BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012"

Transcrição

1 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012 Período Dias Úteis US$ milhões FOB EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil p/dia útil Setembro , , , ,6 1a. semana (01 a 09) , , , ,0 2a. semana (10 a 16) , , , ,2 3a. semana (17 a 23) , , , ,8 4a. semana (24 a 30) , , , ,8 Acumulado no ano , , , ,2 Janeiro , , , ,2 Fevereiro , , , ,9 Março , , , ,8 Abril , , , ,1 Maio , , , ,4 Junho , , , ,3 Julho , , , ,7 Agosto , , , ,3 Setembro , , , ,6 Setembro/ , , , ,3 Agosto/ , , , ,3 Var. % Setembro-2012/Setembro ,1-4,6-4,9-16,8-8,0 Var. % Setembro-2012/Agosto ,2 10,2 9,1-20,7-4,1 Jan-Setembro/ , , , ,2 Jan-Setembro/ , , , ,0 Var. % Jan/Set /2011-4,9-4,9-1,2-1,2-3,2-3,2-31,8-31,8 Acumulado de doze meses Out/2011-Set/ , , , ,5 Out/2010-Set/ , , , ,1 Var. % Out/Set /2011-0,1 0,3 3,6 4,0 1,6 2,0-26,4-26,1 Fonte: SECEX/MDIC Setembro/2012: 19 dias úteis; Setembro/2011: 21 dias úteis; Agosto/2012: 23 dias úteis. Setembro 2012 No mês, a exportação alcançou o valor de US$ 19,999 bilhões e média diária de US$ 1,053 bilhão, sendo a segunda melhor média para meses de setembro. Sobre setembro de 2011, as exportações retrocederam 5,1%, pela média diária. Em comparação a agosto de 2012, assinalouse acréscimo de 8,2%. As importações totalizaram US$ 17,442 bilhões e média diária de US$ 918,0 milhões, sendo também a segunda melhor média para meses de setembro. Sobre igual período do ano anterior, as importações registraram retração de 4,6%, pela média diária. Relativamente a agosto de 2012, apontou-se aumento de 10,2%. No período, a corrente de comércio alcançou a cifra de US$ 37,441 bilhões. Sobre igual período do ano anterior, a corrente de comércio registrou queda de 4,9%. O saldo comercial do mês registrou superávit de US$ 2,557 bilhões, valor 16,8% inferior ao registrado em setembro de 2011, quando apresentou saldo de US$ 3,072 bilhões. 1

2 2

3 Janeiro-Setembro 2012 No acumulado janeiro-setembro de 2012, as exportações apresentaram valor de US$ 180,597 bilhões. Sobre igual período de 2011, as exportações registraram retração de 4,9%. As importações somaram US$ 164,870 bilhões, com queda de 1,2% sobre o mesmo período anterior. O superávit comercial no acumulado totalizou US$ 15,727 bilhões, valor 31,8% inferior ao registrado em equivalente período anterior (US$ 23,059 bilhões). A corrente de comércio alcançou cifra de US$ 345,467 bilhões, representando queda de 3,2% sobre o mesmo período anterior, quando totalizou US$ 356,939 bilhões. Acumulado de doze meses (Outubro-2011/Setembro-2012) Em períodos de doze meses, as exportações somaram US$ 246,637 bilhões. Sobre o período outubro/2010-setembro/2011, quando as exportações atingiram US$ 246,985 bilhões, houve crescimento de 0,3%, pela média diária. As importações totalizaram US$ 224,173 bilhões, aumento de 4,0% sobre o mesmo período anterior, de US$ 216,464 bilhões, pela média diária. O superávit comercial, em doze meses, acumula cifra de US$ 22,464 bilhões, valor 26,4% abaixo de equivalente período anterior (US$ 30,521 bilhões). A corrente de comércio cresceu em 2,0%, pela média diária, de US$ 463,449 bilhões para US$ 470,810 bilhões. 3

