UNIVERSIDADE IGUAÇU- CAMPUS V- ITAPERUNA FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS- FaCET CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE IGUAÇU- CAMPUS V- ITAPERUNA FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS- FaCET CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE IGUAÇU- CAMPUS V- ITAPERUNA FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS- FaCET CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO LABORATÓRIOS ASSOCIADOS AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ITAPERUNA CAMPUS V

2 UNIVERSIDADE IGUAÇU- CAMPUS V- ITAPERUNA FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS- FaCET CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ESTRUTURA DOS LABORATÓRIOS ASSOCIADOS AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO Os laboratórios que servem ao curso de Engenharia de Produção têm como objetivo oferecer treinamento prático para aprendizagem do conteúdo das disciplinas. Os laboratórios possuem uma importância destacada por se tratarem de um dos primeiros espaços onde se realiza a articulação entre a teoria e a prática. Para o funcionamento adequado do curso, na área de Engenharia de Produção os laboratórios possuem equipamentos modernos, interligados em rede e com livre acesso à Internet. Além disto, é implementada uma política de constante atualização de equipamentos e dos títulos de software. Além dos laboratórios de informática, são utilizados os laboratórios de Física, Química, Ciência dos Materiais/ Geologia, Expressão Gráfica. A política de utilização obedece rigorosamente à carga horária curricular, embora haja estímulo à participação do aluno para estudo livre. Existe uma gerência geral dos laboratórios para tratar dos assuntos administrativos e técnicos, além do pré-preparo das aulas. As principais diretrizes dos laboratórios são uma permanente manutenção e atualização que obedecem ao cronograma de prioridades de atendimento às necessidades dos programas de ensino e pesquisa. O curso de Engenharia de Produção utiliza 2 (dois) laboratórios de informática: laboratório I e II, com 20 e 24 computadores, respectivamente. Em cada laboratório de Ensino de Informática os computadores possuem programas de diversas categorias instalados, acesso a mídias magnéticas, microcomputadores equipados com sistema multimídia, rede local e acesso à Internet. Com o intuito de atingir os alunos que não possuem computadores, estes laboratórios estão disponíveis para os alunos durante todo o expediente de funcionamento da Universidade, ou seja,

3 funcionam para todos os alunos e professores no horário de 8h às 22h de 2as a 6as feiras e de 8h às 12h aos sábados. Neste particular, nota-se que há um cuidado da direção em se atingir estes ideais. Laboratório I Sala 107: Processador Pentium IV 2,4 GHz, HD: 40 GB, Memória: 1 GB Laboratório II Sala 108: Processador Intel Core I3 3,40 GHz, HD: 500 GB, Memória: 4 GB A seguir são expostos os laboratórios utilizados pelo curso de Engenharia com suas principais características e elenco dos equipamentos 2 DESCRIÇÃO GERAL DOS LABORATÓRIOS 2.1 SALA DE PREPARO É o local onde são preparadas as aulas práticas feitas em todos os laboratórios, desde o preparo dos materiais e equipamentos que serão utiliza-os nas aulas até o preparo de soluções e reagentes.os serviços prestados pela Sala de Preparo atendem a todas as disciplinas ministradas no nosso complexo laboratorial e também aos docentes e discentes que necessitem dos nossos serviços. O professor agenda sua aula antecipadamente com a equipe responsável pelo laboratório. Na Sala de Preparo, o material solicitado é preparado com antecedência e levado ao seu respectivo laboratório. Assim, na hora da aula com os acadêmicos, a atividade já está pronta para ser colocada em prática. 2.2LABORATÓRIOS DE QUÍMICA É o local construído com a finalidade de se realizar experimentos. Em um laboratório químico, como o próprio nome já diz, são realizadas reações químicas. Neste laboratório, é primordial que o aluno assuma uma postura cuidadosa e responsável durante as experiências. Estes cuidados têm o objetivo não só de evitar acidentes, como também de diminuir o gasto dos reagentes, geralmente muito caros. Não se deve ter medo de se manusear os reagentes, vidrarias ou equipamentos, o que aumentará os riscos do trabalho, deve-se apenas, ter cautela para se trabalhar, evitando assim acidentes. A concentração sobre o trabalho e o conhecimento sobre o mesmo são fatores primordiais no combate aos acidentes. Muitas das experiências realizadas durante o ensino de química são seguras, desde que efetuadas com seriedade.

4 2.2.1 ESPAÇO FÍSICO Área (m²) Capacidade Condições Físicas Iluminação Ventilação Acessibilidade 2.2.2EQUIPAMENTOS DISPONÍVEIS DESCRIÇÃO QUANT. DESCRIÇÃO QUANT. 1.proveta 500 ml frasco p/armazenar soluções 27 2.proveta 250 ml 1 20.balão fundo redondo 15 3.proveta 100 ml pipetas graduadas 1 ml 95 4.proveta 25 ml pipetas graduadas 2ml 43 5.proveta 10 ml pipetas graduadas 5ml 32 6.Becker 400 ml pipetas graduadas 10ml 64 7.Becker 250 ml pipetas volumétricas 5ml 4 8.Becker 50 ml pipetas volumétricas 10ml 23 9.balão volumétrico 1000 ml pipetas volumétricas 20ml balão volumétrico 500 ml pipetas volumétricas 25ml balão volumétrico 100 ml pipetas Pasteur balão volumétrico 25 ml tubos de ensaio pequeno Erlenmeyer 500 ml tubos de ensaio grande Erlenmeyer 250 ml placas de Petri Erlenmeyer 50 ml bastão de vidro grau funil analítico pistilo vidro de relógio cálice para cultura balão de fundo chato 29

5 DESCRIÇÃO QUANT. DESCRIÇÃO QUANT. 1. Estufa Bico de bunsen Espectrofotômetro Cuba para eletroforese 2 3. Lavador de pipetas Micropipetas 5μl 5 4. Destilador de água Micropipetas 10μl 2 5. Balança digital Micropipetas 20μl 3 6. Centrífuga Micropipetas 50μl 5 7. Geladeira Micropipetas 100μl 4 8. Placa aquecedora Micropipetas 200μl 2 9. Agitador magnético Micropipetas 500μl Banho-maria Micropipetas 1000μl 4 MATERIAL DE APOIO: DESCRIÇÃO QUANT. DESCRIÇÃO QUANT. 1.bancos pinça de madeira 4 2.mesa termômetro 3 3.grampeador 2 12.suporte universal 17 4.tesoura 2 13.garra 14 5.pinça 1 14.tela de amianto 8 6.espátula grades para tubos 24 7.bacia 4 16.pissete 11 8.tanque para armazenamento 1 17.lixeira 2 de água 9.papel de filtro panelas de alumínio LABORATÓRIO DE FÍSICA O principal objetivo é promover a melhoria da formação dos alunos do Curso de Engenharia de Produção, através do ensino laboratorial que incorpore novos experimentos,os quais reflitam os conceitos de física envolvidos nas novas tecnologias e estimule os alunos a formularem pequenos experimentos relacionando o conteúdo conceitual com suas aplicações no referido curso. O docente tem como plano de trabalho a aquisição, a instalação dos novos equipamentos e de recursos didáticos aos laboratórios de física correspondentes à formação básica dos futuros engenheiros; o desenvolvimento de experimentos mais avançados inspirados em problemas das engenharias que relacionem os conteúdos das disciplinas de física com aplicações práticas.

