N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil"

Transcrição

1 EXMO. (A) SENHOR(A) PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DA TROFA COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação Fiscal Código da Certidão Comercial Permanente Código Postal N.º Identificação Civil - Válido até - - Telefone Telemóvel Fax Autoriza o envio de notificações, no decorrer deste processo, para o endereço eletrónico indicado. Na qualidade Proprietário Usufrutuário Locatário Superficiário Outro REPRESENTANTE Nome N.º Identificação Fiscal N.º Identificação Civil Válido até - - Na qualidade Mandatário Sócio-gerente Administrador Outro PEDIDO Ao abrigo do disposto no n.º 4 do artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de dezembro, com a redação que lhe foi dada pelo Decreto-Lei n.º 26/2010, de 30 de março, (RJUE), vem requerer a V. Exa. a comunicação prévia a seguir identificada. Obras de construção Obras de ampliação Obras de alteração Obras de reconstrução Obras de demolição Outra operação urbanística incluída no N.º 4 do artigo 4.º do Regime Jurídico da Urbanização e da Edificação (RJUE) Local N.º Freguesia Fração (ões) Código da Certidão Predial Permanente Inscrição na Matriz IMP Página 1 de 8

2 Faseamento da construção ANTECEDENTES Não existem antecedentes processuais para o local em questão Informação Prévia N.º Alvará/Comunicação Prévia de Loteamento N.º Licença/Autorização/Comunicação Prévia de Construção N.º Licença/Autorização de Utilização N.º Processo de Fiscalização N.º Outro DOCUMENTOS INSTRUTÓRIOS O pedido deve ser instruído com os elementos abaixo descriminados, pela ordem indicada. Assinale com uma cruz (X) os documentos que junta ao seu processo. 1. Documentos de identificação do requerente (cópia do Cartão de Cidadão ou Bilhete de Identidade e Cartão de Contribuinte) 2. Documentos comprovativos da qualidade de titular de qualquer direito que confira a faculdade de apresentação do pedido: 2.1. Documento comprovativo da posse do terreno Se não preencheu o campo Código da Certidão Comercial Permanente deste modelo de requerimento, deverá juntar a Certidão da Conservatória do Registo Comercial, caso o requerente seja uma pessoa coletiva Contrato de arrendamento contendo as necessárias autorizações 2.4 Ata da assembleia de condóminos, contendo as necessárias autorizações. 2.5 Procuração, quando se trata de mandatário. 2.6 Outro 3. Se não preencheu o campo Código da Certidão Predial Permanente deste modelo de requerimento, deverá juntar Certidão da Conservatória do Registo Predial, contendo a descrição e todas as inscrições em vigor referente ao prédio abrangido. 4. Pareceres das entidades externas ao município, que se devam manifestar sobre a operação urbanística, colhidos ao abrigo do artigo 13.º-B do RJUE. 5. Termo de responsabilidade subscrito pelo autor do projeto. 5.1 Documentos de identificação do técnico (cópia do Cartão de Cidadão ou Bilhete de Identidade e Cartão de Contribuinte) 5.2 Prova de inscrição do técnico autor do projeto em associação pública de natureza profissional e da validade da mesma aquando da apresentação do requerimento inicial. 6. Termo de responsabilidade subscrito pelo coordenador do projeto 6.1 Documentos de identificação do técnico (cópia do Cartão de Cidadão ou Bilhete de Identidade e Cartão de Contribuinte) 6.2 Prova de inscrição do técnico coordenador do projeto em associação pública de natureza profissional e da validade da mesma aquando da apresentação do requerimento inicial. 7. Memória descritiva e justificativa da solução proposta, esclarecendo nomeadamente: 7.1. A localização e a área do prédio Estado e uso atual do terreno A descrição e justificação da proposta de edificação O enquadramento da pretensão no Plano Municipal de Ordenamento do Território (PMOT) e Plano Especial de Ordenamento do Território (PEOT) vigentes e operação de loteamento se existir A adequabilidade do projeto com a politica de ordenamento do território do Plano Diretor Municipal (PDM), quando existir unicamente aquele PMOT. IMP Página 2 de 8

3 7.6. A adequação da edificação à utilização pretendida A inserção urbana e paisagística da edificação, referindo em especial a sua articulação com o edificado existente e o espaço público envolvente A indicação da natureza e condições do terreno A adequação às infraestruturas e redes existentes 7.10.Uso a que se destinam as frações A área de construção, volumetria, área de implantação, cércea, número de pisos acima e abaixo da cota de soleira e número de fogos e respetiva tipologia O índice de impermeabilização A indicação da existência de algum edifício, ou parte, a demolir, descrevendo o seu estado de conservação, as técnicas de demolição a utilizar e a localização do local do depósito dos entulhos Se for o caso, indicar, nos termos do artigo 59.º do RJUE, que pretende executar a obra por fases, devendo indicar os prazos a contar da data de aprovação do projeto de arquitetura, em que se propõe requerer a aprovação dos projetos de especialidades e outros estudos relativos a cada uma dessas fases. 8. Estimativa orçamental do custo total da obra tendo em conta os valores aprovados anualmente pela Câmara Municipal. 9. Calendarização da execução da obra. 10. Ficha das características da construção. 11. Levantamento fotográfico (4 fotografias a cores, suficientemente esclarecedoras do prédio, do seu enquadramento e das suas confrontações e relações, quer com a via pública, quer com os prédios vizinhos, bem como de todas as construções existentes no prédio, quando for o caso). 12. Plantas emitidas pelos Serviços da Câmara Municipal Planta de localização à escala 1/5000, assinalando devidamente os limites da área objeto da operação Extrato da carta de ordenamento Qualificação do solo, à escala 1/10000, assinalando devidamente os limites da área objeto da operação Extrato da carta de ordenamento Programação e execução, à escala 1/10000, assinalando devidamente os limites da área objeto da operação Extrato da carta de ordenamento Património, à escala 1/10000, assinalando devidamente os limites da área objeto da operação Extrato da carta de ordenamento Sensibilidade ao ruído, à escala 1/10000, assinalando devidamente os limites da área objeto da operação Extrato da carta de condicionantes Síntese, à escala 1/10000, assinalando devidamente os limites da área objeto da operação Extrato da carta de condicionantes Povoamentos florestais percorridos por incêndio e perigosidade de incêndio florestal, à escala 1/10000, assinalando devidamente os limites da área objeto da operação. 13. Levantamento topográfico, elaborado nos termos do Regulamento Municipal de Urbanização e Edificação (RMUE) Declaração de elaboração do levantamento topográfico Cópia do Certificado de Aptidão Profissional do topógrafo que o elaborou. 14. Projeto de arquitetura, contendo os seguintes elementos: Planta de implantação, desenhada sobre levantamento topográfico atualizado, à escala 1/200 ou superior, incluindo: Identificação clara do(s) prédio(s) originário(s) e respetivas inscrições na Conservatória do Registo predial Implantação do(s) edifício(s) proposto(s) e existentes, cotando todos os afastamentos, bem como o alinhamento dos edifícios contíguos As cotas mais significativas dos terrenos adjacentes Faixa envolvente com dimensão bastante e informação suficientemente esclarecedora das características da envolvente, nomeadamente volumetrias, cérceas e alinhamentos das construções vizinhas e das construções dominantes, vias de tráfego e acessibilidades existentes e propostas, de forma a justificar plenamente as características da(s) edificação(ões) proposta(s) na presente operação urbanística Indicação das áreas impermeabilizadas e respetivo material Plantas cotadas, à escala 1/100, com a representação das áreas e usos de todos os compartimentos, bem como a representação do mobiliário fixo e equipamento sanitário, devendo abranger os limites do terreno Alçados cotados, à escala 1/100, com a indicação das cores e dos materiais dos elementos que constituem as IMP Página 3 de 8

4 fachadas e a cobertura, abrangendo os limites do terreno, bem como as construções adjacentes, quando existam, numa faixa com o mínimo de 5m para fora dos limites do terreno Cortes longitudinais e transversais, à escala 1/100, com a representação das construções adjacentes numa faixa com o mínimo de 5m para fora dos limites do terreno, abrangendo ainda os arruamentos circundantes e as construções marginais ao mesmo, com indicação do perfil existente e do proposto, das cotas dos afastamentos com relevância regulamentar, bem como das cotas altimétricas dos diversos pisos Peças desenhadas das alterações à escala 1/100, quando se tratar de obras de alteração, com indicação das obras a realizar e a demolir, com as cores convencionais, conforme a seguir se indica: cor vermelha para os elementos a construir; cor amarela para os elementos a demolir; cor preta, para os elementos a conservar Pormenores de construção à escala adequada, esclarecendo a solução construtiva adotada para as paredes exteriores do edifício e sua articulação com a cobertura, vãos de iluminação e/ou ventilação e o acesso, bem como com o pavimento exterior envolvente Planta com identificação das áreas de cedência, caso haja cedências ao domínio público Planta com identificação das fases, caso pretenda a execução faseada. 15. Plano de acessibilidades Termo de responsabilidade subscrito pelo autor do projeto (poderá ser considerado o termo de responsabilidade pelo projeto de arquitetura, desde que aí seja expressamente referido o cumprimento do Decreto-Lei n.º 163/2006, de 8 de agosto) Documentos de identificação do técnico (cópia do Cartão de Cidadão ou Bilhete de Identidade e Cartão de Contribuinte) Prova de inscrição do técnico autor do projeto em associação pública de natureza profissional e da validade da mesma aquando da apresentação do requerimento inicial Memória descritiva e justificativa Descrição dos degraus, nomeadamente as dimensões dos espelhos e dos cobertores, bem como dos materiais de revestimento a aplicar Descrição das características dos corrimãos e barras de apoio adotados para as escadas e ou para as rampas Descrição do tipo de pavimento proposto para a totalidade do percurso acessível Indicação da altura útil de passagem dos vãos de porta incluídos no percurso acessível Descrição da localização dos dispositivos de comando Peças desenhadas Indicar através de linha contínua e na cor vermelha, o percurso acessível entre o espaço público (arruamento) e os compartimentos acessíveis Indicar as diferentes mudanças de nível com cotas altimétricas Caso existam rampas no percurso acessível, indicar a largura e o comprimento da rampa e patamares de descanso, bem como as diferentes inclinações Se no percurso de acesso aos compartimentos existirem escadas, indicar e cotar a largura dos lanços, bem como o comprimento e a largura dos patamares superiores, inferiores e intermédios, caso existam Caso pretenda utilizar plataforma elevatória, representar a mesma e cotar o espaço destinado à sua instalação, bem como as zonas livres para entrada/saída Cotar as diferentes larguras dos corredores e outros espaços de circulação horizontal, bem como representar as zonas de manobra Cotar as larguras dos vãos de entrada/saída do fogo, bem como os acessos a compartimentos, varandas, terraços e arrecadações Representar na cozinha as zonas de manobra, cotar a distância entre as bancadas ou entre as bancadas e as paredes Representar no quarto a zona de manobra Nas instalações sanitárias representar a zona de manobra, bem como as diferentes zonas livres Nos ascensores representar as dimensões dos patamares diante das portas, dimensões das cabines, bem como a largura das portas Indicar o comprimento e a largura dos espaços reservados para estacionamento das viaturas. 16. Identificação da fase da obra a que correspondem os projetos de especialidades apresentados, quando o requerente pretenda executar as obras por fases, conforme artigo 59.º do RJUE. 17. Projetos de engenharia das especialidades em função do tipo de obra a executar: Projeto de Estabilidade, Escavação e Contenção Periférica Termo de responsabilidade Prova da inscrição válida do técnico em associação pública de natureza profissional. IMP Página 4 de 8

5 Cálculos Estudo geológico-geotécnico Memória descritiva e justificativa Peças desenhadas. Quando haja lugar à utilização de explosivos deverá ainda ser entregue: Plano de fogo Termo de responsabilidade pelo técnico responsável pela elaboração do plano de fogo Prova da inscrição válida do técnico do plano de fogo em associação pública de natureza profissional Projeto de Alimentação e Distribuição de Energia Elétrica (aprovado por entidade competente) Ficha eletrotécnica (aprovada por entidade competente) Projeto de Instalação de Gás (aprovado por entidade competente) Projeto de Abastecimento de Água Termo de responsabilidade Prova da inscrição válida do técnico em associação pública de natureza profissional Cálculos Memória descritiva e justificativa Peças desenhadas Projeto de Drenagem Águas Residuais Termo de responsabilidade Prova da inscrição válida do técnico em associação pública de natureza profissional Cálculos Memória descritiva e justificativa Peças desenhadas Projeto de Drenagem Águas Pluviais Termo de responsabilidade Prova da inscrição válida do técnico em associação pública de natureza profissional Cálculos Memória descritiva e justificativa Peças desenhadas Projeto de Arranjos Exteriores Termo de responsabilidade Prova da inscrição válida do técnico em associação pública de natureza profissional Memória descritiva e justificativa Peças desenhadas com indicação dos pontos de rega, sistema de abastecimento dos mesmos e escoamento de águas com perfeita diferenciação dos espaços pertencentes ao domínio público e ao domínio privado Projeto de Instalações Telefónicas e de Telecomunicações Termo de responsabilidade Prova da inscrição válida do técnico em associação pública de natureza profissional Cálculos Memória descritiva e justificativa Peças desenhadas Estudo do Comportamento Térmico Termo de responsabilidade Prova da inscrição válida do técnico em associação pública de natureza profissional Cálculos dos valores das necessidades nominais de energia do edifício Declaração de conformidade regulamentar subscrita por perito qualificado, no âmbito do Sistema de Certificação Energética (SCE) Memória descritiva e justificativa Ficha sumário de demonstração da conformidade regulamentar com o Regulamento das Características e Comportamento Térmico dos Edifícios (RCCTE) Levantamento dimensional para cada fração autónoma. IMP Página 5 de 8

6 Incluindo uma descrição sumária das soluções construtivas utilizadas Ficha de comprovação de satisfação dos requisitos mínimos Peças desenhadas Com pormenores construtivos definidores de todas as situações de ponte térmica Projeto de Instalações Eletromecânicas Termo de responsabilidade Prova da inscrição válida do técnico em associação pública de natureza profissional Cálculos Memória descritiva e justificativa Peças desenhadas Projeto de Segurança Contra Incêndio Termo de responsabilidade Prova da inscrição válida do técnico em associação pública de natureza profissional Prova da credenciação válida do técnico para a subscrição de projetos da 3.ª e 4.ª Categorias de Risco, quando aplicável Cálculos, quando aplicável Memória descritiva e justificativa Peças desenhadas Ficha de Segurança Contra Incêndio, quando exigível, nos termos do Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro e Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro Projeto Acústico Termo de responsabilidade Prova da inscrição válida do técnico em associação pública de natureza profissional Cálculos Memória descritiva e justificativa Peças desenhadas Projeto de Ventilação e Exaustão de Fumos e Gases de Combustão Termo de responsabilidade Prova da inscrição válida do técnico em associação pública de natureza profissional Cálculos Memória descritiva e justificativa Peças desenhadas Nas quais se deverá incluir o(s) alçado(s) do edifício, sempre que existam tubagens ou outras instalações localizadas na(s) fachada(s) do mesmo Projeto de Instalações Mecânicas de Climatização Termo de responsabilidade Prova da inscrição válida do técnico em associação pública de natureza profissional Cálculos dos valores das necessidades nominais específicas de energia do edifício e das potências máximas que é permitido instalar Declaração de conformidade regulamentar subscrita por perito qualificado, no âmbito do SCE Memória descritiva e justificativa Ficha sumário da situação do edifício face ao Regulamento de Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios (RSECE) Levantamento dimensional para cada fração autónoma do edifício Incluindo descrição sumária das soluções construtivas utilizadas Peças desenhadas. 18. Apólice de seguro de construção e comprovativo de pagamento, em vigor Recibo da última liquidação ou declaração da seguradora atestando a validade do seguro. 19. Apólice de seguro, em vigor, que cubra a responsabilidade pela reparação de danos emergentes de acidentes de trabalho e comprovativo de pagamento. IMP Página 6 de 8

7 19.1. Nos termos previstos na Lei n.º 100/97, de 13 de setembro (deverá apresentar recibo da última liquidação ou declaração da seguradora atestando a validade do seguro). 20. Termos de responsabilidade subscritos pelos técnicos responsáveis pela direção da obra e direção de fiscalização da obra: 20.1.Provas das inscrições válidos dos técnicos em associação pública de natureza profissional Declaração de titularidade de alvará emitido pelo InCI, I.P. (Instituto da Construção e do Imobiliário) Com habilitações adequadas à natureza e valor da obra e com subcategorias ajustadas aos trabalhos a executar, a verificar através da consulta do portal do InCI, I.P., pela entidade licenciadora, no prazo previsto para a rejeição da comunicação prévia Comprovativo da integração no quadro de pessoal da empresa responsável pela execução da obra, se for o caso, através da declaração de remunerações conforme entregue na segurança social, referente ao último mês Comprovativo da integração no quadro técnico da empresa responsável pela execução da obra, se for o caso, devidamente comunicado à entidade com competência para a concessão de alvará para o exercício da atividade de construção, através de declaração emitida por essa entidade em documento escrito ou em formato eletrónico fidedigno Nos termos do disposto no artigo 22.º da Lei n.º 31/2009, de 3 de julho Declaração de titularidade de registo emitido pelo InCI, I.P. (Instituto da Construção e do Imobiliário): (Aplicável apenas nos termos do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 12/2004, de 9 de janeiro) Com habilitações adequadas à natureza e valor da obra e com subcategorias ajustadas aos trabalhos executar, a verificar através da consulta do portal do InCI, I.P., pela entidade licenciadora, no prazo previsto para a rejeição da comunicação prévia Quando o detentor de título de registo seja pessoa coletiva, deverá ser apresentada Certidão atualizada da Conservatória do Registo Comercial, comprovativa da qualidade de representante legal Termo de responsabilidade subscrito pelo empresário ou representante legal da empresa Nos termos do disposto no artigo 22.º da Lei n.º 31/2009, de 3 de julho. 23. Livro de obra, com menção do termo de abertura. 24. Plano de segurança e saúde. 25. Identificação do meio de transporte e local para depósito de resíduos de construção/ demolição De acordo com o Decreto-Lei n.º 46/2008, de 12 de março. 26. Ficha estatística (Q3) do Instituto Nacional de Estatistica (INE) 27.Caso pretenda apresentar outro pedido referente a outra operação urbanística, deverá ainda apresentar os elementos constantes no respetivo requerimento, de acordo com o artigo 19.º, da Portaria n.º 232/2008, de 11 de março. 28. Outros elementos que o requerente pretenda apresentar: Base digital, em CD, do levantamento topográfico e planta de implantação elaborada nos termos do RMUE. OBSERVAÇÕES a) Se o requerente for uma pessoa coletiva deverá ainda apresentar documento comprovativo de que o(s) subscritor(es) do pedido possuem poderes para a representar; b) As peças desenhadas deverão cumprir as Normas Portuguesas específicas sobre a matéria, nomeadamente no que respeita a escalas e dobragem das folhas em papel correspondentes às peças desenhadas. Caso as peças desenhadas não se encontrem devidamente dobradas, aptas a serem arquivadas em dossiês da Câmara Municipal, as mesmas serão devolvidas para sua correção. As escalas utilizadas deverão ser as indicadas, admitindo-se, excecionalmente, outras escalas que, de acordo com as características do projeto, se mostrem mais adequadas à análise do mesmo; c) As plantas fornecidas pela Câmara Municipal são válidas pelo prazo de 1 ano, desde que não tenham ocorrido alterações aos instrumentos de planeamento. Nestas plantas, deverá ser rigorosamente identificado e assinalado o terreno objeto da operação, bem como a implantação da operação urbanística, sempre que a escala da planta o permita; IMP Página 7 de 8

8 d) Todas as peças escritas e desenhadas do projeto, incluindo as plantas fornecidas pela Câmara Municipal, deverão ser subscritas pelo técnico autor do projeto e convenientemente rubricadas; e) No caso de obras de alteração, reconstrução e ampliação em edifício existente, deverão apresentar-se não só as peças desenhadas relativas ao edificado existente atual, mas também relativas ao projeto conforme se encontra aprovado. Nos casos de licenciamentos anteriores a 1999, deverá ser apresentada cópia(s) do(s) projeto(s) bem como alvará(s) emitidos pela Câmara Municipal de Santo Tirso; f) Quando se trate de obras de alteração, reconstrução e ampliação, deverá ser apresentada ficha das características da construção relativa à obra a executar, bem como ficha das características da construção com os valores finais; g) Nas situações previstas na alínea anterior, para além do projeto relativo à operação em questão, deverão ser apresentadas telas finais correspondentes ao projeto final; h) Caso o técnico responsável entenda que, em face das características da edificação, poderá eventualmente ser desnecessária a apresentação de algum dos elementos atrás referidos, deverá apresentar exposição por escrito, justificando de facto e de direito a dispensa; i) Deverão ser apresentados os exemplares completos do processo que constam do RMUE; j) Os modelos de requerimento e os regulamentos municipais podem ser consultados no sítio da internet da Câmara Municipal TOMA CONHECIMENTO Com a apresentação na Câmara Municipal do presente pedido de Comunicação Prévia de Obras, em conformidade com o Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de dezembro, com a redação que lhe foi dada pelo Decreto-Lei n.º 26/2010, de 30 de março (RJUE), deverá, no prazo de 10 dias, publicitar o mesmo, colocando no local de execução da obra, de forma visível da via pública, o respetivo aviso, segundo modelo aprovado e anexo à Portaria n.º 216-C/2008, de 3 de março. PEDE DEFERIMENTO Assinatura Data - - O Técnico de Atendimento procede à verificação do processo, aconselhando o requerente a não efetuar a entrega sem que o mesmo seja devidamente corrigido. DOCUMENTOS EM FALTA O Técnico de Atendimento Data - - IMP Página 8 de 8

Processo Nº / / CML. N.º Bilhete Identidade. N.º Bilhete Identidade

Processo Nº / / CML. N.º Bilhete Identidade. N.º Bilhete Identidade Espaço reservado aos serviços do Município EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO Processo Nº / / CML REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO EM

Leia mais

REQUERIMENTO PROJETO DE ARQUITETURA

REQUERIMENTO PROJETO DE ARQUITETURA Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada Requerente Nome/Designação: Morada: Código Postal: - Freguesia: NIF/NIPC: Nº. Identificação civil: Tipo: BI CC Passaporte Validade: / / Telefone:

Leia mais

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Elementos instrutórios do pedido Elementos comuns aos procedimentos de controlo prévio (Licença), nos termos da Portaria n.º 113/2015, de 22/04 1) 2)

Leia mais

Nome. Morada. Freguesia Código Postal - E-Mail. Na qualidade de: Proprietário Outra (indique qual)

Nome. Morada. Freguesia Código Postal - E-Mail. Na qualidade de: Proprietário Outra (indique qual) DEPARTAMENTO TÉCNICO DIVISÃO DE PLANEAMENTO E ADMINISTRAÇÃO URBANÍSTICA Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Moura PEDIDO DE APROVAÇÃO DOS PROJECTOS DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO APRESENTAÇÃO DA COMUNICAÇÃO

Leia mais

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS ÍNDICE CAPITULO I DISPOSIÇÕES COMUNS ART. 1º ÂMBITO DE APLICAÇÃO 6 SESSÃO I LOTEAMENTOS, OBRAS DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO ART. 2º

Leia mais

Exm.º Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos

Exm.º Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exm.º Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos 1. IDENTIFICAÇÂO DO COMUNICANTE Nome:......

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO Registo n.º Data / / O Funcionário AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Cascais IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher com letra maiúscula) Nome/Designação Domicílio/Sede

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS DE ENGENHARIA DAS ESPECIALIDADES E OUTROS ESTUDOS

APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS DE ENGENHARIA DAS ESPECIALIDADES E OUTROS ESTUDOS Registo n.º Data / / O Funcionário APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS DE ENGENHARIA DAS ESPECIALIDADES E OUTROS ESTUDOS artº. 20º, nº. 4 do Decreto-Lei nº. 555/99, de 16 de Dezembro, na redação do Decreto-Lei nº.

Leia mais

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares Reg. N.º Em / / Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome: BI/Cartão de Cidadão: Arquivo: Validade: / / N.º de Identificação Fiscal: Morada: Freguesia:

Leia mais

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares Reg. N.º Em / / Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome: BI/Cartão de Cidadão: Arquivo: Validade: / / N.º de Identificação Fiscal: Morada: Freguesia:

Leia mais

LICENCIAMENTO / COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO E DEMOLIÇÃO

LICENCIAMENTO / COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO E DEMOLIÇÃO LICENCIAMENTO / COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO E DEMOLIÇÃO Documentos a entregar (consultar instruções em anexo) Para licenciamento e comunicação prévia: 1. Requerimento 2. Cópia do documento

Leia mais

de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador Outro (especificar)

de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador Outro (especificar) 1/10 REQUERIMENTO PARA: EMISSÃO DE ALVARÁ Despacho: Espaço reservado aos serviços Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra (nome do requerente),

Leia mais

EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ

EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ REGISTO DE ENTRADA EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ AADDM IISSSSÃÃO I DDEE CCOMUUNNI IICCAAÇÇ ÃÃO PPRRÉÉVVI IIAA DDEE OBBRRAA DDEE EEDDI IIFFI IICCAAÇÇÃÃO EEM PPRREEEENNDDI

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

Versão consolidada do diploma que aprova os elementos Instrutórios dos procedimentos previstos no Regime Jurídico da Urbanização e Edificação Não

Versão consolidada do diploma que aprova os elementos Instrutórios dos procedimentos previstos no Regime Jurídico da Urbanização e Edificação Não ELEMENTOS INSTRUTÓRIOS DOS PROCEDIMENTOS PREVISTOS NO REGIME JURÍDICO DA URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO APROVADO PELA PORTARIA N.º 113/2015, DE 22 DE ABRIL ALTERADO/A PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - abril de 2015

Leia mais

Alvará de Licença. Código Postal: - Freguesia: Telefone: Telemóvel: Fax:

Alvará de Licença. Código Postal: - Freguesia: Telefone: Telemóvel: Fax: Exm. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Grândola Alvará de Licença Mais do que um requerente? Não Sim (em caso afirmativo preencher Anexo A) Identificação do Prédio Prédio descrito na Conservatória

Leia mais

Guia Técnico para Projetos Particulares

Guia Técnico para Projetos Particulares 1. OBJETIVO Esta especificação decorre da instrução de trabalho IT045 e tem como objetivo definir a forma como devem ser instruídos os projetos particulares de redes de abastecimento de água, e de drenagem

Leia mais

qualidade de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente

qualidade de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente 1/5 REQUERIMENTO PARA: Despacho: Espaço reservado aos serviços PEDIDO DE CERTIDÃO DE URBANISMO Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra (nome do

Leia mais

Relatório Grupo de Trabalho de Gestão Urbanística. Maio 2016

Relatório Grupo de Trabalho de Gestão Urbanística. Maio 2016 Relatório Grupo de Trabalho de Gestão Urbanística Maio 2016 Índice Procedimentos na Gestão Urbanística 5 da Área Metropolitana do Porto Um exemplo de trabalho colaborativo metropolitano Relatório 9 1.

Leia mais

CHECK LIST COMUNICAÇÃO PRÉVIA

CHECK LIST COMUNICAÇÃO PRÉVIA 1 P.O. Reqtº n.º SIM NÃO Quantidade Pág. 1 a. Documentação Base Folha Capeamento 000 001 Reqtº/Comunicação Atenção: Devem utilizar sempre a nossa minuta. Caso o interessado apresente um documento redigido

Leia mais

EXECUÇÃO DE TRABALHOS DE DEMOLIÇÃO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA

EXECUÇÃO DE TRABALHOS DE DEMOLIÇÃO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA Registo nº. Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cascais Data: / / O Funcionário EXECUÇÃO DE TRABALHOS DE DEMOLIÇÃO, ESCAVAÇÃO E CONTENÇÃO PERIFÉRICA IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher com letra

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA [APROVADA EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 10 DE ABRIL DE 2015 E PUBLICADA EM DIÁRIO DA REPÚBLICA ATRAVÉS DO AVISO N.º 4234/2015, DE 20

Leia mais

1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE?

1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE? Regime Extraordinário da Regularização de Atividades Económicas RERAE Perguntas Frequentes 1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE? Podem apresentar pedido de regularização das atividades económicas

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

Leia mais

Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção

Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito e aplicação Para efeitos de uso do solo e de licenciamento de quaisquer obras de

Leia mais

EMISSÃO DE CERTIDÃO DE PLANO DE PORMENOR PARA EFEITOS DE REGISTO PREDIAL

EMISSÃO DE CERTIDÃO DE PLANO DE PORMENOR PARA EFEITOS DE REGISTO PREDIAL Registo n.º Data / / O Funcionário Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cascais EMISSÃO DE CERTIDÃO DE PLANO DE IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher com letra maiúscula) Nome/Designação/Representantes

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Apresentação do Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento

Leia mais

Licenciamento de Obras Particulares Fase de Arquitetura

Licenciamento de Obras Particulares Fase de Arquitetura Exm. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Grândola Licenciamento de Obras Particulares Fase de Arquitetura Nome: Identificação do Requerente Morada: Código Postal: - Freguesia: Telefone: Telemóvel:

Leia mais

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DE OBRAS CONCLUÍDAS (Q4)

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DE OBRAS CONCLUÍDAS (Q4) INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI Nº 22/2008 DE 13 DE MAIO) DE RESPOSTA CONFIDENCIAL E OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº XXX VÁLIDO ATÉ AAAA/MM/DD Contactos para resposta

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO

PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO Regulamento n.º S/N.º Data de Publicação em D.R. 2.ª Série, n.º 198: a 12/10/2012 (Aviso n.º 13640/2012). Aprovado em Assembleia

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PEDIDOS DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS EM FORMATO DIGITAL

NORMAS TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PEDIDOS DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS EM FORMATO DIGITAL NORMAS TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PEDIDOS DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS EM FORMATO DIGITAL Para cumprimento da legislação em vigor e considerando as funcionalidades e requisitos técnicos/informáticos necessários

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DO ALVARÁ DE LICENÇA DE OBRA DE EDIFICAÇÃO E/OU DEMOLIÇÃO

PEDIDO DE EMISSÃO DO ALVARÁ DE LICENÇA DE OBRA DE EDIFICAÇÃO E/OU DEMOLIÇÃO Registo n.º Data / / O Funcionário PEDIDO DE EMISSÃO DO ALVARÁ DE LICENÇA DE OBRA DE EDIFICAÇÃO E/OU DEMOLIÇÃO Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Cascais IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher

Leia mais

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DE OBRAS CONCLUÍDAS (Q4)

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DE OBRAS CONCLUÍDAS (Q4) INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI Nº 22/2008 DE 13 DE MAIO) DE RESPOSTA CONFIDENCIAL E OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº 10118 VÁLIDO ATÉ 2015/03/31 Contactos para resposta

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DA GRACIOSA Aviso n.º 28/2013 de 20 de Março de 2013

MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DA GRACIOSA Aviso n.º 28/2013 de 20 de Março de 2013 28 de fevereiro de 2013. - O Secretário Regional dos Recursos Naturais, Luís Nuno da Ponte Neto de Viveiros. - O Secretário Regional do Turismo e Transportes, Vítor Manuel Ângelo de Fraga. MUNICÍPIO DE

Leia mais

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO provisória definitiva 1. Prédio urbano / fracção autónoma Morada Código Postal - Inscrito na matriz predial da freguesia de art.º n.º Registado na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO APÓS OBRAS SUJEITAS A LICENCIAMENTO OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA

AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO APÓS OBRAS SUJEITAS A LICENCIAMENTO OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO APÓS OBRAS SUJEITAS A LICENCIAMENTO OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA Documentos a entregar 1. Requerimento 2. Cópia do documento de identificação do requerente 3. Cópia do documento comprovativo

Leia mais

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil Requerimento n.º data / / Pago pela guia n.º valor EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS O Funcionário, COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRA DE EDIFICAÇÃO ALTERAÇÃO À COMUNICAÇÃO PRÉVIA

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008

1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 inferior a 0,8 m 1,2 m, ou, caso se trate de operação urbanística em fracção já existente, confinante com arruamento ou espaço de circulação

Leia mais

Manual de Processos Prediais

Manual de Processos Prediais Índice Índice...1 1. Objectivo...2 2. Âmbito...2 3. Referências...2 4. Definições / Abreviaturas...2 5. Responsabilidades...2 6. Modo de Proceder...2 6.1. Fluxograma...2 6.2. Descrição...2 6.2.1. INSTRUÇÃO

Leia mais

Titular Técnico Responsável pela Obra Técnico Coordenador Construtor / Empresa Construção. Técnico Autor do projeto de (designação do projeto):

Titular Técnico Responsável pela Obra Técnico Coordenador Construtor / Empresa Construção. Técnico Autor do projeto de (designação do projeto): 1/5 REQUERIMENTO PARA PEDIDO DE AVERBAMENTO: REQUERENTE TÉCNICO RESPONSÁVEL PELO PROJECTO TÉCNICO RESPONSÁVEL PELA OBRA TÉCNICO COORDENADOR TITULAR DE ALVARÁ DE LICENÇA / AUTORIZAÇÃO CONSTRUTOR / EMPRESA

Leia mais

APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS (Portaria n.º 1107/2001, de 18 de Setembro) O Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, que aprovou o novo regime

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJECTOS / ELEMENTOS EM FORMATO DIGITAL

NORMAS TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJECTOS / ELEMENTOS EM FORMATO DIGITAL NORMAS TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJECTOS / ELEMENTOS EM FORMATO DIGITAL No cumprimento do Regime Jurídico da Urbanização e Edificação (RJUE), consagrado no Decreto- Lei n.º 555/99, de 16 de dezembro,

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

Francisco Pires de Morais, arquiteto DSOT/DPGU

Francisco Pires de Morais, arquiteto DSOT/DPGU Francisco Pires de Morais, arquiteto DSOT/DPGU Consultas a Entidades da Administração Central no âmbito do RJUE Portal do SIRJUE Maior Eficácia e maior rapidez Correta análise e submissão do processo Procedimentos:

Leia mais

MUNICÍPIO DE OURÉM CÂMARA MUNICIPAL. Plano de Urbanização de Fátima ALTERAÇÃO. > Alterações propostas ao Regulamento

MUNICÍPIO DE OURÉM CÂMARA MUNICIPAL. Plano de Urbanização de Fátima ALTERAÇÃO. > Alterações propostas ao Regulamento MUNICÍPIO DE OURÉM CÂMARA MUNICIPAL D I V I S Ã O D E P L A N E A M E N T O E O R D E N A M E N T O D O T E R R I T Ó R I O Plano de Urbanização de Fátima ALTERAÇÃO > Alterações propostas ao Regulamento

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO

PROPOSTA DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO PROPOSTA DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO Nota Justificativa A entrada em vigor, a 7 de janeiro de 2015, da nova redação do Regime Jurídico da Urbanização e da Edificação (RJUE), aprovada

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO Índice PREÂMBULO...3

Leia mais

O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS

O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS Índice I Qual a extensão da nova lei (em número de artigos), face à anterior? II Quem pode ser titular

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa Regulamento de Concessão de Incentivos ao Investimento REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Nota Justificativa A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto

Leia mais

Registo n.º. Data / / O Funcionário

Registo n.º. Data / / O Funcionário Registo n.º Data / / O Funcionário LICENCIAMENTO SIMPLIFICADO E AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE INSTALAÇÃO DE ARMAZENAGEM DE PRODUTOS DE PETRÓLEO E DE POSTOS DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS com realização

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA. Regulamento Municipal de

CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA. Regulamento Municipal de CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA Regulamento Municipal de EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO Proposta da Câmara Municipal, por deliberação de 7 de Novembro de 2008 Aprovada pela Assembleia Municipal a 29 de Dezembro de

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal. Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público

Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal. Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público Nota Justificativa A beneficiação e promoção dos pequenos espaços do domínio público

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS Nota Justificativa A Lei n.º 18/97, de 11 de Junho, concedeu ao Governo autorização para legislar no

Leia mais

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS Caro Munícipe, Numa política que visa agilizar procedimentos e diminuir os tempos de resposta em múltiplos processos que, diariamente, dão entrada no Departamento de

Leia mais

REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA)

REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA) REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA) CAPÍTULO l Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito territorial e regime 1. O Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque)

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS

PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS 1/13 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ( nº SM ) Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Solicito que seja apreciado o pedido de candidatura

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL LIGEIRA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL LIGEIRA NOTA JUSTIFICATIVA 1º-O presente Regulamento, tem como principal objectivo compilar as alterações a que a versão inicial foi sujeita e expurgá-lo de algumas dificuldades de leitura e interpretação que

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1.º (Objecto)

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1.º (Objecto) DATA : Segunda-feira, 16 de Julho de 1990 NÚMERO : 162/90 SÉRIE I EMISSOR : Ministério da Indústria e Energia DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 232/90 SUMÁRIO: Estabelece os princípios a que deve obedecer

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PREÂMBULO Considerando que ao Município de Proença-a-Nova é sócio único da empresa municipal Pepa Parque Empresarial

Leia mais

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS CONDIÇÕES E DOCUMENTAÇÃO PARA REQUERER CONCESSÃO / RENOVAÇÃO DE ALVARÁ PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Preâmbulo A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto de regras e princípios que permitam dotar o Município

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Freguesia da Batalha REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO DA FREGUESIA DA BATALHA Introdução O associativismo desempenha um papel de importante valor na dinamização

Leia mais

6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho de Ministros n. o 150/2001 A Assembleia Municipal de Santarém aprovou em 20

Leia mais

Nº de documento Descrição Observações. (6) Projecto da rede de agua. (Nota 2) (Nota 2) (7) Projecto da rede de drenagem e esgotos.

Nº de documento Descrição Observações. (6) Projecto da rede de agua. (Nota 2) (Nota 2) (7) Projecto da rede de drenagem e esgotos. (1a) Documentos básicos Pedido e índice Documento comprovativo de titularidade da propriedade Procuração Contrato de concessão do terreno Documento comprovativo de liquidação do prémio de concessão Documento

Leia mais

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 REGULAMENTO DA VENDA DE LOTES PARA CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTEAMENTOS MUNICIPAIS A JOVENS NATURAIS OU RESIDENTES NO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA Introdução Com o objectivo de fixar jovens nas freguesias

Leia mais

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados,

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados, Circular nº 24/2015 17 de Junho 2015 Assunto: Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. Caros Associados, 1. Foi publicado no Diário da República, 1ª. Série, nº. 107, de 3 de Junho de 2015, a Lei nº. 41/2015, de

Leia mais

DECRETO N.º 162/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 162/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 162/XII Aprova os requisitos de acesso e de exercício da atividade de perito qualificado para a certificação energética e de técnico de instalação e manutenção de edifícios e sistemas, conformando-o

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO

PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO Novembro 2011 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Artigo 1.º Objectivo e Âmbito Territorial... 3 Artigo 2.º Relação com Outros Instrumentos de Gestão

Leia mais

GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER

GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER OUTUBRO 2015 Índice GLOSSÁRIO... 3 1. BREVE HISTORIAL LEGISLATIVO... 4 1.1. Principais alterações introduzidas pela revisão do Sistema da

Leia mais

ANEXO I. 2. Projeto O projeto do sistema de deposição de resíduos urbanos deve incluir obrigatoriamente as seguintes peça escritas e desenhadas:

ANEXO I. 2. Projeto O projeto do sistema de deposição de resíduos urbanos deve incluir obrigatoriamente as seguintes peça escritas e desenhadas: ANEXO I NORMAS TÉCNICAS DOS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES (NTRU) 1. Disposições gerais As presentes normas técnicas dizem respeito ao projeto dos sistemas de deposição de resíduos

Leia mais

Nota Introdutória. Capítulo I Disposições Gerais

Nota Introdutória. Capítulo I Disposições Gerais Nota Introdutória De acordo com o Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, com as alterações introduzidas pelo Decreto- Lei n.º 305/99, de 6 de Agosto e pelo Decreto-Lei n.º 55/2002, de 11 de Março, que

Leia mais

MUNICIPIO DE REDONDO NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

MUNICIPIO DE REDONDO NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente documento tem por objetivo o estabelecimento das regras e condições

Leia mais

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL Março de 2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVOS GERAIS E COMPLEMENTARES DO

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS)

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) 1. DEFINIÇÃO 1.1. Licença Simplificada (LS) - concedida para a localização, instalação, implantação e operação

Leia mais

PROPOSTA. 1. Introdução. Com base nos textos legais:

PROPOSTA. 1. Introdução. Com base nos textos legais: RESPONSABILIDADES DOS PROJECTISTAS DE INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E SISTEMAS DE AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO VERSUS RESPONSABILIDADES DOS PERITOS QUALIFICADOS NO ÂMBITO DO SCE (SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO

Leia mais

FREGUESIA DE GALVEIAS

FREGUESIA DE GALVEIAS FREGUESIA DE GALVEIAS REGULAMENTO DE APOIO A INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DA FREGUESIA DE GALVEIAS Rui Manuel Canha Nunes, Presidente da Junta de Freguesia de Galveias, no uso das competências que

Leia mais

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE Novembro de 2014 REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE NOTA JUSTIFICATIVA

Leia mais

REGULAMENTO DAS ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA

REGULAMENTO DAS ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA REGULAMENTO DAS ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA Praça da República 7150-249 Borba Telf.: 268 891 630 Fax: 268 894 806 balcaounico@cm-borba.pt www.cm-borba.pt Contribuinte n.º 503 956 546 REGULAMENTO

Leia mais

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE 1/17 Índice 1. Introdução... 3 2. Formação... 4 2.1 Objectivos gerais do curso... 4 2.2. Conteúdos programáticos... 4 2.3. Equipa formativa...

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador

Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador 1/6 REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE OCUPAÇÃO DA VIA PÚBLICA PARA REALIZAÇÃO DE OBRAS Despacho: Espaço reservado aos serviços Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO Artigo 1.º Coordenador de Curso 1. A coordenação pedagógica e científica de um curso de formação não graduada cabe, em regra, a um docente

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS TRAVESSA DA IGREJA DE NEVOGILDE NEVOGILDE. PORTO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS TRAVESSA DA IGREJA DE NEVOGILDE NEVOGILDE. PORTO Introdução O presente relatório de avaliação diz respeito a dois prédios, um com armazém e outro com moradia, na Travessa da Igreja de Nevogilde, na cidade do Porto. A avaliação do terreno e/ou edifícios

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Divisão Jurídica e Administrativa (DIJA) DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 19 DE ABRIL DE 2016 Serviço responsável pela execução da deliberação Divisão de Desenvolvimento Social Epígrafe 9.2.

Leia mais

10- Cópia da Licença de Representação, emitida pelo IGAC ou delegado concelhio do IGAC;

10- Cópia da Licença de Representação, emitida pelo IGAC ou delegado concelhio do IGAC; Ex.mo(a) Senhor(a) Presidente da Câmara Municipal de Odivelas (A preencher pelos serviços) Processo n.º / / Pedido de Licença de Utilização para Recintos de Diversão e de Recintos de Espectáculos de Natureza

Leia mais

Identificação do Requerente (Preencher com letra maiúscula)

Identificação do Requerente (Preencher com letra maiúscula) Registo nº. Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cascais Data: / / O Funcionário EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL PARA OBRAS INACABADAS COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS Identificação do Requerente

Leia mais

Regulamento do Programa de Incentivos à "Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila"

Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila Município de Figueiró dos Vinhos Regulamento do Programa de Incentivos à "Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila" (regulamento que está em vigor após processo de alteração) Aprovado em reunião

Leia mais

REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO, COBRANÇA E PAGAMENTO DE TAXAS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS. Nota Justificativa

REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO, COBRANÇA E PAGAMENTO DE TAXAS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS. Nota Justificativa REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO, COBRANÇA E PAGAMENTO DE TAXAS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS Nota Justificativa As relações jurídico-tributárias geradoras da obrigação de pagamento de taxas às autarquias locais

Leia mais

PORTAL DA EMPRESA DOCUMENTOS INSTRUTÓRIOS. Estabelecimento industrial tipo 1 - autorização prévia para instalação. 29_10_2011 Página 1 de 5

PORTAL DA EMPRESA DOCUMENTOS INSTRUTÓRIOS. Estabelecimento industrial tipo 1 - autorização prévia para instalação. 29_10_2011 Página 1 de 5 1 - a) Projeto de instalação com o conteúdo previsto no n.º 2; b) Pagamento da taxa que for devida nos termos do regime de exercício da atividade industrial; c) Identificação da decisão sobre o pedido

Leia mais

Comunicação de Instalação, Modificação ou Encerramento de Estabelecimento (Declaração Prévia) Qualidade do Requerente

Comunicação de Instalação, Modificação ou Encerramento de Estabelecimento (Declaração Prévia) Qualidade do Requerente Ex.mo(a) Senhor(a) Presidente da Câmara Municipal de Odivelas (A preencher pelos serviços) Processo n.º / / Comunicação de Instalação, Modificação ou Encerramento de Estabelecimento (Declaração Prévia)

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O regime jurídico geral aplicável aos recintos de espectáculos e divertimentos públicos

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA CULTURA

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA CULTURA Formulário de candidatura (DLR n.º 9/2014/A, de 3 de julho) Edição de obras Culturais 1. Identificação do candidato Nome Morada Código Postal - Localidade Freguesia Concelho Ilha Telefone Fax Correio Eletrónico

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS Registo de entrada RESERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS (Art.º 76º do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios. Janeiro/Fevereiro 2008

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios. Janeiro/Fevereiro 2008 Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Janeiro/Fevereiro 2008 Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição

Leia mais