Transmissão Digital e Analógica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transmissão Digital e Analógica"

Transcrição

1 Transmissão Digital e Analógica Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores I Introdução... 2 Transmissão Digital... 2 Codificação de Linha... 2 Codificação de Blocos... 4 Transmissão Digital de dados analógicos... 5 Transmissão Analógica... 6 Transmissão Analógica de dados Digitais... 6 Modems... 9 Transmissão Analógica de Dados Analógicos... 9 Multiplexação As notas de aulas são referências para estudo. Portanto não devem ser adotadas como material didático absoluto! Versão /08/2008

2 Introdução Nesta unidade serão apresentadas técnicas de transmissão e multiplexação, além de padrões de meios físicos, finalizando a camada física. Transmissão de dados é comumente classificada em dois modos: Analógico e Digital. Formas de transmissão paralela e serial não serão tratadas nesta ocasião. Transmissão Digital A transmissão digital de dados representa um valor "instantâneo" de uma situação e não representa um movimento contínuo comum de sinais analógicos. Codificação de Linha É a forma como o sinal elétrico irá representar a informação digital diretamente no par de fios como diferenças discretas de voltagem (com um valor fixo para cada símbolo digital utilizado). Tal informação digital é assim classificada como em banda básica e exemplos de códigos de linha são o NRZ, AMI, Manchester, RZ, HDB-3, entre outros. Abaixo segue uma simples representação. Codificação de linha Um conceito interessante é o não relacionamento entre os níveis de sinal e dados. A codificação de linha não associa de forma única estes dois conceitos, conforme a figura abaixo. a. Dois níveis de sinal,dois níveis de dados tempo b.três níveis de sinal,três níveis de dados tempo 2

3 Um problema comum da codificação de linha é a seqüência de bits iguais consecutivos ( ). Imagine uma transmissão síncrona com o transmissor e receptor utilizando relógios distintos. Onde relógio do receptor está 0,1% mais rápido que o relógio do transmissor. Quantos bits extras por segundo o receptor irá receber se a comunicação acontece numa taxa de 1kbps? E a 1Mbps? A 1 Kbps: 1000 bits enviados 1001 bits recebidos 1 bit extra A 1 Mbps: 1,000,000bits enviados 1,001,000bits recebidos 1000bits extra ] Uma das soluções para este problema é a auto-sincronização, que consiste em ajustar os bits recebidos de acordo com o slot de tempo do receptor, reduzindo erros de não sincronização de relógio. Calculando a velocidade (bps) da transmissão Um sinal possui dois níveis de codificação de dados, com 1ms de duração de pulso. Vamos determinar de bits por segundo: F = (1 / T) = 1/ (1x10-3 ) = 1000Hz N Bits por segundo = f * log 2 L = 1000 * log 2 2 = 1000bps Agora execute os mesmos cálculos com quatro e oito níveis de codificação. Observe a velocidade de transmissão. Como visto anteriormente, é necessário representar a informação digital com um padrão no meio físico comum ao transmissor e receptor, daí a importância da codificação de linha. Existem várias técnicas de codificação de linha que podem ser classificadas em: Unipolar - A codificação unipolar utiliza somente um nível de tensão. È uma representação simples, que pode-se colocar o 0v para o bit 0 um Vcc qualque para o Bit 1. Gera alguns problemas devido a componente DC para uma seqüência de 1s ou 0s, além de preocupação adicional com a sincronização da linha. Polar - A codificação polar utiliza dois níveis de tensão (positivo e negativo). Existem várias técnicas (NRZ, RZ, Manchester e Manchester Diferencial). A representação indicada na figura xxx mostra uma representação polar utilizando a técnica Mancheter (utilizado no standard IEEE Norma que define a rede Ethernet e o modo de acesso CSMA/CD). A codificação Manchester Tipo de código de linha no qual o bit 0 é representado como uma transição positiva (subida) no meio do intervalo de sinalização do bit. Com o bit 1 ocorre o contrário, transição negativa (descida). Assim, comparado com o NRZ, facilita a recuperação da informação digital pois o sinal Manchester apresenta transições a cada ciclo do clock de referência. Um bom esquema de codificação do sinal digital incorpora um relógio de sincronismo para o receptor. Manchester Diferencial tempo Presença de transição, início de bit com tempo zero. 3

4 Bipolar Utiliza três níveis de tensão: positivo, negativo e zero. Não será tratado na disciplina. Os códigos mais comuns são o AMI e o BnZs. O AMI não resolve a questão da sincronização de zeros. Para tal, utilizando codificação bipolar, utilize o BnZs. Outros códigos: o o 2B1Q - (2 binário 1 quartenário) - sistema de codificação de linha usado em ISDN no qual cada 2 bits é representado por um nível de tensão, com 4 níveis para representar o total de símbolos. Não usa nível 0 volt. Utilizado no sistema digital RDSI (Rede Digital de Serviços Integrados. MLT-3, MuLTilevel-3, é um esquema de codificação que reduz a freqüência do sinal transmitido. A amplitude do sinal varia entre três níveis de tensão, conseguindo-se desta forma que a potência máxima do sinal transmitido seja deslocada para valores de freqüência abaixo de 20 MHz. Num par entrançado o nível do sinal é alto e a interferência eletromagnética é baixa quando se trabalha a baixas freqüências. Em sala, vimos a teoria do 2B1Q e criamos um código próprio, o 3B1Q! Pratiquem! Codificação de Blocos A codificação de blocos viabiliza um melhor desempenho na codificação e reduz a possibilidade de erros na transmissão. A técnica é bem simples. Dado uma seqüência de bits, estes são selecionados (divididos) a cada seqüência de m bits. Depois cada pedaço de m bits é substituída por outra seqüência de n bits onde n m. Para ilustrar, observe a seqüência de dados abaixo que utilizará a codificação em blocos 4B/5B (2 bytes) divisão (m=4) substituição (n=5) codificação de linha Esta técnica simples garante redução de seqüências longas de 1s e 0s (ex: torna utilizando 4B/5B) evitando problemas citados anteriormente. Reduz também o problema de detecção de erros, visto que o receptor pode detectar um erro de transmissão. A seguir a tabela completa do código 4B/5B. Dados Código Dados Código Dados Código Q (Quiet) I (Idle) H (Halt) J (start delimiter) K (start delimiter) T (end delimiter) S (Set) R (Reset) Tabela 1 - Tabela do código 4B/5B Apesar de trabalharmos com o 4B/5B existem diversos outros códigos como o 8B/10B ou 8B/6T. 4

5 Transmissão Digital de dados analógicos Nem sempre a transmissão digital recebe sinais digitais como entrada. Um bom exemplo é a codificação de áudio para uma transmissão digital, onde as técnicas utilizadas até aqui não se aplicam. A escolha para a digitalização dos sinais é fruto da natural distorção numa transmissão a longa distância de um sinal analógico que necessitará de algumas ampliações, e subseqüentes distorções intrínsecas a este processo. Como os sinais digitais estão menos propensos a ruídos e distorções (pense porque!) existindo assim uma necessidade desta conversão analógico-digital. Mas como transformar um sinal analógico em um sinal digital? O processo de conversão denominado PCM (modulação por código de pulso), que consiste em amostrar o sinal analógico e medi-lo (quantificá-lo). O processo de forma detalhada utiliza o PAM (modulação por amplitude de pulso) de forma a coletar amostras em intervalos de tempo iguais e depois quantifica-los, atribuindo valores inteiros a cada amostra obtida. Nota-se que esta quantificação gera números inteiros (ou reais) que devem ser transformados em números binários de forma a ser utilizada na transmissão digital. Todo este processo pode ser visto no diagrama abaixo. Dados binários Quantização Dados analógico Codificação de linha Quantização de dados PAM Sinal digital Codificação binária Amostragem de dados analógicos Observe que algumas amostras possuem valores intermediários entre os níveis de quantização. Esse é um erro inserido pelo processo de quantização, denominado de Erro de Quantização. Quanto maior for o número de níveis de quantização, menor será esse erro. Este erro pode ser reduzido, mas não eliminado. Para que o erro de quantização seja nulo, são necessários infinitos níveis de quantização (seria necessário um sinal analógico). Mas aí cabe uma boa pergunta: Em que freqüência os dados devem ser amostrados de forma que o sinal possa ser reconstituído? (lembre dos desenhos feitos em sala!) O teorema de Nyquist provou que utilizando PAM a taxa de amostragem deve ser pelo menos duas vezes a maior que a freqüência do sinal original. Qual é a taxa de amostragem de sinal cuja largura de banda vale 13kHz (1kHz a 14kHz)? A taxa de amostragem deve ser, no mínimo, duas vezes a mais alta freqüência no sinal. Logo: Taxa de amostragem = 2 (14.000) = amostras/segundo 5

6 Transmissão Analógica Não é sempre recomendado trabalhar apenas com a transmissão digital, pois a largura de banda para transmissão de um sinal digital é relativamente alta (veja domínios de freqüência e reflita sobre a causa), e em alguns casos a criação de filtros torna-se muito custosa. Logo uma saída é transformar os dados digitais em analógicos visando sua transmissão. Dentro deste contexto existem duas possibilidades: técnicas para transmissão de dados digitais e técnicas para transmissão de dados analógicos. Em ambos os casos são utilizadas técnicas de modulação. Modulação é o processo na qual a informação é adicionada a ondas eletromagnéticas. É assim que qualquer tipo de informação (digital ou analógica), até a voz humana ou transação de dados numa aplicação interativa é transmitida numa onda eletromagnética. O transmissor adiciona a informação numa onda básica de tal forma que poderá ser recuperada na outra parte através de um processo reverso chamado demodulação. Transmissão Analógica de dados Digitais A modulação digital é o processo que possibilita alteração de característica(s) de um sinal analógico de acordo com a informação digital a ser transmitida. De forma geral, tais características são: amplitude, fase e freqüência. A seguir serão apresentadas as técnicas ASK (amplitude), FSK (freqüência) e PSK (fase) que são utilizadas para transmissão analógica de dados digitais. Na página seguinte estas técnicas são ilustradas. Um bom exercício de pesquisa é encontrar as vantagens e desvantagens de cada uma das técnicas. Taxa de transmissão: 5 Taxa de modulação: 5 Taxa de transmissão = 5 Taxa de modulação = 5 Tempo Shift Keying Uso da alteração na amplitude do sinal para a transmissão de dados. Basicamente, a transmissão do bit 1 se dá pela transmissão da portadora e a transmissão do bit 0 se dá pela redução da amplitude da portadora. Aplica-se tal técnica em modems, pois sinais digitais precisam ser condicionados caso contrário serão distorcidos na linha de transmissão, o que acarretará em perda. Nos modems atuais, entretanto, utilizam-se técnicas de modulação mais avançadas que o ASK, obtendo assim taxas de transmissão maiores. Tempo Frequency Shift Keying Uso da alteração na freqüência do sinal para a transmissão de dados. Basicamente, na transmissão de um bit 1 se transmite uma portadora numa determinada freqüência e a transmissão do bit 0 se transmite uma portadora em outra freqüência. Taxa de transmissão = 5 Taxa de modulação = 5 Temp Phase Shift Keying Uso da alteração na fase do sinal para a transmissão de dados Basicamente, na transmissão de um bit 1 se transmite uma portadora numa determinada fase e a transmissão do bit 0 se transmite uma portadora em outra fase. Ao lado você vê o 2-PSK. 6

7 A técnica PSK acima utiliza apenas duas fases 0 o (para o bit 0) e 180º para o bit 1. Contudo, podemos utilizar mais fases visando aperfeiçoar a transmissão. Observe o gráfico abaixo. Taxa de transmissão = 5 Taxa de modulação = 5 Note que neste gráfico são utilizadas quatro fases distintas: Tempo Fase Bits 0 o 00 90º º o 11 Este método é conhecido como 4-PSK. Representando dois bits (Dibit). Visando aumentar mais a transmissão de bits por segundo, criou a técnica QAM (Quadrature Modulation). Técnica para codificar dados digitais em um sinal analógico através de modulação em que duas componentes diferentes são combinadas em um único sinal através de modulação ortogonal destas duas componentes, evitando assim a interferência. Daí o termo "quadratura". A técnica empregada consiste na combinação da modulação por amplitude (AM) com modulação por fase (PSK) para criar uma constelação de pontos de sinal, cada qual representando uma combinação exclusiva de bits. Utilizada em TV digital e outros sistemas que necessitam de alta taxa de transferência de informação. Na imagem abaixo vejam o domínio do tempo ára o sinal 8-QAM, com tx de transmissão de 24 e tx de modulação de 8. Taxa de transmissão = Taxa de modulação = Tempo A seguir as constelações de 4-QAM e 8-QAM. 7

8 1,4 fases 2 amplitudes,4 fases Note que existem diversas combinações possíveis para criar uma constelação, cada uma com sua particularidade em relação a outra, mas de forma geral a QAM possui menos interferência à ruídos que a ASK e melhor utilização de banda que a PSK. Perguntas para pensar! Porque é recomendado que o número de fases seja maior que o de amplitudes? Represente utilizando 8-QAM. 3 s, 12 Fases 4 s, 8 Fases 2 s, 8 Fases Tabela com as modulações apresentadas. Modulação Unidades Bits/Baud Baud rate Bit Rate ASK, FSK, 2-PSK Bit 1 N N 4-PSK, 4-QAM Dibit 2 N 2N 8-PSK, 8-QAM Tribit 3 N 3N 16-QAM Quadbit 4 N 4N 32-QAM Pentabit 5 N 5N 64-QAM Hexabit 6 N 6N 128-QAM Septabit 7 N 7N 256-QAM Octabit 8 N 8N 8

9 Modems É um dispositivo eletrônico que modula um sinal digital em uma onda analógica, pronta a ser transmitida pelo meio e que demodula o sinal analógico, convertendo o sinal digital original Quando o sinal é recebido, um outro modem reverte o processo (chamado demodulação). Ambos os modems devem estar trabalhando de acordo com os mesmos padrões (olhem a importância dos padrões!). A linha telefônica no brasil trabalha com uma largura de banda entre 300Hz e 3400Hz, diferente de outros países que o freqüência máxima é 3300Hz. Em ambos os casos a largura de banda para dados é de 2400Hz. Abaixo segue um gráfico com indicações. Usada para voz Usada p/ dados 2400Hz para dado 3000Hz para voz Em sala veremos os padrões V.32, V.32bis, V.34bis, V.90 e V.92. Transmissão Analógica de Dados Analógicos Ao transmitir sinais analógicos em meios analágicos é claro que vem em mente a possibilidade de por o sinal em um meio físico. Vamos imaginar uma emissora FM que atinge tranquilamente a distância de 50Km de raio. A programação musical seria transmitidida de forma audível com uma potência elevadíssima para atingir toda a cidade. Certamente os ambientalistas (e todos nós!) não suportariam a poluição sonora gerada. A modulação analógica de dados analógicos consiste em combinar sinais de forma a permitir que a transmissão no meio físico seja mais eficiente. Como visto na transmissão digital, aqui também podemos utilizar amplitude (AM), fase (PM) e freqüência (FM). Neste contexto apresentaremos apenas as técnicas AM e FM. Modulação em ou simplesmente AM (do inglês Modulation - Modulada), é a forma de modulação em que a amplitude de um sinal senoidal, chamado portadora, varia em função do sinal de interesse, que é o sinal modulador. A frequência e a fase da portadora são mantidas constantes. Matematicamente, é uma aplicação direta da propriedade de deslocamentos em frequências da transformada de Fourier. A modulação por amplitude, devido a uma série de limitações, principalmente a questão do ruído, estava fadada ao desuso, hoje porém, devido ao avanço dos sinais digitais está voltando como forma de modulação. A seguir uma figura ilustrando a modulação AM. Já a FM (Frequency Modulation) corresponde a uma técnica de modulação de sinais que consiste no deslocamento da frequência original do sinal a ser transmitido através da variação da frequência da portadora, sendo esta variação proporcional ao sinal a ser transmitido. Para Pensar! Desenhe a representação da modulação FM! 9

10 informação portadora sinal AM Multiplexação Técnica que codifica as informações de duas ou mais fontes de dados em um único canal. Utilizadas em situações onde o custo de implementação de canais separados para cada fonte de dados é maior que o custo e a inconveniência de utilizar as funções de multiplexação/demultiplexação. Abordaremos três técnicas em sala de aula: FDM (Multiplexação por divisão na freqüência) Técnica utilizada para transmissão de vários canais de comunicação em um mesmo meio físico, onde cada canal utiliza uma faixa de frequências. TDM (Multiplexação por divisão no tempo) Técnica utilizada para permitir a existência de vários canais de comunicação em um mesmo meio de transmissão. Para uma dada taxa de transmissão em bit/s são alocados slots no tempo para cada canal de comunicação. WDM (Multiplexação por divisão no comprimento de onda) Sistema de canalização em freqüências (comprimentos de onda) óticas que permite a implantação de mais de uma portadora óptica em um enlace de fibra óptica. O WDM está associado a um sistema com poucas portadoras (<5), enquanto o DWDM é o termo empregado para um sistema com muitas portadoras. Multiplexação FDM 10

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 2: Transmissão de Dados 1.

Leia mais

Utilização da Banda Passante do Meio. Multiplexação Redes. Utilização da Banda Passante do Meio. Bacharelado em Informática

Utilização da Banda Passante do Meio. Multiplexação Redes. Utilização da Banda Passante do Meio. Bacharelado em Informática Bacharelado em Informática Disciplina: de Computadores Multiplexação, Modulação e Codificação Prof. Sérgio Colcher colcher@inf.puc-rio.br Utilização da Banda Passante do Meio 0 40 400 Desperdício Configuração

Leia mais

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Modulação e demodulação Técnicas de modulação Analógica AM, FM e PM. Digital ASK, FSK e PSK. Multiplexação e demultiplexação

Leia mais

Codificação e modulação

Codificação e modulação TRABALHO DE REDES UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR CURSO: BACHARELADO EM INFORMÁTICA PROF.:MARCO ANTÔNIO C. CÂMARA COMPONENTES: ALUNO: Orlando dos Reis Júnior Hugo Vinagre João Ricardo Codificação e modulação

Leia mais

1 Transmissão digital em banda base

1 Transmissão digital em banda base 1 Transmissão digital em banda base A transmissão digital oferece algumas vantagens no que diz respeito ao tratamento do sinal, bem como oferecimento de serviços: Sinal pode ser verificado para avaliar

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica Comunicação de Dados Aula 5 Transmissão Analógica Sumário Modulação de sinais digitais Tipos de Modulação Taxa de transmissão x Taxa de modulação Modulação por amplitude Modulação por freqüência Modulação

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Comunicação de Dados Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Sumário Amostragem Pulse Amplitude Modulation Pulse Code Modulation Taxa de amostragem Modos de Transmissão

Leia mais

1 CÓDIGOS DE TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 CÓDIGOS DE TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 CÓDIGOS DE TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Devido à simplicidade e eficiência que podem ser obtidos com sistemas de transmissão banda base, são estes os mais largamente utilizados em comunicação de

Leia mais

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro 1 Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro Capitulo 1: Para começarmos a falar sobre TV Digital devemos conhecer os tipos de modulação digital que existem e entender, ao menos,

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/51 2.3 Codificação dos dados 2.3 Codificação dos dados 2/51 2.3.1 Fonte de dados digital transmissão de dados digital Códigos de

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV. www.linear.com.br

Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV. www.linear.com.br Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV Santa Rita do Sapucaí -MG Ilhéus - BA Ilhéus - BA Pça Linear,100 37540-000 - Santa Rita do Sapucaí-MG Brasil - (5535) 3473-3473 (5535) 3473-3474

Leia mais

05 - Camada de Física. 10 de novembro de 2014

05 - Camada de Física. 10 de novembro de 2014 05 - Camada de Física 10 de novembro de 2014 Conteúdo 2/33 3/33 Camada física Camada OSI mais baixa: PHY Natureza do meio Constituição Forma (dimensões dos fios) Parâmetros físicos (impedância, atenuação)

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E TÉCNICAS BÁSICASB Fernando Pereira Instituto Superior TécnicoT Digitalização Processo onde se expressa informação analógica de forma digital. A informação analógica

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação digital apresenta fácil aprendizado em princípios e aplicações da moderna tecnologia de comunicação

Leia mais

Redes de computadores N Laboratório 01. Luiza Eitelvein 181375

Redes de computadores N Laboratório 01. Luiza Eitelvein 181375 Redes de computadores N Laboratório 01 Luiza Eitelvein 181375 Exercícios 1) a) Teorema de Shannon : MCs = B log₂(1+s/n) 40 db = 10 log(s/n) 4 = log(s/n) S/N = 10⁴ MCs = 3100 log₂(1+10000) = 3100 ( (log

Leia mais

Aula III Redes Industriais

Aula III Redes Industriais Aula III Redes Industriais Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) 1 Introdução Muitas

Leia mais

UFSM-CTISM. Teoria da Comunicação Aula-01

UFSM-CTISM. Teoria da Comunicação Aula-01 UFSM-CTISM Teoria da Comunicação Aula-01 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Objetivo Objetivos da disciplina: Ter conhecimento dos princípios básicos da telecomunicação; Conhecer os conceitos

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 4: Multiplexação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

Camada Física. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação

Camada Física. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Prof. Reinaldo Fortes / Saul Delabrida www.decom.ufop.br/reinaldo Camada Nome 5 Aplicação 4 Transporte 3 Rede

Leia mais

Fundamentos de Telecomunicações

Fundamentos de Telecomunicações Fundamentos de Fundamentos de Introdução às s Noção de informação, mensagem e sinal Informação A informação é um conceito fundamental das comunicações. No entanto édifícil de definir com precisão o que

Leia mais

Teoria de Comunicação de Dados. Ademar Felipe Fey. Versão 4

Teoria de Comunicação de Dados. Ademar Felipe Fey. Versão 4 Teoria de Comunicação de Dados Ademar Felipe Fey Versão 4 Caxias do Sul, 17 de janeiro de 2007 Tópicos Parte I Comunicação de Dados 1...Comunicação Conceitos Básicos 2...Modulação 3...Multiplexação 4...Modelo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando o circuito mostrado na figura acima, julgue os itens seguintes. 51 O valor da tensão v o é igual a 10 V. 52 O valor da corrente I 2 é igual a 1 ma. 53 O equivalente

Leia mais

Suporte Técnico de Vendas

Suporte Técnico de Vendas Suporte Técnico de Vendas Telefonia básica Hoje vivemos a sociedade da informação. A rede de telecomunicações desempenha papel fundamental na vida moderna. História das Telecomunicações Em 1876, o escocês

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Conceitos Básicos Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015)

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Teoria das Comunicações Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Aluno: Matrícula: Instruções A prova consiste de três questões discursivas A prova pode ser feita a lápis ou caneta Não é permitida consulta a notas

Leia mais

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 2 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada Física e Componentes Funcionalidades relacionadas à transmissão de bits Codificação Modulação Sincronismo de bits Especificação

Leia mais

Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link

Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Laboratório de Telecomunicações - Aula Prática 4 Sub-turma: 3 Nomes dos alunos: Tarefa 17 Ruído em um Link Digital Objetivo:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento

REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento PVH 15-08-05 Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES Fundamentos de Redes de Computadores, Transmissão de Dados e Cabeamento Prof. Sérgio Rodrigues 1 Redes de Computadores

Leia mais

Módulo 2 Comunicação de Dados

Módulo 2 Comunicação de Dados URCAMP - CCEI - Curso de Informática Transmissão de Dados Módulo 2 Comunicação de Dados cristiano@urcamp.tche.br http://www.urcamp.tche.br/~ccl/redes/ Para SOARES (995), a transmissão de informações através

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE DADOS CAP. 5 MODEM

COMUNICAÇÃO DE DADOS CAP. 5 MODEM COMUNICAÇÃO DE DADOS CAP. 5 MODEM MODEM A palavra modem vem da contração das palavras MOdulador e DEModulador. É um equipamento bidirecional o qual é instalado nas duas extremidades de um canal de comunicação

Leia mais

Formatação e Modulação em Banda Básica

Formatação e Modulação em Banda Básica Formatação e Modulação em Banda Básica Edmar José do Nascimento (Tópicos Avançados em Engenharia Elétrica I) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado

Leia mais

Introdução. Introdução à Comunicação de Dados. Meios de Transmissão. Meios de Transmissão. Cabo coaxial. Cabo coaxial. Até o início da década de 60

Introdução. Introdução à Comunicação de Dados. Meios de Transmissão. Meios de Transmissão. Cabo coaxial. Cabo coaxial. Até o início da década de 60 Introdução Introdução à Comunicação de Dados INE 5602 Introdução à Informática Prof. Roberto Willrich 1 Até o início da década de 60 computadores eram utilizados apenas de forma isolada sem oferecer oportunidade

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais VDSL Implementação

Leia mais

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Maio de 2004 Sumário 1 2 TV Cabo Bragatel Sapo Clix OniNet Telepac Tipos de ligações actualmente disponibilizadas

Leia mais

1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda

1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda 1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda Pulsos quadrados não são práticos. São difíceis de serem gerados e requerem grande largura de banda. Além disso, em razão da largura de banda limitada do

Leia mais

Conversores D/A e A/D

Conversores D/A e A/D Conversores D/A e A/D Introdução Um sinal analógico varia continuamente no tempo. Som Temperatura Pressão Um sinal digital varia discretamente no tempo. Processamento de sinais digitais Tecnologia amplamente

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

RCO2. Introdução à camada física

RCO2. Introdução à camada física RCO2 Introdução à camada física 1 Transmissão de uma stream de bits por um meio de transmissão 2 Atribuições da camada física: Transmissão de sequências de bits pelo meio físico Modulação (transmissão

Leia mais

Redes de Computadores Professor Marco Antônio C. Câmara. Apostila 08 - Técnicas de Modulação Analógicas. 1. Objetivo. 2. "Modulação" e "Modem"

Redes de Computadores Professor Marco Antônio C. Câmara. Apostila 08 - Técnicas de Modulação Analógicas. 1. Objetivo. 2. Modulação e Modem Redes de Computadores Professor Marco Antônio C. Câmara Apostila 08 - Técnicas de Modulação Analógicas 1. Objetivo Nesta aula, iniciaremos o estudo das técnicas de modulação, importantíssimas para que

Leia mais

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução 2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução Atualmente, as estruturas das redes de comunicação são classificadas conforme a escala: rede de acesso, rede metropolitana

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

a) Multiplexação por Divisão de Freqüências - FDM

a) Multiplexação por Divisão de Freqüências - FDM 2. MULTIPLEXAÇÃO POR DIVISÃO DE TEMPO E TRANSMISSÃO DIGITAL 2.1 Introdução. A multiplexação é uma operação que consiste em agrupar vários canais de informação não relacionados, de modo a transmiti-los

Leia mais

1 Modulação digital Noções básicas

1 Modulação digital Noções básicas 1 Modulação digital Noções básicas A modulação envolve operações sobre uma ou mais das três características de uma portadora (amplitude, fase, frequência). Há três técnicas básicas de modulação para transformar

Leia mais

Introdução à Transmissão Digital. Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais.

Introdução à Transmissão Digital. Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais. Introdução à Transmissão Digital Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais. lntrodução à transmissão digital Diferença entre Comunicações Digitais e Analógicas Comunicações

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Introdução à Redes de Computadores

Introdução à Redes de Computadores Introdução à Redes de Computadores 1 Agenda Camada 1 do modelo OSI (continuação) 2 1 Camada 1 do modelo OSI Continuação 3 Sinais Analógicos e Digitais Os sinais são uma voltagem elétrica, um padrão de

Leia mais

Capítulo 2. Elementos de um Sistema de Telecomunicações Digital

Capítulo 2. Elementos de um Sistema de Telecomunicações Digital Capítulo 2 Elementos de um Sistema de Telecomunicações Digital Conceito de Comunicação Digital: Transmissão de informação em forma digital a partir de uma fonte geradora da informação até um ou mais destinatários.

Leia mais

Errata. Livro: Transmissão Digital - Princípios e Aplicações Edição:1ª Código: 4391 Autores: Dayan Adionel Guimarães & Rausley Adriano Amaral de Souza

Errata. Livro: Transmissão Digital - Princípios e Aplicações Edição:1ª Código: 4391 Autores: Dayan Adionel Guimarães & Rausley Adriano Amaral de Souza Errata Livro: Transmissão Digital - Princípios e Aplicações Edição:1ª Código: 4391 Autores: Dayan Adionel Guimarães & Rausley Adriano Amaral de Souza Página 3 Primeiro parágrafo Excluir o seguinte texto

Leia mais

Noções Básicas de Comunicação de Dados

Noções Básicas de Comunicação de Dados Universidade Católica de Pelotas Escola de Informática Redes de Computadores I Prof. Eduardo Maroñas Monks emmonks@polaris.ucpel.tche.br Noções Básicas de Comunicação de Dados A transmissão de informação

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Sinal no domínio do tempo Redes de Computadores 2 1 Sinal sinusoidal no tempo S(t) = A sin (2πft

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinaisi ula 03 Transmissão é o deslocamento de ondas eletromagnéticas em um meio físico (canal

Leia mais

LISTA DE EXERCICIOS - Parte I da matéria (revisão out/2013)

LISTA DE EXERCICIOS - Parte I da matéria (revisão out/2013) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA LISTA DE EXERCICIOS - Parte I da matéria (revisão out/2013) Não há gabarito, nem resoluções, nem

Leia mais

Comunicação de dados. Introdução

Comunicação de dados. Introdução Comunicação de dados Introdução Os microcontroladores AVR estão equipados com dois pinos destinados à comunicação serial, UART (Universal Asynchronous Reciever/Transmitter), ou seja, permitem trocar informações

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay e Frame Relay o Consiste na operação de transmitir varias comunicações diferentes ao mesmo tempo através de um único canal físico. Tem como objectivo garantir suporte para múltiplos canais. o A multiplexação

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes

Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física. Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes Capítulo 2: Introdução às Redes de Computadores Camada Física Redes para Automação Industrial Luiz Affonso Henderson Guedes Camada Física Trata da geração de sinais físicos e sua propagação através do

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento

Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento 1 2 3 Figura 1 - Diagrama de um sistema de controle de temperatura que requer conversão analógico-digital para permitir o uso de técnicas de processamento digital - (Sistemas Digitais: Princípios e Aplicações

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores

Fundamentos de Redes de Computadores Fundamentos de Redes de Computadores Princípios de Comunicação de Dados Prof. Alexandre Dezem Bertozzi Divinópolis, fevereiro de 2003 1 Por que redes? É praticamente impossível não pensar em redes quando

Leia mais

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Acesso em banda base Acesso com modulação digital Acesso RDIS, HDSL Acesso com modems de banda de voz, ADSL, VDSL Códigos de linha Bipolar (AMI),

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

Transmissão de Dados

Transmissão de Dados T 1 Transmissão de Dados FEUP/DEEC/RCD 2002/03 MPR/JAR T 2 Terminologia e Conceitos Meios de transmissão A transmissão de sinais, sob a forma de ondas electromagnéticas, é suportada em meios de transmissão

Leia mais

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Amostragem e PCM Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Amostragem 2 Introdução O processo

Leia mais

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2)

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) A largura de banda,, em termos gerais, indica a quantidade máxima de dados que podem trafegar no meio em um determinado momento. É medida em bps (bits

Leia mais

Telefonia: A Convergência de Voz em Dados

Telefonia: A Convergência de Voz em Dados Telefonia: A Convergência de Voz em Dados Este tutorial apresenta os conceitos da telefonia digital, especialmente o que se refere à conversão da voz em pacotes de dados, requisito básico para que se possa

Leia mais

Amostragem e Conversão A/D

Amostragem e Conversão A/D Amostragem e Conversão A/D Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Amostragem 2 Introdução

Leia mais

Curso de Modulação Digital de Sinais (parte 2)

Curso de Modulação Digital de Sinais (parte 2) Curso de Modulação Digital de Sinais (parte 2) Márcio Antônio Mathias Augusto Carlos Pavão IMT Instituto Mauá de Tecnologia. Introdução Dando prosseguimento à série Modulações digitais, discutiremos neste

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

A CAMADA FÍSICA (Capítulo 2) Sinais: Nada mais são do que ondas que se propagam através de algum meio físico. Os mesmos podem se dividir em:

A CAMADA FÍSICA (Capítulo 2) Sinais: Nada mais são do que ondas que se propagam através de algum meio físico. Os mesmos podem se dividir em: 1) Informação e Sinal: 1.1) Conceitos: A CAMADA FÍSICA (Capítulo 2) Comunicação: É o ato de transmitir informações. A exemplo tem-se a conversação. Sinais: Nada mais são do que ondas que se propagam através

Leia mais

Redes de Computadores. Comunicação de Dados e Representação de Sinais Analógicos e Digitais Aula 02 Profa. Priscila Solís Barreto

Redes de Computadores. Comunicação de Dados e Representação de Sinais Analógicos e Digitais Aula 02 Profa. Priscila Solís Barreto Redes de Computadores Comunicação de Dados e Representação de Sinais Analógicos e Digitais Aula 02 Profa. Priscila Solís Barreto Bits, números e informação Bit: numero com valor 0 ou 1 n bits: representação

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 03 de Maio de 2012 Sumário 1 2 Modulação offset QPSK

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Caderno de Atividades e Interatividades

REDES DE COMPUTADORES. Caderno de Atividades e Interatividades REDES DE COMPUTADORES Caderno de s e s Ação Educacional Claretiana, 2010 Batatais (SP) Trabalho realizado pelo Centro Universitário Claretiano de Batatais (SP) Curso: Graduação Disciplina: Redes de Computadores

Leia mais

Bibliografia. Forouzan, Behrouz A. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. 4. ed. McGraw-Hill, 2008.

Bibliografia. Forouzan, Behrouz A. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. 4. ed. McGraw-Hill, 2008. Redes Sem Fio Você vai aprender: Contextualização das redes sem fio; Fundamentos de transmissão de sinais digitais; Fundamentos de radio comunicação; Arquiteturas em redes sem fio; Redes WLAN padrão IEEE

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 2. Camada Física DIN/CTC/UEM 2008 Sinal Periódico Sinal periódico: repete-se no tempo, isto é g(t) = g(t + T ) onde T (dado em segundos [s]) é o período do sinal g(t) O número de ciclos (ou períodos) por

Leia mais

Redes de Computadores I Camada Física

Redes de Computadores I Camada Física Redes de Computadores I Camada Física Introdução Meios de Transmissão Transmissão sem Fio 1 Interconexão de Redes Locais A Camada Física 5 - Camada de Aplicação 4 - Camada de Transporte 3 - Camada de Rede

Leia mais

Características do sinal de voz

Características do sinal de voz Características do sinal de voz Análise na freuência: a voz apresenta um conteúdo espectral ue vai de 0 Hz a 0 khz; os sons vozeados ou nasais (e.g. vogais e algumas consoantes j, l, m) apresentam um espectro

Leia mais

SISTEMA DE TELEFONIA CELULAR

SISTEMA DE TELEFONIA CELULAR SISTEMA DE TELEFONIA CELULAR COMUNICAÇÃO SEM FIO A comunicação sem fio se dá pela propagação radio elétrica e esta necessita um espectro de freqüência para propagar-se. O espectro de freqüência no Brasil

Leia mais

Modulação por Pulsos

Modulação por Pulsos Modulação por Pulsos Propriedades Amostragem de sinais Modulação por amplitude de pulso (PAM) Modulação por pulso codificado (PCM) Modulação por largura de pulso (PWM) Modulação por posição de pulso (PPM)

Leia mais

Capítulo 2: Camada Física. Capítulo 2. A camada física

Capítulo 2: Camada Física. Capítulo 2. A camada física Capítulo 2: Camada Física Capítulo 2 A camada física slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Transmissão de dados Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Códigos de caracteres A informação é manuseada em blocos de 8 bits (bytes

Leia mais

FUNDAMENTOS DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

FUNDAMENTOS DE COMUNICAÇÃO DE DADOS FUNDAMENTOS DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Todas as formas de informação (voz, dados, imagens, vídeo) podem ser representadas por sinais eletromagnéticos. Dependendo do meio de transmissão e do sistema de comunicações

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR 1 Validade: A partir de 01/91 Departamento Acadêmico de: Engenharia Elétrica Curso: Engenharia Industrial Elétrica Carga Horária: 60H ( Teórica: 30H Lab.: 30H Exerc.: 00H ) Créditos: 03 Pré-requisitos:

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 05 2006 V1.0 Conteúdo Telecomunicação e Canais de Comunicação Multiplexação Tipos de Circuitos de Dados DTE e DCE Circuit

Leia mais

Aula 18. Sistemas de conversão AD e DA

Aula 18. Sistemas de conversão AD e DA Aula 18 Sistemas de conversão AD e DA Introdução A maior parte dos sistemas eletrônicos tem em seu núcleo um processamento digital; desde os sistemas mais familiares como Televisão, Computadores Pessoais,

Leia mais

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO DE DADOS SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Francisco Tesifom Munhoz - 2008 2 SUMÁRIO Sinais elétricos... 5 Sinal analógico... 5 Sinal digital... 7 Código ASCII... 7 Sistema de comunicação de dados... 8 Introdução...

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia Prof. Daniel Hasse Multimídia e Hipermídia AULA 02 Agenda: Algoritmos de Codificação/Decodificação; Codec de Áudio. Atividade complementar. Algoritmos de Codificação/Decodificação - Comunicação tempo real,

Leia mais

CDI 20705 Comunicação Digital

CDI 20705 Comunicação Digital CDI Comunicação Digital DeModulação em Banda Base Digital Communications Fundamentals and Applications Bernard Sklar ª edição Prentice Hall Marcio Doniak www.sj.ifsc.edu.br/~mdoniak mdoniak@ifsc.edu.br

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Comunicação

Introdução aos Sistemas de Comunicação Introdução aos Sistemas de Comunicação Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicação) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado de Engenharia

Leia mais

Princípios Básicos Sobre Transmissão Digital

Princípios Básicos Sobre Transmissão Digital capítulo I Princípios Básicos Sobre Transmissão Digital Distorções Em um sistema de telecomunicações, existem diversos fatores, que podem levar à distorções no sinal transmitido. Entre esses fatores, pode-se

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais