UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE CEFID DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA SATOMY ARENAS KAMI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE CEFID DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA SATOMY ARENAS KAMI"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE CEFID DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA SATOMY ARENAS KAMI IMPACTO DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO NA QUALIDADE DE VIDA E PERFIL BIOQUÍMICO. Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado para obtenção do grau de bacharel no curso de Educação Física da Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC. Orientadora: Prof. Dr a Monique da Silva Gevaerd Co-orientador: Prof. Msc. Wladymir Külkamp FLORIANÓPOLIS SC 11

2 IMPACTO DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO NA QUALIDADE DE VIDA E PERFIL BIOQUÍMICO. Satomy Arenas Kami 1 Dra. Monique Da Silva Gevaerd 2 Msc. Wladymir Külkamp 2 1 Acadêmica do curso de Educação Física, do Centro de Ciências da Saúde e do Esporte (CEFID), da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). 2 Professor do Centro de Ciências da Saúde e do Esporte (CEFID), da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). RESUMO Objetivo: Verificar o impacto de um programa sub-máximo de exercícios resistidos na resistência muscular localizada (RML), no perfil bioquímico e na qualidade de vida em indivíduos portadores de alguma doença crônico não transmissível. Materiais e Métodos: Amostra composta por seis indivíduos de ambos os sexos, com idade entre 52 e 69 anos, portadores de alguma patologia crônico não transmissível. O estudo teve duração de treze semanas, foram realizadas duas avaliações, uma no inicio do programa e outra ao final. As avaliações foram compostas por uma ficha cadastral (informações referentes à idade, sexo, grau de escolaridade e história clínica), exame físico (estatura e da massa corporal), questionário de atividade física (IPAQ-versão curta), avaliações bioquímicas (GJ, TG, CT, HDL-C e LDL-C), questionário de qualidade de vida SF 36 e o protocolo de exercícios resistidos (ER). Análise dos dados: Foram realizadas de maneira descritiva, utilizando media, desvio padrão e frequência. Também utilizamos testes de normalidade, Kolmogorov-Smirnov e Shapiro-Wilk. Para comparação entre os períodos pré e pós programa de exercício resistido foi utilizado Teste T Student e o Teste de Wilcoxon Para as análises foi utilizado o Software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) (Versão 17. for Windows, Marca SPSS Inc., EUA). Em todas as comparações, considerou-se como significante as probabilidades associadas aos testes p,5. Resultados: Foi encontrado significância (p,5) no perfil bioquímico nas variáveis: HDL-c, Glicemia de Jejum e Glicemia Capilar. No questionário de qualidade de vida SF-36, no domínio Saúde Mental foi encontrado significância (p,5). Ao final do programa de ER todos os indivíduos apresentaram melhoras na RML.Conclusão: O impacto do ER na RML, qualidade de vida e perfil bioquímico foram positivos. Palavras-chave: Exercício Resistido, Qualidade de Vida, Perfil Bioquímico. 2

3 INTRODUÇÃO Com a evolução científica e tecnológica, o ser humano passou a ter uma vida mais prática e acomodada, adotando uma cultura alimentar de alimentos rápidos e congelados, aliada ao consumo excessivo de refrigerantes e bebidas adoçadas artificialmente (ANS 7, MENEZES 1). Além disso, o estilo de vida passou a ser mais competitivo promovendo elevado nível de estresse, ansiedade e sedentarismo, associado ao aumento de consumo de bebidas alcóolicas e ao tabagismo. (SHARAF 1; ALISTAIR et al 1; BIELEMANN et al 7; CAMOES e LOPES 8). Especificamente associadas ao sedentarismo são muitas as doenças, como coronariopatias, diabetes, hipertensão arterial, hipercolesterolemia, acidente vascular cerebral, osteoporose, osteoartrite, e câncer de próstata, mama e cólon intestinal (CAROMANO et al 6). Os fatores de risco para essas doenças incluem: obesidade, sedentarismo, tabagismo e alcoolismo (MOURA et al 6), e explicam a maioria dos óbitos causados por doenças crônicas em todas as idades, em ambos os sexos, e em todas as partes do mundo (WHO, 6). Profissionais da área da saúde e principalmente o profissional da educação física, devem criar estratégias para incentivar a população a adotar o estilo de vida ativo fisicamente (PITANGA 1). O profissional de Educação Física tem sido procurado para a prescrição e orientação de atividades, que auxiliem como coadjuvante no tratamento de inúmeras doenças. Assim, tornam-se fundamentais pesquisas na área de atividade física e saúde, pois o profissional ao atuar nessa área, tem que estudá-la e aprofundá-la, para dessa forma, maximizar os benefícios e em contrapartida minimizar toda e qualquer situação de risco, decorrentes da prática de exercícios. A prática regular de atividade física possui papel fundamental na prevenção e controle das doenças crônicas não transmissíveis (CAROMANO et al 6). Neste sentido, programas de exercícios resistidos (ER) têm sido recomendados, para melhoria da aptidão funcional de indivíduos sedentários saudáveis, ou como forma de tratamento não farmacológico para algumas patologias (STELLA et al 2). A prática de exercício resistido contribui para a melhora da força e da resistência muscular localizada (RML), com impacto direto nas atividades da vida diária (ACSM, 1998). Além disso, sua prática regular auxilia no controle da massa corporal e manutenção e/ou aumento da massa muscular (NAHAS 3), previne as doenças associadas ao sedentarismo, bem como melhora o perfil glicêmico e lipídico a médio e longo prazo (VILARTA, 7), contribuindo para uma melhor mobilidade, capacidade funcional e qualidade de vida dos praticantes (MATSUDO 9, PEDRO e AMORIN 8, AMORIN et al 2). Dentre os diferentes tipos de exercícios físicos, os exercícios aeróbios são os mais indicados para controle do perfil glicêmico e lipídico, talvez devido ao fato de ainda serem os mais estudados (MARTINS e DUARTE, 1998; SILVA e LIMA, 2; SILVA et al., 4). Entretanto, a procura pelos exercícios resistidos (ER) ou musculação tem aumentado, sendo recomendados especialmente para promover a força muscular, o equilíbrio e a densidade mineral óssea em diversas populações (CANDELORO e CAROMANO 7). No entanto, os efeitos desse tipo de EF sobre o perfil lipídico não estão claros (FLECK e KRAEMER 1999). Quanto às respostas no perfil glicêmico, os exercícios resistidos, tanto quanto os aeróbios, parecem promover redução glicemia durante e após a pratica de exercício (IRIGOYEN et al 3). O 3

4 exercício físico torna-se um mediador importante juntamente com a insulina liberada durante o exercício para o transporte de glicose no músculo esquelético, que ocorre por difusão facilitada ou pelas proteínas transportadoras (IRIGOYEN et al 3). A sensibilidade à insulina pode aumentar com exercícios, independentemente da redução do peso e de mudanças na composição corporal (DONOVAN et al., 5). Nesse contexto, o objetivo do presente estudo foi verificar o impacto de um programa submáximo de exercícios resistidos na resistência muscular localizada, no perfil bioquímico e na qualidade de vida de portadores de doenças crônico-degenerativas. MATERIAIS E MÉTODOS Amostragem: Foram avaliados três homens e três mulheres, com idade entre anos, portadores de alguma patologia crônica não transmissível. Todos os participantes participavam de um Projeto de Extensão Universitária e assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, previamente aprovado pelo CEP-UDESC 46/11. A coleta de dados foi realizada no Laboratório de Análises Multisetorial (MULTILAB) do Centro de Ciências da Saúde e do Esporte (CEFID) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) no período de Março de 11 a Julho de 11. Instrumentos e Procedimentos: Para a caracterização da amostra, bem como para a avaliação do perfil bioquímico e da qualidade de vida dos pacientes, os sujeitos do estudo foram submetidos às avaliações descritas a seguir. Este conjunto de avaliações foi realizado em dois momentos distintos, no início do programa de exercícios resistidos e após a conclusão do mesmo, com um intervalo de 13 semanas. Ficha cadastral: Na ficha cadastral foram coletadas informações referentes à idade, sexo, grau de instrução e história clínica. Exame Físico: No exame físico, foram realizadas medidas da estatura e da massa corporal em balança digital com estadiômetro (marca Metler-Toledo). Estas medidas foram utilizadas para o cálculo do índice de massa corporal. A classificação do índice de massa corporal foi baseada nos critérios da Organização Mundial da Saúde: magreza (< 18,5 kg/m 2 ); saudável (18,5 a 24,99 kg/m 2 ); pré-obesidade ( 25, kg/m 2 ); obeso grau I (3, a 34,99 kg/m 2 ); obeso grau II (35, a 39,99 kg/m 2 ) e obeso grau III (, kg/m 2 ). Questionário de atividade física (IPAQ): Para verificação do nível de atividade física foi utilizada a oitava versão do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ versão 8), validado por Matsudo et al, (1) sob a forma curta e tendo como referência a última semana de prática de exercícios. Para análise dos dados do IPAQ foi utilizado o consenso realizado entre CELAFISCS e o Center for Disease Control (CDC) em Atlanta (2), citado por Matsudo et al, (1) onde são considerados critérios de freqüência e duração da atividade física. De acordo com o consenso as pessoas podem ser classificadas em cinco categorias: muito ativo, ativo, irregularmente ativo A, irregularmente ativo B e sedentário. Exames laboratoriais: Foram realizadas avaliações bioquímicas para quantificação dos níveis séricos de Glicemia de Jejum (GLI), Triglicerídeos (TG), Colesterol Total (CT) e as frações HDL- Colesterol (HDL-C) e LDL-Colesterol (LDL-C). As análises bioquímicas foram realizadas por técnicas 4

5 de espectrofotometria (espectrofotômetro Concept Biotécnica), utilizando kits reagentes colorimétricos, específicos para dosagem de cada analito, com exceção do LDL-C que foi calculado pela fórmula de Friedewald (JOHNSON et al 1997). Para a coleta das amostras sanguíneas, foi solicitado aos indivíduos que permanecessem em jejum por um período de aproximadamente 1 a12 horas e as coletas foram realizadas por profissional habilitado. Questionário de qualidade de vida (SF-36): A avaliação da qualidade de vida foi obtida por meio do questionário Medical Outcomes Survey 36 Items (SF-36), que foi desenvolvido para avaliar, de forma genérica, a saúde física e mental. O SF-36 contém 36 questões acerca da saúde e bem estar subdivididas em oito diferentes domínios: função física; limitação funcional decorrente da saúde física; função social; vitalidade; dores corporais; saúde mental; limitação funcional por causa de problemas emocionais e percepções gerais da saúde. Essa escala apresenta um escore de a 1 para cada domínio. Quanto maior a pontuação melhor o estado geral de saúde do indivíduo. Avaliação da resistência muscular localizada (RML): Para avaliar a RML dos indivíduos antes do início e no final da intervenção foram selecionados exercícios de controle multi-articulares, que envolvessem grandes grupamentos musculares e de fácil execução, sendo eles: leg-press 45, remada baixa e supino reto. Foi realizado no início do programa um teste do número máximo de repetições em cada exercício, com cargas que refletiam uma percepção subjetiva de esforço (PSE) individual de nível entre 6 e 7, relacionada à esforços de característica sub-máxima de acordo com a escala OMNI-RES de percepção de esforço, com espectro de a 1 (LAGALLY e ROBERTSON, 6). Ao final do programa o teste foi repetido com a mesma carga do início e a PSE foi também verificada, de maneira a identificar se, para uma mesma carga absoluta, o número máximo de repetições aumentaria, o que garantiria a eficiência do programa no que diz respeito à melhora na RML. Protocolo de Exercícios Resistidos: Foi aplicado num período de 13 semanas, com verificação da Pressão Arterial (BD ) antes e após cada sessão de exercício e glicemia capilar (aparelho AccuCheck Advantage e fitas compatíveis) uma vez na semana, também antes e após cada sessão. Além dos exercícios de controle utilizados nos testes (leg-press 45, remada baixa e supino reto), outros exercícios foram inseridos no protocolo com o passar das semanas, para garantir a variabilidade do treinamento e melhorar a adesão dos participantes. A PSE foi avaliada em cada sessão apenas nos exercícios de controle, sendo a carga de treinamento aumentada mediante a redução do nível de esforço percebido. Análise Estatística: As analises foram feitas de forma descritiva, utilizando média, desvio padrão (dp) e distribuição de frequências dos resultados. Também foram aplicados teste de normalidade, Kolmogorov-Smirnov e Shapiro-Wilk. Para comparações entre os períodos pré e pós programa de exercício resistido foi utilizado Teste t de Student pareado para variáveis paramétricas e o teste de Wilcoxon para as variáveis não paramétricas. Para as análises foi utilizado o Software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) (Versão 17. for Windows, Marca SPSS Inc., EUA). Em todas as comparações, considerou-se como significante as probabilidades associadas aos testes p,5. 5

6 RESULTADOS A amostra foi constituída por três homens e três mulheres, variando a faixa etária entre 52 e 69 anos. O grupo apresentava as seguintes patologias: Diabetes (5%) e Hipertensão (33,33%). O grau de escolaridade do grupo se distribuiu da seguinte forma: Ensino Superior Completo (33,33%), Superior Incompleto (16,66), Ensino Médio Completo (33,33) e Ensino Médio Incompleto (16,66%). Quanto aos dados antropométricos do grupo, a média e desvio padrão, da massa corporal foram de 71,43±6,37Kg inicial e 72,47+6, final, a estatura foi de 1,65+,8, o IMC apresentou 26,1+1,95 inicial e 26,51+2,7 final. Os indivíduos foram classificados como pré-obesidade. Os dados antropométricos pouco variaram, não apresentaram significância comparando os valores iniciais e finais, ou seja, antes e após intervenção do programa de ER. Tabela 1. Média, Desvio padrão (DP) dos Dados Antropométricos inicial e final, do Programa de Exercício Resistido (n=6) Média+dp Teste T Massa corporal inicial 71,43+6,37,38* Massa corporal final 72,47+6, Estatura 1,65+,8 IMC inicial 26,1+1,95 IMC final 26,51+2,7 *não apresenta significância (p,5),268* O questionário IPAQ-versão curta foi aplicado ao início do programa para mensurar o nível de atividade física dos indivíduos, e descobrir se todos os indivíduos do grupo apresentavam o mesmo nível de atividade física. Entre os participantes, apenas um indivíduo possuía o estado de fisicamente ativo, totalizando 83,34% da amostra como insuficientemente ativos, no inicio do programa de ER. Ao término do programa de ER 33,33% apresentavam com estado de fisicamente ativo. Em relação ao perfil bioquímico dos indivíduos, a comparação entre os resultados de Glicose, Triglicerídeos, Colesterol total, HDL-C e LDL-C, obtidos antes e após a intervenção do programa de exercício resistido, estão representados na tabela 2. A GLI apresentou redução significativa e o HDL-c teve um aumento positivo. Não houve alteração nos níveis de LDL-c e TG. Já Colesterol Total (COL-t) apresentou uma tendência em aumentar, isso provavelmente está relacionado com aumento do HDL-C e do LDL-C. 6

7 Tabela 2. Média e desvio padrão das variáveis do Perfil bioquímico antes e depois do Programa de Exercício Resistido (n=6) Variável Bioquímica Média+dp Teste T pareado GLI antes 139,66+42,86,37* GLI depois 1+28,93 CT antes 182,83+35,58,52** CT depois 5,83+59,56 TG antes 142,33+91,11,194*** TG depois 128,+92,62 HDL-c antes 44+1,77,21* HDL-c depois 52,5+14,1 LDL-c antes 11,36+26,27,68*** LDL-c depois 127,83+45,85 *diferença significativa (p,5), **apresenta tendência a aumentar, ***não apresenta significância. Os dados referentes à glicemia capilar pré e pós exercício resistido estão representados na tabela 3 e evidenciam o feito agudo do exercício na redução da glicemia. Tabela 3. Média e desvio padrão da Glicemia Capilar pré e pós Programa de Exercício Resistido (n=6) Média+dp Glicemia capilar pré 171,+59,22 Glicemia capilar pós 134,1+46,87 *apresenta significância (p,5) Teste T pareado,1* Os resultados obtidos a partir do Questionário de Qualidade de Vida Medical Outcome Survey Short Form36 (SF-36), estão representados na Figura 1. Foi aplicado o teste de Wilcoxon para comparação entre pré e pós ER, nos oito domínios. Estes apresentaram significância (p,5) apenas no domínio determinado como Saúde Mental. Os valores estão representados na Tabela 5. Os resultados referentes ao teste de resistência muscular localizada (RML), que foram aplicados no inicio e ao término do programa de ER, estão representados na Figura 2. Foi percebido que todos os indivíduos obtiveram aumento do número máximo de repetições. Tabela 4. Questionário SF-36 Média e desvio padrão do Questionário SF-36 antes e após Programa de Exercício Resistido (n=6) Teste de Wilcoxon Z Capacidade Funcional Aspectos Físicos Dor Estado Geral de Saúde Vitalidade Aspectos Sociais Aspectos Emocionais Saúde Mental,1585,1585,282,5,78,158,341,29*, -1,342 -,365 -,15-1,342 -,813 -,8-1,82 *significativo (p,5). 7

8 Frequência (%) Frequência (%) Frequência (%) Frequência (%) Frequência (%) Frequência (%) Frequência (%) Frequência (%) A B Categorias (aspectos (capacidade funcional) Categorias (dor) C D Categorias (aspectos fisicos) Categorias (aspectos emocionais) E F Categorias (aspectos sociais) Categorias (estado geral de saude) 1 G 1 H Categorias (vitalidade) Categorias (saude mental) Fig. 1. Histogramas de freqüências para os domínios do Questionário de Qualidade de Vida Medical Outcome Survey Short Form36 (SF-36), que Avalia oito domínios: Capacidade Funcional (A), Dor (B), Aspectos físicos (C), Aspecto Emocional(D), Aspecto Social(E), Estado Geral de Saúde (F), Vitalidade(G), e Saúde Mental (H). O grupo foi avaliado antes do programa de ER e após o programa de ER (n=6). 8

9 ANTES DEPOIS ANTES DEPOIS ANTES DEPOIS ANTES DEPOIS ANTES DEPOIS ANTES DEPOIS Repetições Número de Repetições Máximas SUPINO LEG REMADA Indivíduos Figura 2: Número Máximo de Repetições (nrm) realizados no início e no final do programa de exercício resistido, nos aparelhos: supino, leg-press e remada baixa. DISCUSSÃO Após intervenção de 13 semanas, não foram verificadas mudanças significativas nos parâmetros antropométricos, o peso corporal permaneceu praticamente inalterado. Contudo segundo os critérios de classificação do IMC da OMS, o grupo se apresentava com sobrepeso (IMC 25, kg/m 2 ). O sobrepeso e a obesidade são fatores de risco para variado número de agravos à saúde, dos quais os mais freqüentes são doença isquêmica do coração, hipertensão arterial, acidente vascular cerebral, diabetes mellitus tipo 2, colelitíase, osteoartrite (especialmente de joelhos), neoplasia maligna de mama pósmenopausa e de endométrio, esofagite de refluxo, hérnia de hiato e problemas psicológicos (WHO, 1995 e WHO,1998) Em estudo Ryan (1995) e Burleson (1998), comparam o exercício resistido com o aeróbio, concluíram que provavelmente o exercício resistido causaria maior distúrbio na homeostase que o exercício aeróbio, sugerindo que ER, devido às altas intensidades envolvidas, poderia requerer maior gasto energético, tanto durante o exercício quanto durante a recuperação, relacionando ao consumo de oxigênio após exercício. Schuenke et al (2) analisando apenas o exercício resistido, sugere que um protocolo mais extenuante seja mais eficaz no controle de peso. Em relação ao perfil bioquímico, os valores da glicemia em jejum e da glicemia capilar apresentaram significância e valores menores após o programa de exercício resistido. Estes resultados foram semelhantes aos de Cambri et al (6), nos quais a glicemia capilar após sessões de exercícios resistidos com pesos reduziu 19,9% em média. Isso ocorre pelo aumento do aporte sanguíneo que é um importante fator regulador, disponibilizando para a musculatura mais substrato, melhorando a taxa de captação da glicose durante e após a pratica de exercício (IRIGOYEN et al 3), ou seja, o efeito esta relacionado ao aumento da captação e também do metabolismo da glicose pelo músculo, assim como também melhora a síntese e translocação de GLUT-4, que é transportador de glicose, tanto no tecido adiposo, músculo estriado esquelético e músculo cardíaco (DÂMASO,1). 9

10 Dessa maneira o exercício físico torna-se um mediador importante juntamente com a insulina liberada durante o exercício para o transporte de glicose no músculo esquelético, que ocorre por difusão facilitada ou pelas proteínas transportadoras. (IRIGOYEN, et al 3). A sensibilidade à insulina pode aumentar com exercícios, independentemente da redução do peso e de mudanças na composição corporal (DONOVAN et al., 5). Os valores de HDL-c também foram significamente maiores ao final da intervenção de 13 semanas, onde esse está diretamente relacionado com a prática de atividade física, quanto mais ativo o indivíduo for, melhor será o nível plasmático de HDL-C (PITANGA 1). Valores altos de HDL-C e baixo de LDL-C, mostram menores chances de desenvolver doenças coronarianas (MENOTTI ). Também em relação ao perfil bioquímico os valores de Colesterol-t apresentaram uma tendência em aumentar, provavelmente por que os níveis de HDL-C também aumentaram, pois para determinar o nível de Colesterol-t faz-se a junção da quantidade de colesterol ligado à HDL-C, TG e LDL-C (SPOSITO 7). Os valores de LDL também obtiveram um aumento, provavelmente por causa também do aumento de HDL-C, os níveis de LDH-C foram determinados a partir do cálculo de Friedewald, onde o HDL-C sofre influência diretamente os valores de LDL-C. LDL-C mg/dl= Colesterol-t - HDL-C - (Triglicerídeos/5) Apesar de nesse estudo não haver controle da dieta alimentar, e também de não ter ocorrido melhoras no perfil de LDL-C e TG, diversas pesquisas têm demonstrado que a prática regular de exercício físico pode promover efeitos crônicos na diminuição dessas concentrações (Honkola et al 1997, Silva e Lima, 2). Na tentativa de associar a pratica de exercício e qualidade de vida, utilizamos o questionário SF-36, onde eram avaliados oito domínios: capacidade funcional, aspectos físicos, dor, estado geral de saúde, vitalidade, aspecto social, aspecto emocional e saúde mental. Macedo e Battistella () dizem que há relação entre a Capacidade Funcional e melhora nos Aspectos Físicos. As questões avaliadas para compor o domínio Capacidade Funcional abrangiam tarefas do cotidiano da pessoa, como varrer a casa, tomar banho, subir escadas, levantar objetos, e para avaliar os Aspectos Físicos estava associada com a dedicação dos indivíduos às suas tarefas diárias, ou profissionais; em relação ao tempo de desenvolvimento dessas tarefas, a dificuldade na realização das mesmas e na qualidade do desenvolvimento. Percebe-se que ao final do programa de exercício os Aspectos Físicos apresentaram uma melhora, pois havia uma freqüência de 8% encontram-se entre 75-1%, e no inicio haviam apenas 15% de freqüência de indivíduos que se faziam presentes entre 25-5%. No domínio dor, foi observado uma piora ao final do programa, isso pode ter ocorrido por causa da má administração da sobrecarga, alguma outra patologia associada (artrite, tendinite, entre outras), também os fatores climáticos que no período do programa de ER as temperaturas enfrentadas eram frias, com vento e chuva que apresentava nessa época, podendo gerar as possíveis queixas de dor. Macedo e Battistella () também com aplicação do questionário de qualidade de vida SF-36 e exercício físico, encontraram nível elevado de dor, salientando da importância do acompanhamento direto ao indivíduo no decorrer do exercício, e principalmente da importância do profissional da Educação Física. 1

11 A melhora no domínio Vitalidade e Saúde Mental podem estar correlacionadas, e pode ser uma resposta positiva ao exercício físico, onde as pessoas passam a ter maior vigor e vontade para realizar atividades da vida viária, demonstrando maior energia e menor cansaço. Também há maior controle do nervosismo, menor depressão e desanimo maior calma e tranqüilidade. E principalmente os indivíduos se apresentaram mais felizes ao final do programa. Matsudo () diz que a atividade física esta relacionada à melhora do auto-conceito, melhora da auto-estima, melhora a imagem corporal, contribui no desenvolvimento da auto-eficácia, diminuição do estresse, ansiedade, melhora da tensão muscular, insônia, diminuição do consumo de medicamentos, melhora das funções cognitivas e da socialização. No Protocolo de Exercício resistido, foi estabelecido o número de series e repetições sendo fixos, três e dez respectivamente, o aumento de carga era estimulado quando na PSE na escala OMNI- RES do individuo apresentava valores menores que 6. Porém algumas vezes percebíamos a oscilação com a mesma carga o individuo avaliava de maneira diferente; um dia a série era avaliada como 8 (difícil) e dias analisada como 5 (fácil), isso pode ter ocorrido por influência dos fatores emocionais (BORG, ; MORGAN,1985), e também foi percebido o receio de aumento de carga por alguns indivíduos, que omitiam a PSE, e Borg () diz que "não se pode esperar que todas as pessoas forneçam classificações confiáveis e válidas, qualquer que seja o método de determinação de escala utilizada". Foram percebidas essas reações principalmente pelas mulheres, que alegavam medo de se lesionar, mas ao decorrer das sessões aumentaram suas cargas, por conseqüência a intensidade para atingir melhoras físicas, que já se apresentavam ao longo do programa. Os exercícios; leg press 45, supino reto e remada sentada foram selecionados visando o ganho de resistência de grandes grupamentos musculares, segundo a Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte (1999) para o treinamento da força e da endurance musculares, devem-se trabalhar os grandes grupos musculares, duas a três séries de seis a doze repetições aumentam tanto a força quanto a endurance musculares. Ao final da intervenção com o protocolo de exercício resistido, percebemos as melhoras da resistência muscular, com o aumento do número de repetições ao final do programa ER. Esse ganho de resistência muscular localizada, proporciona aos indivíduos o aumento da capacidade funcional, de desempenho em atividades esportivas, combate a perda de massa muscular e óssea, provenientes do envelhecimento e do sedentarismo, aumento de massa muscular, força muscular e enrijecimento muscular. Outro fator a ser considerado foi assiduidade dos indivíduos nas sessões das atividades, constatamos com 91% de freqüência, media de quatro faltas por individuo, e levando em consideração o horário das sessões (7: horas da manha) e as estações enfrentadas (inverno e outono), eram pouco contagiante à prática de exercício físico. Em um estudo Fermino et al (1) mostram que os motivos para a prática de atividade física que apresentaram maiores escores são saúde, aptidão física, disposição, atratividade e harmonia. Balbinotti e Capozzoli (8), os motivos mais importantes para a prática de atividade física foram: prazer, controle do estresse e estética. Araújo e Araújo (2) mostram que 85% dos sujeitos procuram na prática de exercícios com o objetivo de melhora da qualidade de vida ou prevenção/tratamento de doenças, enquanto 1% reportaram motivos como estética, prazer e lazer. 11

12 Nesse estudo não foi diferente, percebemos que a prática de atividade física além de proporcionar melhoras na qualidade de vida, promoção e prevenção da saúde, interação e socialização. O conjunto desses elementos, proporcionava aos indivíduos grande prazer no desenvolvimento do programa. CONCLUSÃO Concluímos que o protocolo de exercício resistido contribuiu para o ganho de resistência muscular localizada, melhora na qualidade de vida, principalmente no domínio Saúde Mental nos indivíduos investigados. A intervenção do exercício resistido também contribui para melhora do perfil bioquímico, aumentando níveis de HDL-C e diminuindo a Glicemia de Jejum e Capilar. Para haver melhoras no perfil bioquímico (colesterol-t e triglicerídeos) deve-se associar prática de exercício físico e hábito alimentar. REFERÊNCIAS 1. Agência Nacional de Saúde Suplementar (Brasil).Promoção da saúde e prevenção de riscos e doenças na saúde suplementar: manual técnico/agencia Nacional de Saúde Suplementar. 2.ed e atual. Rio de Janeiro:ANS p. 2. ALISTAIR, V.N. GUY, W.G, JAMES S.B e JIMMY D.B. Inflammatory modulation of exercise salience: using hormesis to return to a healthy lifestyle Nutr Metab (Lond). 1; 7: AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. Position Stand. The recommended quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory and muscular fitness, and flexibility in healthy adults. Med. Sci. Sports Exerc. 3: , AMORIN P.R.D.S, MIRANDA, M.D, CHIAPERA, S.M.V et al. Estilo de vida ativo ou sedentário: Impacto sobre a capacidade funcional. Rev.Bras.Cienc.Esporte, Campinas, v.23,n.3, p.49-63, maio Araújo DSMS, Araújo CGS. Autopercepção corporal de variáveis da aptidão física relacionada à saúde. Rev Bras Med Esporte 2;8: BALBINOTTI, Marcos Alencar Abaide e CAPOZZOLI, Carla Josefa. Motivação à prática regular de atividade física: um estudo exploratório com praticantes em academias de ginástica. Rev. bras. Educ. Fís. Esp. 8, vol.22, n.1, pp BIELEMANN, R. KARINI, G., AZEVEDO, M.R e REICHERT, F.F. PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA NO LAZER ENTRE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E FATORES ASSOCIADOS. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde BORG, G. Escalas de Borg para a Dor e Esforço Percebido. São Paulo: Manole.. 125p.. 9. Burleson MA, Bryant HS, Stone MH, Collins MA, McBride TT. Effect of weight training exercise and treadmill exercise on post-exercise oxygen consumption. Med Sci Sports Exerc. 1998;3(4): CAMBRI, L. T. et al. Perfil lipídico, dislipidemias e exercícios físicos. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, Florianópolis, v.8, n.3, p.1-16, 6. 12

13 11. CAMÕES, M.; LOPES, C. Fatores associados à atividade física na população portuguesa. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 42, n. 2, p , CANDELORO, JM and CAROMANO, FA. Efeito de um programa de hidroterapia na flexibilidade e na força muscular de idosas. Rev. bras. fisioter. [online]. 7, vol.11, n.4, pp CAROMANO, Fátima A.; IDE, Maiza Ritomy and KERBAUY, Rachel Rodrigues. Manutenção na prática de exercícios por idosos. Rev. Dep. Psicol.,UFF [online]. 6, vol.18, n.2, pp DÂMASO, A. Nutrição e exercício na prevenção de doenças. Rio de Janeiro: Medsi, DONOVAN, G. OWEN, A., BIRD S.R, KEARNEY, E.M, NEVILL, A.M. et al. Changes Cardiorespiratory fitness and coronary heart disease risk factors following 24 wk of moderate or high intensity exercise of equal energy coast. J Appl Physiol 5; 98(6): FERMINO, R.C, et al. Barreiras para a prática de atividade física em adolescentes. Um estudo por grupos focais. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 1, 12(3): FLECK, S.J e KRAEMER, W.J. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular. 2 ed. Porto Alegre: Artemed p. 18. HONKOLA A., FORSÉN T. e ERIKSSON J. Resistance training improves the metabolic profile in individuals with type 2 diabetes. Acta Diabetologica Volume 34, Number 4, IRIGOYEN, M.C, ANGELIS,K. SCHAAN, B.D.A, FIORINO, P. e MICHELINI, L.C. Exercício físico no diabetes melito associado à hipertensão arterial sistêmica. Rev Bras Hipertens 1: , 3.. LAGALLY, K. M.; ROBERTSON, R. J. Construct validity of the Omni resistance exercise scale. Journal of Strength Condition Research, v., p , MACEDO,C.S.G e BATTISTELLA,L.R. Impacto da lombalgia na qualidade de vida, Brasil. Tese de mestrado, São Paulo: Escola de Educação Física,. 22. MATSUDO, Sandra Mahecha. Envelhecimento, atividade física e saúde. BIS, Bol. Inst. Saúde (Impr.) [online]. 9, n.47, pp MARTINS, D.M,DUARTE, M.S. Efeito do exercício físico sobre o comportamento da glicemia em indivíduos diabéticos. Rev. bras. ativ. fís. saúde;3(3):32-44, mar Matsudo, Sandra Mahecha; Matsudo, Victor Keihan Rodrigues; Barros Neto, Turíbio Leite. Efeitos benéficios da atividade física na aptidäo física e saúde mental durante o processo de envelhecimento. Rev. bras. ativ. fís. saúde;5(2):-76, abr.-jun MENEZES, Maria Fátima Garcia de et al. Alimentação saudável na experiência de idosos. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. [online]. 1, vol.13, n.2, pp MENOTTI A., et al. The Relation between Blood Pressure and Mortality Due to Coronary Heart Disease among Men in Different Parts of the World. January 6,. N Engl J Med ; 342: MOURA, Erly Catarina et al. Vigilância de Fatores de Risco para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal (6). Rev. bras. epidemiol. [online]. 8, vol.11, suppl.1, pp

14 28. MORGAN, W.P. (1985) Physical activity and mental health. In H. Eckert & H.J. Montoye (Eds.) Exercise and health (p ) Champaign, IL: Human Kinetics Publ. 29. NAHAS, M.V. Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. Londrina/PR, Midiograf, 3, 238p. 3. NOBREGA, Antonio Claudio Lucas da et al. Posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia: atividade física e saúde no idoso. Rev Bras Med Esporte [online]. 1999, vol.5, n.6, pp PEDRO,E.M, AMORIN, D.B. Análise comparativa da massa e força muscular e do esquilíbrio entre indivíduos idosos praticantes e não praticantes de musculação. Conexões: revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v.6, ed. Especial, p , jul PITANGA, F.J.G. Atividade física e lipoproteínas plasmáticas em adultos de ambos os sexos. Rev. Bras. Ciên. e Mov. Brasília outubro 1.v. 9 n p. 33. Roger Johnson, Prudence McNutt, Stephen MacMahon, and Richard Robson. Use of the Friedewald Formula to Estimate LDL-Cholesterol in Patients with Chronic Renal Failure on Dialysis Clin. Chem., Nov 1997; 43: SILVA, A.M, RIVERA, E.R e MOURA, A.M. Prevalência de pressão arterial elevada em escolares e adolescentes de Maceió. Jornal de Pediatria - Vol. 8, Nº1, SILVA, C.A. e LIMA, W.C. de. Efeito Benéfico do Exercício Físico no Controle Metabólico do Diabetes Mellitus Tipo 2 à Curto Prazo. Arq Bras Endocrinol Metab [online]. 2, vol.46, n.5, pp STELLA F., GOBBI S., CORAZZA D.I, COSTA J.L.R. Depressão no Idoso: Diagnóstico, Tratamento e Benefícios da Atividade Física. Motriz, Rio Claro,Ago/Dez 2, Vol.8 n.3, pp SHARAF F. Impact of health education on compliance among patients of chronic diseases in Al Qassim, Saudi Arabia Int J Health Sci (Qassim). 1 November; 4(2): Schuenke MD, Mikat RP, McBride JM. Effect of an acute period of resistance exercise on excess post-exercise oxygen consumption: implications for body mass management. Eur J Appl Physiol. 2;86(5): SPOSITO, Andrei C. et al. IV Diretriz Brasileira sobre Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose: Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq. Bras. Cardiol. [online]. 7, vol.88, suppl.1, pp VILARTA, R. SONATI, J.G Diagnostico da alimentação saudável e atividade física na FUNCAMP. CAMPINAS: IPES EDITORIAL WHO, World Health Organization. Physical status: The use and interpretation of anthropometry. Report of a WHO expert committee. Geneva, WHO, World Health Organization. Obesity: Preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation on obesity. Geneva, WHO: The prevention of diabetes and its complications: Announcement of a new WHO technical report on the prevention of diabetes and its complications. Geneva, 6. 14

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PERFIL LIPÍDICO DOS INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL APRESENTANDO OU NÃO TRISSOMIA DO CROMOSSOMO 21

AVALIAÇÃO DO PERFIL LIPÍDICO DOS INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL APRESENTANDO OU NÃO TRISSOMIA DO CROMOSSOMO 21 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Atividade Física x Exercício Físico Atividade Física: é qualquer movimento corporal com gasto energético acima do nível de

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

8. Atividade física. Introdução

8. Atividade física. Introdução 8. Atividade física Introdução Segundo a Organização Mundial de Saúde, a prática de atividade física regular reduz o risco de mortes prematuras, doenças do coração, acidente vascular cerebral, câncer de

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 20 a 24 de outubro de 2008 ANÁLISE DOS FATORES DE RISCO E GASTO ENERGÉTICO EM ADOLESCENTES OBESOS E ESTILO DE VIDA DOS PAIS Juliana Ewelin dos Santos 1 ; Rafaela Pilegi Dada 1 ; Sérgio Roberto Adriano

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A REALIZAÇÃO DESTA PRÁTICA NA CIDADE DE CÁCERES-MT

ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A REALIZAÇÃO DESTA PRÁTICA NA CIDADE DE CÁCERES-MT ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A REALIZAÇÃO DESTA PRÁTICA NA CIDADE DE CÁCERES-MT Giovanna Larissi S. Ribeiro João Batista Franco Borges giolsr@brturbo.com.br RESUMO Este texto trata a respeito da prática

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL Autor: SARANÁDIA CAEIRA SERAFIM Orientador: RACHEL DE SÁ BARRETO LUNA CALLOU CRUZ Coautor(es):

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal Projeto de ensino aplicado à Fisiologia Anima, da disciplina Instrumentalização V: Exercício físico regular e a promoção da saúde Suyane Emanuelle Santos de Carvalho Orientadora: Profa. Dra. Ana Fontenele

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Ridailda de Oliveira Amaral * RESUMO A atividade física e o exercício foram reconhecidos formalmente como fatores que desempenham um papel essencial no aprimoramento da saúde e

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

Programa de Condicionamento Cardiovascular

Programa de Condicionamento Cardiovascular Programa de Condicionamento Cardiovascular Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2010 Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Fta. Andrea Kaarina

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA 1 ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PET-Saúde

Leia mais

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha Resumo- O processo de envelhecimento humano causa modificações morfológicas

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 MARINA SOUSA PINHEIRO MOTA ALUÍSIO DE MOURA FERREIRA MARIA DE FÁTIMA RAMOS DE QUEIROZ MARIA DO SOCORRO RAMOS DE QUEIROZ DANIELE IDALINO

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 103 A IMPORTÂNCIA DA CONSULTA DE ENFERMAGEM NO PRÉ-NATAL, NA PERSPECTIVA DO ENFERMEIRO Enfa. Aryhadne Michelle Chimicoviacki Machado

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PRINCIPAL CAUSA DE MORTE NO MUNDO!! AS PRINCIPAIS

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Resumo

ARTIGO ORIGINAL. Resumo 12 Arquivos 0004-2773/09/38 Catarinenses de Medicina - 03/12 Vol. 38, n o. 3, de 2009 Arquivos Catarinenses de Medicina ARTIGO ORIGINAL Estado nutricional e prevalência de dislipidemias em idosos Tathiely

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS

Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS para sair do sedentarismo e INTRODUÇÃO De acordo com dados apurados em 2013 pelo Ministério da Saúde, 64% da população brasileira está com excesso de peso devido

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 Valéria Baccarin Ianiski 2, Lígia Beatriz Bento Franz 3, Eliane Roseli Winkelmann 4, Juliana Schneider 5. 1 Atividade relacionada ao Projeto de Iniciação

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

EFEITO DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NO RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS HIPERTENSOS E/OU DIABÉTICOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO PERFIL LIPÍDICO.

EFEITO DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NO RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS HIPERTENSOS E/OU DIABÉTICOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO PERFIL LIPÍDICO. EFEITO DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NO RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS HIPERTENSOS E/OU DIABÉTICOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO PERFIL LIPÍDICO. Bruna Pereira da Silva¹ bruna.silva00@hotmail.com Layla

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Treinamento Personalizado para Idosos Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Idosos Indivíduos com idade superior a 60anos Segundo o estatuto do idoso -é assegurando o direito à vida, à saúde, à alimentação,

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DISLIPIDÊMICO EM CRIANÇAS PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DISLIPIDÊMICO EM CRIANÇAS PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DISLIPIDÊMICO EM CRIANÇAS PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN Érica Caroline de Santis* Lara Ribeiro Sisti** Luisa Philippsen*** Lucievelyn Marrone**** Rosália Hernandes Fernandes Vivan*****

Leia mais

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO 50 REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO MAXIMUM REPETITIONS WITH 90% OF 1MR IN BENCH PRESS AND LEG PRESS EXERCISES

Leia mais

* Exercício físico. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia Prates

* Exercício físico. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia Prates * Exercício físico Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia Prates Você pratica exercícios físicos diariamente? 1 * Elemento fundamental para manutenção da saúde e do peso saudável

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014

ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014 ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014 ANS Panorama dos Programas para Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar

Leia mais

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se!

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 4 - Dezembro 2014 Os riscos do Sedentarismo Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! O sedentarismo é resultado

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Atividade física. Sexo Capital Total n % IC 95%

Atividade física. Sexo Capital Total n % IC 95% Atividade física Resultados De acordo com o nível de atividade física verificada no total da amostra, o percentual de indivíduos classificados como insuficientemente ativos foi maior em João Pessoa (55,1%)

Leia mais

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ Francieli Furlan de Souza 1, Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: As Academias

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo

Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo Pesquisador em ciências do Esporte Celafiscs - 1991 Prof. Esp. Reabilitação Cardiovascular UniFMU - 2001 Prof. Esp. Fisiologia do Exercício UniFMU

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Introdução Afirma-se que a

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis

Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis Relatório do projeto de pesquisa Promoção de modos saudáveis de vida em adultos e idosos

Leia mais

Atividade Física Referida e Estilo de Vida entre Trabalhadores de Enfermagem em Serviço Público de Saúde

Atividade Física Referida e Estilo de Vida entre Trabalhadores de Enfermagem em Serviço Público de Saúde Capítulo 14 Atividade Física Referida e Estilo de Vida entre Trabalhadores de Enfermagem em Serviço Público de Saúde Manuela de Santana Pi Chillida Mestre em Enfermagem UNICAMP Enfermeira Supervisora,

Leia mais

Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus

Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus 7 Estratégias para o Cuidado da Pessoa com Doença Crônica Diabete Mellitus Neste capítulo serão abordadas as recomendações essenciais para as pessoas

Leia mais

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida 27 Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida Simone Simões de Almeida Sganzerla Graduada em Educação Física Especialista em Gestão

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais