Treinamento: NOVO SIAFI e Implantação do PCASP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Treinamento: NOVO SIAFI e Implantação do PCASP"

Transcrição

1 Treinamento: NOVO SIAFI e Implantação do PCASP SUPERIOR TRIBUNAL MILITAR SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORD. DE ACOMP. AVALIAÇÃO E ORIENTAÇÃO SEÇÃO DE ANÁLISE CONTÁBIL

2 SUPERVISOR Nezildo Santos Braga EQUIPE Aldene Marques de Sousa Batista Érica Ramos de Albuquerque Jackson Silva dos Santos Paulo Daniel Assis de Oliveira

3 Sumário 1 Introdução Procedimentos para realização do treinamento Como acessar o SIAFI Educacional Tela Preta na página do Tesouro? Como acessar o SIAFI Web - Educacional? Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP Porque implantar um novo Plano de Contas? Conceito de Plano de Contas Objetivo de um Plano de Contas Objetivos Campo De Aplicação (Quem deve utilizar o PCASP?) Estrutura do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Mecanismo para Consolidação das Demonstrações Contábeis Lógica de Registro das Contas de Consolidação Consulta do Novo Plano de Contas (ConOrigem) Transação >CONORIGEM O CONORIGEM por meio da transação >CONCONTA Consulta a Classificação Orçamentária (ConNatSof) Transação >CONNATSOF Fases da Despesa e o controle de em liquidação Empenho > Em liquidação > Liquidação > Pagamento Reconhecimento de Passivo Reconhecimento do Passivo independentemente de execução orçamentária (prévio ao empenho) Procedimentos/Operacionalização Operacionalização para o reconhecimento... 15

4 Operacionalização para empenho, liquidação e pagamento da despesa reconhecida anteriormente sem o respaldo orçamentário Operacionalização para baixa da obrigação sem execução orçamentária Processo para Formalização do Reconhecimento do Passivo Despesa Antecipada: Variações Patrimoniais Diminutivas Pagas Antecipadamente Ativo Imobilizado e Intangível Comparação entre as contas do Imobilizado no PCASP e no antigo Plano de Contas Comparação entre as contas do Imobilizado entre o antigo Plano de Contas e o PCASP Treinamento prático presencial Apropriação de uma VPD SEM o crédito orçamentário (prévio ao empenho) Baixa de Material em Almoxarifado Lançamento da Depreciação Registro de VPD Pagas Antecipadamente (Despesa Antecipada) referente a assinatura de jornais e periódicos Treinamento Prático - EAD Módulo 5 Elaboração de Empenho Módulo 6 - Aquisição de materiais para consumo imediato Módulo 7 - Aquisição de materiais para estoque Modulo 8 - Liquidação da despesa com Água e Esgoto Módulo 9 - Registro de Contratos no NOVO SIAFI CPR Módulo 10 - Liquidação de serviço de limpeza com contrato Módulo 11 Liquidação da despesa com Defensor Dativo Módulo 12 - Aquisição de material permanente Módulo 13 - Pagamento das liquidações realizadas Documentos Hábeis e Códigos de Situação (no CPR) mais utilizados na JMU Considerações Finais... 62

5 Introdução Procedimentos para realização do treinamento 1 Introdução Devido as recentes mudanças no SIAFI e a implantação da Plano de Conta Aplicado ao Setor Público a partir do exercício de 2015, a Setorial Contábil da JMU visualizou a necessidade de prestar um treinamento com as orientações necessárias para os servidores que trabalham na execução orçamentária, financeira e patrimonial no âmbito da JMU. 1.1 Procedimentos para realização do treinamento 1. O treinamento será realizado no SIAFI EDUCACIONAL, para tanto foi solicitado acesso para todos os participantes. 2. Todas as transações serão realizadas no UG STM, uma vez que foi nessa UG que foram inseridos saldos necessários. Sendo assim, deve-se alterar a UG, conforme a seguir: a. No SIAFI Educacional TELA PRETA: Transação >MUDAUGO b. No SIAFI Educacional WEB: Clicar em Configurar Acesso e depois em Trocar UG 3. Favor utilizar os valores que serão indicados para que o saldo possa a ser utilizado por todos os participantes. 1.2 Como acessar o SIAFI Educacional Tela Preta na página do Tesouro? O SIAFI EDUCACIONAL TELA PRETA é acessado da mesma maneira que o SIAFI OPERACIONAL TELA PRETA, por meio do Acesso HOD. 1. Acessar 2. Bem no final da página clicar em SIAFI 3. Clicar SIAFI 4. Acesso HOD com a sua senha de rede 5. Selecionar SIAFI-EDUC 6. Em Sistema informar SIAFI2015SE 1.3 Como acessar o SIAFI Web - Educacional? Acessar treinamento-siafi.tesouro.gov.br 2 Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP 2.1 Porque implantar um novo Plano de Contas? A Secretaria do Nacional publicou no Manual do Plano de Contas MCASP, em um capítulo específico e de maneira didática, o porque da implantação do Novo Plano de Contas, chamado Plano de Contas aplicado ao Setor Público PCASP. Devido a sua boa redação, o reproduziremos na integra: A Lei Complementar nº 101 de 2000 LRF instituiu a necessidade do Poder Executivo da União realizar, anualmente, a consolidação nacional das contas dos entes da Federação. Nesse sentido, com o objetivo de buscar uma padronização, o Decreto nº 6.976/2009 atribuiu à Secretaria 4

6 Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP Porque implantar um novo Plano de Contas? do Tesouro Nacional, na condição de órgão central do Sistema de Contabilidade Federal, a responsabilidade da elaboração de um Plano de Contas padronizado para a federação (grifo nosso): Art. 7o Compete ao órgão central do Sistema de Contabilidade Federal:... II - manter e aprimorar o Plano de Contas Aplicado ao Setor Público e o processo de registro padronizado dos atos e fatos da administração pública (grifo nosso);... XXVIII - editar normativos, manuais, instruções de procedimentos contábeis e plano de contas aplicado ao setor público, objetivando a elaboração e publicação de demonstrações contábeis consolidadas, em consonância com os padrões internacionais de contabilidade aplicados ao setor público (grifo nosso); Tendo em vista que uma estrutura de contas padronizada é essencial para garantir a qualidade da consolidação das contas públicas, inclusive a elaboração dos demonstrativos contábeis e fiscais, a Secretaria do Tesouro Nacional iniciou a elaboração do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP (grifo nosso). O PCASP surgiu como resultado de um processo democrático, por meio do Grupo Técnico de Procedimentos Contábeis. Esse grupo é composto por representantes contábeis de todo o país. Foi elaborado com base em critérios técnicos, seguindo os calendários definidos junto à Federação para sua implantação. Assim, em apoio ao processo de convergência, o PCASP permite que os entes possam adotar de forma sistematizada as normas contábeis, incluindo os seguintes aspectos: a) Segregação da informação orçamentária da patrimonial - No PCASP as contas contábeis são classificadas segundo a natureza das informações que evidenciam, de modo que a informação orçamentária não influencia ou altera a forma de registro da informação patrimonial. Além do registro dos fatos ligados à execução orçamentária, exige-se a evidenciação dos fatos ligados à execução financeira e patrimonial, de maneira que os fatos modificativos sejam levados à conta de resultado e que as informações contábeis permitam o conhecimento da composição patrimonial e dos resultados econômicos e financeiros de determinado exercício. b) Registro das variações patrimoniais segundo o regime de competência As classes 3 (Variações Patrimoniais Diminutivas) e 4 (Variações Patrimoniais Aumentativas) registram as transações que aumentam ou diminuem o patrimônio líquido, devendo ser reconhecidos nos períodos a que se referem, decorrentes ou independentes da execução orçamentária. Os fatos que afetam o patrimônio público devem ser registrados, portanto, de acordo com o princípio da competência, complementarmente ao registro orçamentário das receitas e das despesas públicas. c) Registro de procedimentos patrimoniais específicos o PCASP possibilita, por suas classes patrimoniais, o registro de procedimentos contábeis específicos adotados pelas Normas 16 Internacionais como os créditos tributários e não tributários, os estoques, os ativos imobilizado se intangíveis, incluindo os procedimentos de mensuração após o reconhecimento, tais como a reavaliação, a depreciação, amortização e exaustão e a redução ao valor recuperável (impairment), bem como as provisões, dentre outros. d) Elaboração de estatísticas fiscais mundiais com base nos padrões estabelecidos pelo Fundo Monetário Internacional FMI - com base no manual do GFSM 2001 (Government Finance Statistics Manual 2001) permite alinhar as práticas estatísticas do país às normas internacionais, com o objetivo de adequar a elaboração das estatísticas fiscais brasileiras à praticada pela maioria dos países, contribuindo para o aprimoramento do processo de análise, tomada de decisão e formação de opinião em matéria de finanças públicas. Além de ser uma ferramenta para a consolidação das contas nacionais e instrumento para a adoção das normas internacionais de contabilidade, o PCASP tem sido usado também como ferramenta para prestação de contas automatizada por parte de Tribunais de Contas. 5

