ano II, n 9, janeiro de 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ano II, n 9, janeiro de 2012"

Transcrição

1 ,, janeiro de 2012 SÍNTESE DEZEMBRO DE 2011 (Em US$ milhões) Período Exportações Importações Saldo Dezembro Variação em relação a dezembro/2010 5,8 % 17,6 % - US$ milhões Janeiro- Dezembro Variação em relação a janeiro-dezembro/ ,8 % 24,5 % +US$ milhões Acumulado 12 meses Variação em relação aos 12 meses anteriores 26,8 % 24,5 % +US$ milhões No fechamento de 2011, a corrente de comércio alcançou cerca de US$ 482,3 bilhões, ou seja, 25,7% maior quando comparada a Em dezembro, houve desaceleração expressiva nas exportações, gerando uma queda de 40% no saldo comercial na comparação com o mesmo mês de A Funcex projeta que o saldo da balança comercial em 2012 será de US$ 15 bilhões, com exportações de US$ 264 bilhões e importações de US$ 249 bilhões. PRODUTOS Os produtos básicos foram o grande destaque nas exportações em 2011, com crescimento de 36,1%, e foram responsáveis por 47,8% da pauta de exportações. Os manufaturados tiveram alta de 16%, reduzindo sua participação para 36%, e os semimanufaturados cresceram 27,7%. Em dezembro, a alta dos básicos foi de 8,9% em relação ao mesmo mês do ano passado (Tabela 1), impulsionados pelas altas das vendas de minerais metálicos (43,4%) e de petróleo (32,8%). Os semimanufaturados tiveram crescimento de apenas 2,5% em dezembro e os manufaturados, de 4,5%. Nas importações foram observadas evoluções positivas em todas as categorias de uso em dezembro (Tabela 2): Bens de consumo duráveis (14,5%), Combustíveis (58,2%), Bens de capital (9,2%), Bens de consumo não duráveis (14,2%) e Bens intermediários (12,3%). No ano, os combustíveis e os bens de consumo duráveis se destacaram, com altas de 43,7% e 34,4%, respectivamente. As demais categorias também tiveram crescimento significativo, embora bem mais fraco no caso dos bens de capital (18,1%) e dos bens intermediários (20,0%). SETORES Pela classificação de setores CNAE (Tabela 3), 19 dos 29 setores apresentaram variação positiva nas exportações em dezembro na comparação com dezembro de 2010, com destaque para os setores de Produtos têxteis (85,2%), Refino de petróleo e combustíveis (35,9%) e Agricultura e pecuária (33,5%). Os setores apresentaram maiores quedas nesta mesma comparação foram Material eletrônico e de comunicações (-28,2%), Celulose e papel (-9,6%) e Metalurgia básica (-9,4%). Funcex Av. Rio Branco, 120, Gr. 707, Centro Rio de Janeiro RJ Instituída em 12 de março de 1976 CNPJ / Utilidade Pública Federal Decreto Tel.: (55.21)

2 No fechamento de 2011, os destaques em termos de crescimento de exportações foram os setores de Extração de petróleo, com 32,8%; Extração de minerais metálicos, com crescimento de 43,4%; e Agricultura e Pecuária, com variação positiva de 40,0% no ano. A concentração da pauta de exportações em poucos setores se mantém elevada, com apenas três setores representando 47,7% do volume exportado em 12 meses (Produtos alimentícios e bebidas, Extração de minerais metálicos e Agricultura e pecuária). Pelo lado das importações (Tabela 4), os setores de destaque com evoluções positivas em dezembro foram Refino de petróleo e combustíveis (96,9%), confecção e artigos do vestuário (60,8%), Veículos automotores, reboques e carrocerias (26,1%), Extração de petróleo (15,4%) e Extração de minerais não metálicos (14,9%). Houve queda do valor importado em quatro setores, com destaque para Celulose, e papel (-7,5%), Metalurgia básica (-18,8%) e Extração de minerais metálicos (-29,3%). No acumulado do ano, não houve queda no valor importado em nenhum dos setores CNAE. Em relação ao saldo comercial (Tabela 5), apenas dez setores registraram superávit no mês de dezembro, sendo os principais destaques: Extração de minerais metálicos, Produtos alimentícios e bebidas, Agricultura e pecuária e Extração de petróleo. No ano de 2011, 12 setores foram superavitários, sendo que os quatro supracitados responderam por um saldo de US$ 114 bilhões. PAÍSES E BLOCOS ECONÔMICOS Ásia, União Europeia, ALADI (exclusive o México) e NAFTA foram os principais blocos econômicos de destino das exportações brasileiras no mês de dezembro (Tabela 6). As participações de tais blocos na pauta de exportações brasileiras foram de, respectivamente, 28,7%, 20,1%, 17,7% e 14,3%. No ranking de países (Tabela 9), a China manteve o primeiro lugar, com 17,3% do total exportado em 2011, seguida por Estados Unidos (10,1%) e Argentina (8,9%). Japão e China foram os destaques em crescimento do valor exportado brasileiro, com variações positivas de, respectivamente, 40,1% e 39,4% em dezembro. Ásia, União Europeia e Nafta foram os principais blocos de origem das importações brasileiras no mês de dezembro (Tabela 7), com participações na pauta de 30,2%, 21,8% e 20,3%, respectivamente. Na comparação entre países (Tabela 10), a principal origem das importações brasileiras no mês de dezembro foram os Estados Unidos, com 15,3% de participação na pauta, seguidos por China (14,4%) e Argentina (7,3%). Os maiores superávits na balança comercial no mês de dezembro (Tabelas 8 e 11) foram obtidos com Aladi (US$ 1,4 bilhão), China (US$ 1,03 bilhão) e Ásia (US$ 824 milhões), contrastando com os elevados déficits registrados com NAFTA (US$ 523 milhões), Índia (US$ 441 milhões), Coreia do Sul (US$ 421 milhões) e Europa Oriental (US$ 210 milhões). No ano, os maiores superávits do país relacionam-se a ALADI (US$ 14,7 bilhões), China (US$ 11,5 bilhões), Ásia (US$ 6,6 bilhões) e União Europeia (US$ 6,5 bilhões). PROJEÇÕES As condições econômicas neste início de 2012 apresentam um grau de incerteza excepcionalmente elevado. Para a balança comercial brasileira, a grande dúvida fica a cargo do comportamento dos - 2/7 -

3 preços das exportações brasileiras. O cenário mais provável não contempla uma queda forte dos preços, mas é improvável que haja ganhos significativos. Portanto, nossa projeção considera estabilidade do índice de preços em relação à média do ano de Somada a um quantum exportado que deve ter um crescimento baixo, da ordem de 3%, projetamos exportações em torno de US$ 264 bilhões. Para as importações, consideramos igualmente uma estabilidade dos preços e crescimento do quantum em torno de 10%, o que levaria o valor importado a US$ 249 bilhões em Isso implicaria um saldo comercial de US$ 15 bilhões. Informações disponíveis até 06/01/ Atenção Estas e muitas outras estatísticas do comércio exterior brasileiro encontram-se no FUNCEXDATA. Para obter maiores informações, acesse ou envie mensagem para TABELAS Período Total exportado Tabela 1 Valor das exportações brasileiras Básicos Classe de produtos Categoria de uso Semimanu- Manufa- Bens de Bens Bens de Consumo faturados turados capital Intermediários duráveis não duráveis Anual Mensal Dez Jan 11 * Fev 11 * Mar 11 * Abr 11 * Mai 11 * Jun 11 * Jul 11 * Ago 11 * Set 11 * Out 11 * Nov 11 * Dez 11 * Variação (Em %) Dez 11 / Nov 11 1,6 4,3 (19,0) 8,1 24,0 (6,6) 8,2 (8,1) 51,6 Dez 11 / Dez 10 5,8 8,9 2,5 4,5 4,3 7,6 21,6 11,9 (7,5) Acumulado no ano 26,8 36,1 27,7 16,0 19,2 30,5 0,3 15,5 35,5 Acumulado 12 meses 26,8 36,1 27,7 16,0 19,2 30,5 0,3 15,5 35,5 Participação na pauta *** (Em %) Em Dezembro 11 54,7 47,4 12,4 38,4 9,3 59,6 3,3 13,4 14,4 Acumulado 12 meses 53,1 47,8 14,1 36,0 7,5 64,9 2,7 13,8 11,0 Nota: vide anexo metolológico. Combustíveis - 3/7 -

4 Tabela 2 Valor das importações e o saldo comercial brasileiro Período Categoria de uso Total Saldo importado Bens de Bens Bens de Consumo Combustíveis comercial capital Intermediários duráveis não duráveis Anual Mensal Dez Jan 11 * Fev 11 * Mar 11 * Abr 11 * Mai 11 * Jun 11 * Jul 11 * Ago 11 * Set 11 * Out 11 * Nov 11 * Dez 11 * Variação (Em %) (Em US$) Dez 11 / Nov 11 (13,6) (12,1) (12,5) (19,9) (5,7) (18,5) Dez 11 / Dez 10 17,6 9,2 12,3 14,5 14,2 58, Acumulado no ano 24,5 18,1 20,0 34,4 26,0 43, Acumulado 12 meses 24,5 18,1 20,0 34,4 26,0 43, Participação na pauta *** (Em %) Em Dezembro 11 45,3 17,0 50,6 8,1 8,2 16,2 - Acumulado 12 meses 46,9 15,6 53,5 7,0 7,4 16,5 - Nota: vide anexo metolológico. Tabela 3 Valor das exportações brasileiras segundo setor CNAE Setores CNAE Agricultura e pecuária ,5 40,0 40,0 8,9 12,6 Silvicultura e exploração florestal ,2 24,3 24,3 0,1 0,1 Pesca e aqüicultura (35,1) (30,1) (30,1) 0,0 0,0 Extração de carvão mineral ** ** - 0,0 Extração de petróleo (10,2) 32,8 32,8 11,4 8,4 Extração de minerais metálicos ,6 43,4 43,4 17,8 17,3 Extração de minerais não-metálicos (1,5) 9,7 9,7 0,3 0,3 Produtos alimentícios e bebidas ,5 19,4 19,4 16,2 17,8 Produtos do fumo ,8 1,9 1,9 0,0 0,0 Produtos têxteis ,2 40,5 40,5 1,4 1,1 Confecção de artigos do vestuário e acessórios ,3 4,8 4,8 0,1 0,1 Preparação de couros seus artefatos e calçados (4,2) 3,9 3,9 1,4 1,4 Produtos de madeira ,3 (1,2) (1,2) 0,8 0,7 Celulose, papel e produtos de papel (9,6) 6,3 6,3 2,7 2,8 Edição, impressão e reprodução de gravações (59,7) 4,5 4,5 0,0 0,0 Coque, refino de petróleo e combustíveis ,9 41,6 41,6 2,5 2,4 Produtos químicos ,3 21,0 21,0 5,0 5,2 Artigos de borracha e plástico ,5 18,4 18,4 1,2 1,3 Produtos de minerais não-metálicos ,9 0,9 0,9 0,6 0,7 Metalurgia básica (9,4) 32,9 32,9 7,5 8,5 Produtos de metal ,7 17,1 17,1 0,9 0,8 Máquinas e equipamentos ,4 25,8 25,8 4,9 4,2 Máquinas para escritório e de informática ,3 17,5 17,5 0,2 0,2 Máquinas, aparelhos e materiais elétricos ,2 9,4 9,4 1,5 1,4 Material eletrônico e de comunicações (28,2) (16,9) (16,9) 0,4 0,6 Equipamentos médico-hospitalares, de automação industrial e de precisão ,2 18,2 18,2 0,4 0,4 Veículos automotores, reboques e carrocerias ,4 13,9 13,9 6,6 6,2 Outros equipamentos de transporte (3,0) 17,5 17,5 4,3 2,8 Móveis e indústrias diversas (5,7) 6,3 6,3 0,5 0,6 Total brasileiro ,8 26, ,8 97,8 Nota: vide anexo metolológico. - 4/7 -

5 Tabela 4 Valor das importações brasileiras segundo setor CNAE - 5/7 - Setores CNAE Agricultura e pecuária ,3 16,3 16,3 1,7 1,6 Silvicultura e exploração florestal ,7 38,5 38,5 0,1 0,1 Pesca e aqüicultura ,1 18,9 18,9 0,1 0,1 Extração de carvão mineral ,3 46,8 46,8 2,0 1,9 Extração de petróleo ,4 31,6 31,6 6,8 7,6 Extração de minerais metálicos (29,3) 15,5 15,5 0,8 0,9 Extração de minerais não-metálicos ,9 39,3 39,3 0,2 0,2 Produtos alimentícios e bebidas ,7 25,1 25,1 3,5 3,0 Produtos do fumo ,4 1,9 1,9 0,0 0,0 Produtos têxteis ,6 27,0 27,0 1,6 1,8 Confecção de artigos do vestuário e acessórios ,8 58,9 58,9 0,8 0,8 Preparação de couros seus artefatos e calçados ,2 30,6 30,6 0,4 0,5 Produtos de madeira ,7 34,4 34,4 0,1 0,1 Celulose, papel e produtos de papel (7,5) 11,9 11,9 0,9 0,9 Edição, impressão e reprodução de gravações ,5 26,2 26,2 0,1 0,1 Coque, refino de petróleo e combustíveis ,9 53,7 53,7 9,9 9,7 Produtos químicos ,1 26,2 26,2 19,4 18,4 Artigos de borracha e plástico ,0 24,6 24,6 2,9 3,0 Produtos de minerais não-metálicos ,2 37,1 37,1 0,9 0,9 Metalurgia básica (18,8) 0,2 0,2 4,1 4,4 Produtos de metal ,2 23,8 23,8 1,9 1,9 Máquinas e equipamentos ,2 21,9 21,9 11,2 10,9 Máquinas para escritório e de informática (1,7) 8,2 8,2 2,1 2,3 Máquinas, aparelhos e materiais elétricos ,8 16,9 16,9 3,5 4,0 Material eletrônico e de comunicações ,7 18,7 18,7 5,3 7,1 Equipamentos médico-hospitalares, de automação industrial e de precisão ,1 5,1 5,1 3,3 3,1 Veículos automotores, reboques e carrocerias ,1 28,2 28,2 11,9 10,6 Outros equipamentos de transporte ,3 11,8 11,8 3,4 3,1 Móveis e indústrias diversas ,6 27,0 27,0 0,8 0,8 Total brasileiro ,6 24,5 24,5 100,0 100,0 Nota: vide anexo metolológico. Tabela 5 Saldo comercial brasileiro segundo setor CNAE Setores CNAE Valores Variação absoluta Dez/11* No Ano 12 meses No mês No ano 12 meses Agricultura e pecuária Silvicultura e exploração florestal (0) (2) (2) Pesca e aqüicultura (19) (207) (207) (2) (45) (45) Extração de carvão mineral - (4.295) (4.295) (287) (1.364) (1.364) Extração de petróleo (453) Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos (6) (64) (64) Produtos alimentícios e bebidas Produtos do fumo Produtos têxteis 24 (1.376) (1.376) 123 (86) (86) Confecção de artigos do vestuário e acessórios (134) (1.505) (1.505) (57) (629) (629) Preparação de couros seus artefatos e calçados (17) (126) (126) Produtos de madeira (2) (70) (70) Celulose, papel e produtos de papel (49) Edição, impressão e reprodução de gravações (20) (186) (186) (13) (53) (53) Coque, refino de petróleo e combustíveis (1.248) (15.861) (15.861) (743) (5.883) (5.883) Produtos químicos (2.458) (28.370) (28.370) (701) (6.332) (6.332) Artigos de borracha e plástico (255) (3.506) (3.506) (18) (835) (835) Produtos de minerais não-metálicos (27) (413) (413) (13) (555) (555) Metalurgia básica Produtos de metal (149) (2.228) (2.228) 43 (524) (524) Máquinas e equipamentos (975) (13.883) (13.883) 175 (2.225) (2.225) Máquinas para escritório e de informática (348) (4.909) (4.909) 16 (340) (340) Máquinas, aparelhos e materiais elétricos (318) (5.495) (5.495) 2 (1.000) (1.000) Material eletrônico e de comunicações (886) (14.496) (14.496) (99) (2.813) (2.813) Equipamentos médico-hospitalares, de automação (520) (5.905) (5.905) (38) (180) (180) industrial e de precisão Veículos automotores, reboques e carrocerias (718) (8.276) (8.276) (314) (3.360) (3.360) Outros equipamentos de transporte (117) Móveis e indústrias diversas (32) (489) (489) (25) (323) (323) Total brasileiro

6 Tabela 6 Valor das exportações brasileiras segundo blocos econômicos de destino - 6/7 - NAFTA (1) ,1 29,5 29,5 14,3 12,9 União Europeia (3,3) 22,7 22,7 20,1 20,7 ALADI (9,0) 21,9 21,9 17,7 17,8 Mercosul (10,4) 23,2 23,2 10,1 10,9 Demais da ALADI (2) (7,1) 19,9 19,9 7,7 7,0 AELC (3) ,0 16,1 16,1 1,2 1,1 Europa Oriental (50,1) 8,1 8,1 1,1 2,0 Oriente Médio (17,1) 16,6 16,6 4,0 4,8 Ásia (4) ,7 36,3 36,3 28,7 30,0 África ,4 32,0 32,0 5,3 4,8 Oceânia ,5 39,5 39,5 0,3 0,4 Demais destinos (5) ,9 20,2 20,2 7,3 5,5 Total ,8 26,8 26,8 100,0 100,0 Notas: Blocos econômicos (1) Inclusive Porto Rico e México (4) Exclusive Oriente Médio (2) Exclusive México (5) Inclusive provisão de navios e aeronaves e não declarados. (3) Associação Europeia de Livre Comércio Tabela 7 Valor das importações brasileiras segundo blocos econômicos de origem NAFTA (1) ,0 26,8 26,8 20,3 19,0 União Europeia ,5 18,6 18,6 21,8 20,5 ALADI (1,2) 19,4 19,4 13,7 13,7 Mercosul ,4 16,6 16,6 8,8 8,6 'Demais da ALADI (2) (5,5) 24,5 24,5 5,0 5,1 AELC (3) (24,5) 2,0 2,0 1,4 1,6 Europa Oriental ,7 71,2 71,2 2,5 2,3 Oriente Médio ,8 31,2 31,2 2,6 2,7 Ásia (4) ,5 24,8 24,8 30,2 31,0 África ,7 36,6 36,6 5,8 6,8 Oceânia ,9 43,6 43,6 0,5 0,9 Demais destinos (5) (27,9) 26,3 26,3 1,2 1,5 Total ,6 24,5 24,5 100,0 100,0 Notas: Blocos econômicos (1) Inclusive Porto Rico e México (4) Exclusive Oriente Médio (2) Exclusive México (5) Inclusive provisão de navios e aeronaves e não declarados. (3) Associação Europeia de Livre Comércio Tabela 8 Saldo comercial brasileiro segundo blocos econômicos Valores Variação absoluta Dez/11* No Ano 12 meses No mês No ano 12 meses NAFTA (1) (553) (9.877) (9.877) (626,7) (1.548,6) (1.548,6) União Europeia (685,8) 2.522, ,5 ALADI (357,3) 3.164, ,3 Mercosul (280,5) 2.496, ,0 Demais da ALADI (2) (76,8) 668,3 668,3 AELC (3) 11 (794) (794) 171,6 326,2 326,2 Europa Oriental (210) (2) (2) (449,3) (1.766,0) (1.766,0) Oriente Médio (236,7) 290,3 290,3 Ásia (4) , , ,9 África 112 (3.211) (3.211) 77,4 (1.175,3) (1.175,3) Oceânia (26) (1.087) (1.087) (28,2) (348,7) (348,7) Demais destinos (5) , , ,1 Total brasileiro (1.529,4) 9.641, ,6 Notas: Blocos econômicos (1) Inclusive Porto Rico e México (2) Exclusive México (3) Associação Europeia de Livre Comércio (4) Exclusive Oriente Médio (5) Inclusive provisão de navios e aeronaves e não declarados.

7 Tabela 9 Valor das exportações brasileiras segundo países de destino selecionados - 7/7 - Argentina (14,3) 22,6 22,6 8,0 8,9 Chile (37,6) 27,2 27,2 2,2 2,1 China ,4 43,9 43,9 16,5 17,3 Coreia do Sul ,7 24,8 24,8 2,0 1,8 Estados Unidos (1) ,1 33,3 33,3 11,8 10,1 Índia (72,3) (8,4) (8,4) 0,4 1,3 Japão ,1 32,7 32,7 4,1 3,7 México ,9 6,6 6,6 1,7 1,5 Rússia (66,6) 1,5 1,5 0,6 1,6 Venezuela ,1 19,1 19,1 2,1 1,8 Demais destinos ,6 24,1 24,1 50,5 49,8 Total ,8 26,8 26,8 100,0 100,0 Nota: Destinos das exportações (1) Inclusive Porto Rico Tabela 10 Valor das importações brasileiras segundo países de origem selecionados Argentina ,6 17,1 17,1 7,3 7,5 Chile (29,7) 9,4 9,4 1,7 2,0 China ,2 28,1 28,1 14,4 14,5 Coreia do Sul ,5 19,9 19,9 4,8 4,5 Estados Unidos (1) ,2 25,6 25,6 15,3 15,1 Índia ,7 43,3 43,3 2,9 2,7 Japão (1,4) 12,7 12,7 3,2 3,5 México ,9 33,0 33,0 3,1 2,3 Rússia ,0 54,1 54,1 1,4 1,3 Venezuela ,8 52,4 52,4 0,5 0,6 Demais destinos ,9 24,2 24,2 45,3 46,1 Total ,6 24,5 24,5 100,0 100,0 Nota: Origens das importações (1) Inclusive Porto Rico Tabela 11 Saldo comercial brasileiro segundo países selecionados Valores Variação absoluta Dez/11* No Ano 12 meses No mês No ano 12 meses Argentina (304,1) 1.715, ,3 Chile (161,0) 765,8 765,8 China , , ,6 Coreia do Sul (421) (5.403) (5.403) (147,9) (741,3) (741,3) Estados Unidos (1) (195) (8.283) (8.283) (317,2) (490,5) (490,5) Índia (441) (2.880) (2.880) (409,6) (2.130,2) (2.130,2) Japão , , ,5 México (207) (1.170) (1.170) (150,5) (1.027,4) (1.027,4) Rússia (119) (398,1) (969,6) (969,6) Venezuela ,2 301,2 301,2 Demais destinos (585,5) 4.436, ,1 Total brasileiro (1.529,4) 9.641, ,6 Nota: Origens das importações (1) Inclusive Porto Rico APÊNDICE METODOLÓGICO Notação Os valores assinalados em negrito e itálico indicam correções em relação a valores divulgados no boletim anterior. Os valores assinalados entre parênteses indicam variações negativas. O ( ) indica que não houve declaração de valor nesse período. O (**) indica variações acima de 1.000%. Os meses assinalados com asterisco (*) apresentam informações ainda preliminares. *** O somatório das participações não somam 100%, devido à ausência da parcela dos produtos não classificados. Nas classes de produtos ainda há a falta do item operações especiais.

ano XVI, n 6, junho de 2012

ano XVI, n 6, junho de 2012 ,, junho de 2012 EM FOCO O índice de preços das exportações apresentou alta de 0,3% em maio na comparação com abril, causada pela evolução positiva em produtos básicos e manufaturados (0,4%). Contudo,

Leia mais

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 EM FOCO O índice de preços das exportações encerrou o ano de 2013 com queda de 3,2% em relação ao ano anterior. A redução dos preços de exportação foi generalizada, afetando

Leia mais

ano IV, n 40 agosto de 2014

ano IV, n 40 agosto de 2014 ano IV, n 40 agosto de 2014 SÍNTESE JULHO DE 2014 Em US$ milhões Período Exportações Importações Saldo Julho 23.024 21.450 1.574 Variação em relação a julho de 2013 10,7% - 5,5 % 3.473 Acumulado no ano

Leia mais

ano III, n 21, janeiro de 2013 Período Exportações Importações Saldo

ano III, n 21, janeiro de 2013 Período Exportações Importações Saldo ano III, n 21, janeiro de 2013 SÍNTESE DEZEMBRO DE 2012 (Em US$ milhões) Período Exportações Importações Saldo Dezembro de 2012 19.748 17.500 2.249 Variação em relação a dezembro de 2011-10,8 % - 4,4 %

Leia mais

ano IV, n 46 Fevereiro de 2015

ano IV, n 46 Fevereiro de 2015 ano IV, n 46 Fevereiro de 2015 SÍNTESE JANEIRO DE 2015 Em US$ milhões Período Exportações Importações Saldo Janeiro 13.704 16.878-3.174 Variação em relação a Janeiro de 2014-14,5 % -16,0 % 894 Acumulado

Leia mais

ano V, n 46, Fevereiro de 2015

ano V, n 46, Fevereiro de 2015 ,, Fevereiro de 2015 EM FOCO O Índice de rentabilidade das exportações registrou queda de 10,1% em janeiro de 2015 na comparação com janeiro de 2014 (Tabela 1). A queda do Índice resultou da forte diminuição

Leia mais

ano V, n 47, Março de 2015

ano V, n 47, Março de 2015 ,, Março de 2015 EM FOCO Em fevereiro, o Índice de rentabilidade das exportações totais registrou aumento de 2,6%, em relação a janeiro. O aumento da Rentabilidade exportadora no mês foi devido ao impacto

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Divulgação dos Resultados da Indústria Geral e Setorial 1º Trimestre de 2011 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Maio de 2011 Objetivos Calcular

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2012 Unidade de Estudos Econômicos PRINCIPAIS ESTADOS EXPORTADORES NO MÊS jan/11 Part(%) jan/12 Part(%) Var (%) SAO PAULO 3.328 21,9% 3.672 22,7% 10,3% 344

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Junho/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Abr17/Mar17 (%) dessaz. Abr17/Abr16 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até abril

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM SETEMBRO Exportações A queda de 28% na comparação mensal pode ser explicada por: 1) Dois

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JULHO Exportações As exportações da indústria atingiram o nível mais baixo desde 2006 para o

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM OUTUBRO Exportações A exportação de produtos básicos registrou queda de 87,3% ante outubro

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012 Período Dias Úteis US$ milhões FOB EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM AGOSTO Exportações As exportações da indústria registraram o nível mais baixo para o mês desde

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2016 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações O principal destaque negativo ficou por conta do impacto contracionista

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões São Paulo, 18 de janeiro de 2016 NOVEMBRO DE 2015 Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões No acumulado até novembro, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram

Leia mais

Vale do Aço. Fevereiro/2016

Vale do Aço. Fevereiro/2016 Fevereiro/2016 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Além da forte queda da indústria (-18,5%), ressalta-se o fato de que somente

Leia mais

Janeiro Atualizado até 10/02/2012.

Janeiro Atualizado até 10/02/2012. Janeiro 2012 crescem acima das exportações: o saldo da balança comercial brasileira iniciou o ano com um déficit de US$ 1,3 bilhão, após consecutivos saldos superavitários desde fevereiro de 2010. Em relação

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE CÂMBIO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

REFLEXÕES SOBRE CÂMBIO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR REFLEXÕES SOBRE CÂMBIO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Fernando J. Ribeiro Economista-chefe chefe da FUNCEX Workshop CINDES Rio de Janeiro 5 de agosto de 2011 09/08/2011 VISÃO MACROECONÔMICA DA BALANÇA

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Rio Grande Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais

Leia mais

São Paulo, 10 de janeiro de 2012.

São Paulo, 10 de janeiro de 2012. São Paulo, 10 de janeiro de 2012. Dezembro 2012 Dezembro registrou superávit comercial de US$ 2,2 bilhões: o resultado é 41% menor do que o saldo do mesmo mês de 2011. No acumulado do ano, as exportações

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 31 número 10 novembro 2016 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Outubro de 2016 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016 Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial Brasília, julho de 2016 Coeficientes de abertura comercial Estrutura 1. O que são os coeficientes de exportação e penetração de importações?

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 20 de março de 2015 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2015 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

CRESCEM AS EXPORTAÇÕES DE MANUFATURADOS PARA OS ESTADOS UNIDOS EM 2015

CRESCEM AS EXPORTAÇÕES DE MANUFATURADOS PARA OS ESTADOS UNIDOS EM 2015 São Paulo, 30 de novembro de 2015 Outubro 2015 CRESCEM AS EXPORTAÇÕES DE MANUFATURADOS PARA OS ESTADOS UNIDOS EM 2015 Em outubro, a corrente de comércio alcançou valor de US$ 30,1 bilhões, o que significou

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2016

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2016 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2016 As exportações paranaenses, em março, apresentaram aumento de +48,60% em relação a fevereiro. O valor exportado atingiu a US$ 1,490 bilhão, o mais

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Agosto de 2014 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Setembro de 2013 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 31 número 06 julho 2016 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Junho de 2016 Vendas Industriais página 04 O resultado de

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Janeiro 2016

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Janeiro 2016 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Janeiro 2016 As exportações paranaenses, em janeiro, apresentaram queda de -23,15% em relação a dezembro/15. O valor exportado atingiu a US$ 871 milhões, ficando,

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Junho de 2013 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Junho de 2011 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

Março 2014 São Paulo, 30 de abril de 2014

Março 2014 São Paulo, 30 de abril de 2014 Março 2014 São Paulo, 30 de abril de 2014 BALANÇA COMERCIAL REGISTRA O PRIMEIRO SALDO POSITIVO DO ANO,, MAS RESULTADO SEGUE MODESTO A balança comercial brasileira registrou um superávit de US$ 112 milhões

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DO COMÉRCIO EXTERIOR SOBRE A GERAÇÃO DE EMPREGO NO BRASIL - 1º. Semestre de 2011

AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DO COMÉRCIO EXTERIOR SOBRE A GERAÇÃO DE EMPREGO NO BRASIL - 1º. Semestre de 2011 AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DO COMÉRCIO EXTERIOR SOBRE A GERAÇÃO DE EMPREGO NO BRASIL - 1º. Semestre de 2011 1 AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DO COMÉRCIO EXTERIOR SOBRE A GERAÇÃO DE EMPREGO NO BRASIL - 1º. Semestre

Leia mais

Produção Industrial Maio de 2014

Produção Industrial Maio de 2014 Produção Industrial Maio de 214 PRODUÇÃO INDU S TRI AL DE SANTA C AT AR INA EM M AIO/14 A produção industrial de Santa Catarina ficou estável em maio (,%), em relação ao mesmo mês do ano anterior. Resultado

Leia mais

Sem plataformas de petróleo parcela exportada da indústria cairia em 2013.

Sem plataformas de petróleo parcela exportada da indústria cairia em 2013. Informativo trimestral 4º trimestre de 2013 Para mais informações www.fiesp.com.br São Paulo, 19 de fevereiro de 2014 Sem plataformas de petróleo parcela exportada da indústria cairia em 2013. Coeficiente

Leia mais

Indicadores selecionados do RS*

Indicadores selecionados do RS* 67 Indicadores selecionados do RS* Tabela 1 Taxas de crescimento da produção, da área colhida e da produtividade dos principais produtos da lavoura no Rio Grande do Sul /06 PRODUTOS / 2006/ (1) Produção

Leia mais

Boletim da Balança Comercial do RS Dezembro de 2016

Boletim da Balança Comercial do RS Dezembro de 2016 Boletim da Balança Comercial do RS Dezembro de 2016 Tópicos 1. Exportações do Rio Grande do Sul Dezembro Setores de atividade CNAE 2.0 Principais destinos 2. Importações do Rio Grande do Sul Dezembro Setores

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012 US$ milhões FOB Período Dias Úteis EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil p/dia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E O INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL-PORTUGAL

DESENVOLVIMENTO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E O INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL-PORTUGAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA DESENVOLVIMENTO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E O INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL-PORTUGAL BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 28 de março de 2016 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2016 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA. Minas Gerais

PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA. Minas Gerais PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA Minas Gerais Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais FIEMG. Ficha Técnica Elaboração:

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2016

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2016 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2016 As exportações paranaenses cresceram 1,2% em maio em relação ao mês anterior e em 20,9% em relação a maio de 2015. Em valores, as exportações de maio

Leia mais

Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 16 de dezembro de 2016 A Diretoria Regional do CIESP de Mogi

Leia mais

A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital

A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital William Figueiredo Divisão de Estudo Econômicos do Rio de Janeiro (DIERJ) Gerência de Estudos Econômicos (GEE) Rio de Janeiro, 27 de junho de 2017 Estado do

Leia mais

EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO TAXA DE JUROS SELIC

EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO TAXA DE JUROS SELIC Indicadores EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO - 2010-2014 ANO TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB TAXA DE JUROS SELIC TAXA DE CÂMBIO R$/US$ TAXA DE INFLAÇÃO

Leia mais

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Julho 2016

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Julho 2016 >> Exportações de produtos industriais Mato Grosso do Sul - Exportação de Produtos Industriais (Receita - US$) Grupos de Produtos Industriais Julho Janeiro a Julho 2015 2016 Var. % 2015 2016 Var. % Celulose

Leia mais

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Junho 2017

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Junho 2017 >> Exportações de produtos industriais Grupos de Produtos Industriais Junho - US$ Janeiro a Junho - US$ 2016 2017 Var. % 2016 2017 Var. % Celulose e Papel 84.431.684 90.047.004 7% 522.390.072 501.962.469-4%

Leia mais

Projeto desenvolvido por:

Projeto desenvolvido por: Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

Janeiro registrou ingresso de US$ 4,0 bi em IED

Janeiro registrou ingresso de US$ 4,0 bi em IED São Paulo, 25 de fevereiro de 2015. Janeiro de 2015 Janeiro registrou ingresso de US$ bi em IED No primeiro mês de 2015, o Brasil recebeu US$ 3,97 bilhões em investimentos estrangeiros diretos (IED). O

Leia mais

São Paulo, 19 de março de 2013.

São Paulo, 19 de março de 2013. São Paulo, 19 de março de 2013. Fevereiro 2013 Déficit com a China cresce cerca de 60% em fevereiro: a balança comercial brasileira com o país asiático registrou saldo negativo de US$ 0,8 bilhões um aumento

Leia mais

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Dezembro 2016

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Dezembro 2016 >> Exportações de produtos industriais Mato Grosso do Sul - Exportação de Produtos Industriais (Receita - US$) Grupos de Produtos Industriais Dezembro Janeiro a Dezembro 2015 2016 Var. % 2015 2016 Var.

Leia mais

PRIMEIRO MÊS DE 2014 MARCA DÉFICIT COMERCIAL DE US$ 4,1 BILHÕES

PRIMEIRO MÊS DE 2014 MARCA DÉFICIT COMERCIAL DE US$ 4,1 BILHÕES Janeiro 2014 São Paulo, 28 de fevereiro de 2014 PRIMEIRO MÊS DE 2014 MARCA DÉFICIT COMERCIAL DE US$ 4,1 BILHÕES O saldo da balança comercial brasileira ficou negativo em US$ 4,06 bilhões, o que significou

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL exportações líquidas da indústria de transformação cai para -1% O coeficiente de exportação da indústria geral se mantém estável em 20. Já os coeficientes de penetração

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Dezembro/2011 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 31 número 12 janeiro 2017 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Dezembro de 2016 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria Fevereiro de 2017 Este relatório visa a fornecer informações econômicas sobre a Indústria de Transformação

Leia mais

INFORMATIVO DE BUENOS AIRES

INFORMATIVO DE BUENOS AIRES Informativo CNI Importações: balanço do primeiro 2 quadrimestre do ano INFORMATIVO DE BUENOS AIRES Fechado o acordo automotivo: manutenção do flex e livre comércio previsto para 2020 Nesta sexta-feira,

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL AGOSTO DE 2011 Novo crescimento não altera o quadro desfavorável Agosto de 2011 www.fiergs.org.br Os resultados dos Indicadores Industriais do RS referentes ao

Leia mais

São Paulo, 19 de setembro de Agosto 2012

São Paulo, 19 de setembro de Agosto 2012 São Paulo, 19 de setembro de 2012 Agosto 2012 Superávit comercial com a China mantém trajetória decrescente: O superávit da balança comercial brasileira com o parceiro asiático recuou pelo terceiro mês

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças fev/15 mar/15 mai/15 jun/15 ago/15 set/15 nov/15 dez/15 fev/15 mar/15 mai/15 jun/15 ago/15 set/15 nov/15 dez/15-748 -635-482 -548-559 -508-395 -457-386 -404-359 -113 I Resultados Mensal: -67,5% Acum. Ano:

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL Março de 2015 + 3,0% + 10,3% - 0,3% -0,6 % +0,4% +1,0% +2,5% +6,2% 113 111 109 107 103 101 99 97 Atividade volta a crescer Com expressivos crescimentos do faturamento

Leia mais

Aos poucos informações agregadas sobre indicadores econômicos brasileiros mostrando algumas semelhanças nos seus resultados.

Aos poucos informações agregadas sobre indicadores econômicos brasileiros mostrando algumas semelhanças nos seus resultados. ANO 5 NÚMERO 36 ABRIL DE 215 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1- CONSIDERAÇÕES INICIAIS Aos poucos informações agregadas sobre indicadores econômicos brasileiros mostrando algumas

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças I Resultado Nov 16/Nov 15: 41,5% Acum. Ano: -10,6% Anualizado: -14,0% O, elaborado com dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), registra déficit comercial de US$4,90 bilhões

Leia mais

Ingressos de IED diminuem 12,3% frente a 2014

Ingressos de IED diminuem 12,3% frente a 2014 São Paulo, 06 de outubro de 2015 AGOSTO DE 2015 Ingressos de IED diminuem 12,3% frente a 2014 Até agosto de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram US$ 36,8 bilhões.

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS AGOSTO/2016 Resumo de desempenho Agosto 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior

Leia mais

Presença da China na América do Sul

Presença da China na América do Sul Presença da China na América do Sul 1 1 Em 2008, 3% das exportações chinesas foram destinadas à América do Sul... Principais Destinos das Exportações Chinesas (2008) Estados Unidos 17,7% Japão 8,1% Coréia

Leia mais

Maio 2012 Superávit comercial crescente: Déficit na balança de manufaturas: Exportações brasileiras de manufaturados ganham espaço na pauta

Maio 2012 Superávit comercial crescente: Déficit na balança de manufaturas: Exportações brasileiras de manufaturados ganham espaço na pauta Maio 2012 Superávit comercial crescente: o saldo positivo da balança comercial brasileira com a China manteve trajetória de expansão, passando de US$ 1,6 bilhão em abril para US$ 2,4 bilhões em maio (alta

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional. Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA

A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional. Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Produtividade e sustentabilidade do crescimento econômico Decomposição

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças I Resultado Dez 16/Dez 15: 214,0% Acum. Ano: -6,0% Anualizado: -6,0% No ano de 2016, o setor de autopeças comercializou US$6,57 bilhões em produtos para o exterior e adquiriu US$11,82 bilhões, gerando

Leia mais

MAPEAMENTO DA ATIVIDADE ECONÔMICA NO DF. Brasília, 16/02/2017 CODEPLAN

MAPEAMENTO DA ATIVIDADE ECONÔMICA NO DF. Brasília, 16/02/2017 CODEPLAN MAPEAMENTO DA ATIVIDADE ECONÔMICA NO DF Brasília, 16/02/2017 CODEPLAN ROTEIRO O TRABALHO DE MAPEAMENTO DAS EMPRESAS PELA CODEPLAN E A FONTE DE DADOS O QUE JÁ CONHECEMOS SOBRE O MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO

Leia mais

Fonte: Elaboração Própria com base nos dados do Alice Web / MDIC.

Fonte: Elaboração Própria com base nos dados do Alice Web / MDIC. O Gráfico 1 nos mostra a evolução das exportações do Brasil, estado de São Paulo e estado de São Paulo sem região metropolitana. O número 1 (um) após o nome de cada região na legenda da Figura 1 indica

Leia mais

ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE

ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA 2016 ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE Realização FIESC - CIESC - SESI - SENAI - IEL NÃO É SÓ APOIO. É UNIÃO. fiesc.com.br facebook.com/fiesc

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA. Rafael Cervone Presidente da Abit

COLETIVA DE IMPRENSA. Rafael Cervone Presidente da Abit COLETIVA DE IMPRENSA Rafael Cervone Presidente da Abit RESULTADOS 2014 Var.% em relação ao mesmo período do ano anterior 2013 2014* Perfil 2014* Emprego +7.273-20.000 1,6 milhão Produção Vestuário -1,3%

Leia mais

RIO EXPORTA Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro

RIO EXPORTA Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro AGOSTO DE 2015 1 RIO EXPORTA Boletim de comércio exterior do Rio de Janeiro Expediente Agosto de 2015 Ano XIII - nº 08 Sistema Firjan Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro Presidente: Eduardo

Leia mais

A PRODUÇÃO INDUSTRIAL CATARINENSE ABRIL/2016

A PRODUÇÃO INDUSTRIAL CATARINENSE ABRIL/2016 ABR/2016 A PRODUÇÃO INDUSTRIAL CATARINENSE ABRIL/2016 A indústria catarinense volta a registrar queda em sua produção industrial, -2,2% em relação ao mês de março de 2016. No ano, registra uma retração

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS OUTUBRO/2016 Resumo de desempenho Outubro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças I Resultado Fev 17/Fev 16: 79,7% Acum. Ano: 46,3% Anualizado: 10,0% As exportações de autopeças no primeiro bimestre de somaram US$ 933,1 milhões, com alta de 3% em relação ao mesmo período de. As importações

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Jequitinhonha

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Jequitinhonha PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Jequitinhonha Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas

Leia mais

Exportações do Estado de São Paulo Acumulado de janeiro a setembro de 2013 Novembro /2013

Exportações do Estado de São Paulo Acumulado de janeiro a setembro de 2013 Novembro /2013 Exportações do Estado de São Paulo Acumulado de janeiro a setembro de 2013 Novembro /2013 O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) divulgou o saldo comercial por município

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003:

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: CONDIÇÕES ADVERSAS DO MERCADO INTERNO LIMITAM A RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL Segundo o IBGE, em novembro, a produção industrial cresceu 0,8% na comparação com o mês outubro,

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite Ano 7, n. 44 - Dezembro/2016 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br www.embrapa.br/fale-conosco/sac

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Aço

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Aço PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Aço Outubro/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais

Leia mais

Balança comercial acumula saldo positivo de US$ 7,5 bilhões. Principais produtos exportados

Balança comercial acumula saldo positivo de US$ 7,5 bilhões. Principais produtos exportados São Paulo, 27 de setembro de 2013. Agosto 2013 Balança comercial com a China registra superávit de US$1,4 bilhão O resultado representou alta de pouco mais de 70% em relação a agosto de 2012. As exportações

Leia mais

Gráfico 1 Corrente de comércio Brasil - China entre 2006 e 2015 (US$ milhões)

Gráfico 1 Corrente de comércio Brasil - China entre 2006 e 2015 (US$ milhões) INFORMATIVO Nº. 48. JANEIRO de 216 COMÉRCIO BILATERAL BRASIL-CHINA Balança Comercial Em 215, a corrente de comércio Brasil-China totalizou 66,3 bilhões, de acordo com dados divulgados pelo Ministério do

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS FEVEREIRO/2016 Resumo de desempenho Fevereiro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No bimestre mês

Leia mais

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial XIX Congresso Brasileiro de Economia Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda aclacerda@pucsp.br Bonito, 09 de Setembro de 2011. Page 1 Economia

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor

Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Indústrias Extrativas e de Transformação Resultados Fevereiro de 2017 Principais Indicadores Indústria

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 2009

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 2009 DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 20 Em 20 a indústria catarinense enfrentou um ambiente econômico adverso, marcado por restrições de liquidez no mercado internacional e incertezas quanto ao futuro

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor

Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Indústrias Extrativas e de Transformação Indústrias Extrativas e de Transformação Resultados Novembro de 2016 Principais Indicadores Indústria

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 4º Trimestre de 2010 Coordenação de Contas Nacionais 03 de março de 2010 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

! " #$!! %&!

!  #$!! %&! '(! " #$!! %&! ) *+!!, -./( ) Fornecedores Siderurgia Metalurgia Plásticos Tintas Componentes eletrônicos Autopeças Pneus Produtos da cadeia automotiva Automóveis Comerciais leves Caminhões Ônibus Máquinas

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO FEVEREIRO DE Eego industrial FEVEREIRO DE 2013

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO FEVEREIRO DE Eego industrial FEVEREIRO DE 2013 EMPREGO INDUSTRIAL FEVEREIRO DE 2013 FEVEREIRO DE 2013 Eego industrial SUMÁRIO EXECUTIVO O número de assalariados com carteira assinada da indústria de transformação catarinense cresceu 1,50% em fevereiro

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2004: AVANÇOS E RECUOS

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2004: AVANÇOS E RECUOS PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM JANEIRO DE 2004: AVANÇOS E RECUOS Segundo o IBGE, a produção física industrial brasileira cresceu 0,8% em comparação com o mês de dezembro, descontadas as influências sazonais. Em

Leia mais

PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO

PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO JANEIRO DE 212 - CAGED Emprego Formal na Economia Emprego no mês de Janeiro 213 - Ocorreu um saldo positivo de 28.9 postos de emprego e no comparativo dos meses de janeiro,

Leia mais