MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO"

Transcrição

1 MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Gradual Corretora de Câmbio,Títulos e Valores Mobiliários S.A. Área de Fundos de Investimentos Início da Vigência: 09 de janeiro 2014 Versão 5

2 2 ÍNDICE 1. Introdução Descrição do processo de marcação a mercado Coleta de dados de mercado Validação dos dados de mercado coletados Aplicação e Validação dos dados de mercado coletados às carteiras Supervisão dinâmica da metodologia Estrutura Organizacional Tipos de Cotas de Fundos de Investimentos Metodologia de Marcação Critérios de apreçamento Títulos Públicos Federais LTN Letra do Tesouro Nacional Letras Financeiras do Tesouro LFT Notas do Tesouro Nacional Série C NTN-C Notas do Tesouro Nacional Série B NTN-B Notas do Tesouro Nacional Série F NTN-F Renda Variável Ações Cotas de Fundos de Investimentos Títulos Privados Debêntures - Pós-Fixados em CDI/Selic Certificado de Depósito Bancário - CDB Prefixado Demais títulos privados de emissão não financeira Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios Pós-Fixado Derivativos Opções Contratos Futuros Contratos a Termo de Ação Métodos Alternativos de Precificação de Ativos Interpolação de Taxas Extrapolação pela Taxa a Termo de LTN (a partir de 1/9/2000)... 21

3 3 1. Introdução O objetivo deste manual é apresentar as metodologias de apreçamento aplicadas para os ativos financeiros que compõem a carteira dos fundos de investimentos controladas pela Gradual CCTVM S/A, sendo seu conteúdo revisado pela Área de Controladoria de Clubes e de Fundos de Investimentos Setor de Precificação, com periodicidade mínima anual. A Marcação a Mercado consiste em registrar todos os ativos, para efeito de valorização e cálculo de cotas dos Fundos de Investimento, pelos preços negociados no mercado em casos de ativos líquidos ou, quando este preço não é observável, por uma estimativa adequada de preço que o ativo teria em uma eventual negociação feita no mercado, tendo como principal objetivo evitar a transferência de riqueza entre os cotistas dos Fundos de Investimentos, além de dar maior transparência aos riscos embutidos nas posições, uma vez que as oscilações de mercado dos preços dos ativos, ou dos fatores determinantes destes, estarão refletidas nas cotas, melhorando assim a comparabilidade entre suas performances 1. De acordo com as diretrizes de Marcação a Mercado, a ANBIMA recomenda as Instituições participantes à utilização dos seguintes princípios: Abrangência: todos os ativos devem ser marcados a mercado, exceto para aqueles que compõem os Fundos Exclusivos 2 ; Frequência: a marcação a mercado deve ter como frequência mínima a periodicidade de divulgação das cotas; Comprometimento: a instituição deve estar comprometida em garantir que os preços dos ativos reflitam os preços de mercado, e na impossibilidade de observação destes, 1 Artigo 12 1 e 2 do Código de Auto-Regulação da Anbid para os Fundos de Investimento. 2 Fundo destinado exclusivamente a um investidor ou grupo determinado de investidores, que tenham entre si vínculo familiar, societário ou pertençam a um mesmo grupo econômico, ou que, por escrito determinem esta condição.

4 4 despender seus melhores esforços para estimar qual seriam os preços de mercado dos ativos pelos quais estes seriam efetivamente negociados; Equidade: o critério preponderante do processo de escolha de metodologias, fontes de dados e/ou qualquer outra decisão de Marcação a Mercado deve ser o de evitar transferência de riqueza entre os cotistas; Melhores Práticas: o processo e a metodologia de Marcação a Mercado devem seguir as melhores práticas do mercado; Formalismo: a instituição administradora deve ter um processo formalizado de Marcação a Mercado. Para tal, a metodologia deve ser formalizada em manual e a instituição deve ter uma área ou pessoa responsável pela qualidade do processo e metodologias; Objetividade: as informações de preços de ativos e/ou fatores a serem utilizados no processo de Marcação a Mercado devem ser preferencialmente obtidas de fontes externas independentes; Consistência: o mesmo ativo não pode ter preços diferentes, salvo quando a Marcação a Mercado ficar a cargo de instituição contratada especificamente para o exercício desta função; e Transparência: os princípios das metodologias de marcação devem ser públicos, ou seja, o manual ou uma versão simplificada que atendam aos padrões da ANBIMA - preservando assim os modelos proprietários - deve estar disponível aos clientes e à Associação. 2. Descrição do processo de marcação a mercado 2.1 Coleta de dados de mercado Os preços, taxas e índices são obtidos através de Fontes Primárias, pela execução de downloads na internet para posterior armazenamento em banco de dados. Este

5 5 procedimento de obtenção de informações é realizado através de importações de arquivos, evitando ao máximo a inserção de dados através de digitação, minimizando os Riscos Operacionais. São consideradas Fontes Primárias: ANBIMA obtenção de preços para Títulos Públicos Federais e Swaps utilizados como hedge para operações com Títulos Públicos Federais. BM&FBovespa - obtenção de preços para Ações no Mercado à Vista, Opções Líquidas sobre Ações e Termo de Ações, além de preços para Contratos Futuros, Opções Líquidas sobre Índices e Commodities Agrícolas. Na impossibilidade de encontrar as informações nas fontes primárias, poderão ser utilizados preços disponibilizados por outros feeders (Bloomberg, Reuters e Corretoras), contanto que este procedimento seja aprovado pelo administrador/gestor da carteira ou pelo Gestor responsável pela área de Controladoria de Clubes e de Fundos de Investimentos. Como última opção, utilizam-se modelos proprietários que buscam a melhor aproximação para a situação vigente no mercado. Vale ressaltar que, as cotações utilizadas na metodologia de precificação não podem ultrapassar o prazo máximo de 15 (quinze) dias da data atual. Sempre que houver evidência de redução no valor recuperável dos ativos do Fundo, avaliados pelo custo ou custo amortizado, deverá ser registrada uma provisão para perdas, a ser calculada nos termos estabelecidos na Instrução CVM Validação dos dados de mercado coletados As informações extraídas para o apreçamento dos instrumentos financeiros são monitoradas diariamente, com o intuito de avaliar divergências antes do cálculo e obtenção de cotas dos fundos, sendo que os procedimentos de extração e validação das informações são realizados por colaboradores distintos.

6 6 2.3 Aplicação e Validação dos dados de mercado coletados às carteiras Os dados obtidos são inseridos, com periodicidade diária, no sistema de cálculo pelo Setor de Precificação, onde são realizados os cálculos de cotas, pela Área de Controladoria. Após a obtenção dos cálculos são gerados relatórios para verificação e acompanhamento da variação da cota, de seu benchmark e outros indicadores de mercado. 2.4 Supervisão dinâmica da metodologia O grupo de Precificação, com auxílio da área de risco, realiza as devidas validações das metodologias relativas ao apreçamento dos instrumentos financeiros constantes nas carteiras dos fundos de investimentos, através dos seguintes procedimentos: - Desenvolvimento de aplicativos que realizam a precificação dos ativos para simulação da metodologia a ser implementada, com o intuito de validar a aderência da metodologia e análise das oscilações, comparando os resultados obtidos com os valores efetivamente negociados no mercado; - Após a análise e efetiva validação da aderência da metodologia é realizada a adequação do sistema no ambiente de homologação onde são efetuadas análises de carteiras através de amostras que contemplem a maior diversidade de instrumentos financeiros, para a implantação no ambiente de produção. Além disto, há a realização de testes de aderência pela Área de Compliance, bem como trabalhos da Área de Auditoria Interna, buscando sempre adequar o processo as melhores práticas de mercado.

7 7 2.5 Estrutura Organizacional A área de Controladoria de Clubes e de Fundos de Investimentos é responsável pela elaboração e aplicação das metodologias de apreçamento descritas neste manual, sendo que qualquer alteração, inclusão ou utilização de fontes alternativas fica sujeita a análise do grupo de Precificação. O grupo de precificação, que está subordinado a Diretoria Executiva da Instituição, reúne-se anualmente com o objetivo de avaliar, indicar e definir as melhores práticas de mercado relacionadas à apuração do valor de mercado dos instrumentos financeiros ou extraordinariamente para definir metodologias de precificação ou alterações no processo de marcação a mercado. O grupo tem como composição mínima o Diretor de Recursos de Terceiros, o Gestor da Área de Controladoria de Clubes e de Fundos de Investimentos e os Responsáveis pelas Áreas de Precificação e de Risco, sendo que pode haver a presença de convidados, quando da discussão de tópicos específicos. Os assuntos discutidos, bem como as decisões tomadas nestas reuniões são registradas em ata, ficando estas disponíveis para consulta por um período mínimo de 5 (cinco) anos. Destacando que, a aprovação de qualquer assunto pelo grupo de precificação deverá ocorrer por unanimidade. Neste processo, destacam-se também as participações das Áreas de Compliance e de Auditoria Interna, que são responsáveis pela realização de testes de aderência e por certificar a efetividade da estrutura e do processo de marcação a mercado, bem como a aderência às regulamentações internas e externas e a adequação dos métodos, critérios, procedimentos e recursos sistêmicos que suportam as aplicações, mediante documentação dos testes realizados. 2.6 Tipos de Cotas de Fundos de Investimentos Cota de abertura: cota cujo valor é calculado e divulgado somente na abertura do mercado. Para os ativos de renda fixa, utilizam-se as taxas de fechamento ajustadas para o primeiro dia útil subsequente.

8 8 Cota de fechamento: cota cujo valor é calculado e divulgado somente após o fechamento do mercado. São utilizadas taxas de fechamento e preços médios divulgados ao final das negociações do dia. 3. Metodologia de Marcação De forma geral, os títulos integrantes das carteiras dos fundos de investimento geridos e/ou administrados pela Gradual CCTVM serão marcados a mercado, de acordo com as regras estabelecidas pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e em linha com as melhores práticas de mercado promovidas pela ANBIMA. Excepcionalmente, existem casos amparados pela legislação aplicável em que se adota o chamado método de marcação na curva. Essa forma de apuração de valor dos títulos fica restrita ao universo dos fundos exclusivos e pode ser adotada para os ativos que se pretende manter até o vencimento. A Instrução Normativa 438 da CVM, de 12 de julho de 2006, estabelece critérios sobre as normas de escrituração, avaliação de ativos, reconhecimento de receitas e apropriação de despesas e elaboração das demonstrações contábeis para Fundos de Investimento e Fundos de Investimento em Cotas de Fundo de Investimento, regidos pela Instrução CVM nº 409, de 18 de agosto de 2004, dos Fundos Mútuos de Privatização - FMP-FGTS e Fundos Mútuos de Privatização - Carteira Livre - FMP- FGTS-CL, regidos pela Instrução CVM nº 279, de 14 de maio de 1998 e dos Fundos de Aposentadoria Programada Individual - FAPI, instituídos pela Lei nº 9.477, de 24 de julho de Conforme o determinado, a metodologia de apuração do valor de mercado é de responsabilidade da instituição administradora e deve ser estabelecida com base em critérios consistentes e passíveis de verificação. Os títulos e valores mobiliários são classificados em duas categorias: (i) Títulos para negociação; (ii) Títulos mantidos até o vencimento.

9 9 Na categoria ativos mantidos até o vencimento devem ser registrados títulos e valores mobiliários quando, na data da aquisição, houver intenção dos cotistas em preservar volume de aplicações compatível com a manutenção de tais ativos na carteira do fundo até o vencimento, desde que sejam observadas, cumulativamente, as seguintes condições: (i) o fundo de investimento seja destinado a um único investidor, a investidores pertencentes ao mesmo conglomerado ou grupo econômico-financeiro ou a investidores qualificados, esses últimos definidos como tal pela regulamentação editada pela CVM relativamente aos fundos de investimento; (ii) haja solicitação formal de todos os cotistas, na qual deve constar declaração de que possuem capacidade financeira para levar ao vencimento os ativos classificados nesta categoria; (iii) todos os cotistas que ingressarem no fundo a partir da classificação nesta categoria declarem formalmente, por meio do termo de adesão ao regulamento do mesmo, sua capacidade financeira e anuência à classificação de títulos e valores mobiliários integrantes da carteira do fundo na categoria mencionada neste item. A reavaliação quanto à classificação dos títulos e valores mobiliários, deve ser efetuada imediatamente, caso constatada alteração nos parâmetros. A transferência da categoria títulos mantidos até o vencimento para a categoria títulos para negociação somente poderá ocorrer por motivo não previsto, ocorrido após a data da classificação, de modo a não descaracterizar a intenção e a capacidade financeira evidenciada quando da classificação nessa categoria. Neste caso, deve permanecer à disposição do BACEN a documentação que servir de base para a reclassificação, devidamente acompanhada de exposição de motivos da instituição administradora. Não será admitido o estorno dos valores já computados no resultado, decorrentes de ganhos ou perdas não realizados. Na transferência da categoria títulos para negociação para a categoria títulos mantidos até o vencimento, os ganhos e perdas não realizados devem ser reconhecidos imediatamente no resultado do período.

10 10 Atualmente a Gradual CCTVM administra o Fundo Incentivo FI Referenciado CDI Crédito Privado, CNJP / , o qual possui único investidor, superqualificado, onde parte dos ativos integrantes da carteira de títulos e valores mobiliários são compostos por CCBs (Cédulas de Credito Bancário) e dada a natureza destes ativos, cujo volume de negócios é bastante restrito no mercado secundário, utiliza-se critérios específicos de acordo com a disponibilidade de informações ou a classificação na categoria mantidos até o vencimento, de acordo com as seguintes prioridades: a) títulos da mesma modalidade, com características semelhantes em termos de estrutura, nível de risco de crédito, prazo e garantias que, nos últimos 30 (trinta) dias, tenham: (i) sido objeto de emissão primária ou (ii) negociados em mercado secundário. b) títulos privados de emissão não financeira de outras modalidades que apresentem características semelhantes em termos de estrutura, nível de risco de crédito, prazo e garantias que, nos últimos 30 (trinta) dias, tenham: (i) sido objeto de emissão primária ou (ii) negociados em mercado secundário. c) avaliação junto aos players do mercado para obtenção de uma proxy do que seria o valor justo a mercado para o título. d) na falta de informações, aplica-se a valorização pela taxa de negociação e emissão, classificando-os na categoria mantidos até o vencimento. No caso de fundos não exclusivos, todos os títulos e valores mobiliários serão obrigatoriamente marcados a mercado, de acordo com as regras estabelecidas nos tópicos a seguir. 4. Critérios de apreçamento 4.1 Títulos Públicos Federais LTN Letra do Tesouro Nacional As Letras do Tesouro Nacional - LTN são títulos públicos com valor nominal de

11 11 R$ 1.000,00 na data de vencimento, o referido título é denominado prefixado porque a sua rentabilidade é determinada no momento da compra pela diferença entre o preço de compra e o valor nominal no vencimento (R$ 1.000,00). Onde: LTN MtM = PU Quantidade LTN MtM é o valor de mercado para a data de referência; PU Quantidade é o valor do preço unitário (PU ANBIMA); é a quantidade de títulos Fonte de Preço/Taxa: ANBIMA - PU Letras Financeiras do Tesouro LFT A taxa da LFT observada no ambiente de compra do Tesouro Direto reflete o deságio ou ágio sobre o valor nominal atualizado do título na data de liquidação da compra, assim, a rentabilidade proporcionada pelo título será a taxa SELIC acrescida pelo deságio ou ágio da LFT. Onde: LFT MtM = PU Quantidade LFT MtM é o valor de mercado para a data de referência; PU Quantidade é o valor do preço unitário (PU ANBIMA); é a quantidade de títulos Fonte de Preço/Taxa: ANBIMA - PU Notas do Tesouro Nacional Série C NTN-C As Notas do Tesouro Nacional, série C NTN-C são títulos públicos com rentabilidade

12 12 vinculada à variação do IGP-M, acrescida de juros definidos no momento da compra. O referido título possui pagamento semestral de cupom de juros de 6% a.a. (exceto as NTN-C cujo cupom de juros é 12% a.a.). As datas de pagamento são definidas retrospectivamente a cada seis meses a partir da data de vencimento da NTN-C, caso esta data não seja dia útil, o pagamento ocorrerá no primeiro dia útil subsequente. O pagamento do último cupom de juros coincide com o resgate do principal da NTN-C. A taxa da NTN-C observada no ambiente de compra do Tesouro Direto reflete a taxa interna de retorno (TIR) do fluxo de pagamentos dos cupons de juros e do deságio ou ágio sobre o valor nominal atualizado do título. Onde: NTN MtM = PU Quantidade NTN MtM é o valor de mercado para a data de referência; PU Quantidade é o valor do preço unitário (PU ANBIMA); é a quantidade de títulos Fonte de Preço/Taxa: ANBIMA - PU Notas do Tesouro Nacional Série B NTN-B As Notas do Tesouro Nacional, série B NTN-B são títulos públicos com rentabilidade vinculada à variação do IPCA, acrescida de juros definidos no momento da compra. O referido título possui pagamento semestral de cupom de juros de 6% a.a. As datas de pagamento são definidas retrospectivamente a cada seis meses a partir da data de vencimento da NTN-B, caso esta data não seja dia útil, o pagamento ocorrerá no primeiro dia útil subsequente. O pagamento do último cupom de juros coincide com o resgate do principal da NTN-B.

13 13 A taxa da NTN-B observada no ambiente de compra do Tesouro Direto reflete a taxa interna de retorno (TIR) do fluxo de pagamentos dos cupons de juros e do deságio ou ágio sobre o valor nominal atualizado do título. Onde: NTN MtM = PU Quantidade NTN MtM é o valor de mercado para a data de referência; PU Quantidade é o valor do preço unitário (PU ANBIMA); é a quantidade de títulos Fonte de Preço/Taxa: ANBIMA - PU Notas do Tesouro Nacional Série F NTN-F As Notas do Tesouro Nacional, série F NTN-F são títulos públicos com rentabilidade prefixada pela taxa interna de retorno (TIR) do fluxo de pagamentos dos cupons de juros e do deságio ou ágio sobre o valor nominal do título. O referido título possui pagamento semestral de cupom de juros de 10% a.a. As datas de pagamento são definidas retrospectivamente a cada seis meses a partir da data de vencimento da NTN-F, caso esta data não seja dia útil, o pagamento ocorrerá no primeiro dia útil subsequente. O pagamento do último cupom de juros coincide com o resgate do principal da NTN-F. NTN MtM = PU Quantidade Onde:

14 14 NTN MtM é o valor de mercado para a data de referência; PU Quantidade é o valor do preço unitário (PU ANBIMA); é a quantidade de títulos Fonte de Preço/Taxa: ANBIMA - PU 4.2 Renda Variável Ações As ações à vista são valorizadas pelo último preço de fechamento divulgado pela Bovespa. Em não havendo negociação no dia, será mantido o preço da última negociação. Onde: Ações MtM = Preço Quantidade Ações MtM é o valor de mercado para a data de referência; Preço Quantidade é o valor do preço de fechamento divulgado pela BM&FBovespa; é a quantidade de ações Fonte de Preço/Taxa: BM&FBovespa Preço de fechamento 4.3 Cotas de Fundos de Investimentos Os fundos que investem em cotas são apreçados com a utilização do valor unitário da cota dos respectivos fundos investidos na data de referência, considerando-se que os mesmos atendam também a exigência de apreçamento. O valor destas cotas é obtido através da consulta à internet (sites dos emissores) ou por . Em situação de contingência a informação poderá ser fornecida por telefone, com posterior confirmação pelas fontes tradicionais (internet e ).

15 Títulos Privados Os títulos privados são emitidos por empresas privadas ou instituições financeiras visando a captação de recursos junto aos investidores com prazo e rendimento prédeterminados Debêntures - Pós-Fixados em CDI/Selic Debênture é um instrumento pelo qual o emissor (tomador dos recursos) promete pagar ao credor (debenturista) a quantidade emprestada mais juros sobre algum período de tempo especificado. O prazo de maturidade de uma debênture é o número de anos durante os quais o emissor promete cumprir as condições da obrigação. A maturidade refere-se ao dia e que o empréstimo cessará e ao dia em que o emissor irá redimir a debênture pelo pagamento do montante devido. O valor principal de uma debênture é o valor que será pago ao debenturista na data de resgate. Esse valor é também conhecido como o valor par. O valor periódico do pagamento dos juros é chamado de cupom. A taxa de cupom é a taxa de juros que o emissor concorda em pagar a cada ano. A taxa de cupom quando multiplicada pelo principal da debênture, fornece o valor em dinheiro do cupom 3. Debênture = VI VF Over Acum Onde: Debênture VF é o valor futuro do título na data de referência; VI é o valor inicial do título ou valor de emissão; Over Acum é a taxa acumulada entre a data de emissão (inclusive) do título até a data de referência (exclusive), podem ser acrescido Spread estabelecido como percentual aplicado ao CDI/Selic: 102% do CDI, por exemplo. Fonte de Preço/Taxa: a fonte primária para a estimar o CDI é a curva proveniente dos futuros de DI da BMF.Para a determinação do Spread de Crédito expresso ou como

16 16 percentual aplicado ao CDI/Selic ou como taxa ano a ser acrescida ao CDI/Selic, utilizase: a taxa publicada pela ANBIMA, caso a debênture tenha taxa indicativa publicada pela ANBIMA, utilizando-se, também, o spread médio de crédito ponderado pelo volume negociado. Este spread é calculado a partir dos preços médios das operações realizadas e registradas no Sistema Nacional de Debêntures (www.debêntures.com.br) nos últimos 21 dias úteis desde que o somatório das quantidades das operações realizadas seja superior a 1% da quantidade de debêntures em circulação no mercado secundário. No caso da debênture não ter a taxa indicativa, mantém-se o último spread obtido a partir da última taxa publicada pela ANBIMA e a curva de juros da BM&F ou ainda pode-se manter o último spread de crédito apurado, a partir do SND (www.debêntures.com.br). O spread poderá ser alterado pelo Comitê de Crédito da AMC devido a mudança de rating ou eventos de crédito, sendo possível a utilização de informação as ofertas firmes registradas em Sistemas de negociação como fonte adicional Certificado de Depósito Bancário - CDB O CDB (Certificado de Depósito Bancário) é um título emitido pelos bancos múltiplos, comerciais e de investimentos, negociado entre instituições financeiras e vendido para investidores Prefixado CDB MtM = VR du ( 1+ i)252 Onde: CDB MtM é o valor de mercado na data de referência; VR é o valor de resgate do título; 3 Calculo Financeiro das Tesourarias José Roberto Securato.

17 17 i du é a taxa de juros ao ano prefixada, verificada no mercado para o vencimento do título; é o prazo em dias úteis entre a data de referência e o vencimento do título Demais títulos privados de emissão não financeira Como os demais títulos privados de emissão não financeira apresentam volume de negócios bastante restrito no mercado secundário, a marcação a mercado dos ativos que se enquadram nessa categoria (Certificados de Crédito Bancário CCBs; Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI; ou Certificados de Recebíveis do Agronegócio CRA) utilizará critérios específicos de acordo com a disponibilidade de informações Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios Os Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios administrados pela Gradual CCTVM tem a marcação a mercado efetuada pelas Instituições Financeiras contratadas para a prestação dos serviços de Controladoria e Custódia e consta de seus manuais de precificação a forma de apuração e valorização de ativos integrantes de suas carteiras Pós-Fixado Onde: CDB = VI Futuro Over Acum CDB Futuro é o valor futuro do título na data de referência; VI é o valor inicial do título ou valor de emissão; Over Acum é a taxa acumulada entre a data de emissão do título até a data de referência. Os CDBs que compõem as carteiras dos fundos administrados/controlados pela Gradual CCTVM S/A, são negociados com liquidez diária e registrados no CETIP com a

18 18 Cláusula S. Desta forma, os mesmos são marcados por sua taxa de emissão até o seu vencimento. 4.5 Derivativos Opções As opções são contratos que envolvem o estabelecimento de direitos e obrigações sobre determinados títulos, com prazo e condições preestabelecidos. A valorização é realizada pela cotação de fechamento do encerramento do pregão BM&FBovespa, sendo que os fundos de investimentos administrados pela Gradual CCTVM S/A investem somente em opções líquidas, sendo utilizadas para sua marcação as cotações referentes ao preço de fechamento da data de referência, obtidas através do site da BM&FBovespa. Na impossibilidade de encontrar referências de mercados organizados (BM&FBovespa, por exemplo) a área de Precificação adotará modelos matemáticos que busquem a melhor aproximação para a situação vigente no mercado.. No caso de modelagem matemática para opções com ativo-objeto ações será utilizado o Modelo Black & Scholes. No caso de modelagem matemática para opções com ativoobjeto Futuros - BM&F será utilizado o modelo Black. Fonte de Preço/Taxa: BM&FBovespa Contratos Futuros As operações no mercado futuro são marcadas a mercado diariamente conforme ajustes diários 4 publicados da BM&FBovespa. Fonte de Preço/Taxa: BM&FBovespa 4 Diferença entre a cotação do dia de referência e o dia útil imediatamente anterior.

19 Contratos a Termo de Ação Para apreçamento dos contratos a termo de ação é utilizada a curva de taxa de juros prefixada calculada como a média entre o bid e ask a partir dos vértices da Curva Referencial Pré divulgados diariamente pela Reuters. Para as taxas referentes as datas onde não há informações disponíveis,as mesmas serão obtidas interpolando-se linearmente as taxas dos vencimentos adjacentes. 5. Métodos Alternativos de Precificação de Ativos A GRADUAL CCTVM é uma instituição financeira voltada para investimentos em médias e grandes empresas de todos os setores. Atua no Brasil desde 1968 e vem se destacando por sua solidez, flexibilidade, agilidade e transparência. Os clientes que investem na GRADUAL CCTVM contam com a solidez do seleto grupo de instituições financeiras com classificação A (Austin Assis). Assim, para continuar oferecendo produtos de qualidade com solidez, flexibilidade, agilidade e transparência, a GRADUAL CCTVM estabelece procedimentos de marcação a mercado e que abrangem todos os ativos e derivativos relevantes. Como norma e sempre que possível, adotam-se preços e cotações dos mercados organizados. Na impossibilidade de encontrar referências de mercados organizados, a área de riscos trabalha com um modelo proprietário que busca a melhor aproximação para a situação vigente no mercado, sujeita às condições de liquidez e de materialidade dos negócios realizados no mercado secundário. 5.1 Interpolação de Taxas Após a aplicação dos critérios acima descritos e tendo em vista a possibilidade de que o

20 20 número de informações recebidas não permita a divulgação de taxas para alguns vencimentos, decidiu-se, nestes casos, interpolar a série, utilizando-se, para isso, o método Cubic Spline para os títulos prefixados e cambiais, e o método de capitalização da taxa a termo, para os papéis pós-fixados, atrelados à Taxa Over Selic. Vale acrescentar que as NTN-Cs e as cambiais swapadas não estão sujeitas à interpolação. A utilização do Spline permite obter taxas a termo, para períodos intermediários, mais suaves do que as que são obtidas pelo procedimento de capitalização das próprias taxas a termo. Aplicamos o Spline e interpolamos entre todas as taxas fornecidas, de maneira que a curva passa por todas as taxas disponíveis. A peculiaridade das LFTs faz com que o método de capitalização da taxa a termo se mostre mais adequado. No caso dos títulos prefixados sem pagamentos intermediários (LTN), o primeiro vértice é sempre o de razão de um dia, sendo utilizada para o cálculo a taxa apurada pela ANBIMA para títulos públicos federais, como aproximação. No cálculo da interpolação, essa taxa sempre será utilizada, independentemente de haver vencimento de LTN também com prazo de um dia. Quanto às aplicações cambiais, empregamos o Spline sobre a curva denominada em cupom limpo. A curva denominada em cupom sujo é extremamente instável, devido às diferenças da taxa de câmbio no momento da negociação do papel e na sua escritura. O cupom limpo é definido da seguinte forma: as instituições enviam suas taxas de retorno (cupom) sujo e o dólar utilizado no cálculo. Seguindo metodologia descrita na cartilha do Mercado Secundário, transforma-se a taxa recebida para retorno limpo utilizando o dólar enviado pela instituição. Ao final do processo, convertem-se as taxas resultantes para retorno sujo, utilizando, para tal, a média das cotações enviadas pelas instituições.

21 Extrapolação pela Taxa a Termo de LTN (a partir de 1/9/2000) No caso da não divulgação de taxas para o(s) último(s) vencimento(s) de títulos prefixados (se as informações não passarem pelos filtros descritos acima), optou-se pelo critério de extrapolação de taxas, a partir da taxa a termo embutida nos dois últimos vencimentos precificados.

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Departamento de Controladoria de Fundos de Investimento Setor de Precificação Propriedade de SITA Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S/A Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização.

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO DA CRUZEIRO DO SUL S.A. DTVM

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO DA CRUZEIRO DO SUL S.A. DTVM MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO DA CRUZEIRO DO SUL S.A. DTVM FEVEREIRO/2012 V6 Propriedade da Cruzeiro do Sul S.A. DTVM. Proibida a reprodução total ou parcial deste manual sem a devida autorização prévia.

Leia mais

Setor de Precificação e Risco de Mercado Última Revisão Maio de 2010 MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723.

Setor de Precificação e Risco de Mercado Última Revisão Maio de 2010 MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723. MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS DA MAGLIANO SA CCVM CNPJ 61.723.847/0001-99 FUNDOS DE INVESTIMENTOS INTRODUÇÃO A Magliano: Buscar a correta precificação dos ativos é parte integrante do controle de risco.

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E DERIVATIVOS - SINTÉTICO

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E DERIVATIVOS - SINTÉTICO MANUAL DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E DERIVATIVOS - SINTÉTICO Maio de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. PRINCÍPIOS GERAIS...5 2.1. MELHORES PRÁTICAS...5 2.2. ABRANGÊNCIA...5 2.3. COMPROMETIMENTO...5 2.4. EQÜIDADE...5

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27

Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27 Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27 Sumário 1. PRINCÍPIOS GERAIS... 3 1.1. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 1.2. PRINCIPIOS DA MARCAÇÃO A MERCADO... 4 1.3. CONVENÇÕES ADOTADAS...

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO 1/20 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORAÇÃO REVISÃO APROVAÇÃO Ana Bezerra Diretora Corporativa Jean Fontes Departamento de Riscos Olympia Baptista Gerência de Controles Internos e Compliance Luiz Eduardo Franco

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Material Explicativo sobre Títulos Públicos

Material Explicativo sobre Títulos Públicos Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais Os são emitidos pelo Tesouro Nacional, servindo como um instrumento de captação do Governo Federal para execução e financiamento de suas dívidas internas,

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Gerência Nacional de Controladoria de Ativos Passivos e Custódia Data de Vigência: 30/09/2015 SUMÁRIO 1 PRINCÍPIOS GERAIS E O PROCESSO DE MARCAÇÃO A MERCADO... 3 1.1 LEGISLAÇÃO

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

SCI- 12. Nome do Documento. Código de Acesso. Manual de Marcação a Mercado - MaM CONTEÚDO DO DOCUMENTO

SCI- 12. Nome do Documento. Código de Acesso. Manual de Marcação a Mercado - MaM CONTEÚDO DO DOCUMENTO Nome do Documento Manual de Marcação a Mercado - MaM Código de Acesso SCI- 12 CONTEÚDO DO DOCUMENTO O presente documento fornece instruções obrigatórias para a execução dos processos de marcação a mercado

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos. Marcação a Mercado

Manual de Precificação de Ativos. Marcação a Mercado Manual de Precificação de Ativos Marcação a Mercado Maio de 2015 Marcação a mercado, É o procedimento adotado com o objetivo de aumentar a segurança dos investidores que aplicam na indústria brasileira

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO 1 Banco PETRA S.A. Serviços Qualificados no Mercado de Valores Mobiliários MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Início da Vigência: Janeiro/2011 Versão 1.3 (Set/2012) Propriedade do Banco PETRA S.A. Proibida a

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Versão 08 Março de 205 Propriedade do Banco BM&FBOVESPA de Serviços de Liquidação e Custódia S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização . INTRODUÇÃO...

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Precificação de Títulos Públicos

Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos > Componentes do preço > Entendendo o que altera o preço Componentes do preço Nesta seção você encontra os fatores que compõem a formação

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS Componentes do Preço; Entendendo o que altera o preço. Componentes do Preço O objetivo desta seção é apresentar ao investidor: os fatores

Leia mais

POLÍTICA DE MARCAÇÃO A MERCADO IFCONSULTANT ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA

POLÍTICA DE MARCAÇÃO A MERCADO IFCONSULTANT ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA POLÍTICA DE MARCAÇÃO A MERCADO IFCONSULTANT ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA VERSÃO 1.2 VIGÊNCIA A PARTIR DE 29/01/2010 1 ÍNDICE 1. PRINCÍPIOS DE MARCAÇÃO A MERCADO...4 2. ABORDAGEM METODOLÓGICA...5

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO PETRA S.A. Serviços Qualificados no Mercado de Valores Mobiliários MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Início da Vigência: Janeiro/2011 Versão 1.4 (Maio/2014) Propriedade do Banco PETRA S.A. Proibida a

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96)

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

Renda Fixa - Precificação

Renda Fixa - Precificação Renda Fixa - Precificação Prof. Paulo Lamosa Berger Introdução Renda Fixa - Precificação 2 O valor do dinheiro refere-se ao fato de que $1 hoje vale mais que $1 em uma data futura. O entendimento desta

Leia mais

Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Março de 2009 ÍNDICE MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO... VISÃO DO PROCESSO...3. Coleta de Preços...3.2 Tratamento e Validação dos Preços Coletados...4.3 Apuração, Controle e Supervisão

Leia mais

ÍNDICE. Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES

ÍNDICE. Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES Administradores da Emissora... 13 Coordenador Líder... 13

Leia mais

Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados pela BRB-DTVM.

Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados pela BRB-DTVM. Página 1/35 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: FINALIDADE: ELABORADOR: APROVAÇÃO: NORMA EXECUTIVA Definir as metodologias de apreçamento de ativos e derivativos constantes das carteiras de fundos e carteiras administrados

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 03 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 OBJETIVOS DA ATUALIZAÇÃO DA CPA-10 A Atualização dos profissionais certificados CPA-10 é parte do Código de Regulação

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 9 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo II ) Revisão da tentativa 1 Iniciado

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Fundos e Carteiras Gerência de Análise Econômica e Riscos de Mercado Diretoria de Recursos de Terceiros, Economia e Riscos Versão: Julho/04 Sumário. OBJETIVO... 3. CONCEITO...

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO CAPITAL SEGURO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado. Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A.

Manual de Marcação a Mercado. Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. Manual de Marcação a Mercado Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. 21 de março de 2014 Versão: 01-2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. PRINCÍPIOS GERAIS... 5 3. VISÃO DO PROCESSO... 6 3.1. Fonte de Preços...

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Fevereiro de 2013 INÍCIO DE VALIDADE: FEVEREIRO DE 2013 VERSÃO 8

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Fevereiro de 2013 INÍCIO DE VALIDADE: FEVEREIRO DE 2013 VERSÃO 8 MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO INÍCIO DE VALIDADE: FEVEREIRO DE 2013 VERSÃO 8 Controladoria e Custódia de Fundos de Investimentos 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Visão do processo... 4 2.1. Coleta de preços...

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GESTÃO DE LIQUIDEZ Av. Santos Dumont, 2122 - Sala 407 - Aldeota Fortaleza CE - 60.150-161 +55 85 3047.2601 4005.9161 www.rendaassset.com.br MANUAL DE GESTÃO DE LIQUIDEZ Fortaleza CE - Atualizado em 22 de Janeiro de 2013

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado

Manual de Marcação a Mercado Manual de Marcação a Mercado Custódia Qualificada Outubro de 2012 Data de Vigência: 01/10/2012 Documentação Técnica - Metodologia de Precificação 1. Introdução...... 4 2. Princípios Gerais de Marcação

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Master Fundo de Investimento Referenciado - DI de Longo Prazo CNPJ: 01.822.655/0001-08

Demonstrações Financeiras Banrisul Master Fundo de Investimento Referenciado - DI de Longo Prazo CNPJ: 01.822.655/0001-08 Demonstrações Financeiras Banrisul Master Fundo de Investimento Referenciado - DI de Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Proibida a reprodução. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO 16 de março de 2015 Sumário Introdução... 3 1. Visão do Processo e Estrutura Organizacional... 3 a. Estrutura Organizacional envolvida no Processo...

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO PETRA S.A. Serviços Qualificados no Mercado de Valores Mobiliários MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Início da Vigência: Janeiro/2011 Versão 1.5 (Setembro/2015) Propriedade do Banco PETRA S.A. Proibida

Leia mais

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Metodologia de Cálculo dos Títulos Públicos Federais Ofertados nos Leilões Primários O objetivo deste guia é facilitar o entendimento dos investidores sobre algumas peculiaridades

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI FIC DE FIM BTG PACTUAL HIGH YIELD CNPJ: 07.442.466/0001-96

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI FIC DE FIM BTG PACTUAL HIGH YIELD CNPJ: 07.442.466/0001-96 Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI FIC DE FIM BTG PACTUAL HIGH YIELD Informações referentes a setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Consulta Pública de Lâmina de Fundo

Consulta Pública de Lâmina de Fundo Page 1 of 8 Consulta Pública de Lâmina de Fundo Atenção: Estas informações tem por base os documentos enviados à CVM pelas Instituições Administradoras dos Fundos de Investimento e são de exclusiva responsabilidade

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

CONTEÚDO 1 OBJETIVO 3 2 CONCEITO 3. 2.1. Princípios de Marcação a Mercado 3 3 VISÃO DO PROCESSO 4

CONTEÚDO 1 OBJETIVO 3 2 CONCEITO 3. 2.1. Princípios de Marcação a Mercado 3 3 VISÃO DO PROCESSO 4 CONTEÚDO OBJETIVO 3 CONCEITO 3.. Princípios de Marcação a Mercado 3 3 VISÃO DO PROCESSO 4 3.. Estrutura Organizacional 4 3... Responsabilidade Metodológica 4 3... Responsabilidade pela Aplicação 4 3..

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

RENDA FIXA? Fuja do seu banco!

RENDA FIXA? Fuja do seu banco! RENDA FIXA? Fuja do seu banco! Janeiro 2014 COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? COMO INVESTIR EM RENDA FIXA! COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? Renda Fixa = Emprestar Dinheiro Tipos de Investimentos em Renda Fixa: CDB

Leia mais

Manual de Precificação de Ativos Manual de Marcação a Mercado MaM

Manual de Precificação de Ativos Manual de Marcação a Mercado MaM Manual de Precificação de Ativos Manual de Marcação a Mercado MaM Versão 1.6 Outubro/2015 1 Sumário INTRODUÇÃO... 4 1 PRINCÍPIOS DE MAM... 5 2 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ENVOLVIDA NO PROCESSO... 6 2.1. EQUIPES

Leia mais

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados.

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados. Faculdades Integradas Campos Salles Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Aplicada às Instituições Financeiras Professor: Adeildo Paulino Aula: 12/05/2012 Matéria: Títulos e Valores Mobiliários

Leia mais

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT)

Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto. Tesouro Selic (LFT) Cálculo da Rentabilidade dos Títulos Públicos ofertados no Tesouro Direto Tesouro Selic (LFT) O Tesouro Selic (LFT) é um título pós fixado, cuja rentabilidade segue a variação da taxa SELIC, a taxa básica

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 68

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 68 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 68 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento, no exercício das atribuições a ele conferidas

Leia mais

Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO Departamento de Riscos MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO 26 de Março de 203 Sumário INTROÇÃO... 5 2 PRINCÍPIOS GERAIS... 6 3 VISÃO DO PROCESSO... 7 3. Coleta de Preços... 8 3.2 Tratamento e Validação dos Preços

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Mercado Aberto, no exercício das atribuições a ele conferidas pelo Código ANBIMA

Leia mais

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10)

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) PROGRAMA DETALHADO Programa da Certificação Detalhado Profissional da Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) ANBID Série 10 Controle: D.04.08.07 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão:

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO

METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS TÍTULOS PÚBLICOS OFERTADOS NO TESOURO DIRETO Letras do Tesouro Nacional LTN Características Gerais: Juros: Não há, estão implícitos no deságio do título. Modalidade: Escritural,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Fundos de Investimento constituídos sob a forma de condomínio aberto Publicação 31/03/2015 - versão 003 Responsável: Compliance e Riscos Gestoras PETRA 0 ÍNDICE

Leia mais

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco QUEM SOMOS 2 Conceitos básicos; 3 Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco Liquidez: Capacidade de transformar um ativo em dinheiro. Ex. Se você tem um carro ou uma casa e precisa vendê-lo, quanto tempo

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VITÓRIA RÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 05.384.841/0001-63. Informações referentes à MAIO de 2014

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VITÓRIA RÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 05.384.841/0001-63. Informações referentes à MAIO de 2014 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O Informações referentes à MAIO de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o VITÓRIA RÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. As informações

Leia mais

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários adquiridos por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Extra Fundo de Investimento Renda Fixa (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - e 2011 Com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS ESMERALDA FIC FI RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS ESMERALDA FIC FI RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ/MF: Informações referentes a Agosto de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o BNP PARIBAS ESMERALDA FIC FI RENDA FIXA CREDITO

Leia mais

Infinity Platinum Fundo de Investimento Multimercado CNPJ 10.468.196/0001-05 (Administrado pela Infinity Corretora de Câmbio, Títulos e Valores

Infinity Platinum Fundo de Investimento Multimercado CNPJ 10.468.196/0001-05 (Administrado pela Infinity Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Infinity Platinum Fundo de Investimento Multimercado CNPJ 10.468.196/0001-05 (Administrado pela Infinity Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários S/A.) Demonstrações financeiras em 31 de Tag

Leia mais

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014 Introdução, perguntas e respostas que vão te ajudar a conseguir dialogar com clientes que tenham dúvidas sobre os investimentos que estão fazendo, ou alguma outra pessoa que realmente entenda do mercado

Leia mais

Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Safra Petrobras - Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de (Administrado pelo Banco Safra de Investimento S.A.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 30 de Junho de 2007 e ao Período

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ S.A.

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ S.A. MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BANCO ITAÚ S.A. Válido para Fundos de Investimentos e Carteiras de Investimentos Fevereiro de 2007 Versão: 0207 V1.0-S PRINCÍPIOS GERAIS E POLÍTICAS DE MARCAÇÃO A MERCADO...3

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Belo Horizonte, outubro de 2006 Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Calculadora do Tesouro Direto O que é Tesouro Direto? Em 07 de

Leia mais

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007.

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007. ITAUVEST PERSONNALITÉ CURTO PRAZO FUNDO DE INVESTIMENTO EM Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007. Mercado / % sobre Aplicações/Especificação Quantidade Realização

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo. Sumitomo Mitsui Platinum Plus FIC de FI Ref. DI Crédito Privado Longo Prazo CNPJ: 00.827.

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo. Sumitomo Mitsui Platinum Plus FIC de FI Ref. DI Crédito Privado Longo Prazo CNPJ: 00.827. Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo Informações referentes a setembro de 2015. Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SUMITOMO MITSUI PLATINUM PLUS FIC DE FI REF DI

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008.

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008. Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008. Mercado / % sobre Aplicações/Especificação Quantidade Realização Patrimônio R$ Mil Líquido 1.DISPONIBILIDADES 8 0,03 Depósitos

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

Manual de Controle de Risco de Mercado - Conglomerado Financeiro do Banco Opportunity 09/2014

Manual de Controle de Risco de Mercado - Conglomerado Financeiro do Banco Opportunity 09/2014 Manual de Controle de Risco de Mercado - Conglomerado Financeiro do Banco Opportunity 09/2014 1. INTRODUÇÃO O Conglomerado Econômico-Financeiro do Banco Opportunity ( Conglomerado ) tem em sua composição

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS IMA-B5 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF:

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS IMA-B5 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF: LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS IMA-B5 FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina

Leia mais