Indicadores de confiança e de clima económico Maputo, Março/2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicadores de confiança e de clima económico Maputo, Março/2015"

Transcrição

1 Março 2015

2 Instituto Nacional de Estatística Indicadores de confiança e de clima económico Brochura de publicação Mensal Reprodução autorizada, excepto para fins comerciais, com indicação da fonte bibliográfica PRESIDÊNCIA DO INE João Dias Loureiro Presidente Manuel da Costa Gaspar Vice-Presidente Valeriano da Conceição Levene Vice-Presidente FICHA TÉCNICA Título Indicadores de confiança e de clima económico Maputo, Março/2015 Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Estatísticas Sectoriais e de Empresas Av. 24 de Julho, nº1989.7ºandar, Caixa Postal 493 Maputo Telefones: /5; ; Fax: ; Mail: Direcção da obra Azarias Nhanzimo - Director de Estatísticas Sectoriais e de Empresas Camilo Amade - Director Adjunto Produção Departamento de Estatísticas de Bens e Ambiente Delfina Cumbe Chefe de Departamento Alberto Cossa Ildefonso Alves Controlo de Qualidade Camilo Amade Design da capa António Guimarães Difusão Instituto Nacional de Estatística Departamento de Difusão e Documentação Av. 24 de Julho, n 1989, 4 Andar Homepage: ii

3 Índice do conteúdo INTRODUÇÃO ANÁLISE AGREGADA ANÁLISE SECTORIAL Conjuntura do Sector de Alojamento, Restauração e Similares Conjuntura do Sector de Serviços de Transportes Conjuntura do Sector da produção industrial, Electricidade e de Água Conjuntura do Sector da Construção e Obras Públicas Conjuntura do Sector de Comércio Conjuntura do Sector de Outros Serviços Não Financeiros ANEXOS Resumo Estatístico dos Indicadores ( ) Nota Metodológica iii

4 INTRODUÇÃO Indicadores de Confiança e de Clima Económico constituem uma publicação mensal sobre a conjuntura económica de Moçambique, país Africano situado na costa sul-oriental. O estudo expressa opinião de agentes económicos a cerca do andamento e perspectiva da sua actividade, particularmente sobre emprego, procura, encomendas, preços, produção, vendas e limitações de actividade. A informação em alusão é compilada com base no inquérito mensal de conjuntura realizado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) às empresas do sector não financeiro convista apurar o comportamento da economia num horizonte temporal de curto prazo de modo a proporcionar informação aos utilizadores sobre a gestão e monitoria da política económica. A informação desta publicação refere-se ao período de referência que está na capa e compreende séries cronológicas que vão desde Janeiro de 2004 até ao período de análise. O período de referência é o mês ou trimestre em análise. A publicação apresenta análises mensais e trimestrais no fim de cada trimestre. A estrutura da publicação apresenta três partes fundamentais: Na primeira parte, está uma análise sucinta dos indicadores agregados (clima económico, perspectiva da procura, perspectiva de emprego, perspectiva dos preços e as limitações da actividade). Na segunda parte, há uma análise sectorial, onde basicamente, dá-se uma imagem das expectativas dos agentes económicos sobre o sector e procura-se identificar as causas que estão por detrás dum determinado comportamento económico. No final está um quadro resumo estatístico, uma nota metodológica, na qual também se explicita o modo de cálculo de alguns indicadores derivados. Salienta-se que os resultados do período em análise são indicativos, referindo-se às empresas respondentes e não extensivos ao universo do sector empresarial. O INE agradece às entidades informadoras e a todos que colaboraram e tornaram possível a compilação desta informação. Eventuais comentários, críticas, sugestões ou esclarecimentos poderão ser solicitados ao Instituto Nacional de Estatística, Direcção de Estatísticas Sectoriais e de Empresas (DESE), Departamento de Estatísticas de Bens e Ambiente (DEBA). Maputo, Abril de

5 1.ANÁLISE AGREGADA Clima económico das empresas abranda no primeiro trimestre O indicador do clima económico (ICE) registou uma tendência negativa nos primeiros três meses de 2015 após a estabilização no quarto trimestre de Esta conjuntura desfavorável da economia deveu-se, ao nível agregado, à ligeira queda das expectativas futuras da procura e da tendência de estabilidade da perspectiva de emprego período de referência. A tendência negativa do ICE deveu-se sectorialmente à avaliação desfavorável de todos sectores económicos alvos do inquérito com excepção das actividades de construção que registaram uma grande recuperação no mesmo período de estudo

6 da procura em abrandamento O indicador da perspectiva da procura sofreu uma ligeira quebra no primeiro trimestre de 2015 se comparado com o trimestre anterior, facto influenciado pela apreciação negativa nos sectores de alojamento e restauração, do comércio e de outros serviços não financeiro que suplantaram as opiniões favoráveis da subida da procura futura nos restantes sectores. de emprego continuou estável O indicador da perspectiva de emprego prolongou a estabilidade que vem registando desde o quarto trimestre de 2014 ao manter praticamente a mesma posição no primeiro trimestre de A estabilização, ainda que com indício de declínio, deveu-se à uma apreciação negativa da perspectiva de emprego nos sectores de produção industrial, de comércio e de outros serviços não financeiros mas compensada pela sua subida nos restantes sectores no mesmo trimestre em análise

7 Preços prolongam perspectivas de subida O indicador de perspectiva de procura continuou no primeiro trimestre de 2015 com uma perspectiva inflaccionista ao registar um incremento substancial se comparado com o trimestre anterior, facto que se verificou pelo segundo trimestre consecutivo. Essa previsão de subida de preços deveu-se ao prognóstico de aumento de preços por todos sectores exceptuando os agentes económicos de comércio e de transportes que no período em análise prognosticaram, contrariamente, a sua queda no mesmo período de referência. Esta postura de previsão de preços explica-se pelas inundações e cheias registadas entre Dezembro 2014 e Fevereiro de 2015 que provocaram corte de energia eléctrica e da ponte sobre rio Licungo na zona norte por cerca de um mês, provocando o condicionamento do transporte de pessoas e bens entre norte e sul do país. Empresas com constrangimentos aumentam 2% Em média, 30% das empresas inquiridas enfrentaram algum obstáculo no primeiro trimestre, o que correspondeu a um aumento de 2% de empresas face ao trimestre anterior, numa atmosfera de variabilidade baixa e estável, que rondou a volta de 6 a 7%. Essa situação foi influenciada, principalmente, pelos sectores de serviços de transportes e da produção industrial que viram mais de um terço das suas empresas afectadas por algum obstáculo no seu desempenho no período de referência. Em contrapartida, os sectores da construção, de alojamento e restauração e dos outros serviços não financeiros apresentaram menos de 30% das empresas com alguma limitação de actividade

8 2.ANÁLISE SECTORIAL 2.1.Conjuntura do Sector de Alojamento, Restauração e Similares de queda drástica da procura abranda a confiança do sector hoteleiro e actividades afins No primeiro trimestre, o indicador de confiança do sector de Alojamento, restauração e similares voltou a contrair-se profundamente tendo o respectivo saldo se situado abaixo dos últimos seis trimestres da sua série temporal. A conjuntura desfavorável do sector, em análise, deveu-se à avaliação negativa de todas as componentes do indicador síntese do sector, com maior realce para a perspectiva da procura e para procura actual que registaram grande amplitude de quebra. Em linha com o indicador síntese do sector, o volume de negócios continuou em diminuição pelo segundo trimestre consecutivo, num clima caracterizado pela perspectiva de subida da capacidade hoteleira e de preços no mesmo período de análise. Cerca de 25% das empresas deste sector enfrentou alguma limitação de actividade no primeiro trimestre, o que correspondeu a um aumento de 2% das empresas com obstáculos no seu desempenho normal, relativamente ao trimestre anterior. Os principais factores referidos como obstáculo pelos agentes económicos do sector foram a concorrência, a baixa procura, a falta de electricidade e/ou de água e os outros factores não especificados

9 2.2.Conjuntura do Sector de Serviços de Transportes Confiança nos serviços de transportes volta diminuir ligeiramente No primeiro trimestre, o indicador de confiança do sector de serviços de transportes voltou a abrandar, tendo mesmo assim o seu saldo se mantido acima da média da respectiva série temporal. O recuo ligeiro do indicador em análise foi influenciado pela redução substancial do volume de negócios apesar das perspectivas de emprego e de vendas terem-se estabilizado no mesmo período de referência. Em linha com o comportamento do volume de negócios, a carteira de encomendas registou também uma grande quebra numa conjuntura em que as tarifas actuais e as perspectivas futuras de tarifas foram de descida no mesmo período de referência. Cerca de 38% das empresas deste sector enfrentaram algum obstáculo no período em análise, facto que representou 6% de aumento de empresas em dificuldades face ao mês anterior. Os elevados custos operacionais, a concorrência, a baixa procura bem como os outros factores não especificados continuaram como obstáculos que mais influenciaram negativamente o desempenho do sector

