A Europa e os Migrantes no Século XXI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Europa e os Migrantes no Século XXI"

Transcrição

1 Faculdade de Economia Universidade de Coimbra A Europa e os Migrante es no Século XXI Soraya Wouters Coimbra, 2012

2 Faculdade de Economia Universidade de Coimbra A Europa e os migrantes no século XXI Trabalho realizado no âmbito da unidade curricular de fontes de informação sociológica. Docente: Paulo Peixoto Ano letivo: 2012/2013 Imagem da capa: Collection og Maggie Land Blanck, Soraya Wouters Coimbra, 2012

3 ÍNDICE: 1. Introdução A Europa e os migrantes do século XXI Uma Grande Mudança Exportadores Tradicionais Antigas Colónias Europeias Envelhecimento das Migrações e Imigrantes Idosos Modelos de Integração Imigração Imigrantes legais e clandestinos na União Europeia Panorama da Imigração na UE Aumento da população na Europa Considerações finais Referências Bibliográficas... 12

4 1. Introdução Das diversas propostas existentes para a realização do trabalho de avaliação contínua na disciplina de Fontes de Informação Sociológica, decidi optar pelo tema A Europa e os migrantes no século XXI. Decidi escolher este tema porque foi o que me suscitou maior interesse de entre os três temas possíveis. No meu trabalho, começo por falar um pouco da história da imigração e das alterações que nela ocorreram ao longo do tempo, explicito a problemática do envelhecimento, faço uma breve explicação dos modelos de integração dos imigrantes nos diversos países e por fim dou a conhecer umas breves noções do panorama da imigração na UE. O meu propósito final incide na análise global das migrações na Europa face à imigração desde os anos 80 até à atualidade. Por último, faço uma referência pormenorizada ao processo de pesquisa, apresentando uma ficha de leitura e avalio uma página da Internet. 1

5 2. A Europa e os Migrantes no século XXI 2.1.Uma grande Mudança Como pude concluir a partir da obra que analisei ao realizar a ficha de leitura, a Europa sofre um grave problema: o envelhecimento da população. Grande parte dos seus constituintes carece de mais imigrantes para manter o nível de vida alcançado ao longo dos anos. Outro grande problema que surge associado ao primeiro é o facto de a fonte de recrutamento ter deixado de ser os países do sul da Europa (Grécia, Itália, Espanha e Portugal). Os novos imigrantes são, nos dias de hoje, oriundos de regiões do mundo com diferentes culturas das consideradas habituais. Acontece que a europa está a atravessar uma crise profunda nos modelos tradicionais de acolhimento dos imigrantes devido à sua alteração. Não só os novos imigrantes não se identificam com a cultura dos países de acolhimento como os modelos de acolhimento deixaram de funcionar. (Papademetriou, 2008) Exportadores tradicionais Os países da Europa economicamente mais desenvolvidos (Inglaterra, França, Alemanha, etc), até finais dos anos 70 do século XX, recrutavam a mão-de-obra de que precisavam nos países europeus com economias mais débeis. A integração destes imigrantes era, na maioria dos casos, fácil. Contrariamente, nos dias de hoje, a integração destes imigrantes é bastante dramática e a razão é simples : A matriz cultural europeia era a mesmo, o que facilitava o seu processo de integração; A imigração era assumida como algo transitório, embora nem sempre tal acontecesse. 2

6 Os países da Europa com as economias mais débeis (Irlanda, Grécia, Espanha, Portugal, Itália, etc), nos anos 80 do século XX, começaram a verificar melhorias na qualidade de vida das suas populações Antigas Colónias Europeias Nos anos 80 assistiu-se a um grave empobrecimento generalizado das populações nas antigas colónias europeias, o que sucedeu um forte surto demográfico. Assistiu-se à derradeira catástrofe em vários continentes como a África onde existiu guerra e fome sem fim. A única opção viável que ocorre à população destes continentes é emigrarem para os países mais desenvolvidos, apoiando-se nas suas antigas potências coloniais. A Europa é confrontada com uma nova fonte de recrutamento da sua mão-de-obra. Os novos imigrantes passam a ser oriundos de outras regiões do mundo com padrões culturais completamente distintos do que eram acostumados. Em destaque estão os países islâmicos onde as taxas de natalidade excedem a normalidade e a miséria é constante. (Lages, Policarpo, Marques, Matos, & António, 2006) 2.2- Envelhecimento das migrações e Imigrantes idosos O envelhecimento é um dos principais problemas da Europa. Este problema alterou a constituição dos imigrantes europeus. Esta situação não pode nunca ser abolida, a única certeza é que o número de imigrantes só tende a crescer. As migrações não representam sempre um potencial de rejuvenescimento para as sociedades de acolhimento. O facto de existirem imigrantes idosos é fundamentalmente resultado de um processo de sedentarização das migrações e da chegada de indivíduos que migram já idosos. Existem em Portugal cerca de 35 mil imigrantes idosos. Segundo a história das migrações do século XX os migrantes acabam por se fixar nos países de destino mesmo que na altura tenham migrado com a intenção de regressar ao país de origem. Com o passar do tempo os migrantes encontram sempre razões para ficar. Ao reformarem-se, a decisão imediata dos migrantes poderia ser a de regressar ao país de origem sendo que só migraram devido à sua condição profissional. 3

7 Poderá ser difícil sustentar-se no país de destino unicamente com a pensão da reforma, no país de origem sempre conseguiam manter um nível de vida mais desafogado. Poderão ter também familiares à espera com quem mantiveram o contacto ao longo do tempo, uma casa, investimentos ou poupanças de trabalho. No entanto, também existem razões para ficar no país de destino. Ao fim de vários anos num certo país o imigrante muda, a sociedade de origem também muda e uma certa sensação de distanciamento em relação ao país de origem pode instalar-se. Se os imigrantes ao fim de várias décadas se adaptaram à sua nova vida no país de destino, a uma nova casa, a um novo bairro, a novas pessoas e a novos hábitos, regressar ao país de origem terá certamente impactos psicológicos e afetivos por que muitos não quererão passar. A presença dos filhos e netos no país de destino, esses decididamente fixados, e a quem não se coloca a ideia de regresso, porque nem sequer conhecem o país de origem dos pais ou avós, contribui também para fixar os mais velhos, não só pelos afetos, mas também porque contam com essa rede familiar quando chegar a velhice dependente. O retorno ao país de origem é um eterno mito. Ao chegar à reforma, poucos são aqueles que estão dispostos a regressar. Existem também aqueles que preferem não optar entre o ir ou ficar e simplesmente passarem temporadas no país de origem e temporadas no país de destino e hoje em dia isso torna-se cada vez mais viável devido aos custos e à facilidade das viagens internacionais. As razões desta constante circulação entre os dois países são as mais variadas, poderá ser unicamente para manter o contacto com familiares ou poderá ser para acabar nas atividades económicas transnacionais que alguns imigrantes desenvolvem no seu pós-reforma. Poderá dizer-se que uma pessoa que vive em constante circulação entre países vive um estilo de vida transnacional. (Roldão & Machado, 2010) 4

8 2.3- Modelos de Integração Os modelos de acolhimento destes imigrantes sofreram poucas alterações. Grande parte dos países continuam presos aos velhos modelos criados para acolher a imigração intra- Europeia. (Fontes) (IOM) A Inglaterra e a Holanda optaram por criar o seu próprio método de integração: o multiculturalismo. Cada imigrante pode então viver da forma que entender, seguir a religião que quiser e ter os valores que desejar desde que isso não interfira na ordem instituída. Este modelo foi posto em prática em nome da tolerância e dos direitos do individuo. Estas sociedades acabaram por entrar numa lógica distinta e completamente oposta. Naturais de um lado e estrangeiros do outro. Este modelo pôde ser mantido enquanto o número de imigrantes não europeus era reduzido. Aos dias de hoje, a situação está totalmente alterada. Na Inglaterra e na Holanda, nos dias de hoje, predominam os chamados guetos de imigrantes das mais variadas origens. Os níveis atingidos por estas comunidades está totalmente fora do controlo do Estado. Estas afirmam-se excluídas, não se identificando com o padrão cultural do país de acolhimento. A única alternativa em vista para solucionar esta problemática é, mantendo o modelo segregacionista, reforçar os mecanismos de controlo ( mais polícia etc). A França foi lentamente sendo possuída pelos imigrantes oriundos dos países islâmicos. Grande parte destes imigrantes provêm das suas antigas colónias africanas, na sua maioria islamizadas. O número de Muçulmanos foi crescendo de dia para dia, representado atualmente 10% da população francesa. A França começou então a tentar ajustar-se a esta nova realidade. Aos poucos, o Estado foi introduzindo novas medidas para combater a exteriorização das expressões culturais e religiosas dos novos imigrantes. Grande parte da população muçulmana residente em França considera que os modelos de integração não funcionam e que por isso não se sentem integrados no país de acolhimento. Afirmam ainda não se identificarem com os valores republicanos e com a cultura francesa. A polémica gerada em torno da proibição do véu nas escolas é um caso de mau estar generalizado. 5

9 A França ambiciona o afrancesamento da cultura islâmica presente no seu país. Vive-se uma constante tentativa de modernização do islamismo. A Espanha e a Itália representam situações dramáticas quanto aos modelos de integração. A taxa de natalidade dos naturais atinge níveis tão baixos que aos poucos a população está a ser substituída por etnias estrangeiras. A mão-de-obra nestes países é já maioritariamente estrangeira. A Alemanha e a Suíça levaram ao estremo o modelo de integração segregacionista, separando claramente os naturais dos imigrantes. Os imigrantes são considerados mão-de-obra descartável sempre que a situação o exija. Grande parte dos imigrantes, na Alemanha, são turcos mas apenas uma pequena parte conseguiu naturalizar-se alemão e mesmo assim são sempre vistos como intrusos numa sociedade à qual não pertencem. Torna-se óbvio que os turcos não se identificam com a cultura alemã pois nunca se conseguem sentir um deles. A suíça levou mais longe esta separação entre naturais e imigrantes. Portugal não tem qualquer tipo de problema na integração de imigrantes muçulmanos no entanto existem ainda os imigrantes africanos que estão longe de se identificarem com a cultura portuguesa. E a razão é simples, os imigrantes africanos são muitas das vezes alvo de exclusão social e as condições em que vivem são de extrema miséria Imigração Desde sempre que existem acentuadas diferenças entre os países em desenvolvimento e os países desenvolvidos, estas desigualdades provocam contínuos fluxos de pessoas das zonas mais pobres para aquelas onde as condições de vida são melhores. Estas desigualdades de desenvolvimento não têm diminuído a nível mundial, mas aumentado. Em consequência deste acontecimento o número de imigrantes 6

10 clandestinos nos países mais ricos cresceu significativamente. Esta situação é fundamentalmente sentida na União Europeia. O principal argumento apresentado a favor dos imigrantes é o da sua necessidade, face à escassez de mão-de-obra. A europa precisará de cerca 44 milhões de imigrantes até 2050 para resolver este défice. Os imigrantes são essenciais ao crescimento económico de uma sociedade. (Marques & Ciobanu, 2011) Imigrantes legais e clandestinos na União Europeia A maioria dos países da União Europeia está a estabelecer um processo de seleção de imigrantes de modo a criar um sistema que privilegie a imigração de mão-de-obra qualificada, à semelhança do que os EUA e a Austrália fazem. Estima-se que entraram na UE cerca de 1,4 milhões de imigrantes legais em O número de imigrantes clandestinos é muito superior e por muitas medidas repressivas que o Estado tome para combater esta situação, esta só tende a piorar. Estima-se que mais de 3 milhões de imigrantes vivam clandestinamente na UE. Entre 800 mil e 1,2 milhões em Espanha, cerca 750 mil na Alemanha, meio milhão em França, 250 mil em Itália e na Holanda, mais de 100 mil em Portugal. Na Grã-Bretanha o seu número ascende a largas centenas de milhares. (Fontes) A maior parte destes imigrantes são oriundos do norte de África, Turquia, Índia, Paquistão, África subsahariana e dos balcans. Em consequência destes resultados, os diferentes estados da UE têm vindo a reforçar os sistemas de imigração ilegal. O medo do desemprego, a insegurança em relação ao futuro, o mal estar generalizado sobre as condições sociais e as políticas dos governos resultaram num aumento dos casos de violência racial e de discriminação. (Santos, 2004) Panorama da imigração na UE Alemanha: É o principal destino da imigração na Europa. Em 2003, 9% da sua população era imigrante. Grande parte dos imigrantes é oriundo da Turquia (cerca de dois milhões). 7

11 Foi posta em vigor uma lei que permite aos imigrantes de segunda e de terceira geração adquirirem a dupla-nacionalidade. Esta lei foi posta em vigor de modo a promover a integração. Se um imigrante for detido na Alemanha, é imediatamente expulso e colocado na fronteira. Se o imigrante não tiver documentos que o identifiquem, os procedimentos burocráticos podem levar meses. Apesar de detido, o imigrante, tem o direito de contestar e recorrer ao tribunal. Em 2005 foi posta em vigor outra lei que permite restringir a entrada dos imigrantes na Alemanha, selecionando aqueles que têm qualificações profissionais. Bélgica: Não se consegue calcular ao certo quantos imigrantes vivem na Bélgica, apenas sabemos que nos últimos tempos a maioria dos imigrantes são oriundos da Ucrânia e dos países do centro da Europa. Áustria: Em 2000, os imigrantes constituíam 9,8% da população. A Áustria foi alvo de sanções por parte da UE devido a atitudes, por parte do governo, contra os direitos humanos. Foi posta em vigor recentemente uma lei que obriga a todos os imigrantes não comunitários a aprender a língua alemã. Dinamarca: Em 2000, os imigrantes constituíam cerca de 4,8 da população. Espanha: Em finais de 2004, viviam em Espanha imigrantes legais, oriundos da América Latina (600 mil), da UE (478 mil), África (366 mil), Leste da Europa (152 mil) e da Ásia (133 mil). Calculava-se ainda que vivessem neste país, entre 800 mil e 1 milhão e duzentos mil imigrantes clandestinos. Estes imigrantes clandestinos trabalham, na maioria dos casos, em economias paralelas. São muito mal remunerados e as condições de trabalho são péssimas. A Espanha é um dos países da UE com maior número de imigrantes clandestinos. Chegam a ser escravizados por mafias espalhadas por todo o país, em especial na Andaluzia e na região de Madrid. 8

12 A Espanha tem sem dúvida uma longa tradição de escravatura dos imigrantes sendo que grande parte da prosperidade económica tem sido obtida à custa da exploração de seres humanos. (Fontes) Finlândia: Em 2001, os imigrantes constituíam cerca de 1,7% da população. Grande parte destes imigrantes provêm da União Soviética. França: Em 2001, os imigrantes constituíam cerca de 5,6% da população. Grande parte deste imigrantes provêm de países muçulmanos do Norte de África (Argélia, Tunísia, Marrocos, etc), e mais recentemente também da Turquia. Grã-Bretanha: Em 2001, os imigrantes constituíam cerca de 4% da população. 39% destes imigrantes provêm de países da União Europeia. Os asiáticos constituem depois o grupo mais significativo. Holanda: Em 2000, os imigrantes constituíam cerca de 4,1% da população. Devido à tensão racial vivida neste país, a Holanda viu-se obrigada a impor medidas de controlo da imigração, em especial com os imigrantes provenientes da Turquia e de Marrocos. A nova legislação sobre imigração vai passar a exigir que os imigrantes conheçam a língua e a cultura holandesa. A Holanda tinha em finais de 2004, cerca 150 mil imigrantes ilegais. Irlanda: Grande parte do crescimento demográfico deste país, deve-se aos imigrantes. Itália: Em 2000, os imigrantes constituíam cerca de 4,1% da população. Um decreto de 1999 permitiu obter residência permanente aos imigrantes com mais de 5 anos de residência legal no país. Para os clandestinos a Lei prevê a criação de centros de acolhimento, até serem repatriados. Quando isto não é possível ficam em liberdade. Luxemburgo: Neste país, os refugiados não têm o direito de trazerem as suas famílias. É feito um grande controlo nas fronteiras para evitar a entrada de imigrantes clandestinos. 9

13 Portugal: Os imigrantes constituem cerca de 5% da população total e 11% da população ativa. Grande parte dos imigrantes provêm da Ucrânia, Cabo Verde, Brasil e Angola. A maioria dos imigrantes clandestinos trabalha em atividades irregulares, vivem e trabalham em condições miseráveis, recebendo salários muito inferiores aos estabelecidos por lei. Atualmente, os imigrantes só podem entrar em Portugal para trabalhar, desde que estejam munidos de uma autorização passada nos seus países de origem, caso contrário arriscam-se a ser expulsos. Suécia: Em 2000, os imigrantes constituíam cerca de 5,5% da população Aumento da população na Europa O população da União Europeia aumentou, sem dúvida, devido à imigração. A União Europeia a 31 de Dezembro de 2001, segundo a Eurostat contava com 379,4 milhões os habitantes (377,9 milhões no ano anterior). Calcula-se que mais de 70% deste crescimento se tenha ficado a dever ao fluxo migratório para os 15 países que compõe atualmente a UE. Espanha, Itália, Alemanha e Reino Unido foram os países que, em termos absolutos, mais imigrantes receberam em Nas contas que relacionam a emigração com a população total, Portugal surge com uma das mais elevadas taxas migratórias (4,9 por mil habitantes), apenas ultrapassado pelo Luxemburgo (9,0), Espanha (6,2) e Irlanda (5,2). O crescimento natural da população (nascimentos menos mortes) da UE foi de 410 mil pessoas, o que significa um ligeiro aumento relativamente aos anos anteriores. Também neste caso, este aumento se ficou a dever aos imigrantes. (Fontes) 10

14 2.6-Considerações finais A Imigração para a Europa aumentou a partir dos anos 1980, por parte de pessoas oriundas de países em desenvolvimento que desejam fugir da guerra, opressão, catástrofes naturais ou de pobreza. Alguns países da UE tiveram um crescimento dramático na imigração após a Segunda Guerra Mundial até os anos Na União Europeia, como a cidadania da UE implica a liberdade de locomoção e residência dentro da própria UE, o termo "imigrante" é mais usado para se referir a cidadãos não-europeus. Os imigrantes podem agrupar-se nas categorias de migrantes/trabalhadores estrangeiros (legais ou ilegais) e os refugiados. Nenhum país é uma ilha quando se trata de migração, e ninguém pode enfrentar os problemas sozinho. A Europa tem um longo caminho a percorrer, provavelmente num clima pouco favorável à imigração por muitos anos. No entanto, é do conhecimento geral que os progressos que se podem vir a fazer vão unicamente depender da capacidade dos países Europeus de quebrar os mitos sobre a migração. A migração está a mudar de forma incontrolável, e a Europa tem de continuar a elaborar métodos e sistemas que respondam às novas realidades. Se obtiver sucesso, a mobilidade humana pode tornar-se numa das grandes mais valias do século XXI. (Papademetriou, 2008) 11

15 Referências Bibliográficas Fontes, C. (s.d.). Entre a necessidade e o medo. Obtido de Imigrantes somos todos. IOM. (s.d.). Facts & Figures. Obtido de Internacional Organization for Migration: Lages, M. F., Policarpo, V. M., Marques, J. C., Matos, P. L., & António, J. H. (2006). Os Imigrantes e a População Portuguesa: Imagens Recíprocas. Lisboa: ACIME. Marques, M. M., & Ciobanu, R. O. (2011). Imigrantes Idosos em Portugal. s. l.: Principia Editora. Papademetriou, D. G. (2008). A Europa e os seus Imigrantes no século XXI. Lisboa: MPI. Roldão, C., & Machado, F. L. (2010). Imigrantes Idosos: Uma nova face da Imigração em Portugal. Lisboa: ACIDI. Santos, V. (2004). O Discurso Oficial Do Estado Sobre a Emigração Dos anos 60 a 80 e Imigração Dos Anos 90 à actualidade. Lisboa: ACIME. 12

16 13

TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS

TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERNACIONAIS 1. RAZÕES DAS MIGRAÇÕES FATORES ATRATIVOS X FATORES REPULSIVOS - CONDIÇÕES DE VIDA - OFERTAS DE EMPREGO - SEGURANÇA -

Leia mais

Ei-los que partem. Virão um dia ricos ou não contando histórias de lá de longe onde o suor se fez em pão virão um dia ou não

Ei-los que partem. Virão um dia ricos ou não contando histórias de lá de longe onde o suor se fez em pão virão um dia ou não Ei-los que partem Ei-los que partem novos e velhos buscando a sorte noutras paragens noutras aragens entre outros povos ei-los que partem velhos e novos Ei-los que partem de olhos molhados coração triste

Leia mais

Tipos de migrações Causas e consequências Fluxos migratórios no mundo

Tipos de migrações Causas e consequências Fluxos migratórios no mundo Tipos de migrações Causas e consequências Fluxos migratórios no mundo As migrações populacionais remontam aos tempos pré históricos. O homem parece estar constantemente à procura de novos horizontes. O

Leia mais

Trends in International Migration: SOPEMI - 2004 Edition. Tendências da Migração Internacional: SOPEMI Edição 2004 INTRODUÇÃO GERAL

Trends in International Migration: SOPEMI - 2004 Edition. Tendências da Migração Internacional: SOPEMI Edição 2004 INTRODUÇÃO GERAL Trends in International Migration: SOPEMI - 2004 Edition Summary in Portuguese Tendências da Migração Internacional: SOPEMI Edição 2004 Sumário em Português INTRODUÇÃO GERAL De John P. Martin Diretor do

Leia mais

TAG 4/2010 STC-6. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº 20

TAG 4/2010 STC-6. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº 20 TAG 4/2010 STC-6 Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº 20 1 Índice Introdução A Migração As Diversas Formas de migração humana As Causas ou motivos de migração humana Os grandes fluxos de migratórios

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 4.1 Conteúdo: Migração e Conflitos

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 4.1 Conteúdo: Migração e Conflitos 4.1 Conteúdo: Migração e Conflitos 4.1 Habilidades: Compreender o conceito de migração e os motivos que a causam, a partir de casos de migrações que ocorreram mundialmente. Revisão: Distribuição Geográfica;

Leia mais

STC6 URBANISMO E MOBILIDADE

STC6 URBANISMO E MOBILIDADE STC6 URBANISMO E MOBILIDADE Sumário: A situação de Portugal como país de emigração e de imigração - História das migrações - Razões dos fluxos migratórios Livre circulação no espaço europeu -Acordo Schengen

Leia mais

Exercícios Migrações Internacionais

Exercícios Migrações Internacionais Exercícios Migrações Internacionais Material de apoio do Extensivo 1. Nas últimas décadas do século XX, o número de migrantes internacionais aumentou de forma significativa [ ] por causa das disparidades

Leia mais

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012?

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? junho 2012 PASSO A PASSO 1. 2. 3. 4. A União Europeia Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? Ano Europeu 2012: curiosidades iniciativas quiz Links para saber mais 1. A União Europeia 27 Estados-Membros

Leia mais

A questão da natalidade nos países da União Européia: desafios e alternativas em discussão 1.

A questão da natalidade nos países da União Européia: desafios e alternativas em discussão 1. Universidade do Vale do Itajaí Curso de Relações Internacionais LARI Laboratório de Análise de Relações Internacionais Região de Monitoramento: União Europeia LARI Fact Sheet Abril/Maio de 2011 A questão

Leia mais

Tipos de Migrações. podem ser quanto ao espaço. Êxodo Rural Êxodo Urbano Intracontinental Intercontinental

Tipos de Migrações. podem ser quanto ao espaço. Êxodo Rural Êxodo Urbano Intracontinental Intercontinental Migrações Humanas O acto migratório envolve ou a necessidade de mobilizar-se em função da sobrevivência (defesa da própria vida, liberdade, possibilidades económicas, causas ecológicas) ou bem a vontade

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 52 A EXPANSÃO DO BLOCO EUROPEU

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 52 A EXPANSÃO DO BLOCO EUROPEU GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 52 A EXPANSÃO DO BLOCO EUROPEU Como pode cair no enem Sarkozy e Berlusconi encaminharam pedido à UE, solicitando a revisão do: a) Tratado de Maastricht, o qual concede anistia

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I 1.1 Indique o nome dos continentes e Oceanos assinalados na figura 1, respectivamente com letras e números.

Leia mais

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA.

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. - RESULTADOS PRELIMINARES - Alina Esteves Ana Estevens Jornadas de Reflexão 29 de Maio A Realidade da Imigração em Odemira

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

3. IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL: DA HERANÇA COLONIAL À INTEGRAÇÃO NAS REDES INTERNACIONAIS DE RECRUTAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MÃO-DE-OBRA

3. IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL: DA HERANÇA COLONIAL À INTEGRAÇÃO NAS REDES INTERNACIONAIS DE RECRUTAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MÃO-DE-OBRA 3. IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL: DA HERANÇA COLONIAL À INTEGRAÇÃO NAS REDES INTERNACIONAIS DE RECRUTAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MÃO-DE-OBRA A experiência de Portugal como país de imigração, é um fenómeno ainda recente.

Leia mais

Geografia Por Tabata

Geografia Por Tabata Geografia Por Tabata População População Absoluta: total de habitantes de um dado lugar Ex.: China = maior população cerca 1 bilhão e 300 milhões de habitantes China = país populoso Populoso é o país que

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Cap.12 Questões políticas e populacionais na Europa Desenvolvida

Cap.12 Questões políticas e populacionais na Europa Desenvolvida Cap.12 Questões políticas e populacionais na Europa Desenvolvida EDUCADORA: BIANCA CORREA AGOSTO DE 2015 ASPECTOS GERAIS 1 - Europa desenvolvida países com renda per capita superior a US$ 15 MIL, altamente

Leia mais

DIRETIVA BLUE CARD :: Fundação Evert Vermeer DIRETIVA BLUE CARD

DIRETIVA BLUE CARD :: Fundação Evert Vermeer DIRETIVA BLUE CARD DIRETIVA BLUE CARD :: Fundação Evert Vermeer DIRETIVA BLUE CARD Em Maio de 2009, os Estados-Membros da UE aprovaram a adopção de uma directiva referente à entrada e residência de migrantes no seio da União

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

A Imigração em Portugal

A Imigração em Portugal Immigrant Language Learning A Imigração em Portugal Relatório síntese elaborado pela DeltaConsultores - Projecto financiado pela UE no âmbito do Programa Sócrates Luísa Falcão Lisboa, Fevereiro de 2002

Leia mais

A Europa e os migrantes no século XXI

A Europa e os migrantes no século XXI A Europa e os migrantes no século XXI Liliana Silva Coimbra, 2012 FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA A Europa e os Migrantes no Século XXI Trabalho realizado na unidade curricular de Fontes

Leia mais

As Novas Migrações Internacionais

As Novas Migrações Internacionais As Novas Migrações Internacionais As novas migrações ganharam novas direções, as realizações partem de países subdesenvolvidos para países desenvolvidos, e o novo modelo de migração internacional surge

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL 2014

COMÉRCIO INTERNACIONAL 2014 EXPORTAÇÕES (POR CAPÍTULO) 2013 2014 50 Artigos de seda 462 282-38,9% 51 Artigos de lã 60.801 63.996 5,3% 52 Artigos de algodão 145.006 154.454 6,5% 53 Outras fibras têxteis vegetais 4.839 4.169-13,8%

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

Síntese. Tendências de Migração Internacional : SOPEMI Edição 2003

Síntese. Tendências de Migração Internacional : SOPEMI Edição 2003 Síntese Tendências de Migração Internacional : SOPEMI Edição 2003 Overview Trends in International Migration : SOPEMI 2003 Edition Portuguese translation As sínteses são excertos de publicações da OCDE,

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Retrato de Portugal alguns indicadores

Retrato de Portugal alguns indicadores Retrato de Portugal alguns indicadores Apresentação de Joel Felizes Resumo O Índice de Desenvolvimento Humano e o PIB A posição de Portugal vista em diversas dimensões Comparação a nível mundial e da UE

Leia mais

Migrações Alguns números

Migrações Alguns números Migrações Alguns números Dados gerais: Mundo» Há 232 milhões de migrantes internacionais no mundo (ONU, 2013), ou 3.2% da população mundial» Os migrantes internacionais compõem 10.8% da população das regiões

Leia mais

Transporte Aéreo de Passageiros em quebra generalizada na Europa E

Transporte Aéreo de Passageiros em quebra generalizada na Europa E 20 de Setembro, de 2010 TRANSPORTES EM FOCO Setembro de 2010 Transporte aéreo de passageiros em e na / Transporte Aéreo de Passageiros em quebra generalizada na Europa E em No contexto da crise económica

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV DOCUMENTO 3 DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS TITULARES DOS CARTÕES EUROPEUS DE SEGURO DE DOENÇA OU DE DOCUMENTOS EQUIVALENTES NA SEQUÊNCIA DAS ALTERAÇÕES DO PONTO I DA ALÍNEA A)

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR PRINCIPAIS ROTAS DO TRÁFICO DE SERES HUMANOS

MATERIAL COMPLEMENTAR PRINCIPAIS ROTAS DO TRÁFICO DE SERES HUMANOS MATERIAL COMPLEMENTAR PRINCIPAIS ROTAS DO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 1. PRINCIPAIS ROTAS DO TRÁFICO DE PESSOAS 2. CLASSIFICAÇÃO DOS PAÍSES SEGUNDO AS ROTAS DE TRÁFICO 3. PAÍSES COM MAIOR NÚMERO DE ROTAS

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

Sociedade, Tecnologia e Ciência!

Sociedade, Tecnologia e Ciência! Sociedade, Tecnologia e Ciência! NG 6 - URBANISMO E MOBILIDADE! Mobilidades Locais e Globais Helder Alvalade! Objectivos!! conhecer os vários tipos de migrações;! identificar consequências demográficas,

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização Serviço de Estrangeiros e Fronteiras DISCURSO PRESIDENTE SCIF XVIII CONGRESSO

Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização Serviço de Estrangeiros e Fronteiras DISCURSO PRESIDENTE SCIF XVIII CONGRESSO DISCURSO PRESIDENTE SCIF XVIII CONGRESSO 16 DN SCIF2015 DE 29/05/2015 EXCELÊNCIAS A 14 de Junho de 1985 foi assinado entre a Alemanha, a Bélgica, a França, o Luxemburgo e a Holanda, o Acordo de Schengen,

Leia mais

MATERIAL ATUALIDADES 1 OS MIGRANTES DE HOJE

MATERIAL ATUALIDADES 1 OS MIGRANTES DE HOJE MATERIAL ATUALIDADES 1 OS MIGRANTES DE HOJE O mundo nunca teve tanta gente morando fora do país de origem. A ONU (Organização das Nações Unidas) avalia que existem atualmente 160 milhões de migrantes,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Licença para Criar: Imigrantes nas Artes em Portugal Magda Nico, Natália Gomes, Rita Rosado e Sara Duarte Maio de 2007, Estudos OI 23 Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI)

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

A estrutura das migrações tem mudado muito desde o final do século XX. Vejamos algumas dessas mudanças.

A estrutura das migrações tem mudado muito desde o final do século XX. Vejamos algumas dessas mudanças. POPULAÇÃO Migrações A estrutura das migrações tem mudado muito desde o final do século XX. Vejamos algumas dessas mudanças. A população estrangeira em países mais desenvolvidos aumentou em 23 milhões na

Leia mais

MOVIMENTOS POPULACIONAIS GEOGRAFIA

MOVIMENTOS POPULACIONAIS GEOGRAFIA MOVIMENTOS POPULACIONAIS GEOGRAFIA Dinâmica Populacional Conjunto de transformações que uma população sofre em diferentes aspectos. Ou seja, fatores que podem aumentar ou diminuir o efetivo populacional

Leia mais

prodep ANTES DA MOEDA ÚNICA: Até 31 de Dezembro de 1998, cada país da UE tinha a sua moeda:

prodep ANTES DA MOEDA ÚNICA: Até 31 de Dezembro de 1998, cada país da UE tinha a sua moeda: ANTES DA MOEDA ÚNICA: Até 31 de Dezembro de 1998, cada país da UE tinha a sua moeda: Portugal Escudo Bélgica Franco belga Dinamarca Coroa dinamarquesa Alemanha Marco alemão Grécia Dracma Espanha Peseta

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular IMIGRAÇÃO E SEGURANÇA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular IMIGRAÇÃO E SEGURANÇA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular IMIGRAÇÃO E SEGURANÇA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Políticas de Segurança 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

perfil dos imigrantes em portugal: por países de origem e regiões de destino

perfil dos imigrantes em portugal: por países de origem e regiões de destino perfil dos imigrantes em portugal: por países de origem e regiões de destino Conceição Rego Maria Filomena Mendes José Rebelo Graça Magalhães Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract: Keywords JEL Codes

Leia mais

Esta prancha é a síntese do contributo das Lojas da GLFP que, ao longo do ano, se debruçaram e reflectiram sobre este tema.

Esta prancha é a síntese do contributo das Lojas da GLFP que, ao longo do ano, se debruçaram e reflectiram sobre este tema. M.. Q.. I.. Presidente do Congresso, M.. Resp.. Grã-Mestra, M.. Resp.. CC.. FF.., II e II Dignitários(as) que decoram o Or.., II.. Dep e II e II nos vossos graus. Imigração e Tolerância - Congresso GLFP

Leia mais

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX A supremacia Europeia sobre o Mundo A Europa assumia-se como 1ª potência Mundial DOMÍNIO POLÍTICO Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e outras potências

Leia mais

GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE

GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/17 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pedido de

Leia mais

Informação diagnóstico

Informação diagnóstico Informação diagnóstico O declínio demográfico da cidade de Lisboa e a periferização da área metropolitana Evolução Comparada das Populações de Portugal, da Área Metropolitana de Lisboa e do Concelho de

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 21/12 Economia 20/12 Demografia Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 http://www.ine.pt/portal/page/portal/portal_ine/publicacoes?publicacoespub_boui=10584451&publicacoesm

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Refugiados na Europa: a crise em mapas e gráficos

Refugiados na Europa: a crise em mapas e gráficos Refugiados na Europa: a crise em mapas e gráficos 6 setembro 2015 Image caption Alemanha continua a ser destino mais popular para refugiados Fotos: AP/Reuters/EPA As solicitações de asilo para a Europa

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO

AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO 1. A TEORIA LIBERAL Os Países pobres são pobres porque não atingiram ainda a eficiência produtiva e o equilíbrio econômico necessário à manutenção de um ciclo de prosperidade

Leia mais

Análise Geral sobre a Migração Internacional: SOPEMI 2010

Análise Geral sobre a Migração Internacional: SOPEMI 2010 International Migration Outlook: SOPEMI 2010 Summary in Portuguese Análise Geral sobre a Migração Internacional: SOPEMI 2010 Sumário em Português A migração internacional continua a ser uma prioridade

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 DIREITO COMUNITÁRIO Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 As revisões dos tratados fundadores 07/02/1992: Assinatura do Tratado sobre a União Européia,, em Maastricht; 20/10/1997:

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Programas de transferência de renda e combate à exclusão social H33, H40 2 Discriminação e

Leia mais

Prova Escrita de Geografia A

Prova Escrita de Geografia A Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de Março Prova Escrita de Geografia A 0.º e.º Anos de Escolaridade Prova 79/.ª Fase 0 Páginas Duração da Prova: 0 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO OBJETIVOS Compreender a abordagem geográfica da fome; Discorrer sobre fome e desnutrição; Conhecer a problemática de má distribuição de renda e alimentos no Brasil

Leia mais

GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO

GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO O que é População? População é um conjunto de pessoas que ocupam um determinado espaço em um período de tempo específico. Ela pode ser classificada segundo vários aspectos, como:

Leia mais

Luís Manuel Moreno da Costa TIS 4

Luís Manuel Moreno da Costa TIS 4 ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE Curso de Educação e Formação de Adultos (nível secundário) Área: Cultura, Língua e Comunicação UFCD6: Urbanismo e Mobilidade RA 4: Mobilidades Locais

Leia mais

Expectativas para 2015

Expectativas para 2015 Crise Economia Pessimismo Política Otimismo Segurança Saúde Prosperidade Expectativas para 2015 OBJETIVO Medir a expectativa da população mundial para o ano seguinte, por meio de índices de esperança e

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

DINÂMICAS POPULACIONAIS

DINÂMICAS POPULACIONAIS DINÂMICAS POPULACIONAIS Distribuição e Migração Pág. 9-13 DIFERENÇAS NA DISTRIBUIÇÃO POPULACIONAL Áreas Povoadas x Áreas menos povoadas Fatores que influenciam a distribuição humana Fatores naturais Fatores

Leia mais

Migrações O vaivém da população pelo mundo. Mapa que indica os principais destinos de migrantes (países maiores- distorção)

Migrações O vaivém da população pelo mundo. Mapa que indica os principais destinos de migrantes (países maiores- distorção) Migrações O vaivém da população pelo mundo Mapa que indica os principais destinos de migrantes (países maiores- distorção) Migração ou Movimento Populacional: Ocorre o tempo todo no mundo Pessoas mudam-se

Leia mais

As dinâmicas demográficas

As dinâmicas demográficas As dinâmicas demográficas ALAN HINDLE/CORBIS/ LATINSTOCK Crescimento vegetativo O crescimento vegetativo é a diferença entre a taxa de natalidade e a taxa de mortalidade de uma população. Esses números

Leia mais

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal 13 de Dezembro 2007 População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal A propósito do Dia Internacional dos Migrantes (18 de Dezembro), o Instituto Nacional de Estatística apresenta

Leia mais

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013)

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) André Medici Congresso Internacional de Serviços de Saúde (CISS) Feira Hospitalar São Paulo (SP) 23 de Maio de 2013

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Marcus

GEOGRAFIA. Prof. Marcus GEOGRAFIA Prof. Marcus Migração e xenofobia Migração Trata-se de um fluxo de pessoas. Existe por diversos motivos, como: Fluxos globais, regiões superpovoadas, desemprego, desorganização, desigualdade,

Leia mais

SIMULAÇÃO NACIONAL DOS ORGANIZADORES DE MODELOS DAS NAÇÕES UNIDAS MODELOS DE DOCUMENTOS

SIMULAÇÃO NACIONAL DOS ORGANIZADORES DE MODELOS DAS NAÇÕES UNIDAS MODELOS DE DOCUMENTOS SIMULAÇÃO NACIONAL DOS ORGANIZADORES DE MODELOS DAS NAÇÕES UNIDAS MODELOS DE DOCUMENTOS Fortaleza/CE, 2015 Senhores Delegados, As simulações de organizações internacionais são, em sua essência, exercícios

Leia mais

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO sumário executivo Organização Internacional do Trabalho PERSPETIVAS SOCIAIS E DE EMPREGO NO MUNDO Mudança nas modalidades do emprego 2 015 perspetivas sociais e de emprego no mundo Mudança nas modalidades

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

Faculdade de Economia. Universidade de Coimbra. A Europa e os Migrantes do Século XXI

Faculdade de Economia. Universidade de Coimbra. A Europa e os Migrantes do Século XXI Faculdade de Economia Universidade de Coimbra A Europa e os Migrantes do Século XXI Bárbara Ferreira Costa Ferraz Coimbra, 2012 Faculdade de Economia Universidade de Coimbra A Europa e os Migrantes do

Leia mais

Projecto de Resolução nº 289/X. Acompanhamento dos Fluxos Migratórios Portugueses para o Estrangeiro

Projecto de Resolução nº 289/X. Acompanhamento dos Fluxos Migratórios Portugueses para o Estrangeiro Projecto de Resolução nº 289/X Acompanhamento dos Fluxos Migratórios Portugueses para o Estrangeiro O desempenho negativo da economia portuguesa nos últimos anos, o consequente aumento do desemprego e

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato

Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato União Europeia A Turquia apresentou o pedido de adesão em 1987 É candidata oficialmente desde 1999 Mas as negociações começaram apenas em 2005 União

Leia mais