ARQUITETURA INDUSTRIAL E INSERÇÃO URBANA: O CASO DA FÁBRICA SANTA ROSÁLIA EM SOROCABA 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARQUITETURA INDUSTRIAL E INSERÇÃO URBANA: O CASO DA FÁBRICA SANTA ROSÁLIA EM SOROCABA 1"

Transcrição

1 1 ARQUITETURA INDUSTRIAL E INSERÇÃO URBANA: O CASO DA FÁBRICA SANTA ROSÁLIA EM SOROCABA 1 Marco Antonio Leite Massari Θ Ricardo Hernán Medrano Θ FIGURA 1 1. INTRODUÇÃO Um empreendimento singular e muito significativo para a indústria no Brasil. Assim podemos definir a Fábrica Santa Rosália e sua vila operária, situada em Sorocaba (estado de São Paulo). Trata-se de uma indústria têxtil iniciada em 1890 que foi colocada em funcionamento em 1895 juntamente com sua vila operária, estando em atividade até o início dos anos 1990, quando foi fechada. A vila era constituída não apenas por casas, mas também incluía escolas (desde creche até ensino técnico), igreja, hospital, clube e cineteatro. Após anos de abandono, uma grande rede de supermercados instalou ali uma filial. O objetivo deste trabalho é estudar a relação arquitetônica e urbanística, no tempo, da Fábrica Santa Rosália com a cidade de Sorocaba, da qual foram mantidas somente as paredes externas, e que hoje é um hipermercado. Foi também de fundamental importância, como incentivo a esta pesquisa, a ênfase que tem sido dada nos últimos tempos à recuperação e preservação do patrimônio cultural, assim como as polêmicas suscitadas por intervenções realizadas em edifícios industriais. Θ Arquiteto formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Este trabalho foi realizado como uma pesquisa de Iniciação Científica CNPq/PIBIC Θ Físico (Unicamp, 1986), Arquiteto e Urbanista (Fauusp, 1992) e Doutor (Fauusp, 2003). Professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie e Pesquisador Externo do Instituto de Arte Americana (Buenos Aires). Membro do Conselho Editorial da Revista Nossa América

2 2 2. REFERENCIAL TEÓRICO A análise realizada neste trabalho tem como referências teóricas de discussão três linhas principais: A primeira refere-se à história da cidade de Sorocaba, em particular sobre sua arquitetura e urbanismo. Citamos como exemplo os trabalhos de Almeida, Bonadio, Cunha, Frioli, Prestes e Santos. 2 A segunda linha teórica refere-se às vilas operárias de fábricas. Sobre este tema citamos Blay, cujo trabalho possui um viés mais voltado para a sociologia, Bonduki, como parte de um estudo sobre habitação popular, e Phillip Gunn, que realizou com Telma de Barros Correia um extenso levantamento sobre as vilas operárias no Brasil. 3 Por último, trabalhamos com a problemática do Patrimônio Industrial, onde utilizamos como referência conceitual principal o trabalho de Kühl, além de autores como Rufinoni e Saia METODOLOGIA Esta pesquisa está apoiada em fontes primárias e secundárias. No primeiro caso são utilizados documentos cartográficos e iconográficos, em especial estes últimos, resultado de um levantamento que permitiu reunir um universo significativo de elementos para análise. Também foram muito importantes as entrevistas com ex-operários e outras pessoas envolvidas com a fábrica. Contamos ainda com o apoio de uma bibliografia ampla, que foi fundamental para os resultados obtidos. Estas fontes são as bases empíricas para a construção de um quadro abrangente sobre a história da fábrica e da vila operária, relacionando especialmente arquitetura e urbanismo. Para as etapas de análise fizemos uso de categorias do espaço construído, como traçado, quadra, lote, implantação, partido, fachada, estrutura e infra-estrutura, entre outras. Por último, trabalhamos os edifícios remanescentes sob a ótica da Preservação do Patrimônio Industrial, procurando conceituar a relação entre passado e presente. 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. BREVE HISTÓRIA DE SOROCABA a. DA FUNDAÇÃO AO TROPEIRISMO

3 3 A cidade de Sorocaba situa-se a 96 km da capital do Estado de São Paulo, na região sudoeste. Tem como limites as seguintes cidades: ao Norte, Porto Feliz; ao Sul, Votorantim; ao Leste, Mairinque; a Nordeste, Itu; a Oeste, Araçoiaba da Serra; a Sudoeste Salto de Pirapora e a Noroeste, Iperó. Possui habitantes 5 e uma área total de 456,0 Km². 6 Foi fundada em 1654 por Balthazar Fernandes, e elevada à categoria de vila em três de março de 1661, sob o nome de Nossa Senhora da Ponte de Sorocaba. No princípio era um pequeno povoado. Sua economia era baseada na subsistência e no bandeirantismo. O tropeirismo (comércio de animais de transporte, realizado nas chamadas feiras de muares, que serviriam para o trabalho na região das Minas Gerais) foi o fator responsável pelo seu grande crescimento e desenvolvimento nos séculos XVII e XVIII. Este comércio, juntamente com o mercado interno formado pelas atividades artesanais e produção caseira de artigos ligados ao tropeirismo (redes, arreios, armazéns, hospedarias, fábrica de facas, facões, ourivesaria e etc.) iriam ser os elementos únicos de sua economia até meados do século XIX. b. O CULTIVO DO ALGODÃO E A ESTRADA DE FERRO SOROCABANA: A riqueza advinda do comércio das tropas torna administrativa e politicamente, a Vila de Sorocaba no final do século XVIII a mais importante do interior do planalto Piratiningano. Isso irá culminar com o levante de 17 de maio de 1842, que proclamou a cidade, capital da província de São Paulo. A figura central deste movimento liberal foi o então coronel Raphael Tobias de Aguiar. 7 A revolução, no entanto, foi contida pelas tropas comandadas pelo então Barão de Caxias. No início da década de 1860, difunde-se pela Província e em particular na região de Sorocaba, o plantio do algodão herbáceo, impulsionado pelas empresas importadoras de algodão da Inglaterra. Seria uma fonte alternativa de suprimento das tecelagens inglesas, temporariamente impossibilitadas de serem abastecidas pela cultura de algodão no sul dos Estados Unidos (devido a Guerra da Secessão 1861/65 a Marinha, fiel ao governo central, bloqueou os portos sulistas impedindo a continuidade do comércio exterior). Somava-se agora ao comércio de animais, uma atividade agrícola que favoreceu o surgimento de unidades industriais destinadas ao beneficiamento do algodão: remoção dos caroços, limpeza, compactação dos caroços e enfardamento. Isso também se deveu ao fato do mercado inglês se desinteressar pela compra do algodão, dado o fato da cultura americana do mesmo ressurgir após o término Guerra civil americana. Outro fato relevante é a inauguração da Estrada de Ferro Sorocabana (EFS) em 1875, favorecendo a ligação de Sorocaba com a capital (São Paulo), o transporte de mercadorias, o surgimento do parque industrial têxtil e futuramente causando o declínio das feiras de muares. A iniciativa de um movimento em favor da criação de uma estrada de ferro que

4 4 ligasse São Paulo a Sorocaba foi do húngaro Luís Matheus Maylasky, engenheiro e ex-oficial do exército de seu país. c. OS PRIMÓRDIOS DA INDUSTRIALIZAÇÃO E O SURGIMENTO DO PARQUE INDUSTRIAL TÊXTIL O surgimento do parque industrial têxtil de Sorocaba teve início com a implantação da Fábrica de Fiação e Tecidos Nossa Senhora da Ponte (conhecida também como Fábrica Fonseca), em 1881 por Manoel José da Fonseca, apesar de tentativas anteriores frustradas de Francisco de Paula Oliveira (tentou produzir seda) e Manoel Lopes de Oliveira (tentou implantar uma tecelagem, mas esbarrou em problemas de mão-de-obra e matéria-prima). No ano de 1890 fundam-se na cidade duas novas fábricas de tecidos, ambas distantes do centro urbano: A Votorantim e a Santa Rosália (objeto central deste estudo e detalhada no próximo item). Outras grandes indústrias têxteis implantadas em Sorocaba foram: a Fábrica Santa Maria, fundada em 1882; a Alvejaria, Tinturaria e Estamparia São Paulo, que começa a operar em 1909, dando origem à Companhia Nacional de Estamparia (CNE) e a Fábrica Santo Antônio, sendo concluída sua construção em 1913 em um terreno vizinho ao da Fábrica Nossa Senhora da Ponte. Apesar de distintas, todas as indústrias têxteis de Sorocaba possuíam algo em comum: eram grandes estruturas fabris com fachadas em alvenaria de tijolos aparentes e aspecto de arquitetura inglesa. Possuíam vilas operárias (sendo a Votorantim e a Santa Rosália verdadeiras cidades em ponto reduzido ) 8 e benefícios aos operários.

5 A FÁBRICA SANTA ROSÁLIA E SEU BAIRRO OPERÁRIO FIGURA 2 A Fábrica Santa Rosália, como citado no item anterior, foi uma das primeiras fábricas a ser instalada em Sorocaba. A sua construção (1890), a instalação da fábrica e da vila operária (1895) deveu-se graças à sociedade formada por George Oetterer e seu genro Frank Speers. Foi constituída originalmente com capitais do conselheiro Francisco de Paula Mayrinky e de um grupo carioca. 9 O nome da fábrica (da qual se originou o do bairro), segundo familiares dos fundadores, foi uma homenagem à mãe de George Oetterer Rosália, descendente dos barões Von Poescsh. Há quem diga que a homenageada foi Maria Rosália Oetterer Speers, filha de George e mulher de Frank Speers. A administração de Oetterer e Speers foi notável. Só começa a passar por momentos difíceis quando falece o único filho homem de George Carlos Malheiros Oetterer que seria o futuro administrador. Ambos em idades avançadas passam a direção da fábrica a Jorge Mário Speers, sobrinho de George, que se revelou não eficiente. Assim, a família perde o controle da indústria para a CNE Companhia Nacional de Estamparia. 10 Em 1914, ainda sob posse de Oetterer & Speers, contudo já com o nome de Fábrica de Tecidos Santa Rosália S. A., ela contava com: um ramal da E.F. Sorocabana, fusos, 625 teares e 60 cardas, um capital de $000, 840 operários de ambos os sexos e uma produção mensal de metros de algodãozinho, o que consumia kg de

6 6 algodão (quase todo cultivado no próprio município). Sua vila anexa possuía 270 casas, praça ajardinada, escola, creche, refeitório, consultório médico, armazém, corpo musical (banda da companhia), iluminação elétrica e serviço de água encanada. Sob comando dos Kenworthy a empresa prosperava e seguia sua grande produção. Segundo Bonadio: A empresa dos Kenworthy esbarrou numa dificuldade inesperada. O empresário inglês tivera quatro filhos homens, aos quais preparou para sucedê-lo. De modo surpreendente, todos morreram antes de alcançar quarenta anos de idade. Assim, na velhice, ele se viu na contingência de retomar a atividade à frente das fábricas e cuidar das noras e dos netos. Seus descendentes negociaram a CNE com Severino Pereira da Silva. 11 Em 1940 a Fábrica de Tecidos Santa Rosália S. A. e a Companhia Nacional de Estamparia passaram para o controle do Sr. Severino Pereira da Silva, industrial pernambucano que já se notabilizava no Rio de Janeiro e em Minas Gerais por arrojadas iniciativas. 12 Por dez anos, o panorama da CNE era o seguinte: mais de operários, teares, uma produção de fusos, um conjunto de indústrias auxiliares - serrarias, fundição, tipografia, fábrica de gelo, oficinas mecânicas, grandes usinas hidroelétricas no município de Pilar do Sul e fazendas agropecuárias. No Almanaque de Sorocaba de 1950 (p ) 13 são descritos todos os serviços oferecidos aos operários da fábrica, tais como: creche, escola maternal, assistência religiosa, posto de abastecimento, recreação, grupo escolar, escola SENAI, vila operária, assistência domiciliar, ambulatório médico, assistência médico-hospitalar e o Hospital São Severino. Na década de 1950, Pereira da Silva utiliza do capital acumulado de suas indústrias e desenvolve um ambicioso projeto imobiliário para os arredores da Fábrica Santa Rosália e de sua vila operária o Jardim Santa Rosália, um bairro com mais de 300 casas de três dormitórios, em ruas asfaltadas, destinadas a famílias de classe média. Com isso o bairro começa a ganhar a feição que possuí nos dias de hoje. Essa presença marcante em atividades alheias aos seus negócios específicos a produção e venda de tecidos - será um dos obstáculos que a empresa enfrentará depois de 64, quando o governo federal, pelos homens que definiam sua política econômica, passa a ver como um contra-senso que um grupo dotado de tão grande patrimônio possua tão pouca liquidez. Começa então a venda das casas e dos terrenos. Mais à frente, no entanto, a crise ocasionada pela abertura do mercado brasileiro às importações, no governo Collor, truncou o projeto da empresa. Após adquirir várias antigas tecelagens no interior paulista, pretendia moderniza-ias, para quem sabe tomar a dianteira do mercado têxtil brasileiro. Hoje, apenas a Fábrica São Paulo continua operando, atendendo serviços de terceiros. 14

7 A EVOLUÇÃO TERRITORIAL DO BAIRRO FIGURA 3 Para uma descrição concisa da evolução territorial do Bairro Santa Rosália, dividimos em 5 fases de transformações, sendo todos os edifícios construídos pela própria fábrica. A primeira fase marca a implantação da Fábrica ( ) e os primeiros anos de funcionamento nas mãos de Oetterer & Speers, juntamente com a construção da vila operária, da praça Pio XII e da Igreja da Congregação Mariana. A segunda fase é marcada pela compra da Fábrica pelo grupo CNE (Companhia Nacional de Estamparia), trazendo muitas melhorias como o Grupo Escolar, Creche vizinha à fábrica (para possibilitar as mães amamentar os filhos a cada quatro horas), Grupo Musical (banda da Companhia), refeitório, consultório médico, armazéns (loja de armarinhos e açougue), iluminação elétrica e serviço de água encanada. Sua terceira fase tem início em 1940, quando o Sr. Severino Pereira da Silva adquire a Fábrica Santa Rosália, que envolvia a vila e um respeitável pedaço de terra de 44 alqueires ( m 2 ), juntamente com toda a CNE. Nesta época foi feita a maior parte das transformações, sendo elas: implantação da rede de esgoto, a construção de 399 novas casas (1942), Escola Maternal (1942), Ginásio (1942), Fortaleza Clube e estádio (1942), Hospital São Severino (1943), Escola Senai (1943) e remodelação da Praça Pio XII. A etapa quatro foi a de maior expansão do bairro ( ). É marcada pela formação de novas vias públicas (a Avenida Pereira da Silva, a Alameda Kenworthy, suas ruas transversais

8 8 e paralelas), a construção de 300 casas na área próxima a da Rua Aparecida (para a venda), o loteamento Jardim Santa Rosália com 1000 lotes, vendidos para os interessados na construção de casas (demolição da antiga vila), a construção do Cine-teatro, da nova igreja (demolição da antiga) e finalizando-a, em 1970, a venda de todos os terrenos e casas que pertenciam à empresa. A quinta e última fase do bairro é caracterizada pela desativação da fábrica, o abandono de alguns edifícios e a demolição de quase todos. A vinda e instalação do Hipermercado Extra na antiga fábrica (com projeto arquitetônico e de restauração das fachadas supervisionado pelo CMDP Conselho Municipal de Defesa do patrimônio Histórico, Artístico, Arquitetônico, Turístico, e Paisagístico de Sorocaba), juntamente com a mudança do atual Plano Diretor que prevê a transformação da Avenida Pereira da Silva e da Avenida São Francisco em corredores comerciais tendem a iniciar uma nova fase no bairro. FIGURA CONDIÇÕES ATUAIS DA FÁBRICA E DO BAIRRO Uma das questões que mais motivaram a realização da pesquisa é a condição atual da Fábrica Santa Rosália e seu bairro. Ao contrário de outros exemplos conhecidos de bairros operários como a Vila Maria Zélia (São Paulo - SP), Vila Cerealina Indústrias Reunidas Matarazzo (São Paulo - SP) e a vila operária da Fábrica Votorantim (Votorantim - SP), a Vila Santa Rosália é um caso de antigo bairro operário e/ou vila operária que tornou - se um bairro de classe média - alta. Observemos como ficaram as estruturas adjacentes à fábrica e todos os elementos que constituíam o bairro operário. Os edifícios anexos à fábrica (juntamente com a creche, que ficava na entrada do terreno da fábrica), foram considerados pelo CMDP como interferências modernas sem valor arquitetônico ou histórico e sua localização obstruía a visualização do prédio principal. 15

9 9 Conclusão: foram demolidos. Já a vegetação que circunda a fábrica foi mantida e faz parte da atual área destinada a estacionamento do Hipermercado Extra. Quem sofreu maiores danos com a descaracterização, descaso e abandono foram os edifícios mais antigos. As primeiras residências operárias, ou seja, a primeira vila operária, que ficava na Avenida São Francisco, foi demolida pelo próprio Sr. Severino Pereira da Silva algum tempo depois de adquiri-la. De acordo com relato de um antigo funcionário seu, elas estavam muito velhas e não valeria a pena reformá-las, uma vez que ele já havia construído 399 novas casas para os operários e pretendia utilizar a área das antigas casas para o futuro loteamento Jardim Santa Rosália. Muitas destas novas casas se encontram hoje demolidas ou completamente descaracterizadas (a maior parte delas encontra-se na Avenida Pereira da Silva, nos arredores da Praça Pio XII e na Rua Morvan Dias Figueiredo). Poucas ainda conservam algum vestígio original, a não ser as casas que pertenciam a diretores: estas eram diferenciadas das demais e estão em bom estado de conservação. FIGURA 5 A Praça Pio XII, onde fica o busto do Senhor Pereira da Silva, e o Coreto estão em ótimo estado de conservação, apesar do traçado original da praça ter sido alterado em 1940 (a remodelação foi efetuada a pedido do Senhor Pereira da Silva, que contratou um botânico iugoslavo chamado Sigismund Soboslay). A Igreja de Santa Rosália, localizada ao lado da praça, também está em ótimo estado de conservação, mas não é a igreja original do fim do século XIX. A antiga Igreja, que pertencia a Congregação Mariana, era pequena e tinha a capacidade para apenas 200 pessoas. Dona Francisca Pereira da Silva (esposa de Severino) estimulou a construção da igreja atual (em 1960), com capacidade para 800 pessoas. Optou-se pela demolição da antiga igreja, junto com o prédio da Congregação Mariana. Outras construções antigas que circundavam a praça como o Grupo Escolar (década de 1920), o Ginásio, Escola Maternal (década de 1940) e o Cine-Teatro (1950) todos localizados no quarteirão lateral lamentavelmente foram demolidas no início deste ano de 2007, quando a pesquisa já estava em andamento (ver figura 4). As construções, que seriam restauradas e adaptadas para sediar um empreendimento comercial financiado pelo médico e empreendedor Sérgio Rocco, foram destruídas. Segundo relatos de atuais moradores havia incompatibilidade entre preservação e o novo uso das construções.

10 10 FIGURA 6 O Clube Fortaleza, juntamente com seu estádio, que fora construído em 1942 na esquina das Avenidas Pereira da Silva e São Francisco também já não existe mais. Atualmente é um grande terreno usado para estacionamento. Outro antigo estabelecimento demolido é a loja de armarinhos (loja da fábrica). Já o açougue permanece em atividade, sem alterações e em bom estado de conservação. Dois grandes exemplares de edifícios que permanecem em uso são os antigos prédios da Escola Senai (Avenida Pereira da Silva) e do Hospital São Severino (Avenida Roberto Simonsen), ambos construídos em A antiga Escola Senai hoje sedia o Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Sorocaba (SAAE), um órgão municipal. Ainda funciona no bairro uma unidade do Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), cujo terreno foi doado pela família Pereira da Silva, mas este não mais voltado à indústria têxtil, e sim voltado à metalurgia. O edifício está em bom estado de conservação, embora algumas alterações que foram feitas acabaram descaracterizando-o, como por exemplo, a nova pintura e o fechamento das entradas laterais. O mesmo não se pode dizer a respeito do antigo Hospital São Severino, que anteriormente possuía 80 leitos e equipe médica especializada para atender os operários. Foi desativado juntamente com a fábrica e ficou fechado por um bom período. Atualmente o prédio abriga a Policlínica Municipal Dr. Edward Maluf inaugurada em O edifício está em ótimas condições, sem alterações, restaurado e em pleno uso CONSIDERAÇÕES ATUAIS SOBRE A PRESERVAÇÃO DA ARQUITETURA INDUSTRIAL (ARQUEOLOGIA INDUSTRIAL) QUESTÕES TEÓRICAS O tema patrimônio industrial e o interesse pela sua preservação são questões relativamente recentes (Inglaterra, 1950). Ganhou reconhecimento e atenção pública a partir dos anos 1960, quando importantes testemunhos da arquitetura industrial foram demolidos. Uma definição concisa, mas abrangente, de acordo com Beatriz M. Kühl, foi dada por Keneth Hudson: Arqueologia Industrial é a descoberta, registro e estudo dos resíduos físicos de indústrias e meios de comunicação com o passado. 16

11 11 A arqueologia industrial interessa a vários campos do conhecimento, com especial relevância à história em várias facetas, tais como a social, a do trabalho, a econômica, a da técnica, a da engenharia, a da arte, a da arquitetura e a das cidades. Pode ser entendida como esforço multidisciplinar de inventários, levantamentos, pesquisas histórico-documentais, análises dos edifícios e conjuntos e de sua transformação no decorrer do tempo, de suas atuais patologias, de sua inserção na cidade ou território, e projeto para estudar as manifestações físicas, sociais e culturais de formas de industrialização do passado, com o intuito de registrá-las revelá-las, preservá-las e valorizá-las. Apesar das quatro décadas de discussões sobre o tema, com numerosas experiências práticas acumuladas, em países com maior tradição no campo, a preservação do patrimônio industrial é ainda difícil. 17 Mesmo sendo um campo do conhecimento novo, já observamos um grande número de projetos nesta área da preservação cultural. O que, a princípio pode ser algo satisfatório, na realidade é de difícil avaliação (sua pertinência ou não em relação às características históricas e formais da construção). O fato de o resultado final parecer satisfatório, por si só não assegura que a intervenção tenha sido respeitosa em relação ao bem que se queria salvaguardar, podendo, antes, acobertar desatenções a aspectos históricos e formais que deveriam ter sido considerados. Para uma avaliação adequada de quais representantes do patrimônio industrial deverão ser efetivamente preservados e como proceder nesta seleção, Manoela R. Ruffinoni indica seis critérios ou diretrizes para auxiliar no esclarecimento da questão o que preservar no campo do patrimônio industrial, segundo Buchanan. 18 Inicialmente, ressalta o grau de unicidade ou singularidade do artefato (degree of uniqueness). Neste grupo estariam elementos que representem o único exemplo de um tipo particular de artefato, o primeiro ou o último remanescente. O último exemplar de determinado equipamento mecânico ou edifícios industriais de tipologia arquitetônica única poderiam enquadrar-se neste grupo. O segundo critério (representational distinction) seria a qualidade do artefato enquanto referencial representativo. O artefato denota uma referência específica, como um edifício representante de um tipo regional de arquitetura ou construído com técnicas não usuais. Outro aspecto também englobado por este critério de distinção, seria os complexos de edifícios que apresentam qualidades quando preservados em conjunto. Em terceiro lugar, as dimensões e o uso também devem ser considerados. Diversos edifícios industriais desativados relacionam-se com extensas áreas circundantes - muitas vezes originalmente vinculadas ao processo produtivo - que possuem grande potencial para adaptação a novos usos. O quarto critério ressalta as potencialidades turísticas de determinadas áreas industriais desativadas, após a implementação de projeto e infra-estrutura adequada para a nova atividade. Outro critério destacado é a existência e a relevância do suporte local com relação a incentivos financeiros - a possibilidade de atrair parceiros interessados em implementar projetos de preservação e reabilitação, quer sejam grupos públicos ou privados, poderá condicionar as escolhas a serem tomadas. Finalmente, o último critério destaca aqueles artefatos associados a pessoas ou fatos importantes, um engenheiro famoso ou uma inovação técnica relevante, por exemplo.

12 12 Fica claro, portanto, que não se trata de conservar tudo, nem, tampouco, de demolir ou transformar indistintamente tudo. Isso pode levar a extremos indesejáveis tais como tombamentos indistintos, ou demolições impiedosas para evitar que o bem seja protegido causando certa falta de clareza no que se refere à caracterização dos monumentos históricos e de seu papel memorial. Enfim, trata-se de avaliar quais os elementos caracterizadores que devem ser preservados e de que forma intervir e modificar para que, com efeito, esses valores sejam transmitidos ao futuro. 19 Como se pôde observar coexiste distintas formas de perceber os monumentos históricos. Todavia, atualmente, o que se observa é uma inversão de valores. Em vez de o patrimônio ser preservado em razão das diretrizes acima relatadas, tal fato ocorre por vinculações a interesses econômicos e políticos. Embora os bens culturais não possam e não devam ser tratados como se fossem alienados da realidade socioeconômica e política, tais motivos não deveriam ser os únicos, visto o que ocorre nos dias de hoje, uma vez que a preservação deveria ser motivada por razões culturais, estéticas, históricas ou simbólicas. Estas razões teriam de prevalecer nas atuações, transmitindo assim aos monumentos históricos, instrumentos da memória coletiva, sem a ocorrência de deformações. O problema no desvio motivacional da preservação não é apenas uma questão filosófica. A pressão econômica que incide sobre alguns complexos industriais faz com que apareçam projetos de requalificação dessas áreas e obras que, na verdade, desqualificam os espaços fabris. Não apenas os critérios econômicos levam a estas negligências. Vontades individuais e usos indevidos também contribuem para isso. Agravante ainda é o fato desse tipo de iniciativa transformar-se em acontecimento midiático, as restaurações-espetáculo. A encampação das questões ligadas à preservação pelos meios de comunicação de massa não é, por si só, fato negativo. No entanto, verifica-se em variadas intervenções que importa é sobretudo aparecer, e os critérios de intervenção, as discussões sobre técnicas adequadas e compatíveis, posturas projetuais, são todos temas relegados a último plano, isso quando estão presentes. É crescente a mundanidade e a frivolidade que circundam vários eventos, quando, ao contrário, trata-se de um assunto seríssimo: as formas de intervenção em documentos do passado para que possam continuar a transmitir seus valores essenciais para as gerações futuras. 20 Outro fator negativo é a preocupação com a aparência desta atual cultura visiva, que tem levado à busca de juventude a qualquer preço e também repercute no trato dos monumentos históricos, que passam a ter a obrigação de parecerem novos, sem que haja preocupação em buscar-se técnicas adequadas para se consolidar e tratar o já existente. O objetivo de uma restauração não é oferecer uma imagem do passado facilmente consumível, grosseiramente simplificada para se tornar mais palatável ao gosto massificado. É, ao contrário, explorar e valorizar toda a riqueza das diversas estratificações da história, também com o objetivo de educar. 21

13 13 O uso que será dado ao bem preservado é de suma importância para que a intervenção seja bem sucedida. A reutilização é a forma mais eficaz para garantir a preservação de um bem, pois um monumento sem uso deteriora-se de modo rápido, enquanto aquele mantido em funcionamento pode durar séculos. A utilização é essencial para a preservação, mas, a princípio, deveriam ser analisadas as características a serem conservadas e respeitadas, para, depois, definir uma função compatível com elas, e não o contrário, adaptar um dado edifício a um novo uso pré-estabelecido ou submetê-lo a transformações massificadas nem sempre de acordo com suas particularidades, cuja implementação será feita em prejuízo do próprio monumento histórico. 22 Finalmente, é indispensável que o projeto de restauro, como um todo, deva ser fundamentado no juízo histórico-crítico, conseqüência de esforços multidisciplinares que envolvem acurada pesquisa histórico-documental, iconográfica e bibliográfica, pormenorizando levantamento métrico-arquitetônico e fotográfico do(s) edifício(s), exame de suas técnicas construtivas e dos materiais, de sua estrutura, de suas patologias, e análise tipológica e formal. Fatores esses que levam ao entendimento das várias fases por que passou a obra (ou conjunto) no decorrer do tempo e de sua configuração e problemas atuais. A restauração deve calcar-se em muitas ciências, e depende sobremaneira da história, podendo, por sua vez, através do estudo consciencioso dos bens, fornecer importantes dados para esclarecimentos historiográficos. Mas a intervenção se resolve também através do desenho, do projeto de restauração, que é projeto de arquitetura, nada simples, estando sempre presente a dialética entre conservação e inovação. Projeto que se deve ligar de modo indissolúvel ao processo de aquisição de dados e análise, que não é acessório, é fundamental. Esse processo leva tempo, e tem que levar o tempo condizente com o amadurecimento necessário das pesquisas, não admitindo soluções expressas - nem na fase de estudos, nem na fase de projeto e menos ainda durante a execução -, muitas vezes ditadas por prazos políticos, que de modo algum se associam aos objetivos da restauração e podem levar a danos irremediáveis. 5. CONCLUSÃO Procuramos realizar nesta pesquisa um estudo abrangente sobre a fábrica Santa Rosália e sua vila operária, apoiado em uma rica e extensa documentação, da qual apenas parte pôde ser aqui mostrada. Destacamos o enfoque teórico que visa o estudo conjunto de ambas as partes, com o objetivo de entender tanto suas transformações históricas como sua relação com a urbanização da cidade de Sorocaba. Os resultados obtidos evidenciam a importância deste empreendimento para a História da Industrialização no Brasil, mas também a urgente necessidade de ampliar as ações de proteção deste patrimônio.

14 14 REFERÊNCIAS 1 Trabalho apresentado no V Colóquio Latinoamericano e Internacional sobre Rescate y Presevación del Patrimônio Industrial, realizado em Buenos Aires entre 18 e 20 de setembro do ALMEIDA, Aluísio de. História de Sorocaba. Sorocaba: Guarani, 1951; BONADIO, Geraldo. Sorocaba: a cidade Industrial (espaço urbano e vida social sob o impacto da atividade fabril). Sorocaba, SP: Edição do Autor, 2004; CUNHA, Claudia dos Reis e. O patrimônio cultural da cidade de Sorocaba: análise de uma trajetória Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005; FRIOLI, Adolfo. Sorocaba: Registros Históricos e Iconográficos. São Paulo. Editora Laserprint, 2003; PRESTES, Lucinda Ferreira. Sorocaba: o tempo e o espaço, séculos XVIII-XX. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001; SANTOS, Elina. A Industrialização de Sorocaba: Bases Geográficas. São Paulo. Editora Humanitas FFLCH/USP. Série Teses, BLAY, Eva Alterman. Eu não tenho onde morar: vilas operárias na cidade de São Paulo. São Paulo, Nobel, 1985; BONDUKI, Nabil Georges. Origens da habitação social no Brasil. São Paulo, Estação Liberdade/Fapesp, 1998; CORREIA, Telma de Barros; GHOUBAR, Khaled; MAUTNER, Yvonne. Brasil, suas fábricas e vilas operárias. In: PÓS Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP/Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Comissão de Pós-Graduação v.1 (1990) São Paulo: FAU, 1990 n. 20, dez KÜHL, Beatriz Mugayar. Questões Teóricas Relativas à Preservação da Arquitetura Industrial. Desígnio. São Paulo, v-1, nº. 1, pp ; mar RUFINONI, Manoela Rossinetti. Preservação do Patrimônio Industrial na cidade de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004; SAIA, Helena. Arquitetura e Indústria Fábricas de Tecido de Algodão em São Paulo. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) Universidade de São Paulo, São Paulo, Estimativa IBGE - Julho

15 15 PREFEITURA MUNICIPAL DE SOROCABA. Disponível em: <http://www.sorocaba.sp.org.br>. Acesso em: PRESTES, Lucinda Ferreira. Sorocaba: o tempo e o espaço, séculos XVIII-XX. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001, p FRIOLI, Adolfo, BONADIO, Geraldo (org.). Op. Cit. 9 Assinaram a ata da fundação a 24 de Outubro de 1890, entre outros o Dr. ManoeI Rodrigues Monteiro de Azevedo, Cel. João Alfredo de Athayde, Francisco José Speers (Frank Speers), George Oetterer, Joaquim Catramby, José Ricardo Augusto Leal, José Duarte Rodrigues, Dr. Antonio José Ferreira Braga. A sua primeira diretoria era composta pelo Comendador George Oetterer, presidente; Dr. Antonio José Ferreira Braga, secretário; Dr. Manoel Rodrigues Monteiro de Azevedo, Dr. Ludgero Antonio Coelho, Comendador José Ricardo Augusto Leal e Dr. Eugênio Ferreira de Andrade, conselheiros Fiscais; Conselheiro Francisco de Paula Mayrink, Comendador João Leopoldo Modesto Leal, Coronel João Alfredo de Athayde e Dr. Joaquim Catramby, suplentes. 10 Antes da fábrica se tornar propriedade da CNE, a Santa Rosália converte-se à Fábrica de Tecidos Santa Rosália S. A. como um recurso dos antigos donos para não a perderem. Porém, a CNE adquire a maior parte das ações e designa Bráulio Guedes e Hélio Manzoni para dirigirem a fábrica que, por sua vez, suspendem o pagamento de dividendos e obrigam os proprietários originais a, pouco a pouco, venderem o resto das ações. 11 BONADIO, Geraldo. Sorocaba: a cidade Industrial (espaço urbano e vida social sob o impacto da atividade fabril). Sorocaba, SP: do Autor, Pg WERNECK, Bráulio (Org.) Almanach Illustrado de Sorocaba. Repositório histórico, literário e recreativo com ilustrações. Sorocaba / SP: Typographia Werneck, 1950, pp WERNECK, Bráulio (Org.). Op. Cit.

16 16 14 BONADIO. Op. cit. pp CMDP. Prefeitura Municipal de Sorocaba. Processos administrativos /97 e 13936/99, e Resoluções 112 de 15 de setembro de 1999 e 117 de 5 de janeiro de KÜHL, Beatriz Mugayar. Questões Teóricas Relativas à Preservação da Arquitetura Industrial. Desígnio. São Paulo, v-1, nº. 1, p KÜHL, Op. Cit. 18 RUFINONI, Manoela Rossinetti. Preservação do Patrimônio Industrial na cidade de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) Universidade de São Paulo, São Paulo, p KÜHL, Op. Cit. p KÜHL, Op. Cit. p KÜHL, Op. Cit. p KÜHL, Op. Cit. p. 110 ALMEIDA, Aluísio de. História de Sorocaba. Sorocaba: Guarani, 1951.

17 17 ARGAN, Giulio Carlo. História da Arte como História da Cidade. 4ª Edição. São Paulo: Editora Martins Fontes, AZEVEDO, Israel Belo de. O Prazer da Produção Científica: diretrizes para elaboração de trabalhos acadêmicos. 7ª Edição. Prefácio de Hugo Assmann. Piracicaba: Editora UNIMEP, BENEVOLO, Leonardo. A História da Cidade. 4ª Edição. São Paulo. Editora Perspectiva, BLAY, Eva Alterman. Eu não tenho onde morar: vilas operárias na cidade de São Paulo. São Paulo, Nobel, BONADIO, Geraldo. Sorocaba: a cidade Industrial (espaço urbano e vida social sob o impacto da atividade fabril). Sorocaba, SP: do Autor, BONDUKI, Nabil Georges. Origens da habitação social no Brasil. São Paulo, Estação Liberdade/Fapesp, CÉSAR, Francisco Camargo. Sorocaba Industrial. In: WERNECK, Bráulio (Org.) Almanach Illustrado de Sorocaba. Repositório histórico, literário e recreativo com ilustrações. Sorocaba/SP: Typographia Werneck, 1914, pp CORREIA, Telma de Barros; GHOUBAR, Khaled; MAUTNER, Yvonne. Brasil, suas fábricas e vilas operárias. In: PÓS Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP/Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Comissão de Pós-Graduação v.1 (1990) São Paulo: FAU, 1990 n. 20, dez CUNHA, Claudia dos Reis e. O patrimônio cultural da cidade de Sorocaba: análise de uma trajetória Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) Universidade de São Paulo, São Paulo, CUNTO, João de. A Indústria em Sorocaba, In: WERNECK, Bráulio (Org.) Almanach Illustrado de Sorocaba. Repositório histórico, literário e recreativo com ilustrações. Sorocaba/SP: Typographia Werneck, 1914, pp FRAMPTON, Kenneth. História Crítica da Arquitetura Moderna. São Paulo. Editora Martins Fontes, FRIOLI, Adolfo. Sorocaba: Registros Históricos e Iconográficos. São Paulo. Editora Laserprint, FRIOLI, Adolfo, BONADIO, Geraldo (org.). Sorocaba 350 Anos: Uma História Ilustrada, Sorocaba: Fundação Ubaldino do Amaral, Abr

18 18 INSTITUTO HISTÓRICO, GEOGRÁFICO E GENEALÓGICO DE SOROCABA. Disponível em: <http://www.ihggs.org.br>. Acesso em: FUNDAÇÃO UBALDINO DO AMARAL. Sorocaba 350 Anos. Suplemento do Jornal Cruzeiro do Sul, Sorocaba, , p.40. LEITE, WALTER RINALDI. Santa Rosália é o Primeiro Bairro Planejado de Sorocaba. Revista A Cidade: Sorocaba de Todos Nós 351 Anos. Suplemento do Jornal Cruzeiro do Sul. Fundação Ubaldino do Amaral, Ano 1. Sorocaba, 2005, pp LEITE, WALTER RINALDI. Extra Inaugura Hipermercado Hoje, às 9hs. Jornal Cruzeiro do Sul. Fundação Ubaldino do Amaral. Sorocaba, , p. A-5 LYNCH, Kevin. A Imagem da Cidade. São Paulo. Editora Martins Fontes, KÜHL, Beatriz Mugayar. Preservação da Arquitetura Industrial em São Paulo: Questões Teóricas. Relatório Científico. Grupo de Disciplinas de História da Arquitetura/ Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Universidade de São Paulo. São Paulo, KÜHL, Beatriz Mugayar. Questões Teóricas Relativas à Preservação da Arquitetura Industrial. Desígnio. São Paulo, v-1, nº. 1, pp MENDES, José M. Amado. Uma Nova Perspectiva Sobre o Patrimônio Cultural: Preservação e Requalificação de Instalações Industriais, In: Seminário Internacional História e Energia, 2., 1999, São Paulo. Potencial Estratégico de Cultura e Negócios. São Paulo: Fundação Histórico da Energia de São Paulo, 2000, pp PREFEITURA MUNICIPAL DE SOROCABA. Disponível em: <http://www.sorocaba.sp.org.br>. Acesso em: PRESTES, Lucinda Ferreira. A Vila Tropeira de Nossa Senhora da Ponte de Sorocaba: aspectos socioeconômicos e arquitetura das classes dominantes ( ) / Lucinda Ferreira Prestes. São Paulo: ProEditores, PRESTES, Lucinda Ferreira. Sorocaba: o tempo e o espaço, séculos XVIII-XX. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) Universidade de São Paulo, São Paulo, REIS FILHO, Nestor Goulart, São Paulo e Outras Cidades. São Paulo. Editora Hucitec, ROSSI, Aldo. A Arquitetura da Cidade. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1995.

19 19 RUFINONI, Manoela Rossinetti. Preservação do Patrimônio Industrial na cidade de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) Universidade de São Paulo, São Paulo, SAIA, Helena. Arquitetura e Indústria Fábricas de Tecido de Algodão em São Paulo. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) Universidade de São Paulo, São Paulo, SANTOS, Elina. A Industrialização de Sorocaba: Bases Geográficas. São Paulo. Editora Humanitas FFLCH/USP. Série Teses, UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Apresentação de Trabalhos Acadêmicos: guia para alunos da Universidade Presbiteriana Mackenzie/ Universidade Presbiteriana Mackenzie. 3ª Edição. São Paulo. Editora Mackenzie, WERNECK, Bráulio (Org.) Almanach Illustrado de Sorocaba. Repositório histórico, literário e recreativo com ilustrações. Sorocaba/SP: Typographia Werneck, 1950.

2.2.3 Casos de Imóveis preservados

2.2.3 Casos de Imóveis preservados 2.2.3 Casos de Imóveis preservados Em Sorocaba o tombamento municipal é a base da política de preservação adotada em nível local. Em entrevista para o Jornal Cruzeiro do Sul a presidente do CMDPH, Maria

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL Sibila Corral de Arêa Leão Honda Arquiteta e Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestre e Doutora

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material.

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. O surgimento das Charqueadas e sua importância econômica Ogadofoiabasedaeconomiagaúchaduranteumlongoperíododahistória do Rio

Leia mais

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em volta. Por isso, é considerado um verdadeiro acrobata.

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo.

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo. PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO MENDES, Andréa Ribeiro (Orientador) 1 SILVA, Fábio Ferreira da (Co-orientador) 2 SILVA, Luciana Conceição da 3 Palavras-chave: Memória Urbana.

Leia mais

Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007

Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007 Anexo 1.50 Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: acesso pela rodovia SP 122 Ribeirão Pires Paranapiacaba, Santo André SP, Brasil. Autoria: a vila foi construída pela

Leia mais

6.3 Guião de uma visita de estudo a uma unidade do Património Arqueológico-Industrial O Museu do Papel Terras de Santa Maria (exemplo)

6.3 Guião de uma visita de estudo a uma unidade do Património Arqueológico-Industrial O Museu do Papel Terras de Santa Maria (exemplo) 6.3 Guião de uma visita de estudo a uma unidade do Património Arqueológico-Industrial O Museu do Papel Terras de Santa Maria (exemplo) A Objetivos Integrado nas unidades 1 e 4, do Módulo 6, inserimos nesta

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Tatiana Cavalcanti Fonseca*, Elizabeth Amaral Pastich, Hélida Karla Philippini da Silva

Leia mais

Dados da Nossa Região Projetos 2013-2014

Dados da Nossa Região Projetos 2013-2014 Dados da Nossa Região Projetos 2013-2014 { Rotary Club São Paulo Morumbi Comp. Antonio Limongi Presidente Comp. Claudio Moysés Governador D.4610 Ano rotário 2013-2014 Comp. Helen de Montille Ferreira RCSP

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA PREFEITO MUNICIPAL: ODELMO LEÃO SECRETÁRIA DE CULTURA: MÔNICA DEBS DINIZ Página 48 de 108 BENS IMÓVEIS IPAC Nº 4 / 2013 MUNICÍPIO: Uberlândia. DISTRITO: Sede. DESIGNAÇÃO: Comércio. ENDEREÇO: Rua Barão de Camargo, 614 - Bairro Fundinho. USO ATUAL: Comércio (bar). IMAGEM 01:

Leia mais

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO: UM ESTUDO SOBRE OS BALNEÁRIOS DA BARRA DO CHUÍ E ALVORADA, NO SUL DO BRASIL

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO: UM ESTUDO SOBRE OS BALNEÁRIOS DA BARRA DO CHUÍ E ALVORADA, NO SUL DO BRASIL PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO: UM ESTUDO SOBRE OS BALNEÁRIOS DA BARRA DO CHUÍ E ALVORADA, NO SUL DO BRASIL Taís Natália Cruz Pereira RESUMO: Este estudo realizado nos balneários da Barra do

Leia mais

Rio de cara nova. Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos

Rio de cara nova. Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos Rio de cara nova Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos por Ernesto Neves 01 de Agosto de 2011 Fonte: Revista Veja Rio Cidade do Rock O terreno de 250 mil metros quadrados

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DA ÁREA DA CASA DAS RETORTAS PROJETO DE TFG APRESENTADO À UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

REVITALIZAÇÃO DA ÁREA DA CASA DAS RETORTAS PROJETO DE TFG APRESENTADO À UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação. Vol.1, No.4, pp. 200-205 Copyright 2007 AERPA Editora REVITALIZAÇÃO DA ÁREA DA CASA DAS RETORTAS PROJETO DE TFG APRESENTADO À UNIVERSIDADE

Leia mais

[O Laudo de Avaliação completo do Imóvel encontra-se disponível na sede do Administrador do Fundo Brazilian Mortgages Cia.

[O Laudo de Avaliação completo do Imóvel encontra-se disponível na sede do Administrador do Fundo Brazilian Mortgages Cia. [O Laudo de Avaliação completo do Imóvel encontra-se disponível na sede do Administrador do Fundo Brazilian Mortgages Cia. Hipotecária ] HOSPITAL E MATERNIDADE NOSSA SENHORA DE LOURDES Rua das Perobas,

Leia mais

EM BUSCA DO OBSERVATÓRIO PERDIDO

EM BUSCA DO OBSERVATÓRIO PERDIDO EM BUSCA DO OBSERVATÓRIO PERDIDO José Adolfo S. de Campos Observatório do Valongo, UFRJ, doutorando do HCTE adolfo@ov.ufrj.br Nadja Paraense Santos Programa HCTE, UFRJ nadja@iq.ufrj.br Introdução Em 1874,

Leia mais

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS E URBANÍSTICAS 01. Município: Uberlândia 02. Distrito: Sede 03. Designação: Estabelecimento de Uso Misto Comércio e Residência 04. Endereço: Rua Coronel Antônio Alves, nº 9.151

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Rio Grande

DOSSIÊ Sistema Rio Grande Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Rio Grande Fevereiro 2009 1. Histórico do Sistema Rio

Leia mais

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros

Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Educação Patrimonial / Turismo Subprefeitura de Parelheiros Bens preservados em destaque: A. Igreja e Cemitério de Parelheiros B. Igreja e Cemitério de Colônia C. Vila e Estação Ferroviária Evangelista

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 187 ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Gabriella Fernandes

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Aprovadas pelo Conselho Gestor em 27 de julho de 2011 LEGENDA: Diretrizes propostas pela PMSP Diretrizes propostas pelos membros da sociedade civil

Leia mais

DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DA CASA DA FESTA DE JUCA SURDO

DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DA CASA DA FESTA DE JUCA SURDO DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DA CASA DA FESTA DE JUCA SURDO Porteirinha MG Março de 2002 INTRODUÇÃO O dossiê aqui apresentado quer ser, em primeiro lugar, um registro documental da história e das características

Leia mais

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Vista da Rua Schilling, no ano de 1981 Fonte : Júnior Manuel Lobo Fonte:Vila Hamburguesa sub-distrito da Lapa município da capital de São Paulo Vila

Leia mais

Uma Experiência de Arquitetura Pública: o Projeto Habitat - Consultório Móvel de Arquitetura 1

Uma Experiência de Arquitetura Pública: o Projeto Habitat - Consultório Móvel de Arquitetura 1 Uma Experiência de Arquitetura Pública: o Projeto Habitat - Consultório Móvel de Arquitetura 1 SANTANA, Marcela Maciel. Arquiteta e Urbanista/UFV. Rua Virgílio Val, nº 08/03. Centro, Viçosa-MG. Cep: 36570-000.

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

Sorocaba - Visão de FUTURO

Sorocaba - Visão de FUTURO Sorocaba - Visão de FUTURO AGENDA A cidade de Sorocaba Sistema de Inovação Parque Tecnológico de Sorocaba Centro de Inovação Oportunidades História da Cidade de Sorocaba Fundada em 1654, pelo capitão Baltazar

Leia mais

P O R T O M A R A V I L H A

P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A Porto do Rio Zona Portuária Hoje Da fundação aos dias de hoje Oficialmente, o Porto do Rio de Janeiro foi inaugurado em 1910, o que impulsionou o

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

O VIVO NO CEMITÉRIO DOS INGLESES DO RECIFE

O VIVO NO CEMITÉRIO DOS INGLESES DO RECIFE O VIVO NO CEMITÉRIO DOS INGLESES DO RECIFE Autores: LUCIANO BORGES DE SOUZA e MÁRCIO LIMA BARROS DA SILVA Introdução Localizado na Avenida Cruz Cabugá, bairro de Santo Amaro, no Recife, o Cemitério dos

Leia mais

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE RESUMO A reconstituição e o resgate da memória do centro de histórico da cidade foi o audacioso trabalho que a franquia O Boticário

Leia mais

Levantamento Histórico

Levantamento Histórico Praça Roosevelt Levantamento Histórico Até o final do século XIX, o local onde se encontra a Praça Roosevelt era a chácara de Dona Veridiana Prado. Este local teve diversos usos durante este período, desde

Leia mais

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL 1 A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL Colégio Londrinense Alunos(as): Natalia Bergamini da Silva Lucas Tsuchya Hubacek Nasser Nasser Orientadora

Leia mais

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o 1 INTRODUÇÃO O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o jardim público e até mesmo com as praças ajardinadas, o parque público abrange usos e funções das mais complexas,

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Organização e Manutenção do Acervo Arquitetônico de Theo Wiederspahn

Organização e Manutenção do Acervo Arquitetônico de Theo Wiederspahn 2155 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Organização e Manutenção do Acervo Arquitetônico de Theo Wiederspahn Helga Pfeifer Koelln (bolsista apresentador), Paulo Renato Silveira Bicca (orientador) Faculdade

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA AVENIDA GUARARAPES RECIFE/PE Vista panorâmica da avenida Guararapes em 1950. Fonte : MORAES, José 2004. Recife MAIO/ 2010. FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA INTRODUÇÃO A Avenida Guararapes, objeto de

Leia mais

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009.

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009. INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DE RIBEIRÃO PRETO SP Henrique Telles Vichnewski 1 Lílian Rodrigues de O. Rosa 2 Nainôra Maria B. de Freitas 3 O Inventário de Bens Culturais de Ribeirão Preto faz parte do

Leia mais

Arquitetura do ciclo da Borracha en Belém do Pará- Brasil. Guia temático e roteiros culturais.

Arquitetura do ciclo da Borracha en Belém do Pará- Brasil. Guia temático e roteiros culturais. 792 Arquitetura do ciclo da Borracha en Belém do Pará- Brasil. Guia temático e roteiros culturais. R. Verbicaro (1), C. Nóbrega (2) Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) - Faculdade de Arquitetura

Leia mais

Os Loteamentos do Quarto Distrito de Porto Alegre

Os Loteamentos do Quarto Distrito de Porto Alegre 2160 Os Loteamentos do Quarto Distrito de Porto Alegre X Salão de Iniciação Científica PUCRS Aline de Oliveira 1, Leila Nesralla Mattar 2 (orientador) 1 Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, PUCRS. 2 Formação

Leia mais

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI Boletim do Investimento Urbano Sustentável ECO SHOPPING LAGOA DO PERI A agenda estratégica de desenvolvimento sustentável Floripa 2030, constitui um marco para a mudança das formas de uso e ocupação do

Leia mais

PAC CIDADES HISTÓRICAS. Natal /RN

PAC CIDADES HISTÓRICAS. Natal /RN PAC CIDADES HISTÓRICAS Natal /RN INTRODUÇÃO O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), iniciado em 2007, é uma inciativa do governo federal coordenada pelo Ministério do Planejamento que promoveu a

Leia mais

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo COPA Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo José Roberto Bernasconi Presidente Sinaenco São Paulo SP/Agosto/ 2010 1 1 Um histórico Os dois principais estádios

Leia mais

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Valéria Grace Costa ***, Antônio Cláudio Moreira Lima e Moreira, Suzana Pasternak, Maria de Lourdes Zuquim, Simone Cotic Clarissa Souza, Letícia

Leia mais

Consulta Pública Ambiental. Experiências e resultados CICLO 2014

Consulta Pública Ambiental. Experiências e resultados CICLO 2014 Consulta Pública Ambiental Experiências e resultados CICLO 2014 www.sosma.org.br São Paulo/Brasil www.ipm.org.br São Paulo/Brasil Consulta Pública Ambiental Apresentação da metodologia A Consulta Pública

Leia mais

Figura 8.4.11.4-14: Localização dos bens tombados / 2 subtrecho

Figura 8.4.11.4-14: Localização dos bens tombados / 2 subtrecho Figura 8.4.11.4-14: Localização dos bens tombados / 2 subtrecho EIA RIMA Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental LINHA 15 RANCA / Trecho Vila Prudente Dutra CAPÍTULO III 676 EM Nº

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente Anexo I a que se refere o Art. 2º, da Resolução do COEMA nº 107, de 08 de março de 2013. TIPOLOGIA SUB-TIPOLOGIA CONDIÇÃO ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Bercy - Paris França. Intervenção urbana. Prof. Ernani Maia

Bercy - Paris França. Intervenção urbana. Prof. Ernani Maia Bercy - Paris França Intervenção urbana Prof. Ernani Maia O SETOR LESTE O setor leste de Paris historicamente exerceu função industrial, tais como: Armazéns de vinho, Docas, entrepostos e espaços residuais

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE ALUNA: ORIENTADORA: TERESA FARIA NOVEMBRO 2011 AGRADECIMENTOS AGRADEÇO A TODOS QUE ACREDITARAM,

Leia mais

BRANDS COMPONENTES 2

BRANDS COMPONENTES 2 BRANDS COMPONENTES 2 GRUPO FIAT CHRYSLER NA AMÉRICA LATINA CONTAGEM (MG) VENEZUELA GOIANA PERNAMBUCO (2014) Máquinas para construção Iluminação automotiva HORTOLÂNDIA / SANTO ANDRÉ (SP) Sistemas de suspensão,

Leia mais

Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS

Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS Registramos com carinho a aproximação com a família Feltrin, iniciada em 1982. Foram mais de três décadas de respeito recíproco e

Leia mais

Entrevistas de moradores e familiares das comunidades sobre a localização e existência de um local onde se faziam enterros de escravos.

Entrevistas de moradores e familiares das comunidades sobre a localização e existência de um local onde se faziam enterros de escravos. 4.3.3 Programa de Monitoramento Arqueológico O Programa de Monitoramento Arqueológico, conforme consta no Plano Básico Ambiental prevê a catalogação de amostras nas áreas de construção da Estrada Parque,

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas.

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas. IPHAE SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DO ESTADO Av. Borges de Medeiros, 1501, 21º andar- Porto Alegre-RS - Cep:90110-150 Fone/Fax: (051)3225.3176 e-mail: iphae@via-rs.net

Leia mais

A menor distância entre você mil consumidores

A menor distância entre você mil consumidores A menor distância entre você e 200 mil consumidores O privilégio de estar localizado no melhor pontode Cotia! Entrada da Cidade Av. Antônio Mathias de Camargo São Roque Itapevi Barueri Jandira Carapicuíba

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 244/IX ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE SÃO JOÃO DA TALHA À CATEGORIA DE VILA. 1 - Localização. 2 - Razões de ordem histórica

PROJECTO DE LEI N.º 244/IX ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE SÃO JOÃO DA TALHA À CATEGORIA DE VILA. 1 - Localização. 2 - Razões de ordem histórica PROJECTO DE LEI N.º 244/IX ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE SÃO JOÃO DA TALHA À CATEGORIA DE VILA 1 - Localização A povoação de São João da Talha localiza-se no concelho de Loures, na zona oriental do concelho

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

PRAÇA GETÚLIO VARGAS IMPORTANTE ESPAÇO PÚBLICO DE CONVÍVIO SOCIAL EM PONTA GROSSA-PR

PRAÇA GETÚLIO VARGAS IMPORTANTE ESPAÇO PÚBLICO DE CONVÍVIO SOCIAL EM PONTA GROSSA-PR PRAÇA GETÚLIO VARGAS IMPORTANTE ESPAÇO PÚBLICO DE CONVÍVIO SOCIAL EM PONTA GROSSA-PR Joel Zubek da Rosa - zubek14joel@hotmail.com Maria Aparecida de Oliveira Hinsching (Orientadora) Resumo A Praça Getúlio

Leia mais

INTERVENÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO. (concluída) e a construção do Mercado Público Municipal. Ainda está prevista a criação de uma

INTERVENÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO. (concluída) e a construção do Mercado Público Municipal. Ainda está prevista a criação de uma EIXO : INTERVENÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO Desenvolvimento com opções de lazer projeto Blumenau 2050 prevê uma série de obras para alavancar o desenvol- O vimento econômico, o turismo e o lazer na cidade.

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

Bens em regime de proteção municipal COMPHAC

Bens em regime de proteção municipal COMPHAC Bens em regime de proteção municipal COMPHAC Casarão Nhonhô dos Santos Resolução de Tombamento: nº 07, de 25/10/1989. Decreto: nº 3.668, de 19/12/1991. Localização: Praça Barão de Araras, 372 - Centro

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Os Centros Urbanos do Século XXI

Urban View. Urban Reports. Os Centros Urbanos do Século XXI Urban View Urban Reports Os Centros Urbanos do Século XXI Os centros urbanos do século XXI Hoje 19,4 milhões de pessoas vivem na região metropolitana de São Paulo. A quinta maior aglomeração humana do

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO E AMBIENTAL: O PARQUE DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO E AMBIENTAL: O PARQUE DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO E AMBIENTAL: O PARQUE DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS VINIE PEDRA PPG-PUCCAMP O estudo de caso do Parque da Cidade de São José dos Campos, no contexto de uma discussão sobre patrimônio

Leia mais

Todo mundo vai passar aqui. EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

Todo mundo vai passar aqui. EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. Todo mundo vai passar aqui. 3 Todo mundo vai te ver aqui. Mais de 150 lojas. A maior vitrine de Brasília. 4 5 No coração de Águas Claras O Vitrinni Shopping está localizado na única quadra inteira ainda

Leia mais

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Rosa do Carmo de Oliveira Lima¹ (Orientadora) - Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e

Leia mais

Praça Roosevelt Dos anos 40 à Construção. Praça Roosevelt Dos anos 40 à Construção: O Processo de Mudança de um Local

Praça Roosevelt Dos anos 40 à Construção. Praça Roosevelt Dos anos 40 à Construção: O Processo de Mudança de um Local Praça Roosevelt Dos anos 40 à Construção: O Processo de Mudança de um Local Introdução O espaço da atual Praça Roosevelt teve sua configuração a partir dos anos 40, com a desapropriação de um terreno atrás

Leia mais

3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é

3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é 3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é tombada em nível estadual, apenas um bem é tombado pela

Leia mais

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Neoclássico França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Definição Neoclássico Movimento cultural dado no século

Leia mais

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Definição de Paisagem Natural / Cultural 1. Consideramos Paisagem todo o espaço que se abrange num lance de vista, e que é delimitado pela linha

Leia mais

R 1 O T E I R O 2 0 0 5

R 1 O T E I R O 2 0 0 5 R O T E I R O 1 2 0 0 5 2 SUMÁRIO A - INTRODUÇÃO B CRITÉRIOS TÉCNICOS C ORIENTAÇÕES TÉCNICAS 1. Pesquisa Histórica 2. Pesquisa Arqueológica 3. Prospecções 4. Análises Laboratoriais 5. Levantamento Arquitetônico

Leia mais

Resíduos Sólidos Programa Lixo Alternativo Situação atual de Guaraqueçaba: Volume diário 4m³ (aproximadamente 1 tonelada/dia) Coleta: Diária em 980 unidades domésticas / 135 comerciais / 2 industriais

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí A produção literária referente à arquitetura e urbanismo sempre foi caracterizada pela publicação de poucos títulos, baixa diversidade

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

PORTO MARAVILHA. Permanências e Mudanças

PORTO MARAVILHA. Permanências e Mudanças PORTO MARAVILHA Permanências e Mudanças MOMENTO ESPECIAL CV Rio + 20 Copa das Confederações 450 Anos da Cidade & Copa América Jogos Olímpicos de 2016 2011 2012 2013 2014 2015 2016 LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua

São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua Pesquisa traz reflexões para melhorar a situação da população de rua e indica falhas nas políticas públicas. Moradores de rua na

Leia mais

MUDANÇAS ESPACIAIS NO BAIRRO VILA GARCIA, MUNICIPIO DE JACAREÍ SP NO PERIODO DE 1970 A 2010

MUDANÇAS ESPACIAIS NO BAIRRO VILA GARCIA, MUNICIPIO DE JACAREÍ SP NO PERIODO DE 1970 A 2010 MUDANÇAS ESPACIAIS NO BAIRRO VILA GARCIA, MUNICIPIO DE JACAREÍ SP NO PERIODO DE 1970 A 2010 José Maria Filho ¹, Bruno Rodrigo 1, Sandra Maria Fonseca da Costa¹ 1 Universidade do Vale do Paraíba Faculdade

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

CASA DA CULTURA natural Pouso Alegre Minas Gerais

CASA DA CULTURA natural Pouso Alegre Minas Gerais CASA DA CULTURA Situado à Rua Tiradentes n.º 264, fazendo esquina com Rua Dr. Licurgo Leite, o casarão dos Leite, como era chamada a atual Casa da Cultura, foi construído aproximadamente no final da década

Leia mais

recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades

recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades Uso de efluentes de tratamento de esgotos para a recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades Isoladas VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

Resolução n o. 22/2002

Resolução n o. 22/2002 Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Cultura Departamento do Patrimônio Histórico Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São

Leia mais

VÁRZEA PAULISTA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 37.530.000,00

VÁRZEA PAULISTA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 37.530.000,00 VÁRZEA PAULISTA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 37.530.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 59.550 litros de leite de Jan/2007 a Mar/2009 - Custo: R$ 75 mil, beneficiando 150 famílias

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Horários: 10h30 12h30 / 15h00 20h00 (com marcação prévia)

Horários: 10h30 12h30 / 15h00 20h00 (com marcação prévia) MUSEU DO CARRO ELÉTRICO Inaugurado em 1992, o Museu do Carro Elétrico nasceu da dedicação e voluntarismo de um pequeno grupo de entusiastas e apaixonados por este meio de transporte coletivo, impulsionados

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

grandes profissionais.

grandes profissionais. Soluções e Equipamentos para Controle Térmico Negócios empresariais, o resultado dos grandes profissionais. Relação entre pessoas geram negócios empresariais O termo (B2B - business to business em inglês)

Leia mais