Uso dos quirópteros na medicina tradicional: uma revisão bibliográfica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uso dos quirópteros na medicina tradicional: uma revisão bibliográfica"

Transcrição

1 Uso dos quirópteros na medicina tradicional: uma revisão bibliográfica Maria da Conceição Borges Gomes (Universidade Estadual de Feira de Santana-Museu de Zoologia), Eraldo Medeiros Costa Neto (Universidade Estadual de Feira de Santana/Departamento de), Hozana de Barros Castro (Universidade Estadual de Feira de Santana/Departamento de), Leila Maria Pessoa (Universidade Federal do Rio de Janeiro /Depto de Zoologia) Diversas ordens de mamíferos têm sido usadas por humanos nas práticas de medicina tradicional. O uso dos quirópteros na medicina tradicional é descrito em inúmeros relatos que datam desde a Grécia Antiga até os tempos modernos. Dentro deste cenário este estudo visou realizar um levantamento bibliográfico do uso desde espécies desta ordem de mamíferos na medicina tradicional em diferentes localidades do mundo e investigar para quais tipos de doenças e/ou sintomas eles são recomendados como zooterápicos. Para esse fim foram examinados 23 trabalhos, dentre eles 16 artigos, 4 dissertações e 3 livros, no período de março a julho de Em cada análise, foi verificado para qual doença ou sintoma os quirópteros eram utilizados, de que forma o medicamente era feito e em que local do mundo esse hábito foi observado. Foram registradas 26 doenças ou sintomas que podem ser curados com a utilização de morcegos inteiros, suas partes e/ou excretas produzidos por eles. São elas: incontinência urinária, asma, pedra nos rins, impotência sexual, doenças oculares, calvície, febre, gota, paralisia de membros do corpo, reumatismo, enfraquecimento de cartilagem da orelha, dores no corpo, cegueira noturna, bronquite, tosse, cólicas menstruais, artrite, dependência química, infecções pós-parto, hipocondria, tumores internos, tumores externos, intestino preso, picada de serpente, picada de formiga e triquíase. As doenças mais citadas foram asma, seguida de problemas oculares e calvície. Os zooterápicos são feitos de diversas formas: através de cozimento, assados, aplicação direta do excremento, fluido ou do morcego inteiro ou partes dele no local, bem como da ingestão de sua carne e infusões. O uso de medicamentos caseiros foi citado em países da Ásia (Oriente Médio, Índia, Afeganistão, Paquistão, Nepal, Vietnã, Indonésia e China), Europa (Itália, Inglaterra, Suécia e Suíça), América (Brasil); África (Egito, Argélia, Senegal, Benin e Nigéria) e Oceania (Austrália). A maior parte dos registros indica que os medicamentos ainda hoje são utilizados. Esse levantamento mostra como a utilização de morcegos na medicina tradicional está presente em diversas culturas. A maior parte dos estudos se concentra em países da África e Ásia. Estudos na medicina convencional já reconhecem substâncias provenientes dos morcegos como potenciais para a cura de doenças vasculares. Dentro deste cenário investigações farmacológicas deveriam ser desenvolvidas para descobrir novas substâncias bioativas provenientes desse grupo de animais. Palavras-chave: medicina tradicional, morcegos, zooterápicos.

2 A coleção de mamíferos do Museu de Zoologia da Universidade Estadual de Feira de Santana, Bahia Téo Veiga de Oliveira (UEFS), Maria da Conceição Borges Gomes (UEFS, Depto. de Ciências Biológicas) A Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) tem considerável tradição na construção e na guarda de diversas coleções científicas bastante significativas, como aquelas ligadas às áreas de botânica, entomologia e ictiologia. Não obstante, uma coleção de mamíferos foi estabelecida apenas no ano de 2008, para o depósito de espécimes coletados durante a execução de um projeto de dissertação de mestrado na região sul do estado da Bahia. Na ocasião, pouco mais de 120 espécimes de didelfimorfios e roedores representavam toda a Coleção de Mamíferos da UEFS. Com a criação do Museu de Zoologia e de uma Divisão de Mamíferos na estrutura organizacional do mesmo, a intensificação das pesquisas em mastozoologia na UEFS foi alavancada; assim, a Coleção de Mamíferos do Museu de Zoologia da UEFS cresceu de maneira bastante substancial. Hoje, há mais de 750 espécimes tombados na mesma, pertencentes a ordens diversas de mamíferos e também de natureza bastante diversificada indivíduos inteiros preservados em via líquida, peles taxidermizadas e esqueletos crânio-mandibulares e pós-cranianos (inclusive alguns retirados de regurgitações de corujas). Os espécimes da coleção são fruto de projetos desenvolvidos pela própria UEFS, de coletas eventuais (animais atropelados encontrados às margens de rodovias, por exemplo) e de parcerias firmadas com empresas de consultoria ambiental que tombam seus espécimes na coleção; a Coleção de Mamíferos da UEFS conta também com espécimes advindos de diferentes regiões do estado: Chapada Diamantina, Recôncavo Baiano, Baixo Sul e Feira de Santana e cercanias. Atualmente, esta coleção conta com representantes das ordens Didelphimorphia (mais de 120 espécimes), Cingulata (um espécime), Pilosa (um espécime), Carnivora (11 espécimes), Cetartiodactyla (um espécime), Rodentia (170 espécimes) e Chiroptera (mais de 440 espécimes) e vem se mostrando importante ao consolidar-se como uma amostragem significativa dos mamíferos baianos. Em cada ordem, também estão representadas diversas de suas famílias: dentre os carnívoros, a coleção conta com mustelídeos, felídeos, canídeos e procionídeos; os roedores estão representados por cricetídeos, murídeos, equimídeos, eretizontídeos, cavídeos, dasiproctídeos e cuniculídeos; molossídeos, vespertilionídeos, filostomídeos, noctilionídeos, mormopídeos e embalonurídeos são os quirópteros representados na coleção. A ordem Cetartiodactyla é representada apenas por um espécime de cervídeo, bem como Pilosa, que conta com somente um espécime de mirmecofagídeo; os didelfimorfios e os cingulados, como ordens monofamiliares que são, estão representados por didelfídeos e dasipodídeos, respectivamente. A Coleção de Mamíferos do Museu de Zoologia da UEFS vem ganhando robustez à medida que mais projetos são desenvolvidos pela Divisão de Mamíferos do referido Museu e vem se consolidando como uma importante ferramenta no desenvolvimento de estudos ao nível de graduação e pós-graduação, além de ser uma fonte de informações acessível a pesquisadores de diferentes regiões do país e interessados no conhecimento acerca da mastofauna da Bahia. Palavras-chave: Bahia, coleções biológicas, museu de história natural.

3 A importância do Museu de Zoologia Newton Baião de Azevedo para conservação da mastofauna da Mata Atlântica Isteliene Lopes Leodoro (UEMG Unidade Carangola), Rafaella Fernandes Ferreira (UEMG Unidade Carangola / Ciências Biológicas), Lara Nubia de Oliveira Souza (UEMG Unidade Carangola / Ciências Biológicas), Roberta Cezar Mazer (UEMG Unidade Carangola / Ciências Biológicas), Michel Barros Faria (UEMG Unidade Carangola / Ciências Biológicas), Rayque de Oliveira Lanes (UEMG Unidade Carangola / Ciências Biológicas) Os museus têm possibilidades educativas nos âmbitos formal, não formal e informal do ensino que dependem do uso que dele se faça, do público que os utilize, das condições da visita, dos conhecimentos prévios, dos interesses e dos objetivos, podendo o museu ser tomado como instrumento de aprendizagem. Os museus de zoologia agregam à sua missão a pesquisa sobre os ecossistemas, biodiversidade e o equilíbrio ecológico do planeta, passando a constituir-se em banco de dados da biodiversidade. As coleções científicas são básicas para o conhecimento da biodiversidade, sendo destinadas principalmente a pesquisas e estudos taxonômicos, ecológicos e biogeográficos. Apresentando-se como uma ferramenta de suma importância na formação educacional de um povo, os museus são como portais para um mundo filosófico que se torna fonte preciosa de conhecimento e descobertas para o aprendiz com perfil pesquisador. A museologia é a ciência que se ocupa de resolver os problemas que propõem um museu em suas três missões: conservação, pesquisa e docência. Sendo função do museu, conservar e exibir obras, documentos e objetos. Dessa forma, museus de zoologia podem ser trabalhados como importantes ferramentas para a Educação Ambiental em todas as esferas do ensino. A Mata Atlântica é um bioma exclusivo do Brasil, representando um dos ecossistemas mais ricos em diversidade e endemismos de espécies vegetais e animais, constituindo-se também em um dos mais ameaçados do planeta. Em virtude dessa riqueza biológica e níveis de ameaça, a Mata Atlântica foi indicada por especialistas como um dos 25 hotspots mundiais, ou seja, uma das prioridades para a conservação de biodiversidade em todo o mundo, notando assim a importância no Museu de Zoologia Newton Baião de Azevedo - MZNB para a conservação da mesma, adquirindo valiosas amostras de animais da Mata Atlântica. Este trabalho teve como objetivo utilizar o acervo da mastofauna do Museu de Zoologia Newton Baião de Azevedo como ferramenta ilustrativa em palestras para alunos do ensino fundamental e médio de escolas públicas e particulares. Foram utilizados mais de 40 animais e recebidos aproximadamente 250 alunos. A dinâmica foi de grande incentivo para as palestras, uma vez que a ilustração com os animais ampliou e fortaleceu as atividades cientificas-culturais, levando o conhecimento para os alunos e visitantes de forma mais atrativa. Também foi possível com o uso da coleção de mamíferos, abordar temas importantes como meio ambiente, ameaça da fauna, endemismo, riqueza de espécies e mitos. As dúvidas mais comuns dos alunos foram sobre os mamíferos de hábitos noturnos e/ou com características peculiares em função do conhecimento empírico negativo, como sobre os morcegos e o porco-espinho. Muitos dos alunos ao chegarem ao MZNB apresentaram histórias vividas em casa, em relação a mitos que os próprios pais passam para eles. A vinda dos alunos ao Museu de Zoologia Newton Baião de Azevedo foi de grande importância para ambas às partes, tanto para o MZNB quanto para as escolas visitantes porque foi possível esclarecer as dúvidas que os alunos e professores possuíam e com as visitas fazer a divulgação do Museu. Através deste trabalho foi possível concluir que as visitas de escolas ao museu proporcionaram aos alunos um

4 entendimento mais amplo sobre os mamíferos da região da Zona da Mata Mineira. Agradecimentos: ao Museu de Zoologia Newton Baião de Azevedo da Universidade do Estado de Minas Gerais Unidade Carangola, pelo espaço físico utilizado e pelo empréstimo das peças zoológicas da coleção de exposição. Palavras-chave: biodiversidade, conservação, mastofauna, museu de história natural.

5 Revitalização e curadoria da coleção didática de mamíferos do museu professor Sylvio Cardoso, na Universidade Estadual do Ceará, campus Itaperi Ana Raquel Carvalho Dantas (UECE), Luis Gonzaga Sales Júnior (UECE/CCS), Natanael Feitosa Matos (UECE/CCS), Jeferson Lucas Sousa Freitas (UECE/CCS), Ítalo Diego Paiva Arruda (UECE/CCS), Kalyl Silvino Serra (UECE/CCS) O curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual do Ceará tende a apresentar muitas aulas expositivas. Levando em consideração a quantidade e complexidade dos assuntos abordados mostra-se necessário criar meios que melhorem o ensino, tornando o conteúdo em algo mais palpável e que desperte a curiosidade e maior participação do aluno. Tentando auxiliar as aulas das disciplinas de Zoologia dos Cordados e Sistemática Animal foi realizada a revitalização da coleção didática de mamíferos do museu professor Sylvio Cardoso. O presente trabalho teve como objetivo atualizar e reestruturar a coleção didática de mastozoologia presente no museu, auxiliando em um melhor entendimento sobre os grupos que o compõe. Todos os indivíduos foram observados quanto a sua conservação e alguns foram descartados, os conservados em meio seco tiveram o tratamento da pele e os conservados em álcool caso necessário sofreram a troca do líquido. Posteriormente, os indivíduos foram separados de acordo com sua ordem e após isso em relação a sua família, quando possível foi alcançado nível de espécie. Após o tratamento do material biológico, todos foram etiquetados com os seguintes dados de identificação (classe, ordem, família, espécie, nome popular, número de identificação, sexo) e registrados no livro de tombo. Após a conclusão do projeto o acervo totalizou 85 exemplares divididos nas seguintes ordens: Chiroptera (55), Rodentia (16), Didelphimorphia (6), Primates (3), Pilosa (2), Cingulata (1), Carnivora (1), Artiodactyla (1). As disciplinas que abordam essa classe apresentam certas deficiências, em Zoologia dos Cordados não se tem uma abordagem ampla dos mamíferos, quando comparado a outros grupos, e as aulas práticas são escassas. Na disciplina de Sistemática Animal ocorrem aulas sobre fixação de mamíferos, no entanto são aulas meramente expositivas. Observa-se também o desinteresse por conta da Universidade, que é precária no âmbito de recurso e estruturas e não visualiza a importância do trabalho realizado, o que bate de frente com os princípios expostos pela instituição. As coleções didáticas apresentam significativa importância para o meio acadêmico, elas trazem maior esclarecimento sobre o assunto, constituem importantes fontes de informações para todos os que trabalham com o estudo e a conservação da biodiversidade, além de auxiliar no processo de ensino-aprendizagem do aluno. É uma importante ferramenta para despertar a curiosidade dos alunos sobre o assunto abordado. Como observado a coleção contou com diversas espécies dos mais variados grupos, ela podendo abranger melhor sobre a classe Mammalia. A coleção vem para sanar algumas necessidades dessas disciplinas e está aberta para algum estudo que o aluno queira realizar junto a ela. Palavras-chave: coleção didática, curadoria, mastozoologia.

6 Riscos biológicos e químicos no trabalho de campo com pequenos mamíferos Camila dos Santos Lucio (Fundação Oswaldo Cruz/Instituto Oswaldo Cruz), Paulo Sérgio D Andrea (Fundação Oswaldo Cruz/Instituto Oswaldo Cruz), Sócrates Fraga da Costa Neto (Fundação Oswaldo Cruz/Instituto Oswaldo Cruz), Michele Maria dos Santos (Fundação Oswaldo Cruz/Instituto Oswaldo Cruz), A biossegurança é o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos que possam comprometer a saúde do homem e dos animais e o meio ambiente. Os profissionais que manuseiam animais silvestres em campo estão expostos a riscos representados por agentes químicos e biológicos zoonóticos cujos reservatórios são animais domésticos ou silvestres como: rickettsia, hantavírus, toxoplasma, histoplasma, entre outros. O objetivo deste trabalho foi conscientizar e orientar os profissionais e alunos sobre os riscos envolvidos nas etapas de trabalho de campo envolvendo pequenos mamíferos de forma que possam desempenhar suas atividades de forma segura. Todos os procedimentos envolvidos na captura e coleta de pequenos mamíferos foram listados e divididos em 5 etapas: abertura de trilhas e disposição das armadilhas nos transectos (1ª etapa); manuseio e transporte dos animais capturados (2ª etapa); eutanásia e manuseio dos animais para obtenção de amostras (3ª etapa), taxidermia (4ª etapa) e manuseio das armadilhas utilizadas na captura dos animais (5ª etapa). Os possíveis riscos biológicos e químicos foram atrelados a cada etapa e as medidas preventivas de acidentes e contaminação dos executores destes procedimentos foram atribuídas. A quantidade de agentes biológicos pertencentes às classes de risco 2 e 3 listados em cada etapa foi de 20 agentes na 1ª etapa; 3 agentes na 2ª etapa; 6 agentes na 3ª etapa; 5 agentes na 4ª etapa e 3 agentes na 5ª etapa. O quantitativo para os agentes químicos por etapa foi de nenhum agente para a 1ª etapa; 1 agente para a 2ª etapa; 14 agentes para a 3ª etapa; 4 agentes para a 4ª etapa e 1 agente para a 5ª etapa. Dos riscos biológicos listados, as etapas 1 e 3 reúnem o maior número de espécies de agentes pertencentes à classe de risco biológico de maior periculosidade, seguidas das etapas 2, 4 e 5. Em relação aos riscos químicos as etapas 3 e 4 apresentam os níveis 8.1, 6.1, 3 e 2.1 como os mais perigosos, seguidos das etapas 1, 2 e 5 as quais não possuem riscos químicos. As medidas preventivas atribuídas aos fatores de maior classe de risco biológico e químico a serem utilizadas pelos profissionais e alunos são os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) como: calçados fechados; óculos de proteção e máscara de proteção respiratória; conjunto de respirador motorizado com pressão positiva e filtro de alta eficiência de classe P3; luvas de raspa de couro, látex, nitrila e criogenia e jaleco repelente impermeável de manga comprida. Em todas as etapas os profissionais e alunos encontram-se expostos a algum tipo de agente biológico. Devido a pouca disseminação acerca da importância do uso de EPIs nas atividades de pesquisa desempenhadas por estas pessoas, muitos desconhecem os itens essenciais à segurança de sua saúde. Desta forma, muitas doenças e muitos acidentes envolvendo a exposição aos agentes químicos ainda ocorrem com determinada frequência nos trabalhos de campo. Este quadro será modificado à medida que planos de conscientização sobre a importância da utilização destes itens no desenvolvimento das atividades dos profissionais e alunos sejam adotados. Outras fortes medidas preventivas de doenças são: o esquema vacinal completo com suas respectivas sorologias e o uso de desinfetantes de amplo espectro no ambiente onde o animal foi manipulado. EPIs são essenciais no desenvolvimento das atividades de captura e coleta de pequenos mamíferos; as orientações acerca dos

7 riscos causados por agentes químicos também devem ser tratadas com a mesma importância dos agentes biológicos; a não utilização de EPIs pelos profissionais e alunos se deve ao pouco ou nenhum conhecimento acerca dos riscos biológicos e químicos a que se encontram expostos. Palavras-chave: agente biológico, biossegurança, Equipamento de Proteção Individual, reservatório silvestre, risco biológico, risco químico.

8 Atividades socioeducativas: evidenciando a importância do Parque Nacional das Emas e da onça-pintada para manutenção da qualidade de vida da comunidade local Ananda de Barros Barban (Instituto Onça-Pintada/ UFU), Leandro Silveira (Instituto Onça-Pintada), Anah Tereza de Almeida Jácomo (Instituto Onça-Pintada), Natália Mundim Tôrres (Universidade Federal de Uberlândia) O Instituto Onça-Pintada desenvolve através do Programa de Monitoramento em Longo Prazo da Biodiversidade da Região das Nascentes do Rio Araguaia atividades relacionadas tanto com pesquisas científicas quanto atividades socioeducativas com a comunidade local. A vertente socioeducativa busca provocar a sensibilização e conscientização da comunidade local sobre a importância da região do Parque Nacional das Emas, situado no município de Mineiros na região sudeste do Estado de Goiás, aproximando as pessoas deste importante Parque, de modo que elas passem a realmente valorizá-lo. Este trabalho teve por objetivo promover a inclusão social, informar, conscientizar e sensibilizar as crianças de baixa renda das comunidades de Mineiros e Alto Taquari a respeito dos recursos naturais na região, sua correta utilização e sua importância para a manutenção da saúde e qualidade de vida. Foram visitadas 11 Escolas Municipais Rurais no período de novembro a dezembro de 2013, e foi realizada uma série de atividades, durante quatro horas em média. Dentre as atividades, primeiramente, era realizada a leitura em voz alta para os alunos do livro Pedrinho, o Brasil e a Onça-Pintada, de autoria de Anah Tereza de Almeida Jácomo. Após a leitura foi conduzida uma conversa com os estudantes sobre aspectos que consideraram mais interessantes da história e lições aprendidas por eles. Nesse momento, foram relembradas algumas questões, tais como: quais os biomas brasileiros, a Amazônia como maior bioma, Pampa como aquele onde a onça-pintada já não existe mais, Mata Atlântica como aquele que possui menor número de onças, e o Cerrado como sendo onde nós vivemos, o fato da onça-preta ser da mesma espécie que a onça-pintada, o desmatamento e caça de espécies de presas naturais como motivos que levam a onça-pintada a matar o gado para se alimentar, dentre outros. Em seguida, foram distribuídas folhas de papel sulfite tamanho A3 e caixas de lápis de cor a todos os alunos, e solicitado que fizessem desenhos tomando como base o que aprenderam com a história de Pedrinho ou o que mais acharam interessante. Na sequência, foram realizadas duas atividades, em geral, do lado de fora da sala de aula. A primeira delas, uma demonstração de como uma armadilha fotográfica funciona, contando com a participação dos alunos para a instalação do equipamento e teste (passando em frente à câmera, imitando um animal). A segunda atividade consistiu na demonstração de um equipamento de radiotelemetria, utilizado no monitoramento de animais silvestres. Para isso, contou-se com a participação dos estudantes, se passando por onça, o qual, usando um radiocolar, se escondia nos fundos da escola, e uma dupla de alunos que se passava por pesquisadores monitorando a onça que teria que encontrá-la se orientando pelos bips captados pelo radioreceptor. Para finalizar, um vídeo dos filhotes de onça-pintada mantidos no Instituto foi apresentado aos alunos, e explicado o motivo desses animais estarem ali a questão da morte de sua mãe devido ao conflito com pecuaristas por conta da perda de gado que eventualmente é predado pelas onças em consequência da redução de seu hábitat nativo e de suas presas naturais. Em todas as escolas foi observado um alto interesse e engajamento por parte dos alunos em todas as atividades. Durante as discussões com os alunos, percebeu-se

9 que vários aspectos sobre biodiversidade, conservação e convívio com a onça-pintada e outros animais silvestres foram compreendidos. Portanto, a iniciativa serviu como estímulo para outras ações enriquecedoras da formação desses estudantes. Os alunos fizeram um acordo com a equipe do IOP se comprometendo a repassar os ensinamentos aos seus familiares e amigos, como se fosse uma missão para ajudar na conservação da onça-pintada. Palavras-chave: educação ambiental, escolas municipais rurais, mamíferos, radiotelemetria, rio Araguaia.

10 Projeto Felinos: Um trabalho de aprendizagem e conscientização orientado por bolsistas de iniciação à docência (Pibid) em um clube de ciências Anderson Furtunato (Departamento de Educação, FURB), Edson Schroeder (Departamento de Educação, FURB), Jucelia de Fatima Paim Wolframm (Departamento de Educação, FURB), Fernanda Rodrigues (Departamento de Educação, FURB), Karina Floriani (Departamento de Educação, FURB), Giesta Maria Olmedo Machado (Departamento de Educação, FURB) Apresentamos um projeto desenvolvido por 11 estudantes da educação básica da Escola Básica Municipal Machado de Assis de Blumenau (SC), participantes do Clube de Ciências Fritz Müller, que acontece no contraturno escolar. Este, conta com a participação de estudantes do 6º ao 9º ano, que são orientados pela professora de Ciências e conta, ainda, com a participação de bolsistas do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência - Pibid/FURB - Subprojeto Biologia. Entre os projetos de iniciação científica desenvolvidos, destacamos o Projeto Felinos, que tem como objetivo central investigar características e importância ecológica dos felinos existentes na Mata Atlântica. Além deste, identificar felinos ameaçados de extinção e discutir as principais ameaças e atitudes necessárias para evitá-la. Entendemos que o processo de investigação possibilita o desenvolvimento de habilidades científicas como a observação, o planejamento, a problematização, a coleta e o registro de dados, a capacidade de síntese e comunicação, além do desenvolvimento de atitudes de conscientização para com a biodiversidade. A caminhada do Projeto apoia-se nos pressuposto da alfabetização cientifica, que preconiza o contato dos estudantes com os conhecimentos científicos e a sua incorporação como instrumentos de compreensão e atuação na defesa da fauna e flora brasileira. Como primeira etapa do Projeto, os clubistas conheceram os felinos nativos da Mata Atlântica: o Puma concolor, Panthera onca, Leopardus pardalis, Leopardus tigrinus e Puma yagouaroundi. Como ilustração, utilizamos um espécime taxidermizado de L. tigrinus, proveniente do Laboratório de Taxidermia da Universidade Regional de Blumenau (FURB). Durante essa etapa, levantamos os conhecimentos prévios dos estudantes com perguntas informais. Entre estes, todos conheciam o P. concolor, e a P. onca, mas poucos conheciam os pequenos felinos. Após a construção de base teórica científica, trabalhamos uma prática com pegadas de felinos, desenhadas e identificadas, utilizando material disponibilizado pela escola, como forma de divulgação do Projeto desenvolvido pelo Clube. O Projeto também contemplou etapas como leitura de texto sobre ameaças que conduzem à extinção, assim como atitudes de preservação dos felinos. O estudo do texto resultou em roda de conversa, com aprofundamento e discussão de tópicos. Entre as diversas ameaças discutidas, destacamos a caça, atropelamento, poluição, espécies exóticas, queimadas, exploração de recursos e populações e animais endêmicos e os problemas de explorar esta região. Os clubistas também contribuíram com ideias sobre as possíveis ações para a preservação dos felinos como diminuir a poluição e a caça, além da construção de passagens ecológicas nas rodovias e ampliação da educação ambiental no país. Na finalização do Projeto, foi produzido um folder informativo, apresentando informações sobre os felinos da Mata Atlântica, características e o Bioma Mata Atlântica como lócus de sobrevivência desses animais. O folder também atribuiu um foco especial para as ameaças que os felinos sofrem. Ele foi impresso com o auxílio do Pibid e distribuído na escola e para as famílias dos clubistas, atingindo cerca de 100 pessoas. Percebemos que o desenvolvimento de projetos no ambiente do Clube de Ciências propicia a oportunidade dos estudantes vivenciarem os movimentos de uma investigação com

11 resultados concretos sobre a sua formação, considerando as dimensões conceituais, procedimentais e atitudinais. Estas apontam para a alfabetização científica como processo de aprendizagem mais dinâmico e significativo, com consequências sobre a formação dos estudantes para um novo olhar sobre o ambiente natural e social. Podemos verificar, ao final, que os estudantes mudaram sua visão sobre os animais estudados, aprimorando conceitos como proteção à fauna e à biodiversidade, além das pequenas atitudes como o consumo mais consciente para evitar a poluição, além de atuarem como disseminadores a partir da explicação do folder. Este recurso contou com a participação integral dos clubistas na sua organização e divulgação. Palavras-chave: clube de ciências, felinos, Mata Atlântica, alfabetização científica, Pibid.

A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL Fábio Martinho da Silva (1); Maria Janoelma França Gomes (2); Nahum Isaque dos S. Cavalcante (3); Rafael Trindade

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO A educação ambiental envolve atividades educativas que visam informar sobre o meio ambiente e suas relações.

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM ENFOQUE PARA A CONSCIENTIZAÇÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DO BIOMA CAATINGA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM ENFOQUE PARA A CONSCIENTIZAÇÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DO BIOMA CAATINGA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM ENFOQUE PARA A CONSCIENTIZAÇÃO, PRESERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DO BIOMA CAATINGA Kevison Romulo da Silva França Jéssica de Sousa Pereira Risoneide Henriques da Silva Jessica Rafhaelly

Leia mais

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI Graciane Rodrigues Rocha (*), Juliana Rodrigues Rocha, Caroline

Leia mais

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

INTERAÇÃO UNIVERSIDADE ESCOLA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1

INTERAÇÃO UNIVERSIDADE ESCOLA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1 INTERAÇÃO UNIVERSIDADE ESCOLA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1 REMPEL, Claudete 2 ; HERDINA, Renata 3 ; SALVINI, Juciano 3 ; GUERIZZOLI, Marta Maggi 2, BOHRER, Temis Regina Jacques 2 1 Projeto de Pesquisa Avaliação

Leia mais

Filme: Bichos Urbanos

Filme: Bichos Urbanos Filme: Bichos Urbanos Gênero: Experimental Diretor: João Mors, Karen Barros Elenco: José Marinho Ano 2002 Duração: 20 min Cor: Colorido Bitola: 16mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=1495

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar Mariely Rodrigues Anger 1 Ana Carla Ferreira Nicola Gomes 2 Jussara Aparecida da Fonseca 3 Resumo: Apresentam-se

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências Nome: Ano: 5º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências da Natureza Disciplina:

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL MARIA DO CARMO ORECHIO

ESCOLA MUNICIPAL MARIA DO CARMO ORECHIO ESCOLA MUNICIPAL MARIA DO CARMO ORECHIO PROFESSORAS: DURVALINA M. B. FERNANDES HELENA N. DE SOUSA PEREIRA PÚBLICO ALVO: 2º, 3º ANOS DO 1º CICLO, 5º ANO DO 2º CICLO A ESCOLA PARTICIPA DO PROJETO DO PRÊMIO

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL COMANDO DE POLICIAMENTO DO INTERIOR 15º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR AMBIENTAL PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL CAMPO GRANDE-MS 2009 PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

Sobre nós. Educação Ambiental. Fale Conosco

Sobre nós. Educação Ambiental. Fale Conosco Sobre nós Em 1997 com iniciativas dos proprietários da Fazenda Alegre conscientes da importância da preservação e conservação dos remanescentes da vegetação nativa da fazenda, áreas degradadas vêm sendo

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: A RELAÇÃO ENTRE AS AULAS DE CAMPO E O CONTEÚDO FORMAL DA BIOLOGIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: A RELAÇÃO ENTRE AS AULAS DE CAMPO E O CONTEÚDO FORMAL DA BIOLOGIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: A RELAÇÃO ENTRE AS AULAS DE CAMPO E O CONTEÚDO FORMAL DA BIOLOGIA NOGUEIRA, Bárbara Gabriele de Souza PUCPR barbaragsnogueira@gmail.com GONÇALVES, Guilherme Machado PUCPR guilhermemg40@hotmail.com

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA Soraya Carvalho Pereira Rocha (Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal/Universidade Aberta do Brasil Universidade de Brasília) Kátia

Leia mais

Sensibilização Ambiental a partir do Plantio de Mudas Nativas, no Município de Guaçuí, Espírito Santo. M. V. Costa Filho 1* &. A.

Sensibilização Ambiental a partir do Plantio de Mudas Nativas, no Município de Guaçuí, Espírito Santo. M. V. Costa Filho 1* &. A. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 465 Sensibilização Ambiental a partir do Plantio de Mudas Nativas, no Município de Guaçuí, Espírito Santo. M. V. Costa Filho 1* &. A. Amaral

Leia mais

A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Maria José Rodrigues de Farias Universidade Estadual da Paraíba lyarodriguesbio@gmail.com Introdução Atualmente os modelos

Leia mais

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação;

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação; 4. PROGRAMAS DE MANEJO 4.1 PROGRAMA DE PESQUISA Objetivo Geral Visa dar suporte, estimular a geração e o aprofundamento dos conhecimentos científicos sobre os aspectos bióticos, abióticos, sócio-econômicos,

Leia mais

guia multicultural da mata atlântica para crianças o dia em que o curupira jantou com o saci... PAPELERACULTURAL

guia multicultural da mata atlântica para crianças o dia em que o curupira jantou com o saci... PAPELERACULTURAL guia multicultural da mata atlântica para crianças o dia em que o curupira jantou com o saci... PAPELERACULTURAL Apresentação Guia multicultural da Mata Atlântica e de sua diversidade para as crianças.

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID Liberato Epitacio de Sousa da Silva - PIBID/UEPB (Bolsista do PIBID de Geografia) Liberatotacio20@hotmail.com

Leia mais

CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE NA MATA ATLÂNTICA

CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE NA MATA ATLÂNTICA PROGRAMAÇÃO I CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE PERÍODO: 08 a 13 de Junho de 2015 LOCAL: ITEP 1º DIA SEGUNDA-FEIRA DATA: 08/06/15 HORÁRIO CRONOGRAMA PALESTRANTE 08:00-09:00h Abertura

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS

CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS EJE. Comunicacion y Extensión PETER, Cristina Mendes ¹; ZANI João Luiz ²; MONTEIRO, Alegani Vieira³; PICOLI,Tony

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

de monitoramento dos casos de predação envolvendo onças e outros animais silvestres na

de monitoramento dos casos de predação envolvendo onças e outros animais silvestres na ASSOCIAÇÃO DE GUARDA-PARQUES DO AMAPÁ INICIA ATIVIDADES DE MONITORAMENTO DE CASOS DE PREDAÇÃO ENVOLVENDO ONÇAS E OUTROS ANIMAIS SILVESTRES NA APA DO RIO CURIAÚ. A Associação de Guarda-Parques do Amapá

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO SUDOESTE DO PARANÁ

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO SUDOESTE DO PARANÁ EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO SUDOESTE DO PARANÁ Eliangela Palharini de Carvalho (Discente Licenciatura em Ciências Naturais UFFS Realeza/PR Bolsista extensão

Leia mais

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU Felipe Garcia de Camargo¹ ¹ Zooparque Itatiba, Rodovia Dom Pedro I, Km 95,5.

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal 1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal Ações do Governo Federal Visando à Valorização e Conservação da Biodiversidade Vegetal João de Deus Medeiros joao.medeiros@mma.gov.br Departamento

Leia mais

COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental.

COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental. COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental. PANZENHAGEN, Liane Margarete 1, VALE, Giovane Maia 2 ; MOREIRA, Ilson 3. Palavras-chave: composteira, meio ambiente, comunidade escolar. Introdução

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

RELATÓRIO GERAL DO CENTRO DE CIÊNCIAS DE SEABRA

RELATÓRIO GERAL DO CENTRO DE CIÊNCIAS DE SEABRA Universidade Federal da Bahia Instituto de Biologia Departamento de Zoologia Campus Universitário de Ondina, Salvador - Bahia, Brasil 40.170-210 # (071) 3263-6564, FAX (071) 3263-6511 e-mail: 1 RELATÓRIO

Leia mais

Biodiversidade Retratos do Reino Animal

Biodiversidade Retratos do Reino Animal Biodiversidade Retratos do Reino Animal Episódios: Ratos e companhia Resumo O vídeo mostra características dos animais roedores. Diferentes tipos de ratos, camundongos, esquilos, marmotas e toupeiras são

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 INFORMAÇÕES GERAIS A Estação Ecológica de Corumbá é uma unidade de conservação de proteção integral situada no Centro-Oeste de MG, região do Alto São Francisco, na porção

Leia mais

Ensino de Ciências e alfabetização científica na interação universidade e escola. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados)

Ensino de Ciências e alfabetização científica na interação universidade e escola. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Ensino de Ciências e alfabetização científica na interação universidade e escola. Mostra Local de: Guarapuava Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

Código de Conduta Voluntários sobre Animais Exóticos Invasores

Código de Conduta Voluntários sobre Animais Exóticos Invasores Código de Conduta Voluntários sobre Animais Exóticos Invasores INTRODUÇÃO Um código de conduta voluntário é um conjunto de regras e recomendações que visa orientar seus signatários sobre práticas éticas

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

RECICLANDO ATITUDES. Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ;

RECICLANDO ATITUDES. Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ; RECICLANDO ATITUDES Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ; 1 Farmacêutica, Bioquímica e Pós Graduada em Educação Ambiental- Professora

Leia mais

PIBID - Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência

PIBID - Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência O Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID é um programa de incentivo e valorização do magistério e de aprimoramento do processo de formação de docentes para a educação básica, vinculado

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL LÚDICO-EXPOSITIVA PARA CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL. Josiane Teresinha Cardoso 1 (Coordenador da Ação de Extensão)

EDUCAÇÃO AMBIENTAL LÚDICO-EXPOSITIVA PARA CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL. Josiane Teresinha Cardoso 1 (Coordenador da Ação de Extensão) EDUCAÇÃO AMBIENTAL LÚDICO-EXPOSITIVA PARA CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Área Temática: Meio Ambiente Josiane Teresinha Cardoso 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Moira Ramos Rabeschini 2 Helen Hayra

Leia mais

7 ANO AULA DE CIÊNCIAS. Professora Andressa =)

7 ANO AULA DE CIÊNCIAS. Professora Andressa =) 7 ANO AULA DE CIÊNCIAS Professora Andressa =) MAMÍFEROS 7 ANO MAMÍFEROS Atualmente cerca de 5500 espécies conhecidas de mamíferos no mundo Brasil, 2006: 652 espécies conhecidas de mamíferos nativos 609

Leia mais

193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC

193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC Sociedade e Natureza Monferrer RESUMO 193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC Fabia Tonini 1 ; Andréia Tecchio 2 O espaço Horta Escolar pode ser utilizado como meio

Leia mais

PROJETO DE XADREZ NO CAC/UFG

PROJETO DE XADREZ NO CAC/UFG PROJETO DE XADREZ NO CAC/UFG ALCÂNTARA, Franciele Brandão Ferreira 1 OLIVEIRA, Leandro Damas de 2 SANTOS JÚNIOR, Porfírio Azevedo dos 3 SILVA, André Carlos 4 SILVA, Elenice Maria Schons 5 SILVA, Élida

Leia mais

ABORDAGENS MULTIDISCIPLINARES NAS TRILHAS INTERPRETATIVAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: VISITAS GUIADAS AO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA

ABORDAGENS MULTIDISCIPLINARES NAS TRILHAS INTERPRETATIVAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: VISITAS GUIADAS AO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA ABORDAGENS MULTIDISCIPLINARES NAS TRILHAS INTERPRETATIVAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: VISITAS GUIADAS AO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA Andréa Espinola de Siqueira; Ana Clara Frey de S. Thiago; Ana

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL Adriana do Nascimento Araújo Graduanda Pedagogia - UVA Francisca Moreira Fontenele Graduanda

Leia mais

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos.

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos. PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UMA TRILHA INTERPRETATIVA NA MATA ATLÂNTICA PARA ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS RIO DO SUL Autores: Alessandra Lariza KRUG, Marcelo

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA APROPRIAÇÃO DE PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM CAMPINA GRANDE-PB.

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA APROPRIAÇÃO DE PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM CAMPINA GRANDE-PB. A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA APROPRIAÇÃO DE PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM CAMPINA GRANDE-PB. Maria Célia Cavalcante de Paula e SILVA Licenciada em Ciências Biológicas pela

Leia mais

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 1 ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 O Pibid: ações de formação de professores que impactam a escola e a universidade Maurivan Güntzel Ramos mgramos@pucrs.br O presente texto

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL BAURU APRESENTAÇÃO O complexo de laboratórios em Ciência e Tecnologia e Ambiental (CTA)

Leia mais

MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES, CRISTIANE CIDÁLIA CORDEIRO E SUELLEN ARAÚJO. Introdução

MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES, CRISTIANE CIDÁLIA CORDEIRO E SUELLEN ARAÚJO. Introdução 1 TRABALHANDO AS BORBOLETAS E AS ABELHAS COMO INSETOS POLINIZADORES NAS AULAS PRÁTICAS DE DUCAÇÃO AMBIENTAL E ZOOLOGIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES,

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Experiências educativas no gerenciamento de resíduos gerados no Hospital de Clínicas de Porto Alegre Tainá Flôres da Rosa contato: tfrosa@hcpa.ufrgs.br telefone:(51)81414438

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM

SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM Acácio Silveira de Melo (UFCG); Adriano dos Santos Oliveira (UFCG); Filipe da Costa Silva (UFCG), Francinildo Ramos de Macedo (UFCG),

Leia mais

Desenvolvimento de um Aplicativo Visando à Educação Ambiental.

Desenvolvimento de um Aplicativo Visando à Educação Ambiental. Desenvolvimento de um Aplicativo Visando à Educação Ambiental. Guilherme José Vicente Ferbek gui.ferbek10@gmail.com IFES - Alegre Paulicia Sabatini Vila p.sabatini12@gmail.com IFES - Alegre Resumo:O presente

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO 486 Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO Samuel Brito Ferreira Santos 1 ; Rebecca Ruhama Gomes Barbosa 2 ; Adeilton Padre de Paz

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA NO CANTEIRO DE OBRAS

INTERAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA NO CANTEIRO DE OBRAS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA INTERAÇÃO

Leia mais

PROJETO: BICHO POR DENTRO - UMA PARCERIA ENTRE O LABORATÓRIO DE ANATOMIA VETERINÁRIA & ZOOLÓGICO DA UFMT

PROJETO: BICHO POR DENTRO - UMA PARCERIA ENTRE O LABORATÓRIO DE ANATOMIA VETERINÁRIA & ZOOLÓGICO DA UFMT PROJETO: BICHO POR DENTRO - UMA PARCERIA ENTRE O LABORATÓRIO DE ANATOMIA VETERINÁRIA & ZOOLÓGICO DA UFMT Flávio de Rezende Guimarães - Coordenador do projeto e professor do Departamento de Ciências Básicas

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

Outras medidas que pontuaram para a obtenção da Certificação LIFE foram:

Outras medidas que pontuaram para a obtenção da Certificação LIFE foram: A Mata do Uru A Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Mata do Uru possui 128,67 hectares e está localizada a seis quilômetros do município da Lapa (PR) abrigando remanescentes da Floresta com

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID.

TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID. TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID. Resumo Alcenir Amorim de Sousa 1 1 Instituto Federal de educação

Leia mais

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Lilian Simone Leal Machado URZEDO 1, Rosely Ribeiro LIMA 2 (UFG/CAJ) lilianmachadoinove@hotmail.com

Leia mais

Diante dos diversos furtos de equipamentos ocorridos, não foi possível monitorar a zoopassagem 1.

Diante dos diversos furtos de equipamentos ocorridos, não foi possível monitorar a zoopassagem 1. 4.- PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL 4..1 Programa de Monitoramento de Fauna O Programa de Monitoramento da Fauna tem como objetivo maximizar o conhecimento sobre as alterações nas populações e comunidades

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Bibliografia: Ministério do Meio Ambiente. Espécies ameaçadas de extinção: recomendações

Leia mais

GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 15/9/2010 PROVA GRUPO GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

Seminário Sobre Reunir Registros

Seminário Sobre Reunir Registros Seminário Sobre Reunir Registros Esta lição e seus recursos de aprendizado podem ser usados para preparar um seminário de três a quatro horas sobre preparar, reunir, processar e entregar os registros a

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

A PRODUÇÃO DE VÍDEO AULAS COMO RECURSO E COMPLEMENTO DE ENSINO

A PRODUÇÃO DE VÍDEO AULAS COMO RECURSO E COMPLEMENTO DE ENSINO A PRODUÇÃO DE VÍDEO AULAS COMO RECURSO E COMPLEMENTO DE ENSINO Thassiane Calíssia Ravazi Ferreira ¹; Bruno da Silva Santos ²; Gabriely Cassiola Rovari¹; Larissa Santos de Oliveira ¹; Raisa Viana Nasralla

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011 Ministério da Educação Secretaria de Educação Média e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE

Leia mais

CONFECÇÃO DE MAQUETE PARA O ENTENDIMENTO DOS RÉPTEIS E DOS ANFÍBIOS EM AULAS DE CIÊNCIAS

CONFECÇÃO DE MAQUETE PARA O ENTENDIMENTO DOS RÉPTEIS E DOS ANFÍBIOS EM AULAS DE CIÊNCIAS CONFECÇÃO DE MAQUETE PARA O ENTENDIMENTO DOS RÉPTEIS E DOS ANFÍBIOS EM AULAS DE CIÊNCIAS Antonio Santana de Souza Júnior 1 Dalva Maria da Silva 2 Jullyane Cristyna Albuquerque Gomes 2 Keylla Patrícia Rodrigues

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA Neire Oliveira de Castro Souza 1 Lorrainy Dias Mendes 2 Airson José de Moraes Júnior 3 Neusa Elisa Carignato Sposito (Orientador) 4 RESUMO

Leia mais

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão Identificação da Ação Proposta Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Área Temática:

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS INTERDISCIPLINARIDADE: DESAFIO NO ENSINO DAS LETRAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E PEDAGOGIA Luzinete Alves da Silva. Jeferson

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O E. M. E. F. P R O F ª. D I R C E B O E M E R G U E D E S D E A Z E V E D O P

Leia mais