ELSA MUN. M o d e l U n i t e d N a t i o n s. Simulação da Assembleia Geral das Nações Unidas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELSA MUN. M o d e l U n i t e d N a t i o n s. http://elsamun2006.com.sapo.pt. Simulação da Assembleia Geral das Nações Unidas"

Transcrição

1 ELSA MUN M o d e l U n i t e d N a t i o n s Simulação da Assembleia Geral das Nações Unidas Regras de Procedimentos 2006

2 Aos delegados, Nesta conferência, terá a oportunidade de: Falar em público Encontrar-se com pessoas Aprender coisas sobre outros países Discutir os problemas mundiais Resolver problemas em grupo Ouvir os outros. Como Funciona? Cada grupo sugerirá quais os países que gostaríam de representar. Delegações de 2 pessoas fazem pesquisa e formulam uma resolução (ver exemplo) sobre o Comité atribuído. Cada delegação deverá preparar um Discurso de Abertura a apresentar à Assembleia Geral. Como se preparar? Veja as notícias: Todas as questões debatidas são sobre temas actuais. Leia a secção Internacional nos Jornais. Utilize a Internet. Aqui vão algumas sugestões: (Nações Unidas, em cyberschool bus ) (The Hague International Model United Nations) (sobre nações) (World Trade Organization) (Parlamento Europeu) (Iberian Model United Nations) etc..

3 Durante a Conferência ELSAMUN 2006 Regras de Procedimento Lobbying: você se encontra com os delegados representantes dos outros países em conversa informal. O seu objectivo é reunir apoio para a sua resolução (cada delegado deverá trazer, por exemplo, 10 cópias da sua resolução) através de assinaturas (mínimo de 7 e máximo de 10 assinaturas). Poderá também juntar a sua resolução com outra resolução, ou, caso apenas assine outra resolução, abdicará da sua. Os delegados deverão ter em conta que, à procura da melhor solução para o problema está em apoiar uma melhor resolução. Assembleia Geral Discursos de Abertura: A cada país é dado 1 (um) minuto para fazer o seu discurso à Assembleia Geral. Assembleia Geral: debate formal das resoluções. Deverá representar o seu país a discursar, a fazer perguntas e a votar de acordo com o que achar melhor. Exemplo de uma Resolução 7 th Committee: Economic Development The Question of economic cooperation between nations Submitted by: Tunisia and Italy Co-submitted by: The General Assembly, (1) Keeping in mind that peace and stability are essential to trade and development in (2) a country, (3) Taking into account the negative effects upon the worldwide economy (4) of September 11 attacks, (5) Recalling that determined countries, such as Madagascar, Sudan, Somalia, Mozambique (6) or Rwanda, have an astronomic international debt that their economies cannot sustain (7) Emphasising the decisive paper of the intervention of organisations like European Union, (8) NAFTA or MERCOSUL, in the economies of some States, (9) Acknowledging that the worldwide trade is more and more dominated by three (10) commercial blocks, European Union, ASEAN and NAFTA, that supplement (11) commercial blocks of a colonialist heritage like the Commonwealth, (12) Aware of governmental crises, like the case of Argentina, that puts the economy of a (13) State and its neighbours in jeopardy and can have a worldwide effect,

4 (14) Welcoming the measures taken by Hong Kong, Taiwan, Singapore and South (15) Korea to strengthen their economies and their integration into the worldwide economy, (16) Follow the example of European Union in what concern the scheme of preferential (17) access to everything except weapons to less developed Nations, (18) Emphasising the fact that tourism employs actually more than 127 millions employees (19) all over the world and is one of the most lucrative activities, (20) Noting with appreciation the desire of the European Union and G-7 to consolidate (21) and develop the existing ties with the United Nations to cooperate in every possible (22) ways with the World Bank and with the International Monetary Found, (23) Aware of the vital importance for all countries to achieve a fair, comprehensive and (24) lasting solution to the Middle East conflict, the question of Palestine, the question of (25) Afghanistan, the question of Cyprus, the question of Balkans, among others, (26) 1. Encourages: (27) a) the elimination of the stockade of trade; (28) b) the reformulation of the worldwide trade system, that could improve the (29) negatives effects in the economies of developing nations due to (30) September 11 attacks and that could accelerate the increase at medium (31) date and reduce poverty in the World, (32) 2. Remind that developed nations must be willing to submit the agriculture and (33) textiles to negotiation because these are products produced by less developed (34) countries, (35) 3. Endorses the rich countries to: (36) a) open their inlands trades to developing nations; (37) b) to reduce or to end duties to agricultural and textiles products that (38) come from developing or poor nations, (39) 4. Further recommends that the USA, Canada, Australia and Japan adopt the same (40) programme as the EU, the scheme of preferential access to everything except (41) weapons, and that this programme would be extended to all developing nations, so (42) they could benefit of the international trade, (43) 5. Transmits the idea that the creation of free commercial zones brings to the (44) State members positive advances, as it happens in the European Union: (45) a) the development of Portugal, Spain, Greece and Ireland and their (46) economies (47) b) establishment of peace; (48) c) the creation of a new strong currency; (49) d) the creation of measures to abolish the differences among the State (50) members (51) 6. Remind that: (52) a) advances in internal and international transports, telecommunications and (53) information technology, among others; (54) b) the development and improvement of cooperation between the national (55) tourism with public and private sectors, to profit with: (56) i) the diversity of peoples, cultures, (57) lifestyle, religions and culinary experiences; (58) ii) the historical heritage, (59) Will definitely benefit from the increasing affluence of people and strong economic (60) growth,

5 (61) 7. Calls upon the need of reduce or to end the debts of some countries following the (62) next example: (63) a) for countries with an international debt between 70 to 90% of its Gross (64) Domestic Product (GDP), the International Monetary Found (IMF) and/or (65) others creditors must reduce 55% of the debt; (66) b) for countries with an international debt between 90 to 100% of its GDP, (67) the IMF and/or others creditors must reduce75% of the debt; (68) c) for countries with an international debt higher than 100% of its GDP, the (69) IMF and/or others creditors must reduce 95% of the debt, (70) 8. Congratulates World Trade Organization for accepting China as a member and draws (71) the attention to the end or begin dialogues with new States as Bosnia and (72) Herzegovina, Cape Verde, Russian Federation, Sao Tome and Principe, Yugoslavia, (73) Saudi Arabia or Ethiopia, among others, (74) 9. Considers that the European Central Bank, Inter-American Development Bank, IMF, (75) OSCE and World Bank should co-operate to create measures to facilitate the (76) evolution of trade in to the most poor nations of Africa, Asia, Latin and Central (77) America, (78) 10. Supports the importance of developing electronic commerce by: (79) a) encouraging technical cooperation in the development of information (80) technology; (81) b) accelerating the investment on electronic transfers among countries.

6 Regras Delegações: Apenas dois delegados podem constituir uma delegação; Haverá um embaixador para cada delegação. Será este que fará o discurso de abertura ou poderá será chamado a resolver alguma questão ou dúvida sobre o seu país. Lobbying e Aprovação das Resoluções: O(s) signatário(s) de uma resolução é(são) aquele(s) que escreveu(escreveram) a resolução e os co-signatários são aqueles que o(s) apoiam, assinando a resolução; Cada resolução deverá ser apoiada por, pelo menos, 7 delegações apesar de se recomendar mais do que este mínimo; Cada delegação poderá apenas apoiar ou ser autora de apenas uma delegação a cada tópico da agenda; Um máximo de três autores poderá apresentar a sua resolução ao Painel de Aprovação; As Resoluções deverão ser apresentadas ao Painel de Aprovação pronta a debater p. Ex.: - Ela está no formato correcto, tanto em termos esquemáticos como em termos linguísticos usados, Duas cópias da sua resolução deverão ser entregues ao Painel de Aprovação,corrigidas e no formato obrigatório : O Painel de Aprovação irá ler a resolução cuidadosamente para garantir que se encontra de acordo com o critério obrigatório (ex. O formato, a linguagem..) ex., é compreensível? No entanto, eles não poderão interfirir no conteúdo da resolução a não ser que hajam problemas causados com contravenções da Carta da O.N.U. Eles poderão trabalhar as cláusulas mas nunca alterar o sentido das cláusulas nem das resoluções; As Resoluções serão Aprovadas (ex. Ela está pronta a ir a Debate na Assembleia Geral) ou Reprovadas (ex. Há problemas, o que significa que terá de ser trabalhada antes de ir a Assembleia Geral). Se a sua resolução não for aprovada, as alterações propostas pelo Painel de Aprovação terão de ser feitas antes de ser re-submetidas ao Painel de Aprovação e antes da horalimite. Regras de Debate Formal: Cada delegado deverá: - Respeitar a mesa e os seus colegas em todos os momentos, - Obter a palavra para falar, - Estar de pé quando falar, - Entregar a palavra quando pedida pela mesa, - Ser cortez em todos os momentos, - Abster-se do uso de linguagem abusiva e/ou insultuosa. Os delegados deverão, em todos os momentos, agir em conformidade com a Carta das Nações Unidas, com a Declaração Universal dos Direitos do Homem e com as políticas do seu país; Os delegados não poderão vestir trajes regionais ou nacionais, uniformes militares ou fazer campanha publicitária, slogans ou políticas que possam ofender os países que estão a representar,outros países ou indivíduos. O traje deverá ser formal, a todos os delegados. Delegações que não cumpram com estas regras em detrimento do gozo de outros delegados, enfrentarão o prospecto de medidas disciplinares à discrição da Mesa.

7 Discursos de Abertura: A linguagem oficial da ELSAMUN é o português e todos os discursos e intervenções deverão ser feitas em português apesar de as saudações serem permitidas nos indiomas nativos; Os Discursos de Abertura serão feitos em Assembleia Geral e não deverão exceder o tempo de um minuto. O primeiro país a discursar será sorteado e todos os outros países irão discursar em ordem alfabética; O Direito de Resposta sera aplicado a cada 6 discursos, ao levantar a placa com permissão da mesa; Um número de Direitos de Resposta será seleccionado e será permitido uma resposta de, no máximo, 30 segundos. Tempo de Debate: Ao início do Debate, a mesa irá propôr as limitações de tempo. Na Assembleia Geral haverá: - Para a Moção principal: 20 minutos a favor e 20 minutos contra, - Para EMENDAS: um máximo de 3 minutos a favor e 3 minutos contra (apesar da mesa poder estipular o tempo de debate às emendas), - Um tempo limite de uma hora e quarenta e cinco minutos de debate. Se o tempo a favor ou contra da resolução acabar e ainda houver tempo para discussão, a mesa ou uma delegação poderá propôr uma extensão do tempo de Debate (normalmente 5 minutos a favor e 5 minutos contra); Uma vez o tempo limite acaba, a resolução deverá ser votada; Poderá ser determinada a determinadas resoluções uma aprovação por maioria qualificada (dois terços de votos a favor); Emendas à agenda de comités: Emendas à agenda de comités poderá ser submetida ao Secretariado Geral e ao Presidente e será necessário o apoio de dois terços da Assembleia Geral. Se a emenda à agenda for aprovada, será debatida,então, a questão do comité a seguir. Algumas moções importantes: Ao contrário de algumas conferências do género, apenas alguns pontos poderão interromper o discursante, tais como o Ponto de Ordem, ou Ponto de Privilégio Pessoal; Outros pontos poderão ser feitos quando o delegado está aberto a pontos ou quando ninguém tiver a palavra; Ponto de Privilégio Pessoal: deverá referir à audiobilidade da intervenção do discursante durante um discurso ou a algum aspecto das condições da sala da Assembleia; Ponto de Ordem: deverá estar relacionado com a legalidade, dentro das normas de debate formal de uma acção ou discurso; Ponto de Informação: deverá ser formulado em forma de questão e direccionadas à mesa ou ao delegado que tenha a palavra. Se o seu ponto for direccionado ao discursante, levantar a placa será suficiente; Ponto de Procedimento Parlamentar: Esta é uma questão relacionada com as regras de procedimento; Emendas: Cabe à mesa escolher quais e quantas emendas serão debatidas, tendo também em conta o tempo limite de debate; Emendas deverão ser feitas nas folhas oficiais de emendas. Cada emenda proposta deverá ser enviada em folhas diferentes;

8 Emendas deverão conter de uma forma clara: - As linhas que quer que sejam emendadas, - As cláusulas afectadas pela emenda, - O tipo de emenda ex. Retirar, adicionar, inserir.., - O texto da emenda (se aplicável); As Emendas serão discutidas no tempo contra a resolução na AG com as seguintes regras a aplicar: - Se a emenda PASSA, você PERDE a palavra, - Se a emenda REPROVADA, você MANTÉM a palavra. A mesa poderá escolher as emendas que irão ser debatidas e qual o tempo do debate destas. Na ELSAMUN, não são permitidas emendas à emenda. Votação: Não haverá moções durante os procedimentos de votação à excepção dos pontos relacionados com a votação; Ao votarem numa resolução, as delegações poderão votar a favor, contra ou abster-se; A resolução será aprovada se o número de votos a favor exceder o número de votos contra; Após votação às resoluções, e se o tempo permitir, 3 direitos de explicação de voto serão permitidos: um para cada lado e um para a abstenção. Cada Direito de Explicar o Voto deverá ter 30 segundos de duração; Se sentir que nem todas as delegações votaram, a mesa poderá pedir uma nova votação para garantir que os verdadeiros sentimentos da assembleia sejam exprimidos; Divisão da Casa será chamada pela Mesa se a votação for tão próxima que a abstenção poderá alterar os resultados. Nestas circunstancias, haverá uma nova votação onde as delegações poderão apenas votar a favor ou contra a resolução; Se houver dúvidas sobre a votação, a mesa poderá fazer uma chamada, onde cada delegação terá que dizer o que vota, de forma a garantir que não haja erros.

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM.

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS Prova-modelo Instruções Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. A prova é avaliada em 20 valores (200 pontos). A prova é composta

Leia mais

A/70/250. Assembleia Geral. Organização da septuagésima sessão regular da Assembleia Geral no ONU Jr, procedimentos e dinâmica do comitê.

A/70/250. Assembleia Geral. Organização da septuagésima sessão regular da Assembleia Geral no ONU Jr, procedimentos e dinâmica do comitê. Nações Unidas ONU Jr Assembleia Geral Distr.: Geral 15 Outubro 2014 Original: Português A/70/250 Septuagésima Sessão Conteúdo Organização da septuagésima sessão regular da Assembleia Geral no ONU Jr, procedimentos

Leia mais

Artemis7. Portfolio and Project Management Solutions. Better decisions. Better results

Artemis7. Portfolio and Project Management Solutions. Better decisions. Better results Artemis7 Portfolio and Project Management Solutions Better decisions. Better results ESCRITÓÓÓORIO BRASIL Av. Dr. Guilherme Dumont Villares, 1410 6o. andar - Morumbi - 05640-003 55 11 3773-9009 REGIONAL

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, UNIVERSIDADE DO PORTO - ANO LECTIVO 2010/2011 1G203: ECONOMIA INTERNACIONAL

FACULDADE DE ECONOMIA, UNIVERSIDADE DO PORTO - ANO LECTIVO 2010/2011 1G203: ECONOMIA INTERNACIONAL FACULDADE DE ECONOMIA, UNIVERSIDADE DO PORTO - ANO LECTIVO 2010/2011 1 1G203: ECONOMIA INTERNACIONAL 1.2 -A evolução da economia mundial: globalização dos mercados e globalização da produção comércio internacional

Leia mais

Regras Gerais de Simulação

Regras Gerais de Simulação Regras Gerais de Simulação PARTE GERAL 1. Introdução 1.1 As regras aqui apresentadas têm eficácia plena e universal no âmbito de todas as atividades pertinentes à SINUS, e a interpretação delas caberá,

Leia mais

PAINEL: Visões e Perspectivas Gabriel Antonio Marão

PAINEL: Visões e Perspectivas Gabriel Antonio Marão SEMINÁRIO: INTERNET DAS COISAS: OPORTUNIDADES E PERSPECTIVAS DA NOVA REVOLUÇÃO DIGITAL PARA O BRASIL Agenda 1 2 3 4 5 O QUE É IOT IOT NO MUNDO IOT NO BRASIL FÓRUM BRASILEIRO DE IoT ATIVIDADES VISÕES E

Leia mais

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 1. Visitações Diárias ( Y ) Visitas ( X ) Dia do mês 1.1) Janeiro 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais Negócios Internacionais Capítulo 3.3 Integração da Economia Regional e Acordos Cooperativos International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Definir

Leia mais

A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web

A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web ALGUNS EVENTOS E DADOS IMPORTANTES DA INTERNET NO BRASIL E NO MUNDO NO BRASIL Primeira conexão à redes (Bitnet) => Outubro 88 Domínio.br foi registrado

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Certificação de Sistemas de Gestão ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2000); 2. Certificação de Sistemas de Gestão Ambiental (ISO 14001:2004);

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios:

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios: CREBi Media Kit Atualmente, somos a mais representativa mídia eletrônica do setor de jóias e afins e também já superamos em muito as maiores médias de outras categorias de mídia. O CREBi oferece três canais

Leia mais

Nossa equipe está preparada para orientá-lo sobre estratégias de. investimento independentes que auxiliem na construção do seu patrimônio

Nossa equipe está preparada para orientá-lo sobre estratégias de. investimento independentes que auxiliem na construção do seu patrimônio 1 Nossa equipe está preparada para orientá-lo sobre estratégias de investimento independentes que auxiliem na construção do seu patrimônio 2 Educação Financeira Imprensa... Press Releases 3 Labor Particition

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Luis Barrinha - Gestor de Ambiente e Segurança SGS ICS - International Certification Services Funchal, 28 de Novembro de 2002 SOCIÉTÉ

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 2700:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Processo de exportação de perecíveis aos EUA. (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya)

Processo de exportação de perecíveis aos EUA. (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya) Processo de exportação de perecíveis aos EUA (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya) World Production of Tropical Fruit World production of tropical

Leia mais

WORLD CUP BRAZIL 2014

WORLD CUP BRAZIL 2014 WORLD CUP BRAZIL 2014 Match Date Match Stadium City Cat 1 Cat 2 Cat 3/4 VIP 1 12 jun Brazil vs. Croatia Arena De São Paulo Sao Paulo $2,900 $2,500 $1,800 2 13 jun Mexico vs. Cameroon Estadio Das Dunas

Leia mais

A. Situação / Situation

A. Situação / Situation A. Situação / Situation A Assembleia Mundial da Saúde (OMS) aprova em 1969 o Regulamento Sanitário Internacional, revisto pela quarta vez em 2005. Esta última versão entrou em vigor no plano internacional

Leia mais

PROJETO DE ACORDO QUADRO PARA A CRIAÇÃO DE UMA ÁREA DE LIVRE COMÉRCIO ENTRE O MERCOSUL E A REPÚBLICA DA ÁFRICA DO SUL

PROJETO DE ACORDO QUADRO PARA A CRIAÇÃO DE UMA ÁREA DE LIVRE COMÉRCIO ENTRE O MERCOSUL E A REPÚBLICA DA ÁFRICA DO SUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 62/00 PROJETO DE ACORDO QUADRO PARA A CRIAÇÃO DE UMA ÁREA DE LIVRE COMÉRCIO ENTRE O MERCOSUL E A REPÚBLICA DA ÁFRICA DO SUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 75/2013

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 75/2013 PASSO A PASSO DO DYNO Ao final desse passo a passo você terá o texto quase todo traduzido. Passo 1 Marque no texto as palavras abaixo. (decore essas palavras, pois elas aparecem com muita frequência nos

Leia mais

PRESS RELEASE. Mecanismos fiscais aos Business Angels sucedem-se um pouco por todo o mundo

PRESS RELEASE. Mecanismos fiscais aos Business Angels sucedem-se um pouco por todo o mundo PRESS RELEASE 8 de Dezembro de 2009 Mecanismos fiscais aos Business Angels sucedem-se um pouco por todo o mundo FNABA representou Portugal, em Pequim (China), na First Global Conference da World Business

Leia mais

Integração de Imigrantes

Integração de Imigrantes Integração de Imigrantes ODEMIRA INTEGRA It is a project born from the need to improve and increase support measures, reception and integration of immigrants. 47% of immigrants registered in the district

Leia mais

Manual de Apresentação de Dados REACH-IT

Manual de Apresentação de Dados REACH-IT Manual de Apresentação de Dados REACH-IT Parte 16 - Pedidos de Anexo I: Instruções para o modelo de documento justificativo de pedido de Versão 1.0 Página 1 de 7 Instruções Na IUCLID, por cada informação

Leia mais

Histórico do setor florestal no MDL e expectativas internacionais com relação a este mecanismo de flexibilização

Histórico do setor florestal no MDL e expectativas internacionais com relação a este mecanismo de flexibilização Histórico do setor florestal no MDL e expectativas internacionais com relação a este mecanismo de flexibilização Marcelo Theoto Rocha matrocha@esalq.usp.br 1 2 O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL)

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR Concurso com Previa Qualificação Convite para a Manifestação de Interesse

Leia mais

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Patrícia Jardim da Palma Professora Universitária no ISCSP Coordenadora do Hélios Directora do INTEC ppalma@iscsp.utl.pt Agenda O empreendedorismo

Leia mais

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos Realidade Operacional e Gerencial do Poder Judiciário de Mato Grosso Na estrutura organizacional, existe a COPLAN que apoia administrativamente e oferece

Leia mais

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS Ana Helena da Silva, MCI12017 Cristiana Coelho, MCI12013 2 SUMMARY 1. Introduction 2. The importance of IT in Organizations 3. Principles of Security 4. Information

Leia mais

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5.

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5. RE: Visto E1 O E2 Visto E1 O E2 Q :Preciso contratar um advogado para solicitar o Visto E2? R: Sim, o visto E2 requer o conhecimento especializado da legislacao migratória e a experiência de um advogado

Leia mais

ANTECEDENTES DA RIO + 10

ANTECEDENTES DA RIO + 10 ANTECEDENTES DA RIO + 10 RIO + 5 - evento organizado pela ONG Conselho da Terra, foi realizado no Rio de Janeiro de 13 e 19/3/1997 e teve forte participação empresarial e a presença de apenas 50 ONGs.Como

Leia mais

and Troika Troika dossiers Structural Reforms and Troika Reformas Troika Reformas Estruturais e Troika

and Troika Troika dossiers Structural Reforms and Troika Reformas Troika Reformas Estruturais e Troika dossiers Structural Reforms and /Reformas Structural Reforms and Reformas Structural Reforms and Reformas Last Update Última Actualização: 25/01/2016 Portugal Economy Probe (PE Probe) Prepared by PE Probe

Leia mais

Prova Escrita de Inglês

Prova Escrita de Inglês Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Inglês 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Continuação bienal Prova 0/1.ª Fase 6 Páginas Duração da Prova: 120

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

Leia mais

Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. - MARÇO 2014 -

Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. - MARÇO 2014 - Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. - MARÇO 2014 - Identificação do Distribuidor O Banco de Investimento Global (de ora em diante o Distribuidor ), com sede na Av.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. 1 No seu relacionamento social como se posiciona face

Leia mais

International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros. Economic Outlook. Económica.

International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros. Economic Outlook. Económica. dossiers Economic Outlook Conjuntura International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros Last Update Última Actualização 15-07-2015 Prepared by PE

Leia mais

Implementação da CITES na União Europeia

Implementação da CITES na União Europeia Implementação da CITES na União Europeia Reunião com IBAMA sobre Aniba rosaeodora Manaus, 23 de fevereiro 2015 The views expressed in this presentation do not necessarily reflect the views of the European

Leia mais

Erasmus Student Work Placement

Erasmus Student Work Placement Erasmus Student Work Placement EMPLOYER INFORMATION Name of organisation Address Post code Country SPORT LISBOA E BENFICA AV. GENERAL NORTON DE MATOS, 1500-313 LISBOA PORTUGAL Telephone 21 721 95 09 Fax

Leia mais

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r?

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r? A CRISE MUNDIAL DOS ALIMENTOS: O que o Brasil pode fazer? Geraldo Barros USA: Inflation, Interest Rates, GDP Int rates Infl 12 14 16 18 6% 8% 1% GDP -4-2 2 4 6 8 1 198 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987

Leia mais

Aspectos da Protecção Contra Radiações e de Segurança Nuclear suscitados pela Energia Nuclear

Aspectos da Protecção Contra Radiações e de Segurança Nuclear suscitados pela Energia Nuclear Aspectos da Protecção Contra Radiações e de Segurança Nuclear suscitados pela Energia Nuclear J.Delgado Domingos Instituto Superior Técnico 12ª Jornadas Portuguesas de Protecção Contra Radiações 27.11.2006

Leia mais

GUIA DE REGRAS SÃO PAULO 2009

GUIA DE REGRAS SÃO PAULO 2009 GUIA DE REGRAS SÃO PAULO 2009 Informações fundamentais para um bom desempenho nas negociações É fundamental para o delegado que está representando um país, conhecê-lo bem. A melhor opção é elaborar um

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA TERRITORIAL PARA A INDUÇÃO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS ÁREAS CIRCUNDANTES AOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

Portugal Hub Logístico Global

Portugal Hub Logístico Global Portugal Hub Logístico Global Intervenção de Ricardo Félix 10/11/2009 Logistema - Consultores em Logística Portugal Hub Logístico Global - Agenda Portugal Logístico O conceito e a oportunidade Plataformas

Leia mais

Perspectivas nacionais e internacionais sobre as. TIC na escola. Carla Morais e João Paiva

Perspectivas nacionais e internacionais sobre as. TIC na escola. Carla Morais e João Paiva Perspectivas nacionais e internacionais sobre as TIC na escola Carla Morais e João Paiva O que sabemos? Nem dados, nem estatísticas, nem decretos-lei, nem tecnologias mudam verdadeiramente a educação.

Leia mais

SEGURANÇA DE INFRAESTRUTURAS CRÍTICAS NA PERSPETIVA DA RESILIÊNCIA E CONTINUIDADE DE NEGÓCIO

SEGURANÇA DE INFRAESTRUTURAS CRÍTICAS NA PERSPETIVA DA RESILIÊNCIA E CONTINUIDADE DE NEGÓCIO SEGURANÇA DE INFRAESTRUTURAS CRÍTICAS NA PERSPETIVA DA RESILIÊNCIA E CONTINUIDADE DE NEGÓCIO Cristina Alberto KPMG Advisory Consultores de Gestão, SA Agenda 1. Riscos Globais do Século XXI 2. Proteção

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

Responsabilidade de Inovar

Responsabilidade de Inovar Responsabilidade de Inovar Para uma Estratégia de Segurança Nacional Centro de Congressos de Lisboa, 24 e 25 de Junho de 2010 sergiofe@microsoft.com We re All Facing an Economic Reset Businesses are responding

Leia mais

III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004. III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004

III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004. III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004 III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004 III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004 Unidade: % Unit:% Taxa de cobertura das pelas para os 4 principais mercados

Leia mais

Workshop 2 Changes in Automotive Industry: New Markets Different Technologies?

Workshop 2 Changes in Automotive Industry: New Markets Different Technologies? Organization: Cooperation: Workshop 2 Changes in Automotive Industry: New Markets Different Technologies? Volkswagen do Brasil Cologne, August 25 th, 2008 Volkswagen do Brasil Present in Brazil since 1953

Leia mais

The Brazil United States Consumer Product Safety Conference Brazil United States Joint Press Statement June 10, 2011 Rio de Janeiro, Brazil Common Interests Ensuring a high level of consumer product safety

Leia mais

Global Logistics Solutions Soluções Logísticas Globais

Global Logistics Solutions Soluções Logísticas Globais BEM VINDO AO MUNDO RANGEL WELCOME TO RANGEL WORLD Atividade Aduaneira Customs Broker Transporte Marítimo Sea Freight ESPANHA SPAIN Transporte Aéreo Air Freight Expresso Internacional FedEx International

Leia mais

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA?

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? 29.Nov.2013 Financiamento Sector público é a principal fonte de financiamento de cuidados de saúde. Apenas EUA e México apresentam menos de 50% de financiamento

Leia mais

Global Logistics Solutions Soluções Logísticas Globais

Global Logistics Solutions Soluções Logísticas Globais Global Logistics Solutions Soluções Logísticas Globais BEM VINDO AO MUNDO RANGEL WELCOME TO RANGEL WORLD Toda uma organização ao seu serviço! Constituídos em 1980 por Eduardo Rangel, rapidamente marcámos

Leia mais

TÍTULO: A PERSPECTIVA DO MARCO CIVIL DA INTERNET SOBRE A LIBERDADE DE EXPRESSÃO E A PRIVACIDADE DOS USUÁRIOS.

TÍTULO: A PERSPECTIVA DO MARCO CIVIL DA INTERNET SOBRE A LIBERDADE DE EXPRESSÃO E A PRIVACIDADE DOS USUÁRIOS. TÍTULO: A PERSPECTIVA DO MARCO CIVIL DA INTERNET SOBRE A LIBERDADE DE EXPRESSÃO E A PRIVACIDADE DOS USUÁRIOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

Cultural Identity of Young Volunteers Differences and understanding Empowering People. Volunteer Profile Questionnaire

Cultural Identity of Young Volunteers Differences and understanding Empowering People. Volunteer Profile Questionnaire Volunteer Profile Questionnaire 1 Índice 1 VOLUNTEER PROFILE QUESTIONNAIRE... 1.1 Country... 1. AGE... 1. GENDER... 1..1 GENDER vs... 1. Qualification... 1..1 QUALIFICATION GREECE VS PORTUGAL... 1. Are

Leia mais

DEVELOPMENT: WORKING FOR A BETTER TOMORROW.

DEVELOPMENT: WORKING FOR A BETTER TOMORROW. INTERNATIONAL DEVELOPMENT: WORKING FOR A BETTER TOMORROW. Alguns projectos: Sistema de Gestão de Recursos Humanos da Administração Pública (Governo de Timor-Leste) Sistema de gestão municipal SIGEM (Conselho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CURSO DE MESTRADO EM DIREITO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CURSO DE MESTRADO EM DIREITO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CURSO DE MESTRADO EM DIREITO HUMBERTO ANTÔNIO BARBOSA LIMA A BOA-FÉ OBJETIVA NA CONCESSÃO DOS INCENTIVOS FISCAIS. NATAL/RN

Leia mais

CARLA ALEXANDRA SEVES DE ANDRADE CANOTILHO

CARLA ALEXANDRA SEVES DE ANDRADE CANOTILHO Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico da Guarda R E L AT Ó R I O D E AT I V I D A D E P R O F I S S I O N A L N A J. V A R G A S - G A B I N E T E T É C N I C O D E G E S T Ã O E

Leia mais

Ano VI Número 10 Junho de 2006 Periódicos Semestral AS NORMAS ISO. MARIANI, Édio João. Docente Unesp/Marília e Faef/Garça edio@cristorei.com.

Ano VI Número 10 Junho de 2006 Periódicos Semestral AS NORMAS ISO. MARIANI, Édio João. Docente Unesp/Marília e Faef/Garça edio@cristorei.com. AS NORMAS ISO MARIANI, Édio João Docente Unesp/Marília e Faef/Garça edio@cristorei.com.br RESUMO Uma norma técnica é um documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que fornece,

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment

Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment Analysis, development and monitoring of business processes in Corporate environment SAFIRA is an IT consulting boutique known for transforming the way organizations do business, or fulfil their missions,

Leia mais

O COMÉRCIO INTERNACIONAL COMO FONTE GERADORA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DO PAÍS

O COMÉRCIO INTERNACIONAL COMO FONTE GERADORA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DO PAÍS O COMÉRCIO INTERNACIONAL COMO FONTE GERADORA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DO PAÍS RIGHETTI, Renato César. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais -FAEG renato_righetti@hotmail.com

Leia mais

Regiões e Blocos Multinacionais de Mercado

Regiões e Blocos Multinacionais de Mercado Regiões e Blocos Multinacionais de Mercado Cateora e Graham, 2006, Cap. 10 Prof.ª. Fernanda Ilhéu McGraw-Hill/Irwin 2005 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Regiões e Blocos Multinacionais

Leia mais

Council of the European Union Brussels, 30 September 2014

Council of the European Union Brussels, 30 September 2014 039790/EU XXV. GP Eingelangt am 30/09/14 Council of the European Union Brussels, 30 September 2014 Interinstitutional File: 2013/0053 (NLE) 12494/14 JUR 524 ACP 134 WTO 226 COAFR 226 LEGISLATIVE ACTS AND

Leia mais

Descrição das actividades

Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Em Acção Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos Guião D 1.º MOMENTO Intervenientes

Leia mais

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO A DEMANDA MUNDIAL POR PRODUTOS AUTOMOTIVOS: UMA ANÁLISE ENVOLVENDO AS INDÚSTRIAS AUTOMOBILÍSTICAS NACIONAIS DOS PAÍSES DO MERCOSUL NO PROCESSO DE GLOBALIZAÇÃO. RESUMO ALCELI RIBEIRO ALVES 1 Este artigo

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Coimbra, May 2013. Carlos Souza & Cristina Silva

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Coimbra, May 2013. Carlos Souza & Cristina Silva ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Coimbra, May 2013 Carlos Souza & Cristina Silva Population: 10,6 million. According to INE (National Institute of Statistics) it is estimated that more than 2 million

Leia mais

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior Headquarters: Rua Senhor da Paciência, 39 6200-158 Covilhã Portugal Telephone: +351 275 319 530 Fax: +351 275

Leia mais

A Missão da CCILC. Desenvolvimento de redes de contactos de negócio entre Portugal, a China, a Europa e os Países de Língua Portuguesa

A Missão da CCILC. Desenvolvimento de redes de contactos de negócio entre Portugal, a China, a Europa e os Países de Língua Portuguesa A CCILC Criada em 1978, foi a primeira instituição que, de um modo sistemático, auxiliou ao desenvolvimento do relacionamento económico e comercial entre Portugal e a China. Conta com associados e parceiros

Leia mais

Português 207 Portuguese for Business

Português 207 Portuguese for Business Português 207 Portuguese for Business Spring 2012: Porugal and the EU Instructor: Jared Hendrickson Office: 1149 Van Hise Office Hours: Monday and Thursday, 11:00 am-12:00 pm e-mail: jwhendrickso@wisc.edu

Leia mais

José Alexandre Scheinkman

José Alexandre Scheinkman José Alexandre Scheinkman Edwin W. Rickert Professor of Economics Columbia University Brasil: O Desafio da Produtividade Brasil: Problemas O Brasil tem problemas econômicos prementes de curto prazo. Déficit

Leia mais

SIMULAÇÃO NACIONAL DOS ORGANIZADORES DE MODELOS DAS NAÇÕES UNIDAS MODELOS DE DOCUMENTOS

SIMULAÇÃO NACIONAL DOS ORGANIZADORES DE MODELOS DAS NAÇÕES UNIDAS MODELOS DE DOCUMENTOS SIMULAÇÃO NACIONAL DOS ORGANIZADORES DE MODELOS DAS NAÇÕES UNIDAS MODELOS DE DOCUMENTOS Fortaleza/CE, 2015 Senhores Delegados, As simulações de organizações internacionais são, em sua essência, exercícios

Leia mais

WELCOME Entrevista Au Pair Care

WELCOME Entrevista Au Pair Care WELCOME Entrevista Au Pair Care MÓDULO 2. ENTREVISTA-PERGUNTAS EXTRAS ENTREVISTA FÓRMULA PARA O SUCESSO Passo 1 Vai ser uma conversa informal, então relaxe! Parte 2 Algumas perguntas vão ser as mesmas

Leia mais

4.2. Globalização, estado-nação e sistemas de ensino em mudança. 4.3. Descentralização, autonomia e sistemas de regulação

4.2. Globalização, estado-nação e sistemas de ensino em mudança. 4.3. Descentralização, autonomia e sistemas de regulação 4.2. Globalização, estado-nação e sistemas de ensino em mudança 4.3. Descentralização, autonomia e sistemas de regulação Globalization may be defined as the process whereby domestic product, capital and

Leia mais

Interface between IP limitations and contracts

Interface between IP limitations and contracts Interface between IP limitations and contracts Global Congress on Intellectual Property and the Public Interest Copyright Exceptions Workshop December 16, 9-12:30 Denis Borges Barbosa The issue Clause

Leia mais

Definição de competitividade

Definição de competitividade TRIBUTAÇÃO E COMPETITIVIDADE VII Jornadas do IPCA 25.11.2006 Claudia Dias Soares Universidade Católica Portuguesa Definição de competitividade EC 2004: a sustained rise in the standards of living of a

Leia mais

Administração e Sustentabilidade

Administração e Sustentabilidade Administração e Sustentabilidade Prof. André Pereira de Carvalho andre.carvalho@fgv.br POI/ FGV-EAESP www.fgv.br/eaesp Centro de Estudos em Sustentabilidade (Gvces) www.fgv.br/ces Dilema: Falso dilema?

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014 TEXTO Brazil Leads Decline Among World's Biggest Companies THE losses OF São Paulo's stock market AND THE decline OF Brazil's real made Brazilian companies THE biggest losers among THE world's major companies,

Leia mais

SERVIÇOS DADOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL

SERVIÇOS DADOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL SERVIÇOS DADOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL 2014 e 1º Semestre de 2015 SERVICES DATA OF INTERNATIONAL TRADE 2014 and 1º Semester of 2015 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Ministério do Desenvolvimento, Indústria

Leia mais

PORTUGAL LEAPINGFORWARD

PORTUGAL LEAPINGFORWARD PORTUGAL LEAPINGFORWARD Discussing Portugalʼs future development routes Conferência - 16. 03. 2012-09.00h Lisboa - CCB - Centro Cultural De Belém Sala Almada Negreiros Parceiros - The Business School for

Leia mais

BLUE BUSINESS WEEK 2015. FIL - www.fil.pt CCL - www.lisboacc.pt

BLUE BUSINESS WEEK 2015. FIL - www.fil.pt CCL - www.lisboacc.pt BLUE BUSINESS WEEK 2015 FIL - www.fil.pt CCL - www.lisboacc.pt Versão 16 Janeiro 2015 Uma língua é o lugar donde se vê o Mundo e em que se traçam os limites do nosso pensar e sentir. Da minha língua vê-se

Leia mais

Políticas para Inovação no Brasil

Políticas para Inovação no Brasil Políticas para Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho Centro de Políticas Públicas do Insper Baixa Produtividade do trabalho no Brazil Relative Labor Productivity (GDP per Worker) - 2010 USA France UK

Leia mais

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them?

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them? GUIÃO A Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Chocolate Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais

Maximizando os Incentivos à Inovação

Maximizando os Incentivos à Inovação TAX CIESP Maximizando os Incentivos à Inovação R&D Tax Incentives Proposta para prestação de serviços profissionais Agosto de 2014 Agenda Ambiente de Inovação e Incentivos Incentivos Fiscais à Inovação

Leia mais

ARTIGO 1.º. i) Uma lista de classes, acompanhada, caso seja necessário, de notas explicativas;

ARTIGO 1.º. i) Uma lista de classes, acompanhada, caso seja necessário, de notas explicativas; Decreto n.º 138/81 Acordo de Nice Relativo à Classificação Internacional dos Produtos e Serviços aos Quais se Aplicam as Marcas de Fábrica ou de Comércio Decreto n.º 138/81 de 5 de Novembro O Governo decreta,

Leia mais

Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas. Comitê de Comércio Exterior. Brasília Julho de 2011

Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas. Comitê de Comércio Exterior. Brasília Julho de 2011 Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas Comitê de Comércio Exterior Brasília Julho de 2011 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE BENS E SERVIÇOS* US$ Bilhões BRAZILIAN FOREIGN TRADE IN GOODS

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL MOURA, A. L. A. 1 ; SÁ, L. A. C. M 2 RESUMO - A presente pesquisa está sendo desenvolvida com o objetivo de formular uma base de dados espaciais

Leia mais

O ÊXODO RURAL E A BUSCA PELA EDUCAÇÃO DENTRO DA EEEFM HONÓRIO FRAGA.

O ÊXODO RURAL E A BUSCA PELA EDUCAÇÃO DENTRO DA EEEFM HONÓRIO FRAGA. O ÊXODO RURAL E A BUSCA PELA EDUCAÇÃO DENTRO DA EEEFM HONÓRIO FRAGA. TORREZANI, Samuel Paulo 1 PAZINATO, Mateus Francisco 2 TRINDADE, Flavio Hubner 3 NEVES, Bianca Pereira das 4 RESUMO: O presente trabalho

Leia mais

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 1º de junho de 2015 Cenário Macroeconômico e Reequilíbrio Fiscal O governo está elevando

Leia mais

Cerimónia de Entrega do CERR no Instituto de Seguros de Portugal

Cerimónia de Entrega do CERR no Instituto de Seguros de Portugal The future debate on occupational pensions in continental Europe will no longer solely depend on the economic efficiency values of these pensions but on their role in social protection model Yves Stevens,

Leia mais

DOCUMENTOS DE PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS NA CONSTRUÇÃO NA TRANSPOSIÇÃO DAS DIRETIVAS COMUNITÁRIAS PARA PORTUGAL

DOCUMENTOS DE PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS NA CONSTRUÇÃO NA TRANSPOSIÇÃO DAS DIRETIVAS COMUNITÁRIAS PARA PORTUGAL DOCUMENTOS DE PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS NA CONSTRUÇÃO NA TRANSPOSIÇÃO DAS DIRETIVAS COMUNITÁRIAS PARA PORTUGAL Susana Sousa 1 José M. Cardoso Teixeira 2 RESUMO A Diretiva Comunitária nº 92/57/CEE

Leia mais

AIESEC EDUCATION' 'Changing the World with. O que é a

AIESEC EDUCATION' 'Changing the World with. O que é a O que é a AIESEC Fundada em 1948, a AIESEC é a maior organização internacional de estudantes universitários e recém-licenciados, identificando-se como uma plataforma para os jovens descobrirem e desenvolverem

Leia mais

High-Level Seminar of Tourism and MICE between China and Portuguese-speaking Countries. Invitation

High-Level Seminar of Tourism and MICE between China and Portuguese-speaking Countries. Invitation High-Level Seminar of Tourism and MICE between China and Portuguese-speaking Countries Invitation The Permanent Secretariat of Forum for Economic and Trade Co-operation between China and Portuguese-Speaking

Leia mais

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica dossiers Economic Outlook Conjuntura Económica International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China Last Update Última Actualização: 10-02-2015 Prepared

Leia mais

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo ED 2068/09 16 junho 2009 Original: inglês P Obstáculos ao consumo 1. Cumprimentando os Membros, o Diretor-Executivo recorda-lhes que, de acordo com o Artigo 33 do Convênio Internacional do Café de 2001

Leia mais