4 Exportação de Setembro 2012 No mês, as exportações dos três grupos de produtos foram: básicos (US$ 9,461 bilhões), manufaturados (US$ 7,482 bilhões) e semimanufaturados (US$ 2,635 bilhões). Sobre setembro do ano anterior, retrocederam pela média diária, as exportações de semimanufaturados (-15,6%) e básicos (-7,9%), enquanto os manufaturados registraram crescimento de 2,9%. No grupo dos semimanufaturados, as quedas ocorreram, principalmente, por conta de ouro em forma semimanufaturada (-57,5%, para US$ 101 milhões), óleo de soja em bruto (-39,1%, para US$ 129 milhões), alumínio em bruto (-29,0%, para US$ 70 milhões), semimanufaturado de ferro/aço (-19,8%, para US$ 270 milhões), açúcar em bruto (-13,3%, para US$ 1,0 bilhão), ferroligas (-6,1%, para US$ 167 milhões) e celulose (-4,2%, para US$ 356 milhões). Por outro lado cresceram as vendas de ferro fundido (+46,0%, para US$ 117 milhões) e couros e peles (+9,2%, para US$ 161 milhões). No grupo dos básicos decresceram principalmente: café em grão (-41,5%, para US$ 411 milhões), minério de ferro (-34,2%, para US$ 2,4 bilhões) e soja em grão (-23,5%, para US$ 1,0 bilhão). Por outro lado cresceram as vendas de milho em grão (+85,4%, para US$ 846 milhões), farelo de soja (+30,4%, para US$ 606 milhões), fumo em folhas (+20,1%, para US$ 506 milhões), petróleo (+19,9%, para US$ 1,5 bilhão), carne bovina (+19,1%, para US$ 421 milhões), algodão (+15,6%, para US$ 313 milhões) e carne de frango (+10,2%, para US$ 566 milhões). Quanto aos manufaturados, quando comparado com setembro de 2011, cresceram as vendas principalmente de: máquinas p/fabricação de celulose (+1.235%, para US$ 145 milhões), óleos combustíveis (+183,7%, para US$ 325 milhões), etanol (+149,4%, para US$ 331 milhões), motores e geradores elétricos (+52,7%, para US$ 215 milhões), suco de laranja não congelado (+35,3%, para US$ 120 milhões), laminados planos de ferro ou aço (+26,1%, para US$ 136 milhões), veículos de carga (+11,7%, para US$ 173 milhões), açúcar refinado (+4,8%, para US$ 299 milhões) e automóveis de passageiros (+1,5%, para US$ 306 milhões). Por mercados compradores, decresceram as vendas para os principais blocos econômicos, a saber: Mercosul (-18,2%, sendo para Argentina -25,8%, por conta de minério de ferro, tratores, bombas e compressores, motores para veículos, pneumáticos, aparelhos transmissores/receptores, polímeros plásticos e automóveis de passageiros), Ásia (-11,9%, especificamente para a China, queda de 23,1%, para US$ 3,1 bilhões, pela retração nas exportações de açúcar em bruto, polímeros plásticos, soja em grão, minério de ferro, celulose e ferro-ligas) e União Europeia (-4,9%, por conta de minério de ferro, farelo de soja, café, máquinas e equipamentos, celulose e carnes). Os demais blocos apresentaram os seguintes aumentos: Europa Oriental (+61,0%, por conta de carnes, aviões, fumo, soja em grão e automóveis e partes), Oriente Médio (+10,8%, principalmente por conta de carnes, cereais, farelo de soja, químicos 4

5 inorgânicos, máquinas e equipamentos, siderúrgicos e animais vivos), África (+6,9%, em decorrência de açúcar, cereais, carnes e etanol), Estados Unidos (+4,8%, por conta de suco de laranja congelados, motores e geradores elétricos, etanol, motores e turbinas para aviação, ferro fundido e celulose) e América Latina e Caribe, exceto Mercosul (+2,3%, por conta de máquinas e equipamentos, siderúrgicos, aeronaves e partes, plásticos e obras e petróleo). Em termos de países, os cinco principais compradores foram: 1º) China (US$ 3,145 bilhões), 2º) Estados Unidos (US$ 2,021 bilhões), 3º) Argentina (US$ 1,480 bilhão), 4º) Países Baixos (US$ 1,086 bilhão) e 5º) Japão (US$ 774 milhões). Importação de Setembro 2012 No mês, decresceram as importações de combustíveis e lubrificantes (-25,6%), matériasprimas e intermediários (-3,6%) e bens de consumo (-1,9%), enquanto cresceram as compras de bens de capital (+9,3%). No grupo dos combustíveis e lubrificantes, a retração ocorreu principalmente pela queda de preço e das quantidades embarcadas de óleo combustível e nafta. No segmento de matérias-primas e intermediários, caíram as aquisições de produtos minerais, produtos agropecuários não alimentícios e produtos alimentícios. No segmento bens de consumo, os principais crescimentos foram observados nas importações de produtos de toucador, partes e peças para bens de consumo duráveis, vestuário, objetos de adorno, farmacêuticos e alimentícios. Com relação a bens de capital, cresceram os seguintes itens: equipamento móvel de transporte, maquinaria industrial, partes e peças para bens de capital para indústria, acessórios de maquinaria industrial e máquinas e aparelhos de escritório/serviço científico. Por mercados fornecedores, na comparação setembro 2012/2011, decresceram as compras originárias dos seguintes blocos econômicos, exceto: Oriente Médio (+84,2%, por conta de petróleo em bruto, adubos e fertilizantes, químicos, máquinas e equipamentos, siderúrgicos, aeronaves e partes e alumínio e obras), Mercosul (+5,5%, sendo que da Argentina o crescimento foi de 2,0%, por conta de petróleo em bruto, veículos de carga, produtos de perfumaria, autopeças e polímeros plásticos) e União Europeia (+1,0%, por conta de químicos, obras de ferro fundido, adubos e fertilizantes, siderúrgicos e aeronaves e partes). Os demais blocos registraram retração, a saber: África (-39,3%, por conta de petróleo em bruto, adubos e fertilizantes, plásticos e obras, metais preciosos, máquinas e equipamentos e frutas), América Latina e Caribe, exceto Mercosul (- 13,6%, por conta de gás natural, carvão, cobre e obras, veículos automóveis e partes, minérios, adubos e fertilizantes, borracha e obras, químicos e prata em bruto), Estados Unidos (-8,0%, pelas maiores quedas, principalmente, gasolina, óleos combustíveis, carvão, motores e geradores, autopeças, motores/turbinas para aviação e instrumentos de medida/precisão), Europa Oriental (- 6,5%, pelas menores aquisições de adubos e fertilizantes e nafta para petroquímica) e Ásia (- 2,9%, sendo que da China cresceu 1,3%, por conta de partes de máquinas automáticas p/processamento de dados, motores e geradores elétricos, tecidos de malha, bombas e compressores e aparelhos eletro-mecânicos). Em termos de países, os cinco principais fornecedores foram: 1º) China (US$ 2,913 bilhões), 2º) Estados Unidos (US$ 2,496 bilhões), 3º) Argentina (US$ 1,323 bilhão), 4º) Alemanha (US$ 1,063 bilhão) e 5º) Coreia do Sul (US$ 828 milhões). Destaques da Exportação em Janeiro/Setembro 2012 No acumulado janeiro-setembro de 2012, registraram retração em relação à igual período de 2011, os produtos semimanufaturados (-11,0%, para US$ 23,926 bilhões), básicos (-5,4%, para US$ 86,082 bilhões) e os manufaturados (-2,4%, para US$ 66,489 bilhões). 5

6 No grupo dos manufaturados, dentre os principais produtos exportados, as maiores quedas ocorreram: açúcar refinado (-27,6%), laminados planos (-23,0%), óxidos e hidróxidos de alumínio (-14,7%), motores para veículos e partes (-9,4%), automóveis de passageiros (-7,3%), autopeças (-6,0%), polímeros plásticos (-5,8%), suco de laranja não congelado (-5,2%) e pneumáticos (- 0,1%). Por outro lado cresceram as vendas de etanol (+46,2%), motores e geradores elétricos (+32,3%), aviões (+31,9%), óleos combustíveis (+30,7%), bombas e compressores (+7,6%), máquinas e aparelhos para terraplanagem (+4,7%) e veículos de carga (+1,7%). Com relação à exportação de produtos básicos, houve queda de receita principalmente de: café em grão (-27,4%), minério de ferro (-25,4%), carne de frango (-5,2%) e petróleo em bruto (- 1,1%). Por outro lado cresceram: algodão em bruto (+76,9%), milho em grão (+42,5%), soja em grão (+18,6%), fumo em folhas (+14,6%), farelo de soja (+10,7%) e carne bovina (+4,5%). Dentro dos semimanufaturados, as maiores retrações ocorreram nas vendas de açúcar em bruto (-22,7%), ferro fundido (-20,4%), alumínio em bruto (-18,6%), semimanufaturados de ferro/aço (-12,0%), celulose (-8,3%) e couros e peles (-1,9%). Por outro lado cresceram as vendas de ferro-ligas (+13,3%), ouro em forma semimanufaturada (+6,9%) e óleo de soja em bruto (+6,7%). Por mercados de destino, houve queda para os seguintes blocos econômicos, a saber: Europa Oriental (-26,3%, por conta de açúcar, soja em grão, café, calçados, químicos inorgânicos, minério de ferro, obras de preda e preparações de carnes), Mercosul (-12,6%, para a Argentina a queda foi de -20,2%, veículos automóveis e partes, máquinas e equipamentos, aparelhos eletroeletrônicos, minério de ferro, plásticos e obras, combustíveis e lubrificantes, siderúrgicos e borracha e obras), Oriente Médio (-11,2%, por conta de carnes, açúcar, minério, soja em grão, café, aeronaves e partes e animais vivos), União Europeia (-8,1%, por conta de minério de ferro, café, celulose, siderúrgicos, carnes, ouro em forma semimanufaturada, plásticos e obras, químicos e aparelhos eletroeletrônicos), América Latina e Caribe, exceto Mercosul (-7,4%, principalmente, petróleo, açúcar, químicos, obras de ferro fundido, farelo de soja, alumínio e suas obras, óleo de soja em bruto e instrumentos de ótica/precisão), Ásia (-1,9%, sendo para China queda de 3,8%, por conta de minério de ferro, petróleo, celulose, açúcar e siderúrgicos) e África (- 0,4%, por conta de açúcar, minério de ferro, óleo de soja em bruto e aparelhos eletroeletrônicos). Por outro lado cresceram as vendas para os Estados Unidos (+11,0%, por conta principalmente de petróleo e óleos combustíveis, siderúrgicos, maquinas e equipamentos, aparelhos eletroeletrônicos e etanol). Os principais países de destino das exportações foram: 1º) China (US$ 32,3 bilhões), 2º) Estados Unidos (US$ 20,7 bilhões), 3º) Argentina (US$ 13,5 bilhões), 4º) Países Baixos (US$ 10,9 bilhões) e 5º) Japão (US$ 5,6 bilhões). Destaques da Importação em Janeiro/Setembro 2012 No acumulado janeiro-setembro de 2012, houve retração das seguintes categorias de uso, na comparação com igual período de 2011: matérias-primas e intermediários (-3,3%) e combustíveis e lubrificantes (-1,4%), enquanto cresceram as compras de bens de capital (+2,1%) e bens de consumo (+0,2%). Por mercados fornecedores, na comparação com janeiro-setembro de 2011, decresceram as compras originárias dos seguintes blocos econômicos: Europa Oriental (-26,6%, por conta principalmente de adubos e fertilizantes, combustíveis e lubrificantes, borracha e obras, siderúrgicos, químicos e metais comuns), África (-9,3%, pela retração nas compras de petróleo, adubos e fertilizantes, químicos, plásticos e obras e máquinas e equipamentos), Mercosul (-5,4%, sendo -6,3% da Argentina, por conta de cereais, nafta para petroquímica, propanos e butanos liquefeitos, plásticos e obras e máquinas e equipamentos), Estados Unidos (-4,0%, por conta de carvão, plásticos e obras, químicos orgânicos, aeronaves e partes, adubos e fertilizantes, etanol e obras de ferro fundido) e Ásia (-0,6%, sendo que da China cresceu 3,9%, por conta de aparelhos eletroeletrônicos, máquinas e equipamentos, químicos orgânicos, obras de ferro fundido, plásticos 6

