Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores"

Transcrição

1 Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl

2 Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade de circuito; Tipos de Serviços DSL; Comparativo entre ADSL, ADSL2 e ADSL2+.

3 Introdução O laço local (última milha), na maioria das vezes é um circuito analógico predominantemente de cobre que restringe a companhia telefônica de ter conectividade digital de ponta a ponta entre seus clientes; Logo, o laço local representa o gargalo da rede; Os custos envolvidos na reconstrução dos laços locais não são viáveis. A solução é aplicar tecnologia no meio existente;

4 Introdução DSL significa Linha Digital por Assinatura (Digital Subscriber Line) é uma tecnologia que permite que dados, voz e vídeo sejam misturados e transportados por linhas telefônicas analógicas (cobre) padrão; É possível pela utilização de frequências não usadas que estão disponíveis numa linha telefônicas (acima de 4kHz)

5 Introdução

6 Introdução O DSL é uma tecnologia de sempre conectado ou sempre ligado. Isso significa que, diferentemente do ISDN e do serviço de modem analógico convencional, que são chaveados por circuito, você não precisa discar para um provedor de serviço e estabelecer um conexão. Uma conexão DSL lembra uma conexão privada e, portanto, o serviço está sempre disponível para transmissão ou recepção de dados.

7 Introdução Além disso, conexões DSL são ligações dedicadas ponto-a-ponto. Isto é um contraste com o serviço de modem a cabo, que é baseada em barramento e envolve assinantes múltiplos compartilhando a largura de banda do canal; Já que a largura de banda do canal não é compartilhada, o DSL oferece melhor segurança e largura de banda dedicada entre a estação de chaveamento da companhia e o cliente.

8 Introdução Outra característica do DSL é que ele mantém o tráfego de dados separado da rede de voz. As ligações de voz são segregadas do tráfego de dados por um divisor de linha e direcionadas para o chaveador de voz da companhia telefônica para transmissão pela PSTN; Sinais de dados, contudo, são agregados por um multiplexador de acesso DSL (DSLAM) que alimenta diretamente um chaveador de dados para transmissão pela rede tronco de dados.

9 Introdução

10 Introdução

11 Introdução O DSL é comumente escrito com um x inical (xdsl) para coletivamente representar a família das tecnologias de linha digital por assinatura; Atualmente, há nove delas, que variam alfabeticamente de DSL assimétrico (ADSL) a DSL de altíssima velocidade (VDSL);

12 Taxas de transmissão DSL e qualidade de circuito Dependendo da variante específica usada e da direção da transmissão (fluxo de saída ou entrada) as taxas de transmissão DSL variam de 128 Kbps a 53 Mbps; Essas taxas são uma função da distância do site do cliente à estação de chaveamento (laço local); Quanto maior a distância, menor a taxa de dados. Maior cabo, maior atenuação; Maior frequência, maior atenuação; Resultando em distâncias máximas de 5 Km.

13 Taxas de transmissão DSL e qualidade de circuito Apesar da distância máxima entre cliente e o chaveador ser menor que 5 km, a taxa de transmissão não é garantida devido a qualidade desse laço local; Exemplo 1: A maioria dos laços locais são uma mistura de cabos de 24 e 26 gauges e tem várias juntas de cabos ou terminações de ponte; Exemplo 2: O ruído de ambiente pode levar a degradação do sinal.

14 Taxas de transmissão DSL e qualidade de circuito Importante perceber que as taxas de dados do DSL representam a velocidade com que os dados são entregues ao laço local, podem ocorrer: Congestionamento na estação de chaveamento; Congestionamento em algum ponto da nuvem da rede; Outro aspecto, taxas de transmissão de DTE para DCE.

15 Tipos de Serviços DSL Há vários tipos de DSL e podem ser divididos basicamente em três tipos: O DSL simétrico que transmite a mesma taxa de bits tanto no sentido do usuário para a rede (upstream) quanto no sentido da rede para o usuário (downstream); O DSL assimétrico que transmite a taxa de downstream maior que a taxa de upstream; O DSL simétrico e assimétrico que pode transmitir nos dois modos.

