MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. NetRouter NR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. NetRouter NR-1100 204.3124.03-4"

Transcrição

1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO NetRouter NR

2 DIGITEL S.A. INDÚSTRIA ELETRÔNICA Rua Dr. João Inácio, 1165 Bairro: Navegantes CEP Porto Alegre/RS Brasil Fone: (51) Fax: (51) Este manual foi desenvolvido por: CONTEXTO MARKETING EDITORIAL LTD TDA. Rua Padre Chagas, 147 conj.702 Bairro: Moinhos de Vento CEP Porto Alegre/RS Brasil Fone/Fax: (51) / / SCIENTIFIC LINGUAGEM LTD TDA. Fone/Fax: (51)

3 Orientações É imprescindível a leitura atenta das informações gerais e das instruções de instalação constantes no manual antes de operar o produto. Para limpar o produto, desligue-o da alimentação. Não use produtos de limpeza líquidos, em pasta, aerossol ou abrasivos. Use um pano seco ou levemente umedecido e nunca deixe que líquidos ou materiais caiam sobre ou dentro do seu produto. Não exponha o produto à chuva, nem às variações de temperatura ou umidade além das especificadas pelo manual. Sempre verifique se as conexões físicas estão perfeitamente encaixadas (conectores, plugues, cabos e acessórios) e tenha certeza de que estão de acordo com os itens que descrevem as características técnicas, conexões e instalação do produto no manual. Somente efetue conexões físicas de produtos, periféricos ou acessórios quando o sistema estiver desligado. Alguns produtos da Digitel podem ser inseridos em gabinetes e bastidores sem a necessidade de desligar a fonte de alimentação. Neste caso, siga a orientação descrita no item Instalação do Produto. No caso de produtos que são ligados à rede elétrica, nunca sobrecarregue as tomadas. Caso necessite usar extensão, utilize fios e tomadas compatíveis com a capacidade especificada. A Digitel mantém representantes técnicos disponíveis nos principais centros do país para os serviços de assistência técnica, que podem incluir: manutenção preventiva, corretiva, atualizações de versões e upgrades de instalação. É de importância fundamental que todos os reparos, mesmo fora do período de garantia, sejam confiados a um representante Digitel. Não substitua peças do produto por outras não originais. Em caso de dúvida, procure sempre orientação no Centro de Assistência Técnica Digitel mais próximo. Tome todas as medidas de proteção antiestática e contra descargas elétricas, inclusive a instalação de aterramento, uso de filtros de energia ou estabilizadores de tensão e No-breaks. No caso de gabinetes, sempre os instale em uma superfície plana e firme. As frestas e aberturas não devem ser bloqueadas ou cobertas, pois elas servem para ventilação e evitam o superaquecimento. Garanta uma área livre de no mínimo 3,5cm sobre o gabinete. Para informações sobre garantia e assistência técnica, consulte a seção no final deste manual. 3

4 Índice Apresentação...5 Configuração Inicial CONFIGURAÇÃO INICIAL VIA LAN CONFIGURAÇÃO INICIAL VIA PORTA ASSÍNCRONA (MODO CONSOLE) Parâmetros e Comandos do Modo Console Painéis PAINEL SUPERIOR PAINEL TRASEIRO Cabos Atualização de Software Especificações...31 Aplicações...34 Assistência Técnica e Garantia Índice Remissivo

5 Apresentação Bem-vindo ao Manual de Instalação e Operação do NetRouter NR Quando abrir a embalagem, você encontrará: l l l l l NR-1100 Fonte Wall Plug-in 100 V-250 V Cabo CB-V24-NR Adaptador Console NetRouter Manual de Instalação e Operação O NetRouter NR-1100 é um roteador de acesso com uma porta LAN Ethernet 10 Mbit/s para redes e uma porta WAN operando em modo assíncrono até 230 kbit/s e em modo síncrono até 128 kbit/s (com clock externo). O NetRouter NR-1100 é totalmente configurado através de páginas HTML compatíveis com os browsers mais comuns disponíveis na INTERNET (Netscape, Internet Explorer, etc.). Além disso, o equipamento disponibiliza monitoração dos sinais das portas WAN e LAN por leds no painel superior. A porta LAN opera com interface física RJ-45 para par trançado, e a porta WAN opera com interfaces físicas V.24/V.28 (RS232). 5

6 Apresentação Principais características Roteamento IP O NetRouter NR-1100 suporta roteamento IP, através da tabela de roteamento estática, programável pelo usuário, e tabela de roteamento dinâmica, atualizada via protocolo RIP. IP Sharing O NetRouter NR-1100 possibilita o compartilhamento de um único endereço IP válido por várias estações na mesma sub-rede. Essa característica é chamada de IP Sharing ou NAT/PAT (Network Address Translation with Port Address Translation) e permite que toda a sua rede conecte-se à Internet utilizando apenas um endereço IP, fornecido (dinâmica ou estaticamente) pelo seu provedor de acesso. Implementação de Servidor Virtual O NetRouter NR-1100 permite mapear serviços de sua rede de forma a manter um único ponto de controle para limitar o número de conexões e timeout de conexões ociosas, não consumindo recursos de servidores cujo tempo de resposta é valioso. O Servidor Virtual facilita o remapeamento em caso de queda ou manutenção de um servidor, sem precisar reconfigurar todas as estações clientes. Utilizando o Servidor Virtual em conjunto com o IP Sharing é possível disponibilizar serviços para a Internet, mesmo quando estes forem oferecidos por servidores utilizando IP reservados. Filtros de Datagramas IP O NetRouter NR-1100 implementa um mecanismo de filtros de datagramas IP programável pelo usuário que permite filtrar datagramas destinados às interfaces do roteador, inibindo a passagem de alguns deles. Esses filtros permitem definir máscaras identificando quais são os endereços IP (de destino) cujo acesso será permitido ou negado numa dada interface. Além disso, pode se especificar, para cada filtro, o intervalo de portas (sockets) TCP ou UDP (de destino) habilitadas ou desabilitadas. 6

7 Apresentação Protocolo PPP O protocolo das portas WAN é o PPP, que operam em modo de transmissão/ recepção assíncrono ou em modo síncrono HDLC (RFC 1662). No modo síncrono HDLC são suportadas velocidades de até 128 kbit/s. No modo assíncrono são suportadas velocidades de até 230 kbit/s. O usuário pode programar a maneira como serão negociadas a maior parte das opções do protocolo PPP. Protocolo Frame Relay A porta WAN pode, alternativamente, ser configurada para o protocolo Frame Relay, para conexão a redes públicas ou privadas que utilizam esse protocolo. A transmissão é síncrona, sendo suportadas velocidades de até 2 Mbit/s. O usuário pode programar até 128 circuitos virtuais permanentes (PVC). Pode ser selecionada a compatibilidade com as normas ANSI ou ITU-T. Operação Chaveada por Demanda Com o protocolo PPP, as portas WAN podem operar com o link em modo permanente (normal) ou modo chaveado (discado) por demanda. No modo permanente, a porta local estabelece o link com a ponta remota quando o equipamento é ligado, e não o desativa enquanto o NetRouter estiver ligado. No modo chaveado por demanda, o link com a ponta remota somente é ativado quando existem dados a serem enviados pela porta local. Nesse modo, o link poderá ser desativado caso não existam dados transmitidos/recebidos na interface por um tempo determinado pelo usuário. Discagem e Execução de Scripts Um módulo de discagem permite a utilização de modens pessoais para a conexão via linha comutada. Scripts podem ser escritos de forma a enviar comandos AT para o modem no momento de executar a conexão. A conexão pode ser disparada ao ligar o NetRouter e ser refeita cada vez que a linha cair, pode ser por demanda, sob demanda (quando houver tráfego) ou manualmente sob controle do usuário. O mesmo script que envia os comandos AT pode ser utilizado para a autenticação com o provedor de acesso que utilize autenticação via terminal assíncrono. O NetRouter NR-1100 permite que múltiplos scripts sejam mantidos no roteador. 7

8 Apresentação Monitoração de Sinais da Interface O equipamento permite a monitoração dos sinais TX, RX e CL (colisão) da porta LAN e o sinais TD, RD e CD da porta WAN através de seu painel frontal. Configuração e Diagnóstico através de HTML Todo o controle do equipamento (configuração e diagnóstico) é realizado através de páginas HTML compatíveis com os browsers mais comuns (Netscape, Internet Explorer, etc.). Para tanto, o NetRouter NR-1100 implementa o WebSetup: um servidor WWW contendo páginas HTML para controle de: l l l l l l configuração; monitoração de eventos; apresentação de estatísticas; execução de testes; subsistema de segurança e atualização de software Além disso, o NetRouter NR-1100 disponibiliza o manual completo do equipamento em páginas HTML, sendo possível consultá-lo através do índice principal ou obter informações sobre o significado de um determinado parâmetro/opção existente numa página de controle, através do link HTML dessa página de controle com o manual. A configuração do equipamento é feita através de dois conjuntos de formulários HTML: l l um conjunto simplificado, denominado EasySetup, para instalação e configuração rápida do equipamento; um conjunto avançado, contendo todos os parâmetros de programação do equipamento, para posterior refinamento e maximização da operação do roteador. 8

9 Apresentação Configuração Simplificada na forma de Wizard O NetRouter NR-1100 possui um conjunto de páginas HTML para a configuração fácil e rápida do equipamento na suas aplicações mais comuns. Essas páginas estão organizadas na forma de Wizard (semelhante aos encontrados na instalação de programas como Windows 95 ou NT), reduzindo o tempo de instalação do produto até para usuário sem experiência. Controle de Segurança O sistema de segurança suporta múltiplos usuários. Cada usuário tem senha e nível de acesso. O NetRouter NR-1100 possui um mecanismo de locking que permite o bloqueio seletivo do acesso às páginas de configuração. A desativação do bloqueio é feita apenas em Modo Console, não sendo possível a liberação no Modo de Operação Normal do equipamento. Estatísticas e Eventos O NetRouter NR-1100 pode armazenar e apresentar logs de eventos, além de contabilizar uma série de estatísticas sobre a operação das portas WAN e LAN. Esses relatórios podem ser visualizados através do browser HTML. Armazenamento de Configuração A configuração é armazenada em memória não volátil, sendo carregada automaticamente sempre que o equipamento é ligado. Atualização de Software O software do NetRouter NR-1100 está armazenado em memória FLASH, permitindo, então, a atualização do equipamento em campo através do protocolo FTP. 9

10 Apresentação Autoteste Ao ser ligado, o NetRouter NR-1100 realiza um autoteste. O led ST permanece ligado por 10 segundos aguardando configuração via console. Após esse período, o roteador entra em Modo de Configuração Inicial ou no modo de operação normal, dependendo do seu estado. Modo Configuração Inicial O NR-1100 sai de fábrica no Modo de Configuração Inicial. Nesse modo, o serviço WebSetup do NR-1100 poderá ser acessado a partir de qualquer endereço IP que se deseje utilizar, desde de que esse endereço IP não corresponda a nenhuma outra máquina ligada no segmento local da LAN. Modo Console No Modo Console, a porta WAN do NR-1100 poderá ser usada para a configuração completa do equipamento pelo serviço WebSetup, de modo similar à operação via porta LAN. Gerenciamento SNMP O NetRouter NR-1100 incorpora um agente SNMP (RFC1157) com suporte a MIB II (RFC1213), permitindo a consulta e a configuração dos parâmetros básicos de roteamento, bem como a coleta de estatísticas sobre a operação do roteador. O agente SNMP garante segurança adicional ao estabelecer que apenas as estações configuradas como gerenciadoras possam acessá-lo. Os eventos importantes ocorridos no equipamento são relatados a todos os gerentes cadastrados, através de mensagens de trap, conforme especificado pela RFC

11 Configuração Inicial Antes de proceder à instalação do NetRouter NR-1100, certifique-se de que o equipamento não sofreu avarias mecânicas durante o transporte, tais como arranhões, amassados, peças quebradas ou soltas, etc. Se detectar algum problema durante a inspeção, notifique a companhia transportadora e o seu representante Digitel mais próximo, que providenciará a substituição ou conserto do equipamento. O NetRouter NR-1100 pode ser empilhado, como mostra a figura a seguir. Para realizar a instalação do NetRouter NR-1100, o usuário deverá seguir um dos seguintes roteiros de Configuação Inicial: Configuração Inicial via LAN Configuração Inicial via Porta Assíncrona (Modo Console) IMPORTANTE! Para que a configuração inicial via LAN seja possível, é necessário um microcomputador que esteja rodando a pilha de protocolos com suporte para conexões LAN (pode ser uma estação Unix, Windows 3.11, 95, NT ou outra). É necessário que esse microcomputador possua um browser que suporte HTML 2.0 ou superior (por exemplo: Netscape 2.0 ou Internet Explorer 3.0 já são suficientes). 11

12 Configuração Inicial CONFIGURAÇÃO INICIAL VIA LAN Na Configuração Inicial via LAN, deve-se seguir os seguintes passos: 1. Garantir que o microcomputador usado para configuração do NR-1100 esteja com o protocolo instalado e apropriadamente configurado. 2. Conectar o NR-1100 à LAN via conector RJ-45 TP. O conector RJ-45 do NetRouter NR-1100 implementa uma interface TP direta, ou seja, sem função crossover embutida. Portanto, para conexão com um equipamento que tipicamente oferece essa função crossover (HUBs e LAN Switches), basta usar um cabo direto. Caso contrário, para ligação com um equipamento que não tenha essa função embutida (diretamente a um microcomputador, por exemplo), será necessário utilizar um cabo que implemente a função crossover externamente, de acordo com tabela a seguir. Pinos RJ-45 Pinos RJ-45 NetRouter Microcomputador Cabo TP Crossover Externo 12

13 Configuração Inicial 3. Ligar o NR O NetRouter executará o autoteste por aproximadamente 10 segundos, passando, depois disso, para o Modo de Configuração Inicial. Isso é indicado pelo led ST piscando aproximadamente de 1 em 1 segundo. NOTA! O NR-1100 sai de fábrica operando no Modo de Configuração Inicial. Se, por acaso, isso não ocorrer, comunique esse fato ao Centro de Assistência Técnica Digitel mais próximo. O equipamento ainda poderá ser configurado via porta assíncrona (Modo Console), conforme descrito mais adiante. 4. Acessar a página HTML principal de controle do equipamento. O NetRouter NR-1100 irá aceitar qualquer endereço do segmento local da LAN que não esteja sendo usado por outra máquina. Para sua conveniência, utilize o endereço que será efetivamente atribuído ao roteador. Supondo que esse endereço seja , a URL a ser utilizada para o acesso inicial será: 13

14 Configuração Inicial NOTAS! O NR-1100 implementa o Modo de Configuração Inicial através de um modo não-padrão de operação do protocolo ARP. Em geral, esse modo especial de operação do ARP irá permitir o acesso ao NR-1100 através de qualquer endereço IP sem maiores problemas. Entretanto, caso o número de requisições ARP sem resposta seja excessivo (tipicamente por alguma situação anômala na rede), então o acesso ao NR-1100 poderá ficar comprometido. Nesse caso, basta configurar o roteador através de um HUB contendo apenas a estação e o NR-1100, ou através de um cabo cross entre a estação e o NR-1100 (ver tabela no item 2 deste roteiro). Se ainda assim não for possível acessar o serviço de WebSetup, comunique esse fato ao Centro de Assistência Técnica Digitel mais próximo. O equipamento ainda poderá ser configurado usando o procedimento de configuração via porta assíncrona (Modo Console), conforme descrito mais adiante. 5. O WebSetup irá solicitar (através do browser) username e password. O username e password default, quando a configuração é reinicializada, é, respectivamente, netrouter e digitel. Logo em seguida, após autenticação, o NetRouter irá enviar ao browser a página principal do WebSetup. 14

15 Configuração Inicial 6. Configurar o equipamento de acordo com a aplicação. Aconselha-se utilizar o EasySetup (Configuração Simplificada) na primeira configuração. Refinamentos posteriores podem ser feitos utilizando a Configuração Avançada após a próxima reinicialização. Caso volte a ser utilizado o EasySetup, as modificações na Configuração Avançada serão perdidas, devendo ser reconfiguradas. 7. Salvar a configuração. 8. Desligar o NR ATENÇÃO! Não adianta ligar o NR-1100 agora, pois seu micro não conseguirá acessá-lo. 9. Ressetar (ou desligar e ligar) a estação. Caso o sistema operacional permita, basta limpar a entrada na cache arp relacionada com o endereço que está sendo configurado, sem a necessidade de reinicializar o micro. Por exemplo, no Windows 95, inicie uma janela de console e digite: arp -d , isso se o endereço configurado for o Conectar a porta WAN ao seu respectivo modem através do cabo CB-V24- NR fornecido junto com o NetRouter NR Religar o NR-1100 e ligar o modem. 12. Acessar o NetRouter, usando o endereço IP efetivamente atribuído ao equipamento e confirmar as mudanças num intervalo de no máximo 5 minutos depois de religado. Caso isso não seja feito, o NR-1100 voltará ao Modo de Configuração Inicial. 15

16 Configuração Inicial Feito isso, o NetRouter NR-1100 irá tentar estabelecer conexão com os equipamentos remotos, de acordo com o que foi configurado no passo (6). Uma vez que o equipamento tenha sido configurado ele passará ao Modo Normal de Operação. Isso é indicado pelo led ST apagado após o período de 10 segundos de autoteste. Para verificar a operação normal, tente acessar novamente as páginas de configuração HTML. Tome cuidado, entretanto, de atualizar a URL de acordo com o endereço IP efetivamente atribuído ao NR NOTA! A volta ao Modo de Configuração Inicial pode ser feita via WebSetup ou via Modo Console. 16

17 Configuração Inicial CONFIGURAÇÃO INICIAL VIA PORTA ASSÍNCRONA (MODO CONSOLE) IMPORTANTE! Para que a configuração e operação inicial via porta assíncrona seja possível, é necessário uma estação de controle (Unix, Windows 3.11, 95 ou NT) que esteja rodando a pilha de protocolos com suporte para conexões assíncronas via PPP. Além disso, essa estação deve possuir também um browser que suporte HTML 2.0 ou superior (aconselha-se usar o Netscape Communicator 4.0 ou superior e o Internet Explorer 3.02 ou superior) Na configuração inicial via porta assíncrona, são necessários os seguintes passos: 1. Configurar a pilha da estação de controle do NetRouter NR-1100 para rotear apropriadamente o endereço para a interface assíncrona PPP, escolhida para controlar o equipamento. 2. Conectar o cabo CB-V24-NR ao conector WAN no painel traseiro. 3. Conectar o Adaptador Console NetRouter ao cabo CB-V24-NR (lado NetRouter do adaptador). 4. Conectar o adaptador console NetRouter ao microcomputador (lado Console do adaptador console). 5. Configurar o software de estabelecimento de conexão no microcomputador com os seguintes parâmetros: Velocidade Largura do caracter Stop bits Paridade 9600 bit/s 8 bits 1 bit NONE 17

18 Configuração Inicial 6. Executar o software de estabelecimento de conexão. 7. Ligar o NR Durante o procedimento de autoteste do NR-1100 (led ST ligado), digite a seqüência: ATD<CR> pelo software de estabelecimento de conexão (maiúsculas e minúsculas não são considerados). Caso o NR-1100 aceite a seqüência, ele entrará em Modo Console, respondendo com o seguinte string: CONNECT 9600 <cr><lf> Nota: O procedimento de autoteste do NR-1100, que dura aproximadamente 10 segundos, irá verificar se existe alguma console ligada à porta WAN. Isso é feito verificando se o usuário digita a seqüência: ATD<linha de texto><cr> ou ATD<linha de texto><lf> sem considerar maiúsculas ou minúsculas (a <linha de texto> pode ser vazia). Caso a seqüência seja aceita o NR-1100 irá entrar em Modo Console respondendo com: CONNECT 9600<cr><lf> Caso contrário, o equipamento entrará em Modo Normal de Operação ou em Modo de Configuração Inicial, caso o mesmo nunca tenha sido usado. 18

19 Configuração Inicial 9. Após o NR-1100 entrar em Modo Console (indicado pelo led ST piscando duas vezes por segundo), basta digitar o string: PPP<cr> ou PPP<lf> (sem considerar maiúsculas/minúsculas), que o NetRouter NR-1100 irá tentar estabelecer a conexão PPP. 10. Depois, indique para o software de acesso PPP do microcomputador que a conexão com o equipamento remoto foi feita e que o procedimento de estabelecimento de conexão PPP deverá começar. 11. Acessar a página HTML principal de controle do equipamento. O NetRouter NR-1100 é configurado sempre com o endereço IP para a operação em Modo Console. A URL a ser utilizada para este acesso é: 12. O WebSetup irá solicitar (através do browser) username e password. O username e password default, quando a configuração é reinicializada, é, respectivamente, netrouter e digitel. Logo em seguida, após autenticação, o Netrouter irá enviar ao browser a página principal do WebSetup. 19

20 Configuração Inicial 13. Configurar o equipamento de acordo com a sua aplicação. Aconselha-se utilizar o EasySetup (Configuração Simplificada) na primeira configuração. Refinamentos posteriores podem ser feitos utilizando a Configuração Avançada após a próxima reinicialização. Caso volte a ser utilizado o EasySetup, as modificações na Configuração Avançada serão perdidas, devendo ser reconfiguradas. 14. Salvar a configuração 15. Desligar o NR Retirar o adaptador console NetRouter do cabo CB-V24-NR. 17. Conectar a porta WAN ao seu respectivo modem via cabo CB-V24-NR. 18. Religar o NR-1100 e ligar o modem. Feito isso, o NetRouter NR-1100 tenta estabelecer conexão com os equipamentos remotos, de acordo com o que foi configurado no passo (13). Uma vez que o equipamento tenha sido configurado, ele passará ao Modo Normal de Operação. Isso é indicado pelo led ST apagado após o período de 10 segundos de autoteste. O equipamento também poderá ser reconfigurado através das páginas de controle HTML. Entretanto, deve-se tomar o cuidado de atualizar a URL de acordo com o endereço IP efetivamente atribuído ao equipamento. 20

21 Configuração Inicial Parâmetros e Comandos do Modo Console Parâmetros de operação da porta WAN no Modo Console: Velocidade Largura do caracter Stop bits Paridade 9600 bit/s 8 bits 1 bit NONE Comandos para entrada em Modo Console: ATD<linha-de-texto><cr> ou: ATD<linha-de-texto><lf> Comandos do Modo Console: PPP<cr> ou: PPP<lf> O comando PPP inicia os procedimentos para estabelecimento de conexão PPP. 21

22 Configuração Inicial CLEAR<cr> ou: CLEAR<lf> O comando CLEAR reinicializa o NR-1100 para seus valores padrão. Depois de executado, o equipamento irá retornar para o Modo de Configuração Inicial na próxima vez que for ligado. UNLOCK {HLSL/USERS}<cr> ou: UNLOCK {HLSL/USERS}<lf> O comando UNLOCK HLSL desativa a proteção das páginas HTML através do Hardware Security Lock System do WebSetup Server do NR O comando UNLOCK USERS restaura o usuário padrão do NR (User=netrouter, Password=digitel). Nota: Os comandos para entrada no Modo Console devem ser digitados durante o procedimento de autoteste do equipamento (10 segundos). Os comandos podem ser tanto com letras maiúsculas quanto minúsculas. <linha-de-texto> no comando ATD é opcional 22

23 Painéis PAINEL SUPERIOR O painel superior apresenta oito indicadores luminosos (Leds), como mostra a figura a seguir: Verde: colisão de dados na LAN Verde: recepção de dados da LAN Verde: transmissão de dados para a LAN Verde: estado do sinal RTS Verde: recepção de dados na WAN Verde: transmissão de dados na WAN Verde: indica a especiais ativação de funções Verde: equipamento ligado IMPORTANTE! O led ST permanece, normalmente, desligado, indicando Modo Normal de Operação. Durante o autoteste, o led ST fica ativado (verde) por aproximadamente 10 segundos. Durante o Modo de Configuração Inicial, o led piscará lentamente, em torno de 1 vez por segundo. Se o NR-1100 estiver em Modo Console o led ST ficará piscando rápido, aproximadamente duas vezes por segundo. Caso seja detectado algum problema o led permanecerá ligado. Nesse caso, contate a Digitel ou seu representante. 23

24 Painéis PAINEL TRASEIRO Entrada de alimentação do transformador AC externo VAC Chave liga e desliga Interface V.24/V.24/V (RS232) Conector RJ-45 TP (par trançado) para a porta LAN LAN No conector LAN, apenas os pinos 1 (TX+), 2 (TX-), 3 (RX+) e 6 (RX-) são utilizados. Os pinos 4 e 5 não são utilizados

25 Painéis WAN Detalhe do conector WAN: A pinagem do conector WAN localizado na parte traseira do gabinete é apresentada na tabela a seguir: DB25 Macho Sinal 1 FG 2 TD 3 RD 4 RTS 5 CTS 6 DSR 7 SG 8 DCD 15 TC 17 RC 20 DTR 24 XTC Pinagem do Conector WAN 25

26 Cabos Cabo para Interface V-24/V -24/V.28-RS232 (CB-V24-NR) Acompanha o NetRouter NR-1100 um cabo 1:1 DB25 macho-fêmea (código / ) para ligação direta da porta WAN com o modem com interface RS232. DB25 Fêmea DB25 Macho 26

27 Cabos A pinagem do cabo CB-V24-NR é apresentado na tabela a seguir: Lado NetRouter Lado DCE Sinal V.24 Conector Conector (RS232) DB25 Fêmea DB25 Macho 1 1 FG 2 2 TD 3 3 RD 4 4 RTS 5 5 CTS 6 6 DSR SG 8 8 DCD TC RC DTR XTC Pinagem do Cabo CB-V24-NR 27

28 Cabos Adaptador Console NetRouter Conector adaptador usado para a configuração em Modo Console através da porta WAN (código / ). Para informações sobre a operação via Console, veja o item Configuração Via Porta Assíncrona no capítulo Configuração Inicial. A pinagem do adaptador console NetRouter é apresentada na tabela a seguir: DB25 Fêmea "NetRouter" DB25 Fêmea "CONSOLE" Pinagem do Adaptador Console NetRouter 28

29 Atualização de Software Para atualizar o software do NR-1100, siga rigorosamente os passos abaixo: 1. Disponibilizar a versão de software a ser instalada no NR-1100 no seu SERVIDOR FTP. 1.1.Caso seu servidor seja da Microsoft TM (Internet Information Server TM ), colocar o arquivo da nova versão de software dentro da pasta FTPROOT. 2. De qualquer host (PC), inclusive do servidor, acessar o NR Entrar no seu Navegador (Netscape TM, Internet Explorer TM ) e digitar o endereço IP do NR Entrar no item Atualização da Versão de Software e preencher os dados sobre o endereço do servidor FTP, o nome do arquivo que contém a nova versão de software, o username e a password para entrar no servidor FTP. Por exemplo, se a nova versão de software estiver no servidor " " no arquivo "nr1100_v3-0_6_t_p1-1a_por_h1-1_dwn" e na pasta raiz do usuário anonymous, basta preencher o formulário, conforme o exemplo abaixo: Endereço do Host FTP: Nome do Arquivo: nr1100_v3-0_6_t_p1-1a_por_h1-1_dwn Username: anonymous Password: ****** Inicia a atualização do software 4. Após o início da atualização, a tela no Navegador fica com fundo branco, sendo automaticamente preenchida com pontos, enquanto a transferência do novo software está sendo feita. Não interromper essa fase até aparecer a seguinte mensagem: Restarting System in 5 seconds... 29

30 Atualização de Software 5. Após o reset do equipamento, o navegador não localizará mais o NR-1100, sendo necessário executar o comando PARAR (Stop) no Navegador e depois digitar novamente o endereço do NR-1100 para entrar em sua tela de configuração. IMPORTANTE! Nunca executar o comando RELOAD no navegador ao final da atualização, pois o mesmo irá começar uma segunda carga de software. Caso isso ocorra, não pare o RELOAD, pois a interrupção do mesmo danificará o NR No site da Digitel S.A. (http://www.digitel.com.br), página de suporte aos roteadores, se encontram as últimas versões do produto. As versões de roteadores são codificadas da seguinte forma: produto_vermultinos_verprod_idioma_verhtml.dwn Onde: Produto é o identificador de produto (por exemplo: NR-1100, NR-1135, NR- 3100MI); Vermultinos é a versão do MultiNos (sistema operacional dos roteadores), que identifica número de versão, número de manutenção e linha de desenvolvimento; Verprod indica a versão e a revisão do software de produto; Idioma pode ser "por" para português, "eng" para inglês e "spa" para espanhol; Verhtml indica a versão das páginas html dos produtos. Por exemplo, no software nr1100_v3-0_8t_p2-2a_por_h1-1.dwn, o produto é NR-1100, vermultinos é v3-0_8t, verprod é p2-2a, idioma é português e verhtml é h1-1. OBSERVAÇÃO! Sempre que o número de versão de produto mudar, a atualização de software fará perder toda a configuração. Quando apenas a letra (revisão) mudar, a configuração não será perdida. Na impossibilidade de trabalhar com nomes de arquivos muito extensos, o usuário poderá renomear o arquivo original, mantendo a extensão dwn, sem prejudicar a operação de atualização e seu conteúdo. 30

31 Especificações Capacidade 1 porta LAN 1 porta WAN Porta LAN Conector RJ-45 TP sem função crossover. Protocolo de acesso ao meio Ethernet de acordo com as normas: * ISO/IEC CSMA/CD LAN (Ethernet) Quarta edição (julho/93); * ANSI/IEEE Std CSMA/CD LAN (Ethernet) Quarta edição. Monitoração dos sinais de dados transmitidos (TX), recebidos (RX) e colisão (CL) no painel superior. Porta WAN Conector ISO 2110; Interface Física V.24/V.28; Pinagem: Tipo DTE; Transmissão/Recepção: modo síncrono HDLC ou modo assíncrono; Velocidades: * Modo síncrono HDLC (com relógio externo): qualquer velocidade entre bit/s e 128 kbit/s. * Modo assíncrono: 9.600, , , , , , , , e bit/s; Monitoração dos sinais de interface TD, RD e RTS no painel superior; Protocolo PPP, síncrono ou assíncrono, e Frame Relay. Condições Temperatura de operação: de 0 C a 45 C de Operação Temperatura de armazenamento: de -50 C a 70 C Umidade relativa: 10% a 95% (não condensado) Dimensões Largura: 170,0 mm Altura: 45,0 mm Profundidade: 130,0 mm Alimentação Consumo Full-range 100 a 250 VAC 7,5 W 31

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO NetRouter NR-3100MI 202.1622.02-3

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO NetRouter NR-3100MI 202.1622.02-3 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO NetRouter NR-3100MI 202.1622.02-3 2000 - DIGITEL S.A. INDÚSTRIA ELETRÔNICA Rua Dr. João Inácio, 1165 Bairro: Navegantes CEP 90230-181 Porto Alegre/RS Brasil Fone: (51) 337.1999

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Manual de Instruções MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET. Modelo NETBOX MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET MODELO NETBOX. Manual de Instruções

Manual de Instruções MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET. Modelo NETBOX MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET MODELO NETBOX. Manual de Instruções MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET MODELO NETBOX MÓDULO CONVERSOR SERIAL ETHERNET Modelo NETBOX Manual de Instruções Revisão 10.06 Índice Capítulo 1 Introdução Aplicação 5 Retirando o MÓDULO da embalagem

Leia mais

1 Apresentação. 2 Antes de iniciar. O objetivo deste guia é auxiliar o usuário no processo de conexão e configuração do Prestige.

1 Apresentação. 2 Antes de iniciar. O objetivo deste guia é auxiliar o usuário no processo de conexão e configuração do Prestige. 1 Apresentação O objetivo deste guia é auxiliar o usuário no processo de conexão e configuração do Prestige. 2 Antes de iniciar Configuração Default O Prestige é enviado com os seguintes padrões de fábrica:

Leia mais

DMG20 AGENTE SNMP MANUAL DO PRODUTO

DMG20 AGENTE SNMP MANUAL DO PRODUTO DMG20 DMG20 AGENTE SNMP MANUAL DO PRODUTO 204.0011.06 rev. 06 Data: 14/10/2005 GARANTIA Este produto é garantido contra defeitos de material e fabricação pelo período especificado na nota fiscal de venda.

Leia mais

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Índice 1 Introdução... 4 Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Verificação dos itens recebidos... 6 Painel Frontal... 7 Painel Traseiro... 8 3 Conectando o

Leia mais

Marthe Ethernet A820. Manual do Usuário

Marthe Ethernet A820. Manual do Usuário Marthe Ethernet A820 Manual do Usuário Índice 1 INTRODUÇÃO... 5 2 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS... 6 3 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS... 7 3.1 ALIMENTAÇÃO 7 3.1.1 ESPECIFICAÇÃO DA FONTE DE ALIMENTAÇÃO... 7 3.2 INTERFACE

Leia mais

Microregistradora TMS-44

Microregistradora TMS-44 Microregistradora TMS-44 MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.0 Manual do Usuário Microregistradora TMS-44 Edição de Outubro de 2008 Este manual tem caráter técnico-informativo, sendo propriedade da SWEDA. Todos

Leia mais

Microterminal MT 740. Manual do Usuário - versão 1.2

Microterminal MT 740. Manual do Usuário - versão 1.2 w Microterminal MT 740 Manual do Usuário - versão 1.2 1 2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 1 2 RECONHECENDO O MT 740 2 3 INSTALAÇÃO 3 4 FUNCIONAMENTO 4 4.1 DESCRIÇÃO DAS CONFIGURAÇÕES E DOS COMANDOS 6 4.2 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Conversor IP Shellby RS-232 ( TCP-IP)

Conversor IP Shellby RS-232 ( TCP-IP) Conversor IP Shellby RS-232 ( TCP-IP) Gradual Tecnologia Ltda. Manual do Conversor RS-232 Ethernet 1 ÍNDICE CARACTERÍSTICAS DO APARELHO... 3 DESCRIÇÃO:... 3 CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS:... 3 PINAGEM... 4

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Guia de Instalação ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo PAP2

Guia de Instalação ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo PAP2 Guia de Instalação ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo PAP2 Página 1 de 14 Guia de Instalação ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo PAP2-NA Este guia irá ajudá-lo a instalar o seu ATA,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO ETHERNET BOX MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO E.P.M. Tecnologia e Equipamentos Ltda. Av. Comendador Gumercindo Barranqueiros, 285 Jardim Samambaia - Jundiaí SP CEP: 13211-410 Telefone (0xx11) 4582-5533

Leia mais

Coletores de dados XL-PABX e XL-Cable. Manual do Usuário. (Versão 1.03)

Coletores de dados XL-PABX e XL-Cable. Manual do Usuário. (Versão 1.03) (Versão 1.03) Índice 1. Introdução... 4 1.1. Aplicação... 4 1.2. Descrição... 4 2. Instalação... 5 2.1. XL-PABX... 5 2.2. XL-PABX-Cable... 5 3. Acesso à configuração... 6 3.1. Conectando via interface

Leia mais

Informações sobre a tecnologia ADSL. Seleção de protocolo e de driver. Índice. visão geral. instalação do modem ECI USB ADSL

Informações sobre a tecnologia ADSL. Seleção de protocolo e de driver. Índice. visão geral. instalação do modem ECI USB ADSL um cap tulo capítulo visão geral 3 5 6 14 Índice visão geral informações sobre a tecnologia ADSL seleção de protocolo e de driver recursos instalação do modem ECI USB ADSL instalação do drive ADSL USB

Leia mais

Procedimento de configuração para usuários VONO

Procedimento de configuração para usuários VONO Adaptador de telefone analógico ZOOM Procedimento de configuração para usuários VONO Modelos 580x pré configurados para VONO 1 - Introdução Conteúdo da Embalagem (ATENÇÃO: UTILIZE APENAS ACESSÓRIOS ORIGINAIS):

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta manual do usuário Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

Parte 2 Usando o CLI do Roteador

Parte 2 Usando o CLI do Roteador Parte 2 Usando o CLI do Roteador O acesso à CLI Comand Line Interface, é feita pelo usuário no roteador com um terminal ou remotamente. Quando acessamos um roteador, devemos efetuar login nele antes de

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

2006 GeoVision, Inc. Todos os Direitos Reservados.

2006 GeoVision, Inc. Todos os Direitos Reservados. 2006 GeoVision, Inc. Todos os Direitos Reservados. De acordo com as leis de direitos autorais, este manual não pode ser copiado, em partes ou integralmente, sem o consentimento por escrito da GeoVision.

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

WR-3454G 54M WIRELESS ROUTER WR-3454G MANUAL DE INSTALAÇÃO

WR-3454G 54M WIRELESS ROUTER WR-3454G MANUAL DE INSTALAÇÃO WR-3454G MANUAL DE INSTALAÇÃO 1 - Conteúdo do Kit Os seguintes conteúdos encontram-se na caixa: Um roteador WR-3454G Uma Antena Uma fonte de Alimentação de 9V 0,8A Observação: Se algum dos itens acima

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Roteador com VoIP D-Link DVG-1402S

Roteador com VoIP D-Link DVG-1402S Guia de Configuração Roteador com VoIP D-Link DVG-1402S Índice: Detalhes do Equipamento... I Conexões do Equipamento... II Funções dos LEDs... III Diagrama de Instalação....IV Características Técnicas...

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Manual do Usuário. Conversor Serial Ethernet ESC715. HI Tecnologia Indústria e Comércio Ltda.

Manual do Usuário. Conversor Serial Ethernet ESC715. HI Tecnologia Indústria e Comércio Ltda. Manual do Usuário HI Tecnologia Indústria e Comércio Ltda. PST.715001 Versão 1.0 28 de maio de 2015 Manual do Usuário Ref: PST.715001 Rev: 2 Arquivo: PST71500100.odt Liberado em: 08/04/2015 Informações

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Manual para configuração D-LINK DVG - 1402S

Manual para configuração D-LINK DVG - 1402S Manual para configuração D-LINK DVG - 1402S Indice Guia de instalação D-LINK DVG-1402S... 3 Qual a função de cada equipamento:... 4 Visualizando Hardware... 5 LIGAÇÕES DO VOIP ROUTER DVG-1402S... 6 Configuração

Leia mais

Aula 3. Objetivos. A internet.

Aula 3. Objetivos. A internet. Aula 3 Objetivos A internet. Uma rede é... usando Um ambiente onde pessoas se comunicam e trocam idéias que requerem Um conjunto de aplicações e serviços distribuídos criando realizada através de Uma disciplina

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

TERMO DE GARANTIA MANUAL DE INSTRUÇÕES

TERMO DE GARANTIA MANUAL DE INSTRUÇÕES TERMO DE GARANTIA 1. Este equipamento é garantido contra defeitos de fabricação pelo prazo de 12 meses. Sendo os primeiros 3 meses de garantia legal, e os últimos 9 meses de garantia especial concedida

Leia mais

Manual do Usuário Modem ADSL Router NM200

Manual do Usuário Modem ADSL Router NM200 Manual do Usuário Modem ADSL Router NM200 Índice I - Introdução Características Requisitos do Sistema II - Entendendo o funcionamento do NM200 Desempacotando Painel Frontal Painel Traseiro III -Início

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

2.1.1 LEDs... 2 2.1.2 Painel traseiro... 2

2.1.1 LEDs... 2 2.1.2 Painel traseiro... 2 INTRODUÇÃO... 1 1.1 CONTEÚDO DA EMBALAGEM... 1 1.2 RECURSOS... 1 INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO... 2 2.1 LIGANDO O SWITCH... 2 2.1.1 LEDs... 2 2.1.2 Painel traseiro... 2 2.3 REQUISITOS DO AMBIENTE DE INSTALAÇÃO...

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Apresenta suas funções, como utilizar testes e como interpretar os resultados encontrados.

Apresenta suas funções, como utilizar testes e como interpretar os resultados encontrados. Prefácio: Este manual descreve como utilizar o Switch Conversor de Mídia da GTS Network dos seguintes Modelos: 75.1806C - 75.1806T - 75.1806C.S25-75.3107S - 75.1906C.SWA25-75.1906C.SWB25-75.3006C.SWA20

Leia mais

Guia de Início Rápido do SecureLinx SLC Console Managers

Guia de Início Rápido do SecureLinx SLC Console Managers Guia de Início Rápido do SecureLinx SLC Console Managers CONTEÚDO DO GUIA DE INÍCIO RÁPIDO DO SECURELINX SLC CONSOLE MANAGERS Visão Geral do Sistema...2 O que está na caixa...3 Conectando o SLC...4 Instalando

Leia mais

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

Lista de Exercício: PARTE 1

Lista de Exercício: PARTE 1 Lista de Exercício: PARTE 1 1. Questão (Cód.:10750) (sem.:2a) de 0,50 O protocolo da camada de aplicação, responsável pelo recebimento de mensagens eletrônicas é: ( ) IP ( ) TCP ( ) POP Cadastrada por:

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Guia do Usuário. PCtel E1

Guia do Usuário. PCtel E1 Guia do Usuário PCtel E1 Conteúdo Conhecendo o Produto...05 Instalação Física...08 Módulo Supervidor...10 Política de Garantia...12 Aspectos gerais Conhecendo o produto A Pctel desenvolveu uma plataforma

Leia mais

MANUAL SENHA DIGITAL SUMÁRIO:

MANUAL SENHA DIGITAL SUMÁRIO: SUMÁRIO: APRESENTAÇÃO... 02 1- RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES... 02 2- DESEMBALANDO O CONTROLE DE ACESSO... 02 3- ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 02 4- COMO INSTALAR... 03 5- EXEMPLO DE POSICIONAMENTO DO CONTROLE

Leia mais

Interface Ethernet DNP3 Servidor

Interface Ethernet DNP3 Servidor Descrição do Produto O módulo é uma interface de comunicação Ethernet para a UTR Hadron. Permite a integração da UTR HD3002 com centros de controle através do protocolo DNP3. Operando como um servidor

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

ROTEADOR WIRELESS N 300 ADSL2+ DSL-2740E GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA

ROTEADOR WIRELESS N 300 ADSL2+ DSL-2740E GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA ROTEADOR WIRELESS N 300 ADSL2+ GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CONTEÚDO DA EMBALAGEM CONTEÚDO ROTEADOR WIRELESS N 300 ADSL2+ ADAPTADOR DE ENERGIA ADAPTADOR CABO ETHERNET (CABO RJ-45) CONECTE O MODEM NO COMPUTADOR

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Base Interface Ethernet Industrial 10/100 Mbps

Base Interface Ethernet Industrial 10/100 Mbps Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, é uma interface Ethernet Industrial para as UCP s PO3242, PO3342 e PO3X47. A interface liga-se às redes Ethernet Industrial 10 ou 100 Mbps, estando

Leia mais

Manual para configuração. Linksys RT31P2

Manual para configuração. Linksys RT31P2 Manual para configuração Linksys RT31P2 Indice Guia de Instalação ATA Linksys RT31P2... 3 Conhecendo o ATA... 4 Antes de Iniciar... 6 Analisando o seu acesso à Internet... 6 Configuração... 9 Configuração

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Manual de Instalação e Operação

Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação CONVERSOR HPNA 3.1 CTS3600EC-F Versão 1.0 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta documentação pode ser reproduzida sob qualquer forma, sem a autorização da CIANET.

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Utilizando License Server com AnywhereUSB

Utilizando License Server com AnywhereUSB Utilizando License Server com AnywhereUSB 1 Indice Utilizando License Server com AnywhereUSB... 1 Indice... 2 Introdução... 3 Conectando AnywhereUSB... 3 Instalação dos drivers... 3 Configurando AnywhereUSB...

Leia mais

Guia de Instalação ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo PAP2

Guia de Instalação ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo PAP2 Guia de Instalação ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo PAP2 Terra VOIP PAP2 Rev. 1 Ago/06 1 de 15 Guia de Instalação ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo PAP2-NA Este guia irá ajudá-lo

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito GUIA RÁPIDO DARUMA Viva de um novo jeito Dicas e Soluções para IPA210 Leia atentamente as dicas a seguir para configurar seu IPA210. Siga todos os tópicos para que seja feita a configuração básica para

Leia mais

Redes II ISDN e Frame Relay

Redes II ISDN e Frame Relay Redes II ISDN e Frame Relay Súmario 1. Frame Relay 02 1.1 Introdução 02 1.2 Velocidade 03 1.3 A Especificação X.25 03 1.3.1 Nível de Rede ou pacotes 03 1.3.2 Nível de Enlace ou de Quadros 04 1.3.3 Nível

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Microterminais 16 e 44 Teclas RS 485

Microterminais 16 e 44 Teclas RS 485 Microterminais 16 e 44 Teclas RS 485 Gradual Tecnologia Ltda. Manual do Usuário Fev./2003 Índice Apresentação 3 Especificação Técnica 3 Características Elétricas: 3 Características Mecânicas: 4 Instalação

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

WebGate PO9900. Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto

WebGate PO9900. Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto Descrição do Produto A interface de comunicação WebGate,, permite que controladores programáveis com protocolo ALNET I possam ser conectados a uma rede Ethernet TCP/IP. O WebGate permite que estes controladores

Leia mais

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs Cablagem de LANs Nível Físico de uma Redes Local Uma rede de computadores pode ser montada utilizando vários tipos de meios físicos.

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

ME-041 MANUAL DO EQUIPAMENTO TS 5024

ME-041 MANUAL DO EQUIPAMENTO TS 5024 Manual do Equipamento _Rev01-TS-5024 ECIL INFORMÁTICA IND. E COM. LTDA Av. Tamboré, 973 - CEP: 06460-000 Alphaville Centro industrial e empresarial Barueri SP Brasil Tel.:+55(11) 4133-1440 Fax:+55(11)

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

CES-0545. Conversor Ethernet-Serial. 2011 Safesoft Ltda. Ver. 1.0.0. Sistema de Gestão da Qualidade. Certificado por Bureau Veritas.

CES-0545. Conversor Ethernet-Serial. 2011 Safesoft Ltda. Ver. 1.0.0. Sistema de Gestão da Qualidade. Certificado por Bureau Veritas. .. CES-0545 Conversor Ethernet-Serial Sistema de Gestão da Qualidade Certificado por Bureau Veritas. ----------ISO 9001:2008------------ Conversor Ethernet-Serial Descrição geral O CES-0545 oferece uma

Leia mais

Manual para configuração. Siemens Roteador VoIP SpeedStream 3610

Manual para configuração. Siemens Roteador VoIP SpeedStream 3610 Manual para configuração Siemens Roteador VoIP SpeedStream 3610 Indice Guia Rápido de Instalação customizado... 3 Tipo de acesso banda larga... 4 Procedimentos de configuração... 5 Conexões do Painel traseiro...

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Seu manual do usuário HP DC72 BLADE CLIENT http://pt.yourpdfguides.com/dref/887902

Seu manual do usuário HP DC72 BLADE CLIENT http://pt.yourpdfguides.com/dref/887902 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para HP DC72 BLADE CLIENT. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a HP DC72

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Manual Interface Lumikit PRO 4

Manual Interface Lumikit PRO 4 Manual Interface Lumikit PRO 4 2011 Lumikit Sistemas para Iluminação Antes de começar é importante ter algumas noções de redes de computador e endereçamentos, veja os seguintes tópicos na internet: http://pt.wikipedia.org/wiki/endereço_ip

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Comunicação via interface SNMP

Comunicação via interface SNMP Comunicação via interface SNMP 1 - FUNCIONAMENTO: Os No-breaks PROTEC possuem 3 interfaces de comunicação: Interface RS232, interface USB e interface SNMP. Todas elas permitem o controle e o monitoramento

Leia mais

Módulo de Conversão RS232/RS485

Módulo de Conversão RS232/RS485 Descrição do Produto O módulo de comunicação é um conversor bidirecional RS232/RS485 ou RS232/RS422 da Série FBs. Pode ser utilizado como interface com outros modelos de controladores ou aplicações, sendo

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Manual do equipamento Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição

Leia mais

ZEUS SERVER STUDIO V2.07

ZEUS SERVER STUDIO V2.07 ZEUS SERVER STUDIO V2.07 FERRAMENTA DE CONFIGURAÇÃO DO ZEUS SERVER 3i Soluções Ind. Com. de Equip. Eletrônicos e Serviços em Materiais Elétricos Ltda. Rua Marcilio Dias, 65 Lapa CEP 05077-120 São Paulo

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Coletor de dados XL-PABX. Manual do Usuário. (Versão 2.0)

Coletor de dados XL-PABX. Manual do Usuário. (Versão 2.0) (Versão 2.0) Índice 1. Introdução... 4 1.1. Aplicação... 4 1.2. Descrição... 4 2. Instalação... 5 3. Acesso à configuração... 5 3.1. Conectando via interface serial... 5 3.2. Conectando via interface de

Leia mais

Conversor Ethernet Serial CES-0200-XXX-XX. Manual V3.9

Conversor Ethernet Serial CES-0200-XXX-XX. Manual V3.9 Conversor Ethernet Serial CES-0200-XXX-XX Manual V3.9 Parabéns! Você acaba de adquirir o Conversor Ethernet Serial CES-0200 que orgulhosamente foi desenvolvido e produzido no Brasil. Este é um produto

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem 1 1. Introdução / 2. Conteúdo da embalagem 1. Introdução O Repetidor WiFi Multilaser é a combinação entre uma conexão com e sem fio. Foi projetado especificamente para pequenas empresas, escritórios e

Leia mais

Manual do Radioserver

Manual do Radioserver Manual do Radioserver Versão 1.0.0 Alex Farias (Supervisão) Luiz Galano (Comercial) Vinícius Cosomano (Suporte) Tel: (011) 9393-4536 (011) 2729-0120 (011) 2729-0120 Email: alex@smartptt.com.br suporte@smartptt.com.br

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Elementos da Comunicação Origem da mensagem ou remetente; O canal meio físico; Destino da mensagem ou receptor; Rede de dados ou redes de informação são capazes de trafegar diferentes

Leia mais

CONFIGURAÇÃO KIT PROVEDOR DE INTERNET SEM FIO

CONFIGURAÇÃO KIT PROVEDOR DE INTERNET SEM FIO CONFIGURAÇÃO KIT PROVEDOR DE INTERNET SEM FIO IMPORTANTE: Não instale o KIT no mastro sem antes conhecer bem o SOFTWARE (firmware) de gerenciamento. Configure a placa AP e faça todos os testes possíveis,

Leia mais

EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede

EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede Entregar um relatório contendo introdução, desenvolvimento e conclusão. A seção desenvolvimento pode conter

Leia mais