMA MM5 Revista Brasileira de Meteorologia, v.27, n.1, 75-84, 2012 VALIDAÇÃO DA ASSIMILAÇÃO DE DADOS NA INFERÊNCIA DA REFLETIVIDADE DE UM RADAR COM O SISTEMA MM5 GUSTAVO LEITE DA SILVA, ALEX SANTOS DA SILVA, YOSHIHIRO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX Rita Yuri Ynoue Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo.

Leia mais

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO MONITORAMENTO DE NUVENS DE GELO E DE ÁGUA LÍQUIDA SUPER-RESFRIADA SOBRE AS REGIÕES SUL E SUDESTE DO BRASIL UTILIZANDO-SE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO GOES-8 Nelson Jesus Ferreira Cláudia Cristina dos Santos

Leia mais

III ENCONTRO Economia Ecológica e a Gestão Ambiental: elementos para o Desenvolvimento Sustentável GESTÃO AMBIENTAL: ESTADO, EMPRESAS E ONG.

III ENCONTRO Economia Ecológica e a Gestão Ambiental: elementos para o Desenvolvimento Sustentável GESTÃO AMBIENTAL: ESTADO, EMPRESAS E ONG. III ENCONTRO Economia Ecológica e a Gestão Ambiental: elementos para o Desenvolvimento Sustentável Pedro Bara Neto 1 GESTÃO AMBIENTAL: ESTADO, EMPRESAS E ONG. CASO SIPAM Enseja a proposta temática a discussão

Leia mais

ESTUDO DE CASO DE UM EVENTO DE WALL CLOUD OCORRIDO EM VINHEDO-SP RESUMO

ESTUDO DE CASO DE UM EVENTO DE WALL CLOUD OCORRIDO EM VINHEDO-SP RESUMO ESTUDO DE CASO DE UM EVENTO DE WALL CLOUD OCORRIDO EM VINHEDO-SP Caroline R. Mazzoli da Rocha 1, Patricia V. Waldheim 1, Vanessa S. B. Carvalho 2, Wallace Menezes 3 RESUMO O estudo apresenta uma avaliação

Leia mais

Avisos meteorológicos: Uma visão operacional do grupo de previsão do tempo do CPTEC/INPE

Avisos meteorológicos: Uma visão operacional do grupo de previsão do tempo do CPTEC/INPE Avisos meteorológicos: Uma visão operacional do grupo de previsão do tempo do CPTEC/INPE Andrade, K. M. (1), Lima, M. V. (2), Escobar, G. C. J. (3). RESUMO: Este trabalho tem como objetivo mostrar o procedimento

Leia mais

CARTA HODOGRÁFICA E SISTEMAS ATMOSFÉRICOS

CARTA HODOGRÁFICA E SISTEMAS ATMOSFÉRICOS CARTA HODOGRÁFICA E SISTEMAS ATMOSFÉRICOS Daniel Mendes 1 José Luiz Gonçalves Junior 2 Eduardo Oliveira Santos 3 Tiago Oliveira Santos 4 Luiz Alberto Martins 5 A atmosfera, uma mistura mecânica de gases,

Leia mais

TEMA 6 CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA

TEMA 6 CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA TEMA 6 CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA Como já foi visto no estudo dos movimentos atmosféricos, a distribuição dos ventos na superfície deve ser aproximadamente as das Figuras da página seguinte. Os ventos

Leia mais

INVEST 90Q O SEGUNDO CICLONE TROPICAL NO ATLÂNTICO SUL.

INVEST 90Q O SEGUNDO CICLONE TROPICAL NO ATLÂNTICO SUL. INVEST 90Q O SEGUNDO CICLONE TROPICAL NO ATLÂNTICO SUL. Expedito Rebello; expedito.rebello@inmet.gov.br José de Fátima da Silva; jose.fatima@inmet.gov.br - Nadir Sales; nadir.sales@inmet.gov.br Instituto

Leia mais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais 2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais Para uma maior precisão na modelagem da atenuação provocada pela precipitação no sinal radioelétrico,

Leia mais

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ Francisco José Lopes de Lima 1,2, Fernando Ramos Martins 1, Jerfferson Souza, 1 Enio Bueno Pereira 1 1 Instituto Nacional

Leia mais

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA O comportamento climático é determinado por processos de troca de energia e umidade que podem afetar o clima local, regional

Leia mais