Roteiro completo para a contabilização e conferencia da Dívida Fundada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roteiro completo para a contabilização e conferencia da Dívida Fundada"

Transcrição

1 Roteiro completo para a contabilização e conferencia da Dívida Fundada 1º - Transferência da dívida permanente de longo prazo para a dívida permanente de curto prazo. Em conformidade a Lei n 6.404/1976 e suas atualizações, bem como a NBCT 16.6 Demonstrações Contábeis Todo final de exercício, em 31/12, deverá haver registro, na UO, das NLA S dos atos e fatos contábeis, com a finalidade de transferir a dívida fundada do passivo permanente de longo pra passivo permanente de curto prazo (circulante). Essa NLA deverá ser no valor previsto para o pagamento no decorrer do exercício, se a LOA estiver com o valor previsto pode ser pelo valor da LOA. Para efetuar as transferências de longo para curto prazo (no final de cada exercício financeiro), deverão ser utilizado os seguintes AFCs (NLAs): , pelo menos pelo valor previsto na LOA Incorporação de Obrigações - Transferência de Longo Para Curto Prazo - Operações de Crédito Internas - Em Contratos Código do AFC: Incorporação de Obrigações - Transferência de Longo Para Curto Prazo - Operações de Crédito Internas Principal - Em Contratos (antigo ) UO ZZZZZ UG 0000 D R Operações de Crédito Internas - Contratos (P) C R Operações de Crédito Internas - Contratos (P) Incorporação de Obrigações - Transferência de Longo para Curto Prazo - Operações de Crédito Externas (Em Contratos) Código do AFC: Incorporação de Obrigações - Transferência de Longo para Curto Prazo - Operações de Crédito Externas (Em Contratos) (antigo ) UO ZZZZZ UG 0000 D R Operações de Crédito Externa - Contratos (P) C R Operações de Crédito Externa - Contratos (P) Incorporação de Obrigações - Transferência de Longo para Curto Prazo - Encargos - Operações de Crédito Internas (Em Contratos) Código do AFC: Incorporação de Obrigações - Transferência de Longo para Curto Prazo - Encargos - Operações de Crédito Internas (Em Contratos) (antigo ) UO ZZZZZ UG 0000 D R Encargos de Contratos - Empréstimos Internos do Exercício (P) C R Encargos de Contratos - Empréstimos Internos do Exercício (P) D C R R Financiamentos - Internas (P) Financiamentos - Internas (P) 2º - Verificar o nível de relacionamento, conforme segue: Os planos de contas dos entes da Federação somente poderão ser detalhados nos níveis posteriores ao nível utilizado na relação de contas do PCASP, constante no volume de Anexos no

2 MCASP. Exceção a esta regra corresponde à abertura do 5º nível em intra, inter ou consolidação quando tal conta não existir no PCASP e quando o ente entender ser necessário. Como exemplo, o quadro a seguir, extraído do PCASP, apresenta contas que contemplam apenas o detalhamento Consolidação : FORNECEDORES E CTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PRAZO FORNECEDORES E CTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PRAZO CONSOLIDAÇÃO Dessa forma, a estrutura do plano de contas foi elaborada de forma a identificar as contas segregando os valores gerados a partir de transações que serão incluídas na consolidação e as que serão excluídas (saldos de transações intra e inter Orçamento Fiscal e da Seguridade Social (OFSS)), ou seja, se uma transferência, por exemplo, ocorrem entre unidades da mesma esfera de governo, pertencentes ao OFSS, o registro contábil evidenciará este fato, demonstrando por meio do código da conta contábil que o valor resultou de uma operação intragovernamental, tanto na unidade transferidora, quanto na unidade recebedora. Tal mecanismo possibilitará a exclusão dos saldos recíprocos quando ocorrer a consolidação contábil. Assim, o Plano de Contas Aplicado ao Setor Público utiliza, no 5º nível, as contas que devem ser utilizadas obrigatoriamente para identificar as transações intra e intergovernamentais, como as relativas aos empréstimos e financiamentos e as transações previdenciárias. Contudo, a critério do ente, em situações específicas, pode haver necessidade de outros desdobramentos desta conta em Inter OFSS (União, Estado ou Municípios) ou Intra OFSS. Nestes casos, o ente pode desdobrar o PCASP no nível de padronização para consolidação (5º nível). FONTE: Manual PCASP parte IV Plano de Contas Aplicado ao Setor Público De acordo com o manual acima, as contas deverão traduzir o tipo de transação que o ente realizará. Caso um parcelamento de FGTS seja feito, o 5º Nível da conta contábil será 1 (consolidação), visto que a CEF não consta do orçamento fiscal e da seguridade social. Caso o parcelamento seja do imposto de renda, a transação será considerada como Inter-Ofss- União, posto que a Receita Federal faz faça parte do orçamento da União, sendo o 5º Nível da conta contábil igual a 3. No sistema FIPLAN, cada credor cadastrado tem um indicativo chamado de Nível de Relacionamento, onde figura um dos códigos abaixo: 1 Consolidação 2 Intra OFSS- Entre Órgãos 3 Inter OFSS-União 4 Inter OFSS-Estado 5 Inter OFSS-Município É o código do credor que irá definir o nível de relacionamento do ente em suas transações. Após a carga de saldos, cada UO deverá adotar os seguintes procedimentos: 1. Emitir o relatório fip 215A Balancete Mensal de Verificação Por Conta Corrente das contas do PCASP acima elencadas. 2. Identificar o nível de relacionamento de cada credor.

3 3. Efetuar os lançamentos contábeis, para regularização dos níveis de relacionamentos, através dos seguintes AFCs (NLAs): Informamos que a ausência dessas regularizações dos níveis de relacionamento impossibilitará a emissão de documento de execução de despesas, resultando em aviso de saldos insuficientes ou conta contábil não encontrada Operações de Crédito Internas Curto Prazo Código do AFC: Operações de Crédito Internas Curto Prazo D Operações de Crédito Internas Em Contratos C R Operações de Crédito Internas Em Contratos Operações de Crédito Internas Longo Prazo Código do AFC: Operações de Crédito Internas Longo Prazo D Operações de Crédito Internas Em Contratos C R Operações de Crédito Internas Em Contratos Operações de Crédito Internas Juros de Contratos Código do AFC: Operações de Crédito Internas Juros de Contratos Curto Prazo D Juros de Contratos-Empréstimos Internos do Exercício (P) C R Encargos de Contratos-Empréstimos Internos do Exercício (P) Operações de Crédito Internas Financiamentos-Internas Código do AFC: Operações de Crédito Internas (-) Encargos Financeiros a Apropriar Sobre Empréstimos e Financiamentos-Internas-Curto Prazo

4 Operações de Crédito Internas (-) Encargos Financeiros a Apropriar Sobre Empréstimos e Financiamentos-Internas-Curto Prazo D R Financiamentos-Internas C Financiamentos-Internas Operações de Crédito Internas Juros de Contratos - Longo Prazo Código do AFC: Operações de Crédito Internas Juros de Contratos Longo Prazo D Juros de Contratos-Empréstimos Internos do Exercicio (P) C R Encargos de Contratos-Empréstimos Internos do Exercicio (P) Operações de Crédito Internas Financiamentos-Internas- Longo Prazo Código do AFC: Operações de Crédito Internas (-) Encargos Financeiros a Apropriar Sobre Empréstimos e Financiamentos-Longo Prazo D R Financiamentos-Internas C Financiamentos-Internas 3º - Lançamento dos encargos financeiros a apropriar em atendimento ao MPCASP: O registro contábil, além de espelharem a operação de crédito de forma transparente, harmonizase com os princípios contábeis da Oportunidade e da Competência, visto que houve um ingresso financeiro no valor da dívida contratada. Assim nesse momento, o total da dívida corresponde apenas ao valor de seu principal. Porém, como já se sabe a priori o valor dos encargos financeiros que serão devidos, é prudente que tal valor seja registrado. No entanto, esse procedimento apenas estará de acordo com o Principio da Competência se, concomitantemente, for escriturada uma conta retificadora pelo valor dos encargos financeiros a serem apropriados, visto que tais encargos ainda não são devidos e, portanto, seu valor deve ser abatido do valor total da dívida registrada. Os encargos, por sua vez, devem ser reconhecidos contabilmente em razão do prazo de vencimento das contraprestações pelo critério pro rata dia, mediante a utilização do método exponencial, observada a competência.

5 Salienta-se que o registro dos encargos a apropriar só foi possível devido ao fato de os juros em questão serem pré-fixados. Caso fossem pós-fixados, somente seria possível estimá-los com razoável certeza na ocasião em que forem divulgados os valores dos índices acordados no instrumento contratual. No momento em que tais índices tornam-se disponíveis, os juros pós-fixados devem ser reconhecidos. As Unidades Orçamentárias que ainda não tem contabilizado os encargos a transcorrer, poderão ou deverão utilizar os seguintes AFCs (NLAs): Incorporação de Obrigações Encargos Financeiros a Apropriar Operações de Crédito Internas Curto Prazo Código do AFC: Incorporação de Obrigações Encargos Financeiros a Apropriar Operações de Crédito Internas Curto Prazo (antigo ) UO ZZZZZ UG 0000 D R Financiamentos Internas (P) C R Encargos de Contratos Empréstimos Internos do Exercício (P) Incorporação de Obrigações Encargos Financeiros a Apropriar Operações de Crédito Externas Curto Prazo Código do AFC: Incorporação de Obrigações Encargos Financeiros a Apropriar Operações de Crédito Externas Curto Prazo (antigo ) UO ZZZZZ UG 0000 D Financiamentos Externas (P) C Encargos de Contratos Empréstimos Externos do Exercício (P) Incorporação de Obrigações Encargos Financeiros a Apropriar Operações de Crédito Internas Longo Prazo Código do AFC: Incorporação de Obrigações Encargos Financeiros a Apropriar Operações de Crédito Internas Longo Prazo (antigo ) UO ZZZZZ UG 0000 D R Financiamentos Internas (P) C R Encargos de Contratos Empréstimos Internos do Exercício (P) Incorporação de Obrigações Encargos Financeiros a Apropriar Operações de Crédito Externas Longo Prazo Código do AFC: Incorporação de Obrigações Encargos Financeiros a Apropriar Operações de Crédito Externas Longo Prazo (antigo ) UO ZZZZZ UG 0000 D Financiamentos Externas (P) C Encargos de Contratos Empréstimos Externos do Exercício (P)

6 4º - Apropriação mensal dos encargos financeiros a apropriar, quando aplicável, em conformidade do previsto no MPCASP: Reconhecimento dos encargos Cada parcela relativa aos encargos financeiros deverá ter sido integralmente reconhecida até o final de cada mês, conforme o Principio da Competência, independentemente de seu pagamento. (Manual parte III-Procedimentos Contábeis Específicos). Para essa finalidade poderão ser utilizados os seguintes AFCs (NLAs): Incorporação de Obrigações - Reconhecimento dos Encargos Financeiros (Juros) - Operações de Crédito Internas - Curto Prazo Código do AFC: Incorporação de Obrigações - Reconhecimento dos Encargos Financeiros (Juros) - Operações de Crédito Internas - Curto Prazo (antigo ) UO ZZZZZ UG 0000 D R Juros Sobre a Dívida Interna Por Contrato C R Financiamentos - Internas (P) Incorporação de Obrigações - Reconhecimento dos Encargos Financeiros - Operações de Crédito Externas - Curto Prazo Código do AFC: Incorporação de Obrigações - Reconhecimento dos Encargos Financeiros - Operações de Crédito Externas - Curto Prazo (antigo ) UO ZZZZZ UG 0000 D Juros e Encargos da Dívida Contratual Externa C Financiamentos - Externas (P) 5º - Contabilização do empenho, de acordo com os lançamentos abaixo: Lançamento realizado no momento do Empenho: Para Empenho cuja despesa seja igual à Amortização da Dívida (elemento 71) Transferência do Passivo permanente para o passivo financeiro (68 09). ÓRGÃO: ZZZZZ.0000 D = P.R Empréstimos e Financiamentos Contratos (P) C = Incorp./Desincorp. de Saldo Patrimonial ÓRGÃO: ZZZZZ.ZZZZ D = Incorp./Desincorp. de Saldo Patrimonial C = P.R Empréstimos e Financiamentos - Contratos (F) Para Empenho cuja despesa seja igual à Encargos Financeiros (elemento 21) Transferência do Passivo permanente para o passivo financeiro (68 11). ÓRGÃO: ZZZZZ.0000 D = P.R Encargos Financeiros (P) C = Incorp./Desincorp. de Saldo Patrimonial ÓRGÃO: ZZZZZ.ZZZZ D = Incorp./Desincorp. de Saldo Patrimonial

7 C = P.R Encargos Financeiros (F) OBS. Lançamentos simplificados para efeito didático. Os usuários vão verificar que no momento da inclusão da LIQ não haverá mais a contabilização na classe 3 - variação patrimonial passiva VPP e nem na VPA, pois a execução da dívida por ser um fato permutativo não gerará mais lançamentos nas contas de variações patrimoniais, em conformidade com o MPCASP. 6º - Contabilização da NOB de acordo com os lançamentos abaixo: No momento da NOB o sistema vai baixar a conta do passivo financeiro em contrapartida com o banco, pois em conformidade com o MPCASP: Lançamento realizado no momento da inclusão da NOB: Para Empenho cuja despesa seja igual à Amortização da Dívida (elemento 71) Transferência do Passivo permanente para o passivo financeiro (68 09). ÓRGÃO: ZZZZZ.ZZZZ D = P.R Empréstimos e Financiamentos - Contratos (F) C = Banco Conta Movimento (Disponível) Para Empenho cuja despesa seja igual à Encargos Financeiros (elemento 21) Transferência do Passivo permanente para o passivo financeiro (68 11). ÓRGÃO: ZZZZZ.ZZZZ D = P.R Encargos Financeiros (F) C = Banco Conta Movimento (Disponível) OBS. Lançamentos simplificados para efeito didático. 7º - Contabilização de baixa de Encargos que Influencia no SDV(Saldo Devedor)de acordo com os lançamentos abaixo: Baixas de Obrigações Baixa de Operações de Crédito Internas Encargos da Divida de FGTS - Curto Prazo (Em Contratos) Código do AFC: Baixas de Obrigações Baixa de Operações de Crédito Internas Encargos da Divida de FGTS - Curto Prazo (Em Contratos) (antigo UO UG ZZZZ D Operações de Crédito Internas -Em Contratos (P) C Atualização Monetária Obrigações Internas-Curto Prazo Histórico Padrão: Ajuste de debito correspondente ao Parcelamento do FGTS ref. ao mês de XX/2013, o Estoque da Dívida do Estado é o somatório (CONSOLIDAÇÃO) dos tributos, correção monetária, multa e juros. Assim, para o cálculo mensal consideram-se os valores do principal e juros para a amortização do saldo devedor. LEGENDAS: Tipo de Operações de Crédito P - TIPO DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO

8 1 Amortizações Internas 2 Amortizações Externas 5 Juros e Encargos Internos 6 Juros e Encargos Externos R Indicativo de relacionamento 1 Consolidação 2 Intra OFSS 3 Inter OFSS - União 4 Inter OFSS - Estado 5 Inter OFSS - Município

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA Demonstrações Contábeis José Rafael Corrêa Quanto mais eu sei, mais eu descubro que nada eu sei Sócrates 1 Conceitos CONTABILIDADE INFORMAÇÃO Informação

Leia mais

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo 10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público CH: 1:20 h Conteúdo: 1. Aspectos gerais do Plano

Leia mais

Assunto: Contabilização de Obrigações Tributárias Renegociadas

Assunto: Contabilização de Obrigações Tributárias Renegociadas NOTA TÉCNICA n. 007/2009/GECON Vitória, 03 de julho de 2009. Alterados os itens 1 e 6 em 19 de agosto de 2009. Assunto: Contabilização de Obrigações Tributárias Renegociadas Prezados (as) Senhores (as),

Leia mais

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013 PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013 Patrícia Dutra Auditora Pública Externa - Contadora A LRF instituiu a necessidade do Poder Executivo da União realizar, anualmente, a consolidação nacional

Leia mais

Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Distrito Federal. Plano de Contas. 2ª Edição. Dez/2013 Subsecretaria de Contabilidade COPROT

Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Distrito Federal. Plano de Contas. 2ª Edição. Dez/2013 Subsecretaria de Contabilidade COPROT Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Distrito Federal Plano de Contas 2ª Edição Dez/2013 Subsecretaria de Contabilidade COPROT Subsecretaria de Contabilidade COPROT Manual de Contabilidade

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação ao arquivos publicados em 03/06/2014: Item alterado/incluído Motivo Regras de consolidação. b.8 Numeração errada. Regras de consistência, b Exclui-se as consignações do passivo financeiro

Leia mais

Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul.

Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul. Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul. Público Alvo: Servidores de Prefeituras do Estado do Rio Grande do Sul que atuam na área contábil.

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA

2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 1 2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA... 1 3. PROCEDIMENTOS E CONTABILIZAÇÃO NO FIPLAN... 3 3.1 REGISTROS CONTÁBEIS DA DÍVIDA ATIVA... 5 3.1.1 REGISTRO DA INSCRIÇÃO DO CRÉDITO EM DÍVIDA

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

Anexo Único da Portaria nº 175 de 15 de janeiro de 2014.

Anexo Único da Portaria nº 175 de 15 de janeiro de 2014. Anexo Único da Portaria nº 175 de 15 de janeiro de 2014. Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 004/2013 Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis para os registros patrimoniais e orçamentários do Fundo

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE PLANEJAMENTO, CONTABILIDADE E FINANÇAS DO ESTADO DA BAHIA

SISTEMA INTEGRADO DE PLANEJAMENTO, CONTABILIDADE E FINANÇAS DO ESTADO DA BAHIA SUMÁRIO 1. Objetivo... 1 2. Motivação e Justificativa... 1 3. Procedimentos e Contabilização no FIPLAN... 2 3.1 Inscrição Do Crédito Em Dívida Ativa Na Unidade Competente... 2 3.2 Atualização Monetária,

Leia mais

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN MÓDULO: RECONHECIMENTO DO PASSIVO POR COMPETÊNCIA - RPC COLABORADORES DO MATERIAL: STELA ALVES ASSIS Página 1 de 24 Página 2 de 24 RECONHECIMENTO DO PASSIVO

Leia mais

Análise Contábil do Relatório de

Análise Contábil do Relatório de Análise Contábil do Relatório de Controle Interno Gerência de Contabilidade Centralizada Diretoria de Contabilidade Geral Flávio van GEORGE Rocha Sir. Flávio van GEORGE Rocha Composição do Relatório: 1.

Leia mais

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA ANEXO II VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS QDCC_Sistn A planilha abaixo ilustra a aplicação da metodologia simplificada descrita no item 10 da Nota Técnica nº 4/2015/CCONF/SUCON/STN/MFDF ao Plano de

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função Contabilidade Pública Aula 6 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Demonstração do Balanço Patrimonial Necessidade e Função Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração do Resultado Econômico Contextualização

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 03. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 03. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Olá, ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À Aula 03 MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Dando continuidade ao nosso estudo dirigido, hoje veremos os seguintes tópicos: 01.04.04

Leia mais

www.casponline.com.br

www.casponline.com.br 1 Autores: Comissão de Estudos em CASP do CRC RS 2 Autor: Diogo Duarte Barbosa 3 Casp Online Social 1 www.casponline.com.br Aquisição pelo site: www.gestaopublica.com.br Administração Orçamentária e Financeira

Leia mais

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010 6º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais 17 e 18 de junho de 2010 RECEITAS E DESPESAS PÚBLICAS: Enfoque Orçamentário X Enfoque Patrimonial

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014.

NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014. NOTA TÉCNICA N. 17/2014 Brasília, 4 de julho de 2014. ÁREA: Contabilidade Municipal TÍTULO: Contabilização do recurso financeiro transferido para o Município destinado a educação em tempo integral REFERÊNCIA:

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

Rotina de Contabilização

Rotina de Contabilização Trata a presente rotina dos procedimentos quanto ao registro de Financiamento Concedido a Mutuários do Sistema Financeiro de Habitação SFH, em substituição a Rotina CNRC/SUNOT/CGE nº 009/2009. Considerando,

Leia mais

Nota Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário.

Nota Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário. Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Assunto: Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário. 1 Trata-se de orientação acerca do reconhecimento contábil de obrigações sem suporte orçamentário

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PÚBLICA - SICAP/CONTÁBIL ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público Portaria Conjunta STN/SOF nº 02/2012 Portaria STN nº 437/2012

Leia mais

PCASP e os Consórcios Públicos

PCASP e os Consórcios Públicos Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF V FÓRUM MINEIRO DE CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL Junho/2015 Conteúdo PCASP: introdução,

Leia mais

Prof. Msc.: Vitor Maciel dos Santos

Prof. Msc.: Vitor Maciel dos Santos Prof. Msc.: Vitor Maciel dos Santos Orientações Estratégicas para a Contabilidade Aplicada ao Setor Público no Brasil Aspectos práticos da CASP e a importância da estruturação setorial PREMISSAS Orientações

Leia mais

- MAIO 2013 - Execução da Despesa X Programação Financeira Versão 01 Julho 2013

- MAIO 2013 - Execução da Despesa X Programação Financeira Versão 01 Julho 2013 - MAIO 2013 - Execução da Despesa X Programação Financeira Versão 01 Julho 2013 - SUMÁRIO - 1. NOÇÕES GERAIS DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA... 3 2. INCLUSÃO DO PEDIDO DE EMPENHO PED... 3 3. INCLUSÃO DO EMPENHO

Leia mais

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade Metas Fiscais e Riscos Fiscais Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Curso Multiplicadores 2012 Programa do Módulo 2 Metas Fiscais e Riscos Fiscais CH: 04 h Conteúdo: 1.

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 01. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 01. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Aula 01 MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Abordaremos os seguintes pontos: 01.03.03 reconhecimento da receita orçamentária. 01.03.03.01 relacionamento do regime orçamentário com o regime

Leia mais

Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT Última Atualização: 12/01/2010 Programa do Módulo 2 1. Plano de

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação aos arquivos publicados em 10/11/2014: Item alterado/incluído Evento 1.9 Evento 2.20.8 Evento 2.72.13 Motivo Obs: Os créditos relativos à Dívida Ativa podem ser registrados somente

Leia mais

10.936.971,00 3.2.4.3.1.00.00 - Benefícios Eventuais por Situações de Vulnerabilidade Temporária - Consolidação

10.936.971,00 3.2.4.3.1.00.00 - Benefícios Eventuais por Situações de Vulnerabilidade Temporária - Consolidação PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE FINANÇAS GERÊNCIA GERAL DA CONTABILIDADE DO MUNICÍPIO DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS - CONSOLIDADO - 2013 Demonstrativo das Variações Patrimoniais e Resultado

Leia mais

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional;

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional; Código: MAP-DIFIN-001 Versão: 00 Data de Emissão: XX/XX/XXXX Elaborado por: Gerência de Contabilidade Aprovado por: Diretoria de Finanças e Informações de Custos 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1 - RECEITAS 1.1 - Orçamento da Receita 1.2 - Receita Prevista 1.3 - Execução Orçamentária da Receita ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA I - Verificar se os registros das

Leia mais

Previsão da receita e fixação da despesa referente à aprovação do orçamento com base na Lei Orçamentária Anual, no valor de R$ 50.000.

Previsão da receita e fixação da despesa referente à aprovação do orçamento com base na Lei Orçamentária Anual, no valor de R$ 50.000. Olá, pessoal! Comento neste toque as questões de Contabilidade Pública que caíram no concurso para conselheiro substituto do TCE-CE. A banca foi a Fundação Carlos Chagas. Aproveito a oportunidade para

Leia mais

A implantação de Procedimentos Contábeis Patrimoniais na Federação

A implantação de Procedimentos Contábeis Patrimoniais na Federação A implantação de Procedimentos Contábeis Patrimoniais na Federação Henrique Ferreira Souza Carneiro Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação (CCONF/STN) Secretaria do Tesouro

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição

1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 129.967,90D 130.464,22D 1/8 1.1.1.1.1.01 ATIVO CIRCULANTE 54.320,75D 54.817,07D E EQUIVALENTES CAIXA MOEDA NACIONAL - CONSOLIDAÇÃO 51.666,68D 497.996,11

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO 11º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO 1 Professor João Eudes Bezerra

Leia mais

APRESENTAÇÃO PROFESSOR IGOR N OLIVEIRA CONTABILIDADE PÚBLICA E AFO. Apresentação

APRESENTAÇÃO PROFESSOR IGOR N OLIVEIRA CONTABILIDADE PÚBLICA E AFO. Apresentação Olá meus nobres concurseiros (as)! Apresentação Meu nome é Igor Nascimento Oliveira, tenho 30 anos e sou natural de Minas Gerais. Fui oficial da Marinha do Brasil, formado pela Escola Naval em 2002. Naquela

Leia mais

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS. Professor João Eudes Bezerra Filho

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS. Professor João Eudes Bezerra Filho PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS Professor João Eudes Bezerra Filho DIAGNÓSTICO: CENÁRIO ATUAL DIMENSÃO CONTABILIDADE PATRIMONIAL ATIVO FINANCEIRO ATIVO FINANCEIRO Disponível Caixa (Tesouraria)

Leia mais

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público QUEM ATUALIZOU AS DEMONSTRAÇÕES?

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Página 1 de 12

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Página 1 de 12 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Página 1 de 12 Do Plano de Recuperação ANEXO I 1 A Operadora deverá mencionar em seu Plano de Recuperação, o(s) motivo(s) e problema(s) exposto(s) pela ANS, indicando

Leia mais

Módulo(s): Financeiro e Compras e Estoque

Módulo(s): Financeiro e Compras e Estoque REF. Procedimento para Lançamentos de Compras Compror Sistema: Siagri Agribusiness Módulo(s): Financeiro e Compras e Estoque Data: 30/11/2007 Descrição: O Compror é uma modalidade de crédito que permite

Leia mais

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS [Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Qname siconfi-dca-anexo1abhi : BalancoPatrimonialAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoLineItems siconfi-cor :

Leia mais

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG CONCURSO: APO/MPOG/2010 66. (ESAF APO/MPOG/2010) Assinale a opção verdadeira a respeito do objeto, regime e campo de aplicação da contabilidade

Leia mais

ROTINAS E PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS DA UNIÃO PARTE VII REGULARIZAÇÕES DE CONTAS CONTÁBEIS

ROTINAS E PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS DA UNIÃO PARTE VII REGULARIZAÇÕES DE CONTAS CONTÁBEIS ROTINAS E PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS DA UNIÃO PARTE VII REGULARIZAÇÕES DE S CONTÁBEIS Versão: 05.01.2015 2 MINISTRO DE ESTADO DA FAZENDA Guido Mantega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Paulo Rogério Caffarelli SECRETÁRIO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ NOTA TÉCNICA Nº 002 / 2013 SATES / DICONF SEFA Aos Órgãos e Entidades da Administração Pública Estadual, 1 Belém, 18 de outubro de 2013 ASSUNTO: Ordem Bancária de Transferência Voluntária (OBTV) do Sistema

Leia mais

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008 CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Instrumento Financeiro: Derivativo DEFINIÇÃO (com base no CPC 14)

Leia mais

SERPREL INFORMÁTICA. Ápice Contábil - Fechamento de Balanço/2014

SERPREL INFORMÁTICA. Ápice Contábil - Fechamento de Balanço/2014 SERPREL INFORMÁTICA. Ápice Contábil - Fechamento de Balanço/2014 SUMÁRIO MANUAL DE ENCERRAMENTO DO EXERCICIO 1 Introdução 1 1.1 Recomendações 1 2. Procedimentos de Encerramento de Exercício 1 2.1.01 Lançamento

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

Help Encerramento do Exercício E&L Produções de Software

Help Encerramento do Exercício E&L Produções de Software Help Encerramento do Exercício Note: To change the product logo for your ow n print manual or PDF, click "Tools > Manual Designer" and modify the print manual template. Contents 5 Table of Contents Foreword

Leia mais

SÍNTESE DE ALTERAÇÕES DO PCASP ESTENDIDO 2015 PARA O PCASP ESTENDIDO 2016

SÍNTESE DE ALTERAÇÕES DO PCASP ESTENDIDO 2015 PARA O PCASP ESTENDIDO 2016 SÍNTESE DE ALTERAÇÕES DO PCASP ESTENDIDO 2015 PARA O PCASP ESTENDIDO 2016 1. Alterações de caráter geral: Além das alterações pontuais, envolvendo a criação, inativação ou alteração de contas, foram realizadas

Leia mais

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Ciências Contábeis e Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Auditoria Professor: Wolney Turma: A Programas de Auditoria para contas

Leia mais

NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO. A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP.

NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO. A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP. NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP. A CONTADORIA GERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Entendendo a estrutura administrativa

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

DECRETO 011 / 2012. ATENDER aos dispositivos da Portaria nº 828, de 14 de dezembro de 2011, da Secretaria do Tesouro Nacional, e;

DECRETO 011 / 2012. ATENDER aos dispositivos da Portaria nº 828, de 14 de dezembro de 2011, da Secretaria do Tesouro Nacional, e; DECRETO 011 / 2012 Institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MCASP.

Leia mais

Transição para Nova Contabilidade. Evandro Buiati. Superintendência de Gestão Técnica SGT

Transição para Nova Contabilidade. Evandro Buiati. Superintendência de Gestão Técnica SGT Transição para Nova Contabilidade Evandro Buiati. Superintendência de Gestão Técnica SGT Agenda Transição para Nova Contabilidade 1 - Como está a transição para Nova Contabilidade? 2 - Quais os benefícios

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE AUTOR: PROF. FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA E-MAIL: motaglauber@gmail.com CONCEITO: CONTABILIDADE CIÊNCIA QUE ESTUDA E PRATICA AS FUNÇÕES DE REGISTRO, CONTROLE E ORIENTAÇÃO

Leia mais

Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI

Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Amigos e amigas visitantes do Ponto dos Concursos! Desejo muita paz e tranqüilidade a todos os

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012 Brasília-DF Dezembro/2012 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012 Processo CFC n.º 2012/000258

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 15

PROVA ESPECÍFICA Cargo 15 14 PROVA ESPECÍFICA Cargo 15 QUESTÃO 31 O Ativo representa um conjunto de: a) bens intangíveis. b) dinheiro na empresa. c) bens para investimento. d) bens e direitos da empresa. QUESTÃO 32 Um pagamento

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013.

DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013. DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013. Altera o Decreto nº 016/2012, que instituiu o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos

Leia mais

Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014.

Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014. Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014. Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis para registro dos Ajustes de Avaliação Patrimonial, objeto da Resolução CFC

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE IGREJINHA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE IGREJINHA DECRETO N.º 3.543, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Execução das Atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

Olá, pessoal! Fraternal abraço! Alipio Filho

Olá, pessoal! Fraternal abraço! Alipio Filho Olá, pessoal! Comento neste toque as questões de Contabilidade Pública que caíram no concurso para conselheiro substituto do TCE-GO. A banca foi a Fundação Carlos Chagas. Aproveito a oportunidade para

Leia mais

O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DAS NOVAS NORMAS CONTÁBEIS DA ÁREA PÚBLICA. Carla de Tunes Nunes

O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DAS NOVAS NORMAS CONTÁBEIS DA ÁREA PÚBLICA. Carla de Tunes Nunes O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DAS NOVAS NORMAS CONTÁBEIS DA ÁREA PÚBLICA Carla de Tunes Nunes A Ciência Contábil Reconhecimento Mensuração Evidenciação Histórico e Antecedentes Portaria MF 184/08 NBC T SP

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2015).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2015).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3. MANUAL DE ABERTURA DO EXERCÍCIO 2015 E ENCERRAMENTO DE 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2015)...5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS...5 3 TABELAS A SEREM PREENCHIDAS

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade

Conselho Federal de Contabilidade Processo CFC n.º 2015/000011 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 10/2015 Assunto: Orientação para encerramento do Exercício de 2014, elaboração do processo de Prestação de Contas do Sistema CFC/CRCs e alteração

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

Nota Técnica nº 4/2015/CCONF/SUCON/STN/MF-DF. Assunto : Contabilidade Governamental-Tesouro Nacional -Envio de informações - DVP - Siconfi - PCASP

Nota Técnica nº 4/2015/CCONF/SUCON/STN/MF-DF. Assunto : Contabilidade Governamental-Tesouro Nacional -Envio de informações - DVP - Siconfi - PCASP Ministério da Fazenda Secretaria do Tesouro Nacional Subsecretaria de Contabilidade Pública Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação Nota Técnica nº 4/2015/CCONF/SUCON/STN/MF-DF

Leia mais

MANUAL PARA IMPLANTAÇÃO DO SALDO DA DISPONIBILIDADE FINANCEIRA

MANUAL PARA IMPLANTAÇÃO DO SALDO DA DISPONIBILIDADE FINANCEIRA MANUAL PARA IMPLANTAÇÃO DO SALDO DA DISPONIBILIDADE FINANCEIRA Para controlar o novo grupo da disponibilidade financeira do PCASP (grupo 8), temos que primeiramente apurar a disponibilidade do Órgão e

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF

Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF MUDANÇAS NA ESTRUTURA CONCEITUAL Demonstrações Contábeis Plano de

Leia mais

1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2012).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.1.2.7 3.

1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2012).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.1.2.7 3. MANUAL DE ABERTURA DO EXERCÍCIO 2012 E ENCERRAMENTO DE 2011 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2012)...5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS...5 3 TABELAS A SEREM PREENCHIDAS

Leia mais

Tabela de Fatos - DCA 2014

Tabela de Fatos - DCA 2014 Tabela de Fatos - DCA 2014 Element siconfi-cor:p1.0.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.1.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.2.00.00

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

Corrigir detalhamento das Contas Correntes.

Corrigir detalhamento das Contas Correntes. Corrigir detalhamento das Contas Correntes. A seguir, tem-se o Informativo AUDESP-SP, publicado no dia 24/09/2014, no site do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo 1 : VARIAÇÃO NA NATUREZA DO SALDO

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA

NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA 1. CONTEXTO ORGANIZACIONAL O Tribunal de Contas é um órgão com autonomia orçamentária e financeira de auxílio ao

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA CLASSIFICAÇÃO DAS DESPESAS Atualizado em 14/10/2015 CLASSIFICAÇÕES DA DESPESA ESFERA ORÇAMENTÁRIA A classificação por esfera orçamentária tem por finalidade identificar

Leia mais

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00 Bom dia, caros colegas! Mais uma vez é um enorme prazer conversar com vocês sobre contabilidade avançada. Desta vez trago as questões de contabilidade avançada do concurso de Auditor Fiscal de Tributos

Leia mais

INCLUSÃO DE DOCUMENTOS NO SIAFI-WEB (CPR) - RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS E EMPENHOS DE 2015

INCLUSÃO DE DOCUMENTOS NO SIAFI-WEB (CPR) - RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS E EMPENHOS DE 2015 INCLUSÃO DE DOCUMENTOS NO SIAFI-WEB (CPR) - RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS E EMPENHOS DE 2015 Apresentamos, a seguir, as principais alterações no sistema SIAFI, decorrentes da implantação do novo Plano

Leia mais

MARCELO OLÍMPIO CARNEIRO TAVARES

MARCELO OLÍMPIO CARNEIRO TAVARES D E C L A R A Ç Ã O O Secretário da Fazenda, no uso das suas atribuições e consoante o disposto no artigo 42, 1º, incisos I e IV, da Constituição do Estado do Tocantins, DECLARA para fins de cumprimento

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 08 Metodologia para Elaboração da Demonstração dos Fluxos de Caixa (Versão publicada em: 23/12/2014)

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 08 Metodologia para Elaboração da Demonstração dos Fluxos de Caixa (Versão publicada em: 23/12/2014) REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 08 Metodologia para Elaboração da Demonstração dos Fluxos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

ENCERRAMENTO DE MANDATO. Heraldo da Costa Reis Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ.

ENCERRAMENTO DE MANDATO. Heraldo da Costa Reis Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ. ENCERRAMENTO DE MANDATO Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ. No ano em curso de 2008, dois fatos ocuparão as nossas atenções: O encerramento dos mandatos dos atuais prefeitos,

Leia mais

1.1 INCLUIR RDE REGISTRO DA RECEITA EXTRA - ORÇAMENTÁRIA

1.1 INCLUIR RDE REGISTRO DA RECEITA EXTRA - ORÇAMENTÁRIA CAPITULO 04.00.00 SISTEMA INTEGRADO DE PLANEJAMENTO, CONTABILIDADE E FINANÇAS DO ESTADO DE MATO GROSSO FIPLAN SEÇÃO 04.04.00 MACROFUNÇÃO DA RECEITA ASSUNTO 04.04.01 RESTITUIÇÕES DE RECEITA REGISTRADA NAS

Leia mais

Assunto: Ordem Bancária de Transferências Voluntárias - OBTV

Assunto: Ordem Bancária de Transferências Voluntárias - OBTV Nota Técnica n 010/2014/GECOG (Revoga a Nota Técnica 005/2013) Vitória, 09 de outubro de 2014. Assunto: Ordem Bancária de Transferências Voluntárias - OBTV Prezados (as) Senhores (as), A presente Nota

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS DO SUL DECRETO Nº 1.700

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS DO SUL DECRETO Nº 1.700 DECRETO Nº 1.700 700/20 2012. Institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente. COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 12 Ajuste a Valor Presente. Estabelece a obrigatoriedade do ajuste a valor presente nos realizáveis e exigíveis a longo prazo e, no caso de efeito relevante,

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T XX ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T XX ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T XX ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 FORMALIDADE DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL 3 19 FORMALIDADE DA ESCRITURAÇÃO EM FORMA ELETRÔNICA 20 29 ESCRITURAÇÃO

Leia mais

Um sistema que valoriza a Contabilidade e o seu objeto, o Patrimônio.

Um sistema que valoriza a Contabilidade e o seu objeto, o Patrimônio. Um sistema que valoriza a Contabilidade e o seu objeto, o Patrimônio. O FIPLAN e a nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Plano de Contas Aplicado

Leia mais

Tribunal de Contas SAGRES CAPTURA 2015. Ed Wilson Fernandes de Santana Marcos Uchôa de Medeiros Severino Claudino Neto

Tribunal de Contas SAGRES CAPTURA 2015. Ed Wilson Fernandes de Santana Marcos Uchôa de Medeiros Severino Claudino Neto Tribunal de Contas SAGRES CAPTURA 2015 Ed Wilson Fernandes de Santana Marcos Uchôa de Medeiros Severino Claudino Neto Sumário Sagres Captura para 2015 Informações de Obras Arquivo PDF da Lei de criação

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2014).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2014).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3. MANUAL DE ABERTURA DO EXERCÍCIO 2014 E ENCERRAMENTO DE 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2014)...5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS...5 3 TABELAS A SEREM PREENCHIDAS

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA E CAPACITAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA FECHAMENTO DO BALANÇO GERAL

DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA E CAPACITAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA FECHAMENTO DO BALANÇO GERAL DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA E CAPACITAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA FECHAMENTO DO BALANÇO GERAL 012/2011 Elaborada em 28/12/2011 Este documento descreve os procedimentos que devem ser adotados para o fechamento

Leia mais

47º Congresso ARTAFAM - 2013. Diogo Duarte Barbosa. Novo PCASP - Consolidação a par0r do quinto nível - Aspectos prá0cos e polêmicos.

47º Congresso ARTAFAM - 2013. Diogo Duarte Barbosa. Novo PCASP - Consolidação a par0r do quinto nível - Aspectos prá0cos e polêmicos. 47º Congresso ARTAFAM - 2013 Diogo Duarte Barbosa Novo PCASP - Consolidação a par0r do quinto nível - Aspectos prá0cos e polêmicos. Quais são as novas normas? Facebook.com/casponline NOVAS NORMAS DE CASP

Leia mais