Suporte Técnico de Vendas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Suporte Técnico de Vendas"

Transcrição

1 Suporte Técnico de Vendas Telefonia básica

2 Hoje vivemos a sociedade da informação. A rede de telecomunicações desempenha papel fundamental na vida moderna.

3 História das Telecomunicações Em 1876, o escocês Alexander Graham Bell inventou o telefone. Um ano depois, o Imperador D. Pedro II autorizou a organização da primeira companhia telefônica brasileira.

4 Aparelho Telefônico Descrição: Microfone: converte a voz em sinais elétricos Receptor: converte sinais elétricos em vibrações acústicas Discador: disco ou teclado Sinalizador sonoro: campainha

5 Aparelho Telefônico Transmissor

6 Aparelho Telefônico Receptor

7 Aparelho Telefônico Sinalização Antigamente: Girar manivela para sinalizar ocupação Número telefônico solicitado oralmente Girar manivela para sinalizar desocupação Atualmente: Fone fora do gancho (ocupação) Discagem sem intervenção da telefonista Tons que sinalizam o encaminhamento da chamada Fone no gancho (desocupação)

8 Tipos de Aparelhos Telefônicos Analógicos Digitais

9 Tipos de Aparelhos Telefônicos Analógicos: Os sinais processados podem assumir qualquer valor de corrente no decorrer do tempo Tipos: Aparelhos decádicos Aparelhos mf (multifrequenciais)

10 Tipos de Aparelhos Telefônicos Aparelhos Decádicos sinalização para a central pública através de dispositivos mecânicos (disco) ou eletrônicos (teclado) o número discado corresponde à quantidade da abertura e fechamento do loop na central pública

11 Sinalização Decádica

12 Tipos de Aparelhos Telefônicos Aparelhos Multifrequenciais Enviam informações numéricas à central telefônica através da combinação de 2 frequências (de 697 Hz à 1477 Hz)

13 Tipos de Aparelhos Telefônicos Aparelhos Multifrequenciais

14 Tipos de Aparelhos Telefônicos Aparelhos Digitais Os sinais processados variam entre os níveis lógicos zero e um Existe uma digitalização do sinal de voz e controle, enviando-os os através da sinalização PCM para a central

15 Aparelhos Digitais

16 Transferência de informações Analógica Digital

17 Redes analógicas O microfone do telefone comum gera uma corrente elétrica cuja amplitude varia com a voz. V t

18 Redes digitais O sinal é convertido sob a forma de códigos binários. No aparelho receptor o sinal é regenerado com base nos códigos recebidos. t m V

19 Linhas telefônicas Os fios de uma linha possuem uma tensão contínua de -48V. Quando o telefone toca esse valor passa para um valor alternado de 75V.

20 Por quê de uma central pública? Depois da invenção do telefone, chegou-se a um inconveniente: o sigilo das ligações. C= N(N-1) 2 onde: C= n de conexões N=n de terminais

21 Surge então o conceito de COMUTAÇÃO TELEFÔNICA que tem como objetivo interligar os assinantes entre si Tipos de centrais de comutação: - MANUAL - AUTOMÁTICA

22 COMUTAÇÃO TELEFÔNICA Comutação Manual: Necessitam da interferência da telefonista para conectar os pontos de origem e destino Comutação Automática: A comutação é feita automaticamente dentro da matriz de comutação, através de instruções pré-estabelecidas pelo usuário na seleção de rotas/conexões das chamadas

23 Centrais telefônicas com uma mesa comutadora Sistema PBX (Private Branch Exchange)

24 Comutação Automática Sistemas Eletromecânicos Passo a passo Possui 100 contatos metálicos em forma de matriz (10x10) e de um contato móvel (movimento vertical e horizontal), controlado por um disco telefônico

25 Sistemas Eletromecânicos Crossbar série de eletroímas dispostos em barras horizontais e verticais Crosspoint relés pequenos e rápidos na forma de matriz

26 Central Telefônica Sistema de Controle por Programa Armazenado (CPA) As funções de controle são realizadas por processadores digitais

27 Vantagens das Centrais CPA implementação de diversas facilidades para os assinantes. Ex.: discagem abreviada, atendimento simultâneo, siga-me, bloqueio de chamadas interurbanas, etc... operação e manutenção predominantemente remota menor custos envolvidos: manutenção processamento de contas telefônicas redução de espaço físico ocupado pela central investimento em equipamentos complementares de operação, manutenção e supervisão

28 Central Telefônica As conexões entre os pontos de entrada e saída, são feitos através das matrizes de comutação que podem ter estágios espaciais, temporais ou uma combinação dos dois (Temporal-Espacial)

29 Comutação Temporal As informações contidas no sinal, podem ser inscritas ciclicamente em uma memória de dados, e posteriormente lidos de acordo com os endereços da memória de controle, em função das ligações desejadas

30 Comutação Temporal

31 Comutação Espacial Os sinais são transferidos de uma linha MUX de entrada a qualquer linha MUX de saída, porém sem trocar de time-slot, ou seja, os sinais permanecem em seus time-slots entre a entrada e a saída

32 Comutação Espacial

33 TIPOS DE CENTRAIS TELEFÔNICAS - CENTRAL PÚBLICA - CENTRAL PRIVADA

34 CENTRAL PÚBLICA Central local é aquela que atende assinantes dentro da sua área de ação. As várias centrais locais são interligadas por cabos tronco para que assinantes de centrais diferentes possam se comunicar ente si.

35 CENTRAL PÚBLICA Centrais Tandem são centrais que interligam diversas centrais locais, reduzindo os custos com cabos tronco.

36 CENTRAL PÚBLICA Para comutar assinantes de diversas centrais locais foi criada a CENTRAL DE TRÂNSITO INTERURBANO.

37 Como funciona o telefone? A voz é transformada em sinais elétricos no próprio telefone O sinal passa através de cabos até chegar a central pública O aparelho chamado faz a conversão dos sinais elétricos em voz novamente Da central pública o sinal é enviado para o número chamado

38 Como são feitas as ligações interurbanas? Nas ligações entre uma cidade e outra a transmissão de voz é feita por antenas de microondas, satélites e fibras óticas.

39 CENTRAL PRIVADA Tipos de Centrais Privadas de Comutação Telefônica (CPCT): Central Privada de Comutação Automática (PABX) Key Sistem (KS) Micropabx

40 CENTRAL PRIVADA PABX CPCT interligada à Central Telefônica através de troncos que possibilita aos usuários comunicação externa (ramal/tronco) e comunicação interna (ramal/ramal) Normalmente utiliza-se a figura do operador, para a originação e distribuição das ligações aos ramais, exceto se existir o serviço DDR e/ou auto-atendimentoatendimento

41 CENTRAL PRIVADA Key Sistem CPCT que possibilita aos usuários dos ramais KS efetuarem ligações internas e externas, selecionando um tronco e/ou ramal diretamente na própria tecla do aparelho

42 CENTRAL PRIVADA Micropabx CPCT que possibilita aos usuários dos ramais, efetuarem ligações externas automaticamente sem o auxílio do operador É caracterizado pela pequena quantidade de portas

43 Principais Facilidades das Centrais

44 Discagem direta a ramal Permite ao usuário do sistema telefônico ter acesso direto a um ramal de um sistema PABX, sem auxílio de uma telefonista. Cada ramal funciona como se fosse uma linha direta para o atendimento.

45 DDR - Traz benefício direto no custo de implantação de um sistema telefônico - Diminuição de mesas operadoras e consequentemente de operadoras - Um outro benefício é a economia de tempo, pois as chamadas são efetuadas mais rapidamente

46 Entroncamento digital E1 Interliga centrais públicas digitais com o PABX através de entroncamento digital do cliente, a velocidade de 2Mbps.

47 Rede Digital de Serviços Integrados (ISDN) Tecnologia digital que torna possível, além dos serviços de voz da telefonia convencional, serviços de comunicação de dados, com velocidades superiores às conseguidas hoje com modems analógicos. Existem dois tipos de interface: ISDN/BRI (básico) ISDN/PRI (primário)

48 ISDN/BRI Utilizado por residências e pequenas empresas. Opera com dois canais de 64Kbps, mais um canal de 16Kbps para sinais de controle.

49 ISDN/PRI Normalmente utilizado por empresas e provedores de acesso a Internet. Composto por trinta canais de 64Kbps e um canal de sinalização de 64Kbps.

50 Principais vantagens Meio totalmente digital. Voz, dados e imagens em uma única linha. Velocidade de transmissão 5 vezes mais rápida. Chamadas ou transmissões múltiplas na mesma linha.

51 RDSI

52 RDSI TE1 - Equipamento Terminal do tipo 1, projetado p/ RDSI: telefones, computadores, fax, videoconferência TE2 - Equipamento Terminal do tipo 2, telefones analógicos, fax comuns, secretárias eletrônicas, etc... TA - Adaptador de Terminal. Converte padrões de redes locais em redes compatíveis com a RDSI NT - Fim da linha da Tele e o começo da rede RDSI LT - Terminação de Linha U - Interface entre NT e LT. Dentro de um par de fio de cobre circula 160 kbps (2B+D)

53 TECNOLOGIA CPA TEMPORAL DIGITAL IMUNIDADE A RUÍDOS ACEITA QUALQUER TIPO DE INFORMAÇÃO VOZ TEXTO IMAGEM DADOS

54 Sinal Analógico SISTEMA TELEFÔNICO ANALÓGICO O efeito do pé do moleque (onda) está presente em todos os pontos, até a outra margem. A onda é sujeita a distorções (ruído). Ex.: ao se jogar uma pedra. Cápsula Transmissora Cápsula Receptora Sinais elétricos analógicos Vibrações sonoras Vibrações sonoras

55 Comutação Comutador espacial SISTEMA TELEFÔNICO ESPACIAL Há um número limitado de ligações (enlaces) Há problema de processamento (Limitação de tráfego)

56 Comutador espacial Enlace SISTEMA TELEFÔNICO ESPACIAL RAMAL A RAMAL B Para A falar com B, há necessidade de um meio físico onde apenas uma conversação pode ser estabelecida.

57 Sinal Digital SISTEMA TELEFÔNICO DIGITAL Telégrafo Bit A chave só tem 2 posições (Abre / Fecha) Sinal Binário codificado Informações Não sujeito a distorções ou ruídos

58 Sinal Digital SISTEMA TELEFÔNICO DIGITAL PCM = Modulação por Código de Pulso Amostragem Quantização Codificação Transmissão/ recepção Vibrações sonoras PCM Sinais elétricos digitais PCM Transmissão/ recepção Vibrações sonoras

59 SISTEMA TELEFÔNICO DIGITAL - PCM Amostragem Tempo Quantização Codificação

60 SISTEMA TELEFÔNICO DIGITAL - TDM X1(t) X2(t) X3(t) Sistema de Transmissão X1(t) X2(t) X3(t) Sincronismo TDM: Multiplexação por Divisão de Tempo As entradas Xi(t) são comutadas extraindo uma amostra de cada entrada

61 SISTEMA TELEFÔNICO DIGITAL - CPA Matriz de Comutação Comando Memória Controle por Programa Armazenado A Matriz de Comutação é controlada por um Computador de Programa Armazenado em memórias.

62 SISTEMA TELEFÔNICO DIGITAL CPA - TDM - PCM Quantização de 8 bits 8 2 = 256 valores de quantização Resposta em freqüência de fonia: 300 Hz a Hz Teorema da Amostragem: no mínimo 2 vezes a amostragem Valor adotado: 8 khz (8.000 vezes por segundo); a cada 125 s Taxa de transmissão: X 8 = 64 kbits/s TDM possui 32 canais: 32 X 64 kbits/s = kbits/s São os chamados Canais de 2 Mbits/s.

63 SISTEMA TELEFÔNICO DIGITAL CPA - TDM - PCM 1 1 TS Canal PCM 32 TS = Time Slot Cada TS = 64 kbits/s 32 X 64 kbits/s = Mbits/s Através do Loop PCM, 32 conexões simultâneas são estabelecidas 32

64 SISTEMA TELEFÔNICO DIGITAL - PCM Conversação A A1 A2 A3 Canal ou Time Slot Tempo A Palavra Código PCM 8 BITS A1 B C D E F PCM 32 canais 125 s (8.000 vezes por segundo) A2 B

65

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Rede Telefônica: Evolução

Rede Telefônica: Evolução Rede Telefônica: Evolução 1 Aparelho Telefônico - Inventado por Alexander Graham Bell em 1876. - Funções: - Transforma energia acústica da voz em energia elétrica e vice-versa. - Transmite o número do

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Multiplexadores Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Transmissor 1 Receptor 1 Transmissor 2 Multiplexador Multiplexador Receptor 2 Transmissor 3 Receptor 3 Economia

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PLACAS DE EXPANSÃO... 3 PLACAS DE VÍDEO... 3 Conectores de Vídeo... 4 PLACAS DE SOM... 6 Canais de Áudio... 7 Resolução das Placas de Som...

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

MANUAL PABX 162 BATIK

MANUAL PABX 162 BATIK 1 O QUE É UM PABX? MANUAL PABX 162 BATIK CONHECENDO O PABX 162 BATIK É um aparelho eletrônico que facilita as comunicações telefônicas. O seu PABX 162 Batik funciona ligado até seis ramais, com um tronco

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

MANUAL PABX 272 BATIK

MANUAL PABX 272 BATIK 1 O QUE É UM PABX? MANUAL PABX 272 BATIK CONHECENDO O PABX 272 BATIK É um aparelho eletrônico que facilita as comunicações telefônicas. O seu PABX 272 Batik funciona ligado até sete ramais, com dois tronco

Leia mais

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA Flexibilidade e ECONOMIA A configuração da plataforma Active IP é bastante versátil. Por ser modular, o Active IP permite o uso de diferentes

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta manual do usuário Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

EE-981 Telefonia Prof. Motoyama 1º Semestre 2004. Capítulo 1. Redes de Comunicação

EE-981 Telefonia Prof. Motoyama 1º Semestre 2004. Capítulo 1. Redes de Comunicação Capítulo 1 s de Comunicação 1.1 s de Comunicação De uma maneira bastante geral, pode-se dividir as redes de comunicação em três tipos: difusão, pessoa a pessoa e máquina a máquina. Os exemplos representativos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

3. Arquitetura Básica do Computador

3. Arquitetura Básica do Computador 3. Arquitetura Básica do Computador 3.1. Modelo de Von Neumann Dar-me-eis um grão de trigo pela primeira casa do tabuleiro; dois pela segunda, quatro pela terceira, oito pela quarta, e assim dobrando sucessivamente,

Leia mais

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA Introdução Saiba como muitas empresas em todo mundo estão conseguindo economizar nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. A História do telefone Banda Larga

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Plano de Sinalização. pag.2. Sinais entre Registradores. MFC p/ Assinante (bina) Sinais de. Sinais de Assinante. Linha. Sinais de

Plano de Sinalização. pag.2. Sinais entre Registradores. MFC p/ Assinante (bina) Sinais de. Sinais de Assinante. Linha. Sinais de MINISTÉRIO D EDUCÇÃO SECRETRI D E ED UCÇÃO P ROF ISSIONL E TECNOL ÓGIC INSTITUTO FED ERL D E ED UCÇÃO, CIÊNCI E TECNOL OGI D E SNT CTRIN CMP US SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO INTEGRD O EM TEL ECOMUNICÇÕES TELEFONI

Leia mais

A TELEMAR NORTE LESTE S/A

A TELEMAR NORTE LESTE S/A Belo Horizonte, 18 de dezembro de 2012. À EMATER-MG Ref.: Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) A TELEMAR NORTE LESTE S/A, sociedade anônima prestadora de serviços de telecomunicações, regularmente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Modulação e demodulação Técnicas de modulação Analógica AM, FM e PM. Digital ASK, FSK e PSK. Multiplexação e demultiplexação

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio Introdução à Internet Nos dias de hoje a Internet encontra-se massificada, e disponível nos quatro cantos do mundo devido às suas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br Os cabos são usados como meio de comunicação há mais de 150 anos. A primeira implantação em larga escala de comunicações via

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA 1. Implantação de Sistema de Call Center 1.1. O software para o Call Center deverá ser instalado em servidor com sistema operacional Windows (preferencialmente

Leia mais

Telecomunicações e Teleprocessamento

Telecomunicações e Teleprocessamento Telecomunicações e Teleprocessamento Telecomunicações Telecomunicações podem ser definidas como comunicações por meios eletrônicos, normalmente a grandes distâncias. Como veículos de transmissão podem

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

MATÉRIA: Telecomunicações 3 MOURA LACERDA

MATÉRIA: Telecomunicações 3 MOURA LACERDA MATÉRIA: Telecomunicações 3 MOURA LACERDA Convertendo som em sinal elétrico e vice-versa Na telefonia, são fundamentais os dispositivos que convertem sons em sinais elétricos e estes últimos em sons, isto

Leia mais

Processamento de Dados

Processamento de Dados Processamento de Dados Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e outros dispositivos conectados entre si de modo a poderem compartilhar seus serviços, que podem

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Telefonia: A Convergência de Voz em Dados

Telefonia: A Convergência de Voz em Dados Telefonia: A Convergência de Voz em Dados Este tutorial apresenta os conceitos da telefonia digital, especialmente o que se refere à conversão da voz em pacotes de dados, requisito básico para que se possa

Leia mais

Integrated Services Digital Network

Integrated Services Digital Network Integrated Services Digital Network Visão Geral ISDN é uma rede que fornece conectividade digital fim-a-fim, oferecendo suporte a uma ampla gama de serviços, como voz e dados. O ISDN permite que vários

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Possui todas as facilidades para as comunicações empresariais internas e externas:

Possui todas as facilidades para as comunicações empresariais internas e externas: Descrição: A Família TC Voice Net está dividida em 4 modalidades: TC Voice, TC Voice Net, Voice Net + e VPN Voice Net. O TC Intervox está dividido em 2 modalidades: TC Intervox Comercial e TC Intervox

Leia mais

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como:

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui.

Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui. 3 Tecnologia FPGA Ao longo do presente capítulo será apresentada uma descrição introdutória da tecnologia FPGA e dos módulos básicos que a constitui. 3.1. FPGA: Histórico, linguagens e blocos Muitos dos

Leia mais

Introdução. ISP Local

Introdução. ISP Local Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Redes e Telecomunicações

Redes e Telecomunicações Redes e Telecomunicações Comunicação Processo pelo qual uma informação gerada num ponto (origem) é transferida para outro ponto (destino) Telecomunicações Telecomunicação do grego: tele = distância do

Leia mais

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar?

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar? 1 Conheça o sistema de Voz sobre IP (ou VOIP) O que é Voz sobre IP / Voz sobre Internet Protocolo? R. Voz sobre IP permite que você faça ligações telefônicas utilizando uma rede de computadores, como a

Leia mais

Conversores D/A e A/D

Conversores D/A e A/D Conversores D/A e A/D Introdução Um sinal analógico varia continuamente no tempo. Som Temperatura Pressão Um sinal digital varia discretamente no tempo. Processamento de sinais digitais Tecnologia amplamente

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa.

Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa. PABX Digital PABX Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa. O ACTIVE IP é PABX inovador que possibilita a utilização da telefonia IP e convencional garantindo eficiência

Leia mais

INTRODUÇÃO BARRAMENTO PCI EXPRESS.

INTRODUÇÃO BARRAMENTO PCI EXPRESS. INTRODUÇÃO BARRAMENTO EXPRESS. O processador se comunica com os outros periféricos do micro através de um caminho de dados chamado barramento. Desde o lançamento do primeiro PC em 1981 até os dias de hoje,

Leia mais

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Maio de 2004 Sumário 1 2 TV Cabo Bragatel Sapo Clix OniNet Telepac Tipos de ligações actualmente disponibilizadas

Leia mais

O Sistema Telefônico

O Sistema Telefônico O Sistema Telefônico Quando dois computadores localizados próximos uns aos outros necessitam se comunicar, a solução natural é estender um cabo entre eles. LANs são constituídas desta forma. Entretanto,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Transmissão de Dados Digitais Comunicação em rede 1 Transmissão de dados Objetivo: transportar informação mesmo que fosse usado um meio de transporte clássico seria

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Comunicação de Dados Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Sumário Amostragem Pulse Amplitude Modulation Pulse Code Modulation Taxa de amostragem Modos de Transmissão

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT.

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT. ADSL Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através da rede de pares

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

Central telefônica PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: TELE 3 MOURA LACERDA. Funções. História. Central telefônica de comutação manual 1945

Central telefônica PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: TELE 3 MOURA LACERDA. Funções. História. Central telefônica de comutação manual 1945 PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: TELE 3 MOURA LACERDA Central telefônica Central telefônica de comutação manual 1945 Em telecomunicações, uma central telefônica ou central telefónica é o equipamento eletrônico

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica?

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica? 1. O que significa PLC - PowerLine Communications? 2. Quais são as características técnicas do PLC? 3. Quais são as vantagens da Tecnologia PLC? 4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Voz sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Voz sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito Voz sobre ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Camada de adaptação Voz não comprimida (CBR) AAL 1 Voz comprimida (VBR) AAL 2 Para transmissão de voz sobre a rede ATM podemos utilizar a camada de adaptação

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

TA-10. Dados Técnicos

TA-10. Dados Técnicos TA-10 O TA-10 é o aparelho para telefonistas que utiliza sistema de tecnologia de ponta, cuja arquitetura, composta por microprocessador e componentes inteligentes, adapta-se em todos os KS s digitais

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

QUESTIONAMENTOS NO ÂMBITO DO PE 013/2015

QUESTIONAMENTOS NO ÂMBITO DO PE 013/2015 QUESTIONAMENTOS NO ÂMBITO DO PE 013/2015 Questionamento 01 Do TR - O sistema de Contact Center deverá ser composto de solução de telefonia comutada, do tipo PABX digital, temporal, controlada por programa

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Fone de Cabeça HZ-30. Aparelho para telemarketing TZ-30, composto por: Base Discadora TS-40. Tiara. Apoio Lateral. Espuma Lateral.

Fone de Cabeça HZ-30. Aparelho para telemarketing TZ-30, composto por: Base Discadora TS-40. Tiara. Apoio Lateral. Espuma Lateral. Rev.02 Descrição TZ-30 Aparelho para telemarketing TZ-30, composto por: - Fone de Cabeça com Tubo Flexível HZ-30 - Base Discadora TS-40 Fone de Cabeça HZ-30 Tiara Apoio Lateral Espuma Lateral Suporte Tiara

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

Curso: Tec. Em Sistemas Para Internet 1 semestre Redes de Computadores Memória de Aula 10. Prof. Moises P. Renjiffo

Curso: Tec. Em Sistemas Para Internet 1 semestre Redes de Computadores Memória de Aula 10. Prof. Moises P. Renjiffo Curso: Tec. Em Sistemas Para Internet 1 semestre Redes de Computadores Memória de Aula 10 1) Repetidor. Em informática, repetidor é um equipamento utilizado para interligação de redes idênticas, pois eles

Leia mais

COMPONENTES DE REDES. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

COMPONENTES DE REDES. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br COMPONENTES DE REDES Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Componentes de rede Placas de interface Transceptores Repetidores HUBs Pontes Switches Roteadores Gateways Servidores

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Central PABX 108. www.multitoc.com.br

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Central PABX 108. www.multitoc.com.br MANUAL DE INSTRUÇÕES Central PABX 108 www.multitoc.com.br Índice Capítulo 1 - Apresentação... 2 Capítulo 2 - Instalação... 3 2.1 Cuidados na Instalação... 3 2.2 Procedimentos de Segurança... 3 2.3 Identificador

Leia mais

Obs.: O processo irá se repetir enquanto durar o disparo do alarme.

Obs.: O processo irá se repetir enquanto durar o disparo do alarme. pág. 9 DISCADOR T-430 Aplicação: Equipamento desenvolvido a fim de realizar automaticamente discagens telefônicas para aviso de alarme. Podendo ser implementado praticamente à todos os sistema de alarme.

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS (1ª Parte) Rede Digital com Integração de Serviços () 1 1. INTRODUÇÃO 2 EVOLUÇÃO DAS REDES PÚBLICAS DE TELECOMUNICAÇÕES 1: Rede Telefónica Analógica 2: Rede Telefónica

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

RCO2. Introdução à camada física

RCO2. Introdução à camada física RCO2 Introdução à camada física 1 Transmissão de uma stream de bits por um meio de transmissão 2 Atribuições da camada física: Transmissão de sequências de bits pelo meio físico Modulação (transmissão

Leia mais

Manual do Usuário - Telefone e Facilidades. www.integrati.com.br

Manual do Usuário - Telefone e Facilidades. www.integrati.com.br Manual do Usuário - Telefone e Facilidades www.integrati.com.br Introdução Esta apresentação foi elaborada para auxiliá-lo na utilização do novo sistema de telefonia Alcatel-Lucent. A seguir apresentaremos

Leia mais