7 Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP Conceito de Plano de Contas Ademais, o Governo Federal tem conduzido um processo para desenvolvimento e implantação de um sistema denominado Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro (SICONFI), que visa padronizar a coleta de dados contábeis e fiscais de toda a federação. A adoção nacional do PCASP contribuirá para a transmissão de dados a serem coletados por esse sistema, possibilitando um aprimoramento da consolidação contábil nacional prevista na LRF. 2.2 Conceito de Plano de Contas É a estrutura básica da escrituração contábil, formada por um conjunto de contas previamente estabelecido, que permite obter as informações necessárias à elaboração de relatórios gerenciais e demonstrações contábeis conforme as características gerais da entidade, possibilitando a padronização de procedimentos contábeis. 2.3 Objetivo de um Plano de Contas O plano de contas de uma entidade tem como objetivo atender, de maneira uniforme e sistematizada, ao registro contábil dos atos e fatos praticados pela entidade. Desta forma, proporciona maior flexibilidade no gerenciamento e consolidação dos dados e alcança as necessidades de informações dos usuários. Sua entrada de informações deve ser flexível de modo a atender aos normativos, gerar informações necessárias à elaboração de relatórios e demonstrativos e facilitar a tomada de decisões e a prestação de contas Objetivos Os objetivos gerais do PCASP correspondem ao estabelecimento de normas e procedimentos para o registro contábil das entidades do setor público e a viabilizar a consolidação das contas públicas. Seus objetivos específicos são: a) Atender às necessidades de informação das organizações do setor público; b) Observar formato compatível com as legislações vigentes, os Princípios de Contabilidade e as Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público (NBCASP); c) Adaptar-se, tanto quanto possível, às exigências dos agentes externos, principalmente às Normas Internacionais de Contabilidade do Setor Público (NICSP). 2.4 Campo De Aplicação (Quem deve utilizar o PCASP?) O campo de aplicação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público abrange todas as entidades governamentais, exceto as estatais independentes, cuja utilização é facultativa. O PCASP deve ser utilizado por TODOS OS PODERES DE CADA ENTE DA FEDERAÇÃO, seus fundos, órgãos, autarquias, inclusive especiais, e fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, bem como pelas empresas estatais dependentes. As entidades abrangidas pelo campo de aplicação devem observar as normas e as técnicas próprias da Contabilidade Aplicada ao Setor Público. Entende-se por empresa estatal dependente, conforme disposto no art. 2º, inciso III da LRF, a empresa controlada que recebe do ente controlador recursos financeiros para pagamento de despesas com pessoal, de custeio em geral ou de capital, excluídos, no último caso, aqueles provenientes de aumento de participação acionária. 6

8 Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP Estrutura do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público 2.5 Estrutura do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público O Plano de Contas Aplicado ao Setor público está estruturado por níveis de desdobramento, sendo estes classificados e codificados como segue: Os entes da Federação podem ter mais níveis de desdobramento além desses. As classes apresentam a seguinte estrutura: 1. Ativo; 2. Passivo e Patrimônio Líquido; 3. Variações Patrimoniais Diminutivas; 4. Variações Patrimoniais Aumentativas; 5. Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento; 6. Controles da Execução do Planejamento e Orçamento; 7. Controles Devedores; e 8. Controles Credores. 7

9 Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - PCASP Estrutura do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público O PCASP possui a seguinte estrutura básica, em nível de classe/grupo: 8

10 Mecanismo para Consolidação das Demonstrações Contábeis Lógica de Registro das Contas de Consolidação 3 Mecanismo para Consolidação das Demonstrações Contábeis A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), em seu artigo 51, prevê que o Poder Executivo da União promoverá, até o dia trinta de junho, a consolidação, nacional e por esfera de governo, das contas dos entes da Federação relativas ao exercício anterior, e a sua divulgação, inclusive por meio eletrônico de acesso público. Essa determinação legal gera para o Tesouro Nacional, como órgão central de contabilidade, a responsabilidade de padronizar os procedimentos com a finalidade de promover a consolidação das demonstrações contábeis, que é um dos aspectos da consolidação nacional das contas. Assim, é necessária a utilização, no PCASP, do mecanismo de exclusão de saldos recíprocos para elaboração do balanço patrimonial, balanço financeiro, demonstração dos fluxos de caixa e demonstração das variações patrimoniais consolidados. Nesse sentido, o PCASP foi estruturado para que as classes de natureza da informação patrimonial (1 Ativo, 2 Passivo, 3 Variações Patrimoniais Diminutivas, 4 Variações Patrimoniais Aumentativas) utilizassem o 5º nível para identificação de saldos recíprocos, de forma a permitir a consolidação das demonstrações contábeis citadas dos entes da Federação. Assim, tais contas refletem o fenômeno contábil de acordo com a sua finalidade no processo de consolidação e com as seguintes características, levando em consideração a função de cada conta específica: Caso o ente público necessite identificar outras transações dessa natureza além das previstas no PCASP, poderá fazê-lo por meio da criação de contas inter e intra nesse mesmo nível. 3.1 Lógica de Registro das Contas de Consolidação As contas de quinto nível do PCASP identificadas com o dígito 1 (CONSOLIDAÇÃO) possuem saldos que irão integrar os demonstrativos no processo de consolidação, podendo ser originários de: a) Transações efetuadas entre uma unidade pertencente ao orçamento fiscal e da seguridade social (OFSS) com pessoa ou unidade que não pertença ao OFSS de ente público; b) Bens resultantes de transações entre duas unidades pertencentes ao orçamento do mesmo ente ou de entes distintos (Intra ou Inter OFSS, respectivamente), visto que nesse caso não há duplicidade de saldos a ser excluída, pois o bem é apenas transferido de uma unidade para outra; e 9

11 Mecanismo para Consolidação das Demonstrações Contábeis Lógica de Registro das Contas de Consolidação c) Eventos internos em que não há relação com outras entidades. Por outro lado, as contas do PCASP identificadas com o dígito 2 no quinto nível (INTRA-OFSS) deverão ser excluídas no processo de consolidação de cada ente. Já para a consolidação nacional realizada pelo Poder Executivo Federal, nos termos do art. 51 da LRF, deverão ser excluídas as contas que possuem o dígito 2, 3, 4 e 5 no quinto nível. Deste modo, a consolidação seguirá a seguinte lógica: 10

12 Consulta do Novo Plano de Contas (ConOrigem) Transação >CONORIGEM 4 Consulta do Novo Plano de Contas (ConOrigem) 4.1 Transação >CONORIGEM Por meio da transação >CONORIGEM podemos fazer consulta entre o antigo e novo plano de contas. Assim, podemos responder ao questionamento Qual conta substitui uma conta eu utilizava no antigo plano de contas?. Ou então Esse nova conta refere-se a qual conta do antigo plano de contas?. Cabe-nos destacar que essa transação demonstrar as contas de Natureza Patrimonial, ou seja, as contas de Ativo, Passivo, Patrimônio Líquido, Variação Patrimonial Aumentativa e Diminutiva. As contas de natureza orçamentária serão consultadas pela transação >CONNATSOF. Segue o passo a passo para utilizar a transação >CONORIGEM: 11

13 O CONORIGEM por meio da transação >CONCONTA 4.2 O CONORIGEM por meio da transação >CONCONTA Também se pode utilizar a transação >CONORIGEM, por meio da transação com >CONCONT. Para isto, o usuário deve utilizar a tecla F5. Segue abaixo um exemplo: 12

14 Consulta a Classificação Orçamentária (ConNatSof) Transação >CONNATSOF 5 Consulta a Classificação Orçamentária (ConNatSof) 5.1 Transação >CONNATSOF Um dos objetivos do Novo Plano de Contas foi segregar as contas de natureza orçamentárias (Receita e Despesa orçamentárias) das contas de natureza patrimonial (Ativo, Passivo, Patrimônio Líquido, Variação Patrimonial Aumentativa e Diminutiva), conforme a seguir: Sendo assim, o SIAFI também procurou separar as transações de consulta das contas: a) As contas de natureza patrimonial (Ativo, Passivo, Patrimônio Líquido, Variação Patrimonial Aumentativa e Diminutiva) continuam sendo consultadas pela transação >CONCONTA; e b) As contas de natureza orçamentárias (Receita e Despesa orçamentárias) passarão a ser consultadas pela transação >CONNATSOF. A transação >CONNATSOF pede apenas os dígitos referentes à classificação da Natureza da Despesa. Ou seja, se antes consultávamos a conta OUTROS SERVICOS DE TERCEIROS - PESSOA FISICA, agora nessa transação vamos consultar OUTROS SERVICOS DE TERCEIROS - PESSOA FISICA. O primeiro dígito se referia a 3 Despesa no antigo Plano de Contas, uma vez que existia certa vinculação entre o antigo Plano de Contas com a Classificação Orçamentária. A partir de 2015, essa vinculação deixará de existir. 13

15 Fases da Despesa e o controle de em liquidação Empenho > Em liquidação > Liquidação > Pagamento 6 Fases da Despesa e o controle de em liquidação 6.1 Empenho > Em liquidação > Liquidação > Pagamento Empenho: (Lei 4.320/64, art. 58): Empenho de despesa é o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigação (orçamentária = garantia para o credor, mas não constitui uma obrigação patrimonial) de pagamento pendente ou não de implemento de condição. Em liquidação: é importante quando o reconhecimento de passivo ocorrer em momento anterior à fase da liquidação, de maneira que haja distinção entre os empenhos não liquidados que se constituem obrigação presente daqueles que não se constituem obrigação presente. A despesa em liquidação é aquela cujo fato gerador ocorre anteriormente à fase de liquidação, ou seja, reconhecimento do passivo/obrigação mesmo sem a liquidação. A provisão de décimo terceiro e férias são exemplos de passivos que antecedem a liquidação. Liquidação (Lei 4.320/64): consiste na verificação do direito adquirido pelo credor tendo por base os títulos e documentos comprobatórios do respectivo crédito, ou seja, é a verificação de um Passivo Exigível já existente. Pagamento: última etapa da execução da despesa orçamentária é a efetiva saída do recurso financeiro que ocasionará a baixa de um passivo exigível existente. 7 Reconhecimento de Passivo As obrigações deverão ser reconhecidas no momento do fato gerador. Assim, em atendimento ao Princípio da Competência constante na Resolução do Conselho Federal de Contabilidade nº 750/93, à Lei Complementar nº 101/2000 no inciso II, do art. 50, ao Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MCASP, Parte II (Procedimentos Contábeis Patrimoniais), às Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público (NBC T 16.4 Transações no Setor Público) e outros atos normativos que dispõem sobre a contabilidade geral e pública, ocorrendo o fato gerador de uma despesa, mesmo nos casos sem dotação no orçamento, a contabilidade deverá registrá-la. O reconhecimento do passivo deverá ocorrer na Unidade Gestora responsável pela execução da despesa, independente de quem for o responsável pelo orçamento. Assim, mesmo que tenha ocorrido uma descentralização de crédito, o responsável por reconhecer o passivo será a unidade em que efetivamente ocorreu a despesa. 7.1 Reconhecimento do Passivo independentemente de execução orçamentária (prévio ao empenho) Segundo o inciso II do art. 167 da Constituição Federal são vedados a realização de despesas ou a assunção de obrigações diretas que excedam os créditos orçamentários ou adicionais. Entretanto, a contabilidade registrará todos os atos e fatos relativos à gestão orçamentária, 14

16 Reconhecimento de Passivo Reconhecimento do Passivo independentemente de execução orçamentária (prévio ao empenho) financeira e patrimonial, independentemente de sua legalidade, conforme disposto na Lei de Diretrizes Orçamentárias. >> E agora?! A Constituição afirma que não posso reconhecer obrigação sem respaldo orçamentário e Contabilidade tem o dever de reconhecer os passivos independentemente da formalidade. O que faço? O TCU no processo TC / pronunciou no item 8.2 que o reconhecimento de passivos oriundos de despesas sem dotação orçamentária não fere a vedação constituição-legal de realização de despesa ou assunção de obrigações que excedam os créditos orçamentários ou adicionais, vez que não é o registro contábil que está vedado e sim o ato que o origina. Podem ser citadas como exemplo as despesas com energia elétrica, serviços telefônicos, IPVA, IPTU, provisão de férias, entre outras. O reconhecimento dessas despesas ocorrerá com a incorporação de um passivo em contrapartida ao registro de variação patrimonial passiva Existem, outrossim, passivos que são decorrentes de previsão legal, contudo não estão contemplados no orçamento. A Constituição federal de 1988 estabelece no 5º do art.100 a obrigatoriedade de inclusão, no orçamento das entidades de direito público, de verba necessária ao pagamento de seus débitos, oriundos de sentenças transitadas em julgado, constantes de precatórios judiciários apresentados até 1º de julho, fazendo-se o pagamento até o final do exercício seguinte, quando terão seus valores atualizados monetariamente. Dessa forma, os precatórios judiciários que são apresentados após a referida data serão registrados no passivo patrimonial, embora não tenha suporte orçamentário Procedimentos/Operacionalização Operacionalização para o reconhecimento A apropriação do passivo será efetuado no Novo CPR: a) por meio de documento hábil (FL, NP ou RP) gerando uma Nota de Sistema NS no SIAFI. b) situação: LPA301 a PLA400 No capítulo de treinamento prático presencial temos um exemplo de apropriação de uma Variação Patrimonial Diminutiva referente à despesa com consumo de energia sem o crédito orçamentário Operacionalização para empenho, liquidação e pagamento da despesa reconhecida anteriormente sem o respaldo orçamentário. No momento da realização do empenho deve-se informar que existe uma passivo anterior constituído: 15

17 Reconhecimento de Passivo Processo para Formalização do Reconhecimento do Passivo 1. Passivo anterior (Atenção!): Por meio da tecla F1, selecionar a opção S - SIM 2. Logo após será solicitado os dados referentes ao passivo que foi constituído. A liquidação e o pagamento permaneceram da mesma maneira que os demais Operacionalização para baixa da obrigação sem execução orçamentária Quando for necessário baixar o passivo sem execução orçamentária por prescrição ou quando não for lançado o devido valor em outros lançamentos no Novo CPR no momento da execução orçamentária, o mesmo será baixado por meio de documento hábil no Novo CPR. 7.2 Processo para Formalização do Reconhecimento do Passivo Para o reconhecimento do passivo deverá aberto processo contendo as seguintes informações: - importância a pagar; - dados do credor (nome, CPF ou CNPJ e endereço) - data de vencimento do compromisso (se for o caso); - causa da inobservância do empenho; - relatório da despesa ocorrida; - documentação que originou tal situação (se for o caso). - termo de reconhecimento de dívida, elaborado pelo ordenador de despesa, conforme modelo: 16

18 Despesa Antecipada: Variações Patrimoniais Diminutivas Pagas Antecipadamente Processo para Formalização do Reconhecimento do Passivo 8 Despesa Antecipada: Variações Patrimoniais Diminutivas Pagas Antecipadamente Compreende pagamentos de Variações Patrimoniais Diminutivas (VPD) Antecipadas, cujos benefícios ou prestação de serviço à entidade, que serão concretizados ao longo de um período de tempo. Temos como exemplo a contratação de seguro e as assinaturas de jornais e periódicos, cujo pagamento ocorre anteriormente ao seu período de consumo do bem ou serviço. As VPDs Antecipadas (Despesas Antecipadas) são registradas nas seguintes contas de ativo: VARIAÇAO PATRIMONIAL DIMINUTIVA PG ANTECIPADA PRÊMIOS DE SEGUROS A APROPRIAR PREMIOS DE SEGUROS A APROPRIAR - CONSOLIDACAO ASSINATURAS E ANUIDADES A APROPRIAR ASSINATURAS E ANUIDADES A APROPRIAR - CONSOL No capítulo de treinamento presencial temos um exemplo de apropriação com despesa antecipada de assinatura de periódicos. 9 Ativo Imobilizado e Intangível O Ativo Imobilizado é uma conta patrimonial responsável pelo registro dos bens tangíveis (móveis e imóveis) destinados à manutenção das atividades econômicas da entidade. É composta de bens como: máquinas, equipamentos, terrenos, prédios, edificações, veículos e outros. Os chamados "Ativos Intangíveis" são aqueles que não têm existência física. Como exemplos de intangíveis: os direitos de exploração de serviços públicos mediante concessão ou permissão do Poder Público, marcas e patentes, softwares e o fundo de comércio adquirido. No capítulo de treinamento prático presencial temos exemplos de recebimento de bem e de depreciação. 17

19 9.1 Comparação entre as contas do Imobilizado no PCASP e no antigo Plano de Contas Treinamento: NOVO SIAFI e Implantação do PCASP Ativo Imobilizado e Intangível Comparação entre as contas do Imobilizado no PCASP e no antigo Plano de Contas Segue a comparação, apenas das contas que estão sendo utilizadas na JMU, partido do PCASP para o antigo Plano de Contas. Contas no novo PCASP Contas no antigo Plano de Contas IMOBILIZADO Conta sintética BENS MOVEIS Conta sintética BENS MOVEIS - CONSOLIDACAO Conta sintética MAQUINAS, APARELHOS, EQUIPAMENTO E FERRAMENTA Conta sintética APARELHOS DE MEDICAO E ORIENTACAO APARELHOS DE MEDICAO E ORIENTACAO APARELHOS E EQUIPAMENTOS DE COMUNICACAO APARELHOS E EQUIPAMENTOS DE COMUNICACAO EQUIPAM/UTENSILIOS MEDICOS,ODONTO,LAB E HOSP APAR.,EQUIP.E UTENS.MED.,ODONT.,LABOR.E HOSP EQUIPAMENTO DE PROTECAO, SEGURANCA E SOCORRO EQUIPAMENTO DE PROTECAO, SEGURANCA E SOCORRO MAQUINAS E EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS MAQUINAS E EQUIPAM. DE NATUREZA INDUSTRIAL MAQUINAS E EQUIPAMENTOS ENERGETICOS MAQUINAS E EQUIPAMENTOS ENERGETICOS MAQUINAS E EQUIPAMENTOS GRAFICOS MAQUINAS E EQUIPAMENTOS GRAFICOS MAQUINAS, FERRAMENTAS E UTENSILIOS DE OFICINA MAQUINAS, FERRAMENTAS E UTENSILIOS DE OFICINA EQUIPAMENTOS, PECAS E ACESSORIOS P/AUTOMOVEIS ACESSORIOS PARA AUTOMOVEIS EQUIPAMENTOS DE MANOBRAS E PATRULHAMENTO EQUIPAMENTOS DE MANOBRAS E PATRULHAMENTO EQUIPAMENTOS HIDRAULICOS E ELETRICOS EQUIPAMENTOS HIDRAULICOS E ELETRICOS OUTRAS MAQUINAS, EQUIPAMENTOS E FERRAMENTAS MAQUINAS, UTENSILIOS E EQUIPAMENTOS DIVERSOS BENS DE INFORMATICA Conta sintética EQUIPAMENTOS DE PROCESSAMENTO DE DADOS EQUIPAMENTOS DE PROCESSAMENTOS DE DADOS MOVEIS E UTENSILIOS Conta sintética APARELHOS E UTENSILIOS DOMESTICOS APARELHOS E UTENSILIOS DOMESTICOS MAQUINAS E UTENSILIOS DE ESCRITORIO MAQUINAS, INSTALACOES E UTENS. DE ESCRITORIO MOBILIARIO EM GERAL MOBILIARIO EM GERAL MATER CULTURAL, EDUCACIONAL E DE COMUNICACAO Conta sintética COLECOES E MATERIAIS BIBLIOGRAFICOS COLECOES E MATERIAIS BIBLIOGRAFICOS 18

20 Contas no novo PCASP Treinamento: NOVO SIAFI e Implantação do PCASP Ativo Imobilizado e Intangível Comparação entre as contas do Imobilizado no PCASP e no antigo Plano de Contas Contas no antigo Plano de Contas DISCOTECAS E FILMOTECAS DISCOTECAS E FILMOTECAS EQUIPAMENTOS PARA AUDIO, VIDEO E FOTO EQUIPAMENTOS PARA AUDIO, VIDEO E FOTO OBRAS DE ARTE E PECAS PARA EXPOSICAO OBRAS DE ARTE E PECAS PARA EXPOSICAO VEICULOS Conta sintética VEICULOS EM GERAL VEICULOS DIVERSOS VEICULOS DE TRACAO MECANICA VEICULOS DE TRACAO MECANICA BENS MOVEIS EM ALMOXARIFADO Conta sintética ESTOQUE INTERNO ESTOQUE INTERNO ARMAMENTOS ARMAMENTOS DEMAIS BENS MOVEIS Conta sintética BENS EM PODER DE OUTRA UNIDADE OU TERCEIROS BENS EM PODER DE OUTRA UNIDADE OU TERCEIROS PECAS NAO INCORPORAVEIS A IMOVEIS PECAS NAO INCORPORAVEIS A IMOVEIS MATERIAL DE USO DURADOURO MATERIAL DE USO DURADOURO OUTROS BENS MOVEIS OUTROS BENS MOVEIS BENS IMOVEIS Conta sintética BENS IMOVEIS - CONSOLIDACAO Conta sintética BENS DE USO ESPECIAL REGISTRADOS NO SPIUNET Conta sintética IMOVEIS RESIDENCIAIS / COMERCIAIS IMOVEIS RESIDENCIAL/COMERCIAL EDIFICIOS EDIFICIOS TERRENOS/GLEBAS TERRENOS/GLEBAS ARMAZENS/GALPOES ARMAZENS/GALPOES BENS DE USO ESPECIAL NAO REGISTRADOS SPIUNET Conta sintética EDIFICIOS EDIFICIOS BENS IMOVEIS EM ANDAMENTO Conta sintética OBRAS EM ANDAMENTO OBRAS EM ANDAMENTO ESTUDOS E PROJETOS ESTUDOS E PROJETOS INSTALACOES INSTALACOES BENFEITORIAS EM PROPRIEDADE DE TERCEIROS BENFEITORIAS EM PROPRIEDADES DE TERCEIROS 19

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO PARTE GERAL Aplicado à União, Estados, Distrito Federal e Municípios Válido para o exercício de 2013

Leia mais

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo 10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público CH: 1:20 h Conteúdo: 1. Aspectos gerais do Plano

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

INCLUSÃO DE DOCUMENTOS NO SIAFI-WEB (CPR) - RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS E EMPENHOS DE 2015

INCLUSÃO DE DOCUMENTOS NO SIAFI-WEB (CPR) - RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS E EMPENHOS DE 2015 INCLUSÃO DE DOCUMENTOS NO SIAFI-WEB (CPR) - RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS E EMPENHOS DE 2015 Apresentamos, a seguir, as principais alterações no sistema SIAFI, decorrentes da implantação do novo Plano

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DAS NOVAS NORMAS CONTÁBEIS DA ÁREA PÚBLICA. Carla de Tunes Nunes

O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DAS NOVAS NORMAS CONTÁBEIS DA ÁREA PÚBLICA. Carla de Tunes Nunes O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DAS NOVAS NORMAS CONTÁBEIS DA ÁREA PÚBLICA Carla de Tunes Nunes A Ciência Contábil Reconhecimento Mensuração Evidenciação Histórico e Antecedentes Portaria MF 184/08 NBC T SP

Leia mais

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013 PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013 Patrícia Dutra Auditora Pública Externa - Contadora A LRF instituiu a necessidade do Poder Executivo da União realizar, anualmente, a consolidação nacional

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA Demonstrações Contábeis José Rafael Corrêa Quanto mais eu sei, mais eu descubro que nada eu sei Sócrates 1 Conceitos CONTABILIDADE INFORMAÇÃO Informação

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE IGREJINHA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE IGREJINHA DECRETO N.º 3.543, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Execução das Atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

A implantação de Procedimentos Contábeis Patrimoniais na Federação

A implantação de Procedimentos Contábeis Patrimoniais na Federação A implantação de Procedimentos Contábeis Patrimoniais na Federação Henrique Ferreira Souza Carneiro Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação (CCONF/STN) Secretaria do Tesouro

Leia mais

Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT Última Atualização: 12/01/2010 Programa do Módulo 2 1. Plano de

Leia mais

Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF

Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF MUDANÇAS NA ESTRUTURA CONCEITUAL Demonstrações Contábeis Plano de

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013.

DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013. DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013. Altera o Decreto nº 016/2012, que instituiu o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos

Leia mais

DECRETO 011 / 2012. ATENDER aos dispositivos da Portaria nº 828, de 14 de dezembro de 2011, da Secretaria do Tesouro Nacional, e;

DECRETO 011 / 2012. ATENDER aos dispositivos da Portaria nº 828, de 14 de dezembro de 2011, da Secretaria do Tesouro Nacional, e; DECRETO 011 / 2012 Institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MCASP.

Leia mais

PAGAMENTOS (SIAFI) 1 APRESENTAÇÃO

PAGAMENTOS (SIAFI) 1 APRESENTAÇÃO PAGAMENTOS (SIAFI) 1 APRESENTAÇÃO 1.1 O subsistema Contas a Pagar e a Receber (CPR) do Sistema Integrado de Administração Financeira (SIAFI) que permite o gerenciamento de compromissos de pagamento e recebimento,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS DO SUL DECRETO Nº 1.700

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS DO SUL DECRETO Nº 1.700 DECRETO Nº 1.700 700/20 2012. Institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 04 Metodologia para Elaboração do Balanço Patrimonial (Versão publicada em: 23/12/2014)

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 04 Metodologia para Elaboração do Balanço Patrimonial (Versão publicada em: 23/12/2014) REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 04 Metodologia para Elaboração do Balanço Patrimonial

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

DECRETO N.º 098/12 DE 16 DE MAIO DE 2012

DECRETO N.º 098/12 DE 16 DE MAIO DE 2012 DECRETO N.º 098/12 DE 16 DE MAIO DE 2012 INSTITUI o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada

Leia mais

AUTARQUIA MUNICIPAL DE ESPORTES DE CACOAL - AM Estado de Rondônia. Balancete do Sistema Orçamentário no Período de janeiro a janeiro Anexo TC-01

AUTARQUIA MUNICIPAL DE ESPORTES DE CACOAL - AM Estado de Rondônia. Balancete do Sistema Orçamentário no Período de janeiro a janeiro Anexo TC-01 Balancete do Sistema Orçamentário no Período de janeiro a janeiro 1. 1.1. 1.1.1. 1.1.1.1. 1.1.1.1.1. 1.1.1.1.1.19. 1.1.1.1.1.19.02. 1.1.1.1.1.19.04. 1.1.3. 1.1.3.8. 1.1.3.8.1. 1.1.3.8.1.08. 1.1.3.8.1.09.

Leia mais

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional;

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional; Código: MAP-DIFIN-001 Versão: 00 Data de Emissão: XX/XX/XXXX Elaborado por: Gerência de Contabilidade Aprovado por: Diretoria de Finanças e Informações de Custos 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos

Leia mais

Transição para Nova Contabilidade. Evandro Buiati. Superintendência de Gestão Técnica SGT

Transição para Nova Contabilidade. Evandro Buiati. Superintendência de Gestão Técnica SGT Transição para Nova Contabilidade Evandro Buiati. Superintendência de Gestão Técnica SGT Agenda Transição para Nova Contabilidade 1 - Como está a transição para Nova Contabilidade? 2 - Quais os benefícios

Leia mais

DECRETO N 026 de 28 de março de 2012. O Prefeito de Capão do Leão, Estado do Rio Grande do Sul no uso de suas atribuições: DECRETA

DECRETO N 026 de 28 de março de 2012. O Prefeito de Capão do Leão, Estado do Rio Grande do Sul no uso de suas atribuições: DECRETA DECRETO N 026 de 28 de março de 2012 Institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014.

NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014. NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014. ÁREA: Contabilidade Municipal TÍTULO: Contabilização do recurso financeiro transferido para o Município destinado a educação em tempo integral REFERÊNCIA:

Leia mais

CRONOGRAMA DE AÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO DA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CASIMIRO DE ABREU/RJ - PODER LEGISLATIVO

CRONOGRAMA DE AÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO DA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CASIMIRO DE ABREU/RJ - PODER LEGISLATIVO I - Reconhecimento, mensuração e evidenciação dos créditos, tributários ou não, por competência, e a dívida ativa, incluindo os respectivos ajustes para perdas. de procedimentos e rotinas contábeis para

Leia mais

PROCEDIMENTO CONTÁBIL Nº 001/2015 (versão 0.0.1)

PROCEDIMENTO CONTÁBIL Nº 001/2015 (versão 0.0.1) PROCEDIMENTO CONTÁBIL Nº 001/2015 (versão 0.0.1) RESTOS A PAGAR PROCESSADOS E NÃO PROCESSADOS ÍNDICE 1 OBJETIVO... 1 2 CONCEITOS... 1 3 CLASSIFICAÇÃO NO PLANO DE CONTAS... 2 4 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS...

Leia mais

Cronograma de ações dos procedimentos contábeis patrimoniais e específicos adotados e a serem implementados até 2014

Cronograma de ações dos procedimentos contábeis patrimoniais e específicos adotados e a serem implementados até 2014 e específicos adotados e a serem implementados até 2014 O Município de Passo Fundo institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE JURUENA ESTADO DE MATO GROSSO

CÂMARA MUNICIPAL DE JURUENA ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE JURUENA ESTADO DE MATO GROSSO ANEXO I CRONOGRAMA DE AÇÕES E IMPLEMENTAÇÕES DOS PROCEDIMENTOS EXIGIDOS PELAS PORTARIAS Nº. 406/828, DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL - STN ITEM PRODUTO

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 002/2012

DECRETO LEGISLATIVO Nº 002/2012 DECRETO LEGISLATIVO Nº 002/ Institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público

Leia mais

GESTÃO, seus reflexos NA NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA E OS RECENTES CONTROLES DO TCEES

GESTÃO, seus reflexos NA NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA E OS RECENTES CONTROLES DO TCEES GESTÃO, seus reflexos NA NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA E OS RECENTES CONTROLES DO TCEES Projeto do CFC 2013: Ano da Contabilidade no Brasil A importância da Contabilidade para o desenvolvimento socioeconômico

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 03. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 03. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Olá, ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À Aula 03 MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Dando continuidade ao nosso estudo dirigido, hoje veremos os seguintes tópicos: 01.04.04

Leia mais

DECRETO MUNICIPAL N.º 1.186/2012 Novo Tiradentes/RS, 27 de março de 2012.

DECRETO MUNICIPAL N.º 1.186/2012 Novo Tiradentes/RS, 27 de março de 2012. DECRETO MUNICIPAL N.º 1.186/2012 Novo Tiradentes/RS, 27 de março de 2012. INSTITUI O CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES A SEREM IMPLEMENTADAS PARA O ATENDIMENTO INTEGRAL DOS DIS- POSITIVOS CONSTANTES

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG CONCURSO: APO/MPOG/2010 66. (ESAF APO/MPOG/2010) Assinale a opção verdadeira a respeito do objeto, regime e campo de aplicação da contabilidade

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, nos

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, nos PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1937, DE 14 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre a divulgação do cronograma de Procedimentos Contábeis Orçamentários (PCO), Procedimentos Contábeis Patrimoniais

Leia mais

RESOLUÇÃO T.C. Nº 16, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2012.

RESOLUÇÃO T.C. Nº 16, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2012. ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE CONTAS RESOLUÇÃO T.C. Nº 16, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2012. Estabelece normas relativas à composição das contas anuais do Governador, nos termos do Regimento Interno do Tribunal

Leia mais

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional O Conselho Regional de Administração de São Paulo, vinculado ao Conselho Federal de Administração,

Leia mais

Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina BALANÇO PATRIMONIAL Em 31/12/2014 - Encerramento 9.817.136,65 40.159.587,34. Prazo 104.

Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina BALANÇO PATRIMONIAL Em 31/12/2014 - Encerramento 9.817.136,65 40.159.587,34. Prazo 104. ATIVO PASSIVO Ativo Circulante Caixa e Equivalentes de Caixa - Bancos Conta Movimento - Demais Contas Rede Bancária - Arrecadação Aplicações Financeiras de Liquidez Imediata - Intra OFSS Recursos Liberados

Leia mais

PROCESSO DE CONVERGÊNCIA DA CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL. Parte 2 Procedimento Contábil da Depreciação

PROCESSO DE CONVERGÊNCIA DA CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL. Parte 2 Procedimento Contábil da Depreciação PROCESSO DE CONVERGÊNCIA DA CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL Parte 2 Procedimento Contábil da Depreciação Como visto na parte 1, ao concluir a identificação e o respectivo registro de cada bem permanente

Leia mais

AUTARQUIA MUNICIPAL DE ESPORTES DE CACOAL - AM Estado de Rondônia. Balancete do Sistema Orçamentário no Período de março a março Anexo TC-01

AUTARQUIA MUNICIPAL DE ESPORTES DE CACOAL - AM Estado de Rondônia. Balancete do Sistema Orçamentário no Período de março a março Anexo TC-01 Balancete do Sistema Orçamentário no Período de março a março 1. 1.1. 1.1.1. 1.1.1.1. 1.1.1.1.1. 1.1.1.1.1.19. 1.1.1.1.1.19.02. 1.1.1.1.1.19.04. 1.1.3. 1.1.3.8. 1.1.3.8.1. 1.1.3.8.1.08. 1.1.3.8.1.09. 1.1.5.

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

Nota Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário.

Nota Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário. Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Assunto: Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário. 1 Trata-se de orientação acerca do reconhecimento contábil de obrigações sem suporte orçamentário

Leia mais

ROTINAS E PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS DA UNIÃO PARTE V ESTOQUES E IMOBILIZADO

ROTINAS E PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS DA UNIÃO PARTE V ESTOQUES E IMOBILIZADO ROTINAS E PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS DA UNIÃO PARTE V ESTOQUES E IMOBILIZADO Versão: 25/08/2014 MINISTRO DE ESTADO DA FAZENDA Guido Mantega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Paulo Rogério Caffarelli SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA

939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA s s 100000000000 ATIVO 939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 110000000000 ATIVO CIRCULANTE 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 111100000000 CAIXA

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação ao arquivos publicados em 03/06/2014: Item alterado/incluído Motivo Regras de consolidação. b.8 Numeração errada. Regras de consistência, b Exclui-se as consignações do passivo financeiro

Leia mais

Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI

Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Amigos e amigas visitantes do Ponto dos Concursos! Desejo muita paz e tranqüilidade a todos os

Leia mais

Solução em Gestão Municipal

Solução em Gestão Municipal Solução em Gestão Municipal 1 Contatos Solução em Gestão Municipal Telefone/fax: (32) 3379 3100 ionan@sh3.com.br rafael_cassio@sh3.com.br luciano@sh3.com.br felipe@sh3.com.br ingrid@sh3.com.br flavia@sh3.com.br

Leia mais

NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO. A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP.

NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO. A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP. NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP. A CONTADORIA GERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Entendendo a estrutura administrativa

Leia mais

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis PROFESSOR : Salomão Dantas Soares TURMA 6º CCN AULA 02 Turno/Horário Noturno Apostila

Leia mais

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013.

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013. SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA Nº 634, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre regras gerais acerca das diretrizes, normas e procedimentos contábeis aplicáveis aos entes da Federação, com vistas

Leia mais

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS [Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Qname siconfi-dca-anexo1abhi : BalancoPatrimonialAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoLineItems siconfi-cor :

Leia mais

Cronograma de Ações para Implantação da Contabilidade Aplicada ao Setor Publica da Câmara Municipal de Pedra Preta - MT

Cronograma de Ações para Implantação da Contabilidade Aplicada ao Setor Publica da Câmara Municipal de Pedra Preta - MT Cronograma de Ações para da Contabilidade Aplicada ao Setor Publica da Câmara Municipal de Pedra Preta - MT - Considerando que a Portaria STN 828/2011 estabeleceu o prazo de até 31 de março de 2012; -

Leia mais

Prof. Msc.: Vitor Maciel dos Santos

Prof. Msc.: Vitor Maciel dos Santos Prof. Msc.: Vitor Maciel dos Santos Orientações Estratégicas para a Contabilidade Aplicada ao Setor Público no Brasil Aspectos práticos da CASP e a importância da estruturação setorial PREMISSAS Orientações

Leia mais

Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014.

Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014. Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014. Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis para registro dos Ajustes de Avaliação Patrimonial, objeto da Resolução CFC

Leia mais

1.1 Relatório Equivalência Subelementos por Classe e Grupo de Patrimônio

1.1 Relatório Equivalência Subelementos por Classe e Grupo de Patrimônio INSTRUÇÃO DE SERVIÇO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Nº 011/2013/SATE/SEFAZ ASSUNTO PROCEDIMENTO PARA INCLUSÃO DO DOCUMENTO DE AQS AQUISIÇÃO DE BENS PATRIMONIAIS. ATUALIZADA 15/08/2014. 1.INFORMAÇÕES

Leia mais

Tabela de Fatos - DCA 2014

Tabela de Fatos - DCA 2014 Tabela de Fatos - DCA 2014 Element siconfi-cor:p1.0.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.1.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.2.00.00

Leia mais

Art. 1º Aprovar Norma de Execução, na forma do Anexo a esta Portaria. ANEXO UNIDADE RESPONSÁVEL 31/12/2013 PROCESSO

Art. 1º Aprovar Norma de Execução, na forma do Anexo a esta Portaria. ANEXO UNIDADE RESPONSÁVEL 31/12/2013 PROCESSO PORTARIA Nº 2, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013 O AUDITOR-CHEFE DA AUDITORIA INTERNA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO, no uso de suas atribuições, e tendo em vista a competência que lhe foi atribuída pelo inciso

Leia mais

Aula 3 Tutorial 1: GERANDO UM DOCUMENTO HÁBIL SF. Olá,

Aula 3 Tutorial 1: GERANDO UM DOCUMENTO HÁBIL SF. Olá, Aula 3 Tutorial 1: GERANDO UM DOCUMENTO HÁBIL SF Olá, Em geral, as despesas públicas precisam de um processo formal de contratação para serem realizadas. Por isso fazemos as licitações, os contratos administrativos,

Leia mais

LANÇAMENTOS PATRIMONIAIS (PA) NOVO SIAFI

LANÇAMENTOS PATRIMONIAIS (PA) NOVO SIAFI LANÇAMENTOS PATRIMONIAIS (PA) NOVO SIAFI V3 MAIO 2015 Table of contents Controle de Versões... 4 Unidades Gestoras vinculadas à 2ª ICFEx... 6 Introdução... 7 Acessando o Sistema... 8 Material de Consumo...

Leia mais

Roteiro completo para a contabilização e conferencia da Dívida Fundada

Roteiro completo para a contabilização e conferencia da Dívida Fundada Roteiro completo para a contabilização e conferencia da Dívida Fundada 1º - Transferência da dívida permanente de longo prazo para a dívida permanente de curto prazo. Em conformidade a Lei n 6.404/1976

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 05 Metodologia para Elaboração da Demonstração das Variações Patrimoniais (Versão publicada em: 23/12/2014)

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 05 Metodologia para Elaboração da Demonstração das Variações Patrimoniais (Versão publicada em: 23/12/2014) REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 05 Metodologia para Elaboração da Demonstração das Variações

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PÚBLICA - SICAP/CONTÁBIL ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público Portaria Conjunta STN/SOF nº 02/2012 Portaria STN nº 437/2012

Leia mais

Plano de implantação dos Procedimentos Contábeis Patrimoniais

Plano de implantação dos Procedimentos Contábeis Patrimoniais Subsecretaria de Contabilidade Pública Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação Plano de implantação dos Procedimentos Contábeis Patrimoniais Agenda Processo de Convergência

Leia mais

Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul.

Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul. Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul. Público Alvo: Servidores de Prefeituras do Estado do Rio Grande do Sul que atuam na área contábil.

Leia mais

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010 6º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais 17 e 18 de junho de 2010 RECEITAS E DESPESAS PÚBLICAS: Enfoque Orçamentário X Enfoque Patrimonial

Leia mais

Subação Produto Responsável Prazo Final Situação Atual Finanças/tesouraria/contabilidade 31/12/2014 Não iniciada

Subação Produto Responsável Prazo Final Situação Atual Finanças/tesouraria/contabilidade 31/12/2014 Não iniciada Resolução TC nº 02/2014 ANEXO V CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DAS NOVAS REGRAS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO (PODER EXECUTIVO) PROCEDIMENTOS CONTABEIS ESPECIFICOS - PARTE III DO MCASP Registro de Procedimentos

Leia mais

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN MÓDULO: RECONHECIMENTO DO PASSIVO POR COMPETÊNCIA - RPC COLABORADORES DO MATERIAL: STELA ALVES ASSIS Página 1 de 24 Página 2 de 24 RECONHECIMENTO DO PASSIVO

Leia mais

Balanço Patrimonial. Janeiro à Novembro de 2014 - Anexo 14, da Lei 4.320/64. Exercício Anterior

Balanço Patrimonial. Janeiro à Novembro de 2014 - Anexo 14, da Lei 4.320/64. Exercício Anterior Página 1 de 5 CIRCULANTE 3.458.065,56 1.875.217,00 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 2.816.152,90 1.000.561,87 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL 2.816.152,90 1.000.561,87 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

IX Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas. ABOP Slide 1

IX Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas. ABOP Slide 1 ABOP Slide 1 BASE LEGAL - VISÃO PATRIMONIAL NA LEI 4.320/1964 Art. 85. Os serviços de contabilidade serão organizados de forma a permitirem o acompanhamento da execução orçamentária, o conhecimento da

Leia mais

115610000000 ALMOXARIFADO - CONSOLIDAÇÃO 115810000000 OUTROS ESTOQUES - CONSOLIDAÇÃO

115610000000 ALMOXARIFADO - CONSOLIDAÇÃO 115810000000 OUTROS ESTOQUES - CONSOLIDAÇÃO 100000000000 ATIVO 329.083,39 911.970,67 872.747,07 368.306,99 110000000000 ATIVO CIRCULANTE 3.073,50 898.201,87 872.747,07 28.528,30 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 111100000000 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

Município de Carmo do Paranaíba CNPJ: 18.602.029/0001-09

Município de Carmo do Paranaíba CNPJ: 18.602.029/0001-09 DECRETO MUNICIPAL N.º 3.427, DE 27 DE JUNHO DE 2012 Define o cronograma de ações para implantação da Contabilidade Aplicada ao Setor Público no Município de Carmo do Paranaíba O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

CÓDIGO DA CONTA CONTÁBIL NO PLANO ATUAL

CÓDIGO DA CONTA CONTÁBIL NO PLANO ATUAL Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - Administração Pública do Estado do Pará (Versão 1.2, 16/08/13) NOTA: Plano de Contas baseado no 'Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - Modelo IPC 00 (Março

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal Banco do Setor público Sumário Introdução 04 Cartão de Pagamento do Governo Federal CPGF 04 Passo a Passo 10 Perguntas e Respostas 12 Legislação I Ementa 17

Leia mais

Balancete. Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Piauí CNPJ: 14.882.936/0001-06. Créditos. Conta. Página:1/24

Balancete. Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Piauí CNPJ: 14.882.936/0001-06. Créditos. Conta. Página:1/24 Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Piauí CNPJ: 14.882.936/0001-06 Balancete Período: 01/05/2015 a 31/05/2015 Conta Anterior Débitos Créditos 1 - ATIVO 660.339,65D 383.449,46 379.045,53 664.743,58D

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 08 Metodologia para Elaboração da Demonstração dos Fluxos de Caixa (Versão publicada em: 23/12/2014)

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 08 Metodologia para Elaboração da Demonstração dos Fluxos de Caixa (Versão publicada em: 23/12/2014) REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 08 Metodologia para Elaboração da Demonstração dos Fluxos

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

29/09/2014. Contabilidade Pública Novo Modelo de Gestão COMISSÃO DE NORMAS TÉCNICAS E DE LEGISLAÇÃO APLICADAS AS ENTIDADES PÚBLICAS DO CRCCE

29/09/2014. Contabilidade Pública Novo Modelo de Gestão COMISSÃO DE NORMAS TÉCNICAS E DE LEGISLAÇÃO APLICADAS AS ENTIDADES PÚBLICAS DO CRCCE Contabilidade Pública Novo Modelo de Gestão COMISSÃO DE NORMAS TÉCNICAS E DE LEGISLAÇÃO APLICADAS AS ENTIDADES PÚBLICAS DO CRCCE 1 Convergência às Normas Internacionais de Contabilidade Surge um novo modelo

Leia mais

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo em sua oficina. O sistema foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

MANUAL DE SISTEMATIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS E FISCAIS DO SETOR PÚBLICO (MSICSP)

MANUAL DE SISTEMATIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS E FISCAIS DO SETOR PÚBLICO (MSICSP) REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 MANUAL DE SISTEMATIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS E FISCAIS DO SETOR PÚBLICO (MSICSP) Regras Gerais de Estrutura e Formatação do MSICSP O primeiro

Leia mais

ALTERAÇÕES DE CONTAS CONTÁBEIS DE ACORDO COM O NOVO PCASP 2015

ALTERAÇÕES DE CONTAS CONTÁBEIS DE ACORDO COM O NOVO PCASP 2015 ALTERAÇÕES DE CONTAS CONTÁBEIS DE ACORDO COM O NOVO PCASP 2015 CONTAS MAIS UTILIZADAS - EM GERAL 1.1.2.1.6.04.00 LIMITE DE SAQUE COM VINCULACAO DE PAGAMENTO 11112.20.01 LIMITE DE SAQUE COM VINCULACAO DE

Leia mais

10 a 12/06/2013 - Florianópolis SC - CURSO DE SIAFI OPERACIONAL ATUALIZADO COM NOVO SIAFI

10 a 12/06/2013 - Florianópolis SC - CURSO DE SIAFI OPERACIONAL ATUALIZADO COM NOVO SIAFI Apresentação O curso visa ao conhecimento do Sistema Integrado de Administração Financeira SIAFI, a atualização das rotinas de execução orçamentária e financeira, ao conhecimento teórico sobre os assuntos

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

I - DA CONTA ÚNICA DO TESOURO NACIONAL

I - DA CONTA ÚNICA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA n o 04, de 30 de agosto de 2004. Dispõe sobre a consolidação das instruções para movimentação e aplicação dos recursos financeiros da Conta Única do Tesouro Nacional, a abertura e manutenção

Leia mais

A Nova Contabilidade do Setor Público. Conselho Federal de Contabilidade

A Nova Contabilidade do Setor Público. Conselho Federal de Contabilidade A Nova Contabilidade do Setor Público Conselho Federal de Contabilidade 1 Conteúdo: Antecedentes Novo foco da contabilidade Convergência às IPSAS Principais entidades normativas O conjunto das NBC T SP

Leia mais

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE PATRIMÔNIO CONCEITO: Compreende o conjunto de bens, direitos e obrigações avaliáveis em moeda corrente, das entidades que compõem a Administração Pública.

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE ALAGOAS VII ENCONTRO DE CONTABILIDADE DO AGRESTE ALAGOANO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO Fernando Carlos Almeida MAIO - 2014 Contabilidade

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC.

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC. 1 ANEXO III - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 MODELOS E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SÃO AS EXTRAÍDAS DOS LIVROS, REGISTROS E

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2015).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2015).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3. MANUAL DE ABERTURA DO EXERCÍCIO 2015 E ENCERRAMENTO DE 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2015)...5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS...5 3 TABELAS A SEREM PREENCHIDAS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ NOTA TÉCNICA Nº 002 / 2013 SATES / DICONF SEFA Aos Órgãos e Entidades da Administração Pública Estadual, 1 Belém, 18 de outubro de 2013 ASSUNTO: Ordem Bancária de Transferência Voluntária (OBTV) do Sistema

Leia mais

47º Congresso ARTAFAM - 2013. Diogo Duarte Barbosa. Novo PCASP - Consolidação a par0r do quinto nível - Aspectos prá0cos e polêmicos.

47º Congresso ARTAFAM - 2013. Diogo Duarte Barbosa. Novo PCASP - Consolidação a par0r do quinto nível - Aspectos prá0cos e polêmicos. 47º Congresso ARTAFAM - 2013 Diogo Duarte Barbosa Novo PCASP - Consolidação a par0r do quinto nível - Aspectos prá0cos e polêmicos. Quais são as novas normas? Facebook.com/casponline NOVAS NORMAS DE CASP

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO Existe conceito de Contabilidade como um todo. Contabilidade é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação e controle relativas aos atos e

Leia mais

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas SIAFI Básico ABOP Slide 1

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas SIAFI Básico ABOP Slide 1 SIAFI Básico ABOP Slide 1 Oficina nº 65 - SIAFI BÁSICO Carga Horária: 4h Conteúdo: 1. Aspectos históricos do SIAFI. 1.1 Apresentação do Sistema. 1.2 Conceituações básicas do SIAFI. 1.3 Objetivos. 1.4 Abrangência.

Leia mais

Análise Contábil do Relatório de

Análise Contábil do Relatório de Análise Contábil do Relatório de Controle Interno Gerência de Contabilidade Centralizada Diretoria de Contabilidade Geral Flávio van GEORGE Rocha Sir. Flávio van GEORGE Rocha Composição do Relatório: 1.

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 01 Transferência de Saldos Contábeis e Controle de Restos a Pagar

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 01 Transferência de Saldos Contábeis e Controle de Restos a Pagar REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 01 Transferência de Saldos Contábeis e Controle de Restos

Leia mais