d i g i t a i s Teses e Disser tações originais em formato digital Programa de Pós-Graduação em Letras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "d i g i t a i s Teses e Disser tações originais em formato digital Programa de Pós-Graduação em Letras"

Transcrição

1 Letras d i g i t a i s Teses e Disser tações originais em formato digital Organização Text ual da Notíci a: uma análise da TV e d o jornal Fabia ne Ma ria C. Gonçalves Cavalcanti 1999 Programa de Pós-Graduação em Letras

2 Ficha Técnica Coordenação do Projeto Letras Digitais Angela Paiva Dionísio e Anco Márcio Tenório Vieira (orgs.) Consultoria Técnica Augusto Noronha e Karla Vidal (Pipa Comunicação) Projeto Gráfico e Finalização Karla Vidal e Augusto Noronha (Pipa Comunicação) Digitalização dos Originais Maria Cândida Paiva Dionízio Revisão Angela Paiva Dionísio, Anco Márcio Tenório Vieira e Michelle Leonor da Silva Produção Pipa Comunicação Apoio Técnico Michelle Leonor da Silva e Rebeca Fernandes Penha Apoio Institucional Universidade Federal de Pernambuco Programa de Pós-Graduação em Letras

3 Apresentação Criar um acervo é registrar uma história. Criar um acervo digital é dinamizar a história. É com essa perspectiva que a Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Letras, representada nas pessoas dos professores Angela Paiva Dionisio e Anco Márcio Tenório Vieira, criou, em novembro de 2006, o projeto Letras Digitais: 30 anos de teses e dissertações. Esse projeto surgiu dentre as ações comemorativas dos 30 anos do PG Letras, programa que teve início com cursos de Especialização em No segundo semestre de 1976, surgiu o Mestrado em Linguística e Teoria da Literatura, que obteve credenciamento em Os cursos de Doutorado em Linguística e Teoria da Literatura iniciaram, respectivamente, em 1990 e É relevante frisar que o Programa de Pós-Graduação em Letras da UFPE, de longa tradição em pesquisa, foi o primeiro a ser instalado no Nordeste e Norte do País. Em dezembro de 2008, contava com 455 dissertações e 110 teses defendidas. Diante de tão grandioso acervo e do fato de apenas as pesquisas defendidas a partir de 2005 possuirem uma versão digital para consulta, os professores Angela Paiva Dionisio e Anco Márcio Tenório Vieira, autores do referido projeto, decidiram oferecer para a comunidade acadêmica uma versão digital das teses e dissertações produzidas ao longo destes 30 anos de história. Criaram, então, o projeto Letras Digitais: 30 anos de teses e dissertações com os seguintes objetivos: (i) produzir um CD-ROM com as informações fundamentais das 469 teses/dissertações defendidas até dezembro de 2006 (autor, orientador, resumo, palavras-chave, data da defesa, área de concentração e nível de titulação);

4 (ii) criar um Acervo Digital de Teses e Dissertações do PG Letras, digitalizando todo o acervo originalmente constituído apenas da versão impressa; (iii) criar o hotsite Letras Digitais: Teses e Dissertações originais em formato digital, para publicização das teses e dissertações mediante autorização dos autores; (iv) transportar para mídia eletrônica off-line as teses e dissertações digitalizadas, para integrar o Acervo Digital de Teses e Dissertações do PG Letras, disponível para consulta na Sala de Leitura César Leal; (v) publicar em DVD coletâneas com as teses e dissertações digitalizados, organizadas por área concentração, por nível de titulação, por orientação etc. O desenvolvimento do projeto prevê ações de diversas ordens, tais como: (i) desencadernação das obras para procedimento alimentação automática de escaner; (ii) tratamento técnico descritivo em metadados; (iii) produção de Portable Document File (PDF); (iv) revisão do material digitalizado (v) procedimentos de reencadernação das obras após digitalização; (vi) diagramação e finalização dos e-books; (vii) backup dos e-books em mídia externa (CD-ROM e DVD); (viii) desenvolvimento de rotinas para regularização e/ou cessão de registro de Direitos Autorais. Os organizadores

5 Organização Textual da Notíci a: uma análise da T V e do jornal Fabiane Maria C. Gonçalves Cavalcanti 1999 Copyright Fabiane Maria C. Gonçalves Cavalcanti, 1999 Reservados todos os direitos desta edição. Reprodução proibida, mesmo parcialmente, sem autorização expressa do autor.

6 Universidade Federal de Pernambuco Centro de Artes e Comunica~ao Departamento de Letras Program a de P6s-gradua~ao em Letras e Linguistica Organiza~ao textual da noticia Uma analise da TV e do jomal Disserta~ao de Mestrado em Lingilistica Aluna: Fabiane M. C. Gon~alves Cavalcanti Orientador: prof. dr. Luiz Antonio Marcuschi Recife, agosto de 1999

7 Disserta<;ao apresentada pela aluna Fabiane Maria da Concei<;ao Gon<;alves Cavalcanti ao Programa de P6s-gradua<;ao em Letras e Lingiiistica da Universidade Federal de Pernambuco, como requisito parcial para obten<;aodo Grau de Mestre em Lingiiistica.

8

9

10 Para Fernando, que inspirou 0 tema desta pesquisa, para Cecilia e Aldo, meus pais, incentivadores incansaveis, e para Paulinho, eternamente amado.

11 A Luiz Antonio Marcuschi, pela orienta~ao e compreensao dos limites impostos pela dupla jornada de jornalista e mestranda. A Isahina Mello Gomes, amiga e "(des)orientadora", pelo incentivo e apoio durante todo 0 curso. Aos professores do PPGLLIUFPE, em especial a Judith HofInagel, Maria da Piedade Sa Moreira e Nelly Carvalho, pelas produtivas discussoes em sala da aula, e a Francisco Gomes de Matos e Mados Pessoa, pelas importantes sugestoes feitas na pre-banca. Aos companheiros de curso no PPGLLIUFPE, em especial as amigas Roseanne Rocha Tavares e a Ana Lucia Machado. Aos colegas da Reda~ao do Jornal do Commercio, especialmente aos da Editoria de CienciaIMeio Ambiente e Cidades: Veronica Falcao, Andre Galvao, Eduardo Azevedo e Sibele Negromonte. Aos amigos Antonio Martins Neto, Cleodon Pedro Coelho, Josue Nogueira e Leticia Araujo. A Fernando e meus familiares, que suportaram meu estresse e compreenderam a ausencia nas festivas reunioes em familia

12 o objetivo deste trabalho e realizar urn estudo comparativo do texto noticioso em televisao e em jornal impresso. Verificamos como cada veiculo de comunica~ao organiza as informayoes sobre 0 mesmo fato, salientando as caracteristicas que aproximam e distanciam as reportagens de TV e de jornal. Para isso, confrontamos 20 materias do Jomal Nacional com suas correspondentes na Folha de S.Paulo, observando como as condi~oes de produyao inerentes a cada meio influem na elaborayao da noticia. As materias escolhidas para analise tratam de assuntos variados. o material foi analisado sob a perspectiva te6rica da Lingiiistica e da Comunica~ao, tomandopor base urn paradigma revisado da teoria da comunicayao, aliado as teorias sobre a narrativa jornalistica e sobre a estrutura tematica e esquematica danoticia Observamos que as principais diferenyas entre os textos estudados dizem respeito ao aprofimdamento e ordenamento de informayoes na noticia e a forya expressiva, dominante nas reportagens televisivas. Vimos que nos textos de jornal impresso ha maior detalhamento de informayoes. Ja 0 formato da noticia e distinto em cada veiculo. Salientamos que as caracteristicas de produyao inerentes ao meio determinam as diferenyas observadas. Acreditamos que os resultados encontrados possam ser generalizados para outros telejornais e jornais impressos, pelo fato de 0 Jomal Nacional eafolha de S.Paulo terem se tornado modelos nas suas modalidades. Porem, apenas urn estudo mais acurado podeni confirmar essa hip6tese.

13 El objetivo de esta investigaci6n es comparar textos periodisticos televisivos y impresos. Verificamos como cada veiculo de comunicaci6n organiza!as informaciones acerca de un mismo hecho, destacando!as caracteristicas que aproximan y distancian las reportages de TV e de peri6dicos impresos. Para tanto, confrontamos 20 textos periodisticos del Jamal Nacianal com sus equivalentes en Falha de S.Paula, observando como!as condiciones de produci6n propias de los medios televisivo e impreso influem en la elaboraci6n de!as noticias. Los textos periodisticos seleccionados para el analisis abordan temas variados. El material ha sido/fue analisado sob la perspectiva te6rica de la Linguistica e de la Comunicaci6n, en especial un paradigma revisado de la Teoria de la Comunicaci6n y las teorias acerca de la narrativa periodistica y la estrutura tematica y esquematica de la noticia. En nuestra analisis, verificamos que los principais trazos que distinguen los textos estudiados son la profundeza y ordenacion de las informaciones y la for~a expresiva, dominante en las reportages televisivas. Vimos que en los textos publicados en periodicos impresos presentan informaciones com mas detalles. Ademas, el formato de la noticia es distinto en cada veiculo. Destaeamos que las caracteristicas de producci6n propias de cada medio determinan las diferencias verificadas. Creemos que los resultados alcanzados puedan ser generalizados para otros periodicos impresos y televisivos, puesto que Jamal Nacional y Folha de S.Paulo ban se tornado modelos en sus modalidades. Aunque, solamente una investigaci6n mas profunda pueda confrrmar esa hipotesis.

14 The purpose of this work is to carry through a comparative study of the news text in television and in the press. We verified how each mass media organizes the information on the same fact, pointing out the features that approach and distance the press and TV news articles. In this way, we compared 20 texts of the Jomal Nacional broadcast with its correspondents in the Folha de S.Paulo newspaper, in order to observe how the conditions of production inherent to each media influence the news production. The news articles chosen for analysis deal with varied subjects. The texts were analyzed under the theoretical perspective of Linguistics and Communication, underlied by a revised paradigm of the communication theory, allied to the theories on the journalistic narrative and the thematic and schematic structure of the news. We observed that the main differences between the studied texts are concerned to the deepening and order of information in the news articles and to the expressive force, dominant in the television news articles. We saw that the texts published in the press have greater detailing of information. But the news schematic representation is distinct in each mass media. We pointed out that the inherent features of production to each media determine the differences observed. We believe that the joined results can be generalized for other TV and press news, for the fact of the Jornal Nacional broadcast and the Folha de S.Paulo newspaper have become models in its modalities. However, only a more accurate study would confirm this hypothesis.

15 sumarlo RESUMO RESUMEN ABSTRACT JUSTIFICATIV ADO ESTUOO E HIP6TESES VISAO GERAL 00 TRABAUIO 1.1. A PRODUCAO DA NOTICIA JORNALISTICA DEFINICOES PERFIL DOS VEtCULOS DE COMUNICACAO ESTUDAOOS JORNAL NACIONAL A FOUIA DE S.PAULO 2. PROCEDIMENTOS METOOOWGICOS 2.1. SELECAO E DESCRICAO 00 CORPUS 2.2. PERsPECfIV A E METOOO DE ANALISE 3. A NATUREZA DA NOrtCIA - ASPECTOS TEORICOS c~ra TER DIALOGICO DA COMUNICACAO SOCIAL QUE It NOTICIA? COMO SE ORGANIZA? ORGANIZACAO TEMATICA: MACROESTRUTURA TEXTUAL ORGANIZACAO ESQUEMATICA: SUPERESTRUTURA TEXTUAL 3.3. FALA E ESCRITA: 0 LUGAR DA NOTICIA DE TV E JORNAL 3.4. A NARRATIV A NO NOTICIARIO A NARRATIVAE SUA ESTRUTURA, SEGUNDOLABOV & WALETZKY

16 PARTE IT- MEIO X MENSAGEM INFORMATIVIDADE 63 s. ASPECfOS ESTILlSTICOS FONTES DE REFERENCIA 104 ANEXO 1- CORPUS RESTRITO 109 MATERIA IJN 109 MATERIA IFSP 111 MATERIA2JN 112 MATERIA2FSP 113 MATERIA4JN 115 MATERIA 4FSP 116 MATERlA8JN 117 MATERIA 8FSP 118 MATERIA 12JN 119

17 MATERIA 12FSP 120 MATERIA 14JN 121 MATERIA 14FSP 122 MATERIA 16JN 123 MATERIA 16FSP 124 MATERIA 18JN 125 MATERIA 18FSP 126 ANEXO 2 - ANALIsE DO CORPUS RESTRITO 127 MATERIA IJN 127 MATERIA IFSP 129 MATERIA2JN 131 MATERIA 2FSP 133 MATERIA4JN 135 MATERIA 4FSP 136 MATERIA8JN 138 MATERIA 8FSP 140 MATERIA 12JN 142 MATERIA 12FSP 144 MATERIA 14JN 146 MATERIA 14FSP 147 MATERIA 16JN 149 MATERIA 16FSP 151

18 INDICES Quadro 1 - Percentua/ de noticias coincidentes no IN e no FSP 32 Quadro 2 - Pares de materias selecionados para 0 corpus 34 Quadro 3 - Quantidade de pares de materias por assunto 35 Quadro 4 - Corpus restrito 36 Quadro 5 - Genera/iza~iio X deta/hamento no par 8 64 Quadro 6 - Diferen~as de precisiio no par Quadro 7- Informa~{jes diver gentes 67 Quadro 9 - Diferen~as na referencia asfontes na TV e no jorna/ 80 Quadro 10-0 esquema da noticia te/evisiva 88 Quadro 11 - Compara~iio do estrutura formal da noticia em TV e jorna/ 92 Quadro 12 - Exemp/os de titu/os e "cabe~as" enviezados 95 Quadro 13 - Compara~iio das frases-resumo com chapeus 98 Figura 1 - A superestrutura da noticia 50 Figura 2 - Distribui~iio dos textos de uso fa/ados e escritos no continuo tipo/6gico (versiio resumida) 52 Figura 3 - Rela~iio meio e concep~iio 53 Figura 4 -A c/assifica~iio do texto de TV ejorna/ no grajico meio/concep~iio 54 Figura 5 - Tipos de texto a servi~o de tipos de discurso 56

19 Este trabalho investiga as semelhan9as e diferen9as nas reportagens sobre urn mesmo fato veiculadas na televisao e publicadas em jornal impresso, sob 0 ponto de vista do conteudo informativo e da orga.nizayaoesquematica do texto. Unimos aspectos te6ricos da LingUistica e da Comunica9ao, numa perspectiva multidisciplinar, para realizar este estudo comparativo, que tern 0 objetivo de observar em que pontos 0 meio de comunica9ao, com suas condi90es de produ98.o inerentes, influem na elabor~a%rganiza9ao da mensagem, ie., do texto da noticia. As principais caracteristicas inerentes as condi90es de produ9ao dos veiculos sao os limites impostos pelo tempo, na televisao, e 0 espa90, no jornal impresso. Lembramos com Crystal (1995:388) que a produyao de noticias reflete uma das situa90es mais dificeis e cheias de restri90es no uso da linguagem e que a principal limi~ao e a "eterna batalha contra as pressoesde tempo e esp~o"l. Dessa forma, mostramos os aspectos que diferem e aproximam 0 telejornal do jornal e, para isso, consideramos uma boa perspectiva de aruilise observar como cada urn noticiou urn mesmo fato, do ponto de vista qualitativo. Com este fim, realizamos uma analise da estrutura e do conteudo informacional de ambos, para responder as seguintes questoes: I - Como se estruturam os textos em cada urn dos veiculos? IT - Quais os aspectos que aproximam e afastam as duas modalidades? ill - Em que difere 0 conteudo de cada texto - do ponto de vista informativo e da ordem98.0das infotma9oes? Para realizar a analise proposta neste trabalho, escolhemos textos de noticias veiculadas no Jomal Nacional enafolha de S.Paulo sobre urn mesmo fato. 0 primeiro e 0 telejornal de maior myel de audiencia no Brasil e, 0 segundo, 0 maior jornal em circula9ao no pais. 1 Trad~ cia autora. Assim como as cita~ dos textos em ingles e em espanhol incluidos nas fontes de referencia.

20 Numa perspectiva multidisciplinar, esta pesquisa une a perspectiva te6rica da Analise do Discurso e Lingilistica de Texto aliada a Teoria da Comunicacrao. E importante frisar que nossa arnilise e norteada pela nocrao do carmer dial6gico da linguagem, i. e., encaramos 0 texto nos modelos cognitivo e interacionista (cf. Marcuschi,1994:46), que avancra em relacrao ao esquema dicotomico codificac;ao/decodificacraoda mensagem, apregoado pela tooria da comunicac;ao. o "esquema da comunicacrao", em que urn emissor transmite uma mensagem para urn receptor atraves de urn cana~ podendo receber urn feed-back, e incompleto por deixar pouco ou nenhurn espacropara a arulliseda influencia do contexto e de elementos extralingiiisticos na interac;ao. Consideramos que 0 leitor/telespectador interage com 0 produtor da mensagem e que 0 sentido do que e lid%uvido e negociado no mvel cognitivo. 0 problema da revisao no paradigma da tooria da comunicacraosera abordado em 3.1. Observamos que, aos poucos, este paradigma comecra a ser modificado, principalmente por influencia dos estudos da arullise do discurso do texto jornalistico e publicitario. Na condi9ao de jornalista que trabalha com edi9ao de textos em redac;aode jornal diarioe que teve contato com os elementos apresentados pela lingiiistica, atraiunos realizar este estudo, por considerar importante, para 0 exercicio da profissao, 0 vislurnbramento do paradigma da comunica9ao revisado para a produ9ao da noticia. Esperamos, com a analise aqui proposta, acrescentar uma visao critica acerca destes pontos que possa vir a contribuir sobretudo para a fofma9aode novos profissionais. E importante deixar clara outra nocraobasica em nosso trabalho: tratamos com dois generos de texto (0 de TV e de jornal) que nao podem ser enquadrados na oposicrao fala/escrita. 0 texto de materias de televisao nao pode ser considerado como lingua falada. Isto porque, com rarissimas exce<;oes,mesmo os textos de transmissoes ao vivo sao escritos previamente pelo rep6rter e lidos com a entoacrao da "fala normal". Os textos das reportagens sao escritos e gravados previamente e sao eles que orientam a edicrao das imagens utilizadas para compor a materia. Neste ponto, discordamos de Blanche Benveniste, que considera a linguagem de TV como lingua falada, ja que para ela 0 que importa e 0 canal, conforme cita Carvalho (1990). Sabemos que os generos textuais devem ser vistos dentro de urn continuo (cf. Chafe,1982 e Marcuschi, 1998), indo do oral ao escrito. Aliado a isso, consideramos 0 conceito de semi-oralidade, que leva em conta a intersecrao entre 0 modo de "concepcrao" e de "realizacrao" para

21 classificar urn texto (cf. Oesterreicher~1996 e Pessoa,1997). Assim, podemos a:firmar que 0 texto de noticias de jornal e de TV tem carater identico de concenao (ambos goo escritos)~ mas diferente de realizayao~ i.e.~ enquanto 0 primeiro e realizado graficamente~ 0 segundo e realizado oralmente~ ou seja, e urn texto oralizad0 2 Com base no objetivo cia pesquisa e nas perguntas enurneracias anteriormente~ levantamos as hip6teses de que os textos noticiosos de televisiio e da imprensa escrita 000 apresentam a mesma organizafiio informacional; e de que as diferenfas entre eles devem-se as especificidades das condifoes de produfiio de cada meio (0 tempo na televisiio e 0 espafo no jornal), que repercutem na selefiio, ordenafiio e aprofundamentodas informafoes. Este trabalho e dividido em duas partes. Na primeira, situamos a pesquisa quanto ao contexto do objeto de estudoe as perspectivas metodol6gica e te6rica adotadas. Na segu. apresentamos~ em quatro capftulos~ os resultados cia analise realizada. A parte I e composta por tres capftulos. No primeiro~ trayamos um panorama dos meios de comunic~ao de massa, mostrando seus segmentos e aprofundando na area que nos interessa: 0 jornalismo. As etapas cia produy30 jornalistica sao mostradas em 1.1.~ hem como definiyoes uteis ao nosso trabalho. Em 1.2., apresentamos 0 perfil dos veiculos de comunic~ao analisados - 0 Jornal Nacional e afolha de S.Paulo. 0 capitulo 2 e dedicado ao detalhamento dos procedimentos metodol6gicos adotados na pesquisa, com a seley30 e descriyao do corpus, em 2.1., e 0 estahelecimento cia perspectiva e metodo de aruilise dos ciados, em 2.2. JIi 0 capitulo 3 refule as teorias sobre a natureza cia noticia que embasam este trabalho. Em 3.1., discutimos 0 carater dial6gico dos meios de comunicayao de massa. Em 3.2.~ apresentamos a definiyao de, noticia e sua organizayao tematica (3.2.1.) e esquematica (3.2.2.). No item seguinte (3.3.), debatemos a classificayao das noticias de jornal impresso e te1evisao dentro do continuo fala/escrita. Em 3.4., discorremos sobre a narrativa no noticimo e enfatizamos o modelo de estrutura da narrativa de Labov & Waletzky. Na parte II~dividicia em quatro capitulos, mostramos os resultados cia analise dos dados. 0 capitulo 4 enfoca a informatividade dos textos noticiosos de te1evisao e jornal 2 Crystal (1995) classifica os textos de TV como de meio misto, os quais slio eseritos para serem lidos em voz aha.

22 impresso. 0 quinto capitulo aborda as semelhanyas e diferenyas nos aspectos estilisticos da reportagem televisiva e de jornal impresso. A comparayao da estrutura formal da noticia em urn e outro veiculo esta mostrada no capitulo 6. No 7, analisamos os resumos da noticia na TV e no jornal, comparando titulos e "cabe~as". No capitulo 8, apresentamos nossas conclus5es e sugerimos outras perspectivas de estudo do tema abordado nesta pesquisa.

23 Parte I - Situando a pesquisa Esta primeira parte do trabalho e dedicada a situar a pesquisa em tres aspectos: contexto e defini~ao do objeto de estudo, procedimentos metodol6gicos adotados e perspectiva te6rica que embasa 0 trabalho. Estes temas estao divididos em tres capftulos. No primeiro, apresentamos urn panorama dos meios de comunic~ao de massa, contextualizando-os e descrevendo os segmentos que os comp5em. Mostramos como se da 0 processo de produ~ao da noticia nestes veiculos e, em seguida, apresentamos 0 perfil do Jornal Nacional edafolha de S.Paulo, cujas notfcias foram objetos de nossa aruilise. No capitulo 2, descrevemos como foram feitas a coleta, a sele~ao e a analise das notfcias que compoem0 corpus, em confronto com as teorias utilizadas. Realizamos, tambem, a descri~ao do material estudado. Ja 0 capitulo 3 reillle as teorlas que serviram de suporte para a analise do corpus, nas areas de Comunica~ao e de Lingiiistica. Discutimos 0 carater dial6gico da comunica~ao de massa, aspectos da organiza~ao e composi~ao da noticia, sua classifica~ao no continuo fala/escrita e sua re~ao com a narrativa.

24 1. Um "mergulho" nos meios de comunicac;io de massa Para entendermos 0 processo de produ~ao da noticia jornalistica - nivelmais profimdo do panorama dos meios de comunic~ de massa (MCM) que apresentamos neste capitulo -, tecemos, inicialmente, algumas considerayoes sobre a importfulcia do texto para os segmentos que compaem a midia A maioria dos MCM comerciais no Brasil tern seu conteudo dividido nos seguintes segmentos: publicitario, de entretenimento e jornalistico. E 0 primeiro segmento 0 responsavel pela manuten~ao das empresas, atraves da venda de anlincios, no jornal impresso, e de espa~os para propagandas e publicidades na televisao e no radi segmento de entretenimento e 0 que toma maior espa~o na TV comercial, sendo representado por programas de auditorio e de variedades, novelas, filmes, seriados etc. 0 mesmo acontece nas emissoras de radio PM, que tocam rnlisica na maior parte de sua progr~ao. Nas radios AM, a propor~ao de entretenimento e programas jornalisticos e geralmente balanceada Na TV, 0 espayo dedicado aos telejomais e hem menor que 0 dos programas de divertimento. Ja nos periodicos impressos Gomais e revistas), 0 segmento jornalistico domina em rela~ao ao de entretenimento, que e representado, especialmente nos jornais dimos, pelas tirinhas de quadrinhos, jogos, horoscopo etc. Os segmentos que compaem os MCM tern em comum 0 fato de ser 0 texto a ferramenta com a qual manipulam sua materia-prima: a inform~ao4. Seja na televisao, no radio ou no jorna~ 0 texto esta presente - falado, escrito ou oralizado - tanto no segmento publicitario quanto no jornalistico e no de entretenimento, informando, persuadindo, convencendo, seduzindo seu receptor. Mesmo na televisao - onde a imagem aparenta ter predominancia sobre 0 que e dito, haja vista 0 bordao "uma imagem vale mais que mil palavras" - eo texto que conduz 0 "olhar" do telespectador, 3 Reah (1998) ressalta que, no Ocidente, os jomais existem dentro de urn sistema de livre mercado. Se eles nlio slio comercialmente bem-sucedidos, vlio a falen.cia.a autora lembra que os anunciosslio a fonte vital de renda de todo jomal E, por extensllo, de todo meio de comunica~o de massa. 4 Tomamos 0 termo informa~o, aqui, no sentido de algo sobre 0 qual se toma conhecimento. Nesta acep~ ampla, podemos considerar que nlio s6 0 segmento jornalistico e informativo, mas tambem 0 publicitario (no qual as informa~ servem para divulgar e vender produtos) e 0 de entretenimento (com informa~ usadas para divertir). Carvalho (1996:9) afirma que a linguagem publicitaria e voltada para informar e manipular, podendo see dito 0 mesmo da linguagem jomalistica, dos discursos politico, juridico e ate amoroso. "Em todos esses casos, ha uma base informativa que, manipulada, serve aos objetivos do emissor". (grifo nosso)

25 ressaltando os pontos que devem ser observados nas imagens, tanto em propagandas quanta nas noticias. No jornalismo, mais especificamente em relayao it. noticia (entendida como 0 relato de urn fato - cf 3.2.), verificamos que e 0 texto que narra os fatos e descreve as situayoes, com base nas observay5es e na apurayao de informayoes pelo reporter, funcionado como matriz para a ediyao tanto no jornal impresso (colocayao de titulo, fotos, ilustrayoes e grcificos) quanta na televisao, "orientando" a seleyao das imagens que compora 0 que vemos nos telejornais. Entretanto, e complexo 0 caminho que percorre uma informayao ate ser transformada em noticia veiculada nos MCM. Descrevemos, no pr6ximo item, como se da este processo de produyao. o que vemos nos jornais (impressos ou transmitidos por radio e te1evisao) e resultado da seleyao dos fatos mais importantes ocorridos no dia, sob a perspectiva ideol6gica destes meios de comunicayao de massa (cfre~1998). Mas e interessante notar que existe urn aparente consenso entre os MCM em relayao it. escolha dos fatos a serem noticiados, pois e comum vermos os mesmos assuntos abordados nos diferentes veiculos de comunicacrao.a que isto se deve? Em primeiro lugar, e importante salientar que boa parte das noticias sao provenientes de fontes oficiais, sobretudo do governo, que, interessadas em garantir seu statu quo mediante a divulgayao de suas ayoes, tratam de fazer chegar a mesma informayao aos vlirios veiculos, atraves de suas assessorias de comunicacrao.a sociedade civil organizada lanya mao do mesmo artificio para ter suas ayoes divulgadas para 0 maior nfunero de pessoas possivel. Para ficarem atualjzados com a ocorrencia de acidentes e crimes, e praxe os veiculos realizarem "rondas" peri6dicas durante todo 0 dia nas delegacias e 6rgaos de policia. Ja acontecimentos que mudam a rotina da cidade, como inundayoes, incendios, eventos festivos, onda de calor etc sao facilmente perceptiveis para quem e responsavel por ficar "de olho" no cotidiano. Alem disso, os veiculos mantem rep6rteres setoristas - 'jornalista que cobre especificamente urn local gerador de acontecimentos jornalisticos (sedes de governo, legislativos, delegacias centrais etc.)" (Folha de S.Paulo, 1992:43). Mora isso tudo, 000 falta quem ligue ou va as redayoes, passando informayoes sobre 0 que viu ou ouviu. E pertinente ressaltar que vmos veiculos nao-concorrentes Gornal e TV, TV e radio, jornal e radio) ou pertencentes ao mesmo grupo de

26 comunica~o mantem acordos de troca de info~es. Por Ultimo,destacamos 0 papel das agencias de notfcias nacionais e internacionais, empresas jornalisticas que vendem pacotes de materias a jornais, radios e emissoras de TV, com exclusividade ou nao. 0 servi90 destas agencias em geral e comprado por pelo menos urn grande jornal de cada estado do pais. Por esta razao, e comum encontrarmos textos identicos ou pouco modificados em jornais diferentes. Estes textos sao provenientes de agencias de noticias. Da rec~ao de informa90es a veicula9ao das noticias, percorrem-se v8rias etapas, com a agilidade inerente a cada veiculo. No quesito imediatismo, 0 radio ocupa a lideran~ entre os meios de comunic~, visto seus meios de o~ao permitirem a transmissao direta da noticia do local onde 0 fato esm ocorrendo, em canal aberto 24 horas. Esta caracteristica configura 0 radiojornalismo tambem como uma fonte de informa9ao das reda~es de jornais e televisao, onde DaOraro existe a fun9ao de radioescuta - jornalista que fica permanentemente ouvindo emissoras de radio para transmitir fatos novos a equipe de reportagem. 0 segundo lugar no criterio "imediatismo" fica com a televisao, que tem honirios pre-determinados para a entrada no ar de seus telejornais ao vivo, salvo as chamadas edi90es extraordinarias, que s6 acontecem quando os responsaveis avaliam a noticia como extremamente relevante a ponto de interromper a pro~o habitual. Tambem M restri90es operacionais, visto que os canais de satelite utilizados pelas emissoras de televisao convencionais nao sao abertos 24 horas para transmissoes ao vivo, que requerem ainda equipamentos e esfor90s diferentes da camera e dos aparelhos de ilumina9ao e audio utilizados na prep~o de reportagens gravadas. Mesmo assim, os telejomais veiculam as noticias sobre acontecimentos geralmente ocorridos no mesmo dia e, algumas vezes, tambem sao fonte de info~ao para 0 jornal impresso, que tambem mantem a TV ligada 0 dia inteiro e acompanha as ediyoes dos telejornais. Desta forma, 0 jornal impresso diario, que chega as mas pela manha, traz os fatos ocorridos no dia anterior, geralmente ja divulgados pelas emissoras de radio e TV urn dia antes. As peculiaridades de cada urn dos veiculos dao 0 tom da diferenya na linguagem e no tratamento da noticia. Enquanto no radio e na TV, 0 tempo e restringente, no jomal impresso, a limitayao e imposta pelo espayo. No radio, e necessaria uma descri9ao mais detalhada dos acontecimentos, visto DaOhaver 0 apoio de imagens em movimento ou

27 estaticas, preponderantes na TV e de grande relevancia para 0 jornal 5. 0 tempo limitado na televisao restringe 0 tamanho eo detalhamento dos textos, mas obriga a uma aten~ao redobrada para que ele nao seja redundante ou contradit6rio em rela~ao Ii imagem. Ja no jornal impresso, 0 detalhamento de info~oes e aparentemente maior, visando a acrescentar ao leitor info~oes novas sobre assuntos aos quais ele provavelmente ja teve acesso no dia anterior, atraves da midia eletronica A influencia de tempo e esp~o como fatores restringentes na TV e no jornal sera discutida na parte II deste trabalho. E importante detalhar que, apesar das diferen~as de veiculo a veiculo, a produ~ao e edi~ao de noticias obedecem a uma sequencia basica, hoje comum a todos: 1- a info~ao chega ao veiculo de comunic~ao - atraves de telefonemas, , contato pessoal, fax, revistas, jornais, Internet, documentos -, provenientes de cidadaos, de fontes oficiais do govemo, das fontes habituais do jornal (policia, sindicatos, especialistas, empresas), das assessorias de comunica~ao, das agencias de noticias, dos proprios rep6rteres setoristas, de outros veiculos de comunica~ 2- os responsaveis pela pauta (lista de assuntos a serem checados pela reportagem que poderao ou nao se transformar em materia) avaliam se a info~ao merece ser apurada pelo veiculo de comunic~ao e repassam-na ao rep6rter 6 ; 3- para realizar a apur~ao, 0 rep6rter procura as fontes de info~o (pessoas, bancos de dados, documentos) e/ou vai ao local onde esta acontecendo 0 fato. Geralmente as informa~oes goo apuradas atraves de entrevistas e da observa~ao dos fatos. E importante frisar que a produ~ao de materias num veiculo de. comunica~ao e bastante superior ao que chega de fato a ser publicado - em alguns casos produz-se quase 0 dobro de Inaterias que 0 jornallradioltv podem publicar/veicular; 4- uma vez concluida a apur~ao, 0 rep6rter escreve urn texto relatando 0 assunto (uma reportagem); 5- fmalmente, este texto passa por um processo de edi~o, podendo ser descartado ou veiculado/publicado. No radio, a edi~ao de uma reportagem inclui a sele~ao do texto lido pelo rep6rter (podendo-se suprimir trechos) e a inser~ de entrevistas gravadas, alem de sons, ruidos ou musicas.no jornal, a edi~ao pressupoea escolha e 5 As imagens sao relevantes nos jornais impressos por toma-los visualmente mais agracjaveis, porem Ilio sao indispensaveis, haja vista a existencia de grandes diarios, como a Gazeta Mercantil, que Ilio utilizam fotografias. Neste jornal, entretanto, tabelas e graficos sao recursos visuais mais adotados. 6 A palavra pauta tambem designa 0 roteiro que orienta a produ~ de textos jomalisticos e material iconogcifico entregue ao reporter que ira apurar 0 assunto, conforme Folha de S.Paulo (992).

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing.

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing. Comunicação social Comunicação social A Comunicação Social é um campo de conhecimento académico que estuda a comunicação humana e as questões que envolvem a interação entre os sujeitos em sociedade. Os

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

Faces do Telejornalismo: O Processo de Construção de Telejornalismo na Cidade de Uberlândia 1

Faces do Telejornalismo: O Processo de Construção de Telejornalismo na Cidade de Uberlândia 1 Faces do Telejornalismo: O Processo de Construção de Telejornalismo na Cidade de Uberlândia 1 Lucas Felipe JERÔNIMO 2 Mirna TONUS 3 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO O texto tem

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos referentes

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO Código Unidade 042 Cód. Curso Curso 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL Habilitação Etapa Sem/Ano JORNALISMO 6ª 1º / 2009 Cód. Disc. Disciplina Créditos CH Sem Teoria Prática 121.3604.2 TELEJORNALISMO I 04 X X Docentes

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS CURSO DE JORNALISMO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS 1 1 ÁREAS TEMÁTICAS Respeitada a disponibilidade de carga horária dos professores orientadores e a escolha dos alunos,

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing Out/13 TROFÉU MUNDIAL DE NADO SINCRONIZADO 2013 De 29 de Novembro a 1 de Dezembro A partir de Novembro, os telespectadores

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião.

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma forma oral? Uma forma sonora? ou Uma forma visual/escrita?? Off-line: Revistas; Panfletos;

Leia mais

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Valor total do Projeto: R$ 2.283.138,52 Apresentação: O jornal A Gazeta foi comprado por Cásper Líbero em 1918. Produziu

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

Telejornal Sala 221 1

Telejornal Sala 221 1 Telejornal Sala 221 1 Thayane dos Santos MOREIRA 2 Gabriela Barbosa NEVES 3 Kamila Katrine Nascimento de FREITAS 4 Marcelo LIMA 5 Maryjane da Costa PEREIRA 6 Cogenes Felipe Silva de LIRA 7 Zulmira NÓBREGA

Leia mais

:: C A N A L B A N D N E W S ::

:: C A N A L B A N D N E W S :: :: TABELA DE PREÇOS :: JANEIRO JANEIRO 2013 2011 :: C A N A L B A N D N E W S :: SKY, NET, Claro TV, Oi Tv e independentes, alcança mais de 10.800.000 assinantes. SEXO 4 IDADE CLASSE SOCIAL DIA INÍCIO

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 17/06/2015 17:31. Centro de Ciências Humanas e da Comunicação

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 17/06/2015 17:31. Centro de Ciências Humanas e da Comunicação 7/6/5 7: Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Curso: 85 Jornalismo (Matutino) Currículo: / COM..- Teorias da Comunicação I Ementa: Conceituação e objetivo da Comunicação Social. História da comunicação.

Leia mais

Plano Editorial Julho 2006

Plano Editorial Julho 2006 Plano Editorial Julho 2006 Missão Uma agência que noticia processos ocorridos no espaço público político (governo, Estado e cidadania), com foco nos interesses do cidadão brasileiro. Público-Alvo Cidadãos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo REGIMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM JORNALISMO Capítulo I Da concepção de estágio O Estágio visa oportunizar

Leia mais

Programa Anexo 1. Resumo

Programa Anexo 1. Resumo Programa Anexo 1 Bruno LIMA 2 Carolina RIBEIRO 3 Lara MARQUES 4 Elga MÓL 5 Elisa FRANÇA 6 Ana AMORIM 7 Michelle BASTOS 8 Soraya VIEIRA 9 Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, MG Resumo Este trabalho

Leia mais

Jornal na sala de aula

Jornal na sala de aula Professora Orientadora: Silvânia Maria da Silva Amorim Cruz Titulação: Pós-graduada em Língua Portuguesa Instituição: Escola Estadual Cônego Olímpio Torres Tuparetama/PE E-mail: silvania26@bol.com.br Jornal

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 79, de 2004 (nº 708, de 2003, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei da Câmara

Leia mais

Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1. Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE

Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1. Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE Papiro: jornal-laboratório da Faculdade 7 de Setembro 1 Sammia SANTOS 2 Alessandra MARQUES 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE RESUMO O presente trabalho apresenta a experiência de produção laboratorial

Leia mais

AGÊNCIA DE NOTÍCIAS IMPRENSA JOVEM Encontro III. Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014

AGÊNCIA DE NOTÍCIAS IMPRENSA JOVEM Encontro III. Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014 AGÊNCIA DE NOTÍCIAS IMPRENSA JOVEM Encontro III Programa Nas Ondas do Rádio Secretaria Municipal de Educação SP 2014 Cronograma Cobertura jornalística e Webwriting Fotojornalismo Radiojornalismo Telejornalismo

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA E TCC:

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA E TCC: FACULDADE 7 DE SETEMBRO - FA7 GRADUAÇÃO EM JORNALISMO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA E TCC: Comissão Organizadora Ana Paula Rabelo e Silva, Ms. Dilson

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO

GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO 1 GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO ESTRUTURA CURRICULAR O curso de Comunicação Social - habilitação Jornalismo será ofertado, preferencialmente, no turno matutino, terá a duração

Leia mais

HÁBITOS DE INFORMAÇÃO E FORMAÇÃO DE OPINIÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA II. Relatório de Pesquisa Quantitativa

HÁBITOS DE INFORMAÇÃO E FORMAÇÃO DE OPINIÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA II. Relatório de Pesquisa Quantitativa HÁBITOS DE INFORMAÇÃO E FORMAÇÃO DE OPINIÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA II Relatório de Pesquisa Quantitativa Dezembro de 2010 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. METODOLOGIA... 4 2. TELEVISÃO... 11 3. RÁDIO... 31

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Manual com normas para solicitação de produção e publicação de material informativo jornalístico no site, lista de

Leia mais

NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE

NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE 1º Período TEORIA DA COMUNICAÇÃO I Conceitos de comunicação e de comunicação social. Contexto histórico do surgimento da

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

Produzir para Rádio. Descrição das atividades do Processo Produzir para Rádio

Produzir para Rádio. Descrição das atividades do Processo Produzir para Rádio Produzir para Rádio Descrição das atividades do Processo Produzir para Rádio 2 de 12 CJF Conselho de Conteúdo 1. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 3 2. DESCRITIVO DO PROCESSO... 5 2.1 ENTRADAS/INSUMOS... 5 2.2 SAÍDAS

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 60/00-CEPE RESOLVE:

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 60/00-CEPE RESOLVE: RESOLUÇÃO Nº /00-CEPE 1 Fixa o Currículo Pleno do Curso de Comunicação Social, Habilitações em Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade e Propaganda, do Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes. O,

Leia mais

O que é: A Oficina de Comunição é um treinamento à distância realizado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba.

O que é: A Oficina de Comunição é um treinamento à distância realizado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba. O que é: A Oficina de Comunição é um treinamento à distância realizado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba. Objetivos: Capacitar os pontos focais de cada Comitê Afluente que trabalhem diretamente

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

Prof. Ms. Anchieta Silveira

Prof. Ms. Anchieta Silveira Prof. Ms. Anchieta Silveira Aula 2 Comunicação com a sociedade O Judiciário e os MCM Assessorias e monografias Resumo da aula 1 Comunicação como processo Cultura organizacional Redes, fluxos, tipos de

Leia mais

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Autores: Maria Zaclis Veiga e Élson Faxina Docentes do Centro Universitário Positivo UnicenP Resumo: A Rede Teia de Jornalismo

Leia mais

Gente do bem: proposta de atividades comunicativas em rádio e para abordar ações. sociais em Uberlândia. MG. 1

Gente do bem: proposta de atividades comunicativas em rádio e para abordar ações. sociais em Uberlândia. MG. 1 Gente do bem: proposta de atividades comunicativas em rádio e para abordar ações RESUMO sociais em Uberlândia. MG. 1 Kênia Leal PIMENTA 2 Letícia Daniela Gonçalves MEDEIROS 3 Monique França ROCHA 4 Adriana

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

TEXTO LIVRE. Votacão do Marco Civil da Internet: cobertura monossilábica do telejornalismo e profusão de teorias nas redes sociais digitais

TEXTO LIVRE. Votacão do Marco Civil da Internet: cobertura monossilábica do telejornalismo e profusão de teorias nas redes sociais digitais TEXTO LIVRE Votacão do Marco Civil da Internet: cobertura monossilábica do telejornalismo e profusão de teorias nas redes sociais digitais Daniele Cristine Rodrigues 1 Assistir à televisão e, ao mesmo

Leia mais

V Prêmio AMRIGS de Jornalismo

V Prêmio AMRIGS de Jornalismo 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1 Conceitos V Prêmio AMRIGS de Jornalismo REGULAMENTO O Prêmio AMRIGS de Jornalismo, quinta edição, é uma iniciativa da Associação Médica do Rio Grande do Sul, com o apoio do

Leia mais

UMC Repórter: Prestação de Serviços Em Prol do Bairro Ponte Grande 1

UMC Repórter: Prestação de Serviços Em Prol do Bairro Ponte Grande 1 UMC Repórter: Prestação de Serviços Em Prol do Bairro Ponte Grande 1 Rogério NASCIMENTO 2 Caio ROCHA 3 Josuel SILVA 4 Júlia FIGUEIREDO 5 Marina ALENCAR 6 Hércules MOREIRA 7 Universidade de Mogi das Cruzes,

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Comunicação

Universidade. Estácio de Sá. Comunicação Universidade Estácio de Sá Comunicação A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como Faculdades

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM língua estrangeira moderna Comparativos Curriculares SM inglês ensino médio A coleção Alive High Língua Estrangeira Moderna Inglês e o currículo do Estado de Goiás

Leia mais

Coordenador do Curso: Prof. Heitor Costa Lima da Rocha

Coordenador do Curso: Prof. Heitor Costa Lima da Rocha UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO CAC CURSO DE JORNALISMO Coordenador do Curso: Prof. Heitor Costa Lima da Rocha IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação do Curso: Jornalismo.

Leia mais

REGULAMENTO PRÊMIO GANDHI DE COMUNICAÇÃO 2015 ATENÇÃO: INSCRIÇÕES PRORROGADAS!!!! Até 18 de setembro de 2015.

REGULAMENTO PRÊMIO GANDHI DE COMUNICAÇÃO 2015 ATENÇÃO: INSCRIÇÕES PRORROGADAS!!!! Até 18 de setembro de 2015. REGULAMENTO PRÊMIO GANDHI DE COMUNICAÇÃO 2015 ATENÇÃO: INSCRIÇÕES PRORROGADAS!!!! Até 18 de setembro de 2015. Justificativa O Prêmio Gandhi de Comunicação é uma iniciativa da Agência da Boa Notícia, Organização

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA AUTOR / AUTOR: Ruy Alkmim Rocha Filho INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

CANAIS 14 UHF 22 da NET

CANAIS 14 UHF 22 da NET www.facebook.com/tvredepaulista www.twitter.com/tvredepaulista www.youtube.com/tvredepaulista www.projectocom.com.br tvredepaulista Fundação Cultural Anhanguera R. Dr. Leonardo Cavalcanti, 56 Centro Jundiaí/SP

Leia mais

ALUNOS LEITORES E REDATORES: O JORNAL MURAL EM SALA DE AULA PIBID/LETRAS 1

ALUNOS LEITORES E REDATORES: O JORNAL MURAL EM SALA DE AULA PIBID/LETRAS 1 ALUNOS LEITORES E REDATORES: O JORNAL MURAL EM SALA DE AULA PIBID/LETRAS 1 COSTA, Juliana Melo da; GONÇALVES, Luana Iensen 2 ; RANGEL, Eliane de Fátima Manenti 3 1 Trabalho financiado pela CAPES via o

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 Cruz das Almas BA 2013 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-001-R00 PUBLICIDADE E COMUNICAÇÃO DIGITAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-001-R00 PUBLICIDADE E COMUNICAÇÃO DIGITAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-001-R00 PUBLICIDADE E COMUNICAÇÃO DIGITAL 09/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 30 de setembro de 2015. Aprovado, Gabriela de Souza Leal 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE

Leia mais

JORNAL DO COMMERCIO 2014. Almanaque Publicitário JC FINANÇAS

JORNAL DO COMMERCIO 2014. Almanaque Publicitário JC FINANÇAS FINANÇAS APRESENTAÇÃO O Jornal do Commercio faz parte do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação, empresa do grupo JCPM, que atua também nos setores de shoppings centers e empreendimentos imobiliários.

Leia mais

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 Francisco José da Silva ROCHA Filho 2 Nathalia Aparecida Aires da SILVA 3 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PRC/001/2013

TERMO DE REFERÊNCIA PRC/001/2013 TERMO DE REFERÊNCIA PRC/001/2013 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE CLIPAGEM DIGITAL DA MÍDIA IMPRESSA, TELEVISIVO, RADIOFÔNICO E ON-LINE, DE MATÉRIAS VEICULADAS NA INTERNET, EMISSORAS DE TELEVISÃO E RÁDIO, JORNAIS

Leia mais

Analisado por: Aprovado por: Equipe do Gabinete do Corregedor-Geral da Justiça (CGJ)

Analisado por: Aprovado por: Equipe do Gabinete do Corregedor-Geral da Justiça (CGJ) Proposto por: Analisado por: Aprovado por: Equipe do Gabinete do Corregedor-Geral da Justiça (CGJ) Chefe do Gabinete do Corregedor-Geral da Justiça (CGJ) Corregedor- Geral da Justiça 1 OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores Ingresso Janeiro 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO: Como

Leia mais

Volta de Ciclismo de São Paulo. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Basquete de rua. Evento terá cobertura completa da Globo

Volta de Ciclismo de São Paulo. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Basquete de rua. Evento terá cobertura completa da Globo Basquete de rua BOLETIM DE INFORMAÇÃO PARA PUBLICITÁRIOS Abril de 2008 n. 553 Grandes oportunidades para o marketing social Jardim Botânico do Rio de Janeiro Projeto integrado da Rede Globo comemora os

Leia mais

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A/484566 Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A cobertura de eleições presidenciais na imprensa e na televisão (1976-2001) Edições Colibri Instituto Politécnico de Lisboa ÍNDICE Introdução 23

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Script: a organização da produção audiovisual no telejornalismo

Script: a organização da produção audiovisual no telejornalismo Script: a organização da produção audiovisual no telejornalismo Karen Cristina Kraemer Abreu * UNISINOS- UNISUL Índice 1. O script e a organização do telejornal 2 1.1. Modelos de scripts para telejornalismo.............

Leia mais

Hub de Mídia. Programação Música. Infortenimento Serviço. Política Promoções. Promoções Especiais

Hub de Mídia. Programação Música. Infortenimento Serviço. Política Promoções. Promoções Especiais Projeto Especial Além do Carnaval A cidade de Salvador reúne um dos mais importantes acervos vivos da expressão cultural afro-brasileira: os blocos afros e tradicionais. Indo além do desfile durante o

Leia mais

Jornal Interlocução 1. Marcella Duarte de FREITAS 2 Tássia Oliveira PEREIRA 3

Jornal Interlocução 1. Marcella Duarte de FREITAS 2 Tássia Oliveira PEREIRA 3 Jornal Interlocução 1 Marcella Duarte de FREITAS 2 Tássia Oliveira PEREIRA 3 Monik Helen Gomes de SOUSA 4 Daniela Pires de Camargos FERREIRA 5 Vinícius Pereira PAULINO 6 Liana Vidigal ROCHA 7 Universidade

Leia mais

REVISTA PONTO E VÍRGULA: CULTURA E COTIDIANO DE MODO DIFERENCIADO NA WEB RADIO UNESP VIRTUAL

REVISTA PONTO E VÍRGULA: CULTURA E COTIDIANO DE MODO DIFERENCIADO NA WEB RADIO UNESP VIRTUAL REVISTA PONTO E VÍRGULA: CULTURA E COTIDIANO DE MODO DIFERENCIADO NA WEB RADIO UNESP VIRTUAL Andréa Cristiane Carneiro 1 Davi Rocha de Lima 2 Julia Formis Giglio 3 RESUMO A Revista Ponto e Vírgula é uma

Leia mais

PRÊMIO DE JORNALISMO FAEPA/SENAR-PB 2015 REGULAMENTO. Encerramento das inscrições. Cerimônia de premiação dos vencedores

PRÊMIO DE JORNALISMO FAEPA/SENAR-PB 2015 REGULAMENTO. Encerramento das inscrições. Cerimônia de premiação dos vencedores PRÊMIO DE JORNALISMO FAEPA/SENAR-PB 2015 REGULAMENTO Calendário ATIVIDADES DATA Lançamento no site Encerramento das inscrições Anúncio oficial dos finalistas Cerimônia de premiação dos vencedores 03 de

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

1. Apresentação. 2. Tema. 3. Objetivos. 4. Categorias. 5. Requisitos de participação e habilitação

1. Apresentação. 2. Tema. 3. Objetivos. 4. Categorias. 5. Requisitos de participação e habilitação 1. Apresentação Por reconhecer a função social da mídia e sua importante ação como formadora de opinião e difusora de informações, o Ministério Público do Estado de Acre (MPAC), realiza, em 2014, a 5ª

Leia mais

Clipping: medindo a presença da Embrapa Soja na mídia em 2008

Clipping: medindo a presença da Embrapa Soja na mídia em 2008 Clipping: medindo a presença da Embrapa Soja na mídia em 2008 CRUSIOL, P.H.T. 1 ; DINIZ, L.B.S. 1 ; NASCIMENTO, L.L. 2 1 Universidade Estadual de Londrina UEL, pedroc@ cnpso.embrapa.br, lilian@cnpso.embrapa.br;

Leia mais

Entrevista sobre o Programa Kulto

Entrevista sobre o Programa Kulto Entrevista sobre o Programa Kulto Ficha de Identificação Nome: Rute Gil Empresa: Estado do Sítio Cargo/Função: Produtora e Guionista Programa: Kulto Questões 1. Qualidade - Na sua opinião, o que pode ser

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2012_2 ÁREA DE ATUAÇÃO: AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO

PROCESSO SELETIVO/2012_2 ÁREA DE ATUAÇÃO: AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO PROCESSO SELETIVO/2012_2 ÁREA DE ATUAÇÃO: AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO O curso de Comunicação Social seleciona estudantes das habilitações Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Rádio e TV para

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HORÁRIO DE AVALIAÇÃO ALTERNATIVA/ SEMESTRAL 1º SEMESTRE 2015

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HORÁRIO DE AVALIAÇÃO ALTERNATIVA/ SEMESTRAL 1º SEMESTRE 2015 Curso: JORNALISMO Período: 1º Período: Matutino Turma: M Horário de Aula Disciplina: Planejamento e Design Grafico Professor (a): Viviane Fushimi Horário de Aula Disciplina: História da Comunicação Professor

Leia mais

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

CURSO de COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO - Gabarito

CURSO de COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2010 e 1 o semestre letivo de 2011 CURSO de COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO - Gabarito? Verifique se este caderno contém: INSTRUÇÕES AO

Leia mais

Prêmio Gabriel García Márquez de Jornalismo Medellín comemora as melhores histórias da Ibero- América

Prêmio Gabriel García Márquez de Jornalismo Medellín comemora as melhores histórias da Ibero- América Prêmio Gabriel García Márquez de Jornalismo Medellín comemora as melhores histórias da Ibero- América Regras da terça edição de 2015 Por favor, leia com atenção as regras antes de iniciar o processo de

Leia mais