10 2.3.Conjuntura do Sector da produção industrial, Electricidade e de Água continuamente baixa de emprego deteriora confiança no sector industrial e de similares No primeiro trimestre, o indicador de confiança do sector de produção industrial, de electricidade e água continuou a trajetória descendente pelo terceiro trimestre consecutivo, tendo o seu saldo se apresentado no nível mais baixo dos últimos quatro trimestres. A deterioração prolongada pelo segundo trimestre consecutivo da perspectiva de emprego constituiu a razão principal dessa trajectória negativa da confiança deste sector apesar das avaliações ligeiramente positivas da actividade actual e da perspectiva da procura, outras componentes do indicador síntese da actividade, no período em análise. Em linha com o indicador síntese do sector, o volume de negócios continuou também em declínio pelo segundo trimestre consecutivo, facto que levou os stocks a situarem-se acima do normal. No entanto, a perspectiva de preços foi de subida no mesmo período de análise. Cerca de 38% das empresas deste sector teve constrangimentos no trimestre em análise, o que representou 5% de incremento de empresas com constrangimentos face ao trimestre anterior, facto que está em linha com o indicador síntese do sector. Vários factores continuaram a afectar o sector de produção industrial, de electricidade e água, destacando-se a concorrência, a falta de matéria-prima e os outros factores não especificados, como obstáculos mais importantes

11 2.4.Conjuntura do Sector da Construção e Obras Públicas favorável de emprego recupera confiança no sector de construção No primeiro trimestre, o indicador de confiança empresarial do sector da construção voltou a recuperar em grande ritmo, após o recuo ténue no quarto trimestre de 2014, tendo o seu saldo atingido o nível mais alto dos últimos quinze trimestres da respectiva série cronológica. A recuperação da confiança foi influenciada pela subida extraordinária das perspectivas de emprego, numa atmosfera também de aumento da carteira de encomendas e das perspectivas de facturação (volume de negócios) no mesmo período de referência. Em linha com a carteira actual de encomendas, a perspectiva de preços do sector registou um substancial incremento numa situação caracterizada por uma ligeira queda da actividade actual no período em alusão. Cerca de 28% de empresas do sector sofreu alguma limitação no desempenho normal da sua actividade no período de referência, o que correspondeu a 6% de diminuição de empresas em dificuldades face ao trimestre anterior. Os principais obstáculos do sector continuaram principalmente como a baixa procura e os outros factores não especificados. A falta de acesso ao crédito, as condições climatéricas desfavoráveis e a burocracia na obtenção de licenças e/ou alvarás foram referidas também como alguns factores perturbadores no período em análise mas não em grande dimensão

12 2.5.Conjuntura do Sector de Comércio Quebra drástica de actividade actual agrava a confiança no sector do comércio No primeiro trimestre, o indicador de confiança do sector do comércio por grosso e a retalho, manutenção e reparação de veículos automóveis continuou em diminuição pelo segundo trimestre consecutivo facto agravado pela queda drástica do indicador entre os meses de Fevereiro e Março de Essa desaceleração da confiança no sector do comércio deveu-se à avaliação desfavorável de todas as componentes do indicador síntese da actividade, com destaque para actividade actual que registou a maior retracção pelo segundo trimestre consecutivo. Em linha com o indicador da conjuntura sectorial, as perspectivas do volume de n e g ó c i o s e d e p r e ç o s d i m i n u í r a m substancialmente pelo segundo trimestre c o n s e c u t i v o, s i t u a ç ã o c o n t r a r i a d a paradoxalmente pelo aumento ligeiro do volume de negócios no mesmo trimestre em análise. Cerca de 30% das empresas do comércio enfrentou algumas dificuldades no desempenho da actividade em trimestre, o que representou um incremento de 4% de empresas do sector com limitação de actividade face ao trimestre anterior. Os principais factores que afectaram o desempenho do sector foram a concorrência, a baixa procura e os outros factores não especificados actuando como obstáculos de dimensão importante

13 2.6.Conjuntura do Sector de Outros Serviços Não Financeiros Confiança no sector de outros serviços volta cair drasticamente No primeiro trimestre, o indicador de confiança do sector de outros serviços não financeiros voltou a registar uma grande diminuição depois de uma ligeira subida no trimestre anterior. A conjuntura desfavorável do sector deveu-se à avaliação negativa de todos componentes do indicador sectorial, com maior relevância para a queda extraordinária da actividade actual, facto agravado ainda pela perspectiva drástica de redução do volume de negócios no mesmo período de referência. Em linha com o indicador do sector, a procura actual reduziu tenuemente no trimestre em análise, situação que foi paradoxal para o volume de negócios pois este registou um ligeiro incremento, numa conjuntura de subida de preços futuros. Cerca de 22% das empresas deste sector foi afectado por algum factor negativo no trimestre de referência, o que representou 3% de aumento de empresas do sector com alguma limitação de actividade face ao trimestre anterior. O desempenho do sector foi afectado principalmente pela concorrência, pela baixa procura e por outros factores não especificados

14 3.ANEXOS 3.1. Resumo Estatístico dos Indicadores ( ) Indicadores diversos Saldo do mês (Março-2015) Saldo Máximo Saldo Mínimo Valor Mês Valor Mês Saldo Médio Saldo Desvio padrão Indicadores agregados Indicador do Clima Económico Fev/ Jan/ Indicador de Expectativas de Emprego Dez/ Jan/ Indicador do emprego actual Dec Oct Indicador de Expectativas de Procura Dez/ Jan/ Indicador de Expectativas de Preços Jan/ Fev/ Indicador de Confiança por sector Alojamento, Restauração e Similares Dez/ Jun/ Volume de Negócios Ago/ Fev/ Procura Actual Fev/ Apr de Procura Jan/ Nov/ Transportes Dez/ Mai/ Volume de Negócios Jan/ Dez/ Emprego Out/ Set/ Volume de Negócios Out/ Set/ Produção Industrial Dez/ Jan/ Actividade Actual Fev/ Jan/ Emprego Mai/ Abr/ Procura Set/ Fev/ Construção Ago/ Jan/ Encomenda Ago/ Set/ Emprego Ago/ Set/ Volume de Negócios Jul/ Fev/ Comércio Dez/ Abr/ Actividade Actual Set/ Abr/ Procura actual Ago/ Jul/ Procura Nov/ Jul/ Outros Serviços Abr/ Jun/ Actividade Actual Set/ Dez/ Procura Nov/ Abr/ s Volume de Negócios Set/ Dez/ Fonte: INE/Inquéritos Mensais de Conjuntura

15 3.2.Nota Metodológica A. Objectivo e Importância dos Inquéritos Qualitativos de Conjuntura Os inquéritos de conjuntura são instrumentos de análise e interpretação da evolução da actividade económica no curto prazo. Visam enriquecer o instrumental de análise da conjuntura interna, no que diz respeito ao sector real, e contribuir para a tomada de decisões de políticas mais acertadas e com a oportunidade desejada. As perguntas deste tipo de inquéritos são de carácter qualitativo, refletindo as opiniões dos empresários sobre a situação geral das suas empresas, sobre o comportamento de algumas variáveis significativas no presente e também sobre as suas perspectivas no futuro imediato. B. Actividades económicas abrangidas De acordo com a Classificação de actividades económicas (CAE.Rev1.) as áreas actualmente cobertas por estes inquéritos são: 1. Alojamento e Restauração (CAE:55111 a 55999) 2. Transportes (CAE: ; ) 3. Produção Industrial (CAE: ) 4. Construção (CAE:45100 a 45599) 5. Comércio (CAE: a 52604) 6. Outros Serviços (CAE: ; ; ; ). O sector de Alojamento e Restauração abrange o sector hoteleiro incluindo pensões, lodjes, pousadas, estalagens; e ainda restaurantes, estabelecimentos de bebidas e de diversão, cantinas e catering. O Sector de Transportes compreende actividades de transporte regular e ocasional de passageiros e mercadoria via marítima, fluvial, aérea e terrestre (inclui gasodutos), bem como aos serviços relacionados, casos de manuseamento de carga, armazenagem, assistência de navios e aeronaves nos aeroportos, portos, gestão de terminais; acostagem de navios etc. O sector de Construção abrange actividades de construção civil, obras de engenharia, acabamentos, demolições, instalações e preparação dos locais para construir. O Sector da produção industrial inclui toda indústria extractiva e transformadora; actividades de produção e distribuição de água, gás e de electricidade. O sector de Comércio inclui a venda de mercadorias por grosso e a retalho, comércio de veículos automóveis e combustíveis; manutenção e reparação de veículos automóveis, bens de uso doméstico e pessoal. O sector de Outros Serviços abrange actividades de consultoria, contabilidade e auditoria; de assistência jurídica; de vigilância e Segurança; aluguer e actividades imobiliárias; tecnologias de comunicação e informação; agência de viagens e turismo, clínicas privadas de saúde humana e animal, creches privadas; Ensino técnico, superior e profissionais privados; despacho aduaneiro; Serviços Sociais, colectivos, culturais, desportivo e artísticos, entre outros não especificados mas virados param fins lucrativos. C. Calculo dos Indicadores de confiança e Indicador de clima económico das empresas C1. Indicador de Confiança: grau qualitativo de otimismo sobre o estado da economia que as unidades estatísticas expressam sobre as suas actividades de produção e de prestação de serviços. O cálculo deste Indicador depende do ramo de actividade, e é obtido calculando a média aritmética simples dos saldos de respostas extremas (S.R.E) das variáveis especificadas abaixo para cada subsector da economia, aplicando a média móvel dos três termos (Quadro abaixo):

16 Metodologia do Cálculo dos Indicadores de Confiança Por sector Alojamento e Restauração Transportes Produção Industrial Construção Comércio Volume Volume Actividade Negócios Negócios Encomenda Actual Procura Actual Procura Volume Negócios Emprego Volume Negócios Actividade Actual Emprego Emprego Volume Negócios Procura actual Procura Outros Serviços Actividade Actual Procura Volume Negócios C.2. Indicador de clima económico das empresas (ICE): É uma medida qualitativa de avaliação agregada das perspectivas dos agentes económicos sobre a evolução da economia no curto prazo. Este indicador é resultado da média aritmética simples dos saldos de resposta extremo (SER) das mesmas variáveis que compõem os diferentes sectores após a sua normalização e aplicada a média móvel (vide Quadro 1). C3. Indicador de perspectivas de emprego (IEE) e do emprego actual; de perspectivas de procura e de preços: O indicador de perspectivas de emprego expressa o otimismo empresarial qualitativo sobre o emprego no horizonte de curto prazo. Este indicador é resultado da média aritmética simples após a normalização das séries e aplicada a média móvel. Essa metodologia é aplicada analogamente para indicadores de perspectivas de procura, e de preços. O indicador do emprego actual é calculado da mesma maneira mas com a diferença de que uma vez que o sector de construção não tem esta variável, utiliza-se a actividade actual como proxy do emprego actual

Indicadores de confiança e de clima económico Maputo, Setembro/2015

Indicadores de confiança e de clima económico Maputo, Setembro/2015 Setembro 2015 Instituto Nacional de Estatística Indicadores de confiança e de clima económico Brochura de publicação Mensal Reprodução autorizada, excepto para fins comerciais, com indicação da fonte bibliográfica

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE CABO VERDE CABO VERDE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA

Leia mais

DESTAQUE. Informação à Comunicação Social. Inquéritos de Conjuntura às Empresas Abril de 2013. 11 Abril de 2013

DESTAQUE. Informação à Comunicação Social. Inquéritos de Conjuntura às Empresas Abril de 2013. 11 Abril de 2013 Inquéritos de Conjuntura às Empresas Abril de 2013 11 Abril de 2013 No 1º trimestre de 2013, constata-se que o indicador de clima 1 manteve a tendência descendente dos últimos trimestres, ou seja, o ritmo

Leia mais

11 Outubro de 2012 Inquéritos de Conjuntura às Empresas Outubro de 2012

11 Outubro de 2012 Inquéritos de Conjuntura às Empresas Outubro de 2012 11 Outubro de 2012 Inquéritos de Conjuntura às Empresas Outubro de 2012 No 3º trimestre de 2012 constata-se que, o indicador de clima 1 manteve a tendência descendente do último trimestre, ou seja, o ritmo

Leia mais

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento 29 de setembro de 2014 INQUÉRITOS DE CONJUNTURA ÀS EMPRESAS E AOS CONSUMIDORES Setembro de 2014 Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

Fevereiro de 2014 INDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (IPC) MOÇAMBIQUE, (Base Dez.2010 = 100)

Fevereiro de 2014 INDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (IPC) MOÇAMBIQUE, (Base Dez.2010 = 100) INDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Moçambique Fevereiro de 2015 Base: Dezembro de 2010 Instituto Nacional de Estatística Índice de Preços no Consumidor Boletim Mensal Reprodução autorizada, excepto para fins

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 4º Trimestre 2012

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 4º Trimestre 2012 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida 4º Trimestre 2012 Janeiro 2013 Ficha Técnica Presidente Antonio Duarte Editor Instituto Nacional

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 2 Fevereiro 2009 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

CABO VERDE INQUÉRITO

CABO VERDE INQUÉRITO INSTITUTO NACIONAL DE ESTAT TISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida SÍNTESE ECONÓMICA 1º Trimestree 2012 Abril 2012 Ficha Técnica Presidente António Duarte Editor Instituto

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 2º Trimestre 2012

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 2º Trimestre 2012 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida 2º Trimestre 2012 Agosto 2012 Ficha Técnica Presidente Antonio Duarte Editor Instituto Nacional

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 3º Trimestre 2011

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 3º Trimestre 2011 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida 3º Trimestre 2011 Novembro 2011 Ficha Técnica Presidente Antonio Duarte Editor Instituto Nacional

Leia mais

INDICADORES DE CONFIANÇA E DE CLIMA ECONÓMICICO

INDICADORES DE CONFIANÇA E DE CLIMA ECONÓMICICO INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA DIRECÇÃO DE ESTATÍSTICAS SECTORIAIS E DE EMPRESAS INDICADORES DE CONFIANÇA E DE CLIMA ECONÓMICICO Edição de Setembro 2010 Maputo, Outubro de 2010 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Abril de 2011 08 de Julho de 2011 Revisão em baixa das expectativas de investimento empresarial em 2011. De acordo com as intenções manifestadas pelas

Leia mais

Indústria. Prof. Dr. Rudinei Toneto Júnior Renata de Lacerda Antunes Borges

Indústria. Prof. Dr. Rudinei Toneto Júnior Renata de Lacerda Antunes Borges A Sondagem Industrial (SI) e o Índice de Confiança (ICEI) são elaborados pela unidade de Política Econômica da Confederação Nacional das s (CNI) em conjunto com as Federações das s dos 23 estados brasileiros

Leia mais

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo.

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo. Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho disponibiliza informação que permite conhecer o nível médio mensal da remuneração

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Inquérito de Conjuntura

Inquérito de Conjuntura INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA / DIRECÇÃO GERAL DE PLANEAMENTO Inquérito de Conjuntura RELATÓRIO DE CONJUNTURA S.TOMÉ E PRÍNCIPE Iº Trimestre /2014 Ficha Técnica Directora-geral do INE: Elsa Cardoso

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual Inquérito Qualitativo de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2006 31 de Janeiro de 2007 TAXA DE VARIAÇÃO DO INVESTIMENTO PARA 2006 REVISTA EM BAIXA Os resultados do Inquérito ao Investimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Análise de Conjuntura Maio 2008 Indicador de Sentimento Económico O clima económico na União Europeia volta a deteriorar-se em Abril. Comparativamente

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 2º Trimestre 2011

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 2º Trimestre 2011 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida 2º Trimestre 2011 Agosto 2011 Ficha Técnica Presidente Antonio Duarte Editor Instituto Nacional

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 A exportação se consolida como perspectiva positiva para os próximos meses A Sondagem industrial, realizada junto a 162 indústrias catarinenses no mês de março, mostrou

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente 26 de junho de 2014 Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Maio de 2014 Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente O valor médio de avaliação bancária 1 do total do País foi de 995 euros/m

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2011 1 1 Rio de Janeiro, 26/05/2011 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro O Janeiro

Leia mais

Graf. 1 - Índices de preços no consumidor e de inflação subjacente (taxa de variação homóloga e média dos últimos 12 meses) Jun-07. Mar-07.

Graf. 1 - Índices de preços no consumidor e de inflação subjacente (taxa de variação homóloga e média dos últimos 12 meses) Jun-07. Mar-07. ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2009 13 de Janeiro 2010 Em 2009 a taxa de variação média diminuiu para -0,8 0,8% e em Dezembro a taxa t de variação homóloga situou-se se em -0, 0,1% Em 2009,

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICAS DAS EMPRESAS 2008

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICAS DAS EMPRESAS 2008 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICAS DAS EMPRESAS 2008 Maputo, Julho de 2011 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICAS DAS EMPRESAS 2008 Maputo,

Leia mais

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6%

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% 09 de janeiro de 2012 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2011 Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% No período de setembro a novembro de 2011, as saídas

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 1º Trimestre 2015

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida. 1º Trimestre 2015 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA NO CONSUMIDOR Folha de Informação Rápida 1º Trimestre 2015 Abril 2015 Ficha Técnica Presidente Antonio Duarte Editor Instituto Nacional

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC)

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) 10 de abril de 2013 Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) O ICEC é um indicador da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) que visa medir o nível de confiança

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

INDICE HARMONIZADO DOS PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) PAISES MEMBROS DA UEMOA BISSAU Março 2015

INDICE HARMONIZADO DOS PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) PAISES MEMBROS DA UEMOA BISSAU Março 2015 Republica da Guiné-Bissau Ministério de Economia e Finanças Instituto Nacional de Estatística-INE Av. Amilcar Lopes Cabral, Porta N.37 A, CP 06 INDICE HARMONIZADO DOS PREÇOS NO CONSUMIDOR (IHPC) PAISES

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Dificuldade no acesso ao crédito é disseminada na construção

Dificuldade no acesso ao crédito é disseminada na construção SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 6 Junho de 2014 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Falta de crédito dificulta recuperação

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2014)

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2014) 995 1.037 2.229 1.143 1.151 2.209 1.823 1.774 2.238 2.059 2.063 2.311 3.071 3.116 2.595 3.707 5.492 5.314 5.429 5.337 4.397 5.052 5.265 4.065 Julho de 2014 Boletim n.º 17 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL

Leia mais

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 71 Agosto

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal novembro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007 04 de Dezembro 2007 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007 MAIS DE 7 EM CADA 10 EMPRESAS COM DEZ E MAIS PESSOAS AO SERVIÇO ACEDEM

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Deslocações turísticas de residentes aumentaram

Deslocações turísticas de residentes aumentaram PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 2º Trimestre 2013 31 de outubro de 2013 Deslocações turísticas de residentes aumentaram Entre abril e junho de 2013, os residentes em Portugal efetuaram 3,9 milhões de

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em 4T14

Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em 4T14 dez 1 ANÁLISE ECONÓMICA Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em T1 Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento / Ana María Almeida Claudino Neste último trimestre

Leia mais

Índice de Confiança da Construção. Índice da Situação Atual. Índice de Expectativas

Índice de Confiança da Construção. Índice da Situação Atual. Índice de Expectativas Noovveembbr roo ddee 22001111 Evolução no trimestre sobre o mesmo trimestre do ano anterior Médias Ago-Out11/ Ago-Out10 Médias Set-Nov11/ Set-Nov10 Confiança da Em parceria o Banco Central do Brasil, a

Leia mais

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1 24 de Março de 2004 flash No 38 P Resultados das Pesquisas do SIMA-DEST e Departamento de Análise de Políticas MADER-Direcção de Economia Mudanças nos Padrões de Consumo na Zona Sul: Que Opções Alimentares

Leia mais

AUtilizaçãodeEnergiaSolar nasunidades Hoteleiras do Algarve

AUtilizaçãodeEnergiaSolar nasunidades Hoteleiras do Algarve AUtilizaçãodeEnergiaSolar nasunidades Hoteleiras do Algarve Armando Costa Inverno, António Hugo Lamarão ainverno@ualg.pt, alamarao@ualg.pt 14-02-2004 11:58:23 1 Alguns números Consumo de energia eléctrica

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2013)

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2013) Abril de 2014 Boletim n.º 15 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL 4º Trimestre de 2013 Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais

Leia mais

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012 Folha de Informação Rápida 2013 Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2012 Inventario Anual dos Estabelecimentos Hoteleiros Presidente

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Indicadores de Confiança...15

Indicadores de Confiança...15 1. MACROECONOMIA 1.1. Rendimento e Despesa Despesa Nacional a Preços Correntes...5 Despesa Nacional a Preços Constantes...6 PIB a preços correntes (Produto Interno Bruto)...7 PIB a preços constantes (Produto

Leia mais

Seminário Internacional Cooperação Internacional e Inovação em Logística. Feira de Valladolid

Seminário Internacional Cooperação Internacional e Inovação em Logística. Feira de Valladolid Seminário Internacional Cooperação Internacional e Inovação em Logística Feira de Valladolid Copyright 2011 APLOG All Rights Reserved. 1 Desde 1991 20 anos de existência É uma associação de conhecimento,

Leia mais

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga 06 de novembro de 2012 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2012 91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet

Leia mais

FICHA DE CANDIDATURA

FICHA DE CANDIDATURA FICHA DE CANDIDATURA 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. Dados pessoais Nome: Morada Localidade Concelho Telefone Fax Código Postal Distrito Telemóvel Email: 1.2. Situação Profissional Desempregado há menos de um ano

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) NOVEMBRO/2013

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) NOVEMBRO/2013 16 de dezembro de 2013 Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) NOVEMBRO/2013 O ICEC é um indicador da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) que visa medir o nível

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Opiniões dos Empresários recuperam mas Consumo de Cimento bate mínimos históricos

Opiniões dos Empresários recuperam mas Consumo de Cimento bate mínimos históricos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 73 Novembro

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

BARÓMETRO PME COMÉRCIO E SERVIÇOS 4º TRIMESTRE 2013 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS

BARÓMETRO PME COMÉRCIO E SERVIÇOS 4º TRIMESTRE 2013 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 14 DE ABRIL 2014 BARÓMETRO PME COMÉRCIO E SERVIÇOS PRINCIPAIS RESULTADOS 1.1 - EVOLUÇÃO DO VOLUME DE NEGÓCIOS Volume de Negócios no 4º Trimestre de 2013 (t.v.h.) Aumentou em 42,5%

Leia mais

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA GRANDE GRUPO 1 QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA Os quadros superiores da administração pública, dirigentes e quadros superiores de empresa dão pareceres

Leia mais

ICIT - INQUÉRITO QUALITATIVO DE CONJUNTURA À INDÚSTRIA TRANSFORMADORA

ICIT - INQUÉRITO QUALITATIVO DE CONJUNTURA À INDÚSTRIA TRANSFORMADORA INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI Nº 22/2008 DE 13 DE MAIO) DE RESPOSTA CONFIDENCIAL E OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº 10204 VÁLIDO ATÉ 2017/12/31 ICIT - INQUÉRITO QUALITATIVO

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho Outubro de 2009 Julho de 2012 Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho O Índice de Confiança da Indústria de Transformação de Pernambuco (ICI-PE) volta a recuar em julho

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

Anexo 1. Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº

Anexo 1. Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº Anexo 1 Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº empresas C.A.E. Sector terciário 46 41200 Construção de edifícios (residenciais e não residenciais). 37 56301

Leia mais

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Em maio, a carteira de crédito do SFN totalizou aproximadamente 56,2% do PIB, indicando crescimento de 12,7% em 12 meses. O maior dinamismo

Leia mais

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006 22 de Dezembro de 2006 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006 MAIS DE 6 EM CADA 10 EMPRESAS ACEDEM À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

Leia mais

SONDAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL

SONDAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL SONDAGEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL Informativo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) Ano 2 Número 3 março de 2011 www.cni.org.br Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Construção civil: um novo cenário à frente Pág.

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012

Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012 Elaborado Por: Ministério das Finanças Ministério da Planificação e Desenvolvimento Banco de Moçambique

Leia mais

Em agosto, ICES interrompe alta e cai para 96,2

Em agosto, ICES interrompe alta e cai para 96,2 Dados de Agosto/2013, Relatório Número 10 Em agosto, ICES interrompe alta e cai para 96,2 Em agosto, o ICES interrompeu a pequena tendência de alta registrada em julho, e voltou a cair, indo para 96,2,

Leia mais

Desempenho da Economia de Caxias do Sul Dezembro de 2015

Desempenho da Economia de Caxias do Sul Dezembro de 2015 Dezembro/2015 1- Desempenho da Economia de Caxias do Sul A economia de Caxias do Sul, em dezembro, apresentou indicador com leve recessão no mês (-0,3%). Foi a Indústria que puxou o índice para baixo,

Leia mais