16 Tipos de Serviços DSL Exemplos de tipos de DSL: DSL simétrico: High Data Rate Digital Subscriber Line (HDSL); Symetric Digital Subscriber Line (SDSL); Symetric High Bit Rate Digital Subscriber Line (SHDSL) DSL assimétrico: Asymetric Digital Subscriber Line (ADSL); Asymetric Digital Subscriber Line 2 (ADSL2); Asymetric Digital Subscriber Line 2+ (ADSL2+). DSL simétrico e assimétrico: Very High Bit Rate Digital Subscriber Line (VDSL).

17 Tipos de Serviços DSL

18 Tipos de Serviços DSL DSL simétrico: O HDSL possibilita comunicação simétrica a taxa de 1,544 Mbps, utilizando dois pares de cobre, e a taxa de 2048 Mbps com três pares de cobre. Atinge distâncias de até quatro quilômetro; O SDSL é uma versão do HDSL que opera nas mesmas taxas do HDSL, mas requer somente um par metálico, atingindo distâncias máximas de 3,4 quilômetros; O G.SHDSL é a mais nova versão do SDSL e suporta taxas de até 2,3 Mbps e distâncias de 6,6 quilômetros.

19 Tipos de Serviços DSL DSL assimétrico: A tecnologia DSL somente cresceu e expandiu com o desenvolvimento do ADSL que atendeu às necessidades dos usuários tanto em termos de custo quanto em termos de largura de banda para web browsing; O ADSL utiliza duas faixas de frequência separadas, um para comunicação upstream e outra para comunicação downstream;

20 Tipos de Serviços DSL DSL assimétrico: No ADSL padrão, a faixa de khz até 138 khz é usada para upstream enquanto a faixa de 138 khz até 1104 khz é usada para downstream; O sinal de voz PSTN fica na faixa de 0 a 4 khz e é separado da parte de dados através de um dispositivo denominado slitter.

21 Tipos de Serviços DSL

22 Tipos de Serviços DSL DSL assimétrico: Cada faixa de frequência é subdividida em canais com frequência de khz; Durante a fase de inicialização, o modem ADSL executa sequências de testes para verificar quais canais possuem relação sinal/ruído (SNR) adequada e os seleciona. A utilização de um número reduzido de canais, resulta na redução da vazão; O modem ADSL agrega e multiplexa os canais upstream, downstream e voz em blocos e insere um código de erro em cada bloco;

23 Tipos de Serviços DSL DSL assimétrico: A capacidade de cada canal depende do método de modulação utilizado, CAP (Carrier-less Amplitude/Phase) ou DMT (Discrete Multi-Tone); No ADSL2 são utilizados 256 tons de modulação DMT, sendo 1,1 MHz a máxima frequência de downstream; No ADSL2+ são utilizados 512 tons de modulação DMT sendo 2,2 MHz de máxima frequência downstream;

24 Tipos de Serviços DSL

25 Tipos de Serviços DSL Família Padrão Taxa downstream Taxa upstream ADSL ANSI T Mbps 1 Mbps ADSL (G.DMT) ITU G Mbps 1 Mbps ADSL Lite ITU G ,5 Mbps 0,5 Mbps ADSL2 ITU G.922.3/4 J 12 Mbps 1 Mbps RE-ADSL2 ITU G.922.3/4 L 5 Mbps 0,8 Mbps ADSL2+ ITU G Mbps 1,0 Mbps RE-ADSL2+ ITU G L 24 Mbps 1,0 Mbps ADSL2+ ITU G M 24 Mbps 3,5 Mbps ADSL2++ Em padronização 50 Mbps???

26 Tipos de Serviços DSL DSL simétrico e assimétrico: VDSL (atualmente denominado VDSL1) é considerado uma versão mais rápida do ADSL, operando com transmissão assimétrica ou simétrica, com taxas de downstream de até 26 Mbps para conexões simétricas dependendo das distâncias (300m a 1,5 quilômetro); VDSL pode ser visto, de forma simplificada como uma evolução da tecnologia ADSL, sendo a de mais alta taxa de transmissão da família xdsl;

27 Tipos de Serviços DSL DSL simétrico e assimétrico: A tecnologia VDSL pode ser assimétrica ou simétrica. Para aplicações assimétricas, a máxima taxa de downstream é em torno de 51 a 55 Mbps sobre linhas de até 300 m e taxas de upstream em torno de 1,6 a 2,3 Mbps; Os serviços assimétricos incluem TV digital, vídeo sobre demanda, acesso a internet de alta velocidade etc. Esses serviços têm por característica uma alta taxa no sentido downstream e baixa taxa upstream;

28 Tipos de Serviços DSL DSL simétrico e assimétrico: Por exemplo, HDTV requer 18 Mbps para a transmissão do conteúdo (downstream) e alguns kbps para mudança de canal, escolha de programas etc.; A tecnologia VDSL simétrica é capaz de prover aceso a pequenas e médias empresas, aplicações de dados de alta velocidade, videoconferência etc. substituindo acessos T1/E1;

29 Tipos de Serviços DSL DSL simétrico e assimétrico: Muitos esforços foram efetuados para padronizar o ADSL2 e ADSL2+, ficando o VDSL1 para segundo plano; O VDSL1 foi remodelado para funcionar exclusivamente com modulação DMT e o novo padrão surgiu, o VDSL2; O espectro do VDSL1 é de 138 khz até 12 Mhz, enquanto o do VDSL2 varia de 25 khz até 30 MHz.

30 Tipos de Serviços DSL DSL simétrico e assimétrico: O novo padrão VDSL2 oferece taxas de até 100 Mbps para o espectro de 12 MHz e até 200 Mbps usando frequência acima de 12 MHz; Como dito, usa modulação DMT e usa 4096 tons espaçados de 4 khz ou 8 khz. Cada tom pode ser usando para upstream ou downstream.

31 Tipos de Serviços DSL

32 Comparativo entre ADSL, ADSL2 e ADSL2+ Os padrões ADSL2 e ADSL2+ tiveram suas regras de homologação recentemente liberadas pela Anatel; Isso significa que já é possível que se forneça em todo o território nacional serviços de banda larga baseado nesses padrões; Eles trazem novos recursos e funcionalidades aos serviços de banda larga via par metálico: melhoria nas taxas de transmissão, maior alcance, recursos de diagnóstico, modo "espera" entre outros;

33 Comparativo entre ADSL, ADSL2 e ADSL2+ Melhores Taxas de Transmissão e Alcance: O ADSL2/2+ foi desenvolvido principalmente para melhorar a banda e alcance dos acesso banda larga via par metálico. Ele é mais imune a interferências e ruídos que o padrão ADSL. O primeiro ganho é a eficiência: O ADSL tradicional gasta 32Kbps de banda enquanto o ADSL2 gasta apenas 4Kbps para sinalização, deixando mais banda para a transferência efetiva de dados.

34 Comparativo entre ADSL, ADSL2 e ADSL2+ Através de novos métodos de codificação, o ADSL2+ chega a até 24Mbps de banda (contra 8Mbps do ADSL) de download e 1 Mbps de upload (o mesmo do ADSL); O grupo de desenvolvedores do ADSL2+ considerou que, para o perfil de tráfego típico dos usuários ADSL, a banda de 1Mpbs de upload era suficiente, assim todo o ganho de banda foi passado para e velocidade de download.

35 Comparativo entre ADSL, ADSL2 e ADSL2+ Outro recurso importante dos modens ADSL2/2+ são os recursos de auto-diagnóstico: eles podem medir as características de ruído, margem de ganho (SNR) e atenuação nos dois lados da linha. Além disso o ADSL2/2+ monitora esses parâmetros continuamente e geram alarmes quando a qualidade da linha varia para patamares muitos próximos dos limites.

Redes Físicas de Acesso em Banda Larga

Redes Físicas de Acesso em Banda Larga Redes Físicas de Acesso em Banda Larga Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 5 - Aula 1 Tópico 5 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 58 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos 3 Introdução 4

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002). ADSL (Speedy, Velox, Turbo) Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através

Leia mais

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT.

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT. ADSL Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através da rede de pares

Leia mais

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre ESTV 2002/03 Paulo Coelho Redes e Serviços em Banda Larga 1 Tecnologias para a rede de cobre Evolução da transmissão de dados sobre pares de cobre: Rede s/ elementos

Leia mais

Redes de Computadores. Redes de Computadores ADSL / XDSL. Protocolos de Redes. Aula 9 ADSL FACULDADE PITÁGORAS DE TECNOLOGIA

Redes de Computadores. Redes de Computadores ADSL / XDSL. Protocolos de Redes. Aula 9 ADSL FACULDADE PITÁGORAS DE TECNOLOGIA Redes de Computadores Protocolos de Redes Redes de Computadores Aula 9 / XDSL Introdução A tecnologia (Asymmetric Digital Subscriber Line - Linha Digital Assimétrica de Assinante) opera com transmissões

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2004/2005 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais Implementação Redes

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Transmissão digital no lacete do assinante Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 Redes de Telecomunicações 1 xdsl Sumário Conceitos Gerais VDSL Implementação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE REDES DE COMPUTADORES I

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE REDES DE COMPUTADORES I UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE REDES DE COMPUTADORES I ADSL Alexandre Martini Fernando Boettcher Julio Cezar Kronbauer Santa

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

ADSL BÁSICO ADSL. A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante.

ADSL BÁSICO ADSL. A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante. ADSL ADSL A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante. Trata-se de uma tecnologia que permite a transferência digital de dados em alta velocidade por meio da linha telefônica. É

Leia mais

X??? Digital Subscriber Line

X??? Digital Subscriber Line Tecnologias XDSL X??? Digital Subscriber Line AGENDA GERAL Tecnologias de Transmissão A Rede Rede Pública Comutada Loop local Central PROVEDOR REDE CORPORATIVA usuário Central Central usuário Par trançado

Leia mais

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como:

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Introdução. ISP Local

Introdução. ISP Local Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Redes I Longa distância e alto desempenho ADSL Assymetric Digital Subscriber Line

Redes I Longa distância e alto desempenho ADSL Assymetric Digital Subscriber Line Redes I Longa distância e alto desempenho ADSL Assymetric Digital Subscriber Line TÓPICOS INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS APLICAÇÕES O FUTURO CONCLUSÃO INTRODUÇÃO Ter que aguardar por vários dias o término

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II xdsl eadsl Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral Nasceu da necessidade de acesso à Internet em velocidades superiores ao padrão V.90-56kbit/s e ISDN BRI-128kbit/s pelos clientes corporativos,

Leia mais

Em sua Casa. Na Central Telefônica

Em sua Casa. Na Central Telefônica &RP )XQFLRQ $'6/ Em sua Casa Na Central Telefônica Em sua Casa A. Dentro de Seu PC: O modem ADSL de seu computador conecta a uma linha de telefone analógica padrão. B. Voz e Dados: Um modem ADSL tem um

Leia mais

A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante.

A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante. ADSL ADSL A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante. Trata-se de uma tecnologia que permite a transferência digital de dados em alta velocidade por meio da linha telefônica. É

Leia mais

REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA

REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA Foi inventada em 1989 por um engenheiro da Bell Labs. O seu uso começou no final da década de 1990 como forma de acesso à internet de banda larga. TECNOLOGIAS DSL

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007 Redes de Telecomunicações Redes de acesso 2006-2007 Arquitectura da rede: Estrutura geral Central Local de Comutação concentra toda a comutação numa central de comutação telefónica ligando cada assinante

Leia mais

Informações sobre a tecnologia ADSL. Seleção de protocolo e de driver. Índice. visão geral. instalação do modem ECI USB ADSL

Informações sobre a tecnologia ADSL. Seleção de protocolo e de driver. Índice. visão geral. instalação do modem ECI USB ADSL um cap tulo capítulo visão geral 3 5 6 14 Índice visão geral informações sobre a tecnologia ADSL seleção de protocolo e de driver recursos instalação do modem ECI USB ADSL instalação do drive ADSL USB

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

D R A F T. Irregularidades praticadas pela Telemar na comercialização do serviço de acesso a Internet denominado Velox.

D R A F T. Irregularidades praticadas pela Telemar na comercialização do serviço de acesso a Internet denominado Velox. D R A F T Irregularidades praticadas pela Telemar na comercialização do serviço de acesso a Internet denominado Velox. 1. O que é o serviço Velox da Telemar? O Velox é um serviço de acesso a Internet de

Leia mais

IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS

IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO DE REDES DE ACESSOS Mestrandos: Delson Martins N:760 Turma 10 Márcio Fernando Flores N:767 Turma 10 Professores: Volnys; Kiatake;

Leia mais

1 de 4 09/10/2011 18:18

1 de 4 09/10/2011 18:18 HowStuffWorks - Como funciona a tecnologia DSL http://informatica.hsw.uol.com.br/tecnologia-dsl.htm/printable 1 de 4 09/10/2011 18:18 ASSINE 0800 703 3000 BATE-PAPO E-MAIL SAC Voip E-Mail Grátis Shopping

Leia mais

II.2. SISTEMAS ADSL II.2.1. DEFINIÇÃO UNIDADE II ACESSO LOCAL EM FIOS METÁLICOS

II.2. SISTEMAS ADSL II.2.1. DEFINIÇÃO UNIDADE II ACESSO LOCAL EM FIOS METÁLICOS 1 II.2. SISTEMAS ADSL II.2.1. DEFINIÇÃO Podemos definir ADSL como uma nova tecnologia de modems que converte os atuais pares de fios de cobre usados em telefonia, em caminhos de acesso em banda larga para

Leia mais

Line, é uma tecnologia que permite a transmissão de dados, inclusive Internet, em alta

Line, é uma tecnologia que permite a transmissão de dados, inclusive Internet, em alta Como funciona o sinal DSL INTRODUÇÃO: A Linha Digital de Assinante, conhecida por DSL, do inglês Digital Subscriber Line, é uma tecnologia que permite a transmissão de dados, inclusive Internet, em alta

Leia mais

O consumidor espera por novos serviços os quais dependem de largura de banda suficiente. Como exemplo destes novos serviços podese citar "fast

O consumidor espera por novos serviços os quais dependem de largura de banda suficiente. Como exemplo destes novos serviços podese citar fast Universidade Católica do Salvador Curso de Bacharelado em Informática Disciplina: Teleprocessamento e Redes Professor: Marco Antônio C. Câmara Alunas: Rejane Mirtes B. de Cerqueira Suzane Tourinho F. da

Leia mais

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local 1.264 Aula 22 Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local TV a cabo Permite a transferência de voz e dados nos estados permitidos (poucos até o momento) À LEC foi permitida a transferência

Leia mais

Tecnologias de Acesso Remoto RDSI FE xdsl Cable Modems Faesa Maio 2001 Sotério Ferreira de Souza soterio.souza@hotmail.com

Tecnologias de Acesso Remoto RDSI FE xdsl Cable Modems Faesa Maio 2001 Sotério Ferreira de Souza soterio.souza@hotmail.com Tecnologias de Acesso Remoto RDSI FE xdsl Cable Modems Faesa Maio 2001 Sotério Ferreira de Souza soterio.souza@hotmail.com FOCO Acesso à Internet para Assinantes Domésticos e Pequenas Empresas Do que vamos

Leia mais

Acesso xdsl. Michele Perpetuo Chequetto Hemerly Bastos,Edmilson Figueiredo Garcia

Acesso xdsl. Michele Perpetuo Chequetto Hemerly Bastos,Edmilson Figueiredo Garcia Acesso xdsl Michele Perpetuo Chequetto Hemerly Bastos,Edmilson Figueiredo Garcia Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) Caixa Postal 24.210-240 Rio de Janeiro RJ Brasil michele@nti.uff.br,

Leia mais

RCO2. Introdução à camada física

RCO2. Introdução à camada física RCO2 Introdução à camada física 1 Transmissão de uma stream de bits por um meio de transmissão 2 Atribuições da camada física: Transmissão de sequências de bits pelo meio físico Modulação (transmissão

Leia mais

Conexão ADSL/VDSL. Redes de Computadores

Conexão ADSL/VDSL. Redes de Computadores Conexão ADSL/VDSL Redes de Computadores O que é DSL? Digital Subscriber Line é uma família de tecnologias que fornecem um meio de transmissão aproveitando a própria rede de telefonia que chega na maioria

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Análise de Falhas em Conexões sobre Tecnologia DSL. Rogério Luiz de Morais. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

Análise de Falhas em Conexões sobre Tecnologia DSL. Rogério Luiz de Morais. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Análise de Falhas em Conexões sobre Tecnologia DSL Rogério Luiz de Morais Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, março de 2010 Resumo O objetivo

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 0 Fatos e tendências Sumário Fatos e tendências; Arquitetura

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

Infraestrutura e Tecnologia

Infraestrutura e Tecnologia Fundada em 1999, a Mundivox é uma operadora de telecomunicações licenciada pela Anatel e tem como principal objetivo ser a melhor provedora de soluções integradas em serviços de comunicação de voz e dados

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Suporte Técnico de Vendas

Suporte Técnico de Vendas Suporte Técnico de Vendas Telefonia básica Hoje vivemos a sociedade da informação. A rede de telecomunicações desempenha papel fundamental na vida moderna. História das Telecomunicações Em 1876, o escocês

Leia mais

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Maio de 2004 Sumário 1 2 TV Cabo Bragatel Sapo Clix OniNet Telepac Tipos de ligações actualmente disponibilizadas

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 05 2006 V1.0 Conteúdo Telecomunicação e Canais de Comunicação Multiplexação Tipos de Circuitos de Dados DTE e DCE Circuit

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

INSTITUTO TÉCNICO DE BARUERI BRASÍLIO FLORES DE AZEVEDO. Turma: INF 1 A T / 1B T / 1 C T Data de Postagem: 25/08/2009

INSTITUTO TÉCNICO DE BARUERI BRASÍLIO FLORES DE AZEVEDO. Turma: INF 1 A T / 1B T / 1 C T Data de Postagem: 25/08/2009 Turma: INF 1 A T / 1B T / 1 C T Data de Postagem: 25/08/2009 Disciplina: Redes de computadores Professores: Mauricio Nunes REVISÃO DE CONTEÚDO ATIVIDADE 03 - A Internet é a grande rede de computadores.

Leia mais

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Modulação e demodulação Técnicas de modulação Analógica AM, FM e PM. Digital ASK, FSK e PSK. Multiplexação e demultiplexação

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE DADOS CAP. 5 MODEM

COMUNICAÇÃO DE DADOS CAP. 5 MODEM COMUNICAÇÃO DE DADOS CAP. 5 MODEM MODEM A palavra modem vem da contração das palavras MOdulador e DEModulador. É um equipamento bidirecional o qual é instalado nas duas extremidades de um canal de comunicação

Leia mais

INTRODUÇÃO BARRAMENTO PCI EXPRESS.

INTRODUÇÃO BARRAMENTO PCI EXPRESS. INTRODUÇÃO BARRAMENTO EXPRESS. O processador se comunica com os outros periféricos do micro através de um caminho de dados chamado barramento. Desde o lançamento do primeiro PC em 1981 até os dias de hoje,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE HARDWARE PLACA FAX/MODEM. Professor Carlos Muniz

FUNDAMENTOS DE HARDWARE PLACA FAX/MODEM. Professor Carlos Muniz FUNDAMENTOS DE HARDWARE O modem permite a conexão do micro com outros computadores ou aparelhos de fax via linha telefônica. Nos últimos tempos a maioria dos usuários adquire este periférico para poder

Leia mais

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette Transmissão e Multiplexação Rodolfo I. Meneguette Redes de Acesso e Meios Físicos P: Como conectar os sistemas finais aos roteadores de borda? Redes de acesso residencial redes de acesso institucional

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

REDES DE ACESSO ÓPTICO

REDES DE ACESSO ÓPTICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO JOSÉ CURSO SUPERIOR TECNOLÓGICO EM SISTEMAS

Leia mais

Acesso no Lacete Local. Acesso no Lacete Local

Acesso no Lacete Local. Acesso no Lacete Local Acesso telefónico analógico Transmissão digital no lacete local Acesso por modem da banda de voz Acesso G.703 - E1 Acesso básico RDIS Acesso DSL Digital Subscriber Line Mário Jorge Leitão 2 Intencionalmente

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2)

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) A largura de banda,, em termos gerais, indica a quantidade máxima de dados que podem trafegar no meio em um determinado momento. É medida em bps (bits

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO DE SANTA CATARINA UNIDADE DE SÃO JOSÉ NÚCLEO DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CAPÍTULO 1 MODENS DIGITAIS Prof. Msc. Jorge H. B. Casagrande

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

ção Multimidia - UniSanta

ção Multimidia - UniSanta Sistemas de Comunicaçã ção Multimidia - UniSanta xdsl X - Digital - Subscriber - Line Prof. Hugo Santana Lima 1 AGENDA Rede Pública Comutada Modem Histórico RDSI-FE HDSL SDSL ADSL VDSL Fatores Limitantes

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Como medir a velocidade da Internet?

Como medir a velocidade da Internet? Link Original: http://www.techtudo.com.br/artigos/noticia/2012/05/como-medir-velocidade-da-suainternet.html Como medir a velocidade da Internet? Pedro Pisa Para o TechTudo O Velocímetro TechTudo é uma

Leia mais

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet Redes de computadores e a Internet Capítulo : Capítulo Redes de Redes de computadores computador e a Internet es e a Internet O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros

Leia mais

ADSL2 e ADLS2+: Os Novos Padrões do ADSL

ADSL2 e ADLS2+: Os Novos Padrões do ADSL ADSL2 e ADLS2+: Os Novos Padrões do ADSL Este tutorial apresenta as tecnologias ADSL2 e ADSL2+ (Asymetric Digital Subscriber Line), desenvolvidas para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 1. Introdução 1.1 - Meios de Transmissão e Topologias 1.2 - Classificação das Redes 1.3 - Métricas de Desempenho 1.4 - Fatores que Impactam no Desempenho

Leia mais

Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso -

Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso - Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso - Lacete de assinante Par simétrico Central local Ponto de subrepartição Ponto de distribuição Assinante Interface com a linha de assinante

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO Hospitais 2004 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO PROJECTO... 3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Acesso residencial em banda larga

Acesso residencial em banda larga Universidade Federal do Rio de Janeiro Núcleo de Computação Eletrônica Mestrado em Informática Disciplina: MAB 735 Professor: Paulo Aguiar Acesso residencial em banda larga Agosto de 2000 Autor: Edmundo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment Emissor Receptor Meio Físico Mensagem Protocolo Emissor e Receptor Data Terminal Equipment Data Communications Equipment (DTE) + (DCE) Meio Físico Mensagem ( pacote ) O meio físico É o elemento que transmite

Leia mais

Guia de conectividade Worldspan Go Res!

Guia de conectividade Worldspan Go Res! Guia de conectividade Worldspan Go Res! Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Tipos de Conexão...3 Esquema de Acesso ao Go!...4 Solucionando problemas relativos à Conexão...5 Solucionando problemas de

Leia mais

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso

Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Transmissão digital em pares simétricos na rede de acesso Acesso em banda base Acesso com modulação digital Acesso RDIS, HDSL Acesso com modems de banda de voz, ADSL, VDSL Códigos de linha Bipolar (AMI),

Leia mais

UNIDADE I Aula 6 Taxas de Transmissão Máxima em um Canal: Teorema de Nyquist e Teorema de Shannon. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE I Aula 6 Taxas de Transmissão Máxima em um Canal: Teorema de Nyquist e Teorema de Shannon. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE I Aula 6 Taxas de Transmissão Máxima em um Canal: Teorema de Nyquist e Teorema de Shannon Fonte: Rodrigo Semente Sabemos que, quanto maior a banda passante de um meio físico, maior o número de

Leia mais

Unidade 2. Largura de Banda e Throughput

Unidade 2. Largura de Banda e Throughput Unidade 2 Largura de Banda e Throughput 48 Conceitos Fundamentais Largura de Banda = Velocidade Largura de Banda vs. Througput 49 Largura de Banda É a quantidade de informações que flui através da conexão

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA ESCOLA BÁSICA RAINHA SANTA ISABEL Curso de Educação e Formação (Despacho Conjunto Nº453/2004, de 27 de Julho)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA ESCOLA BÁSICA RAINHA SANTA ISABEL Curso de Educação e Formação (Despacho Conjunto Nº453/2004, de 27 de Julho) Nome: Nazmul Alam Nº: 11 Ficha de Trabalho 1. No texto que se segue são mencionados três tipos de rede. Indica quais são. Ao chegar a casa, o Miguel ligou o telemóvel ao PC. Transferiu por bluetooth as

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Aula 04 A. Barramentos. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 A. Barramentos. Prof. Ricardo Palma Aula 04 A Barramentos Prof. Ricardo Palma Definição Em ciência da computação barramento é um conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação entre dispositivos, como o CPU, a memória e outros

Leia mais

Integrated Services Digital Network

Integrated Services Digital Network Integrated Services Digital Network Visão Geral ISDN é uma rede que fornece conectividade digital fim-a-fim, oferecendo suporte a uma ampla gama de serviços, como voz e dados. O ISDN permite que vários

Leia mais

2 Perspectivas de Consumo de Banda no Acesso

2 Perspectivas de Consumo de Banda no Acesso 2 Perspectivas de Consumo de Banda no Acesso Esse capítulo apresenta os novos serviços disponíveis aos usuários e a tendência de oferta futura, indicando as previsões de bandas associadas necessárias a

Leia mais

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015)

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Teoria das Comunicações Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Aluno: Matrícula: Instruções A prova consiste de três questões discursivas A prova pode ser feita a lápis ou caneta Não é permitida consulta a notas

Leia mais

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3.

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3. 1/10 TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica Designação VERSÃO 30 de Julho de 2009 Índice 1 ÂMBITO... 3 2 MODELOS DE REFERÊNCIA... 4 3 INTERFACE UNI USER TO NETWORK... 5 2/10 3.1 PONTO DE TERMINAÇÃO DA REDE......

Leia mais

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express Tecnologia PCI express Introdução O desenvolvimento de computadores cada vez mais rápidos e eficientes é uma necessidade constante. No que se refere ao segmento de computadores pessoais, essa necessidade

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais