Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende"

Transcrição

1 Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende Resumo Fase 1 Não Técnico Maio 2013 E25347 DHV, S.A. Estrada de Alfragide. Nº Amadora - PORTUGAL T F E

2

3 Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende Resumo Não Técnico ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO OBJETO DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA IDENTIFICAÇÃO DOS FATORES CRÍTICOS DE DECISÃO SITUAÇÃO ATUAL E EVOLUÇÃO PREVISTA NA AUSÊNCIA DO PLANO EFEITOS DO PLANO E RECOMENDAÇÕES DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA AAE (PLANO DE SEGUIMENTO) CONCLUSÕES FINAIS FIGURAS Figura 3.1 Metodologia para a definição dos FCD QUADROS Quadro 2.1 Diagnóstico por área temática... 5 Quadro 2.2 Síntese das propostas referentes à Revisão do PDM... 7 Quadro 3.1 Seleção dos Fatores Críticos de Decisão Quadro 6.1 Medidas de controlo relativas aos Fatores Críticos para a Decisão E25347_MD_RNT_AMB.docx 1

4 INFORMAÇÃO SOBRE O DOCUMENTO E AUTORES Cliente Referência do Projeto Câmara Municipal de Esposende E25347 Descrição do Documento Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do PDM de Esposende - Relatório Não Técnico Versão Referência do Ficheiro N.º de Páginas 25 Autores Outras Contribuições Diretor de Projeto E25347_MD_RNT_AMB.docx Romana Rocha/ Ana Rita Marina Francisca Gusmão Romana Rocha Data 21 de maio de E25347_MD_RNT_AMB.docx

5 Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende Resumo Não Técnico 1. INTRODUÇÃO O presente documento constitui o Resumo Não Técnico do Relatório Ambiental da Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende no qual se identificam, descrevem e avaliam os eventuais efeitos significativos no ambiente resultantes da aplicação do plano e as suas alternativas razoáveis que tenham em conta os objetivos e o âmbito de aplicação territorial respetivos, respondendo ao n.º 2 do Artigo 45.º do Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial 1. A Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) respeita o regime estabelecido pelo Decreto-Lei n.º 232/2007 de 15 Junho, encontrando-se o Resumo Não Técnico organizado nos seguintes pontos: No capítulo 2, é apresentado o objeto de avaliação, ou seja a Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende. No capítulo 3, é apresentada a forma como se processa a avaliação ambiental estratégica, indicando os temas fundamentais para a decisão ou fatores críticos de decisão. No capítulo 4, é sintetizada a primeira etapa da avaliação ambiental considerando os temas fundamentais identificados, e que consiste na caracterização da situação atual e evolução esperada na ausência da Revisão do Plano Diretor Municipal; No capítulo 5, procede-se à identificação dos efeitos decorrentes da implementação do plano, e consequentes recomendações, considerando os temas fundamentais identificados. No capítulo 6, é apresentada a monitorização da Avaliação Ambiental Estratégica. No capítulo 7, são apresentadas as conclusões finais 1 Decreto-Lei n.º 380/99, de 22 de Setembro, na redação do Decreto-Lei n.º 316/2007, 19 de Setembro, e do Decreto-Lei n.º 49/2009, de 20 de Fevereiro. E25347_MD_RNT_AMB.docx 3

6 4 E25347_MD_RNT_AMB.docx

7 Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende Resumo Não Técnico 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO O objeto da Avaliação Ambiental Estratégica é a Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende processo que se encontra em fase de conclusão e que foi iniciado em 2002, de modo a precaver o cumprimento do prazo máximo de vigência de 10 anos 2. O processo de Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende encontra-se organizado em três fases: 1.ª Fase: Estudo Prévio do Plano. 2.ª Fase: Proposta do Plano. 3.ª Fase: Discussão Pública da Proposta de Plano e Versão Final do Plano. Na 1.ª Fase da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende, foi efetuada a caracterização e diagnóstico do concelho, considerando um conjunto alargado de estudos sectoriais. De seguida é apresentada a identificação de debilidades e forças por área temática, conforme se encontra sintetizada no Relatório do Plano (p ). Quadro 2.1 Diagnóstico por área temática Área* Temática Sócio economia Debilidades Baixo nível de escolaridade e de qualificação profissional da população, com abandono escolar a partir do 2º ciclo. Conjuntura económica pouco favorável ao crescimento do emprego. Formas tradicionais de gestão nas atividades do sector primário. Mão-de-obra envelhecida, com grandes carências de instrução / formação. Existência de muitas empresas de pequena dimensão, com gestão familiar, o que se traduz em dificuldades estruturais para investir nos fatores de competitividade. Uma larga maioria dos habitantes dependentes do Estado, ou seja através do emprego nos seus serviços. Fraca especialização produtiva predomínio sistemas policulturais tradicionais de raiz camponesa com forte componente de autoconsumo. Fraca dimensão económica das explorações agrícolas com uma componente de volume de comercialização, que além de ser bastante restrita se esgota com facilidade nos circuitos locais, informais ou não, de comercialização. No sector do turismo existe uma desproporção entre a capacidade empresarial e as Forças Reconhecimento do concelho de Esposende como zona turística. População ativa jovem capaz de repor a mãode-obra que se for afastando do mercado de trabalho devido à idade. Número crescente de mulheres a querer integrar o mercado de trabalho. Garantia de rendimento regular nos produtos como o leite, hortícolas, carne e peixe. Rendimentos indiretos da produção para autoconsumo. Articulação com a atividade turística / gastronomia. O sector secundário é o maior empregador. As indústrias com maior peso no emprego são os têxteis e confeção e a construção civil. Dinamizar o associativismo empresarial e a formação para trabalhadores e empresários. Formação Profissional da área do turismo Escola Profissional de Esposende. Boa cobertura de equipamentos educativos. Cobertura concelhia satisfatória ao nível das instituições sociais. 2 Estipulado no n.º 2 do artigo 4º do Regulamento do PDM de Aljustrel, em conformidade com o disposto pelo Decreto-Lei n.º 380/99, de 22 de Setembro. E25347_MD_RNT_AMB.docx 5

8 Área* Temática Ambiente e Qualidade de Vida Debilidades oportunidades para configurar produtos de turismo ambiental em torno dos recursos naturais e patrimoniais do concelho. Introdução de portagens nas ex-scut Utilização não controlada de produtos químicos nas explorações agrícolas. Abandono da agricultura, mas também da floresta, que cede terreno a formações vegetais mais pobres e desagregadas, sujeitando o solo a um risco de erosão acrescido. Não existe um centro de receção de entrada/porta na área do PNLN, não aproveitando de forma eficaz este elemento natural, importante na garantia de uma maior dinamização do concelho. Dificuldade no tratamento de resíduos das explorações de produção animal (chorumes). A cobertura de drenagem de águas residuais ainda não contempla a totalidade do concelho. Contaminação de solos, recursos freáticos e rios. Erosão costeira. Forte atividade turística gera especulação na construção. A dinâmica de arrendamento é fraca. Forças Cobertura de 100% ao nível da distribuição de água potável e de recolha de resíduos sólidos. Existem 7 ETAR, 12 Parques de Compostagem e Centro de Educação Ambiental. Área Protegida do Litoral de Esposende com Plano de Ordenamento aprovado. Recursos hídricos, nomeadamente os rios Cávado e Neiva e seus estuários. Qualidade ambiental e urbanística reconhecida, tendo em consideração os baixos índices de poluição e a preservação de uma qualidade cénica e uma diversidade paisagística e riqueza biológica atestada na integração do Litoral no Parque Natural. Os planos de água produzidos pelos rios Cávado e Neiva possuem uma dinâmica que permite e suscita uma utilização lúdica. As características paisagísticas de Esposende sugerem novas formas de turismo. Existe uma ampla aptidão florestal por explorar. O município de Esposende está bem localizado para a produção de energias renováveis (energia eólica e de biomassa). A base de património histórico e arquitetónico do concelho, combinando recursos-âncora com uma extrema diversidade de recursos complementares, abre perspetivas de suporte cultural relevantes para a estratégia de valorização turística do concelho. Localização geográfica privilegiada. Existência de lotes para autoconstrução. Extraído de: Revisão do PDM de Esposende Relatório de Plano. * Este diagnóstico foi objeto de um conjunto de atualizações/ alterações por parte da Câmara Municipal de Esposende, em sede de verificação do Relatório Ambiental Preliminar, em Fevereiro de No âmbito do processo de Revisão do PDM foram estabelecidos princípios orientadores do modelo de gestão territorial que garantissem a salvaguarda dos interesses públicos estratégicos com expressão no território municipal, nomeadamente os de ordem social, histórica, económica, cultural, natural e paisagística, que se traduzem nos seguintes objetivos do modelo de estruturação territorial: a) A proteção e salvaguarda dos espaços e recursos naturais e culturais (EEM); b) O reforço da centralidade de Esposende e dos principais núcleos urbanos do concelho (Fão, Apúlia, Forjães e Palmeira de Faro); c) A rentabilização das infraestruturas urbanas; 6 E25347_MD_RNT_AMB.docx

9 Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende Resumo Não Técnico d) A contenção dos perímetros e proposta de compactação / colmatação do solo urbano; e) O incentivo e localização estratégica de áreas e núcleos industriais / empresariais; f) A potenciação da acessibilidade conferida pelas vias de âmbito nacional e regional; g) A disponibilização de equipamentos necessários; h) A assunção de uma escala do edificado como fator de identidade / imagem do concelho; i) A estratégia de acolhimento / compatibilização dos empreendimentos e atividades de carácter sazonal. Com base nos objetivos do modelo de estruturação territorial e na caracterização do município, foi possível definir um conjunto de propostas para a área de intervenção, que se apresentam sinteticamente no Quadro seguinte e que são o Objeto de avaliação. Quadro 2.2 Síntese das propostas referentes à Revisão do PDM Objetivos a) A proteção e salvaguarda dos espaços e recursos naturais e culturais (EEM). Principais propostas A Proposta de Plano integra uma proposta de Estrutura Ecológica Municipal (EEM), tendo por objetivo geral a proteção e a valorização da qualidade ambiental do território do concelho, concretizada através dos seguintes objetivos específicos: a proteção da rede hidrográfica e do solo, a conservação dos recursos genéticos do território e a valorização dos recursos de maior sensibilidade biofísica e doutras componentes e valores ambientais, paisagísticos e culturais, que ocorrem nos espaços rurais e urbanos, com destaque para as áreas classificadas. A EEM é constituída pelos seguintes componentes (artigo 63.º do Regulamento): a) Recursos naturais litorais: praias, dunas, restinga, ilhéus ou rochedos emersos do mar; b) Recursos naturais fluviais: ínsuas, zona húmida adjacente ao estuário, áreas inundáveis ou ameaçadas pelas cheias e leitos e margens (incluindo as galerias ripícolas) dos cursos de água, com destaque para os rios Cávado e Neiva; c) Recursos naturais secos: arriba fóssil e zonas de proteção e recarga do aquífero; d) Recursos agrícolas: áreas de aptidão elevada aluvionares e masseiras; e) Recursos florestais: áreas florestais de conservação e de proteção; f) Valores culturais: espaços culturais / património de elevado interesse e equipamentos estruturantes, que dinamizam e conformam a estrutura ecológica; g) Áreas afetas ou a afetar à estrutura ecológica urbana ( ). Abrange portanto um conjunto de ecossistemas da Reserva Ecológica Nacional (REN), os solos aluvionares da Reserva Agrícola Nacional (RAN) e as zonas florestais de proteção, integrando os habitats da Rede Natura 2000 (PSRN 2000 ), bem como o corredor ecológico Litoral Esposende/ Cávado-Ave/ Sr.ª Abadia-Merouço/ Cabreira identificado no Plano Regional de Ordenamento Florestal do Baixo Minho (PROF BM). É ainda definida uma estrutura ecológica complementar, constituída pelas restantes componentes da RAN e REN, e, no solo urbano, por áreas verdes de utilização pública e espaços arborizados e alinhamentos arbóreos não integrados na estrutura ecológica urbana principal. Na EEM são interditas obras de urbanização ou de edificação, regendo-se os condicionamentos ao uso e transformação do solo pela regulamentação das classes e categorias de espaço a que se sobrepõe. E25347_MD_RNT_AMB.docx 7

10 Objetivos b) O reforço da centralidade de Esposende e dos principais núcleos urbanos do concelho (Fão, Apúlia, Forjães e Palmeira de Faro). c) A rentabilização das infraestruturas urbanas. Principais propostas A Proposta de Plano estabelece a seguinte hierarquia urbana, que deverá refletir as centralidades funcionais dos aglomerados do concelho: Nível 1 Cidade de Esposende; Nível 2 Vilas de Apúlia, Fão e Forjães e aglomerado de Palmeira de Faro; Nível 3 Centralidades dos restantes aglomerados. A classificação e qualificação do solo urbano atende ao objetivo de reforço da centralidade de Esposende e dos aglomerados de nível 2, classificando-os como espaços centrais, que são as áreas de território correspondentes aos aglomerados de matriz urbana e destinam-se à localização e implantação de atividades, funções e instalações com fins habitacionais, comerciais ou de serviços, bem como à criação de espaços públicos e de espaços verdes e de utilização coletiva e à instalação de equipamentos urbanos, podendo ainda receber outras utilizações ou ocupações, desde que sejam consideradas compatíveis com os usos dominantes Estes espaços centrais preveem, portanto, uma série de funções além das habitacionais, distinguindo-se as suas duas subcategorias: (i) a Área central principal, situada na Cidade de Esposende. (ii) as Áreas centrais complementares, situadas na Cidade de Esposende (freguesia de Marinhas), Apúlia, Fão, Forjães e Palmeira de Faro. Estes espaços centrais diferenciam-se em termos de intensidades de ocupação (índices de utilização) e da altura máxima admitida para os edifícios (através do número de pisos acima do solo), destacando-se também em termos de parâmetros urbanísticos face aos espaços residenciais. A Proposta de Plano assume como um dos critérios para a delimitação dos perímetros urbanos, a rentabilização de infraestruturas urbanísticas já existentes, nomeadamente abastecimento de água e saneamento. Simultaneamente, um dos requisitos mínimos estabelecidos para a aptidão de edificar é a dotação de acessibilidades viárias (artigo 14.º do Regulamento). Por seu turno, o artigo 17.º do Regulamento estabelece que qualquer atividade, edificação ou outra forma de utilização, ocupação ou transformação do uso do solo só pode ser viabilizada face à dotação das infraestruturas necessárias, não só de acessibilidades, mas também de abastecimento de água potável, drenagem de águas residuais, abastecimento de energia elétrica e outras legal ou regulamentarmente exigíveis. 8 E25347_MD_RNT_AMB.docx

11 Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende Resumo Não Técnico Objetivos d) A contenção dos perímetros e proposta de compactação / colmatação do solo urbano. e) O incentivo e localização estratégica de áreas e núcleos industriais / empresariais. Principais propostas A Proposta de Plano procede à delimitação dos perímetros urbanos do concelho, traduzindo-se num ligeiro aumento da densidade global, que se apresentava no PDM em vigor muito reduzida. No PDM em vigor, a densidade média dos perímetros urbanos do concelho ronda os 10 hab./ha e os 3,5 edifícios/ha, passando a corresponder na presente proposta de Revisão a 10,4 hab./ha e os 4,02 edifícios/ha (Relatório Temático Proposta de Revisão dos Perímetros Urbanos 3 ). Ainda assim, a proposta de delimitação dos perímetros urbanos apresenta um ligeiro acréscimo face ao PDM em vigor, na ordem dos 8,1%, sendo todas as expansões justificadas individualmente no Relatório Temático Proposta de Revisão dos Perímetros Urbanos, face a correções da cartografia e lapsos do PDM em vigor, ajustes nos limites e rentabilização de infraestruturas existentes. A classificação do Solo Urbano seguiu um conjunto de critérios constante do Relatório da Proposta de Plano, que complementam e contribuem para a concretização do objetivo de contenção dos perímetros e proposta de compactação / colmatação do solo urbano. Esses critérios são os seguintes: Inserção no modelo de organização do sistema urbano municipal; Existência ou previsão de aglomeração de edifícios, população e atividades geradora de fluxos de pessoas e bens; Existência ou garantia de provisão, no horizonte do PMOT, de infraestruturas urbanas e de prestação dos serviços associados, compreendendo, no mínimo, os sistemas de transportes públicos, de abastecimento de água 4 ; Garantia de acesso da população residente aos equipamentos que satisfaçam as suas necessidades coletivas fundamentais. A proposta de Plano procede à classificação de espaços de atividades económicas, num total de 216,63 ha, correspondendo sensivelmente a mais 50 ha em relação ao conjunto de espaços industriais e núcleos industriais do PDM em vigor. Os espaços de atividades económicas destinam-se à instalação de unidades industriais e de armazenagem como uso dominante, e ainda de atividades que, pelas suas caraterísticas, se revelem incompatíveis com a sua localização nas restantes categorias de solo urbano, nomeadamente oficinas de manutenção e reparação de veículos motorizados. Essencialmente estes espaços correspondem a zonas industriais e parques empresariais de gestão privada (existentes ou em projeto, como é o caso do Parque Empresarial de Vila Chã/Forjães), contribuindo a proposta de PDM para o incentivo e viabilização destes projetos, assim como, de um modo geral, para a instalação de empresas no concelho. 3 Documento disponibilizado pela CMM, que de acordo com o constante no Regulamento, não acompanha a Proposta de Plano. 4 E também de abastecimento de energia elétrica, de acordo com indicação da Câmara Municipal de Esposende, efetuada no âmbito da verificação do Relatório Ambiental Preliminar, em Fevereiro de E25347_MD_RNT_AMB.docx 9

12 Objetivos f) A potenciação da acessibilidade conferida pelas vias de âmbito nacional e regional. Principais propostas A desatualização da rede viária proposta no PDM em vigor, em particular a proposta de espaços canais e de zonas sujeitas a condicionamentos por ajustes de limites, constitui um dos elementos que fundamentaram a Revisão do PDM. A Proposta de Plano apresenta uma rede viária do concelho estruturada segundo três níveis: a) Rede principal, constituída pelas vias que asseguram as principais articulações viárias do território concelhio, e em particular da sua sede, com o exterior, nela se integrando a totalidade da rede viária de caráter nacional; b) Rede secundária, constituída pelas vias de articulação da rede principal com os principais aglomerados e áreas geradoras de fluxos no interior do concelho e pelas vias complementares de ligação aos concelhos limítrofes; c) Rede local, constituída pelas restantes vias, de distribuição local, e pelos arruamentos urbanos, quando não incorporados nos níveis anteriores. A estruturação da rede viária visa potenciar a acessibilidade conferida pelas vias de âmbito nacional e regional, prosseguindo simultaneamente: A promoção da coesão externa: através da Definição de uma rede estruturante principal com carácter intermunicipal e que abastece a rede distribuidora correspondente à rede estruturante secundária. A promoção da coesão interna: através da Rede estruturante secundária que estabelece a ligação entre os principais aglomerados da rede urbana e estrutura a conexão dos nós da rede estruturante principal à rede local; e das artérias locais correspondem aos arruamentos que estabelecem a ligação da rede distribuidora aos prédios rurais ou urbanos que servem. g) A disponibilização de equipamentos necessários. h) A assunção de uma escala do edificado como fator de identidade / imagem do concelho. A Proposta de Plano procede à delimitação de espaços para equipamentos (classificados como inexistentes no PDM em vigor) em solo urbano (num total de 23,2 ha) e solo rural (num total de 7,1 ha), correspondendo a este último As componentes edificadas dos equipamentos públicos ou de interesse público, incluindo áreas de recreio e lazer, instalações de campos de férias e outras estruturas de aproveitamento recreativo ou de apoio a projetos de animação ambiental, cuja natureza, caraterísticas e inserção territorial sejam reconhecidas pelo município como justificativas da sua localização em solo rural. Esta proposta de espaços de equipamentos visa assegurar a disponibilização de espaço, viabilizar a localização e regulamentar a expansão dos equipamentos coletivos existentes e previstos para o concelho. Adicionalmente, no âmbito da programação e execução do Plano é definido o dimensionamento de áreas de dotações coletivas, onde se incluem os equipamentos, precavendo a resposta às eventuais necessidades futuras decorrentes da expansão urbanística do concelho. Destaca-se ainda a proposta de uma Unidade Operativa de Planeamento e Gestão referente a UOPG - Áreas de usos múltiplos de recreio, lazer e desporto, prevendo a realização de um conjunto de equipamentos para o concelho. A Proposta de PDM estabelece, ao nível do Regulamento, a altura máxima de pisos no concelho, diferenciando entre Solo Rural e Urbano e entre classes e categorias de espaço. No solo rural são admitidas construções até 2 pisos, 3 pisos para os empreendimentos turísticos das tipologias de hotel rural, estabelecimento hoteleiro, aldeamento turístico ou conjunto turístico. No solo urbano, verifica-se uma diferenciação entre os espaços residenciais e centrais. Nos espaços residenciais, apenas são admitidos 2 pisos Na área residencial de moradias de Esposende, em parcelas confinantes com a Avenida Marginal Avenida Eng.º Arantes e Oliveira ou situadas a poente desta e na área residencial de Ofir; 3 pisos nas restantes áreas residenciais. Nos espaços centrais são admitidos de um modo geral 3 pisos, 5 pisos apenas na subzona da área central principal situada a nascente da atual EN.13 (Esposende). 10 E25347_MD_RNT_AMB.docx

13 Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende Resumo Não Técnico Objetivos i) A estratégia de acolhimento / compatibilização dos empreendimentos e atividades de carácter sazonal. Principais propostas A Proposta de Plano define Espaços de Ocupação Turística apenas correspondentes à localização de parques de campismo, mas admite a instalação de empreendimentos turísticos na generalidade do concelho, respeitando os parâmetros de edificabilidade. Simultaneamente, a Proposta de Plano propõe um conjunto de Unidades Operativas de Planeamento e Gestão (UOPG), direcionadas, direta ou indiretamente, para o desenvolvimento da atividade turística: Núcleos de desenvolvimento turístico (NDT) correspondentes a áreas preferenciais para a instalação de empreendimentos turísticos. Áreas de usos múltiplos de recreio, lazer e desporto correspondentes a áreas destinadas à concentração de funções de recreio, lazer e desporto, podendo complementarmente albergar equipamentos públicos de interesse público. Unidade territorial da frente oceânica de Fão e Apúlia para a qual se propõe um estudo que compatibilize as exigências de salvaguarda dos valores ambientais e paisagísticos que nela ocorrem com o desenvolvimento da sua vocação turística e recreativa, potenciando a articulação mútua daqueles dois objetivos. Para estas UOPG são estabelecidas as principais linhas de orientação e parâmetros de edificabilidade, no sentido de promover a sua compatibilização com os usos e atividades presentes, e de contribuir para o desenvolvimento turístico sustentável do concelho. E25347_MD_RNT_AMB.docx 11

14 12 E25347_MD_RNT_AMB.docx

15 Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende Resumo Não Técnico 3. AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA 3.1. IDENTIFICAÇÃO DOS FATORES CRÍTICOS DE DECISÃO Os Fatores Críticos para a Decisão 5 (FCD) constituem os temas fundamentais de decisão sobre os quais a AAE se deve debruçar e estruturam a análise e a avaliação de oportunidades e riscos em AAE, resultando de uma análise integrada do Quadro de Referência Estratégico (QRE), das Questões Estratégicas do Plano e dos Fatores Ambientais (FA) (Figura 3.1). Figura 3.1 Metodologia para a definição dos FCD Questões Estratégicas (QE) Os princípios orientadores do modelo de gestão territorial da Revisão do PDM, correspondentes aos objetivos estratégicos, constituem também as Questões Estratégicas para a Avaliação Ambiental Estratégica, a saber: a) A proteção e salvaguarda dos espaços e recursos naturais e culturais (EEM); b) O reforço da centralidade de Esposende e dos principais núcleos urbanos do concelho (Fão, Apúlia, Forjães e Palmeira de Faro); c) A rentabilização das infraestruturas urbanas; d) A contenção dos perímetros e proposta de compactação / colmatação do solo urbano; e) O incentivo e localização estratégica de áreas e núcleos industriais / empresariais; f) A potenciação da acessibilidade conferida pelas vias de âmbito nacional e regional; 5 Conceito apresentado em Partidário, Maria do Rosário (2007) Guia de Boas Práticas para Avaliação Ambiental Estratégica. Orientações Metodológicas, Agência Portuguesa do Ambiente, E25347_MD_RNT_AMB.docx 13

16 g) A disponibilização de equipamentos necessários; h) A assunção de uma escala do edificado como fator de identidade / imagem do concelho; i) A estratégia de acolhimento / compatibilização dos empreendimentos e atividades de carácter sazonal. Quadro de Referência Estratégico (QRE) A construção do QRE para a Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do PDM de Esposende visa avaliar a relação do mesmo com outros planos e programas pertinentes, e o cumprimento dos objetivos de proteção ambiental estabelecidos pelos mesmos 6. A definição do QRE estrutura-se nas seguintes etapas: Seleção dos planos e programas que compõem o QRE para a Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do PDM de Esposende, considerando as características ambientais do concelho, as questões abordadas na Revisão do PDM e o seu enquadramento a nível suprarregional; Análise do QRE, que inclui as orientações de política nacional e europeia e metas de longo prazo, resultando de uma análise dos documentos de referência que enquadram as orientações e linhas de desenvolvimento para o município e para a Região; Análise da coerência da estratégia do PDM com o QRE, com base no cruzamento das orientações do QRE com as questões estratégicas do PDM, as quais concretizam as intenções e âmbito com implicações ambientais em termos de uso ou afetação de recursos. Fatores Ambientais (FA) Os Fatores Críticos para a Decisão (FCD) para a AAE da Revisão do PDM resultam da integração dos objetivos constantes no QRE e asseguram o tratamento dos FA, exigidos pelo Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de Junho, alterado pelo Decreto-Lei n.º 58/2011, de 4 de Maio, constituindo os fatores pertinentes para a avaliação ambiental, traduzindo as principais dimensões do modelo de desenvolvimento sustentável preconizado para o concelho. No âmbito da AAE da Revisão do PDM de Esposende são propostos seis Fatores Críticos de Decisão, que foram submetidos a parecer por parte das entidades com responsabilidades ambientais específicas 7 (Quadro 3.1). 6 Elementos a incluir no Relatório Ambiental de acordo com as alíneas a) e d) do n.º 1 do Artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de Junho. 7 As entidades com responsabilidades ambientais específicas devem, de acordo com o artigo 5.º do Decreto-Lei n.º 232/2007 de 15 de Julho, ser consultadas sobre o âmbito da avaliação ambiental e sobre o alcance da informação a incluir no Relatório Ambiental. 14 E25347_MD_RNT_AMB.docx

17 Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende Resumo Não Técnico Quadro 3.1 Seleção dos Fatores Críticos de Decisão Fatores Críticos de Decisão (FCD) FCD 1 - Biodiversidade e Valores Ecológicos FCD2 - Preservação dos Recursos Naturais FCD3 - Ambiente Urbano e Qualidade de Vida FCD4 - Identidade Cultural e Património FCD5 - Desenvolvimento Económico FCD6 - Governança Fatores Ambientais (FA) Biodiversidade Fauna Flora Paisagem Água Fatores Climáticos Saúde Humana Solo Água Atmosfera Bens materiais Fatores Climáticos População Saúde Humana Paisagem Património Cultural Bens materiais População Todos* * O FCD6 - Governança interfere indiretamente com a globalidade dos Fatores Ambientais, na concretização de todos os planos e programa que integram o QRE e na aplicação do conjunto de princípios orientadores definidos para a Revisão do PDM. Os Fatores Críticos de Decisão serão utilizados para balizar a avaliação ambiental da proposta de Revisão do PDM, procedendo-se à identificação dos seguintes elementos: Caracterização da situação atual e evolução prevista na ausência de Plano e identificação de problemas ambientais. É de notar que os temas fundamentais para a decisão ou Fatores Críticos de Decisão não pretendem descrever de forma exaustiva a situação atual e tendencial, mas sim destacar os aspetos críticos relevantes para o desenvolvimento da Avaliação Ambiental Estratégica, que permitam avaliar a sustentabilidade das propostas da Revisão do PDM de Esposende, contribuindo para a tomada de decisão. Abordagem dos efeitos decorrentes da implementação do plano, que é efetuada através da análise das oportunidades e dos riscos decorrentes da Revisão do PDM, avaliando os potenciais efeitos decorrentes da implementação da estratégia. E proposta de medidas destinadas a prevenir, reduzir e eliminar efeitos adversos no ambiente, ou seja recomendação de um conjunto de medidas para a concretização da Revisão do PDM de Esposende que se articulam com as orientações decorrentes da avaliação ambiental estratégica. E25347_MD_RNT_AMB.docx 15

18 16 E25347_MD_RNT_AMB.docx

19 Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende Resumo Não Técnico 4. SITUAÇÃO ATUAL E EVOLUÇÃO PREVISTA NA AUSÊNCIA DO PLANO Biodiversidade e Valores Ecológicos No que respeita aos valores ecológicos do território, as orientações do Plano Sectorial da Rede Natura 2000 para esta área já foram transpostas pelo Plano de Ordenamento e Gestão do Parque Natural do Litoral Norte (POPNLN) pelo que o risco de perturbação dos habitats já se encontra controlado. Em relação aos recursos florestais, na ausência do plano, aplica-se o definido no Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI) de Esposende e no Plano Estratégico da Intervenção de Requalificação e Valorização do Litoral Norte (PEIRVLN). Neste âmbito são identificados problemas ambientais a degradação de ecossistemas, a diminuição da biodiversidade, a não transposição para o PDM as orientações do POPNLN, a degradação do coberto florestal e o aumento da área ardida. Preservação dos Recursos Naturais No que concerne à qualidade dos recursos hídricos na ausência da Revisão do PDM, e a consequente ausência de ações de proteção dos recursos hídricos, pode conduzir a uma utilização insustentável dos recursos hídricos da região, dado o aumento das pressões sobre a qualidade e a quantidade das massas de água superficiais e subterrâneas do concelho. Por outro lado, é necessário uma aplicação de uma estratégia de gestão de recursos hídricos integrada ao nível das bacias hidrográficas a montante. Verifica-se que a poluição por nitratos de origem agrícola assume especial significado, pelo que a ausência de plano poderá contribuir para esta situação face à tipologia da ocupação do solo prevista. Em relação à ocupação do solo com usos compatíveis com a sua vocação e função ecológica, verifica-se que a ausência do plano pode acarretar mais situações de incompatibilidades entre usos e atividades e os sistemas naturais, levando a uma maior deterioração dos recursos ambientais e do meio biofísico. No concelho de Esposende existem algumas áreas com elevada suscetibilidade aos riscos naturais, nomeadamente, ao risco de erosão costeira e ao risco de incêndio. O concelho é também alvo de risco de cheia e risco de erosão hídrica mas como menor impacte. A ausência do plano, e a consequente ausência de ações de mitigação dos riscos naturais, pode conduzir a um agravamento dos prejuízos humanos e materiais causados pelos mesmos, que pode agravar-se, expondo assim as áreas urbanas aos riscos de galgamentos e inundações. Neste âmbito são identificados problemas ambientais a contaminação das massas de água superficiais e subterrâneas, com origem urbana, agrícola e industrial, as alterações hidromorfológicas significativas das linhas de água, a deterioração dos recursos ambientais e do meio biofísico, nomeadamente a faixa costeira, em particular os sistemas litorais dunares E25347_MD_RNT_AMB.docx 17

20 Ambiente Urbano e Qualidade de Vida Segundo os dados preliminares dos Censos de 2011, a população residente totaliza, atualmente, habitantes, traduzindo um ligeiro aumento demográfico e revelando a tendência de envelhecimento da população. O concelho de Esposende tem demonstrado um agravamento do índice de envelhecimento. De acordo com os Diagnósticos Ambientais das Freguesias verifica-se que a relação entre o número de espaços verdes e o número de espaços verdes com possibilidades de utilização/fruição pela população revela a ausência de condições em muitos dos espaços verdes. No entanto, a comparação dos Diagnósticos Ambientais das Freguesias de 2007 com 2004 traduz significativas melhorias na manutenção de inúmeros espaços verdes do concelho, derivadas essencialmente da solução da concessão da gestão a uma empresa privada. Simultaneamente, o Plano Estratégico de Sustentabilidade Ambiental para o concelho de Esposende prevê a entrada em vigor do Regulamento para a Sustentabilidade dos Espaços e Zonas Verdes Municipais. Em termos de dotação de equipamentos de educação no concelho de Esposende encontram-se tratadas ao nível da Carta Educativa Intermunicipal da Valimar COmUrb, promovendo o reordenamento da rede educativa e um conjunto de novos equipamentos. Ao nível dos equipamentos de saúde, o concelho é servido pelo Centro de Saúde e de Esposende e de quatro extensões de saúde associadas, que servem as restantes freguesias, no entanto existem desvantagens em termos das necessidades de deslocação e de capacidade de resposta dos equipamentos. Também ao nível dos equipamentos sociais se verificam algumas carências, que diferem consoante as tipologias e freguesias em causa. A atual conjuntura económica faz prever novas necessidades ao nível das respostas sociais, particularmente em termos de apoio público. Neste contexto, prevê um aumento da procura dos equipamentos públicos, também no apoio aos idosos (derivado do envelhecimento da população), como no apoio à primeira infância (face ao peso que a população jovem ainda assume no concelho). No que respeita às infraestruturas de abastecimento de água, saneamento básico e resíduos, e face à evolução recente, e ao envolvimento continuado da Câmara Municipal de Esposende e da Esposende Ambiente, EEM, espera-se uma evolução tendencial do concelho de Esposende no sentido de melhorias nos níveis de cobertura destes serviços públicos. Com a introdução de portagens na A28 verifica-se um acréscimo de trânsito na EN 13, pelo que se prevê um aumento dos índices de ruído na faixa adjacente a esta via rodoviária. Não se perspetivam, de resto, significativas alterações às principais fontes de ruído no concelho. A Câmara Municipal estabeleceu o Plano de Ação para a Sustentabilidade Energética de Esposende, constituído por 12 domínios de ação, com base nos quais se prevê uma redução das emissões de CO2. Nesse sentido e à evolução do índice de qualidade do ar verificada nos últimos anos, é espectável que este indicador de ambiente urbano mantenha a tendência no sentido da contínua melhoria. Neste âmbito são identificados apenas problemas ambientais inerentes à falta de espaços verdes adequados à fruição da população e ao aumento do ruido associado à EN E25347_MD_RNT_AMB.docx

21 Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende Resumo Não Técnico Identidade cultural e Património Em relação aos valores patrimoniais presentes no concelho e face à importância de que se revestem, tem existido forte preocupação do município em levar a cabo práticas de preservação e divulgação deste património, através dos Museus, do Serviço de Património Histórico-Cultural e do seu relacionamento com outros sectores de atividade, nomeadamente o Turismo. O desenvolvimento de ações promovidas pela CME permitem assegurar a salvaguarda e valorização do património cultural do concelho. Outras ações de destaque são as realizadas no âmbito dos Programas Educativos e Culturais. Esta função é reforçada pela inserção de parte dos valores patrimoniais do município na área de intervenção do PEIRVLN. Face à importância de que se revestem os valores patrimoniais presentes no concelho, tem existido forte preocupação do município em levar a cabo práticas de preservação e divulgação deste património, através dos Museus, do Serviço de Património Histórico-Cultural e do seu relacionamento com outros sectores de atividade, nomeadamente o Turismo. Ao nível da imagem tradicional do edificado, verifica-se que os valores paisagísticos do concelho são já objeto de reconhecimento por parte da Câmara Municipal, sendo abordados em algumas das suas ações e prevendo-se assim a sua manutenção/valorização, não obstante as ameaças associadas aos fenómenos naturais e humanos. No que respeita a cércea do edificado, o PDM em vigor estabelece em 5 pisos o número máximo de pisos nos aglomerados de 1ª ordem, restringindose a 2-3 nos restantes. Neste âmbito são identificados problemas ambientais a destruição ou degradação do património. Desenvolvimento económico No âmbito do Desenvolvimento Economico foram analisados quatro setores emergentes Agricultura, Pesca, Industria e Turismo. A atividade agrícola constitui uma atividade ainda relevante no concelho de Esposende e tende a evoluir no sentido de uma intensificação, apresentando-se em termos globais um decréscimo da produção. No que respeita particularmente a produção do leite, segundo o Plano de Ordenamento da Bacia Leiteira Primária do Entre Douro e Minho, o aumento do número de efetivos bovinos por exploração é acompanhado por um aumento da produtividade por animal e pela melhoria da qualidade do leite produzido, contribuindo para o aumento da produção e afirmação deste sector no concelho. O concelho de Esposende apresenta uma forte tradição piscatória, representada pelas duas comunidades piscatórias locais, no entanto, esta atividade piscatória exibe nos últimos anos um pequeno crescimento ao nível das capturas, traduzido em termos de volume e valor do pescado, esperando-se uma manutenção desta tendência. Por outro lado, o Diagnóstico do Sector das Pescas no Concelho de Esposende aponta para um estrangulamento da atividade da pesca no concelho de Esposende, face às imposições legais existentes para a realização de transferências dos nomes dos titulares das embarcações, bem como as concessões obrigatórias para construção de embarcações, os condicionamentos existentes na pesca à lampreia, e a regulamentação do rio Cávado em geral. E25347_MD_RNT_AMB.docx 19

22 Ao nível da indústria verifica-se que o sector secundário, tradicionalmente especializado na indústria do vestuário e construção civil, representa 38% da população empregada no concelho de Esposende em 2011, tendo vindo a exibir uma forte quebra em 2001 representava 53%, representada através da população empregada no sector secundário e do número de empresas de indústria transformadora. A atividade turística assenta numa forte tradição balnear, representada na procura sazonal das suas praias e empreendimentos turísticos, nesse sentido, a aposta o município de Esposende vai no sentido de uma diversificação da oferta turística do concelho, procurando combater a sazonalidade através da promoção de eventos e dos diversos pontos de interesse à visitação. Simultaneamente, assiste-se ao desenvolvimento de várias ações de sensibilização ambiental dos visitantes das praias do concelho e do PNLN, destacando-se ainda, neste âmbito, a criação do Centro de Educação Ambiental. Todavia, admite-se uma persistência deste fenómeno de sazonalidade e da pressão sobre o litoral e praias do concelho. Espera-se que com a concretização das propostas do PEIRVLN, dos planos de praia e outras ações de valorização e proteção do litoral de Esposende, este possa vir a apresentar-se melhor preservado e, cumulativamente, valorizado em termos ambientais e turísticas. Neste âmbito são identificados problemas ambientais a degradação do solo face a intensificação da produção agrícola e poluição do solo e água associada à produção agropecuária, o abandonado da atividade agrícola, com alteração do uso e perda dos valores naturais associados, a pressão sobre o litoral e a sazonalidade da procura turística e recreio balnear. Governança A Governança pode ser definida como o conjunto de regras, processos e práticas que dizem respeito à qualidade do exercício do poder, essencialmente no que se refere à responsabilidade, transparência, coerência, eficiência e eficácia (Partidário, 2007). Atualmente, os princípios do Livro Branco da Governança encontram-se inseridos quer nas estratégias sectoriais quer em legislação específica, pelo que tendencialmente serão incorporados com alguma frequência nos processos de decisão Neste âmbito a Câmara, paralelamente ao serviço de atendimento ao público, disponibiliza através do seu website um conjunto de serviços online com vista a uma maior e mais facilitada interação com os munícipes. Contudo, dado o vasto leque de agentes com interesse e responsabilidade na área de intervenção, a ausência do plano poderá implicar um menor contributo para a concretização dos objetivos preconizados no referido Livro. 20 E25347_MD_RNT_AMB.docx

23 Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende Resumo Não Técnico 5. EFEITOS DO PLANO E RECOMENDAÇÕES A análise efetuada evidencia que a Revisão do Plano Diretor Municipal conduzirá à proteção e racionalização na utilização dos recursos, ao mesmo tempo que enquadra o desenvolvimento de um conjunto de atividades. Biodiversidade e Valores Ecológicos são identificados riscos ao nível da intensificação das atividades turísticas, industrial e agrícola intensiva, podendo potenciar a perturbação de habitats e espécies em presença, no entanto, as propostas de Revisão de PDM irão permitir a integração das orientações do POPNLN contribuindo para a preservação, recuperação e aproveitamento sustentável dos valores ecológicos do concelho. Preservação dos Recursos Naturais mantendo-se as tendências atuais de uma intensificação das atividades turísticas, industrial e agrícola intensiva, pode levar uma redução da qualidade dos recursos hídricos superficiais e subterrâneos, bem como a situações pontuais de incompatibilidades entre os usos do território e os valores ecológicos. Porém, a Revisão do PDM permitirá integrar um conjunto de medidas com vista a salvaguardar o controlo e o tratamento de efluentes urbanos, agrícolas e industriais. Por outro lado a articulação entre o Plano de Gestão de Região Hidrográfica Região Hidrográfica 2 (PGRH-RH2), o Programa de Ação para a zona Vulnerável n.º1, o POPNL, o Plano de Ordenamento de Orla Costeira (POOC) Caminha Espinho e o PROF BM com a Revisão do PDM, permitirá a transposição de medidas de proteção já definidas. Ambiente Urbano e Qualidade de Vida a criação de condições para a instalação de novas atividades económicas, de novos equipamentos, infraestruturas de abastecimento e saneamento, e a classificação de espaços de recreio e lazer, enquadrada na Revisão do PDM, deverão apresentar-se como uma oportunidade, tal como a elaboração do Mapa de Ruido e a definição de áreas sensíveis e mistas. No que respeita a estrutura demográfica, são reconhecidas às limitações da Proposta do PDM na inversão das tendências de decréscimo e envelhecimento populacional. Porém, assinala-se que a criação de condições para a instalação de novas atividades económicas (através da classificação de espaços de atividades económicas) contribui para a geração de emprego, servindo de atração à população jovem. Identidade Cultural e Património são identificados riscos ao nível do carácter estático dos valores patrimoniais, não se verificando uma orientação para o aproveitamento turístico e usufruto por parte da população. No entanto, a proposta de Revisão de PDM irá permitir o inventário de valores patrimoniais e a usa integração em Estrutura Ecológica Municipal (EEM), bem como a regulamentação que lhe está associada, por outro lado a assumpção de uma escala do edificado como fator de identidade/imagem do concelho, deverá apresentar-se como uma oportunidade. E25347_MD_RNT_AMB.docx 21

24 Desenvolvimento Económico atendendo à situação perspetivada em termos de desenvolvimento das atividades económicas, e às propostas do PDM apresentadas no sentido da sua viabilização e classificação, considera-se que verificar-se-ão a este nível oportunidades que serão mais significativas ao nível da Agricultura, Industria e Turismo. No que respeita à Pesca, considera-se que a mesma poderá apresentar um risco, pela perda de importância do sector face à inexistência de propostas direcionadas para a valorização do sector ao nível da Revisão do PDM. Governança foi identificado como risco o baixo envolvimento dos munícipes e dos interessados nas ações de sensibilização, formação ambiental e nos processos de decisão. Porém, o processo de Revisão do PDM respeita a estratégica definida no Livro branco da Governança e como tal é recomendável a melhoria das plataformas de divulgação de informação sobre o concelho. 22 E25347_MD_RNT_AMB.docx

25 Avaliação Ambiental Estratégica da Revisão do Plano Diretor Municipal de Esposende Resumo Não Técnico 6. DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA AAE (PLANO DE SEGUIMENTO) A monitorização da Avaliação Ambiental Estratégica é consubstanciada por duas componentes distintas: Medidas destinadas a prevenir, reduzir e eliminar efeitos adversos no ambiente, na aceção da alínea f) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de Junho, alterado pelo Decreto- Lei n.º 58/2011, de 4 de Maio. Estas correspondem a recomendações para a elaboração e implementação da Revisão do PDM que visam contribuir para o cumprimento dos objetivos de sustentabilidade associados aos FCD. Medidas de controlo, correspondendo a indicadores do sistema de monitorização da implementação, tendo em conta as questões críticas de sustentabilidade para o município de Esposende. As medidas de controlo previstas têm por fim identificar e corrigir atempadamente efeitos negativos que possam ocorrer no período de implementação do PDM. Estas medidas correspondem a indicadores do sistema de monitorização da implementação, organizados em função dos temas fundamentais para a decisão, tal como são apresentados no Quadro seguinte. Quadro 6.1 Medidas de controlo relativas aos Fatores Críticos para a Decisão FCD FCD 1 Biodiversidade e Valores Ecológicos FCD 2 Preservação dos Recursos Naturais Medidas de Controlo Indicadores Presença de habitats e espécies protegidas (n.º) UOPG s Planos de Ação e/ou Gestão, visando a conservação de recursos naturais relevantes, implementados (n.º) Incêndios florestais (n.º) e área ardida (ha) Massas de água superficiais e subterrâneas em bom estado (n.º; km/ha) Águas balneares com classificação boa e/ou excelente (n.º) Intervenções efetuadas ao nível da limpeza e manutenção das linhas de água (n.º) Ocorrência de cheias e inundações (n.º) e área afetada (ha) Obras de defesa costeira realizadas (n.º) Incêndios florestais (n.º) e área ardida (ha) Área de Espaços Verdes Municipais (m 2 )** Fontes de informação*** ICNF, Bibliografia Científica ICNF, Bibliografia Científica ICNF INE Anuário Estatístico APA/ARH Norte APA/ARH Norte Esposende Ambiente CME APA/ARH Norte CME APA/ARH Norte CME ICNF CME E25347_MD_RNT_AMB.docx 23

26 FCD FCD 3 Ambiente Urbano e Qualidade de Vida FCD 4 Identidade Cultural e Património FCD 5 Desenvolvimento Económico FCD 6 - Governança Medidas de Controlo Indicadores Intervenções em equipamentos coletivos por tipologia (n.º) População servida por Sistemas de drenagem de águas residuais e Estações de tratamento de águas residuais (ETAR) (%) Taxa de adesão à rede de abastecimento público de água e à rede de drenagem e tratamento dos efluentes (%)** Taxa de população servida com sistemas de recolha indiferenciada e com sistemas de recolha seletiva (%)** Proporção de resíduos urbanos recolhidos seletivamente (%) Edifícios com Certificação Energética (n.º) Sítios/ monumentos inventariados e classificados ou com processo de classificação (n.º) Área ocupada por masseiras (ha) Ações de valorização e promoção das praias de seixos* Estábulos licenciados/ total de estábulos (%)* Produção de leite (l) Volume de pescado transacionado nas lotas de Esposende e Apúlia/Fão (kg) Taxa de ocupação dos espaços industriais/parques industriais (%) Variação do número de empresas sedeadas (%) Taxa de ocupação dos estabelecimentos hoteleiros em época baixa (%)* Hóspedes/dormidas nos estabelecimentos hoteleiros (N.º) Visitantes ao PNLN (N.º) Rede ciclável e pedonal construída (km)* Planos de praia executados (N.º) Fontes de informação*** CME INE/CME CME CME INE ADENE CME DRCN ICNF ICNF DGV CAE Docapesca CME INE INE INE ICNF CME CME Interação com o público atendimento, sugestões, entrevistas (n.º) CME Esposende Ambiente Acessos ao site da CME e da Esposende Ambiente (n.º) CME Esposende Ambiente Parcerias, atividades e participantes nos Programas de Educação para a Sustentabilidade (n.º) CME Esposende Ambiente Visitas aos espaços do Centro de Educação Ambiental (n.º) CME Esposende Ambiente * Indicador proposto em articulação com os indicadores de desempenho do Plano de Ação para a Implementação da Agenda 21 Local de Esposende. ** Indicador proposto em articulação com os indicadores de desempenho do Sistema de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende. *** Ver Anexo II Lista de Acrónimos 24 E25347_MD_RNT_AMB.docx

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO)

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) DEPARTAMENTO DE URBANISMO Divisão de Ordenamento do Território PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA RELATÓRIO JUSTIFICATIVO PARA A NÃO REALIZAÇÃO JULHO 2012

Leia mais

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado;

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado; 7. Condicionantes De acordo com a legislação em vigor existe um conjunto de figuras legais que de algum modo, condicionam o território ou constituem servidões administrativas e outras restrições de utilidade

Leia mais

MUNICIPIO DE PORTEL N.º Identificação (NIPC) 506 196 445

MUNICIPIO DE PORTEL N.º Identificação (NIPC) 506 196 445 Proposta de Alteração ao Regulamento do Plano Diretor Municipal de Portel _ Resultado da conferência de serviços e abertura do período de discussão pública Em cumprimento da deliberação tomada em reunião

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA [APROVADA EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 10 DE ABRIL DE 2015 E PUBLICADA EM DIÁRIO DA REPÚBLICA ATRAVÉS DO AVISO N.º 4234/2015, DE 20

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015

Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015 Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015 As fontes As fontes SOLO URBANO SOLO RURAL R F C N PU / PP INFRAESTRUTURAIS ACOLHIMENTO

Leia mais

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL PRINCIPAIS NOVIDADES DO REGIME JURÍDICO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL José António Lameiras 13 de Julho de

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA Regulamento n.º S / N.ª Data de Publicação em D.R., 1.ª Série-B, n.º 124 de: 29/06/2006 (RCM n.º 81/2006) Aprovado em Assembleia Municipal

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

FÓRUM DE INTERCÂMBIO DE EXPERIÊNCIAS SUSTENTÁVEIS. Desenvolvimento de Atividades Inovadoras para a Gestão do Território

FÓRUM DE INTERCÂMBIO DE EXPERIÊNCIAS SUSTENTÁVEIS. Desenvolvimento de Atividades Inovadoras para a Gestão do Território FÓRUM DE INTERCÂMBIO DE EXPERIÊNCIAS SUSTENTÁVEIS 7 Novembro Santiago de Compostela Desenvolvimento de Atividades Inovadoras para a Gestão do Território 2 DESOURB Desenvolvimento Urbano Sustentável EIXOS

Leia mais

Chama-se a atenção que a contagem do prazo a que se refere o n.º 1 do artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 73/2009 de 31 de Março, só se inicia a partir da

Chama-se a atenção que a contagem do prazo a que se refere o n.º 1 do artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 73/2009 de 31 de Março, só se inicia a partir da a) OBRAS COM FINALIDADE AGRÍCOLA, QUANDO INTEGRADAS NA GESTÃO DAS EXPLORAÇÕES LIGADAS À ATIVIDADE AGRÍCOLA, NOMEADAMENTE, OBRAS DE EDIFICAÇÃO, OBRAS HIDRÁULICAS, VIAS DE ACESSO, ATERROS E ESCAVAÇÕES, E

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

0 3 0 1 2 1 0.2.6 6 0 0 M CI.I

0 3 0 1 2 1 0.2.6 6 0 0 M CI.I CI.IM006.6.20121030 Estratégia de Sustentabilidade Zona Costeira de Cascais Zona Costeira de Cascais Parque Natural Sintra Cascais 15 praias balneares 17 praias monitorizadas permanentemente ZIBA Zona

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL Deliberação da Reunião Câmara Municipal de 29/11/2011 DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo. Abril, 2014

O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo. Abril, 2014 O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo Abril, 2014 Porquê uma nova Lei? 1. A atual Lei de Solos data de 1976, encontra-se obsoleta face à atual conjuntura socioeconómica

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA Maria do Rosário Partidário, Sofia Antunes, Júlio de Jesus e Marta Garcia LOCALIZAÇÃO Localizado no Concelho

Leia mais

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação ação Ambiental be Estratégica: Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1, Pedro Afonso Fernandes 2 1 Geólogo, Director-Geral; 2 Economista

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

A Declaração recomenda prudência na gestão de todas as espécies e recursos naturais e apela a uma nova ética de conservação e salvaguarda.

A Declaração recomenda prudência na gestão de todas as espécies e recursos naturais e apela a uma nova ética de conservação e salvaguarda. Programa do XI Governo Regional dos Açores Política Ambiental Senhora Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Senhor Presidente, Senhora e Senhores Membros do Governo, Na Resolução que adotou a histórica

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução

Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução Janeiro 2015 E17093 RR - Planning, Lda. Av. Gomes Freire, n.º 18 2760 066 Caxias

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Municipal de Alandroal

Revisão do Plano Diretor Municipal de Alandroal Revisão do Plano Diretor Municipal de Alandroal Fase 4 Plano Diretor Municipal Relatório de Ponderação da Discussão Pública Junho 2015 E17133 RR - Planning, Lda. Av. Gomes Freire, n.º 18 2760 066 Caxias

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

Plano de Desenvolvimento do Alto Minho

Plano de Desenvolvimento do Alto Minho Plano de Desenvolvimento do Alto Minho Síntese dos focus group preparatórios sobre o tema Como tornar o Alto Minho uma região resiliente 1. Sustentabilidade 2. Coesão 3. Flexibilidade e adaptabilidade

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Núcleo Histórico da Vila da Lousã Fundo de Vila Área Urbana Central Nascente da Vila da Lousã Área Urbana Central Poente da Vila da

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020 ENCONTRO TEMÁTICO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL 28 de Fevereiro de 2014, Espaço Jovem, Porto de Mós. Grupo de Trabalho Desenvolvimento Urbano Sustentável A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. O Regulamento referente à compensação pela não

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende SEMINÁRIO: QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Porto, 3 e 4 de Novembro de 2005 O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende Carla Dias carla.dias@cm-esposende.pt

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Perspetiva histórica Fixação e arborização das dunas, 1802 José de Bonifácio Andrada

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS NATURAIS Direção Regional do Ambiente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS NATURAIS Direção Regional do Ambiente REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS RECURSOS NATURAIS Direção Regional do Ambiente Alteração do Plano de Ordenamento da Paisagem Protegida da Cultura da Vinha da Ilha do Pico POPPVIP Relatório

Leia mais

Informação sobre Ecossistemas Locais

Informação sobre Ecossistemas Locais Informação sobre Ecossistemas Locais Bandeira Azul 2015 1. Biodiversidade local O litoral de Vila Nova de Gaia apresenta uma considerável biodiversidade, com fauna e flora característica dos substratos

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS Brasília 30 de agosto de 2011 Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos O processo de urbanização brasileiro não considerou a necessidade de prover habitação

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 19 JUNHO DE 2015 Página 1 de 9 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR ANEXO V - NOTAS EXPLICATIVAS Este formulário é de preenchimento obrigatório e serve de sustentação à auto-avaliação realizada no Anexo III Os itens I Preenchimento dos requisitos de elegibilidade e II

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Enquadramento Regulamentar Art. 19º do Regulamento (UE) 1305/2013,

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora ECO XXI Acção de formação 11 de fevereiro de 2014 Amadora Júri Sérgio Guerreiro Director do Departamento de Estudos e Planeamento António Fontes Director, Área Institucional Ana Isabel Fonseca Moiteiro

Leia mais

Plano Diretor Municipal Castanheira de Pera

Plano Diretor Municipal Castanheira de Pera Plano Diretor Municipal Castanheira de Pera M a i o 2 0 1 5 C â m a r a M u n i c i p a l d e C a s t a n h e i r a d e P e r a AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA _ RELATÓRIO AMBIENTAL Lugar do Plano, Gestão

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

Critérios de selecção

Critérios de selecção Emissor: GRATER Entrada em vigor: 01-06-2009 Associação de Desenvolvimento Regional Abordagem LEADER Critérios de selecção Os projectos serão pontuados através de fórmulas ponderadas e terão de atingir

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa O Município de Mirandela tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Divisão Jurídica e Administrativa (DIJA) DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 24 DE NOVEMBRO DE 2015 Serviço responsável pela execução da deliberação Departamento de Planeamento de Gestão Urbanística

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL

REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL Câmara Municipal de LAMEGO AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA Relatório Ambiental Maio de 2013 ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO... 9 1 ENQUADRAMENTO, OBJETIVOS E METODOLOGIA...

Leia mais

E s t r u t u r a V e r d e

E s t r u t u r a V e r d e Estrutura Verde A. Introdução O conceito de Estrutura Verde insere-se numa estratégia de desenvolvimento sustentado, objecto fundamental das políticas do ordenamento do território. A Estrutura Verde é

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO

Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO SÍNTESE METODOLÓGICA Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO

Leia mais

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégiacom o objectivoúnicode contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e abandono da activiade agro- Combater o exodo

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

O Programa de Acção Territorial do Escarpão

O Programa de Acção Territorial do Escarpão O Programa de Acção Territorial do Escarpão João Telha CEDRU - Centro de Estudos e Desenvolvimento Regional e Urbano, Lda Seminário Indústria Extractiva Ordenamento Territorial e Licenciamento de Pedreiras

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES Ferramentas para a Sustentabilidade do Turismo Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural Castro Verde, 7 Março 2012 Teresa Bártolo 2012 Sustentare Todos os direitos reservados www.sustentare.pt 2 Turismo

Leia mais

Palavras-chave: Zona costeira, risco, minimização, participação

Palavras-chave: Zona costeira, risco, minimização, participação TIPIFICAÇÃO DAS SITUAÇÕES DE RISCO NA ORLA COSTEIRA NAS ILHAS DOS AÇORES Planeamento e Ordenamento nas Zonas Costeiras Ana Maria Morais BARROCO Arqt.ª Paisagista, Quaternaire Portugal; +351213513200, abarroco@quaternaire.pt

Leia mais

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO 9 de abril de 2014 Dinâmica dos usos e atividades da Economia do Mar Pesca e Aquicultura, 2005 a 2012 A atividade aquícola é uma prioridade

Leia mais

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO LIMITES DO TERRITÓRIO DE INTERVENÇÃO CONSTRUÇÃO DA ESTRATÉGIA - Acordo Parceria 2020 - PDR 2014-2020 - PORA 2020 - PROT OVT - EIDT

Leia mais

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013 INICIATIVA JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo Faro, 22 de maio de 2013 O Turismo na economia Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas Exportações Peso dos Mercados O Turismo e a Regeneração Urbana

Leia mais

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196. 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.916,00 1 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E DO 1º CICLO 116.500,00 93.625,00 100.574,00 103.487,00 1 Apoios e subsídios CM 13 18 5 05-06-02-03-99 1.000,00 1.030,00 2.122,00

Leia mais

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7 3.1.1. Diversificação de Actividades Não-Agrícolas na Exploração Descrição Apoio a iniciativas empresariais promotoras do saber fazer tradicional Apoio a actividades lúdicas de carácter inovador nas explorações

Leia mais

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul 1. Identificação do Recurso Endógeno e do Território Alvo PROVERE Beira Baixa: Terras de Excelência : Conjugar a valorização do território, dos produtos

Leia mais

Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA

Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 10 de julho de 2014 Uma Visão: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Suprimento (geração, transmissão e distribuição) de energia elétrica: aspectos socioambientais Lineu Belico dos Reis REQUISITOS BÁSICOS: Atendimento ao arcabouço legal ambiental

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais