MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO"

Transcrição

1 1/20 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORAÇÃO REVISÃO APROVAÇÃO Ana Bezerra Diretora Corporativa Jean Fontes Departamento de Riscos Olympia Baptista Gerência de Controles Internos e Compliance Luiz Eduardo Franco de Abreu Diretor-Presidente

2 2/20 SUMÁRIO PARTE I IDENTIFICAÇÃO OBJETIVO VIGÊNCIA ABRANGÊNCIA FREQUÊNCIA RESPONSÁVEL HISTÓRICO DAS REVISÕES DOCUMENTO DE REFERÊNCIA DOCUMENTOS COMPLEMENTARES DEFINIÇÕES... 4 PARTE II CONTEÚDO... 5 RESPONSABILIDADES... 5 PRINCIPIOS DA MACAÇÃO À MERCADO... 5 CONVENÇÕES ADOTADAS... 6 APLICAÇÃO DOS PREÇOS ÀS CARTEIRAS... 7 SURPERVISÃO DINÂMICA DA METODOLOGIA... 7 APLICAÇÃO DA METODOLOGIA... 7

3 3/20 PARTE I IDENTIFICAÇÃO 1. OBJETIVO Este documento apresenta as regras e os critérios de Marcação a Mercado para os ativos dos fundos e carteiras dos clientes da NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A.. As regras apresentadas neste documento são baseadas no Código de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento, emitido pela ANBIMA. 2. VIGÊNCIA A partir da data de sua publicação, conforme consta no cabeçalho desta Norma. 3. ABRANGÊNCIA NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A.. 4. FREQUÊNCIA Este Manual deve ter como frequência mínima a periodicidade de cálculo das cotas. 5. RESPONSÁVEL Departamento de Riscos ( DERIS ) e Diretoria Corporativa ( DICOR ). 6. HISTÓRICO DAS REVISÕES Esta é a versão do Manual de Marcação a Mercado. As alterações estão grifadas em estilo de fonte negrito itálico. 7. DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Código de Regulação e Melhores Práticas para Fundos de Investimento; Instrução CVM 409, de 18 de Agosto de 2004; Resolução Bacen nº 2.682, de 21/12/1999; Resolução MPAS/CGPC nº 08, de 19/06/2002; Resolução MPAS/CGPC n 28, de 26/01/2009; NR-DC-DIR Comitê de Riscos Globais. 8. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES Não aplicável.

4 4/20 9. DEFINIÇÕES 9.1. BM&FBOVESPA: Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros Fonte Alternativa: São opções de fontes para a obtenção de preços e taxas para a marcação a mercado de títulos e/ou ativos integrantes nas carteiras Fonte Primária: É a primeira fonte para a obtenção de preços e taxas para a realização da marcação a mercado dos títulos de títulos e/ou ativos integrantes nas carteiras Marcação a Mercado: A Marcação a Mercado (MAM) consiste em registrar todos os ativos, para efeito de valorização e cálculo de quotas dos fundos de investimento, pelos preços transacionados no mercado em casos de ativos líquidos ou, quando este preço não é observável, pela melhor estimativa de preço que o ativo teria em uma eventual transação feita no mercado. A marcação a mercado tem como principal objetivo evitar a transferência de riqueza entre os diversos cotistas dos fundos e, além disto, dá maior transparência aos riscos embutidos nas posições, uma vez que as oscilações de mercado dos preços dos ativos, ou dos fatores determinantes destes, estarão refletidas nas quotas, melhorando assim a comparabilidade entre suas performances.

5 5/20 PARTE II CONTEÚDO 1. Estrutura organizacional envolvida no processo de marcação a mercado 1.1. O Departamento de Riscos da NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A. é responsável pela elaboração e aplicação dos modelos demonstrados neste Manual de Marcação a Mercado O acompanhamento dos assuntos relativos à marcação a mercado é realizado através do Comitê de Riscos Globais ( CORIG ). A constituição e estruturação do CORIG decorreram do processo de análise das melhores práticas de mercado, alinhados a gestão com foco em governança corporativa O CORIG é composto por (sete) integrantes, e a periodicidade e convocação das reuniões ocorre anualmente, ou quando necessário. Suas deliberações são tomadas por maioria de votos, cabendo ao Diretor Presidente, além do próprio, o voto de qualidade, nos casos de empate. Os assuntos são registrados em Atas, assinadas pelos membros e representantes da Administração, quando presentes, e arquivados por um período mínimo de 05 (cinco) anos. 2. Princípios da Marcação a Mercado 2.1. De acordo com as Diretrizes de Marcação a Mercado, a ANBIMA recomenda às Instituições participantes a utilização dos seguintes princípios de Marcação a Mercado (MaM): Formalismo: a NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A. detém estrutura de Precificação e Risco independente, responsável pela execução das atividades diárias de MaM e guarda dos documentos pertinentes a decisões tomadas Abrangência: todos os ativos que fazem parte das carteiras dos fundos dos clientes da NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A. possuem o mesmo critério de MaM, evitando assim transferência de riquezas Melhores Práticas: os processos e metodologia utilizados pela NSG CAPITAL NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A. seguem as melhores práticas de mercado Comprometimento: a NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A. busca constantemente aperfeiçoar seus métodos e fontes de dados, a fim de representar ao ativo um preço justo e condizente com os praticados no mercado Equidade: a NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A. é imparcial nos procedimentos utilizados na MaM de seus fundos indistintamente Objetividade: as fontes utilizadas pela NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A., na sua maioria, são públicas independentes e todas auditáveis Consistência: os ativos são marcados a mercado sem a observação dos fundos e carteiras que os possuem, evitando que um mesmo ativo tenha preços diferentes em qualquer dos fundos sob abrangência destas diretrizes Frequência: o Manual deve ter como frequência mínima a periodicidade de cálculo das cotas; Transparência: o MaM deve ser disponibilizado no próprio site e a versão completa

6 6/20 à ANBIMA e seus clientes, demonstrando assim total transparência em seus métodos. 3. Convenções Adotadas 3.1. Contagem de dias Existem várias formas de se realizar a contagem de dias entre duas datas, dentre as quais as mais usadas são: dias corridos, dias úteis e dias corridos com meses de 30 dias A contagem de dias em dias corridos considera todos os dias efetivamente existentes entre duas datas, inclusive fins-de-semana e feriados A contagem em dias úteis, como diz o nome, exclui os fins-de-semana e feriados A contagem em dias corridos com meses de 30 dias considera a diferença entre os dias iguais em dois meses consecutivos como um intervalo de 30 dias. Por exemplo, o intervalo entre 9 de junho e 9 de setembro de qualquer ano é considerado como 90 dias (em 2009, por exemplo, possui na verdade 92 dias) Expressão de taxas de juros no mercado financeiro brasileiro No mercado financeiro brasileiro existem basicamente dois tipos de expressão de taxas de juros: para operações em reais, juros exponenciais, contagem de dias em dias úteis e ano-base de 252 dias; para operações em dólares, juros lineares, contagem de dias em dias corridos e ano-base de 360 dias. Nota: A não ser que haja menção em contrário, estas convenções serão sempre adotadas para nossos cálculos Coleta e Tratamento de Preços Fontes Primárias A NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A. utiliza como fonte primária de preços para cada classe de ativo, as fontes descritas abaixo, devido ao grau de especificidade de cada uma em relação aos ativos e a própria observação às metodologias das Práticas das Diretrizes de Marcação a Mercado da ANBIMA: a) Títulos Públicos Federais: ANBIMA 2 (PU para fundos com cota de fechamento e taxa para os fundos com cotas de abertura); b) Ações, opções sobre ações líquidas e termo de ações: BM&FBOVESPA; c) Contratos futuros, swaps, opções sobre índices líquidas e commodities (agrícolas): BM&FBOVESPA e ANBIMA;

7 7/20 d) Volatilidades de opções líquidas e mercado internacional: REUTERS5, BLOOMBERG e BROKERS; e) Títulos Privados: ANBIMA, BMF&BOVESPA FIX, CETIP; f) Ativos dos fundos no exterior: BLOOMBERG e BROKERS Fontes Alternativas A NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A. utiliza como fonte alternativa de preços as fontes descritas abaixo: a) Títulos Públicos Federais: pool de preços/taxas divulgados pela ANBIMA; b) Ações, opções sobre ações líquidas e termo de ações: preços divulgados por empresa difusora de informações de mercado; c) Contratos futuros, swaps, opções sobre índices líquidas e commodities (agrícolas): Preços/Taxas divulgados pelo Broadcast ou por empresa difusora de informações de mercado; d) Volatilidades de opções líquidas e mercado internacional: REUTERS6, BLOOMBERG e BROKERS; e) Títulos Privados: SND, média de negócios efetivados em uma janela de até 15 dias e cotações em corretoras e em outras instituições; f) Estas fontes poderão ser utilizadas todas as vezes que as fontes primárias não divulgarem seus preços, quando for observada falta de liquidez no mercado ou quando for percebida inconsistência nos dados das fontes primárias através de estudos estatísticos, abordagens analíticas e acompanhamento dos mercados Cotas Abertura / Fechamento Existem fundos com cotas de fechamento e fundos com cotas de abertura, que representam o fechamento e a abertura dos mercados, respectivamente Para os fundos com cota de fechamento são utilizadas as taxas de fechamento e preços médios/fechamento divulgados ao final das negociações do dia Para os fundos com cota de abertura são utilizadas as taxas de fechamento ajustadas para mais um dia (ativos de renda fixa) e para os demais, são utilizados as taxas/preços de fechamento Validação dos Preços A partir da coleta de dados oficiais e/ou de mercado para a comparação dos mesmos, a validação dos preços tratados é feita através de análise comparativa entre as rentabilidades diárias, em comparação a dados históricos estatísticos em busca de aderência as rentabilidades praticadas pelo mercado.

8 8/ Estrutura a Termo de Taxas de Juros A NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A. utiliza como fonte primária para Taxa de Mercado a curva de contratos futuros proveniente da BM&FBOVESPA As metodologias aplicadas têm por objetivo a construção de curvas de mercado. Essas curvas serão aplicadas aos ativos dos quais se quer obter o valor a mercado, conforme observado abaixo: Curva de Juros a) Curva de Juros Pré-fixada / DI: A estrutura a termo de taxa de juros foi desenvolvida com o objetivo de criar parâmetros para precificar ativos pré-fixados e pós-fixados em CDI. Origem da Curva: A origem será obtida de acordo com o prazo: o o Primeiro vértice: Taxa DI Demais vértices: Taxa DI Futuro Na ausência de pontos intermediários na curva utilizam-se métodos de interpolação exponencial, assim como no caso da extrapolação. Exemplo de cálculo: o Os contratos de DI são negociados por uma taxa expressa em percentual ao ano e sua liquidação ocorre com o valor final de R$ ,00. A taxa de juros de um contrato é calculada partir do PU de ajuste divulgado pela BM&FBOVESPA diariamente de acordo com a seguinte fórmula: i = [(( /PU)^(252/du))-1]*100 Onde: i: Taxa de Juros ao ano (base 252 du); PU: Preço Unitário negociado no mercado; du: Dias úteis até o vencimento do contrato.

9 9/20 b) Curva de Cupom de IPCA / IGP-M A estrutura a termo de taxa de juros foi desenvolvida com o objetivo de criar parâmetros para precificar ativos pós-fixados atrelados a índices de preço (IPCA / IGP-M). Fonte de Dados: BM&FBOVESPA, Mercado Futuro do Cupom de Índices de Preços. Fonte Alternativa: ANBIMA, Taxas Indicativas de Títulos Públicos Origem: A origem será obtida de acordo com o prazo de dias úteis até o vencimento dos contratos futuros de Índices de Preços. Na ausência de pontos intermediários na curva, utilizam-se métodos de interpolação exponencial, assim como no caso da extrapolação. No caso da fonte alternativa a metodologia para obtenção do vértice é Bootstrapping Metodologia Bootstrapping a) A metodologia conhecida como bootstrapping é comumente utilizada para a extração de curvas de mercado a partir dos preços de títulos que pagam cupons intermediários. No caso do mercado nacional, tal metodologia se aplica às NTN-B, NTN-C e NTN-F, por exemplo. A metodologia consiste dos seguintes passos: o o o o Determinar, a partir de seus preços, a taxa de retorno do título com vencimento mais curto; A partir dessa taxa e do preço do título com vencimento subsequente, determinar a taxa para o próximo período, compreendido entre o vencimento do título mais curto e o vencimento do título em questão; Repetir o processo, recursivamente, para os demais títulos; A curva obtida é a curva de mercado para o cupom do indexador dos títulos em questão Metodologia Interpolação a) O objetivo dessa metodologia é estabelecer o valor de uma taxa em uma data específica, desde que essa taxa possua valores conhecidos em datas anteriores e posteriores à data em questão.

10 10/20 Onde seja: i: número de dias de hoje até o vértice conhecido imediatamente anterior a x; taxa i : taxa de juros referente ao vértice i; j: número de dias de hoje até o vértice conhecido imediatamente posterior a x; taxa j: taxa de juros referente ao vértice j; x: número de dias contados a partir de hoje, sendo que i x j. Interpolação linear: Interpolação exponencial: 4. Aplicação dos Preços às Carteiras 4.1. A partir da coleta de dados oficiais e/ou de mercado para a comparação dos mesmos, a NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A. realiza o cálculo final do valor das carteiras. 5. Supervisão Dinâmica da Metodologia 5.1. A NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A. é responsável pela revisão dos modelos, bem como a validação dos preços. Adicionalmente, a área de Controles Internos e Compliance é responsável por verificar, periodicamente, o processo que envolve a precificação de ativos. 6. Aplicação da Metodologia de Marcação a Mercado 6.1. Títulos Públicos Os títulos públicos são aqueles emitidos pelo poder executivo ou por órgãos ligados a ele, dos governos federal, estadual ou municipal com o objetivo de financiar a dívida pública ou para fins de política monetária Os títulos públicos serão precificados segundo os preços unitários PU de títulos públicos divulgados pelo Mercado Secundário da ANBIMA Existem vários títulos públicos, com características diversas. Porém, o maior volume é representado por alguns poucos títulos, principalmente LTNs, NTN-Cs, NTN-Bs, NTN-Fs e LFTs. Para estes títulos, existe um mercado secundário razoavelmente bem desenvolvido, com um grande número de participantes e preços transparentes, além de contar com um conjunto de dealers que atuando

11 11/20 direto com o Banco Central garantem a liquidez. Por este motivo, é possível obter uma média dos preços de negociação dos títulos públicos (ou pelo menos uma expectativa) diariamente, conforme descrição abaixo: Letra do Tesouro Nacional (LTN) a) As Letras do Tesouro Nacional são papéis que possuem um único fluxo de pagamento (bullet) com valor de R$1.000,00 no vencimento. A taxa de juros paga pelas LTNs é pré-fixada, dada implicitamente pelo deságio do seu preço de negociação. Essa taxa de juros anualizada pode ser determinada segundo os Códigos Operacionais da ANBIMA. b) A ANBIMA realiza diariamente pesquisa no mercado financeiro dos preços praticados para as LTNs e informa a taxa média praticada, calculada através de metodologia de apuração disponível em seu site. c) Taxa de mercado de 01/12/2009 para a LTN com vencimento em 01/10/2010 (de acordo com a ANBIMA) é 9,7546% a.a Notas do Tesouro Nacional - Série F (NTN-F) a) As NTN-Fs são papéis emitidos pelo Tesouro Nacional, possuem atualização do valor nominal de R$1.000,00 na emissão por uma taxa pré-fixada, e pagamentos semestrais de juros (diferença em relação a LTN). O resgate do principal é realizado na data de vencimento do título. a) Cálculo dos cupons: Valor nominal atualizado é determinado segundo os Códigos Operacionais da ANBIMA. O valor dos juros pagos é determinado segundo os Códigos Operacionais da ANBIMA. A ANBIMA realiza diariamente pesquisa no mercado financeiro a fim de determinar as taxas praticadas no mercado de NTN-Fs para os diversos vencimentos. As taxas informadas, porém, são as Taxas Internas de Retorno (TIR) dos papéis (considerando a mesma taxa para todos os prazos). A partir destas taxas pode-se calcular o preço dos papéis. A divulgação da TIR, porém, ocorre em formato anualizado através da fórmula constante nos Códigos Operacionais da ANBIMA Letra Financeira do Tesouro (LFT) a) As Letras Financeiras do Tesouro são papéis emitidos pelo Tesouro Nacional com valor nominal de R$ 1.000,00 na data da emissão (ou na data-base), corrigido diariamente pela taxa SELIC divulgada pelo Banco Central do Brasil. O resgate do principal mais os juros, ocorre apenas na data de vencimento, sem pagamentos intermediários (bullet).

12 12/20 b) O seu valor nominal atualizado (VNA) é determinado segundo os Códigos Operacionais da ANBIMA c) O valor a mercado (VP) da LFT é dado pelo seu valor nominal atualizado aplicando o spread de crédito (sc) do papel Nota do Tesouro Nacional - Série C (NTN-C) a) As Notas do Tesouro Nacional - série C são papéis emitidos pelo Tesouro Nacional que possuem valor nominal na data de emissão (ou na data-base) igual a R$ 1.000,00 e corrigido pela variação do IGP-M da data de emissão (ou data-base) até o mês anterior. As NTN-Cs pagam cupom semestral, calculados através do regime de capitalização composta. O valor nominal atualizado é determinado segundo os Códigos Operacionais da ANBIMA. b) Os cupons semestrais são calculados segundo determinam os Códigos Operacionais da ANBIMA. c) O valor de mercado de uma NTN-C é a soma dos valores presentes dos fluxos financeiros do pagamento de cupons e do principal. d) Fora da data de pagamento de cupons, porém, o valor nominal deve ser atualizado para refletir a expectativa de variação do IGP-M até a data de precificação. Esta atualização é feita conforme determinam os Códigos Operacionais da ANBIMA. e) A ANBIMA realiza diariamente pesquisa no mercado financeiro a fim de determinar as taxas praticadas no mercado de NTN-Cs para os diversos vencimentos. As taxas informadas, porém, são as Taxas Internas de Retorno (TIR) dos papéis (considerando a mesma taxa para todos os prazos) Nota do Tesouro Nacional - Série B (NTN-B) a) As Notas do Tesouro Nacional - série B são papéis emitidos pelo Tesouro Nacional que possuem valor nominal na data de emissão (ou na data-base) igual a R$ 1.000,00 e corrigido pela variação do IPCA da data de emissão (ou data-base) até o mês anterior. As NTN-Bs pagam cupom semestral, calculados através do regime de capitalização composta. b) O valor nominal é atualizado conforme determinam os Códigos Operacionais da ANBIMA. c) O valor de mercado de uma NTN-B é a soma dos valores presentes dos fluxos financeiros do pagamento de cupons e do principal. d) Fora da data de pagamento de cupons, porém, o valor nominal deve ser atualizado para refletir a expectativa de variação do IPCA até a data de precificação. Esta atualização é feita conforme determinam os Códigos Operacionais da ANBIMA.

13 13/20 e) A projeção da variação do IPCA do mês corrente é divulgada pela ANBIMA, que calcula esta projeção através de pesquisa junto ao mercado financeiro. Esta projeção será utilizada para a precificação das NTN-Bs. f) A ANBIMA realiza diariamente pesquisa no mercado financeiro a fim de determinar as taxas praticadas no mercado de NTN-Bs para os diversos vencimentos. As taxas informadas, porém, são as Taxas Internas de Retorno (TIR) dos papéis (considerando a mesma taxa para todos os prazos) Títulos Privados Os títulos privados são papéis emitidos por empresas privadas com o objetivo de captar recursos no mercado. Existem vários tipos de instrumentos utilizados, alguns sendo restritos ao tipo de empresa que está emitindo-o, como os CDB s que podem ser emitidos apenas por instituições financeiras Outro título bastante comum também é a Debênture que é um valor mobiliário, e tem por origem um contrato mútuo de crédito representativo de empréstimo, em geral resgatável no longo prazo, celebrado entre a emissora e os futuros adquirentes, os debenturistas, que são representados pelo agente fiduciário Suas condições e características são estabelecidas em escrituras de emissão podendo ser alteradas por aditamentos. Por se tratar de um empréstimo, assegura aos seus titulares o direito de crédito contra a companhia emitente, de acordo com a legislação vigente para este segmento, conforme descrição abaixo: CDBs a) Para CDB s Pré-fixado e Pós-fixados em CDI/Selic a fonte primária para Taxa de Mercado é a curva de contratos futuros de DI proveniente da BM&FBOVESPA. b) Para CDB s Pós-fixados em IPCA e IGP-M a fonte primária para Taxa de Mercado é a curva de contratos futuros de Cupom de IPCA/IGP-M proveniente da BM&FBOVESPA. c) A fonte primária para o spread de crédito é o estoque de títulos sob a responsabilidade da NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A. e apuração junto aos emissores desses CDBs. d) O cálculo do Spread de Crédito das operações tem como base uma combinação entre emissor (rating) e prazo de vencimento. Esta combinação é distribuída por emissores em 5 classes através da classificação, onde periodicamente é revisada e se necessário alterada. e) A classificação tem como nomenclatura as letras A, B, C, D e E. f) Após esta fase, os dados são agrupados em faixas de prazos: 1ª faixa: de 1 a 126 dias úteis

14 14/20 2ª faixa: de 127 a 252 dias úteis 3ª faixa: de 253 a 504 dias úteis 4ª faixa: de 505 em diante. g) A amostra utilizada para o cálculo do spread de crédito utiliza uma janela móvel de até 15 dias úteis. h) Para cada classe de rating X faixa de prazo é calculado Spread de Crédito médio ponderado pelo volume negociado, em até, 15 dias úteis das operações de CDB em estoque da NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A.. i) A Taxa Média (spread de crédito) para marcação a mercado é calculada conforme as seguintes condições: VI = Valor inicial p = Prazo total Txcontr = Taxa contratada Para a composição do valor de mercado do título temos: Onde: VF = Valor Futuro projetado VI = Valor inicial Txcontr = Taxa contratada Fatordejuros = variação do cdi no período Exp = expectativa da curva di du = dias úteis até o vencimento Valor a mercado do título: Onde: MtM = Valor do título marcado a mercado. VF = Valor Futuro projetado TaxaMéd = Taxa média dos CDBs, com características semelhantes (prazo, rating) du = dias úteis até o vencimento Exp = expectativa da curva di j) Antes da aplicação das taxas encontradas existem filtros estatísticos e abordagens analíticas de retirada de outliers e observações que possam distorcer o resultado

15 15/20 da amostra. Além da média, são calculadas a Mediana e o Desvio Padrão. k) Para cada par é determinada uma banda onde os limites (inferior e superior) são calculados de maneira conservadora, sendo o maior valor entre a Taxa Média de Spread +/- o desvio com IC (Índice de Confiança). l) A Taxa Média de Spread deve estar dentro da banda, caso contrário, a Taxa Média de Spread é atualizada para a faixa mais próxima. m) Caso não haja informações suficientes para calculo do spread de credito médio, será adotado procedimento alternativo. Em tal hipótese, será utilizado o prêmio de risco definido pelo grupo de trabalho de precificação para o título em questão (com as mesmas características). n) Os CDBs cadastrados na CETIP com Cláusula S, serão marcados a mercado por sua taxa de emissão devido a sua condição de recompra antecipada pelo emissor pela taxa da operação Depósitos a Prazo com Garantia Especial DPGE a) Para a marcação a mercado dos DPGEs são utilizadas as taxas médias calculadas a partir de uma amostra de dados formada por operações dos DPGEs em estoque na NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A. acrescido de um spread de crédito determinado pelo Grupo de Precificação. b) O cálculo da taxa média das operações dos DPGEs tem como base uma combinação de rating do emissor (representado pelas letras A, B, C, D e E) fornecido pela Gerência de pesquisa, Análise e Estruturação da NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A. e prazo de vencimento. A classificação do rating é periodicamente revisada e se necessário alterada. c) Após esta fase, os dados são agrupados em faixas de prazos: 1ª faixa: de 1 a 126 dias úteis 2ª faixa: de 127 a 252 dias úteis 3ª faixa: de 253 a 504 dias úteis 4ª faixa: de 505 em diante. d) A amostra final das taxas negociadas segue as seguintes regras: Verificação da aderência da precificação dos ativos de mesmo emissor em estoque sob a responsabilidade da NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A.; Filtros para exclusão de outliers e formação das classes de amostras de cálculo; e) A amostra utilizada para o cálculo da taxa média tem como base uma janela móvel de até 15 dias úteis. f) A Taxa Média para marcação a mercado é calculada conforme as seguintes condições:

16 16/20 Onde: VI = Valor inicial Txcontr = Taxa contratada g) Para a composição do valor de mercado do título temos: Onde: VF = Valor Futuro projetado VI = Valor inicial Txcontr = Taxa contratada fatordejuros = variação do cdi no período Exp = expectativa da curva di du = dias úteis até o vencimento h) Valor a mercado do título: Onde: MtM = Valor do título marcado a mercado. VF = Valor Futuro projetado TaxaMéd = Taxa média dos DPGEs, com características semelhantes (prazo, rating) du = dias úteis até o vencimento Exp = expectativa da curva di Spread = Taxa de risco definida pelo Grupo de Precificação i) Antes da aplicação das taxas encontradas existem filtros estatísticos e análises de exclusão de outliers que possam distorcer o resultado da amostra. j) Para cada par é determinada uma banda onde os limites (inferior e superior) são calculados de maneira conservadora, sendo o maior valor entre a Taxa Média de Spread +/- o desvio com IC (Índice de Confiança). k) A Taxa Média deve estar dentro da banda, caso contrário, a Taxa Média é atualizada para a faixa mais próxima Determinação das taxas de juros livres de risco a) A taxa de juros livre de risco para um prazo p deve refletir a taxa de investimento, na data da marcação a mercado, em um instrumento financeiro pré-fixado que não apresente riscos. Porém, existem poucos instrumentos que apresentam esta característica.

17 17/20 b) Existem várias discussões sobre a utilização de derivativos da BM&FBOVESPA como instrumentos financeiros livres de risco ou a utilização de títulos públicos federais. Por uma questão de regra de mercado e transparência, nos baseamos nos derivativos negociados na BM&FBOVESPA para determinar as taxas de juros livres de risco CCB, CCCB e CCI a) As CCBs, CCCBs e CCI são títulos que utilizam para o cálculo da taxa de Marcação a Mercado dois elementos principais: Taxa de Mercado e Spread de Crédito. b) As Taxas de Mercado são provenientes das curvas de mercado definidas anteriormente como fonte primária. c) O Spread de Crédito para marcação a mercado das operações é determinado através de uma amostra de dados formada pelas operações em estoque na NSG Capital Serviços Financeiros DTVM S.A., levando-se em consideração uma janela histórica de até 15 dias úteis, prazo este definido a depender da volatilidade / liquidez do mercado. d) A partir da amostra final das operações o cálculo do spread de crédito é determinado pelos parâmetros abaixo: Rating do emissor atribuído pela Gerência de Pesquisa, Análise e Estruturação, divido em 5 classes; Spread de Crédito das operações com característica similares (prazo, indexador); Rating da Operação atribuídos por agentes externos, considerando às estruturas de garantias vinculadas a emissão (penhor de recebíveis, fianças, garantias reais); Spread de Crédito implícito no último negócio (taxa de aquisição dos últimos 3 meses); e) A amostra final das taxas de spread de crédito é então dividida em sub-amostras seguindo o critério de 5 classes de rating e 4 faixas de prazos. A partir destas subamostras são ponderados os parâmetros de rating da operação e spread de crédito implícito no último negócio para definição da Taxa Média de Spread. f) Cada sub-amostra obtida é filtrada para exclusão de outiliers para formação da Taxa Média de Spread. g) Para cada par é determinada uma banda onde os limites (inferior e superior) são calculados de maneira conservadora, sendo o maior valor entre a Taxa Média de Spread +/- o desvio com IC (Índice de Confiança). h) A Taxa Média de Spread deve estar dentro da banda, caso contrário, a Taxa Média de Spread é atualizada para a faixa mais próxima. i) Caso não haja informações suficientes para cálculo do spread de crédito, será adotado procedimento alternativo. Em tal hipótese, será utilizado o prêmio de risco definido pelo grupo de trabalho de precificação para o título em questão (com as mesmas características).

18 18/ Precificação de Debêntures a) A partir da experiência bem sucedida na precificação de títulos públicos, a ANBIMA efetuou estudos para implantar modelo semelhante na divulgação das informações referentes ao mercado da dívida privada. Para dar início ao projeto, a Associação optou por aproveitar sua experiência no desenvolvimento do SND - Sistema Nacional de Debêntures. b) Decidiu-se, então, que a Associação replicaria para as debêntures a mesma metodologia de trabalho levada a cabo para os títulos públicos. Foi montada uma amostra de papéis e de instituições que enviam diariamente seus preços à Associação. Após a aplicação de filtros estatísticos, a ANBIMA apura e divulga as taxas calculadas. c) Atualmente são disponibilizadas taxas médias, de compra/venda e máxima/mínima das debêntures mais negociadas, que são utilizadas para a apuração dos preços de mercado dos fundos e carteiras, considerando as características de seus fluxos de pagamentos e índices de atualização. d) Considerando a liquidez e volatilidade dos mercados, podemos utilizar qualquer uma delas. e) Para as debêntures que não estão na relação divulgadas pela ANBIMA é utilizado o conceito de spread de risco de crédito calculado conforme as seguintes regras: O Spread de Crédito é calculado a partir de uma amostra que é determinada por observações que possuam preço indicativo publicado pela ANBIMA, segregando as operações por similaridade: Segmento / Ramo de Atividade e Características Similares das Debêntures: rating emissor, rating operação, prazo, indexador e garantias. O Spread de Crédito Médio é calculado em 4 faixas de prazos para cada classe de rating: A, B, C, D e E, ponderado pelo volume das operações. Caso não haja informação suficiente na amostra o spread é calculado a partir dos preços dos últimos negócios registrados no SND (Sistema Nacional de Debêntures). Caso não seja possível obter o spread de crédito de acordo com o modelo, o método alternativo se baseará nas decisões do prêmio de risco estabelecidas no Grupo de Trabalho de Precificação Precificação de ativos em default a) Para os ativos que passam a ser inadimplentes em pagamentos de juros, amortização e correção monetária (fluxos), realizamos analise de posição, ou seja, qual o tipo de fundo que possui o ativo. b) Para os fundos que tem Fundações como cotistas, seguimos as normas de provisão descritas na MPAS/CGPC nº 08, que apresenta uma tabela com

19 19/20 percentuais de provisão conforme os dias de atraso. c) Para os demais fundos, é realizada uma reunião com o grupo de Precificação onde são definidos os critérios a serem seguidos, podendo ser utilizada a tabela de provisão descrita na Resolução do CMN nº 2.682, ou devido ao andamento de cobrança/processo jurídico do emissor, podemos utilizar uma tabela especifica. d) Caso o ativo tenha representatividade no patrimônio, recomendamos o fechamento do fundo. e) Para cada ativo inadimplente, existe um acompanhamento especifico dos processos jurídicos e de cobrança do emissor e seus avalistas Ações a) Ações podem ser definidas como títulos nominativos negociáveis que representam, para quem as possui, uma fração do capital social de uma empresa. b) A maior parte das ações é negociada em mercados organizados (bolsas de valores) como a BM&FBOVESPA. c) O preço de mercado de uma ação pode ser determinado através de dados dos negócios realizados com aquela ação nas bolsas de valores. Utiliza-se o preço de fechamento dos negócios realizados na BM&F/Bovespa ou o mercado em que o ativo apresentar maior liquidez, caso não seja negociado na BM&F/Bovespa; realizados no dia como o seu preço de mercado ou de acordo com as normas vigentes no período para cada tipo de fundo/carteira. No caso de não ter havido negociação na data de avaliação, será utilizado o preço do último dia em que houve negociação. d) As empresas que permanecerem sem negociação por mais de 90 dias, podem ter suas ações precificadas pelos seguintes critérios: Valor médio de aquisição Valor patrimonial Valor econômico calculado com base em laudo de avaliação emitido por empresa qualificada (no caso de Fundo de Investimento em Participações) Opções de ações a) As opções de ações são valorizadas pelo preço informado pela BM&F/Bovespa em seu Boletim de Informações Diárias BDI ou o mercado em que o ativo apresentar maior liquidez, caso não seja negociado na BM&F/Bovespa. Para as opções com pouca liquidez, utiliza-se o modelo de Black & Scholes, baseando-se nas volatilidades implícitas obtidas de operações efetivadas no mercado bem como de observações de sistemas de informações do mercado, partindo do valor de mercado atual do ativo objeto Opções de moedas e/ou índices a) As opções de moeda, futuros e índices são valorizadas pelo preço informado pela

20 20/20 BM&F/Bovespa em seu Boletim Diário BD ou o mercado em que o ativo apresentar maior liquidez, caso não seja negociado na BM&F/Bovespa. Para as opções com pouca liquidez utiliza-se o modelo de Black, tomando como base, as volatilidades implícitas obtidas de operações efetivadas no mercado e de informações enviadas por corretoras Contratos Futuros e a Termo negociados na BM&FBOVESPA a) No mercado brasileiro, a maior parte dos contratos futuros e a termo são negociados na BM&FBOVESPA. b) Diariamente, a BM&FBOVESPA divulga os preços de fechamento e ajuste dos contratos. Para os contratos que tiveram negociação no dia e para aqueles que, mesmo não tendo negociação no dia, apresentarem preços que não estejam distorcidos, a marcação a mercado será feita pelos preços de ajuste da BM&F/Bovespa ou o mercado em que o ativo apresentar maior liquidez, caso não seja negociado na BM&F/Bovespa. c) No caso de não haver liquidez para alguma série de futuros, é realizada a estimação do preço futuro de acordo com os parâmetros divulgados no sistema de difusão de cotações Bloomberg Swaps a) Swap é um contrato derivativo no qual as partes trocam os indexadores de operações ativas e passivas, sem trocar o principal. Para a marcação a mercado dos contratos de swap serão consideradas as taxas de referencia no mercado em que o ativo apresentar maior liquidez. Caso não haja liquidez em nenhum mercado, os contratos serão precificados utilizando o método de fluxos de caixa com as seguintes fontes para taxa de referência: b) Taxa de juros pré-fixadas: Curva de ajuste dos contratos de DI Futuro divulgadas pela BM&F/Bovespa. c) IPCA/IGPM projeção: Projeções divulgadas pela ANBIMA. d) Taxa de câmbio Reais/Dólar dos EUA: PTAX -800 divulgada pelo BACEN. e) Cupom de IPCA/IGPM: Curva de ajuste dos contratos de Cupom de IPCA ou IGPM divulgadas pela BM&F/Bovespa, ou como fonte alternativa, interpolação das taxas indicativas dos títulos públicos NTN-B (IPCA) e NTN-C (IGPM) divulgas pela ANBIMA. f) Cupom Cambial: Curva de ajuste dos contratos de Cupom cambial (FRC e DDI) divulgadas pela BM&F/Bovespa.

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Departamento de Controladoria de Fundos de Investimento Setor de Precificação Propriedade de SITA Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S/A Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização.

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27

Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27 Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27 Sumário 1. PRINCÍPIOS GERAIS... 3 1.1. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 1.2. PRINCIPIOS DA MARCAÇÃO A MERCADO... 4 1.3. CONVENÇÕES ADOTADAS...

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO DA CRUZEIRO DO SUL S.A. DTVM

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO DA CRUZEIRO DO SUL S.A. DTVM MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO DA CRUZEIRO DO SUL S.A. DTVM FEVEREIRO/2012 V6 Propriedade da Cruzeiro do Sul S.A. DTVM. Proibida a reprodução total ou parcial deste manual sem a devida autorização prévia.

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E DERIVATIVOS - SINTÉTICO

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E DERIVATIVOS - SINTÉTICO MANUAL DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E DERIVATIVOS - SINTÉTICO Maio de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. PRINCÍPIOS GERAIS...5 2.1. MELHORES PRÁTICAS...5 2.2. ABRANGÊNCIA...5 2.3. COMPROMETIMENTO...5 2.4. EQÜIDADE...5

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Versão Resumida V.2.2 Início de Vigência 27/07/205 Propriedade de Banco Bradesco S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização. SUMÁRIO. Princípios Gerais...

Leia mais

Precificação de Títulos Públicos

Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos > Componentes do preço > Entendendo o que altera o preço Componentes do preço Nesta seção você encontra os fatores que compõem a formação

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Versão Resumida - V2. Vigência 4/06/203 Propriedade de Banco Bradesco S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização. SUMÁRIO. Princípios Gerais... 4..

Leia mais

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS Componentes do Preço; Entendendo o que altera o preço. Componentes do Preço O objetivo desta seção é apresentar ao investidor: os fatores

Leia mais

Setor de Precificação e Risco de Mercado Última Revisão Maio de 2010 MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723.

Setor de Precificação e Risco de Mercado Última Revisão Maio de 2010 MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723. MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723.847/0001-99 FUNDOS DE INVESTIMENTOS INTRODUÇÃO A Magliano: Buscar a correta precificação dos ativos é parte integrante do controle de risco.

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Gradual Corretora de Câmbio,Títulos e Valores Mobiliários S.A. Área de Fundos de Investimentos Início da Vigência: 09 de janeiro 2014 Versão 5 2 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2.

Leia mais

Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados pela BRB-DTVM.

Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados pela BRB-DTVM. Página 1/35 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: FINALIDADE: ELABORADOR: APROVAÇÃO: NORMA EXECUTIVA Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO 1 Banco PETRA S.A. Serviços Qualificados no Mercado de Valores Mobiliários MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Início da Vigência: Janeiro/2011 Versão 1.3 (Set/2012) Propriedade do Banco PETRA S.A. Proibida a

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Fundos e Carteiras Gerência de Análise Econômica e Riscos de Mercado Diretoria de Recursos de Terceiros, Economia e Riscos Versão: Julho/04 Sumário. OBJETIVO... 3. CONCEITO...

Leia mais

CONTEÚDO 1 OBJETIVO 3 2 CONCEITO 3. 2.1. Princípios de Marcação a Mercado 3 3 VISÃO DO PROCESSO 4

CONTEÚDO 1 OBJETIVO 3 2 CONCEITO 3. 2.1. Princípios de Marcação a Mercado 3 3 VISÃO DO PROCESSO 4 CONTEÚDO OBJETIVO 3 CONCEITO 3.. Princípios de Marcação a Mercado 3 3 VISÃO DO PROCESSO 4 3.. Estrutura Organizacional 4 3... Responsabilidade Metodológica 4 3... Responsabilidade pela Aplicação 4 3..

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos. Marcação a Mercado

Manual de Precificação de Ativos. Marcação a Mercado Manual de Precificação de Ativos Marcação a Mercado Maio de 2015 Marcação a mercado, É o procedimento adotado com o objetivo de aumentar a segurança dos investidores que aplicam na indústria brasileira

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Gerência Nacional de Controladoria de Ativos Passivos e Custódia Data de Vigência: 30/09/2015 SUMÁRIO 1 PRINCÍPIOS GERAIS E O PROCESSO DE MARCAÇÃO A MERCADO... 3 1.1 LEGISLAÇÃO

Leia mais

Material Explicativo sobre Títulos Públicos

Material Explicativo sobre Títulos Públicos Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais Os são emitidos pelo Tesouro Nacional, servindo como um instrumento de captação do Governo Federal para execução e financiamento de suas dívidas internas,

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Proibida a reprodução. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO 16 de março de 2015 Sumário Introdução... 3 1. Visão do Processo e Estrutura Organizacional... 3 a. Estrutura Organizacional envolvida no Processo...

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO PETRA S.A. Serviços Qualificados no Mercado de Valores Mobiliários MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Início da Vigência: Janeiro/2011 Versão 1.4 (Maio/2014) Propriedade do Banco PETRA S.A. Proibida a

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Versão 08 Março de 205 Propriedade do Banco BM&FBOVESPA de Serviços de Liquidação e Custódia S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização . INTRODUÇÃO...

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado. Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A.

Manual de Marcação a Mercado. Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. Manual de Marcação a Mercado Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. 21 de março de 2014 Versão: 01-2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. PRINCÍPIOS GERAIS... 5 3. VISÃO DO PROCESSO... 6 3.1. Fonte de Preços...

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 03 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Março de 2009 ÍNDICE MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO... VISÃO DO PROCESSO...3. Coleta de Preços...3.2 Tratamento e Validação dos Preços Coletados...4.3 Apuração, Controle e Supervisão

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Belo Horizonte, outubro de 2006 Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Calculadora do Tesouro Direto O que é Tesouro Direto? Em 07 de

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado. Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A.

Manual de Marcação a Mercado. Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. Manual de Marcação a Mercado Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. 04 de janeiro de 2016 Versão: 01-2016 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 2. PRINCÍPIOS GERAIS... 6 3. VISÃO DO PROCESSO... 8 3.1. Coleta de

Leia mais

POLÍTICA DE MARCAÇÃO A MERCADO IFCONSULTANT ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA

POLÍTICA DE MARCAÇÃO A MERCADO IFCONSULTANT ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA POLÍTICA DE MARCAÇÃO A MERCADO IFCONSULTANT ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA VERSÃO 1.2 VIGÊNCIA A PARTIR DE 29/01/2010 1 ÍNDICE 1. PRINCÍPIOS DE MARCAÇÃO A MERCADO...4 2. ABORDAGEM METODOLÓGICA...5

Leia mais

SCI- 12. Nome do Documento. Código de Acesso. Manual de Marcação a Mercado - MaM CONTEÚDO DO DOCUMENTO

SCI- 12. Nome do Documento. Código de Acesso. Manual de Marcação a Mercado - MaM CONTEÚDO DO DOCUMENTO Nome do Documento Manual de Marcação a Mercado - MaM Código de Acesso SCI- 12 CONTEÚDO DO DOCUMENTO O presente documento fornece instruções obrigatórias para a execução dos processos de marcação a mercado

Leia mais

Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO 26 de Março de 203 Sumário INTROÇÃO... 5 2 PRINCÍPIOS GERAIS... 6 3 VISÃO DO PROCESSO... 7 3. Coleta de Preços... 8 3.2 Tratamento e Validação dos Preços

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO PETRA S.A. Serviços Qualificados no Mercado de Valores Mobiliários MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Início da Vigência: Janeiro/2011 Versão 1.5 (Setembro/2015) Propriedade do Banco PETRA S.A. Proibida

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Custódia Qualificada Outubro de 2012 Data de Vigência: 01/10/2012 Documentação Técnica - Metodologia de Precificação 1. Introdução...... 4 2. Princípios Gerais de Marcação

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos Manual de Marcação a Mercado MaM

Manual de Precificação de Ativos Manual de Marcação a Mercado MaM Manual de Precificação de Ativos Manual de Marcação a Mercado MaM Versão 1.6 Outubro/2015 1 Sumário INTRODUÇÃO... 4 1 PRINCÍPIOS DE MAM... 5 2 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ENVOLVIDA NO PROCESSO... 6 2.1. EQUIPES

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Fevereiro de 2013 INÍCIO DE VALIDADE: FEVEREIRO DE 2013 VERSÃO 8

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Fevereiro de 2013 INÍCIO DE VALIDADE: FEVEREIRO DE 2013 VERSÃO 8 MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO INÍCIO DE VALIDADE: FEVEREIRO DE 2013 VERSÃO 8 Controladoria e Custódia de Fundos de Investimentos 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Visão do processo... 4 2.1. Coleta de preços...

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto LFT A LFT é um título pós-fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC, a taxa de juros básica da economia. Sua remuneração

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Mercado Aberto, no exercício das atribuições a ele conferidas pelo Código ANBIMA

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT)

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT) Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro Selic (LFT) O Tesouro Selic (LFT) é um título pós fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC, a taxa básica

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

André Proite. Novembro de 2012

André Proite. Novembro de 2012 Tesouro Direto André Proite Rio de Janeiro, Novembro de 2012 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor PERFIL DO INVESTIDOR Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor montar sua carteira de acordo com os seus objetivos, adequando prazos de vencimento e indexadores às

Leia mais

Tesouro Direto. Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco

Tesouro Direto. Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco Tesouro Direto Rentabilidade Segurança Comodidade Diversidade Baixo risco TesouroDireto.indd 1 2/21/11 3:30 PM 1Conheça o Tesouro Direto Criado pelo Tesouro Nacional em 2002, em parceria com a BM&FBOVESPA,

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Metodologia de Cálculo dos Títulos Públicos Federais Ofertados nos Leilões Primários O objetivo deste guia é facilitar o entendimento dos investidores sobre algumas peculiaridades

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BNP PARIBAS ASSET MANAGEMENT ÚLTIMA VERSÃO: 24/06/2010 RESPONSÁVEL: MARIA CARLOTA SENGER MARIA.SENGER@BR.BNPPARIBAS.COM SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. PROCESSOS E ESTRUTURAS

Leia mais

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50%

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50% III) Plano de Benefícios de Contribuição Definida (Plano CD) 1) Administracão dos Recursos: A administração dos recursos da Fundação Previdenciária IBM é terceirizada, sendo prerrogativa do Conselho Deliberativo

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Manual de. Brazil Risk Dept. Novembro /2015. Marcação a Mercado

Manual de. Brazil Risk Dept. Novembro /2015. Marcação a Mercado Manual de Brazil Risk Dept. Novembro /2015 Marcação a Mercado 1 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROCESSOS E ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS ENVOLVIDAS... 4 3. ASPECTOS METODOLÓGICOS... 6 3.1. COTA ABERTURA VS. COTA DE

Leia mais

ÍNDICE. Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES

ÍNDICE. Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES Administradores da Emissora... 13 Coordenador Líder... 13

Leia mais

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco QUEM SOMOS 2 Conceitos básicos; 3 Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco Liquidez: Capacidade de transformar um ativo em dinheiro. Ex. Se você tem um carro ou uma casa e precisa vendê-lo, quanto tempo

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas

Manual de Precificação de Ativos. Fundos de Investimento. e Carteiras Administradas Manual de Precificação de Ativos Fundos de Investimento e Carteiras Administradas Janeiro de 2009 ÍNDICE Introdução 03 Títulos Públicos Federais 05 Pós fixados LFT 06 Pré fixados LTN 07 NTN-B Indexador

Leia mais

Manual de Controle de Risco de Mercado - Conglomerado Financeiro do Banco Opportunity 09/2014

Manual de Controle de Risco de Mercado - Conglomerado Financeiro do Banco Opportunity 09/2014 Manual de Controle de Risco de Mercado - Conglomerado Financeiro do Banco Opportunity 09/2014 1. INTRODUÇÃO O Conglomerado Econômico-Financeiro do Banco Opportunity ( Conglomerado ) tem em sua composição

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Fundos de Investimento constituídos sob a forma de condomínio aberto Publicação 31/03/2015 - versão 003 Responsável: Compliance e Riscos Gestoras PETRA 0 ÍNDICE

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Teste de Adequação de Passivos Circular Susep nº 457/12 Perguntas e Respostas

Teste de Adequação de Passivos Circular Susep nº 457/12 Perguntas e Respostas Teste de Adequação de Passivos Circular Susep nº 457/12 Novembro/2013 1. ÁREAS RESPONSÁVEIS SUSEP/DITEC/CGSOA/COPRA SUSEP/DITEC/CGSOA/COARI 2. BASE LEGAL CIRCULAR SUSEP N 457, de 14 de dezembro de 2012.

Leia mais

Sistema ANBIMA de Difusão de Taxas. Notas Metodológicas Versão o de 201

Sistema ANBIMA de Difusão de Taxas. Notas Metodológicas Versão o de 201 Sistema ANBIMA de Difusão de Taxas Notas Metodológicas Versão o de 201 1 - Campos Comuns a Todos os Provedores Provedor: Indica qual é a fonte primária da informação. Títulos: Correspondem ao conjunto

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado 1. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO 2. VIGÊNCIA / SUBSTITUIÇÃO / ALTERAÇÃO Este manual contém os conceitos e a descrição da metodologia adotada para o registro de todos os ativos, para efeito de valorização e

Leia mais

CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO Manual de marcação a mercado Maio de 2015

CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO Manual de marcação a mercado Maio de 2015 CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO Manual de marcação a mercado Este material foi desenvolvido pela Credit Suisse Hedging-Griffo e não pode ser distribuído, copiado ou reproduzido, no todo ou em partes, sem

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro IPCA + com Juros Semestrais NTN B O Tesouro IPCA + com Juros Semestrais (NTN B) é um título pós fixado, cuja rentabilidade

Leia mais

Deutsche Bank GTB Investor Services. Manual de Marcação a Mercado

Deutsche Bank GTB Investor Services. Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Janeiro, 206 . Princípios Gerais... 4.. Objetivo do Manual...4.2. Princípios da Marcação a Mercado (MaM)...4.3. Estrutura Organizacional...5.4. Visão do Processo de MaM...6.4..

Leia mais

Renda fixa e Tesouro Direto

Renda fixa e Tesouro Direto Renda fixa e Tesouro Direto Classificação de investimentos Collor CDB Renda fixa Caderneta de poupança Fundos DI Imóveis Renda variável Ações Liquidez Liquidez Liquidez Segurança Segurança Segurança Rentabilidade

Leia mais

Renda Fixa - Precificação

Renda Fixa - Precificação Renda Fixa - Precificação Prof. Paulo Lamosa Berger Introdução Renda Fixa - Precificação 2 O valor do dinheiro refere-se ao fato de que $1 hoje vale mais que $1 em uma data futura. O entendimento desta

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC CAMBIAL DOLAR 02.294.024/0001-26 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC CAMBIAL DOLAR 02.294.024/0001-26 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO CAMBIAL LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

Modelo de Marcação a Mercado para Títulos Privados

Modelo de Marcação a Mercado para Títulos Privados Encontro Técnico sobre Risco e Precificação- ANDIMA Modelo de Marcação a Mercado para Títulos Privados Cesar Dammous Market Risk Manager São Paulo, 17/11/2004 1 Programa Critérios de MtM ( Hierarquia )

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO JULHO/2015

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO JULHO/2015 MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO JULHO/05 0/07/05 i Sumário I - INTRODUÇÃO... IV A - O PROCESSO DE MARCAÇÃO A MERCADO NA BB DTVM... iv B - PRINCÍPIOS GERAIS... xi C - METODOLOGIA DAS PRÁTICAS... xiii II APLICAÇÕES...

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ S.A.

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ S.A. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ S.A. Válido para Fundos de Investimentos e Carteiras de Investimentos Fevereiro de 2007 Versão: 0207 V1.0-S PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO...3

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU?

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? Toda decisão de aplicação financeira está ligada ao nível de risco que se deseja assumir, frente a uma expectativa de retorno futuro.

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Taquari Asset Management Versão 2.1 Manual MtM Taquari Asset Versões Data Alteração Conteúdo Alterado 1 Jul/09 Inclusão de Novos Produtos 2 Mai/11 Inclusão Novos Produtos,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

Restrições de Investimento:.

Restrições de Investimento:. Página 1 de 7 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FIC DE FIS EM AÇÕES BRB AÇÕES 500 31.937.303/0001-69 Informações referentes a 11/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

Como funcionam os fundos de investimentos

Como funcionam os fundos de investimentos Como funcionam os fundos de investimentos Fundos de Investimentos: são como condomínios, que reúnem recursos financeiros de um grupo de investidores, chamados de cotistas, e realizam operações no mercado

Leia mais

RENDA FIXA? Fuja do seu banco!

RENDA FIXA? Fuja do seu banco! RENDA FIXA? Fuja do seu banco! Janeiro 2014 COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? COMO INVESTIR EM RENDA FIXA! COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? Renda Fixa = Emprestar Dinheiro Tipos de Investimentos em Renda Fixa: CDB

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ECONOMIA, FINANÇAS E ESTATÍSTICA

1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ECONOMIA, FINANÇAS E ESTATÍSTICA CONTEÚDO CURSO PREPARATÓRIO PARA A REALIZAÇÃO DE PROVA DE CERTIFICAÇÃO PARA RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO DOS RECURSOS DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS (CPA-20, CPA-10 e ANCOR) 1. PRINCÍPIOS

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Brasília 22 de Junho 0

Brasília 22 de Junho 0 Brasília 22 de Junho 0 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Perfil do Investidor Código de Ética STN Mudanças Recentes 1 O

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO Válido para Fundos e Carteiras de Investimentos Junho de 2015 Versão: 0615 V1.0 Sumário CAPÍTULO I. PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO... 4 DEFINIÇÕES...

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO 1/20 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORAÇÃO REVISÃO APROVAÇÃO Julia Costa Diretora Corporativa Jean Fontes Departamento de Riscos Karynne Affonso Gerência de Controles Internos e Compliance Luiz Eduardo Franco

Leia mais

II - os limites mínimos de exposição presentes no regulamento

II - os limites mínimos de exposição presentes no regulamento A construção das taxas spot é obtida mediante a acumulação das taxas a termo implícitas entre os vencimentos dos instrumentos financeiros listados, assumida a hipótese de que a taxa a termo entre os vencimentos

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real;

Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real; 20-jan-2014 Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real; Ibovespa recuou 1,04% na semana, seguindo

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO ITAÚ UNIBANCO Válido para Fundos e Carteiras de Investimentos Setembro de 2014 Versão: 0914 V1.0 Sumário CAPÍTULO I. PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO...

Leia mais