A FOLIA VEM AÍ [1] Carnaval é a festa do povo. Onde não há povo não pode haver carnaval [3]

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FOLIA VEM AÍ [1] Carnaval é a festa do povo. Onde não há povo não pode haver carnaval [3]"

Transcrição

1 A FOLIA VEM AÍ [1] Maitê dos Santos RANGEL[2] Graduanda em Licenciatura Plena em História Departamento de Ciências Humanas Campus V. Bolsista da FAPESB/ UNEB RESUMO: Este artigo procura evidenciar as práticas festivas que envolvem a micareta na cidade de Santo Antonio de Jesus nas décadas de 30 e 40 do século XX. A flexibilidade do espaço temporal permite captar as relações estabelecidas entre a comunidade, a festividade pagã e os elementos modernizadores que pouco a pouco penetram no cotidiano santantoniense, reconfigurando as práticas de sociabilidade e desarticulando formas específicas de viver a cultura. Em suma, a festa é percebida a partir de significados e valores construídos na marcha do tempo. PALAVRAS CHAVE: Cultura, popular, festa, linguagem. Carnaval é a festa do povo. Onde não há povo não pode haver carnaval [3] Povo, esta categoria abstrata e imprecisa, posta como sujeito coletivo é chamada às ruas para reavivar o carnaval. A aproximação dos dias de Momo jamais deixou de trazer ao povo a alacridade que exalta e rejuvenesce... porquanto a alegria é um dos agentes mais firmes e efficientes da vida. [4] Mas quem é este povo aclamado às ruas como peça fundamental nos festejos pagãos? Qual a função da festa no cotidiano dos agentes envolvidos? Tomando como parâmetro as informações colhidas em jornais da época, a micareta um dos festejos pagãos movimentou a vida das senhorinhas da elite da cidade. Os seus nomes estão estampados em diversos números, sempre reverenciados pela organização e pompa que conferem ao festejo, o que nos encaminha a perceber a micareta como uma produção vivida no seio da elite. Mas quem é o povo exaltado em diversos números do jornal como peça fundamental nos festejos pagãos? A elite pode ser este povo? Estaria excluso o estrato popular? Não há como considerar ou excluir totalmente as possibilidades. À luz da História Social expomos os indícios captados nos meios populares santantonienses. Depreende-se que no domínio da experiência Conflitos e Violência no campo brasileiro. 1

2 humana, entre o trabalho cotidiano e os ritos festivos, que encontramos a complexa teia de símbolos e representações, substrato para a articulação nas ações individuais e coletivas de formas específicas e criativamente diferenciadas de viver a cultura. Devassando estes caminhos, na lida diária, na solidariedade, na prosa dos intervalos de trabalho, nos ritos festivos, na voz e no silêncio, em suma, no mundo criativo das significações sociais cuja existência está ligada à experiência compartilhada por um coletivo impessoal e anônimo o povo buscamos desvendar os significados, acima de tudo humanos, das tradições na cultura. Neste universo em que heterogeneidade impera o intuito não é desenvolver padrões e aplicá-los à ação nos meios sociais; tento aqui apreender as formas de sociabilidade que conduz o individuo no campo de luta a cultura. A pesquisa inclusa no programa de Iniciação Cientifica da FAPESB, adentra num domínio de limites fluidos: o palco de atuação luta e resistência do homem, da mulher. O recorte a direciona ao Recôncavo Sul da Bahia e em específico à cidade de Santo Antonio de Jesus, revelando a sociedade multifacetada da primeira metade do século XX na sua intima relação com os folguedos pagãos e os elementos modernizadores. Nesta perspectiva, pretendo pensar a cultura enquanto uma empreitada que suscita problemáticas insolúveis haja vista os inúmeros conceitos e definições oferecidos ao termo, e as controvérsias quanto a melhor aplicação, direcionadas a tantos caminhos que é impossível associá-los numa única definição. Quando a este, adicionamos o termo popular as dificuldades são ampliadas. Além da discussão na órbita da temática central cultura popular, a apropriação do último termo arrasta consigo alguns questionamentos que necessitam de esclarecimentos prévios mesmo na ausência de um consenso quanto à argumentação. No palco cotidiano se entrevem as dificuldades que circundam conceitos imprescindíveis para a dialetização da cultura popular. Em primeira instância surge o elemento povo, referenciado aqui como ator social que conduz o ritual festivo. O sujeito coletivo povo, porém carrega uma definição fugidia. A questão fundamental é como reduzir a complexidade que envolve o termo a uma única definição, se admitimos uma sociedade não homogênea e, no Conflitos e Violência no campo brasileiro. 2

3 interior desta, grupos sociais repletos de particularidades, diversidades e conflitos. O campo em que se inserem as reflexões oferece ainda outras questões a serem pontuadas neste trabalho. Em se tratando de cultura popular temos a nossa frente um duplo problema. Tomando como fundamento a conceituação oferecida por Hall consideramos aqui o popular em sua oposição ao bloco de poder e sua respectiva produção. As bases do popular são estruturadas a partir da oposição entre o que pertence ao domínio da elite e o que é periférico. Nesse ponto é imprescindível ressaltar que os conteúdos de cada categoria elite e popular modificam-se com o tempo, num processo de reelaboração e apropriação ininterrupto [5]. Partindo desta relação que estrutura o popular em oposição à elite, delimitamos o sujeito povo em oposto ao bloco de poder, sem, contudo negar as forças interativas entre ambos. Não há, portanto, uma separação dicotomizada; neste campo os limites são fluidos e as formas de luta interpenetram-se com as possibilidades de mudança. A marcha do tempo, a marcha da mutabilidade delimita a sociedade. Nesse contexto o princípio estruturador do domínio, seja ele popular ou elitista, não são os conteúdos, mas as forças e relações estabelecidas entre as partes. Advém deste conflito a distinção essencial entre a cultura representativa de uma elite de poder político-econômico e a cultura popular. No âmago, estão as relações que estabelecem um marco mesmo que tênue no interior da cultura, entre o que é preferencial e residual. Desta forma o essencial em uma definição de cultura popular são as relações que colocam a ' cultura popular ' em uma tensão contínua (de relacionamento, influência e antagonismo) com a cultura dominante[...] [6], já que as formas, categorias e atividades culturais são em essência mutáveis. Assim, não há um padrão que defina os indivíduos como uma massa homogênea inclusa no sujeito coletivo povo, como não há conteúdo determinado e imutável que preencha a cultura popular ou o seu oposto. Cultura popular é o campo que protagoniza as transformações. Parafraseando Hall, a cultura é aqui concebida não como uma forma de vida, mas como forma de luta. Desta forma, é preciso atentar para a instituição do social de um ângulo tridimensional; confrontar as possibilidades do individuo particular que, dos Conflitos e Violência no campo brasileiro. 3

4 costumes no seio da comunidade, do corpo coletivo, retira o substrato que legitima e oferece os padrões para a sua ação no meio social. O homem está em relação constante com o seu meio. Nesse sentido, ritos, festividades, trabalho, rezas e cantorias encontram-se imbricadas na esfera de instituição social, na qual o homem efetiva a criação do seu mundo, enredando a si na sua própria construção. [7] Nos relatos do jornal O Palladio, periódico produzido no município de Santo Antonio de Jesus, durante a primeira metade do século XX, é possível perceber a dinâmica das festas que tomavam as ruas no mês de abril. Encenavam o folguedo alguns grupos chamados de Cordões ou Pranchas, como enuncia o trecho abaixo: Há varias combinações que se organizam para o bello folguedo. Cordões talvez aparesam seis. Pranchas três, ao certo. Afóra os grupos miúdos, que, quando decentes e espirituosos, concorrem muito para a alegria das ruas. [8] Surpreende-se nessa passagem a referência a grupos miúdos. Quem seriam estes miúdos? Seriam camadas populares da sociedade santantoniense? Certamente a periferia não estava exclusa do belo folguedo que iluminava as ruas com a alacridade que exalta e rejuvenesce. Mesmo que não estivessem doando movimento às vestimentas dos Cordões, há a relação, que de modo algum é nula, entre a apresentação e o [...] público, que se diverte directamente com as ditas festas [9]. Atores, coadjuvantes e expectadores estabelecem interconexões com o texto social rito e a festa. Mas, há um sentido neste elo? Com todos os requintes lingüísticos próprios, eis a importância atribuída à festa na década de trinta: Sem ela, teria um grande desenvolvimento a escola sombria dos misantropos, dos scepticos, dos descrentes, e em vez da sociedade vivaz, confortadora e vibrátil dos dias que passam, teríamos o infortúnio de ver um conjuncto indesejável de tíbios, somnolentos, taciturnos, povoando terras fadadas para crear verdejante a árvore do bello e dos prazeres.[10] De forma prática, a música, as máscaras, o batuque e as vestimentas que compõem um festejo, são impressos na vida, no cotidiano do trabalho ao passo que retira destes o substrato legitimador das ações agindo como lenitivo às durezas da vida. A função cotidiana funda-se numa espécie de válvula de escape, e tanto a festa em si como a reminiscência desta Conflitos e Violência no campo brasileiro. 4

5 conjugada ao saudosismo dribla as adversidades do dia a dia e arremessam ao humano, o mundo carnavalesco, a alegria, o riso, a dança e a inversão dos dias de festa enunciada como a alegria do mundo [11]. O trecho a seguir põe em relevo uma questão importante para a construção analítica a que nos propomos: [...] quando estas diversões passam ao domínio público levando alegria ao povo, tomam o caráter de divertimento geral, todos se lavam e retemperam nesse mar de brincadeira, de alegria, que passa a ser de gozo comum.. [12] O domínio público a rua é o palco que comporta a ação em comunidade de um povo diverso, heterogêneo. O povo num sentido amplo é convidado às ruas para o gozo num tempo em que já é crescente o confinamento das festas em ambientes privados. Para além deste processo, é neste retemperar-se efetuado simbolicamente nas ruas, que a festa popular, seja qual for a sua dinâmica, se imprime no cotidiano de forma a amainar as agruras. A sociedade se inscreve de diversas formas em seus autores/ leitores, participantes dos ritos. A ação de interpretar, reelaborar encontra-se em uma dinâmica constante com as expectativas e aptidões dos indivíduos, que, a partir desta relação se apropriam de forma diferenciada dos ritos festivos. O contexto social de ação em comunidade, formador de um texto impregnado pela vivência dos agentes que o constroem, é a mediação para o conhecimento do social, singular e coletivo. Num jogo de interpretações, o que está escrito ou é pronunciado encontra-se permeado pela subjetividade do sujeito. Nos limites de sua mente imaginativa, o historiador dialoga subjetivamente com o objeto, lançando sobre este o seu olhar, e mesmo a sua vida, captando fragmentos esparsos, que jamais poderão lhe oferecer uma visão total dos fatos. A experiência imprime não só na construção dos ritos, mas na narrativa uma feição própria ligada ao contexto no qual estes se desenvolvem. Dessa forma, o narrado cotidianamente terá as marcas de seu narrador conjugadas no domínio da reminiscência pela narrativa que mergulha a coisa na vida do narrador para em seguida retirá-la dele. Assim se imprime na narrativa a marca do narrador, como a mão do oleiro na argila do vaso. [13] Atores e expectadores da micareta têm papel ativo na construção dos significados individuais. Nesse sentido, o popular enquanto criação cotidiana Conflitos e Violência no campo brasileiro. 5

6 expande sua autoria ao domínio público e impessoal do povo heterogêneo e repleto de singularidades vividas. Nenhuma informação é aqui transplantada como um objeto inalterado; os ritos passam pelo filtro da interpretação/ reelaboração/ apropriação tendo como pressuposto a identificação entre sujeito e prática festiva. A vivência do individuo identificada nos elementos rituais confere à apropriação significado e valor, e só haverá valor se houver esta aproximação e reconhecimento da própria vida do individuo no rito construído em comunidade. Isto se dá no campo conflituoso no qual impera uma tensão constante intermediando a capitulação e a resistência. As manifestações festivas encontram-se impregnadas de significados e valores ligados à experiência de vida entrelaçada no cotidiano do trabalho. Recriações e reinterpretações que instigam formas de sociabilidade, modos de organização, expressão e interesses, que por vezes se contrapõe aos interesses e padrões difusos pelo poder hegemônico. No estudo que envolve a dinâmica histórica da festa micareta evidencia-se o rumo tomado pelos festejos populares nas últimas décadas do século XX, no Recôncavo sul da Bahia. A transformação cultural é um eufemismo para o processo pelo qual algumas formas e práticas culturais são expulsas do centro da vida popular e ativamente marginalizadas. Em vez de simplesmente caírem em desuso através da Longa Marcha para a modernização, as coisas foram ativamente descartadas, para que outras pudessem tomar seus lugares. [14] Converge com o pensamento de Hall, a experiência da rápida desarticulação dos estilos específicos de vida no recôncavo baiano. Muitos ritos inclusos no rol da vivência popular foram descartados frente ao avanço do que a modernização direciona como preferencial. Este é o caso do Terno de Reis que deixou de acontecer há alguns anos na cidade de Santo Antonio de Jesus; o mesmo sucedeu à Chegança na cidade de Nazaré e a outros ritos que foram expulsos das ruas e sobrevivem apenas na memória que se perde dia após dia. Manifestações festivas que não foram relegadas à memória, sofreram interferências de tal ordem que pouco a pouco passam do domínio popular ao espetáculo, rompendo com as raízes profundas de sua significação. Nesta transição nota-se a ruptura do elo que possibilita a identificação entre a festa e o povo. Desta forma, desalinha-se o trabalho em comunidade, a ajuda de Conflitos e Violência no campo brasileiro. 6

7 todos na confecção de roupas e acessórios. Desaparece ou perde o vigor a ligação comunitária, os laços interligando o corpo social à produção de uma expressão na qual transluz a própria organização da sociedade. A micareta que enfeitava as ruas de Santo Antonio de Jesus nas décadas de 30/40, não mais existe. O panorama composto pelos fragmentos do jornal e pelos depoimentos permite entrever as diferentes feições que a festa assumiu até sua desarticulação na década de 90. Nas palavras do Sr. Augusto Soares a festa tomava a rua... saia todo mundo de fantasia, uma roupa especial... e máscara atrás do tambo. Tambo normal, feito em casa. Tinha muitos grupos... se organizava e saia depois da semana santa.[15] Em contraponto na vivência do Sr. Claudemiro figura uma outra feição: Naquele tempo a festa era diferente, não tinha a ladroagem que tem hoje... não tinha confusão. Chegava o trio e a gente brincava, mas isso a dez, doze anos atrás.... [16] Das máscaras ao trio elétrico, a festa, no campo conflituoso da cultura, debateu com a modernização e fora relegada ao tempo saudoso forjado na reminiscência. Mas, insistir no retorno às festas passadas seria o caminho frente a crescente desarticulação do que um dia pertenceu à cultura popular? Assistimos ao avanço avassalador da chamada modernidade e seus elementos representativos; a sua penetração na comunidade popular reconfigurando as práticas cotidianas A modernidade caminha de mãos dadas com um tempo que não comporta laços íntimos de solidariedade. Em nosso século, os ponteiros do relógio marcam o tempo em que não há tempo. Na história, nos acontecimentos encadeados na teia da vida, cada passo impõe uma modificação; cada gesto poderá imprimir um novo significado. Assim, os ritos festivos enfrentam as transformações construídas no tempo. Muitos, em algum ponto da história, foram descartados da prática, banidos das ruas e o que fora expressão de uma comunidade, sobrevive ao menos na memória de pessoas que nem sempre encontram ouvidos para fazer ecoar suas histórias. Das manifestações que ao longo do tempo perderam o palco de sua atuação as ruas restam na memória de quem as viveu intensamente ou presenciou, as expressões e significados, filtrados pelo olhar da experiência; narrados e revividos no plano imaterial da reminiscência. Conflitos e Violência no campo brasileiro. 7

8 As experiências de vida retalhadas pela memória de um tempo nostálgico, permite entrever um saudosismo marcante condensado na máxima no meu tempo não era assim. Mas tradição tem pouco a ver com persistência das velhas formas; relaciona-se às formas de associação e articulação dos elementos no tempo.[17] Enquanto tudo é movimento, reproduz-se o que é vivo e significativo na dinâmica da vida em sociedade. Neste processo não há formas imutáveis. Tradição na cultura popular é uma forma de agir; é ação que conduz os elementos do povo à dialetização com as formas preferenciais dispostas no campo de luta. A empreitada é um tanto delicada à medida que é imprescindível um envolvimento profundo com uma temática conceitualmente fugidia, a fim de conferir verossimilhança e coerência à pesquisa. Mas, para além das dificuldades encontradas, a lida histórica é apaixonante. Deitar o olhar nas minúcias da sociedade e adentrar no universo de criação social, permite vislumbrar uma complexa teia de símbolos e representações d'onde emerge o homem enquanto ser social. Tomar esta engrenagem como objeto de estudo constitui-se em um desafio, à medida que se torna imprescindível atentar para as forças dialéticas interpostas no campo de luta que é a cultura. Mas os obstáculos tornam o objeto ainda mais desejado, apaixonante. Nas linhas antecedentes estão expressas as primeiras considerações de uma pesquisa em andamento. O trajeto a percorrer tem como fim aprofundar as leituras da sociedade, do homem e dos festejos populares no Recôncavo sul da Bahia na sua intima relação com os elementos modernizadores que penetraram no cotidiano modificando as práticas de sociabilidade e mesmo desarticulando formas específicas de viver. NOTAS: [1] - Artigo elaborado como parte integrante do projeto de pesquisa A estética da Criação Popular: em Santo Antonio de Jesus: um mergulho na construção dos ritos festivos. [2] -Graduanda em Licenciatura Plena em História pela Universidade do Estado da Bahia. Departamento de Ciências Humanas Campus V. Bolsista da FAPESB Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia. [3] - O Palladio. 14 de Fevereiro de Ano XL; N Conflitos e Violência no campo brasileiro. 8

9 [4] - O Palladio. 21 de fevereiro de Ano XXXV; N [5] - Ver: HALL, Stuart. Notas sobre a desconstrução do popular. In: Identidades e Mediações Culturais. Organização Lev Sovik; Traduçãode Addelaine La Guardia Resende...[ et al ]. Belo Horizonte: Editora UFMG;Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, [6] - Idem nota anterior. p [7] - Ver CASTORIADIS, Cornelius. O Imaginário: a criação o domínio socialhistorico. In: Encruzilhadas do Labirinto II: Domínios do Homem. Traduzido por José Oscar de Almeida Marques. Rio de Janeiro; Paz e Terra, [8] - O palladio. 20 de Março de Ano XL; num [9] - O Palladio. 20 de Março de Ano XL; num [10] - O Palladio. 21 de fevereiro de Ano XXXV; num [11] - Rafael Pereira Galvão, pedreiro, 76 anos, residente na cidade de Nazaré. Entrevista realizada em 16/ 01/ [12] - O Palladio. 20 de Março de Ano XL; num [13] - BENJAMIN, Walter. O Narrador. Considerações sobre a obra de Nicolai Lescov. In: Magia e Técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história Cultural. Traduzido por Sérgio Paulo Rouanet. 7 ed. São Paulo; Brasiliense, [14] - HALL, Stuart p [15] - Augusto Soares da Silva, feirante aposentado, 87 anos, residente na cidade de Santo Antonio de Jesus. Entrevista realizada em 13/ 12/ [16] - Claudemiro Souza Barreto, motorista, 56 anos, residente na cidade de Santo Antonio de Jesus. Entrevista realizada em 09/ 04/ [17] - Idem nota 5. Conflitos e Violência no campo brasileiro. 9

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Entre a expressão e a intenção: possibilidades de construção narrativa através da transcriação em história oral

Entre a expressão e a intenção: possibilidades de construção narrativa através da transcriação em história oral Entre a expressão e a intenção: possibilidades de construção narrativa através da transcriação em história oral Marcela Boni Evangelista Mestre em História Social Departamento de História - USP Núcleo

Leia mais

Recorde: Revista de História de Esporte volume 1, número 2, dezembro de 2008

Recorde: Revista de História de Esporte volume 1, número 2, dezembro de 2008 CAPOEIRA THE HISTORY OF AN AFRO-BRAZILIAN MARTIAL ART RESENHA Prof. Vivian Luiz Fonseca Fundação Getúlio Vargas - PPHPBC CPDOC/FGV Rio de Janeiro, Brasil vivianluizfonseca@gmail.com Recebido em 9 de setembro

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaella Oliveira SILVA; Ananda Luiza Bezerra DESTRO; Cecilia Yade Nogueira ALVES; Marlini Dorneles de LIMA. FEF litlle_rafaella@hotmail.com Palavras-chaves:

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014

Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014 Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014 Festa do Divino Espírito Santo e seu registro fotográfico. Jairton Ortiz

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

ARTESANATO: ARTE E CULTURA POPULAR

ARTESANATO: ARTE E CULTURA POPULAR ARTESANATO: ARTE E CULTURA POPULAR Resumo: No contexto da arte, pintura, escultura, desenho, instalações e demais artefatos que seguem a mesma denominação, existem fatores que parte da realidade da cultura

Leia mais

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO Patricia Neves de Almeida Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Sorocaba (UNISO) patricia.almeida@prof.uniso.br Resumo: O presente texto refere-se

Leia mais

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC)

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) 009 ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) André Carreira (Orientador) (UDESC - CNPq) RESUMO: Esta pesquisa busca compreender como a

Leia mais

imediato, a magia (o âmbito da comunhão) da participação onde se tem a distância.

imediato, a magia (o âmbito da comunhão) da participação onde se tem a distância. A CRIANÇA EM WALTER BENJAMIN E FLORESTAN FERNANDES FLORES, Zilá Gomes de Moraes - UNIJUÍ GT: Educação de Crianças de 0 a 6 anos/ n.07 Agência Financiadora: Não contou com financiamento. Na atualidade muitos

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Considerações finais

Considerações finais Considerações finais Nesta tese, analisei os discursos e as práticas que materializam a condição social das crianças, das professoras e da Educação Infantil no município de Belo Horizonte. Propus conhecer

Leia mais

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é OS SURDOS : SUJEITOS DE UMA CULTURA PRÓPRIA NUM ESPAÇO MULTICULTURAL? Valéria Simplício 1 (Faculdade São Luís de França) RESUMO O presente trabalho procura fazer uma reflexão acerca da relação entre a

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais.

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais. Nesse artigo realizamos uma discussão sobre a importância de atividades lúdicas na educação de crianças com necessidades especiais. Propomos explicitar a possibilidade de levar para o ambiente escolar

Leia mais

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro 1 www.oxisdaquestao.com.br Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro Texto de CARLOS CHAPARRO A complexidade dos confrontos da atualidade, em especial nos cenários políticos, justificaria

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Cláudia, MT 2008 Trabalho de Conclusão apresentado como requisito parcial para

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Vera Lúcia Lúcio Petronzelli Colegiado do Curso de Matemática UNIOESTE- Campus de Cascavel vlpetronzelli@certto.com.br ALFABETIZAÇÃO e EDUCAÇÃO MATEMÁTICA:

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos A TRANSMUTAÇÃO DE LINGUAGENS NO MOVIMENTO CRIADOR DO CARNAVALESCO PAULO BARROS Juliana dos Santos Barbosa (UEL) juliana.barbosa@londrina.pr.gov.br

Leia mais

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO VIANA, Valdecir Lopes Universidade Federal de Minas Gerais Valdecir_viana@yahoo.com.br RESUMO Este texto integra as reflexões

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO NÃO-PRESENCIAL

ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO NÃO-PRESENCIAL ORIENTAÇÕES PARA O ENSINO NÃO-PRESENCIAL PrezadoCursista: Estetextoapresentaorientaçõessobrenaturezaeescolhadasatividades,características doestudoadistância,importânciadocalendárioecronograma.durantealeituravocê

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Luísa Kiefer...a nossa experiência diária parece mostrar que nos constituímos como seres que se deslocam pela vida, com a única certeza da

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

[Rio] Cidade Criativa: Cultura como Quarto Pilar do Desenvolvimento

[Rio] Cidade Criativa: Cultura como Quarto Pilar do Desenvolvimento 1 [Rio] Cidade Criativa: Cultura como Quarto Pilar do Desenvolvimento Regina Miranda Presidente, Fórum Internacional Rio Cidade Criativa Diretora, Cidade Criativa / Transformações Culturais Com a evolução

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

Universalização do acesso, com permanência e aprendizagem em tempo adequado no ensino fundamental: ELSIO J. CORÁ

Universalização do acesso, com permanência e aprendizagem em tempo adequado no ensino fundamental: ELSIO J. CORÁ Universalização do acesso, com permanência e aprendizagem em tempo adequado no ensino fundamental: possibilidades a partir do espaço escolar e do espaço habitado ELSIO J. CORÁ JUNHO/ 2015 Universalização

Leia mais

Palavras-chave: relação pais-escola-educadores, qualidade na educação, atuação educacional.

Palavras-chave: relação pais-escola-educadores, qualidade na educação, atuação educacional. 1 PAIS E EDUCADORES: IDENTIFICANDO SIGNIFICADOS A RESPEITO DA RELAÇÃO FAMÍLIA-ESCOLA Josiane da Costa Mafra josimafra@hotmail.com Lúcia Helena Ferreira Mendonça Costa luciacost@hotmail.com Camila Turati

Leia mais

A CRIANÇA, O MUNDO E A ESCOLA: POR UMA EDUCAÇÃO BRINCANTE

A CRIANÇA, O MUNDO E A ESCOLA: POR UMA EDUCAÇÃO BRINCANTE A CRIANÇA, O MUNDO E A ESCOLA: POR UMA EDUCAÇÃO BRINCANTE Resumo Rosalina Lima do Nascimento 1 - FE/UNB Luciana da Silva Oliveira 2 -EAPE/ SEDF Grupo de Trabalho - Educação da Infância Agência Financiadora:

Leia mais

A PESQUISA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: À LUZ DO CONCEITO DE RESPONSIVIDADE NA ESTÉTICA BAKHTINIANA

A PESQUISA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: À LUZ DO CONCEITO DE RESPONSIVIDADE NA ESTÉTICA BAKHTINIANA A PESQUISA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: À Resumo LUZ DO CONCEITO DE RESPONSIVIDADE NA ESTÉTICA BAKHTINIANA SOUZA, Maiara Ferreira de 1 - UFJF LEITE, Ariane Rodrigues Gomes 2 - UFJF BERTOLDO,

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

A Pesquisa Crítica de Colaboração- aspectos teóricos-metodológicos da pesquisa

A Pesquisa Crítica de Colaboração- aspectos teóricos-metodológicos da pesquisa O BRINCAR NO PROCESSO DE REFLEXÃO CRÍTICA ENTRE PESQUISADORAS E COORDENADORAS DE CRECHES Resumo ABREU, Maritza Dessupoio de 1 - UFJF GOMES, Lilian Marta Dalamura 2 - UFJF SCHAPPER, Ilka 3 - UFJF Grupo

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Bianca das Neves Silva Professora da rede municipal de Jundiaí Profa. Dra. Luciene Farias de Melo Coord. do Curso de Educação Física da Faculdade

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

5. Considerações Finais

5. Considerações Finais 5. Considerações Finais No fim, realizada a viagem do mais complexo (ainda abstrato) ao mais simples e feito o retorno do mais simples ao mais complexo (já concreto) a expressão (...)passa a ter um conteúdo

Leia mais

A criatividade a serviço do saber

A criatividade a serviço do saber A criatividade a serviço do saber Walmir Gomes A escola é o espaço responsável pelo desenvolvimento do homem como sujeito de sua história, ela deve prepará-lo para uma socialização com o meio, no entanto

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES SOBRE O ESTADO DO AMAPÁ. André Marcio Picanço Favacho 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES SOBRE O ESTADO DO AMAPÁ. André Marcio Picanço Favacho 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES SOBRE O ESTADO DO AMAPÁ. André Marcio Picanço Favacho 1 Introdução O estudo em andamento procura analisar o projeto político-pedagógico de uma escola pública de

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

PALAVRAS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS JURACY ASSMANN SARAIVA - CENTRO UNIVERSITÁRIO FEEVALE

PALAVRAS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS JURACY ASSMANN SARAIVA - CENTRO UNIVERSITÁRIO FEEVALE PALAVRAS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS JURACY ASSMANN SARAIVA - CENTRO UNIVERSITÁRIO FEEVALE RESUMO A leitura na escola pode ser um momento de encontro, de trocas de experiências afetivas e cognitivas que

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COM O BRINCAR NUMA TURMA DE PRÉ- ESCOLA: APRENDIZAGENS DE UMA ESTAGIÁRIA INICIANTE

EXPERIÊNCIAS COM O BRINCAR NUMA TURMA DE PRÉ- ESCOLA: APRENDIZAGENS DE UMA ESTAGIÁRIA INICIANTE EXPERIÊNCIAS COM O BRINCAR NUMA TURMA DE PRÉ- ESCOLA: APRENDIZAGENS DE UMA ESTAGIÁRIA INICIANTE RITA DE CÁSSIA TAVARES MEDEIROS 1 NATÁLIA LORENA NOLA 2 RESUMO Este trabalho é fruto do estágio final do

Leia mais

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal CONCLUSÃO Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal afirmarmos que todos os objetivos da pesquisa foram atingidos. Mesmo porque o campo mostrou-se muito mais amplo e

Leia mais

Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian

Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian Mestranda em Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. ly_carol@yahoo.com.br

Leia mais

MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Autora: Juliete Soares de Albuquerque Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Co-autora: Geruslandia Almeida

Leia mais

Feito de Barro para uma Cultura Viva 1. Anderson Alves de MORAIS 2 Iraê Pereira MOTA 3 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE.

Feito de Barro para uma Cultura Viva 1. Anderson Alves de MORAIS 2 Iraê Pereira MOTA 3 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE. Feito de Barro para uma Cultura Viva 1 Anderson Alves de MORAIS 2 Iraê Pereira MOTA 3 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE. RESUMO: Este paper tem como objetivo relatar o processo de produção de um

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Valéria Carrilho da Costa

Valéria Carrilho da Costa A FOLIA NA ESCOLA: ENTRE CORES E CANTOS Valéria Carrilho da Costa gmacala@netsite.com.br Prefeitura Municipal de Uberlândia E.M. Profª Maria Leonor de Freitas Barbosa Relato de Experiência Resumo O projeto

Leia mais

O PROCESSO DA ESCOLARIZAÇÃO NO CAMPO, INGRESSO NA UNIVERSIDADE E O TRABALHO COM A EDUCAÇÃO POPULAR

O PROCESSO DA ESCOLARIZAÇÃO NO CAMPO, INGRESSO NA UNIVERSIDADE E O TRABALHO COM A EDUCAÇÃO POPULAR O PROCESSO DA ESCOLARIZAÇÃO NO CAMPO, INGRESSO NA UNIVERSIDADE E O TRABALHO COM A EDUCAÇÃO POPULAR Henrique Bocalon; Lisiane Costa Claro; Vilmar Alves Pereira Resumo O presente trabalho é um relato de

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

Justificativa. Público Alvo. 4º ano do ensino fundamental. Conceituais. Procedimentais. Atitudinais

Justificativa. Público Alvo. 4º ano do ensino fundamental. Conceituais. Procedimentais. Atitudinais Justificativa No início do ano letivo, o reencontro com os amigos e novas amizades reflorescem vínculos e esperanças renovadas. Este é um momento propício para o trabalho com a pluralidade cultural e para

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS Resumo LUCAS, Maria Angélica Olivo Francisco 1 - UEM Grupo de Trabalho - Formação de professores e

Leia mais

O Significado do Conceito de Função

O Significado do Conceito de Função O Significado do Conceito de Função Lívia de Oliveira Vasconcelos 1 GD5 História da Matemática e Cultura Resumo do trabalho. Nessa pesquisa queremos compreender como a interação de um grupo, constituído

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

O MORRO DO CASTELO E A PRAÇA ONZE: TERRITÓRIOS EM DISPUTA

O MORRO DO CASTELO E A PRAÇA ONZE: TERRITÓRIOS EM DISPUTA O MORRO DO CASTELO E A PRAÇA ONZE: TERRITÓRIOS EM DISPUTA Por Sheille Soares de Freitas * SILVA, Lúcia Helena Pereira da. Luzes e sombras na cidade: no rastro do Castelo e da Praça Onze: 1920/1945. Rio

Leia mais

O saber cotidiano: a casa e a rua como lugares do conhecimento

O saber cotidiano: a casa e a rua como lugares do conhecimento O saber cotidiano: a casa e a rua como lugares do conhecimento O que mobiliza esta aula é a vida cotidiana, o significado da casa e da vida doméstica, da rua e do espaço público como conformadores de nosso

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

ENSINANDO E PESQUISANDO NA CÁTEDRA PAULO FREIRE DA PUC/SP. Resumo

ENSINANDO E PESQUISANDO NA CÁTEDRA PAULO FREIRE DA PUC/SP. Resumo 2 ENSINANDO E PESQUISANDO NA CÁTEDRA PAULO FREIRE DA PUC/SP SAUL, Ana Maria anasaul@uol.com.br Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/PUC/SP Programa de Pós-Graduação em Educação: Currículo Resumo

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA.

ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA. ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA. SOUZA 1, Carla Farias UFSM carla_fs111@yahoo.com.br NUNES

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DAS CONTRIBUIÇÕES DE MALINOWSKI PARA A PESQUISA DE CAMPO EM CIÊNCIAS SOCIAIS

REFLEXÕES ACERCA DAS CONTRIBUIÇÕES DE MALINOWSKI PARA A PESQUISA DE CAMPO EM CIÊNCIAS SOCIAIS REFLEXÕES ACERCA DAS CONTRIBUIÇÕES DE MALINOWSKI PARA A PESQUISA DE CAMPO EM CIÊNCIAS SOCIAIS Marlon Leal RODRIGUES NEAD/UEMS/UFMS/UNICAMP Antonio Carlos Santana de SOUZA NEC/UEMS Escrever acerca de Malinowski,

Leia mais

REGISTROS HISTÓRICOS, HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: um estudo historiográfico do Alto Sertão da Bahia no período colonial

REGISTROS HISTÓRICOS, HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: um estudo historiográfico do Alto Sertão da Bahia no período colonial 1537 REGISTROS HISTÓRICOS, HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: um estudo historiográfico do Alto Sertão da Bahia no período colonial SOUZA JÚNIOR, Tadeu Baliza de 1 ; NEVES, Erivaldo Fagundes 2 1. Bolsista PROBIC,

Leia mais

PAULO FREIRE E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO ATO POLÍTICO: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA

PAULO FREIRE E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO ATO POLÍTICO: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA PAULO FREIRE E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO ATO POLÍTICO: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA Jane Schumacher 1 Eduardo da Luz Rocha 2 Lucas da Silva Martinez 3 Resumo A Educação Ambiental por si só, é uma prática contemporânea,

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Patos de Minas: UNIPAM, (3):118 123, 2010 ISSN 1984 0705 Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico

Leia mais

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Porto Alegre, RS Brasil 25, 26 e 27 de outubro de 2007 SISTEMATIZAÇÃO DAS MESAS TEMÁTICAS Objetivos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

Questões - Festas populares do mês de junho

Questões - Festas populares do mês de junho Questões - Festas populares do mês de junho 1. Descreva os elementos característicos da Festa Junina presentes nas imagens. Abertura de São João 2011, no Pelourinho http://commons.wikimedia.org/wiki/file:s%c3%a3o_jo%c3%a3o_no_pel%c3%b4_2.jpg

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa

AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa V CONGRESSO DE ENSINO E PESQUISA DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM MINAS GERAIS 1 AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa Luiz Miguel Galvão Queiroz 1 Paulo Sérgio

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NAS DÉCADAS DE 60 E 70 SÉCULO XX

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NAS DÉCADAS DE 60 E 70 SÉCULO XX Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 67 72 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NAS DÉCADAS DE 60 E 70 SÉCULO XX JUNIOR, Carlos Faria¹ SOUZA, Patrícia do Nascimento Boechat de².

Leia mais