6 2.3.1 ESPAÇO FÍSICO Área (m²) Capacidade Condições Físicas 44,50 15 Iluminação Ventilação Acessibilidade

7

8 EQUIPAMENTOS Material Quant. Material Quant. Amperímetro didático CC/AC 1 Gerador de sinais Minipa MFG Aparelho rotativo Canquerini 1 Gerador eletrostático de Correa 1 Artéria de vidro com rolha 2 Hastes com 3 rebaixos e encostos 3 Balança com referencial 3 Hastes com rebaixos e encosto 4 Balanço magnético Waltrick 1 Imãs Permanentes 3 Balcão volumétrico 1 Jogo de lentes 1 Banco óptico Jacoby 1 Kit composto de ferro de solda, 4 chaves de 8 fenda e alicates Bobina circular para alta corrente 1 Lâmina de faces paralelas 2 Bobina de 5 espiras 1 Lamparina 1 Bobina de 600 espiras 1 Luminária para cuba de ondas 1 Calorímetro 1 Massas acopláveis de 50 gf 8 Capacitores 12 Modelo elementar de arranjo atômico 1 Cavaleiro magnético 4 Mola helicoidal 6 Chave liga-desliga 2 Multímetro Digital Minipa MDM Chave reversora CC 1 Multiteste 1 Cilindro de Arquimedes 1 Osciloscópio Minipa MD 20Mhz 6 Conexões de fios com pinos Banana 34 Painel acrílico para associação de resistores 1 Conjunto estrutural básico de mesa de força 1 Painel acrílico para associação de resistores 1 Amorim Conjunto para lançamento horizontal Moller 1 Painel com disco de Hartl 1 Conjunto redator RHR com disco de 250mm 1 Painel hidrostático Russomano 1 Copo Berzelius 1 Paquímetro 1 Copo de Beker 4 PênduloPrumo 2 Cronômetros digitais 6 Pêndulos simples 6 Cuba acrílica cilíndrica 1 Perfil dióptrico, de fixação magnética, em 1 forma de meio circulo Diagrama de fixação magnética, com 1 ranhura 2 Perfil universal com escala milimetrada 2 Diagrama de fixação magnética, com 3 2 Perfil universal com fixador 4 ranhuras Dilatrômetro linear de precisão 1 Perfil universal RHR 2 Dinamômetro tubular 4 Pinça com 140mm para perfil universal 3 Disco graduado 1 Pinça de Morth 5 Dispositivo gerador de ondas estacionárias 1 Placa Pront-o Labor 6 Dispositivo para ondas estacionárias 1 Plano inclinado Aragão 1

9 Material Quant. Material Quant. Eletrodo em anel maior 2 Prisma ótico 2 Eletrodo em anel menor 2 Régua auxiliar para ondas estacionários 1 Eletrodo em ferradura 2 Réguas 8 Eletrodo em V 2 Resistores 84 Eletrodo pontiagudo 2 Sapatas niveladoras 36 Eletrodo reto 2 Selenoide 2 Esfera de aço 4 Seringa sem agulha 4 Espalho plano 2 Suporte fixo para associação de molas 2 Espelho côncavo 2 Suporte móvel para associação de molas 2 Espelho convexo 2 Suporte para diagramas e filtros 2 magnéticos Espira circular para alta corrente 1 Tela de amianto 2 Estroboscópio eletromecânico 1 Termômetro 3 Fio de aço com olhal 3 Torniquete elétrico com ponteiro 1 Fio de cobre com olhal 3 Transformadores 4 Fonte de alimentação Rizzi C.C 1 Tripé 7 Fonte de alimentação simétrica MPS Tripé metálico com tela de amianto 1 Fonte luminosa 1 Vibrador para cuba de ondas 1 Galvanômetro trapezoidal 1 Voltímetro didático C.C/A.C LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Os Laboratórios de Ensino de Informática dispõe de microcomputadores com programas de diversas categorias instalados, acesso a mídias magnéticas, microcomputadores equipados com sistema multimídia, rede local e acesso a internet. Estes laboratórios estão disponíveis para os alunos durante todo o expediente de funcionamento da Universidade. Nossos laboratórios estão divididos da seguinte forma: Laboratório I Sala 107: Processador Pentium IV 2,4 GHz, HD: 40 GB, Memória: 1 GB Laboratório II Sala 108: Processador Intel Core I3 3,40 GHz, HD: 500 GB, Memória: 4 GB

10

11 Softwares: Sistema Operacional Windows 8 Libreoffice 4.2 / Microsoft Office 2013 PRODUTOS AUTODESK

12 2.4.1 EQUIPAMENTOS DISPONÍVEIS HARDWARE LABORATÓRIO I 61,41 m² - Sala 107 LABORATÓRIO II 61,41 m² - Sala equipamentos com: 24 equipamentos com: Processador: Pentium IV 2.0 e/ou 2.6 GHZ Intel Core I3 3,40 GHZ Placa de Vídeo: Intel Intel HD 40 GB 500 GB Memória RAM: 1 GB 4 GB MÓVEIS E UTENSÍLIOS Laboratórios I e II MOVEIS E UTENSÍLIOS 40 Mesas 82 Cadeiras 02 Quadrosbrancos 02 Aparelhos de arcondicionado

13 2.5 LABORATÓRIO DE GEOLOGIA INTRODUÇÃO O Petróleo e o Gás são formados e armazenados em bacias sedimentares ao longo de milhões de anos através de processos geológicos. O estudo da quantificação e a qualificação destes processos, condições de formação, armazenamento e circulação dos fluídos bem como sua estrutura geológica dependem de técnicas que devem ser transmitidas de modo prático para melhor aproveitamento do aprendizado relacionado à Geologia OBJETIVO O Laboratório de Geologia da Unig Campus V tem como objetivo principal aprimorar as aulas relacionadas às disciplinas que tenham como base a Geologia. No curso de Engenharia de Produção, o laboratório de Geologia tem como objetivo servir como sala de apoio a alunos que queiram desenvolver atividades complementares, integrado com a física ESPAÇO FÍSICO Área (m²) Capacidade Condições Físicas 33,32 30 Iluminação Ventilação Acessibilidade EQUIPAMENTOS DISPONÍVEIS Quant. Equipamentos 01 Pia 01 Quadro branco 01 Bancada de madeira com seis cadeiras 01 Estante de ferro 01 Microscópio estereoscópico (lupa) 01 Pia 01 Quadro branco 01 Bancada de madeira com seis cadeiras 01 Estante de ferro Quantidade pequena de ácido clorídrico (HCl)

14 - Conjunto de amostras de rochas e minerais descrito abaixo: Amostras de rochas ígneas (granito, riolito, gabro, basalto, granodiorito, sienito, traquito); Amostras de rochas metamórficas (filito, ardósias, xisto, gnaisse, mármore); Amostras de rocha sedimentar (arenito, argilito, calcáreooolítico, dolimita, calcita, brecha sedimentar); - Coleção de minerais contendo: Rodocrosita, Apatita, Zoisita, Kunzita, Diamante, Pérola, Obsidiana, Opala, Cornalina, Nácar, Quartzo Esfumado, Calcopirita, Olho de Tigre, Almandina, Hematita, Malaquita, Jadeíta, Quartzo Prásio, Rubi, Ágata Musgosa, Crisocola, Água Marinha, Aventurina, Cordierita, Zircão, Nefrita, Amazonita, Ágata, Hidenita, Quartzo Rosa, Sodalita, Ametista, Obsidiana Marrom, Lápis lazúli, Unaquita, Esmeralda, Hessonita, Rodonita, Topázio, Verdelita, Berilo, Rosa do Deserto, Dumortierita, Gesso, Cromita, Calcedônia, Escorlita, Galena, Diopsídio, Quartzo Rosa, Pirita, Colemanita, Rutilo em Quartzo, Biotita, Magnetita, Baritina, Ludwigita, Quartzo, Granada, Siderita, Celestina, Ilvaíta, Apatita, Cordierita, Coríndon, Hedembergita, Pirrotita, Limonita, Lepdolita, Rodonita, luorita, Hematita, Pirolusita, Ilmenita, Labradorita, Ametista, Wulfenita, Actinolita, Esfalerita, Obsidiana negra, Calcita azul

15 2.6 LABORATÓRIO DE EXPRESSÃO GRÁFICA 2.6.1ESPAÇO FÍSICO Área (m²) Condições Físicas 41,65 Iluminação Ventilação Acessibilidade EQUIPAMENTOS DISPONÍVEIS Quant. Equipamentos 17 Pranchetas 17 Banquetas de apoio 01 Quadro branco

Infraestrutura Física

Infraestrutura Física UNIVERSIDADE IGUAÇU CAMPUS ITAPERUNA FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA DE PETRÓLEO Geral Infraestrutura Física O Curso de Engenharia de Petróleo possui infra estrutura adequada

Leia mais

Laboratório de Ensino de Matemática

Laboratório de Ensino de Matemática LABORATÓRIOS ESPECÍFICOS Laboratório de Ensino de Matemática Equipamentos Descrição da sala Computador Calculadoras gráficas 10 Mesas com 20 bancos 02 Carteiras 20 Mesa com cadeira para o professor Quadro

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Marketing

Curso Superior de Tecnologia em Marketing Curso Superior de Tecnologia em Marketing O Curso Superior de Tecnologia em Marketing - UNIG- Nova Iguaçu - possui infraestrutura suficiente e adequada ao número de vagas e ao funcionamento das disciplinas,

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO Objetivo: Explicação das normas básicas de segurança no laboratório. Aula teórica com retroprojetor, transparências e demonstração de algumas

Leia mais

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO Lembre-se que o microscópio utilizado em nosso laboratório possui uma entrada especial para uma câmera de vídeo. Parte Mecânica: Base ou Pé: Placa de apoio do microscópio

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ ANEXO I RELAÇÃO DO MATERIAL PARA REVITALIZAÇÃO DOS LABORATORIOS DE CIENCIAS em favor da EEEP JOAQUIM NOGUEIRA, NE: 15.134, Valor Limite: R$5.580,88 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS DOS MATERIAIS ITEM DESCRITIVO

Leia mais

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O Prof. Agamenon Roberto Prof. Agamenon Roberto MATERIAS DE LABORATÓRIO 2 TUBO DE ENSAIO: Tubo de vidro fechado em uma das extremidades, empregado para fazer reações

Leia mais

MANUAL DE VIDRARIAS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO

MANUAL DE VIDRARIAS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO MANUAL DE VIDRARIAS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO VIDRARIAS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO BALÃO DE FUNDO REDONDO BALÃO VOLUMÉTRICO BECKER BURETA CADINHO CÁPSULA DE PORCELANA CONDENSADOR DESSECADOR

Leia mais

LABORATÓRIO: FISIOLOGIA HUMANAI

LABORATÓRIO: FISIOLOGIA HUMANAI NOTA: PRÁTICA N O : NOME: GRUPO: CURSO: MEDICINA TURMA: PERÍODO: 1º DATA: / / Antes de iniciar a aula prática, confira sua bancada observando se há pichações ou falta de materiais necessários à atividade.

Leia mais

VIDRARIAS VIDRARIAS OUTROS EQUIPAMENTOS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO. Usado na trituração e pulverização de sólidos.

VIDRARIAS VIDRARIAS OUTROS EQUIPAMENTOS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO. Usado na trituração e pulverização de sólidos. VIDRARIAS ALMOFARIZ COM PISTILO BALÃO DE FUNDO CHATO BALÃO DE FUNDO REDONDO BALÃO VOLUMÉTRICO BECKER BURETA CADINHO CÁPSULA DE PORCELANA CONDENSADOR DESSECADOR ERLENMEYER FUNIL DE BUCHNER FUNIL DE DECANTAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU CAMPUS ITAPERUNA CURSO DE DIREITO LABORATÓRIOS

UNIVERSIDADE IGUAÇU CAMPUS ITAPERUNA CURSO DE DIREITO LABORATÓRIOS LABORATÓRIOS ITAPERUNA, Julho/2015 ESTRUTURA DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA ASSOCIADOS AO 1 INTRODUÇÃO Os laboratórios que servem ao curso de Direito têm como objetivo oferecer treinamento prático, auxílio

Leia mais

MATERIAIS DE LABORATÓRIO QUÍMICO

MATERIAIS DE LABORATÓRIO QUÍMICO UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR (UCSAL) MATERIAIS DE LABORATÓRIO QUÍMICO VIDRARIAS ALMOFARIZ COM PISTILO Usado na trituração e pulverização de sólidos. BALÃO DE FUNDO CHATO Utilizado como recipiente

Leia mais

3) Erlenmeyer Devido ao gargalo estreito é usado para agitar soluções e dissolver substâncias.

