CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MÍGHIAN DANAE FERREIRA NUNES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MÍGHIAN DANAE FERREIRA NUNES"

Transcrição

1 CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MÍGHIAN DANAE FERREIRA NUNES Professora, ainda posso mudar de cor? : As crianças pequenas e suas impressões sobre as relações raciais na escola SÃO PAULO 2012

2 Sou professora de educação infantil há oito anos e tenho trabalhado em algumas escolas da rede pública da cidade de São Paulo. Não é novidade a constatação de que as crianças negras estão em sua maioria, nas escolas públicas. Meu contato com muitas delas, com as coisas que falam e sentem, com aquilo que conseguem expressar, não apenas em palavras, mas em desenhos, sorrisos e gestos, fez-me ter o desejo de registrar estas expressões infantis diretamente relacionadas ao tema das relações raciais e educação, posto que o material sobre este tema com crianças pequenas é quase inexistente. Senti necessidade de escrever sobre estas impressões, visto que, muitas vezes, fui tomada de emoção pelas palavras que me atravessavam os dias, ditas pelas crianças, algumas vezes reprodução de falas adulta, noutras dúvidas e, em muitas delas, tristeza e certo incômodo. Incômodo este que também tornava-se meu, visto que, algumas vezes, penso não ter encontrado a palavra certa para explicar o que eu pensava e assim, carreguei comigo a impressão de que não pude ajudá-las. Hoje, após tantas histórias ouvidas e sentidas, creio que, em muitos momentos, quando as palavras não explicam, importa mais que a criança sinta-se amparada, com um abraço, um afago em seu cabelo, um beijo em seu rosto. Transformo assim estes momentos de experiência sensível num texto, na certeza de que ele servirá de reflexão sobre este tema, tão pouco explorado em trabalhos acadêmicos e mesmo em textos literários. Com este registro, penso poder contribuir para um debate sobre os modos como o racismo instala-se em nossa sociedade, visto que as falas aqui reproduzidas foram ditas a mim ou ouvidas por crianças de cinco e seis anos. Nelson Mandela disse que ninguém nasce discriminando. Sendo assim, crianças de cinco e seis anos aprendem a discriminar e classificar seres humanos em inferiores e superiores a partir dos modelos a elas oferecidos pela sociedade em que vive. A nossa sociedade, a partir do mito da democracia racial, criou a falsa ideia de que no Brasil o racismo não é um problema social, escamoteando os modos como nos relacionamos com as pessoas ao nosso redor, fazendo valer a ideia de que é necessário apenas esforçar-se muito para conseguir alcançar o que se quer. As crianças brasileiras estão imersas nesta sociedade e reproduzem estas práticas culturais, eivadas de jargões preconceituosos, de uma visão deturpada sobre as diferenças e, infelizmente,

3 se não atentarmos para o fato de que crianças muito pequenas podem sim, reproduzir o racismo existente em sociedade, não conseguiremos formular práticas pedagógicas de enfrentamento desta situação constrangedora presente também em nossas escolas de educação infantil. Uma afirmação que ouço bastante nos cursos de formação que ministro para professoras de educação infantil são os comentários que elas fazem sobre crianças brancas que não querem dar a mão para suas colegas negras. Muitas professoras não sabem o que fazer e simplesmente "deixam para lá", alegando que esta seria apenas uma questão de afinidade e que nada tem a ver com a aprendizagem de práticas preconceituosas. A partir do momento em que as professoras tem uma formação específica sobre relações raciais e educação, esse olhar muda e elas percebem que as crianças manifestam preferências de amizade também a partir de uma ótica racial. Algumas pessoas questionam-se quando é que as crianças começam a ter noção de seu pertencimento racial. Fiquei interessada no tema e, assim, há três anos, no início de cada ano letivo trabalho com crianças de cinco e seis anos, eu sempre faço algumas perguntas para elas e, entre estas, pergunto sobre que cor elas acham que tem. Na maioria das vezes, ouço palavras que remetem apenas à cor da pele, como marrom, rosa e branco, sem uma reflexão relacionada ao pertencimento racial. Com o passar do ano, e com as atividades que desenvolvíamos sobre identidade racial, muitas delas começavam a responder preto ou branco, de acordo com seu pertencimento. Algumas delas já usavam a palavra negro, por conta da relação que a família tinha com o tema. Pelo que pude perceber, a relação das famílias com o tema é fundamental para a criança assumir ou não uma posição racial. Como realizo atividades relacionadas às questões raciais, penso que talvez estas também colaborem para que as crianças possam compreender as diferenças existentes entre ser branco, ser negro, ser indígena. Uma pesquisa mais aprofundada nos ajudaria a percebermos se é mesmo nesta idade que as crianças começam a tomar ciência do assunto ou apenas quando são envolvidas em processos de aprendizagem é que elas atentam para estas diferenças. Como exemplo destas práticas, cito o momento dos desenhos realizados pelas crianças. Algumas vezes, eu desenhava junto com elas e, certa vez, quando desenhei minha família, pintei todas as pessoas negras. Na hora em

4 que compartilhamos nossas atividades, as crianças olhavam para o desenho e eu expliquei que havia pintado as pessoas daquela cor porque minha família era negra. Pouco a pouco, começaram a surgir desenhos com pessoas negras na turma. Esta menina desenhou sua família: Bruna, 06 anos No próximo desenho, é possível ver uma representação das professoras da escola onde trabalho. Ela desenhou as professoras com todas as características que ela conseguia lembrar e que nos diferenciava uma da outra:

5 Renata, 05 anos A professora negra sou eu. Renata é uma menina negra de outra turma, mas sempre conversamos quando nos encontramos. Ela também tem contato com as outras professoras, uma delas loira e uma outra de cabelo castanho. Além desse, também guardo comigo alguns desenhos onde as crianças da turma me representam. Aqui estão alguns deles:

6 Jairla, 06 anos Yasmin, 06 anos Nicolly, 06 anos É perceptível como as crianças notam certas diferenças nestes desenhos, o cabelo aparece bastante, mas há outros em que elas ressaltam meus gostos pessoais, como brincos grandes, roupas coloridas ou de

7 estampas e representam nos desenhos as impressões que tem sobre mim. A partir dos estímulos dados para que as crianças desenhem as pessoas como elas são, elas passam a encontrar espaço para desenhar pessoas negras em diversos momentos, como esta menina, que desenhou uma menina negra bailarina, visto que, na turma, ela possuía uma amiga negra que fazia balé e constantemente ensinava passos da dança para as demais: Bruna, 06 anos De certo modo, penso que minhas escolhas tenham contribuído para esse olhar no desenho, mas acredito que não apenas isso. As referências em sala de aula sempre contavam com personagens negras no livro, nos cartazes produzidos, nos vídeos e nas músicas escolhidas, bem como no modo em que trabalhávamos o movimento e o corpo com a turma. Assim, penso que é necessário uma análise com outras turmas, onde talvez estes eventos não aconteçam com tanta frequencia, para saber se é mesmo nesta idade que as crianças começam a expressar seu vínculo racial. Certa vez, quando contei a história do livro Ana e Ana, de Célia Godoy, um menino negro, na hora da saída, trouxe sua avó pelo braço e me disse:

8 - Professora, mostra aquele livro para minha avó. Ela não acreditou quando eu disse que tinha um livro na minha escola que tinha o desenho que era ela. Quando mostrei a gravura do livro, a vovó fez uma expressão de familiaridade e com uma certa vergonha, me disse: - Mas não é que parece mesmo, professora? Ela ficou ali um tempo, folheando o livro e se encontrando. Foi uma cena bonita. Acredito que ela nunca tenha se visto num livro de histórias. Seu neto estava radiante por ter reconhecido a avó num livro, feliz por vê-la desenhada num livro de história com final feliz. Mas não são apenas às atividades e aos bons momentos de descoberta da identidade que vou aludir aqui. Gostaria de relembrar também como o racismo produz, em crianças brancas e negras, a ideia de que os seres humanos são melhores ou piores que outros, por conta de sua cor. Começo relembrando um episódio que vivi três anos atrás, quando um menino branco recusou-se, em determinado momento do ano, em estudar na turma à qual eu era professora. Ele disse textualmente: - Não quero ter uma professora preta! Levei o caso à coordenadora, e pedi que ele repetisse o que havia me dito, e ele o fez, sem hesitar. Lembro-me que a coordenadora, uma mulher negra, pediu-me que relevasse o acontecido e voltasse para sala. Mas não relevei. Convoquei a mãe para uma conversa, e esta me confirmou que o seu filho passava algum tempo com seu pai, um homem idoso e bastante racista, que vociferava palavras de insulto contra as pessoas negras com quem convivia. Ela tinha certeza que isto fazia com que seu filho visse as pessoas negras como seres inferiores. Deste momento até o final do ano letivo, foi bastante dolorosa nossa convivência, porque eu sabia que ele havia aprendido a não gostar de mim e a não me ver como alguém dotada de certa autoridade para solicitar que ele fizesse coisas às quais não estava interessado em fazer, como partilhar brinquedos ou desistir de ser sempre o primeiro da fila do lanche. Foi um ano difícil para nós dois e, certa vez, quando perguntei-lhe se ele pudesse escolher com qual das professoras ele gostaria de ficar, ele apontou-me apenas as professoras brancas da escola, numa prova de que ele sabia quais as diferenças entre eu e elas. Numa outra turma, quando eu

9 abraçava uma das garotas negras que havia na turma, uma menina branca inquiriu-me: - Você não acha que abraça muito ela? Porque você faz isso? Eu havia acabado de abraçá-la, mas parece que ela incomodava-se com o fato de que eu abraçasse e beijasse do mesmo jeito a menina negra pele de chocolate. Quando eu disse que eu tambéma havia abraçado, ela emudeceu. Ela sabia que era verdade, mas, parecia ainda não entender porque aquela menina ganhava carinho igual, visto que em outros lugares, ela percebia que isso não acontecia. Essa sensação é um dos motivos para percebermos como a segregação prejudica não apenas as crianças negras, mas cria uma ideia de superioridade nas crianças brancas que dificulta uma convivência saudável entre os grupos. Muitas destas crianças brancas reproduzem um racismo aprendido em casa, pela família. Uma família que não fala com as crianças sobre questões de raça quando estas aparecem, reforçam a ideia de que este não é um problema da sociedade brasileira e sim de um grupo específico, a saber, a população negra. Assim também, famílias negras que não discutem o assunto e escamoteiam quando situações de racismo acontecem com os membros da família, não colaboram para que as crianças aprendam a conviver junto. Já ouvi muitas coisas de crianças pequenas. Certa vez, sentada no refeitório, um menino negro me cochichou: - Eu queria ser da sua sala. Não era a primeira vez que ele dizia isso. Eu imaginava os motivos. Pelo que ele pode observar das vezes em que a gente se encontrava, a turma com a qual eu passo a maior parte do tempo está sempre em polvorosa, falando alto, correndo, brincando, sendo criança. Acho que ele sente vontade de viver isso na escola, e acho também que ele se identifica comigo. Outras crianças negras ao longo desses anos já manifestaram o desejo de mudarem para minha sala. A gente então começa um papo, entrecortado, já que vigiamos a inspetora que nos vigia, ela não pode nos ver conversando na hora do almoço. Eu pergunto se a mãe dele é bonita como ele e ele começa: - Minha mãe é preta e meu pai é branco. Como ele é bem escuro, eu pergunto se a mãe dele é preta como uma menininha bem pretinha que está a nossa frente. Ele faz que não com a cabeça e diz que a mãe dele é preta como ele. Eu acho difícil que o pai dele

10 seja branco, mas continuamos o papo que ele começou e juntou mais gente para ouvir. A menina da frente diz: - Minha avó é preta, mas e daí? Eu queria ser como ela, eu gosto dela mesmo assim. Interesso-me mais no mocinho porque ele não para de falar sobre sua família, mas também captei a educação racista que a mocinha branca está recebendo, visto que terminou a frase com um "gosto dela mesmo assim". Com um ouvido ouço a menina, que vai falando de seu amor pela sua avó preta. Com o outro, ouço o mocinho mandando essa: - Quando eu nasci, sabia, eu era branco, depois eu me queimei (riso nervoso)! Eu queria ser branco! Olho para ele, uma criança de cinco anos ficando sem jeito e rindo nervoso. Ele sorri pra mim e repete: - Eu queria ser branco porque ser branco é mais legal, né? Eu pergunto: - Mas porque você quer ser branco? Ele continua sorrindo para mim um sorriso sem graça e eu não consigo disfarçar, dou uma fungada de lado e baixo os olhos, porque ele me olha como se estivesse dizendo a coisa mais normal do mundo. Como se tivesse plena certeza do que quer na vida, do que basta para ser feliz. Ele confirma: - Eu queria ser branco, é mais bonito, você não acha? Minha voz esganiçada diz: - Você é tão lindo... E ele emenda, olhando pro prato e riscando-o com a colher, um tanto quanto insatisfeito, decepcionado, nada surpreso: - Minha família toda diz que eu sou lindo... Essa história me desconcertou, mas não foi a única. Uma menina de quase seis anos, depois que comentei sobre o primeiro ano e sobre as datas que teríamos para finalizar o ano, a data da festa de despedida, ela levantou a mãozinha e me perguntou docemente, certa de que eu teria a resposta: - Professora, e até que dia nós podemos mudar de cor? Pedi para que ela repetisse a pergunta, porque, apesar de ter me acertado em cheio, tinha entendido bem o que ela estava dizendo. Ela falou novamente:

11 - É que eu sou dessa cor (apontando para o braço), minha irmã é branca. Ela tem 10 anos. Eu acho que ela mudou de cor quando foi para o primeiro ano, eu não sei, ainda não perguntei. Eu não sei se eu vou mudar de cor antes ou depois, eu queria poder mudar antes, para chegar na nova escola branca. Já havia passado por outros episódios como esse, o que me fez não perder o rebolado logo de cara. Respondi e perguntei: - Mas porque você quer mudar de cor? Eu sou preta igual a você e adoro! É tão gostoso! Outras meninas, negras também, confirmaram: - É, a gente é preta igual a professora! - Eu não quero mudar de cor, eu pareço com minha mãe! E assim, conversamos sobre cores e a chegada ao primeiro ano, algumas crianças falando sobre seu pertencimento racial e falando sobre como era ser negra ou branca. Essas conversas são sempre ótimas e acho que ajudaram quando, ao deixar que as meninas negras escolhessem seus pares nas danças em dupla que costumeiramente fazemos na turma, elas pudessem também escolher os meninos negros para dançar com elas. Desse modo, quando sugeri que os meninos negros escolhessem primeiro, eles também as escolheram, tornando esse momento algo corriqueiro em nossos encontros dançantes. Mas há uma história que ficou marcada em minha memória mais que outras, talvez pela experiência sensível que tive fora da escola com as mesmas crianças com as quais convivia. Certa vez, recebi um convite para ir a um terreiro de candomblé num bairro que eu já havia dado aula três anos antes. Qual não foi minha surpresa quando cheguei lá e encontrei um grande número de crianças que haviam passado por mim na escola e que eu nem sequer imaginava que professavam uma outra fé que não a católica, visto que as famílias nunca expressaram incômodo com práticas religiosas que eventualmente os calendários escolares teimam em continuar realizando, como páscoa e natal. As crianças haviam crescido um pouco e muitas delas me reconheceram. Suas famílias, ao me verem de visita naquele lugar, mostraramse desconcertadas. Acho que imaginavam que eu nunca frequentaria um lugar como aquele ou mesmo não conheceria os rituais próprios de uma religião de matriz africana. Aos poucos, as crianças foram se aproximando e perguntando

12 se eu era eu mesmo. Respondia que sim e elas me davam um sorriso tímido. Confesso que fiquei emocionada ao ver muitas meninas vestidas as roupas e adereços característicos da religião, cantando as músicas de seus orixás e sorrindo, num misto de vergonha e felicidade por estarem sendo vistas por mim em um lugar tão delas. Quando chegou a hora da partilha da comida, elas me olhavam e perguntavam: - Você vai comer? Eu dizia que sim, ela riam. E na hora da dança, de novo a pergunta: - Você vai dançar? Eu sempre dizia sim, elas me abraçavam. Esse dia foi muito importante para confirmar algo que eu já tinha certeza: a escola não respeita as diversas religiões que estão presentes em seu espaço, através da família e da criança. Fecha os olhos para os modos como as crianças experienciam sua fé, organizando um modo único de encarar a espiritualidade e condensando este modo em práticas que chamam de sociais. A escola não acha que é um desrespeito fazer uma criança que é de candomblé ou de umbanda rezar o pai nosso. Professoras e diretoras dizem que se não faz mal, faz bem e creem fielmente que não é agressivo esse tipo de obrigação. A escola é laica, segundo as leis brasileiras, mas isso não acontece e em cada escola, a religião que prevalece é a religião de uma maioria ou mesmo da diretora. Em 2009, tive um aluno que tinha uma família com tradição na umbanda. Sua avó havia aberto um dos primeiros centros de umbanda da região onde moravam, centro este que havia sido desmembrado de uma importante casa de candomblé também da região, com a mãe de santo tendo feito suas obrigações todas numa importante casa de axé em Salvador, na Bahia. O garoto chegou no primeiro dia de aula e me disse: - Eu acho, professora, que você é de Yemanjá será? Sua tia, filha de Xangô, trabalhava na escola e presenciou esta fala do garoto. Tentou reprimi-lo, mas eu disse que ela poderia despreocupar-se, pois eu não tinha problemas em ouvir sobre candomblé. Ela então contou-me que, infelizmente, um ano antes, a família já havia sido admoestada pelas coisas que o garoto falava e, a partir desse momento, a avó estava sempre pedindolhe que não tocasse nesse assunto. Eu assegurei-lhe que comigo, a criança não teria problemas em falar de sua fé. O ano foi seguindo, e alguma vezes o garoto relembrava coisas que ouvia no terreiro, mas nada muito organizado.

13 Ele também sabia que a religião que a sua família fazia parte não era uma religião proselitista e tinha seus segredos. Assim ele aprendeu. Certo dia, estávamos brincando com brinquedos de plástico na tenda, do lado de fora da sala, e haviam alguns baldes grandes. Ele emborcou um destes e começou a tocar, explicando-me que seu pai era pagodeiro. Ele tinha cinco anos, mas tinha muito ritmo, a ponto de parar e explicar para os outros meninos como se tocava o tambor. As meninas dançavam. Ele então, com o passar do tempo, passou a tocar alguns pontos de umbanda. Não os cantava inteiros, mas eu conhecia alguns deles e percebia, pelo som, que ele havia aprendido com seu pai, não apenas por este ser pagodeiro, mas sim ogan da casa de sua avó. No começo, algumas pessoas da escola achavam engraçado a batucada. Em alguns momentos, eu percebia que algumas delas sabia o que estava acontecendo, mas ninguém nunca se aproximou para perguntar o que seria aquilo, talvez por conhecer o meu trabalho e como eu me posicionava com relação à diversidade religiosa. As crianças também cantavam espontaneamente Entra na minha casa, entra na minha vida 1, e eu não as impedia. Porque então deveria impedir pontos de umbanda? Quando ouvi o garoto tocar, cheguei na sala das professoras esfuziante! Comentei com as colegas, e uma delas havia sido a professora do garoto um ano antes. Eu disse animada: - Nossa, você já viu como ele toca bem? Ela então respondeu: - Não, nunca vi, porque quando ele começava com aquele barulho eu já mandava parar! A tia deste garoto confirmou esta fala da professora, dizendo que quando seu sobrinho chegou à escola, era muito mais expressivo, mas aos poucos foi aprendendo que aquilo não era certo e foi aquietando o corpo. Ela disse-me que a família estava muito feliz ao perceber que eu estimulava justamente aquilo que para elas e eles era tão importante quanto aprender a ler, visto que, em sua caminhada dentro da religião, estes sentidos não estavam separados do conhecimento. Eu percebia que o garoto tinha grande potencialidade artística arrisco dizer que a maioria de nós, ou todos, também temos e uma sensibilidade 1 Trecho de uma conhecida música evangélica chamada Faz um milagre em mim, do cantor Régis Danese. A letra completa pode ser conferida aqui: Acesso em: 10.dez.2012.

14 muito grande para alguém de sua idade.. Infelizmente, a escola é um dos lugares onde matamos essa conexão feita entre vida, arte e conhecimento. Acreditava também que parte destas experiências advinham do modo como sua família se relacionava com o mundo e com as pessoas. Como deixar isso fora da escola, visto que estas questões eram partes fundamentais do modo como eu concebo educação? Na educação infantil, nossas práticas não são conteudistas, visto que não trabalhamos com metodologias de conteúdo e sim, com práticas educativas e culturais a todo o tempo. Criar um ambiente onde as crianças sintam-se à vontade para serem elas mesmas e viverem suas diferenças é uma de nossas metas, para além de apresentar um livro com imagens ou uma história que remeta às nossas raízes africanas. Desse modo, em todos os contextos é possível estimular a diferença e a afirmação de identidades tornadas subalternas em nossa sociedade, por conta dos diversos preconceitos estabelecidos entre nós. Uma das questões que posso perceber sensivelmente é que, por não percebemos o racismo com um problema em nossa sociedade, as crianças negras, quando sentem-se deslocadas no espaço escolar, são vistas como "mimadas", "mal-criadas" ou "desobedientes". Não há um esforço de inclusão destas crianças, como há com as crianças brancas com deficiência intelectual ou física. Já tive crianças brancas com síndrome de Down e com deficiência física nas turmas em que lecionei, e a atenção desprendida a elas sempre é maior do que aquela dedicada às crianças negras que sofrem com a rejeição e o preconceito (quando falo de atenção, não é apenas do corpo docente da escola, que comumente pergunta como está a criança, mas também do corpo técnico, que invariavelmente estabelece uma relação de proximidade com estas crianças denominadas genericamente de "crianças de inclusão"). Não acho que estas crianças precisem de menos atenção, mas sinalizo que talvez outras crianças também precisem de atenção especial em determinados momentos na escola, mas como suas questões não são vistas como um problema da socialização na educação infantil, ele nem é posto em pauta nos debates pedagógicos em reuniões de professoras. E penso que esta é uma questão importante a ser discutida, porque inclusão significa por para dentro todas as pessoas presentes na comunidade escolar e não apenas esta ou aquela criança com uma dificuldade específica. Incluir também significa não

15 tipificar as crianças, mas vê-las como crianças, seres singulares, pessoas com necessidades únicas e que precisam integrar-se às outras pessoas por serem como são. E vendo as crianças como são, deixaremos de fazer com que elas queiram em ser outra pessoa para serem mais bonitas ou mais aceitas. Esse discurso também aparece quando as meninas falam de seus cabelos. Algumas delas, quando chegam à escola depois de terem feito escova no cabelo ou passado a famosa "chapinha", vem radiantes até mim e me mostram o cabelo novo. Eu falo como gosto de seus cachos naturais. Eu também elogio as tranças e os cabelos naturais soltos em mini-blacks powers. Mas não é uma tarefa fácil, tornar belo aquilo que é tido como desvio, para relembrar uma criança que perguntou-me certa vez: - Professora, quem enscrespou seu cabelo? Para ele, todas as pessoas tinham cabelo liso e eu era aquela que havia mudado de cabelo através de algum processo químico. Todas estas impressões são ousam uma conclusão, querem apenas instigar o debate e fomentar possíveis discussões sobre como poderemos fazer pesquisas com este tema com crianças, descobrindo quais os modos e maneiras os efeitos do preconceito e da afirmação do pertencimento racial mudam as perspectivas das crianças com relação a si mesmas e às pessoas que as cercam. Bom seria ouvir da boca das crianças e, porque não, também dos adultos, algo que um menino negro trigêmeo me disse ano passado. Ele, que era sempre comparado aos irmãos, sabia a importância da diferença, me provocou: - Todos somos diferentes, não é, professora? Por isso que a vida é boa.

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br O TEMPLO DOS ORIXÁS Quando, na experiência anterior, eu tive a oportunidade de assistir a um culto religioso, fiquei vários dias pensando a que ponto nossa inconsciência modificou o mundo espiritual. Conhecendo

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA SAGRADA Nº 8 - Mar/15 PRESTA atenção RELIGIÃO! BÍBLIA Apresentação Esta nova edição da Coleção Presta Atenção! vai tratar de um assunto muito importante: Religião. A fé é uma questão muito pessoal e cada

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado!

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Aqueles primeiros momentos em que tudo que fazemos na clínica

Leia mais

- Mas eu, gosto. Feliz aniversário! Luis já estava com uma nova namorada, e Cecília já estava pensando em ir embora, quando encontrou Nilo.

- Mas eu, gosto. Feliz aniversário! Luis já estava com uma nova namorada, e Cecília já estava pensando em ir embora, quando encontrou Nilo. NILO Esta história que vou lhes contar é sobre paixões. A paixão acontece, não se sabe quando nem porquê, e não podemos escolher os protagonistas da história. Seria tão bom se mandássemos no coração! Mas

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille Água Tu és um milagre que Deus criou, e o povo todo glorificou. Obra divina do criador Recurso

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

Na Internet Gramática: atividades

Na Internet Gramática: atividades Na Internet Gramática: atividades Dica: Antes de fazer as atividades abaixo, leia os documentos Modo subjuntivo geral e Presente do subjuntivo, no Banco de Gramática. 1. No trecho a seguir, extraído da

Leia mais

O início de minha vida...

O início de minha vida... Relato 1 Memórias de minha vida Juliana Pedroso 1 O início de minha vida... Perceber com clareza é o mesmo que ter a visão iluminada pela Luz da Alma. Podemos ficar livres da ignorância e ver corretamente

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Unidades de sentido Indicadores Unidades de Sentido Indicadores

Unidades de sentido Indicadores Unidades de Sentido Indicadores das dos tratamentos sobre a Imagem o que me incomodou foi a perda do cabelo quando me começou a cair o cabelo, eu tive 2 ou 3 dias que não me quis ver ao espelho (M1); e custou-me muito, quando o médico

Leia mais

Alguma vez você já se viu em alguma situação assim embaraçosa?

Alguma vez você já se viu em alguma situação assim embaraçosa? Primeiro eu gostaria de saber.. eh se você tem namorado? Namorado, tenho não. Já tive muito mais agora faz treis meses que eu moro com um rapaz é um argentino qui qui primeiro quando eu conheci estava

Leia mais

A qualidade de vida. Vou responder para vocês, é só ler está história que vou contar.

A qualidade de vida. Vou responder para vocês, é só ler está história que vou contar. A qualidade de vida Dentre as prioridades da maioria das instituições de ensino está a qualidade da alimentação oferecida aos seus alunos, isso por desempenhar um papel primordial no ciclo de vida e principalmente

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

Peça de Teatro Sinopse Argumento

Peça de Teatro Sinopse Argumento 1 Peça de Teatro Sinopse Duas crianças da comunidade...(comunidade local onde será encenada a peça) se encontram, conversam à respeito de limpar a rua e ser útil de alguma forma para o meio em que habitam.

Leia mais

Keyla Ferrari. Cada um pensa em mudar a humanidade, mas ninguém pensa em mudar a si mesmo. Leon Tolstoi. ilustrado por: Maria Isabel Vaz Guimarães

Keyla Ferrari. Cada um pensa em mudar a humanidade, mas ninguém pensa em mudar a si mesmo. Leon Tolstoi. ilustrado por: Maria Isabel Vaz Guimarães Cada um pensa em mudar a humanidade, mas ninguém pensa em mudar a si mesmo. Leon Tolstoi Keyla Ferrari ilustrado por: Maria Isabel Vaz Guimarães Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto.

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

Olá, o meu nome é Vanessa. Neste trabalho que vou desenvolver, tentarei contar para você, amigo leitor, um pouco da minha vida e de toda a trajetória

Olá, o meu nome é Vanessa. Neste trabalho que vou desenvolver, tentarei contar para você, amigo leitor, um pouco da minha vida e de toda a trajetória Olá, o meu nome é Vanessa. Neste trabalho que vou desenvolver, tentarei contar para você, amigo leitor, um pouco da minha vida e de toda a trajetória que eu percorri até a entrada na Universidade Federal

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Quando vi Fátima pela primeira vez

Quando vi Fátima pela primeira vez ... Quando vi Fátima pela primeira vez Texto de Fernando Ben, falando resumidamente sobre sua experiência nos primeiros encontros mediúnicos com Fátima. As religiões são janelas para ver o céu. Você pode

Leia mais

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista Uma longa viagem começa com um único passo. - Lao-Tsé Ser Otimista não é uma tarefa fácil hoje em dia, apesar de contarmos hoje

Leia mais

A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula

A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS VANESSA COUTO SILVA A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula SÃO PAULO 2012 Introdução Este trabalho buscará uma problematização

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

2013 Ana Zarco Câmara e Taline Schubach. Editoras Cristina Fernandes Warth Mariana Warth. Coordenação editorial Raphael Vidal

2013 Ana Zarco Câmara e Taline Schubach. Editoras Cristina Fernandes Warth Mariana Warth. Coordenação editorial Raphael Vidal 2013 Ana Zarco Câmara e Taline Schubach Editoras Cristina Fernandes Warth Mariana Warth Coordenação editorial Raphael Vidal Coordenação gráfica Aron Balmas Projeto gráfico e diagramação Rafael Nobre Babilonia

Leia mais

Uma do norte e outra do sul 3. Glória e Lúcia moram em partes diferentes da cidade. Depois de ouvi-las, complete as lacunas.

Uma do norte e outra do sul 3. Glória e Lúcia moram em partes diferentes da cidade. Depois de ouvi-las, complete as lacunas. Rio, de norte a sul Aproximando o foco: atividades Moradores da Zona Norte e da Zona Sul O din-dim 1. Ouça Kedma e complete as lacunas: Quem mora na Zona Norte na Zona Sul é quem tem mais. Na Zona Su na

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Oi! Meu nome é David. Atualmente estou em Imperatriz, Maranhão ajudando pessoas como você aprenderem inglês. Já faz

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

Relatório de Grupo. 1º Semestre/2015

Relatório de Grupo. 1º Semestre/2015 Relatório de Grupo 1º Semestre/2015 Turma: Maternal B Professora: Larissa Galvão de Lima Professora auxiliar: Giseli Jancoski Floriano Coordenação: Lucy Ramos Torres Professora: Eleonora Dantas Brum Professora

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Karen Mudarak Braga. 6º ano. Escola Municipal Francisco Paes de Carvalho Filho

Roteiro para curta-metragem. Karen Mudarak Braga. 6º ano. Escola Municipal Francisco Paes de Carvalho Filho Roteiro para curta-metragem Karen Mudarak Braga 6º ano Escola Municipal Francisco Paes de Carvalho Filho O GAROTO PERFEITO SINOPSE Bianca se apaixona pelo aluno novo, em seu primeiro dia de aula, sem saber

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail.

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail. A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO Igor Luiz Medeiros 2 igorluiz.m@hotmail.com Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Artes, Filosofia

Leia mais

PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br. Resumo. Introdução. Objetivos

PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br. Resumo. Introdução. Objetivos PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br Resumo O presente projeto O ar existe? foi desenvolvido no CEMEI Juliana Maria Ciarrochi Peres da cidade de São Carlos com alunos da fase

Leia mais

Fuga. v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile

Fuga. v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile Fuga v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile laurabarile@gmail.com CENA 1 - EXT. RUA - DIA DORA sai do carro, bate a porta. Usa um vestido sem mangas, de algodão, comprido e leve, o cabelo levemente desarrumado,

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

CD EU QUERO DEUS. 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) 02- SIM, SIM, NÃO, NÃO (Irmã Carol)

CD EU QUERO DEUS. 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) 02- SIM, SIM, NÃO, NÃO (Irmã Carol) CD EU QUERO DEUS 01- EU QUERO DEUS (Irmã Carol) EU QUERO DEUS \ EU QUERO DEUS SEM DEUS EU NÃO SOU NADA EU QUERO DEUS Deus sem mim é Deus \ Sem Deus eu nada sou Eu não posso viver sem Deus \ Viver longe

Leia mais

HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES

HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES Vinícius Lopes Torres 1 Resumo: A homossexualidade é um tema que ganha cada vez mais

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Versículo para memorizar: Deus ama quem dá com alegria (2 Coríntios 9:7)

Versículo para memorizar: Deus ama quem dá com alegria (2 Coríntios 9:7) A ALEGRIA DE OFERTAR A lição a seguir é relato de um fato ocorrido durante a Campanha de Missões de Setembro /2001. O objetivo principal é desenvolver nas crianças o amor pela contribuição na obra missionária.

Leia mais

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons.

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons. Olá, você esta acessando um dos materiais vencedores no concurso InternÉtica 2011, realizado pela SaferNet Brasil e o Instituto Childhood Brasil. Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

O USO DE RECURSOS DIDÁTICOS COMO AUXÍLIO NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639 NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O USO DE RECURSOS DIDÁTICOS COMO AUXÍLIO NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639 NA EDUCAÇÃO INFANTIL O USO DE RECURSOS DIDÁTICOS COMO AUXÍLIO NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639 NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniela Coutinho Barreto (1); Bianca da Silva Brandão (1); Graduanda do curso de Licenciatura em Pedagogia pela

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

Por Carol Alvarenga, em 17 de junho de 2014, 15h Esquemaria.com.br

Por Carol Alvarenga, em 17 de junho de 2014, 15h Esquemaria.com.br Esquemaria.com.br / Dicas de estudos / 4 mitos sobre estudos: saiba mais como evitar estes erros Talvez você conheça estes mitos sobre estudos, mas você sabe a verdade por trás deles? Hoje eu trago um

Leia mais

FEED FORWARD #31 SETEMBRO 2014. Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade

FEED FORWARD #31 SETEMBRO 2014. Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade WWW.MINDCOACH.PT FEED FORWARD Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade #31 SETEMBRO 2014 Alexandra Lemos Executive Coach International Coach Trainer da ICC para Portugal MAFALDA FERREIRA TERAPEUTA

Leia mais

Cada pessoa tem a sua história

Cada pessoa tem a sua história 1 Cada pessoa tem a sua história Nina menina [...] Um dia desses, eu passei toda a tarde de um domingo assistindo às fitas de vídeo das minhas festinhas de aniversário de 2, de 3 e de 4 anos. O programa

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Entrevistado: Data da Entrevista: Entrevista: 1- Como você percebe o processo de criação de marcas?

Entrevistado: Data da Entrevista: Entrevista: 1- Como você percebe o processo de criação de marcas? Entrevistado: Guto Lacaz Data da Entrevista: 19 de Julho de 2011 Entrevista: Pessoalmente Formado em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura de São José dos Campos, faculdade onde também realizou cursos

Leia mais

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA 1 Especial Formação de Professor Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro apresenta os princípios da Declaração Universal dos Direitos da Criança.

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1 Direitos Reservados - Pg 1 Aviso aos que se acham malandros, ou que querem ser processados ou parar na cadeia. Este livro é registrado com todos os direitos reservados pela Biblioteca Nacional. A cópia,

Leia mais

ESCOLA COMO ESPAÇO DE GARANTIA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS

ESCOLA COMO ESPAÇO DE GARANTIA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS ESCOLA COMO ESPAÇO DE GARANTIA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS Verlani Catarina da Silva 1 ; Thales Valença Ferreira Castro 2 A escola como um espaço tão múltiplo de ideias, classes sociais e diversidades culturais

Leia mais

O USO DO BLOG NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA

O USO DO BLOG NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA 40 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 O USO DO BLOG NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA Viviane M. Machado Michaloski1 Para começo de conversa As tecnologias exercem grande

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

APRENDENDO A INCLUIR NO COTIDIANO ESCOLAR

APRENDENDO A INCLUIR NO COTIDIANO ESCOLAR APRENDENDO A INCLUIR NO COTIDIANO ESCOLAR ANGELA MARIA PARREIRAS RAMOS angelaramos7@gmail.com RESUMO O trabalho aqui apresentado é um relato de experiência do trabalho de um ano letivo com dois alunos

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012.

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. MALDITO de Kelly Furlanetto Soares Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. 1 Em uma praça ao lado de uma universidade está sentado um pai a

Leia mais

PALESTRA DE LUCIANA FERRAZ - O PODER DA CONCENTRAÇÃO. OBK em São Paulo/SP. Julho de 2010

PALESTRA DE LUCIANA FERRAZ - O PODER DA CONCENTRAÇÃO. OBK em São Paulo/SP. Julho de 2010 PALESTRA DE LUCIANA FERRAZ - O PODER DA CONCENTRAÇÃO OBK em São Paulo/SP Julho de 2010 Concentração... o que significa concentração? Basicamente: ter um foco. Ou, em outras palavras, é o poder da concentração.

Leia mais

Conte-me sobre você!

Conte-me sobre você! Reunião Cultural Data: 22/09/2006 Petiana: Monique Koerich Simas Conte-me sobre você! Ao chegar em algum lugar onde não conhecemos ninguém, nos sentimos solitários. Chegar, por exemplo, numa festa, num

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO A Prima do Coelho. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Os brinquedos ouvem batidos na porta: é

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES PRÉ-ESCOLA II

CADERNO DE ATIVIDADES PRÉ-ESCOLA II FotoHelio Melo FotoHelio Melo EM JI ANÍBAL MACHADO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Educação Subsecretaria de Ensino Coordenadoria de Educação Gerência de Educação Infantil

Leia mais

6 Dinâmicas de Grupo para o Dia das Mães

6 Dinâmicas de Grupo para o Dia das Mães Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicasdiadasmaes 6 Dinâmicas de Grupo para o Dia das Mães Apresentamos uma seleção com 6 dinâmicas de grupo para o Dia das Mães, são atividades que podem

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

De Educador para Educador COLETÂNEA DE MATERIAL PARA EDUCAÇÃO ESPÍRITA JUVENIL SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 APRESENTAÇÃO... 4. O Bem... 5 Atividade...

De Educador para Educador COLETÂNEA DE MATERIAL PARA EDUCAÇÃO ESPÍRITA JUVENIL SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 APRESENTAÇÃO... 4. O Bem... 5 Atividade... SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 APRESENTAÇÃO... 4 O Bem... 5 Atividade... 6 Como viver?... 7 Atividade... 8 Novas lições... 9 Atividade... 10 Onde está meu problema?... 11 Atividade... 12 O que fazer para ser

Leia mais

MATHEUS DUARTE. A beleza está nos olhos de quem vê

MATHEUS DUARTE. A beleza está nos olhos de quem vê MATHEUS DUARTE A beleza está nos olhos de quem vê Um simples gesto, um simples olhar, um abraço, uma brincadeira, dependendo dos olhos de quem vê pode significar uma coisa simples, mas em outros olhos

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. O PORCO-ESPINHO

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. O PORCO-ESPINHO ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 6º Ano 3º/4º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Monique Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Redação Resultado

Leia mais

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas A atratividade da Carreira Docente no Brasil Fundação Carlos Chagas Questões de pesquisa Quais são os fatores relacionados à atratividade das carreiras profissionais? E especificamente da carreira docente?

Leia mais

Este template é muito diferente e muito, mas muito especial!

Este template é muito diferente e muito, mas muito especial! Esta é nossa última sequência! Este template é muito diferente e muito, mas muito especial! Quero que você olhe para ele com olhos de águia e reflita, e muito, se ele realmente serve para o seu produto

Leia mais

Aprendendo através de uma experiência que não foi como o que se esperava.

Aprendendo através de uma experiência que não foi como o que se esperava. Aprendendo através de uma experiência que não foi como o que se esperava. Laila Cristina Cezar Rezende (UFRJ / FE) Eixo Temático: A idéia parecia boa, mas não deu muito certo. Da próxima vez... Resumo

Leia mais

ACERTOS E DESAFIOS DA UTILIZAÇÃO DA MÚSICA NO ENSINO DE HISTÓRIA

ACERTOS E DESAFIOS DA UTILIZAÇÃO DA MÚSICA NO ENSINO DE HISTÓRIA ACERTOS E DESAFIOS DA UTILIZAÇÃO DA MÚSICA NO ENSINO DE HISTÓRIA Wescley de França Rodrigues 1 Esse trabalho de análise e coleta de dados sobre a aplicação do Projeto A utilização da música no Ensino de

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Igreja Amiga da criança. Para pastores

Igreja Amiga da criança. Para pastores Igreja Amiga da criança Para pastores Teste "Igreja Amiga da Criança" O povo também estava trazendo criancinhas para que Jesus tocasse nelas. Ao verem isso, os discípulos repreendiam aqueles que as tinham

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais