Sistema Multiagentes de Recomendação de Eventos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Multiagentes de Recomendação de Eventos"

Transcrição

1 Universidade Federal do Espírito Santo Inteligência Artificial Sistema Multiagentes de Recomendação de Eventos Grupo: André Gustavo Almeida Bernardo Gonçalves Marcel Damásio Rodolfo Gabri Vitória 2007/02

2 Sistema Multiagentes de Recomendação de Eventos Relatório Final apresentado como requisito para a conclusão da Disciplina Inteligência Artificial, ministrada aos alunos dos cursos de Ciência e Engenharia da Computação e do Mestrado em Informática da UFES, por Prof. Dr. Giancarlo Guizzardi e Prof a. Dra. Renata Silva Souza Guizzardi. Sistemas Multiagentes Análise e Projeto usando ARKnowD

3 1 Descrição do Problema Nos dias atuais, a divulgação de eventos ainda é realizada de uma maneira que alguém poderia considerar manual. Enquanto isso, com a possibilidade da Web Semântica, agentes computacionais poderiam então automatizar tal tarefa de maneira a aumentar a eficácia do serviço de divulgação. Esse serviço poderia ser contratado por um organizador de evento, solicitando que seu evento seja recomendado para pessoas potencialmente interessadas no mesmo. Como uma tentativa de tratar o problema citado, este trabalho propõe um sistema multiagentes de recomendação de eventos que se apóia no paradigma de programação orientado a agentes. Este sistema, o Agente Recomendador de Eventos (ARE), pressupõe que os organizadores de evento mantêm um website do mesmo, e que as pessoas-alvo do sistema mantêm websites pessoais e/ou possuem perfil definido em websites de redes sociais. O sistema, assim, mantém uma base de dados atualizada com perfis de pessoas e, para cada evento a ser divulgado, seleciona na base pessoas potencialmente interessadas e recomenda o evento para as mesmas. A Figura 1 apresenta uma visão geral do sistema ARE. Figura 1 Visão geral do sistema multiagentes de recomendação de eventos. Para modelar o domínio tratado, i.e., divulgação de eventos, e modelar o sistema ARE foi utilizada a metodologia ARKnowD, que combina as linguagens Tropos e AORML. Este documento é organizado como segue: a Seção 2 apresenta os requisitos iniciais do sistema expressos na linguagem Tropos; A Seção 3, por sua vez, apresenta os requisitos finais do sistema também expressos na linguagem Tropos; na Seção 4 é introduzido o projeto arquitetural ainda na linguagem Tropos; a Seção 5 então apresenta o projeto arquitetural detalhado se aproveitando do nível mais baixo de abstração da linguagem AORML; finalmente, a Seção 6 conclui este trabalho discutindo a experiência com a abordagem ARKnowD.

4 2 Requisitos Iniciais De acordo com a metodologia de Engenharia de Software com orientação a agentes Tropos, os requisitos iniciais atingem a necessidade de se modelar o universo de discurso onde será inserido o sistema multiagentes proposto. Neste sentido, o modelo de requisitos iniciais aqui apresentado (vide Figura 2) captura as relações de dependência entre os atores básicos deste domínio, isto é, o organizador de um evento, as pessoas-alvo, e o divulgador que faz a ligação entre os dois atores anteriores. Figura 2 Requisitos iniciais. O organizador tem o objetivo de realizar o evento e o desejo de ter seu evento o mais bem divulgado possível. As pessoas, de outro lado, gostariam de receber informações a respeito de eventos de potencial interesse e, portanto, descobrir esses eventos com o mínimo de esforço. A existência ou não de tal interesse pode ser inferida através da análise do perfil da pessoa. Tal perfil deve então ser composto por atributos com boa capacidade preditiva para a inferência citada. Vale ressaltar que a relevância do sistema ARE depende da eficácia na tarefa de recomendação de eventos apenas para pessoas que realmente teria interesse no mesmo. O divulgador deve então consolidar a relação entre organizador de evento e pessoas prestando assim o serviço de divulgação. O desafio do divulgador consiste em acertar quais seriam as pessoas que poderiam se interessar no evento a ser divulgado. Uma vez atingindo essas pessoas, ele pode então atraílas para eventos divulgados. Para divulgar o evento, o divulgador depende do organizador para obter informações do evento necessárias para a divulgação. Ao prestar esse serviço, o primeiro obtém do último a remuneração definida no contrato de prestação do serviço.

5 3 Requisitos Finais A partir dos requisitos iniciais, os requisitos finais incluem o sistema multiagentes proposto no domínio tratado. Assim, o sistema ou substitui a função de um ator humano (o caso deste trabalho) ou desempenha uma função até então inexistente no domínio. Dessa forma, o modelo apresentado na Figura 3 captura a relação do sistema ARE com o mundo externo, isto é, com os atores já introduzidos na definição dos requisitos iniciais. Figura 3 Requisitos finais. O sistema ARE assume objetivos dos atores pessoa e organizador, Receber informações de eventos e Divulgar evento, respectivamente. Em contrapartida, o ARE depende desses atores para obter os recursos Website pessoal e Perfil em site de relacionamento do ator pessoa, e Url do website do evento do ator organizador. Para atingir o objetivo Divulgar evento, o sistema ARE o decompõe em três objetivos (vide Figura 3) que são atingidos pelas tarefas (i) Extrair informações do website do evento, (ii) Extrair e armazenar informações de pessoa e (iii) Selecionar perfis baseado em evento. O objetivo Receber informações de eventos, do ponto de vista do ator pessoa é atingido pelo objetivo Recomendar eventos para as pessoas do ponto de vista do sistema. Este objetivo, por sua vez, é atingido pelas tarefas Enviar recomendação por e Enviar recomendação por SMS. Por fim, o objetivo Buscar pessoas com interesses em comum

6 constitui uma funcionalidade extra associada a agentes externos ao sistema. Ele, portanto, pode ser atingido através do objetivo de Contactar outros agentes. Embora essa funcionalidade tenha sido incorporada no modelo de requisitos finais, ela não será contemplada no projeto arquitetural. 4 Projeto Arquitetural No projeto arquitetural o sistema multiagentes ARE é decomposto em atores que representam os módulos do sistema. Conforme mostrado no diagrama de dependência estratégica da Figura 4, o ARE é composto dos atores Analisador de evento, Núcleo do sistema e Recomendador de evento. Figura 4 Projeto arquitetural de dependência estratégica. No diagrama de razão estratégica mostrado na Figura 5, o ator Núcleo do sistema é então decomposto nos atores Buscador de pessoas e Sintetizador de resultados.

7 Figura 5 Projeto arquitetural de razão estratégica. Conforme mostrado na Figura 5, o diagrama de razão estratégica apresenta uma visão interna do ator sistema ARE, fornecendo assim uma intuição do seu funcionamento. Ao organizador de evento contratar o serviço do sistema ARE, o ator Analisador de evento extrai informações do website do evento mantido pelo organizador. Enquanto isso, o ator Buscador de informações de pessoas extrai e armazena informações de pessoa a partir de ambos website pessoal e perfil em site de relacionamento. Ele então atualiza uma base de dados com os perfis das pessoas. Essa tarefa é realizada de tal forma a se aproveitar dos atributos de maior potencial de predição do perfil de uma pessoa. Assim, o ator Sintetizador de resultados, a partir de informações estruturadas do evento, varre a base de dados selecionando pessoas potencialmente interessadas no evento. Ao final dessa tarefa de seleção de perfis baseado em evento, o ator Sintetizador de resultados permite que o Recomendador de eventos envie a recomendação do evento para as pessoas selecionadas. Esse objetivo é atingido pela tarefa Enviar recomendação por e/ou Enviar recomendação por SMS. 5 Projeto Detalhado

8 A metodologia ARKnowD propõe o uso da linguagem AORML para modelagem do projeto detalhado do sistema a ser desenvolvido. Foram selecionados então algumas tarefas e atores capturados nos modelos Tropos para serem refinados através do uso de AORML. A seguir são apresentados diagramas AORML de agentes, de seqüência de interações (ISD), de padrão de interações (IPD), e de quadros de interações (IFD). 5.1 Diagramas de Agentes Os diagramas de agentes aqui apresentados representam (i) a transformação automática do modelo Tropos de projeto arquitetural para um esqueleto do diagrama de agentes AORML (vide Figura 6), e (ii) o diagrama de agentes AORML já completo explorando os construtores da linguagem AORML (vide Figura 7). Figura 6 Diagrama de agentes automático.

9 Figura 7 Diagrama de agentes completo. 5.2 Diagramas de Seqüência de Interações (ISD s) Seguindo o fluxo de execução do sistema, o agente humano Administrador do ARE insere através do agente artificial Analisador de eventos a url do evento a ser divulgado. Existem duas possíveis seqüências de interações para a execução de tal tarefa. No caso normal (vide Figura 8), a url do novo evento é inserida, as informações relevantes a respeito do evento são extraídas e um arquivo xml é gerado. O evento é então enviado ao agente Sintetizador de resultados, que responde com um ack. No caso de exceção (vide Figura 9), em contraste, após tentativas frustradas de acessar o website, o Analisador de eventos solicita ao Administrador uma confirmação da url do website.

10 Figura 8 ISD Extrair informações do website do evento (caso normal). Figura 9 ISD Extrair informações do website do evento (caso exceção).

11 Ao receber a mensagem EnviarEvento do agente Analisador de eventos, o agente Sintetizador de resultados define o perfil do evento a partir do arquivo evento.xml. Tal perfil engloba informações como data e local de realização, duração, artistas envolvidos, organizador, dentre outras. O Sintetizador de resultados então acessa e varre o banco de dados de perfis de pessoas selecionando perfis de pessoas que casem com o perfil do evento. Depois de realizadas essas tarefas, o Sintetizador de resultados envia uma mensagem para o Recomendador de eventos contendo o arquivo evento.xml juntamente com um arquivo ps.xml contendo os elementos (tags) de cada pessoa selecionada para o evento. A Figura 10 apresenta o ISD para o procedimento recém descrito. Figura 10 ISD Selecionar Perfis baseado em evento. Assim que o agente Recomendador de eventos recebe a mensagem RecomEvento do agente Sintetizador de resultados, cria-se um compromisso do primeiro para o segundo, que somente será eliminado através da mensagem InfoRecoms também do primeiro agente para o segundo, contendo dados de envio dos s (e.g., data/hora do envio). Para cumprir sua função, o Recomendador de eventos cria informação html para geração de cada . Os s são então enviados por broadcast através da mensagem recompor para os servidores de das pessoas. O agente recomendador ainda verifica com os servidores de se os s foram realmente enviados 1. No caso de sucesso (vide Figura 11), o Recomendador de eventos envia a mensagem InfoRecoms, com o 1 Essa checagem não envolve a verificação se os s foram recebidos, mas apenas se foram enviados.

12 parâmetro msg=dados_dos_ s, que elimina seu compromisso com o agente Sintetizador de resultados. No caso de exceção (vide Figura 12), o agente recomendador informa o sintetizador da ocorrência de erro (InfoRecoms com msg=erro_ ) e, portanto, da impossibilidade dos s terem sido enviados. Figura 11 ISD Enviar Recomendação por (caso normal). Figura 12 ISD Enviar Recomendação por (caso exceção).

13 5.3 Diagramas de Quadros de Interações (IFD s) O diagrama de quadro de interações sintetiza todas as interações entre dois agentes. A seguir a Figura 13 e a Figura 14 apresentam os IFD s para as interações entre os agentes Analisador de eventos e Sintetizador de resultados, bem como entre este último e o agente Recomendador de eventos, respectivamente. Figura 13 IFD das interações entre Analisador de eventos e Sintetizador de resultados. Figura 14 IFD das interações entre Sintetizador de resultados e Recomendador de eventos. 5.4 Diagramas de Padrão de Interações (IPD s) O diagrama de padrão de interações modela o comportamento interno de um determinado agente, representando as regras que definem o comportamento reativo desse agente.

14 No diagrama mostrado na Figura 15 é apresentado o comportamento interno do Analisador de eventos. Ao receber a url do website do evento inserida pelo agente Administrador, o Analisador de eventos envia informações estruturadas do evento ao Sintetizador de resultados crendo na existência de tal website, mantido pelo agente Organizador. Figura 15 IPD Analisador de eventos. A Figura 16, por sua vez, exibe o IPD do agente Sintetizador de resultados. Ao receber um novo evento enviado pelo Analisador de eventos, aquele envia para o Recomendador de eventos o evento recebido e as pessoas que são potencialmente interessadas no mesmo. Figura 16 IPD Sintetizador de resultados.

15 Por fim, a Figura 17 mostra o IPD do agente Recomendador de eventos. Este agente realiza a recomendação do evento em questão para as pessoas selecionadas pelo Sintetizador de resultados. O agente de recomendação crê na existência dos objetos Mensagem de resposta do servidor e Informações do evento em html. Figura 17 IPD Recomendador de eventos.

16 6 Avaliação da Experiência 6.1 Uso da Metodologia ARKnowD (Tropos+AORML) A metodologia ARKnowD contempla as fases de análise (incluindo engenharia de requisitos) e projeto de software orientado a agentes. A inclusão de conceitos como agentes, objetivos, crenças e outros já nessas fases do desenvolvimento por certo contribui no sentido de forçar o desenvolvedor a pensar em tais conceitos. Assim, os sistemas desenvolvidos atingiriam o knowledge level proposto por Allen Newell. A experiência que vivenciamos, no entanto, ficou um pouco prejudicada por não termos tido chance de verificar/comprovar tais benefícios na fase de codificação. Talvez por conta ainda de um baixo grau de amadurecimento das linguagens utilizadas (Tropos e AORML), fica uma impressão de que há um pouco de ruído no meio de primitivas de linguagem, de fato, relevantes. As seguir são discutidas as linguagens Tropos, AORML, bem como a combinação das duas linguagens Tropos A linguagem Tropos parece 2 possuir um grau razoável de ambigüidade. Seja em função de sobrecargas como delegação e dependência na mesma primitiva de linguagem, seja pela falta de critérios mais objetivos para definição de objetivos, sub-objetivos, planos, etc, sentimos dificuldade ou mesmo, em alguns momentos, desestímulo na modelagem de requisitos iniciais e finais. Uma outra questão que ficou para nós é: até que ponto é válido a modelagem de uma organização inteira para somente depois inserir o sistema? Achamos válido sim a inserção de alguns atores em determinados contextos, mas em outras situações achamos que isso gera um overhead desnecessário. A nossa opinião é de que é necessária uma boa dose de bom senso para medir o quê vale a pena ser modelado em requisitos iniciais e finais AORML A linguagem AORML nos proporcionou uma maior convicção no sentido dos objetos de captura/modelagem serem claramente relevantes para o processo de desenvolvimento. Por outro lado, acreditamos que a sintaxe da linguagem tem muito a melhorar. Tal sintaxe é demasiadamente complicada. Não obstante haver muitas primitivas de linguagem distintas, a morfologia dos construtores da linguagem é muito parecida (e.g., mudar a linha de tracejada para tracejada com bolinhas para denotar um conceito diferente), confundindo assim, a absorção dos elementos da linguagem. À parte a questão da sintaxe, ficamos muitas vezes questionando se algumas aplicações da linguagem (e.g., um determinado diagrama) seriam realmente adequadas ainda em fase de projeto, não por achar irrelevante, mas talvez por 2 Considerando que nossa experiência com a linguagem limita-se a uma experiência de desenvolvimento, não nos sentimos à vontade para afirmar nossas opiniões com a mesma convicção de uma experiência de pesquisa, i.e., de maior profundidade, por exemplo, confrontando várias linguagens. O mesmo vale para AORML.

17 serem de baixo nível de abstração. Esse tipo de dúvida, porém, em geral se mostrou impertinente à medida em que avançava o amadurecimento a respeito do sistema e da importância de descrevê-lo com precisão Tropos + AORML A transformação de Tropos para AORML foi suave, e não causou muito impacto nos modelos Tropos. As mudanças que foram se fazendo necessárias nos modelos Tropos denotaram, de fato, questões pertinentes que passaram despercebidas na modelagem Tropos. Mesmo assim, acreditamos que um maior amadurecimento da metodologia ARKnowD, por exemplo, gerando uma linguagem única, permitiria um desenvolvimento com mais qualidade. Acreditamos que tal amadurecimento envolve necessariamente um amadurecimento das duas linguagens utilizadas bem como uma evolução no entendimento das questões que elas se propõem a tratar, independentemente de linguagem. 6.2 Uso das Ferramentas de Modelagem A) TAOM4E Primeiramente, vale ressaltar que encontramos dificuldade em instalar o plugin TAOM4E no ambiente Eclipse utilizando o procedimento descrito no site dos desenvolvedores. Conseguimos finalmente instalar o plugin corretamente através do seu download diretamente pelo Eclipse. Tivemos problema ao salvar os modelos tropos. A ferramenta não salva os modelos tropos corretamente. Para salvar com segurança, tivemos de criar um novo modelo, copiar o conteúdo do modelo atualizado para o novo e então renomear o novo modelo. Esta foi a maneira que encontramos para sanar o problema. No mais, a ferramenta TAOM4E apresenta estabilidade e permitiu um desenvolvimento eficaz dos modelos. B) MS Visio com Template AORML O MS Visio é uma boa ferramenta, sobretudo por permitir a modificação do template de maneira ágil e fácil. No entanto, o MS Visio apresenta bugs graves relacionados à modificação do conteúdo textual dos elementos de desenho. Tais bugs tornaram o desenvolvimento de diagramas AORML um transtorno na medida em que ISD s, IFD s e IPD s constituem diagramas refinados e que exigem modificações com alguma freqüência. Somente na fase final do desenvolvimento, conseguimos descobrir a causa dos bugs: a tentativa do Visio de corrigir idioma. Para haver estabilidade, é necessário desativar a opção Verificar ortografia ao digitar no menu Ferramentas -> Opções - > Ortografia. Uma vez resolvido esse problema, o MS Visio oferece apoio apropriado ao desenvolvimento de diagramas AORML.

Agenda Semântica. Grupo: Francisco Rodrigues Júnior Guilherme Daher Ferreira Luana Vieira Morellato Renan Rigo

Agenda Semântica. Grupo: Francisco Rodrigues Júnior Guilherme Daher Ferreira Luana Vieira Morellato Renan Rigo Universidade Federal do Espírito Santo Inteligência Artificial Agenda Semântica Grupo: Francisco Rodrigues Júnior Guilherme Daher Ferreira Luana Vieira Morellato Renan Rigo Vitória 2007/02 Agenda Semântica

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Inteligência Artificial Profinder Vitória 2007/02

Universidade Federal do Espírito Santo Inteligência Artificial Profinder Vitória 2007/02 Universidade Federal do Espírito Santo Inteligência Artificial Profinder Grupo: Carlos Frederico S. da F. Mendes Diego Barcelos Rodrigues Diego Rocha Tristão João Olavo Baião de Vasconcelos Vitória 2007/02

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet 1 de 5 22/7/2008 17:14 Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet Adriana Soares Pereira Cláudio Fernando Resin Geyer adriana@inf.ufrgs.br Resumo Este trabalho apresenta uma proposta de desenvolvimento

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

Conceitos de extensões Joomla!

Conceitos de extensões Joomla! capítulo 1 Conceitos de extensões Joomla! Entendendo o que é extensão Extensão pode ser entendida como uma pequena aplicação desenvolvida com regras de construção estabelecidas pelo ambiente Joomla!. É

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

Utilizando a ferramenta de criação de aulas

Utilizando a ferramenta de criação de aulas http://portaldoprofessor.mec.gov.br/ 04 Roteiro Utilizando a ferramenta de criação de aulas Ministério da Educação Utilizando a ferramenta de criação de aulas Para criar uma sugestão de aula é necessário

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

Política de privacidade do Norton Community Watch

Política de privacidade do Norton Community Watch Política de privacidade do Norton Community Watch Data de início: 5 de agosto de 1999 Última atualização: 16 de abril de 2010 O que é o Norton Community Watch? O Norton Community Watch permite que os usuários

Leia mais

Política de uso de dados

Política de uso de dados Política de uso de dados A política de dados ajudará você a entender como funciona as informações completadas na sua área Minhas Festas. I. Informações que recebemos e como são usadas Suas informações

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS

4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS Sphinx APRENDIZ - p.94 4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS Depois de o questionário estar pronto, seus formulários definidos e as respostas coletadas ou prontas a coletar/importar, é possível

Leia mais

30 ANOS DE SOCIALISMO

30 ANOS DE SOCIALISMO PASSO A PASSO DO CANDEX Como cadastrar um partido ou uma coligação: 1 Para cadastrar um partido ou uma coligação no Candex começamos clicando no Módulo PEDIDOS e em seguida no ícone NOVO PEDIDO; 2 Preenchemos

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar

Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar seg, 21/01/13 por Altieres Rohr Segurança Digital Se você tem alguma dúvida sobre segurança da informação (antivírus, invasões, cibercrime,

Leia mais

Introdução. Nesta guia você aprenderá:

Introdução. Nesta guia você aprenderá: 1 Introdução A criação de uma lista é a primeira coisa que devemos saber no emailmanager. Portanto, esta guia tem por objetivo disponibilizar as principais informações sobre o gerenciamento de contatos.

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 27 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 27-26/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Arilo Cláudio Dias Neto ariloclaudio@gmail.com É Bacharel em Ciência da Computação formado na Universidade Federal do Amazonas, Mestre em Engenharia de Sistemas

Leia mais

Manual 2010 Webmaster

Manual 2010 Webmaster Manual 2010 Webmaster Menu 1. Acesso ao sistema 2. Campanhas 2.1 Ver Campanhas Disponíveis 2.2 Minhas Campanhas 3. Formatos 3.1 Banners Automáticos 3.2 Banners Manuais 3.3 E-mail Marketing 3.4 Vitrines

Leia mais

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este manual tem como objetivo propiciar a integração do SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL junto as ADMINISTRADORAS

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE INSTALAÇÃO

GUIA PRÁTICO DE INSTALAÇÃO GUIA PRÁTICO DE INSTALAÇÃO 1 1. PROCEDIMENTOS ANTES DA INSTALAÇÃO SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios 1.1. Solicitar Senha para Fechamento de PLP Solicitar ao seu consultor comercial a senha

Leia mais

SGB Sistema de Gestão de Bolsas Manual do Usuário

SGB Sistema de Gestão de Bolsas Manual do Usuário Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário-Executivo José Henrique Paim Fernandes Subsecretário de Assuntos Administrativos Jose Eduardo Bueno de

Leia mais

Gerenciador de Referências. EndNote. Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC)

Gerenciador de Referências. EndNote. Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC) Gerenciador de Referências EndNote Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC) Pesquisa na Web of Science O que é o EndNote? Funcionalidades da ferramenta Como incluir citações no Word usando

Leia mais

Como gerar arquivos para Sphinx Operador

Como gerar arquivos para Sphinx Operador Como gerar arquivos para Sphinx Operador Pré-requisitos: Lista das questões Formulário multimídia Visões O Sphinx Operador é um sistema específico para digitação de respostas e visualização de resultados

Leia mais

Manual da Turma Virtual: MATERIAIS. Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo:

Manual da Turma Virtual: MATERIAIS. Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo: Manual da Turma Virtual: MATERIAIS Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo: MENU TURMA VIRTUAL MENU MATERIAIS CONTEÚDO/PÁGINA WEB Esta operação possibilita que

Leia mais

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado)

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Índice Instruções de Instalação....... 1 Requisitos do sistema........... 1 Código de autorização.......... 1 Instalando...............

Leia mais

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2.

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. 1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. Editando um Artigo 4.3. Excluindo um Artigo 4.4. Publicar

Leia mais

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA PAULO, João Pedro Antunes de Universidade Estadual de Goiás UnU de Iporá jpadepaula@hotmail.com RESUMO Esta pesquisa foi feita

Leia mais

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB!

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! 7 a e 8 a SÉRIES / ENSINO MÉDIO 15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! Sua home page para publicar na Internet SOFTWARES NECESSÁRIOS: MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT PUBLISHER 2000 SOFTWARE OPCIONAL: INTERNET EXPLORER

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA ACADEMIA AO MERCADO DE TRABALHO Profª. Ms. Caroline Luvizotto O Cenário atual: busca pela inovação O Cenário atual: busca pela inovação Inovação:

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

Aula 12 Lista de verificação de segurança para o Windows 7

Aula 12 Lista de verificação de segurança para o Windows 7 Aula 12 Lista de verificação de segurança para o Windows 7 Use esta lista de verificação para ter certeza de que você está aproveitando todas as formas oferecidas pelo Windows para ajudar a manter o seu

Leia mais

Office 365 Manual Outlook 365 Web Application

Office 365 Manual Outlook 365 Web Application Office 365 Manual Outlook 365 Web Application Requisitos para usar o Office 365: Ter instalado pelo menos a versão 7 do Internet Explorer, Mozilla Firefox 15, Google Chrome 21 ou Safari no Mac. O que é

Leia mais

GOOGLE.COM.BR - PRIVACY POLICY

GOOGLE.COM.BR - PRIVACY POLICY Última modificação: 27 de julho de 2012 ( visualizar versões arquivadas) Existem muitas maneiras diferentes pelas quais você pode usar nossos serviços pesquisar e compartilhar informações, comunicar-se

Leia mais

Curso de Licenciatura em Informática

Curso de Licenciatura em Informática Curso de Licenciatura em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIOS SOBRE MODELAGEM DE CASOS DE USO Exercício 1: construa um Diagrama de Casos de

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel Ambiente de Desenvolvimento Orientação a Objetos É uma técnica de desenvolvimento de softwares que consiste em representar os elementos do mundo

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Modelo de domínio Introdução! 1 Modelos de Domínio! 1 Identificação de classes conceituais! 2 Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Passos para a elaboração do modelo de domínio! 2 Passo 1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CERCOMP (CENTRO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS) TUTORIAL DE USO DO WEBMAIL - UFG Página 1 de 26 Sumário Introdução...3 Layout do Webmail...4 Zimbra: Nível Intermediário...5 Fazer

Leia mais

1. Escritório Virtual... 5. 1.1. Atualização do sistema...5. 1.2. Instalação e ativação do sistema de Conexão...5

1. Escritório Virtual... 5. 1.1. Atualização do sistema...5. 1.2. Instalação e ativação do sistema de Conexão...5 1 2 Índice 1. Escritório Virtual... 5 1.1. Atualização do sistema...5 1.2. Instalação e ativação do sistema de Conexão...5 1.3. Cadastro do Escritório...5 1.4. Logo Marca do Escritório...6...6 1.5. Cadastro

Leia mais

Documentação SEO EXPERT

Documentação SEO EXPERT Documentação SEO EXPERT O módulo SEO Expert ajuda você a rapidamente: Criar e personalizar URLs amigáveis Inserir metatags para páginas de produtos, posts do Facebook e cartões de Twitter em sua loja Este

Leia mais

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Antes de iniciar o tutorial, baixar os seguintes arquivos da página do Prof. Wilson: Plataforma reutilizável: http://homepages.dcc.ufmg.br/~wilson/praxis/3.0/praxis.zip

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA Aula 7 SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA META Discutir a utilização de softwares no ensino de Química. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Através da utilização do software carbópolis,

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

ESET CYBER SECURITY PRO para Mac Guia de Inicialização Rápida. Clique aqui para fazer o download da versão mais recente deste documento

ESET CYBER SECURITY PRO para Mac Guia de Inicialização Rápida. Clique aqui para fazer o download da versão mais recente deste documento ESET CYBER SECURITY PRO para Mac Guia de Inicialização Rápida Clique aqui para fazer o download da versão mais recente deste documento ESET Cyber Security Pro fornece proteção de última geração para seu

Leia mais

CAPÍTULO 4. AG8 Informática

CAPÍTULO 4. AG8 Informática 2ª PARTE CAPÍTULO 4 Este capítulo têm como objetivo: 1. Tratar das etapas do projeto de um Website 2. Quais os profissionais envolvidos 3. Administração do site 4. Dicas para não cometer erros graves na

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

Guia de início rápido do Powersuite

Guia de início rápido do Powersuite 2013 Ajuste e cuide do desempenho de seu computador com um aplicativo poderoso e ágil. Baixando e instalando o Powersuite É fácil baixar e instalar o Powersuite geralmente, demora menos de um minuto. Para

Leia mais

Área de Administração

Área de Administração Área de Administração versão 1.1 Partir de 2012/01/14 aplica-se para a versão phpcontact 1.2.x www.phpcontact.net Geral A área de administração é utilizado para uma fácil configuração do software elaboraçao

Leia mais

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Área Responsável Implantação Preparado por: Leonardo Moulin Franco 27 de maio de 2009 Revisão 00 TABELA DE REVISÃO DESTE MANUAL REVISÃO

Leia mais

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 -

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 - GUIA RÁPIDO - 1 - Sumário Introdução...3 Por que utilizar o Construtor de Sites?...3 Vantagens do Construtor de Sites...3 Conceitos básicos...3 Configuração básica do site...5 Definindo o layout/template

Leia mais

Cetac - Centro de Ensino e Treinamento em Anatomia e Cirurgia Veterinária Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com.

Cetac - Centro de Ensino e Treinamento em Anatomia e Cirurgia Veterinária Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com. Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com.br SÃO PAULO - SP SUMÁRIO Introdução... 3 Autenticação no sistema administrativo... 4 Apresentação do sistema administrativo... 5 Gerenciamento

Leia mais

Introdução aos Projectos

Introdução aos Projectos Introdução aos Projectos Categoria Novos Usuários Tempo necessário 20 minutos Arquivo Tutorial Usado Iniciar um novo arquivo de projeto Este exercício explica a finalidade ea função do arquivo de projeto

Leia mais

WEB OF KNOWLEDGE NOTAS DA VERSÃO v5.11

WEB OF KNOWLEDGE NOTAS DA VERSÃO v5.11 WEB OF KNOWLEDGE NOTAS DA VERSÃO v5.11 Os recursos a seguir são planejados para a Web of Knowledge em 28 de julho de 2013. Este documento fornece informações sobre cada um dos recursos incluídos nessa

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Microsoft Windows R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Microsoft Windows R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD Soluções de Acessibilidade VLibras - Desktop Manual de Instalação da Ferramenta Microsoft Windows R Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD 2015 INTRODUÇÃO Objetivo Este manual contém introdução e informações

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

gsd - Service Desk Manual do Usuário versão 1

gsd - Service Desk Manual do Usuário versão 1 gsd - Service Desk Manual do Usuário versão 1 Sumário Introdução 1 Conceitos iniciais 2 Perfis de utilização 2 Parametrização do aplicativo - configuração 2 Prazo de atendimento 2 Prazo de conclusão 3

Leia mais

Novidades do AVG 2013

Novidades do AVG 2013 Novidades do AVG 2013 Conteúdo Licenciamento Instalação Verificação Componentes Outras características Treinamento AVG 2 Licenciamento Instalação Verificação Componentes do AVG Outras características Treinamento

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado)

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) SISTEMA INTERNO INTEGRADO PARA CONTROLE DE TAREFAS INTERNAS DE UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 ÍNDICE Apresentação Principais Botões Login Usúario Resultado Método Quantum Preencher Método Quantum Extrato On-Line Engenharia de Função Grupos

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br Manual do Usuário Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0 www.spider.ufpa.br Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 27/05/2011 1.0 Criação da seção de instalação/configuração

Leia mais

GRS Gerador de Redes Sistêmicas. (outubro/2004)

GRS Gerador de Redes Sistêmicas. (outubro/2004) 116 APÊNDICE A MANUAL DO GRS Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ Departamento de Ciência da Computação DCC Instituto de Matemática IM / Núcleo de Computação Eletrônica NCE GRS Gerador de Redes

Leia mais

Suporte Técnico. A ZRCR Informática presta suporte técnico, via telefone, e-mail ou Skype diretamente aos usuários do E-GESTAOBELEZA

Suporte Técnico. A ZRCR Informática presta suporte técnico, via telefone, e-mail ou Skype diretamente aos usuários do E-GESTAOBELEZA Suporte Técnico A ZRCR Informática presta suporte técnico, via telefone, e-mail ou Skype diretamente aos usuários do E-GESTAOBELEZA Horário de Atendimento De segunda-feira à sexta-feira das 09:00 ás 19:00

Leia mais

Introdução: Objetivo:

Introdução: Objetivo: Introdução: O Sistema Comprev via web será disponibilizado para os Regimes Próprios no dia 03 de dezembro de 2012 e será composto pelos Módulos Comprev RO, Comprev RI (Internet). Para o acesso a esses

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Ciclo de Vida Clássico ou Convencional CICLOS DE VIDA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. Ciclo de Vida Clássico ou Convencional. Enfoque Incremental

Ciclo de Vida Clássico ou Convencional CICLOS DE VIDA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. Ciclo de Vida Clássico ou Convencional. Enfoque Incremental CICLOS DE VIDA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Elicitação Ciclo de Vida Clássico ou Convencional O Modelo Cascata Análise Ana Paula Terra Bacelo Blois Implementação Material Adaptado do Prof. Marcelo Yamaguti

Leia mais

Manual do usuário sobre o WebEx Meeting Center com as Salas de Reuniões de Colaboração (Nuvem CMR)

Manual do usuário sobre o WebEx Meeting Center com as Salas de Reuniões de Colaboração (Nuvem CMR) Manual do usuário sobre o WebEx Meeting Center com as Salas de Reuniões de Colaboração (Nuvem CMR) Primeira publicação: 2014 Última modificação: Americas Headquarters Cisco Systems, Inc. 170 West Tasman

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

Daruma NFCe Conheça todos os passos para testar a NFCe Daruma

Daruma NFCe Conheça todos os passos para testar a NFCe Daruma Pré-requisitos Mini Impressora Daruma versão 02.50.02 ou superior. Cadastro no servidor de Testes Daruma NFCe Conheça todos os passos para testar a NFCe Daruma Adquirir Mini Impressora a preço subsidiado

Leia mais

Lazarus pelo SVN Linux/Windows

Lazarus pelo SVN Linux/Windows Lazarus pelo SVN Linux/Windows Sei que não faltam artigos sobre como obter e compilar o Lazarus e o FPC pelo SVN, mas sei também que nunca é de mais divulgar um pouco mais e talvez escrever algo diferente.

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Guia do Usuário do Cisco Unified MeetingPlace para Outlook versão 7.1

Guia do Usuário do Cisco Unified MeetingPlace para Outlook versão 7.1 Guia do Usuário do Cisco Unified MeetingPlace para Outlook versão 7.1 Sede das Américas Cisco Systems, Inc. 170 West Tasman Drive San Jose, CA 95134-1706 EUA http://www.cisco.com Tel.: +1 408 526-4000

Leia mais

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing)

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Transforme suas comunicações mais lidas em participações multicanais altamente direcionadas que reduzem custos, aumentam a satisfação do cliente e geram

Leia mais

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta.

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. Prof. Júlio César S. Ramos P á g i n a 1 INTERNET OUTLOOK 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. A O Outlook Express permite criar grupo de pessoas

Leia mais

Manual de Utilização do Assistente do Certificado Digital Serasa Experian. Manual do Produto

Manual de Utilização do Assistente do Certificado Digital Serasa Experian. Manual do Produto Manual de Utilização do Assistente do Certificado Digital Serasa Experian Manual do Produto Índice Introdução - Assistente do Certificado Digital Serasa Experian 3 1. Verificação de Ambiente 4 2. Instalação

Leia mais

Guia do usuário do PrintMe Mobile 3.0

Guia do usuário do PrintMe Mobile 3.0 Guia do usuário do PrintMe Mobile 3.0 Visão geral do conteúdo Sobre o PrintMe Mobile Requisitos do sistema Impressão Solução de problemas Sobre o PrintMe Mobile O PrintMe Mobile é uma solução empresarial

Leia mais

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software 2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software A uso da abordagem de agentes de software 1 pode trazer benefícios a áreas de aplicação em que é necessário construir sistemas autônomos, ou seja,

Leia mais

NFe Nota Fiscal Eletronica

NFe Nota Fiscal Eletronica 1 NFe Nota Fiscal Eletronica Introdução O NFe Tron, apesar de ser um sistema complexo, possui um método simples de instalação, configurando todos os elementos necessários para o funcionamento básico do

Leia mais

O Processo de Engenharia de Requisitos

O Processo de Engenharia de Requisitos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo de Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 2o.

Leia mais

BAIXA E INSTALAÇÃO DO CERTIFICADO DIGITAL

BAIXA E INSTALAÇÃO DO CERTIFICADO DIGITAL BAIXA E INSTALAÇÃO DO CERTIFICADO DIGITAL A1 Sumário Orientações Iniciais... 3 1. Mozilla Firefox... 4 2. Acessando o sistema... 4 3. Baixando e Instalando um certificado Tipo A1... 5 4. Backup do certificado

Leia mais

Manual de uso do Borderô Credix

Manual de uso do Borderô Credix Manual de uso do Borderô Credix Após efetuar o download do aplicativo siga os passos para a instalação do sistema, ao final será criado um atalho na área de trabalho, como ilustra a figura 1. Figura 1

Leia mais

EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM

EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM Bacharel em Ciência da Computação, especialista em Gerência de Projetos e em Criptografia e Segurança da Informação. Servidora Publica. Atua na área acadêmica em cursos de Graduação

Leia mais

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 4.0 Março de 2015 Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho de equipe.

Leia mais

Atualizaça o do Playlist Digital

Atualizaça o do Playlist Digital Atualizaça o do Playlist Digital Prezados Clientes, Nós da Playlist Software Solutions empresa líder de mercado no desenvolvimento de software para automação de rádios - primamos pela qualidade de nossos

Leia mais

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 3.4 1º de julho de 2013 Novell Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

CERTIFICADO DIGITAL ARMAZENADO NO COMPUTADOR (A1) Manual do Usuário

CERTIFICADO DIGITAL ARMAZENADO NO COMPUTADOR (A1) Manual do Usuário Certificação Digital CERTIFICADO DIGITAL ARMAZENADO NO COMPUTADOR (A1) Manual do Usuário Guia CD-17 Público Índice 1. Pré-requisitos para a geração do certificado digital A1... 3 2. Glossário... 4 3. Configurando

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais