Construindo Novas Ruralidades a partir da Pluriatividade na Agroecologia: o caso da Rede Ecovida de Agroecologia 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Construindo Novas Ruralidades a partir da Pluriatividade na Agroecologia: o caso da Rede Ecovida de Agroecologia 1"

Transcrição

1 1 Construindo Novas Ruralidades a partir da Pluriatividade na Agroecologia: o caso da Rede Ecovida de Agroecologia 1 Luciano Celso Brandão Guerreiro Barbosa (Professor do Campus do Sertão/UFAL. Genilucy Ramos da Silva (Campus do Sertão/UFAL. Railma Alencar Correia da Silva (Campus do Sertão/UFAL. Resumo Este artigo busca demonstrar como a agroecologia está construindo estratégias diferenciadas para a geração de desenvolvimento rural para os agricultores agroecológicos pertencentes à Rede Ecovida de Agroecologia, especificamente ao Núcleo Burmeister do Amaral (MBA), no Paraná, por meio de sistemas agroalimentares que constituem ambientes propícios a segurança e soberania alimentar, simultaneamente, possibilitando a estes agricultores obtenção de outras rendas financeiras além da produção de alimentos através da pluriatividade e multifuncionalidade. Este trabalho foi construído a partir da discussão realizada na Tese de Doutorado do autor principal. Em sua elaboração foi realizada: (i) uma revisão de literatura acerca da temática proposta e (ii) uma análise dos Planos de Manejo Orgânico (PMO) dos agricultores agroecológicos pertencentes ao Núcleo (MBA). Segundo o Núcleo citado acima participam de sua estrutura 200 famílias de agricultores agroecológicos, divididos em 20 grupos, em 16 municípios pertencentes à Região Metropolitana de Curitiba no Paraná. Neste trabalho foram analisados 119 PMOs (59,5% do total), 15 grupos (75% do total), em 14 municípios (87,5% do total). Através da análise desses PMOs pode-se concluir que a Rede Ecovida de Agroecologia consegue construir um espaço importante de articulação de práticas e experiências entre os diversos agricultores construindo um processo de desenvolvimento múlti-atores, múlti-ativo, multifuncional, múlti-estratégico e múlti-territorial. Palavras-chave: desenvolvimento rural, pluriatividade e agroecologia Abstract This article seeks to demonstrate how the agroecology are building strategies to the generation of rural development for farmers belonging to the agroecological Ecovida Agroecology Network, specifically the Core Burmeister do Amaral (MBA), Parana, through agri-food systems that environments are conducive to food security and sovereignty, while enabling these farmers obtain other financial income beyond food production through pluriactivity and multifunctionality. This work was constructed from the discussion in the PhD thesis of the author. In its preparation was carried out: (i) a review of the literature on the subject proposal and (ii) an analysis of the Organic Management Plans (PMO) of agroecological farmers belonging to the Core (MBA). According to the above mentioned core part of its structure 200 agroecological farming families, divided into 20 groups in 16 municipalities in the metropolitan region of Curitiba in Paraná. In this study, we analyzed 119 PMOs (59.5% of total), 15 groups (75% of total) in 14 municipalities (87.5% of total). Through the analysis of these PMO can conclude that the Ecovida Agroecology can build an important space for the articulation of practices and experiences among different farmers building a process of developing multi-stakeholder, multi-asset, multi-functional, multi-strategy and multi - territorial. Keywords: rural development, pluriactivity and agroecology 1 Eixo Temático: Novas Ruralidades

2 2 INTRODUÇÃO Este artigo pretende fazer uma abordagem das possibilidades e alternativas de desenvolver o rural com perspectivas relacionadas à agroecologia, utilizando como modelo a atuação da Rede Ecovida de Agroecologia que atua nos três Estados do Sul do Brasil, mostrando que com esse novo modelo de agricultura, ou seja, com o sistema agroalimentar agroecológico é possível construir uma nova sociedade, baseada nos princípios de solidariedade, de cooperação e respeito ao meio ambiente, para que dessa forma o ambiente rural possa crescer socioeconomicamente. Estes são os pressupostos que estão contribuindo para repensar o desenvolvimento para o ambiente rural e algumas alternativas que poderão conduzir esta reconstrução e desenvolver o rural. O objetivo do referido artigo é demonstrar como a agroecologia está construindo estratégias diferenciadas para a geração de desenvolvimento rural para os agricultores agroecológicos pertencentes à Rede Ecovida de Agroecologia, especificamente ao Núcleo Burmeister do Amaral (MBA), no Paraná, por meio de sistemas agroalimentares que constituem ambientes propícios a segurança e soberania alimentar, simultaneamente, possibilitando a estes agricultores obtenção de outras rendas financeiras além da produção de alimentos através da pluriatividade e multifuncionalidade. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Este trabalho foi construído a partir da discussão realizada na Tese de Doutorado do autor principal. Em sua elaboração foi realizada: (i) uma ampla revisão de literatura acerca da temática proposta e (ii) uma análise dos Planos de Manejo Orgânico (PMO) dos agricultores agroecológicos pertencentes ao Núcleo (MBA). Segundo o Núcleo citado acima participam de sua estrutura 200 famílias de agricultores agroecológicos, divididos em 20 grupos, em 16 municípios pertencentes à Região Metropolitana de Curitiba no Paraná. Neste trabalho foram analisados 119 PMOs (59,5% do total), 15 grupos (75% do total), em 14 municípios (87,5% do total). O Plano de Manejo Orgânico (PMO) é um documento elaborado pela Rede Ecovida de Agroecologia e que possui o papel de ficha cadastral dos agricultores ingressantes na Rede, via Núcleos. Este Plano é dividido em 08 (oito) seções, coletando informações que vão desde simples dados cadastrais até onde são comercializados os produtos agroecológicos dos agricultores. As seções são as seguintes: (i) Cadastro do(a) produtor(a), (ii) descrição da propriedade, (iii) cultivo ecológico, (iv) itens e atividades na propriedade, (v) produção na

3 3 propriedade, (vi) estimativas de produção agroecológica, (vii) comercialização dos produtos agroecológicos, e (viii) plano de manejo das áreas. A partir dos Planos de Manejo Orgânico pode-se observa a diversidade de informações (são aproximadamente 40 perguntas abertas, fechadas e mistas) que contém este documento, sendo indispensável para a contextualização do Núcleo MBA, para a observação das práticas adotadas pelos agricultores agroecológicos para a conservação ambiental de seus estabelecimentos rurais e para a observação acerca das múltiplas atividades socioeconômicas agrícola e não-agrícola desenvolvidas por estes agricultores. DESENVOLVIMENTO RURAL E AGROECOLOGIA O processo de degradação sócio ambiental no meio rural inicialmente ligado ao processo de modernização cientifica e tecnológico trazido pela Revolução Verde trouxe mudanças nas condições de vida da população rural. Neste contexto os produtores agroalimentares ficaram a margem possuindo pouca inserção neste processo, ficaram inviabilizados de produzir socioeconomicamente, já que eram considerados entraves de uma produção que busca de forma irracional o crescimento econômico. Assim estes produtores começaram a buscar novas formas de se desenvolver socioeconomicamente garantindo seus direitos e mantendo sua lógica e modos de vida, um modelo que garantisse um espaço alternativo ao sistema, um meio de produção que garantisse melhores condições de vida. As estratégias de desenvolvimento para o ambiente rural vêm se mostrando insuficiente para resolver ou minimizar os problemas existentes, gerando conflitos entre atores sociais por políticas que contemplem a diversidade socioeconômica, cultural, ecológica e a desigualdade de poder e acesso aos benefícios gerados pelo atual modelo desenvolvimentista balizado em ações e práticas insustentáveis ao longo prazo. Portanto, faz-se necessário a reestruturação do processo de desenvolvimento, com um novo modelo, que respeite os distintos modos de vida e as diferentes culturas e que favoreça a preservação da biodiversidade. Esta reestruturação demanda novos pressupostos que interrelacionem o rural com o urbano ao invés de serem vistos como oposição e fragmentos dicotômicos tais como: moderno e atrasado, pobre e rico, estagnado e dinâmico, produtivo e improdutivo, para que dessa forma diminua o crescimento do êxodo rural, ou seja, que os habitantes do rural não migrem para os adensamentos urbanos na esperança de conseguirem um emprego que lhes dêem acesso aos benefícios e aos bens e serviços gerados pela

4 4 modernidade, mas que possam perceber que estes benefícios podem ser encontrados em seu próprio estabelecimento rural, tirando a percepção que o rural é atrasado. É necessário pensar no ambiente rural não só como produtor de alimentos, mas também em espaços de vidas que ocorrem interações entre: trabalho, lazer, moradia, pobreza, riqueza, modernidade, atraso, fome, fartura alimentar, exclusão e inclusão social, degradação, preservação e conservação ambiental. Dessa forma, vê-se o ambiente rural como um espaço dinâmico e multiprodutivo. Basta analisar, compreender e utilizar como pontos de partida no processo de desenvolvimento rural os saberes, conhecimentos e valores locais das populações rurais e saber aplicar na prática para formalizar esta dinâmica e articulação entre os atores sociais, proporcionando ambientes que contemplem múltiplas formas de reprodução socioeconômicas, elaborando assim um novo projeto de vida e dando oportunidades a todos de incluírem-se socioeconomicamente. Eis que emerge a agroecologia como um novo padrão de desenvolvimento agrícola mediante o manejo ecologicamente adequado dos recursos naturais, de maneira a alcançar a sustentabilidade, produtividade e estabilidade dos sistemas produtivos. Apresenta-se como uma alternativa de amenizar os problemas causados com o modelo convencional de produção imposto pela Revolução Verde. Surge como uma proposta para desenvolver de forma sustentável os ambientes rurais, incluindo e interagindo com os atores sociais resgatando a forma de organização social, saber local e cidadania no campo, proporcionando melhor condições e qualidade de vida. A agroecologia reúne vários campos de conhecimento sob uma perspectiva ecológica e sustentável, utilizando a experiência e o conhecimento popular dos próprios agricultores com o conhecimento científico, contribuindo e beneficiando o manejo dos agroecossistemas sustentáveis e proporcionando um melhor desenvolvimento para o rural. Assim, a agroecologia pode ser considerada como um processo de construção de desenvolvimento para o ambiente rural divergente do que é proposto atualmente. O setor rural é o segmento da cadeia econômica visto como parte estratégica para qualquer país que pretende alcançar o seu desenvolvimento, principalmente baseado nos pressupostos da sustentabilidade. O setor de orgânicos e/ou agroecológicos possuem relevância para o desenvolvimento rural, pois podem gerar empregos, renda e capacidade de inserção de produtos brasileiros no mercado internacional. Desse modo, a agroecologia pode ser considerada como um novo

5 5 paradigma que contribuirá com a construção de estratégias para a gestão de territórios rurais e posteriormente o desenvolvimento econômico e social das localidades agrícolas. O sistema agroalimentar está passando por uma reestruturação inserindo em seus fundamentos aspectos ligados a multifuncionalidade e a pluratividade, passando a ter outras funções além da principal que é a produção de alimentos, mas que detém uma considerável importância para a geração de melhoria na qualidade de vida da população, tanto rural como urbana, sendo este outro aspecto de reestruturação do sistema agroalimentar e do ambiente rural. MULTIFUNCIONALIDADE E PLURIATIVIDADE NO AMBIENTE RURAL É grande o número de produtores agroalimentares que percebe o ambiente rural como um espaço que desempenha múltiplas funções, as quais são importantes para o equilíbrio, fortalecimento e expansão deste ambiente. Além disso, as múltiplas funções auxilia o processo de reestruturação das lógicas existentes no ambiente rural, articulando os aspectos econômico, social, cultural, ecológico e geográfico, de maneira a construir sistemas produtivos que sejam, ao mesmo tempo, viáveis economicamente, ecologicamente corretos e que gerem igualdade social. A partir desta visão, Born; Talocchi (2002, p. 27) discorrem que É crescente o número de comunidades e famílias habitantes de espaços rurais que está tomando consciência e buscando formas de manter-se econômica e socialmente no campo, em atividades que contribuam também para a conservação dos ecossistemas e de suas funções ambientais. Os produtores agroalimentares ecológicos constroem seus fundamentos produtivos e de reprodução sociocultural balizados numa racionalidade ambiental (ecológica). Esses produtores criam espaços rurais ricos em biodiversidade, em diversidade cultural e com paisagens naturais ricas em beleza e que atrai diversas pessoas que buscam espaços que lhes propiciem um contato com a natureza, ao tempo que estruturam sistema produtivos que detém funções ecossistêmicas equilibradas e uma gama diversificada de culturas alimentares e/ou criação de animais, podendo ainda desenvolver outras atividades não-agrícolas, tais como: agroindustrialização, turismo rural, produção de energia. Neste sentido, a multifuncionalidade torna-se importante para os produtores agroalimentares, para a sociedade e, principalmente, para o ambiente rural, uma vez que prima pela construção de uma lógica reprodutiva socioeconômica que traga uma melhor qualidade de vida e ao mesmo tempo em que preserva os recursos naturais existentes no ambiente rural.

