DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA"

Transcrição

1 DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA [APROVADA EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 10 DE ABRIL DE 2015 E PUBLICADA EM DIÁRIO DA REPÚBLICA ATRAVÉS DO AVISO N.º 4234/2015, DE 20 DE ABRIL] rute sousa DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANÍSTICO CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA [Escrever o nome da empresa] ABRIL DE 2015

2 DOCUMENTO ORIENTADOR CONTEÚDO ESTRUTURA DE ORDENAMENTO DO CONCELHO DE MEALHADA... 4 SOLO RURAL ESTATUTO DE USO E OCUPAÇÃO / REGIME DE EDIFICABILIDADE... 5 SOLO RURAL OUTROS CONDICIONALISMOS À EDIFICAÇÃO SOLO URBANO / SOLO URBANIZADO ESTATUTO DE USO E OCUPAÇÃO / REGIME DE EDIFICABILIDADE SOLO URBANO / SOLO URBANIZÁVEL ESTATUTO DE USO E OCUPAÇÃO / REGIME DE EDIFICABILIDADE SOLO URBANO OUTROS CONDICIONALISMOS À EDIFICAÇÃO DIMENSIONAMENTO DAS ÁREAS DE ESTACIONAMENTO SERVIDÕES E RESTRIÇÕES DE UTILIDADE PÚBLICA... 20

3 INTRODUÇÃO O conteúdo material e documental da 1.ª Revisão do Plano Diretor Municipal da Mealhada apresenta um figurino distinto relativamente ao Plano Diretor Municipal aprovado em A evolução e alteração de diversos normativos legais e a introdução das tecnologias dos sistemas de informação geográfica foram fatores determinantes a mudança operada no novo Plano Diretor Municipal. O presente guia tem por objetivo apresentar de forma esquemática as novidades que o novo Plano Diretor Municipal introduz ao nível do Modelo de Ordenamento do Território. Pretende-se que este guia seja uma ferramenta que auxilie, os cidadãos e os profissionais que exercem atividades no domínio do ordenamento do território e urbanismo, na leitura das novas normas do Plano ao nível do uso e transformação do solo. O novo Plano Diretor Municipal é constituído pelos seguintes elementos: Regulamento Planta de Ordenamento Classificação e Qualificação do Solo Planta de Ordenamento Zonamento Acústico Planta de Ordenamento Áreas Edificadas Consolidadas Planta de Ordenamento Estrutura Ecológica Municipal Planta de Ordenamento Zonas Inundáveis Planta de Ordenamento Elementos Patrimoniais Planta de Condicionantes Reserva Ecológica Nacional* Planta de Condicionantes Reserva Agrícola Nacional Planta de Condicionantes Áreas percorridas por Incêndio Planta de Condicionantes Perigosidade de Risco de Incêndio Planta de Condicionantes Regime Florestal Planta de Condicionantes Espaços Canais Planta de Condicionantes Outras *- mantém-se em vigor a Carta da Reserva Ecológica Nacional, aprovada pela Resolução de Conselho de Ministros n.º 140/96, de 30 de agosto, até que a nova Carta da Reserva Ecológica Nacional seja publicada em Diário da República O Plano Diretor Municipal é também acompanhado por um conjunto de peças escritas e desenhadas que fundamentam as opções tomadas na elaboração do Plano: Relatórios de Fundamentação das Opções do Plano Programa de Execução Relatório Ambiental e Resumo Não Técnico Estudos de Caracterização do Território Mapa Municipal de Ruído e Resumo Não Técnico Carta Educativa Plano Municipal de Defesa contra Incêndios Pareceres Emitidos Relatório de Ponderação do Período de Discussão Pública Relatório de Compromissos Urbanísticos Planta de Enquadramento Regional Planta de Situação existente Planta de Situação existente Uso e Ocupação do Solo Planta de Estrutura Ecológica Municipal Planta de Suporte Físico - Litologia Planta de Rede Viária e Transportes Planta de Atividades Económicas Planta de Elementos Patrimoniais Planta de Equipamentos de utilização Coletiva Planta de Infraestruturas Planta de Recursos Geológicos Planta de Áreas de Interesse Público Planta Comparativa do PDM em vigor

4 SOLO RURAL aquele para o qual é reconhecida vocação para as atividades agrícolas, pecuárias, florestais ou minerais, assim como o que integra os espaços naturais de proteção ou de lazer, ou que seja ocupado por infraestruturas que não lhe confiram o estatuto de solo urbano. Espaços Agrícolas de Produção Espaços Florestais de Conservação Espaços Florestais de Produção Espaço de Ocupação Turística Espaço Afeto à Exploração de Recursos Geológicos Aglomerados Rurais Zona Urbana Antiga Espaços Centrais Zona Urbana Central Zona Turística-Termal Zona de Equipamentos Zona Urbana Antiga ESTRUTURA DE ORDENAMENTO DO CONCELHO DE MEALHADA SOLO URBANO SOLO URBANIZADO Espaços Residenciais Espaços Urbanos de Baixa Densidade Zona Urbana Envolvente Zona Turística-Termal Zona de Equipamentos Zona Urbana Zona de Equipamentos aquele para o qual é reconhecida vocação para o processo de urbanização e de edificação, nele se compreendendo os terrenos urbanizados ou cuja urbanização seja possível programar, constituindo o seu todo o perímetro urbano Espaços de Uso Especial Zona de Equipamentos Estruturantes Espaços de Atividades Económicas Espaços Verdes Zona Industrial Zona Empresarial Mista Zona de Parques e Jardins Urbanos Zona Verde de Proteção e Enquadramento Espaços Centrais Zona Urbana Central Zona Turística-Termal SOLO URBANIZÁVEL Espaços Residenciais Zona Urbana Envolvente Espaços Urbanos de Baixa Densidade Espaços de Atividades Económicas Zona Urbana Zona Industrial

5 SOLO RURAL ESTATUTO DE USO E OCUPAÇÃO REGIME DE EDIFICABILIDADE Anexos Agrícolas e Pecuários de apoio à atividade na parcela; Área mínima da parcela a existente, sem prejuízo do cumprimento das Altura máxima da fachada 4 metros; Área de construção máxima 150 m2. ESPAÇOS AGRÍCOLAS DE PRODUÇÃO (Art.º 14º, 15º e 16º do Regulamento do PDM) Instalações agrícolas, pecuárias e aquícolas; Habitação Unifamiliar; Equipamentos de Utilização Coletiva, desde que demonstrada a ausência de alternativas viáveis para a sua localização em solo urbano e reconhecido o interesse municipal por deliberação da Assembleia Municipal; Atividades Industriais com tipologia de estabelecimento industrial de tipo 3 (SIR), apenas nos casos em que se relacione com atividades agrícolas, agropecuárias ou agroflorestais; Área mínima da parcela a existente, sem prejuízo do cumprimento das Altura máxima da fachada 7 metros; Índice de utilização máximo 0,2, determinado em função da dimensão territorial das explorações; Índice de ocupação máximo 0,15, determinado em função da dimensão territorial das explorações; As instalações pecuárias não deverão localizar-se a menos de 500 metros do perímetro urbano. Área mínima da parcela m2, sem prejuízo do cumprimento das Número máximo de pisos 2; Área de construção máxima 350 m2 e 100 m2 para anexos. Depende da natureza do equipamento Área mínima da parcela m2, sem prejuízo do cumprimento das Altura máxima da fachada 9 metros; Índice de utilização máximo 0,2; Índice de ocupação máximo 0,15. A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. SOLO RURAL Pág 5 21

6 SOLO RURAL ESTATUTO DE USO E OCUPAÇÃO REGIME DE EDIFICABILIDADE Hotéis e Hotéis Rurais: Área mínima da parcela m2 *; Número máximo de pisos 2; Índice de utilização máximo 0,25; Índice de ocupação máximo 0,2. Parques de Campismo e Caravanismo: Empreendimentos Turísticos, nomeadamente, estabelecimentos hoteleiros do tipo hotéis e pousadas, empreendimentos de turismo no espaço rural, empreendimentos de turismo de habitação e parques de campismo e caravanismo; Área mínima da parcela m2 *; Número máximo de pisos 2; Índice de utilização máximo 0,1; Índice de ocupação máximo 0,1. Empreendimentos turísticos a instalar em preexistências: ESPAÇOS AGRÍCOLAS DE PRODUÇÃO (Art.º 14º, 15º e 16º do Regulamento do PDM) Ampliação máxima das construções existentes 40%; Número máximo de pisos 2, salvaguardando a cércea existente, se superior. * Sem prejuízo do cumprimento das disposições legais relativas ao Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios. Atividades Económicas, que contribuam para reforçar a base económica e promoção de emprego, ou que pela sua natureza, destino, funcionalidade, localização ou complementaridade com atividades instaladas, justifique a sua localização em Solo Rural, desde que reconhecido o interesse municipal por deliberação da Assembleia Municipal; Instalações de apoio a atividades culturais, de recreio e lazer e interpretação e educação ambiental. Área mínima da parcela a existente, sem prejuízo do cumprimento das Altura máxima da fachada 9 metros; Índice de utilização máximo 0,2; Índice de ocupação máximo 0,2. Área mínima da parcela a existente, sem prejuízo do cumprimento das Número máximo de pisos / Altura máxima da fachada 2/ 7 metros; Índice de utilização máximo 0,1; Índice de ocupação máximo 0,1. A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. SOLO RURAL Pág 6 21

7 SOLO RURAL ESTATUTO DE USO E OCUPAÇÃO REGIME DE EDIFICABILIDADE ESPAÇOS AGRÍCOLAS DE PRODUÇÃO (Art.º 14º, 15º e 16º do Regulamento do PDM) Arborização e rearborização, de espécies de árvores florestais e modelos de silvicultura que constem do Plano Regional de Ordenamento Florestal; Prospeção, pesquisa e exploração de Recursos Geológicos do domínio público nos termos da legislação em vigor; Prospeção, pesquisa e exploração de Recursos Geológicos do domínio privado, mediante a declaração de interesse municipal. Anexos Florestais e Agrícolas de apoio à atividade na parcela; Área mínima da parcela a existente, sem prejuízo do cumprimento das Altura máxima da fachada 4 metros; Área de construção máxima 150 m2. ESPAÇOS FLORESTAIS DE PRODUÇÃO (Art.º 17º, 18º e 19º do Regulamento do PDM) Instalações agrícolas, pecuárias e aquícolas; Área mínima da parcela a existente, sem prejuízo do cumprimento das Altura máxima da fachada 7 metros; Índice de utilização máximo 0,2 *;; Índice de ocupação máximo 0,15 *; As instalações pecuárias não deverão localizar-se a menos de 500 m do perímetro urbano. * Determinado em função da dimensão territorial das explorações. Habitação Unifamiliar; Área mínima da parcela m2, sem prejuízo do cumprimento das Número máximo de pisos 2; Área de construção máxima 350 m2, admitindo-se 100 m2 suplementares para anexos. A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. SOLO RURAL Pág 7 21

8 SOLO RURAL ESTATUTO DE USO E OCUPAÇÃO REGIME DE EDIFICABILIDADE Equipamentos de Utilização Coletiva, desde que reconhecido o interesse municipal por deliberação da Assembleia Municipal e demonstrada a ausência de alternativas viáveis para a sua localização em solo urbano; Depende da natureza do equipamento. ESPAÇOS FLORESTAIS DE PRODUÇÃO (Art.º 17º, 18º e 19º do Regulamento do PDM) Empreendimentos Turísticos, nomeadamente, estabelecimentos hoteleiros do tipo hotéis e pousadas, empreendimentos de turismo no espaço rural, empreendimentos de turismo de habitação e parques de campismo e caravanismo; Hotéis e Hotéis Rurais: Área mínima da parcela m2 *; Número máximo de pisos 2; Índice de utilização máximo 0,25; Índice de ocupação máximo 0,2. Parques de Campismo e Caravanismo: Área mínima da parcela m2 *; Número máximo de pisos 2; Índice de utilização máximo 0,1; Índice de ocupação máximo 0,1. Empreendimentos turísticos a instalar em preexistências: Ampliação máxima das construções existentes 40%; Número máximo de pisos 2, salvaguardando a cércea existente, se superior. * Sem prejuízo do cumprimento das disposições legais relativas ao Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios. Atividades Industriais com tipologia de estabelecimento industrial de tipo 3 (SIR), apenas nos casos em que se relacione com atividades agrícolas, agropecuárias ou agroflorestais; Área mínima da parcela m2, sem prejuízo do cumprimento das Altura máxima da fachada 9 metros; Índice de utilização máximo 0,2; Índice de ocupação máximo 0,15. A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. SOLO RURAL Pág 8 21

9 SOLO RURAL ESTATUTO DE USO E OCUPAÇÃO REGIME DE EDIFICABILIDADE Atividades Económicas, que contribuam para reforçar a base económica e promoção de emprego, ou que pela sua natureza, destino, funcionalidade, localização ou complementaridade com atividades instaladas, justifique a sua localização em Solo Rural, desde que reconhecido o interesse municipal por deliberação da Assembleia Municipal; Área mínima da parcela a existente, sem prejuízo do cumprimento das Altura máxima da fachada 9 metros; Índice de utilização máximo 0,2; Índice de ocupação máximo 0,2. ESPAÇOS FLORESTAIS DE PRODUÇÃO (Art.º 17º, 18º e 19º do Regulamento do PDM) Instalações de apoio a atividades culturais, de recreio e lazer e interpretação e educação ambiental; Instalações destinadas ao fabrico/armazenagem de produtos explosivos, apenas em estabelecimentos de fabrico/armazenagem de produtos explosivos, existentes à data da entrada em vigor do Plano. Área mínima da parcela a existente, sem prejuízo do cumprimento das Número máximo de pisos/ Altura máxima da fachada 2/7 metros; Índice de utilização máximo 0,1; Índice de ocupação máximo 0,1. Área mínima da parcela a existente, sem prejuízo do cumprimento das Altura máxima da fachada 7 metros; Índice de utilização máximo 0,1; Índice de ocupação máximo 0,1. Arborização e rearborização, de espécies de árvores florestais e modelos de silvicultura que constem do Plano Regional de Ordenamento Florestal; Prospeção, pesquisa e exploração de Recursos Geológicos do domínio público nos termos da legislação em vigor; Prospeção, pesquisa e exploração de Recursos Geológicos do domínio privado, mediante a declaração de interesse municipal. Arborização e rearborização, de espécies de árvores florestais e modelos de silvicultura; ESPAÇOS FLORESTAIS DE CONSERVAÇÃO (Art.º 20º e 21º do Empreendimentos Turísticos Isolados, nomeadamente, estabelecimentos hoteleiros do tipo hotéis e pousadas, empreendimentos de turismo no espaço rural e empreendimentos de turismo de habitação; Equipamentos de Utilização Coletiva; Instalações de comércio e serviços e outras Infraestruturas complementares às atividades de gestão florestal e recreio e lazer. Índice médio de ocupação do solo - o existente na Mata Nacional do Bussaco * Índice médio de implantação do solo - o existente na Mata Nacional do Bussaco * * Admitir-se-á outro, desde que reconhecido o interesse municipal por deliberação da Assembleia Municipal. A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. SOLO RURAL Pág 9 21

10 SOLO RURAL ESTATUTO DE USO E OCUPAÇÃO REGIME DE EDIFICABILIDADE ESPAÇO AFETO À EXPLORAÇÃO DE RECURSOS GEOLÓGICOS (Art.º 22º e 23º do Anexos e outros estabelecimentos Industriais para transformação dos inertes extraídos da área objeto de exploração Índice de ocupação não pode exceder 0,50; Altura máxima da edificação admitida é de 9 metros exceto em situações técnicas e devidamente justificadas; Admitir-se-ão outros parâmetros, quando tecnicamente se justifique como indispensável para o adequado desenvolvimento da atividade. ESPAÇO DE OCUPAÇÃO TURÍSTICA (Art.º 24º, 25º e 26º do Regulamento do PDM) AGLOMERADOS RURAIS (Art.º 27º, 28º e 29º do Regulamento do PDM Campo de Golfe da Pampilhosa - Unidade Operativa de Planeamento e Gestão n.º 13 (UOPG n.º13); Até que se encontrem concretizados os objetivos para esta UOPG, admite-se os usos e ocupações previstos para os Espaços Agrícolas de Produção e Espaços Florestais de Produção, de acordo com as caraterísticas dos terrenos objeto da intervenção. Anexos Agrícolas e Pecuários de apoio à atividade na parcela; Habitação Unifamiliar, Comércio e Serviços; Equipamentos de Utilização Coletiva, desde que reconhecido o interesse municipal pela Assembleia Municipal sobre proposta da Câmara Municipal; Empreendimentos turísticos nas tipologias estabelecimentos hoteleiros, do tipo hotéis e pousadas, empreendimentos de turismo de habitação e empreendimentos de turismo em espaço rural. Índice de utilização máximo 0,4; Índice de ocupação máximo 0,2. Deverão ainda ser cumpridos critérios de qualidade urbanística e ambiental, conforme se explicita no Anexo 2 ao presente Regulamento. Quando se trate de operações urbanísticas compatíveis com o estatuto de uso e ocupação dos Espaços Agrícolas de Produção e Espaços Florestais de Produção, aplica-se o regime de edificabilidade previsto para estas categorias de espaço. Número máximo de pisos 1; Área de construção máxima 150 m2; Número máximo de pisos 2; Índice de utilização máximo 0,4; Depende da natureza do equipamento. Número máximo de pisos 2; Índice de utilização máximo 0,5; Empreendimentos turísticos a instalar em preexistências: Ampliação máxima das construções existentes 40%; Número máximo de pisos 2, salvaguardando a cércea existente, se superior. A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. SOLO RURAL Pág 10 21

11 SOLO RURAL OUTROS CONDICIONALISMOS À EDIFICAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS DE USO E OCUPAÇÃO (Art.º 11º do RISCO DE INCÊNDIO (Art.º 16º do Decreto- Lei n.º 17/2009, de 14 de janeiro) FAIXA DE GESTÃO DE COMBUSTIVEIS (Art.º 16º do Decreto- Lei n.º 17/2009, de 14 de janeiro) Salvaguarda do correto enquadramento urbanístico, paisagístico e ambiental, no meio em que se inserem; Garantia de acesso viário e ligação às redes de abastecimento de água, drenagem de águas residuais e abastecimento de energia elétrica, realizada a cargo dos interessados; Dotação de áreas de estacionamento; Salvaguarda das disposições legais relativas ao Sistema de Defesa da Floresta Prévia autorização da entidade competente decorrente da proteção ao sobreiro e à azinheira, inseridos em povoamentos ou isolados, e da proteção ao azevinho espontâneo; Restabelecimento dos sistemas de transporte e distribuição de água para rega que, eventualmente, forem interrompidos devido a qualquer tipo de intervenção deve ser, obrigatoriamente, feito de acordo com as orientações técnicas da entidade que superintende a gestão da área regada. A construção de edificações para habitação, comércio, serviços e indústria fora das áreas edificadas consolidadas é proibida nos terrenos classificados nos PMDFCI com risco de incêndio das classes alta ou muito alta, sem prejuízo das infra -estruturas definidas nas RDFCI. Nota: As classes de risco de incêndio encontram-se identificadas na Planta de Condicionantes Perigosidade de Risco de Incêndio. As novas edificações no espaço florestal ou rural fora das áreas edificadas consolidadas têm de salvaguardar, na sua implantação no terreno, as regras definidas no PMDFCI respetivo ou, se este não existir, a garantia de distância à estrema da propriedade de uma faixa de proteção nunca inferior a 50 m e a adoção de medidas especiais relativas à resistência do edifício à passagem do fogo e à contenção de possíveis fontes de ignição de incêndios no edifício e respetivos acessos. Nota: As áreas edificadas consolidadas encontram-se identificadas na Planta de Ordenamento Áreas Edificadas Consolidadas. A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. SOLO RURAL Pág 11 21

12 SOLO URBANO / SOLO URBANIZADO ESTATUTO DE USO E OCUPAÇÃO REGIME DE EDIFICABILIDADE ZONA URBANA ANTIGA Habitação, incluindo anexos; Equipamentos de utilização coletiva (públicos ou privados, edificados ou não); Indústria (admite-se a localização e instalação de estabelecimentos industriais do tipo 3, nos termos definidos pelo Sistema da Industria Responsável); Armazéns. Número máximo de pisos 2 (admitindo-se, em casos particulares, o piso 3); Altura máxima da fachada 7 metros. ZONA URBANA CENTRAL ESPAÇOS CENTRAIS (Art.º 38º, 39º e 40º do Regulamento do PDM) Habitação, incluindo anexos; Número máximo de pisos 4; Equipamentos de utilização coletiva (públicos ou privados, edificados ou não); Altura máxima da fachada 12 metros. Indústria (admite-se a localização e instalação de estabelecimentos industriais do tipo 3, nos termos definidos pelo Sistema da Industria Responsável); Armazéns. ZONA TURÍSTICA-TERMAL Atividade termal e turismo; Número máximo de pisos 3 (em empreendimentos turísticos admite-se Habitação *; o piso 4 *); Comércio *; Altura máxima da fachada 9 metros (em empreendimentos turísticos Serviços *; admite-se a altura máxima da fachada de 12 metros *). Equipamentos de utilização coletiva *. * Desde que enquadrada em solução que se demonstre a garanta a correta * Apenas nos casos em que o projeto de intervenção abranja a área total da parcela inserida inserção urbanística e estética na unidade urbana envolvente. nesta categoria de espaço. ZONA DE EQUIPAMENTOS Equipamentos de utilização coletiva de iniciativa pública e privada, podendo integrar ainda atividades comerciais e de serviços, de apoio ou complementares aos equipamentos. Número máximo de pisos 3 (admitindo-se o piso 4 *); Altura máxima da fachada 9 metros (admitindo-se uma altura máxima de fachada de 12 metros *) * Tratando-se de projetos de interesse concelhio aprovados em Assembleia Municipal. A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. SOLO URBANO / SOLO URBANIZADO Pág 12 21

13 SOLO URBANO / SOLO URBANIZADO ESTATUTO DE USO E OCUPAÇÃO REGIME DE EDIFICABILIDADE ZONA DE EQUIPAMENTOS Habitação, incluindo anexos; Equipamentos de utilização coletiva (públicos ou privados, edificados ou não); Indústria (admite-se a localização e instalação de estabelecimentos industriais do tipo 3, nos termos definidos pelo Sistema da Industria Responsável); Armazéns. Número máximo de pisos 2 (admitindo-se, em casos particulares, o piso 3); Altura máxima da fachada 7 metros. ZONA URBANA ENVOLVENTE ESPAÇOS RESIDENCIAIS (Art.º 41º, 42º e 43º do Habitação, incluindo anexos; Equipamentos de utilização coletiva (públicos ou privados, edificados ou não); Indústria (admite-se a localização e instalação de estabelecimentos industriais do tipo 3, nos termos definidos pelo Sistema da Industria Responsável); Armazéns. Número máximo de pisos 2, (admitindo-se, em casos particulares, o piso 3); Altura máxima da fachada 9 metros. ZONA TURÍSTICA-TERMAL Atividade termal e turismo; Habitação *; Comércio *; Serviços *; Equipamentos de utilização coletiva *. * Apenas nos casos em que o projeto de intervenção abranja a área total da parcela inserida nesta categoria de espaço. Número máximo de pisos 3 (em empreendimentos turísticos admite-se o piso 4 *); Altura máxima da fachada 9 metros (em empreendimentos turísticos admite-se a altura máxima da fachada de 12 metros *); Índice de ocupação não poderá ultrapassar 40% da área da parcela inserida nesta categoria de espaço para as edificações destinadas a funções habitacionais, comerciais, de serviços e de equipamento. * Desde que enquadrada em solução que se demonstre a garanta a correta inserção urbanística e estética na unidade urbana envolvente. A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. SOLO URBANO / SOLO URBANIZADO Pág 13 21

14 SOLO URBANO / SOLO URBANIZADO ESTATUTO DE USO E OCUPAÇÃO REGIME DE EDIFICABILIDADE ESPAÇOS RESIDENCIAIS (Art.º 41º, 42º e 43º do ESPAÇOS URBANOS DE BAIXA DENSIDADE (Art.º 44º, 45º e 46º do ESPAÇOS DE USO ESPECIAL (art.º 47º, 48º e 49º do ZONA DE EQUIPAMENTOS Número máximo de pisos 3 (admitindo-se o piso 4 *); Equipamentos de utilização coletiva de iniciativa pública e privada, podendo Altura máxima da fachada 9 metros (admitindo-se uma altura máxima integrar ainda atividades comerciais e de serviços, de apoio ou complementares de fachada de 12 metros *) aos equipamentos. * Tratando-se de projetos de interesse concelhio aprovados em Assembleia Municipal. ZONA URBANA Habitação, incluindo anexos; Número máximo de pisos 2, (admitindo-se, em casos particulares, o Equipamentos de utilização coletiva (públicos ou privados, edificados ou não); piso 3); Indústria (admite-se a localização e instalação de estabelecimentos industriais do Altura máxima da fachada 9 metros. tipo 3, nos termos definidos pelo Sistema da Industria Responsável); Armazéns. ZONA DE EQUIPAMENTOS Número máximo de pisos 3 (admitindo-se o piso 4 *); Equipamentos de utilização coletiva de iniciativa pública e privada, podendo Altura máxima da fachada 9 metros (admitindo-se uma altura máxima integrar ainda atividades comerciais e de serviços, de apoio ou complementares de fachada de 12 metros *) aos equipamentos. * Tratando-se de projetos de interesse concelhio aprovados em Assembleia Municipal. ZONA DE EQUIPAMENTOS ESTRUTURANTES Altura máxima da fachada admitida - 12 metros (admitindo-se exceder, Equipamentos de utilização coletiva públicos ou privados de âmbito concelhio; em situações devidamente justificadas, por razões de natureza técnica e Comércio e de serviços de apoio ou complementares aos equipamentos. funcional do equipamento, desde que seja garantido o correto enquadramento urbano das novas edificações). A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. SOLO URBANO / SOLO URBANIZADO Pág 14 21

15 SOLO URBANO / SOLO URBANIZADO ESTATUTO DE USO E OCUPAÇÃO REGIME DE EDIFICABILIDADE ESPAÇOS DE ATIVIDADES ECONÓMICAS (art.º 50º, 51º e 52º do Indústria; Armazenagem. ZONA INDUSTRIAL Altura máxima da fachada 12 metros; Índice de ocupação máximo 0,80; Alinhamento e afastamento mínimo frontal (ao limite do lote) 20 metros; Alinhamento e afastamento mínimo lateral (ao limite do lote) 6 metros; Alinhamento e afastamento mínimo posterior (ao limite do lote) 10 metros. Em situações excecionais, admite-se, desvios a estes parâmetros urbanísticos. ZONA EMPRESARIAL MISTA Indústria (com exceção dos estabelecimentos industriais do tipo 1); Armazenagem; Habitação (quando integrada no mesmo edifício onde se encontre instalada atividade) Altura máxima da fachada 9 metros. Em situações excecionais, admite-se, desvios a este parâmetro urbanístico. ZONA DE PARQUES E JARDINS URBANOS ESPAÇOS VERDES (art.º 53º, 54º e 55º do Número máximo de pisos 2; Atividades de recreio e lazer; Altura máxima da fachada 7 metros; Equipamentos de utilização coletiva ou atividades de apoio desde que compatíveis Índice de utilização máximo 0,05 (aplicável aos equipamentos de com a vocação destas áreas. utilização coletiva e às infraestruturas de apoio). ZONA VERDE DE PROTEÇÃO E ENQUADRAMENTO Número máximo de pisos 2 (sendo de 1, para os anexos agrícolas, pecuários e/ou de apoio à habitação); Equipamentos de utilização coletiva, desde que, reconhecido o seu interesse Altura máxima da fachada 7 metros; municipal pela Assembleia Municipal; Índice de utilização máximo 0,05 (aplicável aos equipamentos de Instalações e anexos agrícolas, pecuários e/ou de apoio à habitação. utilização coletiva e às infraestruturas de apoio). Área de construção máxima 100 m2 (aplicável aos anexos agrícolas, pecuários e/ou de apoio à habitação existente). A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. SOLO URBANO / SOLO URBANIZADO Pág 15 21

16 SOLO URBANO / SOLO URBANIZÁVEL ESTATUTO DE USO E OCUPAÇÃO REGIME DE EDIFICABILIDADE ZONA URBANA CENTRAL ESPAÇOS CENTRAIS (art.º 57º, 58º e 59º do Habitação, incluindo anexos; Número máximo de pisos 4; Índice de utilização máximo 0,8, apenas aplicável a unidades de execução e planos de pormenor; Equipamentos de utilização coletiva (públicos ou privados, edificados ou não); Índice de ocupação máximo 0,4, apenas aplicável a unidades de Indústria; execução e planos de pormenor; Armazéns. Em operações urbanísticas avulsas o índice de utilização máximo será 80% do Através de Plano de Pormenor ou de Unidades de Execução e, a título excecional, de definido na respetiva subcategoria de espaço operações urbanísticas avulsas. ZONA TURÍSTICA-TERMAL Atividade termal e turismo; Habitação *; Número máximo de pisos 4; Comércio *; Índice de utilização máximo 0,8, apenas aplicável a unidades de Serviços *; execução e planos de pormenor; Equipamentos de utilização coletiva *. Índice de ocupação máximo 0,4, apenas aplicável a unidades de execução e planos de pormenor; Através de Plano de Pormenor ou de Unidades de Execução e, a título excecional, de operações urbanísticas avulsas. Em operações urbanísticas avulsas o índice de utilização máximo será 80% do definido na respetiva subcategoria de espaço * Apenas nos casos em que o projeto de intervenção abranja a área total da parcela inserida nesta categoria de espaço. ZONA URBANA ENVOLVENTE ESPAÇOS RESIDENCIAIS (art.º 60º, 61º e 62º do Habitação, incluindo anexos; Equipamentos de utilização coletiva (públicos ou privados, edificados ou não); Indústria; Armazéns. Através de Plano de Pormenor ou de Unidades de Execução e, a título excecional, de operações urbanísticas avulsas. Número máximo de pisos 2, admitindo-se o piso 3 desde que a intervenção tenha frente para uma praça ou cruzamento; Índice de utilização máximo 0,6, apenas aplicável a unidades de execução e planos de pormenor; Índice de ocupação máximo 0,4, apenas aplicável a unidades de execução e planos de pormenor; Em operações urbanísticas avulsas o índice de utilização máximo será 80% do definido na respetiva subcategoria de espaço A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. SOLO URBANO / SOLO URBANIZÁVEL Pág 16 21

17 SOLO URBANO / SOLO URBANIZÁVEL ESTATUTO DE USO E OCUPAÇÃO REGIME DE EDIFICABILIDADE ZONA URBANA ESPAÇOS URBANOS DE BAIXA DENSIDADE (art.º 63º, 64º e 65º do Habitação, incluindo anexos; Equipamentos de utilização coletiva (públicos ou privados, edificados ou não); Indústria; Armazéns; Instalações agrícolas e pecuárias em regime de exploração familiar. Número máximo de pisos 2, (admitindo-se, em casos particulares, o piso 3); Altura máxima da fachada 9 metros. Através de Plano de Pormenor ou de Unidades de Execução e, a título excecional, de operações urbanísticas avulsas. ZONA INDUSTRIAL ESPAÇOS DE ATIVIDADES ECONÓMICAS (art.º 66º, 67º e 68º do Indústria; Armazenagem. Através de Plano de Pormenor ou de Unidades de Execução e, a título excecional, de operações urbanísticas avulsas. Na programação destas áreas, nomeadamente no âmbito das unidades de execução e Planos de Pormenor, deverão ser observados os seguintes parâmetros de edificabilidade: Altura máxima da fachada 12 metros; Índice de ocupação máximo 0,80; Em situações excecionais, admite-se, desvios a estes parâmetros urbanísticos. A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. SOLO URBANO / SOLO URBANIZÁVEL Pág 17 21

18 SOLO URBANO OUTROS CONDICIONALISMOS À EDIFICAÇÃO Não produzir ruídos, fumos, cheiros, poeiras ou resíduos que afetem de forma significativa as condições de salubridade ou dificultem a sua melhoria, quando na proximidade de áreas habitacionais; CONDIÇÕES GERAIS DE USO E OCUPAÇÃO (Art.º 31º do Não perturbar as normais condições de trânsito e de estacionamento ou provocar movimentos de cargas e descargas que prejudiquem as condições de utilização da via pública, sem que estejam estudadas e previstas as medidas corretivas necessárias; Não acarretar riscos de incêndio ou explosão; Não prejudicar a salvaguarda e valorização do património classificado ou de reconhecido valor cultural, estético, arquitetónico, paisagístico ou ambiental; Não corresponder a outras situações de incompatibilidade que a lei geral considere como tal. A realização de intervenções urbanísticas que impliquem o corte ou arranque de sobreiros e azinheiras, em povoamento ou isolados, e azevinho espontâneo carece de autorização prévia da entidade competente. Nas categorias de solo urbanizado e urbanizável, abrangidas por zonas inundáveis, a construção de caves é interdita. ZONAS INUNDÁVEIS (Art.º 32º do Nas construções existentes abrangidas por zonas inundáveis é interdita a alteração de uso para habitação, comércio, serviços e outros que pressuponham riscos ou danos para as pessoas, nos pisos localizados abaixo da cota local da maior cheia conhecida. Todas as intervenções urbanísticas localizadas em zonas inundáveis devem prever soluções técnicas que não afetem as condições de permeabilidade dos solos e o escoamento superficial das águas. Nas novas edificações localizadas em zonas inundáveis a cota do piso inferior deve ser superior à cota de maior cheia conhecida. ZONAMENTO ACÚSTICO (Art.º 34º do PARAMÊTROS URBANÍSTICOS (Art.º 37º do A ocupação urbanística em Zonas de Conflito fica condicionada à elaboração de nova medição acústica que demonstre a alteração dos níveis de ruido, para valores inferiores aos limites exposição previstos no Regulamento Geral do Ruído, ou ao cumprimento das disposições constantes no n.º 7 do artigo 12.º do Regulamento Geral do Ruido. Todas as intervenções urbanísticas e demais ações a realizar no solo urbano devem respeitar a disciplina constante do Regulamento Geral do Ruído. Nota: As Zonas de Conflito (assim como as Zonas Mistas e Zonas Sensíveis) encontram-se identificadas na Planta de Ordenamento Zonamento Acústico. O Número de pisos do alçado principal ou Altura da fachada do alçado principal, será determinado com referência aos edifícios envolventes, atendendo ao número de pisos ou altura da fachada predominante, não sendo relevante para o efeito a pré-existência de edifícios com número de pisos ou altura da fachada superior; O Alinhamento do alçado principal será determinado com referência aos edifícios envolventes, atendendo ao alinhamento predominante, não sendo relevante para o efeito a pré-existência de edifícios com alinhamentos que não o respeitem. Caso não seja possível determinar o alinhamento do alçado principal, deverá adotar-se um alinhamento do alçado principal que garanta a correta inserção urbanística na unidade urbana envolvente; Excecionalmente poderá a Câmara Municipal adotar outro alinhamento para o alçado principal em função da natureza, destino, funcionalidade, carácter arquitetónico ou enquadramento urbano da edificação na envolvente. A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. SOLO URBANO Pág 18 21

19 DIMENSIONAMENTO DAS ÁREAS DE ESTACIONAMENTO (PARÂMETROS MÍNIMOS) Em operações de loteamento, operações urbanísticas com impacte semelhante a uma operação de loteamento ou impacte urbanístico relevante: Em obras de construção e outras operações urbanísticas que originem um agravamento das condições de estacionamento existentes, em consequência da ampliação da área de construção, aumento do número de fogos ou alteração de uso: Habitação Comércio / Serviços Estacionamento de Veículos Ligeiros Privado De utilização Pública (2) Unifamiliar 1 lugar / fogo 1 lugar / fogo Coletiva T3 T4 Empreendimentos turísticos e Alojamento Local 1 lugar / fogo 2 lugares / fogo 1 lugar / fogo 100 m2 AC 1 lugar / 50 m2 AC 1 lugar / 30 m2 AC > 100 m2 AC 1 lugar / 40 m2 AC 1 lugar / 25 m2 AC De acordo com a legislação específica (1) Indústria e Armazenagem 1 lugar / 125 m2 AC 1 lugar / 225 m2 AC Variável, consoante o tipo de equipamento a Equipamentos de Utilização Coletiva instalar Notas (1) Quando a legislação específica não estabeleça qualquer parâmetro quantitativo, deverá ser garantido 1 lugar de estacionamento / 2 unidades de alojamento (2) A Câmara Municipal poderá dispensar a criação de estacionamento público, quando as operações de loteamento, operações urbanísticas com impacte semelhante a uma operação de loteamento ou impacte urbanístico relevante, se desenvolvam ao longo de arruamento existente, cujo perfil não permita a criação de áreas de estacionamento. Para o cálculo das áreas por lugar de estacionamento aplica-se o disposto no Regulamento Municipal de Urbanização e Edificação. - Habitação (4) Comércio / Serviços (4) Estacionamento de Veículos Ligeiros Privado Unifamiliar 1 lugar / fogo - Coletiva 100 m2 AC T3 T4 Empreendimentos turísticos e Alojamento Local (4) Indústria e Armazenagem (4) Equipamentos de Utilização Coletiva Notas 1 lugar / fogo 2 lugares / fogo 1 lugar / 70 m2 AC > 100 m2 AC 1 lugar / 60 m2 AC De acordo com a legislação específica (3) De utilização Pública (1) 1 lugar / fogo (2) 1 lugar / 50 m2 AC 1 lugar / 40 m2 AC 1 lugar / 250 m2 1 lugar / 150 m2 AC AC Variável, consoante o tipo de equipamento a instalar (1) os lugares de estacionamento de utilização pública localizam-se dentro da parcela (2) a previsão de lugares de estacionamento público ocorre quando a pretensão envolva a criação de 5 fogos ou mais (3) Quando a legislação específica não estabeleça qualquer parâmetro quantitativo, deverá ser garantido 1 lugar de estacionamento / 5 unidades de alojamento (4) Sem prejuízo da legislação específica aplicável, nas situações em que se fundamente que não é tecnicamente viável a aplicação dos parâmetros para criação de lugares de estacionamento privado e público, nomeadamente, localização em área urbana consolidada, reduzida dimensão e configuração das parcelas, enquadramento urbano dissonante ou complexidade funcional dos usos a criar, poderá a Câmara Municipal, a título excecional, autorizar a localização em zona envolvente à intervenção urbanística ou dispensar o seu cumprimento. Nas atividades comerciais e de restauração e bebidas é contabilizada apenas a área de atendimento ao público para efeitos de cálculo do número de lugares de estacionamento. Para o cálculo das áreas por lugar de estacionamento aplica-se o disposto no Regulamento Municipal de Urbanização e Edificação. - Quando se justifique, deve-se prever a criação de lugares de estacionamento privado para veículos pesados em operações urbanísticas que envolvem usos de Comércio, Serviços, Industria e Armazenagem, de acordo com a seguinte dotação: 1 lugar / 500 m2 AC. A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. DIMENSIONAMENTO DAS ÁREAS DE ESTACIONAMENTO Pág 19 21

20 SERVIDÕES E RESTRIÇÕES DE UTILIDADE PÚBLICA PLANTA E/OU LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Domínio Hídrico Planta de Condicionantes Outras RECURSOS HÍDRICOS Captações de Águas Subterrâneas para Abastecimento Público Planta de Condicionantes Outras Águas de Nascente Planta de Condicionantes Outras RECURSOS GEOLÓGICOS Águas Minerais Naturais Planta de Condicionantes Outras Pedreiras Planta de Condicionantes Outras RECURSOS NATURAIS RECURSOS AGRÍCOLAS E FLORESTAIS Reserva Agrícola Nacional Obras de Aproveitamento Hidroagrícola Sobreiro e Azinheira Azevinho Regime Florestal Planta de Condicionantes Reserva Agrícola Nacional e Aproveitamentos Hidroagrícolas Planta de Condicionantes Reserva Agrícola Nacional e Aproveitamentos Hidroagrícolas Decreto-Lei n.º 169/2001, de 25 de maio, alterado pelo Decreto-Lei n.º 155/2004, de 30 de junho (estabelece medidas de proteção ao sobreiro e à azinheira). Decreto-Lei n.º 423/89, de 4 de dezembro (define o regime de proteção do azevinho espontâneo) Planta de Condicionantes Regime Florestal Povoamentos Florestais Percorridos por Incêndios Planta de Condicionantes Áreas Percorridas por Incêndio Florestal RECURSOS ECOLÓGICOS Reserva Ecológica Nacional Planta de Condicionantes Reserva Ecológica Nacional PATRIMÓNIO EDIFICADO INFRAESTRUTURAS Imóveis Classificados e Em Vias de Classificação e respetivas Zonas de Proteção Abastecimento de Água Drenagem de Águas Residuais Rede Elétrica Gasodutos e Oleodutos Planta de Condicionantes Outras Planta de Condicionantes Outras Decreto-Lei n.º , de 11/11/1994 Lei n.º 168/99, de 18 de setembro, alterada pela Lei n.º 67-A/2007, de 31 de dezembro e pela Lei n.º 56/2008, de 4 de setembro (art.º 8.º) Decreto-Lei n.º 123/2010, de 12 de novembro (art,º 1.º, 3.º, 6.º, 7.º e 11.º) Planta de Condicionantes Espaços Canais Planta de Condicionantes Espaços Canais A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. SERVIDÕES E RESTRIÇÕES DE UTILIDADE PÚBLICA Pág 20 21

21 SERVIDÕES E RESTRIÇÕES DE UTILIDADE PÚBLICA PLANTA E/OU LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Rede Rodoviária Nacional e Estradas Regionais Estradas Nacionais Desclassificadas Planta de Condicionantes Espaços Canais Planta de Condicionantes Espaços Canais INFRAESTRUTURAS Rede Ferroviária Planta de Condicionantes Espaços Canais Estradas e Caminhos Municipais Lei n.º 2110, de 19 de agosto de 1961 Telecomunicações Marcos Geodésicos Decreto-Lei n.º 597/73, de 7 de novembro Decreto-Lei n.º 215/87, de 29 de maio Planta de Condicionantes Outras A consulta deste documento não dispensa a consulta da versão integral do Regulamento do Plano Diretor Municipal de Mealhada. SERVIDÕES E RESTRIÇÕES DE UTILIDADE PÚBLICA Pág 21 21

PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO

PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO Regulamento n.º S/N.º Data de Publicação em D.R. 2.ª Série, n.º 198: a 12/10/2012 (Aviso n.º 13640/2012). Aprovado em Assembleia

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO

PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO Novembro 2011 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Artigo 1.º Objectivo e Âmbito Territorial... 3 Artigo 2.º Relação com Outros Instrumentos de Gestão

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

27988 Diário da República, 2.ª série N.º 190 29 de setembro de 2015

27988 Diário da República, 2.ª série N.º 190 29 de setembro de 2015 27988 Diário da República, 2.ª série N.º 190 29 de setembro de 2015 39 Edifício dos antigos Paços do Concelho (Condeixa -a -Velha/ Condeixa -a -Nova) imóvel de interesse concelhio 40 Casa da Criança (Condeixa

Leia mais

MUNICÍPIO DE OURÉM CÂMARA MUNICIPAL. Plano de Urbanização de Fátima ALTERAÇÃO. > Alterações propostas ao Regulamento

MUNICÍPIO DE OURÉM CÂMARA MUNICIPAL. Plano de Urbanização de Fátima ALTERAÇÃO. > Alterações propostas ao Regulamento MUNICÍPIO DE OURÉM CÂMARA MUNICIPAL D I V I S Ã O D E P L A N E A M E N T O E O R D E N A M E N T O D O T E R R I T Ó R I O Plano de Urbanização de Fátima ALTERAÇÃO > Alterações propostas ao Regulamento

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

36970 Diário da República, 2.ª série N.º 248 21 de dezembro de 2015

36970 Diário da República, 2.ª série N.º 248 21 de dezembro de 2015 36970 Diário da República, 2.ª série N.º 248 21 de dezembro de 2015 Para automóveis ligeiros de aluguer de passageiros: Na faixa compreendida entre a Escola Primária n.º 2 da avenida e o parque infantil,

Leia mais

6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho de Ministros n. o 150/2001 A Assembleia Municipal de Santarém aprovou em 20

Leia mais

1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE?

1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE? Regime Extraordinário da Regularização de Atividades Económicas RERAE Perguntas Frequentes 1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE? Podem apresentar pedido de regularização das atividades económicas

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 6 Artigo 1º Âmbito de Aplicação e Territorial... 6 Artigo 2º Objetivos Estratégicos... 6 Artigo 3º Composição do PDMB... 6 Artigo 4º Instrumentos de gestão territorial

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA

CÂMARA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA CÂMARA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA DIVISÃO DE PLANEAMENTO PUAzB REGULAMENTO Novembro 2012 ÍNDICE CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º - Objeto e âmbito territorial Artigo 2.º - Objetivos Artigo 3.º - Conteúdo

Leia mais

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil EXMO. (A) SENHOR(A) PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DA TROFA COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação Fiscal Código da Certidão Comercial Permanente Código Postal N.º

Leia mais

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO EM

Leia mais

PARTE H TÍTULO I. 41468 Diário da República, 2.ª série N.º 194 7 de Outubro de 2008. Disposições Gerais CÂMARA MUNICIPAL DE ALBERGARIA-A-VELHA

PARTE H TÍTULO I. 41468 Diário da República, 2.ª série N.º 194 7 de Outubro de 2008. Disposições Gerais CÂMARA MUNICIPAL DE ALBERGARIA-A-VELHA 41468 Diário da República, 2.ª série N.º 194 7 de Outubro de 2008 PARTE H CÂMARA MUNICIPAL DE ALBERGARIA-A-VELHA Aviso n.º 24658/2008 João Agostinho Pinto Pereira, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DA LAGOA DE ALBUFEIRA - REVISÃO ÍNDICE TÍTULO I PARTE GERAL... 6. Artigo 1.º Objeto e âmbito... 6. Artigo 2.º Objetivo...

PLANO DE URBANIZAÇÃO DA LAGOA DE ALBUFEIRA - REVISÃO ÍNDICE TÍTULO I PARTE GERAL... 6. Artigo 1.º Objeto e âmbito... 6. Artigo 2.º Objetivo... 1 PLANO DE URBANIZAÇÃO DA LAGOA DE ALBUFEIRA - REVISÃO ÍNDICE TÍTULO I PARTE GERAL... 6 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 6 Artigo 1.º Objeto e âmbito... 6 Artigo 2.º Objetivo... 6 Artigo 3.º Conteúdo documental...

Leia mais

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL. R E G U L A M E N T O (nº1 do Artigo 10º do D.L. 69/90)

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL. R E G U L A M E N T O (nº1 do Artigo 10º do D.L. 69/90) PLANO DIRECTOR MUNICIPAL R E G U L A M E N T O (nº1 do Artigo 10º do D.L. 69/90) Outubro 1993 CAMARA MUNICIPAL DE VILA NOVA DE GAIA DEPARTAMENTO DE URBANISMO GABINETE DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL NOTA EXPLICATIVA

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 1. Artigo 1.º - Âmbito territorial... 1. Artigo 2.º - Objetivos... 1. Artigo 3.º - Composição do plano...

ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 1. Artigo 1.º - Âmbito territorial... 1. Artigo 2.º - Objetivos... 1. Artigo 3.º - Composição do plano... ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 1 Artigo 1.º - Âmbito territorial... 1 Artigo 2.º - Objetivos... 1 Artigo 3.º - Composição do plano... 1 Artigo 4.º - Instrumentos de gestão territorial a observar...

Leia mais

GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER

GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER OUTUBRO 2015 Índice GLOSSÁRIO... 3 1. BREVE HISTORIAL LEGISLATIVO... 4 1.1. Principais alterações introduzidas pela revisão do Sistema da

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DE PAÇÔ (3ª revisão)

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DE PAÇÔ (3ª revisão) 1ª Alteração PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DE PAÇÔ (3ª revisão) M U N I C Í P I O D E A R C O S D E V A L D E V E Z D I V I S Ã O D E D E S E N V O L V I MENTO E C O N Ó M I C O E U R B A N I

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 22 2 de Fevereiro de 2010 5179 MUNICÍPIO DE ELVAS. CAPÍTULO I Disposições introdutórias MUNICÍPIO DE CONSTÂNCIA

Diário da República, 2.ª série N.º 22 2 de Fevereiro de 2010 5179 MUNICÍPIO DE ELVAS. CAPÍTULO I Disposições introdutórias MUNICÍPIO DE CONSTÂNCIA Diário da República, 2.ª série N.º 22 2 de Fevereiro de 2010 5179 ANEXO V Modelo de termo de responsabilidade da cartografia de outras entidades cedida através da CMB MUNICÍPIO DE CONSTÂNCIA 202842269

Leia mais

Plano Diretor Municipal de Montalegre

Plano Diretor Municipal de Montalegre Plano Diretor Municipal de Montalegre PROPOSTA DE PLANO DISCUSSÃO PÚBLICA RELATÓRIO/IGT EM VIGOR AGOSTO 2012 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 2 2. PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO BARROSO E PADRELA

Leia mais

22024 Diário da República, 2.ª série N.º 105 1 de Junho de 2009

22024 Diário da República, 2.ª série N.º 105 1 de Junho de 2009 22024 Diário da República, 2.ª série N.º 105 1 de Junho de 2009 senvolveu as suas funções, através do seu elevado sentido de missão que em muito contribuiu para a integração sócio profissional dos trabalhadores,

Leia mais

SUBUNIDADE ORGÂNICA DE EXPEDIENTE GERAL

SUBUNIDADE ORGÂNICA DE EXPEDIENTE GERAL SUBUNIDADE ORGÂNICA DE EXPEDIENTE GERAL DELIBERAÇÃO Serviço responsável pela execução da deliberação Departamento de Planeamento e Ordenamento Deliberação de 2011.06.14 Epígrafe Ponto 4.5. Alteração ao

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução

Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução Janeiro 2015 E17093 RR - Planning, Lda. Av. Gomes Freire, n.º 18 2760 066 Caxias

Leia mais

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS ÍNDICE CAPITULO I DISPOSIÇÕES COMUNS ART. 1º ÂMBITO DE APLICAÇÃO 6 SESSÃO I LOTEAMENTOS, OBRAS DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO ART. 2º

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Diário da República, 1.ª série N.º 165 28 de Agosto de 2007 5811

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Diário da República, 1.ª série N.º 165 28 de Agosto de 2007 5811 Diário da República, 1.ª série N.º 165 28 de Agosto de 2007 5811 de que foram cumpridos os requisitos de direito das Partes necessários para o efeito. Artigo 3.º Produção de efeitos O presente Protocolo

Leia mais

TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO

TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO Artigo 1.º Operação de loteamento a) - Apresentação do requerimento TAXA 113,53 b) Entrada do aditamento 40,54 c) Emissão do alvará 15,13 c.1) Acresce uma

Leia mais

TABELA DE TAXAS E OUTRAS RECEITAS DO MUNICÍPIO DE SINTRA PARA O ANO DE 2015 CAPÍTULO I ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS

TABELA DE TAXAS E OUTRAS RECEITAS DO MUNICÍPIO DE SINTRA PARA O ANO DE 2015 CAPÍTULO I ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS CAPÍTULO I ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS Artigo 1.º - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1. Alvarás não especialmente contemplados na presente tabela, exceto os de nomeação ou de exoneração nos termos do art. 62º da Lei

Leia mais

REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA)

REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA) REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA) CAPÍTULO l Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito territorial e regime 1. O Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque)

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Divisão Jurídica e Administrativa (DIJA) DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 24 DE NOVEMBRO DE 2015 Serviço responsável pela execução da deliberação Departamento de Planeamento de Gestão Urbanística

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DA GRACIOSA Aviso n.º 28/2013 de 20 de Março de 2013

MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DA GRACIOSA Aviso n.º 28/2013 de 20 de Março de 2013 28 de fevereiro de 2013. - O Secretário Regional dos Recursos Naturais, Luís Nuno da Ponte Neto de Viveiros. - O Secretário Regional do Turismo e Transportes, Vítor Manuel Ângelo de Fraga. MUNICÍPIO DE

Leia mais

PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO

PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DE PONTA DO SOL DIVISÃO DE AMBIENTE E URBANISMO SPU PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS UOPG 3 TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO OUTUBRO 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. NOTAS

Leia mais

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL Março de 2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVOS GERAIS E COMPLEMENTARES DO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS N. o 84 10 de Abril de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 3461 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho de Ministros n. o 75/2002 A Assembleia Municipal da Murtosa aprovou, em 25 de Fevereiro

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA Regulamento n.º S / N.ª Data de Publicação em D.R., 1.ª Série-B, n.º 124 de: 29/06/2006 (RCM n.º 81/2006) Aprovado em Assembleia Municipal

Leia mais

MUNICIPIO DE PORTEL N.º Identificação (NIPC) 506 196 445

MUNICIPIO DE PORTEL N.º Identificação (NIPC) 506 196 445 Proposta de Alteração ao Regulamento do Plano Diretor Municipal de Portel _ Resultado da conferência de serviços e abertura do período de discussão pública Em cumprimento da deliberação tomada em reunião

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE LISBOA TITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1º (Objectivo e Âmbito)

REGULAMENTO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE LISBOA TITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1º (Objectivo e Âmbito) REGULAMENTO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE LISBOA TITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Objectivo e Âmbito) 1. O Plano Director Municipal (P.D.M.) de Lisboa, tem por objectivo estabelecer as regras a

Leia mais

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Elementos instrutórios do pedido Elementos comuns aos procedimentos de controlo prévio (Licença), nos termos da Portaria n.º 113/2015, de 22/04 1) 2)

Leia mais

Plantas constituintes da Proposta de Revisão do PDM

Plantas constituintes da Proposta de Revisão do PDM FICHA DE N.º 36 Nome: Manuel de Araújo Gonçalves Assunto: Reapreciação da classificação de terreno classificado como espaço de uso múltiplo agrícola e florestal e integração em solo urbano N.º e data de

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 76 18 de Abril de 2011 2327

Diário da República, 1.ª série N.º 76 18 de Abril de 2011 2327 Diário da República, 1.ª série N.º 76 18 de Abril de 2011 2327 da Agricultura e Pescas, I. P., (IFAP, I. P.), nos termos dos artigos 8.º e 9.º do Regulamento (CE) n.º 657/2008, da Comissão, de 10 de Julho.

Leia mais

Expansão do Parque Empresarial de Lanheses

Expansão do Parque Empresarial de Lanheses Expansão do Parque Empresarial de Lanheses Estudo de Impacte Ambiental Volume III Relatório elaborado para: GestinViana Edifício de Apoio à Doca de Recreio 4900 Viana do Castelo IMA 12.05-03/26 FEVEREIRO

Leia mais

Termos de Referência do Plano de Urbanização do Vale dos Socorridos ÍNDICE

Termos de Referência do Plano de Urbanização do Vale dos Socorridos ÍNDICE ÍNDICE 1- Introdução... 2 2 - Enquadramento Legal do Plano... 2 3 - Enquadramento Territorial da Área de Intervenção... 3 4 - Base Programática para o Desenvolvimento da Solução Urbanística... 5 4.1 Caracterização

Leia mais

MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA

MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA 1212 Diário da República, 1.ª série N.º 41 27 de fevereiro de 2015 tências que lhe foram delegadas nos termos do disposto nos n. os 3.1, 3.4 e 3.5 do Despacho n.º 12100/2013, do Ministro da Economia, publicado

Leia mais

Programação e Execução das Operações de Reabilitação Urbana

Programação e Execução das Operações de Reabilitação Urbana Programação e Execução das Operações de Reabilitação Urbana Conferência Reabilitação Urbana e Arrendamento Oportunidades do novo regime jurídico Lisboa, 7 de Março de 2013 Claudio Monteiro Sumário Linhas

Leia mais

TABELA DE TAXAS SUBSUBALÍNEA SUBALÍNEA N.º ORDEM NÚMERO ALÍNEA DESCRIÇÃO/DESIGNAÇÃO DA PRESTAÇÃO TRIBUTÁVEL

TABELA DE TAXAS SUBSUBALÍNEA SUBALÍNEA N.º ORDEM NÚMERO ALÍNEA DESCRIÇÃO/DESIGNAÇÃO DA PRESTAÇÃO TRIBUTÁVEL Anexo Tabela de Taxas TABELA DE S 1 CAPÍTULO I 2 SERVIÇOS, ATIVIDADES E LICENCIAMENTOS DIVERSOS 3 SECÇÃO I 4 SERVIÇOS DIVERSOS E COMUNS 5 Artigo 1.º 6 Taxas a cobrar pela prestação dos seguintes serviços

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL DA PROPOSTA DE ALTERAÇÃO PARCIAL AO PLANO DE PORMENOR DA GAFANHA DA BOA HORA/FLORESTA

DECLARAÇÃO AMBIENTAL DA PROPOSTA DE ALTERAÇÃO PARCIAL AO PLANO DE PORMENOR DA GAFANHA DA BOA HORA/FLORESTA DECLARAÇÃO AMBIENTAL DA PROPOSTA DE ALTERAÇÃO PARCIAL AO PLANO DE PORMENOR DA GAFANHA DA BOA HORA/FLORESTA Setembro de 2011 QUEROVENTO Serviços em Ambiente, Lda. AAE da Proposta de Alteração Parcial ao

Leia mais

APÊNDICE N.º 44 II SÉRIE N.º 66 5 de Abril de 2005

APÊNDICE N.º 44 II SÉRIE N.º 66 5 de Abril de 2005 56 APÊNDICE N.º 44 II SÉRIE N.º 66 5 de Abril de 2005 Artigo 9.º Cessão do direito à utilização do cartão Constituem, nomeadamente, causas de cessão imediata: a) A prestação de falsas declarações por parte

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA O REGIME ECONÓMICO-FINANCEIRO DO SOLO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

CONTRIBUTOS PARA O REGIME ECONÓMICO-FINANCEIRO DO SOLO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO CONTRIBUTOS PARA O REGIME ECONÓMICO-FINANCEIRO DO SOLO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Estudo de Caso do Plano de Urbanização da Unidade de Planeamento 11 (Lagoa) Emília Malcata Rebelo 1 ÍNDICE CAPÍTULO 1.

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Publicado no DODF Nº 20, terça-feira, 29 de janeiro de 2008, pág. 2 a 4. LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Define critérios para ocupação de área

Leia mais

TABELA DE URBANIZAÇÃO EDIFICAÇÃO E TAXAS

TABELA DE URBANIZAÇÃO EDIFICAÇÃO E TAXAS TABELA DE URBANIZAÇÃO EDIFICAÇÃO E TAXAS Descrição Taxa proposta (em euros) TABELA ANEXA QUADRO I Taxa devida pela emissão de alvará de licença ou admissão de comunicação prévia de loteamento e obras de

Leia mais

Ministério do Urbanismo e do Ambiente

Ministério do Urbanismo e do Ambiente Ministério do Urbanismo e do Ambiente Conselho de Ministros Decreto n.º 2/06 de 23 de Janeiro Com a aprovação da Lei do Ordenamento do Território e do Urbanismo criaramse as condições para a implantação

Leia mais

Regulamento do Plano de Pormenor da Área de Desenvolvimento Turístico das Fontainhas. (alteração) Artigo 1.º

Regulamento do Plano de Pormenor da Área de Desenvolvimento Turístico das Fontainhas. (alteração) Artigo 1.º Regulamento do Plano de Pormenor da Área de Desenvolvimento Turístico das Fontainhas (alteração) Artigo 1.º 1 [...]. 2 [...]. 4 Os limites da ADT da UNOR 4 estão definidos na planta de implantação à escala

Leia mais

Chama-se a atenção que a contagem do prazo a que se refere o n.º 1 do artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 73/2009 de 31 de Março, só se inicia a partir da

Chama-se a atenção que a contagem do prazo a que se refere o n.º 1 do artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 73/2009 de 31 de Março, só se inicia a partir da a) OBRAS COM FINALIDADE AGRÍCOLA, QUANDO INTEGRADAS NA GESTÃO DAS EXPLORAÇÕES LIGADAS À ATIVIDADE AGRÍCOLA, NOMEADAMENTE, OBRAS DE EDIFICAÇÃO, OBRAS HIDRÁULICAS, VIAS DE ACESSO, ATERROS E ESCAVAÇÕES, E

Leia mais

Disposições de Natureza Administrativa

Disposições de Natureza Administrativa PLANO DE PORMENOR DO POÇO QUENTE EM VIZELA REGULAMENTO (Alteração em Outubro de 2013) Capítulo I Disposições de Natureza Administrativa Artigo 1º Objecto O Plano de Pormenor do Poço Quente, adiante designado

Leia mais

P L A N O D I R E C T O R M U N I C I P A L c â m a r a m u n i c i p a l d e r i o m a i o r

P L A N O D I R E C T O R M U N I C I P A L c â m a r a m u n i c i p a l d e r i o m a i o r TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS E DEFINIÇÕES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO I ÂMBITO TERRITORIAL E COMPOSIÇÃO ARTº. 1º 1. Considera-se abrangida pelo Plano Director Municipal (PDM) de Rio Maior, toda

Leia mais

MUNICÍPIO DE LISBOA. Unidade de Execução do Parque Urbano da Pontinha

MUNICÍPIO DE LISBOA. Unidade de Execução do Parque Urbano da Pontinha MUNICÍPIO DE LISBOA Avaliação nos termos do Artigo 10.º do Código das Expropriações PARCELA Nº 19 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Perito avaliador: Vítor José Mateus Soares, Eng.º Julho 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Processo Nº / / CML. N.º Bilhete Identidade. N.º Bilhete Identidade

Processo Nº / / CML. N.º Bilhete Identidade. N.º Bilhete Identidade Espaço reservado aos serviços do Município EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO Processo Nº / / CML REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação

Leia mais

S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 55/2012 de 16 de Maio de 2012

S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 55/2012 de 16 de Maio de 2012 S.R. DA ECONOMIA Portaria n.º 55/2012 de 16 de Maio de 2012 Ao abrigo dos artigos 5.º, n.º 2, 30.º, n.º 11, 35.º, nº 1, e 62.º, n.º 1, alínea b), iii), todos do Decreto Legislativo Regional n.º 7/2012/A,

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais

Palavras-chave: Zona costeira, risco, minimização, participação

Palavras-chave: Zona costeira, risco, minimização, participação TIPIFICAÇÃO DAS SITUAÇÕES DE RISCO NA ORLA COSTEIRA NAS ILHAS DOS AÇORES Planeamento e Ordenamento nas Zonas Costeiras Ana Maria Morais BARROCO Arqt.ª Paisagista, Quaternaire Portugal; +351213513200, abarroco@quaternaire.pt

Leia mais

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado;

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado; 7. Condicionantes De acordo com a legislação em vigor existe um conjunto de figuras legais que de algum modo, condicionam o território ou constituem servidões administrativas e outras restrições de utilidade

Leia mais

DEFESA E CONSERVAÇÃO DAS ESPÉCIES VEGETAIS E DOS ESPAÇOS VERDES. Índice

DEFESA E CONSERVAÇÃO DAS ESPÉCIES VEGETAIS E DOS ESPAÇOS VERDES. Índice Índice Capítulo I - Disposições Gerais... Capítulo II - Bens Sob Jurisdição do Município... Capítulo III - Bens Protegidos de Particulares... Capítulo IV - Sanções... Capítulo V - Disposições Finais...

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letreiros / anúncios luminosos ou não e anúncios eletrónicos

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letreiros / anúncios luminosos ou não e anúncios eletrónicos CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letreiros / anúncios luminosos ou não e anúncios eletrónicos 02 Critérios específicos 03 Condições Gerais 05 Zonas de Proteção Específica 1 Adequar-se à forma

Leia mais

Portaria n.º 1136/2001 de 25 de Setembro

Portaria n.º 1136/2001 de 25 de Setembro Portaria n.º 1136/2001 de 25 de Setembro O Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, que aprovou o novo regime jurídico da urbanização e da edificação, estipula nos n. os 1 e 2 do artigo 43.º que os projectos

Leia mais

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Regulamenta dispositivos da Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014,

Leia mais

Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção

Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito e aplicação Para efeitos de uso do solo e de licenciamento de quaisquer obras de

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal. Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público

Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal. Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público Nota Justificativa A beneficiação e promoção dos pequenos espaços do domínio público

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO Índice PREÂMBULO...3

Leia mais

ZER ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS (Decreto-Lei n.º 73/2015 de 11 de maio) AIP - 10/12/2015

ZER ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS (Decreto-Lei n.º 73/2015 de 11 de maio) AIP - 10/12/2015 ZER ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS (Decreto-Lei n.º 73/2015 de 11 de maio) AIP - 10/12/2015 ENQUADRAMENTO LEGAL Decreto-Lei nº 46/2001 de 10 Fevereiro Decreto Lei nº 70/2003 de 10 Abril Decreto-Lei nº

Leia mais

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DE OBRAS CONCLUÍDAS (Q4)

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DE OBRAS CONCLUÍDAS (Q4) INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI Nº 22/2008 DE 13 DE MAIO) DE RESPOSTA CONFIDENCIAL E OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº XXX VÁLIDO ATÉ AAAA/MM/DD Contactos para resposta

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letras soltas e símbolos

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letras soltas e símbolos CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letras soltas e símbolos 02 Critérios específicos 03 Condições Gerais 05 Zonas de Proteção Específica 1 Adequar-se à forma e à escala, de modo a respeitar a integridade

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PREÂMBULO Considerando que ao Município de Proença-a-Nova é sócio único da empresa municipal Pepa Parque Empresarial

Leia mais

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes para Instalação de Atividades Económicas, publicado pelo Aviso n.º 8063/2008, de 14 de março, com as alterações introduzidas pelo Regulamento n.º 492/2011,

Leia mais

Alteração ao Regulamento de Água e Águas Residuais de Coimbra, (RAARC) Preâmbulo

Alteração ao Regulamento de Água e Águas Residuais de Coimbra, (RAARC) Preâmbulo Alteração ao Regulamento de Água e Águas Residuais de Coimbra, (RAARC) Preâmbulo Tendo como escopo o aperfeiçoamento da prestação dos serviços de fornecimento e distribuição de água destinada a consumo

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

REGULAMENTO DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VILA REAL

REGULAMENTO DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VILA REAL Proposta de Projeto de REGULAMENTO DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VILA REAL NOTA JUSTIFICATIVA Em ordem a dar cumprimento ao disposto

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DAS NOTAS EXPLICATIVAS

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DAS NOTAS EXPLICATIVAS PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DAS NOTAS EXPLICATIVAS Notas explicativas (anexo ao Regulamento - artigo 28.º) Classe de uso de solo Áreas territoriais que ficam afectam a um uso dominante, o qual dá a denominação

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO mobiliário urbano. mobiliário de esplanadas

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO mobiliário urbano. mobiliário de esplanadas CRITÉRIOS DE ISENÇÃO mobiliário urbano. mobiliário de esplanadas 02 Critérios específicos 04 Condições Gerais 06 Zonas de Proteção Específica 1 Todo o mobiliário de apoio a esplanadas, nomeadamente, estrados,

Leia mais

Novo Decreto de HIS. Apresentação ao Conselho Municipal de Habitação São Paulo - 27/08/2015. Secretaria Municipal de Licenciamento

Novo Decreto de HIS. Apresentação ao Conselho Municipal de Habitação São Paulo - 27/08/2015. Secretaria Municipal de Licenciamento Novo Decreto de HIS Apresentação ao Conselho Municipal de Habitação São Paulo - 27/08/2015 Novo Decreto de HIS EHIS, EHMP, EZEIS, HIS e HMP Adequação à Lei nº 16.050/14 Sistematiza, Consolida e Revoga

Leia mais

CONTEÚDOS FUNCIONAIS:

CONTEÚDOS FUNCIONAIS: CONTEÚDOS FUNCIONAIS: Ref.ª A) TÉCNICO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO AMBIENTE Realizar análises, estudo e emissão de pareceres dos assuntos que lhe são submetidos, tendo como base as melhores praticas legais

Leia mais

Estudo Acústico Plano de Pormenor do Parque Mayer Situação de Referência Mapa de Conflitos do Ruído Global Período Nocturno (Ln)

Estudo Acústico Plano de Pormenor do Parque Mayer Situação de Referência Mapa de Conflitos do Ruído Global Período Nocturno (Ln) Valores acima do limite - 53 db(a) Valor regulamentar 0-5 db(a) 5-10 db(a) > 10 db(a) Situação de Referência Mapa de Conflitos do Ruído Global Período Nocturno (Ln) DESENHO N.º 04 DATA Maio 2010 Lden db(a)

Leia mais

Novo Regime Jurídico de Avaliação de Impacte Ambiental (RJAIA)

Novo Regime Jurídico de Avaliação de Impacte Ambiental (RJAIA) 5 de novembro de 2013 Novo Regime Ambiental (RJAIA) Manuel Gouveia Pereira mgp@vda.pt Foi publicado o Decreto-Lei n.º 151-B/2013, de 31 de outubro, que estabelece o novo Regime Ambiental (RJAIA) aplicável

Leia mais

Índice de utilização máximo líquido ou à parcela. Índice bruto máximo de construção

Índice de utilização máximo líquido ou à parcela. Índice bruto máximo de construção Diário da República, 2.ª série N.º 82 28 de abril de 2015 10473 Despacho (extrato) n.º 4323/2015 No uso dos poderes que me foram conferidos pela alínea a) do n.º 2 do art.º 35.º da Lei n.º 75/2013 de 12/09,

Leia mais

LEI 31/2009, DE 3 DE JULHO, NA REDACÇÃO DA LEI 40/2015, DE 1 DE JUNHO

LEI 31/2009, DE 3 DE JULHO, NA REDACÇÃO DA LEI 40/2015, DE 1 DE JUNHO LEI 31/2009, DE 3 DE JULHO, NA REDACÇÃO DA LEI 40/2015, DE 1 DE JUNHO COORDENADOR DE PROJECTO, DIRECTOR DE OBRA E DIRECTOR DE FISCALIZAÇÃO DE OBRA, ELABORAÇÃO DE PROJECTOS DE ENGENHARIA ESPECIFÍCOS, E

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES. N. o 70 23 de Março de 2004 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 1657

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES. N. o 70 23 de Março de 2004 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 1657 N. o 70 23 de Março de 2004 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 1657 duz efeitos após a sua comunicação e determina a proibição das operações de levantamento e venda de bilhetes ou fracções, bem como as de pagamento

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tela ou lona

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tela ou lona CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tela ou lona 02 Critérios específicos 03 Condições Gerais 05 Zonas de Proteção Específica 1 Ser utilizada para divulgação de atividades ou eventos de interesse

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA. Diário da República, 1.ª série N.º 229 26 de novembro de 2014 5977

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA. Diário da República, 1.ª série N.º 229 26 de novembro de 2014 5977 Diário da República, 1.ª série N.º 229 26 de novembro de 2014 5977 c) Atualização dos planos a que se refere a alínea a): 130 ; d) Atualização dos planos a que se refere a alínea b): 1230. 2 As importâncias

Leia mais

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DE OBRAS CONCLUÍDAS (Q4)

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DE OBRAS CONCLUÍDAS (Q4) INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI Nº 22/2008 DE 13 DE MAIO) DE RESPOSTA CONFIDENCIAL E OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº 10118 VÁLIDO ATÉ 2015/03/31 Contactos para resposta

Leia mais

28200 Diário da República, 2.ª série N.º 136 16 de Julho de 2009

28200 Diário da República, 2.ª série N.º 136 16 de Julho de 2009 28200 Diário da República, 2.ª série N.º 136 16 de Julho de 2009 de resíduos sólidos, de depósitos de combustíveis sólidos, lí quidos ou gasosos, com excepção de postos de abastecimento de combustíveis

Leia mais

ANEXO I. 2. Projeto O projeto do sistema de deposição de resíduos urbanos deve incluir obrigatoriamente as seguintes peça escritas e desenhadas:

ANEXO I. 2. Projeto O projeto do sistema de deposição de resíduos urbanos deve incluir obrigatoriamente as seguintes peça escritas e desenhadas: ANEXO I NORMAS TÉCNICAS DOS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES (NTRU) 1. Disposições gerais As presentes normas técnicas dizem respeito ao projeto dos sistemas de deposição de resíduos

Leia mais

Lei 20.922/13 Lei Florestal Mineira

Lei 20.922/13 Lei Florestal Mineira Lei 20.922/13 Lei Florestal Mineira 2014 Reserva Legal: Conceito: Nova Lei Florestal Mineira - Lei nº 20.922/2013 Área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, delimitada nos termos da

Leia mais

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Luís Jorge Bruno Soares António Perez Babo Robert Stussi Maria Rosário Partidário Bruno Lamas brunosoares@brunosoaresarquitectos.pt

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PATRIMÓNIO CULTURAL ENTRADA EM VIGOR EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra O Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra estabelece a concepção do espaço urbano, para a área de intervenção do Plano, dispondo, designadamente,

Leia mais

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA PLANO GIONAL ORDENAMENTO FLOSTAL DO TÂMEGA Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais; b) Diminuir a área queimada; c) Reabilitação de ecossistemas florestais:

Leia mais

RESUMO NÃO TÉCNICO CÂMARA MUNICIPAL DE VAGOS PLANO DE PORMENOR PARQUE EMPRESARIAL DE SOZA PARCELA B ELEMENTOS PARA PERÍODO DE DISCUSSÃO PÚBLICA

RESUMO NÃO TÉCNICO CÂMARA MUNICIPAL DE VAGOS PLANO DE PORMENOR PARQUE EMPRESARIAL DE SOZA PARCELA B ELEMENTOS PARA PERÍODO DE DISCUSSÃO PÚBLICA ELEMENTOS PARA PERÍODO DE DISCUSSÃO PÚBLICA CÂMARA MUNICIPAL DE VAGOS PLANO DE PORMENOR PARQUE EMPRESARIAL DE SOZA PARCELA B VOLUME 3 RESUMO NÃO TÉCNICO (VERSÃO NOVEMBRO 2013) Este Relatório foi convertido

Leia mais

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO. Resumo Não Técnico

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO. Resumo Não Técnico ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO Resumo Não Técnico GABINETE DE REABILITAÇÃO URBANA março de 2015 Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. O Regulamento referente à compensação pela não

Leia mais