Município de Leiria Câmara Municipal

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Município de Leiria Câmara Municipal"

Transcrição

1 Divisão Jurídica e Administrativa (DIJA) DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 24 DE NOVEMBRO DE 2015 Serviço responsável pela execução da deliberação Departamento de Planeamento de Gestão Urbanística Epígrafe Aprovar e submeter à apreciação da Assembleia Municipal a proposta de desafetação do domínio público municipal de uma parcela de terreno, sita em Olhalvas, União das Freguesias de Leiria, Pousos, Barreira e Cortes e concordar com a permuta da mesma parcela por um prédio sito em Olhalvas, União das Freguesias de Leiria, Pousos, Barreira e Cortes, pertencentes a José Rodrigues Deliberação Considerando que: Impende sobre os Municípios, no âmbito das suas competências planificatórias, delimitar e concretizar áreas com vista à instalação/construção de infraestruturas públicas, por forma a satisfazer os interesses públicos locais. A correta localização das infraestruturas públicas permite reforçar o potencial produtivo local e enquadrar e ordenar urbanisticamente a zona intervencionada. A disponibilização geográfica destas infraestruturas é essencial enquanto suporte da atividade económica local, sendo, ainda, crucial ao desenvolvimento e bem estar dos cidadãos. A de Leiria pretende intervir na zona das Olhalvas, União das Freguesias de Leiria, Pousos, Barreira e Cortes, conformando o espaço existente às necessidades e interesses dos Munícipes. Dadas as caraterísticas morfológicas e de localização dos terrenos disponíveis nas Olhalvas, a Câmara Municipal de Leiria pretende levar a efeito um conjunto de ações estratégicas comuns com vista à criação de infraestruturas públicas que constituam alternativa às existentes, incapazes de satisfazer as necessidades locais. A intervenção pretendida enquadra se na estratégia de reabilitação e ordenamento já definida pelo Município, visando, ainda, complementar as ações previstas em sede de execução do Plano Pormenor de São Romão e Olhalvas. A zona das Olhalvas é um dos acessos principais à cidade de Leiria, pelo que se reconhece interesse público na programação da ocupação dos solos locais, considerando como prioritária a instalação das infraestruturas de apoio aos diversos equipamentos existentes no local, designadamente, o Hospital de Leiria. O Município de Leiria dispõe de uma parcela com a área de 442m2, que integra o seu domínio público, por força do licenciamento da operação urbanística cujos trâmites decorreram a coberto do processo de licenciamento de obras particulares n.º 972/01, em nome de José Rodrigues. Esta parcela identificada pela letra A no Anexo I, o qual faz parte integrante da presente deliberação, não é, face à sua localização e ausência de capacidade edificatória, necessária à prossecução de fins de interesse público a que a de Leiria está vinculada. O Sr. José Rodrigues também demonstrou interesse em adquirir para posterior permuta com a Câmara Municipal de Leiria a parcela de terreno identificado pela letra B constante do Anexo II o qual faz parte integrante da presente deliberação. Largo da República, Leiria N.I.P.C.: Telef.: N.º Verde: Sítio: leiria.pt leiria.pt 1

2 Divisão Jurídica e Administrativa (DIJA) A permuta proposta revela se vantajosa para a Autarquia, materializando o princípio da boa administração, ao proporcionar ao Município complementar o conjunto de parcelas sob o seu domínio que compõe uma zona estratégica junto à Ribeira do Sirol na confluência do Rio Lis, necessárias à implantação de infraestruturas públicas e à satisfação do interesse público. A parcela de terreno municipal encontra se, atualmente, no domínio público sendo necessário proceder à sua desafetação para que, seguidamente, se realize a permuta. Para efeito de valorização das propriedades a permutar, foi solicitado à Comissão de Avaliação Pluridisciplinar de Inventário e Cadastro (CAPIC) a avaliação dos prédios (Anexo III). Compete à Assembleia Municipal, nos termos da alínea q) do n.º 1 do artigo 25.º do Anexo I da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, alterada, deliberar sobre a desafetação de bens do domínio público municipal. A, nos termos da alínea g) do n.º 1 do artigo 33.º do Anexo I da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, alterada, é competente alienar bens de valor até 1000 vezes a RMMG. Pese embora a divergência de área entre os prédios a permutar, bem como o valor atribuído pela Comissão de Avaliação Pluridisciplinar de Inventário e Cadastro (CAPIC), as partes aceitam a equivalência dos bens sem haver lugar a qualquer compensação monetária, sendo o valor a considerar para efeitos de permuta o valor de 314,24 para cada um dos prédios, conforme o valor patrimonial atual da parcela privada Propõe se que a delibere submeter à aprovação da Assembleia Municipal a desafetação da parcela cedida ao domínio público municipal devidamente identificada no Anexo I e autorizar a sua permuta com a parcela a adquirir por José Rodrigues, sita nas Olhalvas, União das Freguesias de Leiria, Pousos, Barreira e Cortes. A, atentos os considerandos expostos e após análise e discussão da proposta apresentada deliberou por maioria, com os votos contra dos Senhores Vereadores Álvaro Madureira, Daniel Marques, Ana Silveira e Margarida Castelão: a) Submeter à apreciação e votação da Assembleia Municipal, ao abrigo do disposto na alínea ccc) do n.º do artigo 33.º do Anexo I à Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, alterada, a desafetação do domínio público municipal da parcela sita em Olhalvas, União das Freguesias de Leiria, Pousos, Barreira e Cortes, identificada a verde na planta que constitui o Anexo I à presente deliberação, com a área de 442m2, que confronta de sul com Rotunda de Santo André, a nascente com a sociedade Imobiliária Memoriense, Ld.ª e a poente com a Rua Dr. Rui Faria. b) Autorizar, ao abrigo da alínea g) do artigo 35.º º do Anexo I da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, alterada, a permuta da parcela desafetada do domínio público, supra identificada, pela parcela a adquirir por José Rodrigues, sita em Olhalvas, União das Freguesias de Leiria, Pousos, Barreira e Cortes, com a área de 2160m2, a confrontar de norte com Rotunda de Santo André, de sul com o Rio Lis, a nascente com o Município de Leiria e a poente com Município de Leiria, identificada no Anexo II a cor rosa. c) Submeter à apreciação e votação da Assembleia Municipal, ao abrigo da alínea q) do Anexo I à Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, alterada, a afetação ao domínio público municipal da parcela com a área de 2160m2, identificada a rosa no Anexo II vinda à posse do Município em resultado do contrato de permuta. Largo da República, Leiria N.I.P.C.: Telef.: N.º Verde: Sítio: leiria.pt leiria.pt 2

3 Divisão Jurídica e Administrativa (DIJA) d) Autorizar o Senhor Presidente da a outorgar a competente escritura de permuta. A presente deliberação foi aprovada em minuta. Os Senhores Vereadores Daniel Marques, Ana Silveira e Margarida Castelão, eleitos pelo Partido Social Democrata, apresentaram uma declaração de voto, cujo teor se transcreve: «DECLARAÇÃO DE VOTO Ponto 10.1 da O.T. da reunião de da de Leiria Na proposta apresentada por este Executivo Municipal, no ponto da Ordem de Trabalhos, relativa A desafetação do domínio público de uma parcela de terreno. Uma vez que não nos encontramos totalmente esclarecidos sobre o assunto em questão, os vereadores eleitos pelo PD, votam contra no ponto referido, apresentando a presente declaração de voto designadamente, para os efeitos do n.º 2 do artigo 35.º do CPA. Leiria, 24 de novembro de 2015 Álvaro Madureira Daniel Marques Ana Silveira Margarida Castelão Dias» O Presidente da A Secretária da reunião Raul Castro Sandra Almeida Reis Largo da República, Leiria N.I.P.C.: Telef.: N.º Verde: Sítio: leiria.pt leiria.pt 3

4

5

6 18. novembro Processo: Enquadramento de parcelas de terreno no PDM INTRODUÇÃO Em resposta ao solicitado, cumpre-nos informar que: Trata-se do enquadramento de duas parcelas que se pretende permutar. Ambas são adjacentes à Rotunda de Santo André, situada no entroncamento da Via de Penetração em Leiria com a Avenida da Comunidade Europeia e com a Rua das Olhalvas, em Leiria. Dada à sua proximidade, ambas são representados nos cartogramas, sendo: Parcela A - pertença do Município de Leiria (área de cedência do processo 972/01), representada a traço interrompido de cor azul Parcela B - propriedade de José Rodrigues, representada a traço interrompido de cor vermelha. ENQUADRAMENTO NO PDM 1.- Classificação e qualificação do solo 1

7 Parcela A: Encontra-se classificada como Solo Urbano, na categoria operativa Solo Urbanizado e integra a categoria funcional e subcategoria Espaços centrais - Grau II. O regime de edificabilidade é o disposto nos art. os 83.º e 86.º do Regulamento do PDM. Parcela B: Encontra-se classificada como Solo Urbano, na categoria operativa Solo Urbanizado e integra a categoria funcional e subcategoria Espaços verdes - Área de proteção e enquadramento. O regime de edificabilidade é o disposto nos art. os 98.º e 99.º do Regulamento do PDM. 2.- Servidões e restrições de utilidade pública Reserva Ecológica Nacional: Ambas as parcelas estão condicionadas por Reserva Ecológica Nacional (REN). Mantém-se em vigor a carta da Reserva Ecológica Nacional (REN) aprovada pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 117/2003, de 13 de agosto, publicada no Diário da República, 1ª série-b, n.º 186, com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 64/2013, de 13 de fevereiro, e pelo Aviso n.º /2013, de 2 de dezembro, até à publicação da nova Carta da Reserva Ecológica Nacional para o Concelho de Leiria. 2

8 Na nova Carta da Reserva Ecológica Nacional, elaborada em simultâneo com a revisão do PDM, a qual aguarda aprovação por Portaria do membro do Governo responsável pela área do Ambiente e Ordenamento do Território, a situação é a seguinte: Parcela A: Não está condicionada por REN. Parcela B: Condicionada por REN em toda a sua área, nas tipologias zonas ameaçadas pelas cheias leitos dos cursos de água, esta apenas parcialmente, podendo nesta desenvolver-se usos e atividades compatíveis com o regime jurídico da REN Outras condicionantes: 3

9 Ambas as parcelas estão englobadas na Zona de Desobstrução da Base Aérea n.º 5, definida pelo Decreto n.º 41793, de 8 de agosto de 1958, devendo ser tido em conta o disposto no art.º 113.º do Regulamento do PDM. As condicionantes relativas às infraestruturas viárias são analisadas no ponto Sistema ambiental Estrutura ecológica municipal: Parcela A: Totalmente integrada em corredor ecológico estruturante, devendo ser respeitado o regime de ocupação disposto no art.º 13.º do Regulamento do PDM Parcela B: Totalmente integrada nas Áreas fundamentais da Estrutura ecológica municipal, assim como em corredor ecológico estruturante, devendo ser respeitado o regime de ocupação disposto no art.º 13.º do Regulamento do PDM, nomeadamente nos n. os 3 e 4. 4

10 3.2.- Áreas de risco de uso do solo A Parcela B insere-se em zonas inundáveis, devendo ser respeitado o regime de ocupação disposto no art.º 17.º do Regulamento do PDM, nomeadamente nos n. os 3 a 7. 5

11 3.3.- Zonamento Acústico: Parcela A: Inserida em zona de conflito, nas quais o licenciamento de novas construções apenas é permitido após demonstração técnica da compatibilidade da edificação e respetivos usos com os níveis sonoros exigidos na legislação em vigor (n.º 3 do art.º 19.º). Parcela B: Pequena parte da parcela, que se encontra adjacente à Rotunda de Santo André, insere-se em zona de conflito. A restante parte da parcela insere-se em zona mista. 4.- Salvaguardas: Ambas se inserem na zona de proteção do Heliporto do Hospital de Santo André, devendo ser tido em conta o disposto no art.º 34.º do Regulamento do PDM 6

12 5.- Infraestruturas viárias 7

13 Parcela A: Confina com as seguintes vias: Via existente Hierarquia funcional Classificação Regime de proteção O regime de proteção de cada via é o estabelecido na legislação em vigor. (n.º 1 do art.º 111.º) Via de Penetração em Leiria Nível I Rede Estruturante Equiparada a Estrada Nacional 20 m para cada lado do eixo da estrada ou dentro da zona de servidão de visibilidade e nunca a menos de 5 m da zona da estrada. (alínea d) do n.º 8 do art.º 32.ºda Lei n.º 34/2015) as edificações e muros ficam sujeitos Rotunda de Santo André Nível II Rede de Distribuição Principal Sem classificação aos alinhamentos dominantes existentes no conjunto em que se inserem. (alínea a) do n.º 2 do art.º 111.º) as edificações e muros ficam sujeitos Rua das Olhalvas Nível III Rede de Distribuição Secundária Sem classificação aos alinhamentos dominantes existentes no conjunto em que se inserem. (alínea a) do n.º 2 do art.º 111.º) Parcela B: Confina com a seguinte via: Via existente Hierarquia funcional Classificação Regime de proteção as edificações e muros ficam sujeitos Rotunda de Santo André Nível II Rede de Distribuição Principal Sem classificação aos alinhamentos dominantes existentes no conjunto em que se inserem. (alínea a) do n.º 2 do art.º 111.º) 8

14 À consideração superior 9

15

16

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 24 DE NOVEMBRO DE 201 Serviço responsável pela execução da deliberação Departamento de Planeamento de Gestão Urbanística Epígrafe 10.9. Processo genérico n.º

Leia mais

Município de Valpaços

Município de Valpaços Município de Valpaços Regulamento Municipal de Atribuição de Apoios às Freguesias Preâmbulo A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

Aviso. Procedimento de Formação de Contrato para Planeamento. Elaboração do Plano de Pormenor da Ranha_UOPG16

Aviso. Procedimento de Formação de Contrato para Planeamento. Elaboração do Plano de Pormenor da Ranha_UOPG16 Aviso Procedimento de Formação de Contrato para Planeamento Elaboração do Plano de Pormenor da Ranha_UOPG16 Rui Rio, Presidente da Câmara Municipal do Porto, torna público que a Câmara Municipal, na 32.ª

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Município de Leiria Câmara Municipal Divisão Jurídica e Administrativa (DIJA) DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 9 DE SETEMBRO DE 2014 Serviço responsável pela execução da deliberação Gabinete

Leia mais

Programa de Procedimento Público de Venda de Prédio Urbano Câmara Municipal de Serpa

Programa de Procedimento Público de Venda de Prédio Urbano Câmara Municipal de Serpa Programa de Procedimento Público de Venda de Prédio Urbano Câmara Municipal de Serpa 1- Objeto O presente programa tem como objeto o Procedimento Público de Venda, com publicação prévia de anúncio, do

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 29 DE SETEMBRO DE 2015 Serviço responsável pela execução da deliberação Divisão Financeira Epígrafe 2.2.3. IMI Fixação das taxas do imposto municipal sobre

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal. Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público

Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal. Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público Nota Justificativa A beneficiação e promoção dos pequenos espaços do domínio público

Leia mais

Plantas constituintes da Proposta de Revisão do PDM

Plantas constituintes da Proposta de Revisão do PDM FICHA DE N.º 36 Nome: Manuel de Araújo Gonçalves Assunto: Reapreciação da classificação de terreno classificado como espaço de uso múltiplo agrícola e florestal e integração em solo urbano N.º e data de

Leia mais

Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa

Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa Considerando que, Os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento; Que para a execução das referidas

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

Regulamento do Orçamento Participativo de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Orçamento Participativo de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Orçamento Participativo de Vendas Novas Preâmbulo A participação dos cidadãos na gestão dos destinos de uma autarquia é uma abertura necessária à sociedade. As autarquias, sendo o poder

Leia mais

M U N I C Í P I O D E S Á T Ã O

M U N I C Í P I O D E S Á T Ã O DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÁTÃO REALIZADA NO DIA 19-06-2015 PRESENTES ATA Nº. 12/2015 PRESIDENTE Paulo Santos VEREADORES Zélia Silva Rosa Carvalho Fernando Gomes Silvério Ferreira Maria

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA [APROVADA EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 10 DE ABRIL DE 2015 E PUBLICADA EM DIÁRIO DA REPÚBLICA ATRAVÉS DO AVISO N.º 4234/2015, DE 20

Leia mais

ACTA DA REUNIÃO DA ASSEMBLEIA GERAL

ACTA DA REUNIÃO DA ASSEMBLEIA GERAL SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LAJES DO PICO ACTA DA REUNIÃO DA ASSEMBLEIA GERAL Aos vinte e dois dias do mês de Novembro do ano dois mil e treze, no auditório municipal das Lajes do Pico, reuniu extraordinariamente

Leia mais

ORDEM DE TRABALHOS 1 DIVISÃO ADMINISTRATIVA. 1.1 Aprovação da acta da reunião ordinária do dia 2008/10/29.

ORDEM DE TRABALHOS 1 DIVISÃO ADMINISTRATIVA. 1.1 Aprovação da acta da reunião ordinária do dia 2008/10/29. ACTA Nº 24 DE 2008 / 11 / 12 239 ORDEM DE TRABALHOS 1 DIVISÃO ADMINISTRATIVA 1.1 Aprovação da acta da reunião ordinária do dia 2008/10/29. 1.2- Informação da Secção de Taxas e Licenças, sancionada por

Leia mais

Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar. Regulamento

Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar. Regulamento Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar Regulamento junho de 2011 Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar Projeto aprovado por Deliberação da Câmara Municipal,

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL Junho 2013 PREÂMBULO Considerando o quadro legal de atribuições

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Divisão Jurídica e Administrativa (DIJA) DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 19 DE ABRIL DE 2016 Serviço responsável pela execução da deliberação Divisão de Desenvolvimento Social Epígrafe 9.2.

Leia mais

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa

Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa Projeto de REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS Nota Justificativa A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO

PROGRAMA DE CONCURSO MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE Concurso Público ALIENAÇÃO DE LOTES DE TERRENO PARA CONSTRUÇÃO URBANA Loteamento Municipal de Castro Verde 7 Lotes Loteamento Municipal de Santa bárbara de Padrões 15 Lotes Loteamento

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO

PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DE PONTA DO SOL DIVISÃO DE AMBIENTE E URBANISMO SPU PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS UOPG 3 TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO OUTUBRO 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. NOTAS

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO COESÃO)

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO COESÃO) CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS www.povt.qren.pt EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO COESÃO) DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO RECUPERAÇÃO DE

Leia mais

AVISO (20/GAOA/2015)

AVISO (20/GAOA/2015) AVISO (20/GAOA/2015) Humberto Fernando Leão Pacheco de Brito, Presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferreira, submete a consulta pública, para recolha de sugestões, por um período de 30 dias, a contar

Leia mais

e) as garagens e lotes em causa são as que a seguir se identificam e vão graficamente representados na planta que se junta como ANEXO I:

e) as garagens e lotes em causa são as que a seguir se identificam e vão graficamente representados na planta que se junta como ANEXO I: Considerando que: a) no âmbito do processo de construção do denominado Empreendimento Habitacional dos 48 Fogos da Lagoa, foi elaborado e aprovado o loteamento de 45 parcelas de terreno destinadas a acomodar

Leia mais

REFERÊNCIA: Processo número zero seis DAGF barra SC de Dois Mil e Catorze. ---------

REFERÊNCIA: Processo número zero seis DAGF barra SC de Dois Mil e Catorze. --------- REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTIAGO DO CACÉM, DE VINTE E QUATRO DE ABRIL DE DOIS MIL E CATORZE ---------------------------- -- Aos vinte e quatro dias do mês de março de dois mil e catorze,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL COVILHÃ

CÂMARA MUNICIPAL COVILHÃ CÂMARA MUNICIPAL DA COVILHÃ TEXTO DEFINITIVO DA ACTA Nº 4/2010 Da reunião extraordinária realizada no dia 25 de Fevereiro de 2010, iniciada às 09:15 horas e concluída às 09:50 horas. Sumário: Abertura

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO

PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO Regulamento n.º S/N.º Data de Publicação em D.R. 2.ª Série, n.º 198: a 12/10/2012 (Aviso n.º 13640/2012). Aprovado em Assembleia

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ECONOMIA DIGITAL E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO - ENTRADA EM VIGOR

Leia mais

qualidade de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente

qualidade de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente 1/5 REQUERIMENTO PARA: Despacho: Espaço reservado aos serviços PEDIDO DE CERTIDÃO DE URBANISMO Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra (nome do

Leia mais

RELATÓRIO DO PROCESSO DE CONCERTAÇÃO

RELATÓRIO DO PROCESSO DE CONCERTAÇÃO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE ODIVELAS FASE PROPOSTA DE PLANO VERSÃO PARA DISCUSSÃO PÚBLICA NOVEMBRO 2014 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO 3 2. ENQUADRAMENTO DO PROCESSO DE CONCERTAÇÃO 7 3. ALTERAÇÕES AOS ELEMENTOS

Leia mais

REQUERIMENTO PROJETO DE ARQUITETURA

REQUERIMENTO PROJETO DE ARQUITETURA Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada Requerente Nome/Designação: Morada: Código Postal: - Freguesia: NIF/NIPC: Nº. Identificação civil: Tipo: BI CC Passaporte Validade: / / Telefone:

Leia mais

Novo Regime Jurídico de Avaliação de Impacte Ambiental (RJAIA)

Novo Regime Jurídico de Avaliação de Impacte Ambiental (RJAIA) 5 de novembro de 2013 Novo Regime Ambiental (RJAIA) Manuel Gouveia Pereira mgp@vda.pt Foi publicado o Decreto-Lei n.º 151-B/2013, de 31 de outubro, que estabelece o novo Regime Ambiental (RJAIA) aplicável

Leia mais

REUNIÃO DE CÂMARA DE 14 DE JANEIRO DE 2015 RESUMO DE DELIBERAÇÕES

REUNIÃO DE CÂMARA DE 14 DE JANEIRO DE 2015 RESUMO DE DELIBERAÇÕES REUNIÃO DE CÂMARA DE 14 DE JANEIRO DE 2015 RESUMO DE DELIBERAÇÕES A Câmara Municipal da Amadora, aprovou um voto de pesar pelo ocorrido no Charlie Hebdo, semanário satírico e humorístico francês criado

Leia mais

FREGUESIA DE GALVEIAS

FREGUESIA DE GALVEIAS FREGUESIA DE GALVEIAS REGULAMENTO DE APOIO A INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DA FREGUESIA DE GALVEIAS Rui Manuel Canha Nunes, Presidente da Junta de Freguesia de Galveias, no uso das competências que

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DE PAÇÔ (3ª revisão)

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DE PAÇÔ (3ª revisão) 1ª Alteração PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DE PAÇÔ (3ª revisão) M U N I C Í P I O D E A R C O S D E V A L D E V E Z D I V I S Ã O D E D E S E N V O L V I MENTO E C O N Ó M I C O E U R B A N I

Leia mais

Ata n.º 16/ / Minuta

Ata n.º 16/ / Minuta Ata n.º 6/ / Minuta Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 205,, pelas 6,3 A Câmara Municipal de Soure deliberou, nos termos do artigo 57.º da Lei n.º75/203, de 2 de Setembro, aprovar em minuta

Leia mais

MUNICÍPIO DE OURÉM CÂMARA MUNICIPAL. Plano de Urbanização de Fátima ALTERAÇÃO. > Alterações propostas ao Regulamento

MUNICÍPIO DE OURÉM CÂMARA MUNICIPAL. Plano de Urbanização de Fátima ALTERAÇÃO. > Alterações propostas ao Regulamento MUNICÍPIO DE OURÉM CÂMARA MUNICIPAL D I V I S Ã O D E P L A N E A M E N T O E O R D E N A M E N T O D O T E R R I T Ó R I O Plano de Urbanização de Fátima ALTERAÇÃO > Alterações propostas ao Regulamento

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTIAGO DO CACÉM REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTIAGO DO CACÉM, DE DEZOITO DE SETEMBRO DE DOIS MIL E CATORZE

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTIAGO DO CACÉM REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTIAGO DO CACÉM, DE DEZOITO DE SETEMBRO DE DOIS MIL E CATORZE REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTIAGO DO CACÉM, DE DEZOITO DE SETEMBRO DE DOIS MIL E CATORZE --------------------------------- Aos dezoito dias do mês de setembro de dois mil e catorze, nesta

Leia mais

REGULAMENTO DO INVENTÁRIO E CADASTRO DOS BENS DA JUNTA DE FREGUESIA DE OIÃ

REGULAMENTO DO INVENTÁRIO E CADASTRO DOS BENS DA JUNTA DE FREGUESIA DE OIÃ REGULAMENTO DO INVENTÁRIO E CADASTRO DOS BENS DA JUNTA DE FREGUESIA DE OIÃ Para dar cumprimento ao disposto nas alíneas f) do nº 1 e a) do nº5 do artigo 34º, da Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, e tendo

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. O Regulamento referente à compensação pela não

Leia mais

Considerando ainda que as associações têm no desenvolvimento da freguesia um papel fundamental que a Junta de Freguesia fomenta e apoia;

Considerando ainda que as associações têm no desenvolvimento da freguesia um papel fundamental que a Junta de Freguesia fomenta e apoia; Considerando o quadro legal de atribuições e competências das autarquias locais consagrado na Lei 75/2013, de 12 de Setembro que em geral incumbe às autarquias a prossecução de interesses próprios, comuns

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 PREÂMBULO Compete ao município promover acções de interesse municipal, de âmbito cultural, social, recreativo e outros, e exercer um papel dinamizador junto

Leia mais

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO. Resumo Não Técnico

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO. Resumo Não Técnico ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO Resumo Não Técnico GABINETE DE REABILITAÇÃO URBANA março de 2015 Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território

Leia mais

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo CEPSA Portuguesa Petróleos, SA MARÇO 2011 PEE Cepsa Pág. i de 57 Índice NOTA PRÉVIA... ERRO! MARCADOR NÃO DEFINIDO. 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO...

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS Nota Justificativa A lei 75/2013 de 12 de setembro aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades intermunicipais,

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 1º, 2º, 3º e 4º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 1º, 2º, 3º e 4º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 1º, 2º, 3º e 4º Mercado interno do gás e da electricidade Contratos de concessão Taxa de ocupação de solos. Processo: nº 2258, despacho do SDG dos Impostos,

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DA REABILITAÇÃO URBANA. Decreto-Lei n.º 309/2007, de 23 de Outubro Workshop IHRU 12 Abril 2010

NOVO REGIME JURÍDICO DA REABILITAÇÃO URBANA. Decreto-Lei n.º 309/2007, de 23 de Outubro Workshop IHRU 12 Abril 2010 NOVO REGIME JURÍDICO DA REABILITAÇÃO URBANA Decreto-Lei n.º 309/2007, de 23 de Outubro Workshop IHRU 12 Abril 2010 DOIS CONCEITOS FUNDAMENTAIS «área de reabilitação urbana» - cuja delimitação pelo município

Leia mais

PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO PLANO DE REQUALIFICAÇÃO DOS EDIFÍCIOS DOS TRIBUNAIS (2012 / 2015)

PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO PLANO DE REQUALIFICAÇÃO DOS EDIFÍCIOS DOS TRIBUNAIS (2012 / 2015) DO PLANO DE REQUALIFICAÇÃO DOS EDIFÍCIOS DOS TRIBUNAIS (2012 / 2015) REFORMA DA ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA (ROJ) MAPA JUDICIÁRIO 1... Tem por missão a gestão dos recursos financeiros do MJ, a gestão do património

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE COMISSÃO PARA A CIDADANIA E A IGUALDADE DE GÉNERO MUNICÍPIO DO BARREIRO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE COMISSÃO PARA A CIDADANIA E A IGUALDADE DE GÉNERO MUNICÍPIO DO BARREIRO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE COMISSÃO PARA A CIDADANIA E A IGUALDADE DE GÉNERO E MUNICÍPIO DO BARREIRO 1 Entre: O Município do Barreiro pessoa coletiva de direito público com o nº 506673626 com sede no

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 472/XII/3.ª LIMITES TERRITORIAIS ENTRE OS CONCELHOS DE SESIMBRA E DO SEIXAL, NO DISTRITO DE SETÚBAL

PROJETO DE LEI N.º 472/XII/3.ª LIMITES TERRITORIAIS ENTRE OS CONCELHOS DE SESIMBRA E DO SEIXAL, NO DISTRITO DE SETÚBAL PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 472/XII/3.ª LIMITES TERRITORIAIS ENTRE OS CONCELHOS DE SESIMBRA E DO SEIXAL, NO DISTRITO DE SETÚBAL Exposição de motivos Nos termos da Constituição

Leia mais

MUNICIPIO DE REDONDO NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

MUNICIPIO DE REDONDO NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente documento tem por objetivo o estabelecimento das regras e condições

Leia mais

tema. -... --------- A Câmara tem os esclarecimentos prestados através da documentação remetida aos Senhores deputados...

tema. -... --------- A Câmara tem os esclarecimentos prestados através da documentação remetida aos Senhores deputados... ---------Presidente da Mesa Tem, a Câmara, a palavra para proceder à respectiva apresentação do tema. -... --------- A Câmara tem os esclarecimentos prestados através da documentação remetida aos Senhores

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Preâmbulo A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto de regras e princípios que permitam dotar o Município

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa Regulamento de Concessão de Incentivos ao Investimento REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Nota Justificativa A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto

Leia mais

MUNICIPIO DE CELORICO DE BASTO CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA REALIZADA NO DIA 15 DE NOVEMBRO DE 2012 N.º 24/2012

MUNICIPIO DE CELORICO DE BASTO CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA REALIZADA NO DIA 15 DE NOVEMBRO DE 2012 N.º 24/2012 MUNICIPIO DE CELORICO DE BASTO CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA REALIZADA NO DIA 15 DE NOVEMBRO DE 2012 N.º 24/2012 Aos quinze dias do mês de Novembro do ano de dois mil e doze, na sala de reuniões

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias desempenham um papel fundamental no desenvolvimento desportivo e no incremento da prática desportiva, devido

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal concretizado, designadamente através de políticas de desenvolvimento cultural,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, n.º 147/99 de 1 de Setembro, regula a criação, competência e funcionamento das Comissões

Leia mais

APOIOS FINANCEIROS DIVERSOS ÀS FREGUESIAS NO QUADRO DA PROMOÇÃO E SALVAGUARDA ARTICULADA DOS INTERESSES PRÓPRIOS DAS POPULAÇÕES

APOIOS FINANCEIROS DIVERSOS ÀS FREGUESIAS NO QUADRO DA PROMOÇÃO E SALVAGUARDA ARTICULADA DOS INTERESSES PRÓPRIOS DAS POPULAÇÕES APOIOS FINANCEIROS DIVERSOS ÀS FREGUESIAS NO QUADRO DA PROMOÇÃO E SALVAGUARDA ARTICULADA DOS INTERESSES PRÓPRIOS DAS POPULAÇÕES Entre: O Município de Figueira de Castelo Rodrigo, com o número de pessoa

Leia mais

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS Validade Válido JURISTA MARTA TEIXEIRA ASSUNTO COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS QUESTÃO A Junta de Freguesia é proprietária de um edifício constituído em propriedade horizontal, onde

Leia mais

ESTATUTOS DA IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. CAPÍTULO I. Natureza, denominação, duração, sede e objeto. Artigo 1.º. Natureza e denominação

ESTATUTOS DA IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. CAPÍTULO I. Natureza, denominação, duração, sede e objeto. Artigo 1.º. Natureza e denominação ESTATUTOS DA IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. CAPÍTULO I Natureza, denominação, duração, sede e objeto Artigo 1.º Natureza e denominação A sociedade tem a natureza de sociedade anónima de capitais

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal REGULAMENTO DO SERVIÇO DE COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ ESCOLAR E DO SERVIÇO DE REFEIÇÕES NO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO, DE GESTÃO DIRECTA DO MUNICÍPIO DE LEIRIA Aprovado em reunião de Câmara a 30

Leia mais

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS O Município de Oliveira do Hospital entende como de interesse municipal as iniciativas empresariais que contribuem para o desenvolvimento e dinamização

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

RELATÓRIO SANTA VITÓRIA SANTA VITÓRIA 1/19. VERSÃO FINAL. Julho de 2013

RELATÓRIO SANTA VITÓRIA SANTA VITÓRIA 1/19. VERSÃO FINAL. Julho de 2013 1/19 Relatório População Na freguesia de Santa Vitória, para além da sede de freguesia, existe outro aglomerado urbano com importância que possui PU definido no âmbito do PDM de Beja actualmente em vigor

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 03

CÂMARA MUNICIPAL PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 03 DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 03 DA REUNIÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO DIA 03/02/1999 (Contém 9 folhas) Estiveram presentes os seguintes membros: Presidente: Hermano Manuel Gonçalves Nunes de Almeida (PSD)

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Aviso Apresentação de Candidaturas Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ CAPÍTULO I Disposições Comuns Artigo 1.º Lei Habilitante O presente

Leia mais

ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL NÚMERO QUINZE REALIZADA EM 16.06.03

ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL NÚMERO QUINZE REALIZADA EM 16.06.03 1 ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL NÚMERO QUINZE REALIZADA EM 16.06.03 ---------- Aos dezasseis dias do mês de Junho de dois mil e três, nesta cidade de Águeda, realizou-se uma reunião

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303) 1 7 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00029/2013 (S03432-201303) Nos termos do artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Diário da República, 2.ª série N.º 81 24 de abril de 2012 14547 do artigo 64.º da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de fevereiro, a consolidação definitiva da mobilidade interna na categoria da assistente técnica

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA

CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA REGULAMENTO MUNICIPAL DE PUBLICIDADE ARTIGO 1. (OBJECTO) O exercício da publicidade e propaganda comercial rege-se pelas disposições do presente regulamento. ARTIGO 2.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Objecto... 2 Entidades competentes para a formação dos navegadores de recreio e para a realização dos respectivos exames... 2 Credenciação das entidades formadoras...

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO

PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO Novembro 2011 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Artigo 1.º Objectivo e Âmbito Territorial... 3 Artigo 2.º Relação com Outros Instrumentos de Gestão

Leia mais

PROCEDIMENTO. I Arrendamento

PROCEDIMENTO. I Arrendamento PROCEDIMENTO Arrendamento de imóvel para fim não habitacional sito na Rua Cândido dos Reis, nº 62 fração A da União das Freguesias de Santa Marinha e São Pedro da Afurada. I Arrendamento Artigo 1º Regime

Leia mais

PÓVOA DE LANHOSO REGULAMENTO INTERNO

PÓVOA DE LANHOSO REGULAMENTO INTERNO PÓVOA DE LANHOSO REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, nº 147/99 de 1 de Setembro, regula a criação, competência

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Freguesia da Batalha REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO DA FREGUESIA DA BATALHA Introdução O associativismo desempenha um papel de importante valor na dinamização

Leia mais

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Programa de Execução e Plano de Financiamento Janeiro 2014

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Programa de Execução e Plano de Financiamento Janeiro 2014 PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO DO PLANO PORMENOR DA MARGEM DIREITA DA FOZ DO RIO JAMOR - OEIRAS Câmara Municipal de Oeiras ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJECTIVOS DO PP... 2 2.1 Objectivos

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO CULTURAL DA CRIANÇA (APCC) in Diário da República - III Série - N.º 227-30/09/1996

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO CULTURAL DA CRIANÇA (APCC) in Diário da República - III Série - N.º 227-30/09/1996 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO CULTURAL DA CRIANÇA (APCC) in Diário da República - III Série - N.º 227-30/09/1996 CAPÍTULO I Da denominação, sede, âmbito, duração, objeto e princípios ARTIGO 1.º

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1)

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) 1/9 O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) Susana Alcina Ribeiro Pinto Docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

Leia mais

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO Julho 2013 PREÂMBULO A Barragem de Vascoveiro foi construída com o objetivo de fornecer água à cidade de Pinhel e a algumas freguesias do Concelho.

Leia mais

EDITAL (Nº.31/09. Francisco José Caldeira Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde: REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO VERDE

EDITAL (Nº.31/09. Francisco José Caldeira Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde: REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO VERDE EDITAL (Nº.31/09 Francisco José Caldeira Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde: Torna público que, em reunião do executivo realizada no dia 11 de Novembro do ano corrente, foi aprovado

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃOE DE FISCALIZAÇÃO DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃOE DE FISCALIZAÇÃO DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃOE DE FISCALIZAÇÃO DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL 1. Introdução 1.1. Nos termos e para efeitos do n.º 4 do artigo 115.º-C do Regime Geral

Leia mais

Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios. Freguesia de Fátima

Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios. Freguesia de Fátima Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios Freguesia de Fátima Índice Nota justificativa... 2 Capítulo I - Disposições gerais... 2 Artigo 1.º Lei habitante... 2 Artigo 2.º Objeto... 3 Artigo 3.º Âmbito

Leia mais

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL Março de 2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVOS GERAIS E COMPLEMENTARES DO

Leia mais

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo MUNICIPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ Regulamento Dr. Francisco Rodrigues de Araújo, Presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez: Faz público que a Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez, na sua sessão

Leia mais

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO FREGUESIA

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO FREGUESIA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO FREGUESIA Uma iniciativa de: Índice Capítulo I Âmbito... 1 Artigo 1.º Objeto... 1 Artigo 2.º Definições... 1 Artigo 3º Apelos Freguesia 21... 1 Artigo 4.º Objetivos dos Apelos Freguesia

Leia mais

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Regulamenta dispositivos da Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014,

Leia mais

de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador Outro (especificar)

de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador Outro (especificar) 1/10 REQUERIMENTO PARA: EMISSÃO DE ALVARÁ Despacho: Espaço reservado aos serviços Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra (nome do requerente),

Leia mais

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 10 REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A participação dos cidadãos na construção de uma sociedade

Leia mais

Acta da Reunião Ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Figueira Castelo Rodrigo, realizada no dia quatro de Setembro de dois mil e seis.

Acta da Reunião Ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Figueira Castelo Rodrigo, realizada no dia quatro de Setembro de dois mil e seis. Acta da Reunião Ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Figueira Castelo Rodrigo, realizada no dia quatro de Setembro de dois mil e seis. ------ Aos quatro dias do mês de Setembro do ano de dois mil

Leia mais

Termos de Referência do Plano de Urbanização do Vale dos Socorridos ÍNDICE

Termos de Referência do Plano de Urbanização do Vale dos Socorridos ÍNDICE ÍNDICE 1- Introdução... 2 2 - Enquadramento Legal do Plano... 2 3 - Enquadramento Territorial da Área de Intervenção... 3 4 - Base Programática para o Desenvolvimento da Solução Urbanística... 5 4.1 Caracterização

Leia mais