6 6 Além da multifuncionalidade outra estratégia vem gerando melhoria na qualidade de vida dos produtores agroalimentares, a pluratividade que se constitui numa lógica estruturada pelos produtores agroalimentares que combina atividades agrícolas com não-agrícolas. A pluratividade detém uma imensa importância para o ambiente rural, uma vez que cria uma estrutura econômica plural para a obtenção de renda aos produtores agroalimentares por meio da associação de atividades econômicas agrícola e não-agrícola, que por sua vez traduz-se por melhoria nas condições de vida da população residente no ambiente rural, podendo se estender as regiões circunvizinhas. Essas mudanças possibilitam aos agricultores diminuírem sua vulnerabilidade perante as oscilações climáticas, econômicas e de mercado, ao tempo que constrói um processo de desenvolvimento para o meio rural mais sólido, plural e menos excludente. Contudo, a inserção de múltiplas atividades econômicas nos estabelecimentos rurais (agroecossistemas) não geram apenas benefícios econômicos. Tonietto (2007) argumenta que as atividades não-agrícolas contribuem para o fortalecimento das identidades sociais locais e para fortalecer e reconstruir a identidade dos espaços rurais. Sendo assim, a partir de uma pesquisa realizada com uma determinada comunidade de agricultores, Tonietto (2007, p. 312) observou que A intensificação das relações com os de fora, propiciada pelas atividades vinculadas ao turismo na comunidade, promoveu a consolidação da identidade social dos moradores. Ao invés da irresistível descaracterização do espaço rural em função da incorporação de elementos sociais, culturais e econômicos distintos, das trocas com outras categorias, processa-se a sua reconstrução, alicerçada na valorização da cultura do lugar. Isso evidencia que a complexidade das relações entre rural e o urbano não mais comporta o enfoque de dualidade entre estes espaços, nem tampouco a de uniformização de ambos. Ocorre, antes, um ajustamento recíproco, com influência mútua entre as sociedades urbanas e rurais, e não a absorção destas pelo mundo urbano-industrial. Sendo assim, pode-se observar que a pluriatividade e a multifuncionalidade ressurgi (ou para alguns pensadores, surge) como uma estratégia importante para a reprodução socioeconômica dos produtores agroalimentares e do ambiente rural, podendo constitui-se num mecanismo para a geração de emprego e renda para a população local e para os produtores agroalimentares, contribuindo para a reconstrução e fortalecimento das economias e dos mercados locais, e possibilitando uma maior proteção dos recursos naturais. A Rede Ecovida de Agroecologia como exemplo de construção de novas ruralidades A Rede Ecovida de Agroecologia é composta por agricultores familiares, técnicos, consumidores organizados em cooperativas e associações, comerciantes e pessoas

7 7 interessadas com o desenvolvimento da agroecologia. Surgiu no Sul do Brasil com o objetivo de promover a agroecologia, estimular o trabalho associativo, resgatar a cultura local e de valorização das pessoas e da vida, gerar um processo de certificação participativa e de valorizar os mercados locais e de venda direta. O trabalho desenvolvido pela Rede Ecovida é uma iniciativa de caráter inovador para a construção de um novo modelo de agricultura e de sociedade, sendo este baseado nos princípios da solidariedade, da cooperação e do respeito ao meio ambiente. Segundo a AOPA, a Rede Ecovida de Agroecologia é constituída por 23 Núcleos Regionais, em aproximadamente 170 municípios, com cerca de 200 grupos de agricultores, 20 ONGs e 10 cooperativas de consumidores, além de existir mais de 100 feiras livres ecológicas e outras formas de comercialização. A Rede teve origem antes do período de sua constituição que ocorreu em 1998, quando percebia a necessidade de articular a organização com a proposta da agroecologia e a crescente pressão estatal sobre a certificação de produtos agroecológicos devido as normas do Ministério da Agricultura e de empresas certificadoras. É assim que em 1998, em virtude de uma iniciativa da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (EPAGRI-SC) de criar um processo de certificação e normatização de produtos orgânicos, realizado sem diálogo com as organizações, que se realiza um primeiro seminário em União da Vitória/PR, que propõe uma Rede Regional de Agroecologia. Este processo ganha corpo e culminando num novo seminário realizado em Caçador/SC. Neste evento as forças do campo agroecológico de Santa Catarina definem pela formação da Rede Ecovida de Certificação Participativa, apresentando uma logomarca e uma nova proposta de organização e certificação a partir das organizações de assessoria e de agricultores ecologistas do Estado (REDE ECOVIDA, 2007). Com relação a certificação Souza (2003, p. 25) expõe que: A certificação participativa pode ser explicada da seguinte forma. Inversamente ao enfoque da certificação convencional, que trabalha com o princípio da desconfiança, o gera uma série de providências de fiscalização do agricultor pelas certificadoras, a certificação participativa parte do princípio da confiança, ou seja - de que é possível criar processos geradores de credibilidade que além de serem educativos e muito mais construtivos, a prática tem mostrado que podem oferecer a mesma segurança da certificação convencional. O processo de geração de credibilidade começa pelo pertencimento do agricultor a um grupo, a um núcleo da Rede, a processos locais de comercialização direta onde exista transparência do processo produtivo junto aos consumidores e acompanhamento técnico no âmbito da Rede. Tomando isto como idéia geral, a Rede desenvolveu um sistema de normas técnicas, que abrange todo o processo produtivo (que consta na legislação nacional sobre orgânicos), e um sistema de procedimentos a

8 8 serem seguidos pelos núcleos a fim de viabilizar a liberação do selo de orgânico para os agricultores. No entanto, a partir do ano 2000 a Rede Ecovida decide ampliar sua atuação para além da prática de processo de articulação da certificação, para caracterizar-se como espaço de articulação da agroecologia no Sul do Brasil. Desta forma, a Rede passa a denominar-se Rede Ecovida de Agroecologia, tendo a certificação participativa como um dos seus objetivos. Em 2001 a Rede resolveu estruturar-se em Núcleos Regionais para melhorar sua gestão e conduzir sua atuação conforme o espaço geográfico, cultural e socioeconômico de cada localidade. Este trabalho utilizou como objeto de estudo o Núcleo Maurício Burmeister do Amaral (MBA), situado na Região Metropolitana de Curitiba, no Paraná. Este Núcleo foi escolhido por apresentar a maior diversidade produtiva, uma vez que em seus agroecossistemas encontram-se: criação de animais, manejo de culturas agrícolas e produção agroindustrial, fora a produção de bens e serviços não-agrícolas (como, turismo rural, plantas medicinais e sementes) e por estar inserida numas das principais Regiões Metropolitanas do país. Desta forma, observa-se a importância da agroecologia para a geração de desenvolvimento para o ambiente rural, conforme expõe Saquet et al (2010, p. 253): [...] a produção agroecológica de alimentos se constitui efetivamente numa alternativa de inclusão social e desenvolvimento. São várias as conquistas conseguidas pelas famílias: maior autonomia, alimentação saudável, mercado consumidor garantido, bons preços pelos produtos, participação de associações, preservação de áreas de mata nativa, todas fundamentais na gestão do território de maneira multidimensional, isto é, considerando-se a preservação do ambiente, a valorização das identidades locais, a produção de alimentos saudáveis, a realização de atividades em parceria (redes sociais locais), o pequeno comércio e as condições ambientais de cada unidade produtiva e de vida familiar. Portanto, percebe-se que o Núcleo Maurício Burmeister do Amaral constitui-se num exemplo interessante de desenvolvimento para o ambiente rural construído a partir e para o local, quando comparado com outras experiências de desenvolvimento existente. Percebe-se ainda, que a Rede constitui-se num bom exemplo para a observação das múltiplas atividades socioeconômicas geradas a partir da agroecologia, podendo proporcionar uma maior renda aos agricultores e detendo um potencial de ser um dinamizador da economia local. RESULTADOS E DISCUSSÕES Como foi visto a busca por retornos financeiros crescentes e no curto prazo associado à má governança do sistema agroalimentar estão propiciando a ocorrência de diversos e complexos problemas aos vários atores sociais participantes deste sistema e aos ambientes rurais. Esta discussão emerge a partir das múltiplas atividades socioeconômicas que são

9 9 estruturadas por meio dos pressupostos e mecanismos gerados pela multifuncionalidade e pluriatividade dos produtores agroalimentares ecológicos e dos estabelecimentos rurais, que podem emergir e/ou ser construídos a partir dos sistemas agroalimentares ecológicos. Ocorre ainda, que tal debate teve como lócus de observação e análise o Núcleo Maurício Burmeister do Amaral (por meio de seus Grupos e produtores agroalimentares ecológicos). A observação realizada a partir dos Planos de Manejo Orgânico (PMO) dos produtores agroalimentares ecológicos inseridos nos Grupos pertencentes ao Núcleo MBA, disponibilizados pela AOPA, expõe a expressiva heterogeneidade de perfil destes produtores, que se apresentam por meio de diversas particularidades, tais como, área de produção total e ecológica, pela utilização de mão de obra familiar e contratada, dentre outros aspectos. Observou-se que os produtores agroalimentares ecológicos podem construir lógicas que vão desde a inserção total no mercado a opção pela não inserção no mercado (a partir da construção de sistemas alternativos para a transação de seus produtos). Podem organizar seu sistema produtivo com o intuito de buscar níveis crescentes de renda (rendas monetárias) ou dedicar-se a produzir apenas para o consumo da família (rendas não monetárias). Podem transacionar seus produtos agroalimentares em um mercado de âmbito comunitário a um mercado global, ou mesmo recorrer a transações via escambo. Neste sentido, pode-se observar que os produtores agroalimentares ecológicos podem apresentar-se como um determinado ator social, ou como indivíduo, ou grupos que se dedicam a produzir produtos alimentícios (in natura, beneficiado e/ou agroindustrializado), independente de seu aporte econômico, ou de sua lógica produtiva (inserção ou não no mercado), ou do tipo de produto alimentício que maneja. Brandenburg (1999, p. 211) afirma que ser agricultor é uma identidade que está associada há um [...] profissional que é proprietário, trabalhador e ao mesmo tempo gerente de sua própria atividade. [...]. Sendo assim, a identidade de agricultor perpassa o âmbito da produção agroalimentar, mas constrói-se a partir da multidimensionalidade que compõe seu modo de vida. Observa-se que os produtores agroalimentares ecológicos constituem-se numa categoria analítica múlti-identitária e multiativa, podendo exercer atividades restritas a produção alimentar como atividades não-agrícolas (turismo rural, produção e comercialização de plantas medicinais e sementes, etc.). Este mix de lógicas possibilita a estes produtores construírem uma matriz de racionalidade que constitua um ambiente sólido para a reprodução socioeconômica e para a melhoria das condições de vida que culminará com uma melhoria na qualidade de vida, destes produtores e do ambiente rural onde estão inseridos.

10 10 Neste contexto, a partir dos PMOs observa-se que os produtores agroalimentares ecológicos pertencentes ao Núcleo MBA detém uma grande diversificação produtiva, uma vez que em seus agroecossistemas encontram-se: criação de animais, manejo de culturas agrícolas e produção agroindustrial, fora a produção de bens e serviços não-agrícolas (como, turismo rural, plantas medicinais e sementes). Com relação à produção agroindustrial, 52,1% dos produtores agroalimentares ecológicos do Núcleo Maurício Burmeister do Amaral possuem produção agroindustrial. O Grupo que detém maior destaque em termos de possuir produção agroindustrial é a Cooperativa 3º Plano, representa 37,09% dos produtores que afirmaram ter produção agroindustrial, sendo que 100% dos produtores deste Grupo detém produção agroindustrial. Ainda sobre a produção agroindustrial dos 62 produtores agroalimentares ecológicos 14,9% afirmaram possuir produção agroindustrial de produtos não ecológicos. Isso pode sinalizar que os produtores constroem estratégias mercadológicas que integram inserção em mercados ecológicos e/ou convencionais de acordo com suas necessidades ou barreiras criadas a entrada dos produtos. A partir do exposto, nota-se que a agroecologia está construindo um sistema de acumulação que contempla a diversificação da produção (economia de escopo) e de estratégias socioeconômicas e mercadológicas. Ou seja, com a agroecologia permuta-se o regime de acumulação intensiva para uma acumulação flexível. Numa postura inversa, o sistema agroalimentar ecológico constrói um ambiente organizacional da produção, agroindustrialização e comercialização que prima de maneira igualitária pela obtenção de níveis crescentes de renda, de melhorias das condições sociais e da melhoria das condições ecológicas da propriedade rural. Esta lógica reprodutiva possibilita as propriedades rurais deterem retornos financeiros satisfatórios sem gerar uma imensa e intensa pressão sobre os recursos naturais. Cabe salientar que em relação ao local de residência dos produtores agroalimentares ecológicos observa-se que 75% dos produtores residem no estabelecimento rural, enquanto que 25% residem na zona urbana. Este dado abre espaço para a discussão da pluratividade e de novas funções do estabelecimento rural e do ambiente rural. Assim, após o exposto, nota-se que a agroecologia detém pressupostos importantes para a construção de uma lógica, onde o produtor agroalimentar ecológico constrói um sistema socioprodutivo que integra a produção alimentar com a produção de produtos e serviços não-agrícolas, a partir de um mesmo lócus, ou seja, do agroecossistema (estabelecimento agroalimentar).

11 11 CONSIDERAÇÕES FINAIS A Rede Ecovida de Agroecologia consegue construir um espaço importante de articulação de práticas e experiências entre os diversos agricultores construindo um processo de desenvolvimento múlti-atores, múlti-ativos e multifuncional, múlti-estratégicos e múltiterritorial. Sendo um exemplo a ser seguido, pela sua forma de articulação e organização, pois visa o desenvolvimento socioeconômico e rural sustentável, valorizando e inserindo no mercado os agricultores (atores sociais) a essa nova alternativa de mercado, que é o cultivo de produtos orgânicos. Após a análise e discussões pode-se concluir que ao optar por esse sistema agroalimentar através de mecanismos oriundos da pluriatividade e da multifuncionalidade os agricultores pertencentes ao Núcleo MBA conseguiram estruturar uma estratégia diferenciada de reprodução socioeconômica, podendo contribuir de maneira direta para o fortalecimento do território onde atua. Portanto, é notório que para o desenvolvimento socioeconômico de uma localidade não é necessário apenas pensar no aumento de capital e em constantes lucros, mas é possível crescer economicamente de forma que não prejudique os atores sociais, não degrade o ambiente e ainda incentive a prática da solidariedade, cooperativismo, de inserir os agricultores no mercado e de melhor gerenciar os estabelecimentos rurais, e ainda obter renda monetária ou não monetária, utilizando o meio rural não só para a produção agrícola, mas também para promover atividades como o turismo rural dentre tantas outras. O que possibilita uma maior valorização do ambiente rural, onde este passa a ser visto como adensamentos produtivos, geradores de emprego e renda. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABRAMOVAY, Ricardo. O futuro das Regiões Rurais. 2. Ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, ALENTEJANO, Paulo Roberto. Pluratividade: uma noção válida para a análise da realidade agrária brasileira? In TEDESCO, João Carlos (org.). Agricultura Familiar: realidades e perspectivas. 3 ed. Passo Fundo: UPF, 2001, p ALTIERE, Miguel. Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. 4 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, BORN, Rubens Harry; TALOCCHI, Sergio. Proteção do capital social e ecológico: por meio de Compensações por Serviços Ambientais (CSA). São Paulo: Petrópolis; São Lourenço da Serra, SP: Vitae Civilis, 2002.

12 12 BRANDENBURG, Alfio. Agricultura familiar: ONGs e desenvolvimento sustentável. Curitiba: Ed. Da UFPR, CARNEIRO, Maria José. Multifuncionalidade da agricultura e ruralidade: uma abordagem comparativa. In. LUIZ, Roberto José Moreira; COSTA, Flávio de Carvalho (org). Mundo rural e cultura. Rio de Janeiro: Mauad, 2002, p PINHEIRO, Gustavo Silveira Rosa. Agricultura familiar e projeto agroecológico de vida. BRANDENDURG, Alfio; FERREIRA, Ângela Duarte Damasceno [et al.]. Ruralidades e questões ambientais: estudo sobre estratégias, projetos e políticas/ organizadores. Brasília: MDA, 2007, p REDE ECOVIDA. Normas de organização e funcionamento. Lages: Rede Ecovida de Agroecologia, Normas simplificadas da Rede Ecovida de Agroecologia. Lages: Rede Ecovida de Agroecologia, Caderno de formação: certificação participativa de produtos ecológicos. Florianópolis: Rede Ecovida de Agroecologia, Uma identidade que se constrói em Rede. Caderno de Formação nº 1. Lapa: Rede Ecovida de Agroecologia, SAQUET, Marcos A. et al. Agroecologia como estratégia de inclusão social e desenvolvimento territorial. In SAQUET, Marcos A.; SANTOS, Roselí A. dos (orgs.): Geografia agrária, território e desenvolvimento. 1 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010, p SCHNEIDER, Sérgio. A pluratividade na agricultura familiar. 2 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, SCHNEIDER, Sergio et al. A pluratividade e as condições de vida dos agricultores familiares do Rio Grande do Sul. In SCHNEIDER, Sérgio (org.). A diversidade da agricultura familiar. 2 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009, p SOUZA, Marcelo Santos. A Agroecologia no Brasil e o caso da Rede Ecovida. In: Seminário modelos de desenvolvimento da agricultura familiar e políticas agrícolas nacionais e internacionais: comparação França/ Europa/ Brasil. Paris, 10 de novembro de TONIETTO, Mariléia. O sentido da tradição na ruralidade contemporânea. BRANDENDURG, Alfio; FERREIRA, Ângela Duarte Damasceno [et al.]. Ruralidades e questões ambientais: estudo sobre estratégias, projetos e políticas/ organizadores. Brasília: MDA, 2007, p

Pluriatividade, Multifuncionalidade e Agroecologia: uma discussão acerca dos conflitos existentes no sistema agroalimentar

Pluriatividade, Multifuncionalidade e Agroecologia: uma discussão acerca dos conflitos existentes no sistema agroalimentar Pluriatividade, Multifuncionalidade e Agroecologia: uma discussão acerca dos conflitos existentes no sistema agroalimentar Luciano Celso Brandão Guerreiro Barbosa (MADE/UFPR e UFAL) Economista, Doutorando

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

O RURAL E O URBANO. CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 35, Natal (RN). Anais... Natal (RN): Sober, 1997. p. 90-113.

O RURAL E O URBANO. CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 35, Natal (RN). Anais... Natal (RN): Sober, 1997. p. 90-113. O RURAL E O URBANO 1 - AS DEFINIÇÕES DE RURAL E URBANO 1 Desde o final do século passado, a modernização, a industrialização e informatização, assim como a crescente urbanização, levaram vários pesquisadores

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

Crescimento global da consciência socioambiental

Crescimento global da consciência socioambiental Programa de Sustentabilidade Bunge 1. Contextualização Crescimento global da consciência socioambiental Sociedade Importância do tema Estruturação e articulação das entidades civis Pressões comerciais

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

Palavras-chave: Compra direta. Agricultura Familiar. Modelo de checagem

Palavras-chave: Compra direta. Agricultura Familiar. Modelo de checagem Avaliação de desempenho de processos de Compra Direta da Agricultura familiar: proposta metodológica baseada em modelo de checagem Magalhães A. M. Cruz, G. V. O mercado institucional pode ser um excelente

Leia mais

A diversificação da produção nos agroecossistemas com base na Agroecologia e na agricultura familiar no sudoeste paranaense: um estudo de caso.

A diversificação da produção nos agroecossistemas com base na Agroecologia e na agricultura familiar no sudoeste paranaense: um estudo de caso. A diversificação da produção nos agroecossistemas com base na Agroecologia e na agricultura familiar no sudoeste paranaense: um estudo de caso. The diversification of production in agroecosystems based

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

Resumos do I Congresso Paranaense de Agroecologia Curitiba/PR 29 e 30/05/2014

Resumos do I Congresso Paranaense de Agroecologia Curitiba/PR 29 e 30/05/2014 15632 - Análise comparativa dos processos de gestão em diferentes estratégias de comercialização de grupos da Rede Ecovida de agroecologia na região Centro do Paraná I Congresso Paranaense de Agroecologia

Leia mais

A EXTENSÃO RURAL E OS DESAFIOS DA PERSPECTIVA AGROECOLÓGICA

A EXTENSÃO RURAL E OS DESAFIOS DA PERSPECTIVA AGROECOLÓGICA A EXTENSÃO RURAL E OS DESAFIOS DA PERSPECTIVA AGROECOLÓGICA Ivar J. Kreutz; Sergio L. G. Pinheiro. 1 PALAVRAS CHAVE Extensão rural, Abordagem pedagógica, Agroecologia, Participação social. INTRODUÇÃO No

Leia mais

Resumos do V CBA - Palestras. A experiência da REDE ECOVIDA DE AGROECOLOGIA no sul do Brasil

Resumos do V CBA - Palestras. A experiência da REDE ECOVIDA DE AGROECOLOGIA no sul do Brasil A experiência da REDE ECOVIDA DE AGROECOLOGIA no sul do Brasil SANTOS, Luiz Carlos Rebelatto dos. Coordenador do projeto: Certificação Participativa em Rede Um Processo de Certificação Adequado à Agricultura

Leia mais

Feiras livres da agricultura familiar

Feiras livres da agricultura familiar Feiras livres da agricultura familiar FEIRAS LIVRES DA AGRICULTURA FAMILIAR Tradicionalmente, a Emater MG tem participação efetiva na organização e implantação dessas feiras no Estado, desenvolvendo ações,

Leia mais

JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE

JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE Ana Jéssica Soares Barbosa¹ Graduanda em Ciências Agrárias ajsbarbosa_lca@hotmail.com Centro de Ciências

Leia mais

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 5º Congresso de Gerenciamento de Projetos 10 de novembro de 2010 Belo Horizonte Planejamento Estratégico Longo Prazo período 2010-2030 - planejamento

Leia mais

O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA. Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo

O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA. Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo Banco do Nordeste: o Maior Banco de Microfinanças da América do Sul Objetivos de atuação do

Leia mais

Formatos técnico-produtivos: a agroecologia no Oeste de Santa Catarina e no Agreste da Paraíba 1 RESUMO EXECUTIVO

Formatos técnico-produtivos: a agroecologia no Oeste de Santa Catarina e no Agreste da Paraíba 1 RESUMO EXECUTIVO 1 Formatos técnico-produtivos: a agroecologia no Oeste de Santa Catarina e no Agreste da Paraíba 1 1. INTRODUÇÃO RESUMO EXECUTIVO Guilherme F. W. Radomsky Cynthia X. de Carvalho Valério V. Bastos Edgard

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que:

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: Tenham competência técnica e tecnológica em sua área de atuação; Sejam capazes de se inserir no

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LUCIANO CELSO BRANDÃO GUERREIRO BARBOSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LUCIANO CELSO BRANDÃO GUERREIRO BARBOSA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LUCIANO CELSO BRANDÃO GUERREIRO BARBOSA A PLURATIVIDADE NA AGROECOLOGIA COMO UMA ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO PARA O AMBIENTE RURAL CURITIBA 2013 LUCIANO CELSO BRANDÃO

Leia mais

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total 100 Fortalecimento da Atuação Legislativa 8.475.000 8.475.000 101 Fortalecimento do Controle Externo Estadual 80.649.880 80.649.880 102 Fortalecimento do Controle Externo Municipal 3.245.000 3.245.000

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Termo de Referência para Redes de Organizações de Ater da Sociedade

Leia mais

B3-88 Análise do grupo de compras coletivas de alimentos ecológicos em Laranjeiras do Sul, Paraná através de modelagem de processos de entrega.

B3-88 Análise do grupo de compras coletivas de alimentos ecológicos em Laranjeiras do Sul, Paraná através de modelagem de processos de entrega. B3-88 Análise do grupo de compras coletivas de alimentos ecológicos em Laranjeiras do Sul, Paraná através de modelagem de processos de entrega. Novakoski, Rodrigo 1 ; Silva, Aline Pereira 2 ; Schreiner,

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL UNASUL/CMRE/RESOLUÇÃO/Nº 28/2012 MEDIANTE A QUAL É RESOLVIDO APRESENTAR PARA A APROVAÇÃO DO CONSELHO DE CHEFAS E CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS A AGENDA DE AÇÕES PRIORITÁRIAS

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais

O Mercado como instrumento de conservação da Mata Atlântica. Consumo Responsável, Compromisso com a Vida!

O Mercado como instrumento de conservação da Mata Atlântica. Consumo Responsável, Compromisso com a Vida! Mercado Mata Atlântica Reserva da Biosfera da Mata Atlântica O Mercado como instrumento de conservação da Mata Atlântica Consumo Responsável, Compromisso com a Vida! Apresentação O Programa "Mercado Mata

Leia mais

Excelentíssima Senhora Presidenta da República,

Excelentíssima Senhora Presidenta da República, Brasília, 13 de maio de 2013 E.M. nº 001-2013/CONSEA Excelentíssima Senhora Presidenta da República, O Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA), reunido em plenária no dia 24 de

Leia mais

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil.

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. GIRÃO, Enio G. Eng. Agrônomo, Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza CE, enio@cnpat.embrapa.br; OLIVEIRA, Francyálisson

Leia mais

EXTENSÃO RURAL E AGROECOLOGIA: A EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO DE VIVÊNCIA NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DA BAIXA VERDE - PERNAMBUCO manuella.sociais@gmail.

EXTENSÃO RURAL E AGROECOLOGIA: A EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO DE VIVÊNCIA NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DA BAIXA VERDE - PERNAMBUCO manuella.sociais@gmail. EXTENSÃO RURAL E AGROECOLOGIA: A EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO DE VIVÊNCIA NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DA BAIXA VERDE - PERNAMBUCO manuella.sociais@gmail.com POSTER-Agropecuária, Meio-Ambiente, e Desenvolvimento

Leia mais

Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE

Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE MODELO DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE Endereço: Avenida Bezerra de Menezes, 1900 Executora de Chamada pública de Ater ( x ) Sim

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

IMPACTOS SOCIAIS DO PROJETO MANOEL ALVES

IMPACTOS SOCIAIS DO PROJETO MANOEL ALVES IMPACTOS SOCIAIS DO PROJETO MANOEL ALVES Dione Ribeiro da Silva 1 ; Profa. Berenice Feitosa da Costa Aires 2. 1 Aluno do Curso de Geografia, Campus de Porto Nacional, e-mail: PIBIC/CNPq 2 Orientadora do

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO DE FEIJÃO. Agostinho Dirceu Didonet Pesq. Embrapa Arroz e Feijão didonet@cnpaf.embrapa.br

AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO DE FEIJÃO. Agostinho Dirceu Didonet Pesq. Embrapa Arroz e Feijão didonet@cnpaf.embrapa.br AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO DE FEIJÃO Agostinho Dirceu Didonet Pesq. Embrapa Arroz e Feijão didonet@cnpaf.embrapa.br Feijão no agroecossistema? Sistema de produção para o feijoeiro? Manejo funcional da agrobiodiversidade

Leia mais

Encontro temático: Água, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional. Luciano Marçal da Silveira

Encontro temático: Água, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional. Luciano Marçal da Silveira Encontro temático: Água, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional Luciano Marçal da Silveira Antonio Nobre - INPE A influência da floresta amazônica no clima e os riscos associados ao desmatamento.

Leia mais

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO LIMITES DO TERRITÓRIO DE INTERVENÇÃO CONSTRUÇÃO DA ESTRATÉGIA - Acordo Parceria 2020 - PDR 2014-2020 - PORA 2020 - PROT OVT - EIDT

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR.

LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR. LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR. (PUBLICAÇÃO - MINAS GERAIS DIÁRIO DO EXECUTIVO - 18/01/2014 PÁG. 2 e 03)

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR FABIA GRAVINA VIEIRA ROCHA Colégio e Faculdade Modelo do Paraná- Curitiba/PR fabiagravina@hotmail.com RESUMO Sensível à necessidade de reflexão sobre as relações dos seres

Leia mais

CUIDAR DA TERRA ALIMENTAR A SAÚDE CULTIVAR O FUTURO

CUIDAR DA TERRA ALIMENTAR A SAÚDE CULTIVAR O FUTURO CUIDAR DA TERRA ALIMENTAR A SAÚDE CULTIVAR O FUTURO Por que é importante dar preferência aos produtos orgânicos? Os sistemas de produção orgânica se baseiam em princípios da agroecologia e, portanto, buscam

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

AS DIMENSÕES DA SUSTENTABILIDADE E A MULTIFUNCIONALIDADE DA AGRICULTURA FAMILIAR

AS DIMENSÕES DA SUSTENTABILIDADE E A MULTIFUNCIONALIDADE DA AGRICULTURA FAMILIAR AS DIMENSÕES DA SUSTENTABILIDADE E A MULTIFUNCIONALIDADE DA AGRICULTURA FAMILIAR Cláudio Machado Maia 1 RESUMO O objetivo deste estudo é contextualizar um conceito de sustentabilidade e sua contribuição

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR PEDAGÓGICA

EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR PEDAGÓGICA EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR PEDAGÓGICA Sabrina Sgarbi Tibolla 1 ;Sabrina dos Santos Grassi 2 ; Gilson Ribeiro Nachtigall 3 INTRODUÇÃO A horta escolar é uma estratégia de educar para o ambiente, para a

Leia mais

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012 GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY Oficina de Planejamento 2010-2012 Paraty, agosto de 2010 Objetivo da oficina Elaborar o Direcionamento Estratégico da Gastronomia Sustentável de Paraty para os próximos

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE SOCIAL

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural

Assistência Técnica e Extensão Rural Assistência Técnica e Extensão Rural A EXTENSÃO RURAL CONTEMPORÂNEA DA CEPLAC Concepção, Estrutura e Projetos Sergio Murilo Correia Menezes Ceplac / Cenex Base - Fundamentos ANATER Agenda Estratégica da

Leia mais

agroecológica Transição na região metropolitana de Curitiba

agroecológica Transição na região metropolitana de Curitiba Fotos: Aopa Dia de campo sobre sistemas agroflorestais na comunidade São Sebastião, Cerro Azul-PR Transição agroecológica na região metropolitana de Curitiba Paulo Henrique Mayer* A região metropolitana

Leia mais

Economia solidária e estratégias para o desenvolvimento do comércio justo

Economia solidária e estratégias para o desenvolvimento do comércio justo Economia solidária e estratégias para o desenvolvimento do comércio justo Rosemary Gomes FASE/FBES/FACES/RIPESS rgomes@fase.org.br Economia solidária : elementos para uma definição Atividades econômicas

Leia mais

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia A pobreza rural 55% da população mundial vive em zonas rurais 70% da população mundial muito pobre é rural 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia 1,0 bilhão passa fome 80% dos lugares mais pobres dependem

Leia mais

Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais PRONAT. Gestão Social e Desenvolvimento Territorial

Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais PRONAT. Gestão Social e Desenvolvimento Territorial Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais PRONAT Gestão Social e Desenvolvimento Territorial Antecedentes Questões relevantes (últimas décadas) Esgotamento do modelo de desenvolvimento

Leia mais

APRESENTAÇÃO PARTE 1 AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E O MDA-SAF PARTE 3 EXEMPLOS DE INICIATIVAS DE AGREGAÇÃO DE VALOR NA AGRICULTURA FAMILIAR

APRESENTAÇÃO PARTE 1 AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E O MDA-SAF PARTE 3 EXEMPLOS DE INICIATIVAS DE AGREGAÇÃO DE VALOR NA AGRICULTURA FAMILIAR MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA E REGIÃO AMAZÔNICA: GERAÇÃO DE RENDA E AGREGAÇÃO DE VALOR NA PRODUÇÃO ORGÂNICA, AGROECOLÓGICA E EXTRATIVISTA DA AGRICULTURA FAMILIAR Manaus, 28.10.2011 APRESENTAÇÃO

Leia mais

A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT

A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT Flávia Cristina Solidade Nogueira Débora Fabiana Aparecida Tenutes Silva Sandro Ribeiro da Costa Universidade

Leia mais

Visão integrada. da conservação

Visão integrada. da conservação para sempre Em busca do equilíbrio entre a produção econômica e a conservação do Pantanal, o WWF-Brasil atua na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai em uma perspectiva transfronteiriça e em articulação

Leia mais

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014 NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARCERIA MDA / CNPq Brasília, 13 de maio de 2014 A política de desenvolvimento territorial Desde 2004 a SDT implementa a estratégia de desenvolvimento

Leia mais

Os atores e as redes: construindo espaços para inovação

Os atores e as redes: construindo espaços para inovação Os atores e as redes: construindo espaços para inovação Flávia Charão Marques WORKSHOP SOBRE PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE EM AGROECOSSISTEMAS FAMILIARES Pelotas, 31 de agosto de 2011 Av.

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

INTERFACES ENTRE RESERVAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL (RPPN) E INCLUSÃO SOCIAL.

INTERFACES ENTRE RESERVAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL (RPPN) E INCLUSÃO SOCIAL. INTERFACES ENTRE RESERVAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL (RPPN) E INCLUSÃO SOCIAL. Adriano Lopes de Melo, Paulo César Silva da Motta e Deise Moreira Paulo 1 A discussão sobre a importância e necessidade

Leia mais

de alimentos ecológicos: caminho para o acesso à alimentação saudável Agriculturas v. 11 - n. 4 dezembro de 2014 14

de alimentos ecológicos: caminho para o acesso à alimentação saudável Agriculturas v. 11 - n. 4 dezembro de 2014 14 Compras coletivas de alimentos ecológicos Foto: Tiago da Costa O relacionamento direto entre produtores e consumidores estabelece vínculos de confiança e amizade Compras coletivas de alimentos ecológicos:

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Endereço (rua, número, bairro): Avenida Paulista, n. 2.518, conjunto 12 B. Cerqueira César (filial) Cidade: São Paulo UF: SP CEP: 01310-300

Endereço (rua, número, bairro): Avenida Paulista, n. 2.518, conjunto 12 B. Cerqueira César (filial) Cidade: São Paulo UF: SP CEP: 01310-300 1. DADOS CADASTRAIS 1.1. Projeto Título: PROPOSTA DATA: 26/04/2006 Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário do Brasil Período de realização: Local de desenvolvimento do trabalho/ município/uf: Maio

Leia mais

AGROECOLOGIA: TEMA TRANSVERSAL PARA A EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO

AGROECOLOGIA: TEMA TRANSVERSAL PARA A EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO AGROECOLOGIA: TEMA TRANSVERSAL PARA A EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO Aldemira Ferreira da Silva¹ Este trabalho aborda a Agroecologia como Tema Transversal para a Educação do Campo, onde o tema agroecologia perpassa

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

A5-580 Produção de base ecológica e agroecologia na percepção de estudantes de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

A5-580 Produção de base ecológica e agroecologia na percepção de estudantes de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) A5-580 Produção de base ecológica e agroecologia na percepção de estudantes de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Battisti, Luciano de Oliveira 1 ; Rauber, Marcelo 2 ; Dörr,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL

AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL 2.º CURSO SOBRE GESTÃO E MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS DANIELE GIDSICKI FLONA DE IPANEMA, 16 DE AGOSTO DE 2012 Fotos: Daniele Gidsicki

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

1ª Rodada Global de Negócios Solidários

1ª Rodada Global de Negócios Solidários 1ª Rodada Global de Negócios Solidários V Fórum Social Mundial(26-31/01/2005 Porto Alegre/RS/Brasil (Sábado, 29 de Janeiro de 2005 Espaço Temático 6) Promoção: Rede Brasileira de Sócio-Economia Solidária

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS

TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS Resumo O Teia é um Programa que objetiva consolidar e articular 31 projetos de extensão que compartilham concepções, práticas e metodologias baseadas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR OU SEGURANÇA PARA AGRICULTURA FAMILIAR?

SEGURANÇA ALIMENTAR OU SEGURANÇA PARA AGRICULTURA FAMILIAR? SEGURANÇA ALIMENTAR OU SEGURANÇA PARA AGRICULTURA FAMILIAR? Igor Jose da Silva Consultor do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD e do Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA. SBN Q1

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais