Programa da Presidência da Região da Baixa Normandia para a Comissão Arco Atlântico em

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa da Presidência da Região da Baixa Normandia para a Comissão Arco Atlântico em 2008-2010"

Transcrição

1 Programa da Presidência da Região da Baixa Normandia para a Comissão Arco Atlântico em O presente documento programático destina-se a servir de base de debate entre os membros do Arco Atlântico. Será posteriormente completado e aperfeiçoado pelo grupo de coordenação. I CONTEXTO E APOSTAS DA PRESIDÊNCIA DA BAIXA NORMANDIA I.1 O contexto comunitário e as suas repercussões no espaço atlântico O período compreendido entre 2008 e 2010 será decisivo para a União Europeia: apesar de a renovação dos mandatos da Comissão Europeia e do Parlamento Europeu em 2009 poder pressagiar um período de instabilidade política e de ausência de decisões políticas importantes (esperadas em 2011), estão em curso muitos trabalhos e reflexões preparatórias fundamentais. De entre estes, alguns têm repercussões nos territórios do Arco Atlântico e obrigam a Comissão Arco Atlântico a acompanhar atentamente ou a contribuir activamente para os debates em curso. a) As reflexões sobre as iniciativas territoriais - O futuro da política regional após 2013 Na sequência da publicação do Quarto Relatório sobre a Coesão Económica e Social em Setembro de 2007, a Comissão Europeia lançou uma consulta pública sobre o tema do futuro da política de coesão que terminou em Janeiro de Os debates sobre o futuro da primeira política da UE (1/3 do orçamento comunitário) têm sido animados em torno de duas teses principais: - Há quem duvide do valor acrescentado por esta política para além do objectivo de convergência (objectivo 1) e queira transferir o orçamento correspondente para políticas sectoriais (inovação, ambiente, transporte, etc.), - Há quem, como a CRPM, defenda o valor acrescentado por tal política mas reclame a sua adaptação aos novos interesses em jogo, induzidos nomeadamente pela mundialização económica e pelos desafios climáticos 1. Pese embora as primeiras propostas da Comissão Europeia sobre o assunto só serem apresentadas em 2010/2011, as presidências sucessivas organizam o debate reunindo o conjunto dos interessados e dos peritos. No fim do mês de Outubro de 2008, já durante a Presidência francesa, uma reunião informal dos ministros do ordenamento do território deverá trazer novos elementos de debate. Este debate é essencial para as regiões da Comissão Arco Atlântico. Será necessário no decurso desses dois anos: - Demonstrar concretamente o carácter incontornável da política regional para o conjunto das regiões, tanto em termos económicos (efeitos directos) como 1 Posição da Mesa Política da CRPM - «Que futuro para as políticas regionais após 2013?» - Janeiro de

2 em termos de governação e de estratégia para as regiões (efeitos indirectos). Por outras palavras, o que se perderia se a política regional viesse a desaparecer destas regiões? - propor, paralelamente à CRPM, pistas de acção para uma futura política regional em , nomeadamente na governação e na articulação com as políticas sectoriais da União. - A reflexão sobre a «coesão territorial» O Tratado de Lisboa faz da coesão territorial um dos objectivos da União, a par da coesão económica e social. Alarga igualmente o princípio da subsidiariedade às autarquias regionais e locais. Na óptica da aplicação do Tratado, que, nesta data, ainda não foi ratificado, a Comissão Europeia lançou uma reflexão destinada a estudar as eventuais consequências concretas destes novos elementos jurídicos. Em Setembro de 2008, a Comissão Europeia publicará assim um Livro Verde sobre a Coesão Territorial. Este deverá versar principalmente sobre o significado do conceito de «coesão territorial», as disparidades infra-regionais, o impacto territorial das políticas sectoriais da UE. São muitas as interrogações sobre a maneira como a coesão territorial poderá futuramente repercutir-se na política de coesão económica e social (política regional), agora principalmente ao serviço da competitividade e da estratégia de Lisboa. - O processo da Agenda Territorial A Agenda Territorial, aprovada em Leipzig em Maio de 2007 em reunião ministerial, propõe uma nova etapa na reflexão da UE em matéria de desenvolvimento urbano e de coesão territorial 2. Em Novembro de 2007, um primeiro programa de acção da Agenda Territorial foi aprovado sob a Presidência portuguesa. Este programa, que decorre até 2011, prevê um certo número de acções concretas que se prendem, nomeadamente, com a governação das políticas da UE e o impacto territorial das políticas sectoriais. As presidências sucessivas da UE devem levar por diante este processo intergovernamental a que se associaram os representantes dos parceiros regionais, como a CRPM. Este processo informal suscita, pois, a questão de saber como uma abordagem territorial dos problemas permitirá melhorar a eficácia da acção pública na Europa e graças a que instrumentos. Neste sentido, é interessante acompanhar os seus progressos e, se for caso disso, contribuir para eles, nomeadamente através da CRPM. b) A prossecução da estratégia de Lisboa e sua sequência depois de 2010 Quando faltam cerca de dois anos para o seu fim, os resultados da estratégia de Lisboa são moderados, apesar de uma melhoria nos últimos meses. As reflexões actuais centram-se, pois, em dois aspectos principais: - Continuar a realizar os objectivos actuais. Um novo ciclo em vem assim estabelecer recomendações rigorosas aos Estados-Membros em quatro eixos, 2 Com a Agenda Territorial, os ministros comprometem-se a respeitar seis prioridades: - Reforço do policentrismo e da inovação através da cooperação em rede das cidades e regiões; - Adopção de novas formas de parceria e governação entre as áreas rurais e as áreas urbanas; - Promoção de clusters regionais de competitividade e inovação na Europa; - Reforço e ampliação das redes transeuropeias de comunicação; - Gestão transeuropeia de riscos e catástrofes, incluindo os efeitos das alterações climáticas; - Reforço das estruturas ecológicas e dos recursos naturais. 2

3 cuja realização implica directamente as regiões: i) investir no capital humano e modernizar os mercados de trabalho; ii) libertar o potencial das empresas, em especial das PME; iii) investir no conhecimento e na inovação, iv) energia e alterações climáticas; - Reflectir na sequência da estratégia de Lisboa depois de 2010 à luz dos resultados e dos ensinamentos do período de Cada território é directamente afectado por estas duas questões. A este título, as regiões atlânticas, partilhando embora características territoriais e económicas semelhantes (inexistência de metrópole, predominância rural, tecido de PME, necessidade de reforçar a atractividade económica), atingem resultados muito variáveis, por exemplo em termos de inovação 3. Numa perspectiva técnica, acções de intercâmbio de boas práticas nomeadamente relacionadas com o projecto TN-RIS desenvolvido pela CRPM poderiam revelar-se úteis 4. Convém prosseguir uma reflexão sobre as condições de competitividade das regiões atlânticas e sobre os instrumentos necessários para a realizar. Numa perspectiva mais política, seria igualmente interessante mostrar como os territórios atlânticos conseguem realizar a síntese entre competitividade e desenvolvimento sustentável. c) A prossecução da estratégia de Gotemburgo e sua sequência Se a estratégia de Gotemburgo tem sido esquecida a favor da estratégia de Lisboa, duas problemáticas de dimensão mundial trazem a questão do desenvolvimento sustentável para o proscénio: a questão energética e a questão climática. A actividade da UE em matéria energética e climática é actualmente muito intensa: - Apresentação do pacote sobre energia e clima; - Publicação do Livro Branco sobre a Adaptação às Alterações Climáticas prevista para o Outono de Esta reflexão assume particular interesse para os territórios europeus e o seu desenvolvimento. A questão dos instrumentos de aplicação é crucial: se o principal instrumento é regulamentar, os orçamentos para estas políticas são inexistentes, e o principal instrumento financeiro continua a ser a política de coesão sobre a qual pairam incertezas quanto ao futuro. Na margem do Oceano Atlântico, as regiões da Comissão Arco Atlântico são duplamente afectadas por estas problemáticas: - A proximidade do oceano oferece-lhes preciosas alternativas em matéria de energias renováveis (eólica, das ondas, maremotriz, etc.) - Esta mesma proximidade torna-as extremamente vulneráveis a manifestações comuns da mutação climática na costa atlântica (subida do nível do mar, aumento das catástrofes climáticas, nomeadamente). Este misto de oportunidade e vulnerabilidade exige, no mínimo, um debate em torno dos mecanismos regionais existentes e, sempre que necessário, uma coordenação dos meios ou mesmo a adopção de soluções comuns. 3 European innovation scoreboard, 4 «Towards a New Regional Innovation System» é um grupo de reflexão da CRPM dedicado à inovação. 3

4 Numa perspectiva política, é essencial providenciar para que a especificidade destas regiões seja tida em conta pela regulamentação comunitária sobre a matéria bem como pelos eventuais instrumentos que venham a ser criados. Também aqui, a coordenação com a CRPM é essencial. d) Continuação da reflexão sobre uma política marítima da UE Na sequência da publicação do Livro Azul: uma Política Marítima Integrada para a União Europeia, a DG PESCA foi transformada em DG MARE com o objectivo de construir esta política transversalmente às demais políticas da UE (da investigação ao transporte, passando pela pesca, a política regional e o ambiente, todos os instrumentos da UE serão utilizados para esta finalidade). A DG MARE deverá criar os instrumentos de conhecimento e de acompanhamento nos territórios. Para tanto, a DG foi organizada em espaços geográficos entre os quais uma unidade responsável pelo espaço atlântico. A DG MARE vai assim trabalhar em estreita concertação com as «partes interessadas» que terá identificado e, a esse título, está particularmente empenhada numa parceria com a Comissão Arco Atlântico da CRPM na qualidade de rede de mobilização de diferentes actores (laboratórios, clusters, pessoas colectivas ). Cabe notar, neste contexto, que o Reino Unido e a Irlanda foram identificados pela DG MARE como particularmente avançados no recenseamento dos dados no plano regional e nacional em matéria de ambiente marinho, elemento interessante na perspectiva de intercâmbios concretos a fim de consolidar os laços com os britânicos e os irlandeses. Por fim, a DG MARE propõe a realização de um estudo sobre o impacto das alterações climáticas nas zonas costeiras, cujos resultados são esperados em Maio de 2009 na perspectiva da definição de uma estratégia de acção comunitária. e) Reflexão sobre a política dos transportes e o futuro da RTE-T Um debate preparatório da revisão geral da política de RTE-T, através da publicação de um Livro Verde, está agendado para o fim de 2008 (esta data poderá sofrer alteração). Será estudada a questão de uma melhor interconexão das redes, do grau de hierarquização das redes. Poderá ser abordada a questão das ligações às capitais para uma melhor acessibilidade das regiões. No entanto, a reflexão em curso parece ignorar a questão do vínculo entre as RTE-T e a coesão territorial, o que, para as regiões atlânticas, não é politicamente aceitável. Impõe-se, pois, uma exploração exaustiva da questão. Por outro lado, na perspectiva da definição de uma política marítima integrada, a DG MARE estaria igualmente interessada nas tomadas de posição do Arco Atlântico em matéria de política de transporte e, sobretudo, no atinente aos fluxos mundiais por mar. I.2 Apostas e objectivos da Presidência da Comissão Arco Atlântico em O panorama acima descrito comprova que não faltam temas para mobilizar politicamente o Arco Atlântico nos próximos dois anos. A Baixa Normandia deseja assim procurar fazer da Comissão Arco Atlântico um instrumento importante de visibilidade e de promoção das suas mensagens: - Colocando a Comissão Arco Atlântico em posição de interveniente nos debates comunitários sobre temáticas de grande interesse; 4

5 - Reforçando a dinâmica política atlântica mediante uma parceria forte entre regiões e, nomeadamente, com os condados britânicos e as autarquias locais portuguesas; - Lançando reflexões para um desenvolvimento territorial integrado do espaço atlântico através de um trabalho em rede com os actores atlânticos (cidades, agentes socioeconómicos, universidades, etc.) Afigura-se assim extremamente importante que o Arco Atlântico procure justificar concretamente um valor acrescentado de: - Análise: a fim de demonstrar que o modelo de desenvolvimento e as características das regiões do Arco Atlântico podem contribuir para as reflexões sobre as evoluções das políticas europeias. - Mobilização: redes atlânticas, agentes regionais ao serviço dos seus posicionamentos. O que podem trazer as políticas comunitárias ao Arco Atlântico? Mais do que outras na Europa as regiões do Arco Atlântico precisam de políticas voluntaristas para se adaptarem à mundialização: as características da sua estrutura económica, a necessidade de reforçar a investigação, a adaptação do seu tecido de PME, a débil atractividade internacional e a acessibilidade amiúde insuficiente requerem acções fortes em matéria de transporte, de investigação, de inovação: como podem estas ser conduzidas de forma mais pertinente? São necessários orçamentos sectoriais mais importantes ou uma integração mais profunda das prioridades sectoriais na política regional? Devem, portanto, participar no debate ao mesmo tempo sobre os objectivos e sobre as condições da eficácia do projecto comunitário e empenhar-se em defender meios financeiros, bem como um regime de governação multinível para aplicar estas políticas no seu território. Há um equilíbrio territorial atlântico específico que cabe valorizar através das suas características marítimas, litorais, urbanas, rurais e ambientais. Importa, pois, posicionar o Arco Atlântico como actor no centro dos debates comunitários e definir colectivamente instrumentos de governação regional a fim de assegurar maior eficácia às políticas comunitárias no território atlântico. O programa de acção e as propostas de organização que se seguem devem permitir atingir estes objectivos gerais. II. PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÕES EM : II.1 Fio condutor da Presidência O Esquema de Desenvolvimento do Espaço Atlântico (EDEA) publicado em 2005 fornece uma análise territorial circunstanciada e recente do espaço atlântico. De um modo geral, destaca que «Hoje as regiões atlânticas, pela sua marginalização quanto às áreas mais dinâmicas do continente, estão unidas e estão muito conscientes deste carácter periférico em relação ao "coração" da Europa». Se o dito documento realça a heterogeneidade do espaço atlântico através da identificação de um certo número de zonas de coerência e de «fracturas» no seio deste espaço - não deixa de oferecer um excelente diagnóstico das forças e debilidades dos territórios atlânticos e, por conseguinte, impõe-se como um verdadeiro instrumento de desenvolvimento territorial. 5

6 A Presidência da Baixa Normandia deseja organizar os trabalhos da Comissão Arco Atlântico em torno de um fio condutor «governação territorialidade maritimidade» com vista a evoluir para um desenvolvimento integrado do espaço atlântico. Com uma costa marítima de quilómetros, estas regiões simbolizam a relação terra/mar entre o oceano e uma Europa que se alarga para Leste. A sua posição geográfica estratégica coloca estas regiões no centro do comércio marítimo e incita-as a cooperar para um desenvolvimento territorial partilhado. A realização de um desenvolvimento territorial integrado deste espaço passa por uma associação entre competitividade e desenvolvimento territorial. O objectivo será, pois, orientar a nossa acção para uma «competitividade territorial» adaptada às prioridades comunitárias. Para ocupar o centro do projecto atlântico, a maritimidade que caracteriza este espaço e a abordagem territorial que dá corpo à sua presença só podem ser operacionais se a Comissão Arco Atlântico se posicionar num regime de governação multinível correspondente às realidades territoriais da UE. II.2 Elementos de diagnóstico territorial e proposta de temas de acções prioritárias para Em torno do trinómio «governação territorialidade maritimidade», a região da Baixa Normandia sugere vários temas que servirão de apoio aos trabalhos dos dois próximos anos: - Rurbanidade e litoral; - Investigação e inovação; - Transportes, logística e acessibilidade; - Clima e energia. Fica importante saber que as temáticas apresentadas neste documento têm uma articulação entre elas e se poderão cruzar no âmbito dos diferentes trabalhos que iremos realizar. a. Rurbanidade e litoral Características do território atlântico: - Perto de metade do espaço atlântico compõe-se de autarquias rurais, mas a ruralidade britânica está nitidamente menos associada à agricultura do que nos demais países (muitas pessoas que trabalham nos centros urbanos moram nos centros rurais). - A ruralidade atlântica compreende, simultaneamente, territórios frágeis e periféricos e zonas muito mais bem integradas territorial, social e economicamente. - Pressões fortes sobre estuários e litorais sobrepovoados. É uma região atractiva para uma população + idosa (no litoral). Apostas: - Para um modelo de desenvolvimento integrado, é necessário formular estratégias territoriais que articulem as zonas de economia residencial com o tecido produtivo. - Promoção do desenvolvimento rural e marítimo integrado: muitas zonas rurais frágeis estão expostas ao risco do despovoamento, impõe-se, pois, a associação entre o interior das terras e a faixa costeira. 6

7 Temas de trabalho: - Identificar se o desenvolvimento da economia residencial no espaço atlântico representa hoje uma oportunidade ou uma ameaça, e em que condições, - Adoptar um posicionamento sobre o tema da integração do desenvolvimento rural na futura política de coesão: qual será amanhã a importância da dimensão rural no projecto comunitário? - Realizar trocas de impressões sobre os métodos de gestão territorial no Arco Atlântico: possibilidade de se inspirar no método «rural proofing» aplicado no Reino Unido (procedimento de impacto territorial das diferentes políticas públicas levadas a cabo no desenvolvimento rural) - Que governação urbana/rural? - Analisar o impacto das mudanças demográficas no espaço atlântico. - Inscrever estas diferentes apostas atlânticas no debate sobre a coesão territorial. Acções e parcerias a desenvolver: - Necessidade de trabalhar com a Conferência das Cidades do Arco Atlântico (sobre a relação governação urbana/rural) e com a AC3A sobre o projecto INTERREG IV MARINA relativo à constituição de um espaço de encontro entre o mundo rural e o marinho, a fim de organizar e dar a conhecer iniciativas e práticas locais inovadoras. - Aproximação da rede RURACT. - Cooperação com o IAAT e o ORATE sobre estudos territoriais e cartografia. - Contributo para o Livro Verde sobre a Coesão Territorial. b. Investigação e inovação Características do território atlântico: - Centros universitários de importância europeia (Birmingham, Manchester, Liverpool, Rennes, Nantes, Bordéus, Toulouse, Bilbau, Sevilha, Porto, Lisboa) de entre os quais muitos centros especializados em oceanografia, biologia marinha, desenvolvimento de artes de pesca e de culturas marinhas, protecção e valorização do ambiente marinho, gestão do tráfego marítimo. - Um esforço em I&D limitado (relação entre despesas de I&D e PIB regional) importante para o Reino Unido mas ainda débil para certas regiões francesas e espanholas. - Um tecido empresarial constituído maioritariamente por PME. - Considerando o total, os empregos de I&D revelam forte atraso em relação à média europeia (1,36%) na quase totalidade das regiões atlânticas, com excepção do País Basco. Este atraso é muito mais pronunciado nas regiões do Centro-Oeste francês, no País de Gales e em Portugal. - Reticência das empresas quanto à transferência de tecnologias e outras formas de cooperação com os pólos universitários e de investigação. 7

8 Apostas: - As regiões atlânticas estão no centro dos desafios de adaptação do tecido das PME. - Devem assim identificar os instrumentos que são necessários para permitir a adaptação das PME. - As regiões atlânticas enfrentam, além disso, um desafio comum de atractividade internacional. Um estudo confiado a um grupo de peritos pela DG ENTR frisou o carácter crucial das políticas de internacionalização, para além dos aspectos puramente de exportação, como corolário das políticas de inovação. - Infelizmente, fora da política de coesão, a União Europeia não atende à dimensão territorial na política a favor das empresas. Temas de trabalho: - Demonstrar a pertinência de instrumentos adaptados e territorializados para a adaptação do tecido económico atlântico à mundialização, valorizar as boas práticas e promovê-las à escala europeia. - Trabalhar sobre o potencial atlântico em matéria de investigação e desenvolvimento no domínio dos recursos marinhos (recursos naturais do espaço atlântico). - Trabalhar sobre as condições de desenvolvimento das parcerias entre o sector público e o privado entre universidades e PME. - Promover uma política de clusters: está prevista uma comunicação em Julho de Está concluída a cartografia dos pólos. Os clusters «atlânticos» podem ser identificados e consolidados? Acções e parcerias a desenvolver: - Prossecução da rede entre as agências regionais da inovação do Arco Atlântico e seguimento do seminário NOW sobre aquicultura e protecção do litoral. - Julho de 2008: Comunicação da Comissão Europeia sobre a investigação marinha e marítima. - A Comissão trabalha na elaboração de um «Small Business Act» que deverá ser aprovado sob a Presidência francesa para oferecer uma prioridade às PME na legislação e propor um plano de acção para simplificar a vida das PME. c. Transportes, logística e acessibilidade Características do território atlântico: - Uma rede viária que não assegura uma acessibilidade suficiente ao conjunto das Regiões atlânticas. - Uma rede ferroviária ainda centralizada e inadaptada à formação do espaço atlântico. - Transportes marítimos com potencial insuficientemente explorado. - Transportes aéreos que oferecem poucas ligações dentro do espaço atlântico. 8

9 Apostas: - A logística é uma questão preocupante para as empresas e constitui um elemento essencial da competitividade no plano internacional. As pessoas colectivas com competências em matéria de ordenamento do território devem considerar as restrições energéticas e ambientais ligadas à gestão destes fluxos. - Importa encorajar a intermodalidade mediante a promoção da interoperabilidade e da continuidade das redes. Temas de trabalho: - O potencial da cabotagem, incrementado pelo aumento dos preços dos combustíveis. - Uma reflexão acerca do projecto auto-estrada do mar do Ocidente da Europa. O conceito de auto-estrada do mar abrange não só as vias marítimas, mas também cadeias logísticas de transporte marítimo intermodal que as ligam a redes terrestres eficazes. As plataformas logísticas assumem, por isso, importância estratégica. - Interoperabilidade dos sistemas de informação multimodal. Acções e parcerias a desenvolver: - Contributo para o Livro Verde sobre a Revisão das Orientações relativas às RTE-T em Dezembro de 2008 (e não em Outubro), precisando que este Livro Verde visa lançar uma reflexão sobre o conceito de RTE-T (noção de "centro da rede" nomeadamente) e não sobre os mapas da rede. Em 2010, será feito um balanço da execução dos projectos prioritários e será proposta uma revisão dos mapas. - Trabalho associado ao projecto INTERREG IV B - Espaço Atlântico «START» (Seamless Travel across the Atlantic area Regions using sustainable Transport) sobre os meios disponibilizados para facilitar as deslocações transregionais. - Estudo das potencialidades dos projectos que podem beneficiar de financiamentos do programa Marco Polo. d. Clima e energia Características do território atlântico: - Recursos ambientais ricos mas frágeis. Muitas zonas húmidas dispõem de enorme riqueza biológica. - Erosão costeira e subida do nível de água devido às alterações climáticas. - Qualidade e diversidade ambientais, recursos específicos do espaço oceânico. - Qualidade do ar e da água do mar que figuram entre as melhores da Europa. - Devido às suas características oceânicas, o espaço atlântico contém jazidas importantes no domínio das energias renováveis: energia eólica, maremotriz, ondas e correntes marítimas. Vastas zonas agrícolas oferecem também um potencial interessante nos domínios da biometanização, dos biocombustíveis e da biomassa. Independentemente deste potencial de produção energética, o sector das energias renováveis abre perspectivas muito promissoras de desenvolvimento de técnicas e de novas tecnologias. Por isso, deverá contribuir para o crescimento das empresas de ponta. 9

10 Apostas: - A protecção dos recursos naturais deve ser encarada como um factor de desenvolvimento económico e de inovação, nomeadamente no sector da agricultura, do turismo e das actividades marítimas. - Arranjar maneira de os recursos naturais múltiplos e provavelmente menos degradados que noutras regiões serem factor de atracção e de atractividade para as empresas. Temas de trabalho: - Impacto das alterações climáticas no litoral. - Qualidade do ar. - Energias renováveis. Acções e parcerias a desenvolver: - Articulação com os trabalhos da RTA sobre as energias marinhas renováveis. - Contributo para o Livro Verde sobre a adaptação às alterações climáticas. - Projecto INTERREG IV B EA ANCORIM da Aquitânia (prevenção dos riscos ambientais e adaptação às alterações climáticas). - Trabalhos da DG MARE sobre a realização de um estudo sobre o impacto das alterações climáticas nas zonas costeiras, cujos resultados estão previstos para Maio de Reacções à aprovação pelo Conselho do pacote energia e clima (prioridade da Presidência francesa da União Europeia) III. ORGANIZAÇÃO E MEIOS: A Região da Baixa Normandia propõe-se organizar a Comissão Arco Atlântico como segue: Instâncias políticas: Assembleia-Geral, Mesa Política e Presidência francesa Um secretariado técnico permanente financiado pelas cotizações das regiões do Arco Atlântico e pela Região da Baixa Normandia. O secretariado estará localizado na CRPM em Rennes, incumbindo-se de conduzir os trabalhos e coordenar os grupos de trabalho eventuais. Além disso, o secretariado terá por missão trabalhar permanentemente no trinómio «governação territorialidade maritimidade». Será assegurada uma cooperação contínua com os projectos INTERREG IV desenvolvidos no espaço atlântico bem como um trabalho em ligação com a direcção geográfica Atlântico da DG MARE, nomeadamente sobre a realização de um estudo sobre o impacto das alterações climáticas nas zonas costeiras, cujos resultados estão previstos para Maio de Estes trabalhos alimentarão transversalmente os grupos de trabalho eventuais, assim como as posições da Mesa Política. Um grupo de coordenação constituído por técnicos das regiões membros da Mesa, animadores dos grupos eventuais e das organizações atlânticas (RTA, AC3A, CCAA, RUOA). Este grupo será incumbido de trabalhar sobre os temas mais gerais como a governação, o financiamento, o programa de trabalho, a política de comunicação, as questões de reflexão sobre o futuro das políticas comunitárias estratégicas, assim como o acompanhamento e a avaliação dos trabalhos dos grupos de trabalho eventuais. 10

11 Grupos de trabalho eventuais Afigura-se extremamente importante que os trabalhos dos grupos de trabalho venham alimentar directamente os posicionamentos e as reflexões para o progresso do projecto global da Comissão Arco Atlântico. É, pois, necessária uma reactividade importante em função dos temas de actualidade. Propõe-se, pois, que as temáticas já citadas (II.2) sejam alvo de trabalhos e de contribuições pontuais para o debate comunitário nos grupos de trabalho eventuais que venham a ser criados no decurso dos dois próximos anos. À semelhança do grupo de coordenação, a participação estará aberta às cidades e aos meios socioeconómicos atlânticos. A constituição dos grupos far-se-á em função das oportunidades europeias porque é doravante essencial que a organização se posicione no centro do processo comunitário. Organização anual de um evento temático atlântico Caberá ao grupo de coordenação definir o tema do evento anual e à Mesa Política validá-lo. Lançamento de iniciativas e planos atlânticos para que os grupos de trabalho não sejam os únicos instrumentos técnicos do Arco Atlântico. As relações de parceria desenvolvidas pelos intervenientes desta zona servirão igualmente para alimentar as posições atlânticas: o Apoio aos projectos europeus INTERREG IV B EA como MARINA, ANCORIM, START, NEA 2, GASD 2 e outros grupos como Aquamarina que se inscrevem nas prioridades temáticas definidas. o Montagem de um projecto INTERREG IV B sobre a governação atlântica destinado a reforçar a eficácia da acção pública neste território transnacional. o A cooperação atlântica deve igualmente ser aprofundada entre os programas de cooperação INTERREG IV: articulação entre as vertentes A e B a fim de impulsionar uma dinâmica de rede para uma melhor estruturação dos subespaços transfronteiriços do espaço atlântico. Consolidação da dinâmica política atlântica: visitas do Presidente às regiões atlânticas e muito em especial a Portugal e Reino Unido. Reforço dos instrumentos de comunicação e concentração da imagem do Arco Atlântico na atractividade do seu território e na qualidade ambiental. 11

12 ORGANIZAÇÃO DA COMISSÃO ARCO ATLÂNTICO ASSEMBLEIA- GERAL PRESIDÊNCIA MESA POLÍTICA SECRETARIADO PERMANENTE GRUPO DE COORDENAÇÃO GRUPOS DE TRABALHO EVENTUAIS RÉDES ATLÂNTICAS RTA/AC3A/ CCAA/RUOA RTA: Rede Transnacional Atlântica AC3A: Associação das Câmaras de Agricultura do Arco Atlântico CCAA: Conferência das Cidades do Arco Atlântico RUOA : Rede das Universidades do Oeste Atlântico -12-

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido MEMO/08/79 Bruxelas, 8 de Fevereiro de 2008 Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido 1. O Programa Operacional de Cooperação Transnacional Espaço Atlântico

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

Questionário preparatório da reacção das redes atlânticas ao Livro Verde sobre a coesão territorial

Questionário preparatório da reacção das redes atlânticas ao Livro Verde sobre a coesão territorial Questionário preparatório da reacção das redes atlânticas ao Livro Verde sobre a coesão territorial O Livro Verde sobre a Coesão Territorial, publicado pela Comissão Europeia em 6 de Outubro último, assume

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas Preparar a Retoma, Repensar a Logística 10 de Novembro NOVOHOTEL SETUBAL Comunicação: Factores de Atractividade da oferta logística do Alentejo Orador: Dr.

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Piedade Valente Comissão Diretiva do COMPETE Sintra, 9 de outubro de 2014 Agenda da Competitividade (2007-2013): instrumentos de apoio eficiência

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Intervenção do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional

Leia mais

Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo

Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo LISBOA DE GEOGRAFIA VARIÁVEL... Perspectiva administrativa: Área Metropolitana de

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

A DGAE e a Política de Inovação

A DGAE e a Política de Inovação A DGAE e a Política de Inovação Seminário A Criatividade e a Inovação como Factores de Competitividade e Desenvolvimento Sustentável APOCEEP, 9 de Julho de 2009 José António Feu Director do Serviço para

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão Lisboa, 17 de dezembro de 2014 Tópicos: 1. Portugal

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS Intervenção do Senhor Presidente da CIP Confederação da Indústria Portuguesa, Eng.º Francisco van Zeller, na Audição Pública (CCB, 04/04/2008)

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM Assembleia de Parceiros 17 de Janeiro 2014 Prioridades de Comunicação 2014 Eleições para o Parlamento Europeu 2014 Recuperação económica e financeira - Estratégia

Leia mais

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011 ESPECIAL PMEs Volume III Fundos europeus 2ª parte O Portal de Negócios Rua Campos Júnior, 11 A 1070-138 Lisboa Tel. 213 822 110 Fax.213 822 218 geral@oportaldenegocios.com Copyright O Portal de Negócios,

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Proposta de funcionamento e objectivos do Grupo Trabalho Oportunidades Projectos e propostas LNEC 30 Maio 2013 Grupos

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 + competitivo + inclusivo + sustentável Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 Piedade Valente Vogal da Comissão Diretiva do COMPETE Santarém, 26 de setembro de 2014 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2011 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE Nos termos do Regulamento

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2013)462 Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo a fundos europeus de investimento a longo prazo 1 PARTE I - NOTA INTRODUTÓRIA Nos termos do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projeto Engenharia 2020 Preocupações macroeconómicas Papel da engenharia na

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu Nuno Teixeira CCDR-LVT 26.Novembro.2010 A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu 1 ÍNDICE I. A coesão no espaço europeu II. O Tratado

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 19 JUNHO DE 2015 Página 1 de 9 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Resposta à consulta da União Europeia sobre a revisão da política relativa à RTE-T

Resposta à consulta da União Europeia sobre a revisão da política relativa à RTE-T Projecto de contribuição da CCAA em ligação com as Regiões da Comissão Arco Atlântico Resposta à consulta da União Europeia sobre a revisão da política relativa à RTE-T Resposta coordenada pela Comunidade

Leia mais

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008)

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) ORIENTAÇÕES MACROECONÓMICAS 1. Garantir a estabilidade económica tendo em vista o crescimento sustentável 2. Preservar a sustentabilidade

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

CONCEÇÃO PLANEAMENTO OPERACIONALIZAÇÃO

CONCEÇÃO PLANEAMENTO OPERACIONALIZAÇÃO CONCEÇÃO PLANEAMENTO OPERACIONALIZAÇÃO MAR PORTUGAL - Um Mar de Oportunidades MAR PORTUGAL Conectividade intercontinental; Todas as regiões são litorais ou insulares; Mar profundo. MAR PORTUGAL - Um Mar

Leia mais

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES Eng.ª Ana Paula Vitorino por ocasião da Sessão de Encerramento do Colóquio PORTO DE AVEIRO: ESTRATÉGIA E FUTURO, Ílhavo Museu Marítimo

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE CRIAÇÃO E REFORÇO DE COMPETÊNCIAS INTERNAS DE I&DT: NÚCLEOS DE I&DT AVISO N.º 08/SI/2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador

Leia mais

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 20 de Abril de 2006 A inovação

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

Atelier SUDOE INTELIGENTE

Atelier SUDOE INTELIGENTE Atelier SUDOE INTELIGENTE Do SUDOE 2007-2013 à Estratégia 2020 Promoção da inovação e constituição de redes estáveis de cooperação em matéria tecnológica Melhoria da sustentabilidade para a proteção e

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO

PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 03 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO Nos termos do

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL

CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL No ano de 2000, o Conselho Europeu, reunido em Lisboa, fixou o objectivo de na próxima década, tornar-se a economia baseada no conhecimento mais competitiva e dinâmica

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo. II Cimeira de Presidentes de Parlamentos. Lisboa, 11 de maio de 2015

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo. II Cimeira de Presidentes de Parlamentos. Lisboa, 11 de maio de 2015 Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo II Cimeira de Presidentes de Parlamentos Lisboa, 11 de maio de 2015 Senhora Presidente da Assembleia da República, Senhores Presidentes, Senhores Embaixadores,

Leia mais

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 Apoios à Internacionalização e à Inovação António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 ALENTEJO PRIORIDADES PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 1. Alimentar e Floresta 2. Recursos Naturais,

Leia mais

CRER NO CENTRO DE PORTUGAL: um ambicioso desafio coletivo. 5 de março de 2013

CRER NO CENTRO DE PORTUGAL: um ambicioso desafio coletivo. 5 de março de 2013 CRER NO CENTRO DE PORTUGAL: um ambicioso desafio coletivo 5 de março de 2013 A Região Centro no Contexto Nacional Portugal Região Centro % Municípios 308 100 32,5 Área (km 2 ) 92.212 28.199 30,6 População,

Leia mais

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa QUIDGEST Q-DAY: INOVAÇÃO CONTRA A CRISE Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa André Magrinho TAGUSPARK: 09 de Setembro 2009 SUMÁRIO 1. Globalização

Leia mais

Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008

Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008 Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008 Enquadramento no Sistema de Apoio às Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional (SAESCTN) de Projectos de IC&DT em todos os domínios científicos Projectos

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Painel: Empreendedorismo Social - 27 e 28 de Outubro de 2011 Práticas Inovadoras de Responsabilidade Social e Empreendedorismo Cascais, 27 de Outubro de 2011

Leia mais

O que é o Portugal 2020?

O que é o Portugal 2020? O que é o Portugal 2020? Portugal 2020 é o novo ciclo de programação dos fundos europeus, que substitui o antigo QREN (Quadro Estratégico de Referência Nacional). Foi acordado entre Portugal e a Comissão

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 REDE RURAL NACIONAL NOTA INTRODUTÓRIA O desenvolvimento das fichas de medida/ação está condicionado, nomeadamente,

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade O Futuro da Política Europeia de Coesão Inovação, Coesão e Competitividade 20 de Abril de 2009 António Bob Santos Gabinete do Coordenador Nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico Desafios

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo [Página 1 capa] Utilizar da melhor forma os fundos estruturais URBAN II Em apoio do comércio e do turismo O que é e sugestões para candidaturas a projectos bem sucedidas Com esta publicação, a DG Empresa

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade Urbana - Apresentação de resultados 13 /Novembro/2012

Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade Urbana - Apresentação de resultados 13 /Novembro/2012 Estudos de Fundamentação do Parecer de Iniciativa Competitividade das Cidades, Coesão Social e Ordenamento do Território Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade

Leia mais

Investir na ação climática. investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020. Ação Climática

Investir na ação climática. investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020. Ação Climática Investir na ação climática investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020 Ação Climática O que é o novo subprograma LIFE Ação Climática? Em fevereiro de 2013, os Chefes de

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL INTEGRADO POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação 2014-2020

Leia mais