Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira"

Transcrição

1 Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira

2 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Parte 1 Estudo Prospectivo do Setor Siderúrgico Recomendações tecnológicas Parte 2 Proposta da ABM para ampliar sua participação no Sistema Nacional de Inovação

3 PARTE 1 Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira O NOVO CONTEÚDO DO PROCESSO COMPETITIVO A competitividade será crescente e dominada pela capacidade inovadora das empresas e países; A permanência nos mercados será função de se controlar o fluxo inovador; A capacidade (empresas e países) de transformar o conhecimento em produto; As demandas sociais incorporadas às agendas estratégicas das empresas, As questões ambientais deverão ser objeto de continuado aperfeiçoamento,

4 Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira

5 Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira EPSS - ESTUDO PROSPECTIVO DA SIDERURGIA Presente EPSS Estudo Prospectivo da Siderurgia Futuro Desejado Recomendações político institucionais Recomendações tecnológicas 3

6 Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira PROPOSTAS DE PROJETOS TECNOLÓGICOS Em minério de ferro e aglomeração Em carvão mineral e coque Em carvão de biomassa Em redução Em redução nos altos-fornos a coque Em mini altos-fornos a carvão vegetal Em processos de redução solida Em processos emergentes de redução Em aciaria Em conversor LD/BOF Em forno eletrico a arco Em lingotamento e laminação Em produção direta de aço Em meio ambiente Em energia Em produtos

7 Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira PROPOSTAS DE PROJETOS TECNOLÓGICOS Em minério de ferro e aglomeração 6 propostas Em carvão mineral e coque 6 propostas Em carvão de biomassa 5 propostas Em redução 19 proposta Em redução nos altos-fornos a coque (8 propostas) Em mini altos-fornos a carvão vegetal (4 propostas) Em processos de redução solida (4 propostas) Em processos emergentes de redução (3 propostas Em aciaria 10 propostas Em conversor LD/BOF (5 propostas) Em forno eletrico a arco (5 propostas) Em lingotamento e laminação - 6 propostas Em produção direta de aço 3 propostas Em meio ambiente 4 propostas Em energia 5 propostas Em produtos 4 propostas Total = 68

8 Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira PROPOSTAS DE PROGRAMAS TECNOLÓGICOS Panorama Mobilizacão dos setores empresarial, acadêmico, governamental e das associações e institutos técnico-cientificos,. A dimensão dos desafios tecnológicos da siderurgia exige a participação conjunta dos quatro setores, por meio de programas temáticos nacionais; A siderurgia brasileira ainda não conta empresas nacionais de consultoria e de engenharia Existe competência e experiência suficiente no setor siderúrgico para redes temáticas institucionais, Centros de pesquisa nacionais e dos laboratorios das universidades brasileiras, necessitam de atualização.

9 Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira PROPOSTAS DE PROGRAMAS TECNOLÓGICOS Propostas Metodologia para desenvolvimento de projetos de caráter nacional Implementar os seguintes programas: Programa Biomassas Programa Carvão Mineral Nacional Programa Infraestrutura para Inovação (criação do Fundo Setorial da Siderurgia) Programa de Fortalecimento das Atividades de Consultoria e Engenharia Programa Talentos para a Siderurgia: formação e especialização de recursos humanos Programa de Vigilância Tecnológica

10 PARTE 2 Proposta da ABM para ampliar sua participação no Sistema Nacional de Inovação MOTIVAÇÃO Missão da ABM: Promover a evolução técnico-científica e a inovação em processos, produtos e gestão, nas áreas de Metalurgia, Materiais e Mineraçao. 2

11 OPORTUNIDADE ABM O que fazer? Por que fazer? Quando fazer? Como fazer? Para que fazer? Presente EPSS Estudo Prospectivo da Siderurgia Futuro Desejado Governo Empresas ICT s 3

12 ? Instituto Pró-Inovação e Competitividade em Metalurgia, Materiais e Mineração O que fazer 4

13 Instituto Pró-Inovação e Competitividade em Metalurgia, Materiais e Mineração CONJUNTURA AMBIENTAL Incentivos à inovação oferecidos pela legislação brasileira; MEI - Movimento pela Inovação como fator de competitividade; Modelo de Inovação Aberta; Inserção no Sistema Nacional de Inovação; Fortalecimento do desenvolvimento tecnológico setorial 5

14 A Lei de Inovação VISÃO GERAL Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. O centro de atenção: ICT Instituição Científica e Tecnológica 6

15 Instituto Pró-Inovação e Competitividade ADEQUAÇÃO À LEI DE INOVAÇÃO Definições: Instituição Científica ou Tecnológica (ICT) Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) A Lei de Inovação determina que a ICT deverá dispor de um NIT, com finalidade de gerir sua política de inovação. 7

16 Instituidora da Política de Inovação Gestor da Política de Inovação ICT Instituição Científica ou Tecnológica NIT Núcleo de Inovação Tecnológica 8

17 Instituto Pró-Inovação e Competitividade PROPOSTA DE ADEQUAÇÃO A ABM propõe-se a instituir um organismo com a configuração de NIT Núcleo de Inovação Tecnológica, que será denominado: Instituto Pró-Inovação e Competitividade em Metalurgia, Materiais e Mineração. 9

18 Instituto Pró-Inovação e Competitividade ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO Adequação da ABM e de seu NIT ao contexto da Política de Inovação A ABM... mantém sua estrutura jurídica institui uma Política de Inovação para os setores de atuação e transforma o Fundo ABM para P&D em seu NIT, para promoção e gestão de sua Política de Inovação. 10

19 Instituidora da Política de Inovação Gestor da Política de Inovação ABM Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Instituto Pró-Inovação e Competitividade em Metalurgia, Materiais e Mineração ICT Instituição Científica ou Tecnológica NIT Núcleo de Inovação Tecnológica 11

20 Instituto Pró-Inovação e Competitividade em Metalurgia, Materiais e Mineração CONCEPÇÃO ESTRATÉGICA Finalidade Stakeholders Missão Valor 12

21 Instituto Pró-Inovação e Competitividade de Metalurgia, Materiais e Mineração FINALIDADE Gerenciar a Política de Inovação instituída pela ABM, contribuindo para o desenvolvimento econômico e social do país. 13

22 Instituto Pró-Inovação e Competitividade em Metalurgia, Materiais e Mineração STAKEHOLDERS A ABM Associados da ABM Patrocinadores Empresas e governo Funcionários e colaboradores do Instituto Fornecedores de bens e serviços Agências de fomento Institutos de Pesquisa Universidades Fundações Associações de classe e ONG s. Comunidades 14

23 Instituto Pró-Inovação e Competitividade em Metalurgia, Materiais e Mineração MISSÃO Contribuir para a inovação e competitividade dos setores de metalurgia, materiais e mineração, gerando valor sócio-econômico e ambiental. 15

24 Instituto Pró-Inovação e Competitividade em Metalurgia, Materiais e Mineração CONSTRUÇÃO DE VALOR Atuar como canal propositivo de projetos de desenvolvimento tecnológico e de inovação para financiamento por recursos públicos e privados. Viabilizar projetos setoriais de caráter pré-competitivos. Prospectar tendências e monitorar inovações tecnológicas em nível mundial, nos campos de metalurgia, materiais e mineração. Reduzir custos individuais (por empresa) na realização de projetos cooperativos. Promover o fortalecimento da interação técnica (inteligência coletiva). Contribuir para a otimização da utilização de recursos para o desenvolvimento tecnológico e Inovação. 16

25 Instituto Pró-Inovação e Competitividade em Metalurgia, Materiais e Mineração OPORTUNIDADES DE ATUAÇÃO Ações já em curso, no âmbito da Política de Desenvolvimento Produtivo PDP, do governo federal. Novas ações decorrentes das propostas do EPSS Estudo Prospectivo do Setor Siderúrgico, entre outras. 17

26 PDP Política de Desenvolvimento Produtivo 18 Mineração e Siderurgia 26

27 PDP - Síntese da Política Objetivo Central DAR SUSTENTABILIDADE AO ATUAL CICLO DE EXPANSÃO Desafios Ampliar capacidade de oferta Preservar robustez do Balanço de Pagamentos Elevar capacidade de inovação Fortalecer MPES Metas Macrometas 2010 Metas por programas específicos Ações Sistêmicas:focadas em fatores geradores de externalidadespositivas para o conjunto da estrutura produtiva Políticas em 3 níveis Programas Estruturantespara sistemas produtivos: orientados por objetivos estratégicos tendo por referência a diversidade da estrutura produtiva doméstica Destaques Estratégicos: temas de política pública escolhidos deliberadamente em razão da sua importância para o desenvolvimento produtivo do País no longo prazo 27

28 Programas estruturantes para sistemas produtivos Programas mobilizadores em áreas estratégicas Complexo Saúde Complexo Energia Tecnologias de Informação e Comunicação Complexo da Defesa Nanotecnologia Biotecnologia Programas para fortalecer a competitividade Complexo Automotivo Bens de Capital Seriados Têxtil e Confecções Madeira e Móveis Higiene, Perfumaria e Cosméticos Construção Civil Complexo de Serviços Bens de Capital sob Encomenda Indústria Naval e Cabotagem Couro, Calçados e Artefatos Agroindústrias Plásticos OUTROS Programas para consolidar e expandir a liderança Aeronáutico Mineração Siderurgia Papel e Celulose Petroquímica Carnes 28

29 Siderurgia Estratégias: liderança mundial e conquista de mercados Objetivos: consolidar a liderança competitiva por meio de ampliação do porte empresarial, aumento da capacitação tecnológica e fortalecimento das redes de logística e de fornecimento de insumos Situação atual Metas Desafios Gestão -Expansão do mercado internacional Investimentos em nova capacidade produtiva no país Porte empresarial e investimento tecnológico inferior aos líderes internacionais Acesso privilegiado a matérias-primas Expansão do consumo de aço no País Posicionar-se entre os 5 maiores produtores mundiais Posicionar-se entre os 5 maiores exportadores mundiais Aumentar investimentos em P&D para 0,68% do faturamento (0,53% do faturamento em 2005) Internacionalização empresarial Elevar o investimento em inovação Fortalecer e expandir a infra-estrutura tecnológica Ampliar exportações Fortalecer e expandir infraestrutura logística Fortalecer o desenvolvimento de tecnologias limpas Fortalecer cadeia produtiva Aumentar a oferta de mãode-obra no Brasil MDIC/BNDES 29

30 Siderurgia instrumentos de política existentes Desafios Instrumentos Internacionalização empresarial BNDES APEX: implantação de centros de negócios no exterior Elevar investimento em inovação Fortalecer infra-estrutura tecnológica FINEP MCT: SIBRATEC BNDES Lei de Inovação: Incentivos fiscais INPI: gestão da propriedade intelectual Ações futuras EPSS - Estudo Prospectivo do Setor Siderúrgico Lei de Inovação: Incentivos fiscais INPI: gestão da propriedade intelectual INMETRO: TIB FINEP: Fundos Setoriais Ampliar exportações APEX/MDIC: promoção comercial MRE e MDIC: acordos de acesso a mercados emergentes INMETRO: Identificação de barreiras técnicas Fortalecer e expandir infra-estrutura logística Aumentar a oferta de mão-de-obra no Brasil Casa Civil: PAC SENAI: formação e treinamento MT: PNLT MF: REIDI Ação em curso Projeto Talentos para a Siderurgia MEC: educação profissional e tecnológica MF: REPORTO 30

31 Política de Desenvolvimento Produtivo PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA SIDERURGIA Gestor: Tólio E. Ribeiro 4ª Reunião de Articulação Público Privada - Fórum de Competitividade da Siderurgia - Edifício Sede do MDIC, Brasília, DF 10 de agosto de

32 Siderurgia agenda de açãoa Desafios Ações Prop. Internacionalização empresarial Ampliar Exportações AÇÃO 1 Incentivar a Internacionalização das Empresas Brasileiras de Distribuição de Aços INDA Fortalecer e expandir infraestrutura logística Ação em curso AÇÃO 2 Programa Logística de Transporte para Siderurgia Brasileira ANUT Aumentar a oferta de mãode-obra no Brasil AÇÃO 3 Projeto de Capacitação Profissional Talentos para Siderurgia ABM Fortalecer o desenvolvimento de tecnologias limpas Fortalecer cadeia produtiva AÇÃO 4 Política de Siderurgia a Carvão Vegetal AMS IBS ABRAF SINDIFER Fortalecer cadeia produtiva AÇÃO 5 Eliminação de assimetrias tributárias para construções e suas partes em aço IBS 32

33 Siderurgia agenda de açãoa Desafios Elevar investimento em inovação Ações Prop. Fortalecer e expandir infraestrutura tecnológica Fortalecer o desenvolvimento de tecnologias limpas Fortalecer cadeia produtiva NOVA AÇÂO Agenda Tecnológica Setorial (ATS-Siderurgia) MDIC ABDI MCT Ações futuras Exemplos de oportunidades para a implementação de agenda de Inovação para a Siderurgia Eficiência energética. Observatório de vigilância tecnológica. Siderurgia a carvão vegetal. Utilização de carvão mineral brasileiro. Destinação e transformação de resíduos em produtos. Aumento do consumo de aço 33

34 Instituto Pró-Inovação e Competitividade em Metalurgia, Materiais e Mineração CONCLUSÕES O Modelo de Open Innovation e a Lei da Inovação trazem novos caminhos para a Inovação Lei de Inovação e a Lei do Bem trazem conceitos que geram valor diretamente para as ICT s públicas, ICT s privadas e Empresas. Além disso, oferecem um leque de incentivos atrativos para o incremento da Inovação nas empresas. A Política de Inovação é da ABM, dos seus associados e dos setores de atuação. O Instituto Pró-inovação e Competitividade é o gestor desta política O Instituto Pró-inovação e Competitividade terá um papel importante no desenvolvimento da inovação para os setores de atuação da ABM e de seus associados 26

35 OBRIGADO! Gilberto Luz Pereira São Paulo, 24 de novembro de 2009

36 Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira PROPOSTAS DE PROGRAMAS TECNOLÓGICOS Em carvão mineral e coque Apoiar as investigações de caráter multi-institucional (projeto nacional), de pesquisa mineral, tratamentos de concentração e usos do carvão; Investigar a real possibilidade de uso do carvão mineral nacional e do coque verde de petróleo, como aditivos nas misturas de carvões para as coquerias; Implementar pesquisa aplicada sobre as caracterizações amplas do CVP e do carvão mineral nacional, visando consolidar seus usos como PCI; Fomentar estudos de gaseificação do carvão mineral nacional em leito fixo e fluidizado, visando a sua aplicação nos vários elos das cadeias e rotas siderúrgicas alternativas (RD, Tecnored etc); Pesquisar a possibilidade de emprego do carvão mineral nacional e do CVP como material carbonoso de adição na produção de pelotas verdes; e como combustível, nos fornos de pelotização; e Investigar o uso do carvão mineral nacional e do CVP como agentes autoredutores em aglomerados a frio produzidos pelas tecnologias emergentes nacionais.

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA SIDERURGIA

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA SIDERURGIA Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA SIDERURGIA Legenda: Branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

Exportação de Software e Serviços de TICs. Panorama e Oportunidades

Exportação de Software e Serviços de TICs. Panorama e Oportunidades Exportação de Software e Serviços de TICs Panorama e Oportunidades Brasília, Novembro de 2008 André Limp Gestor de Projetos - Tecnologia MERCADOS DESENVOLVIDOS Sistema financeiro Seguradoras Gestão de

Leia mais

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL 1 Estratégias: liderança mundial e conquista de mercados Objetivos: consolidar a liderança

Leia mais

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA Integração produtiva e cooperação industrial: a experiência da ABDI LEONARDO SANTANA Montevidéu, 15 de julho de 2009 Roteiro da Apresentação 1. Política de Desenvolvimento Produtivo PDP 2. Integração Produtiva

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Políticas de Inovação para o Crescimento Inclusivo: Tendências, Políticas e Avaliação PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Rafael Lucchesi Confederação Nacional da Indústria Rio

Leia mais

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação da Finep São Paulo, 28/04/2009 O desenvolvimento das economias modernas demonstra o papel fundamental que, nesse processo, compete

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Missão da FINEP Promover e financiar a Inovação e a Pesquisa científica e tecnológica em: Empresas; Universidades; Centros de pesquisa;

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO 1 Sumário OPORTUNIDADE PARA UMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO SÍNTESE DA PROPOSTA NÍVEL SISTÊMICO: PROJETOS E INICIATIVAS NÍVEL ESTRUTURAL: PROJETOS

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Programas para fortalecer a PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS 1 Madeira e Móveis Estratégias: conquista de mercados, focalização, diferenciação e ampliação do acesso Objetivos:

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

PROGRAMAS ESTRUTURANTES DEFINEM METAS PARA 24 SETORES PRODUTIVOS

PROGRAMAS ESTRUTURANTES DEFINEM METAS PARA 24 SETORES PRODUTIVOS PROGRAMAS ESTRUTURANTES DEFINEM METAS PARA 24 SETORES PRODUTIVOS Os Programas Estruturantes um dos níveis da Política de Desenvolvimento Produtivo estão divididos em três eixos: os Programas Mobilizadores

Leia mais

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Elyas Medeiros Assessor do CGEE Líder do Estudo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Programas para fortalecer a PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho = destaques para novas

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL Programas para fortalecer a competitividade PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL 1 Biodiesel Estratégias: Ampliação de Acesso (inserção social e redução das disparidades regionais) Objetivos:

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS 1 Setor de Brinquedos Estratégias: Ampliação de Acesso e Conquista de Mercado Objetivos: 1 - Aumentar a competitividade; 2 - consolidar o

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego formal, crescimento da massa

Leia mais

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Rochester Gomes da Costa Departamento de Capital Semente 29 de outubro

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral

Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral PAULO MOL Diretor de Inovação Brasília, 10 de junho de 2013 Brasil precisa ser mais competitivo e a inovação é um dos caminhos 6ª Economia Mundial

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Palestra Divulgação PAPPE Paraná. PAPPE Subvenção Paraná Chamada Pública 01/2009. Fomento à Inovação Tecnológica

Palestra Divulgação PAPPE Paraná. PAPPE Subvenção Paraná Chamada Pública 01/2009. Fomento à Inovação Tecnológica Palestra Divulgação PAPPE Paraná PAPPE Subvenção Paraná Chamada Pública 01/2009 Fomento à Inovação Tecnológica Programa PAPPE Programa de Apoio à Pesquisa na Pequena Empresa Operacionalização: Consórcio

Leia mais

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Josué Gomes da Silva IEDI Seminário Internacional: A Hora e a Vez da Política de Desenvolvimento Produtivo BNDES / CNI CEPAL / OCDE 22/09/2009

Leia mais

PROJETO AGENDAS TECNOLÓGICAS SETORIAIS ATS Setor de Construção Civil 12/08/2009

PROJETO AGENDAS TECNOLÓGICAS SETORIAIS ATS Setor de Construção Civil 12/08/2009 PROJETO AGENDAS TECNOLÓGICAS SETORIAIS ATS Setor de Construção Civil 12/08/2009 Realização e Coordenação: Execução: Apresentação O projeto Agendas Tecnológicas Setoriais ATS - tem como objetivo identificar

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer 1ª. Reunião do Conselho de Competitividade Serviços Brasília, 12 de abril de 2012 Definições O PBM é: Uma PI em sentido amplo: um

Leia mais

Painel B3: Transferência de Tecnologia

Painel B3: Transferência de Tecnologia Painel B3: Transferência de Tecnologia fatores de risco e de sucesso Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Pró-Inova

Leia mais

Tributação e Incentivos à Inovação

Tributação e Incentivos à Inovação VIII Seminário do Setor de Saúde - BRITCHAM Tributação e Incentivos à Inovação São Paulo/SP, 17 de junho de 2009 Inovação Tecnológica no Brasil 30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP erocca@finep.gov.br Tel: 21 2555-0641 Financiadora de Estudos e Projetos

Leia mais

DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas PDP setembro/09 DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados

Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados Maurício Reis Santos AIB/DECAPEG Área de Insumos Básicos Departamento da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás DEMANDA POR PETRÓLEO: aumento

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Mario Sergio Salerno Diretor de Estudos Setoriais do IPEA 1 de julho de 2005 Uma nova trajetória de desenvolvimento

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

Desenvolvimento de Mercado

Desenvolvimento de Mercado Desenvolvimento de Mercado DESENVOLVIMENTO DE MERCADO Frente aos importantes temas abordados pelo Fórum Temático de Desenvolvimento de Mercado, da Agenda 2020, destaca-se o seu objetivo principal de fomentar

Leia mais

Inovação no Complexo Industrial da Saúde

Inovação no Complexo Industrial da Saúde 3º ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO EM FÁRMACOS E MEDICAMENTOS Inovação no Complexo Industrial da Saúde Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas São Paulo SP, 15 de setembro de 2009 FINEP Empresa pública

Leia mais

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira

Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Programa SENAI de apoio à competitividade da indústria brasileira Ações MEI Políticas de caráter horizontal (incentivos fiscais, crédito, melhoria de marcos regulatórios); Políticas para setores estratégicos;

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

13/02/2012. Alysson Andrade Amorim

13/02/2012. Alysson Andrade Amorim Importância de um Sistema de Gestão da Inovação em uma instituição de educação 13/02/2012 Alysson Andrade Amorim ROTEIRO Unidade de Inovação e Tecnologia - UNITEC Cenário de inovação tecnológica no Brasil;

Leia mais

Programa de Atração de Investimentos

Programa de Atração de Investimentos 1 Programa de Atração de Investimentos Oficina de Trabalho da RENAI - Rede Nacional de Informação sobre o Investimento Brasília, 08 de Junho de. Antecedentes 2 O Governo Brasileiro quer dar prioridade

Leia mais

O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES

O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES 20.10.2009 Luciano Coutinho Mensagem Inicial Pré-sal:

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos 1 FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Simpósio Materiais Automotivos e Nanotecnologia São Paulo, 7 de junho de 2010 Resumo Marcos legais regulatórios Nanotecnologia

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Integração Produtiva MERCOSUL

Integração Produtiva MERCOSUL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria do Desenvolvimento da Produção Integração Produtiva MERCOSUL XLV Reunião Ordinária de Coordenadores Nacionais FCCR O tema Integração

Leia mais

Planejamento Estratégico do Setor de Florestas Plantadas -2012

Planejamento Estratégico do Setor de Florestas Plantadas -2012 CONTEXTO O setor de florestas plantadas no Brasil éum dos mais competitivos a nível mundial e vem desempenhando um importante papel no cenário socioeconômico do País, contribuindo com a produção de bens

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS NANOTECNOLOGIA

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS NANOTECNOLOGIA Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS NANOTECNOLOGIA Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho =

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA PETRÓLEO, GÁS NATURAL E PETROQUÍMICA

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA PETRÓLEO, GÁS NATURAL E PETROQUÍMICA Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA PETRÓLEO, GÁS NATURAL E PETROQUÍMICA 1 Petróleo, Gás Natural e Petroquímica Estratégias: liderança mundial

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Dimensões do PBM Oportunidades Desafios Sistema de Gestão Desdobramento do Plano Brasil Maior na Política de Arranjos Produtivos

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a

MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a 2014 MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. São 165 unidades

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Plano de Ação 2007-2010 Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Política de Estado Configuração da Política Gestão Compartilhada

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano BrasilMaior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Agenda de Políticas para Inovação Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Recursos Humanos para Inovação Horácio Lafer Piva - Klabin A Agenda Promover uma mudança no ensino brasileiro com direcionamento claro

Leia mais

POLÍTICA DE RECURSOS HUMANOS & POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

POLÍTICA DE RECURSOS HUMANOS & POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO POLÍTICA DE RECURSOS HUMANOS & POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO REGINALDO BRAGA ARCURI Presidente Brasilia, 08 de março de 2010 Brasil: dados sobre educação FONTE: IBGE Segundo a ONU, na América Latina

Leia mais

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Fomento à Inovação no Brasil Desenvolvimento e Sustentabilidade ALIDE Fortaleza, maio 2010 FINEP Empresa pública federal, vinculada

Leia mais

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 A produção de commodities e a transformação econômica do Brasil João

Leia mais

Política e Prioridades Brasileiras para Recursos Minerais Desenvolvimento Tecnológico e Inovação

Política e Prioridades Brasileiras para Recursos Minerais Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Workshop: Oportunidades de Desenvolvimento e Inovação em Mineração e Metais Política e Prioridades Brasileiras para Recursos Minerais Desenvolvimento Tecnológico e Inovação SECRETARIA DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS Programas para fortalecer a competitividade PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho =

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás Dezembro 2013 Tópicos Cenário P&G Rede de Núcleos de P&G - CNI e Federações Desenvolvimento de APLs

Leia mais

Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Soluções tecnológicas

Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Soluções tecnológicas Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Soluções tecnológicas O que é Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. Uma das primeiras instituições de P&D&I aplicados

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIAS MINERAIS

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIAS MINERAIS INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIAS MINERAIS Slide 1 O que fazer para melhorar a competitividade da indústria? Mobilização Empresarial pela Inovação MEI Melhorar a infraestrutura Disseminar a cultura

Leia mais

Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação

Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Resumo Executivo Prioridade Estratégica I Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Linha de

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

O MCTI E SUA POLÍTICA DE FOMENTO À INOVAÇÃO

O MCTI E SUA POLÍTICA DE FOMENTO À INOVAÇÃO O MCTI E SUA POLÍTICA DE FOMENTO À INOVAÇÃO SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Goiânia, GO, 16 de Outubro de 2014 Armando Z. Milioni SETEC, MCTI ROTEIRO 1 A ESTRUTURA GERAL DO MCTI 2 A SETEC: FOMENTO

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 Apoios à Internacionalização e à Inovação António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 ALENTEJO PRIORIDADES PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 1. Alimentar e Floresta 2. Recursos Naturais,

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA Inovação é o que distingue um líder de um seguidor. Steven Paul Jobs Grandes ideias mudam o mundo. Missão

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Seminário ENQUALAB_RESAG / DEMANDAS EMPRESARIAIS DE TECNOLOGIA

Seminário ENQUALAB_RESAG / DEMANDAS EMPRESARIAIS DE TECNOLOGIA Seminário ENQUALAB_RESAG / DEMANDAS EMPRESARIAIS DE TECNOLOGIA Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Como Ação Estruturante do Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria

Leia mais

Fostering the culture of innovation in the Brazilian Science and Technology Institutions and its ability to transfer knowledge to the business sector

Fostering the culture of innovation in the Brazilian Science and Technology Institutions and its ability to transfer knowledge to the business sector Promovendo a cultura de inovação nas Instituições Brasileiras de Ciência e Tecnologia e a sua capacidade de transferir conhecimento para o setor empresarial Fostering the culture of innovation in the Brazilian

Leia mais

Fomento à Produção Nacional. Painel de Debate 16/4/2013

Fomento à Produção Nacional. Painel de Debate 16/4/2013 Fomento à Produção Nacional Painel de Debate 16/4/2013 A FINEP A FINEP - Agência Brasileira da Inovação - é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em

Leia mais

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor)

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Principais obstáculos à ampliação da produtividade do trabalho

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º Workshop Platec E&P Onshore Sondeas de Perfuração Onshore Equipamentos

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação: motor da competitividade e do desenvolvimento sustentado O investimento bem sucedido em inovação: Aumenta produtividade e cria novos produtos:

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais