O IMPACTO SOCIAL DAS DOENÇAS NEGLIGENCIADAS NO BRASIL E NO MUNDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O IMPACTO SOCIAL DAS DOENÇAS NEGLIGENCIADAS NO BRASIL E NO MUNDO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de Fevereiro de 1808 Monografia O IMPACTO SOCIAL DAS DOENÇAS NEGLIGENCIADAS NO BRASIL E NO MUNDO ANDERSON DE JESUS ROCHA Salvador (Bahia), 2012

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de Fevereiro de 1808 Monografia O IMPACTO SOCIAL DAS DOENÇAS NEGLIGENCIADAS NO BRASIL E NO MUNDO ANDERSON DE JESUS ROCHA Professor-orientador: Nicolaus Albert Borges Schriefer Monografia de conclusão do componente curricular MED-B60, e como pré-requisito obrigatório e parcial para conclusão do curso médico da Faculdade de Medicina da Bahia da Universidade Federal da Bahia, apresentada ao Colegiado do Curso de Graduação em Medicina. Salvador (Bahia), 2012

3 Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Universitária de Saúde, SIBI - UFBA. Jesus Rocha, Anderson de O Impacto Social Das Doenças Negligenciadas No Brasil e No Mundo / Anderson de Jesus Rocha. Salvador, Orientador: Prof. Dr.. Nicolaus Albert Borges Schriefer Monografia (Graduação) Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Medicina da Bahia, Doenças Negligenciadas. 2. Tropicais. 3. Sociais. 4. Impacto. I. Borges Schriefer, Nicolaus Albert. II. Universidade Federal da Bahia. III. Título. CDU 616

4 iii Monografia: O Impacto Social Das Doenças Negligenciadas No Brasil e No Mundo Revisão de Literatura. Anderson de Jesus Rocha Professor-orientador: Nicolaus Albert Borges Schriefer COMISSÃO REVISORA Membros Titulares Lucas Carvalho, Professor do ICS-UFBA. Luis Pacheco, Professor do ICS-UFBA. TERMO DE REGISTRO ACADÊMICO: Monografia aprovada pela Comissão, e julgada apta à apresentação pública no III Seminário Estudantil da Faculdade de Medicina da Bahia, com posterior homologação do registro final do conceito (apto ou não apto), pela coordenação do Núcleo de Formação Científica. Chefia do Departamento de Medicina da FMB-UFBA. Salvador (Bahia), 2012

5 iv Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana. Carl Jung

6 v DEDICATÓRIA Aos meus pais, Francisco Rocha e Vera Rocha que me ensinaram desde cedo o valor da educação e os preceitos da moral e justiça. Aos meus irmãos, Raquel e em especial Emerson que dia após o outro me inspira nos quesitos superação e lealdade. Aos amigos que caminham junto comigo nessa estrada com destino a minha formação Médica, em especial Edisio Andrade, Jefferson Oliveira, Anderson Oliveira, Gustavo Brito, Renato Santos e Luciano Sales. A Eliene que sempre acreditou na minha capacidade e perseverança, contribuindo sempre de forma cuidadosa com sua escuta e atenção. Aos meus pacientes que tem contribuído para minha formação Médica e, sobretudo para o aperfeiçoamento de meu caráter.

7 vi AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus pela força que me fora concedido para vencer os diversos obstáculos perante a vida. Agradeço ao meu orientador Dr. Nicolaus Albert Borges Schriefer pela atenção e paciência nesta conclusão de curso, pois mesmo com o seu tempo escasso sempre esteve presente nos momentos que mais precisei.

8 01 ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS ÍNDICE DE FIGURAS ABREVIAÇÕES I. RESUMO II. INTRODUÇÃO III. JUSTIFICATIVA IV. METODOLOGIA V. DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DOS TERMOS APLICADOS ÀS DOENÇAS NEGLIGENCIADAS E AVALIAÇÃO DO IMPACTO DESSAS ENFERMIDADES O PANORAMA DAS DTN NO BRASIL SITUAÇÃO DAS DN NA AMÉRICA LATINA E CARIBE O PAPEL DO MUNDO CATÓLICO NO ALÍVIO ÀS DOENÇAS NEGLIGENCIADAS DOENÇAS NEGLIGENCIADAS NO MUNDO ISLÂMICO E NA ÁFRICA SUBSAARIANA DOENÇAS NEGLIGENCIADAS TAMBÉM ACOMETEM PAÍSES QUE DETÊM A TECNOLOGIA BÉLICA NUCLEAR AGENTES QUE TENTAM AMENIZAR E SOLUCIONAR OS PROBLEMAS OCASIONADOS PELAS DN VI. CONCLUSÃO VII. ABSTRACT VIII. REFERÊNCIAS IX. ANEXOS... 30

9 02 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1. Doenças Tropicais e Suas Causas (OMS) Tabela 2. Características Gerais das DTN Tabela 3. Características Gerais das DTN Tabela 4. DN no Mundo Católico Tabela 5. Ranking das DTN por carga da doença (DALY) na ALC Tabela 6. Pobreza na África Subsaariana de acordo dispêndio diário em subsistência Tabela 7. Principais DTN que acometem a África Subsaariana Tabela 8. Organizações envolvidas na fundação do DNDI e suas características administrativas.36 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1. Países com populações majoritariamente Católica Figura 2. Evolução da Desigualdade na Renda Familiar Per capita no Brasil entre 1995 e 2005: Coeficiente de Gini Figura 3. Evolução da renda apropriada pelos diferentes estratos econômicos da população brasileira Figura 4. Países que compões a OIC Figura 5. Localização dos principais escritórios do MSF... 39

10 03 ABREVIAÇÕES DN OMS MS MCT DTN P&D TB DT LV RDC ALC TA OIC ASS MSF DNDI Doenças negligenciadas Organização Mundial da Saúde Ministério da Saúde Ministério de Ciência e Tecnologia Doenças Tropicais Negligenciadas Pesquisa e Desenvolvimento Tuberculose Doenças Tropicais Leishmaniose Visceral República Democrática do Congo América Latina e América Tripanossomíase Americana Organização de Conferência Islâmica África Sub Saariana Médicos Sem Fronteiras Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas

11 04 I. RESUMO As Doenças negligenciadas (DNs) são condições infecciosas altamente prevalentes, marcadas pelo alto grau de morbidade, porém mortalidade relativamente baixa. Este trabalho discute a distribuição geográfica, impacto e carga das DNs, demonstrando as verdadeiras razões e os interesses em jogo para o negligenciamento dessas doenças. O estudo foi realizado a partir da revisão bibliográfica, sendo os artigos encontrados na plataforma do pubmed, revistas eletrônicas especializadas, como a Public Library of Science (PLOS), de livros texto e, de relatórios governamentais. Concluiu-se que as DN são de grande importância na perpetuação da pobreza e subdesenvolvimento dos países pobres e de renda média. Palavras-chave: Doenças negligenciadas, Tropicais, Sociais, Impacto, Econômico.

12 05 II. INTRODUÇÃO As doenças negligenciadas (DN) constituem um conjunto de doenças infecciosas altamente prevalentes, caracterizadas pelo alto grau de morbidade, porém baixo grau de mortalidade. Elas afetam profundamente a qualidade de vida e geram impactos sócioeconômicos negativos para a população dos paises mais pobres 1,2,3. Embora não sejam exclusivas de países subdesenvolvidos, despertam pouco atrativo financeiro por parte da grande indústria farmacêutica, uma vez que não atingem o grande mercado consumidor que são os países desenvolvidos. Os números referentes ao desenvolvimento e pesquisa de drogas para essas doenças são preocupantes, visto que entre 1975 e 1999, excetuando-se a malária somente 13 novas drogas foram aprovadas para uso no combate a essas doenças. Isso representou 0,9% de todos os medicamentos aprovados no mesmo período, estando muito aquém da necessidade da demanda atual 4,5,6. Em 2001, a pedido da Organização Mundial de Saúde(OMS), um grupo de economistas elaborou um relatório intitulado de Macroeconomia e Saúde, no qual foi criado os termos Doenças tipo I, II e III, tendo características globais, negligenciadas e mais negligenciadas, respectivamente 7. Dentre as doenças negligenciadas estão a tuberculose, hanseniase, dengue e malária, enquanto que a doença do sono, doença de chagas, esquistossomose e leishmaniose são intiluladas como mais negligenciadas. Algumas doenças negligenciadas possuem uma subclassificação, sendo denominadas de doenças tropicais (DT), necessitando de condições climáticas quentes e úmidas para se proliferarem 8,9. As doenças tropicais negligenciadas são compostas por: Úlcera de Buruli, Doença de Chagas, Dengue, Dracunculose, Fasciolose, Doença do Sono (Human african trypanosomiasis), Leishmaniose, Lepra, Filariose Linfática, Oncocercose, Raiva, Esquistossomose, Geo-Helmintíases, Cisticercose, Equinococose, Tracoma e Bouba, além de outras condições negligenciadas como Podoconioses, Picada de cobra e Estrongilodíase 11. Alguns autores inserem a AIDS como DN mesmo sendo considerada global e agregar grandes

13 06 investimentos em P&D de drogas, sendo que sua inserção é justificada pela sua carga, prevalência e restrição ao acesso aos medicamentos, especialmente nos paises Africanos. No Brasil a primeira oficina de prioridades em doenças negligenciadas ocorreu em 2006, fruto da parceria do Ministério da Saúde (MS) com o Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT) e a Secretária de Vigilância em Saúde. Foram definidas sete doenças negligenciadas baseadas em critérios epidemiológicos, impacto da doença e dados demográficos. São elas: dengue, doença de Chagas, leishmaniose, malária, esquistossomose, hanseníase e tuberculose 50.

14 07 III. JUSTIFICATIVA O interesse em escrever sobre este tema partiu da necessidade de buscar um entendimento mais aprofundado de como a geopolítica pode interferir na saúde humana nos dias atuais. Por isso o globo terrestre neste trabalho foi dividido em quatro blocos, de forma que os países fossem agrupados pela semelhança religiosa, econômica e social.

15 08 IV. METODOLOGIA O estudo foi realizado a partir da revisão bibliográfica de artigos científicos relacionados ao assunto. Os artigos foram encontrados através da plataforma Pubmed, revistas eletrônicas especializadas, como a Public Library of Science (PLOS), de livros texto e de relatórios governamentais. Como método de padronização, foi levada em consideração a lista das dezessete doenças que a OMS enquadra como doenças tropicais negligenciadas, sendo elas: Úlcera de Buruli (Mycobacterium ulcerans), Doença de Chagas, Dengue, Dracunculose, Fasciolose, Doença do Sono (Human african trypanosomiasis), Leishmaniose, Lepra, Filariose Linfática, Oncocercose, Raiva, Esquistossomose, Geo-helmintíases, Cisticercose, Equinococose, Tracoma e Bouba (Treponema pertenue), além de outras condições negligenciadas como Podoconioses (Elefantíase não filarial endêmica), Picada de cobra e Estrongilodíase 2. Para as medidas de impacto social foram utilizadas além das taxas de prevalência, incidência e mortalidade, dois indicadores validados pela OMS e por governos para avaliar prevenção e prioridades em saúde. Um desses indicadores é o DALYs 8. Segundo Murray e Lopez (1997), pioneiros nessa linha de pesquisa, DALY abreviatura de Disability-adjusted life years, ou seja, anos de vida ajustados por incapacidade em inglês é a soma de anos de vida perdidos devido à morte prematura com o número de anos de vida vividos com a incapacitação, ajustados por gravidade de incapacitação 9. Ou seja, DALY = (anos de vida perdidos) + (anos de vida gastos com a morbidade) 14. Já o QALY que também será utilizado e tem como significado Quality-Adjusted Life Years, ou seja, qualidade de vida ajustadas em anos, mensura os anos de vida saudáveis vividos. As escalas QALY e DALY variam de 0 a 1, porém de maneira inversa. Enquanto no DALY o Zero indica saúde perfeita e o valor Um conota morte, no QALY a morte é representada por Zero e a perfeita saúde por Um. Entretanto, por DALY ser muito mais utilizado na literatura, será o DALY a principal medida de impacto social empregada neste texto 14.

16 09 V. DESENVOLVIMENTO Atualmente, aproximadamente 1,2 bilhão de pessoas vivem na pobreza absoluta, elas estão localizadas quase que excluivamente nas regiões da Ásia, África subsaariana e Ámerica Latina. Essas pessoas vivem com menos de um dolar americano por dia, configurando extrema vulnerabilidade à aquisição de Doenças Tropicais negligenciadas (DTN) 8. Os efeitos das DTN podem ser observados de forma direta pelos indicadores de morbidade e mortalidade, e também pelo impacto na educacão, economia e agricultura desses paises, além do impacto individual relacionado ao estigma provocado a partir das DTN 12,13. Estes efeitos propiciam uma enorme carga global dessas doenças, além de promover pobreza e subdesenvolvimento econômico 15. As DN prevalecem nos países em desenvolvimento, existindo poucos incentivos de mercado para pesquisa e desenvolvimento (P&D), sendo os níves de investimento desproporcionais à carga global da doença. Um exemplo é a tuberculose (TB), que afeta não apenas o Brasil, mas também países da Europa, porém com uma proporção de morbidade e mortalidade bem maior em nosso país. Já as doenças mais negligenciadas são exclusivas ou primordialmente incidentes nos países em desenvolvimento, quase não existindo incentivos para P&D 6. Certas doenças negligenciadas apresentam uma subclassificação, sendo denominadas de doenças tropicais (DT), ou ainda doenças tropicais negligenciadas. Isso porque são doenças com maior prevalência nas regiões em que as latitudes variam entre 35 N e 35 S, e nas quais a temperatura oscila entre 15 C a 40 C. São doenças infecciosas que sem essas condições não possuem a capacidade de se proliferar 8,9. Ao total são oito doenças causadas por protozoários e vermes, e uma viral. Dentre elas, a malária, filariose linfática e dengue. Na tabela 1 é possível verificar como as doenças tropicais estão divididas segundo suas causas de acordo com a OMS 10. Na tabela 2 são listadas algumas características gerais das doenças negligenciadas 16.

17 10 1. HISTÓRICO DOS TERMOS APLICADOS ÀS DOENÇAS NEGLIGENCIADAS E AVALIAÇÃO DO IMPACTO DESSAS ENFERMIDADES O termo doenças tropicais consta no dicionário médico desde o século XIX, portanto não sendo uma criação da OMS. A expansão da colonização Europeia e dos Estados Unidos para o Caribe e o Pacífico, levou a ampliação do conhecimento ou a descoberta de muitas doenças. Como essas colônias, bem como outras, se situavam nos Trópicos, essas doenças até então exóticas para o colonizador, foram chamadas de Tropicais. Com o intuito de se conhecer ainda mais essas doenças, surgiram sociedades médicas como a London School of Hygiene and Tropical Medicine, fundada em 1899, e a American Society of Tropical Medicine em A denominação doenças tropicais tem sido motivo de bastante contestação, entre cientistas e profissionais de saúde sob alegação de determinismo geográfico ou caracterização de preconceito por parte dos colonizadores aos povos que habitavam a região tropical. Um desses cientistas foi Afrânio Peixoto, professor de Higiene da faculdade de Medicina do Rio de Janeiro no século XIX. Segundo ele, doenças climáticas não existem.... Nas doenças tropicais existe sim um fator de subdesenvolvimento associado historicamente à exploração imposta pelos colonizadores, entretanto, também é notável o papel do clima para disseminação da doença 10. A atual classificação da OMS em grupos I, II, e III é bastante interessante por ser compreensível e por diminuir o estereótipo de que pessoas que vivem nas zonas quentes do globo são transmissoras de doenças. Por outro lado, aumenta o risco de serem classificadas apenas pela condição de Doenças de pobres, fazendo com que haja dessa forma outra culpabilidade aos moradores dessas zonas tropicais 10. Uma parceria colaborativa entre o Banco Mundial e a OMS, no fim da década de 1980, levou ao surgimento do indicador DALY, que nasceu com o objetivo de avaliar o programa de carga global das doenças 17,18. Atualmente a revisão é feita a partir da colaboração financeira da fundação Bill e Melinda Gates. Essa unidade de medida tem como base o tempo, ou seja, é uma medida métrica que serve para estimar o impacto ocasionado por diversas doenças, que

18 11 tem como proposta ser equivalente e intercambiável em todos os lugares e culturas. Dessa forma, por saber o número total de pessoas afetadas e a duração da doença, a carga global da doença pode ser expressa a partir desse indicador 19. Atualmente, as estimativas da carga de morbidade para as principais helmintíases e as outras DTN estão sendo reavaliadas em DALYs, numa iniciativa liderada pelo Instituto de Metrologia da Saúde e Avaliação da Universidade de Washington, apoiada pela Fundação Bill & Melinda Gates 17, O PANORAMA DAS DTN NO BRASIL No Brasil, cerca de 40 milhões de pessoas vivem com menos de 2 dólares por dia, correspondendo a 1/3 de todos os pobres que residem na ALC. Desde 1993 o Brasil vem sofrendo uma queda na desigualdade de renda. O índice de Gini que consiste em um número de 0 a 1, no qual 1 corresponde a completa desigualdade e 0 corresponde a completa igualdade, mostra na figura 2 que o Brasil possuía um índice igual 0,566 em Esse correspondia a um dos valores mais altos de disparidade entre ricos e pobres no mundo 31, 32, 33. Em 2006 verificou-se o menor valor do índice Gini dos últimos 30 anos. No entanto, ultrapassamos apenas 5% dos países no ranking mundial das desigualdades. Nesse ritmo seria necessário mais 20 anos para conseguirmos atingir a média dos países com o mesmo nível de desenvolvimento 33. Mesmo com queda na desigualdade de renda da população brasileira, ela permanece bastante elevada. Na figura 3 é possível inferir que os 10% mais ricos se apropriam de valores acima de 40% da renda, enquanto os 40% mais pobres possuem menos de 10% da renda total apropriada de nosso país. Em outra análise, verifica-se que a parcela de renda do 1% dos mais ricos é da mesma dimensão das apropriadas pelos 50% mais pobres. No Brasil, as populações mais acometidas pela DTN residem nos subúrbios das grandes cidades e em áreas rurais, onde existe maior prevalência de subdesenvolvimento. A

19 12 falta de ampla cobertura de serviços de saúde e o pequeno controle dos recursos naturais servem como fator de disseminação das DTN. Com o surgimento do HIV, a co-infecção com as DTN aparece como um novo problema a ser solucionado. As mais importantes DTN em nosso país são a leishmaniose, tripanossomíase Americana (TA) e dengue. Exceto TA, todas essas DTN acontecem em várias regiões do país. Algumas DTN ocorrem em surtos, a exemplo da oncocercose que se restringe à área indígena Yanomami, e a filariose linfática que ocorre predominantemente na região Metropolitana de Recife. Mesmo não sendo DTN, a tuberculose é bastante prevalente no Brasil. Mais de 50 milhões de pessoas estão infectadas com o bacilo causador da doença. A cada ano, novos casos são notificados e cerca de a óbitos decorrentes dessa doença são registrados. Pessoas que vivem em bairros de baixo índice de desenvolvimento humano, migrantes e do sexo masculino acima de 50 anos são as mais vulneráveis a morrer de tuberculose. Um estudo multicêntrico entre os anos de 1989 e 1999 que incluía todos os estados endêmicos para a doença de Chagas do Brasil revelou que a prevalência desta doença era de 0,13%. A partir deste estudo, dez estados brasileiro foram certificados pela comissão internacional de especialistas da organização Pan-Americana, OPAS, que deveriam trabalhar na interrupção da transmissão vetorial da doença pelo T. infestans. Atualmente o maior problema relacionado a essa doença está ligado aos pacientes crônicos que apresentam mega-cólon ou insuficiência cardíaca SITUAÇÃO DAS DN NA AMÉRICA LATINA E CARIBE Dos 556 milhões de habitantes que vivem na América Latina e Caribe (ALC), 40% vivem abaixo da linha da pobreza (Até U$$2,00/dia). Deste total, 74 milhões vivem com menos de 2 dólares americanos por dia, enquanto 47 milhões sobrevivem com 1 dólar americano por dia. Se for levada em consideração a distribuição de renda, essas duas localidades são marcadas

20 por profunda desigualdade. O décimo da população mais pobre ganha apenas 1,6% do rendimento financeiro total, enquanto que o décimo da população mais rica abarca 48% de todo rendimento financeiro. Se compararmos o país mais desigual da Europa ocidental e dos países industrializados, ainda assim não é tão contrastante quanto o Uruguai, país considerado como o menos desigual dos ALC 23,24. Cerca de um terço dos 213 milhões de pobres que vivem na ALC está habitando a zona rural, geralmente em comunidades de ascendência africana ou Indígena. Essa população precisa enfrentar grande desigualdade e exclusão social, que vai desde acesso à água potável até a falta de acesso a saúde 25,26. Entre 2000 e 2001 cerca de dois terços dos pobres da ALC residiam em favelas e áreas periféricas, onde a condição de pobreza se combina com as condições de falta de saneamento e água insalubre, favorecendo a proliferação de roedores, vetores e outros animais que servem como reservatórios de doenças 27. Na ALC as DTN não estão condicionadas apenas à pobreza intensa, mas, também a populações mais vulneráveis, em especial alguns povos indígenas e comunidades de descendência africana. Algumas das populações indígenas se infectam em campos de trabalho agrícolas e plantações. No sul do México e na Guatemala as taxas de infecção por helmintos transmitidos pelo solo na população indígena é uma das mais altas nas Américas, assim como as taxas de oncocercose e doença de chagas 25. Nas comunidades de ascendência africana, como as encontradas no Caribe, America Central e Brasil, também têm sido verificado altas taxas de prevalência de DTN, principalmente infecção por esquistossomose, oncocercose, filariose linfática e ancilostomíase 28. Na tabela 5, é possível verificar o ranking das DTN, medidos em DALY. Nota-se que as infecções por helmintos transmitidos pelo solo e a doença de chagas, são os responsáveis pela maior carga estimada das DTN na ALC. Essas condições são seguidas pela dengue, esquistossomose e leishmaniose. Com exceção de algumas áreas do Brasil, Bolívia e Peru a dengue é considerada subnotificada, enquanto que a leishmaniose ocorre muito frequentemente em áreas remotas ou regiões que estão em conflito. Por esse motivo não existe uma definição muito acurada da carga global dessas doenças na ALC 29, 30.

21 14 4. O PAPEL DO MUNDO CATÓLICO NO ALÍVIO ÀS DOENÇAS NEGLIGENCIADAS Os países que têm em sua população total a maioria católica, (figura 1) são os mais frequentemente afetados pela alta prevalência de DTNs. A tabela 4 lista esses países. Nela foi adicionada os países que possuem mais de 50% da sua população total declarada como católica. Canadá e Uganda que possuem mais de 40% da sua população católica, mas não a maioria como no caso dos outros 29 países listados na tabela, também estão inseridos no estudo. Os católicos desses países totalizam três quartos da população católica do mundo. O Brasil e o México são os países com maior número de católicos, representando mais de 250 milhões, enquanto que a República das Filipinas, o único país asiático, aparece em terceiro lugar com 70 milhões. A África Subsaariana está representada por quatro países: Angola, Uganda, República Democrática do Congo (RDC) e Burundi. O Brasil na América Latina, a RDC na África Subsaariana e as Filipinas na Ásia, correspondem a aproximadamente 27% das infecções por helmintos intestinais no mundo. A importância desses números é a implicação política que pode ser gerada, uma vez que as principais entidades de caridade da igreja Católica, bem como a própria igreja, podem ter papel ativo na promoção do controle das DTN em vários países com predomínio de população Católica 15. Atualmente, várias instituições de caridade católicas estão fazendo contribuições significativas para a saúde pública global, que vão desde a "desparasitação", ou seja, administração de medicamentos em massa para infecções por helmintos intestinais, até investimentos financeiros 15. Exemplo dessa ação é a realizada pela Catholic Relief Services, que tem contribuído com esse intuito em populações pobres e vulneráveis nos últimos 60 anos. Essa entidade tem fornecido tratamentos anti-helminticos para crianças em idade escolar do Benin e Gana 51. Assim, as Parcerias com a Igreja Católica ou instituições de caridade também poderiam ajudar a reduzir a carga global de doenças como a doença de Chagas, visto que ela é encontrada

22 5 15 quase que exclusivamente nos países da América Latina, portanto uma doença em grande parte dos católicos DOENÇAS NEGLIGENCIADAS NO MUNDO ISLÂMICO E NA ÁFRICA SUBSAARIANA A Organização de Conferência Islâmica (OIC), criada em 1960, é composta por 57 países. A OIC serve como voz coletiva do mundo mulçumano, resolvendo conflitos e disputas entre os estados membros, e protegendo os interesses dos países que compõe a organização. Mesmo contendo grande produção de petróleo e gás natural, alguns membros da OIC estão entre os países mais pobres do mundo. Outros membros estão entre os países de renda média, porém com bolsões de pobreza. Na figura 4 são demonstrados os países que compõe a OIC. Dos países do mapa, 28 deles comportam 90% da população da OIC. Neles existem entre 200 e 300 milhões de pessoas nessa localidade que estão infectadas com um ou mais helmintos, sobretudo apresentando tricuríase, acaridíase e ancilostomíase 34. Atualmente o maior bolsão de pobreza do mundo concentra-se na África Subsaariana (ASS). O Banco Mundial estimou em análise recente que 73% da população dessa região vive com menos de 2 dólares americanos por dia 35, 36. A tabela 6 mostra o grau de pobreza dessa região, comparada com a população do mundo. A população da ASS que vive com menos de dois dólares americanos é superior a quinhentos e cinquenta milhões. Esse valor é praticamente três vezes maior que o resto do mundo vivendo na mesma situação. Mais de 500 milhões de pobres que vivem na África subsaariana estão afetados por DTN, sendo a condição mais comum de agravo à saúde nesta região 36. As geo-helmintíases, esquistossomose, filariose linfática e oncocercose são as DTN mais comuns nessa região 16,37.

23 16 A tabela 7 mostra a estimativa das DT em números absolutos, porcentagem da população infectada e a carga global ocasionada por essas doenças na África Subsaariana. Dois países se destacam por possuírem os maiores números de casos de DTN na ASS. Nigéria e República Democrática do Congo. Esses países apresentam cerca de um terço das infecções helmínticas e dos casos de hanseníase na ASS, além de um quinto dos casos de Tripanossomíase Africana no mundo 36. Atualmente, aproximadamente 181 milhões de crianças vivem na ASS. Praticamente metade delas apresentam tricuríase, ascaridíase, ancilostomíase, e possivelmente a combinação destas 38. Em crianças a infecção por helmintos quando considerada as morbidades da infecção crônica sobre o desenvolvimento, crescimento e desnutrição, possuem um efeito devastador 47, 48, 49.. Frequentemente apresentam profundas consequências físicas e mentais, levando a um aumento no absenteísmo escolar e redução no desempenho das atividades intelectuais e motoras 39,40. Por esse motivo já existe, por parte da OMS a possibilidade das helmintíases materno-infantis serem reclassificadas no ranking das doenças prioritárias de controle 36. Aproximadamente 76% da população da ASS habitam locais próximos a rios, lagos ou outras fontes de água contaminada com o caramujo hospedeiro intermediário do agente causador da esquistossomose, acarretando infecção de aproximadamente 192 milhões de habitantes dessa região 41. A maior parte dos casos ocorre em crianças em idade escolar, adolescentes e jovens adultos que sofrem alta morbidade e mortalidade. Na ASS, são encontradas as duas formas de leishmaniose, cutânea e visceral (LV). A maior parte dos casos de LV ocorre nos países localizados no Nordeste da África, também conhecido corno africano representado por Somália, Quênia, Etiópia, Eritreia e leste do Sudão 45. Em alguns países como o Sudão, afetados por guerras civis, o impacto dessa doença é tão grande que a taxa de mortalidade supera os 50 % 46. Dos 37 milhões de casos da oncocercose no mundo, 99% ocorrem na ASS 43. Ela pode causar desde prurido intenso até cegueira e tanto a forma pruriginosa quanto a causadora de cegueira, estão relacionadas a graves consequências socioeconômicas e estigmatizantes 42,44. A forma mais comum das florestas tropical da África Central e oriental ocorre o prurido,

24 17 enquanto na forma mais comum na África Ocidental, predomina as altas taxas de cegueira 42. Em algumas localidades a oncocercose está presente em mais de 60% da população, e os casos de cegueira podem chegar a 10%. Cerca de 40 % dos DALYs dessa doença está relacionado à cegueira, enquanto que o restante à forma cutânea DOENÇAS NEGLIGENCIADAS TAMBÉM ACOMETEM PAÍSES QUE DETÊM A TECNOLOGIA BÉLICA NUCLEAR. No momento, onze países no mundo detêm a tecnologia de produzir e comercializar bombas nucleares. Porém, a maior parte dessas nações sofre com altas taxas internas de pobreza e doenças negligenciadas endêmicas. A Índia, China, Paquistão e Irã, países considerados de média renda, juntos representam 20% das infecções por helmintos intestinais, esquistossomose e tracoma que são registradas no mundo 15. Por mais que seja fácil pensar em doenças negligenciadas relacionadas somente a países de baixa renda, como os da America Latina, Sudeste da Ásia e África Subsaariana, é possível verificar que essas infecções apresentam alta prevalência mesmo em países de renda intermediária, além de serem encontradas em áreas pontuais de pobreza nos EUA, Rússia e Europa Oriental. Excetuando-se o Reino Unido, uma elevada carga de DN ocorre em todos os países que possuem programa de armas nucleares. As principais DN nesses países são helmintíase, leishmaniose, doença de chagas, toxoplasmose e tracoma. (tabela 3) Mesmo sendo um problema de saúde pública, os estados preferem investir o dinheiro em programas como o nuclear, que tem em sua maior essência a guerra, que nas DN. Em valores absolutos, a Índia investe apenas $0,40 Per capta por ano, no tratamento de sua população de risco para LV 22. Já os EUA injetaram cerca de $65 milhões para o controle global das DN em Isso corresponde a 1/1000 do orçamento previsto para o seu programa em armas nucleares 21.

25 18 7. AGENTES QUE TENTAM AMENIZAR E SOLUCIONAR OS PROBLEMAS OCASIONADOS PELAS DN As DTN, além de serem as infecções mais comuns nos países pobres, também são as principais causas de incapacidade crônica e pobreza em países de baixa e média renda 52. Elas afetam em especial mulheres jovens em idade reprodutiva e crianças, levando a privação da saúde e diminuição do potencial econômico do país. Essas doenças prejudicam de forma indireta a produtividade agrícola, sendo uma das razões para mais de 1,4 bilhões de pessoas não escaparem da miséria 53. A falta de mercado comercial atrativo, muitas vezes, é descrita como a principal razão para o número limitado de medicamentos para o tratamento das DN. Foi demonstrado que o custo do desenvolvimento de drogas para DN, através de modelos de rede e de parceria público privada (PPP), pode ser substancialmente menor que em modelos de pesquisa e desenvolvimento centrados apenas em uma das partes. Isso é motivado por haver repartição dos encargos financeiros entre várias agências, incluindo privadas, filantrópicas e governamentais 54. O efeito avassalador das DN no desenvolvimento econômico e na saúde da população, evidenciado pela carga global é tão grande quanto o de doenças consideradas graves. Os decisores políticos estão começando a entender a importância do apoio financeiro para o controle das DN. Nos últimos anos, o incentivo para o controle dessas doenças tem aumentado, porém ainda continuam insuficientes para a pesquisa e desenvolvimento de novas drogas 54,55. Algumas agências internacionais são conhecidas mundialmente por seu trabalho prestado a comunidade. Exemplos delas são os Médicos sem Fronteiras e o DNDI (iniciativa Medicamentos para doenças negligenciadas). Surgido na França em 1971, Os Médicos sem Fronteiras (MSF), consistem uma organização médica-humanitária internacional e independente, que tem o intuito de ajudar as pessoas que mais precisam. Surgiu a partir de jovens médicos e jornalistas, que no final dos

26 19 anos 60 atuavam como voluntários na Nigéria, mais especificamente em Biafra. Nesse momento o país vivia uma guerra civil, que fez a equipe médica perceber os obstáculos na esfera política e burocrática, além das limitações da ajuda humanitária internacional. O MSF é uma iniciativa independente de governos, que se mantém, na sua maior parte, por contribuições privadas, sendo importante nesse aspecto, por permitir oferecer ajuda humanitária onde for necessário. Atualmente o MSF conta com mais de 22 mil profissionais das mais diversas áreas do conhecimento espalhados em mais de 65 países. A base do trabalho do MSF é oferecer cuidados de saúde em situações de crise. Os principais eixos de atuação do MSF são epidemias, catástrofes naturais, desnutrição e exclusão de acesso à saúde naquelas regiões onde o sistema de saúde não existe ou não funciona. Além disso, a organização oferta cuidados de saúde básica e de prevenção em campos de refugiados, áreas isoladas e de grande instabilidade. No eixo das epidemias, o MSF possui grande prática em atuar contra manifestações epidêmicas de malária, sarampo e meningite. Nas últimas décadas, o MSF também tem se empenhado no combate a epidemias como o HIV/AIDS e tuberculose, além das DN que afetam os mais pobres e para os quais há poucas opções de tratamento efetivo. Através da Campanha de Acesso a Medicamentos, o MSF tem estimulado as pesquisas de novos medicamentos, e o desenvolvimento de vacinas e testes diagnósticos para essas doenças. No ano de 1999, o MSF Co-fundou a Iniciativa de Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDI), que conta com pesquisadores, empresas farmacêuticas e médicos na tentativa de desenvolvimento e aperfeiçoamento de medicamentos para DN. No inicio da década de 90, o MSF começou a tratar pacientes com HIV, sendo que no ano 2000, já foi possível a distribuição de medicamentos para pacientes na África do Sul, Tailândia e Camarões. Em 2007 o MSF tratou mais de 166 mil pessoas soropositivas para HIV, além de fornecer esquema antirretroviral para mais de 112 mil no mesmo ano. As iniciativas de ajuda no combate do HIV incluem a distribuição de medicamentos, o aconselhamento no pré e pós-teste de identificação sorológica, e campanhas educativas para a prevenção da disseminação do vírus.

27 20 A cada ano a malária mata aproximadamente 2 milhões de pessoas e infecta cerca de 500 milhões, sendo que 80% das mortes ocorrem em lactentes e crianças jovens 56. Somente em 2006 e 2007 o MSF tratou mais de 3,3 milhões de pacientes com malária. Desde a década de 80 o MSF tratou mais de 80 mil pacientes com Calazar. Somente em 2007 mais de 4,2 mil pessoas com Leishmaniose foram tratadas pelo MSF. Essa doença é endêmica em 65 países e 90% dos casos são relatados na índia, Bangladesh, Nepal, Etiópia, Brasil e Sudão, sendo que somente no Brasil mais de casos de Leishmaniose visceral foram notificados entre 2007 e Com uma prevalência estimada entre 15 e 18 milhões de infectados, a Doença de Chagas também tem recebido auxilio do MSF desde 1999 através de projetos na Bolívia, México, Brasil e Honduras 58. O MSF tem sua coordenação composta por profissionais de diversas nacionalidades que já trabalharam em projetos humanitários em várias partes do mundo. Os principais escritórios estão alocados em 22 países, da maneira disposta na figura 5. O conselho internacional está localizado em Genebra, na Suíça. As principais decisões do MSF são concentradas nesse conselho, que busca soluções para problemas e questões advindas das equipes do MSF no mundo. No Brasil, até os dias atuais já foram desenvolvidos 15 projetos. O primeiro a ser desenvolvido foi em 1991 no combate à epidemia da cólera na Amazônia. Em 1993 houve a sua primeira intervenção urbana, na cidade do Rio de Janeiro. Já no ano de 2006 foi fundado um escritório com objetivo de comunicação, captação de recursos e recrutamento de profissionais. Esse escritório, com endereço no Rio de Janeiro, é uma delegação do Centro Operacional de Bruxelas. Esse escritório é financiado com dinheiro não apenas do Brasil, mas de cidadãos de vários países do mundo 59. A partir de experiências em campo, o MSF verificou que, a despeito o avanço da indústria farmacêutica, diversas doenças que afetam a população pobre do mundo possuem apenas poucas drogas essenciais para os tratamentos. Muitos desses tratamentos são altamente tóxico, ineficazes e de custo elevado. Por outro lado, algumas das drogas já estavam fora de fabricação. A partir desse conhecimento o MSF destinou o valor do Prêmio Nobel da Paz

28 21 que recebera 1999 para o desenvolvimento de um modelo alternativo de pesquisa e desenvolvimento (P&D) de novos fármacos para tratar DN 60. Como fruto dessa ação, em 2003, sete organizações do mundo se uniram para fundar a Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDI), que desde o mesmo ano configura-se como entidade jurídica 61. DNDI configura-se como uma organização de pesquisa e desenvolvimento de medicamentos que não visa lucro e que acima de tudo é conduzida pelas necessidades dos pacientes 61. Das sete organizações envolvidas na fundação, cinco são instituições do setor público, é organização humanitária e uma organização internacional de pesquisa. Na tabela 8 as organizações e suas características administrativas. A DNDi tem como seu principal objetivo o fornecimento de 6 a 8 novos tratamentos para as doenças negligenciadas como malária, leishmaniose visceral (LV), doença de chagas e doença do sono. Além desse objetivo, a DNDI tem o papel de engajar os governos e conscientizar a opinião pública sobre a necessidade de se desenvolver novos medicamentos e sobre o papel do governo na responsabilidade da perpetuação dessas doenças 62. A administração da DNDi se faz por meio de um conselho de Administração, que conta com a Comissão de Assessoria Científica e Equipe Executiva, sendo que o escritório central está sediado em Genebra com uma filial na América do Norte e escritórios regionais de apoios localizados no Quênia, Índia, Brasil e Malásia, além de escritórios de suporte para projetos regionais na República Democrática do Congo e Japão 63. Para que a DNDI continue independente, tem se buscado um conjunto de recursos que seja proveniente de diversas fontes, colocando como regra que nenhum doador contribua com mais de 25% de seus lucros anuais. De forma parceira com a indústria e centros acadêmicos, a DNDI contempla o maior portfólio sobre P&D para enfermidades causadas por parasitas cinetoplastidas, contando no momento com 07 projetos em fase clínica ou já registrados e 04 em fase pré-clínica, tendo como maior resultado a criação com sucesso de dois produtos antimaláricos no ano de 2007 e 2008.

29 22 VI. CONCLUSÃO As doenças negligenciadas ainda são um dos grandes impasses para o desenvolvimento dos países subdesenvolvidos e daqueles com renda média, como o Brasil. A cooperação entre algumas entidades filantrópicas e algumas parcerias públicas privadas têm ajudado a minimizar as consequências dessas doenças, porém ainda se mostram ineficazes devido ao grande impacto que as DN exercem nos países com altas prevalências e incidências delas. A prevenção, tratamento, controle ou a eliminação dessas doenças é de extrema importância por dois aspectos: o ético e o econômico. O campo ético corresponde à premissa de ser de direito humano fundamental o acesso à saúde. Na esfera econômica está a possibilidade da liberação do potencial econômico dos países afligidos pelas DN, visto a possibilidade de novos investimentos no turismo, ecoturismo, agricultura e mineração ecologicamente correta.

30 23 VII. ABSTRACT The Neglected diseases (NDs) are highly prevalent infectious conditions, marked by high levels of morbidity, but mortality was relatively low. This paper discusses the geographic distribution, impact and burden of NDs, demonstrating the real reasons and the interests at stake for the neglect of these diseases. The study was conducted based on the literature review, and the items found on pubmed platform, specialized electronic journals like Public Library of Science (PLOS), textbooks, and government reports. It was concluded that the NDs are great importance in the perpetuation of poverty and underdevelopment of poor and middle income countries. Keywords Lung: Neglected diseases, Tropical, Social, Impact, Economic.

31 24 VIII. REFERÊNCIAS 1. Drugs for Neglected Diseases iniitiative (http://www.dndi.org.br/), acesso em 6 de Julho de World Health Organization / Organização Mundial de Saúde (http://www.who.int/en/), acesso em 6 de Julho de Kealey Alison, Smith Robert. Neglected Tropical Diseases: Infection, Modeling, and Control.Journal of Health Care for the Poor and Underserved 21 (2010): Moran M (2005) A breakthrough in R&D for neglected diseases: New ways to get the drugs we need. PLoS Med 2(9): e Pecoul B, Chirac P, Trouiller P, Pinel J (1999) Access to essential drugs in poor countries: A lost battle? JAMA 281: BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Prioridades de pesquisa em saúde Disponívelem:<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/CadernoPrioridade Pesquisa.pdf>. Acesso em: 14 de junho de Lindoso, J.A.L. & Lindoso, A.A.B.P. - Neglected tropical diseases in Brazil. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, 51(5): , Alemayehu D, Andrews EN, Glue P, Knirsch CA (2010) Considerations for the Design and Conduct of a Pharmacovigilance Study Involving Mass Drug Administration in a Resource-Constrained Setting. PLoS Negl Trop Dis 4(1): e564. doi: /journal.pntd CAMARGO, Erney Plessmann. Doenças tropicais. Estud. av. [online]. 2008, vol.22, n.64, pp ISSN doi: /S World Health Organization / Organização Mundial de Saúde (http://www.who.int/neglected_diseases/diseases/en/), acesso em 14 de Junho de Conteh L, Engels T, Molyneux D. Socioeconomic aspects of neglected tropical diseases.lancet 2010; 375:

32 A. Montresor, A.F. Gabrielli, A. Diarra, D. Engels.Estimation of the cost of large-scale school deworming programmes with benzimidazoles.a. Montresor et al. / Transactions of the Royal Society of Tropical Medicine and Hygiene 104 (2010) Murray, CJ and Lopez, AD. The utility of DALYs for public health policy and research: a reply. Bull World Health Organ. 1997; 75 (4): Hotez PJ (2011) Neglected Tropical Diseases in the Catholic World. PLoS Negl Trop Dis 5(4): e1132.doi: /journal.pntd ) 16. Molyneux DH, Hotez PJ, Fenwick A (2005) Rapid-impact interventions :How a policy of integrated control for Africa s neglected tropical diseases could benefi t the poor. PLoS Med 2(11): e Mathers CD, Ezzati M, Lopez AD (2007) Measuring the burden of neglected tropical diseases: the global burden of disease framework. PLoS Negl Trop Dis 1: e114. doi: /journal.pntd Murray CJL, Lopez AD, editors. (1996) The global burden of disease: A comprehensive assessment of mortality and disability from diseases, injuries, and risk factors in 1990 and projected to Cambridge (Massachusetts): Harvard School of Public Health/World Bank. 19. King CH, Bertino A-M (2008) Asymmetries of Poverty: Why GlobalBurden of Disease Valuations Underestimate the Burden of Neglected Tropical Diseases. PLoS Negl Trop Dis 2(3): e209. doi: /journal.pntd Stein C, Kuchenmuller T, Hendrickx S, Pruss-Ustun A, Wolfson L, et al.(2007) The global burden of disease assessments WHO is responsible? PLoS Negl Trop Dis 1(3): e161.doi: /journal.pntd Hotez PJ (2010) Nuclear Weapons and Neglected Diseases: The Ten-Thousand-to-One Gap. PLoS Negl Trop Dis 4(4): e680. doi: /journal.pntd Joshi A, Narain JP, Prasittisuk C, Bhatia R, Hashim G, Jorge A, Banjara M, Kroeger A (2008) Can visceral leishmaniasis be eliminated from Asia. J Vector Borne Dis 45: Hotez PJ, Bottazzi ME, Franco-Paredes C, Ault SK, Roses Periago M (2008) The neglected tropical diseases of Latin America and the Caribbean: review of estimated disease

33 26 burden and distribution and a roadmap for control and elimination. PLoS Negl Trop Dis 2: e300. doi: /journal.pntd The World Bank Group (2003) Inequality in Latin America and the Caribbean: breaking with history? Available: Acessado 15 de Março Holveck JC, Ehrenberg JP, Ault SK, Rojas R, Vasquez J, et al. (2007) Prevention, control, and elimination of neglected diseases in the americas: pathways to integrated, interprogrammatic, inter-sectoral action for health and development. BMC Public Health 7: / Soares LC, Griesinger MO, Dachs JN, Bittner MA, Tavares S (2002) Inequities in access to and use of drinking water services in Latin America and the Caribbean. Rev Panam Salud Publica 11(5 6): Ault SK (2007) Pan American Health Organization's regional strategic framework for addressing neglected diseases in neglected populations in Latin America and the Caribbean. Mem Inst Oswaldo Cruz 102: Suppl Lammie PJ, Lindo JF, Secor WE, Vasquez J, Ault SK, et al. (2007) Eliminating lymphatic filariasis, onchocerciasis, and schistosomiasis from the Americas: breaking a historical legacy of slavery. PLoS Negl Trop Dis 1(2): e71. doi: /journal.pntd Beyrer C, Villar JC, Suwanvanichkij V, Singh S, Baral SD, et al. (2007) Neglected diseases, civil conflicts, and the right to health. Lancet 370(9587): /S (07) Torres JR, Castro J (2007) The health and economic impact of dengue in Latin America. Cad Saude Publica 23: Suppl 1S23 S Hotez PJ (2008) The Giant Anteater in the Room: Brazil's Neglected Tropical Diseases Problem. PLoS Negl Trop Dis 2(1): e177. doi: /journal.pntd The World Bank (2004) Inequality and economic development in Brazil, a World Bank country sstudy. The International Bank for Reconstruction and Development. Executive Summary. Washington (D. C.): The World Bank. 33.

34 Hotez PJ (2009) The Neglected Tropical Diseases and Their Devastating Health and Economic Impact on the Member Nations of the Organisation of the Islamic Conference. PLoS Negl Trop Dis 3(10): e539. doi: /journal.pntd Chen SH, Ravallion M (2008) The developing world is poorer than we thought, but no less successful in the fight against poverty. World Bank Policy Research Working Paper 4703 (WPS 4703). Available: Acessado 15 março, Hotez PJ, Kamath A (2009) Neglected Tropical Diseases in Sub-Saharan Africa: Review of Their Prevalence, Distribution, and Disease Burden. PLoS Negl Trop Dis 3(8): e412. doi: /journal.pntd Steinmann P, Keiser J, Bos R, Tanner M, Utzinger J (2006) Schistosomiasis and water resources development: systematic review, meta-analysis, and estimates of people at risk. Lancet Infect Dis 6(7): /S (06) Brooker S, Clements AC, Bundy DA (2006) Global epidemiology, ecology and control of soil-transmitted helminth infections. Adv Parasitol 62: /S X(05) Drake LJ, Jukes MC, Sternberg RJ, Bundy DAP (2000) Geohelminth infections (ascariasis, trichuriasis, and hookworm): cognitive and developmental impacts. Semin Pediatr Infect Dis 11(1): Hotez PJ, Brindley PJ, Bethony JM, King CH, Pearce EJ, et al. (2008) Helminth infections: the great neglected tropical diseases. J Clin Invest 118(4): /JCI Steinmann P, Keiser J, Bos R, Tanner M, Utzinger J (2006) Schistosomiasis and water resources development: systematic review, meta-analysis, and estimates of people at risk. Lancet Infect Dis 6(7): /S (06) Boatin BA, Richards FO Jr (2006) Control of onchocerciasis. Adv Parasitol 61: /S X(05) Amazigo U, Noma M, Bump J, Benton B, Liese B, et al. (2006) Onchocerciasis (chapter 15). In: Jamison DT, Feachem RG, Makgoba MW, Bos ER, Bingana FK, Hofman KJ, Rogo KO, editors. Disease and mortality in Sub-Saharan Africa. Second edition. Washington (D.C.): World Bank. pp

35 Hotez PJ (2008) Stigma: The Stealth Weapon of the NTD. PLoS Negl Trop Dis 2(4): e230. doi: /journal.pntd Reithinger R, Brooker S, Kolaczinski JH (2007) Visceral leishmaniasis in eastern Africa current status. Trans R Soc Trop Med Hyg 101(12): /j.trstmh Bern C, Maguire JH, Alvar J (2008) Complexities of assessing the disease burden attributable to leishmaniasis. PLoS Negl Trop Dis 2(10): e313. doi: /journal.pntd ). 47. King CH, Dangerfield-Cha M (2008) The unacknowledged impact of chronic schistosomiasis. Chronic Illn 4(1): / King CH, Dickman K, Tisch DJ (2005) Reassessment of the cost of chronic helmintic infection: a meta-analysis of disability-related outcomes in endemic schistosomiasis. Lancet 365(9470): /S (05) Hotez PJ, Brooker S, Bethony JM, Bottazzi ME, Loukas A, et al. (2004) Hookworm infection. N Engl J Med 351(8): /NEJMra Fiocruz acessada em 12 de janeiro de 2012 (http://www.cdts.fiocruz.br inctidn/index.php?option=com_k2&view=item&layout=item&id=112&itemid=6). 51. Catholic Medical Mission Board (2010) Ourhistory. Available: 16 março Hotez PJ, Molyneux DH, Fenwick A, Kumaresan J, Ehrlich Sachs S, et al. (2007) Control of neglected tropical diseases. N Engl J Med 357: Hotez PJ, Fenwick A, Savioli L, Molyneux DH (2009) Rescuing the bottom billion through control of neglected tropical diseases. Lancet 373: Jakobsen PH, Wang M-W, Nwaka S (2011) Innovative Partnerships for Drug Discovery against Neglected Diseases. PLoS Negl Trop Dis 5(9): e1221. doi: /journal.pntd Nwaka S, Hudson A (2006) Innovative lead discovery strategies for tropical diseases. Nat Rev Drug Discov 5: )( Jakobsen PH, Wang M-W, Nwaka S (2011) Innovative

36 29 Partnerships for Drug Discovery against Neglected Diseases. PLoS Negl Trop Dis 5(9): e1221. doi: /journal.pntd Erica MW Billig, Wendy P O'Meara, Eleanor M Riley and F Ellis McKenzie. Developmental allometry and paediatric malaria. Malaria Journal 2012, 11:64 doi: / Machado de Assis TS, Rabello A, Werneck GL (2012) Predictive Models for the Diagnostic of Human Visceral Leishmaniasis in Brazil. PLoS Negl Trop Dis 6(2): e1542. doi: /journal.pntd COURA, José Rodrigues and JUNQUEIRA, Angela CV. Risks of endemicity, morbidity and perspectives regarding the control of Chagas disease in the Amazon Region. Mem. Inst. Oswaldo Cruz [online]. 2012, vol.107, n.2, pp ISSN Médicos sem fronteiras do Brasil, acesso em 14 de março de 2012 (http://www.msf.org.br/conteudo/114/msf-brasil/). 60. Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas, acesso 14 de março de 2012 ( 61. Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas, acesso 14 de março de 2012 (http://www.dndi.org.br/pt/sobre-a-dndi/panorama/visao-a-missao.pdf). 62. Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas, acesso 14 de março de 2012(http://www.dndi.org.br/pt/sobre-a-dndi/panorama/objetivos.pdf). 63. Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas, acesso 14 de março de 2012 (http://www.dndi.org.br/pt/sobre-a-dndi/equipe-da-dndi.pdf).

37 30 IX. ANEXOS Tabela 1. Doenças Tropicais e Suas Causas (OMS) Protozoário Verme Virais Malária Esquistossomose Dengue Leishmaniose Oncocercose Doença de Chagas Filariose Linfática Doença do Sono Tabela 2. Características Gerais das DTN As intervenções, quando aplicadas, tem uma história de sucesso. Presentes nas zonas rurais de países de baixa renda e em estados frágeis. Associadas a um estigma. Associadas à pobreza. São aflições antigas, que atingem a humanidade há séculos. Não há um mercado comercial para os produtos que combatem essas doenças.

38 31 Tabela 3. Doenças negligenciadas nos países com armas nucleares País Doença Doença Doença Doença Doença negligenciada negligenciada negligenciada negligenciada negligenciada Número de casos Número de casos Número de casos Número de casos Número de casos Estados Unidos Toxocaríase 1-3 milhões Tricmoníase 1 milhão Doença de Chagas <1 milhão Cisticercose <0.2 milhões Estrongiloídiase 0.1 milhão USSR/Rússia Toxoplasmose Prevalência não determinada Fascíola hepática 12, 5 milhões em risco Sífilis Congênita Incidência 170/ em 1996 Reino Unido Toxocaríase Prev. não determinada Toxoplasmose Prevalência não determinada França Toxoplasmose 59% Prevalência na gravidez Leishmaniose Incidência / Doença de Chagas Prevalência não determinada Estrongiloídiase Prev. não determinada China Índia Ascaridíase 86 milhões Ascaridíase 140 milhões Ancilóstomo 39 milhões Tricuríase 73 milhões Tricuríase 29 milhões Ancilóstomo 71 milhões Tracoma 27 milhões Filariose Linfática 30 milhões Paragonimíase e Fascíola hepática 13 milhões Tracoma 1 milhão Toxoplasmose 12%-45% Prevalência na gravidez Leishmaniose 0.3 milhões Israel Leishmaniose Incidência / Paquistão Coréia do Norte Ascaridíase 21 milhões Ascaridíase 8 milhões Ancilóstomo 2 milhões Ancilóstomo 1 milhão Tricuríase 1,5 milhões Tricuríase 0.2 milhões Tracoma 0.3 milhões Fascíola hepática Prevalência não determinada Leishmaniose Prevalência não determinada Iran Siria Ascaridíase 5 milhões Leishmaniose Prevalência não determinada Tricuríase 1,6 milhões Ancilóstomo 0.4 milhões Toxoplasmose 29%-64% Prevalência na gravidez ou em mulheres Leishmaniose Prevalência não determinada Tracoma

39 32 Tabela 4. DN no Mundo Católico País Católico (Milhões) Católico (%) Ascaridiase ( Milhões) Tricuríase (MIlhôes) Ancilóstomo (Milhões) Esquistossomose (Milhões) Transmissão +/- FL ou onco Transmissão de Chagas +/- 1 Brasil México Filipinas < Itália França Colômbia Espanha Polônia Argentina RDC Peru Venezuela Canadá Equador Uganda Chile Guatemala Angola < Portugal Bolívia < _ 21 Rep. Dom 8 86 <1 <1 <1 < Bélgica Haiti Cuba 6 50 < Hungria Honduras _

40 33 27 Áustria El Salvador Paraguai < Nicarágua 5 82 < Burundi Totalidade do Mundo Católico População Mundial / Católicos 12% 22% 28% 21% 14%-16% 100% Continuação da tabela 4. DN no mundo católico

41 34 Tabela 5. Ranking das DTN por carga da doença (DALY) na ALC Doença Estimativa da Carga Global da Doença em DALY. Número de casos na ALC (Número de Casos Mundiais) Estimativa da Porcentagem da Carga Global na ALC Estimativa ALC da Carga da doença em DALY na ALC (Milhões) Em Milhões (%) Ancilóstomo (576) Ascaridíase (807) Tricuríase (604) Doença de Chagas Dengue Leishmaniose Esquistossomose (207) Filariose Linfática (120) Tracoma (84) Lepra Total Das DTNs HIV/SIDA Tuberculose Malária doi:info:doi/ /journal.pntd t001

42 35 Tabela 6. Pobreza na África Subsaariana de acordo dispêndio diário em subsistência Dispêndio (U$) População ASS em Milhões (%) População Mundial em Bilhões (%) 1,25 390,6 (51%) (28%) 2,00 556,7 (73%) (22%) Tabela 7. Principais DTN que acometem a África Subsaariana. DTN Estimativa da população infectada na ASS Estimativa % da população infectada na ASS Carga global da doença estimada (%)na ASS Ancilóstomo 198 milhões 29% 34% Esquistossomose 192 milhões 25% 93% Ascaridíase 173 milhões 25% 21% Tricuríase 162 milhões 24% 27% Filariose linfática milhões 6-9% 37-44% Oncocercose 37 milhões 5% >99% Tracoma ativa 30 milhões 3% 48% Sífilis 13 milhões 1-2% 100% Febre amarela ,02% 90% Tripanossoma humana africana <0,01% 100% <0,01% 14% Lepra Leishmania (visceral) <0,01% ND Dranculose <0,01% 100% Úlcera de Buruli > <0,01% 57%

43 36 Tabela 8. Organizações envolvidas na fundação do DNDI e suas características administrativas Setor Público Org. Humanitária Org. Int. de Pesquisa Conselho Indiano de Pesquisa Médica da Índia Instituto de Pesquisa Médica do Quênia Fundação Oswaldo Cruz do Brasil Ministério da Saúde da Malásia Instituto Pasteur da França Médicos sem Fronteiras (MSF) Programa Especial para Pesquisa e Treinamento em Doenças Tropicais (TDR) do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) / Banco Mundial/Organização Mundial da Saúde (OMS)

44 37 Figura 1. Países com populações majoritariamente Católicas Fonte: doi:info:doi/ /journal.pntd g001 Figura 2. Evolução da Desigualdade na Renda Familiar Per capita no Brasil entre 1995 e 2005: Coeficiente de Gini

45 38 Figura 3. Evolução da renda apropriada pelos diferentes estratos econômicos da população brasileira Figura 4. Países que compões a OIC doi:info:doi/ /journal.pntd g001

Saúde, Cidadania e Desenvolvimento

Saúde, Cidadania e Desenvolvimento Saúde, Cidadania e Desenvolvimento Doenças Negligenciadas, novo perfil epidemiológico e desenvolvimento no Brasil Marcos Montani Caseiro Doenças Negligenciadas (O Conceito) Décadas 70/90 Fundação Rockefeller

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente P R E S S R E L E A S E Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente Novo relatório do UNAIDS mostra que a epidemia da aids parou de avançar

Leia mais

TÍTULO: DOENÇAS TROPICAIS NEGLIGENCIADAS: VISÃO GLOBAL E SITUAÇÃO ATUAL NO BRASIL

TÍTULO: DOENÇAS TROPICAIS NEGLIGENCIADAS: VISÃO GLOBAL E SITUAÇÃO ATUAL NO BRASIL TÍTULO: DOENÇAS TROPICAIS NEGLIGENCIADAS: VISÃO GLOBAL E SITUAÇÃO ATUAL NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

NOVA NOMENCLATURA DOENÇAS PROMOTORAS DA POBREZA

NOVA NOMENCLATURA DOENÇAS PROMOTORAS DA POBREZA CENÁRIO MUNDIAL Novo conceito: populações negligenciadas e não doenças negligenciadas NOVA NOMENCLATURA DOENÇAS PROMOTORAS DA POBREZA Doenças tropicais negligenciadas (DTN) são sinal de pobreza e de exclusão,

Leia mais

ESTATÍSTICAS GLOBAIS DE 2014

ESTATÍSTICAS GLOBAIS DE 2014 EMBARGADO PARA TRANSMISSÃO E PUBLICAÇÃO ATÉ ÀS 06:30 (HORÁRIO DE BRASÍLIA), TERÇA-FEIRA, 14 DE JULHO DE 2015 FICHA INFORMATIVA ESTATÍSTICAS GLOBAIS DE 2014 15 de pessoas com acesso a terapia antirretroviral

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

Fórum de Diálogo IBAS

Fórum de Diálogo IBAS Fórum de Diálogo IBAS, e do Sul Integração SUL-SUL Fórum de Mulheres FÓRUM De DIÁLOGO IBAS, e do Sul O Fórum IBAS é uma iniciativa trilateral entre, e do Sul, desenvolvida para promover a cooperação Sul-

Leia mais

Reforço das Capacidades de Investigação Clínica em Angola através do Programa EDCTP-2

Reforço das Capacidades de Investigação Clínica em Angola através do Programa EDCTP-2 Reforço das Capacidades de Investigação Clínica em Angola através do Programa EDCTP-2 Contributos para os Objetivos do «Plano Nacional de Desenvolvimento Sanitário da República de Angola (2012-2015)» Ricardo

Leia mais

CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP

CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP 2012 6º Objetivo de Desenvolvimento do Milênio COMBATER O HIV/AIDS, A MALÁRIA E OUTRAS DOENÇAS A inclusão do combate ao HIV/Aids nas Metas do Milênio, foi

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

Doenças negligenciadas ainda matam 1 milhão por ano no mundo

Doenças negligenciadas ainda matam 1 milhão por ano no mundo Doenças negligenciadas ainda matam 1 milhão por ano no mundo Com investimentos crescentes, em torno de R$ 75 milhões ao ano, Brasil lidera a lista dos países em desenvolvimento que mais têm aplicado recursos

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CONSENSO

DECLARAÇÃO DE CONSENSO Consulta Técnica sobre HIV e Alimentação Infantil realizada em nome da IATT Equipe de Trabalho Inter Agencias sobre a Prevenção de infecções pelo HIV em mulheres grávidas, mães e seus bebes Genebra, 25

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando Neiva Liboreiro 14 de dezembro de 2006 Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando

Leia mais

A CARGA DE DOENÇA POR AIDS EM FLORIANÓPOLIS SC NO ANO DE 2009

A CARGA DE DOENÇA POR AIDS EM FLORIANÓPOLIS SC NO ANO DE 2009 A CARGA DE DOENÇA POR AIDS EM FLORIANÓPOLIS SC NO ANO DE 2009 Mariah Fernandes Silva Jefferson Traebert 2 INTRODUÇÃO Os indicadores de saúde mostram-se de suma importância para que sejam tomadas decisões

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING Recife 04/08/2014 1 Nos últimos anos, com a integração dos países devido à globalização, houve um aumento da

Leia mais

Eric Stobbaerts, Diretor, DNDi América Latina

Eric Stobbaerts, Diretor, DNDi América Latina 6º ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO EM FÁRMACOS E MEDICAMENTOS O papel do Estado na P&D para doenças negligenciadas Eric Stobbaerts, Diretor, DNDi América Latina Panorama Carga global de doenças tropicais

Leia mais

Contribuições da Agricultura Familiar para a Segurança Alimentar e Nutricional: Desafios Futuros

Contribuições da Agricultura Familiar para a Segurança Alimentar e Nutricional: Desafios Futuros Rural Infrastructure and Agro-Industries Division (AGS) Contribuições da Agricultura Familiar para a Segurança Alimentar e Nutricional: Desafios Futuros Carlos Arthur B. da Silva, Ph.D. Conteúdo Contexto

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

O processo produtivo de medicamentos e a efetivação dos Direitos Fundamentais

O processo produtivo de medicamentos e a efetivação dos Direitos Fundamentais O processo produtivo de medicamentos e a efetivação dos Direitos Fundamentais Sara Helena Pereira e Silva 1 1. RESUMO A presente pesquisa pretende enfrentar a questão do acesso a medicamentos e tratamentos

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Grupo de Trabalho 4: Fortalecendo a educação e o envolvimento da sociedade civil com relação ao vírus HIV, malária

Leia mais

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015 Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável O INÍCIO: ANO 2000 Combate a inimigos históricos da humanidade: Pobreza e fome Desigualdade de gênero Doenças transmissíveis

Leia mais

6A Aids e a tuberculose são as principais

6A Aids e a tuberculose são as principais objetivo 6. Combater Hiv/aids, malária e outras doenças O Estado da Amazônia: Indicadores A Amazônia e os Objetivos do Milênio 2010 causas de mortes por infecção no mundo. Em 2008, 33,4 milhões de pessoas

Leia mais

Desafios para o controle da

Desafios para o controle da Desafios para o controle da Tuberculose como problema de saúde pública e doença determinada Tuberculose e perpetuadora no Brasil da miséria Draurio Barreira Coordenador do PNCT Draurio Barreira Coordenador

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE Conferência Internacional sobre a Saúde Materna, Neonatal e Infantil em África 01 a 03 de agosto de 2013, Joanesburgo, África do Sul Comunicado Primeiras Consultas Ministeriais Multisetoriais sobre a Saúde

Leia mais

Investigação em Saúde Internacional

Investigação em Saúde Internacional Investigação em Saúde Internacional Necessidades e dificuldades Alexandre Abrantes Sumário Investigação epidemiológica Investigação sobre serviços de saúde Investigação e desenvolvimento na área da tecnologia

Leia mais

50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 27 de setembro a 1 o. de outubro de 2010 CD50/DIV/3 ORIGINAL:

Leia mais

12/2/2009. São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. ZOONOSES *

12/2/2009. São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. ZOONOSES * ZOONOSES * São doenças e infecções naturalmente transmitidas entre animais vertebrados e os humanos. * Médico alemão Rudolf Wirchow(século XIX) Fco Eugênio D. de Alexandria Infectologista Zoon = animal

Leia mais

Pontos principais Antecedentes e contexto Políticas e estratégias para o controle da malária Tratamento

Pontos principais Antecedentes e contexto Políticas e estratégias para o controle da malária Tratamento Resumo O Relatório Mundial da Malária de 2009 resume informação recebida de 108 países com malária endêmica e de outras fontes e atualiza a análise apresentada no Relatório de 2008. Destaca o progresso

Leia mais

Fundo de População das Nações Unidas. GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015

Fundo de População das Nações Unidas. GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015 Fundo de População das Nações Unidas GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015 Fundo de População das Nações Unidas Cooperação Internacional para o Desenvolvimento Expansão das liberdades individuais

Leia mais

Iniqüidades nas informações sobre saúde: uma visão global, um exemplo brasileiro. Cesar Victora Universidade Federal de Pelotas

Iniqüidades nas informações sobre saúde: uma visão global, um exemplo brasileiro. Cesar Victora Universidade Federal de Pelotas Iniqüidades nas informações sobre saúde: uma visão global, um exemplo brasileiro Cesar Victora Universidade Federal de Pelotas Resumo da apresentação Iniqüidades na saúde das crianças Uma visão global

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 PREVENÇÃO ASSISTÊNCIA E TRATAMENTO DIREITOS HUMANOS COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DESAFIOS PREVENÇÃO Mais de 30 campanhas de massa para

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Ambiente e. Sustentabilidade. Carlos Machado de Freitas

Ambiente e. Sustentabilidade. Carlos Machado de Freitas Saúde, Ambiente e Sustentabilidade ORIGEM DA VIDA NO PLANETA (4,5 bilhões a 600 milhões de anos atrás) DOS HOMINÍDEOS AOS HUMANOS (4,4 milhões à 100 mil anos atrás) FIM DA ERA GLACIAL E DOMESTICAÇÃO DA

Leia mais

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas realizará em junho de 2012, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre

Leia mais

REGIONALAIZAÇÃO DO ESPAÇO GEOGRÁFICO T O D O S O S L U G A R E S D O M U N D O P O D E M S E R C O N S I D E R A D O S I G U A I S?

REGIONALAIZAÇÃO DO ESPAÇO GEOGRÁFICO T O D O S O S L U G A R E S D O M U N D O P O D E M S E R C O N S I D E R A D O S I G U A I S? REGIONALAIZAÇÃO DO ESPAÇO GEOGRÁFICO T O D O S O S L U G A R E S D O M U N D O P O D E M S E R C O N S I D E R A D O S I G U A I S? A Morador de rua em Nova York (EUA); em Fort Lauderdale são mais de 2

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA Dr. Robinson Fernandes de Camargo Interlocução de DST/Aids da Coordenadoria Regional de Saúde - Sudeste CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA No início

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010.

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. Larissa de Oliveira Abrantes 1 ; Amanda Cristina Souza

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Explorando Conexões Entre a Água e Crescimento Econômico

Explorando Conexões Entre a Água e Crescimento Econômico Explorando Conexões Entre a Água e Crescimento Econômico REPORTE PREPARADO PARA O HSBC: RESUMO EXECUTIVO Junho 2012 Sumário executivo O desafio da água O crescimento econômico e populacional estão tornando

Leia mais

Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios. cio-econômicos em grandes centros urbanos com altas cargas da doença Brasil, 2001-2003

Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios. cio-econômicos em grandes centros urbanos com altas cargas da doença Brasil, 2001-2003 Programa Nacional de Controle da Tuberculose/ SVS/ MS Instituto de Estudos em Saúde Coletiva/ UFRJ Incidência e mortalidade por tuberculose e fatores sócios cio-econômicos em grandes centros urbanos com

Leia mais

A caminho da igualdade

A caminho da igualdade A caminho da igualdade Estudo mostra que a educação é determinante para reduzir as desigualdades de gênero, em todas as fases de vida das mulheres 50 KPMG Business Magazine Como defender a empresa Os Jogos

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

ÁFRICA. Prof. Marcos

ÁFRICA. Prof. Marcos ÁFRICA Prof. Marcos REGIÕES AFRICANAS NORTE DA ÁFRICA (PREDOMÍNIO DE POVOS ÁRABES) EXPANSÃO DO ISLAMISMO, PÓS SÉC. VII Queniano (África Subsahariana) e Marroquino (Norte da África) MAGREB ( poente ) Especiarias

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Outubro de 0 N o Monitoramento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODMs Consulte A Fundação Seade disponibilizará, anualmente, as séries históricas do conjunto de indicadores dos ODMs

Leia mais

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro... Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...enquanto os líderes mundiais se preparam para um encontro em Nova York ainda este mês para discutir o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento do

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas e Gravidez

2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas e Gravidez 2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas e Gravidez Destinatários: Médicos Especialistas e Internos de Especialidade de Ginecologia e Obstetrícia, Medicina Interna, Medicina Geral e Familiar e outras

Leia mais

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento 1 IMVF Documento de Posicionamento A SAÚDE DA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento

Leia mais

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões Pobreza e Prosperidade Compartilhada nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades Aude-Sophie Rodella Grupo Sectorial da Pobreza Brasilia, June 2015 No Brasil, a pobreza

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

Experiência de Médicos Sem Fronteiras em Gestão de Risco na

Experiência de Médicos Sem Fronteiras em Gestão de Risco na Experiência de Médicos Sem Fronteiras em Gestão de Risco na Atuação do Profissional de Saúde em Áreas de Vulnerabilidade Social III Mostra Nacional de Saúde de Família Brasília, 05 a 08/Agosto/2008 MSF

Leia mais

O Estado de S.Paulo 30/01/2007 câncer câncer Vigilância Sanitária Anvisa Medicamentos medicamentos câncer câncer câncer câncer câncer INCIDÊNCIA

O Estado de S.Paulo 30/01/2007 câncer câncer Vigilância Sanitária Anvisa Medicamentos medicamentos câncer câncer câncer câncer câncer INCIDÊNCIA O Estado de S.Paulo Vida & Liberada droga contra câncer de pulmão Tarceva é o 1º remédio de terapia-alvo para combater a doença; um mês de tratamento custará R$ 8 mil Adriana Dias Lopes O primeiro remédio

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE Unidade III Cidadania e movimento. 2 Aula 14.2 Conteúdos Outros elementos medidos pelo IDH. Comentários sobre o IDH de 2011. 3 Habilidade

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA NA REGIÃO NORTE: DISCREPÂNCIAS, DISPARIDADES E ASSIMETRIAS DA SAÚDE COMO DIREITO SOCIAL

SAÚDE PÚBLICA NA REGIÃO NORTE: DISCREPÂNCIAS, DISPARIDADES E ASSIMETRIAS DA SAÚDE COMO DIREITO SOCIAL SAÚDE PÚBLICA NA REGIÃO NORTE: DISCREPÂNCIAS, DISPARIDADES E ASSIMETRIAS DA SAÚDE COMO DIREITO SOCIAL Prof. Dr. David Lopes Neto - UFAM Prof a Dr a Eliana Ofélia Llapa-Rodriguez - UFS Prof. Dr. António

Leia mais

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO OBJETIVOS Compreender a abordagem geográfica da fome; Discorrer sobre fome e desnutrição; Conhecer a problemática de má distribuição de renda e alimentos no Brasil

Leia mais

Princípios Orientadores

Princípios Orientadores P ORIGINAL: INGLÊS DATE: 8 DE JUNHO DE 2011 WIPO Re:Search Partilha da inovação na luta contra as doenças tropicais negligenciadas Princípios Orientadores WIPO Re:Search Partilha da inovação na luta contra

Leia mais

ESPACIALIZAÇÃO DOS CASOS DE TUBERCULOSE NA PARAÍBA

ESPACIALIZAÇÃO DOS CASOS DE TUBERCULOSE NA PARAÍBA 1 ESPACIALIZAÇÃO DOS CASOS DE TUBERCULOSE NA PARAÍBA Wendell Soares Carneiro. Faculdades Integradas de Patos-FIP. wendell_sc@ig.com.br. Bianka Pereira Evangelista - FIP biankapereira@msn.com; Andréia Rayanne

Leia mais

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Desafios de uma cultura de compromisso social O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Interage Consultoria em Gerontologia 1978... 1988... Psicanálise e velhice: resistência

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS Carta ANAIDS 1º de Dezembro - Dia Mundial de Luta contra a AIDS Cada um tem sua cara e a aids também tem... A ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra Aids - colegiado que reúne os Fóruns de ONG Aids

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Título: A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Projeto de pesquisa: ANÁLISE REGIONAL DA OFERTA E DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE NOS MUNICÍPIOS GOIANOS: GESTÃO E EFICIÊNCIA 35434 Autores: Sandro Eduardo

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

A emergência de um novo mundo no século XXI?

A emergência de um novo mundo no século XXI? A emergência de um novo mundo no século XXI? José Eustáquio Diniz Alves 1 A economia mundial deve crescer cerca de 4 vezes nos próximos 40 anos. Isto quer dizer que o Produto Interno Bruto (PIB) terá o

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Duração do trabalho em todo o mundo: Principais achados e implicações para as políticas

Duração do trabalho em todo o mundo: Principais achados e implicações para as políticas Duração do trabalho em todo o mundo: Principais achados e implicações para as políticas Brasília, 25 de março de 2010 Jon C. Messenger Programa de Condições de Trabalho e Emprego Escritório da Organização

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti*

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti* Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013 Por Roberto Vertamatti* Brasil recua novamente para a 15ª posição por não melhorar índices de saúde, educação e renda e piorar em relação a pobreza e desigualdade

Leia mais

«A eliminação das doenças tropicais negligenciadas em África é possível»

«A eliminação das doenças tropicais negligenciadas em África é possível» SA9437 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE SEXTA CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DA SAÚDE DA UNIÃO AFRICANA 22-26 DE ABRIL DE 2013 ADIS ABEBA, ETIÓPIA UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Tele: +251-115

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Tackling the challenge of feeding the World: A Family farming perspective

Tackling the challenge of feeding the World: A Family farming perspective Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura YEAR OF FAMILY FARMING Economic and Social Development Department Science for Poverty Erradication and Sustainable Development Tackling

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010

PROVA DE GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROVA DE GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROF. FERNANDO NOME N o 9 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019. Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar PROJETO DE PARECER

PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019. Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar PROJETO DE PARECER PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar 2014/2204(INI) 5.1.2015 PROJETO DE PARECER da Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente:

Estatuto da Criança e do Adolescente: PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL HIV e alimentação infantil Estatuto da Criança e do Adolescente: Livro I Parte Geral Título I Das disposições preliminares Art. 4º - é dever da família, da comunidade,

Leia mais

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD ,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD 'RFXPHQWRDSUHVHQWDGRSRURFDVLmRGRODQoDPHQWRGD &RPLVVmR1DFLRQDOVREUH'HWHUPLQDQWHV6RFLDLVHP6D~GHGR %UDVLO&1'66 0DUoR ,QLTXLGDGHVHPVD~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Cientistas anunciam descoberta de três substâncias candidatas a anti retroviral brasileiro

Cientistas anunciam descoberta de três substâncias candidatas a anti retroviral brasileiro Cientistas anunciam descoberta de três substâncias candidatas a anti retroviral brasileiro Grupo de pesquisadores da Fundação Ataulpho de Paiva, da Universidade Federal Fluminense e do Instituto Oswaldo

Leia mais

rotary isto é rotary

rotary isto é rotary rotary isto é rotary rotary Organização dedicada à prestação de serviços humanitários e promoção da boa vontade e paz mundial, que congrega 1,2 milhão de líderes profissionais e comunitários em mais de

Leia mais

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014 Introdução RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014 O continente africano tem travado uma longa e árdua guerra contra a malária, em cada pessoa, cada aldeia, cada cidade e cada país. Neste milénio,

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais