UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE - CEO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM - DENF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE - CEO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM - DENF"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE - CEO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM - DENF ANA PAULA BARETTA TANYCLAER STEFFENON CONTRA-REFERÊNCIA DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO PALMITOS SC 2009

2 ANA PAULA BARETTA TANYCLAER STEFFENON CONTRA-REFERÊNCIA DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado à disciplina de Estágio Curricular Supervisionado II, como requisito à obtenção ao título de Bacharel em Enfermagem Ênfase em Saúde Pública. Orientadora: Professora Mestre Enfermeira Marta Kolhs PALMITOS 2009

3 ANA PAULA BARETTA TANYCLAER STEFFENON CONTRA-REFERÊNCIA DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso de Enfermagem Ênfase em Saúde Pública como requisito parcial para a obtenção do grau de bacharel em Enfermagem. Banca Examinadora Orientador: Professora Mestre Doutoranda Enfermeira Marta Kolhs. Universidade do Estado de Santa Catarina Membro: Enfermeira Cláudia Bombach. Hospital Regional do Oeste Membro: Profª Angela Maria Brustolin. Universidade do Estado de Santa Catarina Palmitos, 22/10/2009

4 Dedicamos este trabalho primeiramente a Deus, pois sem ele, nada seria possível e não estaríamos aqui reunidas, desfrutando juntas, destes momentos que nos são tão importantes. Aos nossos familiares pelo esforço, dedicação e compreensão, em todos os momentos desta e de outras caminhadas. A todos os pacientes oncológicos e seus cuidadores, que este trabalho venha a favorecer com uma melhor qualidade de vida nesta fase tão difícil. Aos professores e profissionais que auxiliaram e orientaram a elaboração deste trabalho. Queremos agradecer pelas noites em vigília, pelas preces cheias de lágrimas, pela dedicação plena. Surgem, no horizonte, dias mais tranquilos e noites mais amenas, porque a felicidade está chegando... Ela há de vir e ficar com vocês, para todo o sempre!

5 AGRADECIMENTOS A Deus pelo dom da vida. A nossa família que incondicionalmente nos apoiou, mesmo enfrentando dificuldades, adiando seus sonhos à conquista dos nossos. E hoje vimos que esta fase foi um aprendizado para todos, porque tivemos que administrar um fato que não esperávamos tão cedo: a distância. Sentimos muito a falta de vocês, sentimento que ainda permeia, mas nada disso é em vão. Essa vitória também é fruto do esforço de vocês. Obrigado por tudo mais uma vez. Nós amamos vocês! A nossa orientadora Marta que, acima de tudo, encarava toda a sobrecarga de atividades com muito bom-humor e pela sua disponibilidade sempre muito bem vinda, principalmente nos momentos de aperto. Desde já, o nosso agradecimento! A Profª Bernadette Kreutz Erdtmann, pela ajuda dispensada na articulação do referencial teórico-filosófico durante a construção do projeto e pelas sugestões oferecidas. A Enfermeira Cláudia do setor de oncologia de determinado hospital do Oeste, que nos auxiliou durante o desenvolvimento deste trabalho, que com seu conhecimento teóricoprático proporcionou uma elaboração mais realista dos protocolos. Obrigada por tudo! Aos pacientes e familiares que compartilharam suas experiências para enriquecer este trabalho e que, mesmo diante do sofrimento, nunca perderam a esperança e a fé na vida. Aos nossos professores, que, embora distantes, nunca deixaram de mandar as suas energias positivas, estimulando a busca pelo conhecimento. Mais uma etapa cumprida. Muito obrigada! Aos colegas da graduação pelo apoio, discussões e muitas risadas que aliviaram as nossas tensões, mesmo que momentaneamente. Aos amigos que sempre nos incentivaram a crescer profissionalmente, e o companheirismo constante, mesmo nos momentos difíceis. Muito obrigada, e uma beijoca. Um agradecimento especial à parceira de TCC, que soube apoiar durante toda a trajetória acadêmica, além de ser uma companheira inseparável tanto nos momentos de loucura e risadas, quanto nos momentos de seriedade e discussão. Obrigada, mais do que tudo, pela confiança. Um grande beijo. A todos que, mesmo não citados, estiveram presentes direta ou indiretamente, ajudando-nos nessa caminhada.

6 "Eu escrevo sem esperança de que o que eu escrevo altere qualquer coisa. Não altera em nada... Porque no fundo a gente não está querendo alterar as coisas. A gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro..." (Clarice Lispector).

7 RESUMO BARETTA, Ana Paula; STEFFENON, Tanyclaer; KOLHS, Marta. Contra-referência de cuidados de enfermagem ao paciente oncológico f. Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Departamento de Enfermagem como requisito para obtenção de título Bacharel em Enfermagem. Universidade do Estado de Santa Catarina. Departamento de Enfermagem, Palmitos, Trata-se de uma revisão bibliográfica sobre os cuidados de enfermagem a nível de domicílio aos pacientes oncológicos provenientes da alta complexidade, através de um fluxo de contrareferência. Os objetivos foram descrever os principais tipos de tumores de acordo com a classificação primária e áreas anatômicas destacados no homepage do Instituto Nacional do Câncer (INCA) e elaborar um manual de cuidados domiciliares de enfermagem para os serviços de atenção primária de onde reside. Foi realizada através de uma revisão de artigos eletrônicos, a partir do ano de 1999, e de livros, baseado na teoria de necessidades humanas básicas de Wanda Aguiar Horta. Ao final totalizaram se 22 (vinte e dois) tipos de câncer, subdivididos em 09 (dez) classificações primárias, seguindo a apresentação disponível na homepage do Instituto Nacional do Câncer, o qual correspondeu a um dos objetivos específicos do trabalho. Após, foram elaborados os protocolos de cuidados específicos, que totalizaram 10 (dez), na qual traziam cuidados com ressecção ou materiais utilizados especialmente nestas áreas. E por fim foram desenvolvidos os protocolos gerais de cuidados, ou seja, que correspondiam a mais de um câncer, totalizando 10 (dez), abrangendo áreas como quimioterapia, radioterapia, oxigenação, entre outros, ressaltado dentro destes algumas orientações específicas para alguns cânceres. Conclui-se com este trabalho que se faz necessário para o cuidado integral do indivíduo, o fluxo de contra-referência, pois garante um atendimento totalizado e, especialmente, a comunicação e conhecimento por parte da atenção primária do estado geral e necessidade do paciente oncológico contra-referenciado. Palavras chave: Enfermagem; Contra-referência; Oncologia; Cuidados de Enfermagem.

8 ABSTRACT BARETTA, Ana Paula; STEFFENON, Tanyclaer; KOLHS, Marta. Contra-referência de cuidados de enfermagem ao paciente oncológico f. Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Departamento de Enfermagem como requisito para obtenção de título Bacharel em Enfermagem. Universidade do Estado de Santa Catarina. Departamento de Enfermagem, Palmitos, This is a literature review on the nursing home level of the cancer patients from high complexity, through a flow counter-reference. The objectives were to describe the main types of tumors according to their primary anatomical areas and posted on the homepage of the National Cancer Institute (INCA), prepare a manual of home care nursing services to primary care where you live. It was conducted through a review of gadgets, from the year 1999, and books, based on the theory of basic human needs of Wanda Aguiar Horta, it is a work to computerize the oncology ward of a referral hospital. At the end were totaled 22 (twenty-two) cancer types, subdivided in 09 (nine) primary locations, following the available presentation in the homepage of the National Cancer Institute, which corresponded to one of the specific objectives of the work. After the protocols have been developed for special care, which amounted to 10 (ten), which brought care resection or materials used in these particular areas. Finally came the general protocols of care, meaning that accounted for more than one cancer, totaled 10 (ten), covering areas such as chemotherapy, radiation, oxygen, among others, emphasized in some of these specific guidelines for some cancers. It is concluded with this work that it is necessary, for the individual's integral care, the flow of counter reference, because it guarantees a totaled service and, especially, the communication and knowledge on the part of the primary attention of the general health needs of the cancer counter referenced patient. Keywords: Nursing. Counter reference. Oncology. Cares of Nursing.

9 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 - Cuidados específicos no pós-alta aos pacientes com câncer de cabeça e pescoço. 26 QUADRO 2 - Cuidados específicos no pós-alta aos pacientes com câncer no aparelho digestivo. 34 QUADRO 3 - Cuidados específicos no pós-alta aos pacientes com câncer de pulmão e pleura. 38 QUADRO 4 - Cuidados específicos no pós-alta aos pacientes com câncer de pele. 41 QUADRO 5 - Cuidados específicos no pós-alta aos pacientes com câncer de mama. 44 QUADRO 6 - Cuidados específicos no pós-alta aos pacientes com câncer ginecológicos. 48 QUADRO 7 - Cuidados específicos no pós-alta aos pacientes com câncer urológicos. 52 QUADRO 8 - Cuidados específicos no pós-alta aos pacientes com câncer de tumores ósseos e partes moles. 54 QUADRO 9 - Cuidados específicos no pós-alta aos pacientes com câncer infantil. 57 QUADRO 10 - Cuidados específicos no pós-alta aos pacientes com cânceres hematológicos. 62 QUADRO 11- Cuidados comuns no pós-alta aos pacientes com dor. 65 QUADRO 12 - Cuidados comuns no pós-alta aos pacientes com curativos. 66 QUADRO 13 - Cuidados comuns no pós-alta aos pacientes com drenos. 68 QUADRO 14 - Cuidados comuns no pós-alta aos pacientes com sonda vesical. 69 QUADRO 15 - Cuidados comuns no pós-alta aos pacientes com cânula de traqueostomia ou laringectomia. 70 QUADRO 16 - Cuidados comuns no pós-alta aos pacientes com dieta e nutrição. 72 QUADRO 17 - Cuidados comuns no pós-alta aos pacientes submetido à quimioterapia. 76 QUIADRO 18 - Cuidados comuns no pós-alta aos pacientes com submetido à radioterapia. 77 QUADRO 19 - Cuidados comuns no pós-alta aos pacientes relacionados à sexualidade. 79 QUADRO 20 Cuidados comuns referentes ao apoio psicológico ao paciente oncológico. 81

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA FISIOPATOLOGIA DO CÂNCER NOMENCLATURA TUMORAL DIAGNÓSTICO TRATAMENTO EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER ESTIGMAS DO PACIENTE E DA FAMÍLIA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Baixa e alta complexidade na referência e contra-referência RESULTADOS E DISCUSSÃO PROTOCOLOS DE CUIDADOS ESPECÍFICOS Câncer de cabeça e pescoço Câncer de boca Câncer de laringe Câncer de tireóide Aparelho digestivo Câncer anal Câncer colo-retal Câncer de esôfago Câncer de estômago Câncer de fígado Câncer de pâncreas Pulmão e pleura Câncer de pulmão Pele Câncer de pele Mama Câncer de mama Ginecológicos Câncer de colo do útero Câncer de ovário Urológicos Câncer de pênis Câncer de próstata Câncer de testículo Tumores ósseos e partes moles Sarcoma de Ewing e tumores ósseos, Outros Câncer infantil Leucemia Linfoma de Hodgkin Linfomas não Hodgkin PROTOCOLOS DE CUIDADOS COMUNS Dor Curativo Drenos Sonda vesical Traqueostomia ou laringectomia Dieta e nutrição Quimioterapia Radioterapia Sexualidade. 79

11 Apoio psicológico CONSIDERAÇÕES FINAIS IMPLICAÇÕES DE ENFERMAGEM. 86 REFERÊNCIAS. 87 APÊNDICE. 102 APÊNDICE I Contra-referência do usuário oncológico. 102

12 12 1 INTRODUÇÃO Conforme o Instituto Nacional do Câncer (2008), as neoplasias malignas são a segunda maior causa de mortalidade, com incidência elevada em ambos os gêneros, e por este motivo sendo considerado um problema de Saúde Pública. No Brasil, o tratamento para as doenças é disponibilizado sob diversas instâncias de complexidade, sendo a oncologia de alta complexidade, e as atividades de promoção, prevenção e cuidados básicos da atenção primária ou baixa complexidade. Diante desta realidade, faz-se necessário um atendimento integral ao paciente, o qual é possível pelo serviço de contra-referência, que é o trânsito do paciente da alta complexidade para a baixa complexidade. Contudo um dos problemas nos serviços de saúde atualmente é a precária comunicação entre os diversos níveis de atendimento, o que acarreta um cuidado fragmentado do indivíduo, e em muitos casos somado a isso um déficit de conhecimento necessário sobre os cuidados a serem feitos com o paciente no domicílio pela equipe de atenção básica. Com base nesta situação, optou-se por este estudo tendo por objetivo descrever os principais tipos de tumores por classificação primária e área anatômica, apresentados na homepage do Instituto Nacional do Câncer (INCA) e por meio desta desenvolver manual de cuidados de enfermagem de forma a auxiliar na contra-referência do usuário para os serviços de atenção primária em que reside, garantindo a continuidade do tratamento e cuidados específicos, tanto na unidade quanto no domicílio. O trabalho trata-se de uma pesquisa bibliográfica elaborada com base na literatura disponibilizada na página virtual do INCA, aprofundada através de artigos científicos eletrônicos a partir do ano 1999 e de livros, com a temática de Enfermagem, contrareferência, oncologia e cuidados de Enfermagem. A formulação deste visa a elaboração de protocolos de orientações de enfermagem baseados na Teoria Necessidade Humanas Básicas (NHB) de Wanda Aguiar Horta, de 1970 que busca a satisfação de necessidades psicobiológicas, psicossociais e psicoespirituais, enfocando as alterações manifestadas pelo paciente e promovendo o autocuidado. (PAIM, 2007). Para tanto, justifica-se a importância deste trabalho, pois além de ser um pré-requisito à obtenção do título de Bacharel em Enfermagem pela Universidade do Estado de Santa Catarina, também garante o fluxo dos serviços na rede do Sistema Único de Saúde, que se rege sobre o princípio de integralidade, universalidade, eficiência e eficácia, para atender

13 13 todas as necessidades do paciente oncológico, visando a qualidade da assistência e melhor resolutividade do cuidado, bem como a humanização.

14 14 2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 FISIOPATOLOGIA DO CÂNCER Segundo o Instituto Nacional do Câncer (2008), câncer é o nome dado a um conjunto de mais de cem doenças que têm em comum o crescimento desordenado de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo metastizar-se. Nesta patogenia há uma alteração permanente e hereditária das células, o que gera uma ruptura irreversível dos mecanismos homeostáticos normais reguladores, desencadeando proliferação anormal dos tecidos que é excessiva, não intencional e autônoma, e que continua mesmo apresentando efeitos deletéreis sobre os tecidos próximos. Também desencadeando a diferenciação das células com perturbação do processo de senescência e morte celular. (McMANUS, 2001). Para Brasil (2002) as células em um organismo normal convivem em harmonia citológica, histológica e funcional, formando os órgãos, cada qual com sua especificidade, respondendo as necessidades específicas do corpo, é uma relação que envolve continuamente duplicação do ácido desoxirribonucléico, mitose e apoptose celular. As células corporais possuem diversos reguladores que podem ser tanto controlados por genes supressores de tumor, genes de reparo de dano ao ácido desoxirribonucléico (DNA) e oncogenes, que de forma interligada determinarão o padrão de divisão celular e eliminação de falhas suscetíveis a futuramente desenvolver o câncer. (HARKIN, 2001). Alguns agentes sejam eles carcinógenos químicos, físicos ou biológicos, podem gerar falhas e danos ou propiciar alterações celulares principiantes ao tumor. (BRASIL, 2002). Agentes físicos: podem ser através da energia radiante, solar e ionizante, ocasionando alterações mutagênicas devido ao efeito direto da energia ou de efeito indireto associado a produção de radicais livres. As radiações na forma de partículas, dentre elas as partículas alfa e nêutrons, são mais carcinogênicas. Enquanto que a energia eletromagnética, como raios X e raios gama, são menos graves a saúde, precisando de uma dose prolongada de contato. Agentes químicos: são divididos em três classes: orgânicos, inorgânicos e hormonais. O primeiro está associado a produtos químicos utilizados na indústria, ao tabaco e combustão. Os inorgânicos são encontrados nas mineradoras, fundição, tinturarias, couro e níquel. Quanto ao último, não está totalmente esclarecido, mas sabe-se que há alguns hormônios que desencadeiam a alteração celular. (CHANG & BONDY & GURNEY, 2006).

15 15 Agentes biológicos: são representados pelos vírus, cuja capacidade de infecção está associada a promover alterações genéticas que podem levar ao desenvolvimento do tumor. Dentre os principais estão: Papilomavírus humano (HPV), Helicobacter pylori, Epstein- Barr, hepatite B e C, e vírus da imunodeficiência Humana (HIV). (RUSSEL, 2001). Afirmam ainda que, outro fato importante na etiologia do câncer é que para ocorrer a carcinogênese é fundamental que ocorram três estágios: a iniciação, promoção e progressão. (BRASIL, 2002; RUSSEL, 2001). Iniciação: ocorrem mutações celulares, geralmente células tronco, nas quais há substâncias que direta ou indiretamente causam modificações no ácido desoxirribonucléico (DNA). Este é um processo rápido, que se não for revertido pelos mecanismos celulares de reparo do DNA, tão logo tornar-se-á irreversível. Promoção: é gradual e reversível, não considerada mutagênica, estando associada a exposição prolongada ao agente causador, e resultante da expansão de um clone de células iniciadas. Progressão: caracterizada por alterações moleculares, aumento da massa tumoral, desprendimento de células e metástases. Os padrões de crescimento neoplásico podem ser por anaplasia, ou seja, alteração reversível em que as células ficam sem forma definida. E a neoplasia que descreve o crescimento de massa tecidual anormal que ultrapassa limites e não cumpre as funções normais celulares. (OTTO, 2002). No que se refere a características destas novas células, há o pleomorfismo (alterações na forma e tamanho), hipercromatismo, polimorfismo (alterações nucleares), aneuploidia (números incomuns de cromossomos) e arranjos cromossomiais anormais. De acordo com Otto (2002), consequentemente há perda do controle de proliferação e diferenciação, propriedades bioquímicas alteradas, instabilidade cromossomial e capacidade de migração. 2.2 NOMENCLATURA TUMORAL São agrupados conforme seu tecido de origem, a classificação é realizada pelo sistema histogenético, em que os tumores benignos recebem o sufixo oma, por exemplo, papiloma, meningioma, entre outros. Já os tumores malignos de origem epitelial a raiz carcin, como carcinoma epitelial, adenocarcinoma, e os malignos de tecido conjuntivo a raiz sarc, como osteossarcoma. Os mistos denominam-se teratomas. (OTTO, 2002).

16 16 Os tumores de tecido nervoso malignos recebem também o sufixo oma, como astrocitoma, neuroblastoma. Já os tumores de tecido hematopoiético têm uma nomenclatura diferente, leucemia refere-se a tumor difuso por proliferação de leucócitos anormalmente, podendo ser classificado como linfoide ou mieloide, e aguda ou crônica. Nesta o prefixo linfo reflete o sistema linfoide e o prefixo mielo faz referência a medula óssea. Quanto ao sufixo, pode ser blástico que descreve leucócitos imaturos, e cístico que diz respeito a células maduras. Segundo as afirmações de Otto (2002), o linfoma maligno é um câncer do tecido linfoide, pode ser Hodgkin ou não Hodgkin, são tumores de origem no tecido linfoide e classificam-se conforme grau de diferenciação, reação desencadeada, tipo celular e padrões de crescimento nodular ou difuso. Quanto ao mieloma múltiplo é a proliferação dos linfócitos B. 2.3 DIAGNÓSTICO Conforme Otto (2002), o diagnóstico pode ser feito através de exames radiológicos, ressonância magnética, ultrassonografia, cintilografias, visualização, estudos laboratoriais e marcadores tumorais. Também é determinado o grau, referente a classificação da célula tumoral quanto à diferenciação do tecido normal, função e maturidade. Podem ser coletados sob várias técnicas, tais como: citologia ou coleta de células através de raspagem ou líquidos corporais, secreção e lavados, dentre estes papanicolau, toracocentese, punção lombar, paracentese e aspiração por agulha fina; biópsia, que é um coletado um fragmento tecidual; e ressecção com análise. O grau pode ser X não passível de avaliação, I bem diferenciado, II moderadamente diferenciado, III mal diferenciado e IV indiferenciado. Porém para melhor determinação do tumor, pode ser utilizado o estadiamento, que se refere ao sistema de classificação de tumores malignos (TNM) no qual são avaliados a extensão corporal do tumor primário (T), alterações gânglionárias regionais (N), e presença ou ausência de metástase à distância (M). 2.4 TRATAMENTO Os principais tratamentos oferecidos ao câncer são: o transplante de medula óssea, cirurgia, bioterapia, quimioterapia e radioterapia. Transplante de medula óssea: é um procedimento terapêutico através da realização da infusão venosa de células sanguíneas, com a finalidade de restabelecer a

17 17 hematopoiese. Pode ser autóloga (medula óssea do próprio paciente é coletada, armazenada e reinfundida) ou alogênica, (medula óssea de outra pessoa, que pode ser: singênico ou irmão gêmeo idêntico, relacionado que é de um familiar próximo, ou ainda não relacionado, que é doação de um indivíduo sem grau de parentesco). (OTTO, 2002; ANELLI, 2004). Cirurgia: é o método mais frequente e ideal a ser utilizado, que tem por objetivo identificar as características celulares e assim decidir a continuidade do tratamento. Focaliza cinco áreas primárias: tratamento primário: diz respeito à remoção total ou parcial do tumor, juntamente a uma margem de tecido saudável adjacente, pode ser ressecção local (apenas tecido e área circunjacente), ressecção ampla (retirados o tumor, linfonodos, área proximal e canais linfáticos) e ressecção ampla estendida (infiltração tumoral ampla em região específica). Também há o tratamento de ativação, na qual retira-se o tecido visando diminuir incidência, progressão e recidiva. Terapia resgate que é a abordagem vislumbrando a recidiva local. E o tratamento paliativo, o qual se utiliza para dar melhor qualidade de vida ao paciente, sem tentar curar a doença, apenas minimizar a sintomatologia. (SMELTZER & BARE, 2002; OTTO, 2002). Bioterapia: é um tratamento por agentes derivados de fontes biológicas que alteram a resposta do hospedeiro às células tumorais. Podem ser classificados em três: agentes que aumentam, modulam ou recuperam os mecanismos imunobiológicos do hospedeiro, agentes que têm função antitumoral direta e agentes que têm a capacidade de alterar as atividades biológicas. (OTTO, 2002). Quimioterapia: administração de substâncias químicas isoladas ou em combinação que atuam a nível celular, interferindo em seu crescimento e divisão celular. Em geral apresentam alta toxicidade com grandes efeitos colaterais, visto que são medicamentos que agem indiscriminadamente em células normais ou cancerosas, embora. Na quimioterapia podem ocorrer sintomatologia referente a diferentes sistemas orgânicos como leucopenia, trombocitopenia, anemia, náuseas, vômitos, estomatite, anorexia, diarreia, constipação, disfunção hepática, cardiotoxicidade, toxicidade pulmonar, neurotoxicidade, alterações na função reprodutiva, nefrotoxicidade, alterações metabólicas, alterações dérmicas. (BRASIL, 1993; OTTO, 2002). Radioterapia: é a forma de tratamento em que se utilizam radiações ionizantes, para destruir ou impedir o aumento das células tumorais, a aplicação dos raios é de alta energia e de localização precisa, destruindo as células neoplasícas e os tecidos adjacentes que

18 18 receberem a radiação. Pode ser utilizada antes, após ou concomitantemente a quimioterapia e outros tratamentos. Pode ser empregada externamente (teleterapia), ou internamente (braquiterapia) por implante de radioterapia selada no interior ou próximo a área a ser irradiada, ou ainda injetada intravenosamente ou por via oral, que são denominadas fontes não seladas. Os efeitos colaterais deste tratamento podem surgir em curto prazo como alterações na reprodução, epitelites, mucosites e mielodepressão, sendo toleráveis e reversíveis. Já os de longo prazo embora raros, ocorrem devido a doses excessivas de radiações, sendo identificadas por atrofias e fibroses, e muito raramente alterações genéticas desencadeadoras de novos cânceres. (BRASIL, 1993; OTTO, 2002). 2.5 EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER O câncer é considerado um problema de saúde pública em todos os países, devido à incidência elevada e a alta taxa de mortalidade, sendo esta a segunda maior causa de morte no país. Segundo INCA (2008), a estimativa para 2009 é de novos casos nos dois gêneros, destes 49,6% em homens e 50,3% em mulheres. Já em Santa Catarina a previsão é de novos casos em 2009, correspondente a 54,4% no gênero masculino e 45,5% no gênero feminino aproximadamente. (BRASIL, 2008; VINHAL, 2008). Os tumores mais frequentes foram de próstata, pulmão, estômago, cólon e reto e esôfago na população masculina, com maior taxa de mortalidade pela próstata e pulmão. Enquanto que em mulheres, predominou o câncer de mama, seguido pelo câncer de colo uterino, cólon e reto, pulmão e estômago. 2.6 ESTIGMAS DO PACIENTE E DA FAMÍLIA Atualmente o câncer é percebido como uma condenação, um castigo merecido ou não, e associado à ideia de morte. A partir deste diagnóstico, o doente tende a isolar-se procurando esconder dos outros e de si o problema. Esta é uma das fases após a notícia sobre a doença, conhecida como negação, com posterior sentimento de raiva e revolta, barganha, depressão e isolamento, e por fim aceitação e resignação. (BRANDÃO & BELAS, 1999). Estas fases têm períodos de exacerbação e declínio durante toda a trajetória da doença, e isso pode dificultar ou retardar a tomada de decisões e reorganização da pessoa frente à patogenia. Pois somente quando a situação é vista de forma direta e objetiva com participação

19 19 intensa no tratamento é que se torna possível desmitificar o câncer. (DAVIDSON, 2003). Em grande parte isto está associada ao estigma, ou seja, ideias pré-concebidas, independentemente das classes, podendo ocorrer devido ao vislumbre da doença como sinônimo de morte, temor quanto aos efeitos colaterais negativos causados pelo tratamento quimioterápico e radioterápico, e a ideia de mutilação associada à cirurgia, alterando a sua autoimagem, e consequentemente seu convívio social e familiar. (RANGEL; BRANDÃO & BELAS, 1999; DAVIDSON, 2003). Mas é na família, grupo social em que os indivíduos aprendem valores, crenças, conhecimento e práticas, que se desenvolve um modelo explicativo saúde-doença, possibilitando ações de promoção e prevenção à saúde, e tratamento da patogenia. Também nesta cultura que se desenvolve o processo de cuidar, aonde algumas pessoas concentram essa função, sendo responsáveis pela tomada de decisões, proteção e avaliação constante, com intervenções conforme a necessidade, e agindo como importante meio de apoio. (ELSEN, 2002). Para este mesmo autor, o cuidador por ter vivência diária com o paciente oncológico pode ser afetado não só pelas características e acontecimentos de seus doentes, mas também suas emoções e comportamentos frente ao problema. Por ser tão estigmatizado o câncer gera medo e sofrimento nas pessoas, muitas vezes causando receio na família e demais pessoas em até mesmo se aproximar ou tocar no doente. Sabe-se que a estrutura e a dinâmica familiar também sofrem algumas alterações, pois paciente, família e suas relações ficam desestabilizadas. Outro fato perceptível é que os cuidadores dos pacientes terminais não estão preparados para agir com este, acarretando as altas taxas de ansiedade e depressão no indivíduo enfermo. (HAYASHI & CHICO & FERREIRA, 2006; SCHWARTSMANN & MARTELETE, 2004). Muitas vezes o estigma pode afetar não somente o doente ou os familiares, mas também a equipe de enfermagem que por medo, insegurança ou dúvida, podendo apresentar receio ao realizar procedimentos neste paciente, seja pelo pouco contato com este tipo de enfermo ou falta de informação frente ao quadro de necessidades apresentadas e ações efetivas a serem feitas, visto este cliente ser extremamente sensível e suscetível, além de ter um estado de saúde bastante inconstante e frágil. Este fato gera um cuidado equivocado e pouco ativo, principalmente na atenção primária, que é onde apresenta menor índice de treinos acerca do atendimento ao paciente oncológico.

20 20 Há também o fato de muitos profissionais, devido ao trabalho extenuante, cansativo, prolongado por anos de contribuição, podem por vezes gerar uma visão fria e indiferente para com o paciente, desencadeando um tratamento menos pessoal e mais mecanizado, fragmentado a assistência e tornando-a pouco humanizada. Consequentemente este fato também recairá sobre a família, pois para eles, a enfermagem na atenção primária deve estar preparada para assisti-los sob diversos aspectos, fornecendo orientações para que estejam precavidos sobre as diferentes situações que poderiam vir a encontrar e soluções de como lidar com cada uma, transmitindo as partes interessadas segurança e conforto. Além do que é a enfermagem vinculada a atenção primária, que conhece o meio social, familiar e econômico em que o indivíduo está inserido, fornecendo uma visão mais ampla e condizente com a realidade do paciente, e também fornecendo orientação proporcional a capacidade e condição do mesmo. 2.7 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Em 1989 surgiu, com a promulgação da Constituição Federal, a Lei Orgânica, que regularizou o Sistema Único de Saúde (SUS), cujo objetivo é unificar todos os serviços e instituições de saúde com um comando único, fomentado pelas diretrizes, que são: Universalidade: garantia de acesso à saúde a todas as pessoas, sendo um direito garantido pelo Estado, independente se é serviço público ou particular conveniado, grau de complexidade, em rede hierarquizada e tecnologia apropriada para cada nível. Equidade: atendimento de forma igual, devendo dar prioridade de casos de maior necessidade, com o objetivo de diminuir desigualdades. Integralidade: significa atender todas as necessidades do paciente avaliando suas condições físicas, emocionais, sociais, culturais e financeiras, e integrando ações de atenção primária, secundária e terciária a saúde. Hierarquização e regionalização: é a organização dos serviços em níveis de complexidade, com locais delimitados para cada atendimento e a articulação entre os três níveis de assistência, através do fluxo de referência e contra-referência. (PUSTAI, 2004). Para que o sistema único tenha suas diretrizes funcionantes é fundamental que haja um fluxo contínuo de referência e contra-referência entre os níveis de atenção, possibilitando a estruturação da atenção a partir das diversas linhas de cuidado. (BRASIL, 2007).

21 21 Para Juliani & Ciampone, (1999) apud WITT (1992) p.325: (...) por referência compreende-se o trânsito do nível menor para o de maior complexidade. Inversamente, a contra-referência compreende o trânsito do nível de maior para o de menor complexidade. Uma forma de realizar este serviço de contra-referência é por meio de elaboração de protocolos que poderão ser utilizados na alta do paciente, a qual traz informações necessárias sobre o paciente, que possibilita a continuidade ao tratamento. (FRATINI & SAUPE & MASSAROPI, 2008) Baixa e alta complexidade na referência e contra-referência A atenção primária à saúde serve de porta de entrada para o usuário, aonde ocorrem a dispensa de cuidados, prevenção de agravos, promoção à saúde e incentivo ao autocuidado. Esta prática está baseada no método de atendimento centrado no paciente de forma integral e continuada, buscando recuperar várias dimensões humanas visando à aproximação individual e coletiva com o serviço, através da incorporação de atividades promocionais, preventivas, diagnósticas, tratamento, reabilitação e manutenção da saúde. (VIANNA, et al, 2005; TAVARES, 2004). Reafirma ainda que, este nível de atenção abrange áreas delimitadas exercendo suas práticas de acordo com as necessidades locais através de atividades gerenciais, sanitárias democráticas e participativas bem como trabalho em equipe, aonde cada profissional tem papéis importantes a cumprir. Para este mesmo autor e Takeda (2004), a visita domiciliar é uma ferramenta na atenção primária na qual se conhece o paciente, a família e a comunidade em que está inserido. Ela proporciona maior conforto, tranquilidade para o paciente e a família, menor risco de infecção hospitalar e custos reduzidos, bem como o acompanhamento do tratamento de manutenção e de possíveis intercorrências aos usuários. Contudo, quando as necessidades do usuário não são preenchidas neste nível, ele é encaminhado a outras instâncias de serviço, como a alta complexidade que nada mais é do que um conjunto de procedimentos que exigem alta tecnologia e alto custo, disponibilizados em um ambiente de internação com tecnologia avançada e pessoal especializado para sua realização. (BRASIL, 2007).

22 22 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO A partir deste tópico serão apresentados os resultados deste estudo conforme propostos no objetivo geral, ressalta-se que estes têm foco na enfermagem, mas no decorrer observar-se-á que poderá ser utilizado como um manual/protocolo de orientações para pacientes, familiares e especialmente a equipe multiprofissional da atenção básica de saúde. Primeiramente serão descritos os principais cânceres conforme classificação primária de tipos e área anatômica de acordo com homepage do Instituto Nacional do Câncer (INCA), finalizando com protocolos de cuidados específicos. Por fim será exposto os protocolos de cuidados comuns a mais de um tipo de câncer. 3.1 PROTOCOLOS DE CUIDADOS ESPECÍFICOS Câncer de cabeça e pescoço Câncer de boca Compreende-se como câncer de boca o grupo de tumores classificados pela CID-10 como: Neoplasia maligna da gengiva, Neoplasia maligna do assoalho da boca, Neoplasia maligna do palato, Neoplasia maligna de outras partes e de partes não especificadas da boca. (INCA, 2009). A etiologia deste tipo de câncer pode estar associada ao uso de fumo e de álcool que tem efeito sinérgico. Além destes, pessoas com idade superior aos 40 anos e pele clara, má higiene bucal, exposição ao sol, deficiência alimentar, próteses dentárias mal-ajustadas e infecções por vírus, como papiloma vírus humano e vírus da herpes simples. (IRISH et al, 2006; INCA, 2009; OTTO, 2002). Nos estágios iniciais, os cânceres de boca normalmente apresentam poucos sinais e sintomas. Segundo Otto (2002) e INCA (2009), são evidenciados por feridas na boca que não cicatrizam em duas semanas, ulcerações superficiais indolores com coloração esbranquiçada ou avermelhada nos lábios e na mucosa oral, dor em mucosa, deslocamento de dentadura e sangramento. Posteriormente pode haver dificuldade para falar, mastigar e engolir, dor óssea, anormalidades do nervo craniano, limitação do movimento da língua, trismo, infiltração na pele, emagrecimento acentuado e presença de linfonodomegalia cervical. Para diagnosticar esse tipo de câncer é fundamental conhecer a história de doenças do paciente e realizar o exame físico. Em caso suspeito realiza-se o exame biópsia incisional ou

23 23 endoscopia tripla, além de exames de imagem e de visualização para avaliar possível alastramento e déficits associados. As formas de tratamento para este tipo de câncer podem ser cirúrgicos, radioterápicos, ou quimioterápicos, estes sendo isolados ou associados. Os resultados do tratamento dependerão do estágio da doença e das alterações funcionais durante este período. (INCA, 2009; EAKIN, 2003). Quando as lesões são detectadas logo no início, ou seja, restritas ao seu local de origem e que não se disseminaram para os gânglios linfáticos do pescoço ou para órgãos à distância é indicado tratamento cirúrgico, associada a essa opção realiza-se radioterapia póscirúrgica, que garante a preservação da fala e da deglutição. Já em estágios mais avançados a cirurgia está indicada independentemente da radioterapia. Nos casos em que ocorre linfonodomegalia metastática é indicado dissecção cervical do lado comprometido. Diante de quadro mais avançado em que a cirurgia não é possível, é indicada a quimioterapia associada com a radioterapia, porém o prognóstico é grave, com a possibilidade de não se ter o controle total das lesões, devido aos tratamentos aplicados, e com baixa evidência para a sobrevida Câncer de laringe Para Freita & Lynch & Silva (2003), o câncer de laringe é uma neoformação tissular de caráter maligno, na mucosa laríngea, que invade e destrói outros tecidos. É um dos cânceres mais comuns da região da cabeça e pescoço, representando cerca de 2% de todos os tumores malignos. No mundo, a cada ano, surgem aproximadamente novos casos, sendo a incidência maior no gênero masculino e com idade mais avançada. (AMBROSE, 2007; DIAS et al, 2001; SARTOR et al, 2007). O câncer pode classificar-se em primário ou secundário: o primário pode se difundir pela penetração direta no tecido vizinho, havendo o perigo de após ser retirado rescindir perto do local original. Já o secundário, surge a partir do envolvimento das glândulas linfáticas, o que pode levar ao comprometimento do restante do organismo, por meio de metástases linfáticas, ocorrendo apenas quando houver uma invasão considerável da laringe. Ou ainda conforme a localização: tumor intrínseco apresenta-se glótico (cordas vocais verdadeiras), ou extrínseco, presente em outras áreas da laringe, como: supraglótico (cordas vocais falsas), subglótico (extensão ventral a partir das cordas vocais). (AMBROSE, 2007).

24 24 Os sinais e sintomas segundo INCA (2009) e Ambrose (2007), são rouquidão intensa e constante, disfagia, dispneia, dor e desconforto ao falar, emagrecimento, palidez, insônia, dor inexplicável durante a deglutição, e em fases mais avançadas surgimento de nódulos no pescoço. Geralmente quando há queixa de odinofagia sugere-se a tumor supraglótico, enquanto que a rouquidão é indicativa ao tumor glótico e subglótico. O diagnóstico é realizado primariamente através do exame físico e a anamnese, a qual avalia se há presença de dor, irritação, rouquidão ou dificuldade de deglutição. Também apresenta auxílio de técnicas de imagem como: xerorradiografia, tomografia computadorizada da laringe, laringografia para confirmar a existência da massa ou radiografia de tórax para descartar metástases. Posteriormente é feito laringoscopia e biópsia. (CAMPOS, 2003, AMBROSE, 2007). O tratamento pode ser cirúrgico ou radiológico. De acordo com INCA (2009) e Ambrose (2007), para os cânceres de laringe, em lesões iniciais, utiliza-se cirurgia a laser, já quando avançado o tratamento é feito com radioterapia associado ou não a quimioterapia, para preservar a voz do paciente. Nos casos em que é realizado a laringectomia total, o paciente perde a voz fisiológica e necessita de traqueostomia definitiva. No entanto, para a reabilitação da voz será necessário a utilização das próteses fonatórias traqueo-esofageanas Câncer de tireoide O câncer de tireoide é um tumor maligno de crescimento localizado dentro da glândula tireoide. Conforme Ambrose (2007), esse câncer pode ser: Papilar: de menor virulência, multifocal, bilateral e com metástases lentas para linfonodos regionais do pescoço, do mediastino, do pulmão e de outros órgãos distantes. Considerado o mais frequente, geralmente atinge mulheres de 30 a 40 anos. Apresenta-se como um nódulo palpável, às vezes imperceptível e assimétrico, raramente causa dor, dispneia ou hemoptise, porém tem alta capacidade metastática local e à distância. Após a investigação por meio de exames de sangue realiza-se aspiração por meio de uma agulha fina, biópsia e exames de imagem. De acordo com o diagnóstico e o estágio do tumor é decidido o tipo de tratamento mais adequado, que é a tireoidectomia total, reposição de tiroxina e aplicação de iodo radioativo. (FERRAZ et al, 2001; BELL & ATKINSON, 2003). Folicular: é mais agressivo, porém menos comum, com metástases em linfonodos regionais e órgãos como ossos, fígado e pulmão. Acomete principalmente pessoas após os 40 anos, e representa apenas 10% dos cânceres de tireoide. É caracterizado por ser

25 25 encapsulado, elástico e maleável à palpação, e se dissemina por vasos até ossos, pulmões e fígado. Para diagnosticar é realizado exame de sangue, a aspiração através de uma agulha fina, biópsia e exames de imagem. Conforme o estágio do tumor e sua malignidade define-se o tratamento adequado, que na maioria das vezes opta-se por tireoidectomia total ou parcial, e aplicação de iodo ativado, com constante avaliação da tireoglobulina. (SMELTZER & BARE, 2006; FERRAZ et al, 2001). Carcinoma medular: Continuando com os mesmo autores, origina-se nas células parafoliculares, pode produzir calcitonina, histaminase, corticotropina (provocando síndrome de cushing) e prostaglandinas E2 e F3 (provocando diarreias). Evolui rapidamente com metástase para ossos, fígado e rins. O carcinoma medular representa 7% dos cânceres de tireoide, geralmente mulheres com idade acima de 40 anos. Caracteriza-se por ser uma massa única e indolor. Para diagnosticar esse câncer realiza-se punção com a finalidade de avaliar a imunohistoquímica, além de testes de estímulo com iodo e pentagastrina, além de exames de sangue e de imagem. A forma de tratamento é a tireoidectomia total, com esvaziamento cervical de compartimento central eletivo e jugular de acordo com a necessidade. Carcinoma anaplásico: denominado desta forma por ter origem da indiferenciação de outros tumores de longa duração, ocorre nas células fusiformes e gigantes, resiste à radiação e quase nunca é curável por ressecção. Apresenta uma evolução rápida, atingindo pessoas acima de 60 anos, principalmente do gênero feminino. Ele se manifesta clinicamente pelo rápido crescimento, e também por ser um tumor de consistência dura, de compressão local, causa dor, dispneia, disfagia, tosse e rouquidão. A frequência de metástases é principalmente para a região cervical, o que causa sufocamento, podendo ser esta a causa de óbito. Seu diagnóstico é como nos demais tumores de tireoide com realização de exames de sangue, punção da tireoide, e exames com imagem e cintilografias. O tratamento consiste na tireoidectomia total, parcial ou alguma cirurgia radical, quando estas não são possíveis faz-se uma traqueostomia. Associada as cirurgias pode ser utilizada a radioterapia e a quimioterapia. (GENZYME; BELL & ATKINSON, 2003; FERRAZ et al, 2001). Segundo INCA (2009), a etiologia do câncer de tireoide pode estar interligada a radioterapias na cabeça, pescoço e tórax durante a infância, secreção prolongada de hormônio tireoestimulante, mas principalmente por fatores genéticos. Os sinais e sintomas de câncer de tireoide não são frequentes, o mais comum deles é a presença de nódulos na tireoide (para pessoas que sofreram exposição a radiações) associado a linfonodomegalia cervical e rouquidão, raramente há presença de dor. As nodulações com

26 26 consistência dura ou firme e formato irregular são sugestivas de malignidade. (INCA, 2009; BELL & ATKINSON, 2003). Ambrose (2007), afirma que no diagnóstico é realizado a anamnese e exame físico, buscando identificar sintomatologia associada a alterações hormonais, nodulações, rouquidão, sopros, aumento da tireoide. Laboratorialmente pode haver alterações nos níveis de calcitonina, já em exames de imagem pode ser utilizada a cintilografia da tireoide, ultrassonografia, ressonância magnética e tomografia computadorizada. Os procedimentos diagnósticos incluem biópsia com aspiração por agulha fina e análise histológica estabelece o estágio da doença e orienta plano de tratamento. O tratamento geral inclui radioisótopos, com irradiação externa ou isoladamente, quimioterapia e cirurgias como: tireoidectomia total, subtotal com dissecção modificada de linfonodos (bilateral ou homolateral) e tireoidectomia total e excisão radical do pescoço. QUADRO 1 - Cuidados específicos no pós-alta aos pacientes com câncer de cabeça e pescoço. (Continua) NHB CUIDADOS PÓS-ALTA AO PACIENTE Nutrição/Exercícios e atividades Verificar presença de resultados de exames e físicas/mecânicas corporal/motilidade/ condutas frente a estas; Cuidado corporal/integridade cutâneomucosa/integridade física/regulação: ainda exames de acompanhamento pós tratamento ou intra Verificar necessidade de exames complementares ou hormonal/aceitação/autoestima/autoimagem tratamento..

27 27 Remoção de órgão ou parte do órgão: Nutrição/Exercícios e atividades físicas/mecânica corporal/motilidade/ Cuidado corporal/integridade cutâneomucosa/integridade física/regulação: hormonal/aceitação/autoestima/autoimagem. Proporcionar o acompanhamento multiprofissional; Avaliar déficit de funcionalidade devido a perda parcial ou total do órgão; Avaliar sinais e sintomas de ruptura ou erosão arterial, vazamento do ducto torácico, lesão de nervos, fracasso de retalho reconstrutor; Observar a auto-imagem frente a cirurgias que promovam a desfiguração facial e do pescoço, se necessário encaminhar a atendimento psicológico; Orientar familiares sobre a importância de manter maneiras construtivas de apoiar o paciente; Orientar medidas para melhorar clareza de voz e comunicação; Estimular exercícios orais motores, respiratórios, de pescoço e cabeça; Orientar sobre como realizar a higiene corporal, de cabelos e barba, ressaltando a técnica e a segurança, bem como os benefícios de estar realizando; Havendo necessidade de aspiração orientar quanto ao procedimento cuidados com o equipamento, bem como prover materiais necessários; Deve ser realizado exame físico: mensal no primeiro ano, trimestral no segundo, semestral após o terceiro ano e anual após o quinto ano; Em casos de tireoidectomia: Avaliar constantemente níveis séricos de cálcio e hormônios; Em caso de dissecção radical do pescoço: Observar paralisia facial inferior; Observar disfunção do ombro, devido a ressecção dos nervos espinhais acessórios; Orientar exercícios musculares e reeducação muscular, objetivando a melhoria da amplitude de movimento; Manter posição anatômica com o uso de travesseiros; Apoiar membro superior comprometido com tipoia; Orientar paciente a manter postura e evitar carregar

28 28 peso superior a um quilograma ou dormir sobre o mesmo; Higiene oral: Cuidado corporal/integridade cutâneo-mucosa/ Integridade física/ Percepção: gustativa/ Autoestima. Se laringectomia total: Incentivar exercícios respiratórios. Orientar paciente a higienizar a boca, com jato suave de solução, podem ser utilizados enxaguantes bucais como irrigante após cada refeição ou em caso de não alimentação por via oral 2 (duas) vezes ao dia; Proporcionar a utilização de escova de dente com cerdas macias, dedo ou espátulas envoltas em gazes; Realizar enxágues orais frequentementes com água. Fonte: (Soares & Bastos & Carvalho; Ahana & Kunishi, 1992; Otto, 2002; Ambrose, 2007; Doenges et al, 2003; Carpenito, 2002; Nettina, 2003). Nota : Elaborado pelas acadêmicas Ana Paula Baretta e Tanyclaer Steffenon, e Orientadora Enfermeira Marta Kolhs. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de Enfermagem UDESC CEO. 02/2009. Mesmo com a baixa incidência, o câncer de cabeça e pescoço é bastante complexo, requer orientações específicas para paciente e cuidadores, devendo ser enfocados após a alta hospitalar cuidados durante a higiene oral que, embora seja simples e comum durante a vida do indivíduo, ainda constitui-se em medos e incertezas durante o manuseio. Também, segundo Saconato et al (2007), devem ser repassados conhecimentos quanto a higiene e manuseio da cânula, curativos, sonda nasoenteral e drenos que, neste trabalho, estão inclusos separadamente como cuidados comuns, visto estarem presentes em outros cânceres. Outro ponto irrefutável é a insegurança e sofrimento psíquico relacionados à autoimagem corporal, devido especialmente a desfiguração associada ao tratamento tanto quimioterápico, radioterápico e cirúrgico, não se abstendo a utilização de drenos, sondas nasoenteral ou gástrica, cânulas ou traqueostomias, que ainda hoje, são vislumbrados sobre o relance da estigmatização, tanto pelo doente quanto pelas familiares. Sendo, portanto de suma importância a atenção e apoio da equipe multiprofissional para com o enfermo e com os cuidadores, visando não apenas a cura, mas a recuperação e qualidade de vida, visto a importância gregária. Além do que para Smeltzer & Bare (2006, p. 1300), a comunicação efetiva é um componente essencial na abordagem das necessidades psicossociais e físicas destes pacientes. O que recai sobre o paciente oncológico de cabeça e pescoço, pois muitas vezes essa necessidade humana básica é afetada, gerando angústias e isolamento social, devendo ter

29 29 acompanhamento de profissionais, concomitantemente a família, promovendo a minimização desta problemática. Há também as orientações básicas que dizem respeito aos hábitos de vida, como alimentação errônea e possível associação a fatores de risco, dentre eles etilismo e tabagismo. (SACONATO et al, 2007) Aparelho digestivo Câncer anal O INCA (2009) define tumores anais como crescimentos celulares que ocorrem no canal e margens anais. Tendo maior frequencia no gênero feminino, enquanto que os localizados na parte externa do ânus atingem na sua maioria os homens. Sua etiologia ainda não está totalmente conhecida, mas sabe-se que os fatores de risco como papilomavírus humano (HPV), idade superior a 50 anos, sexo anal e inflamação crônica contribuem para o desenvolvimento desorganizado das células dessa região. (CAMPOS, 2003). Para este mesmo autor os sinais e sintomas desse tipo de câncer são prurido e ardor local, dor ou sangramento nas evacuações, ferida, secreção ou/e nódulo anal, mudança no hábito intestinal, ou no tamanho e forma das fezes. Campos (2003) confirma que, para diagnosticar esse tipo de tumor primeiramente realiza-se o toque retal, mediante alteração deve ser solicitado exame de imagem (proctoscopia, ultrassom transretal). Se visualizada alguma lesão, é necessário coletar material histopatológico dessa lesão para análise com o objetivo de verificar a presença de células malignas. O tratamento vai depender do estágio da doença. Os mais utilizados são a associação da quimioterapia com a radioterapia, pois a possibilidade de cura é alta e preserva a fisiologia do esfíncter anal. A remoção do tumor é recomendada quando este for detectado no estágio inicial. (INCA, 2009; McALEER, 2003) Câncer colo-retal O câncer colo-retal são tumores de crescimento lento que atingem o cólon e/ou reto, ou seja, últimas porções do intestino grosso, quando localizados no cólon sigmóide e no cólon descendente apresentam crescimento circunferencial e diminuem a luz intestinal, enquanto que se no cólon ascendente, são grandes no momento do diagnóstico e palpáveis ao exame

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância Câncer de Tireóide Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O câncer de tireóide é um tumor maligno de crescimento localizado dentro da glândula

Leia mais

CÂNCER DE BOCA. Disciplina: Proteção Radiológica. Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho

CÂNCER DE BOCA. Disciplina: Proteção Radiológica. Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho CÂNCER DE BOCA Disciplina: Proteção Radiológica Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho OBJETIVOS Descrever o processo carcinogênico geral e específico para o

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

Qual é a função dos pulmões?

Qual é a função dos pulmões? Câncer de Pulmão Qual é a função dos pulmões? Os pulmões são constituídos por cinco lobos, três no pulmão direito e dois no esquerdo. Quando a pessoa inala o ar, os pulmões absorvem o oxigênio, que é levado

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 Fisiopatologia do Processo Maligno As células são conhecidas desde o século XVII, quando foram observadas com microscópios muito

Leia mais

Saúde Bucal no Programa de Saúde da Família De Nova Olímpia - MT. Importância da Campanha de. Nova Olímpia MT.

Saúde Bucal no Programa de Saúde da Família De Nova Olímpia - MT. Importância da Campanha de. Nova Olímpia MT. Saúde Bucal no Programa de Saúde da Família De Nova Olímpia - MT Importância da Campanha de câncer bucal no Município de Nova Olímpia MT. Autores: - CD Fabrício Galli e - CD Michelle Feitosa Costa. Com

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER Próstata Sobre o Câncer Sintomas Diagnóstico e exame Tratamento Recomendações O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

Manual Educativo de PaciEntEs E FaMiliarEs

Manual Educativo de PaciEntEs E FaMiliarEs Manual Educativo de Pacientes e Familiares 1 ÍNDICE MANUAL EDUCATIVO DE PACIENTES E FAMILIARES O MANUAL... 04 1. O QUE É CÂNCER?... 05 2. SINAIS DE ALERTA PARA O CÂNCER... 10 3. RECOMENDAÇÕES PARA EVITAR

Leia mais

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um Um tumor é uma massa anormal em qualquer parte do corpo. Ainda que tecnicamente ele possa ser um foco de infecção (um abcesso) ou de inflamação; o termo habitualmente significa um novo crescimento anormal

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata O Câncer de Próstata O câncer de próstata é o segundo tumor mais comum no sexo masculino, acometendo um em cada seis homens. Se descoberto no início, as chances de cura são de 95%. O que é a Próstata A

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo?

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? BIOLOGIA Cláudio Góes Fundamentos de oncologia 1. Introdução Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? Nesta unidade, você verá que o termo câncer refere-se a uma variedade de

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015 UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES ONCOGÊNESE O QUE É O CÂNCER Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células

Leia mais

Câncer de cabeça e pescoço

Câncer de cabeça e pescoço Câncer de cabeça e pescoço Prof. Dr. PAULO HOCHMÜLLER FOGAÇA FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO-RS ANATOMIA nasofaringe boca orofaringe faringe laringe parede posterior parede lateral seio

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA A Doença, ou Linfoma de Hodgkin, é uma forma de câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, um conjunto

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

Prevenção em dobro. Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel CAPA

Prevenção em dobro. Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel CAPA Prevenção em dobro Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel O eixo de Prevenção do Câncer do Programa Cuide-se+ acaba de ganhar um importante reforço no atendimento aos trabalhadores das

Leia mais

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN Gânglio Linfático O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É O LINFOMA DE HODGKIN? O linfoma de Hodgkin é um cancro do sistema linfático, que surge quando as células linfáticas se alteram

Leia mais

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal O QUE É? O NEUROBLASTOMA Coluna Vertebral Glândula supra-renal O NEUROBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O NEUROBLASTOMA? O neuroblastoma é um tumor sólido maligno, o mais frequente em Pediatria

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Nódulo: - Pcp manifestação clínica das dçs da tireóide - 5% das mulheres e 1% dos

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Figura 1: Radiografia de tórax em incidência póstero anterior Figura 2: Tomografia computadorizada de tórax com contraste em corte coronal e sagital

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

Senhor Presidente PROJETO DE LEI

Senhor Presidente PROJETO DE LEI Senhor Presidente PROJETO DE LEI " INSTITUI, NO CALENDÁRIO OFICIAL DE DATAS E EVENTOS DO MUNICÍPIO DE SÃO DE CAETANO DO SUL, O 'MÊS DE CONSCIENTIZAÇÃO E PREVENÇÃO DO CÂNCER DE TIREOIDE' NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS Curso: Graduação em Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial.

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial. Tipos de Câncer Saber identifi car sinais é essencial. O QUE É CÂNCER É uma doença cuja característica principal é o crescimento acelerado e desordenado das células, as quais têm grande potencial para

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

Profª Márcia Rendeiro

Profª Márcia Rendeiro Profª Márcia Rendeiro CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA AMBIENTES INSTRUMENTOS MATERIAIS RECURSOS HUMANOS O PROCESSO DE TRABALHO ODONTOLÓGICO VEM SOFRENDO TRANSFORMAÇÕES AO LONGO

Leia mais

Cancro Gástrico. Prevenção, Diagnóstico e Tratamento. Cancro Digestivo. 30 de Setembro 2006. Organização. Sponsor. Apoio.

Cancro Gástrico. Prevenção, Diagnóstico e Tratamento. Cancro Digestivo. 30 de Setembro 2006. Organização. Sponsor. Apoio. Organização Sponsor Cancro Gástrico Prevenção, Diagnóstico e Tratamento Apoio Secretariado Central Park R. Alexandre Herculano, Edf. 1-4º C 2795-240 Linda-a-Velha Telefones: 21 430 77 40/1/2/3/4 Fax: 21

Leia mais

HOSPITAL DA LUZ 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS

HOSPITAL DA LUZ 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS RADIOEMBOLIZAÇÃO 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS 1 RADIOEMBOLIZAÇÃO A radioembolização é uma radioterapia selectiva administrada por via intra-arterial

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis Filipe Martinho, DVM III Congresso OMV - Novembro 2012 Oncologia e Répteis Aparentemente casos oncológicos são raros; Em colecções zoológicas até 23%

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina MATEC ENGENHARIA ENTREGA O MAIOR LABORATORIO PARA PESQUISA DE CÂNCER DA AMÉRICA LATINA Qui, 14/04/11-11h00 SP ganha maior laboratório para pesquisa de câncer da América Latina Instituto do Câncer também

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia)

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia) 1 SILVA, M.B..; FONSECA, C.A.; RODRIGUES, A.J.L.; Terapia medicamentosa do câncer. In III SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E I JORNADA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UEG. 2005, Anápolis. Anápolis: UEG,

Leia mais

Vamos falar sobre câncer?

Vamos falar sobre câncer? Vamos falar sobre câncer? O SIEMACO sempre está ao lado dos trabalhadores, seja na luta por melhores condições de trabalho, lazer e educação ou na manutenção da saúde, visando a promoção e ascensão social.

Leia mais

TUMORES CEREBRAIS. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

TUMORES CEREBRAIS. Maria da Conceição Muniz Ribeiro TUMORES CEREBRAIS Maria da Conceição Muniz Ribeiro Tumor Cerebral é uma lesão localizada que ocupa o espaço intracerebral e tende a acusar um aumento de PIC. Em adulto, a maior parte dos tumores se origina

Leia mais

O que é Câncer? Estágio de Iniciação

O que é Câncer? Estágio de Iniciação O que é Câncer? O câncer é definido como um tumor maligno, mas não é uma doença única e sim um conjunto de mais de 200 patologias, caracterizado pelo crescimento descontrolado de células anormais (malignas)

Leia mais

PLANO DE CURSO. Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Pré-requisito:

PLANO DE CURSO. Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Pré-requisito: CURSO DE ENFERMAGEM R e c o n h e c i d o p e l a P o r t a r i a n º 2 7 0 d e 1 3 / 1 2 / 1 2 D O U N º 2 4 2 d e 1 7 / 1 2 / 1 2 S e ç ã o 1. P á g. 2 0 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA

Leia mais

A RADIOTERAPIA NA CURA DE CÂNCERES

A RADIOTERAPIA NA CURA DE CÂNCERES A RADIOTERAPIA NA CURA DE CÂNCERES INTRODUÇÃO Elder Alves Moreira dos Santos UNESC* Julho César Soares da Silva UNESC** Karinn de Araújo Soares UNESC*** Ronald Gerard Silva - UNESC **** A radioterapia

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

Enfermagem em Oncologia e Cuidados Paliativos

Enfermagem em Oncologia e Cuidados Paliativos Prof. Rivaldo Assuntos Enfermagem em Oncologia e Cuidados Paliativos Administração e Gerenciamento de Enfermagem Enfermagem na Atenção à Saúde da Mulher e da Criança Enfermagem nas Doenças Transmissíveis

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Patologia Bucal Prof. Patrícia Cé No organismo, verificam-se formas de crescimento celular controladas e não controladas. A hiperplasia,

Leia mais

O QUE É? O TUMOR DE WILMS

O QUE É? O TUMOR DE WILMS O QUE É? O TUMOR DE WILMS Rim O TUMOR DE WILMS O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O TUMOR DE WILMS? O tumor de Wilms é o tipo de tumor renal mais frequente na criança. Desenvolve-se quando células imaturas

Leia mais

DOENÇAS DA TIRÓIDE. Figura nº1 Localização da Tiróide e da Hipófise

DOENÇAS DA TIRÓIDE. Figura nº1 Localização da Tiróide e da Hipófise DOENÇAS DA TIRÓIDE O que é a Tiróide? A Tiróide é uma glândula situada na base do pescoço imediatamente abaixo da maçã de Adão (fig.nº1) e é constituída por dois lobos unidos por uma parte central chamada

Leia mais

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer Data: 27/11/2012 Nota Técnica 23/2012 Medicamento Material Procedimento X Cobertura Solicitante: Bruna Luísa Costa de Mendonça Assessora do Juiz da 2ª Vara Cível Numeração Única: 052512020931-3 Tema: Uso

Leia mais

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais