DEISE BRESAN TEMPO MÉDIO DE JEJUM EM CIRURGIAS ELETIVAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE EM UM HOSPITAL DA CIDADE DE GUARAPUAVA, PR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEISE BRESAN TEMPO MÉDIO DE JEJUM EM CIRURGIAS ELETIVAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE EM UM HOSPITAL DA CIDADE DE GUARAPUAVA, PR"

Transcrição

1 DEISE BRESAN TEMPO MÉDIO DE JEJUM EM CIRURGIAS ELETIVAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE EM UM HOSPITAL DA CIDADE DE GUARAPUAVA, PR Guarapuava 2009

2 DEISE BRESAN TEMPO MÉDIO DE JEJUM EM CIRURGIAS ELETIVAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE EM UM HOSPITAL DA CIDADE DE GUARAPUAVA, PR Trabalho de Conclusão de Curso a ser apresentado ao Departamento de Nutrição da Universidade Estadual do Centro-Oeste, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Nutrição. Orientadora: Professora Ms. Silvana Franco. Guarapuava 2009

3 2 TEMPO MÉDIO DE JEJUM EM CIRURGIAS ELETIVAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE EM UM HOSPITAL DA CIDADE DE GUARAPUAVA-PR AVERAGE TIME OF FASTING IN SMALL AND MEDIUM SIZE ELECTIVE SURGERIES IN A HOSPITAL IN THE CITY OF GUARAPUAVA-PR Autoras: BRESAN, Deise 1, FRANCO, Silvana 2 RESUMO Objetivo: Verificar o tempo médio de jejum ao qual são submetidos pacientes de um hospital da cidade de Guarapuava-PR, em cirurgias eletivas, de pequeno e médio porte. Metodologia: Participaram do estudo 27 pacientes com idade entre 20 e 59 anos, com cirurgia programada. O tempo de jejum foi estabelecido através de consulta ao prontuário médico. A avaliação nutricional foi realizada através do método antropométrico. A análise de dados foi feita pelo software Microsoft Excel, por meio de estatística descritiva para as variáveis contínuas. Para comparação de médias paramétricas utilizou-se o teste T de Student, fixando-se como nível de significância p<0,05. Resultados: O tempo médio de jejum encontrado foi de 27,88±9,83 horas, sendo 18,33±3,22 horas no período pré-operatório e 9,55±8,35 horas no pós-operatório. A justificativa médica para o jejum pré-operatório foi o risco de aspiração pulmonar causado pela anestesia geral ou anestesia regional com sedação. Os indivíduos submetidos às cirurgias do sistema osteomuscular permaneceram 23,22±4,29 horas sem alimentação, os que realizaram cirurgias do aparelho digestivo, órgãos anexos e parede abdominal ficaram 38,88±7,34 horas em jejum, e os que fizeram cirurgias do aparelho circulatório permaneceram 23,3±8,3 horas sem receber alimentação. Conclusão: Apesar das diversas recomendações e estudos que comprovam que a ingestão moderada de líquidos claros sem resíduos até duas horas antes do procedimento cirúrgico não aumenta os riscos de aspiração pulmonar, ainda persiste a prática de jejum prolongado via oral, desde o dia ou a noite que antecede a cirurgia. Palavras-chave: jejum, cirurgia, estado nutricional. ABSTRACT Objective: To verify the fasting average time which patients are submitted in a hospital in the city of Guarapuava-PR, in small and medium size elective surgeries. Methodology: 27 patients from 20 to 59 years old took part in the study with programmed surgery. The fasting time was established through medical prontuary 1 Acadêmica do 4º ano do curso de Nutrição da Universidade Estadual do Centro-Oeste. 2 Nutricionista. Mestre em Enfermagem em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo. Professora do Departamento de Nutrição da Universidade Estadual do Centro-Oeste.

4 3 analysis. Nutritional evaluation was accomplished by the antropometric method. Data analysis was done using Microsoft Excel software, through descriptive statistic for continuous variables. In order to compare of the parametric measurements, it was used the Student s T-test, establishing as significance p<0,05 level. Results: The fasting average time was 27,88±9,83 hours, being 18,33±3,22 hours in the pre operation period and 9,55±8,35 hours in the post operation. The medic justification for the pre operation fasting was the risk of lung aspiration caused by the general or partial anesthesia with sedation. The individuals undergone ostheomuscular surgery remain 23,22±4,29 hours without eating, the ones who were operated on the digestive system, attached organs and abdominal wall remained 38,88±7,34 hours on fasting, and the ones who were operated on the circulatory system remained 23,3±8,3 without eating. Conclusion: In spite of several recommendations and studies proving that the moderated ingestion of no residual liquids until two hours before the surgery procedure does not increase the risks of lung aspiration, besides that it endures the practice of extended oral fasting since the day or the night that precedes the surgery. Keys Words: fasting, surgery, nutritional state. INTRODUÇÃO A palavra jejum deriva do latim jejunu, e significa estar sem comer. O jejum é caracterizado pela ausência da ingestão de alimentos e nutrientes por mais de seis horas. É utilizado frequentemente em pacientes hospitalizados no preparo para exames diagnósticos e em períodos pré-operatórios, e voluntariamente, por motivos religiosos ou greve de fome 1,2,3. A prática do jejum pré-operatório se difundiu principalmente a partir de 1946, quando Mandelson relacionou alimentação com aspiração pulmonar durante um parto com anestesia geral. Desde então, a técnica do jejum pré-operatório passou a ser amplamente utilizada e tomada como verdade. Nessa época, as técnicas anestésicas eram rudimentares, o que aumentava a probabilidade de haver aspiração 4,5. O objetivo do jejum pré-cirúrgico é diminuir o grau de regurgitação do conteúdo gástrico, prevenindo a aspiração pulmonar e suas conseqüências. Com o passar dos anos os processos anestésicos foram se aperfeiçoando, e hoje contam com avançada tecnologia. Assim, o jejum pré-operatório desde a noite que antecede a cirurgia vem sendo questionado, uma vez que o tempo de esvaziamento gástrico de líquidos claros é relativamente pequeno, e provavelmente haja necessidade de um volume gástrico superior a 200 mililitros para que ocorra aspiração pulmonar 5,6.

5 4 Além disso, o jejum prolongado pode levar à depleção do estoque de glicogênio. Com isso, a glicemia passa a ser mantida somente pela gliconeogênese, o que significa um custo metabólico importante, pois esta via está relacionada à perda significativa de massa muscular e de tecido adiposo. Esse quadro pode ter grande impacto no estado nutricional dos pacientes, principalmente em indivíduos que já estão desnutridos. Dessa maneira, a orientação de jejum após a meia noite do dia que antecede o procedimento cirúrgico, tem sido substituída por novas recomendações 7,8,9. A Sociedade Americana de Anestesiologia (ASA) 10, após revisão de diversos estudos, elaborou um guia sobre o jejum pré-operatório, no qual recomenda: - Jejum de 2 horas: líquidos claros sem álcool e com um pouco de açúcar; - Jejum de 4 horas: leite materno para recém nascidos e lactentes; - Jejum de 6 horas: dieta leve e leite não materno; - Jejum de 8 horas: alimentos gordurosos, frituras e carnes. A Sociedade Canadense de Anestesiologistas, também faz essa recomendação. No Brasil, a Sociedade de Anestesiologia do Estado de São Paulo apenas difere na recomendação de jejum para o leite não materno, apontando para 8 horas de jejum pré-operatório 11,12. Estudos realizados por Diks et al 13 e Henriksen et al 14 mostram que a ingestão de líquidos sem resíduos, até duas horas antes da cirurgia, não apresenta maior ocorrência de broncoaspiração. Além disso, esse procedimento diminui a resistência hepática à insulina e as perdas de nitrogênio do primeiro ao terceiro dia pósoperatório. Além do tempo de jejum pré-operatório, principalmente em cirurgias do trato digestivo, o paciente permanece mais um longo período sem receber alimentação, devido ao jejum pós-operatório, prescrito até que ocorra a eliminação de flatos ou evacuações. Essa prática não apenas contribui para a piora do estado nutricional de pacientes previamente desnutridos, mas também aumenta o tempo de permanência hospitalar 15. Estudo realizado por Aguilar-Nascimento et al 16 mostrou que o retorno da dieta no primeiro dia pós-operatório de operações abdominais eletivas, apresentou com sucesso, e não foi prejudicial aos pacientes. Neste contexto, o objetivo do presente estudo foi verificar o tempo médio de jejum o qual são submetidos pacientes de um hospital da cidade de Guarapuava-

6 5 PR, em cirurgias eletivas, de pequeno e médio porte, no intuito de conhecer a prática de jejum utilizada e promover maior qualidade de vida e bem estar aos pacientes. METODOLOGIA O projeto deste estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Estadual do Centro-Oeste (Ofício nº 043/2009 COMEP/UNICENTRO) (Anexo 1). A pesquisa foi conduzida em um hospital da cidade de Guarapuava-PR, durante os meses de junho e julho de Foram avaliados 27 pacientes adultos, submetidos à cirurgia eletiva de pequeno e médio porte, internados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Para serem inclusos no estudo os pacientes deveriam ter cirurgia agendada com no mínimo uma semana de antecedência, realizar a internação no dia anterior a cirurgia, ter idade entre 20 e 59 anos, e concordar em participar do estudo por meio do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (Apêndice 1). O instrumento utilizado para coleta de dados foi elaborado com base nas informações necessárias para a execução do estudo (Apêndice 2). Para conhecer o tempo de jejum ao qual o paciente submeteu-se, foi consultado o prontuário médico. Este tempo foi também confirmado com o paciente. O perfil nutricional dos pacientes foi traçado através da antropometria no período anterior a cirurgia. Para tanto, utilizou-se balança digital da marca Britânia, com capacidade para 150 Kg e visor digital com escala de 100 g. A altura (m) e circunferência do braço (CB) foram medidas com fita métrica flexível e inextensível com variação em centímetros. A prega cutânea tricipital (PCT) foi aferida com adipômetro clínico da marca Cescorf, com variação em milímetros. Por meio da CB e PCT calculou-se a circunferência muscular do braço (CMB). Os resultados encontrados de CB, PCT e CMB foram comparados ao percentil 50, de acordo com sexo e idade, conforme preconiza Frizancho 17. Através do peso e altura foi estabelecido o Índice de Massa Corporal (IMC) e classificado de acordo com a Organização Mundial da Saúde 18, em desnutrição (IMC <18,5 Kg/m²), eutrofia (IMC entre 18,5 e 24,9 Kg/m²), sobrepeso (IMC entre 25 e 29,9 Kg/m²) e obesidade (IMC >30 Kg/m²).

7 6 As cirurgias em que os indivíduos se submeteram foram classificadas de acordo com o Ministério da Saúde 19, em cirurgia do sistema osteomuscular, cirurgia do aparelho digestivo, órgãos anexos e parede abdominal e cirurgia do aparelho circulatório. A análise de dados foi feita através do software Microsoft Excel, por meio de estatística descritiva para as variáveis contínuas, estabelecendo-se média, desviopadrão e freqüências relativas. Para comparação de médias paramétricas, utilizouse o teste T de Student, fixando-se como nível de significância p<0,05. RESULTADOS E DISCUSSÃO Participaram do estudo 27 pacientes dos quais 19 (70,37%) eram no sexo feminino e 8 (29,62%) do sexo masculino. A média de idade entre as mulheres foi de 38,78±10,89 anos, e entre os homens 42,12±12,93 anos. A média de idade entre todos os pacientes estudados foi de 39,77±11,38 anos (Tabela 1). Tabela 1 Caracterização dos pacientes estudados (N=27). Feminino Masculino Total N 19 (70,37%) 8 (29,62%) 27 (100%) Idade (anos) 38,78 ± 10,89 42,12 ± 12,93 39,77 ± 11,38 Gráfico 1 Tipos de cirurgias realizadas* (N=27). N (33,33%) Sistema Osteomuscular 8 (29,62%) Aparelho Digestivo, Órgãos Anexos e Parede Abdominal 10 (37,03%) Aparelho Circulatório * Conforme classificação da Tabela Unificada de Procedimentos, Medicamentos e Insumos Estratégicos do SUS 17.

8 7 Do total de 27 cirurgias, 9 (33,33%) corresponderam à cirurgias do sistema osteomuscular, 8 (29,62%) à cirurgias do aparelho digestivo, órgãos anexos e parede abdominal, e 10 (37,03%) à operações do aparelho circulatório (Gráfico 1). Com relação ao estado nutricional dos pacientes, avaliado pelo método antropométrico, 51,85% dos indivíduos estavam eutróficos. Dos demais, 3 (11,11%) pacientes estavam desnutridos, 3 (11,11%) apresentaram sobrepeso e 7 (25,93%) estavam obesos (Gráfico 2). Gráfico 2 Estado Nutricional dos indivíduos estudados (N=27) (51,85%) N (11,11%) 3 (11,11%) 7 (25,93%) 2 0 Desnutrição Eutrofia Sobrepeso Obesidade Estudo realizado por Mourão et al 20 avaliou o estado nutricional de 100 pacientes por meio da antropometria, e verificou que 48% dos pacientes estavam eutróficos, 7% deles estavam desnutridos, e 45% apresentavam sobrepeso ou obesidade. Números parecidos aos encontrados neste estudo. O tempo médio de jejum observado neste estudo foi de 27,88±9,83 horas, o que corresponde a uma média de 18,33±3,22 horas de jejum pré-operatório e 9,55±8,35 horas de jejum no período pós-operatório (Tabela 2). Quando comparados os tempos de jejum pré e pós-cirúrgico, observa-se que há diferença estatisticamente significante entre esses períodos (p<0,01). O tempo de jejum pré-operatório encontrado em um estudo realizado nos Estados Unidos, com pacientes submetidos a cirurgias eletivas foi em média 11,7 horas. Desses pacientes, 67% permaneceram no mínimo 12 horas em jejum antes da cirurgia, e 50% deles permaneceram mais de 14 horas sem alimentação 21. Já os pacientes avaliados neste estudo, 100% permaneceram mais de 14 horas em jejum pré-operatório.

9 8 O motivo relatado pela equipe médica para o jejum pré-operatório foi o risco de aspiração pulmonar causado pela anestesia geral ou anestesia regional com sedação. Tabela 2 Tempo de médio de jejum (N=27). Jejum pré-operatório Jejum pós-operatório Tempo total de jejum Média (horas) 18,33 9,55 27,88 Desvio-padrão (DP) ± 3,22 ± 8,35 ± 9,83 O tempo médio de jejum pré-operatório encontrado no estudo foi relativamente longo (18,33±3,22 horas), visto que a ASA, a CAS e a SAESP recomendam um jejum de duas horas para líquidos claros sem álcool e com um pouco de açúcar. Mesmo alimentos gordurosos e carnes, que levam um tempo maior para serem digeridos, podem ser consumidos até 8 horas antes do procedimento cirúrgico, de acordo com as recomendações 10,11,12. Uma pesquisa de nível nacional realizada nos Estados Unidos com anestesiologistas, mostrou que 62% deles orientavam seus pacientes a ingerir líquidos claros duas ou três horas antes de cirurgias eletivas. Por outro lado, 35% dos participantes relataram orientar os pacientes a fazer uma refeição leve seis horas antes da cirurgia 22. Em um estudo realizado por Henriksen et al 14 sobre os efeitos da administração oral de carboidratos no pré-operatório, envolvendo 48 pacientes com enfermidades gastrointestinais, mostrou que os pacientes que receberam a solução de carboidratos apresentaram menor resistência hepática à insulina e diminuição das perdas de nitrogênio, do primeiro ao terceiro dia pós-operatório. Além disso, Diks et al 13 mostram em um estudo sobre o jejum pré-operatório, que a ingestão de líquidos sem resíduos, até duas horas antes da cirurgia, não apresenta maior ocorrência de broncoaspiração. A ingestão de nutrientes no pré-operatório imediato, principalmente de carboidratos tem mostrado benefícios, como menor resistência hepática à insulina, capaz de diminuir a resposta orgânica ao estresse 23.

10 9 O jejum pós-operatório não é regra, e varia de acordo com a cirurgia. Pacientes submetidos a operações de grande porte do trato digestivo, geralmente permanecem um longo período pós-cirúrgico em jejum, porém, a alimentação precoce tem se mostrado segura, mesmo quando oferecida entre 4 e 12 horas após a operação 24, 25, 15. Visto isso, verificando o tempo médio de jejum pós-operatório das cirurgias digestivas, órgãos anexos e parede abdominal (Tabela 3), foi constatado um jejum de 18,25±5,97 horas, tempo relativamente longo, já que as cirurgias são apenas de pequeno e médio porte. Durante esse período de jejum geralmente os pacientes recebem hidratação venosa sem aporte protéico e com um mínimo de calorias. Sendo assim, as necessidades energéticas e protéicas aumentadas pelo trauma cirúrgico não são atingidas, o que leva o indivíduo a apresentar balanço nitrogenado negativo. Este quadro pode prejudicar a evolução do paciente, aumentando o tempo de permanência hospitalar e os riscos de morbimortalidade 16. Além disso, a cicatrização adequada dos tecidos e a resistência às infecções dependem do fornecimento adequado de macro e micronutrientes 26. Um estudo realizado por Aguilar-Nascimento et al 16 mostrou que o tempo médio de jejum pré-operatório em cirurgias abdominais eletivas foi de 16 horas, tempo inferior ao encontrado neste estudo, no qual o tempo médio de jejum préoperatório foi de 20,63 horas (Tabela 3) para cirurgias abdominais. O jejum pré-operatório nas cirurgias do sistema osteomuscular e circulatório foi em média 17 horas, não apresentando diferença estatisticamente significante quando comparados entre si (p=0,47). Tabela 3 Tempo médio de jejum em cada grupo de cirurgia (N=27). Jejum pré- Jejum pós- Tempo total operatório operatório de jejum Média (horas) Média (horas) Média (horas) Sistema Osteomuscular (SOM) 17,33 ± 3,16 5,89 ± 3,72 23,22 ± 4,29 Aparelho Digestivo, Órgãos 20,63 ± 3,89 18,25 ± 5,97 38,88 ± 7,34 Anexos e Parede Abdominal (AD) Aparelho Circulatório (AC) 17,4 ± 1,65 5,9 ± 8,13 23,3 ± 8,3

11 10 Porém, quando comparado o tempo de jejum pré-cirúrgico de cirurgias do sistema osteomuscular com cirurgias do aparelho digestivo, a diferença foi estatisticamente significante (p=0,03), assim como quando comparado as cirurgias do aparelho circulatório com as cirurgias do aparelho digestivo (p=0,01) (Tabela 4). O mesmo ocorre no jejum pós-operatório, não há diferença estatisticamente significativa quando comparado às cirurgias do sistema osteomuscular e aparelho circulatório (p=0,49), mas quando se compara as cirurgias do sistema osteomuscular com o aparelho digestivo, e do aparelho circulatório com o aparelho digestivo, há diferença estatisticamente significante (p<0,01; p<0,01) (Tabela 4). Tabela 4 Comparação entre os períodos de jejum em cada grupo de cirurgia. Jejum préoperatório Jejum pósoperatório Tempo total de jejum SOM X AD p=0,03 p<0,01 p<0,01 SOM X AC p=0,47 p=0,49 p=0,49 AC X AD AD X SOM + AC p=0,01 p<0,01 p<0,01 p<0,01 p<0,01 p<0,01 Dessa forma, percebe-se que o tempo de jejum nas cirurgias do aparelho digestivo, órgãos anexos e parede abdominal é significativamente maior quando comparado às cirurgias do sistema osteomuscular e aparelho circulatório. Tabela 5 Tempo médio de jejum de acordo com o estado nutricional. Jejum pré-operatório Jejum pós-operatório Tempo total de jejum Média (horas) Média (horas) Média (horas) Desnutridos 17 ± 1 2,33 ± 1,52 19,33 ± 2,08 Eutróficos 18,42 ± 3,08 8,64 ± 7,86 27,07 ± 9,53 Sobrepeso 20 ± 2,64 20,33 ± 6,35 40,33 ± 6,02 Obesos 18 ± 4,39 9,85 ± 8,25 27,85 ± 9,65 A Tabela 5 mostra o tempo médio de jejum de acordo com o estado nutricional. Os pacientes obesos permaneceram 27,85±9,65 horas em jejum e os

12 11 que apresentaram sobrepeso permaneceram 40,33±6,02 horas sem alimentação, quando somados os períodos pré e pós-operatório. Os indivíduos desnutridos ficaram em jejum durante 19,33±2,08 horas, e pacientes eutróficos durante 27,07±9,53 horas (Tabela 5). Percebe-se que o tempo de jejum não está relacionado ao estado nutricional do indivíduo, mas sim à cirurgia que o mesmo realizou. Todos os pacientes com sobrepeso, que permaneceram o maior tempo sem alimentação, realizaram cirurgias do aparelho digestivo, órgãos anexos e parede abdominal. O mesmo se observa nos indivíduos desnutridos, que permaneceram o menor tempo em jejum, todos realizaram cirurgias do sistema osteomuscular ou cirurgias do aparelho circulatório. O jejum desde a noite que antecede a cirurgia contribui significativamente para o aumento das complicações pós-operatórias, devido ao estado de catabolismo induzido, podendo ocasionar alterações metabólicas e nutricionais, além de contribuir para o aumento da desnutrição hospitalar 27,3. A administração de suplementos orais no pré-operatório pode atenuar a perda de peso no período pós-cirúrgico, o que seria benéfico aos pacientes que estão em risco nutricional 28. Além disso, o jejum pode ser bastante desconfortável a qualquer paciente, independente do seu estado nutricional 29. No hospital onde o estudo foi realizado não havia a administração de suplementos no pré-operatório. Quando o paciente é submetido ao jejum prolongado, predominando o glucagon sobre a insulina, o organismo ativa a glicogenólise e o fígado passa a exportar a glicose armazenada. Porém, essa reserva é limitada, e em algumas horas seu estoque acaba, iniciando, portanto, a gliconeogenese. Quando a glicemia passa a ser mantida apenas por esta via, há um elevado custo metabólico, pois, a síntese de glicose na gliconeogenese tem como principais precursores os aminoácidos advindos do músculo esquelético, glicerol advindo da mobilização de triglicerídeos do tecido adiposo e lactato advindo das hemácias 8. Esse quadro tem, portanto, impacto no estado nutricional dos indivíduos, principalmente aqueles que já apresentam risco nutricional 7. A hipótese de que a administração de carboidratos anterior à cirurgia interfira nessa resposta orgânica pode ser vista em um estudo com ratos, no qual os animais submetidos a jejum de 6 a 24 horas apresentaram capacidade inferior de tolerar o trauma, quando comparados a ratos que receberam carboidratos 30.

13 12 Estudo realizado com 20 pacientes submetidos à colecistectomia mostrou que aqueles que receberam, na noite anterior à cirurgia, 5mg/Kg/minuto de carboidrato via endovenosa, tiveram redução de 50% na resistência periférica à insulina, quando comparados a pacientes em jejum por 12 horas 31. Em outro estudo, no qual houve ingestão via oral de solução de carboidratos a 12,5% na noite anterior à operação e duas horas antes da indução anestésica, também demonstrou-se diminuição da resistência periférica à insulina 23. Essa diminuição da resistência periférica à insulina é fundamental, visto que a hiperglicemia está associada ao aumento das complicações infecciosas em pacientes cirúrgicos 32. Novamente verifica-se que o tempo de jejum pré-operatório observado neste estudo (18,33±3,22 horas) foi elevado quando comparado ao tempo de jejum recomendado e benéfico aos pacientes. A mudança das práticas de jejum prolongado requer atualização dos profissionais e inserção de um novo protocolo para jejum em cirurgias na unidade hospitalar. CONCLUSÃO O tempo de jejum para procedimentos cirúrgicos é um fator que pode interferir na evolução dos pacientes, como mostram os estudos citados. Com esta pesquisa pode-se perceber que, apesar das diversas recomendações das sociedades de anestesiologia e dos estudos que apontam não haver maior risco de aspiração pulmonar quando ingerido líquidos claros sem resíduos até duas horas antes da operação, ainda há a prática de jejum prolongado, desde a noite ou dia que antecede a operação. Sabe-se que no jejum o indivíduo apresenta um estado de catabolismo induzido, onde seu estado nutricional pode ser afetado, principalmente quando já se encontra desnutrido, ou apresenta risco de desnutrição. Portanto, é necessário que as recomendações de jejum para cirurgia sejam seguidas, no intuito de promover o bem-estar do paciente, através de práticas seguras e confortáveis.

14 13 REFERÊNCIAS 1. Michaelis: dicionário escolar língua portuguesa. 3ª ed. São Paulo: Melhoramentos; Cordás TA, Weinberg C. Santas anoréxicas na história do ocidente: o caso de Santa Maria Madalena de Piazzi. Rev Bras Psiquiatr. 2002;24(3): Waitzberg DL, Caiaffa W, Correia, MITD. Hospital malnutrition: the Brazilian National Survey (IBRANUTRI). A study of patients. Nutrition. 2001;17(7-8): Mandelson CL, Apud Moro ET. Jejum pré-operatório. Rev Fac Ciênc Méd. 2003;5(1): Correia MITD, Silva RG. Paradigmas e evidências da nutrição peri-operatória. Rev Col Bras Cir. 2005;32(6) Moro ET. Prevenção da aspiração pulmonar do conteúdo gástrico. Rev Bras Anestesiol. 2004;54(2): Venâncio LS, Yoshida WB, Burini RC. Estado nutricional e implicações pósoperatórias de pacientes hospitalizados por doença arterial periférica. Rev Bras Nutr Clin. 2002;17(3): Voet D, Voet J, Pratt C. Fundamentos de Bioquímica. Porto Alegre: Artmed; Malheiros SVP. Integração Metabólica nos períodos pós-prandial e de jejum um resumo. Rev Bras Ens Bioq Biol Mol. 2006;(1). 10. American Society of Anesthesiologists (ASA). Task Force on Preoperative Fasting. Practice guideline for preoperative fasting and use of pharmacology agents to reduce the risk of pulmonary aspiration: application to health patients undergoing elective procedures. Anesthesiology. 1999;90: Canadian Anesthesiologists' Society (CAS). Guidelines to the Practice of Anesthesia Disponível em: <http://www.cas.ca/members/sign_in/guidelines/practice_of_anesthesia/default.asp?l oad=preanesthetic>. Acesso em: 5 ago Sociedade de Anestesiologia do Estado de São Paulo (SAESP). Recomendações para jejum pré-anestésico (Consenso de jejum pré-anestésico da Sociedade de Anestesiologia do Estado de São Paulo). São Paulo, Disponível em: <http://www.saesp.org.br/busca.php?oq=jejum>. Acesso em: 4 ago

15 Diks JD, Hoorn DEC van, Nijveldt RJ, Boelens PG, Hofman Z, Bouritius H, et al. Preoperative fasting: An outdated concept? J Parenter Enteral Nutr. 2005;29(4): Henriksen MG, Hessov I, Dela F, Hansen HV, Haraldsted V, Rodt SA. Effects of preoperative oral carbohydrates and peptides on postoperative endocrine response, mobilization, nutrition and muscle function in abdominal surgery. Acta Anaesthesiol Scand. 2003;47(2): Di Fronzo LA, Yamin N, Patel K, O connell TX. Benefits of early feeding and early hospital discharge in elderly patients undergoing open colon resection. J Am Coll Surg. 2003;197(5): Aguilar-Nascimento JE, Bicudo-Salomão A, Caporossi C, Silva RM, Cardoso EA, Santos TP. Acerto pós-operatório: avaliação dos resultados da implantação de um protocolo multidisciplinar de cuidados peri-operatórios em cirurgia geral. Rev Col Bras Cir. 2006;33(3): Frisancho AR. New norms of upper limb fat and muscle areas for assessment of nutritional status. Am J Clin. 1981;34: Word Health Organization (WHO). Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: Word Health Organization; Ministério da Saúde (MS). Tabela Unificada de Procedimentos, Medicamentos e Insumos Estratégicos do SUS Disponível em: <http://dtr2001.saude.gov.br/sas/cgsi/estrutura.pdf>. Acesso em: 10 ago Mourão F, Amado D, Ravasco P, Vidal PM, Camilo ME. Evaluación del riesgo y del estado nutricional de los pacientes quirúrgicos: un problema entre otros muchos. Nutr Hosp. 2004;19(2): Baril P, Portman H. Preoperative Fasting: Knowledge and Perceptions. AORN J. 2007;86(4): Pandit SK, Loberg KW, Pandit UA. Toast and tea before elective surgery? A national survey on current practice. Anesth Analg. 2000;90(6): Soop M, Nygren J, Thorell A, Hammarqvist F, Ljungqvist O. Preoperative oral carbohydrate treatment attenuates postoperative whole body nitrogen losses and hepatic insulin resistance. Clin Nutr. 2001;20(suppl1): Aguilar-Nascimento JE, Goelzer J. Alimentação precoce após anastomoses intestinais: riscos ou benefícios? Rev Assoc Med Bras. 2002;48(4):

16 Correia MITD, Waitzberg DL. The impact of malnutrition on morbidity, mortality, length of hospital stay and costs evaluated through a multivariate model analysis. Clin Nutr. 2003;22(3): Smeltzer S, Bare B. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 9ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; Hessov I, Ljungqvist O. Perioperative oral nutrition. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 1998;1(1): Smedley F, Bowling T, James M, Stokes E, Goodger C, O Connor O, et al. Randomized clinical trial of the effects of preoperative and postoperative oral nutrition supplements on clinical course and cost of care. Br J Surg. 2004;91(8): Ljungqvist O, Soreide E. Preoperative fasting. Br J Surg. 2003; 90(4): Ljungqvist O, Nygren J, Thorell A. Preoperative nutrition therapy novel developments. Scand J Nutr. 2000;44: Ljungqvist O, Thorell A, Gutniak M, Häqqmark T, Efendic S. Glucose infusion instead of preoperative fasting reduces postoperative insulin resistance. J Am Coll Surg. 1994;178(4): van den Berghe G, Wouters P, Weekers F, Verwaest C, Bruyninckx F, Schetz M, et al. Intensive insulin therapy in the critically ill patients. N Engl J Med. 2001;345(19):

17 ANEXOS E APÊNDICES

18 Anexo 1 Carta de Aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Estadual do Centro-Oeste (COMEP)

19 Apêndice 1 Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO Nome da pesquisa: Estado nutricional de pacientes adultos internados na clínica médica pelo Sistema Único de Saúde (SUS) com cirurgia programada, analisando os fatores que podem influenciar no retardo da cicatrização e/ou recuperação pós-cirúrgica Estaremos realizando uma pesquisa no Hospital de Caridade São Vicente de Paulo na cidade de Guarapuava, PR, vinculada a Universidade Estadual do Centro Oeste UNICENTRO, intitulada Estado nutricional de pacientes adultos internados na clínica médica pelo Sistema Único de Saúde (SUS) com cirurgia programada, analisando os fatores que podem influenciar no retardo da cicatrização e/ou recuperação pós-cirúrgica. O objetivo desta pesquisa é avaliar o estado nutricional nos pacientes adultos internados na clínica médica pelo Sistema Único de Saúde (SUS) com cirurgia programada, analisando os fatores que podem influenciar no retardo da cicatrização e/ou recuperação pós-cirúrgica. Se concordar com sua participação ou com a participação do(a) paciente que é responsável, garantimos o sigilo das informações, isto é, não serão identificados o nome do paciente nem o da pessoa responsável por ele, quando for este o caso. Os resultados da pesquisa serão divulgados por meio de trabalho científico em revistas especializadas ou em Congressos na área da saúde, sempre preservando a ética. Também não haverá gastos sendo que, poderá retirar sua concordância sem que isso traga prejuízos ao senhor (a). Obrigada pela colaboração. Pesquisadora Responsável: Profª.Ms. Silvana Franco Kmetiuk Docente do Departamento de Nutrição da UNICENTRO. Endereço: Rua dos Girassóis, nº 17, Pérola do Oeste, Guarapuava Pr. Silvana Franco Kmetiuk Pesquisadora Responsável Guarapuava, de de.

20 TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE, APÓS ESCLARECIMENTO Nome da pesquisa: Estado nutricional de pacientes adultos internados na clínica médica pelo Sistema Único de Saúde (SUS) com cirurgia programada, analisando os fatores que podem influenciar no retardo da cicatrização e/ou recuperação pós-cirúrgica Eu,, concordo com minha participação ou do paciente pelo qual sou responsável no estudo Estado nutricional de pacientes adultos internados na clínica médica pelo Sistema Único de Saúde (SUS) com cirurgia programada, analisando os fatores que podem influenciar no retardo da cicatrização e/ou recuperação pós-cirúrgica, estando ciente de que estou livre para em qualquer momento desistir de colaborar sem nenhuma espécie de prejuízo. Recebi uma cópia deste documento e tive a oportunidade de discuti-lo com a pesquisadora responsável. paciente assinar). Assinatura do paciente ou seu responsável (no caso de incapacidade física e/ou mental do Guarapuava, de de.

21 Apêndice 2 Ficha para coleta de dados UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE / UNICENTRO SETOR DE CIENCIAS DA SAÚDE / SES / G DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO / DENUT / G FICHA PARA COLETA DE DADOS 1 Nº ficha: 2 Data avaliação nutricional: / / 3 Data cirurgia: / / 4 Nome do paciente: 5 Data nasc: / / 6 Data de admissão: / / 7 Clínica: 8 Leito: 9 Diagnóstico clínico: 10 Cirurgia realizada: 11 Período pré-operatório: Jejum: ( ) Sim ( ) Não - Quanto tempo? - Última refeição prévia ao jejum: 12 Período pós-operatório: Jejum: ( ) Sim ( ) Não - Quanto tempo? - Característica da primeira refeição pós-período de jejum: 13. Motivo do Jejum pré-operatório: 14 Avaliação Antropométrica: Peso atual: Peso usual: Peso ideal: Altura: IMC: CB: PCT: CMB: 17 Diagnóstico Nutricional:

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica PANCREATITE AGUDA ETIOLOGIA Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÃO CLÍNICA CRITÉRIOS PROGNÓSTICOS Ranson Na admissão: Idade > 55 anos Leucócitos > 1600 N uréico aumento

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ Rita de Cássia Felix

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

PLANO DE SEDAÇÃO POR ANESTESISTAS NORMA Nº 641

PLANO DE SEDAÇÃO POR ANESTESISTAS NORMA Nº 641 Página: 1/10 1- OBJETIVO 1.1- Estabelecer as regras para a prática de sedação na instituição visando redução do risco e aumento da segurança aos pacientes do Sistema de Saúde Mãe de Deus. 1.2- Fornecer

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Divisão de Nutrição e Dietética. Atendimento de Nutrição nas Unidades de Internação

Procedimento Operacional Padrão (POP) Divisão de Nutrição e Dietética. Atendimento de Nutrição nas Unidades de Internação UFSC Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina Elaborado por: Nutricionistas clínicas Revisado por: Nutricionistas clínicas Aprovado por: Gisele

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG.

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. AUTORES: Kiriaque Barra Ferreira Barbosa bolsista CNPq (kiribarra@hotmail.com.br),

Leia mais

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Belarmino Santos de Sousa Júnior¹ ; Fernando Hiago da Silva Duarte²; Ana Elza da Silva Mendonça³ ¹ Acadêmico de Enfermagem

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? ISBN 78-8-6101-0-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 00 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? Crislayne Teodoro Vasques 1 ; Rita de Cassia Felix

Leia mais

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO DIABETES E CIRURGIA INTRODUÇÃO 25% dos diabéticos necessitarão de cirurgia em algum momento da sua vida Pacientes diabéticos possuem maiores complicações cardiovasculares Risco aumentado de infecções Controle

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO RESUMO Mari Uyeda Larissa Fabiane da Silva Toledo Este trabalho apresenta como objetivo demonstrar o comportamento

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL Ana Carolina Borghesi Marques Branco Mariah Martins da Silva Josiane Correia Juliana Ferreira

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico.

Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico. III CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM NUTRIÇÃO PARENTERAL E ENTERAL ADULTO/PEDIATRIA Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico. Nut. Eduila Couto eduilacouto@hotmail.com Estado

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA/PR E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA/PR E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA/PR E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 INTRODUÇÃO LUCIEVELYN MARRONE 1 ALINE GONÇALVES DE SANTA 2 CAMILA DE SOUZA PINTO MARIOTO

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

ANÁLISE SENSORIAL DE DIETAS ENTERAIS INDICADAS PARA USO VIA ORAL

ANÁLISE SENSORIAL DE DIETAS ENTERAIS INDICADAS PARA USO VIA ORAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE SENSORIAL DE DIETAS ENTERAIS INDICADAS PARA USO VIA ORAL Mariah Benine Ramos Silva 1, Thanise Pitelli Paroschi 2, Ana Flávia de Oliveira 3 RESUMO:

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

COMPOSIÇÃO DISTRIBUIÇÃO ENERGÉTICA PROT* 24% CH** 53% LIP*** 23% RECOMENDAÇÃO

COMPOSIÇÃO DISTRIBUIÇÃO ENERGÉTICA PROT* 24% CH** 53% LIP*** 23% RECOMENDAÇÃO COMPOSIÇÃO Proteína 65 g/l Arginina 13,1 g/l Ômega-3 3,06 g/l Nucleotídeos 1,60 g/l DISTRIBUIÇÃO ENERGÉTICA PROT* 24% CH** 53% LIP*** 23% RECOMENDAÇÃO 3 a 4 Tetra Slim 200 ml/dia durante 5 a 7 dias antes

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES ONCOLÓGICOS HOSPITALIZADOS

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES ONCOLÓGICOS HOSPITALIZADOS PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES ONCOLÓGICOS HOSPITALIZADOS Paola Santos Esteves Martins 1, Ana Carolina de Campos Leme. 2 ; Dr. a Margareth Lopes Galvão Saron 3 Universidade do Vale do Paraíba Faculdade

Leia mais

"ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA"

ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA "ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA" SHOSSLER ¹, T.S.; FREITAS ¹, G.; LOPES ², E.; FRASNELLI ¹,

Leia mais

A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas

A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas III SIMPÓSIO SOBRE FERIDAS E ESTOMAS EM PACIENTES ONCOLÓGICOS Letícia Faria Serpa A albumina é uma proteína presente em grande concentração

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN Orientações para a coleta

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE MACRONUTRIENTES ANTES, DURANTE E APÓS A ATIVIDADE FÍSICA DE FREQUENTADORES DE UMA ACADEMIA EM SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE MACRONUTRIENTES ANTES, DURANTE E APÓS A ATIVIDADE FÍSICA DE FREQUENTADORES DE UMA ACADEMIA EM SÃO PAULO AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE MACRONUTRIENTES ANTES, DURANTE E APÓS A ATIVIDADE FÍSICA DE FREQUENTADORES DE UMA ACADEMIA EM SÃO PAULO Gabriela Tammy Dias de Oliveira * ; Camila Araújo da Silva Monte * ; Mariana

Leia mais

Prescrição Dietética

Prescrição Dietética Prescrição Dietética Quantitativo Cálculo de Dietas Cálculo de dietas estimar as necessidades energéticas de um indivíduo (atividade física, estágio da vida e composição corporal) Necessidades energéticas

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Imagens A) Desnutrido crônico: abdome globoso, rarefação de pêlos, perda de massa muscular, estado mental alterado.

Imagens A) Desnutrido crônico: abdome globoso, rarefação de pêlos, perda de massa muscular, estado mental alterado. 18 de Março de 2008. Professor Fábio. Conceito de desnutrição Conseqüências de estados patológicos que resulta do consumo inadequado de um ou mais nutrientes essenciais e que se manifesta ou se diagnostica

Leia mais

VI Curso Preparatório para a Prova do Título de Especialista da SOBECC A Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória - SAEP

VI Curso Preparatório para a Prova do Título de Especialista da SOBECC A Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória - SAEP VI Curso Preparatório para a Prova do Título de Especialista da SOBECC A Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória - SAEP Andréa Tamancoldi Couto Enfermeira chefe de seção Centro Cirúrgico

Leia mais

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido Eu, RG n solicito e autorizo o Dr. Fausto A. de Paula Jr, CRM-SP 103073, medico otorrinolaringologista,

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Treinamento e nutrição.

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Treinamento e nutrição. Conteúdo: Treinamento e nutrição. Habilidades: Relacionar a alimentação saudável com a prática de exercícios físicos. X Nutrientes macronutrientes micronutrientes Micronutrientes Macronutrientes A importância

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

NOVA VISÃO ANTROPOMÉTRICA EM PACIENTES HIV POSITIVO COM USO DE ANTIRETROVIRAIS

NOVA VISÃO ANTROPOMÉTRICA EM PACIENTES HIV POSITIVO COM USO DE ANTIRETROVIRAIS NOVA VISÃO ANTROPOMÉTRICA EM PACIENTES HIV POSITIVO COM USO DE ANTIRETROVIRAIS LUCIEVELYN MARRONE 1 INGRID RAQUEL FIGUEIRA DA SILVA 2 BEATHRIZ REGINA MATOS 2 ROSANA DIVINA MARTINS DEPIERI 2 DÉBORA KAIRA

Leia mais

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO II CICLO DE DEBATES DESNUTRIÇÃO HOSPITALAR A EPIDEMIOLOGIA DA DESNUTRIÇÃO NO BRASIL NA EPIDEMIA DE OBESIDADE A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO Edilaine Maria Stella da Cruz Instituto do Câncer Arnaldo

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Influência do tempo de jejum pré-operatório na resistência insulínica em pacientes submetidos à colecistectomia videolaparoscópica

Influência do tempo de jejum pré-operatório na resistência insulínica em pacientes submetidos à colecistectomia videolaparoscópica 1 Influência do tempo de jejum pré-operatório na resistência insulínica em pacientes submetidos à colecistectomia videolaparoscópica Influence of duration of preoperative fasting on insulin resistance

Leia mais

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Edson Luis Quintiliano 1 Orientador:

Leia mais

Utilização da Aveia x Índice Glicêmico

Utilização da Aveia x Índice Glicêmico Utilização da Aveia x Índice Glicêmico MURIELE MARQUES JOB; SAHRA BRENA DE OLIVEIRA LIBANIO RESUMO: O conceito de índice glicêmico pode ser considerado uma extensão da hipótese da fibra dietética, sugerindo

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Nutrição 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Nutrição 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Nutrição 2010-1 PERFIL NUTRICIONAL E HÁBITOS ALIMENTARES DE CRIANÇAS DE 6 A 10 ANOS DE UMA ESCOLA

Leia mais

DESNUTRIÇÃO ENERGÉTICO-PROTÉICA NO PACIENTE HOSPITALIZADO RESUMO ABSTRACT

DESNUTRIÇÃO ENERGÉTICO-PROTÉICA NO PACIENTE HOSPITALIZADO RESUMO ABSTRACT DESNUTRIÇÃO ENERGÉTICO-PROTÉICA NO PACIENTE HOSPITALIZADO Carolline Ferreira de Brito 1 Jesualdo Alves Avelar 2 Felipe Waschmuth Menhô Rabelo 3 RESUMO A desnutrição é um problema frequente enfrentado por

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

ÉTICA NO USO DE ANIMAIS

ÉTICA NO USO DE ANIMAIS ÉTICA NO USO DE ANIMAIS Profª Cristiane Matté Departamento de Bioquímica Instituto de Ciências Básicas da Saúde Universidade Federal do Rio Grande do Sul Bioética Bioética é uma reflexão compartilhada,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Alexandre Leite) Reduz a zero as alíquotas da Contribuição para o PIS/PASEP e da Cofins incidentes sobre os serviços de administração de dietas enteral e parenteral.

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR Daniele Aparecida Capelato 1 ; Bruno Guilherme Morais Pagan 2 ;

Leia mais

Hormonas e mensageiros secundários

Hormonas e mensageiros secundários Hormonas e mensageiros secundários Interrelação entre os tecidos Comunicação entre os principais tecidos Fígado tecido adiposo hormonas sistema nervoso substratos em circulação músculo cérebro 1 Um exemplo

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Contribuições da Consulta Pública sobre Agente imunomodulador (Impact ) para uso no pré-operatório - CONITEC

Contribuições da Consulta Pública sobre Agente imunomodulador (Impact ) para uso no pré-operatório - CONITEC Contribuições da Consulta Pública sobre Agente imunomodulador (Impact ) para uso no pré-operatório - CONITEC Dt. contrib. Contribuiu como Descrição da contribuição Referência 06/10/2015 Interessado no

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

PREVALÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL GERAL MALNUTRITION PREVALENCE OF PATIENTS IN INTERNADOS GENERAL HOSPITAL

PREVALÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL GERAL MALNUTRITION PREVALENCE OF PATIENTS IN INTERNADOS GENERAL HOSPITAL PREVALÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL GERAL MALNUTRITION PREVALENCE OF PATIENTS IN INTERNADOS GENERAL HOSPITAL KAROLINE DE SOUZA REIS Graduada em Nutrição pelo Centro Universitário

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA Bruno Guilherme Morais Pagan 1 ; Luzia Jaeger Hintze 2 ; Alexandre dos

Leia mais

Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício

Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício Nut. Cláudia Dornelles Schneider Prof. Adj. Depto. de Nutrição Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício Porto Alegre, RS, Brasil Janeiro de 2013 Nutrição Esportiva últimas 2 décadas

Leia mais

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO A concentração de glicose no sangue está sempre sendo regulada A glicose é mantida em uma faixa de 60 a 90 g/100ml de sangue (~4,5mM) Homeostase da glicose Necessidade

Leia mais

DESVENDANDO 8 MITOS SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE

DESVENDANDO 8 MITOS SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE 1 DESVENDANDO 8 S SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE 2 3 Conhecendo a INTOLERÂNCIA À LACTOSE DESVENDANDO S Contém lactose A lactose, encontrada no leite e seus derivados é um carboidrato, e é conhecida popularmente

Leia mais

Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição

Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição RESUMO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Título do Trabalho: Aspectos nutricionais de mulheres submetidas à cirurgia bariátrica relacionados ao período gestacional

Leia mais

NECESSIDADES ENERGÉTICAS DE PACIENTES EM NUTRIÇÃO ENTERAL: COMPARAÇÃO DE DOIS MÉTODOS

NECESSIDADES ENERGÉTICAS DE PACIENTES EM NUTRIÇÃO ENTERAL: COMPARAÇÃO DE DOIS MÉTODOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 NECESSIDADES ENERGÉTICAS DE PACIENTES EM NUTRIÇÃO ENTERAL: COMPARAÇÃO DE DOIS MÉTODOS Mariana da Silva Ricoldy 1 ; Izabelle

Leia mais

Implicações Econômicas da Desnutrição

Implicações Econômicas da Desnutrição Published on Unidos pela nutrição clínica (http://www.unidospelanutricaoclinica.com.br) Início > Sobre > Envolvimento Econômico Implicações Econômicas da Desnutrição Reduzindo as complicações, cortando

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica.

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica. PERFIL DOS CONSUMIDORES DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS DE TERESINA. Conceição de Maria Aguiar Carvalho Francisco Evaldo Orsano RESUMO: O aumento da oferta de suplementos

Leia mais

Os efeitos endocrinológicos na cirurgia da obesidade.

Os efeitos endocrinológicos na cirurgia da obesidade. Os efeitos endocrinológicos na cirurgia da obesidade. Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan Médico endocrinologista e sanitarista Equipe CETOM Centro de Estudos e Tratamento para a Obesidade Mórbida. Diretor

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 Importância da avaliação nutricional em Cuidados Continuados Março 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 4. GUIA PARA PREVENIR E

Leia mais

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES 1 Copyright 2014 por Publicado por: Diabetes & Você Autora: Primeira edição: Maio de 2014 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta apostila pode

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Hospital de grande porte e alta complexidade, exclusivamente SUS São 419 leitos ativos (55 de UTI adulto e 10 de UTI Ped) 44 especialidades médicas,

Hospital de grande porte e alta complexidade, exclusivamente SUS São 419 leitos ativos (55 de UTI adulto e 10 de UTI Ped) 44 especialidades médicas, Hospital de grande porte e alta complexidade, exclusivamente SUS São 419 leitos ativos (55 de UTI adulto e 10 de UTI Ped) 44 especialidades médicas, 38 enfermarias, 22 unidades de procedimentos especializados,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ Débora de Moura¹; Débora Augusto Sampaio²; Geziane Deldoto 2 ; Sonia Maria Marques

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER ISBN 978-85-61091-05-7 EPCC VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL

Leia mais

Fisiologia da Nutrição na saúde e na Doença da Biologia Molecular ao Tratamento de R$389,00 por R$233,00

Fisiologia da Nutrição na saúde e na Doença da Biologia Molecular ao Tratamento de R$389,00 por R$233,00 Abordagem clínica e nutricional nas Doenças do Esôfago e Estômago Gastroenterologia e Nutrição de R$181,00 por R$108,00 Avaliação e Rastreamento Nutricional na Saúde e na Doença Avaliação Nutricional Aspectos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO - HERNIORRAFIA ABDOMINAL

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO - HERNIORRAFIA ABDOMINAL TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO - HERNIORRAFIA ABDOMINAL PREZADO PACIENTE: O Termo de Consentimento Informado é um documento no qual sua AUTONOMIA (vontade) em CONSENTIR (autorizar) é manifestada. A intervenção

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 0 A 10 ANOS COM CÂNCER ASSISTIDAS EM UM HOSPITAL FILANTRÓPICO

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE 0 A 10 ANOS COM CÂNCER ASSISTIDAS EM UM HOSPITAL FILANTRÓPICO 1 -Acadêmica do 8º semestre do Curso de Enfermagem da Universidade Federal do Piauí/CSHNB UFPI/Picos/PI. Bolsista ICV/UFPI. Membro do Grupo de Pesquisa em Saúde Coletiva/CSHNB/CNPq. ESTADO NUTRICIONAL

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

RASTREAMENTO DE RISCO NUTRICIONAL EM PACIENTES CIRÚRGICOS COM SOBREPESO E OBESIDADE DO HU/UFGD DOURADOS/MS.

RASTREAMENTO DE RISCO NUTRICIONAL EM PACIENTES CIRÚRGICOS COM SOBREPESO E OBESIDADE DO HU/UFGD DOURADOS/MS. RASTREAMENTO DE RISCO NUTRICIONAL EM PACIENTES CIRÚRGICOS COM SOBREPESO E OBESIDADE DO HU/UFGD DOURADOS/MS. Jéssica Maurino dos Santos¹; Natalia Tais Greff¹; Amanda Aparecida de Souza Vicente¹; Chrissy

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

JEJUM PRÉ-ANESTÉSICO E OPERATÓRIO. Localizador: Data: Vigência: Revisão: Página: HND.ANT.POP /5

JEJUM PRÉ-ANESTÉSICO E OPERATÓRIO. Localizador: Data: Vigência: Revisão: Página: HND.ANT.POP /5 HND.ANT.POP.002 20.10.2015 20.10.2017 01 1 /5 1. FINALIDADE Este procedimento tem como objetivo estabelecer regras e normas para orientar a realização do jejum pré-anestésico visando redução dos riscos

Leia mais

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais