LETÍCIA CAMARA FERREIRA IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO ON-LINE PARA PADRONIZAÇÃO DE MONOGRAFIAS EM PDF UTILIZANDO XSL-FO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LETÍCIA CAMARA FERREIRA IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO ON-LINE PARA PADRONIZAÇÃO DE MONOGRAFIAS EM PDF UTILIZANDO XSL-FO"

Transcrição

1 LETÍCIA CAMARA FERREIRA IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO ON-LINE PARA PADRONIZAÇÃO DE MONOGRAFIAS EM PDF UTILIZANDO XSL-FO Palmas TO 2006

2 ii LETÍCIA CAMARA FERREIRA IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO ON-LINE PARA PADRONIZAÇÃO DE MONOGRAFIAS EM PDF UTILIZANDO XSL-FO Monografia apresentada como requisito parcial das disciplinas Trabalho de Conclusão de Curso I e Trabalho de Conclusão de Curso II do curso de Sistemas de Informação, orientada pelo Prof. M.Sc. Fabiano Fagundes. Palmas TO 2006

3 iii LETÍCIA CAMARA FERREIRA IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO ON-LINE PARA PADRONIZAÇÃO DE MONOGRAFIAS EM PDF UTILIZANDO XSL-FO Monografia apresentada como requisito parcial das disciplinas Trabalho de Conclusão de Curso I e Trabalho de Conclusão de Curso II do curso de Sistemas de Informação, orientada pelo Prof. M.Sc. Fabiano Fagundes. Aprovada em julho de BANCA EXAMINADORA Prof. M.Sc. Fabiano Fagundes Centro Universitário Luterano de Palmas Profª. M.Sc. Parcilene Fernandes de Brito Centro Universitário Luterano de Palmas Profª. Esp. Cristina D'Ornellas Filipakis Souza Centro Universitário Luterano de Palmas Palmas TO 2006

4 iv Se a fé remove até montanhas, o desejo é o que torna o irreal possível. Nando Reis

5 v SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 10 2 REVISÃO DE LITERATURA PDF (PORTABLE DESCRIPTION FORMAT) NET FRAMEWORK ASP.NET C# XML (EXTENSIBLE MARKUP LANGUAGE) XSLT (EXTENSIBLE STYLESHEET LANGUAGE TRANSFORMATIONS) XSL-FO (EXTENSIBLE STYLESHEET LANGUAGE FORMATTING OBJECTS) XPATH DOM (DOCUMENT OBJECT MODEL) XF RENDERING SERVER MATERIAIS E MÉTODOS LOCAL E PERÍODO MATERIAL METODOLOGIA 26 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO NORMAS PARA APRESENTAÇÃO GRÁFICA DE MONOGRAFIAS DTD (DOCUMENT TYPE DEFINITION) DOCUMENTO XML O SISTEMA MONOXML 32 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS TRABALHOS FUTUROS 42 REFERÊNCIAS 44 ANEXOS 46 ANEXO I - DOCUMENTO XML RESULTANTE. 46 ANEXO II - FOLHA DE ESTILOS XSLT. 50 ANEXO III - CÓDIGO FONTE DA CLASSE MONO. 63

6 vi LISTA DE FIGURAS Figura 1: Documento XML do Sistema MonoXML. 15 Figura 2: Folha de estilo XSLT aplicada ao documento XML. 15 Figura 3: Resultado da aplicação da XSLT ao documento XML. 16 Figura 4: Processo de transformação de XML em PDF. 17 Figura 5: Código FO utilizado no Sistema MonoXML. 18 Figura 6: Exemplo da utilização da XPath. 20 Figura 7: Trechos da folha de estilos XSLT onde são definidos quais dados serão apresentados e de que forma. 28 Figura 8: Formato da página definido no XSLT, de acordo com as normas. 28 Figura 9: Trecho do código XSLT onde o espaçamento identação e fonte são definidos de acordo com as normas para padronização de monografias. 29 Figura 10: Estrutura de uma monografia. (ZUKOWSKI JR. et. al., 2002). 30 Figura 11: Trecho da DTD criada para Monografia. 31 Figura 12: Exemplo de documento XML. 32 Figura 13: Funcionamento do Sistema MonoXML. 33 Figura 14: Construtor da classe Mono. 34 Figura 15: Código do método capa, da classe mono. 34 Figura 16: Trecho do código onde o método capa é chamado. 35 Figura 17: Código fonte do método novonoh. 36 Figura 18: Trecho de código do método novoelementoattr(), da classe mono. 36 Figura 19: Trecho de código do método capitulo, da classe mono. 37 Figura 20: Trecho de código onde são utilizados métodos da classe XFRenderer. 37 Figura 21: Resultado da aplicação de comentários no arquivo. 38 Figura 22: Trecho do documento XML correspondente ao sistema de sugestões e ajuda._ 39 Figura 23: Exemplo de como as dicas do sistema são visualizadas pelo usuário. 40 Figura 24: Trecho de código onde os bookmarks são criados. 41 Figura 25: Resultado da aplicação do recurso extra de bookmarks ao documento XML. _ 41

7 vii LISTA DE TABELAS Tabela 1: Elementos básicos definidos em XSL-FO. 18 Tabela 2: Funções da XPath. 20 Tabela 3: Classes mais utilizadas no DOM XML. 21 Tabela 4: Propriedades da Classe XFRenderer. 23 Tabela 5: Métodos da Classe XFRenderer. 24

8 viii LISTA DE ABREVIATURAS DOM DTD FOP HTML PDF RTF SGML XHTML SVG XML XSL-FO XSLT W3C Document Object Model Document Type Definition Formatting Object Processor Hyper Text Mark-Up Language Portable Description Format Rich Text Format Standard Generalized Markup Language Extensible Hypertext Markup Language Scalable Vector Graphics extensible Markup Language extensible Stylesheet Language Formatting Objects extensible Stylesheet Language Transformations World Wide Web Consortium

9 ix RESUMO O objetivo deste trabalho é criar uma ferramenta online na qual o usuário informa os dados de sua monografia e a aplicação gera um arquivo PDF correspondente, com a formatação dos dados nas normas para este tipo de documento. Esta ferramenta utiliza algumas tecnologias disponíveis no mercado que facilita a sua implementação. Baseado em XML e XSL-FO, que são linguagens de marcação voltadas para internet e que fornecem subsídios para que estes fins sejam alcançados. O documento XML usado para esta aplicação é criado de forma dinâmica e contêm os dados inseridos pelo usuário. A folha de estilos XSLT com código FO é responsável pela transformação em arquivo PDF; neste os dados são tratados de forma que o resultado possui a formatação de acordo com as normas. Para criar a interface do sistema e a classe que trata a criação do documento XML foram utilizadas ferramentas baseadas no.net Framework: o ASP.NET e C#. A ferramenta XF Rendering Server 2005 foi utilizada juntamente com o.net para acessar os dados da folha de estilos e realizar a renderização do documento XML. Palavras-chave: XML, XSL-FO,.NET.

10 1 INTRODUÇÃO De acordo com conversas informais com professores e acadêmicos, verificou-se a grande dificuldade que alunos apresentam em relação à formatação de documentos, especialmente os de monografia de conclusão de curso. Neste contexto, este trabalho propõe a criação de um sistema on-line, nomeado Sistema MonoXML, cujo objetivo é a padronização desse tipo de documento. O Sistema MonoXML disponibilizará automaticamente para o usuário a organização dos dados da monografia de conclusão de curso, em arquivo PDF (Portable Description Format), de acordo com normas técnicas definidas, sendo necessário para isso, o preenchimento de formulários com os dados referentes ao seu documento, tais como títulos, parágrafos, figuras, tabelas e textos em geral. Para a implementação do Sistema, optou-se pela utilização em conjunto de tecnologias, ferramentas e recursos existentes, sendo as principais: XML (extensible Markup Language), XSLT (extensible Stylesheet Language Transformations), XSL-FO (extensible Stylesheet Language Formatting Objects), DOM (Document Object Model) e.net. A ferramenta XF Rendering Server 2005 oferece apoio a este tipo de aplicação e também será utilizada.

11 11 2 REVISÃO DE LITERATURA Nesta seção será discutido o embasamento teórico deste trabalho, que diz respeito aos estudos da formatação de uma monografia e principalmente a estrutura desta. 2.1 PDF (Portable Description Format) O PDF surgiu da idéia de um escritório sem papel, como um projeto da ADOBE 1 para criar um formato onde os originais pudessem ser distribuídos e acessados por qualquer sistema operacional (LEURS, 2006). O formato PDF (Portable Document Format) é uma especificação disponível publicamente usada por entidades de padronização do mundo inteiro para a distribuição e a troca mais seguras e confiáveis de documentos eletrônicos. (ADOBE, 2006) A historia do PDF Nesta seção será apresentado um resumo da história do PDF de acordo com Leurs (2006). Em 1991 foi lançada a versão 1.0 do PDF, em 1994 a versão 1.1 que agora tinha suporte para ligações externas, características de segurança, cores independentes do dispositivo e notas. Em 1996, a Adobe lançou a versão 1.2 do PDF que, além dos formulários, oferece outras características como suporte para especificações OPI 1.3, suporte de cores CMYK. A inclusão de um plugin para visualização de PDF no browser Netscape, fez com que a popularidade do PDF na Internet crescesse. A versão 1.3 de PDF foi lançada em 1999, com suporte para fontes CID de 2 bytes, especificações de OPI 2.0, melhor suporte para cores, degradês de cores e anotações. Esta versão trouxe ainda outras vantagens como suporte para páginas com tamanho de 5080 x 5080 mm e acima de 1143 x 1143 mm, webcapture, uma série de configurações préajustadas fazendo-se mais fácil a criação de PDFs e integração com o Microsoft Office. Em 2001, a versão 1.4 foi concretizada com suporte da transparência que permite que objetos de texto e imagens sejam vistos com melhor qualidade. A segurança foi melhorada, dando suporte para criptografia de 128-bits e a opção de imprimir com melhor qualidade. Esta versão apresentava também maior suporte para Javascript e integração 1 Corporação que oferece soluções para softwares comerciais. Criadora do PDF.

12 12 com bases de dados. A versão 1.5 de PDF foi lançada em 2003 trazendo novas características como técnicas de compressão de objetos, incluindo imagens JPEG 2000, suporte para camadas e maior suporte para tagged PDF Vantagens de se utilizar o PDF Segundo Adobe (2006), estas seriam as vantagens de se utilizar o formato PDF em documentos: preservação da aparência e a integridade de documentos originais; compartilhamento de documentos; facilidade de uso; troca segura de documentos; pesquisável; acessível. Outras vantagens do PDF segundo Leurs (2006): é um padrão independente de plataforma, ou seja, pode ser utilizado em outros sistemas operacionais, não somente no Windows, como também no Linux, Unix, dentre outros; pode ser impressa em qualquer impressora sem distorções da qualidade do original, depende apenas da maneira que foi criado; os arquivos PDF são compactos e suportam algoritmos sofisticados para melhor compressão da sua estrutura, gerando arquivos de tamanho pequeno; os arquivos podem conter elementos de multimídia como filmes ou sons, elementos de hipertexto, como bookmarks, links para endereços de ou paginas da web; apresenta suporte a segurança, podendo se utilizar senhas para abrir os arquivos, bloquear a cópia, ou proibir a impressão do arquivo. Como pode ser observado, o PDF possui uma gama de vantagens na sua utilização, e por possuir suporte no conjunto das ferramentas e tecnologias utilizadas neste trabalho 2 São marcações que contém informação estrutural sobre os dados representados em um PDF. Trata-se de metadados como tipo de títulos, blocos de textos e outros.

13 13 foi o tipo de arquivo escolhido para ser o resultado da aplicação do Sistema MonoXML. 2.2.NET Framework De acordo com Sant Anna (2006), a.net Framework é uma biblioteca de classes que reúne todas as funções normalmente associadas ao sistema operacional. Ela resolve muitos problemas da API do Windows, sendo baseada em um modelo de componentes utilizado com sucesso no Visual Basic e no Delphi. A seguir será apresentada uma lista com os benefícios de.net Framework, por Parihar et al (2002): um modelo de programação consistente; apoio para segurança; esforços simplificados no desenvolvimento; fácil desenvolvimento de aplicação e manutenção. 2.3 ASP.NET Segundo Santos (2003), o ASP.NET (Active Server Pages.NET) compõe a forma de se criar páginas da Internet utilizando-se a plataforma.net que provê uma série de serviços, através de classes existentes no.net Framework. Com ele, é possível a construção não apenas de páginas Web, mas também de aplicativos desktop, aplicativos para dispositivos móveis, objetos de negócios, web services, etc. Uma característica do ASP.NET é que uma aplicação pode ser desenvolvida com linguagens que tenham as sintaxes de VB, Delphi, PERL, Visual C++, Cobol, dentre outras. Todas estas linguagens utilizam a mesma biblioteca chamada.net Base Class Library. (ASPBRASIL, 2006). Na próxima seção a linguagem utilizada no desenvolvimento do Sistema MonoXML, a C# será melhor detalhada. 2.4 C# Segundo Camara (2006), a C# é uma linguagem orientada a objeto moderna que habilita os programadores a construir rápida e facilmente soluções para a plataforma Microsoft.NET. Abaixo seguem algumas vantagens de se utilizar a linguagem C#, ainda

14 14 segundo Camara (2006). utiliza padrões emergentes da programação web, como HTML e XML; elimina erros de alto custo na programação, por exemplo, libera o programador do gerenciamento de memória manual; possui mapeamento entre processos de negócio e implementação; possui interoperabilidade extensiva, incluindo suporte nativo para o COM (Component Object Model), permite o uso restrito de ponteiros nativos. Turtschi et al (2002) diz que a C# é definida como uma linguagem de programação orientada a objetos, simples, moderna e com tipificação segura, derivada da C e C++. Foi desenvolvida especificamente para a plataforma.net, e facilita aos desenvolvedores criar, depurar e distribuir aplicações corporativas. 2.5 XML (extensible Markup Language) A XML é uma linguagem de marcação extensível com a qual é possível criar suas próprias regras para criação de seus documentos, dependendo apenas do domínio ao qual o usuário estará se referindo. É uma recomendação da W3C que tem como principal objetivo o de ser uma linguagem amplamente utilizada e acessada pela internet. De acordo com Silva Filho (2004) a XML é uma linguagem simples, possui estrutura de dados rica, permite a troca e exibição de conteúdo de bases de dados e pode ser utilizada como formato para troca de mensagens na comunicação entre aplicações. Dentre algumas tecnologias que se fazem úteis com a utilização de XML se pode citar o CSS, XSL, XSLT, XSL-FO e diversas aplicações voltadas para web. A seguir na figura 1 observa-se parte de um documento. <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <Monografia> <capa> <figura id="logo" titulo="instituicao" src="d:\ulbra.jpg" /> <autor nomeautor="leticia CAMARA FERREIRA" /> <titulo nometitulo="utilização de extensible Stylesheet Language - Formatting Objects na Criação de Documentos em Portable Description Format" nomesubtitulo="" /> <localidade nomelocalidade="palmas-to" /> <data ano="2005" /> <comentario autor="aluno">verificar se o Titulo esta identico ao da proposta.</comentario> </capa> <contracapa>

15 15 <figura id="logo" titulo="instituicao" src="d:/ulbra.jpg" /> <autor nomeautor="leticia CAMARA FERREIRA" /> <titulo nometitulo="utilização de extensible Stylesheet Language - Formatting Objects na Criação de Documentos em Portable Description Format" nomesubtitulo="" /> <finalidade texto="monografia apresentada como requisito parcial da disciplina Prática de Sistemas de Informação I (Estágio) do curso de Sistemas de Informação, orientada pela Prof. M.Sc. Fabiano Fagundes." /> <localidade nomelocalidade="palmas-to" /> <data ano="2005" /> <comentario autor="orientador">melhorar Justificativa.</comentario> </contracapa> Figura 1: Documento XML do Sistema MonoXML. Na figura 1 pode-se notar que o domínio escolhido pelo usuário, ao criar seu documento XML, foi o de uma monografia, e seus dados foram descritos em elementos compostos de outros elementos e atributos como, por exemplo, uma monografia é composta de uma capa, que por sua vez possui um autor, um título e outros elementos. 2.6 XSLT (extensible Stylesheet Language Transformations) A XSLT é uma recomendação da W3C, e tem como objetivo transformar um documento XML em outros tipos de documentos, tais como, uma página HTML, outro documento XML, um arquivo PDF, arquivos em SVG, JPG dentre outros. Abaixo será apresentada uma figura que mostra um exemplo de folha de estilo XSLT que transforma um documento XML em uma página HTML, a qual poderá ser visualizada em um browser como o Internet Explorer. <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <xsl:stylesheet version="1.0" xmlns:xsl="http://www.w3.org/1999/xsl/transform"> <xsl:output method="html"/> <xsl:template match="/"> <html><body> <h3>banca examinadora</h3> <xsl:for-each select="//folharosto"> <b><xsl:value-of <xsl:for-each select="banca/nomebanca"> <li><xsl:value-of <xsl:value-of </xsl:for-each> </xsl:for-each> </body></html> </xsl:template> </xsl:stylesheet> Figura 2: Folha de estilo XSLT aplicada ao documento XML.

16 16 Na figura 2, observa-se que uma folha de estilos XSLT foi criada para a apresentação dos dados de um documento XML. O resultado da aplicação desta folha de estilos representa uma página HTML com alguns dados obtidos a partir do documento XML, a figura 3, logo abaixo ilustra este resultado. Figura 3: Resultado da aplicação da XSLT ao documento XML. A figura 3 mostra o resultado da aplicação de uma folha de estilo XSLT a um documento XML, onde seus dados são apresentados em forma de uma página HTML, que está exibida no Internet Explore. Pode-se notar, na figura 2, que para composição do código XSLT, houve a utilização de tags HTML, o que é visto como resultado na figura 3. Também é utilizada juntamente com XSLT a XPath, que segundo Deitel (2003), é uma linguagem que fornece uma sintaxe para localizar partes especificas de um documento XML efetiva e eficientemente. Na seção seguinte será apresentada outra tecnologia baseada em XML e criada também para apresentação dos dados de um documento, a XSL-FO. 2.7 XSL-FO (extensible Stylesheet Language Formatting Objects) A XSL-FO é uma linguagem de XML projetada para descrever os aspectos visuais de paginação de documentos, porém, não documentos apresentáveis em tela, mas documentos destinados para impressão. (ECRION, 2003). A XSL-FO permite que se criem padrões para formatação e transformação de documentos XML em arquivos PDF.

17 17 A seguir é apresentada uma lista contendo o que o XSL-FO pode permitir às organizações desenvolverem (ADOBE, 2005): incorporar nos documentos recursos como nota de rodapé, barras laterais, tabelas, referencias cruzadas, elementos de gráfico e imagem, bem como controle de quebra de página; definir layouts e estilos específicos para uma página impressa contendo dados XML; imprimir conteúdo exclusivo que utiliza elementos gráficos e textos provenientes dos mesmos códigos-fonte XML neutros. Para que um arquivo PDF seja gerado a partir de uma folha de estilos XSLT com a utilização da XSL-FO é preciso ter uma ferramenta que faça a renderização dessa folha de estilo. Abaixo está ilustrada uma imagem que mostra como esta renderização deverá ser feita. Figura 4: Processo de transformação de XML em PDF. Na figura 4 está esboçado o processo de transformação de um documento XML em um arquivo PDF, com a utilização da XSL-FO e de uma ferramenta para renderização deste código. A aplicação de uma folha de estilos XSLT em um documento XML passa por uma ferramenta de renderização que gera um arquivo com extensão.fo, que ao ser novamente renderizada gera um arquivo PDF com a formatação definida na folha de estilos. A seguir, na figura 5, está ilustrado um trecho de código utilizado para transformar um documento XML em PDF. <?xml version="1.0"?> <xsl:stylesheet version="1.0" xmlns:xsl="http://www.w3.org/1999/xsl/transform" xmlns:fo="http://www.w3.org/1999/xsl/format"> <xsl:output method="xml" version="1.0" encoding="iso "

18 18 indent="yes"/> <xsl:template match="/"> <fo:root> <fo:layout-master-set> <fo:simple-page-master master-name="capa" page-height="29.7cm" pagewidth="21cm" margin-top="3cm" margin-bottom="2.5cm" margin-right="2.5cm" margin-left="3cm" space-before="2cm" space-after="1cm"> <fo:region-body margin-top="3cm" margin-bottom="2cm" marginright="1cm" margin-left="1cm"/> <fo:region-before extent="3cm"/> <fo:region-after extent="2cm"/> <fo:region-start extent="3cm"/> <fo:region-end extent="2cm"/> </fo:simple-page-master> <fo:simple-page-master master-name="pagina" page-height="29.7cm" page-width="21cm" margin-top="3cm" margin-bottom="2.5cm" margin-right="2.5cm" margin-left="3cm" space-before="2cm" spaceafter="1cm"> <fo:region-body margin-top="5cm" margin-bottom="1.5cm"/> <fo:region-before extent="3cm"/> <fo:region-after extent="2cm"/> <fo:region-start extent="3cm"/> <fo:region-end extent="2cm"/> </fo:simple-page-master> </fo:layout-master-set> Figura 5: Código FO utilizado no Sistema MonoXML. Na figura 5 nota-se que o trecho de código está delimitando o tamanho das páginas a serem geradas no arquivo PDF. Observa-se inclusive que as regiões de inicio e fim de página, cabeçalho e rodapé, também são definidas. Nesta parte do código FO é definida toda a configuração da página. Para exemplificar o que cada um desses códigos faz, abaixo será apresentada uma tabela com as características da estrutura básica de XSL-FO. Tabela 1: Elementos básicos definidos em XSL-FO. <fo:root> Elemento <layout-master-set> Definição É o elemento raiz do documento, onde é declarado o namespace. (PIRES, 2004). Este elemento pode possuir outros elementos tais como: <layout-master-set>, <page-sequence>. Possui elementos layout mestre, que define templates reutilizáveis para layout de outras páginas. O tipo de mestre mais simples e atualmente o único suportado pelos processadores é <simple-page-master>. (PIRES, 2004) São chamados reutilizáveis, pois uma vez declarados e definidos

19 19 <simple-pagemaster> <page-sequence> <fo:flow> podem ser referenciados por seqüências de páginas. Conforme Pawson (2002), neste elemento são definidas regiões básicas da página, como a região do cabeçalho e rodapé, margens e extensões. Este elemento cria uma seqüência de páginas em um documento, deve estar associado a um layout mestre existente. Possui como elementos filhos <fo:flow> e/ou <fo:staticcontent>. (PIRES, 2004) Irá conter o conteúdo da página. (IBM 2003). Contém o atributo <flow-name> que deverá ter referência a uma das regiões definidas em <fo:simple-page-name>. Possui <fo:static-content> como elementos filhos <fo:block>, <fo:table>, <fo:listblock>. Este elemento é definido para que se repita em todas as páginas formatadas de acordo com o <fo:simple-page-master>. (PIRES,2004) Possui como filhos os mesmos elementos contidos em <fo:flow>, ou seja, elementos de conteúdo <fo:block>, <fo:table>, <fo:list-block>. Na próxima seção descreve-se mais uma tecnologia utilizada para a conclusão do Sistema MonoXML, a linguagem XPath. 2.8 XPath A XPath é uma linguagem que trata de um documento XML como se fosse uma árvore, onde seus nós são percorridos para que as atualizações e/ou transformações sejam feitas. A seguir observa-se, na figura, um trecho de código XPath que é utilizado juntamente com a XSLT para que determinado elemento seja encontrado. <!-- Capa --> <fo:page-sequence master-reference="capa"> <fo:static-content flow-name="xsl-region-before"> <fo:block font-size="12pt" font-family="arial" paddingafter="2pt" space-before="4.0pt" text-align="center"> <xsl:call-template name="figura"> <xsl:with-param name="fig"

20 20 </xsl:call-template> </fo:static-content> <fo:static-content flow-name="xsl-region-after"> <fo:block font-size="12pt" font-family="arial" paddingafter="2pt" space-before="4.0pt" text-align="center"> <xsl:value-of <fo:block font-size="12pt" font-family="arial" padding-after="2pt" space-before="4.0pt" text-align="center"> <xsl:value-of Figura 6: Exemplo da utilização da XPath. Como observado na figura acima, os nós da árvore são percorridos a partir de expressões, geralmente estas iniciam com barras, que indicam que todos os nós filhos do nó em questão serão usados para determinada aplicação. Neste projeto a XPath será amplamente utilizada juntamente com o DOM (detalhado na próxima seção), e de acordo com o que se pode entender a XPath procura o nó a ser alterado e o DOM trata da alteração propriamente dita, como inserir, alterar e excluir o nó em questão. A seguir na tabela 2, estão descritas algumas das funções que XPath utiliza para encontrar o nó em questão, segundo especificação W3C (2006). Tabela 2: Funções da XPath. Função ancestor ancestor-or-self attribute child descendant descendant-or-self following following-sibling namespace parent preceding Descrição Contêm todos os ancestrais (pais, avós, etc.) do nó atual. Contêm o nó atual mais todos os seus ancestrais (pai, avô, etc.). Contêm todos os atributos do nó atual. Contêm todos os filhos do nó atual. Contém todos os descendentes (filhos, netos, etc.) do nó atual. Obs.: Este eixo nunca contém atributos ou nós namespace. Contêm o nó atual mais todos os seus descendentes (filhos, netos, etc.) Contém tudo no documento depois da tag de fechamento do nó atual Contém todos os irmãos depois do nó atual. Obs.: Se o nó atual é um nó atributo ou um nó namespace, este eixo estará vazio. Contém todos os nós namespace do nó atual Contém o pai do nó atual Contém tudo no documento que está antes da tag de abertura do nó atual

21 21 preceding-sibling Contém todos os irmãos antes do nó atual. Obs.: Se o nó atual é um nó atributo ou um nó namespace, este eixo estará vazio. self Contém o nó atual. Como se pode observar na tabela 2, apresentada anteriormente, a XPath possui funções para diversos fins, utilizadas para o melhor desempenho das folhas de estilo XSLT. 2.9 DOM (Document Object Model) Segundo Silva Filho (2004), DOM é uma interface de programação para documentos XML que define a forma na qual um documento XML pode ser acessado e manipulado. Ele permite ao programador criar um documento XML bem como acessar sua estrutura, podendo inserir ou remover elementos. O acesso à estrutura do documento XML com a utilização do DOM é feita através de árvores que contém nós que levam para todas as partes deste documento. Abaixo segue uma lista de algumas das capacidades fornecidas pela API DOM, segundo Turtschi (2002): localizar o nó raiz em um documento XML; localizar uma lista de elementos com um determinado nome de tag ; obter uma lista de filhos de um determinado nó; obter o pai de um determinado nó; obter o nome da tag de um elemento; incluir, modificar ou remover um elemento ou atributo no documento. Ainda segundo Turtschi (2002), o.net Framework fornece um excelente suporte para a API DOM XML. Segue abaixo uma tabela com algumas classes mais utilizadas no DOM. Tabela 3: Classes mais utilizadas no DOM XML. Classe Descrição XmlDocument Um documento DOM W3C (nota: XmlDocument é derivado de XmlNode).

22 22 XmlNode XmlNodeList XmlElement XmlAttribute Um único nó em um documento XML. Uma lista de objetos XmlNode. Um elemento no documento. Um atributo de um elemento no documento. A API DOM foi amplamente utilizada na implementação do Sistema MonoXML, pois com ela é possível encontrar nós específicos dentro do documento XML e realizar manipulações nestes nós específicos, de acordo com a necessidade XF Rendering Server 2005 XF Rendering Server 2005 é uma ferramenta que pode ser utilizada para criar a automação de documentos eletrônicos, manuais técnicos, panfletos, propostas, relatórios empresariais que contenham quadros e gráficos, gerados a partir de XML. (ECRION, 2005) Esta ferramenta apóia padrões de XSL-FO, podendo formatar uma variedade de mídias de XML, incluindo o SVG (Scalable Vector Graphics). A seguir será mostrada uma lista com as características dessa ferramenta, ainda segundo Ecrion (2005): suportes a XSL-FO, SVG, xchart como entrada; produz como saída arquivos PDF, Postscript, HTML, GIF, JPEG, PNG, BMP e outros formatos; pode rodar em rede e obter alta performance, de acordo com as necessidades da aplicação; é acessível em múltiplos ambientes de desenvolvimento como: C++, VB, ASP,.NET, Java. Para que a ferramenta possa funcionar da melhor maneira possível o fabricante recomenda que possa ser usada as plataformas Microsoft Windows 2000 Professional e Server, Windows XP e Windows Server 2003 e ainda: Pentium III no mínimo, AMD Athlon 500 MHz, ou melhor. Intel Pentium IV 2.4 GHz recomendado para computadores de desenvolvimento, XEON dual 3.0 GHz para

23 23 servidores. Mínimo de 128 Mb RAM, 512 Mb recomendado para computadores de desenvolvimento, 1Gb para servidores. A próxima seção abrange em maior detalhe a classe XFRenderer, que é disponibilizada pela ferramenta XF Rendering Server 2005 para ser utilizada com a plataforma.net Classe XFRenderer A ferramenta XF Rendering Server 2005 possui a classe XFRenderer que representa uma única instância de um renderer, que é um objeto de renderização e pode ser utilizado em XSL-FO e SVG para gerar um arquivo PDF. A seguir é apresentada uma tabela que mostra as principais propriedades dessa classe e sua descrição, segundo Ecrion (2005). Tabela 4: Propriedades da Classe XFRenderer. Nome Descrição Lê Escreve inputformat Contém o formato de entrada. X X encoding Escreve o código de entrada. X baseurl URL a ser usada para renderização. X X timeout Tempo que determinado tipo de arquivo leva para ser renderizado. É marcado em segundos. X X outputformat Contém o formato de saída. X X outputmimetype Provê o arquivo de saída no formato MIME. X renderedimagesbaseurl Quando a saída é HTML, esta propriedade especifica a URL usada para compor o SRC da X X imagem gerada. renderedimagesfolder Quando a saída é HTML, esta propriedade especifica a localização física de onde as imagens geradas em SVG ou elementos de X X XChart devem ser colocadas. renderedimagesstreams Quando a saída é HTML, este contém as X

24 24 imagens geradas em SVG ou elementos de XChart. Ecrion (2005). Abaixo estão representados os métodos da classe XFRenderer, ainda de acordo com Tabela 5: Métodos da Classe XFRenderer. Nome setproperty render renderurl Descrição Indica vários parâmetros de renderização. Renderiza o documento de entrada. Renderiza um documento a partir de URL definida. trabalho. A próxima seção descreve os materiais e métodos utilizados para a conclusão deste

25 25 3 MATERIAIS E MÉTODOS Para que a conclusão deste trabalho fosse possível foram utilizados alguns recursos de hardware e software, estes serão descritos nas seções seguintes. 3.1 Local e Período Este trabalho foi desenvolvido como requisito parcial da disciplina Trabalho de Conclusão de Curso I e Trabalho de Conclusão de Curso II, realizado no primeiro semestre do ano de Os locais utilizados para a conclusão do mesmo foram os laboratórios de informática do curso de Sistemas de Informação e complementado em horários extra-classe. 3.2 Material Parte dos recursos utilizados para o desenvolvimento foi disponibilizada pelo curso de Sistemas de Informação do CEULP/ULBRA em seus laboratórios, como hardware e software. Ferramentas para testes de implementação foram obtidas através da Internet Hardware Pentium III, 750 MHz e 128 MB de RAM (Disponível em laboratório); Pentium IV, 2.4 GHz e 256 MB de RAM (Disponível em laboratório) Software Microsoft Windows 2000 Professional; Microsoft Office 2000 Professional; Microsoft Windows XP Professional; Microsoft Office XP Professional; Internet Explorer 6.0; Acrobat Reader 7.0; XF Rendering Server 2005; Visual Studio 2005 Express Edition Beta 2;

Tutorial Plone 4. Manutenção de Sites. Universidade Federal de São Carlos Departamento de Sistemas Web Todos os direitos reservados

Tutorial Plone 4. Manutenção de Sites. Universidade Federal de São Carlos Departamento de Sistemas Web Todos os direitos reservados Tutorial Plone 4 Manutenção de Sites Universidade Federal de São Carlos Departamento de Sistemas Web Todos os direitos reservados Sumário Introdução 1 Como fazer a autenticação do usuário 1.1 Através do

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) (extensible( Markup Language ) Origens (extensible Markup Language linguagem de marcação extensível) Criada em 1996 pelo W3C (World

Leia mais

Power Point. Autor: Paula Pedone

Power Point. Autor: Paula Pedone Power Point Autor: Paula Pedone INTRODUÇÃO O POWER POINT é um editor de apresentações, pertencente ao Pacote Office da Microsoft. Suas principais características são: criação de apresentações através da

Leia mais

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 -

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 - GUIA RÁPIDO - 1 - Sumário Introdução...3 Por que utilizar o Construtor de Sites?...3 Vantagens do Construtor de Sites...3 Conceitos básicos...3 Configuração básica do site...5 Definindo o layout/template

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

Web Design. Prof. Felippe

Web Design. Prof. Felippe Web Design Prof. Felippe 2015 Sobre a disciplina Fornecer ao aluno subsídios para o projeto e desenvolvimento de interfaces de sistemas Web eficientes, amigáveis e intuitivas. Conceitos fundamentais sobre

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 Eduardo Laguna Rubai, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR- Brasil eduardorubay@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo.

Leia mais

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral MICROSOFT WORD 2007 George Gomes Cabral AMBIENTE DE TRABALHO 1. Barra de título 2. Aba (agrupa as antigas barras de menus e barra de ferramentas) 3. Botão do Office 4. Botão salvar 5. Botão de acesso à

Leia mais

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO 1 Índice Administração de Documentos...2 Lista de documentos criados...3 Criando um novo documento...3 Barra de ferramentas do editor...4 Editando um documento...7 Administrando suas

Leia mais

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição SSE 3.0 Guia Rápido Módulo Secretaria Nesta Edição 1 Acessando o Módulo Secretaria 2 Cadastros Auxiliares 3 Criação de Modelos Definindo o Layout do Modelo Alterando o Layout do Cabeçalho 4 Parametrização

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 Índice 1 - Objetivo 2 - Descrição do ambiente 2.1. Tecnologias utilizadas 2.2. Estrutura de pastas 2.3. Bibliotecas já incluídas 3 - Características gerais 4 - Criando

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET WEBSITE MUNDO MULHER GABRIELA DE SOUZA DA SILVA LUANA MAIARA DE PAULA SILVA

Leia mais

Microsoft PowerPoint 2003

Microsoft PowerPoint 2003 Página 1 de 36 Índice Conteúdo Nº de página Introdução 3 Área de Trabalho 5 Criando uma nova apresentação 7 Guardar Apresentação 8 Inserir Diapositivos 10 Fechar Apresentação 12 Abrindo Documentos 13 Configurar

Leia mais

PADRÃO PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS

PADRÃO PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS 1. ESTRUTURA DA MONOGRAFIA PADRÃO PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS A estrutura de uma monografia compreende as seguintes partes: a) elementos pré-textuais; b) elementos textuais; c) elementos pós-textuais.

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Word 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Barra de Ferramentas de Acesso Rápido

Leia mais

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Introdução Aula 03: Pacote Microsoft Office 2007 O Pacote Microsoft Office é um conjunto de aplicativos composto, principalmente, pelos

Leia mais

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo Pós-Graduação em Gestão de Negócios CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD EMENTA

Leia mais

EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM

EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM Bacharel em Ciência da Computação, especialista em Gerência de Projetos e em Criptografia e Segurança da Informação. Servidora Publica. Atua na área acadêmica em cursos de Graduação

Leia mais

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Sumário HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Linguagem HTML HTML é a abreviação de HyperText Markup Language, que pode ser traduzido como Linguagem de Marcação de Hipertexto. Não é uma linguagem

Leia mais

Desenvolvimento de Sites. Subtítulo

Desenvolvimento de Sites. Subtítulo Desenvolvimento de Sites Subtítulo Sobre a APTECH A Aptech é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras

Leia mais

Flex. MANUAL DE USO DA FERRAMENTA FLEX O Flex como gerenciador de conteúdo

Flex. MANUAL DE USO DA FERRAMENTA FLEX O Flex como gerenciador de conteúdo 2011 MANUAL DE USO DA FERRAMENTA FLEX O Flex como gerenciador de conteúdo Aprenda como é simples utilizar a ferramenta Flex como seu gerenciador de conteúdo online. Flex Desenvolvido pela ExpandWEB 31/01/2011

Leia mais

Manual do Visualizador NF e KEY BEST

Manual do Visualizador NF e KEY BEST Manual do Visualizador NF e KEY BEST Versão 1.0 Maio/2011 INDICE SOBRE O VISUALIZADOR...................................................... 02 RISCOS POSSÍVEIS PARA O EMITENTE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA.................

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

Microsoft Office FrontPage 2003

Microsoft Office FrontPage 2003 Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação Microsoft Office FrontPage 2003 1 Microsoft Office FrontPage 2003 O Microsoft

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Manual do Painel Administrativo

Manual do Painel Administrativo Manual do Painel Administrativo versão 1.0 Autores César A Miggiolaro Marcos J Lazarin Índice Índice... 2 Figuras... 3 Inicio... 5 Funcionalidades... 7 Analytics... 9 Cidades... 9 Conteúdo... 10 Referência...

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

Minicurso introdutório de desenvolvimento para dispositivos Android. Cristiano Costa

Minicurso introdutório de desenvolvimento para dispositivos Android. Cristiano Costa Minicurso introdutório de desenvolvimento para dispositivos Android Cristiano Costa Desenvolvimento da interface estática Sobre mim Graduando em Engenharia Eletrônica - UNIFEI Trabalhou em desenvolvimento

Leia mais

CAPÍTULO 4. AG8 Informática

CAPÍTULO 4. AG8 Informática 2ª PARTE CAPÍTULO 4 Este capítulo têm como objetivo: 1. Tratar das etapas do projeto de um Website 2. Quais os profissionais envolvidos 3. Administração do site 4. Dicas para não cometer erros graves na

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

Informática Básica. Microsoft Word XP, 2003 e 2007

Informática Básica. Microsoft Word XP, 2003 e 2007 Informática Básica Microsoft Word XP, 2003 e 2007 Introdução O editor de textos Microsoft Word oferece um conjunto de recursos bastante completo, cobrindo todas as etapas de preparação, formatação e impressão

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 4ª. Série Linguagem para Organização e Transferência de Dados para Web A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento

Leia mais

Conceitos Fundamentais de Microsoft Word. Professor Rafael rafampsilva@yahoo.com.br www.facebook.com/rafampsilva

Conceitos Fundamentais de Microsoft Word. Professor Rafael rafampsilva@yahoo.com.br www.facebook.com/rafampsilva Conceitos Fundamentais de Microsoft Word Professor Rafael www.facebook.com/rafampsilva Introdução É um editor de texto ou processador de texto? editores de texto: editam texto (assim como uma máquina de

Leia mais

Como criar e editar Blogs. Manual Básico do. Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz

Como criar e editar Blogs. Manual Básico do. Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz Como criar e editar Blogs Manual Básico do Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz São Carlos Setembro / 2008 Sumário Introdução...3 Criando um Blog no Edublogs...4

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo.

Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo. Manual de Instruções ECO Editor de Conteúdo Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo. O ECO é um sistema amigável e intui?vo, mas abaixo você pode?rar eventuais dúvidas e aproveitar

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Conteúdo

Manual de Gerenciamento de Conteúdo Manual de Gerenciamento de Conteúdo 1 Sumário 1) O que é um Gerenciador de Conteúdo...3 2) Como o Site está Estruturado...3 3) Como Gerenciar o Conteúdo do Site...5 3.1) Adicionar Itens no Menu de Navegação...6

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA PED MANUAL INTERNET

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA PED MANUAL INTERNET SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA MANUAL INTERNET ÍNDICE Sistema Integrado de Administração da Receita 1 INTRODUÇÃO GERAL... 4 2 INTRODUÇÃO AO... 4 2.1 OBJETIVOS... 4 2.2 BENEFÍCIOS... 4 2.3

Leia mais

1. O Word 2010 BR oferece a possibilidade de salvar um arquivo digitado, clicando

1. O Word 2010 BR oferece a possibilidade de salvar um arquivo digitado, clicando QUESTÕES WORD 2007/2010 PROF.JULIO RAMOS PAG.1 1. O Word 2010 BR oferece a possibilidade de salvar um arquivo digitado, clicando na opção da guia Arquivo, por meio de uma janela padronizada. Essa janela

Leia mais

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008)

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008) Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Curso de Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Dr. Luís Fernando Garcia - TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto

Leia mais

APOSTILA WORD BÁSICO

APOSTILA WORD BÁSICO APOSTILA WORD BÁSICO Apresentação O WORD é um editor de textos, que pertence ao Pacote Office da Microsoft. Suas principais características são: criação de textos, cartas, memorandos, documentos, mala

Leia mais

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

Manual da Petição Eletrônica Intercorrente

Manual da Petição Eletrônica Intercorrente TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DGTEC Diretoria Geral de Tecnologia da Informação DEATE Departamento de Suporte e Atendimento Manual da Petição Eletrônica Intercorrente TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Leia mais

"Manual de Acesso ao Moodle - Discente" 2014

Manual de Acesso ao Moodle - Discente 2014 "Manual de Acesso ao Moodle - Discente" 2014 Para acessar a plataforma, acesse: http://www.fem.com.br/moodle. A página inicial da plataforma é a que segue abaixo: Para fazer o login, clique no link Acesso

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

Roteiro 2: Conceitos de Tags HTML

Roteiro 2: Conceitos de Tags HTML Roteiro 2: Conceitos de Tags HTML Objetivos Detalhar conceitos sobre TAGS HTML: elementos, atributos, elemento vazio, links. Implementar páginas de internet com uso da linguagem HTML; Ferramentas Necessárias

Leia mais

1. Introdução. 2. A área de trabalho

1. Introdução. 2. A área de trabalho Curso Criiar web siites com o Dreamweaver Parrttee II 1. Introdução O Macromedia DreamWeaver é um editor de HTML profissional para desenhar, codificar e desenvolver sites, páginas e aplicativos para a

Leia mais

Google Docs EDITOR DE TEXTOS

Google Docs EDITOR DE TEXTOS Google Docs Um destes serviços oferecidos é o Google Docs, uma espécie de suíte de aplicativos online, bastante semelhante ao Microsoft Office e ao OpenOffice.org/BrOffice.org. O serviço da Google possui

Leia mais

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal)

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Acessando o Sistema Para acessar a interface de colaboração de conteúdo, entre no endereço http://paginapessoal.utfpr.edu.br. No formulário

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Objetivo. O objetivo da disciplina é conhecer os princípios da programação de

Leia mais

Manual. ID REP Config Versão 1.0

Manual. ID REP Config Versão 1.0 Manual ID REP Config Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 2.1. Atualização... 3 3. Instalação do ID REP Config... 4 4. Visão Geral do Programa... 6 4.1. Tela Principal... 6 4.2.

Leia mais

Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa dos Santos Schmid WORD 2007

Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa dos Santos Schmid WORD 2007 WORD 2007 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE TECNOLOGIA Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa

Leia mais

Aula 04 Word. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/

Aula 04 Word. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Aula 04 Word Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Agenda da Aula Editor de Texto - Word Microsoft Office Conjunto de aplicativos para escritório que contém programas

Leia mais

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas GerNFe 1.0 Manual do usuário Página 1/13 GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas O programa GerNFe 1.0 tem como objetivo armazenar em local seguro e de maneira prática para pesquisa,

Leia mais

Manual de Instalação Flex

Manual de Instalação Flex Manual de Instalação Flex Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5 4.1.1. Instalação do sistema...

Leia mais

Como criar PDFs rapidamente (tutpdf.php)

Como criar PDFs rapidamente (tutpdf.php) 1 de 5 6/8/2008 15:23 Anúncios Google Apostila InDesign Programa PDF Acrobat PDF Adobe PDF Editor Acrobat Professional :: Tutoriais Como criar PDFs rapidamente (tutpdf.php) Introdução O formato de arquivos

Leia mais

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec Guia de Consulta Rápida PHP com XML Juliano Niederauer Terceira Edição Novatec Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

Gestores e Provedores

Gestores e Provedores PORTAL 2010 Manual do Portal 15 Gestores e Provedores Publicação descentralizada As informações, produtos e serviços disponibilizados no Portal são publicados e atualizados pelas próprias unidades do

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Sumário Pré-requisitos para o Moodle... Entrar no Ambiente... Usuário ou senha esquecidos?... Meus cursos... Calendário... Atividades recentes...

Leia mais

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 CURITIBA 2015 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007... 3 JANELA PRINCIPAL... 3 1 - BOTÃO OFFICE... 4 2 - FERRAMENTAS DE ACESSO

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Manual do Publicador. Wordpress FATEA Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Web

Manual do Publicador. Wordpress FATEA Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Web Manual do Publicador Wordpress FATEA Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Web Sumário Painel de Administração... 3 1 - Inserção de post... 5 2 Publicação de post com notícia na área headline (galeria de

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 5ª. Série Programação e Design para Web A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

V.1.0 SIAPAS. Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde. Contas Médicas

V.1.0 SIAPAS. Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde. Contas Médicas 2014 V.1.0 SIAPAS Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde Contas Médicas SIAPAS Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde Módulos CONTAS MÉDICAS Capa

Leia mais

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas Microsoft Power Point 2003 No Microsoft PowerPoint 2003, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo, ele contém tudo o que você precisa uma estrutura para sua apresentação, os slides, o material

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

Manual. ID REP Config Versão 1.0

Manual. ID REP Config Versão 1.0 Manual ID REP Config Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 3. Instalação do ID REP Config... 4 4. Visão Geral do Programa... 8 4.1. Tela Principal... 8 4.2. Tela de Pesquisa... 12

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 06: Introdução Linguagem HTML

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 06: Introdução Linguagem HTML PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 06: Introdução Linguagem HTML O Desenvolvimento Web O desenvolvimento web é o termo utilizado para descrever atividade relacionada

Leia mais

Serviço Técnico de Informática. Curso Básico de PowerPoint

Serviço Técnico de Informática. Curso Básico de PowerPoint Serviço Técnico de Informática Curso Básico de PowerPoint Instrutor: Tiago Souza e Silva de Moura Maio/2005 O Microsoft PowerPoint No Microsoft PowerPoint, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIOS PARA QUALIFICAÇÃO (MESTRADO E DOUTORADO), TESES E TRABALHOS

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4 Sumário Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 5.988 de 14/12/73. Nenhuma parte deste livro, sem prévia autorização por escrito de Celta Informática, poderá ser reproduzida total ou parcialmente,

Leia mais

Apostila de Word 2013

Apostila de Word 2013 Iniciando o word 2013...01 Regras Básicas para digitação de um texto...02 Salvando um arquivo com senha...02 Salvando um arquivo nas nuvens (OneDrive).... 02 Verificando a ortografia e a gramática do texto...

Leia mais

Aula: BrOffice Impress primeira parte

Aula: BrOffice Impress primeira parte Aula: BrOffice Impress primeira parte Objetivos Conhecer as características de um software de apresentação; Saber criar uma apresentação rápida com os recursos de imagem e texto; Saber salvar a apresentação;

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução Nesta quinta edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos o estudo do Windows Mail, um cliente

Leia mais

CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion

CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion Os componentes ColdFusion (CFC) permitem ao usuário encapsular lógicas de aplicação e de negócios (business logic) em unidades auto-controladas reutilizáveis.

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado.

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. , ()! $ Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. Uma estratégia muito utilizada para organizar visualmente informações numéricas

Leia mais

Prática 3 Microsoft Word

Prática 3 Microsoft Word Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado da Paraíba, Campus Sousa Disciplina: Informática Básica Prática 3 Microsoft Word Assunto: Tópicos abordados: Prática Utilização dos recursos

Leia mais

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira WEBDESIGN Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 1 CDI - Curso de Webdesign - Prof. Paulo Trentin Objetivos para esta aula Debater sobre

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Plano de Aula - Word 2010 Avançado - cód.5546 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Word 2010 Avançado - cód.5546 24 Horas/Aula Plano de Aula - Word 2010 Avançado - cód.5546 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução aos Recursos Avançados do Word Aula 2 Capítulo 2 - Salvar e Proteger Documentos Aula 3 Capítulo 3 - Formatar Textos

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático PowerPoint 2013 16 horas Objetivo Capacitar o participante a criar apresentações utilizando recursos de comunicação visual aprimorados da versão 2013 do PowerPoint, criar gráficos, smartarts, trabalhar

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO ÍNDICE Relatórios Dinâmicos... 3 Requisitos de Sistema... 4 Estrutura de Dados... 5 Operadores... 6 Tabelas... 7 Tabelas x Campos... 9 Temas... 13 Hierarquia Relacionamento...

Leia mais

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias Darley Passarin 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Palmas TO Brasil darley@centralrss.com.br,

Leia mais

Tutorial Word 2007. Estilos. 1. Estruturação do Documento. 1.1 Mapa do documento. Tutorial Word 2007

Tutorial Word 2007. Estilos. 1. Estruturação do Documento. 1.1 Mapa do documento. Tutorial Word 2007 Tutorial Word 2007 Este tutorial pretende introduzir algumas das ferramentas automáticas do Word para a geração de sumários, índices de figuras ou tabelas, referencias e citações automáticas ao longo do

Leia mais

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Desenvolvido por Fábrica de Software Coordenação de Tecnologia da Informação Pág 1/22 Módulo: 1 Responsável: Desenvolvimento Ti Data: 01/11/2012 Versão: 1.0 Empresa:

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais

GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL

GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL Ambiente Virtual de Aprendizagem - MOODLE GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL http://salavirtual.faculdadesaoluiz.edu.br SUMÁRIO 1. Acessando Turmas 4 2. Inserindo Material 4 3. Enviando Mensagem aos Alunos 6

Leia mais

Moodle - Tutorial para Professores

Moodle - Tutorial para Professores Moodle - Tutorial para Professores por Prof. Maurício Lima 1 agosto de 2010 Objetivo Este documento apresenta aos professores da Faculdade Novos Horizontes os primeiros passos na utilização do pacote Moodle.

Leia mais

TRABALHO ACADÊMICO: PADRÃO UFSC (FORMATO A5)

TRABALHO ACADÊMICO: PADRÃO UFSC (FORMATO A5) TRABALHO ACADÊMICO: PADRÃO UFSC (FORMATO A5) dezembro de 2012. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária. Programa de capacitação. APRESENTAÇÃO 2 a) Motivações a) sustentabilidade;

Leia mais