REJEIÇÃO À MATEMÁTICA: CAUSAS E FORMAS DE INTERVENÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REJEIÇÃO À MATEMÁTICA: CAUSAS E FORMAS DE INTERVENÇÃO"

Transcrição

1 REJEIÇÃO À MATEMÁTICA: CAUSAS E FORMAS DE INTERVENÇÃO Leonardo Rodrigues dos Reis 1 RESUMO Este texto trata dos motivos mais pertinentes que levam os alunos a não gostarem de Matemática. Por meio de pesquisas bibliográficas e de uma pesquisa realizada em uma escola pública da periferia de Brasília, pode-se verificar que as causas mais freqüentes para a rejeição são: dificuldade por parte dos alunos em lidar com a disciplina, falta de motivação de professores e alunos, o rigor matemático, a falta de ligação entre a matemática escolar e o cotidiano dos alunos, experiências negativas envolvendo esta matéria e a maneira como os professores desenvolvem suas atividades. Conhecer estas causas é imprescindível para propor formas de intervir nesta realidade e procurar adequar as práticas docentes visando tornar o ensino-aprendizagem desta disciplina mais interessante e atrativo para os alunos. Palavras-chave: Matemática, ensino, aprendizagem, educação. 1 - INTRODUÇÃO Em educação matemática, um dos interesses dos estudiosos é buscar metodologias que alterem, aprimorem e melhorem o ensino-aprendizagem desta disciplina, tida, ainda, como difícil e em muitos casos rejeitada pelos discentes de todas as classes sociais e em todos os níveis de escolaridade. Os alunos culpam os professores, que por sua vez dizem fazer o máximo para seguir o planejamento, porém se correrem demais com a matéria os alunos não acompanharão, formando, dessa forma, um círculo vicioso. Quais seriam as causas dessa rejeição à matemática? A família, a mídia, o contexto social em que os alunos estão inseridos influenciam na dificuldade em se aprender Matemática? A rejeição surge da dificuldade na aprendizagem ou é a rejeição que leva à dificuldade em se aprender Matemática? A forma como o professor aborda o conteúdo influencia os alunos a rejeitar essa disciplina? Essas são questões centrais para começar uma investigação teórica sobre as causas e formas de intervenção à rejeição matemática. Outras questões surgirão a partir dessas e outros aspectos devem ser levados em consideração quando pretende-se investigar alguma coisa em ensino-aprendizagem, pois se deve levar em conta as relações sociais dos alunos, identificar seu perfil psicológico, social e econômico para conhecer um pouco da realidade desses alunos. Para isso, antes de tudo, é preciso fazer um diagnóstico das dificuldades dos alunos, o que é muito difícil devido as contradições de nossas cidades e de nosso país onde se observa problemas em diversas áreas como: carência alimentar, falta de escolas, de atendimento médico-hospitalar, segurança, dentre outros. Isso tudo associado a um quadro de concentração de renda gritante. Todos esses elementos influenciam na escola e em suas atividades pedagógicas pois, enquanto instituição social e dentro desse contexto, a escola tende a reproduzir as mesmas características da sociedade. 1 Licenciando do curso de Matemática da Universidade Católica de Brasília-UCB

2 2 - DA REJEIÇÃO Segundo o dicionário, 2 rejeição significa recusa, desaprovação; ainda rejeitar: recusar, não admitir, repelir; e rejeitável: recusável, inaceitável. Segundo Campos (1996), Freud, em sua Teoria da Evolução da Personalidade afirma que assim como existe uma energia física que governa os fenômenos naturais também existe uma energia psíquica de natureza libidinosa que influi diretamente sobre o comportamento humano. Um conceito fundamental da teoria freudiana é a noção de pulsões ou de instintos básicos. Um deles representa o impulso para a vida criativa e a preservação do organismo enquanto indivíduo e espécie, a este instinto dar-se o nome de eros que possui natureza sexual. Lembrando que para Freud a sexualidade se relaciona com o bem-estar do organismo, ou seja, tudo que preserve sua integridade e proporcione funcionalidade. Então, segundo a teoria freudiana, se alguma atividade não agrada, ou se o indivíduo executando essa atividade, não sente bem-estar físico ou mental naturalmente, instintivamente irá recusá-la, rejeitá-la, uma vez que não atende a sua sexualidade. No caso da Matemática, poucas são as pessoas que afirmam ter aptidão, ou não tenham tido alguma experiência desagradável com esta disciplina, inclusive profissionais bem sucedidos em suas respectivas áreas, por exemplo: médicos, administradores entre outros. Em compensação são muitos os que expressam ter aversão, medo, pavor à Matemática, decorrente de experiências passadas, seja com professores ou com algum conteúdo dos diversos existentes na área. Existem pessoas que têm fobia à Matemática. Uma fobia é uma espécie particular de medo. A palavra fobia deriva do grego phobia e significa pânico, terror. Ela apresenta as seguintes características: desproporção entre emoção e a situação que a provoca, medo sem explicação por algo ou alguma coisa, falta de controle e tendência a evitar o que lhe traz medo. A aversão à Matemática é descrita pela Academia Brasileira de Psicologia pelo medo mórbido irracional, desproporcional, persistente e repugnante de números ou da Matemática. É preciso levar em consideração que em uma turma existem vários tipos de pessoas e classes sociais e que nem todos desenvolvem aptidões matemáticas, optando por outras áreas do conhecimento. Lidar com esta diversidade é missão muito difícil, pois o professor pouco motivado por questões salariais, condições do trabalho que dignifique sua atuação enquanto formador de opinião e agente transformador da sociedade, atarefado, com várias turmas, todas com um número excessivo de alunos com carências e deficiências diferentes, com realidades diferentes, não consegue acompanhar o desenvolvimento de todos. Então para despertar o interesse dos alunos o professor poderia partir do conhecimento espontâneo dos mesmos, pois todos eles trazem para a escola uma carga cultural significativa adquirida em suas relações sociais fora do ambiente escolar. Isso tem a ver com a etnomatemática onde se salienta e se analisa as influências de fatores sócioculturais sobre o ensino, a aprendizagem e o desenvolvimento da Matemática, ou seja, cada povo, cada cultura e cada subcultura desenvolve a sua própria matemática. (Ferreira, 2002). Por isso, para D Ambrósio (1986) é muito difícil motivar com fatos e situações do mundo atual uma ciência que foi criada e desenvolvida em outros tempos em virtude 2 BUENO, Silveira. Minidicionário da Língua Portuguesa, São Paulo: Lisa, 1992.

3 dos problemas de então, de uma realidade, de percepção, necessidade e urgências que nos são estranhas. Uma das hipóteses que pode ser levantada a partir daí é a de que quando o aluno não consegue relacionar os conteúdos matemáticos ensinados a ele na escola com sua vivência, suas atividades fora da escola, a tendência é evitar a Matemática por não ter sentido para ele. Para a maioria dos estudantes não há construção do conhecimento matemático. Por isso em vez de compreenderem passam a memorizar os conteúdos para conseguirem notas nas provas e em vez de desenvolverem raciocínio eles desenvolvem a memória e não buscam o efetivo conhecimento matemático. Com isso uma porcentagem pequena de alunos aprende realmente Matemática, muitos a odeiam e outros afirmam não entendê-la, como mostra uma pesquisa em que se buscou identificar dificuldades existentes na relação que os alunos tinham com a Matemática através de depoimentos dos próprios alunos. (Chamie, 1990). Nesta pesquisa observou-se, por meio dos depoimentos dos alunos, que existe uma relação de causa-efeito entre achar a Matemática uma matéria difícil e por este motivo a achar chata e consequentemente não gostar dela. Aqui o achar difícil é condição para o não gostar. No entanto o estudo revela também uma relação de causa-efeito só que em sentido contrário, os alunos acham a Matemática uma matéria chata e por isso não se interessam em aprender gerando dificuldade, ou seja, o não gostar implica o achar difícil, não querer entender. O estudo revela que a dificuldade em Matemática é tida como natural, o que gera nos alunos insegurança e medo, às vezes não decorrente da falta de estudo, mas de terem assimilado ou aceitado a Matemática como algo realmente difícil e que somente quem tem aptidão consegue aprender. É entendimento entre educadores matemáticos que a aversão generalizada e o insucesso em Matemática é uma realidade cotidiana dos estudantes e que deve-se procurar meios para que a Matemática deixe de ser um fator de seleção e exclusão e se transforme em um instrumento de inclusão nas escolas e na sociedade. 3 - AS CAUSAS DA REJEIÇÃO Levando em consideração a pesquisa bibliográfica feita e os questionários aplicados aos alunos de uma escola pública de Samambaia, cidade localizada na periferia de Brasília, as principais causas encontradas para a rejeição à Matemática foram: Falta de motivação do professor ao ensinar e falta de motivação dos alunos em aprender. A idéia pré-concebida e aceita pelos alunos de que a Matemática é difícil. O rigor da Matemática. Experiências negativas que os alunos tiveram com esta matéria. Falta de relação entre a Matemática ensinada na escola e o cotidiano do aluno. A prática do professor, as relações que este estabelece com os alunos e a forma como ensina e avalia. Para evidenciar estas causas seguem alguns depoimentos dos alunos pesquisados quanto às experiências desagradáveis que haviam tido com a matéria em questão:

4 Eu não gosto da matéria de Matemática porque é muito complicada. Tenho muita dificuldade com esta disciplina porque o professor acha que nós já sabemos Matemática e as coisas não são dessa forma. Existem algumas matérias em Matemática que complicam, como algumas equações que envolvem as incógnitas, frações e expressões numéricas diferentes. Mesmo tendo dificuldades com a Matemática e não entendendo o conteúdo explicado pelo professor os alunos reconhecem a importância da disciplina: Quando não consigo entender nada fico muito preocupado por deixar uma coisa muito importante sem ter conhecimento. Alguns alunos revelam não se dedicarem ao estudo da disciplina: Muitas vezes não entendo muito de Matemática por isso eu não me dedico a essa matéria. É comum em nossa sociedade ouvirmos frases de repulsa à Matemática como: Matemática é muito difícil, Matemática é chata, eu odeio esta matéria. Então uma pessoa que desde criança, antes mesmo de entrar na escola ouve esses e outros comentários sobre a Matemática acaba se convencendo de que esta disciplina é realmente difícil e passa a rejeitá-la, dizendo que não nasceu para isso e que não tem o dom, como se o gosto ou a habilidade para a Matemática fosse algo que acompanha a pessoa ao nascer, inato. 4 - JUSTIFICATIVA É fácil observar na comunidade escolar que a relação entre aluno e Matemática não é das mais amistosas. Muitos são enfáticos quando afirmam não gostarem desta disciplina, até mesmo os alunos que têm bom rendimento declaram sua rejeição, não sentem prazer em resolver problemas de Matemática, declaram ainda que não gostam das aulas, pois são muito chatas. Que não entendem nada do que o professor fala, dentre outras queixas. Este fato pode ser observado desde os primeiros anos de escolarização até os cursos superiores. Sem dúvida a Matemática é rigorosa em suas demonstrações e aplicações e necessita ser assim para ser fiel ao modelo que pretende representar, precisa ser exata ou chegar bem próximo para dar credibilidade ao fenômeno estudado. Talvez por ser tão rígida provoca certo medo aos alunos que a acham difícil criando assim uma relação áspera, às vezes até traumática que pode culminar em dificuldade, falta de interesse e rejeição. Estudar esta relação é muito importante, pois entendendo as causas desta rejeição diante da Matemática pode-se buscar formas de intervenção para tornar o ensino desta disciplina mais atrativo e motivador, desmistificando a idéia pré-concebida de que é uma matéria difícil, que poucos conseguem aprender. 5 - METODOLOGIA Para realizar a pesquisa foram aplicados questionários aos alunos de uma escola pública localizada na cidade satélite de Samambaia-DF. A escola tem 2900 alunos matriculados e foram escolhidos para responderem aos questionários os alunos da 3ª série do Ensino

5 Médio devido à faixa etária e nível de escolaridade que pressupõe maior maturidade e consciência. O questionário conta com perguntas sobre o contexto no qual estes alunos estão inseridos procurando captar seu cotidiano. Conta ainda com perguntas que visam detectar o grau de rejeição dos alunos em relação à Matemática. Os questionários foram aplicados a 285 alunos sendo 165 do noturno e 121 do matutino todos da 3ª série do Ensino Médio. De posse dos resultados foram analisados os dados com o objetivo de identificar as causas de tal rejeição e propor formas de intervenção nesta realidade. 6 - ANÁLISE DOS RESULTADOS Dentre os alunos que responderam aos questionários, quanto à profissão do pai observam-se funções variadas, porém as que mais apareceram foram as profissões de motorista (22 ocorrências) e pedreiro (16 ocorrências). A escolaridade dos pais em sua maioria (46%) é o Ensino Fundamental. Sendo que 63 pais (22%) possuem o Ensino Médio, apenas 10 (3,5%) concluíram o Curso Superior e 52 pais (18,2%) não são alfabetizados. Tabela 1: Relação entre escolaridade do pai e profissão de maior ocorrência nos questionários Profissão do pai motorista Escolaridade do pai Total Não Alfabetizado 5 Ensino Fundamental 10 Ensino Médio 6 Não opinou 1 Total Global 22 Quanto à profissão da mãe, as profissões que mais apareceram foram do lar (88 ocorrências), doméstica (29 ocorrências) e diarista (14 ocorrências). A escolaridade das mães, assim como a dos pais, em sua maioria, 147 mães (52%), é o Ensino Fundamental. As que concluíram o Ensino Médio totalizam 80 pessoas (28%). Apenas 13 mães são graduadas em cursos superiores e 31 (10%) não são alfabetizadas. Tabela 2: Profissões de maior ocorrências das mães Profissão da mãe Total Diarista 14 Do lar 88 Doméstica 29 Total Global 131 Das três profissões citadas acima, levando em consideração possuírem o Ensino Fundamental, 77 delas concluíram esta etapa. Veja tabela 3.

6 Tabela 3: Distribuição da escolaridade (Ensino Fundamental) entre as profissões de maiores incidências Escolaridade da mãe Ensino Fundamental Profissão da mãe Total Diarista 7 Do lar 54 Doméstica 16 Total Global 77 O grupo familiar da amostra estudada é em sua maioria numeroso variando entre 3 e 7 pessoas por residência, totalizando 84% da amostra. Segundo Coleman (apud Carvalho, 1980) as variáveis que têm forte influência sobre a relação entre aluno e escola e que podem refletir no seu rendimento e consequentemente na sua não aceitação do ambiente escolar são: condições sócio-econômicas da família, material de leitura disponível no lar, nível educacional dos pais, bens materiais existentes na casa, número de pessoas na família e aspirações e interesses dos pais. Em contrapartida, Conceição (apud Sipavicius, 1987) relata que estudantes que vivem em melhores condições ambientais sócio-econômicas tais como: famílias com maior renda, melhor grau de instrução, cujos pais têm ocupações de maior prestígio social, e em que a situação de vida não exige o trabalho da mãe fora do lar, está associado ao melhor rendimento escolar do aluno. O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb) realizado em 2003 também revela que estudantes cuja família participa de forma mais direta no cotidiano escolar, apresenta um desempenho superior em relação àquela onde os pais estão ausentes do seu processo educacional. As conversas com os filhos sobre a escola, as orientações nas tarefas de casa, a cobrança na assiduidade e incentivo aos hábitos de leitura contribuem para o despertar do gosto pelos estudos. Fatores escolares, sociais e culturais devem ser levados em consideração, porque a desigualdade social é refletida para dentro das escolas nas condições de acesso, ingresso e permanência principalmente para as populações de baixa renda, onde se observam problemas de toda ordem que se potencializam pela falta de oportunidades de se educarem. Dentre os 285 alunos que fizeram parte da amostra estudada, 120 (42%) excluiriam a Matemática do currículo escolar. Deste universo de 120 alunos, 110 afirmaram não gostar de estudar Matemática representando 92% do total de alunos que excluiriam esta disciplina do currículo escolar atual. Esses dados mostram o nível de rejeição dos alunos pela Matemática. Este fenômeno pode ser explicado por diversos motivos, entre eles a falta de pré-requisitos fundamentais de tópicos matemáticos básicos, como por exemplo, as quatro operações, operações com inteiros dentre outros. Pelo fato dos conteúdos em Matemática serem acumulativos, se um aluno não aprender os fundamentos básicos no início, carregarão essas dificuldades por toda sua vida escolar,

7 pois será muito difícil pegar o trem andando e em muitos casos não há possibilidade por parte dos professores de rever os conteúdos estudados anteriormente. Ide (2002), em um estudo sobre dificuldades na aprendizagem concluiu que as dificuldades dos alunos ocorrem principalmente nas séries iniciais, com alunos das camadas mais desfavorecidas da população e que são usuárias, a maioria, do sistema público de ensino. Um aluno pode, por exemplo, saber praticamente tudo sobre a Proclamação da República Brasileira e ignorar completamente as capitanias hereditárias. Mas não será capaz de estudar Trigonometria se não conhecer os fundamentos da Álgebra, nem entenderá essa última se não souber as operações aritméticas. (Lima, 1995). Tradicionalmente, o ensino de Matemática é feito pelo acúmulo de conteúdo. (D Ambrósio, 1986). Outro motivo que faz com que os alunos não gostem de Matemática está ligado ao fato deles acharem esta disciplina difícil. Na pesquisa realizada, 219 alunos declararam terem dificuldades nesta matéria o que representa 77% do total de alunos da amostra. Mas o que faz a Matemática ser mais difícil que as outras disciplinas? A Matemática é uma disciplina que se destaca em relação às outras, muito mais pela dificuldade que representa para muitos alunos do que pela sua importância enquanto área de conhecimento. Dificuldade entendida como algo complexo, complicado, custoso de entender e de fazer. (Thomaz, 1999). Confrontando os alunos que disseram ter dificuldades em Matemática com sua renda familiar fica evidenciado que a renda é um fator que influencia na aprendizagem dos alunos. Entre os alunos que têm dificuldades em Matemática, 24 deles têm renda familiar menor que R$ 300,00 e 94 têm renda entre R$ 300,00 e R$ 800,00, levando em consideração que as famílias da amostra são em sua maioria numerosas. Tabela 4: Relação entre renda e dificuldade em Matemática Tem dificuldade Renda Sim Total Menos de R$300,00 24 Entre R$300,00 e R$800,00 94 Entre R$800,00 e R$1.300,00 58 Entre R$ 1.300,00 e R$ 1.800,00 25 Acima de R$1.800,00 11 Brancos 7 Total Global 219 Ao contrário das demais matérias estudadas na escola, que lidam diretamente com objetos e situações concretas, a Matemática trata, em sua essência, de verdades abstratas daí a dificuldade dos alunos em entenderem seus conteúdos. (Lima, op.cit.). Sem dúvidas, a Matemática exige dos alunos precisão, maior concentração e cuidado, pois se estes cometerem pequenos erros em uma determinada questão podem comprometer o resultado esperado. Por outro lado, mesmo não alcançando o resultado esperado esses alunos mesmo não percebendo estão exercitando virtudes como a perseverança, a

8 dedicação e a ordem durante os anos de escola, hábitos que serão úteis em um futuro próximo. Então por exigir dedicação, empenho e ordem a Matemática é difícil, o que dizer das regras gramaticais, das fórmulas de Física e da classificação dos elementos químicos? Por isso qualquer pessoa que não possua necessidades especiais, sem talentos ou dons inatos pode aprender toda a Matemática do Ensino Básico desde que tenha o mínimo de empenho e perseverança e esteja disposta a aprender. Isso tudo, lógico, com uma orientação adequada. Mas a pesquisa aponta que os estudantes, ainda não perceberam a força e importância da Matemática, pois seus hábitos de estudos demonstram que dificilmente conseguirão resultados satisfatórios sequer nas avaliações escolares. Dos respondentes 145 (51%) disseram estudar Matemática menos de uma hora por dia, 96 deles (34%) disseram que não estudam Matemática durante o dia, ou seja, não se dedicam o bastante, nem perseveram o suficiente para mudarem esse quadro de dificuldade em que estão. Isso nos aponta outro motivo para o não gostar de Matemática, pouca dedicação aos estudos por parte dos alunos e da sociedade que os cerca, a começar pela própria família. (Lima, op.cit.). As impressões que os alunos têm ou tiveram da Matemática, mesmo antes de entrarem na escola podem gerar um sentimento de rejeição a disciplina. Segundo Tatto e Escapin (2003), uma criança que antes de entrar na escola, sempre ouviu seus pais e irmãos comentarem que a Matemática é difícil, e que não gostam dela, mentaliza isso e quando tem seus primeiros contatos com a matéria e encontram dificuldades em algum conteúdo ela passa a acreditar nas opiniões dos pais e irmãos. Conclusão: passa a não gostar da disciplina assim como seus familiares. Outra relação muito importante para o estudo da rejeição à Matemática é a relação não gostar X achar difícil. Dos alunos que participaram da pesquisa 154 afirmaram terem dificuldades e não gostarem da matéria, ou seja, 54% dos alunos. Como mostra a tabela 5. Tabela 5: Relação não gostar/achar difícil Gosta de matemática Tem dificuldade não sim (em branco) Total Global não sim (em branco) Total Global Para Thomaz (1999), a dificuldade em Matemática, além de consciente para os alunos é colocada como o principal motivo de não gostarem desta disciplina, é um fator marcante na vida da maioria dos estudantes, é algo que tem proporcionado resistência ao aprender. A dificuldade na aprendizagem de Matemática como já foi dito está ligado a fatores sócio-econômicos. Mas também como disse Lima, à mera preguiça dos alunos em estudar está afirmação foi comprovada na pesquisa. Dentre alunos que disseram estudar Matemática menos de uma hora por dia (146 alunos), 77 alunos (52%) disseram não gostar de matemática e a achar difícil. Veja tabela 6.

9 Tabela 6: Relação não gostar/achar difícil entre alunos que estudam Matemática menos de 1 hora por dia Hábito de estudo - menos de 1 hora Contagem de hábito de estudo Gosta de matemática Tem dificuldade não sim (em branco) Total Global não sim (em branco) Total Global Apenas 8 (oito) alunos revelaram que se dedicam ao estudo desta disciplina mais de 2 horas por dia. Todos eles gostam de estudar Matemática, 4 deles disseram terem dificuldades e 4 disseram não sentirem dificuldades em Matemática. Tabela 7: Relação entre dificuldade e gosto pela Matemática de alunos que estudam esta disciplina mais de 2 horas por dia Hábito de estudo - mais de 2 horas Contagem de hábito de estudo Gosta de matemática Tem dificuldade sim Total Global não 4 4 sim 4 4 Total Global 8 8 Outro fator que influencia na maneira dos alunos encararem a aprendizagem de Matemática está relacionada com as atividades dos professores e as impressões que estes alunos têm deles. Nos questionários respondidos pelos alunos observou-se que seus professores atuais, em geral, dão aulas expositivas e não utilizam as tecnologias que lhes são disponibilizadas para dinamizar mais as aulas de Matemática. Os trabalhos são feitos em sua maioria 68% (193 ocorrências) individualmente. Os recursos escolhidos para análise das atividades docentes foram o vídeo cassete, o computador (ou sala de informática), material concreto (matérias de jornais, jogos e outros materiais que tirem os alunos da rotina do quadro e do giz) e o retroprojetor que são recursos disponíveis na escola estudada. Apesar da escola pesquisada ter uma sala de vídeo, 92% (263 alunos) disseram que seu professor de Matemática nunca utiliza este recurso para dar aulas. Quanto ao uso do computador ou da sala de informática que existe na escola, 91% (259 alunos) disseram que o professor nunca utiliza esta tecnologia nas aulas. D Ambrósio (1986) chama a atenção para a necessidade urgente do uso do computador nas aulas de Matemática. Para ele, Matemática e tecnologia não marcham de forma paralela. Para Marasini (1999), O professor deve usar o computador e deve saber seu papel num mundo onde a tecnologia avança em velocidade surpreendente. Os professores da escola estudada não costumam ligar a Matemática com temas atuais seja da ciência ou da sociedade, a pesquisa constatou que os professores não utilizam materiais concretos nas aulas. Dos alunos que responderam aos questionários 61% (175

10 alunos) disseram que o professor nunca utiliza jogos, matérias de jornais ou revistas e outros materiais para dinamizar as aulas. E 88% (250 alunos) responderam que os professores nunca utilizam o retroprojetor na sala de aula. É possível que ainda não compreenderam a importância de tais recursos para a construção do conhecimento matemático, para tornar a aula mais atrativa e dinâmica ou até mesmo para que os alunos tenham acesso a estas tecnologias, pois com certeza ao saírem da escola lhes serão exigidos domínios de algumas destas tecnologias e a importância do ensino da Matemática para a formação da cidadania, desenvolvendo competências para as resoluções e situações da realidade. 7 - FORMAS DE INTERVENÇÃO DA REJEIÇÃO À MATEMÁTICA Após identificar as principais causas para a rejeição à Matemática, na literatura e nos questionários aplicados aos alunos de uma escola pública de Samambaia-DF, é possível propor alternativas para mudar este quadro que ora se apresenta. Para a efetivação destas propostas é imprescindível a participação dos professores, pois estes se constituem os principais agentes para mudar este quadro de rejeição diante da Matemática. Propor algo novo não se trata de ignorar e eliminar os conhecimentos já existentes, mas de conciliá-los numa reconstrução do conhecimento (D Ambrósio, 1990) onde princípios éticos, valores humanos e amor façam parte desta reconstrução. Seguem algumas sugestões de intervenção: Fazer uma reflexão e auto-avaliação para detectar erros na prática pedagógica. Conhecer a realidade socioeconômica dos alunos. A baixa escolaridade dos pais, o grupo familiar e a renda são fatores que influenciam no processo de aprendizagem. Procurar, quando possível, sanar as dúvidas dos alunos advindas de anos anteriores. Utilizar as tecnologias disponíveis, sempre que puder e as circunstâncias permitirem. Resgatar a importância da Matemática. Estabelecer conexões entre a matemática ensinada na escola com a História da Matemática. Promover laços de afetividade com os alunos. Isso ajuda os alunos a gostarem mais do professor e conseqüentemente da Matemática. Fazer a ligação da Matemática acadêmica com a realidade do aluno (quando possível). Desafiar o aluno a superar dificuldades, propondo criatividade e perseverança. Não desprezar as construções Matemáticas dos alunos e suas experiências. Considerar a carga cultural dos alunos. 8 - CONSIDERAÇÕES FINAIS As causas da rejeição à Matemática podem estar associadas aos alunos, considerando sua renda familiar, a escolaridade de seus pais, seus hábitos de estudos e às impressões que têm da Matemática e do professor. Conhecendo as principais causas é possível que se faça uma intervenção eficaz.

11 O professor, se por um lado contribui para a rejeição, também é o principal agente para que essa intervenção ocorra. É necessário que haja, uma mudança na forma de educar, uma mudança que faça com que desperte nos alunos o interesse e a motivação em aprender Matemática e despertar o gosto pela mesma. O professor deve ser orientador, mediador e organizador das construções dos alunos, respeitando sua bagagem cultural, levando em consideração que para uma única situação problema podem existir diversas maneiras de resolução. Ouvir as queixas dos alunos é importante, pois se a grande maioria revela não gostar de Matemática é porque algo realmente está errado. E os que não gostam vão evitar essa matéria, procurando cursos superiores que têm pouca Matemática. Isso reflete no desenvolvimento tecnológico do país, tendo em vista ser esta disciplina a base para outras ciências. Ressalto, finalmente, que a pesquisa desenvolvida não pretende de forma alguma esgotar o tema em questão e sim contribuir com a discussão a respeito e propor aos educadores o desafio de dar continuidade ao presente estudo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Almeida, C.V.M.O. A educação matemática e a informática educativa como forma de inclusão de jovens em situação de risco do Distrito Federal. Dissertação de Mestrado. Brasília: UCB, Bicudo, M.A.G. (org.) Pesquisa em educação matemática: concepções e perspectivas, São Paulo: UNESP, Bueno, Silveira. Minidicionário da língua portuguesa. São Paulo: Lisa, Campos, Dinah Martins de Souza. Psicologia da adolescência. Rio de Janeiro: Vozes, Carraher, T.N., Carraher, D.W., Schliemann, A.D. Na vida dez, na escola zero. São Paulo: Cortez, Carvalho, D.L. Metodologia do ensino da matemática. São Paulo: Cortez, Carvalho, J.J.C. Modificações do comportamento verbal de professores através da análise de interação em sala de aula. Tese de doutoramento, USP, São Paulo, Chamie, L.M.S. A relação aluno-matemática: alguns dos seus significados. Dissertação de Mestrado, UNESP-Rio Claro, D Ambrósio, Ubiratam. Da realidade à ação: reflexões sobre a educação matemática. Campinas: Ed. da Universidade Estadual de Campinas, Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. São Paulo: Ática, Etnomatemática: Um programa. Educação matemática em revista. São Paulo, n. 1 (reedição), p.7-12, Ferreira, Eduardo Sebastiani. Cidadania e educação matemática. Educação matemática em revista. São Paulo, n. 1 (reedição), p.13-18, Ide, S.M. Dificuldade na aprendizagem: uma indefinição? Revista educação e contemporaneidade, n. 17, p Salvador, INEP. Relatório do Saeb/2003. Brasília.Disponível em <www.inep.gov.br> Lima, Elon Lages. Sobre o ensino da Matemática. Revista do professor de matemática. São Paulo, n. 28, p.1-5, Conceituação, manipulação e aplicações: os três componentes do ensino da Matemática. Revista do professor de matemática. São Paulo, n. 41, p. 1-6, Marasini, S. M. Informática na educação matemática. Revista espaço pedagógico. n. 6 p Passo Fundo, Melo, J.A. Educação matemática e exclusão social: tratamento diferenciado para realidades desiguais. Brasília: Plano editora, Sipavicius, Nympha. O professor e o rendimento escolar de seus alunos, São Paulo: EPU, Thomaz, T.C. Não gostar de Matemática: que fenômeno é este? Cadernos de Educação/UFPel, Pelotas, n. 12, Tatto, F; Scapin, I.J. Rejeição à matemática: causas e alternativas de intervenção. Universidade regional Integrada do Alto Uruguai e da Missões-URI. Porto Alegre, 2003.

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia do Ensino de Matemática Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

SUPERANDO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA: UM PROJETO DE CONSTRUÇÃO ATIVA DE CONCEITOS

SUPERANDO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA: UM PROJETO DE CONSTRUÇÃO ATIVA DE CONCEITOS SUPERANDO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA: UM PROJETO DE CONSTRUÇÃO ATIVA DE CONCEITOS Carolina Fuso Mendes¹; Márcia Lopes Francisco Mantovani²; Sandra Albano da Silva³ UEMS - 79750-000 Nova

Leia mais

CURSO: Matemática. Missão

CURSO: Matemática. Missão CURSO: Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos, pedagógico e matemático, permeado pelos recursos

Leia mais

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Janete Jacinta Carrer Soppelsa UCS - jsopelsa@gmail.com Raquel

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID ISSN 2316-7785 DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM DIAGNÓSTICO REALIZADO PELO PIBID Charles Peixoto Mafalda Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões charles1995peixoto@hotmail.com

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO Edena Carla Dorne Cavalli UNIOESTE CAPES ed-cavalli@uol.com.br

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP SILVA JUNIOR, Ranulfo Combuca da 1 - FAPREV / FAPEPE UNIESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL.

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. Autores: Leila Carla dos Santos Quaresma¹ leilac.pedagogia@gmail.com Profª Dr. Maria Aparecida Pereira Viana² vianamota@gmail.com

Leia mais

Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania

Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania Grace Cristine Batista da Silva seduc professor Solange Maria da Silva seduc pedagoga gc73mat@yahoo.com.br Introdução

Leia mais

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO 112 A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO FAILI, Valmir Rogério 1 Aula de Português Carlos Drummond de Andrade A linguagem na ponta da língua, tão fácil de

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 Marinez Cargnin-Stieler UNEMAT/NEED marinez@unemat.br Resumo: Este trabalho é uma análise parcial dos dados

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos.

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos. SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA FUTUROS PROFESSORES DE QUÍMICA Joycyely Marytza de Araujo Souza Freitas 1 Reneid Emanuele Simplicio Dudu 2 Gilberlândio Nunes da Silva 3 RESUMO Atualmente a informática e a

Leia mais

Palavras Chave: Material Concreto. Aprendizagem e Ensino de Matemática.

Palavras Chave: Material Concreto. Aprendizagem e Ensino de Matemática. O USO DO MATERIAL CONCRETO NO ENSINO DA MATEMÁTICA Francisca Marlene da Silva Bolsista da PRAE-FECLESC/UECE Déborah Almeida Cunha Bolsista da PRAE-FECLESC/UECE Aline Araújo da Silva Graduanda-FECLESC/UECE

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALFABELETRAR: REFLEXÃO SOBRE O ENSINO DE MATEMÁTICA VIA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NA FORMAÇÃO

Leia mais

ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS

ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS Kelly Priscilla Lóddo CEZAR 1 ; Prof.ª Dr.ª Geiva Carolina

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

EDUCAÇÃO CIENTÍFICA E METODOLOGIA DE ENSINO DE BIOLOGIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CONFECÇÃO E UTILIZAÇÃO DE VÍDEOS NA SALA DE AULA

EDUCAÇÃO CIENTÍFICA E METODOLOGIA DE ENSINO DE BIOLOGIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CONFECÇÃO E UTILIZAÇÃO DE VÍDEOS NA SALA DE AULA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA E METODOLOGIA DE ENSINO DE BIOLOGIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CONFECÇÃO E UTILIZAÇÃO DE VÍDEOS NA SALA DE AULA Alice Melo Ribeiro (Docente da Universidade de Brasília) Rejane Caixeta (Professora

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) NA VISÃO DA ESCOLA PARTICIPANTE

AS CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) NA VISÃO DA ESCOLA PARTICIPANTE AS CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) NA VISÃO DA ESCOLA PARTICIPANTE ABREU, M. Francilina (Bolsista do PIBID- Pedagogia) Universidade Estadual Vale do Acaraú.

Leia mais

Palavras-Chave: Educação; Estágio Supervisionado; Prática de Regência; Realidade da Educação.

Palavras-Chave: Educação; Estágio Supervisionado; Prática de Regência; Realidade da Educação. PERCEPÇÕES ESTABELECIDAS ATRAVÉS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Il: A SALA DE AULA E SUAS ESPECIFICIDADES Tarcisio Santos Souza- UESC tarcisio_palito@hotmail.com Deborah Laís

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA Camila Nicola Boeri Universidade de Aveiro Portugal camilaboeri@hotmail.com Márcio Tadeu Vione IFMT - Campus Parecis - MT mtvione@gmail.com

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Autora: Ana Cristina Fonseca Instituição: PUC-Campinas Fonseca.cris@uol.com.br Co -autor 1: Maria Auxiliadora Bueno Andrade

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Estágio Supervisionado: Educação Infantil 4 e 5 anos Educação de Jovens e Adultos (EJA) Ensino Fundamental Educação Especial (Ensino

Leia mais

Resolução de problemas: possibilidades de criação de um ambiente propício ao ensino e aprendizagem da Matemática.

Resolução de problemas: possibilidades de criação de um ambiente propício ao ensino e aprendizagem da Matemática. Resolução de problemas: possibilidades de criação de um ambiente propício ao ensino e aprendizagem da Matemática. Elizabeth Adorno de Araujo i PUC-Campinas elizabetharaujo@puc-campinas.edu.br Nária Aparecida

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Autor(a): Joycyely Marytza 1 INTRODUÇÃO As atuais concepções pedagógicas exigem do professor a inclusão das novas tecnologias para um melhor

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Ludo Químico: Uma Maneira Divertida de Aprender Química

Ludo Químico: Uma Maneira Divertida de Aprender Química Ludo Químico: Uma Maneira Divertida de Aprender Química Givanilda. S. de Freitas, Ellen Danielly de F. Lima 1, Myrelly Morais Tôrres¹, Suzana Pereira. Rêgo¹ e Wellima Fabíola B. Jales¹, Paulo Roberto N.

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande jliedja@hotmail.com Introdução A Educação de

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE

INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE Adrina Mendes Barbosa (UFBA) 1 Bárbara Vergas (UEFS) 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho aborda as políticas

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

APRENDENDO, BRINCANDO E MODELANDO COM AS EQUAÇÕES DE 1º GRAU

APRENDENDO, BRINCANDO E MODELANDO COM AS EQUAÇÕES DE 1º GRAU APRENDENDO, BRINCANDO E MODELANDO COM AS EQUAÇÕES DE 1º GRAU Cristiano Forster UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina forster003@gmail.com Débora Eloísa Nass Kieckhoefel UDESC Universidade do Estado

Leia mais

APLICANDO AS QUATRO OPERAÇÕES NO COTIDIANO DOS ALUNOS DA OITAVA SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL

APLICANDO AS QUATRO OPERAÇÕES NO COTIDIANO DOS ALUNOS DA OITAVA SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL APLICANDO AS QUATRO OPERAÇÕES NO COTIDIANO DOS ALUNOS DA OITAVA SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO Fabrício Igor Rezende de Brito 1 Universidade Católica de Brasília Este artigo traz, informações sobre

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Flávia Sueli Fabiani Marcatto Universidade Estadual Paulista - Unesp - Rio Claro

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Educação Física Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Educação

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA Aluna: Tatiana de Alemar Rios Orientador: Magda Pischetola Introdução A partir do estudo realizado pelo Grupo

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo) Abordagens

Leia mais

A CRISE DA LEITURA NA FORMAÇÃO DOCENTE: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS LEITORAS DOS FUTUROS PROFESSORES

A CRISE DA LEITURA NA FORMAÇÃO DOCENTE: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS LEITORAS DOS FUTUROS PROFESSORES A CRISE DA LEITURA NA FORMAÇÃO DOCENTE: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS LEITORAS DOS FUTUROS PROFESSORES Antonio Fernando de Araújo dos Santos PUCPR Maria Sílvia Bacila Winkeler PUCPR Resumo: Este trabalho discute

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL *Drisner, Thales thalesjacmt@hotmail.com *Ferreira, Leandra Diniz Lediniz10@hotmail.com 1 *Oliveira, Elizabete Gaspar elisabetegasparo@hotmail.com 2 RESUMO Este artigo, intitulado

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

TRANSFORMANDO UMA BRINCADEIRA COM BALÕES EM APRENDIZADO EFICIENTE NUM CURSO DE ENSINO SUPERIOR

TRANSFORMANDO UMA BRINCADEIRA COM BALÕES EM APRENDIZADO EFICIENTE NUM CURSO DE ENSINO SUPERIOR TRANSFORMANDO UMA BRINCADEIRA COM BALÕES EM APRENDIZADO EFICIENTE NUM CURSO DE ENSINO SUPERIOR Juliana Menna Barreto Marcelo Schultz Moreira Luis Felipe Dias Lopes Resumo Muito se discute entre os profissionais

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

Palavras-Chave: Resolução de Problemas, Contrato didático, Ensino da Matemática.

Palavras-Chave: Resolução de Problemas, Contrato didático, Ensino da Matemática. A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS E O PROFESSOR Juliane dos Santos Medeiros 1 (UFAL) Jumedeiros_santos@yahoo.com.br Eliane Silva Araújo Correia 2 (UFAL) elianecorreia@hotmail.com RESUMO Este artigo

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PARCERIA ENTRE FAMÍLIA E ESCOLA

A IMPORTÂNCIA DA PARCERIA ENTRE FAMÍLIA E ESCOLA A IMPORTÂNCIA DA PARCERIA ENTRE FAMÍLIA E ESCOLA Aparecida Luzia da Cunha Santos RESUMO Este artigo relata a importância da parceria entre família e escola no processo educacional. Através da pesquisa

Leia mais

CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA

CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA Zoraia Aguiar Bittencourt Resumo Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada

Leia mais

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas PSICOPEDAGOGIA DISCIPLINA: Fundamentos da Psicopedagogia EMENTA: Introdução e fundamentos da Psicopedagogia. O objeto de estudo. Visão histórica e atual. Concepções que sustentam a Psicopedagogia. O papel

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: :CIENCIAS DA NATUREZA, MATEMATICA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular:

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS FREITAS, M.L.L 1 PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF. Elisângela Cristina dos Santos

UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF. Elisângela Cristina dos Santos UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF Elisângela Cristina dos Santos Rua Aladim Silva, 128 Bairro: Retiro, Juiz de Fora / MG - CEP: 36072-560 annaeorei@yahoo.com.br

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR 1 ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR Maurina Passos Goulart Oliveira da Silva 1 mauripassos@uol.com.br Na formação profissional, muitas pessoas me inspiraram: pensadores,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO CURSO DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO CURSO DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA ISSN 2177-9139 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO CURSO DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Gerusa Camargo Rodrigues gerusa.cr@gmail.com Ana Maria Zornitta de Alencar ana.zornitta@gmail.com

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

DIFICULDADES ENCONTRADAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DAS 4 OPERAÇÕES PELOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO 1

DIFICULDADES ENCONTRADAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DAS 4 OPERAÇÕES PELOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO 1 DIFICULDADES ENCONTRADAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DAS 4 OPERAÇÕES PELOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO 1 MATTE, Margarete C. M. 2 ; OLIVEIRA, Adriana P. 3 ; RIGH, Taígete P. 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA UTILIZADA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA EXPERIÊNCIA EXERCIDA NO ÂMBITO DO PIBID

MODELAGEM MATEMÁTICA UTILIZADA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA EXPERIÊNCIA EXERCIDA NO ÂMBITO DO PIBID MODELAGEM MATEMÁTICA UTILIZADA NO ENSINO E APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA EXPERIÊNCIA EXERCIDA NO ÂMBITO DO PIBID Lílian Milena Ramos Carvalho Universidade Federal do Mato Grosso do

Leia mais

PEDAGOGIA: QUE CURSO É ESTE? A PERSPECTIVA DO ALUNO. Palavras-chave: Pedagogia. Formação. Prática Profissional.

PEDAGOGIA: QUE CURSO É ESTE? A PERSPECTIVA DO ALUNO. Palavras-chave: Pedagogia. Formação. Prática Profissional. PEDAGOGIA: QUE CURSO É ESTE? A PERSPECTIVA DO ALUNO. Ana Beatriz Mugnatto Pacheco * Marilane Santos ** Resumo Este trabalho procura analisar e pontuar os anseios dos alunos ingressantes no curso de pedagogia

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÃO DO PIBID

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÃO DO PIBID A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÃO DO PIBID Daniela Glícea Oliveira da Silva Pedagogia/PIBID/FAFIDAM/UECE Aline da Silva Freitas Pedagogia/PIBID/FAFIDAM/UECE Maria Auricelia

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

ATITUDES EM RELAÇÃO À GEOMETRIA DE ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA

ATITUDES EM RELAÇÃO À GEOMETRIA DE ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA ATITUDES EM RELAÇÃO À GEOMETRIA DE ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA Mírian Moreira Menezes Venâncio mirian.me.ve@hotmail.com Odaléa Aparecida Viana odalea@pontal.ufu.br Resumo: Esta pesquisa tem como foco

Leia mais