Sistema Multiagentes de Recomendação de Eventos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Multiagentes de Recomendação de Eventos"

Transcrição

1 Universidade Federal do Espírito Santo Inteligência Artificial Sistema Multiagentes de Recomendação de Eventos Grupo: André Gustavo Almeida Bernardo Gonçalves Marcel Damásio Rodolfo Gabri Vitória 2007/02

2 Sistema Multiagentes de Recomendação de Eventos Relatório Final apresentado como requisito para a conclusão da Disciplina Inteligência Artificial, ministrada aos alunos dos cursos de Ciência e Engenharia da Computação e do Mestrado em Informática da UFES, por Prof. Dr. Giancarlo Guizzardi e Prof a. Dra. Renata Silva Souza Guizzardi. Sistemas Multiagentes Análise e Projeto usando ARKnowD

3 1 Descrição do Problema Nos dias atuais, a divulgação de eventos ainda é realizada de uma maneira que alguém poderia considerar manual. Enquanto isso, com a possibilidade da Web Semântica, agentes computacionais poderiam então automatizar tal tarefa de maneira a aumentar a eficácia do serviço de divulgação. Esse serviço poderia ser contratado por um organizador de evento, solicitando que seu evento seja recomendado para pessoas potencialmente interessadas no mesmo. Como uma tentativa de tratar o problema citado, este trabalho propõe um sistema multiagentes de recomendação de eventos que se apóia no paradigma de programação orientado a agentes. Este sistema, o Agente Recomendador de Eventos (ARE), pressupõe que os organizadores de evento mantêm um website do mesmo, e que as pessoas-alvo do sistema mantêm websites pessoais e/ou possuem perfil definido em websites de redes sociais. O sistema, assim, mantém uma base de dados atualizada com perfis de pessoas e, para cada evento a ser divulgado, seleciona na base pessoas potencialmente interessadas e recomenda o evento para as mesmas. A Figura 1 apresenta uma visão geral do sistema ARE. Figura 1 Visão geral do sistema multiagentes de recomendação de eventos. Para modelar o domínio tratado, i.e., divulgação de eventos, e modelar o sistema ARE foi utilizada a metodologia ARKnowD, que combina as linguagens Tropos e AORML. Este documento é organizado como segue: a Seção 2 apresenta os requisitos iniciais do sistema expressos na linguagem Tropos; A Seção 3, por sua vez, apresenta os requisitos finais do sistema também expressos na linguagem Tropos; na Seção 4 é introduzido o projeto arquitetural ainda na linguagem Tropos; a Seção 5 então apresenta o projeto arquitetural detalhado se aproveitando do nível mais baixo de abstração da linguagem AORML; finalmente, a Seção 6 conclui este trabalho discutindo a experiência com a abordagem ARKnowD.

4 2 Requisitos Iniciais De acordo com a metodologia de Engenharia de Software com orientação a agentes Tropos, os requisitos iniciais atingem a necessidade de se modelar o universo de discurso onde será inserido o sistema multiagentes proposto. Neste sentido, o modelo de requisitos iniciais aqui apresentado (vide Figura 2) captura as relações de dependência entre os atores básicos deste domínio, isto é, o organizador de um evento, as pessoas-alvo, e o divulgador que faz a ligação entre os dois atores anteriores. Figura 2 Requisitos iniciais. O organizador tem o objetivo de realizar o evento e o desejo de ter seu evento o mais bem divulgado possível. As pessoas, de outro lado, gostariam de receber informações a respeito de eventos de potencial interesse e, portanto, descobrir esses eventos com o mínimo de esforço. A existência ou não de tal interesse pode ser inferida através da análise do perfil da pessoa. Tal perfil deve então ser composto por atributos com boa capacidade preditiva para a inferência citada. Vale ressaltar que a relevância do sistema ARE depende da eficácia na tarefa de recomendação de eventos apenas para pessoas que realmente teria interesse no mesmo. O divulgador deve então consolidar a relação entre organizador de evento e pessoas prestando assim o serviço de divulgação. O desafio do divulgador consiste em acertar quais seriam as pessoas que poderiam se interessar no evento a ser divulgado. Uma vez atingindo essas pessoas, ele pode então atraílas para eventos divulgados. Para divulgar o evento, o divulgador depende do organizador para obter informações do evento necessárias para a divulgação. Ao prestar esse serviço, o primeiro obtém do último a remuneração definida no contrato de prestação do serviço.

5 3 Requisitos Finais A partir dos requisitos iniciais, os requisitos finais incluem o sistema multiagentes proposto no domínio tratado. Assim, o sistema ou substitui a função de um ator humano (o caso deste trabalho) ou desempenha uma função até então inexistente no domínio. Dessa forma, o modelo apresentado na Figura 3 captura a relação do sistema ARE com o mundo externo, isto é, com os atores já introduzidos na definição dos requisitos iniciais. Figura 3 Requisitos finais. O sistema ARE assume objetivos dos atores pessoa e organizador, Receber informações de eventos e Divulgar evento, respectivamente. Em contrapartida, o ARE depende desses atores para obter os recursos Website pessoal e Perfil em site de relacionamento do ator pessoa, e Url do website do evento do ator organizador. Para atingir o objetivo Divulgar evento, o sistema ARE o decompõe em três objetivos (vide Figura 3) que são atingidos pelas tarefas (i) Extrair informações do website do evento, (ii) Extrair e armazenar informações de pessoa e (iii) Selecionar perfis baseado em evento. O objetivo Receber informações de eventos, do ponto de vista do ator pessoa é atingido pelo objetivo Recomendar eventos para as pessoas do ponto de vista do sistema. Este objetivo, por sua vez, é atingido pelas tarefas Enviar recomendação por e Enviar recomendação por SMS. Por fim, o objetivo Buscar pessoas com interesses em comum

6 constitui uma funcionalidade extra associada a agentes externos ao sistema. Ele, portanto, pode ser atingido através do objetivo de Contactar outros agentes. Embora essa funcionalidade tenha sido incorporada no modelo de requisitos finais, ela não será contemplada no projeto arquitetural. 4 Projeto Arquitetural No projeto arquitetural o sistema multiagentes ARE é decomposto em atores que representam os módulos do sistema. Conforme mostrado no diagrama de dependência estratégica da Figura 4, o ARE é composto dos atores Analisador de evento, Núcleo do sistema e Recomendador de evento. Figura 4 Projeto arquitetural de dependência estratégica. No diagrama de razão estratégica mostrado na Figura 5, o ator Núcleo do sistema é então decomposto nos atores Buscador de pessoas e Sintetizador de resultados.

7 Figura 5 Projeto arquitetural de razão estratégica. Conforme mostrado na Figura 5, o diagrama de razão estratégica apresenta uma visão interna do ator sistema ARE, fornecendo assim uma intuição do seu funcionamento. Ao organizador de evento contratar o serviço do sistema ARE, o ator Analisador de evento extrai informações do website do evento mantido pelo organizador. Enquanto isso, o ator Buscador de informações de pessoas extrai e armazena informações de pessoa a partir de ambos website pessoal e perfil em site de relacionamento. Ele então atualiza uma base de dados com os perfis das pessoas. Essa tarefa é realizada de tal forma a se aproveitar dos atributos de maior potencial de predição do perfil de uma pessoa. Assim, o ator Sintetizador de resultados, a partir de informações estruturadas do evento, varre a base de dados selecionando pessoas potencialmente interessadas no evento. Ao final dessa tarefa de seleção de perfis baseado em evento, o ator Sintetizador de resultados permite que o Recomendador de eventos envie a recomendação do evento para as pessoas selecionadas. Esse objetivo é atingido pela tarefa Enviar recomendação por e/ou Enviar recomendação por SMS. 5 Projeto Detalhado

8 A metodologia ARKnowD propõe o uso da linguagem AORML para modelagem do projeto detalhado do sistema a ser desenvolvido. Foram selecionados então algumas tarefas e atores capturados nos modelos Tropos para serem refinados através do uso de AORML. A seguir são apresentados diagramas AORML de agentes, de seqüência de interações (ISD), de padrão de interações (IPD), e de quadros de interações (IFD). 5.1 Diagramas de Agentes Os diagramas de agentes aqui apresentados representam (i) a transformação automática do modelo Tropos de projeto arquitetural para um esqueleto do diagrama de agentes AORML (vide Figura 6), e (ii) o diagrama de agentes AORML já completo explorando os construtores da linguagem AORML (vide Figura 7). Figura 6 Diagrama de agentes automático.

9 Figura 7 Diagrama de agentes completo. 5.2 Diagramas de Seqüência de Interações (ISD s) Seguindo o fluxo de execução do sistema, o agente humano Administrador do ARE insere através do agente artificial Analisador de eventos a url do evento a ser divulgado. Existem duas possíveis seqüências de interações para a execução de tal tarefa. No caso normal (vide Figura 8), a url do novo evento é inserida, as informações relevantes a respeito do evento são extraídas e um arquivo xml é gerado. O evento é então enviado ao agente Sintetizador de resultados, que responde com um ack. No caso de exceção (vide Figura 9), em contraste, após tentativas frustradas de acessar o website, o Analisador de eventos solicita ao Administrador uma confirmação da url do website.

10 Figura 8 ISD Extrair informações do website do evento (caso normal). Figura 9 ISD Extrair informações do website do evento (caso exceção).

11 Ao receber a mensagem EnviarEvento do agente Analisador de eventos, o agente Sintetizador de resultados define o perfil do evento a partir do arquivo evento.xml. Tal perfil engloba informações como data e local de realização, duração, artistas envolvidos, organizador, dentre outras. O Sintetizador de resultados então acessa e varre o banco de dados de perfis de pessoas selecionando perfis de pessoas que casem com o perfil do evento. Depois de realizadas essas tarefas, o Sintetizador de resultados envia uma mensagem para o Recomendador de eventos contendo o arquivo evento.xml juntamente com um arquivo ps.xml contendo os elementos (tags) de cada pessoa selecionada para o evento. A Figura 10 apresenta o ISD para o procedimento recém descrito. Figura 10 ISD Selecionar Perfis baseado em evento. Assim que o agente Recomendador de eventos recebe a mensagem RecomEvento do agente Sintetizador de resultados, cria-se um compromisso do primeiro para o segundo, que somente será eliminado através da mensagem InfoRecoms também do primeiro agente para o segundo, contendo dados de envio dos s (e.g., data/hora do envio). Para cumprir sua função, o Recomendador de eventos cria informação html para geração de cada . Os s são então enviados por broadcast através da mensagem recompor para os servidores de das pessoas. O agente recomendador ainda verifica com os servidores de se os s foram realmente enviados 1. No caso de sucesso (vide Figura 11), o Recomendador de eventos envia a mensagem InfoRecoms, com o 1 Essa checagem não envolve a verificação se os s foram recebidos, mas apenas se foram enviados.

12 parâmetro msg=dados_dos_ s, que elimina seu compromisso com o agente Sintetizador de resultados. No caso de exceção (vide Figura 12), o agente recomendador informa o sintetizador da ocorrência de erro (InfoRecoms com msg=erro_ ) e, portanto, da impossibilidade dos s terem sido enviados. Figura 11 ISD Enviar Recomendação por (caso normal). Figura 12 ISD Enviar Recomendação por (caso exceção).

13 5.3 Diagramas de Quadros de Interações (IFD s) O diagrama de quadro de interações sintetiza todas as interações entre dois agentes. A seguir a Figura 13 e a Figura 14 apresentam os IFD s para as interações entre os agentes Analisador de eventos e Sintetizador de resultados, bem como entre este último e o agente Recomendador de eventos, respectivamente. Figura 13 IFD das interações entre Analisador de eventos e Sintetizador de resultados. Figura 14 IFD das interações entre Sintetizador de resultados e Recomendador de eventos. 5.4 Diagramas de Padrão de Interações (IPD s) O diagrama de padrão de interações modela o comportamento interno de um determinado agente, representando as regras que definem o comportamento reativo desse agente.

14 No diagrama mostrado na Figura 15 é apresentado o comportamento interno do Analisador de eventos. Ao receber a url do website do evento inserida pelo agente Administrador, o Analisador de eventos envia informações estruturadas do evento ao Sintetizador de resultados crendo na existência de tal website, mantido pelo agente Organizador. Figura 15 IPD Analisador de eventos. A Figura 16, por sua vez, exibe o IPD do agente Sintetizador de resultados. Ao receber um novo evento enviado pelo Analisador de eventos, aquele envia para o Recomendador de eventos o evento recebido e as pessoas que são potencialmente interessadas no mesmo. Figura 16 IPD Sintetizador de resultados.

15 Por fim, a Figura 17 mostra o IPD do agente Recomendador de eventos. Este agente realiza a recomendação do evento em questão para as pessoas selecionadas pelo Sintetizador de resultados. O agente de recomendação crê na existência dos objetos Mensagem de resposta do servidor e Informações do evento em html. Figura 17 IPD Recomendador de eventos.

16 6 Avaliação da Experiência 6.1 Uso da Metodologia ARKnowD (Tropos+AORML) A metodologia ARKnowD contempla as fases de análise (incluindo engenharia de requisitos) e projeto de software orientado a agentes. A inclusão de conceitos como agentes, objetivos, crenças e outros já nessas fases do desenvolvimento por certo contribui no sentido de forçar o desenvolvedor a pensar em tais conceitos. Assim, os sistemas desenvolvidos atingiriam o knowledge level proposto por Allen Newell. A experiência que vivenciamos, no entanto, ficou um pouco prejudicada por não termos tido chance de verificar/comprovar tais benefícios na fase de codificação. Talvez por conta ainda de um baixo grau de amadurecimento das linguagens utilizadas (Tropos e AORML), fica uma impressão de que há um pouco de ruído no meio de primitivas de linguagem, de fato, relevantes. As seguir são discutidas as linguagens Tropos, AORML, bem como a combinação das duas linguagens Tropos A linguagem Tropos parece 2 possuir um grau razoável de ambigüidade. Seja em função de sobrecargas como delegação e dependência na mesma primitiva de linguagem, seja pela falta de critérios mais objetivos para definição de objetivos, sub-objetivos, planos, etc, sentimos dificuldade ou mesmo, em alguns momentos, desestímulo na modelagem de requisitos iniciais e finais. Uma outra questão que ficou para nós é: até que ponto é válido a modelagem de uma organização inteira para somente depois inserir o sistema? Achamos válido sim a inserção de alguns atores em determinados contextos, mas em outras situações achamos que isso gera um overhead desnecessário. A nossa opinião é de que é necessária uma boa dose de bom senso para medir o quê vale a pena ser modelado em requisitos iniciais e finais AORML A linguagem AORML nos proporcionou uma maior convicção no sentido dos objetos de captura/modelagem serem claramente relevantes para o processo de desenvolvimento. Por outro lado, acreditamos que a sintaxe da linguagem tem muito a melhorar. Tal sintaxe é demasiadamente complicada. Não obstante haver muitas primitivas de linguagem distintas, a morfologia dos construtores da linguagem é muito parecida (e.g., mudar a linha de tracejada para tracejada com bolinhas para denotar um conceito diferente), confundindo assim, a absorção dos elementos da linguagem. À parte a questão da sintaxe, ficamos muitas vezes questionando se algumas aplicações da linguagem (e.g., um determinado diagrama) seriam realmente adequadas ainda em fase de projeto, não por achar irrelevante, mas talvez por 2 Considerando que nossa experiência com a linguagem limita-se a uma experiência de desenvolvimento, não nos sentimos à vontade para afirmar nossas opiniões com a mesma convicção de uma experiência de pesquisa, i.e., de maior profundidade, por exemplo, confrontando várias linguagens. O mesmo vale para AORML.

17 serem de baixo nível de abstração. Esse tipo de dúvida, porém, em geral se mostrou impertinente à medida em que avançava o amadurecimento a respeito do sistema e da importância de descrevê-lo com precisão Tropos + AORML A transformação de Tropos para AORML foi suave, e não causou muito impacto nos modelos Tropos. As mudanças que foram se fazendo necessárias nos modelos Tropos denotaram, de fato, questões pertinentes que passaram despercebidas na modelagem Tropos. Mesmo assim, acreditamos que um maior amadurecimento da metodologia ARKnowD, por exemplo, gerando uma linguagem única, permitiria um desenvolvimento com mais qualidade. Acreditamos que tal amadurecimento envolve necessariamente um amadurecimento das duas linguagens utilizadas bem como uma evolução no entendimento das questões que elas se propõem a tratar, independentemente de linguagem. 6.2 Uso das Ferramentas de Modelagem A) TAOM4E Primeiramente, vale ressaltar que encontramos dificuldade em instalar o plugin TAOM4E no ambiente Eclipse utilizando o procedimento descrito no site dos desenvolvedores. Conseguimos finalmente instalar o plugin corretamente através do seu download diretamente pelo Eclipse. Tivemos problema ao salvar os modelos tropos. A ferramenta não salva os modelos tropos corretamente. Para salvar com segurança, tivemos de criar um novo modelo, copiar o conteúdo do modelo atualizado para o novo e então renomear o novo modelo. Esta foi a maneira que encontramos para sanar o problema. No mais, a ferramenta TAOM4E apresenta estabilidade e permitiu um desenvolvimento eficaz dos modelos. B) MS Visio com Template AORML O MS Visio é uma boa ferramenta, sobretudo por permitir a modificação do template de maneira ágil e fácil. No entanto, o MS Visio apresenta bugs graves relacionados à modificação do conteúdo textual dos elementos de desenho. Tais bugs tornaram o desenvolvimento de diagramas AORML um transtorno na medida em que ISD s, IFD s e IPD s constituem diagramas refinados e que exigem modificações com alguma freqüência. Somente na fase final do desenvolvimento, conseguimos descobrir a causa dos bugs: a tentativa do Visio de corrigir idioma. Para haver estabilidade, é necessário desativar a opção Verificar ortografia ao digitar no menu Ferramentas -> Opções - > Ortografia. Uma vez resolvido esse problema, o MS Visio oferece apoio apropriado ao desenvolvimento de diagramas AORML.

Agenda Semântica. Grupo: Francisco Rodrigues Júnior Guilherme Daher Ferreira Luana Vieira Morellato Renan Rigo

Agenda Semântica. Grupo: Francisco Rodrigues Júnior Guilherme Daher Ferreira Luana Vieira Morellato Renan Rigo Universidade Federal do Espírito Santo Inteligência Artificial Agenda Semântica Grupo: Francisco Rodrigues Júnior Guilherme Daher Ferreira Luana Vieira Morellato Renan Rigo Vitória 2007/02 Agenda Semântica

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Inteligência Artificial Profinder Vitória 2007/02

Universidade Federal do Espírito Santo Inteligência Artificial Profinder Vitória 2007/02 Universidade Federal do Espírito Santo Inteligência Artificial Profinder Grupo: Carlos Frederico S. da F. Mendes Diego Barcelos Rodrigues Diego Rocha Tristão João Olavo Baião de Vasconcelos Vitória 2007/02

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Área de Administração

Área de Administração Área de Administração versão 1.1 Partir de 2012/01/14 aplica-se para a versão phpcontact 1.2.x www.phpcontact.net Geral A área de administração é utilizado para uma fácil configuração do software elaboraçao

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado)

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) SISTEMA INTERNO INTEGRADO PARA CONTROLE DE TAREFAS INTERNAS DE UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver

Leia mais

Conceitos de extensões Joomla!

Conceitos de extensões Joomla! capítulo 1 Conceitos de extensões Joomla! Entendendo o que é extensão Extensão pode ser entendida como uma pequena aplicação desenvolvida com regras de construção estabelecidas pelo ambiente Joomla!. É

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel Ambiente de Desenvolvimento Orientação a Objetos É uma técnica de desenvolvimento de softwares que consiste em representar os elementos do mundo

Leia mais

Introdução. Nesta guia você aprenderá:

Introdução. Nesta guia você aprenderá: 1 Introdução A criação de uma lista é a primeira coisa que devemos saber no emailmanager. Portanto, esta guia tem por objetivo disponibilizar as principais informações sobre o gerenciamento de contatos.

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

WEB OF KNOWLEDGE NOTAS DA VERSÃO v5.11

WEB OF KNOWLEDGE NOTAS DA VERSÃO v5.11 WEB OF KNOWLEDGE NOTAS DA VERSÃO v5.11 Os recursos a seguir são planejados para a Web of Knowledge em 28 de julho de 2013. Este documento fornece informações sobre cada um dos recursos incluídos nessa

Leia mais

Manual do Instar Mail Sumário

Manual do Instar Mail Sumário Manual do Instar Mail Sumário 1 - Apresentação do sistema... 2 2 - Menu cliente... 2 3 - Menu Importação... 5 4 - Menu Campanhas... 9 5 - Menu banco de arquivos... 16 6 - Menu agendamento... 16 7 - Menu

Leia mais

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2.

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. 1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. Editando um Artigo 4.3. Excluindo um Artigo 4.4. Publicar

Leia mais

4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS

4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS Sphinx APRENDIZ - p.94 4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS Depois de o questionário estar pronto, seus formulários definidos e as respostas coletadas ou prontas a coletar/importar, é possível

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Trabalho 1 Modelagem Estática do Sistema ViajarFácil.com.br Disciplina: INF318 - Modelagem Orientada a Objetos e Projeto Arquitetural Profa. Dra. Cecília M. F. Rubira Equipe 5 Jeniffer

Leia mais

Introdução. Capítulo 1

Introdução. Capítulo 1 Capítulo 1 Introdução Em computação, muitos problemas são resolvidos por meio da escrita de um algoritmo que especifica, passo a passo, como resolver um problema. No entanto, não é fácil escrever um programa

Leia mais

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing)

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Transforme suas comunicações mais lidas em participações multicanais altamente direcionadas que reduzem custos, aumentam a satisfação do cliente e geram

Leia mais

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software 2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software A uso da abordagem de agentes de software 1 pode trazer benefícios a áreas de aplicação em que é necessário construir sistemas autônomos, ou seja,

Leia mais

Política de uso de dados

Política de uso de dados Política de uso de dados A política de dados ajudará você a entender como funciona as informações completadas na sua área Minhas Festas. I. Informações que recebemos e como são usadas Suas informações

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO COLÉGIO ESTADUAL DE PARANAVAÍ ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DISCIPLINA: INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB 1º MÓDULO SUBSEQUENTE MECANISMOS

Leia mais

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta.

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. Prof. Júlio César S. Ramos P á g i n a 1 INTERNET OUTLOOK 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. A O Outlook Express permite criar grupo de pessoas

Leia mais

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO Análise do professor: Parâmetros para avaliação Ao navegar por Web sites é importante observar alguns tópicos para determinar se um site é bom ou não. Navegação, design, conteúdo, velocidade de acesso,

Leia mais

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Capítulo 1 Processo de Desenvolvimento de Software Metodologia de Desenvolvimento de Software Uma metodologia é um conjunto de métodos,

Leia mais

Notas de Aula 05: Aplicação de um caso de uso

Notas de Aula 05: Aplicação de um caso de uso Notas de Aula 05: Aplicação de um caso de uso Objetivos da aula: Aprender a aplicar a técnica de casos de uso em um pequeno problema real Identificar as variáveis relevantes a serem consideradas Modelar

Leia mais

Manual do Usuário GEFRE

Manual do Usuário GEFRE Manual do Usuário GEFRE Gestão de Frequência - Versão 1.2 Março, 2015 Página 1 de 84 Sumário Sumário... 2 Objetivo deste Manual do Usuário... 5 1. Instalação do GEFRE... 7 1.1. Configuração Mínima Recomendada...

Leia mais

GRS Gerador de Redes Sistêmicas. (outubro/2004)

GRS Gerador de Redes Sistêmicas. (outubro/2004) 116 APÊNDICE A MANUAL DO GRS Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ Departamento de Ciência da Computação DCC Instituto de Matemática IM / Núcleo de Computação Eletrônica NCE GRS Gerador de Redes

Leia mais

GABARITO - B. manuel@carioca.br

GABARITO - B. manuel@carioca.br NOÇÕES DE INFORMÁTICA EDITORA FERREIRA PROVA MPRJ -TÉCNICO ADMINISTRATIVO - TADM NCE-UFRJ CORREÇÃO - GABARITO COMENTADO Considere que as questões a seguir referem-se a computadores com uma instalação padrão

Leia mais

Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar

Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar seg, 21/01/13 por Altieres Rohr Segurança Digital Se você tem alguma dúvida sobre segurança da informação (antivírus, invasões, cibercrime,

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

Notas de Versão. Versão 6.0 SP1

Notas de Versão. Versão 6.0 SP1 Notas de Versão Versão 6.0 SP1 2013 Pitney Bowes Software Inc. Todos os direitos reservados. Esse documento pode conter informações confidenciais ou protegidas por direitos autorais pertencentes à Pitney

Leia mais

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado)

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Índice Instruções de Instalação....... 1 Requisitos do sistema........... 1 Código de autorização.......... 1 Instalando...............

Leia mais

Introdução aos Projectos

Introdução aos Projectos Introdução aos Projectos Categoria Novos Usuários Tempo necessário 20 minutos Arquivo Tutorial Usado Iniciar um novo arquivo de projeto Este exercício explica a finalidade ea função do arquivo de projeto

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Manual da Turma Virtual: MATERIAIS. Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo:

Manual da Turma Virtual: MATERIAIS. Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo: Manual da Turma Virtual: MATERIAIS Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo: MENU TURMA VIRTUAL MENU MATERIAIS CONTEÚDO/PÁGINA WEB Esta operação possibilita que

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Software Web para: Empresas, Governo, Organizações, Entidades de Classe, Sindicatos, ONG's e Profissionais Liberais

Software Web para: Empresas, Governo, Organizações, Entidades de Classe, Sindicatos, ONG's e Profissionais Liberais MANUAL DO USUÁRIO BITÁVEL GERENCIADOR ONLINE DE NEWSLETTERS (GOLNEWS) Software Web para: Empresas, Governo, Organizações, Entidades de Classe, Sindicatos, ONG's e Profissionais Liberais Versão 1.0 1 Índice

Leia mais

MÓDULO DE NOTA FISCAL ELETRONICA

MÓDULO DE NOTA FISCAL ELETRONICA MANUAL DO SISTEMA Versão 6.08 Introdução... 2 Requisitos para Utilização do Módulo NF-e... 2 Termo de Responsabilidade... 2 Certificados... 2 Criação de Séries... 2 Framework... 3 Teste de Comunicação...

Leia mais

Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1

Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1 Guia de uso do Correio Eletrônico Versão 1.1 Índice Introdução ao Serviço de E-mail O que é um servidor de E-mail 3 Porque estamos migrando nosso serviço de correio eletrônico? 3 Vantagens de utilização

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

SMS Corporativo Manual do Usuário

SMS Corporativo Manual do Usuário NEXTEL SMS Corporativo Manual do Usuário Conteúdo 2 CAPÍTU LO 1 Introdução 3 CAPÍTU LO 2 Funcionalidades 1 Copyright Curupira S/A TakeNET INTRODUÇÃO A FERRAMENTA O SMS Corporativo é um serviço criado para

Leia mais

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB!

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! 7 a e 8 a SÉRIES / ENSINO MÉDIO 15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! Sua home page para publicar na Internet SOFTWARES NECESSÁRIOS: MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT PUBLISHER 2000 SOFTWARE OPCIONAL: INTERNET EXPLORER

Leia mais

Mídia Brasil Online Manual do Usuário

Mídia Brasil Online Manual do Usuário 1) Menu Principal O Menu Principal se estende no topo da tela do MBO, apresentando as seguintes opções: Clicar sobre cada uma dessas opções permite o acesso às diferentes seções do site. 2) Funções do

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO DO SCANNER HP 8250 PARA DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS EM PDF

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO DO SCANNER HP 8250 PARA DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS EM PDF MANUAL DE CONFIGURAÇÃO DO SCANNER HP 8250 PARA DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS EM PDF O módulo de atualização do software HP Director está disponível para Download no site da, no endereço http://www.jfrs.gov.br/sjrs/smaadm,

Leia mais

Exportação do Certificado Digital

Exportação do Certificado Digital Exportação do Certificado Digital 1) Abra o Internet Explorer, clique em Ferramentas e a seguir em Opções da Internet: 2) Selecione a aba Conteúdo, clique no botão Certificados: Todos os direitos reservados.

Leia mais

Certificado Digital A1

Certificado Digital A1 Certificado Digital A1 Geração Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. - 2012 Página 1 de 41 Pré-requisitos para a geração Dispositivos de Certificação Digital Para que o processo

Leia mais

MANUAL VERSÃO 2.13 1

MANUAL VERSÃO 2.13 1 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. O QUE É O EOL?... 3 2. ACESSANDO O EOL... 3 3. TELA INICIAL... 4 4. EXAMES ADMISSIONAIS... 4 5. MUDANÇA DE FUNÇÃO... 6 6. EXAMES DEMISSIONAL E RETORNO AO TRABALHO... 7 7. EXAMES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Cetac - Centro de Ensino e Treinamento em Anatomia e Cirurgia Veterinária Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com.

Cetac - Centro de Ensino e Treinamento em Anatomia e Cirurgia Veterinária Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com. Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com.br SÃO PAULO - SP SUMÁRIO Introdução... 3 Autenticação no sistema administrativo... 4 Apresentação do sistema administrativo... 5 Gerenciamento

Leia mais

Guia de início rápido do Powersuite

Guia de início rápido do Powersuite 2013 Ajuste e cuide do desempenho de seu computador com um aplicativo poderoso e ágil. Baixando e instalando o Powersuite É fácil baixar e instalar o Powersuite geralmente, demora menos de um minuto. Para

Leia mais

Desenvolvendo Websites com Joomla. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br

Desenvolvendo Websites com Joomla. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br Desenvolvendo Websites com Joomla Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br Currículo Meu nome: Breno Leonardo G. de M. Araújo Formação: Bacharel em Sistemas de

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS

INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS 1) Clique duas vezes no arquivo ControlGasSetup.exe. Será exibida a tela de boas vindas do instalador: 2) Clique em avançar e aparecerá a tela a seguir: Manual de Instalação

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização TRANSMISSOR ECF Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista Manual de Utilização 1. Histórico de alterações Data Versão Alteração 04/12/2012 1 Criação do documento 28/02/2013 2 Revisão 2. Proposta

Leia mais

Como gerar arquivos para Sphinx Operador

Como gerar arquivos para Sphinx Operador Como gerar arquivos para Sphinx Operador Pré-requisitos: Lista das questões Formulário multimídia Visões O Sphinx Operador é um sistema específico para digitação de respostas e visualização de resultados

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS 1/38 DOCUMENTO DE REQUISITOS GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Versão 1.1 Identificação do Projeto CLIENTE: NOME DO CLIENTE TIPO DO SISTEMA OU PROJETO Participantes Função Email Abilio Patrocinador

Leia mais

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Arilo Cláudio Dias Neto ariloclaudio@gmail.com É Bacharel em Ciência da Computação formado na Universidade Federal do Amazonas, Mestre em Engenharia de Sistemas

Leia mais

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Guia do usuário

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Guia do usuário BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1 Guia do usuário Publicado: 09/01/2014 SWD-20140109134951622 Conteúdo 1 Primeiros passos... 7 Sobre os planos de serviço de mensagens oferecidos para o BlackBerry

Leia mais

Projeto de Software Social. ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica

Projeto de Software Social. ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica 1 Projeto de Software Social ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica Autores: Carlos Alberto Meier Basso Késsia Rita da Costa Marchi Marcelo Rafael Borth Orientador: Prof. Dr. Sérgio

Leia mais

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Antes de iniciar o tutorial, baixar os seguintes arquivos da página do Prof. Wilson: Plataforma reutilizável: http://homepages.dcc.ufmg.br/~wilson/praxis/3.0/praxis.zip

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Renan Sales Barros 1, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1 1 Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais (ICEN)

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal)

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Acessando o Sistema Para acessar a interface de colaboração de conteúdo, entre no endereço http://paginapessoal.utfpr.edu.br. No formulário

Leia mais

Office 365 Manual Outlook 365 Web Application

Office 365 Manual Outlook 365 Web Application Office 365 Manual Outlook 365 Web Application Requisitos para usar o Office 365: Ter instalado pelo menos a versão 7 do Internet Explorer, Mozilla Firefox 15, Google Chrome 21 ou Safari no Mac. O que é

Leia mais

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter Software de Compras Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter OutBuyCenter Software para o gerenciamento de compras integradas (eprocurement e supply chain), objetiva a rápida tramitação de compras

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES WEB UTILIZANDO A FERRAMENTA WEBSCHARTS

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES WEB UTILIZANDO A FERRAMENTA WEBSCHARTS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA DESENVOLVENDO APLICAÇÕES WEB UTILIZANDO A FERRAMENTA WEBSCHARTS LÍCIO SÉRGIO FERRAZ DE BRITO MARCELO AUGUSTO SANTOS TURINE

Leia mais

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Notas de Aula Ulrich Schiel Notas de Aula Ariadne

Leia mais

Módulo GerenciaNet para WHMCS

Módulo GerenciaNet para WHMCS Módulo GerenciaNet para WHMCS ÍNDICE SOBRE... 2 PRINCIPAIS FUNCIONALIDADES... 2 REQUISITOS... 2 INSTALAÇÃO... 2 CONFIGURAÇÃO INICIAL... 3 CONFIGURAÇÕES DIVERSAS... 4 Campos Customizáveis... 4 Limite...

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Desenvolvido por Fábrica de Software Coordenação de Tecnologia da Informação Pág 1/22 Módulo: 1 Responsável: Desenvolvimento Ti Data: 01/11/2012 Versão: 1.0 Empresa:

Leia mais

Manual de Instrução. Download de Imagens para Encartes dos Produtos GIRANDO SOL

Manual de Instrução. Download de Imagens para Encartes dos Produtos GIRANDO SOL Manual de Instrução Download de Imagens para Encartes dos Produtos GIRANDO SOL Apresentação A Girandosol disponibiliza um Manual de Instrução para download de arquivos da nossa linha de produtos, visando

Leia mais

EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM

EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM EMANNUELLE GOUVEIA ROLIM Bacharel em Ciência da Computação, especialista em Gerência de Projetos e em Criptografia e Segurança da Informação. Servidora Publica. Atua na área acadêmica em cursos de Graduação

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Gerência de Informática Repositório de Documentos do GHC Manual de Administração Versão 1.1 Novembro de 2015 Repositório de Documentos do GHC Manual de Administração Índice 1 Acesso ao Sistema...3 2 Adicionar

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 27 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 27-26/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

gsd - Service Desk Manual do Usuário versão 1

gsd - Service Desk Manual do Usuário versão 1 gsd - Service Desk Manual do Usuário versão 1 Sumário Introdução 1 Conceitos iniciais 2 Perfis de utilização 2 Parametrização do aplicativo - configuração 2 Prazo de atendimento 2 Prazo de conclusão 3

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

Manual de AraWord 1.0.5

Manual de AraWord 1.0.5 Manual de AraWord 1.0.5 ÍNDICE DE CONTENIDOS. Página 1. Introdução.... 1 2. Instalação e atualização do banco de dados dos pictogramas 2 3. Menu Arquivo 5 4. Menu Edição 7 5. Menu de Texto 8 6. Menu Pictogramas.

Leia mais

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS O CSF Designer Intuition TM da FIS ajuda organizações que lidam com o cliente a criar, de forma instantânea e interativa, documentos comerciais respeitando as regulações vigentes,

Leia mais

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Luís Miguel Botelho Departamento de Ciências e Tecnologias

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 3.4 1º de julho de 2013 Novell Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

11 - Q34826 ( FCC - 2010 - DPE - SP - Oficial de Defensoria Pública / Noções de Informática / Internet e intranet; )

11 - Q34826 ( FCC - 2010 - DPE - SP - Oficial de Defensoria Pública / Noções de Informática / Internet e intranet; ) 11 - Q34826 ( FCC - 2010 - DPE - SP - Oficial de Defensoria Pública / Noções de Informática / Internet e intranet; ) Algumas Regras Gerais de Uso do Computador I. Sempre feche todas as aplicações abertas

Leia mais

Curso de Licenciatura em Informática

Curso de Licenciatura em Informática Curso de Licenciatura em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIOS SOBRE MODELAGEM DE CASOS DE USO Exercício 1: construa um Diagrama de Casos de

Leia mais

Permissão de Usuários

Permissão de Usuários Permissão de Usuários 1 Conteúdo 1. Propósito 3 2. Permissão de Usuários PrefGest 4 3. Permissão de Usuário para PrefCad 10 2 1. Propósito Este documento destina-se a explicar a ação para liberar permissões

Leia mais

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 -

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 - GUIA RÁPIDO - 1 - Sumário Introdução...3 Por que utilizar o Construtor de Sites?...3 Vantagens do Construtor de Sites...3 Conceitos básicos...3 Configuração básica do site...5 Definindo o layout/template

Leia mais

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Versão 5.0.2 PDF-SERVER5-A-Rev2_PT Copyright 2013 Avigilon. Todos os direitos reservados. A informação apresentada está sujeita a alteração sem aviso

Leia mais

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS OFICINA BLOG DAS ESCOLAS Créditos: Márcio Corrente Gonçalves Mônica Norris Ribeiro Março 2010 1 ACESSANDO O BLOG Blog das Escolas MANUAL DO ADMINISTRADOR Para acessar o blog da sua escola, acesse o endereço

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues

natureza do projeto e da aplicação métodos e ferramentas a serem usados controles e produtos que precisam ser entregues Modelo De Desenvolvimento De Software É uma representação abstrata do processo de desenvolvimento que define como as etapas relativas ao desenvolvimento de software serão conduzidas e interrelacionadas

Leia mais

Guia de Inicialização para o Windows

Guia de Inicialização para o Windows Intralinks VIA Versão 2.0 Guia de Inicialização para o Windows Suporte 24/7/365 da Intralinks EUA: +1 212 543 7800 Reino Unido: +44 (0) 20 7623 8500 Consulte a página de logon da Intralinks para obter

Leia mais