3) Erlenmeyer Devido ao gargalo estreito é usado para agitar soluções e dissolver substâncias. VIDRARIAS E MATERIAIS DIVERSOS DE LABORATÓRIO Professora: Juliana Rovere 1) Béquer É usado para dissolver substâncias, efetuar reações e aquecer líquidos sobre tela de amianto, pois é feito de vidro pyrex,

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO

EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO (principais vidrarias) ALMOFARIZ COM PISTILO Usado na trituração e pulverização de sólidos. BALÃO DE FUNDO CHATO Fundo Chato Utilizado como recipiente para conter líquidos ou

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº 23502.000008.2014-24

Leia mais

Autor: Carlos Disciplina/matéria: química experimental/orgânica Assunto: Materiais de laboratório. Página : 1

Autor: Carlos Disciplina/matéria: química experimental/orgânica Assunto: Materiais de laboratório. Página : 1 Página : 1 Página : 2 Página : 3 Página : 4 Almofariz e Pistilo: Aparelho usado na trituração e pulverização de sólidos. Anel ou Argola: Empregado como suporte do funil de filtração simples ou do funil

Leia mais

Laboratórios de Pesquisa da Biologia

Laboratórios de Pesquisa da Biologia Laboratórios de Pesquisa da Biologia 1 - Laboratório de Biologia e Ecologia Animal (B 1.01) Conta com um espaço físico de 12m x 12m (144m²) phmetro ou medidor de ph: é um aparelho usado para medição de

Leia mais

Principal material de laboratório e a sua função Balão de Erlenmeyer/matrás Gobelé/copo Balão de fundo plano Proveta Balão volumétrico Caixa de Petri Kitasato Balão de destilação Vidro de relógio Tubos

Leia mais

EEEP MARLY FERREIRA MARTINS LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS

EEEP MARLY FERREIRA MARTINS LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS EEEP MARLY FERREIRA MARTINS LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS I. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO 1. É aconselhável o uso da bata e de sapatos fechados. 2. Mantenha o laboratório e sua bancada sempre limpa e livre

Leia mais

Catálogo do Laboratório M 308

Catálogo do Laboratório M 308 Catálogo do Laboratório M 308 Curso de Física Universidade Católica de Brasília UCB X/2013 1 Lista de Figuras 1 Conjunto: tubo de raios catódicos. Bomba de vácuo, tubo de raios catódicos, transformador,

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 10

Química Geral Experimental - Aula 10 Química Geral Experimental - Aula 10 Título da Prática: Reações Químicas (Parte l) Objetivos: Determinar a concentração exata (padronizar) de soluções aquosas diluídas de ácidos e bases fortes utilizando

Leia mais

CDCC-USP. 1 Base de madeira 2 Suporte Lâmp. 3 Lâmpada 15W T8 4 Capa protetora 5 Reator 6 Lig/Des e Sel. volt 7 Filtro 8 Tampa

CDCC-USP. 1 Base de madeira 2 Suporte Lâmp. 3 Lâmpada 15W T8 4 Capa protetora 5 Reator 6 Lig/Des e Sel. volt 7 Filtro 8 Tampa ANEXO VII 7 4 2 1 8 5 6 1 Base de madeira 2 Suporte Lâmp. Lâmpada 15W T8 4 Capa protetora 5 Reator 6 Lig/Des e Sel. volt 7 Filtro 8 Tampa P.Nº Cr. 100 Junior Fonte de Luz com abertura em fenda Nº Código

Leia mais

91721241 BALÃO FUNDO REDONDO COM JUNTA ESMERILHADA 100 ML 91721321 BALÃO FUNDO REDONDO COM JUNTA ESMERILHADA 200 ML 91721361 BALÃO FUNDO REDONDO COM

91721241 BALÃO FUNDO REDONDO COM JUNTA ESMERILHADA 100 ML 91721321 BALÃO FUNDO REDONDO COM JUNTA ESMERILHADA 200 ML 91721361 BALÃO FUNDO REDONDO COM VIDRARIA CÓDIGO DESCRIÇÃO 9924228 ANEL EM POLIPROPILENO PARA FRASCO REAGENTE GL 45 9991030 APARELHO DE DORNIC COMPLETO ESCALA 0 Á 40 ( SEM PINÇA DE MHOR) 9991031 APARELHO DE DORNIC COMPLETO ESCALA 0 Á

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO DE QUÍMICA

EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO DE QUÍMICA www.fabianoraco.oi.com.br Equipamentos de Laboratório de Química 1 EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO DE QUÍMICA Prof. Fabiano Ramos Costa Química Não se Decora, Compreende! Equipamentos de Laboratório de Química

Leia mais

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciência e Tecnologia Laboratório de Ciências Químicas Química Geral I Experimento 3 Tendências Periódicas 1 - OBJETIVOS Relacionar a reatividade química

Leia mais

Policlínica Veterinária

Policlínica Veterinária Laboratórios e Toaletes Anatomia 150,0 Boco C Campus V Itaperuna Ossário e sala de tanques 69,3 Térreo - Bloco C Histologia e Hematologia 84,0 Térreo - Bloco A Bioquímica e Biofísica 63,0 Térreo - Bloco

Leia mais

VIDRARIAS E UTENSÍLIOS DE LABORATÓRIO

VIDRARIAS E UTENSÍLIOS DE LABORATÓRIO Universidade Federal Fluminense Departamento de Biologia Celular e Molecular Disciplina de Iniciação à Pesquisa I Professoras responsáveis: Lídia Amorim e Patricia Burth. VIDRARIAS E UTENSÍLIOS DE LABORATÓRIO

Leia mais

Tipo de Material QOI - 02/03 1. Laboratório de Química Orgânica e Farmacêutica. Material de Vidro. Material de Metal

Tipo de Material QOI - 02/03 1. Laboratório de Química Orgânica e Farmacêutica. Material de Vidro. Material de Metal Laboratório de Química Orgânica e Farmacêutica MATERIAL DE LABORATÓRIO E EQUIPAMENTO Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo 1 Material de Vidro O material de vidro é um dos elementos fundamentais do laboratório.

Leia mais

VIDRARIAS. Preços sujeitos a variações. Capacidad e DESENHO CÓDIGO DESCRIÇÃO PREÇO

VIDRARIAS. Preços sujeitos a variações. Capacidad e DESENHO CÓDIGO DESCRIÇÃO PREÇO VIDRARIAS Preços sujeitos a variações. DESENHO CÓDIGO DESCRIÇÃO Capacidad e PREÇO 9924219 ANEL EM POLIPROPILENO AZUL PARA FRASCO REAGENTE GL 32 1,81 9924228 ANEL EM POLIPROPILENO AZUL PARA FRASCO REAGENTE

Leia mais

Técnicas de Medidas e Tratamento de Dados Experimentais

Técnicas de Medidas e Tratamento de Dados Experimentais IQ-UFG Curso Experimental de Química Geral e Inorgânica Técnicas de Medidas e Tratamento de Dados Experimentais Prof. Dr. Anselmo Introdução A interpretação e análise dos resultados são feitas a partir

Leia mais

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA Parte I Produção do óxido de cobre Ponto de Partida 1- Preparar uma amostra de 300 mg de cobre a partir de um fio de cobre ou de uma folha de cobre. 2- Colocar a

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CALOR ESPECÍFICO DE AMOSTRAS DE METAIS E ÁGUA

DETERMINAÇÃO DO CALOR ESPECÍFICO DE AMOSTRAS DE METAIS E ÁGUA DETEMINAÇÃO DO CALO ESPECÍFICO DE AMOSTAS DE METAIS E ÁGUA 1. Introdução O Calor Específico ou Capacidade Calorífica Específica, c, é a razão entre a quantidade de calor fornecida à unidade de massa da

Leia mais

GRUPO TCHÊ QUÍMICA MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO

GRUPO TCHÊ QUÍMICA MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO GRUPO TCHÊ QUÍMICA MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO Porto Alegre RS www.tchequimica.com Versão 3.0 Prezados usuários: O Grupo Tchê Química tem grande interesse em saber qual a sua opinião a respeito

Leia mais

Descrição e dimensões dos itens elétricos

Descrição e dimensões dos itens elétricos Descrição e dimensões dos itens elétricos Item 2 2.1 Condutivímetro (Kit 01 Química - Compostos Iônicos) Lâmpada miniatura rosca. Voltagem 6 volts. Corrente 150 ma à 250 ma Diâmetro 9,5 mm e altura 22

Leia mais

Laborglas Ind. e Com. de Materiais de Laboratório LTDA. Rua Coronel Albino Bairão. 203 Tel.: 0055-11-2292 42 22

Laborglas Ind. e Com. de Materiais de Laboratório LTDA. Rua Coronel Albino Bairão. 203 Tel.: 0055-11-2292 42 22 Laborglas Ind. e Com. de Materiais de Laboratório LTDA. Rua Coronel Albino Bairão. 203 Tel.: 0055-11-2292 42 22 CEP 03054-020 São Paulo - SP - Brazil Fax.: 0055-11-2694 83 71 E-mail: laborglas@laborglas.com.br

Leia mais

Normas de segurança em laboratório. 15) Em caso de acidente, avise imediatamente seu professor.

Normas de segurança em laboratório. 15) Em caso de acidente, avise imediatamente seu professor. Normas de segurança em laboratório Com a intenção de evitar acidentes e/ou danos físicos ou funcionais, durante as aulas, é importante que você tome as seguintes medidas: 15) Em caso de acidente, avise

Leia mais

CDCC-USP. Tampa interna. Vista explodida CAIXA MÉDIA DA EXPERIMENTOTECA. Data. Dimensões Lineares e Redondas. Tolerâcia para Ângulos (lado menor)

CDCC-USP. Tampa interna. Vista explodida CAIXA MÉDIA DA EXPERIMENTOTECA. Data. Dimensões Lineares e Redondas. Tolerâcia para Ângulos (lado menor) ANEXO IV P.Nº Cr. CDCC-USP Denominação das peças Material Caixa pequena da experimentoteca Dimensões Brutas Qt. Data Desenho Projeto Respons. Alterado 00 Escala Projeção O.I. Substituir Substituído Vista

Leia mais

RELAÇÃO DE MATERIAL PERMANENTE

RELAÇÃO DE MATERIAL PERMANENTE RELAÇÃO DE MATERIAL PERMANENTE MATERIAL QUANTIDADE Máquina de Xérox 01 Máquina Fotográfica 01 Filmadora 01 multimídia 01 Televisores 06 Aparelhos de DVDs 05 Aparelhos de Vídeos 05 Aparelho gravador de

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

LISTA DE PREÇOS - PROMOCIONAL 2011 PLATAFORMA TIPO JACK MODELO

LISTA DE PREÇOS - PROMOCIONAL 2011 PLATAFORMA TIPO JACK MODELO Página 1 PLATAFORMA TIPO JACK PLATAFORMA TIPO JACK LATÃO E COM PINTURA EPÓXI LARGURA ELEVAÇÃO 069-1 10 cm 10 cm 17 cm 069-2 15 cm 12 cm 25 cm 069-3 15 cm 15 cm 25 cm 069-4 20 cm 16 cm 35 cm 069-5 20 cm

Leia mais

L A B O R A T Ó R I O S D I D Á T I C O S

L A B O R A T Ó R I O S D I D Á T I C O S O desenvolvimento de cada atividade prática dá-se com auxílio de apostilas de atividades práticas, manuais dos equipamentos e de segurança e tutoria, além do professor da disciplina e de um técnico em

Leia mais

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1 Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Objetivo: Conhecer os materiais volumétricos e as técnicas de utilização desses materiais. I. Introdução teórica: Medir volumes de líquidos faz

Leia mais

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Universidade Estadual de Goiás UnUCET - Anápolis Química Industrial Química Experimental II Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Alunos: Bruno Ramos; Wendel Thiago; Thales

Leia mais

CATÁLOGO DE MATERIAL LABORATORIAL

CATÁLOGO DE MATERIAL LABORATORIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE ORÇAMENTOS E FINANÇAS COORDENADORIA DE SUPRIMENTOS CATÁLOGO DE MATERIAL LABORATORIAL OURO PRETO MARÇO / 2016

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO:

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: MATERIAIS BLH-IFF/NT- 45.04 - Lavagem, Preparo e Esterilização de Materiais FEV 2004 BLH-IFF/NT- 45.04 Rede Nacional de Bancos de Leite Humano FIOCRUZ/IFF-BLH

Leia mais

Equipamentos disponíveis na Clínica de Odontologia Campus V

Equipamentos disponíveis na Clínica de Odontologia Campus V Equipamentos disponíveis na Clínica de Odontologia Campus V Descrição Quant. ALMOXARIFADO Gaveteiro cinza com 4 gavetas e chave 01 Mesa sem gaveta 01 Estante de aço 01 Armário branco grande com chave 02

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTO: LABORATÓRIO Nº 03 LABORATORIO DE FARMACOTÉCNICA MEDIDAS

ÁREA DE CONHECIMENTO: LABORATÓRIO Nº 03 LABORATORIO DE FARMACOTÉCNICA MEDIDAS UNISEPE União das Instituições de Serviço, Ensino e Pesquisa Faculdades Integradas do Vale do Ribeira Rua Oscar Yoshiaki Magário, s/n Jardim das Palmeiras CEP: 11900-000 Registro (SP) (13) 3828-2840 www.scelisul.com.br

Leia mais

Catálogo - Itens para Laboratório

Catálogo - Itens para Laboratório Catálogo - Itens para Laboratório Orçamento / Contato: (32)34222525 Email: comercial@textechbrasil.com.br http://www.textechbrasil.com.br Item Produto 180 Acídimetro de Dornic 10ml - 0-100 187 Balão Volumétrico

Leia mais

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem por objetivo quantificar amido em produtos cárneos por espectrometria molecular no. 2 Fundamentos Baseia-se na determinação espectrofotométrica a 620 nm do composto

Leia mais

DTI - DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI - DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Índice 1. APRESENTAÇÃO...: 2 2. OBJETIVOS...: 2 3. INFRAESTRUTURA OPERACIONAL...: 3 3.1. Sala dos Professores...: 3 3.2. Secretaria das Coordenações...: 3 3.3. Secretaria Geral...: 3 3.4. Biblioteca...:

Leia mais

LABORATÓRIO DE MATERIAIS E REVESTIMENTOS

LABORATÓRIO DE MATERIAIS E REVESTIMENTOS LABORATÓRIO DE MATERIAIS E REVESTIMENTOS 1. Descrição Física Este espaço se configura o ambiente ideal para a realização de aplicações práticas de materiais e revestimentos, bem como trabalhos artesanais,

Leia mais

1.2) PROJETO DE VIRTUALIZAÇÃO DE COMPUTADORES DE MESA

1.2) PROJETO DE VIRTUALIZAÇÃO DE COMPUTADORES DE MESA 1.1) PLANO DE APLICAÇÃO DE RECURSOS (EM ANEXO) 1.2) PROJETO DE VIRTUALIZAÇÃO DE COMPUTADORES DE MESA INTRODUÇÃO O curso de engenharia florestal possui 4395 horas de aulas em disciplinas obrigatórias e

Leia mais

Promoção Experimentos Científicos válidade: 30/11/2015 ENSAIOS. Código Descrição do Produto R$ unitário

Promoção Experimentos Científicos válidade: 30/11/2015 ENSAIOS. Código Descrição do Produto R$ unitário Promoção Experimentos Científicos válidade: 30/11/2015 ENSAIOS Código Descrição do Produto R$ unitário AM567.05 Amperímetro 15 A R$ 106,50 AM567.33 Amperímetro 3 A R$ 106,50 AM567.50 Amperímetro 500 ma

Leia mais

IQ-UFG. Curso Experimental de Química Geral e Inorgânica. Prof. Dr. Anselmo

IQ-UFG. Curso Experimental de Química Geral e Inorgânica. Prof. Dr. Anselmo IQ-UFG Curso Experimental de Química Geral e Inorgânica Aula 02 Reconhecimento de Vidrarias e Introdução às Técnicas de Laboratório Prof. Dr. Anselmo Vidrarias e equipamentos usuais em laboratórios de

Leia mais

Sistemas de Medição e Metrologia. Aula 3. Organização da Aula 3. Sistema de Medição e Metrologia. Contextualização. Profa. Rosinda Angela da Silva

Sistemas de Medição e Metrologia. Aula 3. Organização da Aula 3. Sistema de Medição e Metrologia. Contextualização. Profa. Rosinda Angela da Silva Sistemas de Medição e Metrologia Aula 3 Profa. Rosinda Angela da Silva Organização da Aula 3 Equipamentos de medição A importância dos equipamentos Os equipamentos mais conhecidos Uso e cuidados Utilizando

Leia mais

COMISSÃO DE ENSINO MÉDIO E EDUCAÇÃO SUPERIOR Parecer nº 856/2007 Processo UERGS nº 358/19.50/07.5

COMISSÃO DE ENSINO MÉDIO E EDUCAÇÃO SUPERIOR Parecer nº 856/2007 Processo UERGS nº 358/19.50/07.5 COMISSÃO DE ENSINO MÉDIO E EDUCAÇÃO SUPERIOR Parecer nº 856/2007 Processo UERGS nº 358/19.50/07.5 Reconhece o Curso Superior de Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia, desenvolvido, na Unidade de Novo

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DOS LABORATORIOS DE ENSINO -UNIFLU- CAMPUS II ODONTOLOGIA DE CAMPOS

REGIMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DOS LABORATORIOS DE ENSINO -UNIFLU- CAMPUS II ODONTOLOGIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DOS LABORATORIOS DE ENSINO -UNIFLU- CAMPUS II ODONTOLOGIA DE CAMPOS MANTENEDORA: Fundação Cultural de Campos Rua Tenente Coronel Cardoso, 349 Centro de Campos dos Goytacazes

Leia mais

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Materiais e Métodos 97 CAPÍTULO 5 Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Toda a empresa precisa ter gente que erra, que não tem medo de errar

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG. Normas do Laboratório de Química e Análise de Alimentos Curso de Nutrição (UFV/CRP)

Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG. Normas do Laboratório de Química e Análise de Alimentos Curso de Nutrição (UFV/CRP) Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG Normas do Laboratório de Química e Análise de Alimentos Curso de Nutrição (UFV/CRP) Rio Paranaíba Novembro 2012 1 Apresentação O Laboratório

Leia mais

Diagnóstico do Laboratório de Ciências da Escola Estadual de Ensino Médio Grupo Lavoisier

Diagnóstico do Laboratório de Ciências da Escola Estadual de Ensino Médio Grupo Lavoisier Diagnóstico do Laboratório de Ciências da Escola Estadual de Ensino Médio Grupo Lavoisier Bruna Nunes, Priscila Freitas, Rutiélen Santos, Marcele Oliveira e Antônio Ortigara. Profa. Mary Coutinho O grupo

Leia mais

Colégio João Paulo I

Colégio João Paulo I Colégio João Paulo I Laboratório de Química Roteiros de aulas práticas I Prof.: Cristiano Alfredo Rupp 1 Índice: NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Pág. 3 EQUIPAMENTOS E VIDRARIAS MAIS UTILIZADOS

Leia mais

RELATÓRIO DE PATRIMÔNIOS POR CONTA CONTÁBIL - Situação: Ativo

RELATÓRIO DE PATRIMÔNIOS POR CONTA CONTÁBIL - Situação: Ativo Pág.: 1 / 105 RELATÓRIO DE ÔNIOS POR CONTA CONTÁBIL - Situação: Ativo Conta : 14212.04.00 APARELHOS DE MEDICAO E ORIENTACAO Calibrador de pressão portátil para esfignomanômetro Simulador de sopro Coleçao

Leia mais

PROF. ROSSONI QUÍMICA

PROF. ROSSONI QUÍMICA 01 - (UECE) Às vezes, a filtração simples é muito lenta, como no caso da mistura água e farinha. Para acelerá-lo, utiliza-se o método de filtração a vácuo, conforme a figura a seguir. Assinale a opção

Leia mais

Mineralogia fundamental

Mineralogia fundamental Mineralogia fundamental História! Textos bíblicos! Arqueologia paleolítico, neolítico, egípcios! Plínio, o velho Tratado das Pedras Preciosas! Idade média alquimistas! Século XVIII sistematização como

Leia mais

Pauta de Reivindicações Específicas dos Cursos da UFV/CRP

Pauta de Reivindicações Específicas dos Cursos da UFV/CRP 1 Pauta de Reivindicações Específicas dos Cursos da UFV/CRP A presente pauta foi elaborada através de levantamento elaborado por comissão de estudantes de cada curso, serão apresentadas as reivindicações

Leia mais

QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM HARDWARE

QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM HARDWARE OPORTUNIDADE Estamos diante de um fato: o computador está presente em estabelecimentos dos mais diversos ramos e em muitos lares brasileiros. Sem dúvida este dado revela uma grande oportunidade no mercado

Leia mais

LABORATORIOS DE INFORMÁTICA. prof. André Aparecido da Silva Disponível em: www.oxnar.com.br/2015/profuncionario

LABORATORIOS DE INFORMÁTICA. prof. André Aparecido da Silva Disponível em: www.oxnar.com.br/2015/profuncionario LABORATORIOS DE INFORMÁTICA prof. André Aparecido da Silva Disponível em: www.oxnar.com.br/2015/profuncionario 1 O conhecimento da humanidade só evoluiu em virtude da incessante busca do ser humano em

Leia mais

- Alunos do Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico do

- Alunos do Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico do Entidade Promotora: Público - Alvo: - Alunos do Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico do Externato Paraíso dos Pequeninos. Objectivos: - Divulgar e promover a cultura científica; - Estimular a implementação

Leia mais

Aula 4 MATERIAIS REAGENTES. Maria de Lara Palmeira de Macedo Arguelho Beatriz

Aula 4 MATERIAIS REAGENTES. Maria de Lara Palmeira de Macedo Arguelho Beatriz Aula 4 MATERIAIS REAGENTES META Apresentar as principais vidrarias e utensílios em um laboratório químico e conhecer suas aplicações. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: identifi car as principais

Leia mais

LABORATÓRIOS DA ÁREA AMBIENTAL

LABORATÓRIOS DA ÁREA AMBIENTAL LABORATÓRIOS DA ÁREA AMBIENTAL Laboratório de Hidráulica Ambiental Localização: Bloco "M" 223 Área: 70,38 m² Módulo para Experimentos e Perda de Carga: - 01 Reservatório (300L); - 01 Grupo Motor Bomba;

Leia mais

Grupo Mineral Espécie Variedade Escala de Mohs. Talco branco 1 Gipsita (gesso) branco, cinzento 2 Estibina cinzento metálico 2 Ambar amarelo 2-2,5

Grupo Mineral Espécie Variedade Escala de Mohs. Talco branco 1 Gipsita (gesso) branco, cinzento 2 Estibina cinzento metálico 2 Ambar amarelo 2-2,5 Calcite Apatite Talco branco 1 Gipsita (gesso) branco, cinzento 2 Estibina cinzento metálico 2 Ambar amarelo 2-2,5 Pérola branco, rosa, prateado, creme, dourado, verde, azul, preto 2,5-4,5 Madrepérola

Leia mais

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de bases voláteis totais em pescados, indicando o seu grau de conservação. 2 Fundamentos As bases voláteis totais (N-BVT) compreendem

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «21. As rochas selantes devem mostrar propriedades como impermeabilidade e plasticidade para manter sua condição de selante mesmo após ser submetida

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO TÉCNICO 1 INTRODUÇÃO

MODELO DE RELATÓRIO TÉCNICO 1 INTRODUÇÃO MODELO DE RELATÓRIO TÉCNICO 1 INTRODUÇÃO (Parte teórica, relacionada ao estudo em questão) 2 OBJETIVO (Objetivo do trabalho ou do relatório) 3 PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS 3.1 MATERIAIS (Todos os materiais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE QUÍMICA E FÍSICA DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE QUÍMICA E FÍSICA DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA (Lei nº. 11.640, de 11 de janeiro de 2008) REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE QUÍMICA E FÍSICA DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS Art. 1º

Leia mais

Laboratórios do Curso de Arquitetura

Laboratórios do Curso de Arquitetura - Descrição do Laboratório Áreas de Conhecimento: Arquitetura e Engenharia Civil Laboratório de Ensaios (Bloco V) Sala nº Esse laboratório é utilizado pelos alunos de Arquitetura e Engenharia Civil, bem

Leia mais

Laboratórios de Anatomia

Laboratórios de Anatomia Equipamentos disponíveis para uso acadêmico Laboratórios de Anatomia Descrição Afastador de Farabeut 03 Afastador de Tórax Afastador de válvula par Agulha de sutura 12 Apagador para lousa 02 Arco serra

Leia mais

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA Laboratórios de Química I, II, III, IV Localização: - Analítica - Bloco "M" 304 Área: 70,65 m² - Físico Química - Bloco M 303 Área: 95,48m² - Química Inorgânica - Bloco

Leia mais

MATERIAIS RECEBIDOS (2013)

MATERIAIS RECEBIDOS (2013) MATERIAIS RECEBIDOS (2013) DESTINATÁRIO GRUPO MATERIAL ESPECÍFICO VALOR UNIT. QTDE VALOR TOTAL MEDIDOR PORTATIL DE PH R$ 389,00 1 R$ 389,00 ESPECTROFOTOMETRO R$ 1.534,00 1 R$ 1.534,00 SALAS SALAS DE CAIXA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO DE NUTRIÇÃO RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO DE NUTRIÇÃO RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CURSO DE NUTRIÇÃO RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS Projeto REUNI Novos Cursos Para que a implantação e

Leia mais

Analisador de cianetos ANALYSER AUTOMAÇÃO ANALÍTICA CASA AMERICANA MARCONI TECNOVIP WAISER. Analisador de área superficial LABCONTROL REOTERM TECNOVIP

Analisador de cianetos ANALYSER AUTOMAÇÃO ANALÍTICA CASA AMERICANA MARCONI TECNOVIP WAISER. Analisador de área superficial LABCONTROL REOTERM TECNOVIP Acessórios de aço inox RR RESISTÊNCIAS Acetato de butila Acidímetros A. automáticos A. com suporte de inox homogeneizadores ARTEGEL magnéticos c/ aquecimento áreas superficiais gordura total e umidade

Leia mais

Medidas elétricas I O Amperímetro

Medidas elétricas I O Amperímetro Medidas elétricas I O Amperímetro Na disciplina Laboratório de Ciências vocês conheceram quatro fenômenos provocados pela passagem de corrente elétrica num condutor: a) transferência de energia térmica,

Leia mais

EQ310 - Conjunto para hidráulica com sensor, software e interface - hidrodinâmica

EQ310 - Conjunto para hidráulica com sensor, software e interface - hidrodinâmica EQ310 - Conjunto para hidráulica com sensor, software e interface - hidrodinâmica Função: destinado ao estudo da mecânica dos fluidos [dinâmica dos fluidos (manômetros de tubo fechado, bombas hidráulicas,

Leia mais

UNIG UNIVERSIDADE IGUAÇU

UNIG UNIVERSIDADE IGUAÇU Curso de Engenharia Civil da Universidade Iguaçu Campus Nova Iguaçu O Curso de Engenharia Civil da Universidade Iguaçu Campus Nova Iguaçu - possui infraestrutura e materiais suficientes e adequados ao

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL

DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL Serviço Público Federal Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA Nº 06/03 ASSUNTO: Reconhecimento de

Leia mais

Roteiros de Aulas Práticas. Curso: Engenharia Civil. Professora Responsável: M a Elayne Cristina

Roteiros de Aulas Práticas. Curso: Engenharia Civil. Professora Responsável: M a Elayne Cristina Roteiros de Aulas Práticas QUÍMICA Curso: Engenharia Civil Professora Responsável: M a Elayne Cristina Ponta Grossa 2013 2 Regras Gerais Não são permitidos ATRASOS em aulas práticas. Os alunos deverão

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 1. INTRODUÇÃO As Faculdades mantidas pelo Instituto Educacional de Assis IEDA (Escola de Educação Física de Assis, Faculdade de Administração de Assis,

Leia mais

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências.

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências. Titulação : Eletricista Nome Abreviado : Eletricista Nível : Aprendizagem Tipo de Curso : Aprendizagem Industrial Área : Eletroeletrônica Segmento de Área : Eletricidade Estratégia : Presencial Carga Horária

Leia mais

Sulfuretos. Relação de Minerais. Normal 0 21 false false false Nativos PT X-NONE X-NONE MicrosoftInternetExplorer4. 1 Cobre. 2 Enxofre.

Sulfuretos. Relação de Minerais. Normal 0 21 false false false Nativos PT X-NONE X-NONE MicrosoftInternetExplorer4. 1 Cobre. 2 Enxofre. Podem selecionar as amostras, estas são fornecidas individualmente em caixa de acrílico com a dimensão 10x10cm para as Rochas e 6x4x3cm para os minerais, ou em caixa de cartão com a dimensão 6x5cm. Relação

Leia mais

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no Capítulo 3 Procedimento Experimental. CAPÍTULO 3 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Resíduo 3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no O primeiro passo foi à preparação das soluções necessárias

Leia mais

Documento de Especificação de Requisitos

Documento de Especificação de Requisitos Sistema Móvel de Diário Escolar (SIMDE) Documento de Especificação de Requisitos Versão 3 Índice 1 PREFÁCIO... 4 2 INTRODUÇÃO... 5 3 GLOSSÁRIO... 6 4 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS DO USUÁRIO... 7 5 ARQUITETURA

Leia mais

LABORATÓRIO / DISCIPLINAS

LABORATÓRIO / DISCIPLINAS LABORATÓRIO / DISCIPLINAS Laboratório de Farmacotécnica: Farmacotécnica, Cosmetologia e Farmacotécnica Homeopática e Fitoterápica. ÁREA CONTRUIDA (m 2 ) 80 Multidisciplinar I: Biofísica, Toxicologia, Fisiologia

Leia mais

Projecto: Título do Vídeo: APL- Construção de uma pilha com tensão específica. Nome dos participantes: Anna Petrukhnova; Emanuel Real; Tânia Costa.

Projecto: Título do Vídeo: APL- Construção de uma pilha com tensão específica. Nome dos participantes: Anna Petrukhnova; Emanuel Real; Tânia Costa. Título do Vídeo: APL- Construção de uma pilha com tensão específica. Nome dos participantes: Anna Petrukhnova; Emanuel Real; Tânia Costa. Professor responsável: Michel Andrade Félix Pimenta Escola: Básica

Leia mais

EQUIPAMENTO BÁSICO DE LABORATÓRIO

EQUIPAMENTO BÁSICO DE LABORATÓRIO 1 EQUIPAMENTO BÁSICO DE LABORATÓRIO MATERIAL DE VIDRO: TUBO DE ENSAIO Utilizado principalmente para efetuar reações químicas em pequena escala. 2 BÉQUER ou BÉCKER Recipiente com ou sem graduação, utilizado

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Objetivo DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Este documento tem como objetivo definir diretrizes e orientações para projetos de laboratórios de Sistemas de Tratamento de Água. Considerações iniciais Para estabelecimentos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM LABORATÓRIOS INSTALADOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM LABORATÓRIOS INSTALADOS 1 LABORATÓRIOS INSTALADOS LABORATÓRIO DE MATEMÁTICA - Área Física: 27,60 m 2 Capacidade de Atendimento: 30 alunos / por turma -- Turno de Funcionamento: Manhã, tarde e noite EQUIPAMENTO QUANTIDADE Ábaco

Leia mais

LABORATÓRIO DE MODELOS, INCLUSÃO E FUNDIÇÃO

LABORATÓRIO DE MODELOS, INCLUSÃO E FUNDIÇÃO LABORATÓRIO DE MODELOS, INCLUSÃO E FUNDIÇÃO 1. Descrição Física A área mínima deste laboratório deve ser igual ou superior a 59,00 m 2 ; sala quente com área mínima de 10,00 m² e almoxarifado com 9,50

Leia mais

CATÁLOGO DE METROLOGIA

CATÁLOGO DE METROLOGIA CATÁLOGO DE METROLOGIA 1 PAQUÍMETRO PAQUÍMETRO UNIVERSAL PAQUÍMETRO UNIVERSAL (MD) capacidade LEITURA 141-112 0-150mm / 0-6 0,02mm / 0,001 141-113 0-150mm / 0-6 0,05mm / 1/128 141-114 0-200mm / 0-8 0,02mm

Leia mais