SÉRIE REALIDADE RURAL VOLUME 42

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÉRIE REALIDADE RURAL VOLUME 42"

Transcrição

1

2 SÉRIE REALIDADE RURAL VOLUME 42 Engº Agrº Gilmar Antônio Meneghetti. Engº Agrº Nildo José Formigheri. Porto Alegre, 2005.

3 SÉRIE REALIDADE RURAL, v. 42 DIRETORIA DA EMATER/RS-ASCAR Presidente: Caio Tibério da Rocha Diretor Administrativo: Afonso Hamm Diretor Técnico: Ricardo Altair Schwarz ÁREA TÉCNICA Gerência de Planejamento: Marcos Newton Pereira Organização dos Textos: Marcelo Porto Nicola Editoração e Arte-final: Naira de Azambuja Costa Revisão: Luciane Tonezer dos Santos Capa: Bibiana Volkmer Martins Fotos: Escritórios Municipais da EMATER/RS- ASCAR Colaboraram para a realização da pesquisa sobre a vitivinicultura e produção de cachaça Colaboradores Escritório Municipal Colaboradores Escritório Municipal Ari Bassano Bertuzzi Ciríaco Terezinha Carniel Casca Gilmar Simionatto Ciríaco Eliane C. Benvegnu Casca Darcy Preto David Canabarro Ângelo Rizzotto Santo Antônio do Palma João Carlos Reginato David Canabarro Everaldo Reginatto Santo Antônio do Palma Rosimeri Galante David Canabarro Simone Busnello Gentil Cleonice Paoletto Alves David Canabarro Graciela Torteli Gentil Idanir Bianchetti Muliterno Ivan Pasa Vila Maria Sandra Maria Gomes Muliterno Luís Otávio Rossi Rodrigues Vila Maria Jordano Luís Girardi Vanini João Coimbra Camargo Zanete P. Carpes Vanini Orivaldo Trevisan Nova Alvorada Neimar Tedesco dos Santos São Domingos do Sul Hélio José Rissardo Marau Evanânia P. Zawadski São Domingos do Sul José Loregian Marau Antônio César Perin Casca João Carlos Balotin Marau Justino Alberti Casca EMATER/RS-ASCAR Rua Botafogo, Porto Alegre RS Brasil fone (0XX51) / fax (0XX51) tiragem 750 exemplares REFERÊNCIA: MENEGHETTI, Gilmar Antônio; FORMIGHERI, Nildo José. A produção de vinho e cachaça na pequena propriedade: microrregião de Marau. Porto Alegre: EMATER/RS-ASCAR, p. (Série Realidade Rural, 42) (Catalogação na publicação Biblioteca da EMATER/RS-ASCAR) M541p Meneghetti, Gilmar Antônio Produção de vinho e cachaça na pequena propriedade : microrregião de Marau / por Gildo Antônio Meneghetti e Nildo José Formigheri. - Porto Alegre : EMATER/RS-ASCAR, p. : il. (Serie Realidade Rural ; n. 42) Conteúdo: A produção artesanal de cachaça na região de transição entre a Serra e o Corede da produção no Rio Grande do Sul / por Gilmar Antônio Meneghetti e Nildo José Formigheri A viticultura na microrregião de Marau / por Gilmar Antônio Meneghetti e Nildo José Formigheri. 1. Viticultura. 2. Cachaça. 3. Agroindústria. 4. Agricultura Familiar. I. Formigheri, Nildo José. CDU 663.2: (816.5Marau)

4 APRESENTAÇÃO A agricultura familiar hoje, no Brasil, é a grande empregadora das pessoas que trabalham na área rural, representando cerca de um quinto do total da população economicamente ativa. Além disso, a geração de um emprego no campo, principalmente na agricultura familiar, representa custo bem mais baixo que a geração de um emprego nas atividades urbanas. Esse é o segmento de maior importância econômica e social do meio rural, com expressivo potencial de crescimento e fortalecimento. Por outro lado, identifica-se que é nesse segmento que se encontra significativa parcela da população rural em condição de vulnerabilidade social e econômica. O estabelecimento de projetos de desenvolvimento municipal ou regional, baseado na agricultura familiar, é uma necessidade e uma condição de fortalecimento da economia de um grande número de municípios brasileiros. Além do mais, para esse segmento os recursos naturais são mais que fatores de produção, são o local de vida e de trabalho, o que favorece a sintonia entre crescimento econômico e preservação ambiental. A agricultura familiar é também a base para o fortalecimento da sociedade civil na área rural. Somente a agricultura familiar pode formar uma ampla rede de relações sociais que se refletem na diversificação de formas organizativas que possuem grande potencial de basear o processo de democratização e participação da população rural. Ou seja, esse segmento é fundamental no processo de formação do capital social do campo brasileiro, capital esse que se apresenta como um recurso produtivo para a construção da cidadania e desenvolvimento rural sustentável. Muito em virtude dessas razões, a agricultura familiar tem sido incluída como um dos públicos prioritários da EMATER/RS-ASCAR, constituindo-se em um dos principais eixos de atuação da extensão rural do Rio Grande do Sul. SCHUCH, J. H. A importância da opção pela agricultura familiar. Disponível em: Acesso em 29/04/2005.

5 A denominação agricultura familiar envolve grande diversidade de produtores, atividades e estruturas produtivas e, nesse contexto, é relevante observar que também o estrato das pequenas agroindústrias não é totalmente homogêneo. A agroindústria familiar rural se constitui, geralmente, a partir de duas motivações mais comuns. A primeira refere-se ao aproveitamento de excedentes que o produtor não consegue colocar no mercado. A segunda motivação, também bastante freqüente, surge da necessidade de agregação de valor aos produtos primários. Em um contexto de mercado cheio de incertezas, é difícil o estabelecimento e a sobrevivência de agroindústrias de pequena escala, organizadas com base nos padrões do mercado formal. Em função disso, ainda é muito significativo o número de unidades produtivas que estabelecem relações informais de mercado para os produtos rurais processados artesanalmente. A importância sócio-econômica-ambiental da agricultura familiar para o desenvolvimento e os riscos a que estão submetidos justificam o interesse em criar as condições apropriadas para a constituição e a manutenção de agroindústrias em regime de economia familiar. O presente número da Série Realidade Rural apresenta dois trabalhos de pesquisa que estudam a importante temática da agroindustrialização familiar, realizados na região de abrangência do Escritório Regional de Passo Fundo, sob a coordenação dos extensionistas da EMATER/RS-ASCAR, Gilmar Meneghetti e Nildo José Fomigheri. Ambos trabalhos foram desenvolvidos na microrregião administrativa de Marau com abrangência em 12 municípios. Um deles aborda a produção artesanal de cachaça e o outro a vitivinicultura em regime de economia familiar. Estudos desta natureza, que objetivam diagnosticar as características de gestão, de tecnologia, de qualidade e de comercialização de atividades tão relevantes para a agricultura familiar de determinada região, como são a agroindustrialização da cachaça e do vinho, devem ser divulgados para que ressaltem práticas extensionistas com grande capacidade de transformar a realidade, seguindo a máxima conhecer para mudar. Pesquisas assim direcionadas são potencialmente capazes para qualificar a ação dos agentes de desenvolvimento que interagem em um determinado território em ** VIEIRA, L. F. Agricultura e agroindústria familiar. Revista de Política Agrícola. Brasília, v.7, n.1, p 11-23, jan./mar

