Fundamentos de Programação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundamentos de Programação"

Transcrição

1 Fundamentos de Programação ESCOLA Fundamentos de Programação 1

2 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo 2

3 Sumário Fundamentos de Programação 1 Fundamentos de Programação 1 Introdução Introdução à Linguagem C Técnicas Básicas de Programação Estruturas de Controle A Tomada de Decisões Estruturas de Controle Laços de Repetição Estruturas de Dados Homogêneas I Estruturas de Dados Homogêneas II Programação Estruturada

4 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo 1 Introdução A disciplina de Fundamentos de Programação está ligada a de Lógica de Programação e vamos aplicar as estruturas lógicas utilizando a linguagem C. C é uma linguagem de programação de finalidade geral. Foi criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson, na Bell Laboratories em 1972, e estava associada ao sistema operacional UNIX. A linguagem, entretanto não está ligada a um sistema operacional, hoje usamos C em DOS, Windows e Linux. C foi baseada na linguagem B de Thompson que era uma evolução da antiga Linguagem BCPL. B foi nomeada com a primeira letra de BCPL e C com a segunda. C é uma linguagem de baixo nível, que o deixa especificar todos os detalhes em lógica de algoritmos para obter a máxima eficácia do computador. Mas C também é uma linguagem de alto nível que pode esconder detalhes da arquitetura dos computadores, resultando no aumento da eficiência na programação. C foi escrita para que o programador possa planejar programas estruturados e modulares. O resultado é um programa mais legível e documentado. Hoje já podemos programar de forma moderna utilizando a OOP (Programação Orientada para Objetos) e também a Programação voltada para Eventos. O padrão ANSI C O comitê ANSI desenvolveu padrões para a linguagem C. Diversas destas modificações tiveram a intenção de aumentar a flexibilidade da linguagem, enquanto outras tentaram padronizar características previamente deixadas a cargo do implementador do compilador. Anteriormente, o único padrão era o livro: Linguagem de Programação C, de Brian Kernighan e Dennis Ritchie. Este livro não era específico em alguns detalhes da linguagem, o que levou a divergências entre os compiladores. O padrão ANSI tentou remover essas ambigüidades. Embora algumas das modificações propostas pudessem causar problemas para alguns programas escritos anteriormente, elas não afetam muito o código existente. O padrão ANSI C proporciona uma oportunidade melhor para escrever um código C portátil. Entretanto, o padrão não corrige todas as áreas de confusão e, por causa da eficiência da interface da linguagem C, com o hardware da máquina, muitos programas sempre exigirão algumas revisões quando você os mover para um ambiente diferente. 2 Introdução à Linguagem C Vamos agora ver alguns detalhes iniciais da linguagem. Primeiro programa em C Iniciaremos nosso estudo com um programa simples, que apenas escreve na tela de seu computador a frase: Meu primeiro programa. Veja, abaixo, como é o programa: printf ( Meu primeiro programa ); Agora algumas considerações sobre o programa acima: Um programa em C consiste de uma ou mais funções que especificam o que deve ser feito. No exemplo acima é uma função. Qualquer programa em C começa com a função que marca o ponto inicial da execução do programa. Todas as instruções devem estar dentro das chaves que iniciam e terminam a função, elas têm a mesma função que o begin e end em Pascal. 4

5 Fundamentos de Programação A linha: printf ( Meu primeiro programa ); é uma chamada a função printf, com o argumento Meu primeiro programa, que é uma seqüência de caracteres entre aspas..., chamada de: cadeia de caracteres, ou também string. A printf é uma função de biblioteca que escreve o argumento na tela do seu computador. Os parênteses devem estar presentes mesmo quando não há argumentos. As instruções C são sempre encerradas por um ponto-e-vírgula (;). Limpando a tela Seria interessante você colocar uma função para limpar a tela, antes de escrever a mensagem: Meu primeiro programa. Para fazer isto podemos utilizar a função clrscr( ) que serve para este propósito. Veja as alterações feitas no programa abaixo: clrscr( ); printf ( Meu primeiro programa ); A Função printf( ) A função printf( ) é uma das funções de E/S (entrada e saída) que podem ser usadas em C. Ela não faz parte da definição de C, mas todos os sistemas têm uma versão de printf( ) implementada. Os parênteses indicam que estamos em uma função. Entre os parênteses estão as informações que são passadas pelo programa para a função printf( ), isto é Meu primeiro programa. Esta informação é chamada de argumento. Quando o programa encontra esta linha, passa o controle para a função printf( ) que imprime na tela do seu computador Meu primeiro programa e, quando encerra a execução, o controle é transferido novamente para a função main. Vamos ver o próximo exemplo: clrscr( ); printf( Escola Técnica Alcides Maya\n ); printf( Estamos na etapa número: 2 ); A função printf( ) pode ter um ou vários argumentos. Na primeira printf temos o seguinte argumento: Escola Técnica Alcides Maya\n onde encontramos a string: Escola Técnica Alcides Maya, e também os caracteres \n. Este caractere \n é a notação C para o caractere de nova-linha, que provoca o avanço do cursor para o início da próxima linha. Se você omitir o \n, você verá como resultado as duas string s escritas em apenas uma linha na tela. Além do caractere \n temos outros caracteres que estão na tabela abaixo: Código Significado \n Nova linha \t Tabulação \b Retrocesso \ Aspas \\ Barra 5

6 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo Formato inteiro decimal Veja as alterações que fizemos no programa anterior: clrscr( ); printf( Escola Técnica Alcides Maya\n ); printf( Estamos na etapa número: %d, 2); Agora, colocamos dois argumentos na segunda printf: Estamos na etapa número: %d, 2 Estes dois argumentos são separados por uma virgula. A expressão de controle pode conter caracteres que serão exibidos na tela e códigos de formatação que indicam o formato em que os argumentos devem ser impressos. No exemplo o código de formatação %d solicita a printf( ) imprimir o segundo argumento no formato de um número inteiro decimal. Escrevendo uma string na tela Além do código de formatação decimal (%d), existe outros. No exemplo a seguir veremos o uso do código %s para escrever na tela uma string. clrscr( ); printf( O %s é um dos melhores transportes urbanos, Metrô ); Vamos agora escrever um programa com mais de uma instrução: clrscr( ); printf( O %s venceu de %d gols de diferença contra o time adversário, Inter, 4); Neste exemplo passamos dois argumentos para a função printf o %s do nome do time: Inter e o %d da quantidade de gols: 4. Vejamos o próximo exemplo: clrscr( ); printf( A letra %c, x ); printf( pronuncia-se %s., xis ); Note que o x é delimitado por aspas simples enquanto que xis é delimitado por aspas duplas. Isto indica ao compilador como diferenciar um caractere de uma string. 6

7 Fundamentos de Programação A tabela, a seguir, mostra os códigos para impressão formatada de printf( ); Código Significado %c Caracteres simples %d Decimal %f Ponto flutuante %s String de caracteres %u Decimal sem sinal %x Hexadecimal Exercícios de Fixação Vamos agora realizar alguns exercícios de fixação para sedimentar em nossa mente os conhecimentos adquiridos: 1. No programa abaixo há alguns problemas, faça as correções necessárias. ( clrscr( ) printf(temos %d aulas no semestre, 33 ); ) 2. Qual será o resultado do programa abaixo: ( clrscr( ) printf( As notas escolares são: %d %d %d\n, 4, 7, 9); ) 3. Neste outro programa o que será apresentado na tela do computador: ( clrscr( ) printf( %s \n %s \n %s, Escola, Técnica, Alcides Maya ); ) 4. Faça um programa que contenha uma única instrução e escreva na tela: Esta é a primeira linha. Esta já é a segunda linha. 7

8 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo 5. Escreva um programa que escreva na tela: UM DOIS TRES QUATRO 6. Qual será a impressão obtida na tela por cada uma destas instruções? Assuma que fazem parte de um programa completo. a) printf ( Boa Tarde! Maria. ); printf ( Você já lanchou? \n ); b) printf( Escola Técnica\nAlcides Maya\n ); 8. Faça um programa que escreva na tela o teu nome, o nome da tua mãe e o nome da tua avó, todos em linhas diferentes na tela. (Use o \n). 9. Faça um programa que escreva na tela uma mensagem do tipo: Eu tenho 23 anos, sendo que a idade deverá ser um argumento do tipo inteiro decimal. (Use o %d). 10. Faça um programa que numere as linhas da tela (cada linha com um número). 3 Técnicas Básicas de Programação A partir deste momento vamos ter um contato direto com a parte pratica da Lógica de Programação. Variáveis O computador possui uma área de armazenamento temporária conhecida como memória. A memória do computador pode ser entendida como uma seqüência finita de caixas, que num dado momento, guardam algum tipo de informação, como um número, uma letra, uma palavra, uma frase, etc, não importa, basta saber que lá sempre existe alguma informação. O computador, para poder trabalhar com algumas destas informações, precisa saber onde, na memória, o dado está localizado. Fisicamente, cada caixa, ou cada posição de memória, possui um endereço, ou seja, um número, que indica onde cada informação está localizada, este número é representado através da notação hexadecimal, tendo o tamanho de quatro, ou mais bytes. Abaixo segue alguns exemplos: Endereço Físico Informação 3000:B712 João 2000:12EC :0004 J Como pode ser observado, o endereçamento das posições de memória através de números hexadecimais é perfeitamente compreendido pela máquina, mas para nós humanos torna-se uma tarefa complicada. Pensando nisto, as linguagens de computador facilitaram o manuseio, por parte dos programadores, das posições de memória da máquina, permitindo, que, ao invés de trabalhar diretamente com o número hexadecimal, fosse possível dar nomes diferentes a cada posição de memória. Tais nomes seriam de livre escolha do programador. Com este recurso, os programadores ficaram livres dos endereços físicos (números hexadecimais) e passaram a trabalhar com endereços lógicos (nomes dados pelos próprios programadores). 8

9 Fundamentos de Programação Desta forma, o exemplo acima, poderia ser alterado para ter o seguinte aspecto: Endereço Físico Informação Cliente João Idade 45 Inicial J Como tínhamos dito, os endereços lógicos são como caixas, que num dado instante guardam algum tipo de informação. Mas é importante saber que o conteúdo desta caixa não é algo fixo, permanente, na verdade, uma caixa pode conter diversas informações, ou seja, como no exemplo acima, a caixa (endereço lógico) rotulada de Cliente num dado momento contém a informação João, mas em um outro momento, poderá conter uma outra informação, por exemplo Pedro. Com isto queremos dizer que o conteúdo destas caixas (endereço lógico) podem variar, isto é, podem sofrer alterações em seu conteúdo. Tendo este conceito em mente, a partir de agora iremos chamar as caixas ou endereços lógicos, de Variáveis. Desta forma podemos dizer que uma variável é uma posição de memória representada por um Nome simbólico (atribuído pelo programador), a qual contém, num dado instante uma informação. Variáveis na linguagem C Uma variável em C é um espaço de memória reservado para armazenar um certo tipo de dado com um nome para referenciar o seu conteúdo. Em um programa a variável poderá conter um valor em um determinado momento e um outro valor em outro momento. Veja o programa a seguir: int num; num = 2; printf( Este é o número: %d \n, num); num = ; printf( Este é o número: %d \n, num); Agora algumas considerações sobre o programa acima: Na linha int num; é a declaração da variável, que tem nome: num e tipo: int, ou seja, irá armazenar valores numéricos inteiros. Na linha num = 2; estamos atribuindo a variável o valor 2 (dois), portanto o endereço de memória identificado como num contém neste instante o número 2 (dois). Na linha printf( Este é o número: %d \n, num); estamos apresentado o conteúdo desta variável. Na linha num = ; estamos efetuando um cálculo e atribuindo a variável o resultado deste cálculo, portanto a variável num contém neste instante o número 15 (quinze). Na linha printf( Este é o número: %d \n, num); estamos apresentando o conteúdo desta variável. 9

10 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo Nomes das variáveis Para nomearmos variáveis, geralmente, seguimos algumas regras, que, conforme o livro Linguagem de Programação C, de Brian Kernighan e Dennis Ritchie, elas seriam as seguintes: Os nomes das variáveis são construídos com letras e dígitos. O primeiro caractere deve ser uma letra. O caractere de sublinha _ vale como uma letra; ele é útil para aumentar a clareza de nomes muito longos de variáveis. Exemplo: data_de_nascimento. Letras em maiúsculo e minúsculo são diferentes; uma prática tradicional em C é de usar letras minúsculas para vaiáveis. CASA, Casa, casa, representam variáveis diferentes. Somente os primeiros oito caracteres de um nome interno são significativos, embora mais caracteres possam ser usados. Naturalmente é melhor escolher nomes de variáveis que tenham algum significado, que estejam relacionados com a finalidade da variável, e que sejam diferenciados tipograficamente. Declarações das variáveis Na declaração de uma variável instruímos ao programa reservar uma quantidade de memória apropriada para armazenar o tipo especificado e indicar que o seu conteúdo será referenciado pelo nome dado. Se você tiver mais de uma variável do mesmo tipo, poderá declará-las de uma única vez, separando seus nomes por virgulas. int idade, casa, livro; O local indicado para declarar as variáveis é logo após a chave inicial da função main, veja o exemplo abaixo: int num, nota1, nota2, nota3, nota4, media;..... Antes de prosseguir, temos uma observação importante: Em C todas as variáveis devem ser declaradas antes de serem utilizadas. Tipos de variáveis O tipo de uma variável informa a quantidade de memória, em bytes, que está irá ocupar. Tipo Bit Bytes Escala char a 127 int a float E -38 a 3.4 E +38 double E -308 a 1.7 E +308 O tipo char é capaz de conter um caractere. O tipo int poderá conter números inteiros (ex.: 35, 0, -56) e o tipo float e double poderá conter números reais (35, 0, -56, 1.2, ). 10

11 Fundamentos de Programação C provê os modificadores de tipo como o short que é um inteiro curto que varia de até e também o long que é um inteiro longo e que varia de até int idade; char inicial; float tempo; idade = 25; inicial = C ; tempo = 17.25; printf( A inicial do meu nome é: %c \n, inicial); printf( Minha idade é: %d anos\n, idade); printf( Meu tempo na prova foi de %f minutos \n, tempo); Agora algumas considerações sobre o programa anterior: Na linha int idade; é a variável, do tipo inteiro, que irá conter a idade. Na linha char inicial; é a variável, do tipo caractere, que irá conter a letra inicial de um nome. Na linha float tempo; é a variável, do tipo ponto flutuante, que irá conter o tempo em minutos. Na linha idade = 25; é a inicialização da variável idade. Na linha inicial = C ; é a inicialização da variável inicial. Na linha tempo = 17.25; é a inicialização da variável tempo. Na linha printf( A inicial do meu nome é: %c \n, inicial); é a apresentação do conteúdo da variável inicial. Na linha printf( Minha idade é: %d anos\n, idade); é a apresentação do conteúdo da variável idade. Na linha printf( Meu tempo na prova foi de %f minutos \n, tempo); é a apresentação do conteúdo da variável tempo. Operadores Veremos agora o conteúdo relacionado a operadores aritméticos e operadores de atribuição. C é uma linguagem rica em operadores. Alguns são mais usados que outros, como é o caso dos operadores aritméticos que executam operações aritméticas. Operadores aritméticos Para efetuar cálculos matemáticos temos os seguintes operadores aritméticos: Operador Ação Exemplo Resultado - Subtração Adição * Multiplicação 5 * 2 10 / Divisão 10 / 2 5 % Resto da divisão 11%2 1 11

12 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo Operador de atribuição Em C, o sinal de igual não tem a interpretação dada em matemática. Representa a atribuição da expressão à direita ao nome da variável à esquerda. Por exemplo: num = 2000; atribui o valor 2000 a variável num. A ação é executada da direita para a esquerda deste operador. C aceita várias atribuições numa mesma instrução: laranjas = bergamotas = cenouras = abacates = 80; A seguir temos um programa que usa vários operadores aritméticos e converte temperatura Fahrenheit em seu correspondente Celsius. float ftemp, ctemp; ftemp = 120; ctemp = ( ftemp 32.0 ) * ( 5.0 / 9.0 ); printf( Temperatura em graus Celsius é: %f, ctemp); Agora algumas considerações sobre o programa acima: Na linha float ftemp, ctemp; é a declaração de duas variáveis, do tipo float, que irá conter a temperatura em graus Fahrenheit e Celsius. Na linha ftemp = 120; estamos utilizando o operador de atribuição que armazena a temperatura de 120 graus Fahrenheit na variável ftemp. Na linha ctemp = ( ftemp 32.0 ) * ( 5.0 / 9.0 ); estamos efetuando o cálculo de conversão da temperatura em Fahrenheit para Celsius e atribuindo o resultado do cálculo para a variável ctemp. Note que colocamos parênteses em ftemp Se você lembra um pouco de álgebra, a razão estará clara. Nós queremos que 32 seja subtraído de ftemp antes de multiplicarmos por 5 e dividirmos por 9. A multiplicação e a divisão são feitas antes da soma ou subtração. Na linha printf( Temperatura em graus Celsius é: %f, ctemp); estamos apresentando o resultado do cálculo. 12

13 Fundamentos de Programação Comentários Comentários podem ser colocados em qualquer lugar de seu programa. Comentários são recomendados para documentar a lógica utilizada no programa. Tudo que começa com dois caracteres, chamados símbolos de comentários, barra-asterisco (/*) e terminam por asterisco-barra (*/), são comentários e o conteúdo entre eles não será verificado pelo compilador. No programa abaixo mostraremos vários comentários: /* Exercício 015 * Este programa calcula * a idade de uma pessoa * em dias */ float anos, dias; /* declaração de variáveis */ anos = 12; /* inicializa a variável anos */ dias = anos * 365; /*calcula idade em dias*/ printf( A idade em dias é: %f \n, dias); /* apresentar o resultado */ Exercícios de Fixação 1. Faça um programa que armazene a quilometragem inicial de um carro. Depois de uma viagem, armazenar a quilometragem final do carro. Calcular e apresentar a distância percorrida pelo carro. 2. Faça um programa que armazene as notas de um aluno (serão 4 notas, portanto, teremos 4 variáveis). Calcule a média do aluno e armazene em uma variável, depois apresente a média do aluno (use variáveis do tipo inteiro). 3. Faça um programa que armazene as notas de um aluno (serão 4 notas, portanto, teremos 4 variáveis). Calcule a média do aluno e armazene em uma variável, depois apresente a média do aluno (use variáveis do tipo ponto flutuante). 4. Faça um programa que calcule e apresente o valor do volume de uma lata de óleo, utilizando a fórmula: volume = * raio² * altura. Obs.: Atribua valores a variável raio e altura. 5. Faça um programa que calcule e apresente o volume de uma caixa retangular, por meio da fórmula: volume = comprimento * largura * altura. Obs.: Atribua valores a variável comprimento, largura e altura. 6. Faça um programa que leia dois valores inteiros para as variáveis A e B, e efetuar a troca dos valores de forma que a variável A passe a possuir o valor da variável B e a variável B passe a possuir o valor da variável A. Apresentar na tela os novos valores das variáveis A e B. 7. Faça um programa que leia quatro números inteiros e apresentar o resultado da adição destes números. (A + B + C + D) 8. Faça um programa que leia quatro números inteiros e apresentar o resultado da multiplicação destes números. (A * B * C * D) 13

14 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo 9. Indique com um X quais dos dados abaixo são do tipo inteiro. ( ) 1000 ( ) 0 ( ) -900 ( ) -456 ( ) 34 ( ) C ( ) 0 ( ) 1.56 ( ) Indique com um X quais dos dados abaixo são do tipo float. ( ) -678 ( ) 0.87 ( ) 99.8 ( ) cinco ( ) 34 ( ) C ( ) ( ) 1.56 ( ) Funções de Entrada e Saída O computador não é uma máquina isolada, pois ele precisa se comunicar com o mundo exterior, com vídeo, impressora, teclado, discos, fitas, etc. Para realizar esta comunicação existem comandos que permitem que informações sejam exibidas, por exemplo, no vídeo, como também existem comandos que permitem que informações sejam colocadas na memória do computador através do teclado do PC. Os comandos que iremos ver são os comandos para LER e ESCREVER, respectivamente, comando de entrada e de saída. Entrada, Processamento e Saída Para criar um programa que seja executável dentro de um computador, deve-se ter em mente três coisas: a entrada de dados, o seu processamento e a saída deles. Sendo assim, todo programa estará trabalhando com estes três conceitos. Se os dados forem entrados de forma errada, serão conseqüentemente processados de forma errada e resultarão em respostas erradas. Desta forma, dizer a alguém que foi erro do computador é ser um tanto medíocre. E isto é o que mais ouvimos quando nosso saldo está errado e vamos ao banco fazer uma reclamação ou quando recebemos uma cobrança indevida. Se houve algum erro, é porque foi causado por falha humana. Realmente é impossível um computador errar por vontade própria, pois vontade é uma coisa que os computadores não têm. O processo de execução de um programa ocorre segundo o exposto, após a entrada de dados com a instrução leia e a sua saída com a instrução escreva. O processamento será uma conseqüência da manipulação das variáveis de ação. Uma entrada e uma saída poderá ocorrer dentro de um computador de diversas formas. Por exemplo, uma entrada poderá ser feita via teclado. Uma saída poderá ser feita em vídeo. As funções de biblioteca da linguagem C, mais comuns para a entrada e saída de dados são a printf() e a scanf(). 14

15 Fundamentos de Programação A função printf( ) A função printf( ) é uma das funções de saída de dados da linguagem C, que você já utilizou na Aula 1. A função scanf( ) A função scanf( ) é o complemento de printf( ) e nos permite fazer a entrada de dados do teclado. Sua sintaxe é uma expressão de controle seguida por uma lista de argumentos separados por virgulas. Os argumentos de scanf( ) devem ser endereços de variáveis, cuja sintaxe será apresentada a seguir: scanf( expressão de controle, lista de argumentos); A expressão de controle contem códigos de formatação, sempre precedida por um sinal de % (percentagem). A lista de argumentos deve consistir nos endereços das variáveis, onde serão armazenados os valores lidos. C oferece um operador para tipos básicos chamados operador de endereço e referenciado pelo símbolo & que retorna o endereço do operando, voltaremos a este assunto quando será abordado a aula de pointers. Para exemplificar o que estamos apresentando, veremos no programa a apresentação do conteúdo armazenado em uma variável e o endereço da variável. int num; num = 2; printf( Conteúdo da variável...: %d \n, num); printf( Endereço Decimal...: %u \n, &num); printf( Endereço HexaDecimal...: %u \n, &num); Agora algumas considerações sobre o programa acima: Na declaração int num; estamos declarando a variável inteira num. Na linha seguinte num = 2; estamos inicializando a variável com o número inteiro 2. Na linha printf( Conteúdo da variável...: %d \n, num); a função printf vai apresentar o conteúdo da variável através do código de formatação %d e na linha seguinte, através do código %u o endereço da variável num. Repare que o nome da variável vem precedido do caractere &, indicando que é o endereço da variável. Um endereço de memória é visto como um número inteiro sem sinal, por isso usamos o %u. Mas o que este programa tem a ver com a entrada de dados? Nada, apenas estamos apresentando a você o endereço da variável, já que para ler um valor para uma variável, utilizando a função scanf, temos que informar o endereço da variável. No programa abaixo, ao invés de inicializar o valor da variável, como em num = 2; vamos ler um número qualquer e depois apresentá-lo. int num; printf( Digite um número: ); scanf( %d, &num); 15

16 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo printf( O número digitado foi: %d, num); Agora algumas considerações sobre o programa acima: Na declaração int num; estamos declarando a variável inteira num. Na linha printf( Digite um número: ); informamos ao usuário que ele deverá digitar um número. Na linha seguinte scanf( %d, &num); estamos esperando que o usuário digite um número inteiro e pressione a tecla ENTER. Nunca esqueça que ao usar a função scanf você deve informar o endereço da variável para onde vamos ler alguma coisa, caso contrário você terá surpresas desagradáveis no teu programa. Na última linha printf( O número digitado foi: %d, num); a função printf vai apresentar o conteúdo da variável num. Veja na tabela a seguir os códigos básicos de formatação da função scanf( ) Código Função %c Leia um único caractere %d Leia um inteiro decimal %f Leia um número em ponto flutuante Agora vamos fazer um exemplo ligeiramente mais difícil. O próximo programa pede ao usuário o comprimento em jardas, e então escreve na tela o valor convertido em pés e polegadas. int jardas, pes, polegadas; printf( Digite o comprimento a ser convertido: ); /* entrada de dados */ scanf( %d, &jardas); polegadas = 36 * jardas; /* processamento */ pes = 3 * jardas; printf( %d jardas = %d pés \n, jardas, pés ); /* saída de dados */ printf( %d jardas = %d polegadas \n, jardas, polegadas ); Agora algumas considerações sobre o programa acima: Na declaração int jardas, pes, polegadas; estamos declarando as variáveis inteiras jardas, pés, polegadas. Na linha printf( Digite o comprimento a ser convertido: ); solicitamos ao usuário que ele deverá digitar um comprimento. Na linha seguinte scanf( %d, &jardas); estamos esperando que o usuário digite um número inteiro e pressione a tecla ENTER. Este número será armazenado na variável: jardas. Nas duas linhas seguintes: polegadas = 36 * jardas; e na linha pes = 3 * jardas; estamos calculando a conversão de jardas em polegadas e a conversão de jardas em pés. E, finalmente nas duas últimas chamadas a função printf, estamos apresentando o resultado das conversões realizadas. 16

17 Fundamentos de Programação Observação importante: veja como ficaram visíveis, neste programa, as três partes básicas do processamento de dados: entrada, processamento e saída, destacadas no programa através dos comentários. Se em cada programa, nos concentrássemos nestas partes básicas, já teríamos metade da solução do programa resolvida. Veja o exemplo a seguir: Exemplo Faça um programa que leia um número inteiro qualquer, que representa o comprimento em jardas. Sabendo-se que esta medida de comprimento poderá ser transformada em polegadas multiplicando-se pelo número 36, e que poderá ser transformada em pés multiplicando-se pelo número 3, calcular e apresentar este valor convertido em pés e polegadas. Conforme o enunciado do programa devemos procurar identificar os elementos básicos do processamento de dados, ou seja, a entrada, o processamento e a saída de dados, fazendo algumas perguntas. Veja abaixo: Entrada de dados Pergunta: O que devemos ler? Resposta: Um número inteiro que represente o comprimento em jardas. Pergunta: Temos que ler mais alguma coisa? Resposta: Não Processamento de dados Pergunta: O que devemos fazer com esta informação lida? Resposta: Calcular a conversão de jardas para polegadas e pés. Pergunta: Como fazemos isto? Resposta: Matematicamente 1 jarda corresponde a 3 pés e 1 jarda corresponde a 36 polegadas. Devemos multiplicar o valor lido por 3 e obteremos a quantidade de pés. Também, multiplicar o valor lido por 36 e obteremos a quantidade de polegadas. Pergunta: Tem mais algum calculo para fazer? Resposta: Não Saída de dados Pergunta: Depois de calcular a conversão o que devemos fazer? Resposta: Apresentar os valores convertidos. Pergunta: Tem mais alguma coisa para apresentar? Resposta: Não Podemos então encerrar o programa. Estas são algumas considerações importantes, mas gostaria de ressaltar o seguinte: Se todos os programadores fizessem o algoritmo do programa, antes de começar a codificar o programa, muitas dores de cabeça e tempo perdidos seriam eliminados, pois encontrar um erro de sintaxe da linguagem é fácil, mas encontrar um erro de lógica no programa é 10 vezes mais difícil. Se você é um programador experiente, antes de codificar o programa, você faz o algoritmo, e ao fazelo você estará identificando, automaticamente os elementos do processamento de dados, que é a entrada o processamento e a saída. 17

18 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo Exercícios de Fixação Desenvolva os exercícios abaixo: 1. Faça um programa que leia e armazene em variáveis dois números inteiros quaisquer. Calcular e apresentar a soma entre eles. 2. Faça um programa que leia e armazene em variáveis dois números em ponto flutuantes. Calcular e apresentar a diferença entre eles. 3. Faça um programa que leia e armazene dois números quaisquer. Calcular e apresentar o produto entre eles. 4. Faça um programa que leia e armazene em variáveis dois números inteiros quaisquer. Calcular e apresentar o resto da divisão de um pelo outro. 5. Faça um programa que leia um número do tipo ponto flutuante e outro número inteiro. Calcular e apresentar a divisão do número do tipo ponto flutuante pelo número inteiro. 6. Faça um programa que leia e armazene em variáveis quatro notas escolares (entre 0 e 10) de um aluno. Calcular e apresentar a média final do aluno. 7. Faça um programa que leia e armazene em variáveis uma letra e um número. No final apresentar a letra e o número lido. 8. Faça um programa que leia e armazene a idade de uma pessoa em anos. Calcular e apresentar a quantidade de dias, a quantidade de horas, a quantidade de minutos e de segundos desde o nascimento. 9. Faça um programa que leia a receita e a despesa de uma empresa. Calcular e apresentar o seu lucro. 10. Faça um programa que leia o número de identificação de um funcionário, o seu número de horas trabalhadas no mês, o valor que recebe por hora. Calcular o salário total deste funcionário, sabendo-se que ele é pago para trabalhar por hora. No final apresentar o salário total deste funcionário. Exemplos de Aula Na disciplina de lógica apresentamos alguns exemplos de aula que agora reproduzimos escritos em linguagem C para que você possa fazer uma comparação entre eles. Primeiro exemplo Desenvolver um programa que efetue o cálculo da área de uma circunferência, apresentando a área calculada. Algoritmo Para efetuar o cálculo da área de uma circunferência é necessário conhecer a fórmula que executa este cálculo sendo esta: A = pr², em que A é a variável que conterá o resultado do cálculo da área, p é o valor de pi ( ), sendo uma constante na fórmula) e R o valor do raio. Sendo assim, basta estabelecer: 1 Ler um valor para o raio, no caso a variável R; 2 Estabelecer que PI possui o valor 3,14159; 3 Efetuar o cálculo da área, elevando ao quadrado o valor de R e multiplicando por PI; 4 Apresentar o valor da variável A. A fórmula para o cálculo da área passará a ser escrita como: A * R h 2 ou se você preferir poderá escrever da seguinte forma: A * R * R. 18

19 Codificação em Linguagem C Fundamentos de Programação float A,R; clrscr( ); printf ( Digite o raio da circunferência: ); scanf ( %f, &R ); A = * R * R; printf ( A área da circunferência e: %f, A ); getch( ); Segundo exemplo Construir um programa que efetue o cálculo do salário líquido de um professor. Para fazer este programa, você deverá possuir alguns dados, tais como: valor da hora aula, número de horas trabalhadas no mês e percentual de desconto do INSS. Em primeiro lugar, deve-se estabelecer qual será o seu salário bruto para efetuar o desconto e ter o valor do salário líquido. Algoritmo 1 Estabelecer a leitura da variável HT (Horas trabalhadas no mês); 2 Estabelecer a leitura da variável VH (valor hora aula); 3 Estabelecer a leitura da variável PD (Percentual de desconto de INSS); 4 Calcular o salário bruto (SB), sendo este a multiplicação das variáveis HT e VH; 5 Calcular o total de desconto (TD) com base no valor de PD dividido por 100; 6 Calcular o salário líquido (SL), deduzindo o desconto do salário bruto; 7 Apresentar os valores dos salários bruto e líquido: SB e SL. Codificação em Linguagem C int HT; float VH, PD, TD, SB, SL; clrscr( ); printf( Digite a quantidade de horas trabalhadas no mes: ); scanf( %d, &HT); printf( Digite o valor da hora aula: ); scanf( %f, &VH); printf( Digite o percentual de desconto do INSS: ); scanf( %f, &PD); SB = HT * VH; TD = (PD/100) * SB; 19

20 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo SL = SB - TD; printf( O valor do salario bruto e...: %12.2f\n, SB); printf( O valor do salario liquido e...: %12.2f\n, SL); getch( ); Exercícios de Aula Abaixo são apresentados exercícios, sugiro que você os faça sem ver a solução pronta do mesmo, utilize a solução para verificar se você fez corretamente. Primeiro exercício Desenvolver um programa que leia dois valores numéricos e apresente o resultado da soma dos quadrados dos valores lidos. Algoritmo 1 Ler um valor para a variável A e outro para a variável B; 2 Efetuar o cálculo do quadrado dos valores lidos, atribuindo os resultados as variáveis QA e QB; 3 Somar o quadrado dos valores lidos atribuindo o resultado a variável R; 4 Apresentar o valor da variável R. Codificação em Linguagem C int A, B, QA, QB, R; clrscr( ); printf( Digite um numero...: ); scanf( %d, &A); printf( Digite outro numero...: ); scanf( %d, &B); QA = A * A; QB = B * B; R = QA + QB; printf( A soma dos quadrados e...: %d, R); getch( ); Segundo exercício Desenvolver um programa que apresente o resultado do cálculo da área de um trapézio. Algoritmo O cálculo da área do trapézio é: área = ( bmaior + bmenor * altura ) / 2, então: 20

21 Fundamentos de Programação 1 Ler um valor para a base maior atribuindo a variável bmaior; 2 Ler um valor para a base menor atribuindo a variável bmenor; 3 Ler um valor para a altura atribuindo a variável altura; 4 Efetuar o cálculo da área atribuindo a variável area; 5 Apresentar o valor da variável area. Codificação em Linguagem C float area, bmaior, bmenor, altura; clrscr( ); printf( Digite o valor da base Maior...: ); scanf( %f, &bmaior); printf( Digite o valor da base Menor...: ); scanf( %f, &bmenor); printf( Digite o valor da altura...: ); scanf( %f, &altura); area = ((bmaior + bmenor) * altura) / 2; printf( A area do trapezio e...: %5.2f, area); getch( ); Detalhes adicionais da Linguagem C Veremos agora alguns detalhes interessantes da Linguagem C. Operadores Já tínhamos visto os operadores aritméticos e de atribuição. Vamos agora complementar o assunto vendo os operadores de incremento e decremento, os operadores aritméticos de atribuição e os operadores relacionais. Operadores de incremento (+ +) e decremento (--) O operador de incremento (+ +) incrementa de um seu operando, ou seja, ele obtém o valor do operando e acrescenta um a este valor, é o somar mais um. Em um primeiro instante isto parece uma coisa difícil de se entender, mas analise o programa abaixo e verás que é muito fácil. int num; num = 2; printf( Valor inicial = %d \n, num); num = num + 1; printf( Novo valor = %d \n, num); 21

22 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo Agora algumas considerações sobre o programa acima: Na declaração int num; estamos declarando a variável inteira num. Na linha seguinte num = 2; estamos inicializando a variável com o número inteiro 2. Na próxima linha printf( Valor inicial = %d \n, num); está sendo apresentado o valor inicial da variável num. Na linha num = num + 1; estamos somando um ao valor inicial da variável num, e é isto que chamamos de incrementar (somar um), e então na última linha apresentamos o valor final de num que deverá ser: três Agora veja o mesmo programa, mas utilizando o operador de incremento. int num; num = 2; printf( Valor inicial = %d \n, num); num++; printf( Novo valor = %d \n, num); Agora algumas considerações sobre o programa acima: A única diferença deste programa para o anterior é a linha num++; onde estamos somando um ao valor inicial da variável num. Mas, haveria uma outra forma de escrever o mesmo programa, veja as alterações a seguir: int num; num = 2; printf( Valor inicial = %d \n, num++ ); printf( Novo valor = %d \n, num); Encontrou as diferenças? Neste programa apagamos a linha num++; porque colocamos o incremento na linha anterior printf( Valor inicial = %d \n, num++ ); onde você deve notar que ao final da printf estamos usando o incremento do num++. Você deve estar se perguntando: Mas não seria apresentado o valor 3 já na primeira printf? E a resposta é: Não, estamos usando a regra de precedência, neste programa primeiro ele apresenta o valor de num para depois incrementa-lo. Este operador trabalha de dois modos. O primeiro modo é chamado pré-fixado e o operador aparece antes do nome da variável. O segundo modo é o pós-fixado em que o operador aparece seguindo o nome da variável. Em ambos os casos, a variável é incrementada. Porém quando ++num é usado numa instrução, num e incrementada antes de seu valor ser usado, e quando num++ estiver numa instrução, num é incrementada depois de seu valor ser usado. Veja o exemplo a seguir. 22

23 int n,x; Fundamentos de Programação n = 5; x = n++; printf( Valor de x = %d \n, x); printf( Valor de n = %d \n, n); 6. Veja o que aconteceu neste programa: Na linha n = 5; atribuímos o valor 5 a variável n Na linha seguinte x = n++; o valor de n é atribuído a x e depois n é incrementada de 1, tornando seu valor Na primeira printf a saída será: Valor de x = 5 e na outra vai ser: Valor de n = 6 comprovando que quando o operador é pós-fixado ele incrementa o valor da variável depois de seu valor ser usado. Vejamos o mesmo exemplo utilizando agora o operador de incremento sendo utilizado pré-fixado. int n,x; n = 5; x = ++n; printf( Valor de x = %d \n, x); printf( Valor de n = %d \n, n); Veja o que aconteceu neste programa: Na linha n = 5; atribuímos o valor 5 a variável n Na linha seguinte x = ++n; o valor de n é incrementada de 1 tornando seu valor 6, e atribuído a x. Na primeira printf a saída será: Valor de x = 6 e na outra vai ser: Valor de n = 6 comprovando que quando o operador é pré-fixado ele incrementado de um e depois o seu valor ser usado. Operadores aritméticos de atribuição +=, -=, *=, /=, %= Nestes operadores é usado um nome de variável a sua esquerda e uma expressão a sua direita. A operação consiste em atribuir um novo valor a variável que dependerá do operador e da expressão à direita. Se n é uma variável, exp uma expressão e op um operador aritmético, então: n op= exp; Equivale a n = (n) op (exp); 23

24 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo Exemplos: i + = 2; equivale a i = i + 2; x *= y+1; equivale a x = x * (y+1); t /= 2.5; equivale a t = t / 2.5; p %= 5; equivale a p = p % 5; d -= 3; equivale a d = d - 3; Uma expressão com estes operadores são mais compactos e normalmente produzem um código de máquina mais eficiente. Exercícios de Fixação 1. Analise o programa abaixo e informe os valores apresentados na tela: int a=1, b=2, c=3, d; d = a; printf( %d \n, d); /* valor de d: */ d = b++; printf( %d \n, d); /* valor de d: */ d = ++c; printf( %d \n, d); /* valor de d: */ a += b; printf( %d \n, a); /* valor de a: */ c *= b; printf( %d \n, c); /* valor de c: */ 2. Assuma que todas as variáveis são do tipo int. Encontre o valor de cada uma delas e escreva um programa que as imprima para verificar os resultados: a) x = ( ) * 6; b) y = ( ) / 2 * 3; c) i = j = ( ) / 4; d) a = * ( b = 7 / 2 ); e) c = % 4 / 2; 3. Reescreva as seguintes instruções usando os operadores de incremento e decremento: num = num + 1; num = num 1; 24

25 Fundamentos de Programação 4. Reescreva as seguintes instruções usando os operadores aritméticos de atribuição: num1 = num1 + num2; num2 = num2 num1; 5. Analise o programa abaixo e informe os valores apresentados na tela: int num=0; printf( %d \n, num); /* valor de num: */ printf( %d \n, num++); /* valor de num: */ printf( %d \n, num); /* valor de num: */ 6. Analise o programa abaixo e informe os valores apresentados na tela: int num=0; printf( %d \n, num); /* valor de num: */ printf( %d \n, ++num); /* valor de num: */ printf( %d \n, num); /* valor de num: */ 7. Analise o programa abaixo e informe os valores apresentados na tela: int num=0; printf( %d \n, num); /* valor de num: */ printf( %d \n, - -num); /* valor de num: */ printf( %d \n, num); /* valor de num: */ 25

26 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo 8. Analise o programa abaixo e informe os valores apresentados na tela: int num=0; printf( %d \n, num); /* valor de num: */ printf( %d \n, num- -); /* valor de num: */ printf( %d \n, num); /* valor de num: */ 9. Analise o programa abaixo e informe os valores apresentados na tela: int num=0; num += 10; printf( %d \n, num); /* valor de num: */ num += 10; printf( %d \n, num); /* valor de num: */ Strings Um tipo especial de caracteres Em nosso primeiro programa colocamos na tela do computador, através da função printf uma seqüência de caracteres entre aspas Meu primeiro programa, lembra? Havia escrito que podemos chamá-la de cadeia de caracteres ou de String. Usaremos, a partir deste momento, apenas String. String é uma das mais importantes formas de dados em C e é usada para armazenar e manipular textos como palavras, nomes e sentenças. String é um vetor unidimensional do tipo char terminada pelo caractere null. Composta de uma série de caracteres, a definição de string como sendo um vetor do tipo char é bastante razoável. Cada caractere de uma string pode ser acessado como um elemento do vetor o que proporciona uma grande flexibilidade aos programas que processam textos. Na string a seguir: Alcides Maya cada caractere ocupa um byte de memória e o último caractere é sempre \0 (null). Veja uma representação de como é uma string no computador: A l c I d e s M a y a \0 No exemplo acima temos uma série de elementos do vetor de caracteres, sendo que o primeiro elemento, onde está a letra A é o elemento 0 (zero) do vetor. O segundo elemento, onde está a letra l é o elemento 1 (um) do vetor. O terceiro elemento, onde está a letra c é o elemento 2 (dois) do vetor e assim sucessivamente. A l c I d e s M a y a \

27 Fundamentos de Programação Variáveis que armazenam uma string Uma das maneiras de receber uma string do teclado é através da função scanf( ) pelo formato %s. char nome[16]; printf( Digite seu nome: ); scanf( %s, &nome[0]); printf( Olá, %s, tudo bem?, nome); Agora algumas considerações sobre o programa acima: Na declaração: char nome[16]; declaramos a variável nome do tipo char que tem um tamanho de 16 caracteres, reservando o último elemento da string para o caracter \0 (null). Na linha printf( Digite seu nome: ); você encontra uma string entre as aspas Na próxima linha scanf( %s, &nome[0]); temos a função scanf() que vai ler uma string e armazenar na variável nome. Você deve ter notado que usamos o operador & precedendo o segundo argumento de scanf() e também que estamos fazendo referência ao primeiro elemento do vetor [0]. Visto que o nome de um vetor é o seu endereço inicial poderíamos usar a scanf() da seguinte forma: scanf( %s, nome); que o resultado seria o mesmo. Na última linha printf( Olá, %s, tudo bem?, nome); estamos apresentando o conteúdo do vetor. Lendo strings com a Função scanf() Ler uma string consiste em dois passos: reservar espaço de memória para armazená-la e usar alguma função que permita a sua entrada. O primeiro passo é declarar a string especificando o seu tamanho, sempre com um espaço a mais para o caracter \0 (null). char nome[16]; Uma vez reservado o espaço necessário você pode usar a função scanf() para receber a string. A função scanf() é bastante limitada para a leitura de strings. Por exemplo, considere a seguinte execução do Exercício 26. Digite seu nome: Alcides Maya Olá, Alcides, tudo bem? O programa subitamente eliminou o último nome. Lembre-se de que scanf() usa qualquer espaço em branco para terminar a entrada. O resultado é que não existe uma forma de digitar um texto de múltiplas palavras numa única variável usando scanf(). A função scanf() é usada, principalmente para ler uma mistura de tipos de dados numa mesma instrução. Por exemplo, se em cada linha de entrada quisermos ler o nome de um material do estoque, o seu número do estoque e o seu preço, scanf() se adaptam perfeitamente. Lendo strings com a Função gets() A função gets() é bastante conveniente para a leitura de strings. O seu propósito é ler uma string da sua entrada padrão, que por default é o teclado. Visto que uma string não tem um tamanho predeterminado, gets( ) Iê caracteres até encontrar o de nova linha ( \n ) que é gerado pressionando-se a tecla [Enter]. Todos os caracteres anteriores ao \n são armazenados na string e é então incluído o caractere \0. Caracteres brancos como espaços e tabulações são perfeitamente aceitáveis como parte da string. Eis um 27

28 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo exemplo simples: char nome[16]; printf( Digite seu nome: ); gets(nome); printf( Olá, %s, tudo bem?, nome); ) Agora algumas considerações sobre o programa acima: No programa anterior usamos scanf( %s, &nome[0]); mas agora, utilizamos gets(nome); que poderá ler mais de uma palavra separada por espaço em branco. A função gets( ) é exatamente o que procurávamos: agora o programa lembrará todo o nome. Agora ao digitarmos duas ou mais palavras, será armazenado o nome completo. Se forem digitadas as palavras Alcides Maya, teremos o resultado apresentado como no exemplo abaixo: Digite seu nome: Alcides Maya Olá, Alcides Maya, tudo bem? OBSERVAÇÃO: Se você digitar um nome maior que o espaço reservado para o string, (15 caracteres no programa acima) o programa segue armazenando os dados na memória do computador, sem fazer qualquer consistência em relação ao tamanho do string, podendo armazenar em cima da área de programa, que está na memória do computador. Experimente rodar o programa acima digitando as seguintes palavras: Escola Técnica Alcides Maya, e veja o que poderá acontecer. Inicializando strings O compilador oferece uma forma de inicialização de strings consideravelmente mais simples: char nome[ ] = Ana ; Enquanto os caracteres simples são colocados entre aspas simples, a string é colocada entre aspas duplas. O uso da segunda forma causa a inclusão automática do caractere \0, ou seja teremos a seguinte string na memória. A n a \ char nome[ ] = Alcides Maya ; printf( Olá, %s, tudo bem?, nome); 28

29 Fundamentos de Programação Agora algumas considerações sobre o programa acima: Na linha char nome[ ] = Alcides Maya ; estamos declarando a variável nome que é do tipo vetor de caracteres e já está sendo inicializada com o valor Alcides Maya, ele terá um tamanho de 13 caracteres, já contando o lugar reservado para o \0 (null). Exercícios de Fixação 1. Faça um programa que leia o nome de 2 pessoas e armazene os nomes lidos (use a função scanf para ler os nomes). Depois escreva na tela os nomes lidos. 2. Faça um programa que leia o nome de 2 pessoas e armazene os nomes lidos (use a função gets para ler os nomes). Depois escreva na tela os nomes lidos. 3. Faça um programa que leia três frases. As frases deverão ser armazenadas e depois ser apresentadas na tela. 4. Faça um programa que declare uma string de 80 caracteres de espaço em branco. Depois escrever 25 printf s que imprimam esta string na tela. O que acontece? 5. Faça um programa que leia o teu nome, o nome da tua mãe e escreva na tela o teu nome e o nome da tua mãe, cada um em uma linha da tela. 6. Quais das declarações de string está correta? ( ) string nome[80]; ( ) char nome(80); ( ) char nome[80]; ( ) char nome = 80; ( ) Nenhuma alternativa acima 7. Qual das funções é mais apropriada para ler uma string composta por várias palavras? ( ) scanf ( ) printf ( ) puts ( ) gets ( ) Nenhuma alternativa acima 8. Assuma a seguinte inicialização: char nome[] = Escola Alcides Maya ; Como você se refere à string Maya (as últimas 4 letras da string)? 9. Qual é o erro da instrução abaixo? nome = Alcides Maya ; 29

30 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo 10. Qual é o último caractere de uma string? ( ) \n ( ) \t ( ) \s ( ) \0 ( ) Nenhuma alternativa acima 4 Estruturas de Controle A Tomada de Decisões Foi visto anteriormente como trabalhar com entrada, processamento e saída utilizando funções, variáveis e operadores. Apesar de já se conseguir solucionar problemas e transforma-los em programas, os recursos até aqui estudados são limitados, pois haverá momentos em que um determinado valor dentro de um programa necessitará ser tratado para se efetuar um processamento mais adequado. Imagine a seguinte situação: um programa que apresente a média escolar de um aluno. Até aqui, muito simples, mas além de calcular a média, o programa deve apresentar se ele está aprovado ou reprovado segundo a análise de sua média. Observe que aqui será necessário verificar a média do aluno para então tomar uma decisão no sentido de apresentar a sua real situação: aprovado ou reprovado. Tomar esta decisão implica em comparar a média com um valor numérico, e para realizar esta comparação utilizamos operadores relacionais que veremos a seguir. Operadores relacionais Os operadores relacionais são usados para fazer comparações. São eles: Operador Ação Exemplo Resultado > maior do que 5 > 2 V >= maior ou igual 5 >= 7 F < menor do que 5 < 7 V <= menor ou igual 5 <= 7 V = = igual a 5 == 7 F! = diferente 5!= 7 V Operadores relacionais são o vocabulário que o programa usa para fazer perguntas. Em C não existe um tipo de variável chamada booleana, isto é, que assuma um valor verdadeiro ou falso. O valor zero (0) é considerado falso e qualquer valor diferente de zero (0) é considerado verdadeiro. Vamos fazer um exemplo que possa identificar estes operadores. int valor1, valor2; printf( Informe um valor1: ); scanf( %d, &valor1); printf( Informe um valor2: ); scanf( %d, &valor2); printf( valor1 > valor2 é %d \n, (valor1 > valor2) ); printf( valor1 < valor2 é %d \n, (valor1 < valor2) ); printf( valor1 >= valor2 é %d \n, (valor1 >= valor2) ); 30

Conceitos básicos da linguagem C

Conceitos básicos da linguagem C Conceitos básicos da linguagem C 2 Em 1969 Ken Thompson cria o Unix. O C nasceu logo depois, na década de 70. Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando o sistema operacional UNIX criado por

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Construções Básicas Programa em C #include int main ( ) { Palavras Reservadas } float celsius ; float farenheit ; celsius = 30; farenheit = 9.0/5

Leia mais

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10 1. TIPOS DE DADOS... 3 1.1 DEFINIÇÃO DE DADOS... 3 1.2 - DEFINIÇÃO DE VARIÁVEIS... 3 1.3 - VARIÁVEIS EM C... 3 1.3.1. NOME DAS VARIÁVEIS... 3 1.3.2 - TIPOS BÁSICOS... 3 1.3.3 DECLARAÇÃO DE VARIÁVEIS...

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição de constantes:

Leia mais

AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C. Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme

AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C. Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme Agenda Introdução a linguagem C Compiladores Variáveis IDEs Exemplos Exercícios Introdução A Linguagem C

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

Curso de Linguagem C

Curso de Linguagem C Curso de Linguagem C 1 Aula 1 - INTRODUÇÃO...4 AULA 2 - Primeiros Passos...5 O C é "Case Sensitive"...5 Dois Primeiros Programas...6 Introdução às Funções...7 Introdução Básica às Entradas e Saídas...

Leia mais

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br

LP II Estrutura de Dados. Introdução e Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br LP II Estrutura de Dados Introdução e Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Considerações Gerais Introdução a Linguagem C Variáveis e C Tipos de

Leia mais

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ #include { Este trecho é reservado para o corpo da função, com a declaração de suas variáveis locais, seus comandos e funções

Leia mais

Introdução a lógica de programação. Aula 02: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express

Introdução a lógica de programação. Aula 02: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express Introdução a lógica de programação Aula 02: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express Roteiro da aula Linguagem de Programação Visual C#: Introdução a C# através de comandos de entrada

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

Componentes da linguagem C++

Componentes da linguagem C++ Componentes da linguagem C++ C++ é uma linguagem de programação orientada a objetos (OO) que oferece suporte às características OO, além de permitir você realizar outras tarefas, similarmente a outras

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

Aula 01: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express

Aula 01: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express Aula 01: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express EMENTA: Introdução ao Visual C#. Fundamentos da Linguagem. Estruturas de decisão e repetição. Modularização de Programas: Funções. Arrays

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

2 Um Primeiro Programa em C

2 Um Primeiro Programa em C 2 Um Primeiro Programa em C Ronaldo F. Hashimoto, Carlos H. Morimoto e José A. R. Soares OobjetivodessaaulaéintroduzirvocêàlinguagemCemambienteLinux,primeiramentemostrandoasua estrutura, e a seguir com

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

Aula 4 Pseudocódigo Tipos de Dados, Expressões e Variáveis

Aula 4 Pseudocódigo Tipos de Dados, Expressões e Variáveis 1. TIPOS DE DADOS Todo o trabalho realizado por um computador é baseado na manipulação das informações contidas em sua memória. Estas informações podem ser classificadas em dois tipos: As instruções, que

Leia mais

LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO

LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO AULA 1 Conceitos muito básicos 1 Introdução O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

Algoritmos com VisuAlg

Algoritmos com VisuAlg Algoritmos com VisuAlg Prof Gerson Volney Lagemann Depto Eng de Produção e Sistemas UDESC - CCT Algoritmos com VisuAlg Introdução A linguagem VisuAlg é simples, seu objetivo é disponibilizar um ambiente

Leia mais

13 Números Reais - Tipo float

13 Números Reais - Tipo float 13 Números Reais - Tipo float Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Até omomentonoslimitamosaouso do tipo inteiro para variáveis e expressões aritméticas. Vamos introduzir agora o tipo real. Ao final

Leia mais

Linguagem e Técnicas de Programação I Operadores, expressões e funções. Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa.

Linguagem e Técnicas de Programação I Operadores, expressões e funções. Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Linguagem e Técnicas de Programação I Operadores, expressões e funções Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Ameliara Freire Operadores básicos Toda linguagem de programação, existem

Leia mais

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 3.1 - IDENTIFICADORES Os objetos que usamos no nosso algoritmo são uma representação simbólica de um valor de dado. Assim, quando executamos a seguinte instrução:

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação Lógica de Programação 3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C Caro Aluno Vamos iniciar o terceiro capítulo da nossa disciplina. Agora vamos começar a aplicar os conceitos vistos nos capítulos anteriores em uma linguagem

Leia mais

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto ALGORITMOS PARTE 01 Fabricio de Sousa Pinto Algoritmos: Definição 2 É uma sequência de instruções finita e ordenada de forma lógica para a resolução de uma determinada tarefa ou problema. Algoritmos 3

Leia mais

Curso de Programação Computadores

Curso de Programação Computadores 3 O Primeiro Programa em C Unesp Campus de Guaratinguetá Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro 3 O Primeiro Programa em C 3.1 - Introdução Depois dos conceitos

Leia mais

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 2ª Aula Programa, entrada e saída de dados

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 2ª Aula Programa, entrada e saída de dados MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 2ª Aula Programa, entrada e saída de dados 1. Objetivos Falar sobre programa de computador, diferenciando programa em linguagem de máquina, de programa em

Leia mais

Programas simples em C

Programas simples em C Programas simples em C Problema 1. Escreve um programa em C que dados dois inteiros indique se são iguais ou qual o maior. Utilizar a construção em 5 etapas... quais? 1. Perceber o problema 2. Ideia da

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria)

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria) PC PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria) Aula 01 Prof. Ricardo Veras (prof.rveras@gmail.com) ALGORITMOS "Seqüência ordenada de passos, que deve ser seguida para a realização de um tarefa" "Algoritmo é um

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

Roteiro 1: Dados, variáveis, operadores e precedência

Roteiro 1: Dados, variáveis, operadores e precedência 1. Introdução Universidade Federal do ABC Disciplina: Processamento da Informação (BC-0505) Assunto: Dados, variáveis, operadores e precedência Roteiro 1: Dados, variáveis, operadores e precedência Nesta

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA Aula 06: Ponteiros Declarando e utilizando ponteiros Ponteiros e vetores Inicializando ponteiros Ponteiros para Ponteiros Cuidados a serem

Leia mais

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C Linguagem de uso geral (qualquer tipo de aplicação) Uma das linguagens mais utilizadas Foi utilizada

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Waldemar Celes e Roberto Ierusalimschy 29 de Fevereiro de 2012 1 Ciclo de desenvolvimento O modelo hipotético de computador utilizado no capítulo anterior, embora muito

Leia mais

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos SSC0101 - ICC1 Teórica Introdução à Ciência da Computação I Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos Prof. Vanderlei Bonato Prof. Cláudio Fabiano Motta Toledo Sumário Análise e solução de

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

20 Caracteres - Tipo char

20 Caracteres - Tipo char 0 Caracteres - Tipo char Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Até agora vimos como o computador pode ser utilizado para processar informação que pode ser quantificada de forma numérica. No entanto,

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Básico de Computadores Computador: dispositivos físicos + programas Dispositivos físicos: hardware Programas: as instruções que dizem aos dispositivos

Leia mais

1 Resumo: Strings e vetores de caracteres. Departamento de Ciência da Computação IME/USP

1 Resumo: Strings e vetores de caracteres. Departamento de Ciência da Computação IME/USP Departamento de Ciência da Computação MAC2166 Introdução a Computação IME/USP Strings e vetores de caracteres 1 Resumo: O uso de strings facilita a manipulação de palavras e textos. Strings são basicamente

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo COMPILADORES Toda linguagem de programação

Leia mais

Introdução à Linguagem C

Introdução à Linguagem C Prof. Yandre Maldonado - 1 Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa Prof. Yandre Maldonado - 2 Linguagem C: Desenvolvida por Dennis Ritchie nos laboratórios da AT&T Bell (EUA) no início dos anos 70; Algol

Leia mais

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos Vetores Nos capítulos anteriores estudamos as opções disponíveis na linguagem C para representar: Números inteiros em diversos intervalos. Números fracionários com várias alternativas de precisão e magnitude.

Leia mais

Introdução a C Tipos de Dados Variáveis Operadores

Introdução a C Tipos de Dados Variáveis Operadores Introdução a C Tipos de Dados Variáveis Operadores INF1005 Programação I Prof. Hélio Lopes lopes@inf.puc-rio.br sala 408 RDC 1 introdução a C tópicos ciclo de desenvolvimento sistemas numéricos tipos de

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Sintaxe Básica de Java Parte 1

Sintaxe Básica de Java Parte 1 Sintaxe Básica de Java Parte 1 Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marcioubeno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Estrutura de Programa Um programa

Leia mais

Convertendo Algoritmos para a Linguagem C

Convertendo Algoritmos para a Linguagem C onvertendo Algoritmos para a Linguagem Notas de Aula Prof. Francisco Rapchan www.geocities.com/chicorapchan O objetivo deste texto é mostrar alguns programas em, dando uma breve descrição de seu funcionamento

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

A Estação da Evolução

A Estação da Evolução Microsoft Excel 2010, o que é isto? Micorsoft Excel é um programa do tipo planilha eletrônica. As planilhas eletrônicas são utilizadas pelas empresas pra a construção e controle onde a função principal

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MÉTODOS

DEFINIÇÃO DE MÉTODOS Cursos: Análise, Ciência da Computação e Sistemas de Informação Programação I - Prof. Aníbal Notas de aula 2 DEFINIÇÃO DE MÉTODOS Todo o processamento que um programa Java faz está definido dentro dos

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. A Linguagem C

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. A Linguagem C Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação A Linguagem C Prof. Renato Pimentel 1 Programação Quando queremos criar ou desenvolver um software para realizar determinado tipo de processamento

Leia mais

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C / C++

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C / C++ Edwar Saliba Júnior Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C / C++ Belo Horizonte 2009 Sumário 1 Nota:... 2 2 Comandos e Palavras Reservadas:... 3 3 Dicas... 4

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

Algoritmo e Programação

Algoritmo e Programação Algoritmo e Programação Professor: José Valentim dos Santos Filho Colegiado: Engenharia da Computação Prof.: José Valentim dos Santos Filho 1 Ementa Noções básicas de algoritmo; Construções básicas: operadores,

Leia mais

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo:

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo: Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

Algoritmos Computacionais ( Programas )

Algoritmos Computacionais ( Programas ) Algoritmos Computacionais ( Programas ) A partir deste tópico, consideramos a utilização do universo Computacional na solução de problemas. Para tanto devemos lembrar que a transposição de problemas do

Leia mais

Laboratório de Programação. Prof. Oscar Luiz Monteiro de Farias fariasol@gmail.com

Laboratório de Programação. Prof. Oscar Luiz Monteiro de Farias fariasol@gmail.com Laboratório de Programação Prof. Oscar Luiz Monteiro de Farias fariasol@gmail.com Ementa: Equivalente ao sumário do livro: The C Programming Language, Second edition. Autores: Brian W. Kernighan, Dennis

Leia mais

Algoritmos e Programação de Computadores

Algoritmos e Programação de Computadores Algoritmos e Programação de Computadores Algoritmos Estrutura Sequencial Parte 1 Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda Etapas de ação do computador; TDP Tipos de Dados Primitivos; Variáveis; Constantes;

Leia mais

Aluísio Eustáquio da Silva

Aluísio Eustáquio da Silva 1 Aluísio Eustáquio da Silva SciLab Programável Material didático usado em aulas de Programação de Computadores, Algoritmos e Lógica de Programação Betim Maio de 2012 2 PROGRAMAÇÃO O SciLab permite que

Leia mais

Linguagem de Programação I. Aula 05 Linguagem C

Linguagem de Programação I. Aula 05 Linguagem C Linguagem de Programação I Aula 05 Linguagem C Da Aula Anterior Algoritmos Portugol: aspectos básicos Estruturas repetição e controle Array: vetores e matrizes Nesta Aula Linguagens de Programação A Linguagem

Leia mais

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis Variáveis Variáveis são locais onde armazenamos valores na memória. Toda variável é caracterizada por um nome, que a identifica em um programa,

Leia mais

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Ameliara Freire Continuando as aulas sobre os fundamentos

Leia mais

5 Apresentando a linguagem C

5 Apresentando a linguagem C 5 Apresentando a linguagem C O criador da linguagem de programação C foi Dennis Ritchie que, na década de 70, programou-a por meio de um computador DEC PDP-11 rodando sistema operacional Unix. Entretanto,

Leia mais

Aula 3 - Sistemas de Numeração

Aula 3 - Sistemas de Numeração UEM Universidade Estadual de Maringá DIN - Departamento de Informática Disciplina: Fundamentos da Computação Profª Thelma Elita Colanzi Lopes thelma@din.uem.br Aula 3 - Sistemas de Numeração O ser humano,

Leia mais

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C Edwar Saliba Júnior Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C Belo Horizonte 2010 Sumário 1 Nota:... 2 2 Comandos e Palavras Reservadas:... 3 3 Dicas... 4 3.1 Strings

Leia mais

Sistemas de Numerações.

Sistemas de Numerações. Matemática Profº: Carlos Roberto da Silva; Lourival Pereira Martins. Sistema de numeração: Binário, Octal, Decimal, Hexadecimal; Sistema de numeração: Conversões; Sistemas de Numerações. Nosso sistema

Leia mais

Algoritmos e Programação. Curso de Engenharia de Produção Prof. Ms. Rogério Cardoso rogerio.cardoso@aedu.com professor@rogeriocardoso.com.

Algoritmos e Programação. Curso de Engenharia de Produção Prof. Ms. Rogério Cardoso rogerio.cardoso@aedu.com professor@rogeriocardoso.com. Algoritmos e Programação Curso de Engenharia de Produção Prof. Ms. Rogério Cardoso rogerio.cardoso@aedu.com professor@rogeriocardoso.com.br 2012 Conteúdo e Objetivos da Aula Introdução a Linguagem C Revisão

Leia mais

EXERCÍCIOS. 2. Faça um algoritmo que receba dois números e ao final mostre a soma, subtração, multiplicação e a divisão dos números lidos.

EXERCÍCIOS. 2. Faça um algoritmo que receba dois números e ao final mostre a soma, subtração, multiplicação e a divisão dos números lidos. EXERCÍCIOS 1. Faça um algoritmo que receba dois números e exiba o resultado da sua soma. 2. Faça um algoritmo que receba dois números e ao final mostre a soma, subtração, multiplicação e a divisão dos

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

Desenvolvido por: Juarez A. Muylaert Filho - jamf@estacio.br Andréa T. Medeiros - andrea@iprj.uerj.br Adriana S. Spallanzani - spallanzani@uol.com.

Desenvolvido por: Juarez A. Muylaert Filho - jamf@estacio.br Andréa T. Medeiros - andrea@iprj.uerj.br Adriana S. Spallanzani - spallanzani@uol.com. UAL é uma linguagem interpretada para descrição de algoritmos em Português. Tem por objetivo auxiliar o aprendizado do aluno iniciante em programação através da execução e visualização das etapas de um

Leia mais

IFTO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO AULA 05

IFTO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO AULA 05 IFTO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO AULA 05 Prof. Manoel Campos da Silva Filho Tecnólogo em Processamento de Dados / Unitins Mestre em Engenharia Elétrica / UnB http://lab.ifto.edu.br/~mcampos http://manoelcampos.com

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013 Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Suponha que soma (+) e subtração (-) são as únicas operações disponíveis em

Leia mais

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões Programação de Computadores I Aula 05 Programação: Tipos, Variáveis e Expressões José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/56 Valores Valor é uma entidade

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Atualizado em Prof. Rui Mano E mail: rmano@tpd.puc rio.br SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Sistemas de Numer ação Posicionais Desde quando se começou a registrar informações sobre quantidades, foram criados diversos

Leia mais

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá.

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá. INTRODUÇÃO A lógica de programação é extremamente necessária para as pessoas que queiram trabalhar na área de programação, seja em qualquer linguagem de programação, como por exemplo: Pascal, Visual Basic,

Leia mais

1 Revisão: Construção de fórmulas

1 Revisão: Construção de fórmulas 1 Revisão: Construção de fórmulas Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução...3 Como efetuar uma operação...3 Construindo

Leia mais

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação III Aula 02 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação Técnica de comunicação padronizada para enviar instruções a um computador. Assim

Leia mais

Italo Valcy

Italo Valcy <italo@dcc.ufba.br> Programação C Módulo 01 Introdução à linguagem C Italo Valcy www.ieee.org/ufba Italo Valcy Programação em C Licença de uso e distribuição Todo o material aqui disponível pode, posteriormente,

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Professor: Renato Dourado Maia Disciplina: Programação de Computadores Curso: Engenharia de Alimentos Turma: Terceiro Período 1 Introdução

Leia mais

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson.

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios Aula 01 Slide 1 BIBLIOGRAFIA SCHILDT H. C Completo e Total, Makron Books. SP, 1997. Curso de linguagem C da UFMG. ZIVIANI,

Leia mais

Conceitos Importantes:

Conceitos Importantes: Conceitos Importantes: Variáveis: Por Flávia Pereira de Carvalho, 2007 i O bom entendimento do conceito de variável é fundamental para elaboração de algoritmos, consequentemente de programas. Uma variável

Leia mais

Laboratório de Programação I

Laboratório de Programação I Laboratório de Programação I Introdução à Programação em Visual Basic Fabricio Breve Objetivos Ser capaz de escrever programas simples em Visual Basic Ser capaz de usar os comandos de entrada e saída Familiarizar-se

Leia mais

Javascript 101. Parte 2

Javascript 101. Parte 2 Javascript 101 Parte 2 Recapitulando O Javascript é uma linguagem de programação funcional Os nossos scripts são executados linha a linha à medida que são carregados. O código que está dentro de uma função

Leia mais

Algoritmos e Programação. Prof. Tarcio Carvalho

Algoritmos e Programação. Prof. Tarcio Carvalho Algoritmos e Programação Prof. Tarcio Carvalho Conceito de Lógica A utilização da lógica na vida do indivíduo é constante, visto que é ela quem possibilita a ordenação do pensamento humano. Exemplo: A

Leia mais

Aula 1. // exemplo1.cpp /* Incluímos a biblioteca C++ padrão de entrada e saída */ #include

Aula 1. // exemplo1.cpp /* Incluímos a biblioteca C++ padrão de entrada e saída */ #include <iostream> Aula 1 C é uma linguagem de programação estruturada desenvolvida por Dennis Ritchie nos laboratórios Bell entre 1969 e 1972; Algumas características: É case-sensitive, ou seja, o compilador difere letras

Leia mais

PHP() é uma linguagem de integração de servidor que permite a criação de paginas dinâmicas. Como todas

PHP() é uma linguagem de integração de servidor que permite a criação de paginas dinâmicas. Como todas O que é PHP? Acrônimo de PHP: Hipertext Language PostProcessor Inicialmente escrita para o desenvolvimento de aplicações Web Facilidade para iniciantes e recursos poderosos para programadores profissionais

Leia mais

e à Linguagem de Programação Python

e à Linguagem de Programação Python Introdução a Algoritmos, Computação Algébrica e à Linguagem de Programação Python Curso de Números Inteiros e Criptografia Prof. Luis Menasché Schechter Departamento de Ciência da Computação UFRJ Agosto

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 04 Introdução a Linguagem Lua Edirlei Soares de Lima Linguagem Lua Lua é uma linguagem de programação projetada para dar suporte à programação

Leia mais

Linguagem C. TGSI Lógica de Programação / Linguagem C Prof. Marcos Roberto

Linguagem C. TGSI Lógica de Programação / Linguagem C Prof. Marcos Roberto Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional UNIX. O C é derivado de uma outra linguagem: o B,

Leia mais

Linguagem de Programação I

Linguagem de Programação I Linguagem de Programação I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2016 Linguagem de Programação C 2 1 Linguagem de Programação C Os programas em C consistem em

Leia mais

Prof. Esp. Adriano Carvalho

Prof. Esp. Adriano Carvalho Prof. Esp. Adriano Carvalho O que é um Programa? Um arquivo contendo uma sequência de comandos em uma linguagem de programação especifica Esses comandosrespeitam regras de como serem escritos e quais

Leia mais

Organização de programas em Java. Vanessa Braganholo vanessa@ic.uff.br

Organização de programas em Java. Vanessa Braganholo vanessa@ic.uff.br Organização de programas em Java Vanessa Braganholo vanessa@ic.uff.br Vamos programar em Java! Mas... } Como um programa é organizado? } Quais são os tipos de dados disponíveis? } Como variáveis podem

Leia mais

ERROS MAIS COMUNS COMETIDOS EM PROGRAMAS E ALGORITMOS

ERROS MAIS COMUNS COMETIDOS EM PROGRAMAS E ALGORITMOS ERROS MAIS COMUNS COMETIDOS EM PROGRAMAS E ALGORITMOS Compilação dos erros mais comuns cometidos por estudantes de Introdução a Algoritmos Marcos Portnoi Edição 19.4.2007 Universidade Salvador UNIFACS

Leia mais

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos.

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos. Objetivos 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos Revisar o sistema de numeração decimal Contar no sistema de numeração binário Converter de decimal para binário e vice-versa Aplicar operações aritméticas

Leia mais