MEMÓRIAS DE RESISTÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEMÓRIAS DE RESISTÊNCIA"

Transcrição

1 MEMÓRIAS DE RESISTÊNCIA Lugares de repressão e de luta contra a Ditadura Militar de , em Belo Horizonte.

2

3 MINEIROS MORTOS E DESAPARECIDOS DURANTE A DITADURA CIVIL-MILITAR ( ) Abelardo Rausch Alcântara Adriano Fonseca Filho Alberto Aleixo Antônio Carlos Bicalho Lana Antônio Joaquim de Souza Machado Antônio dos Três Reis de Oliveira Arnaldo Cardoso Rocha Augusto Soares da Cunha Áurea Elisa Pereira Valadão Benedito Gonçalves Carlos Alberto Soares de Freitas Carlos Antunes da Silva Carlos Schirmer Ciro Flávio Salazar Oliveira Daniel José de Carvalho David de Souza Meira Devanir José de Carvalho Eduardo Antônio da Fonseca Eduardo Collen Leite Elson Costa Feliciano Eugênio Neto Geraldo Bernardo da Silva Getúlio de Oliveira Cabral Gildo Macedo Lacerda Guido Leão Hamilton Pereira Damasceno Helber José Gomes Goulart Hélcio Pereira Fortes Idalísio Soares Aranha Filho Itair José Veloso Ivan Mota Dias Jeová Assis Gomes João Batista Franco Drummond João Bosco Penido Burnier, Padre Joel José de Carvalho José Carlos Novaes da Mata Machado José Júlio de Araújo José Maximino de Andrade Netto José Toledo de Oliveira Juarez Guimarães de Brito Lucimar Brandão Guimarães Maria Auxiliadora Lara Barcelos Nativo Natividade de Oliveira Nelson José de Almeida Oracílio Martins Gonçalves Orlando da Silva Rosa Bomfim Júnior Osvaldo Orlando da Costa Otávio Soares Ferreira da Cunha Paschoal Souza Lima Paulo Costa Ribeiro Bastos Paulo Roberto Pereira Marques Pedro Alexandrino Oliveira Filho Raimundo Eduardo da Silva Raimundo Gonçalves de Figueiredo Rodolfo de Carvalho Troiano Walquíria Afonso Costa Walter de Souza Ribeiro Zuleika Angel Jones (Zuzu Angel) Este Guia é dedicado aos estudantes e militantes mineiros que deram sua juventude e sua vida em defesa da democracia no Brasil.

4 Monumento lembra os militantes mineiros mortos e desaparecidos na Ditadura Militar (Av. Afonso Pena, em frente ao Dops)

5 Foto Breno Pataro - Acervo PBH LUGARES DE MEMÓRIA Repressão e resistência à Ditadura Militar de 1964, em Belo Horizonte.

6 Tropa da Polícia Militar cerca a Faculdade de Medicina em 1977: prisões e Corredor Polonês para impedir o Encontro da UNE em Belo Horizonte As cidades têm lugares de memória determinados pela história dos que a construíram e nela vivem e que traçaram sua trajetória histórica. O turismo urbano contemporâneo inclui entre os roteiros de destinos e atrativos esses lugares, constituídos por locais, edifícios, monumentos onde ocorreram fatos significativos da história da cidade e que merecem ser revisitados ou desvendados por sua importância na memória de todos. A interpretação histórica não se aplica somente ao patrimônio edificado portador de exemplaridade ou singularidade, mas também aos locais de memória, palco de fatos notáveis, também causadores de fruição cultural e de vivências sensoriais, estimuladores da memória que reconstitui percursos humanos, valores espirituais, conhecimento e formação de identidades essenciais à evolução das sociedades.

7 Foto Acervo do Projeto República/UFMG A resistência ao regime militar implantado no Brasil em março de 1964 durou duas décadas e teve, em Belo Horizonte, vários momentos, fatos e locais onde se desenrolaram atos de resistência e confronto à ditadura, movimentos de rua, passeatas e concentrações, prisões, torturas e mortes. Relembrar fatos e locais da repressão é importante não só para a memória e para a pesquisa histórica, mas também como registro indispensável à difusão da evolução política. E, ainda, como potenciais roteiros de interesse turístico. Em Minas Gerais, algumas centenas de pessoas foram detidas para averiguações nos primeiros dias após o golpe de 31 de março de 1964, que depôs o presidente constitucional João Goulart e instaurou uma ditadura militar que durou 21 anos. Estudantes, trabalhadores, intelectuais, sindicalistas, parlamentares e lideranças políticas foram as primeiras vítimas do novo regime.

8 LOCAIS DE REPRESSÃO E RESISTÊNCIA

9 Foto Acervo da Polícia Civil DOPS Endereço: Av. Afonso Pena, Funcionários. Símbolo da repressão política em Minas, o Dops foi um dos principais locais de violação dos direitos civis em Belo Horizonte no período militar. Palco de torturas e prisões, era o braço de atuação da Polícia Civil contra a oposição ao regime. Criada em 1927 como Delegacia de Segurança Pessoal e Ordem Política e Social, foi transformada em polícia política em 1956, já como Departamento de Ordem Política e Social de Minas Gerais (Dops/MG). Foi usada na repressão desde os primeiros dias do golpe de 1964, em articulação com os DOI-Codis do Rio e São Paulo. Ao Dops, viriam juntar-se novos quadros dos serviços de inteligência das Forças Armadas, das polícias militares e da Polícia Civil de todo o País. Por suas celas, passaram lideranças políticas, professores, estudantes e sindicalistas que entravam na lista de procura da nova ordem que se instalou com o golpe. Os organismos de defesa das liberdades civis reivindicam sua transformação em centro de memória das lutas de resistência contra a ditadura no Brasil. Um monumento às vítimas da repressão foi inaugurado em 2013 em frente ao prédio, na avenida Afonso Pena. Hoje, ele abriga a delegacia de repressão ao tráfico de drogas.

10 Foto Bebel Baldoni - Acervo PBH EDIFÍCIO ACAIACA Endereço: Av. Afonso Pena, 867, confluência das ruas Espírito Santo e Tamoios Centro Com sede no 11º andar do Edifício Acaiaca, no Centro de Belo Horizonte, sob o nome de Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais, o Ipes foi o grande foco de irradiação da oposição ao governo de João Goulart em Minas Gerais. Mantido com recursos de empresários conservadores, lideranças patronais, executivos de empresas norte-americanas e dinheiro e técnicas de propaganda de comunicação de massa da CIA, a agência de inteligência dos Estados Unidos, o Ipes foi criado em 1961 e teve como principal executivo o general Golbery do Couto e Silva, fundador e ministro-chefe do Serviço Nacional de Informação (SNI) e uma das principais lideranças do governo militar. O Ipes produzia material para jornais e revistas, patrocinava edições de livros, mantinha grupos paramilitares e montava cenários para manifestações públicas e marchas de donas de casa e de católicos fundamentalistas. Foi o principal mentor do golpe. Em janeiro de 1964, em reunião na sede de Belo Horizonte, a alta cúpula do Ipes entregou ao general Carlos Luís Guedes, comandante da ID/4 (Quarta Infantaria Divisionária), líder do golpe que seria consumado dois meses depois, a coordenação do núcleo militar da conspiração em Minas. O chamado Grupo Acaiaca funcionava no andar-sede do Sindicato da Indústria de Fiação e Tecelagem de Minas Gerais.

11 Foto Breno Pataro - Acervo PBH QUARTEL DO 12º REGIMENTO DE INFANTARIA Endereço: Ruas Juiz de Fora e Tenente Brito Melo Barro Preto Levantamentos, pesquisas e depoimentos relativos ao período ditatorial apontam, entre outros, como locais de prisão ilegal e torturas os quartéis do então 12º Regimento de Infantaria e do Centro de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR), no Barro Preto, e uma unidade do Exército sediada nas instalações do Colégio Militar, no Bairro São Francisco. Foram unidades militares utilizadas como aparatos para prisões ilegais e depoimentos sob tortura de presos políticos, em operações policiais integradas com outros órgãos repressores do Estado, do Rio e São Paulo. Passaram por suas prisões vários militantes da resistência ao regime militar.

12 Foto Breno Pataro - Acervo PBH PANDIÁ CALÓGERAS Endereço: Praça Carlos Chagas Santo Agostinho A Escola Estadual Pandiá Calógeras, localizada na praça em frente à Assembleia Legislativa de Minas Gerais, serviu de local para o recrutamento de voluntários a favor do golpe militar e de centro de distribuição de material anticomunista. Sediou também uma milícia civil chefiada pelo general José Lopes Bragança, responsável por prisões e várias ações repressivas nos dias que se seguiram ao golpe e que realizou várias ações repressivas. Foi transformada em QG dos grupos reacionários católicos e de movimentos de donas de casa, alvos da campanha ideológica de desestabilização do Governo Goulart.

13 DAN MITRIONE/CIA Endereço: Rua José Carlos da Mata Machado Bairro das Indústrias A CIA enviou a Belo Horizonte, nos anos anteriores ao golpe de 64, um especialista em interrogatório e ações repressivas, o agente norte-americano Dan Mitrione, cuja missão era ensinar aos policiais mineiros, por meio de acordo com a Usaid, as técnicas de pressão psicológica contra presos sistematizadas nos manuais Kubark da organização. Ficou dois anos na capital mineira ( ), ligado à base da CIA, o chamado Ponto4, que funcionava na sede do Instituto Cultural Brasil-Estados Unidos (ICBEU), na rua da Bahia, Funcionários. Transferido para o Uruguai, Mitrione foi capturado e executado pela guerrilha dos tupamaros em 10 de agosto de Deixou em Minas uma teoria da tortura: A dor exata, no momento exato, na quantidade exata, para o efeito desejado. Homenageado pela então Câmara dos Vereadores, virou nome de rua em Belo Horizonte. Com a redemocratização, a homenagem foi revogada e à rua foi dado o nome do militante belo-horizontino JOSÉ CARLOS DA MATA MACHADO, filho do professor Edgar de Godoy da Matta-Machado e assassinado pela polícia política, em Recife, em outubro de 1973.

14 Foto Acervo da Polícia Civil DELEGACIA DE FURTOS E ROUBOS Endereço: Rua Pouso Alegre, 417 Floresta Prisão com práticas medievais de tortura e prisões ilegais, a Delegacia de Furtos e Roubos da Polícia Civil de Minas, na rua Pouso Alegre, bairro Floresta, era uma das mais temidas unidades policiais do País. Com a repressão política transformada em método de obtenção de informações de militantes, presos políticos envolvidos em assaltos a bancos se juntaram aos presos comuns nas salas de tortura. Em 28 de janeiro de 1969, após uma ação da Polícia Civil em um aparelho da organização COLINA na rua ATACARAMBU, 120, no bairro São Geraldo, que resultou na morte de dois policiais civis e na prisão de um grupo de militantes, foi lançada uma caçada a integrantes da organização em Belo Horizonte e no Estado. Em busca de informações que levassem a outros integrantes, foi transferido para a unidade o exsargento da Aeronáutica João Lucas Alves, preso em novembro de 1968 pelo Dops/RJ e levado em seguida para a Polícia do Exército. Integrante do COLINA, o exmilitar, expulso das Forças Armadas por envolvimento no movimento de suboficiais em 1963 e 1964, foi trazido para interrogatório na Furtos e Roubos, onde morreu sob tortura. A polícia alegou suicídio. A DFR, instituída como unidade autônoma em 1964, foi desativada em 1985, após ação do Ministério Público Estadual, e transferida para a rua Uberaba, no Barro Preto.

15 Foto Breno Pataro - Acervo PBH CENTROS CLANDESTINOS DE TRIAGEM Endereço: Esquina das ruas Sergipe e Santa Rita Durão Funcionários Sítios clandestinos no entorno de Belo Horizonte e as penitenciárias de Neves e Dutra Ladeira foram transformados em centros de detenção clandestina nos anos de repressão. Os locais foram definidos a partir de relatos de presos políticos, que apontam, entre eles, uma casa no bairro Renascença, nunca identificada. Em muitos casos, a localização é imprecisa porque os detidos eram encapuzados. Um desses centros de triagem pertencia à Polícia Militar e funcionava em uma casa anexa ao Palacete Dantas, a 30 metros do Palácio da Liberdade.

16 Foto Acervo da FMC TEATRO MARÍLIA/ GALERIA GUIGNARD/ STAGE DOOR Endereço: Avenida Alfredo Balena, 588 Santa Efigênia O Teatro Marília foi construído pela Cruz Vermelha brasileira, ficando sob responsabilidade da instituição durante 15 anos. Concebido como auditório da sua Escola de Enfermagem, foi inaugurado em 1964, dando início à história de um espaço privado que, tornado público, passou a ter grande importância cultural para a cidade e se transformou em um núcleo de resistência intelectual e artística. Nas décadas de 1960 e 1970, apresentações do Grupo de Teatro Oficina e de autores de contestação, como Bertolt Brecht, Gianfrancesco Guarnieri, Augusto Boal e Millôr Fernandes, colocaram o Marília como referência no circuito nacional. No local, funcionaram também a Galeria Guignard e o bar Stage Door, pontos de encontro de artistas, boêmios e intelectuais.

17 Foto Breno Pataro/Acervo PBH TEATRO DA AMI Endereço: Rua da Bahia, 1.450, Lourdes (AMI) e Rua Rio de Janeiro, 1.063, Centro (IO) Cidade com forte tradição cultural e população jovem, Belo Horizonte teve no circuito de teatros um importante formador de consciência crítica e de ligação com a produção cultural nacional e internacional de vanguarda e de contracultura. No Teatro da Associação Mineira de Imprensa AMI, em Lourdes, seminários de leituras dramáticas de peças proibidas pela censura reuniam artistas, jornalistas, intelectuais e estudantes nos anos 1970, desafiando as forças policiais que tentavam impedir apresentações de produções de desafio à ordem política. No mesmo período, o TEATRO DA IMPRENSA OFICIAL promovia com frequência festivais de cinema do realismo socialista soviético, theco, polonês e cubano.

18 Foto Acervo NI IGREJA SÃO FRANCISCO DAS CHAGAS Endereço: Praça São Francisco Carlos Prates A Igreja São Francisco das Chagas, no bairro Carlos Prates, abrigou os estudantes que, após a invasão da União Estadual dos Estudantes em Belo Horizonte, três dias antes, quando a polícia efetuou dezenas de prisões, realizaram clandestinamente, em 28 julho de 1966, o 28º Congresso da UNE, colocada na ilegalidade após o golpe de O congresso, realizado na cripta da igreja, reforçou a linha de resistência e decidiu pela ampliação das manifestações de rua em todo o País. A igreja foi atingida por atentado a bomba em 28 de março de 1978.

19 Foto Acervo NI UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Endereço: Campus da Avenida Antônio Carlos Pampulha A Universidade Federal de Minas Gerais sofreu intervenção militar em julho de 1964 por ordem de uma das principais lideranças militares no Estado, o general Carlos Luis Guedes, que, à revelia do Ministério da Educação, destituiu o reitor Aloísio Pimenta, em quem via posição de esquerda, e nomeou como interventor o tenente-coronel Expedito Orsi Pimenta. A intervenção durou dois dias e, por ordem do Marechal Castello Branco, então na Presidência, o ato foi anulado e o cargo reassumido por Pimenta. A UFMG tornou-se, por várias de suas escolas, a principal instituição de resistência ao regime militar.

20 Foto Acervo Projeto República/UFMG FAFICH Endereço: Rua Carangola, 288 Santo Antônio A repressão atuou fortemente contra um dos principais redutos da resistência em Belo Horizonte, a Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG, a Fafich, cujo prédio, na rua Carangola, abrigava as Faculdades de Psicologia, História, Geografia, Ciências Sociais, Letras, Comunicação Social, Filosofia, Matemática, Física, Química e Biologia. O prédio foi invadido e ocupado pela Polícia Militar em Os militares levaram uma lista de 12 alunos para serem presos. Havia no prédio, no momento, 600 alunos, 90 professores e funcionários. A direção se recusou a entregar os alunos e o diretor, professor Pedro Parafita de Bessa, recebeu ordem de prisão. O impasse só seria resolvido horas depois, quando os militares deixaram o prédio. Nenhum aluno foi preso. Na Fafich, organizaram-se, em assembleias de alunos, vários movimentos públicos de resistência ao regime que prendeu, cassou e processou vários professores e estudantes. Marco de resistência à ditadura, a Fafich vai abrigar o Memorial da Anistia Política cuja montagem está sob coordenação da UFMG.

21 Foto Acervo Projeto República/UFMG FACULDADE DE MEDICINA/UFMG Endereço: Avenida Alfredo Balena, 190 Santa Efigêna Em 4 de junho de 1977, a realização do III Encontro Nacional dos Estudantes, promovido pela União Nacional dos Estudantes (UNE), colocada na ilegalidade, foi violentamente reprimida em Belo Horizonte. O objetivo do encontro, que mobilizou estudantes de todo o País, era reorganizar a UNE e discutir novas formas de resistência. O Exército impediu a saída de caravanas dos estados e barrou o acesso de estudantes à capital. Um grande aparato policial-militar foi montado. Cerca de 400 universitários mineiros guardaram vigília na noite do dia 3 na Faculdade de Medicina da UFMG, onde aconteceria o encontro. A repressão culminou com o cerco da Faculdade e a condução dos confinados para o Parque da Gameleira, transformado em prisão temporária. O Diretório Acadêmico da Faculdade de Medicina já tinha sido invadido, pichado e vasculhado, em 11 de maio, por grupos anticomunistas. No ano seguinte, uma bomba explodiu no DA, provocando danos ao prédio. O Show Medicina, contestador do regime militar, sofreu restrições e acabou impedido.

22

23

24 Foto Acervo Projeto República/UFMG FACULDADE DE DIREITO/UFMG Endereço: Praça Afonso Arinos Centro A Faculdade de Direito da UFMG promoveu dezenas de atos políticos contra o regime militar e a favor da anistia e da redemocratização. Processos contra alunos com base na Lei de Segurança Nacional, perseguições contra professores, cercos policiais e ameaças de bombas não foram suficientes para impedir a reação dos estudantes. A Faculdade foi cercada algumas vezes por forças policiais para impedir manifestações.

25 Foto Acervo Projeto República/UFMG DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES Endereço: DCE/UFMG Avenida Afonso Pena Centro UEE Rua Guajajaras, 694 Centro O DCE/UFMG, na avenida Afonso Pena, a União Estadual dos Estudantes (UEE), na rua Guajajaras, 694, a União Municipal dos Estudantes Secundaristas (Umes), atuantes e organizados, com grande liderança entre os estudantes, lideraram os movimentos de resistência ao regime militar, com diversas e variadas manifestações, passeatas, paralisações e denúncias. Atuaram em sintonia com a UNE e seus dirigentes e líderes foram os que mais sofreram com a repressão policial, com prisões, torturas, mortes, exílios e desaparecimentos, alguns até hoje não esclarecidos. Após o Ato Institucional nº 5, de 13 de dezembro de 1968, editado pela Junta Militar que governava o país, retirando todos os direitos e garantias individuais, muitos militantes passaram à clandestinidade, integrando organizações de resistência armada ao regime militar.

26 Credito: Foto Acervo IHG HELENA GRECO E A ANISTIA Endereço: Rua Juiz de Fora, 849 Barro Preto Uma das mais atuantes miltantes pela anistia e pela defesa dos Direitos Humanos no País, Helena Greco presidiu o Movimento Feminino pela Anistia, o MFPA/MG, e sofreu atentados e ameaças durante todo o período da ditadura e nos anos subsequentes à decretação da Lei da Anistia. Sua casa, na Rua Juiz de Fora, no Barro Preto, foi transformada em local de resistência à ditadura militar e à violação dos direitos civis. Helena Greco e sua residência tornaram-se símbolo e referência nas lutas de resistência democrática. Em março de 2014, por decisão da Câmara dos Vereadores, o Elevado Castelo Branco, batizado com o nome do primeiro presidente do ciclo militar, teve seu nome trocado para Elevado Helena Greco, ligando a região central de Belo Horizonte a importantes bairros da região Noroeste e Pampulha.

27 Foto Marcelo Prates/Acervo Pessoal PRAÇA DA RODOVIÁRIA Endereço: Praça Rio Branco, confluência com Avenida Afonso Pena e Rua Caetés Centro Praça da Estação, Praça Rui Barbosa Centro Em 24 de fevereiro de 1984, 400 mil pessoas se reuniram na Praça Rio Branco, a Praça da Rodoviária, no início da avenida Afonso Pena, em Belo Horizonte, em apoio à Emenda Dante de Oliveira, que pedia Eleições Diretas-Já, na maior concentração até então ocorrida na Capital. Minas diz Não à ditadura militar e pede eleições diretas para a Presidência da República. Em Belo Horizonte, a Praça Rio Branco, a Praça Sete e a Praça da Estação foram os locais históricos de manifestações, comícios, reuniões e protestos em todos os tempos da cidade.

28 Foto Breno Pataro - Acervo PBH CASA DO JORNALISTA/ SINDICATO DOS JORNALISTAS Endereço: Avenida Álvares Cabral, 400 Centro Entidade com vínculos históricos com a defesa da liberdade de expressão e das instituições democráticas, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais teve atuação importante na proteção dos profissionais de imprensa, na denúncia das arbitrariedades policiais e na abertura do espaço da Casa do Jornalista, na avenida Álvares Cabral, para debates que davam voz à oposição e a outras entidades sindicais ameaçadas pelo regime militar. Alinhou-se a correntes progressistas e a organismos de defesa dos Direitos Humanos. Cedeu espaço para reuniões de outras categorias profissionais e teve participação ativa na defesa da Anistia e na campanha por eleições diretas. Atuou na organização de vários sindicatos em Minas. Foi alvo de atentados a bomba, ameaças, invasões, violação de correspondência e pichações. Em 27 de junho de 1980, véspera da visita do Papa João Paulo II a Belo Horizonte, novo atentado atingiu o sindicato, que meses antes já tinha sido invadido. A explosão de uma bomba veio em meio a uma escalada de terror contra bancas de jornais, gráficas, editoras, universidades e entidades religiosas. Bombas ainda explodiram na Casa do Jornalista após a redemocratização.

29 Foto Binomio - Acervo José Maria Rabelo O BINÔMIO Endereços: O Binômio Rua Curitiba, 676 Centro Em Tempo Rua Bernardo Guimarães, Sto. Agostinho De Fato Avenida do Contorno, Floresta Jornal Movimento Rua Rio de Janeiro, 300 Centro Fundado em fevereiro de 1952 em Belo Horizonte e um dos precursores da imprensa alternativa brasileira, tanto no formato tablóide como no conteúdo crítico, O BINÔMIO se transformaria em 1964 em trincheira contra o movimento conspiratório que levaria ao governo militar, antecedendo a atuação da chamada imprensa nanica. Jornal satírico, na linha que anos depois levou ao surgimento de O PASQUIM, O BINÔMIO fez humor e crítica contra todos os governos anteriores ao golpe. Após a publicação de uma matéria que apontava o então comandante militar em Minas, João Punaro Bley, como simpatizante do Nazifascismo, o jornal foi invadido por cerca de 200 militares, depredado e empastelado. Durou poucos meses em 1964, sendo fechado por apoiar as reformas de base de João Goulart. Seu editor, José Maria Rabêllo, foi obrigado a se asilar no Chile e, depois, na França. Muitos jornais que surgiram no período pós-golpe, com linha crítica e de resistência, como MOVIMENTO, EM TEMPO e DE FATO sofreram ameaças e atentados a bomba em Belo Horizonte. Os jornais comerciais de grande circulação nacional colaboraram, em sua maioria, na desestabilização do governo e apoiaram o golpe de 64.

30 Foto Ricardo Laf - Acervo PBH EDIFÍCIO MALETTA Endereço: Esquina de Avenida Augusto de Lima e Rua da Bahia Principal local de encontro de escritores, boêmios, atores, teatrólogos, jornalistas e intelectuais de todos os matizes ideológicos de Belo Horizonte, o Edifício Maletta era ponto obrigatório de debates sobre os rumos da política e da conjuntura nacional e de assimilação e crítica das novas ideias que surgiram com a explosão libertária dos movimentos culturais e políticos que marcaram a década de Nos bares e livrarias do Maletta, a efervescência cultural do período propiciou a formação de importantes escolas mineiras de arte, literatura e teatro. A proximidade com as redações de jornais, com a Faculdade de Direito da UFMG, na avenida Álvares Cabral, com a redação do SUPLEMENTO LITERÁRIO, onde surgiu toda uma geração de escritores, e com redutos frequentados por militantes de esquerda, como os bares BUCHECO, na rua Guajajaras, e SALOON, na rua Rio de Janeiro, fez com que, nas mesas da CANTINA DO LUCAS, do LUA NOVA e do JANGADEIRO se consolidasse um importante reduto de resistência à ditadura militar.

31 Foto Acervo NI COLÉGIO ESTADUAL CENTRAL Endereço: Rua Fernandes Tourinho, Lourdes O Colégio Estadual Milton Campos, o Estadual Central, foi um dos maiores formadores de líderes estudantis mineiras que se opuseram à ditadura militar. Foco de resistência ao regime autoritário, foi palco da estruturação do movimento estudantil secundarista de Belo Horizonte e um dos mais ativos formuladores das ações de protesto que ganharam as ruas da capital. Várias das lideranças surgidas no agitado clima de engajamento do colégio, um conjunto projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer e frequentado por jovens de classe média, tiveram papel importante em organizações clandestinas, como o Partido Comunista Brasileiro, a Polop (Política Operária) e a AP (Ação Popular), e vínculo com o movimento estudantil universitário. Na fase aguda da guerrilha, com o acirramento da repressão após a instituição do AI-5, várias dessas lideranças participaram de ações armadas. Presas, foram torturadas e condenadas com base na Lei de Segurança Nacional.

32 Foto Breno Pataro - Acervo PBH CONVENTO DOS FRADES DOMINICANOS Endereço: Rua dos Dominicanos, 26 Serra A Igreja Progressista foi uma das mais atingidas pela repressão: de 1964 a 1979, segundo a Arquidiocese de São Paulo, 395 integrantes da Igreja foram presos, sete assassinados, 34 torturados, templos foram invadidos e depredados e nove religiosos estrangeiros foram expulsos do Brasil. De acordo com a historiadora e pesquisadora Heloísa Starling, logo após o golpe, a repressão em Minas teve como um dos alvos principais a Ação Popular (AP). Esta se inicia com a invasão do Convento dos Frades Dominicanos, localizado no bairro da Serra, e atingiu tanto líderes leigos quanto religiosos. Outra entidade católica que sofreu repressão no pósgolpe foi a Ação Católica. Em 1º de abril de 1964, a sede da Juventude Operária Católica (JOC) foi invadida pelo organismo paramilitar dos Novos Inconfidentes, o núcleo mineiro do Ipes, e o seu fundador e assistente eclesiástico, padre William Silva, foi indiciado em um Inquérito Policial Militar. Lideranças como os freis Betto e Tito se formaram no pequeno convento da Serra.

33 ALDEIA GLOBAL Endereço: Edifício Maletta Centro A Editora e Livraria Aldeia Global, situada no segundo piso do Edifício Maletta, foi, por três vezes, invadida pela polícia. Ponto de encontro de estudantes e intelectuais, pertencia ao proscrito Partido Comunista e editava clandestinamente obras de história e teoria marxista. Criada por Antônio Bertelli, era um aparelho do partido em Belo Horizonte. Livros apreendidos na editora durante as invasões eram recolhidos ao Dops e incinerados.

34 Foto Acervo NI SECRETARIA DE SAÚDE Endereço: Avenida Augusto de Lima, em frente ao Mercado Municipal Com a radicalização política impedindo a realização das reformas de base, o ex-governador do Rio Grande do Sul e então deputado federal Leonel Brizola, líder da Frente de Mobilização Popular, apostou na pregação das reformas por meio de comícios, passeatas, entrevistas e visitas aos Estados. Em 25 de fevereiro de 1964, pouco mais de um mês antes do golpe, tentou reunir os mineiros para uma palestra no auditório da Secretaria de Estado da Saúde, hoje Minascentro, na avenida Augusto de Lima. Convocada a resistir à passagem de Brizola por Belo Horizonte por grupos anticomunistas, que na noite anterior promoveram uma palestra do almirante Silvio Heck, ex-ministro de Janio Quadros, que condenou o imperialismo de esquerda e a comunização russa e cubana do Brasil, Brizola chegou, em um primeiro momento, a ser impedido de entrar no auditório. Grupos que apoiavam o líder trabalhista se atracaram com a claque anticomunista da Frente de Mobilização Democrática. O auditório da Secretaria da Saúde foi invadido por mulheres que, com o terço nas mãos, gritavam slogans contra o belzebu vermelho e oravam para exorcizar o anticristo. O episódio ficou conhecido como a Noite das Cadeiradas. Agredidos com socos-ingleses e pauladas, os organizadores do encontro foram expulsos do auditório. Brizola deixou o local às pressas. Policiais participaram do conflito. Cinquenta pessoas saíram feridas.

35 Foto: Acervo Jornal Estado de Minas PRAÇA SETE/ IGREJA SÃO JOSÉ Endereço: Praça Sete de Setembro Centro Igreja São José Avenida Afonso Pena com ruas Espírito Santo e Tamoios Espaço simbólico da cidadania em Belo Horizonte e palco de manifestações populares que celebram conquistas e unem movimentos sociais na reivindicação de direitos, a Praça Sete, no hipercentro da capital, foi local de manifestações de estudantes e trabalhadores nos protestos contra a ditadura militar e na campanha das Diretas-Já. A 100 metros, a Igreja São José abria as portas e dava abrigo aos manifestantes perseguidos pela polícia mineira.

36 SINDICATO DOS MÉDICOS Endereço: Avenida do Contorno, Floresta A atuação sindical dos médicos de Belo Horizonte se transformou numa militância política de contestação do regime, principalmente a partir de 1980 quando, em eleição histórica, elegeu-se para o Sindicato dos Médicos a Chapa Renovação Médica, encabeçada pelo médico e ex-prefeito de Belo Horizonte Célio de Castro, que também presidiu o Cebrade (Centro Brasil Democrático). A atuação política do Sindicato levou grupos anticomunistas a praticar dois atentados contra o presidente da entidade, um deles, em abril de 1987, com a explosão de uma bomba na casa de Célio de Castro, na rua Catete, na Barroca. A repressão prendeu e processou vários médicos militantes da resistência.

37 CRONOLOGIA DE UM GOLPE 1954 O presidente Getúlio Vargas, após uma intensa campanha de desestabilização liderada pela direita militar e parlamentar representada pela União Democrática Nacional, a UDN, comete suicídio em 24 de agosto nos aposentos presidenciais do palácio do Catete, no Rio de Janeiro. Assumiu o Vice-Presidente, Café Filho, em meio a uma grave crise política e militar. Pressionado pelos militares, que ameaçavam um golpe, Café Filho se licencia e passa o governo para o presidente da Câmara e sucessor natural, Carlos Luz.

38 1955 Sob forte oposição dos militares e da UDN, que o acusavam de ter apoio dos comunistas, Juscelino Kubistchek de Oliveira foi eleito Presidente da República em 3 de outubro de A posse de Juscelino e do Vice- Presidente eleito João Goulart só foi garantida com um levante militar liderado pelo ministro da Guerra, general Henrique Teixeira Lott, que, em 11 de novembro de 1955, depôs o então presidente interino da República Carlos Luz. Suspeitava-se que Carlos Luz, da UDN, não daria posse ao presidente eleito. Assumiu a Presidência, após o golpe de 11 de novembro, o presidente do Senado Federal, Nereu Ramos. O Brasil permaneceu em estado de sítio até a posse de JK em 31 de janeiro de Assume a Presidência Jânio Quadros, que tem como Vice João Goulart. Conservador, com apoio da UDN e políticas ambíguas, renuncia em agosto do mesmo ano, com apenas sete meses de governo, provocando uma nova mobilização dos militares, que não aceitam a posse de João Goulart, o que provoca uma intensa mobilização popular liderada pelo governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola. Um acordo destinado a evitar uma guerra civil permite a posse de Goulart com a implantação do regime parlamentarista. Em 1963, um plebiscito restaura o presidencialismo.

39 1964 Em 31 de março, um levante militar iniciado em Juiz de Fora recebe apoio das guarnições de Rio de Janeiro e São Paulo e resulta no golpe que, com apoio de empresários representantes de empresas estrangeiras, da imprensa e de fundamentalistas católicos, derruba o governo constitucional e instaura uma ditadura que dura 21 anos. Em 12 de abril, o marechal Humberto de Alencar Castello Branco, então chefe do Estado-Maior do Exército, toma posse como presidente de fato da República pelo Congresso Nacional. Foi o primeiro dos cinco presidentes do ciclo militar, seguido dos generais Costa e Silva, Garrastazu Médici, Ernesto Geisel e João Baptista Figueiredo. Nesse período, parlamentares foram cassados, o Congresso Nacional fechado, a imprensa foi colocada sob censura, estudantes e professores expulsos das universidades e os direitos civis suspensos, instaurando um regime de terror Em 15 de janeiro, o Colégio Eleitoral elege Tancredo Neves. É o fim do regime militar.

40 OS NÚMEROS DA DITADURA Dados da Arquidiocese de São Paulo apontam que cerca de 50 mil pessoas foram presas somente nos primeiros meses de ditadura; milhares de pessoas passaram pelos cárceres por motivos políticos; em torno de 10 mil exilados; cassados; 245 estudantes expulsos das universidades por força do decreto 477; foram 707 processos judiciais por crimes contra a segurança nacional de 1964 a 1979; desses processos, constam 7.367

41 denunciados, indiciados e testemunhas, perfazendo um total de pessoas atingidas; foram quatro condenações à pena de morte não consumadas; 130 pessoas foram banidas do território nacional; militares punidos. Além disso, cerca de 20 mil presos foram submetidos a torturas físicas e há um número desconhecido de mortos.

42 BIBLIOGRAFIA ALVES, Maria Helena Moreira. Estado e oposição no Brasil ( ). Petrópolis, Vozes, 1984 ARNS, D. Paulo Evaristo. Brasil: Nunca Mais. Petrópolis: Editora Vozes, 1985 ASSIS, Anatólio Alves de. Diga aos Almirantes que Minas sai Amanhã. Belo Horizonte: Barvalle Indústrias Gráficas, 1979 ASSUNÇÃO, Paulinho. Maletta. Belo Horizonte: Editora Conceito, 2010 DUARTE, Betinho: Dossiê do Terror DREIFUSS, René Armand. 1964, a Conquista do Estado. Petrópolis: Editora Vozes, 1982 MACEDO, Michelle Reis de. Democracia em Perigo Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANUPH. São Paulo, 2011 NONATO, Alexandre Ferreira; e SILVEIRA, Mauro César. A trajetória do Binômio, um jornal quase independente. Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Linguagens Universidade Tuiuti do Paraná, 2009 NUNES, Paulo Giovani Antonio. Golpe Civil-Militar e Repressão no Imediato Pós-Golpe em Minas Gerais. S/D RABÊLO, José Maria. Belo Horizonte do Arraial à Metrópole 300 Anos de História. Ouro Preto: Ed. Legraphar, STARLING, Heloísa. Os Senhores das Gerais Os Novos Inconfidentes e o Golpe de Petrópolis: Editora Vozes, 1986 Material de pesquisa Centro de Documentação da UFMG/Projeto República Estado de Minas/Hoje em Dia/Movimento/ O Binômio/IstoÉ Polícia Civil de Minas Gerais

43 Texto e pesquisa elaborados pela Empresa Municipal de Turismo de Belo Horizonte Belotur 31 de março de 2014.

44 belohorizonte.mg.gov.br

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010)

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010) Trabalho de História Recuperação _3ºAno Professor: Nara Núbia de Morais Data / /2014 Aluno: nº Ens. Médio Valor: 40 Nota: Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985)

Leia mais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais Resistência à Ditadura Militar Política, Cultura e Movimentos Sociais Visão Panorâmica Introdução à ditadura Antecedentes do Golpe A Ditadura A Resistência A Reabertura Duração: 1964 à 1985 Introdução

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985)

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985) OS PRESIDENTES MILITARES: MÉDICI GEISEL COSTA E SILVA FIGUEIREDO CASTELLO BRANCO 1 - O governo CASTELLO BRANCO (Sorbonne 1964 1967): PAEG (Plano de Ação Econômica do Governo): Fim da Estabilidade no emprego.

Leia mais

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985?

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? A - Através de eleições democráticas que levaram ao

Leia mais

Resistentes à ditadura militar são homenageados no Cidade Macapaba

Resistentes à ditadura militar são homenageados no Cidade Macapaba Resistentes à ditadura militar são homenageados no Cidade Macapaba Carlos Mariguela (1911-1969) O baiano Carlos Mariguela foi um dos maiores símbolos da luta política contra a ditadura. Cursou Engenharia

Leia mais

Sind-UTE/MG participa do Ciclo de Debates sobre os 50 anos da Ditadura Militar

Sind-UTE/MG participa do Ciclo de Debates sobre os 50 anos da Ditadura Militar Sind-UTE/MG participa do Ciclo de Debates sobre os 50 anos da Ditadura Militar Enviado por Eficaz Comunicação 02-Abr-2014 PQN - O Portal da Comunicação Eficaz Comunicação O Sindicato Único dos Trabalhadores

Leia mais

DITADURA CIVIL MILITAR

DITADURA CIVIL MILITAR DITADURA CIVIL MILITAR Argentina + ou 25.000 mortos Chile + ou 4.000 mortos Brasil + ou 500 mortos ARGENTINA Parte forte do Vice Reino do Prata vitoriosa da Guerra do Paraguai Sociedade rural que aos poucos

Leia mais

1978-1981: ameaças e bombas contra a imprensa que disse não

1978-1981: ameaças e bombas contra a imprensa que disse não Câmara Municipal de São Paulo - 22/04/2012 1978-1981: ameaças e bombas contra a imprensa que disse não Audiência conjunta Comissão da Verdade Municipal Vladimir Herzog / Comissão da Verdade do Sindicato

Leia mais

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

Aula 14 Regime Militar Prof. Dawison Sampaio

Aula 14 Regime Militar Prof. Dawison Sampaio Aula 14 Regime Militar 1 Contexto do Regime Militar Contexto interno: Colapso do Populismo (polêmica das Ref. de Base) Contexto externo: Guerra Fria e os interesses dos EUA (risco de cubanização do Brasil

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA PERÍODO MILITAR - 1964 A 1985

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA PERÍODO MILITAR - 1964 A 1985 EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA PERÍODO MILITAR - 1964 A 1985 01 - Considerando-se os fatores que contribuíram para a longevidade do regime militar no Brasil, é CORRETO afirmar que foi de grande relevância

Leia mais

40 anos do golpe de 1964

40 anos do golpe de 1964 40 anos do golpe de 1964 Tortura, prisões, assassinatos e desaparecimentos de opositores, proibição de partidos, intervenção em sindicatos, censura à imprensa e crescimento económico acelerado: tudo isso

Leia mais

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes).

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). RESUMO: O principal objetivo deste artigo é apresentar os problemas relacionados

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

FAGUNDES, Almeida * dep. fed. RJ 1915-1917.

FAGUNDES, Almeida * dep. fed. RJ 1915-1917. FAGUNDES, Almeida * dep. fed. RJ 1915-1917. João Frederico de Almeida Fagundes nasceu em Maricá, na antiga província do Rio de Janeiro, em 24 de maio de 1856, filho de José Manuel Nunes Fagundes e de Maria

Leia mais

Profª: Sabrine Viviane Welzel

Profª: Sabrine Viviane Welzel História 9 ano Ditadura Militar 1 Leia com a tençao, o depoimento do general bandeira a respeito da participaçao dos militares na politica brasileira: no movimento de 1964, a ideologia politica foi puramente

Leia mais

Relação geral dos Professores da Faculdade

Relação geral dos Professores da Faculdade Relação geral dos Professores da Faculdade Catedráticos, em exercício e licenciados ALBERTO DEODATO M AIA BARRETO (Ciência das Finanças e Economia e Legislação Social, licenciado desta última) Rua Rio

Leia mais

A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964):

A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964): A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964): 1. - PRINCIPAIS PARTIDOS: PSD (Partido Social Democrático): Principal partido. Criado por Getúlio Vargas. Base rural. Industriais, banqueiros e latifundiários

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889.

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889. Brasil no período de transição: Império para República. Éramos governados por um dos ramos da Casa de Bragança, conhecido como família imperial brasileira que constituía o 11º maior império da história

Leia mais

Idade recomendada: 16 anos - retirada de ingressos: uma hora antes de cada sessão - Sala Lima Barreto - entrada franca

Idade recomendada: 16 anos - retirada de ingressos: uma hora antes de cada sessão - Sala Lima Barreto - entrada franca Os anos de chumbo pelos olhos do documentário de 2 a 7/12 apoio: Fundação Padre Anchieta Centro Paulista de Rádio e TV Educativas - Centro de Documentação, TV Câmara, Cinemateca Brasileira e Tatu Filmes

Leia mais

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE.

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE. FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE Nova Odessa SP Maio / 2014 1 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA FELIPE CARCELIANO

Leia mais

CHAPA 1: VANGUARDA SINDICAL NORTE MINEIRA

CHAPA 1: VANGUARDA SINDICAL NORTE MINEIRA CHAPA 1: VANGUARDA SINDICAL NORTE MINEIRA 09ª SEÇÃO REGIONAL SINDICAL DE MONTES CLAROS ENMERSON MOTA ROCHA Investigador Nível II - 20 anos de Polícia Sociólogo, Pós-graduado em Educação, Pós-graduado em

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Cemitério de Areia Branca Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 854 Areia Branca, Santos, SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

Governos. Populistas Brasileiros (1946-1964) Entregar? Nacionalizar? Prof. Abdulah 3ºano/Pré- vesjbular Aulas 20 e 21 (SAS)

Governos. Populistas Brasileiros (1946-1964) Entregar? Nacionalizar? Prof. Abdulah 3ºano/Pré- vesjbular Aulas 20 e 21 (SAS) Governos Entregar? Populistas Brasileiros (1946-1964) OU Prof. Abdulah 3ºano/Pré- vesjbular Aulas 20 e 21 (SAS) Nacionalizar? PRINCIPAIS PARTIDOS PSD (Par(do Social Democrá(co): Principal par*do. Criado

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo II: Conselhos dos Direitos no Brasil

Leia mais

DITADURAS DE SEGURANÇA NACIONAL NA AMÉRICA LATINA ENRIQUE SERRA PADRÓS 2012

DITADURAS DE SEGURANÇA NACIONAL NA AMÉRICA LATINA ENRIQUE SERRA PADRÓS 2012 DITADURAS DE SEGURANÇA NACIONAL NA AMÉRICA LATINA ENRIQUE SERRA PADRÓS 2012 ANTECEDENTES GUERRA FRIA - REVOLUÇÃO BOLIVIANA (1952) - INTERVENÇÃO NA GUATEMALA (1954) - QUEDA DE GETÚLIO VARGAS (1954) - QUEDA

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

MOÇÃO DE PESAR. Pesar pelo falecimento de ANTONIO CABEÇA FILHO

MOÇÃO DE PESAR. Pesar pelo falecimento de ANTONIO CABEÇA FILHO Sr. Presidente: Sra. Vereadora: Srs. Vereadores: MOÇÃO DE PESAR Pesar pelo falecimento de ANTONIO CABEÇA FILHO Considerando que faleceu nesta quinta-feira, 26, o fundador do Sindicato dos Metalúrgicos

Leia mais

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) DITADURA MILITAR (1964-1979)

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) DITADURA MILITAR (1964-1979) Divisões entre os militares: SORBONNE: oriundos da ESG (Escola Superior de Guerra, intelectuais, veteranos da 2ª Guerra, próximos da UDN, alinhados com os EUA, anticomunistas, executivo forte e soluções

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. AULA 11.2 Conteúdo: Brasil na Era Militar

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. AULA 11.2 Conteúdo: Brasil na Era Militar 11.2 Conteúdo: Brasil na Era Militar Habilidades: Compreender os principais acontecimentos no Brasil durante o regime civil-militar Regime Civil-Militar no Brasil Período: 1964 a 1985. Governos Militares

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte

Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte Dos 56 detidos, 11 são adolescentes; 30 foram ouvidos e liberados. Manifestantes e polícia se enfrentaram em dois momentos neste sábado.

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA CEMITÉRIO MUNICIPAL DE AREIA BRANCA Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 768, Areia Branca, Santos,SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE Roberto de Paula Alvarenga RANGEL 1 Claudio José Palma SANCHEZ 2 RESUMO: O presente trabalho busca abordar um breve

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã

Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã BRASIL: ELEIÇÕES DE 1945 Com a deposição de Vargas foram marcadas eleições para

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA FAZENDA 31 DE MARÇO DE 1964 Situada entre os municípios de Itanhaém, Embu-Guaçu ao extremo sul da Grande São Paulo a fazenda, disfarçada

Leia mais

Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil

Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO LABORATÓRIO DE ESTUDOS DO TEMPO PRESENTE NÚCLEO DE HISTÓRIA ORAL Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil (UFRJ/ Comissão de Anistia-MJ) Ficha

Leia mais

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil ID/ES Tão perto e ainda tão distante A 90 milhas de Key West. Visite Cuba. Cartão postal de 1941, incentivando o turismo em Cuba. 1 Desde a Revolução de 1959, Cuba sofre sanções econômicas dos Estados

Leia mais

Eleições presidenciais de 1955

Eleições presidenciais de 1955 Candidatos: - Juarez Távora(UDN)-30% Eleições presidenciais de 1955 -Juscelino Kubitscheck (PSD-PTB)-36% - Adhemar de Barros (PSP)-26% - Plínio Salgado (PRP)-8% O sr.getúlio Vargas não deve ser candidato

Leia mais

DIA DO DESAFIO / SEMASC

DIA DO DESAFIO / SEMASC DIA DO DESAFIO / SEMASC 30/05/2012 CRAS E CREAS DESAFIO HORÁRIO Nº PESSOAS CRAS ANTONIO VALENÇA ALONGAMENTO 8h e 30 min. 80 Manhã ROLLEMBERG Atividade envolvendo crianças, adolescentes, 15h 80 Tarde Av.Canal

Leia mais

Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP. Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil!

Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP. Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil! Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil! Fora PM da USP! O estado de sítio na USP, com a instalação de bases da Polícia Militar

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR Caderno 10» Capítulo 4 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A experiência democrática no Brasil (1945-1964)

Leia mais

O GOLPE DE 64 E O REGIME MILITAR (1964-1985): O governo dos generais

O GOLPE DE 64 E O REGIME MILITAR (1964-1985): O governo dos generais 1 O GOLPE DE 64 E O REGIME MILITAR (1964-1985): O governo dos generais Lourival de Oliveira Santos 2 Santos, Lourival de Oliveira. C681g O golpe de 64 e o regime militar (1694-1985) o governo dos generais

Leia mais

Atendimento no sábado 06/11/2010. Grupo I 8h00 às 10h30. Local: Campus Samambaia. José Osvaldino da Silva Francisco Santos Sousa João Batista Quirino

Atendimento no sábado 06/11/2010. Grupo I 8h00 às 10h30. Local: Campus Samambaia. José Osvaldino da Silva Francisco Santos Sousa João Batista Quirino Atendimento no sábado 06/11/2010 Grupo I 8h00 às 10h30 NOME José Osvaldino da Silva Francisco Santos Sousa João Batista Quirino Edmilson de Araujo Cavalcante Alexandre Brito dos Santos Vacirlene Moura

Leia mais

Ditadura Militar no Brasil. 50 anos

Ditadura Militar no Brasil. 50 anos Ditadura Militar no Brasil 50 anos É difícil expurgar da lembrança tempos que deixaram marcas tão fortes como as da censura, da prisão, da tortura e do assassinato político. Tempos que também foram de

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DA JUVENTUDE EM MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL

A PARTICIPAÇÃO DA JUVENTUDE EM MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL A PARTICIPAÇÃO DA JUVENTUDE EM MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL Márcio Nuno Rabat Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais ESTUDO AGOSTO/2002

Leia mais

Cultura e política no Brasil: de Getúlio a Ditadura Militar

Cultura e política no Brasil: de Getúlio a Ditadura Militar Cultura e política no Brasil: de Getúlio a Ditadura Militar 1 A Era Vargas (1930-1945) Assumiu após a vitória sobre as oligarquias em 1930. 2ª Guerra Mundial: Início dúbio com posterior alinhamento aos

Leia mais

Alunos: Alyne Bezerra, Bruna Moraes, Natasha Layla,Raquel Silveira e Rhage Yuri

Alunos: Alyne Bezerra, Bruna Moraes, Natasha Layla,Raquel Silveira e Rhage Yuri Faculdade Estácio Ceut Coordenação do Curso Bacharel em Direito Disciplina: História do Direito Alunos: Alyne Bezerra, Bruna Moraes, Natasha Layla,Raquel Silveira e Rhage Yuri Turma: 1º B 3º Avaliação

Leia mais

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia.

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia. Justiça Militar estadual e Justiça de Transição Justiça Militar no Império Conselho Supremo Militar e de Justiça Decreto de 1º de abril de 1808. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas

Leia mais

TEXTO 1. 1.Texto de problematização:

TEXTO 1. 1.Texto de problematização: TEXTO 1 1.Texto de problematização: A partir de 1922, o quadro começa a se modificar. Apesar dos presidentes Arthur Bernardes e Washington Luís pertencerem ainda ao esquema do café com leite, a nova situação

Leia mais

OS MOVIMENTOS POPULARES PARA A REABERTURA POLÍTICA NO INTERIOR DO PARANÁ

OS MOVIMENTOS POPULARES PARA A REABERTURA POLÍTICA NO INTERIOR DO PARANÁ OS MOVIMENTOS POPULARES PARA A REABERTURA POLÍTICA NO INTERIOR DO PARANÁ Felipe Melo de Carvalho PIBID/História/UEL Resumo: O presente projeto foi elaborado para o Programa Institucional de Bolsa da Iniciação

Leia mais

Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil

Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil Dilma Rousseff nasceu em Belo Horizonte em 1947. Presidência é seu primeiro cargo eletivo. Marília Juste Do G1, em São Paulo Dilma Rousseff

Leia mais

Ditadura Militar histórico

Ditadura Militar histórico Ditadura Militar histórico Ditadura Militar o Golpe No Brasil do início da década de 1960, a radicalização da luta política de classes e o avanço das demandas sociais por reformas de base fizeram com que

Leia mais

desarquivando a ditadura MEMÓRIA E JUSTIÇA NO BRASIL

desarquivando a ditadura MEMÓRIA E JUSTIÇA NO BRASIL CECÍLIA MACDOWELL SANTOS EDSON TELES JANAÍNA DE ALMEIDA TELES ORGANIZADORES Linga-Bibliothek Linga A/906170 desarquivando a ditadura MEMÓRIA E JUSTIÇA NO BRASIL VOLUME II EDITORA HUCITEC São Paulo, 2009

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AÇÃO BRASILEIRA DE CIDADANIA PELA DEMOCRACIA - ABCD ATA DE ASSEMBLEIA GERAL DE CONSTITUIÇÃO

ASSOCIAÇÃO AÇÃO BRASILEIRA DE CIDADANIA PELA DEMOCRACIA - ABCD ATA DE ASSEMBLEIA GERAL DE CONSTITUIÇÃO ASSOCIAÇÃO AÇÃO BRASILEIRA DE CIDADANIA PELA DEMOCRACIA - ABCD ATA DE ASSEMBLEIA GERAL DE CONSTITUIÇÃO Às vinte horas e trinta minutos do dia vinte e quatro do mês de março do ano de dois mil e quinze,

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

S N I. ORGANOGRAMA DO SISNI (Sistema Nacional de Informações) Demais informações e informes. Informações e informes estratégicos

S N I. ORGANOGRAMA DO SISNI (Sistema Nacional de Informações) Demais informações e informes. Informações e informes estratégicos ORGANOGRAMA DO SISNI (Sistema Nacional de Informações) Poder Judiciário Poder Legislativo (Eventual) Presidência da República S N I C. S. N. Ministros de Estado Ministérios Militares Exército (CIE) E M

Leia mais

O Império brasileiro participa da exposição Universal de Paris. 15 de junho Atentado contra d. Pedro II no Rio de Janeiro.

O Império brasileiro participa da exposição Universal de Paris. 15 de junho Atentado contra d. Pedro II no Rio de Janeiro. Cronologia 1889 O Império brasileiro participa da exposição Universal de Paris. 15 de junho Atentado contra d. Pedro II no Rio de Janeiro. 9 de novembro Baile da Ilha Fiscal. 15 de novembro Proclamação

Leia mais

50 anos depois, ainda vivemos o horror

50 anos depois, ainda vivemos o horror Especial 50 anos do golpe 50 anos depois, ainda vivemos o horror Tratar o passado de violações é constatar que o presente está marcado pela continuidade das violências por João Ricardo W. Dornelles publicado

Leia mais

O Brasil. na era da ditadura. Memória em foco

O Brasil. na era da ditadura. Memória em foco Foto: Breno Mendes O Brasil na era da ditadura Agradecimento ao site http://memoriasoswaldohernandez.blogspot.com.br/, de onde as imagens e as informações para as legendas foram retiradas. Com a suposta

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

FENEIS FEDERAÇÃO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E INTEGRAÇÃO DOS SURDOS

FENEIS FEDERAÇÃO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E INTEGRAÇÃO DOS SURDOS FENEIS FEDERAÇÃO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E INTEGRAÇÃO DOS SURDOS Dia dos Surdos 2009 Apresentação No dia 26 de setembro, a Comunidade Surda Brasileira comemora o Dia Nacional do Surdo, data em que são relembradas

Leia mais

SEGURANÇA E REPRESSÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO NOS ANOS 60 E 70. nacional, fazem parte de um entendimento mais geral do pensamento político-ideológico

SEGURANÇA E REPRESSÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO NOS ANOS 60 E 70. nacional, fazem parte de um entendimento mais geral do pensamento político-ideológico SEGURANÇA E REPRESSÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO NOS ANOS 60 E 70. CÉLIA COSTA CARDOSO - USP As relações entre os governos federal e estadual, no tocante à segurança nacional, fazem parte de um entendimento

Leia mais

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns "Éramos dois contratados de Deus" JOSÉ MARIA MAYRINK (Jornal do Brasil - 13/6/99) SÃO PAULO - Campeão da defesa dos direitos humanos durante os anos da ditadura

Leia mais

DIRETORIA PEDAGÓGICA ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS SOLICITAÇÕES DE MUDANÇA DE LOTAÇÃO - 2015. ARTE TURNO PRETEN DIDO

DIRETORIA PEDAGÓGICA ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS SOLICITAÇÕES DE MUDANÇA DE LOTAÇÃO - 2015. ARTE TURNO PRETEN DIDO DE 20/10/2014 13:57 121118 DALVA MARIA VILAÇA GALDINO MANHÃ 01/04/2002 BENTO MACHADO RIBEIRO BELIZÁRIO F. CAMINHAS 22/10/2014 22:04 121155 REGIANY LOPES DE CARVALHO TARDE 02/04/2002 PRESIDENTE RAUL SOARES

Leia mais

Workshop O Poder dos Pequenos e Médios Estados na Grande Guerra: Comparação Portugal-Brasil 8 de Abril de 2015. Instituto da Defesa Nacional.

Workshop O Poder dos Pequenos e Médios Estados na Grande Guerra: Comparação Portugal-Brasil 8 de Abril de 2015. Instituto da Defesa Nacional. Workshop O Poder dos Pequenos e Médios Estados na Grande Guerra: Comparação Portugal-Brasil 8 de Abril de 2015 Instituto da Defesa Nacional Programa Auditório 2 10h00-10h45 Abertura do Workshop Vítor Viana

Leia mais

Seixas Dória e o Golpe Militar de 1964

Seixas Dória e o Golpe Militar de 1964 Seixas Dória e o Golpe Militar de 1964 Charles Pires Neves Márcia Alves de Carvalho Machado Graduados em História/UVA/Pólo Aracaju charles_neves@uol.com.br mac_machado@hotmail.com Resumo: O Golpe Militar

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014 5º1 1 ANA CATARINA R FREITAS SIM 2 BEATRIZ SOARES RIBEIRO SIM 3 DIOGO ANTÓNIO A PEREIRA SIM 4 MÁRCIO RAFAEL R SANTOS SIM 5 MARCO ANTÓNIO B OLIVEIRA SIM 6 NÁDIA ARAÚJO GONÇALVES SIM 7 SUNNY KATHARINA G

Leia mais

Atualidade em foco. Policiais reprimem com violência manifestantes no Centro do Rio de Janeiro 120 UNIVERSIDADE E SOCIEDADE #56

Atualidade em foco. Policiais reprimem com violência manifestantes no Centro do Rio de Janeiro 120 UNIVERSIDADE E SOCIEDADE #56 Atualidade em foco Samuel Tosta/ADUFRJ SSind Policiais reprimem com violência manifestantes no Centro do Rio de Janeiro 120 UNIVERSIDADE E SOCIEDADE #56 A materialização da violência do Estado A sociedade

Leia mais

Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia

Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia Sobre a Mostra Este projeto tem como objetivo promover sessões públicas e gratuitas de cinema, ao longo de uma semana, dedicadas à memória e à

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais

ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR

ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR 1-"O movimento de 31 de março de 1964 tinha sido lançado aparentemente para livrar o país da corrupção e do comunismo e para restaurar a democracia, mas o novo

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

BRASIL REPÚBLICA (1889 )

BRASIL REPÚBLICA (1889 ) 1 - Antecedentes: Esgotamento do populismo: manifestações de massa, greves, agravamento de tensões sociais. Temor dos EUA com a possibilidade de novas revoluções cubanas na América Latina. Apoio de setores

Leia mais

Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática

Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática Gabinete/Cargo Nome Extensão E-mail Diretor Luiz Felipe Rocha de Faria 1450 lef@isep.ipp.pt Sub-diretor(es) António Constantino Lopes 1462 acm@isep.ipp.pt

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PROGRAMA XXII COLÓQUIO DE HISTÓRIA MILITAR

COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PROGRAMA XXII COLÓQUIO DE HISTÓRIA MILITAR COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PORTUGAL NA GUERRA PENINSULAR (1812 1815) DO CERCO DE CIUDAD RODRIGO AO CONGRESSO DE VIENA O CAMINHO PARA A DERROCADA DO IMPÉRIO NAPOLEÓNICO PROGRAMA XXII Comissão

Leia mais

Revista Historiar. Revista Historiar, Vol. 05, N. 08, Ano 2013. p. XX-XX

Revista Historiar. Revista Historiar, Vol. 05, N. 08, Ano 2013. p. XX-XX 4 Revista Historiar Revista Historiar, Vol. 05, N. 08, Ano 2013. p. XX-XX Conflitos e Resistências no Porto de Camocim-Ce 5 Revista Historiar [recurso eletrônico] / Universidade Estadual Vale do Acaraú

Leia mais

Quem são os inimigos? Imagens e memórias através dos cartazes, panfletos e jornais confiscados pela Delegacia de Ordem Política e Social do Estado do

Quem são os inimigos? Imagens e memórias através dos cartazes, panfletos e jornais confiscados pela Delegacia de Ordem Política e Social do Estado do Espírito Santo (DOPS/ES). 1 Pedro Ernesto Fagundes 2 Quem são os inimigos? Imagens e memórias através dos cartazes, panfletos e jornais confiscados pela Delegacia de Ordem Política e Social do Estado do

Leia mais

NÚCLEO DE PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA POLITICA. Curso 1. METODOLOGIA

NÚCLEO DE PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA POLITICA. Curso 1. METODOLOGIA NÚCLEO DE PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA POLITICA Curso 1. METODOLOGIA O curso será apresentado em cinco módulos temáticos, distribuídos em seis aulas, nas quais será analisado o período da ditadura civil- militar,

Leia mais

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Diferentemente do que se imagina, Dilma Rousseff não participou do maior roubo praticado por organizações de esquerda para financiar a luta armada contra a ditadura

Leia mais

Arquivo Público do Estado de São Paulo

Arquivo Público do Estado de São Paulo Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina: O(s) Uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula Ditadura Militar e Anistia (1964 a 1985). Anos de Chumbo no Brasil. Ieda Maria Galvão dos Santos 2º

Leia mais

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO:

Leia mais

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal de Uberlândia A discussão sobre a importância da participação

Leia mais

O Regime de Exceção 1964/67 e o AI-5

O Regime de Exceção 1964/67 e o AI-5 O Regime de Exceção 1964/67 e o AI-5 O REGIME DE EXCEÇÃO (64/67) E A GÊNESE DO AI-5 O GOVERNO CASTELO BRANCO, O REGIME DE EXCEÇÃO (64/67) E A GÊNESE DO AI-5 Reiteradamente caracterizado como "legalista"

Leia mais

Cap. 26 Do golpe Militar ao governo Costa e Silva Período de 1964 a 1969.

Cap. 26 Do golpe Militar ao governo Costa e Silva Período de 1964 a 1969. Resumos de aula de História do Brasil Prof. Webster Pinheiro Assunto: Ditadura Militar (1964-85) / Capítulos 26, 27 e 28 do livro didático / 2º Ano Ensino Médio Cap. 26 Do golpe Militar ao governo Costa

Leia mais