MODELO DE ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR DIFUSA NA EQUIPARTIÇÃO INSTANTÂNEA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELO DE ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR DIFUSA NA EQUIPARTIÇÃO INSTANTÂNEA"

Transcrição

1 MODELO DE ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR DIFUSA A EQUIPARTIÇÃO ISTATÂEA A. DAL PAI, J. F. ESCOBEDO Departamento de Recursos aturais FCA/UESP, Botucatu-SP ABSTRACT The objective of this paper is the development of a model for measured and estimate values of diffuse solar radiation and measured values of global solar radiation. The radiation have been measured by a pyranometer PSP- Eppley ( global) and a pyranometer PSP-Eppley with shadowbands (diffuse) between 996 and 998 at Solar Radiometric Station, Botucatu, SP. A estimate equation of 3rd was developed with a database of two years ( ) and the validation was determined with one year (998). ITRODUÇÃO A importância da radiação solar difusa se faz presente em diversas áreas do conhecimento científico. O seu estudo, em superfícies horizontais, é de extrema relevância no desenvolvimento de projetos de arquitetura e engenharia e na construção de coletores solares. Segundo Liu & Jordan(963), a partir do conhecimento da radiação solar difusa em superfície horizontal, juntamente com as componentes global e direta, é possível determinar a quantidade de radiação solar incidente em uma superfície inclinada. os últimos anos, vários pesquisadores vem estudando o comportamento da radiação difusa. Segundo Coppolino(989), a componente difusa da radiação global, em qualquer instante, depende da altitude e latitude do lugar, da altura solar, da declinação solar, do grau de turbidez atmosférica, da quantidade de vapor d água presente na atmosfera e da cobertura do céu. Vários modelos de estimativa da radiação solar difusa foram descritos na literatura. o entanto, os mais utilizados são aqueles que correlacionam a componente difusa com as componentes global e extraterrestre. Estas duas últimas representam as medidas mais freqüentes utilizadas nas estações meteorológicas, ao passo que a difusa requer instrumentação mais onerosa devido ao método empregado (anel de sombreamento) e a manutenção exigida (o anel de sombreamento necessita de correções diárias devido à declinação solar). É comum serem encontrados modelos que utilizam horas de brilho solar no lugar da radiação global, como os trabalhos de Stanhill(966) e Rietveld(978). As correlações propostas apresentam grande variabilidade em função da equipartição escolhida, do local estudado e do tipo de ajuste. Os mais comuns são os ajustes lineares, polinomiais e exponenciais, sendo que a escolha dependerá dos indicativos estatísticos. Há também combinações de equações em função do intervalo de Kt que representam uma única correlação. As principais partições escolhidas para se desenvolver um determinado modelo apresentam diferenças quanto ao intervalo de tempo de agrupamento dos dados observados. Encontram-se, na literatura, os trabalhos de Liu & Jordan (960), Ruth & Chant (976) e Collares-Pereira & Rabl (979) para as partições diárias; os trabalhos de Orgill & Hollands (977), Erbs et al. (982), Spencer (982) e Iqbal (983) para as partições horárias; e o trabalho de Jurado et al. (995) para a equipartição instantânea. Todos os modelos conhecidos são do tipo regional em virtude da dependência da radiação difusa com diversos parâmetros climáticos locais. Portanto, hoje, o grande desafio enfrentado pelos cientistas é a elaboração de um modelo universal que cobrisse toda a extensão do planeta. O presente trabalho tem, por finalidade, propor um modelo de estimativa da radiação solar difusa na equipartição instantânea para a localidade de Botucatu-SP a partir de medidas da radiação solar global. MATERIAL E MÉTODOS A utilização da energia solar no desenvolvimento de qualquer aplicação deve começar com o estudo dos dados de radiação disponíveis na região selecionada. O campo experimental situa-se na Estação Experimental de Radiometria Solar (latitude Sul, longitude Oeste, altitude 786m), que se encontra localizada junto ao Departamento de Recursos aturais da Faculdade de Ciências Agronômicas da Universidade Estadual Paulista, em Botucatu, São Paulo. Para a formulação do modelo, foram utilizados dados das radiações global e difusa, sendo necessária a aplicação de um fator de correção regional desenvolvimento por Melo (993) para esta última componente devido à 282

2 porção de irradiação bloqueada pelo método utilizado (anel de sombreamento). Foram empregados dois piranômetros modelo PSP-Eppley na aquisição dos dados sendo que o sensor de um deles era totalmente sombreado por um anel de 0,0 m de largura por 0,40 m de raio. Estes dados foram acondicionados em uma DATALOGGER CAMPBEL Scientific Inc. Modelo 23X, com uma placa multiplexadora AM 46 de 32 canais, programada para a realização das leituras dos equipamentos a cada 5 segundos. Após o término de 5 minutos, ela efetuava o cálculo da média aritmética dessas leituras e as armazenava em um módulo de armazenamento SM 92 da CAMPBEL Scientific Inc. o início de cada dia, este estojo era descarregado em um banco de dados, ficando à disposição para seu refinamento. Utilizou-se dois anos (996 e 997) de medidas para modelagem e um ano (998) para sua validação. Conforme sugerido por Reindl et al (990), realizou-se um controle de qualidade para melhor confiabilidade dos resultados. A equipartição instantânea apresenta uma grande quantidade de pontos. Realizou-se a separação dos valores de Kt em intervalos de 0,0. Cada intervalo passou a possuir uma determinada quantidade de pontos referentes aos valores de Kd. Como estes pontos apresentavam uma variação em sua magnitude, extraiu-se uma média destes pontos para cada intervalo. Esta média calculada era então relacionada com o respectivo valor de Kt para aquele intervalo. Para quantificar a precisão do ajuste entre os fluxos observados e estimados pelo modelo utilizou-se dois indicativos estatísticos: MBE ( Mean Bias Error) e RMSE ( Root Mean Square Error), conforme sugerido por Ma e Iqbal (984). O MBE é uma indicação do desvio médio dos valores estimados dos valores medidos, enquanto que o RMSE é a medida da variação dos valores estimados em torno dos valores medidos. São definidos como: ( yi xi ) i= MBE = RMSE = i= ( y i x ) i 2 2 onde y i é o i-ésimo valor estimado, x i o i-ésimo valor medido e o número de observações. Um valor positivo de MBE expressa uma superestimação do modelo com relação aos dados observados. Um valor negativo expressa uma subestimação. Em geral, deseja-se obter um valor absoluto pequeno para MBE. o entanto, vale salientar que um valor superestimado se cancela com um valor subestimado. RESULTADOS E DISCUSSÃO Com a utilização da base de dados referente a 2 anos (996 a 997), efetou-se o desenvolvimento de um modelo que equacionasse as radiações difusa e global, na equipartição instantânea. Ajustou-se os pontos do gráfico a uma curva polinomial de 3 grau, pois a mesma apresentou R 2 mais próximo de. Seu valor obtido foi R 2 = 0,

3 Modelo Kd X Kt Valores Medidos Modelo, 0,9 0,8 0,7 0,6 Kd 0,5 0,4 0,3 0,2 0, Kd = 4,3677 Kt 3-6,767 Kt 2 +,5733 Kt + 0,9282 R 2 = 0, < Kt < 0,77 Kd = 0,4 Kt > 0, , 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9, Kt Figura. Modelo de estimativa de Kd m função de Kt. Os valores medidos de Kd relacionados a Kt > 0,77 foram desprezados. Segundo Iqbal (979), nessa região, a radiação solar difusa apresenta um comportamento dependente da altura solar, sendo fortemente afetada por constituintes atmosféricos. Como observado, os valores da difusa tendem a aumentar com o crescimento de Kt, pois o espalhamento é maior devido a uma massa ótica maior. Para a verificação da validação do modelo, utilizou-se um ano (998) de dados. Estes eram acomodados no gráfico e comparados com a curva de modelagem encontrada. A tabela apresenta os valores dos indicativos estatísticos. Para os dias nublados ( 0 < Kt < 0,30), verifica-se que os pontos relativos a Kt próximos à zero apresentam valores de Kd inferiores ao modelo proposto. Para os dias parcialmente nublados ( 0,30 < Kt < 0,65), nota-se que o modelo proposto superestima a radiação difusa. Para os dias de céu aberto ( 0,65 < Kt < ), verifica-se valores de Kd apenas para valores de Kt inferiores à 0,77. Para os valores de Kt > 0,77 o modelo apresenta Kd = 0,4. Tabela. Indicativos estatísticos para a validação do modelo. Indicativo Estatístico Valor MBE 0,006 RMSE 0,09 O sinal positivo do MBE evidencia uma superestimação do modelo apresentado. A magnitude dos dois indicativos estatísticos permaneceu baixa, tornando o modelo aceitável para a região de Botucatu. 284

4 Validação Modelo, Valores medidos 0,9 0,8 0,7 0,6 Kd 0,5 0,4 0,3 0,2 0, 0 0 0, 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9, Kt Figura 2. Validação do modelo proposto. COCLUSÕES Através do presente trabalho pode-se verificar o desempenho do modelo proposto. Para valores de Kt até 0,77, o modelo apresenta resultados aceitáveis, possuindo valores relativamente baixos dos indicativos estatísticos. A curva ajustada apresentou um R 2 = 0,9975. O valor positivo do MBE pode ser evidenciado principalmente pelo gráfico da figura 2, onde os valores medidos para os dias parcialmente nublados são menores que os apresentados pelo modelo. Portanto, para o modelo desenvolvido, há uma superestimação dos valores da radiação solar difusa. Para Kt > 0,77 os valores medidos de Kd foram desprezados. Apresentavam um aumento dos valores da difusa devido à altura solar, sendo adotado valores de Kd = 0,4 para esta região. Em comparação com os estudos de modelagem para outras partições, o modelo proposto revelou-se adequado às expectativas propostas, sendo que o mesmo segue a mesma tendência dos demais. REFERÊCIAS BIBLIOGRÁFICAS CHADRASEKARA, S., KUMAR, S. Hourly diffuse fraction correlation at a tropical location. Solar Energy, v.53, n.6, p , 994. COLLARES-PEREIRA, M., RABL, A. The average distribution of solar radiation correlations between diffuse and hemispherical and between daily and hourly insolation values. Solar Energy, v.22, p , 979. COPPOLIO, S. A simple model for computing diffuse solar radiation. Solar Energy, n. 6, v. 43, p , 989. ERBS, D. G. KLEI, S. A. DUFFIE, J. A. Estimation of the difuse radiation fraction for hourly, daily and monthly-average global radiation, Solar Energy, s.n., v.28, p , 982. HAWLADER, M..A. Diffuse, global and extraterrestrial solar radiation for Singapore. International Journal of Ambient Energy, v.5, p.3-38, 984. IQBAL, M. Prediction of hourly diffuse solar radiation from measured hourly global radiation on a horizontal surface. Solar Energy, v. 24, p , 979. IQBAL, M. An introduction to solar radiation. ew York, Academic Press, p. JURADO, M., CARIDAD, J. M., RUIZ, V. Statistical distribution of the clearness index with radiation data integrated over five minute intervals. Solar Energy, n. 6, v. 55, p ,

5 LIU, B. Y. H. e JORDA, R. C. The interrelationship and characteristic distribution of direct, diffuse and total solar radiation. Solar Energy, n o 4, v.3, p.-9, 960. LIU, B. Y. H. e JORDA, R. C. The long-term average performance of flat-plate solar energy collectors. Solar Energy, v. 7, p , 963. MA., C.C.Y., IQBAL, M. Statistical comparison of solar radiation correlations. Solar Energy, v.33, n.2, p.43-48, 984. MELO, J. M. D. Desenvolvimento de um sistema para medir simultaneamente radiações global, difusa e direta. Botucatu-SP, 993, 30p. Tese ( Doutorado em Agronomia/Energia na Agricultura) Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista. ORGILL, J. F. e HOLLADS, K. G. T. Correlation equation for hourly diffuse radiaton on a horizontal surface, Solar Energy, n.3, v.9, p , 977. REIDL, D.T., BECKMA, W.A., DIFFIE, J.A. Diffuse fraction correlations. Solar Energy, v.45, n., 990. RIETVELD, M. R. A new method for estimating the regression coefficients in the formula relating solar radiation to sunshine. Agri. Meteorol. v. 9, p , 978. RUTH, D. W., CHAT, R. E. The relationship of diffuse radiation to total radiation in Canada. Solar Energy, v.8, p. 53-4, 976. SPECER, J. W. Comparison of methods for estimating hourly diffuse solar radiation from global solar radiation. Solar Energy, n., v. 29, p. 9-23, 982. STAHILL, G. Diffuse sky and cloud radiation in Israel. Solar Energy, v.0, p. 96-0, 966. SOLER, A. Dependence on latitude of the relation between the diffuse fraction of solar radiation and the ratio of global to - extraterrestrial radiation for monthly average daily values. Solar Energy, v.44, n.5, p ,

DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R.

DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R. DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R. ALVES 3 RESUMO: O conhecimento da distribuição horária da irradiância

Leia mais

IRRADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM FUNÇÃO DA RAZÃO DE INSOLAÇÃO

IRRADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM FUNÇÃO DA RAZÃO DE INSOLAÇÃO IRRADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM FUNÇÃO DA RAZÃO DE INSOLAÇÃO REINALDO PRANDINI RECIERI Professor do Curso de: Mestrado em Engenharia Agrícola e da Graduação em Biologia/UNIOESTE/FAG SILVANA QUALLIO Aluna do

Leia mais

RADIAÇÕES GLOBAL E PAR-GLOBAL; DIFUSA E PAR-DIFUSA; DIRETA E PAR- DIRETA, MÉDIAS MENSAIS EM BOTUCATU/SP/BRASIL.

RADIAÇÕES GLOBAL E PAR-GLOBAL; DIFUSA E PAR-DIFUSA; DIRETA E PAR- DIRETA, MÉDIAS MENSAIS EM BOTUCATU/SP/BRASIL. RADIAÇÕES GLOBAL E PAR-GLOBAL; DIFUSA E PAR-DIFUSA; DIRETA E PAR- DIRETA, MÉDIAS MENSAIS EM BOTUCATU/SP/BRASIL. DOUGLAS RODRIGUES 2, JOÃO F. ESCOBEDO 1, THIAGO N. S. ALMEIDA 3, NATÁLIA P. GAIAD 4, LUDMILA

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN Carlos Magno de Souza Barbosa 1, Arthur Mattos & Antônio Marozzi Righetto 3 RESUMO - O presente trabalho teve como objetivo a determinação

Leia mais

RADIASOL2 SOFTWARE PARA SINTETIZAR DADOS DE RADIAÇÃO SOLAR

RADIASOL2 SOFTWARE PARA SINTETIZAR DADOS DE RADIAÇÃO SOLAR RADIASOL2 SOFTWARE PARA SINTETIZAR DADOS DE RADIAÇÃO SOLAR Arno Krenzinger arno.krenzinger@ufrgs.br Rodrigo Carvalho Bugs rbugs@terra.com.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Laboratório de Energia

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 FATORES DE TURBIDEZ DE LINKE NA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR DIRETA NA INCIDÊNCIA NORMAL PARA ELEVADA TRANSMISSIVIDADE ATMOSFÉRICA DAL PAI,A., ESCOBEDO, J. F., ASSUNÇÃO, H. F. Departamento de Recursos

Leia mais

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL RADIAÇÃO SOLAR: CONSTRUÇÃO DO ANO DE REFERÊNCIA PARA ALGUMAS CIDADES NO BRASIL Mario. Macagnan - mhmac@euler.unisinos.br

Leia mais

DIAS DE CÉU CLARO EM TOLEDO-PR. Flávio Rodrigues Soares 1

DIAS DE CÉU CLARO EM TOLEDO-PR. Flávio Rodrigues Soares 1 DIAS DE CÉU CLARO EM TOLEDO-PR Flávio Rodrigues Soares 1 RESUMO: Compararam-se os dias de céu claro (DCC) de janeiro e julho utilizando perfis diários de médias horárias de radiação solar de seis anos

Leia mais

ESTIMATIVA DA IRRADIAÇÃO SOLAR GLOBAL DIÁRIA POR DIA DO ANO NA REGIÃO DE MACEIÓ - AL

ESTIMATIVA DA IRRADIAÇÃO SOLAR GLOBAL DIÁRIA POR DIA DO ANO NA REGIÃO DE MACEIÓ - AL ESTIMATIVA DA IRRADIAÇÃO SOLAR GLOBAL DIÁRIA POR DIA DO ANO NA REGIÃO DE MACEIÓ - AL CÍCERO M. DOS SANTOS 1, JOSÉ LEONALDO DE SOUZA 1, CHIGUERU TIBA 2, RINALDO O. DE MELO 2, KETSON R. M. DOS SANTOS 3,

Leia mais

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Adeli Buriol, Galileo; Estefanel, Valduino; Heldwein, Arno Bernardo; Damé Prestes, Solismar; Carlexo Horn,

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA Dagolberto Calazans Araujo Pereira Engenheiro Agrônomo UEMA dagolberto@altavista.net Ronaldo Haroldo N. de Menezes Professor CCA/UEMA/NEMRH.

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO E CONTAGEM DAS HORAS DE BRILHO SOLAR NAS PARTIÇÕES HORÁRIA E DIÁRIA PARA HELIOGRAMAS-EQUINÓCIO

DIGITALIZAÇÃO E CONTAGEM DAS HORAS DE BRILHO SOLAR NAS PARTIÇÕES HORÁRIA E DIÁRIA PARA HELIOGRAMAS-EQUINÓCIO DIGITALIZAÇÃO E CONTAGEM DAS HORAS DE BRILHO SOLAR NAS PARTIÇÕES HORÁRIA E DIÁRIA PARA HELIOGRAMAS-EQUINÓCIO ALEXANDRE DAL PAI 1 ; FABIO HENRIQUE P. CORRÊA 2 ; LUIZ CARLOS DALL ANTONIA 3 ; DOUGLAS RODRIGUES

Leia mais

Determinação dos coeficientes da equação de Angstron

Determinação dos coeficientes da equação de Angstron Determinação dos coeficientes da equação de Angstron para a região de Palotina, Estado do Paraná Rivanildo Dallacort, Paulo Sérgio Lourenço de Freitas, Antonio Carlos Andrade Gonçalves, Roberto Rezende,

Leia mais

Radiação solar disponível

Radiação solar disponível Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Radiação solar disponível 2 º. semestre, 2015 Radiação solar disponível na superfície terrestre: Medidas

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS QUEIMADAS DE CANA-DE-AÇÚCAR NA FREQUÊNCIA DA COBERTURA DE CÉU CLARO EM BOTUCATU/SP

INFLUÊNCIA DAS QUEIMADAS DE CANA-DE-AÇÚCAR NA FREQUÊNCIA DA COBERTURA DE CÉU CLARO EM BOTUCATU/SP INFLUÊNCIA DAS QUEIMADAS DE CANA-DE-AÇÚCAR NA FREQUÊNCIA DA COBERTURA DE CÉU CLARO EM BOTUCATU/SP Érico Tadao Teramoto (1) ; João Francisco Escobedo (2) ; Luciano Ronaldo Rossi (3) (1) Eng. Agrícola, doutorando,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-MN12 DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO NOROESTE PAULISTA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO NOROESTE PAULISTA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO NOROESTE PAULISTA M. D. de Lacerda 1, F. B. T. Hernandez 2, R. A. M. Franco 1, D. G. Feitosa 3, G. O. Santos 3, A. H. C. Teixeira 4 RESUMO: A estimativa da radiação

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO NOROESTE PAULISTA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO NOROESTE PAULISTA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL NO NOROESTE PAULISTA M.D. de Lacerda 1, F.B.T. Hernandez 2, R.A.M. Franco 3, D.G. Feitosa 4, G.O. Santos 5, A.H.C. Teixeira 6 RESUMO: A estimativa da radiação solar

Leia mais

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC Daiani Rosa 1 ; Elfride Anrain Lindner 2 ; Angelo Mendes Massignam 3 RESUMO As relações entre a intensidade, duração e freqüência de chuvas podem

Leia mais

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves)

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) INTRODUÇÃO A Radiação Solar é a maior fonte de energia para a Terra, sendo o principal elemento meteorológico,

Leia mais

Equações para estimativas das Irradiações solares UV, PAR e IV em estufa de Polietileno.

Equações para estimativas das Irradiações solares UV, PAR e IV em estufa de Polietileno. Equações para estimativas das Irradiações solares UV, PAR e IV em estufa de Polietileno. E. Dal Pai 1, L. C. Lenz 1, D. Martins 1 e J. F. Escobedo 1 1 Universidade Estadual Paulista - Campus de Botucatu

Leia mais

Metodologias de estimativa de cobertura de nuvens e seus resultados no modelo BRASIL-SR

Metodologias de estimativa de cobertura de nuvens e seus resultados no modelo BRASIL-SR Metodologias de estimativa de cobertura de nuvens e seus resultados no modelo BRASIL-SR Jefferson Gonçalves de Souza 1 Alice dos Santos Macedo 1 Fernando Ramos Martins 1 Enio Bueno Pereira 1 1 Instituto

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE AS TEMPERATURAS MÉDIAS MENSAIS DA SUPERFÍCIE DA ÁGUA E DE ABRIGO METEOROLÓGICO FLÁVIO RODRIGUES SOARES 1

RELAÇÃO ENTRE AS TEMPERATURAS MÉDIAS MENSAIS DA SUPERFÍCIE DA ÁGUA E DE ABRIGO METEOROLÓGICO FLÁVIO RODRIGUES SOARES 1 RELAÇÃO ENTRE AS TEMPERATURAS MÉDIAS MENSAIS DA SUPERFÍCIE DA ÁGUA E DE ABRIGO METEOROLÓGICO FLÁVIO RODRIGUES SOARES 1 1 Físico, Prof. Adjunto, Universidade Estadual do Oeste do Paraná-UNIOESTE, Centro

Leia mais

SOFTWARE PARA CALIBRAÇÃO DE PIRANÔMETROS

SOFTWARE PARA CALIBRAÇÃO DE PIRANÔMETROS SOFTWARE PARA CALIBRAÇÃO DE PIRANÔMETROS Alexandre DAL PAI; Modesto A. CHAVES & João F. ESCOBEDO Dept o de Ciências Ambientais UNESP-FCA - Botucatu - SP - Brasil ABSTRACT The present paper deals with the

Leia mais

VARIAÇÃO TEMPORAL DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE PELOTAS-RS

VARIAÇÃO TEMPORAL DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE PELOTAS-RS Abstract: VARIAÇÃO TEMPORAL DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE PELOTAS-RS Bruno Zanetti Ribeiro 1 André Becker Nunes² 1 Faculdade de Meteorologia, Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Campus Universitário

Leia mais

2 conceitos gerais de heliotecnia ÍNDICE

2 conceitos gerais de heliotecnia ÍNDICE ÍNDICE radiação solar - movimento terra-sol -3 coordenadas e trajectória solar -4 sombreamento -6 orientação e inclinação de superfícies absorsoras -7 curvas de penalização -10 para saber mais... -1-1

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

Análises do comportamento de um actinógrafo bimetálico (R. Fuess-Berlin-Steglitz) em diferentes tipos de cobertura do céu

Análises do comportamento de um actinógrafo bimetálico (R. Fuess-Berlin-Steglitz) em diferentes tipos de cobertura do céu Análises do comportamento de um actinógrafo bimetálico (R. Fuess-Berlin-Steglitz) em diferentes tipos de cobertura do céu Rivanildo Dallacort 1 *, Reinaldo Prandini Ricieri, Suedêmio de Lima Silva, Paulo

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS

DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS VIRGINIA PICCININI SILVEIRA e-mail : virginia@ufpel.tche.br CLAUDIA GUIMARÃES CAMARGO e-mail : camargo@ufpel.tche.br

Leia mais

INVENTÁRIO DE ENERGIA SOLAR NO PARANÁ

INVENTÁRIO DE ENERGIA SOLAR NO PARANÁ INVENTÁRIO DE ENERGIA SOLAR NO PARANÁ José E. Prates (1) e-mail: jeprates@simepar.br Marcelo B. Zaicovski (1) e-mail: brauer@simepar.br Alexandre K. Guetter (1) e-mail: guetter@simepar.br (1) Instituto

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR PARA A REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO E CENTRAL MINEIRA COM BASE NA TEMPERATURA DO AR

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR PARA A REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO E CENTRAL MINEIRA COM BASE NA TEMPERATURA DO AR ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR PARA A REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO E CENTRAL MINEIRA COM BASE NA TEMPERATURA DO AR HEYDER F. NASCIMENTO 1, CLÁUDIO R. SILVA 2, LUCAS A. BARBOSA 3, MARCO TÚLIO G. PAULA 3, VALDINEY

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ L. G. M. de Figueredo Júnior 1 ; A. S. Andrade Júnior 2 ; F. E. P. Mousinho 1 RESUMO: O presente trabalho teve por

Leia mais

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE Emerson Mariano da Silva 1 ; Flavio José Alexandre Linard 2 1 Universidade Estadual do Ceará

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA D. H. Nogueira 1 ; M. G. Silva 2 ; E. R. F. Ledo 2 ; E. M. Araújo 3 ; E. M. Araújo 3 RESUMO: O presente trabalho teve como objetivo

Leia mais

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira.

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Ingrid Monteiro Peixoto de Souza 1, Antonio Carlos Lôla da Costa 1, João de Athaydes Silva

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA A REGIÃO DE PEDRA AZUL, NORTE DE MINAS GERAIS

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA A REGIÃO DE PEDRA AZUL, NORTE DE MINAS GERAIS ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA A REGIÃO DE PEDRA AZUL, NORTE DE MINAS GERAIS Samara Teixeira Pereira 1, Welder Camilo P. Santos 1, Jhones da Silva Amorim 2, Felizardo Adenilson Rocha 3, Joseane

Leia mais

Horário solar aparente Horário solar aparente tempo solar aparente

Horário solar aparente Horário solar aparente tempo solar aparente Horário solar aparente Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. http://pt.wikipedia.org/wiki/hor%c3%a1rio_solar_aparente Acesso em 15 de novembro de 2011 Horário solar aparente, ou tempo solar aparente,

Leia mais

Boletim de Pesquisa 12 e Desenvolvimento

Boletim de Pesquisa 12 e Desenvolvimento Boletim de Pesquisa 12 e Desenvolvimento ISSN 1981-1004 Dezembro, 2006 Estimativa diária da radiação solar incidente com base no número de horas de brilho solar para a região de Bento Gonçalves, RS ISSN

Leia mais

VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA

VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA 1 Alejandro Fonseca Duarte, 2 Francisco E. Alves dos Santos, 3 Eduardo E. Vieira Guedes, 4 Abdom

Leia mais

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ Francisco José Lopes de Lima 1,2, Fernando Ramos Martins 1, Jerfferson Souza, 1 Enio Bueno Pereira 1 1 Instituto Nacional

Leia mais

PERDAS RADIATIVAS E TAXA DE RESFRIAMENTO NOTURNO NA CIDADE DE SÃO PAULO SP

PERDAS RADIATIVAS E TAXA DE RESFRIAMENTO NOTURNO NA CIDADE DE SÃO PAULO SP PERDAS RADIATIVAS E TAXA DE RESFRIAMENTO NOTURNO NA CIDADE DE SÃO PAULO SP Emerson Galvani 1, Nadia G. B. de Lima 2 Resumo: No presente trabalho avaliou-se a taxa de resfriamento noturno e sua relação

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA SOBRE A POTÊNCIA DE SAÍDA DE UM PAINEL DE SILÍCIO POLICRISTALINO NA REGIÃO OESTE PARANAENSE

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA SOBRE A POTÊNCIA DE SAÍDA DE UM PAINEL DE SILÍCIO POLICRISTALINO NA REGIÃO OESTE PARANAENSE INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA SOBRE A POTÊNCIA DE SAÍDA DE UM PAINEL DE SILÍCIO POLICRISTALINO NA REGIÃO OESTE PARANAENSE ROGER NABEYAMA MICHELS JOSÉ AIRTON AZEVEDO DOS SANTOS ESTOR GNOATTO EDWARD KAWANAGH

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE DADOS DE RADIAÇÃO SOLAR MEDIDOS EM FLORIANÓPOLIS - SC

QUALIFICAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE DADOS DE RADIAÇÃO SOLAR MEDIDOS EM FLORIANÓPOLIS - SC QUALIFICAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE DADOS DE RADIAÇÃO SOLAR MEDIDOS EM FLORIANÓPOLIS - SC Samuel L. de Abreu samuel@emc.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina, Laboratório de Energia Solar Campus Universitário

Leia mais

SOFTWARE PARA ESTIMATIVA DO POTENCIAL DE ENERGIA SOLAR À SUPERFÍCIE

SOFTWARE PARA ESTIMATIVA DO POTENCIAL DE ENERGIA SOLAR À SUPERFÍCIE RESUMO SOFTWARE PARA ESTIMATIVA DO POTENCIAL DE ENERGIA SOLAR À SUPERFÍCIE Marlos Wander Grigoleto CEFET/UNIOESTE/ Rua Paraguai,2121. Medianeira-PR grigoleto@ar-net.com.br Reinaldo Prandini Ricieri MESAGRI

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO SIMULADA PELO MODELO WEATHER RESEARCH AND FORECASTING (WRF) PARA O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO.

COMPORTAMENTO DA PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO SIMULADA PELO MODELO WEATHER RESEARCH AND FORECASTING (WRF) PARA O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. COMPORTAMENTO DA PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO SIMULADA PELO MODELO WEATHER RESEARCH AND FORECASTING (WRF) PARA O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. HUGO ELY DOS ANJOS RAMOS 1,4, JOSÉ GERALDO FERREIRA DA SILVA 2,4,

Leia mais

MODELOS DE ESTIMATIVA DO SALDO HORÁRIO DE RADIAÇÃO (Rn) PARA PIRACICABA, SP¹

MODELOS DE ESTIMATIVA DO SALDO HORÁRIO DE RADIAÇÃO (Rn) PARA PIRACICABA, SP¹ MODELOS DE ESTIMATIVA DO SALDO HORÁRIO DE RADIAÇÃO (Rn) PARA PIRACICABA, SP¹ Verona O. Montone²; Paulo C. Sentelhas³ ¹ Projeto financiado pela Fapesp ² Graduanda USP/ESALQ Eng. Agronômica, veronamontone@hotmail.com

Leia mais

o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO,

o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO, 593 o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO, NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Elza Correia Sucharov (1) Margarete O. Domingues (2) Ana Lucia M. da Silva (1) (1) Departamento de Meteorologia/UFRJ

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS COEFICIENTES DO MODELO DE ANGSTRON- PRESCOTT PARA A REGIÃO DE CANAVIEIRAS, ESTADO DA BAHIA

DETERMINAÇÃO DOS COEFICIENTES DO MODELO DE ANGSTRON- PRESCOTT PARA A REGIÃO DE CANAVIEIRAS, ESTADO DA BAHIA DETERMINAÇÃO DOS COEFICIENTES DO MODELO DE ANGSTRON- PRESCOTT PARA A REGIÃO DE CANAVIEIRAS, ESTADO DA BAHIA Cássia Juliana Fernandes Torres 1, Naiara de Lima Silva 1, Flávia Marianni Barros 2, Felizardo

Leia mais

VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ

VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ José E. Prates (1) e-mail: jeprates@simepar.br Marcelo Brauer Zaicovski (1) e-mail: brauer@simepar.br Alexandre K. Guetter (1) e-mail:

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Penman-Monteith. Semiárido. Evapotranspiração. Escassez de chuva. Irrigação

PALAVRAS-CHAVE: Penman-Monteith. Semiárido. Evapotranspiração. Escassez de chuva. Irrigação CALIBRAÇÃO DOS PARÂMETROS DA EQUAÇÃO DE HARGREAVES & SAMANI E ESTIMATIVA DA VARIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA A SER APLICADO NA CULTURA DA GOIABA PARA IGUATU, CEARÁ-BRASIL Juarez Cassiano de Lima Junior¹, Antonio

Leia mais

TRANSMISSÃO DE RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM DIFERENTES SISTEMAS DE CONDUÇÃO DA VIDEIRA NIAGARA ROSADA 1.

TRANSMISSÃO DE RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM DIFERENTES SISTEMAS DE CONDUÇÃO DA VIDEIRA NIAGARA ROSADA 1. TRANSMISSÃO DE RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM DIFERENTES SISTEMAS DE CONDUÇÃO DA VIDEIRA NIAGARA ROSADA 1. MÁRIO JOSÉ PEDRO JÚNIOR 2,6, GLAUCO DE SOUZA ROLIM 3, JOSÉ LUIZ HERNANDES 4, ANTONIO ODAIR SANTOS,6.

Leia mais

XXV CONIRD Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem 08 a 13 de novembro de 2015, UFS - São Cristóvão/SE

XXV CONIRD Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem 08 a 13 de novembro de 2015, UFS - São Cristóvão/SE COMPARAÇÃO DE MÉTODOS PARA CONVERSÃO DA EVAPORAÇÃO DO TANQUE CLASSE A EM EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO LITORAL DE PERNAMBUCO A. L. de Oliveira 1, A. H. C. do Nascimento 2, S. M. G. L. Montenegro 3,

Leia mais

EFICIÊNCIA DA CONVERSÃO DE RADIAÇÃO SOLAR EM ENERGIA ELÉTRICA POR MÓDULO FOTOVOLTAICO¹.

EFICIÊNCIA DA CONVERSÃO DE RADIAÇÃO SOLAR EM ENERGIA ELÉTRICA POR MÓDULO FOTOVOLTAICO¹. EFICIÊNCIA DA CONVERSÃO DE RADIAÇÃO SOLAR EM ENERGIA ELÉTRICA POR MÓDULO FOTOVOLTAICO¹. CARLIANE DINIZ E SILVA 2 & ODIVALDO JOSÉ SERAPHIM 3 1 Extraído da tese de doutorado do primeiro autor intitulada:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENERGIA NUCLEAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENERGIA NUCLEAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENERGIA NUCLEAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS ENERGÉTICAS E NUCLEARES MEDIÇÃO, ANÁLISE E MAPEAMENTO DA RADIAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DE DADOS HORÁRIOS DE TEMPERATURA EM CURITIBA

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DE DADOS HORÁRIOS DE TEMPERATURA EM CURITIBA ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DE DADOS HORÁRIOS DE TEMPERATURA EM CURITIBA Miriam Pittigliani Instituto Tecnológico Simepar Centro Politécnico da UFPR Cx. Postal 19.1, Curitiba-PR, 81.531-99 e-mail:

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES SENSORES PARA CONSTRUÇÃO DE UM PIRELIÔMETRO

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES SENSORES PARA CONSTRUÇÃO DE UM PIRELIÔMETRO 1107 AVALIAÇÃO DE DIFERENTES SENSORES PARA CONSTRUÇÃO DE UM PIRELIÔMETRO Winnie Queiroz Brandão¹; Germano Pinto Guedes²; Mirco Ragni³ 1. Bolsista PIBIC/CNPq, Graduanda em Bacharelado em Física, Universidade

Leia mais

Geração de base de dados ambientais aplicados ao setor energético.

Geração de base de dados ambientais aplicados ao setor energético. Geração de base de dados ambientais aplicados ao setor energético. Fernando R. Martins 1, André Rodrigues 1, Rodrigo Costa 1, Rafael C. Chagas 1, Marcelo P. Pes 1, Jefferson Souza 1, Enio B. Pereira 1,

Leia mais

Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta

Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta Gabriela Junqueira da Silva¹, Marcelo de Paula Corrêa¹, Ana Paula Figueiredo¹

Leia mais

Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2

Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2 Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2 1 Abstract Sensible heat flux has been measured with two eddy-correlation (EC)

Leia mais

INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL

INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL Correia, D.C. (1) ; Medeiros, R.M. (2) ; Oliveira, V.G. (3) ; Correia, D. S. (4) ; Brito, J.I.B. (5) dariscorreia@gmail.com (1) Mestranda

Leia mais

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo)

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) Os métodos de estimativa da evapotranspiração estão divididos em métodos diretos, por meio do balanço de água no solo e pelos métodos indiretos, por meio do uso de dados meteorológicos. Os métodos diretos

Leia mais

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Diogo Francisco Borba Rodrigues¹; Abelardo Antônio de Assunção Montenegro²; Tatiana Patrícia Nascimento da Silva³ & Ana Paula

Leia mais

RELAÇÕES INTENSIDADE-DURAÇÃO-FREQUÊNCIA DAS CHUVAS INTENSAS DE LAGES-SC A PARTIR DA ANÁLISE DE PLUVIOGRAMAS OBSERVADOS

RELAÇÕES INTENSIDADE-DURAÇÃO-FREQUÊNCIA DAS CHUVAS INTENSAS DE LAGES-SC A PARTIR DA ANÁLISE DE PLUVIOGRAMAS OBSERVADOS RELAÇÕES INTENSIDADE-DURAÇÃO-FREQUÊNCIA DAS CHUVAS INTENSAS DE LAGES-SC A PARTIR DA ANÁLISE DE PLUVIOGRAMAS OBSERVADOS CÉLIO O. CARDOSO 1, CARLOS A. P. SAMPAIO 2, CAMILA S. PRAZERES 3, CRIZANE HACKBARTH

Leia mais

VIII CIERTEC FORMULÁRIO PARA ENVIO DOS TRABALHOS

VIII CIERTEC FORMULÁRIO PARA ENVIO DOS TRABALHOS FORMULÁRIO PARA ENVIO DOS TRABALHOS TÍTULO DO TRABALHO: RASTREAMENTO SOLAR PARA OTIMIZAÇÃO DA GERAÇÃO DISTRIBUÍDA FOVOLTAICA Tema : GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Autor/ES: RAUL LEDUR KUHN, JOSÉ WAGNER MACIEL KAEHLER,

Leia mais

VALIDAÇÃO DO ALBEDO DA SUPERFÍCIE TERRESTRE OBTIDO A PARTIR DE IMAGENS DO SENSOR MODIS EM ÁREA DE CAATINGA

VALIDAÇÃO DO ALBEDO DA SUPERFÍCIE TERRESTRE OBTIDO A PARTIR DE IMAGENS DO SENSOR MODIS EM ÁREA DE CAATINGA VALIDAÇÃO DO ALBEDO DA SUPERFÍCIE TERRESTRE OBTIDO A PARTIR DE IMAGENS DO SENSOR MODIS EM ÁREA DE CAATINGA Ana Paula Martins do Amaral Cunha 1, Vanessa Canavesi 2, Rita Márcia da Silva Pinto Vieira 1,

Leia mais

CONTEÚDO DE ÁGUA NO SOLO EM CULTIVO DE MILHO BASEADO EM REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO - TDR E NO BALANÇO HÍDRICO DO SOLO

CONTEÚDO DE ÁGUA NO SOLO EM CULTIVO DE MILHO BASEADO EM REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO - TDR E NO BALANÇO HÍDRICO DO SOLO CONTEÚDO DE ÁGUA NO SOLO EM CULTIVO DE MILHO BASEO EM REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO - TDR E NO BALANÇO HÍDRICO DO SOLO A. E. Q. Rocha 1 ; P. L. V. S. Sarmento 1 ; G. Bastos Lyra 2 ; G. B. Lyra 3 ;

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CAMPUS DE BOTUCATU

UNIVERSIDADE ESTADUAL JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CAMPUS DE BOTUCATU UNIVERSIDADE ESTADUAL JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CAMPUS DE BOTUCATU ATON- SISTEMA AUTOMATIZADO DE AQUISIÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS PARA RADIOMETRIA SOLAR. MIGUEL SUAREZ XAVIER

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Capítulo 4 Sistemas solares para geração de eletricidade Lineu Belico dos Reis Os sistemas baseados no uso da energia transmitida à Terra pelo Sol para geração de eletricidade

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL DIÁRIA EM FUNÇÃO DO POTENCIAL DE ENERGIA SOLAR NA SUPERFÍCIE DO SOLO

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL DIÁRIA EM FUNÇÃO DO POTENCIAL DE ENERGIA SOLAR NA SUPERFÍCIE DO SOLO Estimativa da radiação solar global diária 211 ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL DIÁRIA EM FUNÇÃO DO POTENCIAL DE ENERGIA SOLAR NA SUPERFÍCIE DO SOLO André Belmont Pereira 1 *; Augusto Leandro Vrisman

Leia mais

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA BACIA DO RIO SOROCABA-SP

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA BACIA DO RIO SOROCABA-SP VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA BACIA DO RIO SOROCABA-SP Manuel Enrique Gamero Guandique 1 ; Telma de Assis Silveira 2 ; Douglas dos Santos Silva 3 RESUMO Estudos sobre a

Leia mais

VARIABILIDADE E INTENSIDADE DAS CHUVAS EM BELÉM-PA

VARIABILIDADE E INTENSIDADE DAS CHUVAS EM BELÉM-PA VARIABILIDADE E INTENSIDADE DAS CHUVAS EM BELÉM-PA ALAILSON V. SANTIAGO 1, VICTOR C. RIBEIRO 2, JOSÉ F. COSTA 3, NILZA A. PACHECO 4 1 Meteorologista, Dr., Pesquisador, Embrapa Amazônia Oriental (CPATU),

Leia mais

Análise econômica de sistemas fotovoltaicos para a Amazônia

Análise econômica de sistemas fotovoltaicos para a Amazônia 1 Análise econômica de sistemas fotovoltaicos para a Amazônia R. D. Oliveira, O. B. Melo, and J. C. M. Vieira, Member IEEE Abstract--This work aimed to design a stand-alone photovoltaic system to meet

Leia mais

RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, SALDO DE RADIAÇÃO E FLUXO DE CALOR NO SOLO EM CULTIVO CONSORCIADO CAFÉ/COQUEIRO-ANÃO VERDE 1

RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, SALDO DE RADIAÇÃO E FLUXO DE CALOR NO SOLO EM CULTIVO CONSORCIADO CAFÉ/COQUEIRO-ANÃO VERDE 1 RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, SALDO DE RADIAÇÃO E FLUXO DE CALOR NO SOLO EM CULTIVO CONSORCIADO CAFÉ/COQUEIRO-ANÃO VERDE 1 PEZZOPANE, J.R.M. 2 ; GALLO, P.B. 3 ; PEDRO JÚNIOR, M.J. 4 1 Trabalho parcialmente financiado

Leia mais

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 ELIAKIM M. ARAÚJO 2, JOAQUIM B. DE OLIVEIRA 3, ITALO N. SILVA 4, EDMILSON G. CAVALCANTE JÚNIOR 4, BRUNO M. DE ALMEIDA 4 1 Parte do TCC do primeiro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CHARACTERIZATION OF ENERGY FLUX IN TROPICAL FOREST, TRANSITION

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DA CHUVA COM DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO EM ÁREAS CULTIVADAS, ATRAVÉS DE TRÊS RELAÇÕES Z-R

QUANTIFICAÇÃO DA CHUVA COM DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO EM ÁREAS CULTIVADAS, ATRAVÉS DE TRÊS RELAÇÕES Z-R QUANTIFICAÇÃO DA CHUVA COM DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO EM ÁREAS CULTIVADAS, ATRAVÉS DE TRÊS RELAÇÕES Z-R ZILDENE PEDROSA O. EMÍDIO 1, ROBERTO V. CALHEIROS² ¹Meteorologista, Ph.D., Instituto de Pesquisas

Leia mais

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC Autores Monica Carvalho E-mail: meinfo@ig.com.br Jorim Sousa das Virgens Filho E-mail: sousalima@almix.com.br

Leia mais

DADOS DE PRECIPITAÇÃO ESTIMADOS POR SATÉLITE COMO PROPOSTA PARA ESTUDOS HIDROCLIMÁTICOS NO SEMIÁRIDO

DADOS DE PRECIPITAÇÃO ESTIMADOS POR SATÉLITE COMO PROPOSTA PARA ESTUDOS HIDROCLIMÁTICOS NO SEMIÁRIDO DADOS DE PRECIPITAÇÃO ESTIMADOS POR SATÉLITE COMO PROPOSTA PARA ESTUDOS HIDROCLIMÁTICOS NO SEMIÁRIDO Ranyére Silva Nóbrega, 1, Rafael Silva dos Anjos 2, Amanda Costa Amorim 3 1 Prof. Dr. Departamento de

Leia mais

ANÁLISE DA CORRELAÇÃO TEMPORAL DA VELOCIDADE DO VENTO

ANÁLISE DA CORRELAÇÃO TEMPORAL DA VELOCIDADE DO VENTO ANÁLISE DA CORRELAÇÃO TEMPORAL DA VELOCIDADE DO VENTO Anderson Araújo, Diego Vicente, Djalma Beltrão, Milton Perceus, Tatijana Stosic e Borko Stosic Programa de Pós-Graduação em Biometria e Estatística

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E BRONQUITES AGUDA E CRÔNICA EM MACEIÓ, AL.

RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E BRONQUITES AGUDA E CRÔNICA EM MACEIÓ, AL. RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E BRONQUITES AGUDA E CRÔNICA EM MACEIÓ, AL. Deydila Michele Bonfim SANTOS 1 Thalyta Soares dos SANTOS 2, Allan Rodrigues SILVA 3, José Clênio Ferreira de OLIVEIRA

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO MÉTODO DAS ISOZONAS PARA A REGIÃO AMAZÔNICA. Simei Héber Nunes Pontes - IC Iria Vendrame Fernandes - PQ

ATUALIZAÇÃO DO MÉTODO DAS ISOZONAS PARA A REGIÃO AMAZÔNICA. Simei Héber Nunes Pontes - IC Iria Vendrame Fernandes - PQ ATUALIZAÇÃO DO MÉTODO DAS ISOZONAS PARA A REGIÃO AMAZÔNICA Simei Héber Nunes Pontes - IC Iria Vendrame Fernandes - PQ RESUMO A partir de séries históricas de chuvas horárias e de 24 horas para um grupo

Leia mais

DESEMPENHO DO GERADOR CLIMÁTICO PGECLIMA_R, NA SIMULAÇÃO DE DADOS DE RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM DIAS SECOS

DESEMPENHO DO GERADOR CLIMÁTICO PGECLIMA_R, NA SIMULAÇÃO DE DADOS DE RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM DIAS SECOS DESEMPENHO DO GERADOR CLIMÁTICO PGECLIMA_R, NA SIMULAÇÃO DE DADOS DE RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM DIAS SECOS Ketleyn Pobb¹, Maysa de Lima Leite², Jorim Souza das Virgens Filho³,Bruna Luisa Dal Gobbo 4, Rafaela

Leia mais

ESTIMATIVA DA TEMPERATURA MÉDIA DIÁRIA DO AR EM DISTINTAS REGIÕES BRASILEIRAS EMPREGANDO MÉTODOS ALTERNATIVOS

ESTIMATIVA DA TEMPERATURA MÉDIA DIÁRIA DO AR EM DISTINTAS REGIÕES BRASILEIRAS EMPREGANDO MÉTODOS ALTERNATIVOS Scientia Agraria ISSN 1519-1125 (printed) and 1983-2443 (on-line) JERSZURKI, D. & SOUZA, J.L.M. Estimativa da temperatura média diária do... ESTIMATIVA DA TEMPERATURA MÉDIA DIÁRIA DO AR EM DISTINTAS REGIÕES

Leia mais

INFLUÊNCIA DE EVENTOS ENOS NA PRECIPITAÇÃO DE CAMPINAS, SP Leônidas Mantovani Malvesti 1 e Dr. Jonas Teixeira Nery 2

INFLUÊNCIA DE EVENTOS ENOS NA PRECIPITAÇÃO DE CAMPINAS, SP Leônidas Mantovani Malvesti 1 e Dr. Jonas Teixeira Nery 2 INFLUÊNCIA DE EVENTOS ENOS NA PRECIPITAÇÃO DE CAMPINAS, SP Leônidas Mantovani Malvesti e Dr. Jonas Teixeira Nery RESUMO O objetivo desse trabalho foi analisar a variabilidade interanual e a influência

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I CONCEITOS INICIAIS Professor: Emerson Galvani Atuação do Geógrafo Climatologista: Ensino, pesquisa e profissional

Leia mais

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução Apostila da Disciplina Meteorologia Física II ACA 0326, p. 40 4. Medição de Irradiância 4.1 Introdução Das grandezas radiométricas definidas no capítulo 1, os instrumentos convencionais utilizados em estudos

Leia mais

ANÁLISE DE TENDENCIAS EM DADOS DIÁRIOS DE TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS EM ESTAÇOES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DA PARAÍBA

ANÁLISE DE TENDENCIAS EM DADOS DIÁRIOS DE TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS EM ESTAÇOES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DA PARAÍBA ANÁLISE DE TENDENCIAS EM DADOS DIÁRIOS DE TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS EM ESTAÇOES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DA PARAÍBA Fabrício D. S. Silva 1, Rafaela L. Costa 2, Naurinete Barreto 3, George U. Pedra

Leia mais

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO GERTRUDES MACARIO DE OLIVEIRA 1, MÁRIO DE MIRANDA VILAS BOAS RAMOS LEITÃO, ANDREIA CERQUEIRA DE ALMEIDA 3, REGIANE DE CARVALHO BISPO 1 Doutora em Recursos Naturais,

Leia mais

Coeficientes da equação de Angström-Prescott para Parnaíba, Piauí

Coeficientes da equação de Angström-Prescott para Parnaíba, Piauí Artigo Coeficientes da equação de Angström-Prescott para Parnaíba, Piauí Aderson Soares de Andrade Júnior¹*, Donavan Holanda Noleto², Maria Eveline da Silva¹, Darlan Leão Braga³, Edson Alves Bastos¹ ¹Embrapa

Leia mais

Aspectos psicrométricos do ar no interior de plantações de cacau

Aspectos psicrométricos do ar no interior de plantações de cacau Aspectos psicrométricos do ar no interior de plantações de cacau HERMES ALVES DE ALMEIDA 1 1 Agrometeorologista, Prof o Doutor, Departamento de História e Geografia, Universidade Estadual da Paraíba, UEPB,

Leia mais

COBERTURA DE NUVENS OBSERVADA EM NATAL (RN) E ALCÂNTARA (MA) 1993 a 2005 Flávio Conceição Antonio 1,2

COBERTURA DE NUVENS OBSERVADA EM NATAL (RN) E ALCÂNTARA (MA) 1993 a 2005 Flávio Conceição Antonio 1,2 COBERTURA DE NUVENS OBSERVADA EM NATAL (RN) E ALCÂNTARA (MA) 1993 a Flávio Conceição Antonio 1,2 RESUMO - Este trabalho mostra a climatologia da nebulosidade sobre as localidades de Natal (estado do Rio

Leia mais

Índice de vegetação em clone de seringueira após a desfolha anual Vegetation Index in rubber clone after the annual defoliation

Índice de vegetação em clone de seringueira após a desfolha anual Vegetation Index in rubber clone after the annual defoliation Índice de vegetação em clone de seringueira após a desfolha anual Vegetation Index in rubber clone after the annual defoliation José Carlos Pezzoni Filho 1 ; Lucas Benso 1 ; Edson Luiz Furtado 1 ; Célia

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS (GPT)

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS (GPT) SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT 27 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS (GPT)

Leia mais

Oobjetivo do presente trabalho foi estimar e comparar a evapotranspiração

Oobjetivo do presente trabalho foi estimar e comparar a evapotranspiração Revista da Fapese, v.3, n. 2, p. 71-76, jul./dez. 2007 71 Determinação e Comparação entre Métodos de Estimativa da Evapotranspiração de Referência para a Região de Canindé do São Francisco-SE Wagner Roberto

Leia mais

PCD's Agrometeorológicas

PCD's Agrometeorológicas O que é uma PCD? As Plataformas de Coleta de Dados (PCD's) são estações automáticas que coletam, armazenam e transmitem, via satélite, dados meteorológicos e agrometeorológicos, como: temperaturas do ar

Leia mais

VARIABILIDADE MÉDIA MENSAL DE VARÁVEIS METEOROLÓGICAS EM CAXIUANÃ, ÁREA DE FLORESTA TROPICAL DA AMAZÔNIA

VARIABILIDADE MÉDIA MENSAL DE VARÁVEIS METEOROLÓGICAS EM CAXIUANÃ, ÁREA DE FLORESTA TROPICAL DA AMAZÔNIA VARIABILIDADE MÉDIA MENSAL DE VARÁVEIS METEOROLÓGICAS EM CAXIUANÃ, ÁREA DE FLORESTA TROPICAL DA AMAZÔNIA José de Paulo Rocha da Costa 1 & Renata Silva de Loureiro 2. 1 Prof. Adjunto. Departamento de Meteorologia.

Leia mais

Mestrado Integrado Engenharia da Energia e do Ambiente, Faculdade Ciências da Universidade de Lisboa, 1/12

Mestrado Integrado Engenharia da Energia e do Ambiente, Faculdade Ciências da Universidade de Lisboa, 1/12 , 6/10/009 On the web Course webpage! http:// solar.fc.ul.pt/pv_course PV blog http://solar-fcul.blogspot.com com Group page: http:// solar.fc.ul.pt On the web Radiation from the Sun Atmospheric effects

Leia mais

A Neural Network Estimation of Microgrid Maximum Solar Power

A Neural Network Estimation of Microgrid Maximum Solar Power Seminário PEA-5918 São Paulo, 30 de Agosto de 2012 Universidade de São Paulo Escola Politécnica A Neural Network Estimation of Microgrid Maximum Solar Power Abir Chatterjee, Ohio State University Ali Keyhani,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA CÍCERO MANOEL DOS SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA CÍCERO MANOEL DOS SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA N. de ordem: MET-UFAL-MS-092. CÍCERO MANOEL DOS SANTOS IRRADIAÇÃO SOLAR GLOBAL COM DIFERENTES

Leia mais