ANO 4 N.17 SALVADOR/BA SET, 2006 ISSN:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANO 4 N.17 SALVADOR/BA SET, 2006 ISSN: 1809-1687"

Transcrição

1 Relações Públicas e Meio Ambiente: reflexões interdisciplinares por um desenvolvimento sustentável das organizações na perspectiva da responsabilidade socioambiental Marcello Chamusca Estudante de Relações Públicas Márcia Carvalhal Estudante de Relações Públicas INTRODUÇÃO O mundo contemporâneo traz na sua nova configuração grandes paradoxos, em que, de um lado avançam as tecnologias digitais com todas as suas especificidades, transformando radicalmente a forma do consumo de informações e a conseqüente relação do homem com o meio ambiente, e de outro, se busca na essência da natureza, em ambientes nada tecnológicos, inspiração para o desenvolvimento de modelos de gestão e controle da produção, que permitam a identificação de níveis que uma sociedade pode impactar os ecossistemas, sem maiores prejuízos ao meio ambiente. Apresentação e Justificativa Chegamos em um momento que não há mais como negligenciar as questões ligadas ao meio ambiente, sendo ingênuos o suficiente para imaginar que em um curto período de tempo podemos alterar o que a natureza levou bilhões de anos para construir, e mais do que isso, acreditar que as nossas alterações não afetarão significativamente o sistema ambiental e não poderão como conseqüência trazer grandes malefícios (DIEGUES, 1994). Por outro lado, sabemos que o fator econômico é predominante na sociedade contemporânea e que não há como retroceder, fugindo da alta competitividade imposta pelas novas configurações de um mundo cada vez mais tecnológico e informacional. Neste cenário, as relações públicas e a comunicação surgem como uma grande ferramenta educativa e de conscientização tanto dos gestores organizacionais quanto dos públicos destas organizações (a sociedade), da importância do desenvolvimento sustentável, no que diz respeito a exploração dos recursos naturais nos seus processos produtivos, uma vez que as relações públicas têm a função da mediação de interesses, visando a qualidade das 1

2 relações estabelecidas entre as organizações e seus diversos públicos (DENCKER; KUNSCH, 1996). A gestão da comunicação estabelecida pelas relações públicas neste processo, se dá a partir do monitoramento de instrumentos de comunicação, sobretudo os de caráter educativo, e da implementação de programas que tenham como foco a informação e a conscientização social da necessidade de preservar para melhor aproveitar os benefícios advindos dos recursos naturais esgotáveis e escassos do nosso meio ambiente, lembrando que meio ambiente é tudo que está à nossa volta, conforme define o Dicionário Brasileiro de Ciências Ambientais: um conjunto de fatores naturais, sociais e culturais que envolvem um indivíduo e com os quais ele interage, influenciando e sendo influenciado por eles. Neste contexto, percebemos que o relações públicas pode atuar como um gestor da informação, utilizando os recursos tecnológicos disponíveis que, em tese, estariam no contexto social simbolicamente em oposição às questões ecológicas, a favor do meio ambiente, visto que pode se apropriar das suas potencialidades de transmissão de informações em larga escala e em tempo real para a difusão de campanhas dirigidas aos mais diversos públicos sobre a importância da preservação do meio ambiente em que vivemos e do desenvolvimento sustentável como forma de garantir um futuro melhor. Agindo assim, o relações públicas estaria subvertendo aquilo que entendemos como a ordem natural que a tecnologia vem para fazer a natureza sucumbir e utilizando os avanços tecnológicos em favor do meio ambiente, através dos meios digitais de comunicação, promovendo a educação ambiental e a consciência ecológica. Objetivos Neste sentido, a nossa pesquisa teve como objetivo principal o levantamento de possibilidades de aplicação de técnicas de relações públicas em apoio aos sistemas de gestão e controle ambiental de empresas públicas e privadas, no sentido de tornarem seus processos menos impactantes ao meio ambiente sem precisar abrir mão da produtividade e do crescimento econômico. Tivemos ainda como objetivos de pesquisa: (1) identificar o uso de instrumentos de comunicação por parte das organizações com propósito de educar e conscientizar seus públicos a viverem em harmonia com o meio ambiente, para respeitá-lo, preservá-lo e serem multiplicadores de uma consciência ecológica para as futuras gerações; (2) analisar as 2

3 estratégias de relacionamento da organização com diversos públicos, que visem o seu desenvolvimento sustentável, tendo como foco o meio ambiente, seja em programas de recuperação ou conservação de ecossistemas existentes em seu entorno; e (3) levantar métodos ou processos que visem a formação da imagem institucional e/ou corporativa das organizações, inserindo-as na perspectiva da responsabilidade socioambiental e de organizações com a postura ecologicamente corretas. Relevância do trabalho Acreditamos que a relevância da nossa pesquisa encontra-se na necessidade cada vez maior que a sociedade contemporânea possui de vislumbrar possibilidades que lhe permita avanços significativos na consciência ecológica da sociedade produtiva, uma vez que ao produzir, a depender do processo instituído pra se chegar a essa produção, a sociedade pode estar decretando a sua própria destruição, a médio e longo prazos, se não houver a consciência da necessidade de preservação dos ecossistemas, visto que estes formam um grande sistema no qual estamos inseridos e que para funcionar precisa de todas as peças da engrenagem funcionando perfeitamente, sob pena de comprometer toda a estrutura da vida no nosso planeta. Neste sentido, levantar as forma que as relações públicas a partir da implementação de projetos, programas e instrumentos de comunicação e de relacionamento podem servir como uma ferramenta social de conscientização e educar esta sociedade para a cidadania, levando as organizações a assumirem uma postura socioambiental responsável e os indivíduos a consciência dos seus direitos e deveres para com o meio ambiente, enquanto cidadãos e, em última análise, responsáveis pela vida do seu planeta. INOVAÇÃO, CARACTERÍSTICAS DA PESQUISA E OS AVANÇOS TÉCNICO- CIENTÍFICOS OBTIDOS O fato da pesquisa ter sido realizada por uma equipe interdisciplinar composta por um biólogo, uma socióloga-jornalista e dois estudantes de relações públicas, e ter tido um enfoque na área de relações públicas, nos permitiu um nível de aprofundamento, do ponto de vista da comunicação, que nos levou a sugerir no nosso relatório de pesquisa, a necessidade da implementação de um núcleo de apoio tecnológico gerido pelo Estado, com o apoio da iniciativa privada, para capacitar profissionais que atuam na área de comunicação e educação 3

4 ambiental em organismos públicos e privados inseridos no Estado da Bahia, que pudesse direcioná-los à possibilidades concretas de utilizações diversas dos novos recursos tecnológicos aplicados na preservação do meio ambiente e no desenvolvimento produtivo sustentável, nas áreas comerciais, industriais e prestação de serviços. Entendemos que esta idéia transcende o caráter meramente inovador e adquire status de ação estratégica, na medida que permitirá ao Estado da Bahia avançar nos processos comunicacionais voltados a preservação do meio-ambiente, potencializando o desenvolvimento econômico das organizações locais, permitindo a elas performances privilegiadas de retorno de imagem junto à opinião pública nacional e internacional. O núcleo de apoio poderia prestar uma assessoria qualificada na área de comunicação e educação ambiental para essas organizações, visando o seu desenvolvimento sustentável na perspectiva da responsabilidade socioambiental. Característica da pesquisa e metodologia utilizada O universo pesquisado foi de 4 empresas privadas e 4 empresas públicas de Salvador e Região Metropolitana do Estado da Bahia. Destas, entrevistamos 100% dos profissionais de comunicação e relações públicas, 100% dos líderes ambientalistas e comunitários, além de 100 pessoas das comunidades do seu entorno. Utilizamos o método de pesquisa qualitativa e para a obtenção dos dados que nos permitiram uma melhor análise e compreensão do recorte da realidade pesquisada, durante o seu desenvolvimento, foram cumpridas as seguintes etapas: a) Primeira etapa: contato com o corpo administrativo, superintendentes, diretores, gerentes e funcionários das organizações sondadas, explicando as necessidades da pesquisa e pedindo apoio para viabilizar a sua realização; reconhecimento das estruturas administrativas e físicas dos departamentos de comunicação das organizações sondadas; reconhecimento das comunidades envolvidas e identificação de líderes ambientalistas destas comunidades; observação direta da aplicação das estratégias comunicacionais voltadas a educação e a conscientização ecológica pelos profissionais de comunicação das 4

5 organizações sondadas, para identificar e analisar o uso dos instrumentos e a significação deles para os seus sujeitos; observação direta da vida cotidiana das comunidades para analisar como recebem e como interpretam as informações relacionadas a educação ambiental advindas dessas organizações; reconhecimento das atividades relacionadas com a comunicação ambiental desenvolvidas pelas organizações sondadas; registros dos dados colhidos em um pré-relatório de reconhecimento. A fase de reconhecimento foi realizada através de observação de campo, com registros escritos e gravações em K-7, transcritas para um pré-relatório e arquivadas para consulta posterior. b) Segunda etapa: pesquisa documental; histórico das comunidades; histórico das organizações sondadas; plantas e imagens das comunidades do entorno das organizações sondadas; organograma dos departamentos de comunicação e/ou relações públicas das organizações sondadas; consulta à legislação em vigor, pertinente ao assunto, junto a órgãos governamentais nas esferas municipais, estaduais e federais. c) Terceira etapa: pesquisa empírica, através de técnicas privativas de relações públicas, entrevistas semi-estruturadas e aplicação de questionários; entrevistas semi-estruturadas com os diretores de comunicação e relações públicas das organizações; entrevistas semi-estruturadas com líderes ambientalistas e/ou comunitários; entrevistas semi-estruturadas com profissionais de comunicação e relações públicas das organizações; 5

6 Para todas as entrevistas foi necessário um contato inicial e um pedido de permissão dirigido ao entrevistado, para que concedesse a entrevista e permitisse gravá-la. d) Quarta etapa: compilação dos dados coletados; análise, interpretação e sistematização dos dados produzidos; comparativo com as hipóteses/pressupostos testados; e) Quinta etapa: redação do relatório de resultados; conclusão e revisão final do texto do relatório final. O cumprimento destas etapas nos permitiu um grande aprofundamento no tema pesquisado e alguns avanços técnico-científicos, na medida que conseguimos a articulação da teoria com a prática de relações públicas voltadas para o meio ambiente e a comunicação e educação ambiental. Avanços técnico-científicos É importante salientar que quando as teorias são aplicadas e estas se consolidam em processos, permite-se um maior entendimento das teorias que, por sua vez, se consolida, a partir da verificação empírica do seu construto. No caso específico das relações públicas voltadas a educação e a conscientização ecológica, essas articulações se deram a partir da verificação prática da funcionalidade dos instrumentos de comunicação implementados pelas organizações sondadas e dos conteúdos teóricos levantados sobre funções destes instrumentos. O acompanhamento do processo da comunicação para a educação ambiental, desde o seu planejamento até a sua implementação, possibilitou uma maior clareza no entendimento das tentativas teóricas desenvolvidas no campo da comunicação e das relações públicas para esse fim, bem como nos permitiu a reflexão sobre os processos estabelecidos e a formulação de propostas e sugestões de novas formas de se trabalhar a educação ambiental por meio de 6

7 instrumentos de comunicação e relacionamento, conforme veremos no item reprodutibilidade das idéias sustentáveis. Entretanto, é importante neste momento, para entendermos melhor os avanços alcançados, descrevermos os resultados da nossa pesquisa, bem como as análises principais que fizemos desses resultados, conforme segue. RESULTADOS OBTIDOS Após três meses de pesquisa, que envolveram várias técnicas, conforme descrevemos no item anterior tabulamos os resultados a partir de três categorias principais de análise que, por sua vez, estão alinhadas com os nossos objetivos de pesquisa. A saber: (1) identificação do uso de instrumentos de comunicação por parte das organizações com propósito de educar e conscientizar seus públicos a viverem em harmonia com o meio ambiente, para respeitá-lo, preservá-lo e serem multiplicadores de uma consciência ecológica para as futuras gerações; (2) análise das estratégias de relacionamento da organização com diversos públicos, que visem o seu desenvolvimento sustentável, tendo como foco o meio ambiente, seja em programas de recuperação ou conservação de ecossistemas existentes em seu entorno; e (3) levantamento de métodos ou processos que visem a formação da imagem institucional e/ou corporativa das organizações, inserindo-as na perspectiva da responsabilidade socioambiental e de organizações ecologicamente corretas. Quanto ao uso dos instrumentos de comunicação com fins ambientais levantamos os dados contidos na tabela a seguir: INSTRUMENTO Placas de sinalização Informativos impressos Vídeo-informativo Murais UTILIZAÇÃO Para sinalizar áreas de preservação e dar outras informações relativas ao meio ambiente. Para informar funcionários e comunidade sobre os projetos da organização e outras questões voltadas ao meio ambiente. Para informar funcionários e comunidade sobre os projetos da organização e outras questões voltadas ao meio ambiente. Para expor fotografias de intervenções da organização no meio ambiente. Reuniões e encontros Para informar e debater questões voltadas aos projetos da organização relacionados ao meio ambiente. Tabela 1. Uso dos instrumentos de comunicação pelas organizações com fins ambientais 7

8 Os tipos de instrumentos e os usos que as organizações têm feito deles para fins ambientais, nos remetem a idéia de que os meios digitais e todo o seu potencial comunicativo têm sido subutilizados no que diz respeito aos processos de educação e conscientização socioambiental no ambiente corporativo baiano. Observamos nos nossos levantamentos que a grande maioria dos profissionais que trabalham com comunicação e educação ambiental nas organizações baianas possuem formação na área das ciências biológicas, ou seja, são equipes inteiras formadas apenas por biólogos, quando o ideal seria que entre os profissionais que formam essas equipes de trabalho existissem profissionais da área de comunicação, bem como profissionais especialistas em educação para darem suporte técnico aos projetos. A falta de clareza sobre o potencial dos instrumentos de comunicação em geral, sobretudo os meios digitais, bem como sobre as aplicações metodológicas de uma pedagogia aplicada às práticas educacionais são algo patente entre os profissionais das equipes sondadas, uma vez que não estão familiarizados com esses elementos e sonegam e negligenciam pontos importantes à eficiência e eficácia dos programas estabelecidos. Percebemos que com os recursos disponibilizados atualmente para esses fins, sobretudo os recursos governamentais, que no caso da Bahia têm sido significativos, os planos executados pelas organizações baianas poderiam chegar a resultados muito mais relevantes se os instrumentos de comunicação fossem mais bem utilizados e potencializados nas suas especificidades, o que não acontece hoje, porque, na grande maioria das organizações, os instrumentos de comunicação são gestados por profissionais que não são da área de comunicação. Já na segunda categoria de análise, aquela que diz respeito à análise das estratégias de relacionamento da organização com seus públicos, visando o desenvolvimento sustentável, a partir de programas de recuperação ou conservação de ecossistemas existentes em seu entorno, levantamos as seguintes características: (1) de fato há uma clara preocupação da maioria das organizações quanto o seu desenvolvimento sustentável do ponto de vista da exploração dos recursos naturais. Isso acontece, na maioria das vezes, não por altruísmo do capital, mas porque se chegou a noção de que quem tem mais a perder com a escassez dos recursos naturais (que, na prática, são os insumos dessas organizações) são as próprias organizações, uma vez que 8

9 quanto mais escassos eles são, mais caros se tornam e os seus produtos e serviços menos competitivos ficam. (2) as estratégias (quanto ao aspecto comunicacional) utilizadas nessas empresas, entretanto, em geral, se restringem a comunicação instrumental, mais especificamente a comunicação visual. Muito pouco se pensa estrategicamente a comunicação neste campo. Muito pouco também se pratica relações públicas de forma estratégica, apesar de percebermos que, mesmo sem a utilização de técnicas adequadas e da consciência de que estavam praticando relações públicas, algumas ações pontuais são estabelecidas e, em alguns casos, com um razoável sucesso. (3) as comunidades do entorno das organizações sondadas, em geral, não têm uma participação mais direta nos projetos de recuperação/conservação de ecossistemas desenvolvidos por essas organizações. Nem nas decisões, nem na execução das ações mitigadoras ou antecipadoras adotadas, o que a nosso ver é um equívoco muito grande, uma vez que a participação direta da comunidade neste processo poderia potencializar as ações, visto que ela ao se sentir contemplada pelo projeto, ou seja, se sentir parte do projeto, poderia se transformar em parceira da organização, tanto na execução das tarefas projetadas, quanto assumindo o papel de agentes multiplicadores das idéias centrais do projeto que, por sua vez, poderiam ser transmitidas a partir da junção de técnicas da educação e da comunicação para potencializar a aprendizagem dos envolvidos. As características das estratégias das organizações sondadas no que diz respeito a ações voltadas ao meio ambiente, assim como o levantamento dos instrumentos de comunicação utilizados para tal, também nos remete a idéia já comentada de que a implementação de um núcleo de apoio tecnológico gerido pelo Estado, com o apoio da iniciativa privada, para capacitar profissionais que atuam na área de comunicação e educação ambiental em organismos públicos e privados inseridos no Estado da Bahia, certamente poderia trazer grandes benefícios ao contexto ambiental local, uma vez que ao se criar algo dessa natureza estaria se fomentando o desenvolvimento de modelos de gestão e controle da produção, que permitissem as nossas organizações, independentes do setor que atuem, se desenvolverem dentro de uma perspectiva socioambiental responsável e principalmente de forma sustentável do ponto de vista ecológico. 9

10 Na terceira e última categoria de análise, aquela que diz respeito ao levantamento de métodos ou processos que visem a formação da imagem institucional e/ou corporativa das organizações, inserindo-as na perspectiva da responsabilidade socioambiental e de organizações ecologicamente corretas, levantamos alguns dados que podem nos dar pistas importantes de como avançar neste âmbito, a partir da reflexão sobre as ações que as organizações sondadas desenvolvem e o retorno de imagem que obtêm. Vale salientar que esse retorno de imagem é mensurado através de métodos e técnicas específicas existentes, de cunho subjetivo, uma vez que não há como precisar algo de natureza intangível como a imagem percebida da opinião pública a respeito de uma organização. A mais conhecida e utilizada técnica para essa mensuração é, sem dúvida, a sondagem de opinião, em que são levantados e analisados dados emitidos pela opinião pública e se tenta definir qual a imagem institucional percebida daquela organização. Chegar a essa imagem, contudo, não se considera uma tarefa fácil, pois, ela encontra-se num elo perdido de uma realidade fragmentada em três dimensões: (1) a dimensão da imagem que a organização imagina que tem; (2) a dimensão da imagem que ela gostaria de ter; e (3) a dimensão da imagem que ela realmente tem, ou seja, a que a opinião pública realmente percebe. Vale ressaltar que, por mais incrível que pareça, a última, geralmente, não corresponde com nenhuma das duas anteriores. Para um melhor entendimento do conceito de imagem é importante observar que: A imagem é resultante de todas as experiências, impressões, posições e sentimentos que as pessoas apresentam em relação a uma mesma empresa, a um produto, a uma personalidade. Assim, pode-se falar em imagem positiva, quando ocorrem processos que atualizam altos níveis de empatia/simpatia entre as pessoas/públicos e o político, a personalidade, a empresa ou a instituição (BALDISSERA, 2003, p.5). Quando falamos de imagem institucional, portanto, estamos nos referindo ao que Baldissera chama de imagem-conceito, uma espécie de aura pública (boa ou má fama), caracterizada por ser tênue, provisória e fugaz, imbricadas em permanente semiose. Achamos importante estabelecermos conceitualmente o uso do termo imagem no nosso trabalho, uma vez que, segundo Perez e Bairon (2002, pp ), o mundo das imagens se divide em dois domínios: (1) imagens como representações visuais: desenhos, pinturas, 10

11 gravuras, fotografias e as imagens cinematográficas, televisivas, holo e infográficas (tangível); (2) imagens como representações mentais: visões, fantasias, imaginações, esquemas e modelos (intangível). Assim, quando dizemos que utilizaremos para designar o termo imagem a noção de imagem-conceito de Baldissera vale observar que: A imagem conceito é sempre uma construção mental, realizada pelos sujeitos em relação com o entorno e consigo mesmos, tendo como base a comparação e a valorização (juízo de valor). Não se trata, portanto, de referenciar o que pode ser visto, mas de julgar as pessoas, os comportamentos, os desempenhos, as idéias, as administrações (públicas e privadas) e as empresas, dentre outras coisas. Para isso, a pessoa/público associa, compara, sobrepõe, hierarquiza as informações que recebe/acessa, oficiais ou não, com os seus saberes prévios, isto é, com as condições de produção a partir do lugar que cada indivíduo/público assume no sistema sócio-cultural portanto seu lugar político, psíquico, econômico, religioso, etc. Atualizam-se as apreciações coletivas (BALDISSERA, 2003, p. 6). Para a imagem de uma organização se consolidar, entretanto, é necessário que, seus esforços estejam voltados à adequação estratégica dos objetivos e metas organizacionais às expectativas, necessidades e desejos dos seus públicos. Na pesquisa empírica realizada, duas das organizações sondadas desenvolvem programas que têm a pretensão de fortalecer a sua imagem institucional, a partir da divulgação interna e externa das ações consideradas de responsabilidade socioambiental que realizam. A divulgação é feita por meio de instrumentos de comunicação tradicionais, como jornais e informativos impressos dirigidos aos funcionários, fornecedores, clientes e a comunidade na qual estas organizações estão inseridas. A retórica destes instrumentos tradicionais, no entanto, não são mais suficientes para suprir as necessidades de comunicação de uma organização na atualidade, pois os públicos contemporâneos requerem muito mais que as versões oficiais das informações divulgadas pela direção da organização para a construção de uma imagem pública favorável, sobretudo, quando se trata de ações consideradas de responsabilidade socioambientais, uma vez que esses públicos querem poder interagir com as informações, verificar a sua veracidade e atestar com seus próprios olhos se o que está sendo divulgado corresponde com a verdade. É preciso que se perceba que, conforme observa Jambeiro, hoje: O direito à informação significa não só o direito do cidadão ser informado, mas também o direito do cidadão informar e o direito das entidades da sociedade civil se expressarem e tornarem efetivamente públicas suas idéias e opiniões. Isto implica afirmar a pluralidade de meios e a pluralidade do 11

12 acesso aos meios como uma das características inerentes à sociedade democrática (JAMBEIRO, 2003, p.226). Em consonância com Jambeiro (2003), Peruzzo acrescenta que: As liberdades de informação e expressão postas em questão na atualidade não dizem respeito apenas ao acesso da pessoa à informação como receptor, nem apenas no direito de expressar-se por quaisquer meios o que soa vago, mas de assegurar o direito de acesso do cidadão e de suas organizações coletivas aos meios de comunicação social na condição de emissores produtores e difusores - de conteúdos. Trata-se pois de democratizar o poder de comunicar (PERUZZO, 2004, p.8). Assim, percebemos mais uma vez que há uma carência real de um núcleo de apoio tecnológico para capacitar profissionais que atuam na área de comunicação e educação ambiental em organismos públicos e privados do Estado da Bahia para fomentar o desenvolvimento das nossas organizações tanto do ponto de vista produtivo como já comentamos, quanto sob a perspectiva da gestão da imagem socioambiental responsável das empresas que se enquadram no perfil responsável e que têm buscado junto com o Poder Público, o desenvolvimento sustentável para a Bahia. REPRODUTIBILIDADE DAS IDÉIAS SUSTENTÁVEIS Nesta comunicação de pesquisa fizemos questão de explicitar, em todo o momento, os métodos utilizados, e mais do que isso, o percurso metodológico para a obtenção dos dados da nossa pesquisa. Isso porque não queríamos perder em nenhum momento a perspectiva de reprodutibilidade das idéias centrais deste estudo e as possibilidades de sua fácil disseminação, caso houvesse interesse de qualquer grupo de se apropriar dos conceitos por nós empreendidos para chegarmos aos resultados obtidos e relatados. Inclusive, preservamos os nomes das organizações sondadas exatamente para não limitar a multiplicação e aplicação do estudo para outras organizações, situações e localidades, por questões como concorrência e diversas outras razões de mercado. Além dos métodos explícitos (reproduzíveis), tentamos formular algumas propostas e sugestões de novas formas de se trabalhar a educação ambiental por meio de instrumentos de comunicação e relacionamento. As nossas propostas se voltaram para as potencialidades das tecnologias digitais, uma vez que na pesquisa que realizamos os dados levantados mostram que estes são instrumentos 12

13 subutilizados pela maioria das organizações quando o assunto é comunicação e educação ambiental. Algumas das propostas e sugestões do nosso projeto são: Para os públicos internos: dar um uso adequado a intranet para esse fim, fazendo deste instrumento não apenas um meio de divulgação daquilo que já está projetado, mas solicitar dos funcionários o seu envolvimento e a sua participação na construção dos projetos voltados ao meio ambiente. Exs: em uma campanha publicitária que a organização vá fazer sobre a sua consciência socioambiental, antes de veicular na mídia, veicular primeiramente na Intranet, solicitando dos funcionários a sua opinião sobre aquela campanha e incentivando-os a participar com sugestões e idéias para melhorar a campanha. realizar um concurso interno para premiar idéias de funcionários que possam melhorar os processos produtivos da organização, com o mínimo de impacto ao meio ambiente. abrir para a comunidade interna os projetos voltados ao meio ambiente antes de serem executados para que os funcionários possam se sentir parte de cada projeto realizado pela organização em favor do meio ambiente e difundir através do boca-a-boca a seriedade da organização e do projeto em si. enfim, utilizar o que há de melhor nesta ferramenta: a hipermídia (a união de todas as mídias em uma vídeo, áudio, texto, etc.) e a interatividade (permite altos níveis de participação e envolvimento). Para os públicos mistos: o uso adequado da Extranet: pode-se utilizar este instrumento para envolver os fornecedores, familiares de funcionários, empresas terceirizadas, dentre outros 13

14 públicos, nos projetos ambientais, não só divulgando as diretrizes desses projetos, mas sobretudo tornando-os parceiros, estreitando os laços que os unem, qualificando as relações. para os públicos externos: o uso adequado da Internet: utilizar o website da organização para envolver a sociedade, solicitando a sua participação com: 1. realização de enquetes sobre intervenções da organização no meio ambiente; 2. divulgação dos projetos ligados a preservação do meio ambiente sempre com links que estimulem uma participação ativa do cidadão; 3. oferta de descontos especiais em produtos ou serviços para as pessoas que participarem com idéias e sugestões que possam melhorar a gestão da organização nos processos que envolvam o impacto ao meio ambiente; utilizar o correio eletrônico para se relacionar com os públicos: 1. divulgar versões digitais dos informativos dos projetos relacionados ao meio ambiente, requerendo a sua participação; 2. promover uma lista de discussão sobre o tema, para que possam emergir dos discursos situações ou idéias que potencializem os projetos voltados ao meio ambiente. O uso adequado do celular: Utilizar torpedos para a relação com os públicos: 1. enviar imagens de intervenções da organização em preservação ao meio ambiente; 2. enviar mensagens estimulando a participação nos projetos, indicando as promoções, enquetes, etc. que estão disponíveis na internet. É preciso dizer que a nossa pesquisa contempla muitas sugestões de ações para o uso das tecnologias digitais em apoio aos projetos de preservação do meio ambiente, gestão organizacional e desenvolvimento sustentável, distribuídas por três diferentes categorias. Para 14

15 esta compilação, no entanto, escolhemos aquelas que estão voltadas a busca pela interatividade dos públicos das organizações e da participação e envolvimento popular, pois acreditamos que esta é a tônica que devemos adotar de agora em diante, lavando em consideração as características da sociedade contemporânea. Assim, por acreditar que as tecnologias digitais podem ser utilizadas de forma muito proveitosa para a difusão de idéias e projetos que envolvam o meio ambiente, uma vez exploradas suas potencialidades e direcionadas para esse fim, pensamos que não será mais possível abrir mão dos recursos e tecnologias disponíveis quando o assunto for a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento sustentável. É preciso mobilização. E a mobilização desejada, só será possível com o apoio das tecnologias digitais, uma vez que a cada dia a sociedade se formata a luz destas tecnologias e se torna cada vez mais participativa. Hoje a sociedade não quer apenas receber a informação, mas intervir na sua realidade e ajudar a construí-la. Neste sentido, se a nossa busca é pela mobilização em torno das questões que envolvem a preservação e o impacto ao meio ambiente, cabe a nós usar a comunicação e a educação para um futuro melhor. Um futuro em que todos possam acreditar verdadeiramente que vivemos na sociedade do conhecimento e da consciência socioambiental. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BALDISSERA, Rudimar. Imagem-conceito: a indomável orgia dos significados. Trabalho apresentado no XXVI Intercom, Belo Horizonte/MG, setembro de DENCKER, Ada de Freitas Maneti & KUNSCH, Margaria M. Krohling. (org) Comunicação e meio ambiente. São Paulo, Intercom, DIEGUES, Antonio Carlos Sant Ana. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo, NUPAUB/USP, PEREZ, Clotilde; BAIRON, Sérgio. Comunicação & Marketing. São Paulo: Futura, JAMBEIRO, Othon. Reflexões sobre Políticas e Estratégias Sociais de Informação, Cultura e Comunicação, em Tempos Digitais. In: PERUZZO, Cicília; ALMEIDA, Fernando (orgs). Comunicação para a cidadania. São Paulo: Intercom; Salvador: UNEB, PERUZZO, Cicília. Direito à comunicação comunitária, participação popular e cidadania. In: OLIVEIRA, Maria José da Costa (org). Comunicação Pública. Campinas: Alínea,

16 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR BURSZTYN, Marcel (org). Para pensar o desenvolvimento sustentável. São Paulo, Editora Brasiliense, CRESPO, Samyra & LEITÃO, Pedro. O que o brasileiro pensa da ecologia. Rio de Janeiro, MAST/CNPq, HOGAN, Daniel Joseph & VIEIRA, Paulo Freire (org). Dilemas socioambientais e desenvolvimento sustentável. 2 a ed.. Campinas, Editora da Unicamp, LAYRARGUES, Philippe Pomier. A cortina de fumaça. O discurso empresarial verde e a ideologia da racionalidade econômica. São Paulo, Annablume, LEFF, Enrique. Epistemologia Ambiental. São Paulo, Cortez Editora, OTTMAN, Jacquelyn A. Marketing verde. São Paulo, Makron Books, RAMOS, Luís Fernando Angerami. Meio ambiente e meios de comunicação. São Paulo, Annablume/Fapesp, RIBEIRO, Maurício Andrés. Ecologizar. Pensando o ambiente humano. Belo Horizonte, Rona Editora,

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

PERFIL DA VAGA: GERENTE DE CONTEÚDOS E METODOLOGIAS

PERFIL DA VAGA: GERENTE DE CONTEÚDOS E METODOLOGIAS O Instituto Akatu é uma organização não governamental sem fins lucrativos que trabalha pela conscientização e mobilização da sociedade para o Consumo Consciente. PERFIL DA VAGA: PERFIL GERAL DA FUNÇÃO

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão de Recursos Humanos DISCIPLINA: Ferramentas de Gestão de Recursos Humanos ALUNO(A):Aline de Souza MATRÍCULA:51811 Ribeiro da Rocha NÚCLEO REGIONAL: DATA:

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Marcello Chamusca Márcia Carvalhal. Públicos Híbridos em Relações Públicas Marcello Chamusca Márcia Carvalhal

Marcello Chamusca Márcia Carvalhal. Públicos Híbridos em Relações Públicas Marcello Chamusca Márcia Carvalhal Marcello Chamusca Márcia Carvalhal Públicos híbridos Tipologia das organizações com base no seu nível de envolvimento com as mídias pós-massivas A hipótese das três palavras-chave Contextualização - Inserção

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração e acompanhamento das políticas públicas na área de cidadania, em nível municipal, estadual e nacional, promovendo

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Formação Socioambiental 2º Encontro Mapeando e buscando reconhecer o território Polo 2 Floresta Estadual Edmundo Navarro de Andrade O que vimos até

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DCH/ CAMPUS I-SALVADOR MARCELO MASCARENHAS MENEZES

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DCH/ CAMPUS I-SALVADOR MARCELO MASCARENHAS MENEZES UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DCH/ CAMPUS I-SALVADOR MARCELO MASCARENHAS MENEZES ORGANIZAÇÕES NÃO-GOVERNAMENTAIS: O perfil ideal do gestor de Organizações Não-Governamentais

Leia mais

MENSAGEM CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

MENSAGEM CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO MENSAGEM O Código de Ética do Banco do Brasil vem reafirmar a contínua valorização dos preceitos éticos existentes na cultura da Organização, reconhecidos pela comunidade. Nasce da realidade da Empresa,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Instituto de Estudos Socioambientais do Sul da Bahia Título do projeto: Strengthening Enforcement of Environmental Laws in the Atlantic

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná. Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR

Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná. Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR 1 Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná 1. Introdução Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR Procedimento importante, dentre outros, para o acompanhamento do desenvolvimento

Leia mais