Periféricos e Interfaces had

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Periféricos e Interfaces had"

Transcrição

1 9 Subsistema de video 9.1 Introdução O subsistema vídeo é responsável por produzir a imagem que aparece no écran. Parte deste consiste na geração de sinais que controlam a imagem que aparece no monitor. Em termos gerais o monitor consiste numa matriz de pixels, o menor elemento de composição de uma imagem, que podem ser iluminados ou não, ou ter uma dada cor. Deve ser referido que os subsistemas de vídeo actuais requerem bastante processamento, por isso devem ser o mais independente possível do CPU, de modo que este não tenha a seu cargo a criação das imagens, deixando-o livre para outro processamento e acelerando assim o desempenho global do sistema computacional CRT (Tubo de raios catódicos) O CRT é uma válvula onde é produzido um feixe de electrões numa extremidade, que é deflectido e atinge a superfície na outra extremidade. No caso de um monitor monocromático a superfície consiste num material fosforescente que ao ser bombardeado pelo feixe de electrões ilumina-se. Fig. 9-1: Estrutura de um tubo de raios catódicos O adaptador deve emitir sinais para o monitor que permitam deflectir o feixe de electrões de modo que varra todo o ecrã. O varrimento normalmente é efectuado da direita para a esquerda, linha a linha. No caso de um monitor monocromático, em cada linha existe um conjunto de pixels que se iluminam se atingidos pelo feixe. Ao terminar uma linha o feixe é posicionado no inicio da linha seguinte e o processo repete-se até se chegar à ultima linha do quadro (ou frame) onde o feixe é posicionado no inicio da primeira linha para apresentar a próxima imagem. Fig. 9-2: Estrutura de um tubo de raios catódicos PIN T09-1/7

2 O número de quadros, isto é imagens completas criadas por segundo, depende da frequência vertical. Quanto maior for esta frequência mais quadros são formados na unidade de tempo, reduzindo a cintilação. O número de pixels numa linha indica a resolução horizontal e o número de linhas a resolução vertical. No caso de se ter um monitor que suporte escala de cinzentos (gray scale) a iluminação do pixel depende da intensidade do feixe de electrões. No caso de um monitor a cores RGB, cada pixel é composto por três células de material fosforescente, ou tríade, que quando bombardeadas pelo feixe de electrões emitem luz vermelha, verde e azul. A iluminação de cada uma destas células depende da intensidade do feixe de electrões. A cor é assim composta, em cada pixel, pela combinação dos tons destas três células LCD (Display de cristal liquido) No caso de monitores de cristal líquido, cada pixel também é composto por uma tríade RGB onde cada célula tem uma intensidade variável, dependendo da polarização. Esta polarização é obtida através da aplicação de uma voltagem a dois ecrans de polarização por cada célula Assim se bem que neste caso não exista um feixe de electrões que bombardeia cada célula, o sistema de composição de cor é idêntico. 9.2 Memória de video ou framebuffer Modos de vídeo padrão De acordo com a aula teórica 20 de (Costa e Bastos, 2004, 2005) Estrutura da memória de vídeo em modos de texto e gráficos De acordo com as aulas teóricas 20 e 21 de (Costa e Bastos, 2004, 2005), excepto MSDOS e BIOS Acesso à memória de video no espaço de utilizador Para se aceder à memória de video, primeiro tem de se obter o endereço virtual correspondente ao endereço físico. Em espaço de utilizador pode-se usar a função mmap ( ) definida em <sys/mman.h>. Para isso é necessário primeiro abrir o ficheiro correspondente ao dispositivo de memória: /dev/mem e a partir deste indicar qual o endereço físico addr que se pretende: unsigned char *virt_addr, *p; unsigned int addr=0xb8000; unsigned int len=0x10; f=open ("/dev/mem", O_RDWR); if (f<0) { printf("file not found\n"); exit(1); virt_addr = (unsigned char*) mmap(0, len, PROT_READ PROT_WRITE, MAP_SHARED, f, addr); printf("\nendereço virtual %p, correspondente ao físico: %p\n\n", virt_addr, addr); Os argumentos de mmap são: 0; comprimento da zona de memória a mapear; protecção (no exemplo acima foi dada permissão para escrita e leitura); modo de acesso (se privado a escrita PIN T09-2/7

3 não é enviada para o ficheiro /dev/mem, i.e., não é escrita nos endereços físicos, por isso, no exemplo acima foi seleccionado mode de partilha da memória. Agora pode-se usar o ponteiro para a memória virtual para ler os primeiro 10 caracteres e atributos no buffer de video: p=virt_addr; for (i=0;i<len;i+=2) printf("%c %d\n", p[i], p[i+1]); ou escrever nesse buffer. Por exemplo para que a côr de fundo de uma linha do buffer de video em modo de texto passe para branco: p=virt_addr; for (i=1;i<160;i+=2) p[i]=p[i] (0x07 << 4); Quando já não for necessária, o mapeamento pode ser terminado com: munmap(virt_addr, len); close(f); Acesso à memória de video no espaço do kernel No espaço do kernel terá de ser efectuado também um mapeamento da memória física em páginas de memória virtual. Tal pode ser efectuado com a função ioremap( ), definida em <asm/io.h>., que tem como argumentos o endereço físico e o comprimento em bytes. No caso de um módulo, o remapeamento pode ser efectuado na rotina de inicialização: unsigned char *virt_addr, *p; unsigned int addr=0xb8000; unsigned int len=0x10; virt_addr=(unsigned char*)ioremap(addr, len); printk("\nendereço virtual 0x%p, correspondente ao físico: 0x%x\n", virt_addr, addr); Para aceder a valores na memória virtual mapeada com esta função é necessário usara as funções ioreadx( ) e iowritex( ) já introduzidas: p = virt_addr; for (i=0;i<len;i+=2) printk("%c %d\n", ioread8(p++), ioread8(p++)); Na rotina de encerramento pode cancelar-se o mapeamento com: iounmap(virt_addr); Acesso exclusivo à memória de E/S no kernel Como já foi referido para o caso de drivers para dispositivos de caracter, é conveniente garantir acesso exclusivo aos portos de E/S e também à memória de E/S, garantido que apenas um driver acede a estes recursos. Assim ao inserir um novo módulo, se a região ou parte dela, de portos ou de memória, requerida já foi reservada por um outro driver, o módulo não deve ser inserido, ou pelo menos não deve usar o que já está reservado. A memória já reservada (endereços físicos) pode ser consultada com: cat /proc/iomem f7ff : System RAM PIN T09-3/7

4 0009f ffff : reserved 000a bffff : Video RAM area 128 KBytes 000c c7fff : Video ROM 000f fffff : System ROM ffeffff : System RAM be469 : Kernel code 002be46a e3 : Kernel data (...) f f7ffffff : S3 Inc. ViRGE/DX or /GX fbfff000-fbfff07f : Digital Equipment Corporation DECchip 21142/43 É comum que a área A0000H-BFFFFH esteja reservada pelo driver vga. No entanto esta área tem apenas um comprimento de 128 KBytes, embora os controladores SVGA actuais suportem uma memória de video muito maior. No exemplo acima um adaptador gráfico S3 usa também a região F H-F7FFFFFFH que ocupa 64 MBytes. A verificação e reserva de regiões de memória de E/S, pode ser efectuada na rotina de inicialização e a libertação das regiões na rotina de encerramento, para que após a remoção do driver a memória fique disponível para outro. A verificação se uma região, considerando endereços fisícos, desde base a base+len-1, se encontra reservada e a sua reserva pode ser efectuada com a função request_mem_region ( ), onde os argumentos são: o endereço físico, o tamanho em bytes e o nome que deverá aparecer em proc/iomem: unsigned long base= 0x000A0000; //endereço físico unsigned long len = 0x ; //nº de bytes a reservar void *vaddr; //endereço virtual if (!request_mem_region(base, len, "drivername")) { printk(kern_info "Memória de E/S de: %Xh a %Xh indisponível\n", base, base+len-1); return -ENODEV; Se algum endereço na zona de memória já está reservado a esta função retorna NULL. É da responsabilidade do programador verificar o valor de retorno e não usar estes portos. Não existe mecanismo no kernel que o impeça, no entanto se dois módulos partilharem a mesma zona de memória de E/S o sistema operativo poderá ficar instável. Como já foi visto, será também necessário obter o endereço virtual correspondente com ioremap ( ): vaddr = (unsigned char*) ioremap(base, len); if (!vaddr) { printk(kern_info "Impossível obter endereço virtual para região" "de memória física: %Xh a %Xh \n", base, base+len-1); return -ENODEV; Na rotina de encerramento deve ser libertada a região de memória e eliminado o mapeamento na memória virtual: iounmap(vaddr); release_mem_region(base, len); As funções de reserva e libertação de regiões de memória de E/S, tal como as versões para portos de E/S, estão declaradas em <linux/ioport.h>. PIN T09-4/7

5 9.3 Registos do subsistema VGA De acordo com a aula teórica 22 de (Costa e Bastos, 2004, 2005). 9.4 Bitplanes em modos de texto e gráficos De acordo com as aulas teóricas 23 e 24 de (Costa e Bastos, 2004, 2005), excepto MSDOS e BIOS. 9.5 SVGALIB Em Linux a programação do subsistema de vídeo em C, pode ser efectuada num nível mais elevado através da biblioteca SVGALIB. O exemplo seguinte mostra como inicializar um modo gráfico de 320 colunas por 200 linhas, onde cada pixel pode ter 256 cores, e escrever na posição na linha 10 coluna 10 um pixel com a cor 4, e após 5 segundos regressa ao modo de texto. Nesta biblioteca é assumido que o canto superior esquerdo é a origem do referencial. #include <stdlib.h> #include <vga.h> int main(void) { vga_init(); vga_setmode(g320x200x256); vga_setcolor(4); vga_drawpixel(10, 10); sleep(5); vga_setmode(text); return EXIT_SUCCESS; Para compilar este programa deve ser linkada a biblioteca svgalib e em algumas versões a biblioteca matemática: gcc svgalibdemo.c -lvga -lm Par configurar um sistema Debian para desenvolvimento de aplicações SVGALIB pode-se usar: apt-get install libsvga1 apt-get install libsvga1-dev O exemplo seguinte mostra como escrever directamente na memória de vídeo, de modo a efectuar o mesmo que o conjunto de instruções: vga_setcolor(4); vga_drawpixel(10, 10); no modo de vídeo do exemplo acima. Esta técnica permite acelerar o tratamento de vídeo. No entanto nem em todos os modos a escrita de um pixel pode ser efectuada directamente na memória de vídeo como mostra o exemplo. Poderá ser um pouco mais complexa, dependendo de como são usados os bitplanes no modo em questão. Assim as funções de alto nível da PIN T09-5/7

