AS CIÊNCIAS DO MAR. Conferência POLÍTICAS PÚBLICAS DO MAR Por um Novo Conceito Estratégico Nacional. Maria José Costa 1, Emanuel Gonçalves 2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS CIÊNCIAS DO MAR. Conferência POLÍTICAS PÚBLICAS DO MAR Por um Novo Conceito Estratégico Nacional. Maria José Costa 1, Emanuel Gonçalves 2"

Transcrição

1 AS CIÊNCIAS DO MAR Conferência POLÍTICAS PÚBLICAS DO MAR Por um Novo Conceito Estratégico Nacional Maria José Costa 1, Emanuel Gonçalves 2 1 Centro de Oceanografia, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, 2 Unidade de Investigação em Eco-Etologia, ISPA Instituto Universitário, 23 Novembro 2010

2 BIBLIOGRAFIA GPEARI (2009a). Produção Científica Portuguesa, : Séries Estatísticas. Direcção de Serviços de Informação Estatística em Ciência e Tecnologia. Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. GPEARI (2009b). IPCTN08: Resultados Provisórios. [Novembro de 2009]. Direcção de Serviços de Informação Estatística em Ciência e Tecnologia. Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. GPEARI (2009c). Dotações Orçamentais para C&T e I&D 2009 [versão corrigida]. Direcção de Serviços de Informação Estatística em Ciência e Tecnologia. Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. GPEARI (2010). Produção Científica Nacional. Direcção de Serviços de Informação Estatística em Ciência e Tecnologia. Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. JNICT (1990). Perfil Nacional em Ciências do Mar - Nível II Portugal. Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica, Lisboa. FCT (2010). Global Report (Ed. C.E. Sunkel). Research Units Evaluation FCT, Lisboa.

3 Portugal: Universidades. Lab. Estado, Unidades I&D, Autarquias, Ministérios, ONGs Reino Unido Espanha Itália Alemanha Suécia Dinamarca França Holanda EUA México Argentina Chile Cabo Verde Brasil Angola África do Sul Quénia Tanzânia Moçambique Austrália

4 ALGUNS MARCOS IMPORTANTES: 1898 D. Carlos (no 4º centenário da partida de Vasco da Gama para a Índia), inaugura o Aquário Vasco da Gama Programa Mobilizador das Ciências e Tecnologias do Mar (JNICT); Ciências e Tecnologias do Mar surgiram como área de referência Ano Internacional dos Oceanos e a Exposição Mundial de Lisboa (Expo 98), O oceano, um património para o futuro ; Comissão Oceanográfica Intersectorial; Programa Dinamizador das Ciências e Tecnologias do Mar (PDCTM); Comissão Interministerial para a Delimitação da Plataforma Continental; Criação da Equipa de Missão (Conselho de ministros 88/98,89/98 e 90/98).

5 1972 N.R.P. Almeida Carvalho Instituto Hidrográfico (IH) 1977/1978 Navio Mestre Costeiro Instituto de Investigação das Pescas e do Mar (IPIMAR) 1992 Navio Capricórnio INIP 1995 Navio Arquipélago Departamento de Oceanografia e Pescas (DOP) da Universidade dos Açores 1997 N.R.P. D. Carlos I do IH, foi adaptado às funções de navio oceanográfico 2004 actual configuração O navio do IH N.R.P. Almirante Gago Coutinho é reequipado para missões oceanográficas é equipado com um ROV com capacidade para atingir os m de profundidade. A estes junta-se uma vasta frota de outros navios e veículos subaquáticos estrangeiros com os quais diversos cientistas nacionais têm colaborado nos últimos anos.

6 NO ÂMBITO DO PERFIL NACIONAL EM CIÊNCIAS DO MAR (JNICT, 1990) 50% dos projectos apresentaram uma componente de investigação aplicada e 25% uma componente de desenvolvimento experimental, sendo 10% de investigação fundamental e os restantes 15% de outras actividades científicas e técnicas As equipas de investigação apresentavam um tamanho muito reduzido, com uma média de 2,5 investigadores por projecto e cerca de 2/3 dos projectos desenvolviam-se apenas na unidade de investigação promotora (sem parcerias) O financiamento proveniente de empresas ou do estrangeiro era residual (geologia marinha, engenharia química, electrónica) A percentagem de doutorados era de apenas 14%, com 8% dos investigadores com o grau de mestre, 73% licenciados e 5% bacharéis

7 FRAQUEZAS DETECTADAS A NÍVEL NACIONAL (1990) Insuficiência de conhecimento do meio marinho e recursos; Carência de recursos humanos e desequilíbrio nas diferentes áreas de conhecimento; Fragmentação ou dispersão do esforço de investigação por inúmeras instituições, muitas vezes sem massa crítica ou metas claras para a investigação aplicada; Insuficiência de infra-estruturas e meios e a fraca partilha das existentes; Reduzido envolvimento em planos internacionais.

8 Nº DE DOUTORES: ÁREA DO MAR

9 OBJECTIVOS DO PDCTM (2006): Reforçar o conhecimento do meio marinho e da prospecção de novos recursos (vivos, minerais e energéticos) Fomentar o aproveitamento das potencialidades e recursos do mar no contexto da UE através da modernização das indústrias marinhas e do desenvolvimento de novas tecnologias Acelerar de forma decisiva a formação de recursos humanos nas áreas científicas e técnicas em C&TM Reforçar infra-estruturas e meios pesados e serviços comuns de apoio, incluindo sistemas de dados e de detecção remota Contribuir para uma política nacional de investigação do Oceano e mecanismos de acção concertada das instituições das C&TM Intensificar a colaboração institucional quer a nível bilateral, quer no âmbito das grandes organizações internacionais

10 ALTERAÇÕES AOS LABORATÓRIOS DE ESTADO COM IMPLICAÇÕES NA ÁREA DAS CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS DO MAR: Extinção do INETI Criação do INRB Criação do consórcio RISCOS Criação do consórcio OCEANOS, constituído por 11 parceiros, incluindo: 5 Laboratórios de Estado 1 Laboratório Associado 4 Universidades 1 Rede de Investigação e Desenvolvimento

11 REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA INVESTIGAÇÃO PROPOSTA PARA O CONSÓRCIO OCEANOS Dinâmica dos Oceanos e Clima Dinâmica do Leito do Mar Bioquímica Marinha Funcionamento e Dinâmica de Ecossistemas Gestão dos Recursos Marinhos e Planeamento Espacial Oceanografia Operacional Gestão de Dados Tecnologias Marinhas e Infraestruturas

12 Centro de Ambiente e Tecnologia Marítimos (MARETEC) Ramiro Neves Nº de Doutorados: 9

13 Centro de Investigação Marinha e Ambiental (CIMA) Tomasz Boski Nº de Doutorados: 30

14 Centro de Oceanografia (CO) Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) Maria José Costa Nº de Doutorados: 46

15 Centro Interdisciplinar de Coimbra, Universidade de Coimbra (IMAR) João Carlos Marques Nº de Doutorados: 80

16 Unidade de Investigação em Eco-Etologia ISPA Instituto Universitário Victor Almada Nº de Doutorados: 18

17 Centro de Estudos do Ambiente e do Mar, LA (CESAM) Casimiro Pio Nº de Doutorados: 141

18 CIMAR LA Centro de Investigação Marinha e Ambiental, LA; CIIMAR Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental/CCMAR Centro de Ciências do Mar João Coimbra Nº de Doutorados: 202

19 LA Instituto de Sistemas e Robótica (ISR-Lisboa) Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores (DOP) Ricardo Serrão Santos Nº de Doutorados: 24

20 IPIMAR do Instituto Nacional dos Recursos Biológicos, IP (INRB) Carlos Costa Monteiro Nº de Doutorados: 9

21 Instituto Hidrográfico (IH) Agostinho Ramos da Silva Nº de Doutorados: 4

22 Nome/Centros Associados Responsável Nº total de investigadores /(Nº de Doutorados) Nº de Publicações Citadas no ISI ( ) Nº artigos internacionais em 2009 em revistas peerreview Projectos investigação / (intervenção) ( ) Financiamento (EUR) projectos de investigação/ (intervenção) ( ) UNIDADES DE I&D MARETEC Ramiro Neves 32 (9) (9) ( ) CIMA Tomaz Boski 104 (30) (8) ( ) Centro de Oceanografia Maria José Costa 120 (46) (108) ( ) IMAR João Carlos Marques 173 (80) (15) (aprox.) ( ) (aprox.) ISPA Instituto Universitário Vítor Almada 37 (18) (7) (33.550) LABORATÓRIOS ASSOCIADOS CESAM Casimiro A. Pio 390 (141) (20) ( ) CIMAR LA; CIIMAR/CCMAR João Coimbra 433 (202) (96) ( ) LA ISR-Lisboa; DOP IPIMAR, IP (INRB) Instituto Hidrográfico Ricardo Serrão Santos 58 (24) (5) LABORATÓRIOS DO ESTADO Carlos Costa Monteiro (IPIMAR) Agostinho Ramos da Silva 74 (64) /ano (variável) 12 (4) (190) ( ) ( ) ( )

23 MÉDIA DE ARTIGOS POR DOUTORADO EM 2009 (REVISTAS INDEXADAS) 2,50 Média artigos / Doutorados ,00 1,50 1,00 0,50 0,00 MARETEC CIMA CO IMAR ISPA CESAM CIMAR LA; LA: CIIMAR/CCMAR LA - ISR-Lisboa; DOP IPIMAR, IP (INRB) IH UNIDADES I&D LAB. ASSOCIADOS LAB. ESTADO

24 DESAFIOS A NÍVEL NACIONAL E INTERNACIONAL A reestruturação do sistema científico nacional, incluindo a reestruturação do sistema universitário; A implementação da Estratégia Nacional para o Mar e da Estratégia Nacional para a Biodiversidade; O projecto de extensão da plataforma continental portuguesa; O desenvolvimento de uma política marítima europeia, com a discussão sobre o plano de acção a ser efectuada durante a presidência portuguesa da UE; A aposta num sistema científico europeu baseado em redes de excelência; O crescente interesse pela indústria em novas formas de exploração do oceano; A aposta em formas alternativas de energia renovável e a mitigação dos efeitos das alterações climáticas; As discussões a nível das Nações Unidas sobre a conservação e exploração do mar alto; A implementação da Directiva-Quadro da Água em ligação com a implementação da Estratégia Nacional para o Mar.

25 ÁREAS CENTRAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA ESTRATÉGIA DE INVESTIGAÇÃO DO MAR: Biodiversidade Recursos Genéticos Biotecnologia Marinha Oceanografia e Hidrografia Indústria e Tecnologias Navais Energia e Geologia Património Cultural Subaquático

26 CONCRETIZAR OS OBJECTIVOS Estabelecimento de uma rede integrada e multidisciplinar de laboratórios de estado, laboratórios associados, unidades e centros de investigação e empresas, que permita partilhar meios, dividir tarefas, garantir financiamentos. Dotar esta rede de um conjunto de infra-estruturas partilhadas necessárias para o estudo e monitorização do oceano Ligação entre os laboratórios, centros e institutos de investigação ao sistema empresarial Um sistema de integração de dados capaz de gerar os produtos necessários para apoio à decisão, para a implementação de um sistema integrado de planeamento e ordenamento espacial e para o desenvolvimento das indústrias marítimas O Consórcio Oceanos poderá ser um passo importante neste caminho. De que forma este consórcio irá orientar a sua actividade, agregar a si as entidades na área do mar e garantir os financiamentos necessários para desenvolver os programas a que se propõe?

27 PRINCIPAIS DESAFIOS PARA AS CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS DO MAR NA EUROPA (DECLARAÇÃO DE GALWAY, EUROCEAN 2004) Implementação de uma abordagem ecossistémica integrada Compreensão dos aspectos funcionais dos complexos ecossistemas dos oceanos Aposta nas energias oceânicas renováveis Desenvolvimento do transporte marítimo costeiro Desenvolvimento de um sistema de observação integrado do oceano Conservação da biodiversidade marinha e desenvolvimento do seu uso Exploração do oceano profundo e das margens continentais e avaliação do seu potencial em recursos Resposta às consequências das alterações climáticas e aos seus impactos nos ambientes e comunidades marinhas e costeiras Desenvolvimento de um novo paradigma de cooperação institucional no contexto de uma Europa alargada.

28 ESTRATÉGIA NACIONAL PARA O MAR (ENM) (RCM 163/2006) só através de uma aposta coerente e sustentada na investigação científica e no desenvolvimento de novas tecnologias aplicadas ao Oceano e às zonas costeiras é possível criar uma base sólida para as decisões de governação, numa perspectiva de desenvolvimento sustentável e de gestão integrada.

29 AGRADECIMENTOS Os nossos agradecimentos aos colegas que colaboraram com os inquéritos das suas instituições nomeadamente, Isabel Ambar (CO), Tomasz Boski (CIMA), João Coimbra e Susana Moreira (CIMAR), Henrique Queiroga e Casimiro Pio (CESAM), João Carlos Marques (IMAR), Costa Monteiro (IPIMAR), Ramiro Neves (MARETEC), Ricardo Santos (DOP), Ventura Soares (IH), Carlos Vale (IPIMAR).

COOPERAÇÃO ENTRE PORTUGAL E ANGOLA EM C&T

COOPERAÇÃO ENTRE PORTUGAL E ANGOLA EM C&T A cooperação Bilateral Angola - Portugal: estado atual e reforço futuro WORKSHOP PROGRAMA HORIZONTE 2020: COOPERAÇÃO EM INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO ENTRE ANGOLA E A UNIÃO EUROPEIA Luanda, 3 e 4 de outubro

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

Importância das sinergias para o desenvolvimento das Energias Renováveis Marinhas Frederico Pinto Ferreira

Importância das sinergias para o desenvolvimento das Energias Renováveis Marinhas Frederico Pinto Ferreira Importância das sinergias para o desenvolvimento das Energias Renováveis Marinhas Frederico Pinto Ferreira Workshop - Oportunidades de negócio em energias renováveis marinhas ATLANTIC POWER CLUSTER INEGI

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 Lisboa, 26 de Novembro 2009 1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 3. EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO 4. DOUTORAMENTO EM MEIO EMPRESARIAL 5. OPEN

Leia mais

A Declaração recomenda prudência na gestão de todas as espécies e recursos naturais e apela a uma nova ética de conservação e salvaguarda.

A Declaração recomenda prudência na gestão de todas as espécies e recursos naturais e apela a uma nova ética de conservação e salvaguarda. Programa do XI Governo Regional dos Açores Política Ambiental Senhora Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Senhor Presidente, Senhora e Senhores Membros do Governo, Na Resolução que adotou a histórica

Leia mais

O 7º PROGRAMA QUADRO

O 7º PROGRAMA QUADRO O 7º PROGRAMA QUADRO de I&DT Eduardo Maldonado (Coordenador de NCP) Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de IDT Estratégia de Lisboa Conselho Europeu extraordinário de Lisboa (Março de 2000): para

Leia mais

Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais

Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais Carlos Manuel Serra Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais destaque para os petrolíferos e mineiros

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

7º PROGRAMA-QUADRO de I&DT. Oportunidades para Cooperação Empresas Sistema Científico. Virgínia Corrêa. www.gppq.mctes.pt

7º PROGRAMA-QUADRO de I&DT. Oportunidades para Cooperação Empresas Sistema Científico. Virgínia Corrêa. www.gppq.mctes.pt 7º PROGRAMA-QUADRO de I&DT Oportunidades para Cooperação Empresas Sistema Científico Virgínia Corrêa Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de IDT www.gppq.mctes.pt Estratégia de Lisboa Conselho Europeu

Leia mais

Direito do Mar: evolução e repercussão política. O caso especial das pescas

Direito do Mar: evolução e repercussão política. O caso especial das pescas Direito do Mar: evolução e repercussão política. O caso especial das pescas Marta Chantal Ribeiro Conferência de Lançamento do Livro Políticas Públicas do Mar, 23 de Novembro de 2010 Direito do Mar - Conceito:

Leia mais

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo)

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal Um novo domínio estratégico e um factor de afirmação A economia portuguesa está a sofrer uma descontinuidade

Leia mais

Sobre o Mar. de Portugal. Capacidades e Competências. ASSUNTOS DO MAR Estrutura de Missão Manuel Pinto de Abreu

Sobre o Mar. de Portugal. Capacidades e Competências. ASSUNTOS DO MAR Estrutura de Missão Manuel Pinto de Abreu Sobre o Mar Capacidades e Competências de Portugal ASSUNTOS DO MAR Estrutura de Missão Manuel Pinto de Abreu O Retorno de Portugal ao Oceano É ( )) intenção do Governo criar condições favoráveis veis e

Leia mais

CONCEÇÃO PLANEAMENTO OPERACIONALIZAÇÃO

CONCEÇÃO PLANEAMENTO OPERACIONALIZAÇÃO CONCEÇÃO PLANEAMENTO OPERACIONALIZAÇÃO MAR PORTUGAL - Um Mar de Oportunidades MAR PORTUGAL Conectividade intercontinental; Todas as regiões são litorais ou insulares; Mar profundo. MAR PORTUGAL - Um Mar

Leia mais

ROV s robots submarinos. Disciplinas intervenientes Língua Portuguesa, Educação Visual e Tecnológica, Ciências Naturais, Língua Inglesa.

ROV s robots submarinos. Disciplinas intervenientes Língua Portuguesa, Educação Visual e Tecnológica, Ciências Naturais, Língua Inglesa. Disciplinas intervenientes Língua Portuguesa, Educação Visual e Tecnológica, Ciências Naturais, Língua Inglesa. 1 Motivação. Visita ao Instituto Hidrográfico ou. Visita a um Veículo de Operação Remota

Leia mais

O Arquivo de Ciência e Tecnologia

O Arquivo de Ciência e Tecnologia Encontro Arquivos Científicos 3 e 4 de julho de 2014 FCSH, Lisboa O Arquivo de Ciência e Tecnologia Paula Meireles Madalena Ribeiro O Arquivo de Ciência e Tecnologia 1. Projeto de tratamento e divulgação

Leia mais

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA.

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. Conferência 6 de Outubro, FC Gulbenkian Lisboa INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO MANUEL CALDEIRA CABRAL DIAGNÓSTICO(S)

Leia mais

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA 2015 CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Joaquim Sérvulo Rodrigues Membro da Direcção da COTEC Portugal, Presidente do Júri; Carlos Brazão Director Sénior de Vendas

Leia mais

SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico -

SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico - SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico - APE Energia e Ambiente metas e políticas Maio 2004 António Neves de Carvalho EDP Electricidade de Portugal, S.A. Gabinete de Ambiente

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INTERVENÇÃO DE SUA EXCIA, MINISTRA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, PROFª. DOUTORA, MARIA CÂNDIDA PEREIRA, DURANTE A SESSÃO DE ABERTURA DO WORKSHOP SOBRE

Leia mais

Universidade Lusófona

Universidade Lusófona Universidade Lusófona Licenciatura (1º Ciclo) em Ciências da Engenharia - Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Director: Prof. Doutor José d'assunção Teixeira Trigo Objectivos: Formação

Leia mais

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável.

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável. Pescas Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo É inevitável olhar as ilhas na sua descontinuidade e imaginá-las

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

DOCUMENTO DE ENQUADRAMENTO

DOCUMENTO DE ENQUADRAMENTO 3ª JORNADA CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS DO MAR DOCUMENTO DE ENQUADRAMENTO 1. OBJECTIVOS GERAIS DOS ROTEIROS PARA A CIÊNCIA Tal como foi definido, no discurso proferido pelo Senhor Presidente da República por

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 COMUNICADO FINAL XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 Na 29ª reunião da Comissão Bilateral Permanente Portugal-EUA, que se realizou em Washington, a 5 de Maio de 2011, Portugal

Leia mais

O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO

O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO SIMBIENTE Engenharia e Gestão Ambiental Apresentação Institucional O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO Edição: Janeiro 2012 O Mundo é um sistema complexo. Sistemas naturais. Sistemas socioeconómicos. Desafio

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP)

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) Lisboa, 29 de Agosto de 2009 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros responsáveis

Leia mais

I CONFERÊNCIA ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CPLP. Sessão de Abertura. Lisboa, 24 de junho de 2015

I CONFERÊNCIA ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CPLP. Sessão de Abertura. Lisboa, 24 de junho de 2015 I CONFERÊNCIA ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CPLP Sessão de Abertura Lisboa, 24 de junho de 2015 Intervenção do Secretário Executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Embaixador Murade

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação

Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação Os sistemas de informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia: contributo para uma perspectiva integrada da gestão da informação Encontro Internacional de Arquivos Universidade de Évora 3-4 de Outubro

Leia mais

I. IDENTIFICAÇÃO DO PARTICIPANTE. Nome. Iniciativa Gulbenkian Oceanos Email oceanos@gulbenkian.pt Telefone 21 782 3565 Instituição (se aplicável)

I. IDENTIFICAÇÃO DO PARTICIPANTE. Nome. Iniciativa Gulbenkian Oceanos Email oceanos@gulbenkian.pt Telefone 21 782 3565 Instituição (se aplicável) I. IDENTIFICAÇÃO DO PARTICIPANTE Nome Iniciativa Gulbenkian Oceanos Email oceanos@gulbenkian.pt Telefone 21 782 3565 Instituição (se aplicável) Fundação Calouste Gulbenkian II. CONTRIBUTOS GERAIS A Iniciativa

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais

Monitorização e indicadores de apoio à ENM 2013-2020 numa lógica de desenvolvimento sustentável. Projeto SEAMInd

Monitorização e indicadores de apoio à ENM 2013-2020 numa lógica de desenvolvimento sustentável. Projeto SEAMInd Monitorização e indicadores de apoio à ENM 2013-2020 numa lógica de desenvolvimento sustentável Projeto SEAMInd Conceição Santos Diretora de Serviços de Estratégia conceicao.santos@dgpm.mam.gov.pt 23 de

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT)

ESTATÍSTICAS DA FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) ESTATÍSTICAS DA FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) VISÃO GLOBAL Este documento sintetiza a informação estatística sobre a execução orçamental da FCT desde 21. Divide-se em três secções: (1) execução

Leia mais

Nelson Madeira nmadeira@uevora.pt Serviços de Informática Universidade de Évora

Nelson Madeira nmadeira@uevora.pt Serviços de Informática Universidade de Évora Sistema de Informação Integrado da Universidade de Évora - SIIUE - Nelson Madeira nmadeira@uevora.pt Serviços de Informática Universidade de Évora 14 / 11 / 2013 Sumário Sistema de Informação Integrado

Leia mais

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Licenciatura (1º Ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Directores de Curso: Prof.ª Doutora Maria João Bebianno

Leia mais

Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-I-2. Atualização janeiro 2015

Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-I-2. Atualização janeiro 2015 ANEXO B APÊNDICE 3 ADENDA I RAM - RECURSOS NATURAIS - SISTEMA INTEGRADO RECURSOS NATURAIS SISTEMA Estratégia Nacional para o Mar 2013 / 2020 A-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-I-2 RECURSOS

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

HORIZONTE 2020 A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A INOVAÇÃO

HORIZONTE 2020 A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A INOVAÇÃO HORIZONTE 2020 A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E A INOVAÇÃO XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Porto, 17-19 de outubro de 2014 Sebastião Feyo de Azevedo, professor de engenharia química, Reitor da

Leia mais

IICT Qual a Relevância de um Instituto de Investigação orientada para os Trópicos

IICT Qual a Relevância de um Instituto de Investigação orientada para os Trópicos Audição Conjunta Presidentes dos Laboratórios do Estado Funcionamento e financiamento dos Laboratórios Aplicação das recomendações internacionais IICT Assembleia da República.02.27 IICT Qual a Relevância

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO PARA REALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO PARA REALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO PARA REALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA a. Enquadramento Legislativo Nos termos conjugados dos artigos 19.º, 21.º, 25.º, 55º, do ponto ii), da alínea b), do nº1,

Leia mais

3 de Julho 2007 Centro Cultural de Belém, Lisboa

3 de Julho 2007 Centro Cultural de Belém, Lisboa Intervenção do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, José Mariano Gago na abertura da Sessão pública de apresentação das actividades do Conselho Europeu de Investigação (ERC) 3 de Julho 2007

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º CAPÍTULO III Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º Missão e atribuições 1. O Estado -Maior Conjunto (EMC) tem por missão assegurar o planeamento e o apoio necessários à decisão do CEMGFA. 2. O EMC prossegue,

Leia mais

OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012

OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012 OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012 RUI AZEVEDO II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 PONTOS A ABORDAR

Leia mais

40 Anos de Internacionalização A Experiência de uma Empresa de Engenharia

40 Anos de Internacionalização A Experiência de uma Empresa de Engenharia A Experiência de uma Empresa de Engenharia Victor Carneiro Presidente da Comissão Executiva da COBA www.coba.pt Fundada em 1962, a COBA, S.A0 é hoje uma das maiores empresas de Consultores de Engenharia

Leia mais

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 Iniciativa JESSICA Financiamento de Projectos Sustentáveis de Reabilitação Urbana Perspectivas para o Período 2014-2020 de Programação dos Fundos Comunitários Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 JESSICA (Joint

Leia mais

ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS

ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS (Versão revista de 20 de Julho de 2009) ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS Da minha língua vê-se o mar Vergílio Ferreira INTRODUÇÃO Os Estados membros da Comunidade

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Aumentar 50% o número de novos licenciados por ano em áreas de ciências e engenharia.

Aumentar 50% o número de novos licenciados por ano em áreas de ciências e engenharia. O Programa do Governo aponta o rápido desenvolvimento científico e tecnológico do País como prioridade nacional e define as metas e indicadores desse desenvolvimento para o período da legislatura. Importa

Leia mais

Smart Cities Portugal

Smart Cities Portugal Smart Cities Portugal A rede Smart Cities Portugal tem por objetivo promover o trabalho em rede numa lógica inter-cluster, para o desenvolvimento e produção de soluções urbanas inovadoras para smart cities,

Leia mais

Desafios de Valor numa Economia Inteligente

Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente As Novas Redes Colaborativas Os Novos Processos de Intermediação A Gestão

Leia mais

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about.

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about. 8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA Centro de Congressos Univ. Católica Novos Mercados Encontro de Sectores Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÃO PARCEIRO PATROCÍNIO INSCREVA-SE JÁ www.expoenergia2011.about.pt

Leia mais

Preâmbulo... 3. I Grau de cumprimento do Plano Estratégico e do Plano Anual... 4. II Da Realização dos Objectivos Estabelecidos...

Preâmbulo... 3. I Grau de cumprimento do Plano Estratégico e do Plano Anual... 4. II Da Realização dos Objectivos Estabelecidos... Relatório Anual 2008/2009 INDICE Preâmbulo... 3 I Grau de cumprimento do Plano Estratégico e do Plano Anual... 4 2 II Da Realização dos Objectivos Estabelecidos... 5 III Da eficiência da Gestão Administrativa

Leia mais

SNIMar - Informação geográfica integrada para a gestão de águas marinhas e costeiras

SNIMar - Informação geográfica integrada para a gestão de águas marinhas e costeiras SNIMar - Informação geográfica integrada para a gestão de águas marinhas e costeiras Teresa Rafael 11 de março de 2014 Pontos chave: O que é o SNIMar? Quais são os objetivos? Organização e gestão do projeto

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

Hypercluster do mar. Setembro 2009

Hypercluster do mar. Setembro 2009 Hypercluster do mar Setembro 2009 Hypercluster do mar Segurança Marítima Projecto MarBIS Fórum cientifico e tecnológico Considerações finais 2 Hypercluster do mar Parcerias com empresas petrolíferas com

Leia mais

Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Galiza - Norte de Portugal Open Days Vigo, 6 de Julho de 2011

Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Galiza - Norte de Portugal Open Days Vigo, 6 de Julho de 2011 Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Galiza - Norte de Portugal Open Days Vigo, 6 de Julho de 2011 Rui Azevedo II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

Pág.1.Capa. Pág.2 Índice. Pág.3...O que é a sustentabilidade? / Para quê o desenvolvimento sustentável?

Pág.1.Capa. Pág.2 Índice. Pág.3...O que é a sustentabilidade? / Para quê o desenvolvimento sustentável? 1 Pág.1.Capa Pág.2 Índice Pág.3...O que é a sustentabilidade? / Para quê o desenvolvimento sustentável? Pág.4.Para quê o desenvolvimento sustentável? / Como se torna uma cidade sustentável? (ambiente)

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Oportunidades para a PME No 7º PQ de IDT da União Europeia. Virginia Corrêa

Oportunidades para a PME No 7º PQ de IDT da União Europeia. Virginia Corrêa Seventh Research Framework Programme (2007-2013) Oportunidades para a PME No 7º PQ de IDT da União Europeia Virginia Corrêa Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de IDT 1 Gabinete de Promoção do 7º

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA O MAR

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA O MAR ESTRATÉGIA NACIONAL PARA O MAR REPÚBLICA PORTUGUESA Publicado por: Ministério da Defesa Nacional Estrutura de Missão para os Assuntos do Mar Avenida Ilha da Madeira n.º 1 1400-204 Lisboa Portugal url:

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa da União Europeia na área de Ciência e Tecnologia Construir o futuro da Ciência e da

Leia mais

O Ensino Superior na Região da África Austral Tendências, desafios e recomendações actuais

O Ensino Superior na Região da África Austral Tendências, desafios e recomendações actuais O Ensino Superior na Região da África Austral Tendências, desafios e recomendações actuais Apresentação feita durante a Reunião Extraordinária dos Ministros do Ensino Superior e Formação realizada em Joanesburgo,

Leia mais

EstratégiaNacionalparaoMar2013-2020

EstratégiaNacionalparaoMar2013-2020 RelatóriodaPonderaçãodoProcessodeDiscussãoPúblicada EstratégiaNacionalparaoMar2013-2020 Relatório da Ponderação do processo de Discussão Pública da Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 1. Introdução

Leia mais

Aviso de abertura do exercício de avaliação das Unidades de I&D 2013

Aviso de abertura do exercício de avaliação das Unidades de I&D 2013 Aviso de abertura do exercício de avaliação das Unidades de I&D 2013 Aviso de abertura do exercício de avaliação das Unidades de I&D 2013 A. Âmbito e objetivos do exercício de avaliação A Fundação para

Leia mais

Fórum do Mar 18.NOV.2015. Sónia Ribeiro

Fórum do Mar 18.NOV.2015. Sónia Ribeiro Fórum do Mar 18.NOV.2015 Sónia Ribeiro A Pós-graduação Sea Science and Business Administration Um vértice fundamental da iniciativa MARE START UP O ponto de partida: a forte componente de investigação

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

A DGAE e a Política de Inovação

A DGAE e a Política de Inovação A DGAE e a Política de Inovação Seminário A Criatividade e a Inovação como Factores de Competitividade e Desenvolvimento Sustentável APOCEEP, 9 de Julho de 2009 José António Feu Director do Serviço para

Leia mais

Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica

Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica 1. Introdução Assume-se que a internacionalização do IPSantarém não deve consistir

Leia mais

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral Uma Plataforma Colaborativa para apoiar a Gestão do Litoral ajherdeiro@dgterritorio.pt j @ g p mota.lopes@apambiente.pt Lugares comuns de quem lida com

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 O NOVO CICLO DE FUNDOS COMUNITÁRIOS AO SERVIÇO DO DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL, Porto 07.06.13 O CONTRIBUTO DO MAR PARA O CRESCIMENTO SUSTENTÁVEL DAS REGIÕES PORTUGUESAS Rui Azevedo II ENCONTRO DOS PARCEIROS

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial.

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. 1 Conteúdo Conceitos e definições segundo a NP 4456:2007 A inovação no mundo e em Portugal 2 Objectivos Situar a problemática

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica. Jaime Quesado

Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica. Jaime Quesado VII Encontro da PASC Plataforma Activa da Sociedade Civil 2 de Março de 2011 Sala do Senado da Reitoria da UNL Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica Jaime Quesado Patrocinadores Globais Inteligência

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais