Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens"

Transcrição

1 Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens Luís Caldas de Oliveira Março de 2009 O objectivo deste laboratório é o de explorar a utilização de matrizes em Matlab e de usá-las para construir sinais de audio e imagens. O laboratório foi projectado para o ajudar a familiarizar-se com os fundamentos do Matlab. É estanque, no sentido em que não é necessária nenhuma documentação adicional sobre o Matlab pois, em vez disso, confiamos nas facilidades de ajuda on-line. O Matlab utiliza o termo função de uma forma mais alargada do que a utilizada quando nos referimos às funções matemáticas: todos os comandos do Matlab que recebem argumentos entre parênteses são chamados de função. A maioria têm um domínio e um contradomínio bem-definidos e definem, de facto, um mapeamento entre o domínio e o contradomínio. Estes podem ser vistos formalmente como funções (matemáticas). Outros, no entanto, como oplot e osound só mais dificilmente poderão ser vistos desta forma. Para iniciar o Matlab basta simplesmente clicar duas vezes sobre o ícone do Matlab no desktop, ou encontrar o comando do Matlab no menu start. Isto abrirá uma janela de comandos do Matlab, que apresenta um prompt >>. Os comandos devem ser introduzidos após o prompt. Explore os programas de demonstração pré-definidos com o comandodemo. Matlab oferece um sistema de ajuda on-line acessível usando o comando de help. Por exemplo, para obter informação sobre a funçãosize, introduza o seguinte: >> help size Há também um help desk (em formato HTML para ser lido num web browser) com material introdutório útil. Está disponível no menu de ajuda. Se não tiver nenhuma experiência prévia com Matlab, consulte o tópico Getting Started no help desk e dedique-lhe algum tempo. 1. Uma variável em Matlab é uma matriz. Uma matriz tem dimensões N M onde N e M pertencem aos Naturais. N é o número das linhas e M é o número das colunas. Se N = M = 1 a variável é um escalar. Se N = 1 e M > 1, então a variável é um vector linha. Se N > 1 e M = 1, então a variável é um vector coluna. Se N e M forem maiores do que um, então a variável é uma matriz, e se N = M então a variável é uma matriz quadrada. Os coeficientes de uma matriz são números reais ou complexos. (a) Cada uma das seguintes linhas contém uma atribuição de um valor a uma variável chamadamatriz. Para cada uma, identifique as dimensões da matriz (M e N) e diga se a variável é um escalar, um vector linha, um vector coluna ou uma matriz i. array = [ ] ii. array = [1:5] iii. array = [1:1:5] iv. array = [1:-1:-5] v. array = [1 2; 3 4] vi. array = [1; 2; 3; 4] (b) Todas as seguintes atribuições correspondem a uma matriz 2 3. Compare as diferenças. i. array = zeros(2,3) ii. array = ones(2,3) iii. array = eye(2,3) iv. array = rand(2,3) 1

2 v. array = [ones(2,1) eye(2,2)] vi. array = [zeros(1,3); ones(1,3)] (c) Considere o construtor de matrizes array = start : step : stop onde o start, stop e step são variáveis escalares ou números reais. Quantos elementos contém array? Use os comandos size e length do Matlab para determinar o comprimento das matrizes dadas por1:0.3:10 e1:1:-1. (d) Um vector linha pode ser transformado num vector coluna usando a operação de transposição. Compare o resultado da execução dos seguintes comandos: i. transpose([ ]) ii. [ ]. iii. transpose([1 2*j 3 4]) (em Matlab j = i = ( 1)) iv. [1 2*j 3 4]. v. [1 2*j 3 4] 2. O Matlab pode ser usado como uma linguagem de programação de uso geral. No entanto, e ao contrário de uma linguagem de programação tradicional, o Matlab tem caraterísticas especiais para operar sobre matrizes que o tornam particularmente conveniente para modelar sinais e sistemas. (a) Neste exercício, usaremos o Matlab para calcular: Use um ciclofor (experimentehelp for) para calcular o resultado do somatório. 25 (b) Use a função sum para obter de uma forma mais compacta, com uma só linha, a soma da alínea anterior. A diferença entre estas duas aproximações ilustra a diferença entre o Matlab e uma linguagem de programação mais tradicional. O ciclo for está mais próximo doestilo que se usaria em C++ ou Java. A função desum ilustra o que o Matlab faz melhor: operações compactas em matrizes inteiras. (c) Em Matlab, toda a função pré-definida que opera sobre um escalar pode também operar sobre uma matriz. Por exemplo, >> sin(pi/4) >> sin([0 pi/4 pi/2 3*pi/4 pi]) Esta caraterística é chamada de vectorização. Encontre uma expressão compacta para calcular o valor de: 9 ( sin k π ) 10 (d) Dadas duas matrizesaebque têm as mesmas dimensões, o Matlab pode multiplicar os seus elementos um a um usando o operador.*. Por exemplo, >> [ ].* [ ] Encontre uma expressão compacta para calcular o valor de: 9 k ( sin k π ) ( cos k π )

3 3. Um sinal em tempo discreto pode ser aproximado em Matlab por um vector (tanto linha como coluna). Neste exercício, irá construir alguns desses vectores e representá-los graficamente. (a) Crie uma matriz que seja um vector linha com comprimento 36, com zeros em toda parte excepto na 18 a posição, que tem o valor 1. (Sugestão: tente help zeros para encontrar uma maneira criar de um vector linha apenas com zeros, e atribua então ao 18 o elemento desse vector o valor um.). Este vector é uma aproximação de um impulso em tempo discreto, que é um sinal nulo em toda parte excepto numa amostra. Usaremos impulsos estudar sistemas lineares. Represente o sinal do impulso, usando plot estem. (b) Considere que a variável t representa o tempo em segundos no intervalo [ 1,1]. Tratando-se de um intervalo com infinitos pontos não o podemos representar directamente em Matlab. No entanto, recorrendo ao conceito de amostragem, podemos ter um vector com um número finito de elementos que representa esse intervalo. Crie uma variável t em Matlab que represente o intervalo de tempo [ 1, 1] amostrado ao ritmo de 8000 amostras por segundo (8000 Hz). (c) Utilize o vector definido na alínea anterior para representar o graficamente o sinal sinusoidal x : [ 1, 1] Reais, dada por t [ 1,1],x(t) = sin(2π 5t + π/6) Em que t é o tempo em segundos. Determine a frequência do sinal sinusoidal (o número de ciclos em cada segundo). (d) Mude a expressão da alínea anterior de forma a que o sinal passe a ter uma frequência de 440 Hz. Trace o gráfico do sinal no intervalo [ 1,1]. Por que é difícil ler o gráfico? Trace em seguida as amostras que se encontram no intervalo [0,0.01] (este é um intervalo de 10 ms). (e) A função Matlabsound (vejahelp sound ), que tem a seguinte sintaxe sound(sinalamostrado, frequencia) envia a matriz uni-dimensional ou vector sinalamostrado para a placa de audio do computador. O segundo argumento especifica a frequência de amostragem em amostras por segundo. Os valores no sinalamostrado devem ser números reais na gama [ 1.0, 1.0]. Se estiverem fora desta gama serão saturados em 1.0 ou 1.0. Use esta função para ouvir o sinal criado na alínea anterior. Oiça tanto o intervalo de 10 ms como um intervalo de 2 s. (f) Oiça os sinais e explique as diferenças relativamente ao que ouviu anteriormente: i. sound (0.5 * sinalamostrado, frequencia) ii. sound (2 * sinalamostrado, frequencia) iii. sound (sinalamostrado, frequencia/2) iv. sound (sinalamostrado, frequencia*2) 4. A figura 1 mostra uma imagem a preto e branco em que a intensidade da imagem varia sinusoidalmente no sentido vertical. A linha superior da imagem é constituída por píxeis brancos. Ao precorrer verticalmente a imagem no sentido descendente a intensidade varia gradualmente para preto, voltando em seguida de novo ao branco, terminando um ciclo. A imagem é 200x200 píxeis, pelo que a frequência vertical é de 1/200 ciclos por píxel. A imagem apresentada na página tem aproximadamente 10x10 centímetros, ou seja, a sua frequência vertical é de 0.1 ciclos por centímetro. A intensidade da imagem é constante no sentido horizontal (tem uma frequência horizontal dos ciclos 0 por centímetro). Uma imagem em Matlab pode ser representada como uma matriz com duas dimensões onde cada elemento indexa um mapa de cores. (a) Considere a imagem construída pelo comandoimage: >> v = [1:64]; >> image(v); Isto deverá criar uma imagem como a mostrada na figura 2. A imagem tem 1 píxel de altura por 64 píxeis de largura (o Matlab por omissão estica a imagem para caber em toda a janela rectangular para gráficos, por isso cada píxel será neste caso representado por um píxel muito alto). Pode-se usar a função Matlabrepmat para construir uma imagem mais alta do que 1 píxel pela repetição desta linha de um determinado número de vezes. 3

4 Figura 1: Uma imagem onde a intensidade varia sinusoidalmente no sentido vertical. Figura 2: Uma imagem do mapa de cores por omissão. 4

5 (b) Cada píxel tem um valor que varia entre 1 e 64. Estes valores servem para indexar o mapa de cores por omissão, que tem comprimento 64, e cobre uma variação contínua do azul ao vermelho através das cores do arco-íris. Para ver os valores numéricos do mapa de cores de omissão >> map = colormap para verificar seu tamanho >> size(map) 64 3 Repare que tem 64 linhas e três colunas. Cada linha é uma entrada no mapa de cores. As três colunas dão, respectivamente, as quantidades de vermelho, verde, e azul no mapa de cores. Estas quantidades variam de 0 (cor ausente) a 1 (intensidade máxima dessa cor). Examine o mapa de cores para verificar que começa com a cor azul e que termina com a vermelha. (c) Mude o mapa de cores usando o comandocolormap da seguinte forma: >> mapa = gray(256); >> colormap (mapa); >> imagem = 128*sin([0:199]*2*pi/200)+128; >> image(imagem); Examine a variável map para compreender a imagem resultante. A este mapa de cores chama-se grayscale colormap (tons de cinzento). Qual a representação para a cor branca e para a cor preta? (d) Execute a seguinte sequência de comandos em Matlab: >> mapa = gray(256); >> colormap (mapa); >> imagem= 128.*sin([0:199]. *4*pi/200)*sin([0:199]*4*pi/200)+128; >> image(imagem); Tente explicar o que observa. 5

Laboratório de Sistemas e Sinais Análise Espectral

Laboratório de Sistemas e Sinais Análise Espectral Laboratório de Sistemas e Sinais Análise Espectral Luís Caldas de Oliveira Abril 29 O objectivo deste trabalho de laboratório é o de ensinar a analisar sinais no domínio da frequência. Utilizaremos dois

Leia mais

Sistemas e Sinais (LEE & LETI)

Sistemas e Sinais (LEE & LETI) Sistemas e Sinais (LEE & LETI) 2º semestre 213/214 Laboratório nº Introdução ao Matlab Isabel Lourtie Dezembro 213 pfpfpf Este trabalho de laboratório não é obrigatório destinando-se apenas aos alunos

Leia mais

Sistemas e Sinais (LEIC) Análise em Frequência. Carlos Cardeira

Sistemas e Sinais (LEIC) Análise em Frequência. Carlos Cardeira Sistemas e Sinais (LEIC) Análise em Frequência Carlos Cardeira Análise em Frequência Até agora a análise que temos feito tem o tempo como domínio. As saídas podiam ser funções no tempo correspondentes

Leia mais

Aula de Hoje. Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas. Sinal em Tempo Contínuo. Sinal Acústico

Aula de Hoje. Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas. Sinal em Tempo Contínuo. Sinal Acústico Aula de Hoje Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas lco@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico O que é um sinal? Como representamos matematicamente um sinal? Qual a diferença entre um sinal contínuo e um sinal

Leia mais

Oficina de Construção de Páginas Web

Oficina de Construção de Páginas Web COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina de Construção de Páginas Web Criação e Publicação Guião Páginas WWW com o editor do Microsoft Office Word 2003 1. Introdução. 2. Abrir uma página Web. 3. Guardar

Leia mais

Vetores, Matrizes e Gráficos

Vetores, Matrizes e Gráficos Programação de Computadores I UFOP DECOM 2013 2 Aula prática 3 Vetores, Matrizes e Gráficos Resumo Nesta aula você irá utilizar vetores para resolver diversos tipos de problemas. Para expressar a solução

Leia mais

Aula 2P - Comandos básicos do Matlab aplicados a PDS

Aula 2P - Comandos básicos do Matlab aplicados a PDS Aula 2P - Comandos básicos do Matlab aplicados a PDS Bibliografia HAYKIN, S. S.; VAN VEEN, B. Sinais e sistemas, Bookman, 2001. ISBN 8573077417. Páginas 71-76. INGLE, V. K.; PROAKIS, J. G. Digital signal

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Microsoft Word Folha

Leia mais

Algoritmos Computacionais ( Programas )

Algoritmos Computacionais ( Programas ) Algoritmos Computacionais ( Programas ) A partir deste tópico, consideramos a utilização do universo Computacional na solução de problemas. Para tanto devemos lembrar que a transposição de problemas do

Leia mais

Espectro da Voz e Conversão A/D

Espectro da Voz e Conversão A/D INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES GUIA DO 1º TRABALHO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I Espectro da Voz e Conversão A/D Ano Lectivo de

Leia mais

Introdução ao CoolEdit c : programa de edição de som digital

Introdução ao CoolEdit c : programa de edição de som digital Introdução ao CoolEdit c : programa de edição de som digital J. M. B. Lopes dos Santos 19 de Julho de 2005 Departamento de Física, Faculdade de Ciências, Universidade do Porto, R. Campo Alegre, 687, 4169-007

Leia mais

Trabalho Prático n. 2

Trabalho Prático n. 2 Trabalho Prático n. 2 Programação com Quadtrees Métodos de Programação I 2003/04 Preâmbulo Este trabalho prático é constituído por duas secções. A primeira contém questões obrigatórias, e a segunda questões

Leia mais

Introdução ao MATLAB

Introdução ao MATLAB Introdução ao MATLAB O MATLAB é um programa cálculo numérico que pode ser usado interactivamente. A sua estrutura de dados fundamental é a matriz, que pode ter elementos reais ou complexos. Embora na sua

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Ferramenta de Testagem IECL Orientações para o Aluno (PT)

Ferramenta de Testagem IECL Orientações para o Aluno (PT) Ferramenta de Testagem IECL Orientações para o Aluno (PT) Índice 1 INTRODUÇÃO 3 2 REALIZAÇÃO DOS TESTES 3 2.1 Login 3 2.2 Verificação do áudio para o teste de Audição 5 2.3 Realização de um teste 5 3 Informação

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

E ainda uma terceira com as opções deste último exemplo, em que a cor de fundo deve ser verdeescuro.

E ainda uma terceira com as opções deste último exemplo, em que a cor de fundo deve ser verdeescuro. E ainda uma terceira com as opções deste último exemplo, em que a cor de fundo deve ser verdeescuro. Atenção a cor de fundo deve estar definida no antes de criar a nova imagem. Comprovação do trabalho

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

ÍNDICE... 3 INTRODUÇÃO... 4. A série... 4

ÍNDICE... 3 INTRODUÇÃO... 4. A série... 4 EXCEL 2007 e 2010 2 ÍNDICE ÍNDICE... 3 INTRODUÇÃO... 4 A série... 4 01 LISTA COM VALIDAÇÃO... 5 02 FUNÇÕES FINANCEIRAS... 7 03 FUNÇÃO DE BANCO DE DADOS... 12 04 RÓTULOS... 15 05 TABELA DINÂMICA... 18 06

Leia mais

Redução de imagem no domínio espacial

Redução de imagem no domínio espacial Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5º Ano, 1º Semestre Televisão Digital - 2002/2003 Redução de imagem no domínio espacial Armando

Leia mais

1 2 3 W O R K S H O P 4 5 6 W O R K S H O P 7 W O R K S H O P 8 9 10 Instruções gerais para a realização das Propostas de Actividades Para conhecer em pormenor o INTERFACE DO FRONTPAGE clique aqui 11 CONSTRUÇÃO

Leia mais

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Hewlett-Packard FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Aulas 01 a 04 Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luís Ano: 2015 Sumário INTRODUÇÃO AO PLANO CARTESIANO... 2 PRODUTO CARTESIANO... 2 Número de elementos

Leia mais

Introdução aos Sistemas Informáticos

Introdução aos Sistemas Informáticos I 1. Dentro da janela da ferramenta de construção de portais web FrontPage, crie uma página nova e guarde-a como index.htm. 2. Escreva nessa página o texto "O Meu Primeiro Portal Web". Formate-o com o

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1º ano 2º semestre Trabalho Final Reservas de viagens

Leia mais

Expansão de Imagem #2

Expansão de Imagem #2 Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Engenharia Electrotécnica e de Computadores Expansão de Imagem #2 Televisão Digital António Alberto da Silva Marques Pedro Ricardo dos Reis Porto, 2004

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Linguagem R R-Gui e R-Commander

Linguagem R R-Gui e R-Commander Linguagem R R-Gui e R-Commander 1 INSTALAÇÃO DO PROGRAMA BÁSICO E PACOTES O sistema é formado por um programa básico (R-Gui) e muitos pacotes com procedimentos adicionais. Tudo é gratuito e com código

Leia mais

5 Transformações Lineares e Matrizes

5 Transformações Lineares e Matrizes Nova School of Business and Economics Prática Álgebra Linear 5 Transformações Lineares e Matrizes 1 Definição Função de em Aplicação que faz corresponder a cada elemento de um conjunto (domínio), denominado

Leia mais

AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO PYTHON

AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO PYTHON Computadores e Programação Engª Biomédica Departamento de Física Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2003/2004 FICHA 1 AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO PYTHON 1.1. Objectivos

Leia mais

Informática para Ciências e Engenharias 2014/15. Teórica 5

Informática para Ciências e Engenharias 2014/15. Teórica 5 Informática para Ciências e Engenharias 2014/15 Teórica 5 Na aula de hoje... Representação de imagens pixels, sistema RGB Gráficos em MATLAB Gráficos simples Imagens 2D Exemplo: difusão Gráficos 3D Exemplo:

Leia mais

EMP Multi Screen Adjustment. Guia de Funcionamento

EMP Multi Screen Adjustment. Guia de Funcionamento EMP Multi Screen Adjustment Guia de Funcionamento Simbologia Utilizada no Manual 1 IMPORTANTE Indica operações que podem provocar danos ou ferimentos se não se tiver os cuidados devidos. NOTA Indica informações

Leia mais

CorelDRAW 11 1. UM PROGRAMA DE DESIGN

CorelDRAW 11 1. UM PROGRAMA DE DESIGN CorelDRAW 11 1. UM PROGRAMA DE DESIGN Com o Corel você vai trabalhar com um dos aplicativos mais usados no campo do design e da auto-edição, já que permite operar com dois tipos de gráficos (vetoriais

Leia mais

UFERSA Universidade Federal Rural do Semi-Árido. R Project R Project Criando e manipulando objetos.

UFERSA Universidade Federal Rural do Semi-Árido. R Project R Project Criando e manipulando objetos. UFERSA Universidade Federal Rural do Semi-Árido R Project R Project Criando e manipulando objetos. Conteúdo 1 2 3 Iniciando o R Manipulando Objetos Objetos especiais Introdução O R é uma importante ferramenta

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Vetores e matrizes

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Vetores e matrizes Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Vetores e matrizes 1 Matrizes Cada elemento de uma matriz é referenciado indicando-se sua posição dentro da matriz. Na Matemática, matrizes são arranjos

Leia mais

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização do estado de

Leia mais

Departamento: Matemática Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007. Aula prática n o 1 - Introdução ao MATLAB

Departamento: Matemática Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007. Aula prática n o 1 - Introdução ao MATLAB Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento: Matemática Métodos Numéricos Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007 Aula prática n o 1 - Introdução

Leia mais

Esta aplicação permite desempenhar tarefas relacionadas com o cálculo, análise e apresentação gráfica de dados, de uma forma rápida e eficaz.

Esta aplicação permite desempenhar tarefas relacionadas com o cálculo, análise e apresentação gráfica de dados, de uma forma rápida e eficaz. Apresentação do programa A folha de cálculo Excel é um componente do pacote Office. Esta aplicação permite desempenhar tarefas relacionadas com o cálculo, análise e apresentação gráfica de dados, de uma

Leia mais

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares Folha de cálculo Excel Agrupamento de Escolas de Amares Índice 1. Funcionalidades básicas... 3 1.1. Iniciar o Excel... 3 1.2. Criar um livro novo... 3 1.3. Abrir um livro existente... 3 1.4. Inserir uma

Leia mais

Atividade: matrizes e imagens digitais

Atividade: matrizes e imagens digitais Atividade: matrizes e imagens digitais Aluno(a): Turma: Professor(a): Parte 01 MÓDULO: MATRIZES E IMAGENS BINÁRIAS 1 2 3 4 5 6 7 8 Indique, na tabela abaixo, as respostas dos 8 desafios do Jogo dos Índices

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

1.1. Clique no botão Iniciar, seleccione Todos os programas, Microsoft Office e no submenu aberto escolha o programa Microsoft FrontPage.

1.1. Clique no botão Iniciar, seleccione Todos os programas, Microsoft Office e no submenu aberto escolha o programa Microsoft FrontPage. Objectivos: Identificar os elementos do Ambiente de trabalho do Microsoft FrontPage Criar um website Fechar um website Abrir um website Modos de visualização de um website Criar, eliminar, abrir e fechar

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT Power Point Básico Santa Maria, julho de 2006 O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações.

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE TOMAR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA 2005/2006. 0.5 Valores

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE TOMAR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA 2005/2006. 0.5 Valores ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE TOMAR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO (ENG. INFORMÁTICA) COMPUTADORES E PROGRAMAÇÃO I (ENG. ELECTROTÉCNICA) 2005/2006 TRABALHO PRÁTICO Nº

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI APOSTILA SOBRE O BROFFICE IMPRESS

COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI APOSTILA SOBRE O BROFFICE IMPRESS COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI APOSTILA SOBRE O BROFFICE IMPRESS CURITIBA 2014 2 Conteúdo Definição:... 2 Detalhando a tela:... 4 BARRA DE FERRAMENTAS DESENHO... 4 PREENCHIMENTOS... 5 RÉGUAS E GUIAS...

Leia mais

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART Continuação 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART a) Vá para o primeiro slide da apresentação salva no item 31. b) Na guia PÁGINA INICIAL, clique no botão LAYOUT e selecione (clique) na opção TÍTULO

Leia mais

Manual Processamento de Imagem. João L. Vilaça

Manual Processamento de Imagem. João L. Vilaça Manual Processamento de Imagem João L. Vilaça Versão 1.0 31/1/2014 Índice 1. Sistema de eixo e movimentos possíveis do Drone... 3 2. Imagem... 3 3. Espaços de cor... 4 4.1 RGB... 5 4.2HSV... 5 4.3 GRAY...

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 10º C. Planificação de. Curso Profissional de Técnico de Secretariado

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 10º C. Planificação de. Curso Profissional de Técnico de Secretariado Escola Básica e Secundária de Velas Planificação de TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Curso Profissional de Técnico de Secretariado 10º C MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO Microsoft Excel Conteúdos

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS 1 Material utilizado 1.1 Tracker: um programa de análise de imagens Para a execução da proposta foi utilizado o programa livre

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO Laboratório de Controle I - MATLAB

UNIVERSIDADE GAMA FILHO Laboratório de Controle I - MATLAB NOME: UNIVERSIDADE GAMA FILHO Laboratório de Controle I - MATLAB O que é o Matlab? O Matlab é um sistema para cálculo científico que proporciona um ambiente de fácil utilização com uma notação intuitiva,

Leia mais

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 8. Introdução ao Excel

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 8. Introdução ao Excel Introdução ao Excel Esta introdução visa apresentar apenas os elementos básicos do Microsoft Excel para que você possa refazer os exemplos dados em aula e fazer os projetos computacionais solicitados ao

Leia mais

Guia do Utilizador Alinex

Guia do Utilizador Alinex Guia do Utilizador Alinex Índice Introdução Login no Alinex Pasta Pessoal no servidor Windows Aceder à Internet Ferramentas de Produtividade (Office) Terminar a sessão de trabalho 2 4 6 7 10 12 1 1 Introdução

Leia mais

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Prof. Gilbert Azevedo da Silva I. Objetivos Conhecer o Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) do Delphi 7, Desenvolver a primeira aplicação no Delphi 7, Aprender

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais Análise de Circuitos LEE 2006/07 Guia de Laboratório Trabalho 2 Amplificadores Operacionais INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Paulo Flores 1 Objectivos

Leia mais

Javascript 101. Parte 2

Javascript 101. Parte 2 Javascript 101 Parte 2 Recapitulando O Javascript é uma linguagem de programação funcional Os nossos scripts são executados linha a linha à medida que são carregados. O código que está dentro de uma função

Leia mais

Informática no Ensino da Matemática

Informática no Ensino da Matemática Informática no Ensino da Matemática Humberto José Bortolossi http://www.professores.uff.br/hjbortol/ Lista de Exercícios 2 ATIVIDADE 1 Para poupar esforço de digitação, você pode usar o tradicional sistema

Leia mais

FILTRAGEM NO DOMÍNIO DAS FREQUÊNCIAS (TRANSFORMADA DE FOURIER) Daniel C. Zanotta 04/06/2015

FILTRAGEM NO DOMÍNIO DAS FREQUÊNCIAS (TRANSFORMADA DE FOURIER) Daniel C. Zanotta 04/06/2015 FILTRAGEM NO DOMÍNIO DAS FREQUÊNCIAS (TRANSFORMADA DE FOURIER) Daniel C. Zanotta 04/06/2015 FREQUÊNCIA EM IMAGENS DIGITAIS Análise da intensidade dos NCs da imagem Banda 7 Landsat TM ao longo da distância:

Leia mais

Cálculo do conjunto paralelo

Cálculo do conjunto paralelo Cálculo do conjunto paralelo Vamos usar letras maiúsculas A; B, etc para representar conjuntos e letras minusculas x, y, etc para descrever seus pontos. Vamos usar a notação x para descrever a norma de

Leia mais

DEIDepartamento. Programação III Engenharia Informática e Comunicações. Engenharia

DEIDepartamento. Programação III Engenharia Informática e Comunicações. Engenharia Engenharia DEIDepartamento Informática Morro do Lena, Alto Vieiro Apart. 4163 2401 951 Leiria Tel.: +351 244 820 300 Fax.: +351 244 820 310 E-mail: estg@estg.iplei.pt http://www.estg.iplei.pt Programação

Leia mais

RUÍDOS EM IMAGENS FILTRAGEM DE RUÍDOS. o Flutuações aleatórias ou imprecisões em dados de entrada, precisão numérica, arredondamentos etc...

RUÍDOS EM IMAGENS FILTRAGEM DE RUÍDOS. o Flutuações aleatórias ou imprecisões em dados de entrada, precisão numérica, arredondamentos etc... RUÍDOS EM IMAGENS FILTRAGEM DE RUÍDOS RUÍDOS EM IMAGENS Em Visão Computacional, ruído se refere a qualquer entidade em imagens, dados ou resultados intermediários, que não são interessantes para os propósitos

Leia mais

Aparelhos de Laboratório de Electrónica

Aparelhos de Laboratório de Electrónica Aparelhos de Laboratório de Electrónica Este texto pretende fazer uma introdução sucinta às características fundamentais dos aparelhos utilizados no laboratório. As funcionalidades descritas são as existentes

Leia mais

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral MICROSOFT WORD 2007 George Gomes Cabral AMBIENTE DE TRABALHO 1. Barra de título 2. Aba (agrupa as antigas barras de menus e barra de ferramentas) 3. Botão do Office 4. Botão salvar 5. Botão de acesso à

Leia mais

Imagiologia de raios X planar

Imagiologia de raios X planar Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Mestrado em Engenharia Biomédica Imagiologia de raios X planar Técnicas de Imagiologia Nuno Santos n.º 55746, dodgeps@hotmail.com Rúben Pereira

Leia mais

SciLab. Prof. Raimundo C. Ghizoni Teive

SciLab. Prof. Raimundo C. Ghizoni Teive UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CES VII CURSO: ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO SciLab INSTRUÇÕES BÁSICAS Prof. Raimundo C. Ghizoni Teive Versão do Tutorial:

Leia mais

Introdução ao processamento de imagens e OCTAVE. Julio C. S. Jacques Junior juliojj@gmail.com

Introdução ao processamento de imagens e OCTAVE. Julio C. S. Jacques Junior juliojj@gmail.com Introdução ao processamento de imagens e OCTAVE Julio C. S. Jacques Junior juliojj@gmail.com Octave www.gnu.org/software/octave/ Linguagem Interpretada (similar ao MATLAB... portabilidade) Voltada para

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Tecnologias da Informação e Comunicação UNIDADE 1 Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico 1º Período Elementos básicos da interface gráfica do Windows (continuação).

Leia mais

Linguagem R R-Gui e R-Commander

Linguagem R R-Gui e R-Commander Linguagem R R-Gui e R-Commander 1 INSTALAÇÃO DO PROGRAMA BÁSICO E PACOTES O sistema é formado por um programa básico (R-Gui) e muitos pacotes com procedimentos adicionais. Tudo é gratuito e com código

Leia mais

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Aplicações Informáticas B 12.º Ano de Escolaridade Prova 703/1.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Serviço Técnico de Informática. Curso Básico de PowerPoint

Serviço Técnico de Informática. Curso Básico de PowerPoint Serviço Técnico de Informática Curso Básico de PowerPoint Instrutor: Tiago Souza e Silva de Moura Maio/2005 O Microsoft PowerPoint No Microsoft PowerPoint, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo

Leia mais

Tutorial de Matlab Francesco Franco

Tutorial de Matlab Francesco Franco Tutorial de Matlab Francesco Franco Matlab é um pacote de software que facilita a inserção de matrizes e vetores, além de facilitar a manipulação deles. A interface segue uma linguagem que é projetada

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

Tarefa Orientada 2 Visual Studio 2005 e Visual C#

Tarefa Orientada 2 Visual Studio 2005 e Visual C# Tarefa Orientada 2 Visual Studio 2005 e Visual C# Nesta tarefa é proposta a realização de um conjunto de actividades que têm como finalidade a familiarização com o programa e adquirir alguma destreza na

Leia mais

Microsoft Power Point - Manual de Apoio

Microsoft Power Point - Manual de Apoio Microsoft Power Point - Manual de Apoio Pág. 1 de 26 Apresentação e introdução O ambiente de trabalho do Power Point. Abrir, guardar e iniciar apresentações. Obter ajuda enquanto trabalha. Principais barras

Leia mais

Introdução ao Matlab. 1 Algumas regras e comandos do Matlab. 3 de março de 2015. Docente Responsável : Prof. Dr. Antônio C. Roque

Introdução ao Matlab. 1 Algumas regras e comandos do Matlab. 3 de março de 2015. Docente Responsável : Prof. Dr. Antônio C. Roque Introdução ao Matlab 3 de março de 2015 Docente Responsável : Prof. Dr. Antônio C. Roque Monitores : Rodrigo F. O. Pena e Renan Shimoura MATLAB (MATrix LABoratory) é um programa de alta performance e de

Leia mais

Tamanho e resolução da imagem

Tamanho e resolução da imagem Tamanho e resolução da imagem Para se produzir imagens de alta qualidade, é importante compreender como é que os dados dos pixels da imagem são medidos e mostrados. Dimensões dos pixels O número de pixels

Leia mais

ficha 3 espaços lineares

ficha 3 espaços lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha 3 espaços lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2011/12 3 Notação Sendo

Leia mais

Fluxo de trabalho no Picasa

Fluxo de trabalho no Picasa Fluxo de trabalho no Picasa Neste bloco serão abordados: Download e Instalação Aquisição de imagens Tratamento básico de imagem digital fotográfica Opções de impressão Tratamento para envio para a web

Leia mais

PCIM 2013-2014. Laboratório 0, parte visual: Iniciação ao tratamento de imagem, vídeo e áudio no MATLAB

PCIM 2013-2014. Laboratório 0, parte visual: Iniciação ao tratamento de imagem, vídeo e áudio no MATLAB PCIM 2013-2014 Laboratório 0 - parte visual: Iniciação à manipulação de imagem, vídeo e áudio com o MATLAB 1. Processamento de imagem O MatLab possui diversos comandos específicos para manipular imagens

Leia mais

Criando e usando Gráficos

Criando e usando Gráficos DANDO A LARGADA Criando e usando Gráficos Mathcad torna fácil para você criar um gráfico de x-y de uma expressão. Para isto, digite uma expressão que depende de uma variável, por exemplo, sin(x), e então

Leia mais

O que é o JavaScript?

O que é o JavaScript? JavaScript Introdução O JavaScript é utilizado por milhões de páginas na web para melhorar o design, validar forms, e muito mais O JavaScript foi inicialmente desenvolvido pela Netscape e é a linguagem

Leia mais

Formador: Carlos Maia

Formador: Carlos Maia Formador: Carlos Maia Iniciar o MS Excel MS Excel - Introdução 1 Ajuda Se ainda não estiver visível a ajuda do Excel do lado direito do ecrã, basta clicar sobre Ajuda do Microsoft Excel no menu Ajuda,

Leia mais

1.4.4 Configurar serviços de armazenamento

1.4.4 Configurar serviços de armazenamento 1.4.4 Configurar serviços de armazenamento Esta versão do Office permite guardar os documentos na nuvem do OneDrive, de modo que possa posteriormente aceder aos seus conteúdos a partir de qualquer dispositivo

Leia mais

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5 Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias Trajectórias Planas Índice Trajectórias. exercícios............................................... 2 2 Velocidade, pontos regulares e singulares 2 2. exercícios...............................................

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor 20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor Manual do Utilizador Professor... 1 1. Conhecer o 20 Escola Digital... 4 2. Autenticação... 6 2.1. Criar um registo na LeYa Educação... 6 2.2. Aceder ao

Leia mais

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO 5 FUNÇÃO 5.1 Introdução O conceito de função fundamenta o tratamento científico de problemas porque descreve e formaliza a relação estabelecida entre as grandezas que o integram. O rigor da linguagem e

Leia mais

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB!

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! 7 a e 8 a SÉRIES / ENSINO MÉDIO 15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! Sua home page para publicar na Internet SOFTWARES NECESSÁRIOS: MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT PUBLISHER 2000 SOFTWARE OPCIONAL: INTERNET EXPLORER

Leia mais

Perguntas mais Frequentes sobre Escalas no AutoCAD e suas Respostas

Perguntas mais Frequentes sobre Escalas no AutoCAD e suas Respostas Perguntas mais Frequentes sobre Escalas no AutoCAD e suas Respostas Cleber Reis Professor de AutoCAD 2D e 3D AC5904-V Compreender as escalas no AutoCAD pode parecer uma tarefa difícil, mas não é. Qual

Leia mais

Enquadramento e Conceitos Fundamentais

Enquadramento e Conceitos Fundamentais Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Computação Gráfica Enquadramento e Conceitos Fundamentais Edward Angel, Cap. 1 Questão 9, exame de 29/06/11 [0.5v] Identifique e descreva os três

Leia mais

Introdução aos Sistemas Informáticos

Introdução aos Sistemas Informáticos I folhas de tamanho A4, com 2 centímetros em todas as margens. 3. Guarde o documento na sua disquete (se não tiver uma disquete, então grave-o no disco do computador) com o nome Exercício 1. 4. Introduza

Leia mais

Curso de Introdução ao SIMULINK

Curso de Introdução ao SIMULINK 4.3 - Modelando Sistemas Não Lineares O SIMULINK fornece uma variedade de blocos para a modelagem de sistemas não lineares. Esses blocos estão na biblioteca Nonlinear. O comportamento destes blocos não

Leia mais

Passa a passo para construir uma página pessoal - Parte 1

Passa a passo para construir uma página pessoal - Parte 1 Passa a passo para construir uma página pessoal - Parte 1 Quais ferramentas são necessárias? - Editor de texto básico (sem formatações): use o Bloco de Notas (não use o MS Word e WordPad) - Navegador (browser):

Leia mais

Introdução aos critérios de consulta. Um critério é semelhante a uma fórmula é uma cadeia de caracteres que pode consistir em

Introdução aos critérios de consulta. Um critério é semelhante a uma fórmula é uma cadeia de caracteres que pode consistir em Material retirado do site Office online. Introdução aos critérios de consulta Um critério é semelhante a uma fórmula é uma cadeia de caracteres que pode consistir em referências de campo, operadores e

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Indexação do FamilySearch: Indexação

Indexação do FamilySearch: Indexação do FamilySearch: Indexação Sumário Indexar um Lote Entrar no sistema p. 1 Baixar um Lote p. 2 Ver as Instruções do Projeto p. 2 Digitar o Tipo de Imagem p. 2 Digitar Informações p. 3 Campos e Registros

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Apostila para o 7º ano Profª Yandra

Apostila para o 7º ano Profª Yandra Apostila para o 7º ano Profª Yandra INTRODUÇÃO Scratch é uma linguagem de programação desenvolvida por uma conceituada universidade norte-americana (MIT). Através de um sistema inovador que introduz noções

Leia mais

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo.

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo. O que é o Gimp? O GIMP é um editor de imagens e fotografias. Seus usos incluem criar gráficos e logotipos, redimensionar fotos, alterar cores, combinar imagens utilizando o paradigma de camadas, remover

Leia mais