6 busca do desenvolvimento sustentável. Além do mais, os estudos executados em uma escala regional, definidos por entidades parceiras em Fóruns de Desenvolvimento Regional, como foi o caso, alinham-se às recomendações atuais de que os municípios são unidades importantes para o planejamento, mas normalmente os recursos necessários para o pleno desenvolvimento estão disponíveis em uma escala que ultrapassa o limite municipal, recomendando-se a integração de ações supramunicipais. O processo de aperfeiçoamento da produção de cachaça e de vinho já está em curso na microrregião, garantindo a manutenção dessas relevantes atividades geradoras de renda e emprego. O projeto de capacitação permanente de agricultores e agentes, as análises da qualidade dos produtos, a organização dos produtores e da cadeia são algumas das estratégias executadas nesse sentido. Ainda em fase de proposição, aparecem também alternativas como a constituição de uma padronizadora dos produtos, investimentos em armazenamento e a implantação coletiva de uma engarrafadora. Nos resultados da pesquisa, distingue-se também, que entre as motivações para o desenvolvimento da produção de cachaça e vinho, aparecem, fortemente, além daquelas relacionadas a geração de renda e aproveitamento de sobras, motivações histórico-culturais e/ou composição da dieta. A pesquisa sobre a produção da vitivinicultura trouxe a luz a importância e o potencial de crescimento que representa a fabricação de suco de uva para as famílias e a região. Diante disso, é com satisfação que a Gerência de Planejamento apresenta o presente documento, pretendendo contribuir com o relevante trabalho executado na microrregião de Marau, região administrativa de Passo Fundo, a partir das prioridades definidas pelo Fórum de Desenvolvimento Regional. Espera-se também trazer elementos que motivem a realização de trabalhos semelhantes em outras atividades produtivas e regiões do Estado. Gerência de Planejamento GPL. 5

7

8 SUMÁRIO A PRODUÇÃO ARTESANAL DE C ACHAÇA NA R EGIÃO DE T RANSIÇÃO ENTRE A S ERRA E O COREDE DA P RODUÇÃO NO RIO G RANDE DO S UL... 9 A VITIVINICULTURA NA M ICRORREGIÃO DE M ARAU... 39

9

10 * Engº Agrº - Msc em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade - CPDA - UFRRJ. Supervisor da EMATER/RS-ASCAR de Passo Fundo - Av. Brasil, 480-2º andar - Passo Fundo - RS. - Fone: (54) ** Engº Agrº - Assistente Técnico Regional da EMATER/RS-ASCAR de Passo Fundo - Av. Brasil, 480-2º andar - Passo Fundo - RS. - Fone: (54)

11

12 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Tempo de funcionamento das unidades (anos), e % sobre o total Tabela 2 - Participação da cachaça na formação da renda das unidades processadoras (%), número de unidades e percentual sobre o total das unidades...27

13

14 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO METODOLOGIA CARACTERIZAÇÃO DA P RODUÇÃO ARTESANAL DE CACHAÇA ASPECTOS ECONÔMICOS, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS DA ATIVIDADE OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DE ORDEM TÉCNICA CONCLUSÕES...33 REFERÊNCIAS...37

15

16 1 INTRODUÇÃO Entre as atividades que os agricultores familiares desenvolvem para a complementação de renda nas unidades de produção e consumo está o processamento de cachaça. Além desse produto, mais de seiscentas unidades familiares da região objeto da pesquisa têm em atividades informais, como a produção de embutidos, a produção de queijos e outros derivados do leite, a produção de doces, conservas e sucos, a produção de vinho, de derivados do trigo, rapaduras, melado e outros produtos não-alimentícios, uma fonte complementar significativa de renda. A manutenção dessas atividades geradoras de renda está constantemente sob pressão, seja pela legislação sanitária ou fiscal, seja pela necessidade de obter um produto de qualidade para o consumidor. O desafio que as entidades regionais, por intermédio do Fórum 1 de desenvolvimento, e a EMATER/RS-ASCAR assumiram em relação ao processamento informal artesanal, entre eles a cachaça, foi melhorar a qualidade dos produtos pelo processo de formação permanente dos agentes, possibilitando a manutenção da renda das propriedades 2. 1 O Fórum Microrregional de Desenvolvimento é formado por instituições e entidades de seis municípios: São Domingos do Sul, Vanini, David Canabarro, Muliterno, Ciríaco e Casca. Participam do fórum: Sindicatos dos Trabalhadores Rurais (Fetag e Fetraf-sul), secretarias municipais de agricultura, educação e saúde, profissionais da saúde como assistente social e psicóloga, escolas estaduais, algumas escolas municipais, Conselhos de desenvolvimento rural, Igreja, representantes dos legislativos municipais, escritórios da EMATER/RS-ASCAR, prefeitos municipais, Associação Comercial de Vanini, grupos de formação Terra Solidária e Recomeçar, Escola Alternativa de 2 grau de Muliterno e Ministério Público Estadual. Os objetivos do Fórum são: propiciar que se tenha um ponto de encontro institucional periódico na região, dar encaminhamento conjunto a solução de problemas estruturais da região, realizar diagnósticos com as comunidades locais definindo e hierarquizando problemas, discutir estratégias para o desenvolvimento de ações com as comunidades locais e inserir as comunidades locais nas discussões dos problemas e busca de soluções. 2 Ver Meneghetti, G. A. Projeto de Capacitação Permanente de Agricultores e Melhoria da Qualidade dos Produtos das Unidades de Processamento Artesanais Informais. Passo Fundo. 7 p. Jul. 2003

17 O projeto de capacitação permanente de agricultores e melhoria da qualidade dos produtos das unidades de processamento artesanais informais iniciou-se em junho de 2003, priorizando cinco áreas de ação: queijos e derivados do leite, embutidos de carne suína, sucos, doces e conservas, vinho e produção artesanal de cachaça. Na produção artesanal de cachaça foram capacitados pela EMATER/RS-ASCAR, em 2003, através de cursos teórico-práticos, dezoito técnicos da EMATER/RS-ASCAR, três técnicos de prefeituras municipais e quarenta agricultores. A capacitação continuará nos próximos anos. O espaço geográfico onde está sendo implementado este programa é a microrregião administrativa da EMATER/RS-ASCAR de Marau que abrange doze municípios: Camargo, Casca, Ciríaco, David Canabarro, Gentil, Marau, Muliterno, Nova Alvorada, Santo Antônio do Palma, São Domingos do Sul, Vanini e Vila Maria. Este espaço está situado na região de transição entre a região colonial italiana da serra e o Corede da Produção 3. A microrregião foi colonizada, predominantemente, por italianos e seus descendentes vindos da região da Serra Gaúcha. O processo de destilação, nesta região, começou com a produção de graspa 4 e, posteriormente, estendeu-se aos derivados da cana-de-açúcar. Os alambiques mais antigos na região estão localizados na região colonial italiana típica, onde se cultivava a videira. A necessidade de complementação de renda fez com que, nos últimos anos, algumas dezenas de propriedades instalassem e reativassem alambiques para a produção de cachaça. Em face às dificuldades que muitos estabelecimentos têm de gerar renda através de atividades agrícolas ou pecuárias, diante da necessidade de conhecer as atividades de geração de renda via processamento, entre elas a produção de cachaça, buscou-se traçar um perfil da produção de cachaça na região. 3 O Conselho Regional de desenvolvimento (COREDE) da região da produção é formado por 33 municípios entre eles Passo Fundo e todos os municípios da microrregião objeto do trabalho de pesquisa. 4 Graspa: destilado alcoólico do bagaço fermentado da uva. 16

18 O trabalho visa a identificar problemas de ordem técnica, econômica e social, formar grupos de discussão regional com a finalidade de melhorar de forma permanente a qualidade da cachaça, organizar a estrutura de produção, reorganizar o mercado desse produto e traçar um perfil da produção de cachaça na região. As informações obtidas estão sintetizadas neste texto. 17

19

20 2 METODOLOGIA As informações foram obtidas através da aplicação de questionários para quarenta produtores, participantes dos cursos de qualificação tecnológica na produção de cachaça artesanal, realizados em 2003, em Ciríaco e Casca. A aplicação dos questionários para os vinte e quatro agricultores não-participantes dos cursos foi feita pelos técnicos da EMATER/RS-ASCAR e técnicos das prefeituras municipais dos municípios envolvidos. Foram aplicados questionários para todos os 64 produtores de cachaça da região. Ainda, foram incluídas informações obtidas de 12 técnicos dos escritórios municipais da EMATER/RS-ASCAR da região. Utilizando-se a entrevista semiestruturada como instrumento metodológico, dos técnicos foram obtidas informações sobre a situação da atividade nos municípios, conhecimento técnico, localização e perfil dos produtores.

21

22 3 CARACTERIZAÇÃO DA PRODUÇÃO ARTESANAL DE CACHAÇA A produção de cachaça é uma atividade desenvolvida em 64 unidades familiares da microrregião. Mais de 95% das unidades produtoras são individuais. Apenas três unidades são grupais, representando menos de 5% do total, envolvendo nove famílias. Todas as unidades de produção são informais. Uma está em vias de legalização. As informações técnicas da atividade são passadas oralmente de uma geração para outra, para os vizinhos e conhecidos. Mais de 67% dos entrevistados afirmaram que aprenderam a fazer cachaça com familiares, pais, avós, tios ou outro parente. Os demais entrevistados disseram que aprenderam o processo com vizinhos ou outras pessoas. Nenhum dos entrevistados havia participado de cursos de formação sobre produção de cachaça. Esses dados mostram que a tradição ainda é um elemento importante no repasse de conhecimento nessa atividade. Ao longo do tempo não foi dada a importância devida para esse atividade como fonte geradora de renda para as famílias rurais. Na introdução, fez-se referência à presença dos alambiques na região colonial italiana para a destilação da graspa. O processamento tinha o objetivo de atender o consumo da família ou, ainda, era uma forma de prestação de serviço (parceria) para vizinhos. O excedente do produto era comercializado. A pesquisa, de acordo com o Tabela1, mostra que, na região, existem unidades estabelecidas há mais de quinze anos, e por estarem localizadas em municípios com tradição na produção artesanal de vinho é provável que elas tenham surgido inicialmente em função da graspa. Informa também que vinte e sete por cento das unidades artesanais de produção de cachaça foram instaladas a menos de cinco anos e distribuídas em toda a região, com maior concentração na região onde se produz mais grãos e tem menor produção pecuária.

23 Tabela 1 - Tempo de funcionamento das unidades (anos), e % sobre o total. ESTRATIFICAÇÃO (ANOS) PERCENTUAL < de 5 anos 27 De 6 a 10 anos 10 De 11 a 15 anos 19 De 16 a 20 anos 25 > de 20 anos 19 Total 100 Fonte: MENEGHETTI, G. A.; FORMIGHERI, N. J. As informações obtidas evidenciam que, em face às mudanças ocorridas no meio rural, nas características da produção e ameaça de exclusão de agricultores do processo produtivo, esses estão buscando alternativas de renda nas atividades de processamento informal. Quando são analisados os motivos pelos quais os agricultores produzem cachaça, há uma reafirmação destas evidências. Aproximadamente 60% alegam que processam porque necessitam de renda para a sobrevivência das famílias e a receita oriunda das demais atividades não é suficiente para atender as necessidades. Os agricultores que produzem cachaça há menos de cinco anos têm na produção de grãos a sua principal fonte de renda. Alguns agricultores explicam que a principal razão para produzir cachaça é a qualidade ruim das marcas industriais encontradas em bares e mercados e, portanto, o processamento da cachaça tem a função primeira de atender o consumo na propriedade. Outros motivos que levaram os agricultores a produzir foram o gosto pela atividade, a tradição e estímulo da família e o incentivo do poder público municipal. Embora não tenha sido citado diretamente pelos agricultores, outro motivo que os levou à industrialização da cana-de-açúcar foram as transformações socioeconômicas que provocaram mudanças na matriz produtiva, necessitando produção em escala com especialização da produção para se manter na atividade. É o caso da produção integrada de aves, suínos e grãos. 22

24 Em relação à matéria-prima, pode-se afirmar que, aproximadamente, 75% são produzidos nas unidades processadoras. O restante da matéria-prima é adquirido de terceiros ou recebido como forma de pagamento por serviço prestado na elaboração de cachaça para consumo em propriedades que não possuem alambique. Nesse último caso, estabelece-se uma parceria. Normalmente o proprietário do alambique fica com a metade do produto. Existe um pequeno mercado para a cana-de-açúcar, em torno de 6% dos produtores de cachaça compraram cana de terceiros, em Um aspecto importante que envolve a cadeia de produção de cachaça, assim como as demais cadeias, é o envolvimento direto ou indireto de outras pessoas e famílias além dos proprietários dos alambiques. O envolvimento das pessoas é sazonal, o processamento é concentrado em alguns meses do ano, normalmente a produção estende-se de maio a agosto nesta região. No que diz respeito ao controle de qualidade do produto, a pesquisa mostrou que nenhum produtor faz controle laboratorial da qualidade do produto, apenas usam o alcoômetro para medir o teor alcoólico. Os agricultores desconhecem parâmetros de qualidade da cachaça definidos pela legislação. Para todos os entrevistados a noção de qualidade é dada pelo gosto do consumidor, o produto tem que agradar ao consumidor. O consumidor é o experimentador e o que define a qualidade do produto. 23

25

26 4 ASPECTOS ECONÔMICOS, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS DA ATIVIDADE A partir da pesquisa foi possível dimensionar, com relativo grau de segurança esta pequena cadeia. Algumas unidades produzem além da cachaça, a graspa e, a partir das duas, algumas propriedades fazem uma pequena quantidade de licor. A produção nas unidades varia de 250 até litros por ano. A média anual de produção se situa na faixa de litros por unidade processadora. A produção de cachaça, em 2003, foi de aproximadamente litros na microrregião. Esses municípios produzem, ainda, em torno de litros de graspa e 350 litros de licor. Os produtos elaborados se destinam ao consumo nas propriedades, entretanto, a maior parte é comercializada nos municípios e na região 5. Os maiores produtores comercializam parte significativa de sua produção fora do município. O conteúdo das respostas dos questionários e entrevistas permitiu fazer uma caracterização da atividade e do mercado desse produto na região. Aproximadamente 47% dos produtores venderam o produto direta e exclusivamente para consumidores, que desejam produto de qualidade e com as características dos produtos artesanais. Em torno de 20% dos entrevistados afirmaram que esses consumidores são de poder 5 Região, neste texto, refere-se ao espaço geográfico que engloba os municípios vizinhos dentro de uma distância não superior a 50 km.

27 aquisitivo elevado. Um segundo aspecto do mercado é que poucos produtores comercializam seus produtos em pequenos mercados, bares e restaurantes, somente 15% o fazem. Aproximadamente 33% dos produtores comercializam para os consumidores diretamente e também para bares, mercados e restaurantes. Em torno de 5% dos agricultores manifestaram seu descontentamento com o fato deles venderem seus produtos para bares, cujos proprietários batizam 6 a cachaça artesanal, devido à sua graduação alcoólica ser maior. O preço da cachaça é considerado baixo por alguns entrevistados. Os processadores acham impossível concorrer, em preço, com a cachaça produzida por grandes indústrias. Ainda, os agricultores se queixaram da concorrência desleal em termos de preço praticada por alguns produtores artesanais de cachaça. Estes agricultores aviltam preços sem se preocupar com a qualidade do produto. Em relação ao preço de comercialização, esse variou de R$ 2,00 até R$ 3,80 o litro, sendo que o preço médio situou-se em R$ 2,58/litro, preço de julho de O preço foi considerado baixo por um número significativo de agricultores. Eles alegam que com este preço não conseguem concorrer com o preço da cachaça das bodegas. A cachaça de bodega é aquela produzida por grandes indústrias. Considerando o preço médio do litro da cachaça e o volume produzido na região, a atividade injeta na economia dos municípios, anualmente, R$ ,00. Isso significa, em média, R$ 4.212,00 por família envolvida. A atividade contribui de forma variável na formação da receita da propriedade. Foi solicitado aos entrevistados que definissem, em termos percentuais, quanto a produção de cachaça contribuía no total da receita da propriedade. 6 Batizar a cachaça significa adicionar água, aumentando o volume para a comercialização. 26

28 Tabela 2 - Participação da cachaça na formação da renda das unidades processadoras (%), número de unidades e percentual sobre o total das unidades. PARTICIPAÇÃO DA CACHAÇA NA RENDA DA UNIDADE FAMILIAR (EM %) NÚMERO DE UNIDADES PERCENTUAL DE UNIDADES PROCESSADORAS DA AMOSTRA Até , , , , ,6 > ,4 Fonte: MENEGHETTI, G. A.; FORMIGHERI, N. J. Embora os números possam ser relativizados do ponto de vista da precisão, eles expressam uma ordem de grandeza da importância da atividade na formação da receita das propriedades e na renda das famílias. A importância desta atividade na formação da renda varia de 5 a 60% do total da renda da propriedade. Quanto menor a propriedade maior é a participação, em percentual, da atividade na formação da renda total da propriedade. Evidentemente, há problemas dentro da relação produção-consumo nas diversas etapas do processamento da cachaça. O primeiro problema apontado por 33% dos produtores foi a falta de infra-estrutura mínima de produção e a falta de recursos para fazer melhorias. Dessa condição resulta menor produção e um ambiente de trabalho insalubre. A falta de mão-de-obra foi outro problema apontado pelo mesmo percentual de 33% dos agricultores. O período de processamento é relativamente curto em virtude das geadas. Isso acarreta concentração de demanda por mão-de-obra nas unidades familiares de produção. As fortes geadas que ocorrem na região, além de encurtar o período de processamento interfere na produção de matéria-prima. Este é outro problema apontado 27

29 pelos agricultores. Há a necessidade de se estabelecer unidades experimentais observando a adaptação de variedades de cana-de-açúcar. Este é um aspecto importante, uma vez que, na microrregião, a altitude varia de aproximadamente 450 até 900 metros. Do fator geográfico e climático derivam vários problemas durante a produção e acabam interferindo na produtividade e qualidade final do produto. Outros problemas foram apontados como: falta de conhecimento técnico dentro de todas as etapas de produção da cachaça, falta de lenha nas propriedades, excesso de burocracia caso quisessem legalizar o empreendimento e incidência de impostos. As perspectivas dos agricultores em relação ao futuro da atividade foram expressas da seguinte maneira: em torno de 20% disseram que pretendem permanecer na situação atual; aproximadamente 2% não sabe o que vai fazer com o empreendimento no futuro e todos os demais, 78% responderam que pretendem ampliar a produção e melhorar a infra-estrutura. Em torno de 6% afirmaram que pretendem produzir outros produtos derivados da cana-de-açúcar, como açúcar, rapadura e melado, além da cachaça. 28

30 5 OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DE ORDEM TÉCNICA Verificou-se que há pouco conhecimento quanto à tecnologia no sistema de produção da cana-de-açúcar. A própria assistência técnica praticamente desconhece o processo e os agricultores fazem aquilo que seus familiares lhes ensinaram. Os produtores não têm noção do rendimento por área da cana-de-açúcar, eles conhecem as variedades por nomes locais e muitos dos canaviais têm mais de dez anos de cultivo. A introdução de novos cultivares nas propriedades é realizada pela indicação de pessoas conhecidas ou por viagens realizadas principalmente em visitas a parentes na região ou em outros estados. Com muita freqüência, a introdução de novas variedades não apresenta os resultados esperados em termos de produção em razão da adaptação ao clima. Às vezes, são trazidas variedades de clima quente para região que é fria. Os equipamentos para processamento da cana-de-açúcar, principalmente as moendas, apresentam baixa capacidade de extração do caldo. O problema das moendas, aliado ao rendimento das lavouras, contribui significativamente na quantidade final de cachaça produzida. As instalações não possuem um sistema de limpeza de equipamentos e utensílios adequados para se obter um caldo de boa qualidade capaz de propiciar uma boa fermentação.

31 Nenhum agricultor utiliza o fogo durante a colheita da cana-de-açúcar, porém, o processamento da matéria-prima (principalmente a extração do caldo) pode levar até, em casos extremos, quinze dias para sua industrialização. Das instalações existentes, 3% tiveram orientação técnica na construção, as demais, 97%, foram projetadas pelos agricultores, não levando em consideração sua operacionalidade, exigindo dispêndio de muito esforço físico e resultando em condições insalubres no local. A localização das instalações está normalmente próxima a fontes d água e pequenos córregos, em razão da grande demanda por água durante o processamento. A transferência de conhecimento entre familiares é comprovada, principalmente entre aqueles com maior tempo na atividade. Segundo comentários, existem fermentos que vem sendo utilizados pela terceira geração, com excelentes resultados, segundo os agricultores. Pode-se comprovar a existência de leveduras utilizadas há mais de trinta anos, entretanto, sua eficiência pode ser questionada. Elas são acondicionadas na entressafra para serem utilizadas na safra seguinte. O preparo dos fermentos ou pé-decuba não utiliza produtos industrializados ou selecionados, são elaborados a partir da própria matéria-prima (cana-de-açúcar). No processo de fermentação, concentram-se as maiores dificuldades da atividade, principalmente, pelo fato de o processamento da cana-de-açúcar ocorrer em uma época do ano em que a temperatura está mais baixa, interferindo nos processos biológicos. Grande parte dos equipamentos de destilação é adquirido na região, de pequenas metalúrgicas ou são passados de pai para filho. Alguns equipamentos sofreram pequenas adaptações e continuam funcionais. 30

32 A experiência prática no processo de destilação é um fator muito importante na produção artesanal de cachaça e na obtenção de um produto final de qualidade. É através dela que os agricultores identificam o momento de aumentar ou diminuir a temperatura na caldeira observando a espessura do líquido que escorre no condensador. São poucos os instrumentos de aferição utilizados. Em torno de 20% dos produtores de cachaça utilizam a separação dos destilados durante o processamento, entretanto, 50% fazem uma segunda destilação visando a aumentar o teor alcóolico da cachaça, corrigindo alguns defeitos do produto. A armazenagem é feita em barris e pipas de madeiras de grápia, ipê e mais recentemente em bombonas plásticas, onde, parte da produção pode permanecer por alguns anos acondicionada, principalmente aquela consumida na propriedade. 31

33

34 6 CONCLUSÕES O desenvolvimento de atividades de processamento artesanal informal, seja para consumo na propriedade ou para a complementação de renda das unidades familiares de produção e consumo, decorre de questões culturais, tradições, de transformações socioculturais, ou decorre, ainda, da combinação de questões culturais e mudanças nas estruturas de produção e mercado. A evolução da produção de destilados na região iniciou-se com a graspa, incorporando posteriormente a produção de cachaça destinada ao consumo na propriedade e pessoas próximas à família, derivando para a produção para o mercado. A última fase acentuou-se nos últimos anos pela iminência de exclusão e por necessidade de renda. Uma informação relevante obtida nas entrevistas é que a maior parte das iniciativas de processamento é individual, assim como o conhecimento a respeito do processo de produção é transmitido por pessoas da família ou de suas relações. O mesmo se pode dizer em relação à questão da comercialização do produto. A busca de mercado para o produto ocorre individualmente e os consumidores são pessoas que têm algum vínculo social com os agricultores que processam, são do meio rural ou têm sua origem no meio rural. As redes sociais são determinantes na criação do mercado destes produtos informais. O diagnóstico buscou informações sobre o tipo de embalagem utilizada para a comercialização. A totalidade dos agricultores comercializa cachaça em PET de dois litros reutilizados ou em garrafões de vidro. Os agricultores vendem a cachaça produzida no ano, a não ser aquela para consumo na propriedade. Quando se faz menção ao mercado, é importante observar que apenas um agricultor comercializa licores. Melhores preços poderão ser obtidos com a elaboração de novos produtos, utilizando embalagens

35 adequadas, buscando mercados diferenciados e, no caso da cachaça, trabalhando com produtos com tempo de envelhecimento maior. A produção de cachaça na região está aumentando, assim como o número de agricultores. Em função disso, há a necessidade de formação de um grupo de discussão da atividade visando a uma reorganização da produção, do mercado, a criação de uma nova estrutura de comercialização e a formação de uma entidade de classe regional. No que diz respeito à organização da relação produção-consumo, afirmou-se anteriormente que não existe uma organização dentro da cadeia, seja na busca de mercados ou para solucionar os diversos problemas do setor. Algumas alternativas abrem-se em termos de organização. A primeira é a possibilidade de implementação de uma padronizadora de cachaça onde as produções e características individuais dariam lugar a um produto padronizado determinando um padrão regional. A segunda é a criação de uma organização que engarrafe o produto mantendo as características da produção de origem, evidentemente dentro de padrões legais, implementando um sistema de valorização das características individuais dos produtos. As duas alternativas têm implicações no que diz respeito a custos, tributos e necessidade de escala de produção. Em termos técnicos, aparecem alguns problemas como a falta de conhecimento técnicos tanto dos agricultores como dos técnicos dentro das diferentes etapas do processo de produção de cachaça. Isso significa que é de fundamental importância o processo de formação de técnicos e agricultores para o desenvolvimento da atividade na região. Um problema constatado pela pesquisa foi a falta de variedades de cana-deaçúcar adaptadas para esta região e falta de pesquisa em relação a esta cultura. Este é um aspecto decisivo e determinante na produção de cachaça e pode ser resolvido pela introdução de variedades adaptadas ao meio, pelo estabelecimento de unidades de 34

36 experimentação regionais coordenadas pela extensão, por universidades, centros de pesquisa ou, o que é o ideal, que este trabalho seja desenvolvido de forma integrada por estas entidades e instituições. Os equipamentos utilizados no processamento ainda carecem de mais eficiência. Há necessidade de investimentos em pesquisa nesta área, principalmente no que tange às moendas. Em relação a qualidade do produto é importante destacar a necessidade de se fazer um acompanhamento sistemático, através de análises laboratoriais físicas e químicas, dos padrões estabelecidos pela legislação em vigor. A formação permanente dos agentes envolvidos na atividade, com reciclagens periódicas, através de método grupal, dada a limitação de recursos humanos, com vistas a resolver problemas técnicos, de mercado e de estruturas de comercialização é fundamental para o sucesso dessas unidades produtoras de cachaça. 35

37

38 REFERÊNCIAS EMATER. Minas Gerais. Tecnologia de produção de cana-de-açúcar e cachaça de Minas de qualidade. Belo Horizonte, p. GUERRERO, M. del Mar Gimenez. La red social como elemento clave del dessarollo local: el caso de los programas LEADER de Castilha y Leon. In: COLÓQUIO HISPANO PORTUGUÊS DE ESTUDOS RURAIS, 3., 1995, Lisboa. Trabalhos apresentados... Lisboa: SOPER (Sociedade Portuguesa de Estudos Rurais), p LAMARCHE, Hugues A. (Coord.) A agricultura familiar. Campinas: Ed. da UNICAMP, p. LIMA, Arlindo J. P. de et al. Administração unidade de produção familiar: modalidade de trabalho com agricultores. Ijuí: Ed. Unijuí, p PARANHOS, S. B (Coord.). Cana-de-açúcar: cultivo e utilização. Campinas: Fundação Cargill, v.1, 429 p. REGULY, J.C. Biotecnologia dos processos fermentativos: fundamentos, matériasprimas agrícolas, produtos e processos. Pelotas: Universitária/UFPel, v.1, 309 p.

39

40 * Engº Agrº - MSc em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade - CPDA - UFRRJ - Supervisor da EMATER/RS-ASCAR de Passo Fundo - Av. Brasil º andar - Passo Fundo - RS Fone: (54) ** Engº Agrº - Assistente Técnico Regional da EMATER/RS-ASCAR de Passo Fundo - Av. Brasil, 480-2º andar - Passo Fundo - RS Fone: (54)

41

42 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Número de estabelecimentos que produzem vinho para consumo, com produção de uva própria ou adquirida, por município Tabela 2 - Participação das diferentes variedades na elaboração dos vinhos para consumo, em percentual Tabela 3 - Produção para consumo nas propriedades, por município e tipo de vinho Tabela 4 - Evolução percentual na produção de vinho para consumo nos estabelecimentos nos últimos três anos Tabela 5 - Número de estabelecimentos que produzem uva para comercialização Tabela 6 - Produção de uva para comercialização por variedade Tabela 7 - Preço médio recebido pela uva comercializada, safra 2003/ Tabela 8 - Número de agricultores que comercializam vinho colonial nos municípios da microrregião Tabela 9 - Produção colonial para a comercialização, por município e tipo de vinho - safra 2003/ Tabela 10 - Vinho comercializado anualmente nos estabelecimentos comerciais locais da microrregião, em litros...73

43

44 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA SOCIOECONÔMICA DA VITIVINICULTURA METODOLOGIA A PRODUÇÃO DE VINHO PARA CONSUMO NAS PROPRIEDADES A COMERCIALIZAÇÃO DE UVA COMO OPÇÃO DE RENDA A PRODUÇÃO DE VINHO NAS PROPRIEDADES VISANDO AO M ERCADO PROCESSO TECNOLÓGICO NA PRODUÇÃO DE UVA E VINHO O VINHO COMERCIALIZADO NOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS LOCAIS O CONSUMO DE VINHO CONCLUSÃO...77 REFERÊNCIAS...81 ANEXO - CONSUMO DE VINHO NA MICRORREGIÃO, PRODUZIDO PARA AUTOCONSUMO, ADQUIRIDO DE AGRICULTORES E EM ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS LOCAIS, CONSUMO TOTAL E PER CAPITA, EM LITROS, POR MUNICÍPIO...83

45

46 1 INTRODUÇÃO A pesquisa descrita neste documento envolveu doze municípios da microrregião de Marau do Escritório Regional da EMATER/RS-ASCAR de Passo Fundo. De acordo com Gelatti (1985) e confirmado por Sardi (1999), a região onde se localizam os municípios de Marau, Vila Maria, Casca, Gentil, Santo Antônio do Palma, Nova Alvorada, Camargo, São Domingos do Sul, Vanini, David Canabarro, Ciríaco e Muliterno foi colonizada por imigrantes italianos e poloneses a partir do ano de A região possui uma área de 2.391,38 km², uma população de habitantes conforme dados do IBGE, dos quais, habitantes residem no meio rural, representando 43,8% do total. A agropecuária ainda é a base da economia para a maior parte dos municípios. Este setor ocupa mais de pessoas distribuídas em estabelecimentos rurais, dos quais, 7.264, ou seja, 96,6% são familiares, de acordo com o censo agropecuário 95/96 do IBGE. A estrutura fundiária, pode-se afirmar, é imprópria para viabilizar atividades como a produção comercial de grãos, que exige escala de produção, entretanto, permite a um grupo significativo de agricultores desenvolver atividades pecuárias, fruticultura e processamento de produtos como leite, uva, cana-de-açúcar e outros. Dos estabelecimentos da região, 91,6% possuem área inferior a 50 hectares, 60% tem área menor de 20 ha e 11,90% possuem área menor de 5 hectares. A viticultura ocupa uma área aproximada de 660 hectares, sendo que a maior parte dela destina-se ao consumo nas propriedades, in natura ou na forma de vinho. As áreas com finalidade comercial na região alcançam pouco mais de 160 hectares. A atividade enfrenta problemas de ordem tecnológica que afetam a produtividade. As áreas destinadas ao mercado possuem um padrão tecnológico diferenciado o que se reflete em maior produtividade.

47 O processamento de produtos agropecuários ou a agroindustrialização sempre esteve presente na vida dos imigrantes e na região, em um primeiro momento, para subsistência e posteriormente como atividade geradora de renda. É o caso da produção de banha, queijo, conservas, doces e vinho, entre outros. Muitas dessas atividades desenvolvidas nas propriedades deram origem a modernas indústrias, no entanto um número significativo de estabelecimentos continuou o processamento de forma artesanal, isto é, sobreviveram ao tempo, adequaram-se ao contexto das diferentes regiões, momentos históricos, evolução das sociedades locais e necessidades das famílias. A produção de vinho é um exemplo disso. De todos os produtos elaborados nas colônias italianas, o vinho é, talvez, o que mais envolve mística, mexe com sentimentos, emoções, valores culturais, cria vínculos e estabelece relações sociais em todas as etapas do seu ciclo de produção. Esse sentimento, para os que testemunharam e conheceram, só é superado por aquele da perspectiva de uma grande safra de trigo e uva, sinônimos de fartura para os colonos no passado. Nesta ótica, elaborar vinho era muito mais do que uma atividade de produção de subsistência ou de geração de renda, representava um cerimonial. De certa forma, a produção de vinho para autoconsumo ainda lembra isso, é evidente que em outro momento histórico, o atual. Na região, a produção de vinho para consumo nas propriedades está ligada a etnia e cultura italiana. Esse produto fez parte da vida dos italianos e seus descendentes, nos momentos alegres e tristes e, sobretudo, da mesa das famílias integrando a alimentação diária. Fez parte da história desse povo. O hábito de consumo do vinho esteve ligado ao conceito de alimento como sinônimo de saúde. Houve um período, principalmente nas décadas de setenta e oitenta, em que o consumo de vinho estacionou, parreirais foram eliminados em muitas propriedades dando lugar às culturas de grãos. Essas mudanças faziam parte das transformações socioeconômicas pelas quais o país estava passando e que afetaram todos os aspectos da vida das pessoas, os sistemas de produção, as relações sociais, as relações de trabalho e a estrutura social modificaram profundamente os hábitos alimentares e de consumo. Wilkinson (1989:24) afirma que [...] o perfil básico da demanda alimentar é determinado em função das tendências econômicas mais gerais - urbanização, 46

48 distribuição de renda, reabsorção da mulher na economia formal, [...] e redefinição dos padrões de trabalho - como trabalho à distância.... O novo perfil da sociedade interferiu também na produção e no consumo da uva e do vinho. O objetivo do trabalho é fazer um diagnóstico e análise do setor da vitivinicultura da região, quantificando as propriedades envolvidas, a produção de uva, vinho e o consumo, conhecendo o espaço de mercado regional e as oportunidades existentes, as tecnologias de produção e as perspectivas futuras da atividade. Isso permite planejar a atividade e reduzir os riscos. 47

49

50 2 A IMPORTÂNCIA SOCIOECONÔMICA DA VITIVINICULTURA A vitivinicultura, seja ela com fim de autoconsumo ou voltada para o mercado, é desenvolvida atualmente por famílias, distribuídas nos doze municípios envolvidos na pesquisa. Estima-se que mais de pessoas dedicam parte do tempo durante o ano na atividade vitivinícola. Essa atividade, que é um misto de produção de subsistência com atividade econômica e preservação cultural, tem uma capacidade de envolvimento social como poucas na região. A produção para o mercado de vinho e de uva atinge um valor anual de R$ ,00, valor distribuído para quase duas centenas de famílias no meio rural. A produção de vinho colonial para o mercado situa-se em torno de litros/ano/propriedade, o que significa uma receita de R$ 9.656,00 por unidade produtora, ou seja, mais de 32 salários mínimos/ano/unidade, valor do salário a vigorar a partir de maio de 2005, R$ 300,00. Em relação à uva comercializada, são mais de toneladas/ano cuja quantidade por unidade produtora situa-se na faixa de 16 toneladas, alcançando um valor médio de R$ ,00 por unidade, representando um renda de mais de 36,5 salários mínimos/ano. Considerando o consumo mínimo de litros de vinho/ano na região, como mostra o Anexo, incluindo a uva comercializada, o setor gera anualmente uma renda monetária 1 e não-monetária superior a R$ ,00. A renda monetária corresponde a 55% do montante. Isso vale dizer que do valor econômico gerado pela atividade, mais da metade tem finalidade mercantil. 1 Renda monetária diz respeito ao valor da produção para o mercado; a renda não-monetária corresponde ao valor da produção para o autoconsumo.

51

52 3 METODOLOGIA Para obtenção das informações foram utilizados questionários com questões objetivas e subjetivas. O questionário foi dividido em quatro partes: a primeira obteve informações sobre a produção de vinho para consumo na propriedade; a segunda buscou dados sobre a produção de uva para a comercialização; a terceira coletou informações sobre produção de vinho para a comercialização; e a quarta e última parte teve por finalidade obter dados sobre o vinho comercializado nos estabelecimentos comerciais locais dos municípios. Os dados sobre produção de vinho para consumo nas propriedades foram obtidos fazendo um levantamento nas comunidades sobre o número de agricultores que produziam vinho para consumo. De posse da informação, cada município selecionava aleatoriamente um mínimo de 10% dos produtores de vinho e entrevistava. Foram entrevistados 205 produtores de vinho para consumo, 63 produtores de uva para a comercialização, 89 produtores de vinho colonial e 86 estabelecimentos comerciais que distribuem vinho. Os questionários foram aplicados pelos escritórios municipais da EMATER/RS-ASCAR. Além dos questionários aplicados foram entrevistados cinco técnicos da empresa, que têm atuação mais intensiva na vitivinicultura.

53

54 4 A PRODUÇÃO DE VINHO PARA CONSUMO NAS PROPRIEDADES A produção de vinho para consumo nos estabelecimentos é uma atividade desenvolvida no meio rural e também nos centros urbanos da região. Mais de 70% da população da região, no início da década de setenta, vivia no meio rural, segundo dados do IBGE. As pessoas de meia idade do setor urbano ainda têm presentes aspectos da vida do meio rural, tido como local de muito trabalho e fartura, onde as pessoas se alimentam bem, produzem seu vinho e têm qualidade de vida. A memória desse estilo e concepção de vida induz um número cada vez maior de moradores urbanos a produzir vinho em casa, para consumo próprio e mesmo para a comercialização, a partir de uvas adquiridas no município, na região e fora dela. Entretanto, a maior parte da produção de vinho para consumo das famílias acontece no meio rural, com uva produzida na propriedade ou adquirida. A Tabela 1 mostra que, dos estabelecimentos que produzem vinho para consumo, mais de 26% elaboram vinho a partir da aquisição de uva, no todo ou em parte.

55 Tabela 1 - Número de estabelecimentos que produzem vinho para consumo, com produção de uva própria ou adquirida, por município. MUNICÍPIO Nº DE ESTABELECIMENTOS QUE ELABORAM VINHO COM UVA PRÓPRIA Nº DE ESTABELECIMENTOS QUE ADQUIREM UVA PARA ELABORAR O VINHO TOTAL DE ESTABELECIMENTOS QUE PRODUZEM VINHO Camargo Casca Ciríaco David Canabarro Gentil Marau Muliterno Nova Alvorada Santo Antônio do Palma São Domingos do Sul Vanini Vila Maria Total Fonte: Escritórios da EMATER/RS-ASCAR, Um outro aspecto importante na produção de vinho para consumo é que a maior parte dele é elaborado a partir de variedades de uvas americanas. Essas variedades nem sempre constam nas estatísticas, entretanto, são responsáveis pela quase totalidade do vinho elaborado e consumido nos estabelecimentos e na região. A Tabela 2 mostra a participação de cada variedade, em percentual, na produção de vinho para consumo na propriedade. Tabela 2 - Participação das diferentes variedades na elaboração dos vinhos para consumo, em percentual. V ARIEDADE PERCENTUAL Concord 39 Isabel 37 Niágara 18 Bordô 3 Goeth (casca dura) 2 Moscato 1 Outras (Embrapa ) 1 Fonte: EMATER/RS-ASCAR,

56 O vinho elaborado para consumo nas propriedades, litros, representa 51,5% do total do vinho consumido na região. Quando se faz a relação entre os dados do vinho elaborado e o número de propriedades produtoras, vê-se que a produção média de vinho por estabelecimento situa-se em torno de 314 litros/ano. Observa-se que a disponibilidade determina o consumo. Municípios que têm pouca produção de uva e vinho também consomem menos vinho. O vinho tinto é o mais consumido na região. Tabela 3 - Produção para consumo nas propriedades, por município e tipo de vinho. MUNICÍPIOS TINTO BRANCO ROSÉ TOTAL POR MUNICÍPIO Camargo Casca Ciríaco David Canabarro Gentil Marau Muliterno Nova Alvorada Santo Antônio do Palma São Domingos do Sul Vanini Vila Maria Total Fonte: EMATER/RS-ASCAR A necessidade de consumir vinho de qualidade, a associação do vinho como sinônimo de saúde, o aumento da área de videiras, a maior disponibilidade de uva, fatores econômicos e culturais que promovem o resgate da memória e das raízes históricas fizeram o número de estabelecimentos, a produção e o consumo de vinho aumentarem nos últimos três anos. A Tabela 4 dá uma noção da tendência da produção de vinho para consumo nos estabelecimentos, sejam eles rurais ou urbanos. Com exceção de dois municípios, São Domingos do Sul e Vila Maria, cuja produção se mostrou estável e um, Camargo, onde não foi possível identificar a tendência, os demais, nove, mostraram uma tendência de aumento na produção de vinho em casa para consumo. Este percentual de aumento variou de 10 a 50%. 55

Palavras-chave: Compra direta. Agricultura Familiar. Modelo de checagem

Palavras-chave: Compra direta. Agricultura Familiar. Modelo de checagem Avaliação de desempenho de processos de Compra Direta da Agricultura familiar: proposta metodológica baseada em modelo de checagem Magalhães A. M. Cruz, G. V. O mercado institucional pode ser um excelente

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Promoção do turismo de excelência CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Município de Santo Antônio da Patrulha RS Vencedores

Leia mais

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL O Seminário Sul Brasileiro vem sendo organizado desde 2005, como um evento paralelo a Suinofest, festa gastronômica de derivados da carne suína, por um grupo formado pela UERGS, ACI-E, EMATER e Secretaria

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS

DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS WLADYMYR JEFFERSON BACALHAU DE SOUZA 1 ; NORMANDO MENDES RIBEIRO FILHO 2 ; RAISSA CRISTINA SANTOS 4 ; KATILAYNE VIEIRA DE ALMEIDA 1 ;

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP É o instrumento que identifica os agricultores familiares e/ou suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, aptos a realizarem operações de crédito rural

Leia mais

Atuações da CEAGESP e do CECANE nas ações de fortalecimento da Agricultura Familiar. Ana Laura Benevenuto de Amorim e Fabiane Mendes da Camara

Atuações da CEAGESP e do CECANE nas ações de fortalecimento da Agricultura Familiar. Ana Laura Benevenuto de Amorim e Fabiane Mendes da Camara Atuações da CEAGESP e do CECANE nas ações de fortalecimento da Agricultura Familiar Ana Laura Benevenuto de Amorim e Fabiane Mendes da Camara São Paulo, 2014 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE

Leia mais

Obtenção de recursos para a agricultura urbana através do Orçamento Participativo municipal: a experiência de Porto Alegre

Obtenção de recursos para a agricultura urbana através do Orçamento Participativo municipal: a experiência de Porto Alegre Obtenção de recursos para a agricultura urbana através do Orçamento Participativo municipal: a experiência de Porto Alegre Saya Saulière - sayasauliere@hotmail.com IPES/PGU-AL Fotos: Saya Sauliére - 1:

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS Diretriz 01: Desenvolvimento e inovação de tecnologias para o aproveitamento de resíduos agrossilvopastoris 1.Estabelecimento de linhas de financiamento em condições específicas

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

TÍTULO: EMPREENDEDORISMO RURAL: ESTUDO DE CASO NA VITIVINICULTURA EM JALES SP

TÍTULO: EMPREENDEDORISMO RURAL: ESTUDO DE CASO NA VITIVINICULTURA EM JALES SP TÍTULO: EMPREENDEDORISMO RURAL: ESTUDO DE CASO NA VITIVINICULTURA EM JALES SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JALES AUTOR(ES):

Leia mais

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012 GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY Oficina de Planejamento 2010-2012 Paraty, agosto de 2010 Objetivo da oficina Elaborar o Direcionamento Estratégico da Gastronomia Sustentável de Paraty para os próximos

Leia mais

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas O PERFIL DA CACHAÇA CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SETOR No mercado de cachaça, existem dois tipos da bebida: a caninha industrial e a cachaça artesanal de alambique. A primeira possui teor alcoólico de 38%

Leia mais

Projeto Execução Expositores

Projeto Execução Expositores Projeto Execução Expositores Realização: Cooperativa Agropecuária Petrópolis PIA EMATER RS ASCAR Prefeitura Municipal de Nova Petrópolis A ENTIDADE PROMOTORA DO RURALSHOW 2014. COOPERATIVA AGROPECUÁRIA

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DESENVOLVIMENTO DE AGUARDENTE DE GOIABA: TESTE DE CONCEITO LUCAS SILVEIRA TAVARES 1, JOSÉ GUILHERME LEMBI FERREIRA ALVES 2 AMANDA OLIVERI SOARES 3, JOÃO DE DEUS SOUZA CARNEIRO 4, RENATO SILVA LEAL 5, DANIEL

Leia mais

CONCURSO BOAS PRÁTICAS NA AGRICULTURA FAMILIAR

CONCURSO BOAS PRÁTICAS NA AGRICULTURA FAMILIAR CONCURSO BOAS PRÁTICAS NA AGRICULTURA FAMILIAR COOPERVAL E COOPEN-FAC: A PRÁTICA DA INTERCOOPERAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE AUTOR: Daniele Marzari Possatti COLABORADORES: Murilo Marcon, Cleunir Augusto

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS

CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO A Cáritas Brasileira é um organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que possui a missão de Testemunhar

Leia mais

PÓL Ó O L O DE E UVA V DE E ME M S E A E E VI V N I HO NO O ES E T S A T DO DO ES E P S ÍR Í IT I O O SAN A TO T

PÓL Ó O L O DE E UVA V DE E ME M S E A E E VI V N I HO NO O ES E T S A T DO DO ES E P S ÍR Í IT I O O SAN A TO T PÓLO DE UVA DE MESA E VINHO NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pólo de Uva de Mesa e Vinho no Estado do Espírito Santo IMPORTÂNCIA ECONÔMICA E SOCIAL IMPORTÂNCIA ECONÔMICA SOCIAL Transformar o Estado do Espírito

Leia mais

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Pressionado a produzir mais, trabalhador atua cerca de 12 anos, como na época da escravidão Conclusão é de pesquisadora da Unesp; usineiros dizem que estão

Leia mais

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável e Mário Augusto Ribas do Nascimento Presidente da EMATER/RS Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA Antônio Carlos de Araújo Lúcia Maria Ramos Silva Ahmad Saeed Khan RESUMO: Estudou-se o comportamento do consumidor de iogurte

Leia mais

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2 Training of Trainers Program on Effective Intellectual Property Asset Management by Small and Medium Sized Enterprises (SMEs) in Portuguese-Speaking African Countries (PALOP) Lisboa, Portugal 11 de abril

Leia mais

Frutas em Calda, Geléias e Doces

Frutas em Calda, Geléias e Doces Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria de Alimentos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Iniciando um

Leia mais

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS.

CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. CONFIGURAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO INTERNACIONAL DE DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS LOCAIS. A Experiência dos Agrupamentos Vitícolas de Petrolina (Brasil) e Tierra Amarilla (Chile). Estrutura do Trabalho: 1.

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA I. B.

PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA I. B. PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA SITUAÇÃO AGRICULTURA FAMILIAR Esta errado o pensamento de que agricultura familiar é só de sobrevivência Ela é responsável pela

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Feiras livres da agricultura familiar

Feiras livres da agricultura familiar Feiras livres da agricultura familiar FEIRAS LIVRES DA AGRICULTURA FAMILIAR Tradicionalmente, a Emater MG tem participação efetiva na organização e implantação dessas feiras no Estado, desenvolvendo ações,

Leia mais

Apoio à comercialização da agricultura familiar

Apoio à comercialização da agricultura familiar Apoio à comercialização da agricultura familiar Programa de Aquisição de Alimentos 1. Contexto Liberalização dos mercados de produtos agrícolas (anos 90) Intenso processo de concentração de capitais no

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS Objetivo Consolidar os resultados positivos alcançados pelas associações rurais, assistidas pela EMATER e dinamizar as suas ações,

Leia mais

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco Feagri/UNICAMP Fórum: Combate à Pobreza e Segurança Alimentar

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 1.404, DE 2004

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 1.404, DE 2004 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 1.404, DE 2004 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 89, de 2000 (nº 3.512, de 1997, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Rosana Paczyk 1 Introdução Este artigo objetiva analisar o setor sucroalcooleiro do Paraná desde o programa nacional do álcool em meados de

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE: um relato de experiência UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

PESQUISA COM PRODUTORES DE TABACO SANTA CATARINA SAFRA 2014/15 (USO INTERNO) A qualidade de vida do agricultor é vital para o país.

PESQUISA COM PRODUTORES DE TABACO SANTA CATARINA SAFRA 2014/15 (USO INTERNO) A qualidade de vida do agricultor é vital para o país. PESQUISA COM PRODUTORES DE TABACO SANTA CATARINA SAFRA 2014/15 (USO INTERNO) A qualidade de vida do agricultor é vital para o país. DIRETORIA EXECUTIVA: Presidente: José Walter Dresch Vice-Presidente:

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO

Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO 1 Desenvolvimento... o desenvolvimento é uma corrida de longa distância, e nela há um elemento de solidão,

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT

A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT Flávia Cristina Solidade Nogueira Débora Fabiana Aparecida Tenutes Silva Sandro Ribeiro da Costa Universidade

Leia mais

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO Tayla Nayara Barbosa 1 RESUMO: O presente estudo científico teve como objetivo estudar mais detalhadamente

Leia mais

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 02/2015 DATA: 01/02/2015 COMPONENTE: SUBCOMPONENTE:

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos

Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Produção Consumo Rede Socioassistencial Agricultura Familiar Inclui: Agricultores Familiares; Assentados; Povos e Comunidades Tradicionais;

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das. rurais. Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou.

Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das. rurais. Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou. Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das propriedades rurais Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou. O projeto O Projeto de Adequação Socioeconômica e Ambiental

Leia mais

Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO

Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO PARCERIAS Governo do Estado do Espírito Santo por meio do Instituto Jones

Leia mais

Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA: 23/06/05

Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA: 23/06/05 RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: Eixo dos Arranjos Produtivos Locais APL s - GRUPO DE TRABALHO 07: Oportunidades para Desenvolvimento Tecnológico na Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA:

Leia mais

de Experiência Milho crioulo: tecnologia viável e sustentável 1. Introdução elato

de Experiência Milho crioulo: tecnologia viável e sustentável 1. Introdução elato R elato de Milho crioulo: tecnologia viável e sustentável Meneguetti, Gilmar Antônio* Girardi, Jordano Luís** Reginatto, João Carlos*** 1. Introdução Afirmar que o uso de variedades crioulas ou melhoradas

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

03 eixos de atuação: ENSINO PESQUISA - EXTENSÃO

03 eixos de atuação: ENSINO PESQUISA - EXTENSÃO A Universidade de Cruz Alta, possui uma área construída de 35.785,92m² em seu Campus Universitário, abrigando, nesse espaço, 26 cursos de graduação, cursos de especialização e mestrado, 119 laboratórios,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL Erica Bento SARMENTO 1 Diêgo Lima CRISPIM 2 Jucielio Calado ALVES 3 Alan Del Carlos Gomes

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

BADESUL Agricultura Sustentável: inovação e sustentabilidade

BADESUL Agricultura Sustentável: inovação e sustentabilidade BADESUL Agricultura Sustentável: inovação e sustentabilidade 2 BADESUL PERFIL INSTITUCIONAL O BADESUL Desenvolvimento S.A. Agência de Fomento/RS é uma sociedade anônima de economia mista de capital fechado,

Leia mais

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO MIRANDA 1, Márcia Verônica Costa; SILVA 2, Gilmar Batista da 1 Professora Orientadora

Leia mais

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR Com a aprovação da Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, e da Resolução FNDE nº 38, de 16 de julho de 2009, as escolas

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB)

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Geraldo Stachetti Rodrigues Maria Cristina Tordin Jaguariúna, junho 2005. A equipe de pesquisadores

Leia mais

CEFAS- Centro de Treinamento de Agricultores de Fazenda Souza

CEFAS- Centro de Treinamento de Agricultores de Fazenda Souza CEFAS- Centro de Treinamento de Agricultores de Fazenda Souza O CEFAS localiza-se junto a FEPAGRO Serra do Nordeste, no distrito de Fazenda Souza. Inaugurado em 1996, deram início aos cursos do Programa

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

Resumos do VII Congresso Brasileiro de Agroecologia Fortaleza/CE 12 a 16/12/2011

Resumos do VII Congresso Brasileiro de Agroecologia Fortaleza/CE 12 a 16/12/2011 10540 - Pesquisas participativas, construção de conhecimentos e socialização de tecnologias de base agroecológica em Mato Grosso do Sul, através de arranjos com Escolas Famílias Agrícolas PADOVAN, Milton

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR CÍTRICO DO MUNICÍPIO DE MATINHAS E MICRORREGIÃO DO BREJO PARAIBANO

CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR CÍTRICO DO MUNICÍPIO DE MATINHAS E MICRORREGIÃO DO BREJO PARAIBANO CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR CÍTRICO DO MUNICÍPIO DE MATINHAS E MICRORREGIÃO DO BREJO PARAIBANO DAL MONTE 1, Hélio Luiz Beretta FERNANDES 2, Inês Leal de Andrade GOMES 3, Jairo

Leia mais

ANÁLISE DOS FATORES QUE CONDICIONAM A ORIGEM DOS PROBLEMAS DE PESQUISAS NA REGIÃO CAFEEIRA DO ALTO/MÉDIO JEQUITINHONHA E MUCURI DE MINAS GERAIS

ANÁLISE DOS FATORES QUE CONDICIONAM A ORIGEM DOS PROBLEMAS DE PESQUISAS NA REGIÃO CAFEEIRA DO ALTO/MÉDIO JEQUITINHONHA E MUCURI DE MINAS GERAIS ANÁLISE DOS FATORES QUE CONDICIONAM A ORIGEM DOS PROBLEMAS DE PESQUISAS NA REGIÃO CAFEEIRA DO ALTO/MÉDIO JEQUITINHONHA E MUCURI DE MINAS GERAIS MARCELO MÁRCIO ROMANIELLO 1, EVANDRO SÉRGIO MARTINS LEITE

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE Rio de janeiro, 25 de outubro de 2011 Av. República do Chile, nº500, 2º andar, Centro, Rio de Janeiro. Programa

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta Dilma Rousseff. É também um desafio administrativo e de gestão ao impor ao setor público metas

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Autores: Milton Satoshi Matsushita 1 e Reinaldo Tadeu O. Rocha 2 1 Engenheiro

Leia mais

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação :: LINHAS DE AÇÃO Apoio aos Municípios Tecnologia e Informação em Resíduos Capacitação Promoção e Mobilização Social :: PRESSUPOSTOS DA COLETA SELETIVA Gestão participativa Projeto de Governo Projeto da

Leia mais