SEGURANÇA NO TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS: FIM DOS ANOS DOURADOS?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURANÇA NO TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS: FIM DOS ANOS DOURADOS?"

Transcrição

1 SEGURANÇA NO TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS: FIM DOS ANOS DOURADOS? A aviação em países do Primeiro Mundo tornou-se tão segura que um passageiro que voasse em um vôo doméstico diariamente levaria em média anos para morrer em um acidente aéreo. No entanto, alguns tipos de acidentes que praticamente não ocorreram na década de 1990 podem voltar a acontecer. Dentre os principais motivos para acidentes, podem ser citados o terrorismo, colisões em pleno ar e colisões em terra. Neste trabalho, analisamos dados recentes sobre o risco de mortalidade em viagens aéreas e discutimos algumas perspectivas para o futuro. Arnold Barnett Massachusetts Institute of Technology Cambridge, Massachusetts, USA (palavras-chave: transporte aéreo; sistemas de segurança; estatísticas de risco) Blackett Memorial Lecture, ano 2000 (Royal Aeronautical Society, 27 de Novembro de 2000) SEGURANÇA NO TRANSPORTE AÉREO DE PASSAGEIROS: FIM DOS ANOS DOURADOS? O título deste trabalho é adequado somente se forem consideras três premissas básicas. A primeira delas é que nós ainda estamos vivenciando os anos dourados na segurança da aviação, e manter as taxas de risco de acidentes nos níveis atuais já poderia ser considerado como uma perspectiva atrativa. A segunda premissa é que existem sérias razões para temer que as viagens aéreas serão menos seguras nos próximos anos do que as viagens feitas nos anos anteriores. Mas a terceira premissa, acompanhada por uma sólida marca de interrogação, é que podemos esperar que a segurança das viagens aéreas não diminua apesar da existência de potenciais fatores que ameaçam a segurança dos vôos. Nas páginas seguintes, serão discutidos alguns argumentos que suportam as três premissas mencionadas. Tais argumentos baseiam-se em evidências empíricas, acompanhadas de um certo grau de análise e interpretação dos dados disponíveis. Dessa forma, o leitor poderá considerar que alguns argumentos são mais convincentes do que outros, podendo eventualmente chegar a diferentes conclusões daquelas obtidas pelo autor deste trabalho. No próximo item discutimos a respeito de maneiras para se medir a segurança na aviação. Em seguida, fazemos alguns cálculos a respeito dos níveis de segurança nos vôos. Identi- 1

2 ficamos assim as três potenciais causas de acidentes aéreos nos países do Primeiro Mundo durante a década de 1990, e que ainda podem vir a causar mais fatalidades nos anos que virão. Em seguida, sem contrariar esta última afirmação, apresentamos alguns aspectos que devem ser levados em conta para que o cenário futuro não seja considerado tão pessimista. Finalmente, concluímos com alguns questionamentos sobre o que podemos esperar do futuro da segurança no transporte aéreo. Formas de medir a segurança dos vôos A segurança do passageiro do transporte aéreo está diretamente relacionada à sua preocupação em morrer em um acidente em qualquer etapa do vôo. Baseado nessa suposição, é importante obter informações que permitam estimar a probabilidade da ocorrência de acidentes no transporte aéreo. No entanto, muitas das estatísticas sobre segurança no transporte aéreo de passageiros tomam como base relações não muito claras a respeito do risco de mortalidade por vôo. Para ilustrar a questão, são consideradas aqui duas dessas estatísticas, sendo que outras delas são consideradas em maior detalhe por Barnett e Wang 1. Número de Acidentes Fatais por Horas de Vôo Esta estatística é uma das adotadas pelo Comitê Norte-Americano de Segurança nos Transportes para estimar o padrão de segurança no transporte aéreo de passageiros. Em 1997, essa a- gência divulgou que entre 1993 e 1996 ocorreram 0,2 acidentes fatais a cada horas de vôos domésticos, ou seja, metade da taxa observada num período de mesma duração, porém 10 anos antes. Tal estatística, infelizmente, apresenta dois problemas: seu numerador e seu denominador. O termo genérico acidentes fatais inclui todos os acidentes que causam no mínimo uma morte, de forma que não existe distinção entre um acidente em que somente 1 passageiro entre 250 morre, ou outro acidente que todos os 250 passageiros morrem. Esta estatística não é útil para adoção de novas medidas de segurança (por exemplo, uso de materiais com menor poder de combustão) que visem a redução do número de fatalidades em um acidente. Além do mais, estatísticas baseadas no número de horas de vôo (ou seja, milhas voadas) são questionáveis porque a maioria dos acidentes com aeronaves ocorrem durante os processos de decolagem e aterrissagem. Se a quantidade de horas de vôo mudar de um período para outro, as taxas de acidente podem ser menores ou maiores por motivos que não apresentam qualquer relação com a segurança. Danos à Fuselagem para cada Decolagens Esta medida da segurança nos vôos é uma das mais utilizadas pelas fabricantes de aeronaves, entre elas a Boeing. Ela define como acidente grave aquele em que a aeronave é suficientemente danificada de forma que não possa voar novamente. Em outras palavras, o acidente grave refere-se a danos à fuselagem do avião. Utilizando as decolagens como denominador para cál- 2

3 culo da estatística, a taxa obtida reflete a probabilidade de que um vôo programado termine com a inutilização da aeronave. Esta estatística, no entanto, não fornece qualquer indicativo da gravidade do acidente. Não existe uma relação muita bem definida entre os danos causados à aeronave e os danos causados aos passageiros. Existem eventos, tais como turbulências, que causam mortes de passageiros sem causar qualquer tipo de dano à estrutura da aeronave. Os exemplos mostrados a seguir ilustram a grande variabilidade no número de mortes resultantes de acidentes que o- correram nas imediações de Los Angeles, em 2000, em que houve danos à fuselagem das aeronaves: Southwest Airlines, Boeing 737, Burbank, California Passageiros que embarcaram: 137 Passageiros mortos: 0 Alaska Airlines, MD-80, procedente de Malibu, California Passageiros que embarcaram: 83 Passageiros mortos: 83 Existem ainda situações em que um avião aterrissa com danos substanciais à fuselagem, mas nenhum passageiro morre em função da eficiência dos procedimentos de evacuação dos passageiros antes que a aeronave seja incendiada. O fato de haver salvamento ou não dos passageiros é irrelevante para a estimativa da taxa de perdas de fuselagem, o que nos permite questionar a representatividade desta estatística na avaliação do risco em viagens aéreas. Risco de Morte por Vôo Análises como as apresentadas nos itens anteriores produzem a seguinte conclusão: uma estimativa mais correta da taxa de risco de morte em vôos seria obtida diretamente a partir do número de mortos em vôos, e não a partir de estimativas indiretas como as mencionadas. Uma estatística só pode ser considerada útil se um número suficientemente grande de vôos passados (por exemplo, vôos domésticos entre Estados Unidos e Inglaterra entre 1990 e 1999) forem considerados. Dessa forma, a seguinte questão pode ser formulada: se um passageiro escolhesse um desses vôos de maneira completamente aleatória, qual seria a probabilidade Q desse passageiro envolver-se em um acidente e vir a falecer? (nesse caso, consideramos vôo como sendo uma viagem aérea, sem quaisquer escalas, entre dois pontos). Assim, Q é o produto da probabilidade de que o vôo escolhido cause uma ou mais mortes de passageiros e da probabilidade condicional de que o passageiro em questão esteja entre as vítimas, considerando que existam mortes. Se os vôos forem numerados de 1 até N, então Q é determinado da seguinte forma Q = Σx i /N (1) sendo considerada a soma de todas as x i porcentagens de passageiros mortos em cada um dos N vôos considerados na análise. Para a maioria dos vôos, x i = 0; para um vôo em que, por e- 3

4 xemplo, 20% dos passageiros são mortos, x i = 0,2. A estatística Q, considerada como a taxa de risco por vôo, apresenta uma série de propriedades interessantes. Ela pondera cada acidente pela proporção de passageiros mortos, o que é mais informativo do que simplesmente perguntar se algum passageiro morreu ou a aeronave foi danificada gravemente. Por basear-se completamente em evidências empíricas, ignorando portanto a extensão ou duração do vôo, esta estatística não mascara os resultados, além do que é fácil de entender e calcular (os leitores interessados em uma discussão mais detalhada sobre essa estatística, devem consultar Barnett e Higgins 2 ). Sendo assim, utilizaremos a estatística Q no decorrer deste artigo. Vôos Domésticos em Países do Primeiro Mundo Embora este número possa causar surpresa ao leitor, cerca de 2/3 dos vôos domésticos no mundo são realizados em países do primeiro mundo. São considerados como países do primeiro mundo aqueles desenvolvidos em termos econômicos, tecnológicos e politicamente democráticos, tais como África do Sul, Alemanha, Austrália, Áustria, Canadá, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Inglaterra, Islândia, Israel, Itália, Japão, Luxemburgo, Noruega, Nova Zelândia, Portugal, Suécia e Suíça. Portanto, vamos definir a estatística Q inicialmente para vôos domésticos realizados entre países do primeiro mundo, baseando-se para isso nos vôos realizados na década de Nesse período, foram realizados aproximadamente 75 milhões de vôos, sendo que a soma dos percentuais de fatalidades para todos os vôos (ou seja, Σx i ) foi igual 5,78. Utilizando a equação (1), determinamos uma taxa de risco aproximada de 1 morte a cada 13 milhões de vôos realizados. Uma morte a cada 13 milhões de vôos é claramente uma taxa muito baixa, mas o quanto pequena ela realmente é? Para se ter uma dimensão mais exata dessa taxa, imagine que se um passageiro realizar um vôo por dia, ele poderia em média viajar por quase anos até que viesse a falecer em um acidente aéreo, considerando a taxa de risco mencionada. Ou seja, é dez vezes mais provável uma criança que faz uso de um vôo doméstico ganhar uma medalha nos Jogos Olímpicos do que não completar sua viagem. Outro exemplo: a chance de ganhar na Megabucks, a loteria de Massachusetts, é de 1 em 5,2 milhões. Assim, um apostador de Massachusetts tem 2,5 vezes mais chance de ganhar na loteria do que vir a falecer numa viagem aérea. Um nível mínimo de risco bem abaixo das estatísticas observadas antes da década de 1990 (tais como as fornecidas em Oster, Strong, and Zorn 3, pág. 8, ou em Barnett e Higgins 2 ) poderia seguramente caracterizar a década de 1990 como os anos dourados para a segurança no transporte aéreo de passageiros. Além do mais, esta taxa é tão baixa a ponto de ser inviável em termos práticos preocupar-se em diminuir ainda mais seu valor. Quando comemos um bolinho de milho, nunca questionamos a possibilidade dele estar envenenado ou não. Da mesma forma, quando vamos a uma loja, não nos preocupamos com a remota possibilidade do teto do estabelecimento vir a cair em nossas cabeças. Portanto, poderíamos considerar que a segurança no transporte aéreo de passageiros é um problema devidamente solucionado, a tal 4

5 ponto que qualquer pessoa que pensar o contrário deva ser considerada como tendo um distúrbio psicológico? A resposta para tal pergunta é, obviamente, não, conforme discussão nos próximos itens do trabalho. VÔOS DOMÉSTICOS EM TODO O MUNDO Existe um sério problema em considerar que o transporte aéreo de passageiros é efetivamente seguro. A Tabela 1 mostra um aspecto alarmante: o mesmo nível de segurança nos vôos domésticos em países do primeiro mundo não é observado em outros tipos de vôo. O risco de mortalidade, quando comparada à taxa de risco em vôos domésticos em países desenvolvidos, é duas vezes maior em vôos internacionais entre países do primeiro mundo e vinte vezes maior em vôos entre países do primeiro mundo e países em desenvolvimento ou em vôos entre dois países em desenvolvimento. Da mesma forma que não é possível medir a eficiência do ensino de uma escola tomando como base apenas os melhores alunos, não podemos simplesmente ignorar os dados mostrados a partir da segunda linha da Tabela 1. Tabela 1: Risco de mortalidade de passageiros de diferentes tipos de vôos na década de 1990 Tipo de Vôo Taxa de Risco de Morte Doméstico (países do primeiro mundo) 1 em 13 milhões Internacional (entre países do primeiro mundo) 1 em 6 milhões Internacional (entre um país do primeiro mundo 1 em e um país em desenvolvimento) Em países em desenvolvimento 1 em Observações: Os países considerados como pertencendo ao primeiro mundo foram mencionados no texto. A taxa de risco de mortalidade reflete a probabilidade de falecer em um vôo (sem escalas) escolhido de forma aleatória durante o período entre 1990 e O denominador da taxa de risco foi arredondado para o meio milhão mais próximo do resultado exato obtido. A diferença entra as taxas de risco de mortalidade entre vôos domésticos e internacionais em países do primeiro mundo não é significante do ponto de vista estatístico. Se o número de acidentes fatais por milhões de vôos realizados aumentar segundo uma distribuição de Poisson, a diferença entre as mortes em cada tipo de vôo pode ser atribuída às e- ventuais flutuações no número de acidentes em torno de um valor médio. No entanto, o fato de que eventuais diferenças possam ser atribuídas à própria aleatoriedade do sistema não significa com certeza que isso seja a causa exata e única das diferenças. Além do mais, nada garante que as taxas de risco para os vôos domésticos em países do primeiro mundo sejam mantidas, em função de alguns fatores potenciais de ameaças, tais como sabotagem e possibilidade de colisões entre aviões em pleno ar. Ameaças Potenciais à Segurança dos Vôos Sabotagem Na década de 1990, os atos criminosos e terroristas contra os passageiros do transporte aéreo praticamente desapareceram dos céus, com exceção de um único caso isolado (veja a Tabela 5

6 2), em que 3 dos 267 passageiros morreram durante uma tentativa de sequestro de um avião na Argélia. O resultado é ainda mais notável quando comparado às estatísticas referentes ao período anterior à década de Em 1987, um funcionário insatisfeito de uma companhia aérea causou uma colisão de uma aeronave nos Estados Unidos após matar o piloto e o co-piloto; em 1988, o avião que realizava o vôo no 103 da PanAM explodiu sobre a cidade de Lockerbie, na Escócia; em 1989, uma bomba destruiu um DC-10 francês durante um vôo sobre a África. Em todos os casos, nenhum dos passageiros sobreviveu aos acidentes. Tabela 2: Risco de mortalidade de passageiros em função de atos criminosos ou terroristas em vôos em países do primeiro mundo, entre 1990 e 1999 Tipo de Vôo Taxa de Risco de Morte Estados Unidos Doméstico 0 Internacional 0 Países do primeiro mundo (exceto Estados Unidos) Doméstico 0 Internacional 1 em 2 bilhões Há duas possíveis explicações para os resultados da Tabela 2. Talvez o desejo de ameaçar os viajantes de paises do primeiro-mundo tenha efetivamente diminuído nos últimos anos. Outra explicação mais provável que a primeira é que a melhoria nas medidas de segurança pode ter desestimulado alguns ataques potenciais e anulado completamente outros. O segundo motivo é, sem dúvida, o mais reconfortante, indicando que estaríamos bem protegidos de quaisquer novas tentativas de atentados contra aeronaves. Infelizmente, não existem motivos suficientes para considerar que os sistemas de segurança adotados nos vôos de países do primeiro mundo são completamente infalíveis. O grau de sofisticação dos equipamentos e procedimentos empregados não deixa de ser impressionante, mas eventualmente existem diferenças entre aquilo que é previsto teoricamente e o que efetivamente acontece na prática. Para saber que as medidas atuais não são suficientes para prever todos os tipos de ataques terroristas, basta ler um jornal 4,5,6. Além disso, um terrorista nem precisa ler os jornais, pois uma quantidade surpreendente de informações detalhadas está disponível na Internet. Analisando de uma forma mais abrangente, a década de 1990 não indica uma redução de fato dos índices de ameaça contra civis inocentes. Na verdade, o terrorismo cresceu em algumas regiões de países do primeiro mundo, especialmente naquelas não acostumadas a lidar com isso. Nos Estados Unidos, explosões de bombas em um edifício da cidade de Oklahoma e o ataque às torres do World Trade Center em Nova Iorque causaram diversas mortes. No Japão, um gás tóxico foi espalhado numa estação do metrô de Tóquio. Esta década também presenciou um terrível plano de ataque contra a aviação civil. Em 1996, uma pessoa foi acusada em Nova Iorque de planejar o ataque a doze aeronaves americanas voltando de países da Ásia (como parte do esquema, os terroristas conseguiram explodir uma pequena bomba em um Boeing 747 nas Filipinas). Um perito em ataques terroristas afirmou, de uma forma um pouco 6

7 mais otimista, que dificilmente esse plano produziria como resultado a queda de doze aviões, mas sim de no máximo quatro ou cinco. A suposição de que os dados da Tabela 2 não constituam um indício suficiente de que estamos seguros contra atividades terroristas foi sugerida no Iêmen, em outubro de 2000, quando terroristas colocaram uma bomba no navio USS Cole. Um dia depois, uma nota divulgada em Londres 7 informou que o medo de ataques terroristas depois da explosão de violência no Oriente Médio repercutiu de forma significativa nas linhas aéreas de todo o mundo. Um analista declarou que, no momento, os aviões não são o alvo principal dos ataques, mas que poderiam ser. Outro analista afirmou que é completamente plausível esperar que, após os recentes ataques terroristas, alguém possa fazer o mesmo contra uma aeronave. Um aspecto que pode tornar as linhas aéreas como alvos tentadores é o fato de que existe a efetiva possibilidade de matar todos os passageiros causando um acidente com a aeronave. Esse aspecto contrasta com os atentados realizados no metrô de Tóquio e com o ataque ao World Trade Center, nos quais o objetivo seria matar centenas ou milhares de pessoas, mas o número efetivo de mortes foi muito menor, ou seja, doze e seis, respectivamente. Colisões na Pista de Pousos e Decolagens Somente duas colisões na pista de pousos e decolagens foram observadas na década de 1990 nos países desenvolvidos. Ambas aconteceram nos Estados Unidos, causando a morte de 30 passageiros. A Tabela 3 apresenta as taxas de risco de mortalidade baseadas nessas estatísticas. Tabela 3: Risco de mortalidade de passageiros em função de colisões na pista de pousos e decolagens em vôos em países do primeiro mundo, entre 1990 e 1999 Tipo de Vôo Taxa de Risco de Morte Estados Unidos 1 em 100 milhões Doméstico 0 Internacional 0 Países do primeiro mundo (exceto Estados Unidos) Doméstico 0 Internacional 0 Entretanto, o cenário futuro pode ser bem diferente, pelo simples motivo de que o tráfego de aeronaves nos aeroportos vem aumentando. Além do mais, é bem provável que o risco de colisões nas pistas de pousos e decolagens possa aumentar proporcionalmente em função do quadrado do volume de tráfego. Fazendo uma analogia com o tráfego rodoviário, considere um cruzamento semaforizado de uma rua de sentido único de tráfego com uma via de pista dupla com elevado volume de tráfego. Suponha que ocorra um aumento de 20% no volume de tráfego que passa pelo local. Então, o número de infrações cometidas por veículos da via secundária ao cruzar a interseção no sinal vermelho deverá aumentar na mesma proporção. Da mesma maneira, cada infração pode resultar num acidente devido ao conflito com o tráfego da via principal, que também aumentou 20%. Dessa forma, o número provável de acidentes passaria a ser igual a 1,2 1,2 = 1,44 vezes o número atual, indicando um acréscimo de 44%. 7

8 É evidente que argumentos intuitivos como os apresentados podem levar a diferentes interpretações, sendo que diferentes analistas poderiam definir diferentes relações funcionais entre tráfego de aeronaves e taxa de risco de acidentes. Apesar da incerteza, existe uma base sólida para admitir que a taxa de acidentes é função do quadrado do volume de tráfego. Barnett, Paull, e Iadeluca 8 analisaram no ano de 1997 as 292 aterrissagens ou decolagens fora do normal, enfocando principalmente 40 eventos que (i) poderiam resultar em acidentes, segundo um grupo de pilotos e controladores de tráfego aéreo, (ii) e que ocorreram sob condições de visibilidade reduzida (amanhecer ou anoitecer, noite ou neblina). Os pesquisadores investigaram se o número de operações perigosas nos aeroportos dos Estados Unidos era proporcional ao quadrado do volume de tráfego de Ou seja, considerando uma análise per-capita, é certo supor que em aeroportos com operações por ano ocorram quatro vezes mais incidentes potencialmente perigosos do que em aeroportos com operações? A resposta para tal pergunta pode ser sim, pois o modelo quadrático satisfaz todos os testes estatísticos. Por outro lado, modelos que consideram que a taxa de risco de acidentes varia linearmente ou mesmo de acordo com o cubo dos níveis de tráfego aéreo não são adequadas de acordo com os testes estatísticos. Sendo assim, é possível prever a partir do modelo quadrático que um acréscimo de 50% no tráfego aéreo poderia causar um aumento de 125% no risco de acidentes nas pistas dos aeroportos. Levando em conta vários aspectos, Barnett et al. 8 calcularam que o risco de colisão de aeronaves nas pistas de decolagem e aterrissagem nos Estados Unidos pode chegar a 1 colisão a cada 25 milhões de vôos entre 2003 e 2022, quatro vezes o valor da estatística mostrada na Tabela 3. Em função da quantidade cada vez maior de passageiro, a taxa anual de mortes no transporte aéreo pode aumentar de forma significativa, passando de três morte por ano no período de 1990 a 1999 para aproximadamente 30 por ano no período de 2003 a Parece razoável supor esta tendência seja também observada na Europa ocidental, onde aconteceram duas das piores colisões em pistas de pousos e decolagens já registradas na história (Tenerife e Madri). Colisões em Pleno Ar A Tabela 4 apresenta estatísticas sobre o risco de morte de passageiros de vôos em países do primeiro mundo, em decorrência da colisão de duas aeronaves em pleno ar. Tabela 4: Risco de mortalidade de passageiros em função de colisões em pleno ar em vôos em países do primeiro mundo, entre 1990 e 1999 Tipo de Vôo Taxa de Risco de Morte Estados Unidos 0 Doméstico 0 Internacional 0 Países do primeiro mundo (exceto Estados Unidos) Doméstico 0 Internacional 0 8

9 A Tabela 4 fala para si própria, ou seja, nenhuma colisão aérea foi observada em aproximadamente 100 milhões de vôos. Este tipo de acidente seria assim um bom exemplo de problemas de aviação que foram plenamente solucionados. Mas o perigo não está extinto, porque o controle de tráfego aéreo não é um sistema estático, imutável. Na Europa ocidental, por exemplo, existe uma forte pressão para substituir os atuais sistemas nacionais de controle de tráfego por um sistema centralizado. Nos Estados U- nidos, o sistema utilizado no qual os vôos são delimitados a uma rede de rotas pré-definidas pode ser revisto e modificado de forma a adotar vôos livres, num esquema que permitiria que os aviões voassem em linhas retas entre a origem e o destino do vôo, mas sem rotas prédefinidas como no sistema tradicional. A distância voada e o tempo de viagem no esquema de vôo livre seriam menores, reduzindo assim o consumo de combustível e garantindo a economia anual de bilhões de dólares. Tais mudanças representam desafios para manutenção dos níveis atuais de segurança. A fusão de diferentes sistemas de controle de tráfego aéreo em um único sistema não é um processo trivial, podendo gerar dúvidas em relação aos novos procedimentos empregados ou mesmo eventuais falhas no início da operação do novo sistema, que certamente aumentariam o risco de acidentes. A mudança seria ainda mais dramática em relação aos vôos livres, pois a alteração nos padrões convencionais de vôo poderia reduzir o senso de localização dos controladores de tráfego aéreo. Assim, os pontos representando aviões em um painel de controle de tráfego, que no sistema tradicional apresentam-se alinhados uns em relação aos outros, passariam a apresentar um padrão caótico, muito mais parecido com moléculas de gás espalhadas no ar. Dessa maneira, todo o sistema de controle de tráfego teria que ser muito mais dependente de programas computacionais e equipamentos sofisticados, pois seria muito mais difícil ou mesmo impossível para um controlador de tráfego aéreo identificar com antecedência suficiente os potenciais situações de risco de colisões aéreas, bem como adotar medidas necessárias para evitar que a situação se torne crítica. Portanto, é de se esperar que quaisquer mudanças significativas nos atuais procedimentos operacionais de controle do tráfego aéreo resultem num aumento na taxa de risco de colisões aéreas, até porque os dados da Tabela 4 indicam que não há nenhum risco de colisões aéreas para ser reduzido. Ou seja, os níveis de segurança no futuro podem somente continuar como atualmente ou piorar. Essa expectativa vai de encontro a uma das noções básicas da sociologia industrial, que é a curva de aprendizado. Esta curva representa as dificuldades relacionadas a problemas não previstos e erros cometidos devido à implantação de novos procedimentos operacionais, que tendem a desaparecer ou ser minimizados quando os procedimentos foram completamente assimilados pelos funcionários da indústria. Por Outro Lado Analisamos três possíveis fatores de ameaça à segurança no transporte aéreo em países do primeiro mundo, que foram responsáveis pelo reduzido número de acidentes ocorridos no transporte aéreo entre 1990 e Para dois desses fatores, ou seja, sabotagem e colisões em 9

10 pleno ar, existe uma grande chance de que os riscos de acidentes aéreos aumentem nos próximos anos. Para o terceiro fator, ou seja, colisões em pistas de pouso ou decolagem, também existem motivos para acreditar que o risco deste tipo de acidente possa aumentar no futuro. Os níveis atuais de segurança aérea existentes em países do primeiro mundo ainda não são adotados por completo em outros países, além do que existem outras fontes de risco ainda não identificadas (antes de Agosto de 2000, quem imaginaria que o estouro do pneu de um avião pudesse causar sozinho a explosão de um Concorde SST?) Considerando todos os argumentos apresentados, não se pode dizer que a segurança na aviação seja uma questão totalmente resolvida, e que não há necessidade de se preocupar com ela. Apesar disso, a análise feita aqui ignora uma tendência já consolidada da história da a- viação, ou seja, que de tempos em tempos, as ameaças aos vôos aéreos foram controladas ou eliminadas por completo em função da adoção de avanços tecnológicos, treinamento e novos procedimentos operacionais. Se fosse de outra forma, como as estatísticas de segurança nos vôos de países do primeiro mundo poderiam indicar taxas tão pequenas ou mesmo nulas de acidentes, algo próximo da perfeição? Quinze anos atrás, por exemplo, havia grande preocupação sobre correntes de ar decorrentes de tempestades, que causaram em uma década cinco desastres em vôos realizados nos Estados Unidos. Uma série de medidas adotadas desde então reduziu de maneira significativa o perigo, embora ainda hoje alguns aviões realizem manobras de fuga ao primeiro sinal de ventos muito fortes. Até mesmo para os fatores aqui analisados, existe solução à vista. Nos Estados Unidos, o Comitê Nacional de Segurança dos Transportes a Administração Federal de Aviação identificaram as colisões nas pistas de pouso e decolagens como a principal ameaça para aviação norte-americana. Por conseguinte, organizações públicas e privadas estão buscando de forma intensiva o desenvolvimento de inovações tecnológicas que poderiam evitar tais tipos de acidente nos aeroportos. Considerando como verdadeira a premissa que metade da solução de um problema consiste em identificar sua existência, então o problema das colisões nas pistas de pousos e decolagens poderia ser considerado no mínimo 50% solucionado. Igualmente, existe a preocupação de que a adoção de um sistema de vôos livres possa dificultar seriamente o trabalho dos controladores de tráfego aéreo. No entanto, as rotas num sistema de vôo livre também seriam definidas de forma a reduzir o risco de colisões em pleno ar 9. Tome como exemplo a Figura 1, que representa dois aviões, um deles voando de A para B e outro de C para D. Considerando somente as rotas indicadas por uma única linha cheia, o primeiro avião poderia utilizar a rota A-E-F-B e o segundo avião a rota C-E-F-D, entrando em possível conflito no segmento E-F. Se, por outro lado, cada um deles pudesse voar diretamente de suas origens para seus destinos, não haveria qualquer possibilidade de que os aviões se aproximassem demasiadamente um do outro. De qualquer forma, nossa análise de risco não pode ser considerada completa, pois foram mencionados somente os principais fatores responsáveis pelas fatalidades que ocorreram na década Não foram abordados os fatores secundários que, embora menos importantes, podem eventualmente contribuir para que mais mortes ocorram nos próximos anos. Mesmo assim, pode ser previsto que melhorias de segurança efetivamente devam ocorrer, apesar de 10

11 alguns retrocessos em setores específicos. A B E F D C Figura 1: Substituição de rotas indiretas (sistema tradicional) por rotas diretas (vôo livre), mantendo uma distância de segurança entre aviões de diferentes rotas. Neste sentido, é interessante mencionar o único desastre num vôo doméstico que aconteceu na Europa ocidental durante a década de A colisão foi resultado, em grande parte, por um erro na interpretação dos valores da taxa de descida do avião, lidos em um dos instrumentos da cabine: o piloto não tinha certeza se estava lendo um ângulo em relação ao horizonte ou a velocidade de descida, em metros por segundo. Atualmente, os usuários do transporte aéreo não precisam se preocupar com esse tipo de confusão, porque os instrumentos das cabines das aeronaves são muito mais simples de entender do que os existentes antes do acidente. Assim, é bem improvável que um erro semelhante volte a acontecer. Apesar de algumas ambigüidades e outras dificuldades que ainda possam existir, existe uma busca intensiva para identificar os problemas antes que eles possam causar algum tipo de acidente. Os dados de todas as rotinas operacionais são coletados, compartilhados e analisados de maneira sistemática, empregando técnicas muito mais sofisticadas que as utilizadas há 10 anos atrás. Quanto maior a possibilidade de identificar as possíveis causas das fatalidades antes que elas ocorram, ao invés de identificá-las somente após o ocorrido, menor será a necessidade de termos que lidar com tragédias dentro do processo identificação e compreensão dos riscos no transporte aéreo. É esperado que, dessa maneira, possamos aprender cada vez menos a partir das fatalidades que porventura ocorram. Considerações Finais Considerando todos os fatores mencionados, a que conclusões podemos chegar? Talvez os mais pessimistas estejam certos, e a maior era em segurança de aviação acabou. No entanto, devemos lembrar que, pelo menos nos países de primeiro mundo, as companhias aéreas, os fabricantes de aeronaves e as agências reguladoras têm demonstrado uma habilidade espantosa para continuar sempre melhorando os aspectos segurança e confiabilidade. Portanto, seria ainda muito precipitado dizer que não será possível lidar de forma adequada com as potenciais fontes de risco de acidentes aéreos. Dessa forma, se os anos dourados da segurança no transporte aéreo acabaram, é porque talvez estejamos a ponto de entrar nos anos de platina. 11

12 Agradecimentos Gostaria de agradecer Mike Pidd pela ajuda, incentivo e, principalmente, pelo convite para ministrar esta palestra. Também agradeço a Sociedade de Pesquisa Operacional, a Academia Real Aeronáutica e a British Airways pelo grande esforço e generosidade em proporcionar esta esplêndida ocasião. Também agradeço John Ranyard por sua leitura cuidadosa deste texto e por suas várias sugestões. Referências (1) Barnett, A. and A. Wang (2000), Passenger-mortality Risk Estimates Provide Perspectives about Airline Safety, Flight Safety Digest, April 2000 (2) Barnett, A. and M.K. Higgins (1989), Airline Safety: The Last Decade, Management Science, November 1989 (3) Oster, C., J. Strong, and C. Zorn (1992), Why Airplanes Crash: Aviation Safety in a Changing World, Oxford University Press (4) Newsweek (1999), The Inside Story of Flight 990, November 21,1999 (reportagem de capa, vários correspondentes) (5) USA TODAY (2000), Security Vows Sputter as Pan Am 103 Memories Fade, May 15, 2000 (6) Scotland on Sunday (2000), Undercover Team Finds Gaping Hole in Airport Security, November 19, 2000 (Peter Laing, correspondente) (7) Reuters Limited (2000), Terrorism Fears Hammer Global Airline Stocks, October 14, 2000 (publicado por Bradley Perrett, correspondente da European Airlines) (8) Barnett, A., G. Paull, and J. Iadeluca (2000), Fatal US Runway Collisions Over the Next Two Decades, Air Traffic Control Quarterly, Volume 8, Number 4 (9) Barnett, A. (2000), Free-Flight and En Route Air Safety: A First-Order Analysis, Operations Research, November-December

O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação

O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação O perigo das cinzas vulcânicas para a aviação No dia 15 de dezembro de 1989, o voo KLM 867, operado por um Boeing 747-406M, o PH-BFC, decolou de Amsterdam com destino ao Aeroporto de Narita, no Japão,

Leia mais

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil A reportagem exibida na semana passada mostrava algumas falhas na comunicação entre o avião monomotor em que estava o nosso repórter

Leia mais

1. Acidentes de trânsito: estatísticas

1. Acidentes de trânsito: estatísticas 1. Acidentes de trânsito: estatísticas Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Mais de 50.000 mortos por ano e de 500.000 feridos. Este é o resultado da violência do trânsito

Leia mais

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção Ênio Viterbo Jr. (Bayer) Coordenador da Comissão de Proteção Empresarial César Garcia (neologos)) Consultor Guias de Proteção da Abiquim Guia de

Leia mais

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança Informativo Boeing Commercial Airplanes P.O. Box 3707 MC 03-XW Seattle, Washington 98124-2207 www.boeing.com Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança A Boeing projeta e fabrica aeronaves

Leia mais

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE 1 FONSECA, Wilber Campos 2 BARCO, Juliana Alexandra P. de C Ms. Humberto César Machado. RESUMO: Com a elevada demanda no tráfego aéreo, o número de incursões

Leia mais

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos São José dos Campos, 7 de novembro de 2008 A Embraer (BOVESPA:

Leia mais

INSTITUTO PROFESSOR KALAZANS DIREITO AERONÁUTICO

INSTITUTO PROFESSOR KALAZANS DIREITO AERONÁUTICO INSTITUTO PROFESSOR KALAZANS Professor KALAZANS DIREITO AERONÁUTICO INDENIZAÇÃO EM CASO DE ACIDENTE AERONÁUTICO: QUEM PAGA A CONTA? Em caso de acidente, controladores, pilotos e demais profissionais da

Leia mais

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral?

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O sistema de envio de relatório semestral tem por finalidade

Leia mais

Como foram as horas finais do voo MH370

Como foram as horas finais do voo MH370 Como foram as horas finais do voo MH370 O mistério em torno do desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines aumentou ainda mais em meio a revelações de que o avião voou por horas depois do último

Leia mais

Tarifas Aeroportuárias e ATAERO. Uma proposta de destinação de parte destes recursos financeiros ao fomento do potencial turístico nacional

Tarifas Aeroportuárias e ATAERO. Uma proposta de destinação de parte destes recursos financeiros ao fomento do potencial turístico nacional Tarifas Aeroportuárias e ATAERO Uma proposta de destinação de parte destes recursos financeiros ao fomento do potencial turístico nacional Tarifas Aeroportuárias - legislação Criação de Tarifas Aeroportuárias

Leia mais

Project Management Institute Building professionalism in project management

Project Management Institute Building professionalism in project management Gestão de Projetos Profa. Tatiana Maia Project Management Institute Building professionalism in project management 1 Normas em Gestão de Projetos 1987 2000 1983 1996 2004 PMBOK O PMBOK é a Biblia da Metodologia

Leia mais

Informações Gerais e orientações sobre ASSISTÊNCIA DE VIAGEM

Informações Gerais e orientações sobre ASSISTÊNCIA DE VIAGEM RECOMENDAÇÕES A BRASILEIROS QUE VIAJAM PARA O EXTERIOR Informações Gerais e orientações sobre ASSISTÊNCIA DE VIAGEM Faça uma viagem SEGURA Entenda o produto Assistência Viagem. Situações inesperadas podem

Leia mais

PROC. N. 1486/04 P.L.L. N. 062/04 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. N. 1486/04 P.L.L. N. 062/04 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Como a simplicidade é a virtude dos sábios e a sabedoria, dos santos, assim a tolerância é sabedoria e virtude para a- queles que todos nós não são nem uma coisa nem outra. Pequena

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Inspeção veicular na Suécia

Inspeção veicular na Suécia Inspeção veicular na Suécia Introdução Existem três componentes básicos em segurança viária: componente humano (percepção, atitudes, treinamento, informação, vigilância, etc.), componente ambiental (sinalização

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL?

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 215 de 1112 - - - - -

Leia mais

CONSCIÊNCIA SITUACIONAL

CONSCIÊNCIA SITUACIONAL GRUPO DE TRANSPORTE ESPECIAL CONSCIÊNCIA SITUACIONAL CONSCIÊNCIA SITUACIONAL Objetivo Reconhecer a importância da manutenção da Consciência Situacional elevada como aspecto básico de CRM entendendo sua

Leia mais

Engenharia de tráfego aéreo

Engenharia de tráfego aéreo Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição enfoca a engenharia por trás de sistemas de controle de tráfego aéreo. Equipes de estudantes exploram os princípios do radar e como são usados equipamentos

Leia mais

Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral

Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral Objetivo da Nossa Aliança: Criar um Programa exclusivamente dedicado à Aviação Geral, em especial aos Proprietários e Pilotos

Leia mais

6 - Gerenciamento de Risco através de Sistema de Controle Integrado

6 - Gerenciamento de Risco através de Sistema de Controle Integrado Segurança na Ferrovia-Roteiro da Apresentação 1 - Estudo de Caso - Metrô de Daegu 2 - Pós-análise 3 - Incidentes de Riscos: Classificação Qualquer um pode ver um incêndio florestal. A habilidade reside

Leia mais

INFORMATIVO VISTOS OBRIGATÓRIOS PARA OS EMIRADOS ÁRABES TEMPORADA 2010/2011

INFORMATIVO VISTOS OBRIGATÓRIOS PARA OS EMIRADOS ÁRABES TEMPORADA 2010/2011 INFORMATIVO VISTOS OBRIGATÓRIOS PARA OS EMIRADOS ÁRABES TEMPORADA 2010/2011 Os Emirados Árabes exigem que um determinado número de nacionalidades devem estar de posse de um visto antes da chegada no país.

Leia mais

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 OBJETIVO Conhecer a evolução do pensamento sobre Gerenciamento

Leia mais

O que é Domain-Driven Design

O que é Domain-Driven Design O que é Domain-Driven Design Desenvolvimento Software é mais freqüentemente aplicado a automatizar processos que existem no mundo real, ou fornecimento de soluções para problemas reais de negócios; Os

Leia mais

Ver e ser visto no trânsito

Ver e ser visto no trânsito matéria de capa Ver e ser visto no trânsito CESVI realizou estudo para apontar as condições em que pedestres, motos e carros são mais bem visualizados à noite Por José Antonio Oka Segurança Viária Ver

Leia mais

Plano de continuidade de negócios

Plano de continuidade de negócios Plano de continuidade de negócios Plano de continuidade de negócios INTRODUÇÃO "O seguro vai cobrir tudo, certo?" Infelizmente, não é bem assim. A NECESSIDADE DE PLANEJAR Crises acontecem. Todos os anos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012. RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012. Dispõe sobre a obrigação dos operadores de aeródromo de informar à ANAC a capacidade operacional. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das

Leia mais

CAP. 3 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÕES DE INCERTEZA

CAP. 3 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÕES DE INCERTEZA CAP. 3 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÕES DE INCERTEZA 1. INTRODUÇÃO No fluxo de caixa esquemático mostrado na Figura 1, como se sabe na data zero, normalmente se tem o investimento necessário para

Leia mais

SEGURANCA AERONAUTICA

SEGURANCA AERONAUTICA SEGURANCA AERONAUTICA Nº 101 2007-10-19 Meu Caro, Hoje vamos abordar um acidente, não com uma personalidade importante da Aviação, mas, sim, com um piloto muito pouco experiente. Para tal, vamo-nos servir,

Leia mais

EDIÇÃO Nº 10 FEVEREIRO 2013 INFORME SERIPA I. Desorientação espacial

EDIÇÃO Nº 10 FEVEREIRO 2013 INFORME SERIPA I. Desorientação espacial EDIÇÃO Nº 10 FEVEREIRO 2013 INFORME SERIPA I Periódico de Prevenção A atitude (posição de voo) de uma aeronave é geralmente determinada pela referência do horizonte natural. Quando este está obscurecido,

Leia mais

O Software ultrapassou o Hardware como chave para o sucesso de muitos sistemas baseados em computador (Pressman)

O Software ultrapassou o Hardware como chave para o sucesso de muitos sistemas baseados em computador (Pressman) O Software ultrapassou o Hardware como chave para o sucesso de muitos sistemas baseados em computador (Pressman) Mas, será que Software é sinônimo de Sucesso?? Crise do Software: Denver International Airport

Leia mais

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família.

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família. CONHEÇA A ADT A empresa que protege seus bens e sua família. NOSSA EMPRESA MAIOR EMPRESA ESPECIALIZADA EM SEGURANÇA E INCÊNDIO A ADT pertence à Tyco, a maior empresa de segurança e incêndio do mundo, com

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento TD-002/09 CÁLCULOS DE NAVEGAÇÃO 2009 Página: 002/017 1 INTRODUÇÃO Este documento tem o objetivo de explanar sobre os cálculos que envolvem o planejamento

Leia mais

787 Panorama do Airplane Health Management. Copyright 2013 Boeing. All rights reserved. 1

787 Panorama do Airplane Health Management. Copyright 2013 Boeing. All rights reserved. 1 787 Panorama do Airplane Health Management 1 Bem-vindo ao Airplane Health Management Definição de Airplane Health Management (AHM) A importância do AHM Recursos oferecidos Operations Control Center O AHM

Leia mais

NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE

NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE FICHA TÉCNICA NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal Tema 1 - Conhecimento de si próprio como Condutor; Tema 2 - Atitudes e Comportamentos

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE PT-EDP EMB 721C DATA 12 MAR 2009 RF A- 017/CENIPA/2009

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO PRÁTICO DE PILOTO PRIVADO - AVIÃO.

REGULAMENTO DO CURSO PRÁTICO DE PILOTO PRIVADO - AVIÃO. ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL DE POUSO ALEGRE EAPA REGULAMENTO DO CURSO PRÁTICO DE PILOTO PRIVADO - AVIÃO. Esta publicação deve ser distribuída aos alunos no ato da inscrição / matrícula e ficará em local de

Leia mais

POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO?

POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO? CONECTANDO O BRASIL CONECTANDO O BRASIL POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO? O Brasil é um país de 8 milhões de quilômetros quadrados de área. Esse imenso território demanda ser integrado por uma

Leia mais

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Diretoria de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais e Eventos Críticos DPIFE Palestrante: JARBAS JORGE DE ALCÂNTARA Téc.

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Segurança Acima de Tudo Ferramentas de Segurança Operacional Histórico

Leia mais

Colisão com aves: Perigos - como Evitar

Colisão com aves: Perigos - como Evitar Colisão com aves: Perigos - como Evitar Apoiado pelo GPIAA - Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Apresentado por: Álvaro Neves Ação de Prevenção no Aeroporto João Paulo II Ponta

Leia mais

PreviNE CONSCIÊNCIA SITUACIONAL E A SEGURANÇA OPERACIONAL. A aeronave da Figura 1 decolou do Aeroporto de Congonhas - SBSP, São Paulo-SP, às

PreviNE CONSCIÊNCIA SITUACIONAL E A SEGURANÇA OPERACIONAL. A aeronave da Figura 1 decolou do Aeroporto de Congonhas - SBSP, São Paulo-SP, às CONSCIÊNCIA SITUACIONAL E A SEGURANÇA OPERACIONAL Figura 1 - Acidente em que a perda da Consciência Situacional foi um dos fatores contribuintes (BRASIL, 2009). A aeronave da Figura 1 decolou do Aeroporto

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

SIMULAÇÃO DE TRÁFEGO DE VEÍCULOS INTELIGENTES PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES

SIMULAÇÃO DE TRÁFEGO DE VEÍCULOS INTELIGENTES PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES SIMULAÇÃO DE TRÁFEGO DE VEÍCULOS INTELIGENTES PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES Leonardo T. Antunes 1, Ricardo R. Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leonardo_tada@hotmail.com, ricardo@unipar.br

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Nº 164 GERENCIAMENTO DO RISCO DA FAUNA NOS AERÓDROMOS PÚBLICOS JUSTIFICATIVA

PROPOSTA DE REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Nº 164 GERENCIAMENTO DO RISCO DA FAUNA NOS AERÓDROMOS PÚBLICOS JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Nº 164 GERENCIAMENTO DO RISCO DA FAUNA NOS AERÓDROMOS PÚBLICOS JUSTIFICATIVA 1. APRESENTAÇÃO A proposta de Regulamento Brasileiro da Aviação Civil nº

Leia mais

Teste de Hipótese para uma Amostra Única

Teste de Hipótese para uma Amostra Única Teste de Hipótese para uma Amostra Única OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM Depois de um cuidadoso estudo deste capítulo, você deve ser capaz de: 1.Estruturar problemas de engenharia de tomada de decisão, como

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. Deputado Celso Russomanno)

REQUERIMENTO. (Do Sr. Deputado Celso Russomanno) REQUERIMENTO (Do Sr. Deputado Celso Russomanno) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, relativo à criação de órgão civil para controle do tráfego aéreo. Senhor Presidente: Nos termos do art. 113,

Leia mais

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR Jorge Jacob Agenda: 1 Sinistralidade Rodoviária um flagelo mundial 2 Organização Mundial MACRO 3 WHO The Decade of Action for Road Safety 4 OCDE/ITF - IRTAD 5 UE/Comissão Europeia 6 Portugal: 6.1 Situação

Leia mais

onde Ia = índice de acidentes = acidentes ocorridos num período duração do período

onde Ia = índice de acidentes = acidentes ocorridos num período duração do período SP 01/93 NT 159/93 Algumas considerações sobre segurança em cruzamentos com e sem semáforos Núcleo de Estudos de Tráfego 1. Introdução Há poucos casos em que uma análise exclusiva de fluidez justifica

Leia mais

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos Gerenciamento da Segurança Operacional GSO Conceitos 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 1 Objetivos Identificar conceitos de gerenciamento

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro O estudo Destaques Os 10 principais emissores 10 Chegadas internacionais Viagens domésticas Cidades sedes Viagens dos brasileiros ao exterior

Leia mais

Táxi Aéreo Dezembro de 2012

Táxi Aéreo Dezembro de 2012 Táxi Aéreo Dezembro de 2012 Os números do taxi aéreo no Brasil 188 empresas atuando em todo Brasil 1237 aviões 325 helicópteros 1.500.000 passageiros transportados por ano 80.000 empregos diretos e indiretos

Leia mais

O acidente aéreo da Germanwings e seus impactos na aviação

O acidente aéreo da Germanwings e seus impactos na aviação Ponto de Vista 28 O acidente aéreo da Germanwings e seus impactos na aviação GUSTAVO MELLO No dia 24 de março de 2015, o voo 9225 da Germanwings decolou do aeroporto El-Prat, em Barcelona, com destino

Leia mais

'(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2.,1752'8d 2

'(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2.,1752'8d 2 0,1,67e5,2'$$(521È87,&$ '(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2 6Ë0%2/2 '$7$ &$7(*25,$ ',675,%8,d 2,$& (;3(',d 2 ()(7,9$d 2 3130-121-1296 12/Dez/96 31/Dez/96 NOSER D - ET - X 7Ë78/2 352&(',0(1726

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

200 4 Anuário Estatístico

200 4 Anuário Estatístico 2004 Anuário Estatístico REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Presidente MINISTÉRIO DO TURISMO WALFRIDO SILVINO DOS MARES GUIA Ministro INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO EMBRATUR EDUARDO

Leia mais

MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016

MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 MANUAL DA AVIAÇÃO Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016 Pela primeira vez, o setor de aviação está lançando todas as diretrizes operacionais com mais de 300 dias de antecedência, o que contribui decisivamente

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Seu guia completo para nossos serviços móveis

Seu guia completo para nossos serviços móveis Seu guia completo para nossos serviços móveis Entre na maior comunidade de serviços móveis das Ilhas do Canal Jersey GRÁTIS www.jtglobal.com Pesquise por Jtsocial A JT oferece mais Custo/benefício A JT

Leia mais

APLICAÇÃO DA LOGÍSTICA NA MELHORIA DO PROCESSO DE EMBARQUE/DESEMBARQUE: UM ESTUDO DE CASO

APLICAÇÃO DA LOGÍSTICA NA MELHORIA DO PROCESSO DE EMBARQUE/DESEMBARQUE: UM ESTUDO DE CASO APLICAÇÃO DA LOGÍSTICA NA MELHORIA DO PROCESSO DE EMBARQUE/DESEMBARQUE: UM ESTUDO DE CASO Florisberto Garcia dos Santos UNIP GO - Av. T-1, 363 Setor Bueno Goiânia GO Daphne Cistine Fernandes UNIP GO Av.

Leia mais

Esclarecimento à Sociedade

Esclarecimento à Sociedade PRESS RELEASE 21 de julho de 2007 Esclarecimento à Sociedade São Paulo, 21 de julho de 2007 Ainda sob o impacto da tragédia ocorrida na última terça-feira (17), a TAM vem a público mais uma vez para prestar

Leia mais

Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL

Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL 2011 Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL ÍNDICE Evolução de TI... 4 Metodologia... 6 Foco... 8 Conclusão 1: As diferenças entre expectativas e realidade revelam a evolução

Leia mais

PERSPECTIVAS DE AMPLIAÇÃO DA MALHA FERROVIÁRIA DO CENTRO-OESTE

PERSPECTIVAS DE AMPLIAÇÃO DA MALHA FERROVIÁRIA DO CENTRO-OESTE PERSPECTIVAS DE AMPLIAÇÃO DA MALHA FERROVIÁRIA DO CENTRO-OESTE . Em 1956, o Governo Juscelino Kubitscheck (1956-1961), tendo em vista a urgência do seu Programa de Metas, solicitou e obteve a aprovação

Leia mais

Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447

Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447 Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447 Avião da TAM com 95 passageiros ficou sem dados em 2011, após decolar. Companhia respondeu que melhorou treinamento de pilotos, diz relatório

Leia mais

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014)

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) 1 - INTRODUÇÃO De 1970 a 2010 observou-se um aumento de 7% ao ano no movimento de passageiros e prevê-se, para o período

Leia mais

Casal viaja pelo mundo na carona de Deus

Casal viaja pelo mundo na carona de Deus Casal viaja pelo mundo na carona de Deus Fábio Aguiar Lisboa Era o ano de 1873 e o escritor francês Júlio Verne lançou um livro que mexeu com a imaginação e o sonhos de inúmeras gerações de leitores de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO: OLÁ BRASIL!

REGULAMENTO DO CONCURSO: OLÁ BRASIL! REGULAMENTO DO CONCURSO: OLÁ BRASIL! 1.- Entidade organizadora. - A entidade organizadora deste sorteio é a empresa Vacaciones edreams, S.L. Sociedad Unipersonal (a partir desde momento designada como

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 Dispõe sobre o percentual mínimo e máximo de participação de membros de cada sexo nos conselhos de administração das empresas públicas, sociedades de economia mista, suas subsidiárias

Leia mais

UNCTAD NOTA À IMPRENSA. RESTRIÇÃO O conteúdo deste Relatório não poderá ser divulgado antes das 17 horas do GMT de 18 de setembro de 2001

UNCTAD NOTA À IMPRENSA. RESTRIÇÃO O conteúdo deste Relatório não poderá ser divulgado antes das 17 horas do GMT de 18 de setembro de 2001 TRADUÇAO NÃO OFICIAL UNCTAD NOTA À IMPRENSA RESTRIÇÃO O conteúdo deste Relatório não poderá ser divulgado antes das 17 horas do GMT de 18 de setembro de 2001 (13 horas de Nova York, 19 horas de Genebra,

Leia mais

SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL

SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL SIMULADO DO TESTE DE RACIOCÍNIO GLOBAL COPYRIGHT 2008 PROCTER & GAMBLE CINCINNATI, OH 45202 U.S.A. ATENÇÃO: Todos os direitos são reservados. Nenhuma parte deste teste pode ser reproduzida por meio algum

Leia mais

A lacuna no conhecimento de vulnerabilidades

A lacuna no conhecimento de vulnerabilidades A lacuna no conhecimento de vulnerabilidades e o vácuo das informações de segurança Está se sentindo vulnerável? Você deveria. A quebra de segurança na PlayStation Network da Sony em 2011, considerada

Leia mais

O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário

O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário O TRABALHO TEMPORÁRIO NÃO É UMA FORMA DE TRABALHO PRECÁRIA Razões para lutar contra 10 equívocos sobre o Trabalho Temporário Equívoco 1: O Trabalho Temporário não proporciona segurança no trabalho Em muitos

Leia mais

Pneus de Aviões: PreviNE. Vitais, mas quase esquecidos. prevenção, investigação, Cuidar da Aviação é a nossa obrigação!!!

Pneus de Aviões: PreviNE. Vitais, mas quase esquecidos. prevenção, investigação, Cuidar da Aviação é a nossa obrigação!!! Pneus de Aviões: Vitais, mas quase esquecidos Os aviões foram construídos para voar, mas entre os itens mais críticos para a sua segurança estão os pneus, que os suportam no solo. Embora tenham grande

Leia mais

Permitir a recuperação de sistemas de arquivo inteiros de uma só vez

Permitir a recuperação de sistemas de arquivo inteiros de uma só vez Backups Os backups tem dois objetivos principais: Permitir a recuperação de arquivos individuais Permitir a recuperação de sistemas de arquivo inteiros de uma só vez O primeiro objetivo é a base do típico

Leia mais

O AVIÃO QUE BATEU NO EMPIRE STATE Building EM 1945.

O AVIÃO QUE BATEU NO EMPIRE STATE Building EM 1945. O AVIÃO QUE BATEU NO EMPIRE STATE Building EM 1945. Inaugurado em Nova York em primeiro de maio de 1931, o Empire State Building, na esquina entre a Quinta Avenida e a Rua 34 Oeste, com 102 andares e 443

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV)

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV) PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV) 20 DEZ 2004 PORTARIA DE APROVAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 1204/STE, DE 26

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES INFORMAÇÕES GERAIS

TERMOS E CONDIÇÕES INFORMAÇÕES GERAIS PARTES Nestes termos e condições, passageiro ou participante refere-se à pessoa que está comprando ou viajando em cruzeiro, e aos viajantes individuais como parte das reservas destas pessoas. Ama ou companhia

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE PP-KBK A-122B DATA 24 JUL 2007 ADVERTÊNCIA

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

Aula 03: Legislação e normas (Segurança/Proteção contra Incêndios)

Aula 03: Legislação e normas (Segurança/Proteção contra Incêndios) Aula 03: Legislação e normas (Segurança/Proteção contra Incêndios) rodrigotmj@gmail.com firesafetybrasil@gmail.com 300 BC O Corpo de Bombeiros de Roma era composto por escravos. Esta experiência fracassou.

Leia mais

SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇOS EM AEROPORTOS

SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇOS EM AEROPORTOS Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR PRINCIPAIS ROTAS DO TRÁFICO DE SERES HUMANOS

MATERIAL COMPLEMENTAR PRINCIPAIS ROTAS DO TRÁFICO DE SERES HUMANOS MATERIAL COMPLEMENTAR PRINCIPAIS ROTAS DO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 1. PRINCIPAIS ROTAS DO TRÁFICO DE PESSOAS 2. CLASSIFICAÇÃO DOS PAÍSES SEGUNDO AS ROTAS DE TRÁFICO 3. PAÍSES COM MAIOR NÚMERO DE ROTAS

Leia mais

ICANN COMUNIDADE AT-LARGE. Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números POLÍTICA SOBRE VIAGENS DA AT-LARGE

ICANN COMUNIDADE AT-LARGE. Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números POLÍTICA SOBRE VIAGENS DA AT-LARGE ICANN PT AL/2007/SD/4.Rev1 ORIGINAL: inglês DATA: 6 de junho de 2007 STATUS: FINAL Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números Série de documentos 2007 - Propostas para a equipe COMUNIDADE

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 GERÊNCIA-GERAL GERAL DE ANÁLISE E PESQUISA DA SEGURANÇA OPERACIONAL

Leia mais

CENÁRIO MUNDIAL DESDE 2008... taxa de desemprego mundial. desaceleração da China. instabilidade Oriente Médio. crise do euro

CENÁRIO MUNDIAL DESDE 2008... taxa de desemprego mundial. desaceleração da China. instabilidade Oriente Médio. crise do euro CENÁRIO MUNDIAL DESDE 2008... taxa de desemprego mundial desaceleração da China crise do euro instabilidade Oriente Médio crise na União Européia desvalorização das moedas em relação ao dólar Zona do euro

Leia mais

COLÉGIO RAPHAEL DI SANTO

COLÉGIO RAPHAEL DI SANTO COLÉGIO RAPHAEL DI SANTO LISTA DE EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA RECUPERAÇÃO º TRIMESTRE 6 ANOS PROFESSOR RICARDO Conteúdos da Recuperação Trimestral: - Sistema de numeração decimal; - Escrita de números de

Leia mais

Conheça os seus direitos em caso de: Recusa de embarque Cancelamento de voo Atrasos prolongados Colocação em classe inferior Viagens organizadas

Conheça os seus direitos em caso de: Recusa de embarque Cancelamento de voo Atrasos prolongados Colocação em classe inferior Viagens organizadas OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO AS NOVAS REGRAS Dia 17 de Fevereiro entra em vigor o Regulamento (CE) n.º 261/2004, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Fevereiro de 2004, que

Leia mais

Considerando o art. 47 do Programa de Segurança Operacional Específico da ANAC (PSOE-

Considerando o art. 47 do Programa de Segurança Operacional Específico da ANAC (PSOE- PORTARIA ANAC N o 280/SIA, DE 30 DE JANEIRO DE 2013. Cria projeto piloto para monitoramento de Indicadores de Desempenho da Segurança Operacional em aeródromos. O SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA

Leia mais

Certificação da solução para a bateria do 787 Mike Sinnett vice-presidente e engenheiro chefe do projeto 787 Abril de 2013

Certificação da solução para a bateria do 787 Mike Sinnett vice-presidente e engenheiro chefe do projeto 787 Abril de 2013 Certificação da solução para a bateria do 787 Mike Sinnett vice-presidente e engenheiro chefe do projeto 787 Abril de 2013 A solução para a bateria foi aprovada A Administração Federal de Aviação dos Estados

Leia mais

IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE

IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE ESBOÇO MARÇO DE 2014 Esta publicação foi produzida para revisão pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento

Leia mais

Já não lembramos mais o último acidente

Já não lembramos mais o último acidente Já não lembramos mais o último acidente José Luiz Lopes Alves, Dr. Interface Consultoria em SMS www.interface-hs.com.br Introdução Há muito tempo a forma adotada para abordar questões de segurança, numa

Leia mais

A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia

A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia Seminário DCA-BR - Fontes Renováveis de Energia na Aviação São José dos Campos 10 de junho de 2010 Cmte Miguel Dau Vice-Presidente Técnico-Operacional

Leia mais

4 Resultados empíricos

4 Resultados empíricos 29 4 Resultados empíricos Apesar de ser informativa, a teoria não é suficiente para estabelecer se os FFPs favorecem ou prejudicam a competitividade do mercado. É necessário, portanto, procurar resultados

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES. Rubrica:

TERMOS E CONDIÇÕES. Rubrica: PARTES Nestes termos e condições, passageiro ou participante referem-se à pessoa que está comprando ou viajando em cruzeiro, e aos viajantes individuais como parte das reservas destas pessoas. Ama ou companhia

Leia mais

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil Manual de Voo VFR Virtual Varig Brasil Setembro 2010 REGRAS DE VÔO Regras de vôo visual(vfr) -Visual Flight Rules(VFR). -São regras que evitam a colisão de aeronaves com obstáculos ou com outras aeronaves

Leia mais

Seu guia completo para nossos serviços móveis

Seu guia completo para nossos serviços móveis Seu guia completo para nossos serviços móveis Entre na maior comunidade de serviços móveis das Ilhas do Canal Guernsey GRÁTIS www.jtglobal.com Pesquise por Jtsocial A JT oferece mais Custo/benefício A

Leia mais

Vistos de Entrada Para o Catar

Vistos de Entrada Para o Catar Vistos de Entrada Para o Catar Visto para o cidadão brasileiro entrar no Catar poderá ser adquirido no momento da chegada ao país ou antes, dependendo do caso em que se insere o brasileiro. A Embaixada

Leia mais