Plantas constituintes da Proposta de Revisão do PDM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plantas constituintes da Proposta de Revisão do PDM"

Transcrição

1 FICHA DE N.º 36 Nome: Manuel de Araújo Gonçalves Assunto: Reapreciação da classificação de terreno classificado como espaço de uso múltiplo agrícola e florestal e integração em solo urbano N.º e data de registo de entrada: 1419/2014 de SINTESE DA LOCALIZAÇÃO DA PRETENSÃO Solicita a reapreciação da classificação do seu terreno, classificado como espaço de uso múltiplo agrícola e florestal na Revisão do e sua integração em Solo Urbano, para aí poder construir uma habitação cuja parcela de terreno está parcialmente em solo urbano proposto e é insuficiente para o efeito e fundamentando com facto do terreno já ser urbano no anterior. Freguesia do Rego. CLASSIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO SOLO em vigor Proposta de revisão Aglomerado rural Sem servidão administrativa e restrição de utilidade pública. Solo rural - Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal Sem servidão administrativa e restrição de utilidade pública. Plantas constituintes da Proposta de Revisão do Localização da participação relativa ao extrato da qualificação funcional do solo Localização da participação relativa ao extrato da salvaguardas e execução do plano Localização da participação relativa ao extrato da - geral Localização da participação relativa ao extrato da - floresta 121 P á g i n a

2 Na revisão do, o terreno em causa foi reclassificado de solo urbano (aglomerado rural) para solo rural - Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal. O terreno não está sujeito a qualquer servidão administrativa ou restrição de utilidade pública. ANÁLISE De referir que, de acordo com o Decreto Regulamentar n.º11/2009, de 29 de Maio, a reclassificação do Solo Rural em Solo Urbano tem carácter excepcional, fundamentada na indispensabilidade e adequação quantitativa e qualitativa de solo para a implementação da estratégia de desenvolvimento local e, depende da comprovação da necessidade face à dinâmica demográfica, ao desenvolvimento económico e social e à indispensabilidade de qualificação urbanística, com o cumprimento dos critérios estabelecidos no artigo 6º e 7º do mesmo Decreto Regulamentar. Estes artigos definem como critérios para esta reclassificação a importância de determinada área para o modelo de organização do sistema urbano; a existência ou previsão de aglomeração de edifícios, população, atividades geradoras de fluxos significativos de população, bens e informação; a existência ou garantia de provisão de infraestruturas urbanas e de prestação de serviços associados e a garantia de acesso da população residente a equipamentos coletivos, sendo adicionalmente necessário comprovar, principalmente, a indisponibilidade/carência de área urbana para estes fins (devendo o aproveitamento das áreas urbanas prevalecer sobre o acréscimo das mesmas), a indispensabilidade da área para a estruturação do aglomerado urbano, para a compatibilização com instrumentos de gestão territorial de ordem supra-municipal. Cumulativamente a estes critérios, de acordo com a diretriz do PROT-Norte relativa às condições de edificabilidade em solo Urbano, os PMOT devem estabelecer que em solo urbano, só pode ser autorizada em parcelas confinantes com vias públicas habilitantes e dotadas de redes públicas das infraestruturas básicas, não podendo o recurso a soluções técnicas individuais ser considerado como substituto, para tal fim, das redes de infraestruturas eventualmente em falta. Considerando que: - O terreno já era urbano no de 1994; - A área onde se insere o terreno fica contígua a um aglomerado urbano proposto que está ocupado por construções; - O terreno confina com uma via pública habilitante e está provido de infraestruturas básicas; - Se pretende o aumento da área afeta a solo urbano, dado ser insuficiente a área do terreno inserida no perímetro urbano definido para a implantação da construção; - Se está a falar de um acerto de área, e que tal alteração não tem implicações negativas ou acarreta restrições a terceiros e tendo em conta ainda que, não sendo um imperativo, se deverá ter ao máximo consideração ao cadastro na definição das categorias de espaço, pelo que não se vê inconveniente na alteração solicitada; - A pretensão é coerente com os princípios de ordenamento territorial definidos na proposta do ; - O terreno não está sujeito a qualquer servidão administrativa ou restrição de utilidade pública. 122 P á g i n a

3 Entende-se que poderá ser alterada a classificação e qualificação do solo atribuído ao terreno pela Proposta de Revisão do de Solo rural Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal para solo Urbano Espaço residencial. ALTERAÇÕES A INTRODUZIR NA PROPOSTA DA 1ª REVISÃO DO Face ao referido, considera-se que estão reunidas as condições para a reclassificação do terreno em causa, pelo que a pretensão do autor desta participação poderá ter acolhimento favorável na proposta de Revisão do. Alteração da (folha 86-3) desdobrada em Planta da Qualificação Funcional do Solo e Salvaguardas e Execução do Plano. Relatório da proposta do Plano. ACOLHIMENTO APÓS 123 P á g i n a

4 FICHA DE N.º 37 Nome: Stephanie Lamas Lameira Assunto: Reapreciação da classificação de terreno classificado como espaço florestal e integração em solo urbano N.º e data de registo de entrada: 1420/2014 de SINTESE DA Solicita a reapreciação da classificação do seu terreno, classificado como espaço florestal na Revisão do e sua integração em Solo Urbano, para aí poder construir uma habitação. LOCALIZAÇÃO DA PRETENSÃO Rua das Alminhas. Bolada. Freguesia do Rego. CLASSIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO SOLO em vigor Proposta de revisão Floresta de proteção Reserva Ecológica Nacional Solo rural - Espaço florestal Sem servidão administrativa e restrição de utilidade pública. Plantas constituintes da Proposta de Revisão do Localização da participação relativa ao extrato da qualificação funcional do solo Localização da participação relativa ao extrato da salvaguardas e execução do plano Localização da participação relativa ao extrato da - geral Localização da participação relativa ao extrato da - floresta 124 P á g i n a

5 Na revisão do, o terreno em causa continua a manter a classificação de Solo Rural, havendo apenas lugar a uma alteração de categoria deste, de Floresta de proteção sujeita a Reserva Ecológica Nacional (REN) para Espaço Florestal. O terreno não está sujeito a qualquer servidão administrativa ou restrição de utilidade pública. ANÁLISE De referir que, de acordo com o Decreto Regulamentar n.º11/2009, de 29 de Maio, a reclassificação do Solo Rural em Solo Urbano tem carácter excepcional, fundamentada na indispensabilidade e adequação quantitativa e qualitativa de solo para a implementação da estratégia de desenvolvimento local e, depende da comprovação da necessidade face à dinâmica demográfica, ao desenvolvimento económico e social e à indispensabilidade de qualificação urbanística, com o cumprimento dos critérios estabelecidos no artigo 6º e 7º do mesmo Decreto Regulamentar. Estes artigos definem como critérios para esta reclassificação a importância de determinada área para o modelo de organização do sistema urbano; a existência ou previsão de aglomeração de edifícios, população, atividades geradoras de fluxos significativos de população, bens e informação; a existência ou garantia de provisão de infraestruturas urbanas e de prestação de serviços associados e a garantia de acesso da população residente a equipamentos coletivos, sendo adicionalmente necessário comprovar, principalmente, a indisponibilidade/carência de área urbana para estes fins (devendo o aproveitamento das áreas urbanas prevalecer sobre o acréscimo das mesmas), a indispensabilidade da área para a estruturação do aglomerado urbano, para a compatibilização com instrumentos de gestão territorial de ordem supra-municipal. Cumulativamente a estes critérios, de acordo com a diretriz do PROT-Norte relativa às condições de edificabilidade em solo Urbano, os PMOT devem estabelecer que em solo urbano, só pode ser autorizada em parcelas confinantes com vias públicas habilitantes e dotadas de redes públicas das infraestruturas básicas, não podendo o recurso a soluções técnicas individuais ser considerado como substituto, para tal fim, das redes de infraestruturas eventualmente em falta. Considerando que: - A área onde se insere o terreno fica contígua a um aglomerado urbano proposto que está parcialmente ocupado por construções; - O terreno confina com uma via pública habilitante e está provido de infraestruturas básicas; - A pretensão é coerente com os princípios de ordenamento territorial definidos na proposta do ; - O terreno não está sujeito a qualquer servidão administrativa ou restrição de utilidade pública. Entende-se que poderá ser alterada a classificação e qualificação do solo atribuído ao terreno pela Proposta de Revisão do de Solo rural Espaço florestal para solo Urbano Espaço urbano de baixa densidade. 125 P á g i n a

6 ALTERAÇÕES A INTRODUZIR NA PROPOSTA DA 1ª REVISÃO DO Face ao referido, considera-se que estão reunidas as condições para a reclassificação do terreno em causa, pelo que a pretensão do autor desta participação poderá ter acolhimento favorável na proposta de Revisão do. Alteração da (folha 86-3) desdobrada em Planta da Qualificação Funcional do Solo e Salvaguardas e Execução do Plano. Relatório da proposta do Plano. ACOLHIMENTO APÓS 126 P á g i n a

7 FICHA DE N.º 38 Nome: Manuel Augusto Andrade de Sousa Teixeira Assunto: Reapreciação da classificação de terreno classificado como espaço de uso múltiplo agrícola e florestal sujeito a REN e integração em solo urbano N.º e data de registo de entrada: 1434/2014 de SINTESE DA LOCALIZAÇÃO DA PRETENSÃO Solicita a reapreciação da classificação do seu terreno, classificado como espaço de uso múltiplo agrícola e florestal sujeito a REN na Revisão do e sua integração em Solo Urbano, fundamentando com facto do terreno confrontar com uma via municipal, com infraestruturas com pavimento em betuminoso/paralelo, rede de abastecimento de água, rede elétrica e telefónica. Refere ainda que o solo apresenta uma superfície com pouca diferença de cotas altimétricas e nas imediações do terreno já existem construções. Lugar de Lordelo. Freguesia de Ribas. CLASSIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO SOLO em vigor Proposta de revisão Floresta de proteção Reserva Ecológica Nacional Solo rural - Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal Reserva Ecológica Nacional Plantas constituintes da Proposta de Revisão do Localização da participação relativa ao extrato da qualificação funcional do solo Localização da participação relativa ao extrato da salvaguardas e execução do plano Localização da participação relativa ao extrato da - geral Localização da participação relativa ao extrato da - floresta 127 P á g i n a

8 Na revisão do, o terreno em causa continua a manter a classificação de Solo Rural, havendo apenas lugar a uma alteração de categoria deste, de Floresta de proteção sujeita a Reserva Ecológica Nacional (REN) para Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal sujeito a Reserva Ecológica Nacional (REN). ANÁLISE De referir que, de acordo com o Decreto Regulamentar n.º11/2009, de 29 de Maio, a reclassificação do Solo Rural em Solo Urbano tem carácter excepcional, fundamentada na indispensabilidade e adequação quantitativa e qualitativa de solo para a implementação da estratégia de desenvolvimento local e, depende da comprovação da necessidade face à dinâmica demográfica, ao desenvolvimento económico e social e à indispensabilidade de qualificação urbanística, com o cumprimento dos critérios estabelecidos no artigo 6º e 7º do mesmo Decreto Regulamentar. Estes artigos definem como critérios para esta reclassificação a importância de determinada área para o modelo de organização do sistema urbano; a existência ou previsão de aglomeração de edifícios, população, atividades geradoras de fluxos significativos de população, bens e informação; a existência ou garantia de provisão de infraestruturas urbanas e de prestação de serviços associados e a garantia de acesso da população residente a equipamentos coletivos, sendo adicionalmente necessário comprovar, principalmente, a indisponibilidade/carência de área urbana para estes fins (devendo o aproveitamento das áreas urbanas prevalecer sobre o acréscimo das mesmas), a indispensabilidade da área para a estruturação do aglomerado urbano, para a compatibilização com instrumentos de gestão territorial de ordem supra-municipal. Cumulativamente a estes critérios, de acordo com a diretriz do PROT-Norte relativa às condições de edificabilidade em solo Urbano, os PMOT devem estabelecer que em solo urbano, só pode ser autorizada em parcelas confinantes com vias públicas habilitantes e dotadas de redes públicas das infraestruturas básicas, não podendo o recurso a soluções técnicas individuais ser considerado como substituto, para tal fim, das redes de infraestruturas eventualmente em falta. Considerando que: - Embora a área onde se insere o terreno fique contígua a um aglomerado urbano e o terreno confina com uma via pública habilitante e está provido de infraestruturas básicas, o terreno está sujeito a Reserva Ecológica Nacional. - A proposta não se enquadra nos princípios de ordenamento territorial definidos na proposta do ; - O Município considera que esta pretensão não se encontra englobada em nenhum dos requisitos legais que fundamentam um pedido de exclusão da REN com a correspondente reclassificação do solo como Urbano; Entende-se que não poderá haver lugar a reclassificação, pelo que deverá ser mantida a classificação atribuída ao terreno pela Proposta de Revisão do. 128 P á g i n a

9 ALTERAÇÕES A INTRODUZIR NA PROPOSTA DA 1ª REVISÃO DO Face ao referido considera-se que não existem condições para a reclassificação do terreno em causa, pelo que a pretensão do autor desta participação terá acolhimento desfavorável na proposta de Revisão do. Nenhuma. 129 P á g i n a

10 FICHA DE N.º 39 Nome: Manuel Duarte de Sousa Marinho Assunto: Reapreciação da classificação de terreno classificado como espaço agrícola sujeito a RAN e integração em solo urbano N.º e data de registo de entrada: 1451/2014 de SINTESE DA Solicita a reapreciação da classificação do seu terreno, classificado como espaço agrícola sujeito a RAN na Revisão do e sua integração em Solo Urbano, para aí poder construir uma habitação. LOCALIZAÇÃO DA PRETENSÃO Lugar de Barrega. Freguesia de Borba da Montanha. CLASSIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO SOLO em vigor Proposta de revisão Área agrícola Reserva Agrícola Nacional Solo rural - Espaço agrícola Reserva Agrícola Nacional Plantas constituintes da Proposta de Revisão do Localização da participação relativa ao extrato da qualificação funcional do solo Localização da participação relativa ao extrato da salvaguardas e execução do plano Localização da participação relativa ao extrato da - geral Localização da participação relativa ao extrato da - floresta 130 P á g i n a

11 Na revisão do, o terreno em causa continua a manter a classificação prevista no de Espaço agrícola sujeito a Reserva Agrícola Nacional (RAN). Relativamente à elaboração da proposta de reclassificação do solo da revisão do, foi tido em consideração o processo de delimitação da Reserva Agrícola Nacional (RAN). Esta participação incide sobre a parcela integrada na RAN. A área é confinante com espaço residencial. O terreno situa-se junto a uma linha de água (solo de depósito), a uma cota inferior à do arruamento. A proposta interrompe a continuidade da RAN. Ela foi analisada tecnicamente junto da tutela tendo sido recusada. Consequentemente, esta proposta foi reprovada pela DRAPN. ANÁLISE Considerando que: - A área onde se insere o terreno não possui proximidade suficiente junto de solo urbano nem de um aglomerado rural; - Embora esta área seja servida por infraestruturas, foi entendimento da Direção Regional de Agricultura do Norte que essa área deveria garantir a preservação de solo como recurso natural escasso não renovável; - Foi também entendimento da Direção Regional de Agricultura do Norte que não estão verificados os requisitos legais que fundamentam um pedido de exclusão da área da RAN, pelo que foi emitido parecer desfavorável à proposta de exclusão da RAN, com vista à inclusão do terreno em causa em solo urbano. ALTERAÇÕES A INTRODUZIR NA PROPOSTA DA 1ª REVISÃO DO Face ao referido, inclusive o parecer desfavorável da DRAPN, considera-se que não existem condições para a reclassificação do terreno em causa, pelo que a pretensão do autor desta participação terá acolhimento desfavorável na proposta de Revisão do. Nenhuma. 131 P á g i n a

12 FICHA DE N.º 40 Nome: José Maria Marinho Camelo Assunto: Reapreciação da classificação de terreno classificado como espaço de uso múltiplo agrícola e florestal e integração em solo urbano N.º e data de registo de entrada: 1452/2014 de SINTESE DA Solicita a reapreciação da classificação do seu terreno, classificado como espaço de uso múltiplo agrícola e florestal na Revisão do e sua integração em Solo Urbano, para aí poder recuperar e ampliar uma habitação unifamiliar fundamentando com facto de parte do terreno já ser urbano no anterior. LOCALIZAÇÃO DA PRETENSÃO Lugar de Cabanelas. Freguesia de Borba da Montanha. CLASSIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO SOLO em vigor Proposta de revisão Aglomerado rural (50%) e floresta de produção (50%) Sem servidão administrativa e restrição de utilidade pública. Solo rural - Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal Sem servidão administrativa e restrição de utilidade pública. Plantas constituintes da Proposta de Revisão do Localização da participação relativa ao extrato da qualificação funcional do solo Localização da participação relativa ao extrato da salvaguardas e execução do plano Localização da participação relativa ao extrato da - geral Localização da participação relativa ao extrato da - floresta 132 P á g i n a

13 Na revisão do, 50% o terreno em causa foi reclassificado de solo urbano (aglomerado rural) para solo rural - Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal. Os restantes 50% mantiveram a classificação de Solo Rural, havendo apenas lugar a uma alteração de categoria deste, de Floresta de produção para Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal. O terreno não está sujeito a qualquer servidão administrativa ou restrição de utilidade pública. ANÁLISE De referir que, de acordo com o Decreto Regulamentar n.º11/2009, de 29 de Maio, a reclassificação do Solo Rural em Solo Urbano tem carácter excepcional, fundamentada na indispensabilidade e adequação quantitativa e qualitativa de solo para a implementação da estratégia de desenvolvimento local e, depende da comprovação da necessidade face à dinâmica demográfica, ao desenvolvimento económico e social e à indispensabilidade de qualificação urbanística, com o cumprimento dos critérios estabelecidos no artigo 6º e 7º do mesmo Decreto Regulamentar. Estes artigos definem como critérios para esta reclassificação a importância de determinada área para o modelo de organização do sistema urbano; a existência ou previsão de aglomeração de edifícios, população, atividades geradoras de fluxos significativos de população, bens e informação; a existência ou garantia de provisão de infraestruturas urbanas e de prestação de serviços associados e a garantia de acesso da população residente a equipamentos coletivos, sendo adicionalmente necessário comprovar, principalmente, a indisponibilidade/carência de área urbana para estes fins (devendo o aproveitamento das áreas urbanas prevalecer sobre o acréscimo das mesmas), a indispensabilidade da área para a estruturação do aglomerado urbano, para a compatibilização com instrumentos de gestão territorial de ordem supra-municipal. Cumulativamente a estes critérios, de acordo com a diretriz do PROT-Norte relativa às condições de edificabilidade em solo Urbano, os PMOT devem estabelecer que em solo urbano, só pode ser autorizada em parcelas confinantes com vias públicas habilitantes e dotadas de redes públicas das infraestruturas básicas, não podendo o recurso a soluções técnicas individuais ser considerado como substituto, para tal fim, das redes de infraestruturas eventualmente em falta. Considerando que: - Metade da área do terreno já era urbana no de 1994; - A área onde se insere o terreno fica contígua a um aglomerado urbano proposto que está ocupado por construções; - A pretensão é coerente com os princípios de ordenamento territorial definidos na proposta do ; - O terreno não está sujeito a qualquer servidão administrativa ou restrição de utilidade pública. Entende-se que poderá ser alterada a classificação e qualificação do solo atribuído a parte do terreno correspondente à área que já era urbana no anterior, de Solo rural Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal para solo Urbano Espaço residencial. 133 P á g i n a

14 ALTERAÇÕES A INTRODUZIR NA PROPOSTA DA 1ª REVISÃO DO A pretensão do autor desta participação poderá ter acolhimento parcialmente favorável na proposta de Revisão do, permitindo que parte do terreno, correspondente à área que já era urbana no anterior, passe para Solo Urbano (espaço residencial). Alteração da (folha 86-3) desdobrada em Planta da Qualificação Funcional do Solo e Salvaguardas e Execução do Plano. Relatório da proposta do Plano. ACOLHIMENTO APÓS 134 P á g i n a

15 FICHA DE N.º 41 Nome: Paulo Barbosa Magalhães Assunto: Reapreciação da classificação de terreno classificado como espaço florestal e integração em solo urbano N.º e data de registo de entrada: 1454/2014 de SINTESE DA Solicita a reapreciação da classificação do seu terreno, classificado como espaço florestal na Revisão do e sua integração em Solo Urbano, para aí poder construir uma habitação, fundamentando com facto do terreno ser urbano no anterior. LOCALIZAÇÃO DA PRETENSÃO Lugar de Lourido. Freguesia de Arnoia. CLASSIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO SOLO em vigor Proposta de revisão Aglomerado rural. Sem servidão administrativa e restrição de utilidade pública. Solo rural - Espaço florestal Zona de proteção das albufeiras - Zona terrestre de proteção (500m) Plantas constituintes da Proposta de Revisão do Localização da participação relativa ao extrato da qualificação funcional do solo Localização da participação relativa ao extrato da salvaguardas e execução do plano Localização da participação relativa ao extrato da - geral Localização da participação relativa ao extrato da - floresta 135 P á g i n a

16 Na revisão do, o terreno em causa foi reclassificado de solo urbano (aglomerado rural) para solo rural - Espaço Florestal. O terreno não está sujeito a qualquer servidão administrativa ou restrição de utilidade pública. De referir que, de acordo com o Decreto Regulamentar n.º11/2009, de 29 de Maio, a reclassificação do Solo Rural em Solo Urbano tem carácter excepcional, fundamentada na indispensabilidade e adequação quantitativa e qualitativa de solo para a implementação da estratégia de desenvolvimento local e, depende da comprovação da necessidade face à dinâmica demográfica, ao desenvolvimento económico e social e à indispensabilidade de qualificação urbanística, com o cumprimento dos critérios estabelecidos no artigo 6º e 7º do mesmo Decreto Regulamentar. Estes artigos definem como critérios para esta reclassificação a importância de determinada área para o modelo de organização do sistema urbano; a existência ou previsão de aglomeração de edifícios, população, atividades geradoras de fluxos significativos de população, bens e informação; a existência ou garantia de provisão de infraestruturas urbanas e de prestação de serviços associados e a garantia de acesso da população residente a equipamentos coletivos, sendo adicionalmente necessário comprovar, principalmente, a indisponibilidade/carência de área urbana para estes fins (devendo o aproveitamento das áreas urbanas prevalecer sobre o acréscimo das mesmas), a indispensabilidade da área para a estruturação do aglomerado urbano, para a compatibilização com instrumentos de gestão territorial de ordem supra-municipal. ANÁLISE Cumulativamente a estes critérios, de acordo com a diretriz do PROT-Norte relativa às condições de edificabilidade em solo Urbano, os PMOT devem estabelecer que em solo urbano, só pode ser autorizada em parcelas confinantes com vias públicas habilitantes e dotadas de redes públicas das infraestruturas básicas, não podendo o recurso a soluções técnicas individuais ser considerado como substituto, para tal fim, das redes de infraestruturas eventualmente em falta. Considerando que: - O terreno já era urbano no de 1994; - A área onde se insere o terreno fica contígua a um aglomerado urbano proposto que está ocupado por construções; - O terreno confina com uma via pública habilitante e está provido de infraestruturas básicas; - A pretensão é coerente com os princípios de ordenamento territorial definidos na proposta do ; Entende-se que poderá ser alterada a classificação e qualificação do solo atribuído a parte do terreno correspondente à área que já era urbana no anterior, de Solo rural Espaço florestal para solo Urbano Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal. 136 P á g i n a

17 ALTERAÇÕES A INTRODUZIR NA PROPOSTA DA 1ª REVISÃO DO A pretensão do autor desta participação poderá ter acolhimento favorável na proposta de Revisão do, permitindo que o terreno, correspondente à área que já era urbana no anterior, passe para Solo Urbano (espaço residencial). Alteração da (folha 100-2) desdobrada em Planta da Qualificação Funcional do Solo e Salvaguardas e Execução do Plano. Relatório da proposta do Plano. ACOLHIMENTO APÓS 137 P á g i n a

18 FICHA DE N.º 42 Nome: Maria Virgínia Gonçalves Portilho Bourbon Assunto: Reapreciação da qualificação de terreno (solo rural) integrado em espaço florestal com predominância de espécies autóctones e integração em espaço florestal sem predominância de espécies autóctones N.º e data de registo de entrada: 1482/2014 de SINTESE DA Solicita a reapreciação da qualificação do seu terreno (solo rural). Proposta de alteração na revisão do da qualificação de espaço florestal com predominância de espécies autóctones e sua integração em espaço florestal sem predominância de espécies autóctones. LOCALIZAÇÃO DA PRETENSÃO Lugar do Corgo. Freguesia do Corgo. CLASSIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO SOLO em vigor Proposta de revisão Aglomerado rural, área agrícola e Floresta de produção. Sem servidão administrativa e restrição de utilidade pública. Espaço Florestal e Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal com predominância de espécies autóctones Espécies protegidas por regime legal (Povoamento de sobreiro) e parte em área florestal percorrida por incêndio (2005 e 2010) Plantas constituintes da Proposta de Revisão do Localização da participação relativa ao extrato da qualificação funcional do solo Localização da participação relativa ao extrato da salvaguardas e execução do plano Localização da participação relativa ao extrato da - geral Localização da participação relativa ao extrato da - floresta 138 P á g i n a

19 Na revisão do, parte do terreno em causa foi reclassificado de solo urbano (aglomerado rural) para solo rural - Espaço Florestal e Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal com predominância de espécies autóctones. Outra parte do terreno em causa continua a manter a classificação de Solo Rural, havendo apenas lugar a uma alteração de categoria deste, de Área agrícola e Floresta de produção para Espaço Florestal e Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal com predominância de espécies autóctones. ANÁLISE Considerando que: - A área onde se insere o terreno possui efetivamente um povoamento de sobreiros correspondendo a uma espécie protegida por regime legal. - A dimensão desse povoamento de sobreiros justifica que se proteja este recurso florestal; - Não estão verificados requisitos legais que fundamentam um pedido de reapreciação da classificação de solo rural pretendida; - A pretensão não é coerente com os princípios de ordenamento territorial definidos na proposta do ; Entende-se que não poderá ser alterada a qualificação do solo atribuído ao terreno pela Proposta de Revisão do de Solo rural espaço florestal com predominância de espécies autóctones para solo rural espaço florestal sem predominância de espécies autóctones ALTERAÇÕES A INTRODUZIR NA PROPOSTA DA 1ª REVISÃO DO A pretensão do autor desta participação poderá ter acolhimento desfavorável na proposta de Revisão do, mantendo-se a qualificação do solo atribuída na proposta de revisão do. Nenhuma. 139 P á g i n a

20 FICHA DE N.º 43 Nome: António Luís Pires Magalhães Assunto: Reapreciação da classificação de terreno classificado como espaço agrícola sujeito a RAN e integração em solo urbano N.º e data de registo de entrada: 1510/2014 de SINTESE DA Solicita a reapreciação da classificação do seu terreno, classificado como espaço agrícola sujeito a RAN na Revisão do e sua integração em Solo Urbano, para aí poder construir uma habitação aproveitando as ruínas de uma corte e um alpendre e fundamentando com facto do terreno ter uma boa exposição solar e estar na contiguidade de um perímetro urbano proposto. LOCALIZAÇÃO DA PRETENSÃO Rua de Bolada. Freguesia do Rego. CLASSIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO SOLO em vigor Proposta de revisão Área agrícola Parcialmente em Reserva Agrícola Nacional Solo rural - Espaço agrícola Reserva Agrícola Nacional Plantas constituintes da Proposta de Revisão do Localização da participação relativa ao extrato da qualificação funcional do solo Localização da participação relativa ao extrato da salvaguardas e execução do plano Localização da participação relativa ao extrato da - geral Localização da participação relativa ao extrato da - floresta 140 P á g i n a

21 Na revisão do, o terreno em causa continua a manter a classificação prevista no de Espaço agrícola sujeito a Reserva Agrícola Nacional (RAN). De referir que, de acordo com o Decreto Regulamentar n.º11/2009, de 29 de Maio, a reclassificação do Solo Rural em Solo Urbano tem carácter excepcional, fundamentada na indispensabilidade e adequação quantitativa e qualitativa de solo para a implementação da estratégia de desenvolvimento local e, depende da comprovação da necessidade face à dinâmica demográfica, ao desenvolvimento económico e social e à indispensabilidade de qualificação urbanística, com o cumprimento dos critérios estabelecidos no artigo 6º e 7º do mesmo Decreto Regulamentar. Estes artigos definem como critérios para esta reclassificação a importância de determinada área para o modelo de organização do sistema urbano; a existência ou previsão de aglomeração de edifícios, população, atividades geradoras de fluxos significativos de população, bens e informação; a existência ou garantia de provisão de infraestruturas urbanas e de prestação de serviços associados e a garantia de acesso da população residente a equipamentos coletivos, sendo adicionalmente necessário comprovar, principalmente, a indisponibilidade/carência de área urbana para estes fins (devendo o aproveitamento das áreas urbanas prevalecer sobre o acréscimo das mesmas), a indispensabilidade da área para a estruturação do aglomerado urbano, para a compatibilização com instrumentos de gestão territorial de ordem supra-municipal. ANÁLISE Cumulativamente a estes critérios, de acordo com a diretriz do PROT-Norte relativa às condições de edificabilidade em solo Urbano, os PMOT devem estabelecer que em solo urbano, só pode ser autorizada em parcelas confinantes com vias públicas habilitantes e dotadas de redes públicas das infraestruturas básicas, não podendo o recurso a soluções técnicas individuais ser considerado como substituto, para tal fim, das redes de infraestruturas eventualmente em falta. Relativamente à elaboração da proposta de reclassificação do solo da revisão do, foi tido em consideração o processo de delimitação da Reserva Agrícola Nacional (RAN). Esta participação incide sobre a parcela integrada na RAN. A área situa-se na continuidade de um polígono de espaço de baixa densidade, próximo de uma área consolidada. A pretensão é coerente com os princípios de ordenamento territorial definidos na proposta do. Este caso foi analisado e validado tecnicamente junto da tutela tendo sido aceite parcialmente, de acordo com a reconfiguração do polígono em causa. Consequentemente, esta proposta foi aprovada parcialmente pela DRAPN. Considerando que: - A área onde se insere o terreno fica contígua a um aglomerado urbano proposto que está ocupado por construções; - O terreno confina com uma via pública habilitante e está provido de infraestruturas básicas; - Se pretende o aumento da área afeta a solo urbano, dado ser insuficiente a área do terreno inserida no perímetro urbano definido para a implantação da construção; 141 P á g i n a

22 - Se está a falar de um acerto de área, e que tal alteração não tem implicações negativas ou acarreta restrições a terceiros e tendo em conta ainda que, não sendo um imperativo, se deverá ter ao máximo consideração ao cadastro na definição das categorias de espaço, pelo que não se vê inconveniente na alteração solicitada; - A pretensão é coerente com os princípios de ordenamento territorial definidos na proposta do ; - Foi entendimento da Direção Regional de Agricultura do Norte que estão verificados os requisitos legais que fundamentam um pedido de exclusão da área da RAN, pelo que foi emitido parecer parcialmente favorável à proposta de exclusão da RAN, com vista à inclusão de parte do terreno em causa em solo urbano, de acordo com a nova configuração do polígono em causa. Entende-se que poderá ser alterada a classificação e qualificação do solo atribuído a uma parte de terreno (parcialmente aceite na parte onde teve parecer favorável da DRAPN) pela Proposta de Revisão do de Solo Rural Espaço agrícola para solo Urbano Espaço urbano de baixa densidade. ALTERAÇÕES A INTRODUZIR NA PROPOSTA DA 1ª REVISÃO DO Face ao referido, considera-se que estão reunidas as condições para a reclassificação do terreno em causa, pelo que a pretensão do autor desta participação poderá ter acolhimento parcialmente favorável na proposta de Revisão do, permitindo que na parte onde obteve parecer favorável da DRAPN, passe para Solo Urbano (espaço urbano de baixa densidade.). Alteração da (folha 100-1) desdobrada em Planta da Qualificação Funcional do Solo e Salvaguardas e Execução do Plano. Alteração da - Geral (folha 100-1) Alteração da Planta da RAN Final (folha 100-1) Alteração da Planta da Estrutura Ecológica Municipal (folha 100-1) Relatório da proposta do Plano. ACOLHIMENTO APÓS 142 P á g i n a

23 FICHA DE N.º 44 Nome: Albano Fernando Pires de Abreu Assunto: Reapreciação da classificação de terreno classificado como espaço de uso múltiplo agrícola e florestal e integração em solo urbano N.º e data de registo de entrada: 1511/2014 de SINTESE DA Solicita a reapreciação da classificação do seu terreno, classificado como espaço de uso múltiplo agrícola e florestal na Revisão do e sua integração em Solo Urbano, para aí poder construir uma habitação fundamentando com facto do restante prédio não reunir condições para construir. LOCALIZAÇÃO DA PRETENSÃO Rua da Tomada. Freguesia do Rego. CLASSIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO SOLO em vigor Proposta de revisão Área agrícola Sem servidão administrativa e restrição de utilidade pública. Solo rural - Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal Sem servidão administrativa e restrição de utilidade pública. Plantas constituintes da Proposta de Revisão do Localização da participação relativa ao extrato da qualificação funcional do solo Localização da participação relativa ao extrato da salvaguardas e execução do plano Localização da participação relativa ao extrato da - geral Localização da participação relativa ao extrato da - floresta 143 P á g i n a

24 Na revisão do, o terreno em causa continua a manter a classificação de Solo Rural, havendo apenas lugar a uma alteração de categoria deste, de Área agrícola para Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal. De referir que, de acordo com o Decreto Regulamentar n.º11/2009, de 29 de Maio, a reclassificação do Solo Rural em Solo Urbano tem carácter excepcional, fundamentada na indispensabilidade e adequação quantitativa e qualitativa de solo para a implementação da estratégia de desenvolvimento local e, depende da comprovação da necessidade face à dinâmica demográfica, ao desenvolvimento económico e social e à indispensabilidade de qualificação urbanística, com o cumprimento dos critérios estabelecidos no artigo 6º e 7º do mesmo Decreto Regulamentar. Estes artigos definem como critérios para esta reclassificação a importância de determinada área para o modelo de organização do sistema urbano; a existência ou previsão de aglomeração de edifícios, população, atividades geradoras de fluxos significativos de população, bens e informação; a existência ou garantia de provisão de infraestruturas urbanas e de prestação de serviços associados e a garantia de acesso da população residente a equipamentos coletivos, sendo adicionalmente necessário comprovar, principalmente, a indisponibilidade/carência de área urbana para estes fins (devendo o aproveitamento das áreas urbanas prevalecer sobre o acréscimo das mesmas), a indispensabilidade da área para a estruturação do aglomerado urbano, para a compatibilização com instrumentos de gestão territorial de ordem supra-municipal. ANÁLISE Cumulativamente a estes critérios, de acordo com a diretriz do PROT-Norte relativa às condições de edificabilidade em solo Urbano, os PMOT devem estabelecer que em solo urbano, só pode ser autorizada em parcelas confinantes com vias públicas habilitantes e dotadas de redes públicas das infraestruturas básicas, não podendo o recurso a soluções técnicas individuais ser considerado como substituto, para tal fim, das redes de infraestruturas eventualmente em falta. Considerando que: - A área onde se insere o terreno fica contígua a um aglomerado urbano proposto que está ocupado por construções; - O terreno confina com uma via pública habilitante e está provido de infraestruturas básicas; - Se pretende o aumento da área afeta a solo urbano, dado ser insuficiente a área do terreno inserida no perímetro urbano definido para a implantação da construção; - Se está a falar de um acerto de área, e que tal alteração não tem implicações negativas ou acarreta restrições a terceiros e tendo em conta ainda que, não sendo um imperativo, se deverá ter ao máximo consideração ao cadastro na definição das categorias de espaço, pelo que não se vê inconveniente na alteração solicitada; - A pretensão é coerente com os princípios de ordenamento territorial definidos na proposta do ; - O terreno não está sujeito a qualquer servidão administrativa ou restrição de utilidade pública. 144 P á g i n a

25 Entende-se que poderá ser alterada a classificação e qualificação do solo atribuído ao terreno pela Proposta de Revisão do de Solo rural Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal para solo Urbano Espaço urbano de baixa densidade. ALTERAÇÕES A INTRODUZIR NA PROPOSTA DA 1ª REVISÃO DO Face ao referido, considera-se que estão reunidas as condições para a reclassificação do terreno em causa, pelo que a pretensão do autor desta participação poderá ter acolhimento favorável na proposta de Revisão do. Alteração da (folha 86-3) desdobrada em Planta da Qualificação Funcional do Solo e Salvaguardas e Execução do Plano. Relatório da proposta do Plano. ACOLHIMENTO APÓS 145 P á g i n a

26 FICHA DE N.º 45 Nome: José Maria Freitas Novais Assunto: Reapreciação da classificação de terreno classificado como espaço de uso múltiplo agrícola e florestal e integração em solo urbano N.º e data de registo de entrada: 1512/2014 de SINTESE DA Solicita a reapreciação da classificação do seu terreno, classificado como espaço de uso múltiplo agrícola e florestal na Revisão do e sua integração em Solo Urbano, para aí poder construir uma habitação fundamentando com facto do terreno estar contíguo a um perímetro urbano proposto. LOCALIZAÇÃO DA PRETENSÃO Lugar de Torres. Freguesia de Ribas. CLASSIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO SOLO em vigor Proposta de revisão Área agrícola. Sem servidão administrativa e restrição de utilidade pública. Solo rural - Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal Sem servidão administrativa e restrição de utilidade pública. Plantas constituintes da Proposta de Revisão do Localização da participação relativa ao extrato da qualificação funcional do solo Localização da participação relativa ao extrato da salvaguardas e execução do plano Localização da participação relativa ao extrato da Localização da participação relativa ao extrato da 146 P á g i n a

27 - geral - floresta Na revisão do, o terreno em causa continua a manter a classificação de Solo Rural, havendo apenas lugar a uma alteração de categoria deste, de Área agrícola para Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal. De referir que, de acordo com o Decreto Regulamentar n.º11/2009, de 29 de Maio, a reclassificação do Solo Rural em Solo Urbano tem carácter excepcional, fundamentada na indispensabilidade e adequação quantitativa e qualitativa de solo para a implementação da estratégia de desenvolvimento local e, depende da comprovação da necessidade face à dinâmica demográfica, ao desenvolvimento económico e social e à indispensabilidade de qualificação urbanística, com o cumprimento dos critérios estabelecidos no artigo 6º e 7º do mesmo Decreto Regulamentar. Estes artigos definem como critérios para esta reclassificação a importância de determinada área para o modelo de organização do sistema urbano; a existência ou previsão de aglomeração de edifícios, população, atividades geradoras de fluxos significativos de população, bens e informação; a existência ou garantia de provisão de infraestruturas urbanas e de prestação de serviços associados e a garantia de acesso da população residente a equipamentos coletivos, sendo adicionalmente necessário comprovar, principalmente, a indisponibilidade/carência de área urbana para estes fins (devendo o aproveitamento das áreas urbanas prevalecer sobre o acréscimo das mesmas), a indispensabilidade da área para a estruturação do aglomerado urbano, para a compatibilização com instrumentos de gestão territorial de ordem supra-municipal. ANÁLISE Cumulativamente a estes critérios, de acordo com a diretriz do PROT-Norte relativa às condições de edificabilidade em solo Urbano, os PMOT devem estabelecer que em solo urbano, só pode ser autorizada em parcelas confinantes com vias públicas habilitantes e dotadas de redes públicas das infraestruturas básicas, não podendo o recurso a soluções técnicas individuais ser considerado como substituto, para tal fim, das redes de infraestruturas eventualmente em falta. Considerando que: - A área onde se insere o terreno fica contígua a um aglomerado urbano proposto que está ocupado por construções; - O terreno confina com uma via pública habilitante e está provido de infraestruturas básicas; - A pretensão é coerente com os princípios de ordenamento territorial definidos na proposta do ; - O terreno não está sujeito a qualquer servidão administrativa ou restrição de utilidade pública. Entende-se que poderá ser alterada a classificação e qualificação do solo atribuído ao terreno pela Proposta de Revisão do de Solo rural Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal para solo Urbano Espaço urbano de baixa densidade. 147 P á g i n a

28 ALTERAÇÕES A INTRODUZIR NA PROPOSTA DA 1ª REVISÃO DO Face ao referido, considera-se que estão reunidas as condições para a reclassificação do terreno em causa, pelo que a pretensão do autor desta participação poderá ter acolhimento favorável na proposta de Revisão do. Alteração da (folha 86-2) desdobrada em Planta da Qualificação Funcional do Solo e Salvaguardas e Execução do Plano. Relatório da proposta do Plano. ACOLHIMENTO APÓS 148 P á g i n a

29 FICHA DE N.º 46 Nome: António José de Freitas Novais Assunto: Reapreciação da classificação de terreno classificado como espaço de uso múltiplo agrícola e florestal e integração em solo urbano N.º e data de registo de entrada: 1513/2014 de SINTESE DA Solicita a reapreciação da classificação do seu terreno, classificado como espaço de uso múltiplo agrícola e florestal na Revisão do e sua integração em Solo Urbano, para aí poder construir uma habitação fundamentando com facto do terreno estar contíguo a um perímetro urbano proposto. LOCALIZAÇÃO DA PRETENSÃO Lugar de Torres. Freguesia de Ribas. CLASSIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO SOLO em vigor Proposta de revisão Área agrícola. Sem servidão administrativa e restrição de utilidade pública. Solo rural - Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal Sem servidão administrativa e restrição de utilidade pública. Plantas constituintes da Proposta de Revisão do Localização da participação relativa ao extrato da qualificação funcional do solo Localização da participação relativa ao extrato da salvaguardas e execução do plano Localização da participação relativa ao extrato da - geral Localização da participação relativa ao extrato da - floresta 149 P á g i n a

30 Na revisão do, o terreno em causa continua a manter a classificação de Solo Rural, havendo apenas lugar a uma alteração de categoria deste, de Área agrícola para Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal. De referir que, de acordo com o Decreto Regulamentar n.º11/2009, de 29 de Maio, a reclassificação do Solo Rural em Solo Urbano tem carácter excepcional, fundamentada na indispensabilidade e adequação quantitativa e qualitativa de solo para a implementação da estratégia de desenvolvimento local e, depende da comprovação da necessidade face à dinâmica demográfica, ao desenvolvimento económico e social e à indispensabilidade de qualificação urbanística, com o cumprimento dos critérios estabelecidos no artigo 6º e 7º do mesmo Decreto Regulamentar. Estes artigos definem como critérios para esta reclassificação a importância de determinada área para o modelo de organização do sistema urbano; a existência ou previsão de aglomeração de edifícios, população, atividades geradoras de fluxos significativos de população, bens e informação; a existência ou garantia de provisão de infraestruturas urbanas e de prestação de serviços associados e a garantia de acesso da população residente a equipamentos coletivos, sendo adicionalmente necessário comprovar, principalmente, a indisponibilidade/carência de área urbana para estes fins (devendo o aproveitamento das áreas urbanas prevalecer sobre o acréscimo das mesmas), a indispensabilidade da área para a estruturação do aglomerado urbano, para a compatibilização com instrumentos de gestão territorial de ordem supra-municipal. ANÁLISE Cumulativamente a estes critérios, de acordo com a diretriz do PROT-Norte relativa às condições de edificabilidade em solo Urbano, os PMOT devem estabelecer que em solo urbano, só pode ser autorizada em parcelas confinantes com vias públicas habilitantes e dotadas de redes públicas das infraestruturas básicas, não podendo o recurso a soluções técnicas individuais ser considerado como substituto, para tal fim, das redes de infraestruturas eventualmente em falta. Considerando que: - A área onde se insere o terreno fica contígua a um aglomerado urbano proposto que está ocupado por construções; - O terreno confina com uma via pública habilitante e está provido de infraestruturas básicas; - A pretensão é coerente com os princípios de ordenamento territorial definidos na proposta do ; - O terreno não está sujeito a qualquer servidão administrativa ou restrição de utilidade pública. Entende-se que poderá ser alterada a classificação e qualificação do solo atribuído ao terreno pela Proposta de Revisão do de Solo rural Espaço de uso múltiplo agrícola e florestal para solo Urbano Espaço urbano de baixa densidade. 150 P á g i n a

31 ALTERAÇÕES A INTRODUZIR NA PROPOSTA DA 1ª REVISÃO DO Face ao referido, considera-se que estão reunidas as condições para a reclassificação do terreno em causa, pelo que a pretensão do autor desta participação poderá ter acolhimento favorável na proposta de Revisão do. Alteração da (folha 86-2) desdobrada em Planta da Qualificação Funcional do Solo e Salvaguardas e Execução do Plano. Relatório da proposta do Plano. ACOLHIMENTO APÓS 151 P á g i n a

32 FICHA DE N.º 47 Nome: Manuel António Vaz de Sousa Machado Assunto: Reapreciação da classificação de terreno classificado como espaço agrícola sujeito a RAN e integração em solo urbano N.º e data de registo de entrada: 1514/2014 de SINTESE DA Solicita a reapreciação da classificação do seu terreno, classificado como espaço agrícola sujeito a RAN na Revisão do e sua integração em Solo Urbano, para aí poder construir duas habitações (parcela separada pela via) fundamentando com facto do terreno confinar com um perímetro urbano proposto e com o facto de o terreno nunca ter tido uso agrícola. LOCALIZAÇÃO DA PRETENSÃO Rua da Ribeira. Freguesia de Vale de Bouro. CLASSIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO SOLO em vigor Proposta de revisão Área agrícola Reserva Agrícola Nacional Solo rural - Espaço agrícola Reserva Agrícola Nacional Plantas constituintes da Proposta de Revisão do Localização da participação relativa ao extrato da qualificação funcional do solo Localização da participação relativa ao extrato da salvaguardas e execução do plano Localização da participação relativa ao extrato da - geral Localização da participação relativa ao extrato da - floresta 152 P á g i n a

33 Na revisão do, o terreno em causa continua a manter a classificação prevista no de Espaço agrícola sujeito a Reserva Agrícola Nacional (RAN). ANÁLISE É de referir que, de acordo com o Decreto Regulamentar n.º11/2009, de 29 de Maio, a reclassificação do Solo Rural em Solo Urbano tem carácter excepcional, fundamentada na indispensabilidade e adequação quantitativa e qualitativa de solo para a implementação da estratégia de desenvolvimento local e, depende da comprovação da necessidade face à dinâmica demográfica, ao desenvolvimento económico e social e à indispensabilidade de qualificação urbanística, com o cumprimento dos critérios estabelecidos no artigo 6º e 7º do mesmo Decreto Regulamentar. Estes artigos definem como critérios para esta reclassificação a importância de determinada área para o modelo de organização do sistema urbano; a existência ou previsão de aglomeração de edifícios, população, atividades geradoras de fluxos significativos de população, bens e informação; a existência ou garantia de provisão de infraestruturas urbanas e de prestação de serviços associados e a garantia de acesso da população residente a equipamentos coletivos, sendo adicionalmente necessário comprovar, principalmente, a indisponibilidade/carência de área urbana para estes fins (devendo o aproveitamento das áreas urbanas prevalecer sobre o acréscimo das mesmas), a indispensabilidade da área para a estruturação do aglomerado urbano, para a compatibilização com instrumentos de gestão territorial de ordem supra-municipal. Cumulativamente a estes critérios, de acordo com a diretriz do PROT-Norte relativa às condições de edificabilidade em solo Urbano, os PMOT devem estabelecer que em solo urbano, só pode ser autorizada em parcelas confinantes com vias públicas habilitantes e dotadas de redes públicas das infraestruturas básicas, não podendo o recurso a soluções técnicas individuais ser considerado como substituto, para tal fim, das redes de infraestruturas eventualmente em falta. Relativamente à elaboração da proposta de reclassificação do solo da revisão do, foi tido em consideração o processo de delimitação da Reserva Agrícola Nacional (RAN). Esta participação incide sobre a parcela integrada na RAN. A área situa-se no prolongamento de um espaço urbano de baixa densidade, na extrema do polígono da RAN e numa zona de transição para espaço de uso múltiplo agrícola e florestal. O solo não tem uso agrícola. A pretensão é coerente com os princípios de ordenamento territorial definidos na proposta do. Este caso foi analisado e validado tecnicamente junto da tutela tendo sido aceite conforme apresentado. Consequentemente, esta proposta foi aprovada pela DRAPN. Considerando que: - A área onde se insere o terreno fica contígua a um aglomerado urbano proposto que está parcialmente ocupado por construções; - O terreno confina com uma via pública habilitante e está provido de infraestruturas básicas; - A pretensão é coerente com os princípios de ordenamento territorial definidos na proposta do ; 153 P á g i n a

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Divisão Jurídica e Administrativa (DIJA) DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 24 DE NOVEMBRO DE 2015 Serviço responsável pela execução da deliberação Departamento de Planeamento de Gestão Urbanística

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DE PAÇÔ (3ª revisão)

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DE PAÇÔ (3ª revisão) 1ª Alteração PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DE PAÇÔ (3ª revisão) M U N I C Í P I O D E A R C O S D E V A L D E V E Z D I V I S Ã O D E D E S E N V O L V I MENTO E C O N Ó M I C O E U R B A N I

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA [APROVADA EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 10 DE ABRIL DE 2015 E PUBLICADA EM DIÁRIO DA REPÚBLICA ATRAVÉS DO AVISO N.º 4234/2015, DE 20

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO

A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA Assessoria Técnica SEPLAM Sobre a Lei Nº 12.145, DE 08 DE SETEMBRO DE 2011. A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO REFERÊNCIAS LEGAIS Lei 10.257/01

Leia mais

RELATÓRIO SANTA VITÓRIA SANTA VITÓRIA 1/19. VERSÃO FINAL. Julho de 2013

RELATÓRIO SANTA VITÓRIA SANTA VITÓRIA 1/19. VERSÃO FINAL. Julho de 2013 1/19 Relatório População Na freguesia de Santa Vitória, para além da sede de freguesia, existe outro aglomerado urbano com importância que possui PU definido no âmbito do PDM de Beja actualmente em vigor

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO N 3346-R, DE 11 DE JULHO DE 2013. Dispõe sobre o Cadastro Ambiental Rural (CAR) no Estado e dá outras providencias. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO

PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DE PONTA DO SOL DIVISÃO DE AMBIENTE E URBANISMO SPU PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS UOPG 3 TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO OUTUBRO 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. NOTAS

Leia mais

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO Julho 2013 PREÂMBULO A Barragem de Vascoveiro foi construída com o objetivo de fornecer água à cidade de Pinhel e a algumas freguesias do Concelho.

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DA GRACIOSA Aviso n.º 28/2013 de 20 de Março de 2013

MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DA GRACIOSA Aviso n.º 28/2013 de 20 de Março de 2013 28 de fevereiro de 2013. - O Secretário Regional dos Recursos Naturais, Luís Nuno da Ponte Neto de Viveiros. - O Secretário Regional do Turismo e Transportes, Vítor Manuel Ângelo de Fraga. MUNICÍPIO DE

Leia mais

MUNICÍPIO DE OURÉM CÂMARA MUNICIPAL. Plano de Urbanização de Fátima ALTERAÇÃO. > Alterações propostas ao Regulamento

MUNICÍPIO DE OURÉM CÂMARA MUNICIPAL. Plano de Urbanização de Fátima ALTERAÇÃO. > Alterações propostas ao Regulamento MUNICÍPIO DE OURÉM CÂMARA MUNICIPAL D I V I S Ã O D E P L A N E A M E N T O E O R D E N A M E N T O D O T E R R I T Ó R I O Plano de Urbanização de Fátima ALTERAÇÃO > Alterações propostas ao Regulamento

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES N. o 64 1 de Abril de 2005 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 2773 MINISTÉRIOS DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Portaria n. o 342/2005 de 1 de Abril

Leia mais

As modalidades de contrato de trabalho admissíveis na administração local são: Contrato de trabalho com termo resolutivo: certo ou incerto;

As modalidades de contrato de trabalho admissíveis na administração local são: Contrato de trabalho com termo resolutivo: certo ou incerto; 10. PESSOAL A Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro, veio estabelecer os regimes de vinculação, de carreiras e de remunerações dos trabalhadores que exercem funções públicas. A relação jurídica de emprego

Leia mais

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Elementos instrutórios do pedido Elementos comuns aos procedimentos de controlo prévio (Licença), nos termos da Portaria n.º 113/2015, de 22/04 1) 2)

Leia mais

Sistema de Cadastro Ambiental Rural

Sistema de Cadastro Ambiental Rural Sistema de Cadastro Ambiental Rural XX Simpósio Jurídico ABCE ÂNGELO RAMALHO ASSESSOR MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO DIRETORIA DE FOMENTO E INCLUSÃO FLORESTAL São Paulo, Outubro/2014

Leia mais

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO)

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) DEPARTAMENTO DE URBANISMO Divisão de Ordenamento do Território PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA RELATÓRIO JUSTIFICATIVO PARA A NÃO REALIZAÇÃO JULHO 2012

Leia mais

Município de Valpaços

Município de Valpaços Município de Valpaços Regulamento Municipal de Atribuição de Apoios às Freguesias Preâmbulo A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

PORTARIA Nº 29 DE 10 DE MAIO DE 2005. RESOLVE:

PORTARIA Nº 29 DE 10 DE MAIO DE 2005. RESOLVE: Salvador Quarta-feira 11 de maio de 2005 Ano LXXXIX No 18.837 PORTARIA Nº 29 DE 10 DE MAIO DE 2005. Dispõe sobre diretrizes para a exploração florestal, o plano de manejo florestal, a supressão de vegetação

Leia mais

... Promotor(a) de Justiça

... Promotor(a) de Justiça Ofício... nº.../2011. Cidade, de de 2011. SENHOR(A) PREFEITO(A), A par de cumprimentá-lo(a), servimo-nos do presente para, na forma do artigo 47, inciso I, alínea b, da Lei Complementar Estadual n.º 25/98

Leia mais

FICHA INFORMATIVA. Regulamento Municipal de Cedência e Utilização dos Espaços e Equipamentos da Fortaleza de Santiago

FICHA INFORMATIVA. Regulamento Municipal de Cedência e Utilização dos Espaços e Equipamentos da Fortaleza de Santiago FICHA INFORMATIVA Regulamento Municipal de Cedência e Utilização dos Espaços e Equipamentos da Fortaleza de Santiago LEGISLAÇÃO HABILITANTE AUDIÊNCIA DE INTERESSADOS Alíneas k) e ee) do n.º 1 do art.º

Leia mais

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO EM

Leia mais

Regulamento do Sistema de Avaliação de Desempenho

Regulamento do Sistema de Avaliação de Desempenho Regulamento do Sistema de Avaliação de Desempenho da Assembleia da República (SIADAR) Resolução da Assembleia da República n.º 83/2004, de 29 de Dezembro A Assembleia da República resolve, nos termos do

Leia mais

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL. R E G U L A M E N T O (nº1 do Artigo 10º do D.L. 69/90)

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL. R E G U L A M E N T O (nº1 do Artigo 10º do D.L. 69/90) PLANO DIRECTOR MUNICIPAL R E G U L A M E N T O (nº1 do Artigo 10º do D.L. 69/90) Outubro 1993 CAMARA MUNICIPAL DE VILA NOVA DE GAIA DEPARTAMENTO DE URBANISMO GABINETE DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL NOTA EXPLICATIVA

Leia mais

RESUMO. É elaborado pelo Executivo municipal e aprovado pela Câmara municipal por meio de lei.

RESUMO. É elaborado pelo Executivo municipal e aprovado pela Câmara municipal por meio de lei. Anual Diurno Questões, súmulas e jurisprudência Luiz Antonio de Souza Data: 26/09/2012 Aula 32 RESUMO SUMÁRIO 1) Tutela da política urbana 1.1) Instrumentos 1) Tutela da política urbana 1.1) Instrumentos

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1.º (Objecto)

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1.º (Objecto) DATA : Segunda-feira, 16 de Julho de 1990 NÚMERO : 162/90 SÉRIE I EMISSOR : Ministério da Indústria e Energia DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 232/90 SUMÁRIO: Estabelece os princípios a que deve obedecer

Leia mais

Francisco Pires de Morais, arquiteto DSOT/DPGU

Francisco Pires de Morais, arquiteto DSOT/DPGU Francisco Pires de Morais, arquiteto DSOT/DPGU Consultas a Entidades da Administração Central no âmbito do RJUE Portal do SIRJUE Maior Eficácia e maior rapidez Correta análise e submissão do processo Procedimentos:

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE?

1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE? Regime Extraordinário da Regularização de Atividades Económicas RERAE Perguntas Frequentes 1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE? Podem apresentar pedido de regularização das atividades económicas

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. O Regulamento referente à compensação pela não

Leia mais

RELATÓRIO DO PROCESSO DE CONCERTAÇÃO

RELATÓRIO DO PROCESSO DE CONCERTAÇÃO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE ODIVELAS FASE PROPOSTA DE PLANO VERSÃO PARA DISCUSSÃO PÚBLICA NOVEMBRO 2014 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO 3 2. ENQUADRAMENTO DO PROCESSO DE CONCERTAÇÃO 7 3. ALTERAÇÕES AOS ELEMENTOS

Leia mais

GUIA DE CERTIFICAÇÃO Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos - ENCCEJA

GUIA DE CERTIFICAÇÃO Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos - ENCCEJA GUIA DE CERTIFICAÇÃO Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos - ENCCEJA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS

Leia mais

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil EXMO. (A) SENHOR(A) PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DA TROFA COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação Fiscal Código da Certidão Comercial Permanente Código Postal N.º

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015 Considerando que um dos objetivos do Programa do XI Governo Regional assenta no fomento de medidas de apoio ao

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Diário da República, 1.ª série N.º 163 21 de agosto de 2015 6231 mediante acordo dos respetivos titulares, solicitar a integração parcial ou total e ou a redistribuição das respetivas potências. 3 O pedido

Leia mais

1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008

1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 inferior a 0,8 m 1,2 m, ou, caso se trate de operação urbanística em fracção já existente, confinante com arruamento ou espaço de circulação

Leia mais

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre a conservação e a proteção das águas subterrâneas no Estado de Pernambuco e dá outras providências Capítulo I - Da conservação e proteção das águas subterrâneas

Leia mais

Avaliação do Pessoal docente

Avaliação do Pessoal docente Avaliação do Pessoal docente Decreto Regulamentar nº 10/2000 de 4 de Setembro BO nº 27, I série Página 1 de 9 Decreto Regulamentar nº 10/2000 de 4 de Setembro BO nº 27, I série A revisão do sistema de

Leia mais

O Estatuto da Cidade

O Estatuto da Cidade Flektor Engenharia e Consultoria O Estatuto da Cidade Implicações e Reflexos sobre o Planejamento Interfaces com Planos Diretores O Estatuto da Cidade Lei n.º 10.257 de 10 de julho de 2001 Regulamenta

Leia mais

MUNICÍPIO DE PALMELA Divisão de Educação. Regulamento de Transportes Escolares do concelho de Palmela

MUNICÍPIO DE PALMELA Divisão de Educação. Regulamento de Transportes Escolares do concelho de Palmela Regulamento de Transportes Escolares do concelho de Palmela 1 Preâmbulo O Concelho de Palmela, com aproximadamente 462 Km2, constitui-se como o maior da Península de Setúbal. Caracteriza-se como sendo

Leia mais

22024 Diário da República, 2.ª série N.º 105 1 de Junho de 2009

22024 Diário da República, 2.ª série N.º 105 1 de Junho de 2009 22024 Diário da República, 2.ª série N.º 105 1 de Junho de 2009 senvolveu as suas funções, através do seu elevado sentido de missão que em muito contribuiu para a integração sócio profissional dos trabalhadores,

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA

PROPOSTA ALTERNATIVA PROJECTO DECRETO LEI SOBRE O EXERCÍCIO DA COORDENAÇÃO EM MATÉRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NA ACTIVIDADE DE, PREVISTA NO DECRETO LEI N.º 273/2003, DE 29 DE OUTUBRO, BEM COMO O RECONHECIMENTO DOS RESPECTIVOS

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 6º; 14º; Decreto-Lei n.º 347/85, de 23/08; Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 6º; 14º; Decreto-Lei n.º 347/85, de 23/08; Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 6º; 14º; Decreto-Lei n.º 347/85, de 23/08; Localização de operações - Transportes terrestres, operações de armazenagem e distribuição Continente RA s -

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro Lei Municipal N.º 1414 Art. 126 - Para que seja concedido habite-se parcial ou total é necessário o registro prévio de declaração do autor do

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Diário da República, 1.ª série N.º 80 24 de abril de 2015 2057 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Portaria n.º 114/2015 de 24 de abril A Portaria n.º 148/2014, de 18 de julho, veio estabelecer um novo

Leia mais

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001.

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. Cria a Área de Proteção Ambiental (APA) da Pedra Gaforina e define o seu Zoneamento Ambiental (Ecológico-Econômico), no Município de GUANHÃES-MG. Faço saber que a Câmara

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

Política de Seleção e Avaliação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais

Política de Seleção e Avaliação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais Política de Seleção e Avaliação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais Proposta do Conselho de Administração aprovada pela Assembleia Geral em 15 de

Leia mais

FREGUESIA DE GALVEIAS

FREGUESIA DE GALVEIAS FREGUESIA DE GALVEIAS REGULAMENTO DE APOIO A INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DA FREGUESIA DE GALVEIAS Rui Manuel Canha Nunes, Presidente da Junta de Freguesia de Galveias, no uso das competências que

Leia mais

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90. EMISSOR : Ministério das Finanças. DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90. EMISSOR : Ministério das Finanças. DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90 EMISSOR : Ministério das Finanças DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I PÁGINAS DO DR : 1808 a 1810 Decreto-Lei n.º 125/90, de 16 de Abril

Leia mais

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Regulamenta dispositivos da Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014,

Leia mais

Ministério da Defesa Nacional Marinha. Escola Naval REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DISCENTES DOS CICLOS DE ESTUDOS DA ESCOLA NAVAL

Ministério da Defesa Nacional Marinha. Escola Naval REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DISCENTES DOS CICLOS DE ESTUDOS DA ESCOLA NAVAL Ministério da Defesa Nacional Marinha Escola Naval REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DISCENTES DOS CICLOS DE ESTUDOS DA ESCOLA NAVAL Dezembro 2015 Índice por artigos CAP I Princípios gerais 1 Corpo discente

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855

Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Diário da República, 1.ª série N.º 37 21 de fevereiro de 2012 855 Artigo 150.º Docentes do ensino particular e cooperativo (Renumerado pelo Decreto -Lei n.º 1/98, de 1 de Janeiro.) (Revogado.) Artigo 151.º

Leia mais

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo Os Municípios são as Autarquias Locais que têm como objectivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respectivos

Leia mais

PORTARIA-ISC Nº 17, DE 30 DE JULHO DE 2012

PORTARIA-ISC Nº 17, DE 30 DE JULHO DE 2012 PORTARIA-ISC Nº 17, DE 30 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre a concessão de incentivos ao estudo de idioma estrangeiro para os servidores ativos do Tribunal de Contas da União. O DIRETOR-GERAL DO INSTITUTO

Leia mais

CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL LEI Nº 1.278/2013 EMENTA: Institui o Plano Plurianual do Município de Triunfo para o período de 2014 a 2017. O Prefeito do Município de Triunfo, Estado de Pernambuco, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 1.169, DE 2011 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 1.169, DE 2011 I RELATÓRIO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N o 1.169, DE 2011 Altera a Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005, que Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens - ProJovem; cria o Conselho Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 55 19 de Março de 2010 889 Unidas. Deberá notificar a la otra parte la conclusión de este procedimiento de registro y comunicarle el número de registro atribuido. Hecho

Leia mais

c) Os parâmetros estabelecidos a nível nacional para a avaliação externa estabelecidos pelo Ministério da Educação e Ciência.

c) Os parâmetros estabelecidos a nível nacional para a avaliação externa estabelecidos pelo Ministério da Educação e Ciência. DIRETIVAS DA SECÇÃO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (SADD) Ano letivo 2012/2013 A Secção de Avaliação do Desempenho Docente, no cumprimento do estipulado no Decreto Regulamentar n.º 26/2012, de 21 de

Leia mais

P o. o ã. Trabalhos preparatórios, síntese: PDM à escala das Freguesias. G.P.U. Julho 2006

P o. o ã. Trabalhos preparatórios, síntese: PDM à escala das Freguesias. G.P.U. Julho 2006 M D P o d o ã s i v e R G.P.U. Julho 6 Trabalhos preparatórios, síntese: PDM à escala das Freguesias Pontos a discutir Dinâmica demográfica: evolução entre 9 e Notas sobre condições ambientais 3 Expressão

Leia mais

LEI N. 6.314 /2013. (Institui o Programa Municipal de Hortifrutigranjeiros e Viveiros) A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA:

LEI N. 6.314 /2013. (Institui o Programa Municipal de Hortifrutigranjeiros e Viveiros) A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA: LEI N. 6.314 /2013 (Institui o Programa Municipal de Hortifrutigranjeiros e Viveiros) A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA: Art. 1 0 Fica instituído o PROGRAMA MUNICIPAL DE HORTIFRUTIGRANJEIROS E

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO Registo n.º Data / / O Funcionário AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Cascais IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher com letra maiúscula) Nome/Designação Domicílio/Sede

Leia mais

Processo Nº / / CML. N.º Bilhete Identidade. N.º Bilhete Identidade

Processo Nº / / CML. N.º Bilhete Identidade. N.º Bilhete Identidade Espaço reservado aos serviços do Município EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO Processo Nº / / CML REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação

Leia mais

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT P.º R. P. 301/04 DSJ-CT - Registo de hipoteca legal por dívidas à Segurança Social sobre bens dos gerentes da sociedade devedora. Documentos instrutórios : certidão comprovativa da dívida e cópia autenticada

Leia mais

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016.

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016. AUTOR: PREFEITA MUNICIPAL, MARIA DA CONCEIÇÃO CALDAS RABHA A CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS APROVOU E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL NOSSA CIDADE LEGAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 6 Artigo 1º Âmbito de Aplicação e Territorial... 6 Artigo 2º Objetivos Estratégicos... 6 Artigo 3º Composição do PDMB... 6 Artigo 4º Instrumentos de gestão territorial

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS MEDIANTE LICITAÇÃO, INCLUSIVE DISPENSA E INEXIGIBILIDADE,

Leia mais

Postura Geral das Zonas de Estacionamento Automóvel Reservado. a Moradores no Município do Funchal

Postura Geral das Zonas de Estacionamento Automóvel Reservado. a Moradores no Município do Funchal Postura Geral das Zonas de Estacionamento Automóvel Reservado a Moradores no Município do Funchal Nota Justificativa O Município do Funchal, através do seu órgão executivo, tem progressivamente implementado

Leia mais

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo CEPSA Portuguesa Petróleos, SA MARÇO 2011 PEE Cepsa Pág. i de 57 Índice NOTA PRÉVIA... ERRO! MARCADOR NÃO DEFINIDO. 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO...

Leia mais

Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA

Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA 1.ª FASE do Projeto (12 meses contados a partir da data de inauguração do espaço) Considerando a vontade da Câmara Municipal de Beja

Leia mais

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia 26 de novembro de 2015 10h às 17h30 Sistema FIRJAN Rio de Janeiro Outorga e Cobrança de Recursos Hídricos Cátia Siqueira - INEA Encontro Gestão Eficiente de

Leia mais

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Objecto... 2 Entidades competentes para a formação dos navegadores de recreio e para a realização dos respectivos exames... 2 Credenciação das entidades formadoras...

Leia mais

Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental.

Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA N 004 DE 18 DE MARÇO DE 2013 Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental.

Leia mais

APROVADO. Na sessão da Assembleia de Freguesia 11/12/2008. O Presidente: O 1º Secretário: O 2º Secretário:

APROVADO. Na sessão da Assembleia de Freguesia 11/12/2008. O Presidente: O 1º Secretário: O 2º Secretário: (7) COMPETÊNCIAS A DELEGAR PELO MUNICIPIO DE VIANA DO CASTELO Nos termos do art. 66º, e para efeitos do n.º 1 do art. 37º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, foi deliberado solicitar autorização à Assembleia

Leia mais

REQUERIMENTO PROJETO DE ARQUITETURA

REQUERIMENTO PROJETO DE ARQUITETURA Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada Requerente Nome/Designação: Morada: Código Postal: - Freguesia: NIF/NIPC: Nº. Identificação civil: Tipo: BI CC Passaporte Validade: / / Telefone:

Leia mais

Serviços disponíveis no site como utilizá-los e principais aplicações

Serviços disponíveis no site como utilizá-los e principais aplicações Serviços disponíveis no site como utilizá-los e principais aplicações Urbanismo - Consulta de Referência Cadastral Digita-se o endereço ou quadra e lote do imóvel. O sistema então fornece o RC (inscrição)

Leia mais

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho FICHA DE CURSO Neste documento poderá encontrar as principais informações sobre o curso pretendido, nomeadamente a duração, área temática, destinatários, objetivo geral e objetivos específicos, estrutura

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE NISA

REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE NISA REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE NISA RELATÓRIO VI - FUNDAMENTAÇÃO DOS PERÍMETROS URBANOS JUNHO 2015 Índice 1 Estudos urbanísticos para delimitação do perímetro urbano dos aglomerados do Concelho

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS I IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, bilhete

Leia mais

No Site do Instituto de Registos e Notariado (www.irn.mj.pt) poderão obter se os Contactos dos Serviços de Registo Predial.

No Site do Instituto de Registos e Notariado (www.irn.mj.pt) poderão obter se os Contactos dos Serviços de Registo Predial. VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 60/IX

PROPOSTA DE LEI N.º 60/IX PROPOSTA DE LEI N.º 60/IX AUTORIZA O GOVERNO A CRIAR REGRAS ESPECÍFICAS SOBRE O ACESSO À PROFISSÃO DE MOTORISTA DE TÁXI, ATRAVÉS DA CONCESSÃO DE UMA AUTORIZAÇÃO EXCEPCIONAL QUE VIGORARÁ POR UM PERÍODO

Leia mais

Licenciam e nto Am b ientalde Sistem a de Disposição Final de R e síduos Sólidos Urbanos e da Construção Civilno Estado do Rio Grande do Norte

Licenciam e nto Am b ientalde Sistem a de Disposição Final de R e síduos Sólidos Urbanos e da Construção Civilno Estado do Rio Grande do Norte Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte Licenciam e nto Am b ientalde Sistem a de Disposição Final de R e síduos Sólidos Urbanos e da Construção Civilno Estado do

Leia mais

CHEK LIST DE DOCUMENTAÇÕES PARA ABERTURA DE PROCESSOS COORDENADORIA DE URBANISMO ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO - UNIFAMILIAR

CHEK LIST DE DOCUMENTAÇÕES PARA ABERTURA DE PROCESSOS COORDENADORIA DE URBANISMO ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO - UNIFAMILIAR ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE MUNICÍPIO DE PARNAMIRIM SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE E DO DESENVOLVIMENTO URBANO CHEK LIST DE DOCUMENTAÇÕES PARA ABERTURA DE PROCESSOS COORDENADORIA DE URBANISMO

Leia mais

Gestão social da valorização fundiária urbana

Gestão social da valorização fundiária urbana Gestão social da valorização fundiária urbana Audiência Pública PL n 5.015/2013 Ministério das Cidades Brasília, 20 de novembro de 2013 O que é a gestão social da valorização fundiária urbana? Ações e

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Enquadramento - Concessão do Direito de Construção, Gestão e Exploração Comercial, em Regime de Serviço Público, da Plataforma Logística. Processo:

Leia mais

Decreto-Lei nº 103/2009, de 12 de Maio

Decreto-Lei nº 103/2009, de 12 de Maio Diploma consolidado Decreto-Lei nº 103/2009, de 12 de Maio Perante a actual conjuntura económica e o respectivo reflexo no mercado do emprego, revela-se ser de toda a conveniência a flexibilização das

Leia mais

Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos

Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos Habilitação de aplicadores de produtos fitofarmacêuticos / operadores de venda Patacão, 5 de Novembro de 2014 Nídia Ramos e Maria José Romana 1 Seminário

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

Chama-se a atenção que a contagem do prazo a que se refere o n.º 1 do artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 73/2009 de 31 de Março, só se inicia a partir da

Chama-se a atenção que a contagem do prazo a que se refere o n.º 1 do artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 73/2009 de 31 de Março, só se inicia a partir da a) OBRAS COM FINALIDADE AGRÍCOLA, QUANDO INTEGRADAS NA GESTÃO DAS EXPLORAÇÕES LIGADAS À ATIVIDADE AGRÍCOLA, NOMEADAMENTE, OBRAS DE EDIFICAÇÃO, OBRAS HIDRÁULICAS, VIAS DE ACESSO, ATERROS E ESCAVAÇÕES, E

Leia mais

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS Nota Justificativa A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 137/2015 de 15 de Setembro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 137/2015 de 15 de Setembro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 137/2015 de 15 de Setembro de 2015 Considerando que um dos objetivos do Programa do XI Governo Regional assenta na criação de medidas de incentivo

Leia mais

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes para Instalação de Atividades Económicas, publicado pelo Aviso n.º 8063/2008, de 14 de março, com as alterações introduzidas pelo Regulamento n.º 492/2011,

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Deliberações CMC POVT: 15/10/2007, 19/02/2008, 6/02/2012, 8/08/2012 e 2/10/2013 RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL ENTRADA EM VIGOR EM 3/10/2013 NA REDAÇÃO

Leia mais

Projeto de Lei nº 7.093, de 2014

Projeto de Lei nº 7.093, de 2014 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO Projeto de Lei nº 7.093, de 2014 Acresce dispositivo à Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973. Autor: Deputado Irajá Abreu Relator: Deputado Paulo Foletto I - Relatório

Leia mais

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 O Bloco de Esquerda apresentou um conjunto de propostas sobre a política fiscal, que permitiriam gerar 960 milhões de euros

Leia mais

Art. 1º - Os dispositivos adiante discriminados do Decreto nº 47.400, de 04 de dezembro de 2002, passam a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - Os dispositivos adiante discriminados do Decreto nº 47.400, de 04 de dezembro de 2002, passam a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 55.149, de 10/12/2009 Dá nova redação a dispositivos do Decreto nº 47.400, de 04 de dezembro de 2002, que regulamenta disposições da Lei nº 9.509, de 20 de março de 1997, referentes ao licenciamento

Leia mais