6 svgalib permitem libertar o programador desta gestão de memória de vídeo, quando pretende escrever um pixel. #include <stdlib.h> #include <vga.h> int main(void) { unsigned char*p; int i; vga_init(); vga_setmode(g320x200x256); p=graph_mem; //Idêntico a: vga_setcolor(4); vga_drawpixel(10, 10); p[10*320+10]=4; sleep(5); vga_setmode(text); printf("\nvga fb: %p\n", p); return EXIT_SUCCESS; Repare-se que a svgalib exporta a variável graph_mem que aponta o ínicio da memória de vídeo. Finalmente um exemplo simples de como animar um bloco para se deslocar por cima de um campo de pontos sem apagar o fundo: #include <stdlib.h> #include <vga.h> #define cols 320 unsigned char block[64]; void move(int l, int c) { unsigned char* p=graph_mem; unsigned char tmp; int i, j; for (j=0;j<8; j++) for (i=0;i<8; i++) { tmp=p[(l+j)*cols+c+i]; p[(l+j)*cols+c+i]=block[j*8+i]; block[j*8+i]=tmp; ; int main(void) { unsigned char* p; int pix[100], i; vga_init(); vga_setmode(g320x200x256); for (i=0; i<64; i++) block[i]=4; p=graph_mem; //virtual addr of A0000H for (i=0;i<1000;i++) p[rand()%10000]=rand()%16; //cria fundo PIN T09-6/7

7 while(1) //anima bloco for (i=10; i<100; i++) { move (10, i); usleep (1000); move (10, i); vga_setmode(text); return EXIT_SUCCESS; A única intervenção da svglib neste caso foi para seleccionar o modo gráfico. Todo o resto é efectuado directamente na memória de vídeo. A função usleep (int micseg) é usada para efectuar um atraso num dado número de micro segundos, de modo que seja vísivel a deslocação do bloco. Se se pretender animar um objecto com uma forma irregular, pode-se usar uma função que para um dado código de cor do objecto, p. ex 255, não altera o fundo do ecran: void move(int l, int c) { unsigned char* p=graph_mem; unsigned char tmp; int i, j; for (j=0;j<8; j++) for (i=0;i<8; i++) if (block[j*8+i]!= 255){ tmp=p[(l+j)*cols+c+i]; p[(l+j)*cols+c+i]=block[j*8+i]; block[j*8+i]=tmp; ; Pode-se agora construir, por exemplo, uma figura baseada num bloco com a área central transparente, i.e. código de cor 255: //... for (i=0; i<64; i++) block[i]=4; for (i=24+2; i<24+6; i++) block[i]=255; for (i=32+2; i<32+6; i++) block[i]=255; //... e usar esta última versão da função move ( ) para animar a figura. 9.6 Bibliografia Costa, Ana Paula e José Bastos (2004, 2005) Resumos das aulas teóricas de Periféricos e Interfaces , Corbet, Jonathan, Alessandro Rubini e Kroah-Hartman, Greg (2005). Linux Device Drivers 3rd edition, O Reilly, Messmer, Hans-Peter (2002). The Indispensable PC Hardware Book 4 th edition, Addison- Wesley Salzman, Peter Jay, Michael Burian and Ori Pomerantz (2005). The Linux Kernel Module Programming Guide, Tanenbaum, Andrew S. (2001). "Modern Operating Systems. 2nd Edition", Prentice Hall Linux man pages PIN T09-7/7

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 20

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 20 Sumário: Os subsistemas vídeo. A RAM vídeo. Aula Teórica 20 Leitura Recomendada: Capítulo 37 - Hans-Peter Messmer, The Indispensable PC Hardware Book, Addison-Wesley. Capítulos 4 e 11 - Peter Norton, Peter

Leia mais

3 Introdução às chamadas ao sistema

3 Introdução às chamadas ao sistema 3 Introdução às chamadas ao sistema 3.1 Chamadas ao sistema e à BIOS As chamadas ao sistema ou System Calls consistem nos serviços disponibilizados pelo núcleo do sistema operativo. O principio é semelhante

Leia mais

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções

Entradas/Saídas. Programação por espera activa Programação por interrupções Entradas/Saídas Programação por espera activa Programação por interrupções Programação por espera activa 1. O programa lê o estado do periférico: CPU pede ao controlador (IN) o valor no registo ESTADO

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Dispositivos de Entrada e Saída Prof. Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com Fonte: Material do Prof. Robson Pequeno de Sousa e do Prof. Robson Lins Dispositivos de Entrada Teclado, Mouse, Trackball,

Leia mais

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 12

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 12 Sumário: A tabela de partições do disco rígido. A root directory. A FAT. Os serviços BIOS para disco. Aula Teórica 12 Leitura Recomendada: Capítulos 28 e 29 - Hans-Peter Messmer, The Indispensable PC Hardware

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores Entrada e Saída. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores Entrada e Saída. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Entrada e Saída Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal Memória Secundária

Leia mais

Componentes de um Sistema de Operação

Componentes de um Sistema de Operação Componentes de um Sistema de Operação Em sistemas modernos é habitual ter-se as seguintes componentes ou módulos: Gestor de processos Gestor da memória principal Gestor da memória secundária Gestor do

Leia mais

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 11

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 11 Sumário: O disco rígido e a disquete estrutura física. Como os dados são armazenados fisicamente. Como o MS-DOS organiza o disco. O registo de boot. Aula Teórica 11 Leitura Recomendada: Capítulos 28 e

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Área Departamental de Engenharia Electrónica e Computação Periféricos e Interfaces 2003/2004 Cursos de Informática e Ensino de Informática Exame

Leia mais

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Device Drivers em Linux - Introdução António Joaquim Esteves www.di.uminho.pt/~aje Bibliografia: capítulo 1, LDD 3ed, O Reilly DEP. DE INFORMÁTICA ESCOLA

Leia mais

Componentes de um Sistema de Operação

Componentes de um Sistema de Operação Componentes de um Sistema de Operação Em sistemas modernos é habitual ter-se os seguintes componentes ou módulos: Gestor de processos Gestor da memória principal Gestor da memória secundária Gestor do

Leia mais

Componentes de um Sistema de Operação

Componentes de um Sistema de Operação Componentes de um Sistema de Operação Em sistemas modernos é habitual ter-se os seguintes componentes ou módulos: Gestor de processos Gestor da memória principal Gestor da memória secundária Gestor do

Leia mais

Periféricos e Interfaces had. 1.1 Conceitos elementares Um sistema computacional pode ser dividido de um modo abstracto em 4 componentes:

Periféricos e Interfaces had. 1.1 Conceitos elementares Um sistema computacional pode ser dividido de um modo abstracto em 4 componentes: 1 Introdução 1.1 Conceitos elementares Um sistema computacional pode ser dividido de um modo abstracto em 4 componentes: 1. Hardware (processador também designado por Central Processing Unit, memória,

Leia mais

Periféricos e Interfaces had

Periféricos e Interfaces had 7 Barramentos 7.1 Introdução Neste capítulo será efectuada uma breve descrição de alguns barramentos de um sistema computacional: CAN, ISA/EISA, PCI e USB. Poderiam ser descritos outros barramentos, comuns

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Sistemas Operativos: Introdução. February 22, 2011

Sistemas Operativos: Introdução. February 22, 2011 Sistemas Operativos: Introdução February 22, 2011 Sumário Introdução aos Sistemas Operativos Organização de Computadores Sistema Operativo Abstracções Oferecidas por um SO Serviços dum SO Interfaces dum

Leia mais

aceitável. A própria imagem nestes monitores apresenta uma qualidade inferior, devido ao baixo contraste. Os LCDs de matriz ativa já apresentam uma

aceitável. A própria imagem nestes monitores apresenta uma qualidade inferior, devido ao baixo contraste. Os LCDs de matriz ativa já apresentam uma Monitores O monitor tem uma importância vital, pois em conjunto com a placa de vídeo forma o principal meio de comunicação entre a máquina e nós. Os factores que diferenciam os inúmeros modelos de monitores

Leia mais

CEFET-RS Curso de Eletrônica

CEFET-RS Curso de Eletrônica CEFET-RS Curso de Eletrônica 7 - Vídeo Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade 07.1 Vídeo Principal periférico de saída desde o final da década de 70;

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Computação Gráfica - 03

Computação Gráfica - 03 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Computação Gráfica - 03 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Aspectos de Sistemas Operativos

Aspectos de Sistemas Operativos Paulo Sérgio Almeida Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho Serviços de um sistema operativo Interface com o utilizador Chamadas ao sistema Programas de sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Periféricos e Interfaces had. 1.1 Conceitos elementares Um sistema computacional pode ser dividido de um modo abstracto em 4 componentes:

Periféricos e Interfaces had. 1.1 Conceitos elementares Um sistema computacional pode ser dividido de um modo abstracto em 4 componentes: 1 Introdução 1.1 Conceitos elementares Um sistema computacional pode ser dividido de um modo abstracto em 4 componentes: 1. Hardware (processador também designado por CPU - Central Processing Unit, memória,

Leia mais

Referencial do Módulo B

Referencial do Módulo B 1 Referencial do Módulo B Liga, desliga e reinicia correctamente o computador e periféricos, designadamente um scanner; Usa o rato: aponta, clica, duplo-clique, selecciona e arrasta; Reconhece os ícones

Leia mais

Entradas/Saídas. 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência

Entradas/Saídas. 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência Entradas/Saídas 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência Organização de um Sistema Operativo System Call Handler

Leia mais

Linguagem C Tipos de Dados. void; escalares; sizeof Vectores; strings em C Estruturas Introdução ao pré-processador

Linguagem C Tipos de Dados. void; escalares; sizeof Vectores; strings em C Estruturas Introdução ao pré-processador Linguagem C Tipos de Dados void; escalares; sizeof Vectores; strings em C Estruturas Introdução ao pré-processador Funções void void pode ser usado em lugar de um tipo, para indicar a ausência de valor

Leia mais

PORTUGUÊS. Mesa Digitalizadora. Manual do Utilizador. Windows 2000 / XP / Vista

PORTUGUÊS. Mesa Digitalizadora. Manual do Utilizador. Windows 2000 / XP / Vista Mesa Digitalizadora Manual do Utilizador Windows 2000 / XP / Vista 1 I. Informação Geral 1. Visão Geral Bem-vindo ao mundo das canetas digitais! Irá descobrir que é muito fácil controlar o seu computador

Leia mais

Monitores. Introdução

Monitores. Introdução Monitores Introdução Até os dias de hoje, o principal método para exibição de vídeos em computadores é o tradicional monitor CRT (Catodic Ray Tube - Tubo de Raios Catódicos). Comparando de uma forma grosseira,

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

LEITOR DE CARTÕES (Cédulas Profissionais)

LEITOR DE CARTÕES (Cédulas Profissionais) LEITOR DE CARTÕES (Cédulas Profissionais) COMO INSTALAR OS DRIVERS DO LEITOR DE CARTÕES Abra o Portal da Ordem dos Advogados Clique no link Área Reservada que se encontra na barra vertical do lado esquerdo

Leia mais

Estrutura e Funcionamento de um Computador

Estrutura e Funcionamento de um Computador Estrutura e Funcionamento de um Computador ESE Viseu 2009/2010 Docente: Maribel Miranda Pinto O hardware é a parte física do computador, a parte palpável do computador, ou seja, é o conjunto de componentes

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

SOFTWARE. A parte lógica do Computador. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Novembro de 2006

SOFTWARE. A parte lógica do Computador. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Novembro de 2006 Introdução à Informática SOFTWARE A parte lógica do Computador Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Novembro de 2006 Conceito de Software Parte lógica do sistema de

Leia mais

Monitores. Tecnologias de Computadores. Trabalho realizado por: Universidade da Beira Interior. Prof.Pedro Araújo. -Diogo Fernandes nº27097

Monitores. Tecnologias de Computadores. Trabalho realizado por: Universidade da Beira Interior. Prof.Pedro Araújo. -Diogo Fernandes nº27097 Monitores Universidade da Beira Interior Tecnologias de Computadores Prof.Pedro Araújo Trabalho realizado por: -Diogo Fernandes nº27097 -Gonçalo Paiva nº26743 -Tiago Silva nº27144 Introdução Com o aparecimento

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Sistema de E/S. Alexandre Augusto Giron

Sistemas Operacionais 2014 Sistema de E/S. Alexandre Augusto Giron Sistemas Operacionais 2014 Sistema de E/S Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Introdução Hardware de E/S Interface de E/S Subsistema de E/S Desempenho Introdução Gerenciar dispositivos de Entrada e Saída (E/S)

Leia mais

INT 5h - Print screen Modo Resolução Caract. INT 10h - Vídeo INT 10h - Vídeo

INT 5h - Print screen Modo Resolução Caract. INT 10h - Vídeo INT 10h - Vídeo BIOS Basic Input/Output System BIOS e System Calls Prof. Eduardo Tavares eagt@cin.ufpe.br Primeira instrução a ser executada (0xFFFF0-0xFFFFF) Configuração inicial do sistema Inicialização do boot loader

Leia mais

MANUAL. Versão 1.0 32 bits - 17/10/99. Para Windows 95/98

MANUAL. Versão 1.0 32 bits - 17/10/99. Para Windows 95/98 MANUAL TEC44Dis DLL Versão 1.0 32 bits - 17/10/99 Para Windows 95/98 Índice 1- INTRODUÇÃO 2- DOCUMENTAÇÃO 1 2.1 Documentação de Referência 1 3- INSTALAÇÃO DO DRIVER 4- DESCRIÇÃO FUNCIONAL 4.1 Interface

Leia mais

Enquadramento e Conceitos Fundamentais

Enquadramento e Conceitos Fundamentais Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Computação Gráfica Enquadramento e Conceitos Fundamentais Edward Angel, Cap. 1 Questão 9, exame de 29/06/11 [0.5v] Identifique e descreva os três

Leia mais

1 Introdução ao ambiente de trabalho Esta parte da ficha consiste num tutorial para introdução ao ambiente de trabalho utilizado nas aulas práticas.

1 Introdução ao ambiente de trabalho Esta parte da ficha consiste num tutorial para introdução ao ambiente de trabalho utilizado nas aulas práticas. Ficha prática 2: 1 Introdução ao ambiente de trabalho Esta parte da ficha consiste num tutorial para introdução ao ambiente de trabalho utilizado nas aulas práticas. 1.1 Acesso ao sistema e à área pessoal

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Componentes de um Sistema Operativo Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sistema Operativo Um Sistema Operativo pode ser visto como um programa de grande complexidade, responsável

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologias de computadores Trabalho realizado por: Carlos Aguilar nº 27886 Miguel Xavier nº 26705 Bruno Esteves nº 26975 ECRÃS Introdução Servem basicamente para mostrar

Leia mais

Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre

Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Cap. 01 Fundamentos de Computadores Sumário : Conceitos básicos: computador,

Leia mais

Capítulo 8. Software de Sistema

Capítulo 8. Software de Sistema Capítulo 8 Software de Sistema Adaptado dos transparentes das autoras do livro The Essentials of Computer Organization and Architecture Objectivos Conhecer o ciclo de desenvolvimento da linguagem Java

Leia mais

Gerenciamento Básico B de Memória Aula 07

Gerenciamento Básico B de Memória Aula 07 BC1518-Sistemas Operacionais Gerenciamento Básico B de Memória Aula 07 Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Roteiro Introdução Espaço de Endereçamento Lógico vs. Físico Estratégias

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 01 - Introdução Edirlei Soares de Lima O que é um sistema operacional? Um computador moderno consiste em: Um ou mais processadores; Memória principal;

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais. Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT

Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais. Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT O que é um Sistema Operacional? Um software que abstrai as complexidades do hardware de um usuário/programador

Leia mais

TECLADO PAINEL OPERADOR USB COM DISPLAY GRÁFICO. Código : FT 023/09 REV: 02

TECLADO PAINEL OPERADOR USB COM DISPLAY GRÁFICO. Código : FT 023/09 REV: 02 TECLADO PAINEL OPERADOR USB COM DISPLAY GRÁFICO Código : FT 023/09 REV: 02 Características LCD gráfico de 240 x 64 pontos ( 8 linhas x 40 colunas ). Teclas reprogramáveis. Interface USB 2.0. Porta Serial

Leia mais

Unidade 2. ROM BIOS (Basic Input/Output System) Sistema Operativo. Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware

Unidade 2. ROM BIOS (Basic Input/Output System) Sistema Operativo. Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware Unidade 2 Utilização do ambiente operativo Windows Aplicações Sistema Operativo ROM BIOS Processador+memória+... Software aplicacional

Leia mais

Tipo de Dados em Linguagem C

Tipo de Dados em Linguagem C Tipo de Dados em Linguagem C Principais tipos de dados em C int : tipo de dados inteiros (exemplo: 1, -3, 100, -9, 18, etc.) float : tipo de dados reais (exemplo: 1.33, 3.14, 2.00, -9.0, 1.8, etc.) Ocupa

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Arquitectura dos Sistemas Operativos Programação de Sistemas Arquitectura : 1/25 Introdução (1) Um sistema operativo de uso geral é formado por diversas componentes: Gestor de processos

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operativos

Introdução aos Sistemas Operativos Introdução aos Sistemas Operativos Computadores e Redes de Comunicação Mestrado em Gestão de Informação, FEUP 06/07 Sérgio Sobral Nunes mail: sergio.nunes@fe.up.pt web: www.fe.up.pt/~ssn Sumário Definição

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação 1 ROM-BIOS ROM-BIOS Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). O termo é incorretamente conhecido como: Basic Integrated Operating

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Sistemas Operativos 2003/2004 Trabalho Prático #2 -- Programação em C com ponteiros -- Objectivos Familiarização

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR Curso Engenharia Informática Ano letivo 2012-2013 Unidade Curricular Arquitectura de Computadores ECTS 6 Regime Obrigatório Ano 2º Semestre 2ºsem Horas de trabalho globais Docente (s) Luis Figueiredo Total

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Sistema Operacional (S.O.) Aplicativos Formado por um conjunto de rotinas que oferecem serviços aos usuários, às aplicações

Leia mais

Trabalho Prático Nº2 Escrita e Leitura em Portos IO

Trabalho Prático Nº2 Escrita e Leitura em Portos IO Trabalho Prático Nº2 Escrita e Leitura em Portos IO 1. OBJECTIVOS - Saber efectuar a escrita e leitura em portos de entrada saída num PC num com operativo DOS e Windows. 2. INTRODUÇÃO Para este trabalho

Leia mais

Guia de Rede MediCap USB300

Guia de Rede MediCap USB300 Guia de Rede MediCap USB300 Aplica-se às versões de firmware 110701 e mais recentes 1 Introdução... 2 Instruções Preliminares... 2 Como Configurar o Acesso Através da Rede ao Disco Rígido do USB300...

Leia mais

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Excel 2010 Colecção: Software

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco

Sistemas de Arquivos. Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco Sistemas de Arquivos Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco Armazenamento da Informação a Longo Prazo 1. Deve ser possível armazenar uma quantidade muito

Leia mais

Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux. Update 5. Guia da Instalação

Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux. Update 5. Guia da Instalação Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux Update 5 Guia da Instalação Índice 1 Antes da instalação...3 1.1 Componentes do Acronis Backup & Recovery 10... 3 1.1.1 Agente para Linux... 3 1.1.2 Consola

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

Programação Orientada por Objectos - C++ jvo

Programação Orientada por Objectos - C++ jvo Aula 16 C++ Breve perspectiva histórica Diferenças entre o C++ e o C Generalidade sobre a programação em C++ Primeiros programas: entradas e saídas Breve perspectiva histórica O C++ é uma extensão do C

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

Arquivos. Estruturas de Dados II Vanessa Braganholo

Arquivos. Estruturas de Dados II Vanessa Braganholo Arquivos Estruturas de Dados II Vanessa Braganholo Entidades } Aplicações precisam armazenar dados sobre as mais diversas entidades, que podem ser concretas ou abstratas } Funcionário de uma empresa (concreto)

Leia mais

SIS17-Arquitetura de Computadores

SIS17-Arquitetura de Computadores Sistema de Computação SIS17-Arquitetura de Computadores Apresentação da Disciplina Peopleware Hardware Software Carga Horária: 40 horas 2 Computadores atuais Unidade Central de Processamento Entrada Computadores

Leia mais

Módulo de Estatísticas MANUAL DO UTILIZADOR

Módulo de Estatísticas MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.4 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. REQUISITOS DO SISTEMA 3 3. CONTROLOS GERAIS DO WINDOWS 4 3.1 ESTRUTURA HIERÁRQUICA 4 3.2 CONTROLO DE DATA 5 4. INÍCIO DA UTILIZAÇÃO 8 5. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

2 A unidade central de processamento

2 A unidade central de processamento 2 A unidade central de processamento 2.1 Generalidades A unidade central de processamento ou Central Processing Unit, é o componente mais importante de um computador. Podem existir vários processadores

Leia mais

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado Memória Armazenamento Sistema de Arquivos 1 Hierarquia de Memórias 2 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache

Leia mais

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO SOFTWARE AO NÍVEL DO USUÁRIO SOFTWARE INDEPENDENTE DE DISPOSITIVOS ACIONADORES DE DISPOSITIVOS (DRIVERS) TRATAMENTO DE INTERRUPÇÕES HARDWARE FUNÇÕES: INTERFACE UNIFORME PARA OS DRIVERS USO DE BUFFERS INFORMAÇÃO

Leia mais

1 Introdução. 2 Algumas funções úteis para lidar com strings

1 Introdução. 2 Algumas funções úteis para lidar com strings Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2007 / 2008 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e Computadores 1º ano 1º semestre Strings e apontadores http://tele1.dee.fct.unl.pt

Leia mais

Curso Técnico de Informática de Sistemas

Curso Técnico de Informática de Sistemas Curso Técnico de Informática de Sistemas Módulo: 772 Sistemas Operativos Formador: Henrique Fidalgo Objectivos da UFCD: Instalar e configurar sistemas operativos. Instalar e configurar utilitários sobre

Leia mais

Gestor de Processos Núcleo do Sistema Operativo

Gestor de Processos Núcleo do Sistema Operativo Alínea do 1º teste 2015/16: Considere a linha: for (i=0;i

Leia mais

Estrutura de S.O. Roteiro. BC1518 - Sistemas Operacionais. Prof. Marcelo Z. do Nascimento. Aula 02 2 Quadrimestre. de 2010

Estrutura de S.O. Roteiro. BC1518 - Sistemas Operacionais. Prof. Marcelo Z. do Nascimento. Aula 02 2 Quadrimestre. de 2010 BC1518 - Sistemas Operacionais Estrutura de S.O. Aula 02 2 Quadrimestre de 2010 Prof. Marcelo Z. do Nascimento Email: marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Roteiro Serviço do sistema operacional Interface Chamadas

Leia mais

Mecânica e Ondas. Introdução ao Osciloscópio e ao Gerador de sinais

Mecânica e Ondas. Introdução ao Osciloscópio e ao Gerador de sinais Mecânica e Ondas Introdução ao Osciloscópio e ao Gerador de sinais 1. Osciloscópio O osciloscópio é um aparelho destinado à visualização e caracterização de sinais eléctricos, em particular tensões eléctricas

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Sistemas Operativos Escolas Proponentes / Autores

Leia mais

Porta Paralela. Fabricio Ferrari. Maio 2008. www.ferrari.pro.br. Universidade Federal do Pampa, Bagé, RS, Brazil

Porta Paralela. Fabricio Ferrari. Maio 2008. www.ferrari.pro.br. Universidade Federal do Pampa, Bagé, RS, Brazil Fabricio Ferrari www.ferrari.pro.br Universidade Federal do Pampa, Bagé, RS, Brazil Maio 2008 Porta de comunicação paralela SPP Single Parallel Port 150 Kbits/s EPP Enhanced Parallel Port 2 Mbits/s ECP

Leia mais

SSS Slide Show System

SSS Slide Show System SSS Slide Show System Licenciatura em Ciências da Computação Programação Imperativa 2009 Segundo Projecto Versão de 21 de Março de 2009 Alberto Simões José C. Ramalho Instruções Este projecto deve ser

Leia mais

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento.

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento. Conceitos básicos b sobre Hardware O primeiro componente de um sistema de computação é o HARDWARE(Ferragem), que corresponde à parte material, aos componentes físicos do sistema; é o computador propriamente

Leia mais

Manipulação de Arquivos

Manipulação de Arquivos Manipulação de Arquivos Estrutura de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Tipo

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Módulos do núcleo Programação de Sistemas Módulos : 1/15 Introdução (1) Desenvolvimentos do núcleo, como a criação de novos dispositivos, podem ser incorporados no Linux em duas

Leia mais

ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 SERVER FOR LINUX

ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 SERVER FOR LINUX Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 SERVER FOR LINUX. Você vai encontrar as respostas a todas suas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 01 - Introdução Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Capítulo 1: Introdução O que é um sistema operacional? Componentes de um sistema operacional O que faz parte

Leia mais

Colocar em prática. Tópicos para aprender. Colocar em prática. Utilizar as aplicações da Microsoft Windows num quadro interactivo SMART Board

Colocar em prática. Tópicos para aprender. Colocar em prática. Utilizar as aplicações da Microsoft Windows num quadro interactivo SMART Board Utilizar as aplicações da Microsoft Windows num quadro interactivo SMART Board Quando se encontra a trabalhar em contexto grupal, a utilização do quadro interactivo SMART Board poderá ajudá-lo a poupar

Leia mais

20 Manual Manual do Utilizador Android

20 Manual Manual do Utilizador Android 20 Manual Manual do Utilizador Android Versão 1.1 Conteúdos do Manual do Utilizador A aplicação 20 Manual... 3 I... 3 1. Especificações técnicas... 3 1.1 Especificações mínimas do tablet... 3 1.2 Software

Leia mais

Gestor de Processos Núcleo do Sistema Operativo. Sistemas Operativos 2012 / 2013. Gestor de Processos

Gestor de Processos Núcleo do Sistema Operativo. Sistemas Operativos 2012 / 2013. Gestor de Processos Gestor de Processos Núcleo do Sistema Operativo Sistemas Operativos 2012 / 2013 Gestor de Processos Entidade do núcleo responsável por suportar a execução dos processos Gestão das Interrupções Multiplexagem

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operativos

Introdução aos Sistemas Operativos Introdução aos Sistemas Operativos Operating System Concepts, Abraham Silberschatz, Peter Baer Galvin, 6ª Ed., Addison-Wesley, 2002 [cap.1, 2 e 3] Operating Systems, Third Edition Harvey M. Deitel, Prentice

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Unidade de Entrada/Saída (I/O) Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico Sumário Introdução Unidade de Processamento Unidade de Controlo Conjunto de Instruções

Leia mais

O Simulador Lógico Logisim

O Simulador Lógico Logisim O Simulador Lógico Logisim Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Departamento de Engenharia Informática Instituto Superior Técnico Lisboa, Julho de 2014 Índice 1 Introdução... 3 2...

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

07-Aug-07. Informações gerais. Interfaces e Periféricos. Avaliação. Material didático. Objetivo. Tópicos principais

07-Aug-07. Informações gerais. Interfaces e Periféricos. Avaliação. Material didático. Objetivo. Tópicos principais Interfaces e Periféricos Prof. João Paulo A. Almeida (jpalmeida@inf.ufes.br) Informações gerais Página web: http://www.inf.ufes.br/~jpalmeida/ensino/2007-02- interfaces-perifericos Carga horária semestral

Leia mais

Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados

Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados Tipo de dados, tipo abstrato de dados, estruturas de dados Termos parecidos, mas com significados diferentes Tipo de dado Em linguagens de programação

Leia mais

Introdução a Programação. Ponteiros e Strings, Alocação Dinâmica

Introdução a Programação. Ponteiros e Strings, Alocação Dinâmica Introdução a Programação Ponteiros e Strings, Alocação Dinâmica Tópicos da Aula Hoje aprenderemos a relação entre ponteiros e strings Ponteiros para strings X Vetores de Caracteres Vetores de ponteiros

Leia mais

Como è feito computador

Como è feito computador Como è feito computador O computador contém uma parte elétrica e uma parte eletrónica. Parte elétrica é usada para transformar e dinstribuir a eletricidade que vem para os vários componentes. Parte eletrónica

Leia mais

Gestor de Processos Núcleo do Sistema Operativo. Sistemas Operativos 2011 / 2012. Gestor de Processos

Gestor de Processos Núcleo do Sistema Operativo. Sistemas Operativos 2011 / 2012. Gestor de Processos Gestor de Processos Núcleo do Sistema Operativo Sistemas Operativos 2011 / 2012 Gestor de Processos Entidade do núcleo responsável por suportar a execução dos processos Gestão das Interrupções Multiplexagem

Leia mais

Sistemas Operativos: Introdução. March 14, 2011

Sistemas Operativos: Introdução. March 14, 2011 Sistemas Operativos: Introdução March 14, 2011 Sumário Chamadas ao Sistema Aula TP 2 Organização dum SO Arranque dum Sistema Operativo Sumário Chamadas ao Sistema Aula TP 2 Organização dum SO Arranque

Leia mais