7 e obras, confecções e brinquedos). Os demais mercados cresceram: Oriente Médio (+30,7%, petróleo, adubos e fertilizantes, partes para aeronaves, químicos orgânicos, máquinas e equipamentos, alumínio e obras, farmacêuticos, siderúrgicos e vidros e obras), América Latina e Caribe, exceto Mercosul (+7,1%, por conta de gás natural, nafta para petroquímica, veículos automóveis e partes, químicos, máquinas e equipamentos, adubos e fertilizantes, pescados e frutas) e União Europeia (+3,2%, principalmente, farmacêuticos, químicos, gasolina, gás natural, carvão, plásticos e obras, obras de ferro fundido, aeronaves e partes e adubos e fertilizantes). Os principais países de origem das importações foram: 1º) China (US$ 25,1 bilhões), 2º) Estados Unidos (US$ 24,0 bilhões), 3º) Argentina (US$ 11,6 bilhões), 4º) Alemanha (US$ 10,7 bilhões) e 5º) Coreia do Sul (US$ 7,1 bilhões). ANEXOS EXPORTAÇÃO POR FATOR AGREGADO SETEMBRO-2012/2011 E AGOSTO US$ MILHÕES FOB Setembro Var. % 2012/11 Agosto Var.% set-12/ago Part. % Média 2011 Part. % Média p/média diária 2012 Part. % Média p/média diária Básicos ,3 497, ,8 540,6-7, ,2 469,1 6,2 Industrializados ,6 532, ,3 546,8-2, ,0 486,4 9,5. Semimanufaturados ,2 138, ,8 164,2-15, ,4 130,7 6,1. Manufaturados ,4 393, ,5 382,6 2, ,6 355,7 10,7 Op. Especiais 421 2,1 22, ,9 21,4 3, ,8 17,6 25,8 TOTAL , , , ,8-5, ,0 973,1 8,2 Setembro/2012: 19 dias úteis; Setembro/2011: 21 dias úteis; Agosto/2012: 23 dias úteis. EXPORTAÇÃO BRASILEIRA FATOR AGREGADO JANEIRO/SETEMBRO 2012/ US$ MILHÕES FOB Janeiro/Setembro Var.% 2012/11 Part. % p/ média diária Básicos ,4 47,7 47,9 Industrializados ,9 50,1 50,0. Semimanufaturados ,0 13,2 14,1. Manufaturados ,4 36,8 35,9 Op. Especiais ,8 2,3 2,1 Total ,9 100,0 100,0 Janeiro-setembro/2012: 189 dias úteis; Janeiro-setembro/2011: 189 dias úteis 7

8 EXPORTAÇÃO BRASILEIRA PRINCIPAIS BLOCOS ECONÔMICOS SETEMBRO-2012/2011 E AGOSTO US$ MILHÕES FOB Setembro Var% 2012/11 Agosto Var.% set-12/ago-12 Part. % 2012 Média 2011 Média p/média diária 2012 Média p/média diária Ásia , ,0-11, ,3 7,0 31,6 34,1. China , ,2-23, ,7-5,8 15,7 19,4 América Latina e Caribe , ,5-11, ,3 2,0 20,1 21,4 - Mercosul (2) , ,5-18, ,7 9,4 11,9 13,8. Argentina , ,0-25, ,5 7,4 7,4 9,5 - Demais AL e Caribe , ,0 2, ,6-7,2 8,2 7,6 União Europeia , ,2-4, ,0 3,5 19,1 19,0 EUA (1) , ,5 4, ,0-1,5 10,1 9,2 Oriente Médio , ,6 10, ,0 27,9 6,0 5,1 África , ,0 6, ,8 16,1 5,4 4,8 Europa Oriental , ,8 61, ,8 50,7 2,3 1,3 Demais , ,2 2, ,8 48,6 5,5 5,1 TOTAL , ,8-5, ,1 8,2 100,0 100,0 Setembro/2012: 19 dias úteis; Setembro/2011: 21 dias úteis; Agosto/2012: 23 dias úteis. (1) inclui Porto Rico. (2) inclui Venezuela, a partir de agosto/2012. EXPORTAÇÃO BRASILEIRA PRINCIPAIS BLOCOS ECONÔMICOS JANEIRO/SETEMBRO 2012/ US$ MILHÕES FOB Janeiro/Setembro Var.% 2012/11 Part. % p/média diária Ásia ,9 31,0 30,0. China ,8 17,9 17,7 América Latina e Caribe ,4 20,7 22,0 - Mercosul (2) ,6 11,5 12,5. Argentina ,2 7,5 8,9 - Demais da AL e Caribe ,4 9,2 9,5 União Européia ,1 20,2 20,9 EUA (1) ,0 11,5 9,8 África ,4 4,8 4,6 Oriente Médio ,2 4,6 4,9 Europa Oriental ,3 1,8 2,3 Demais ,8 5,4 5,5 TOTAL Janeiro-setembro/2012: 189 dias úteis; Janeiro-setembro/2011: 189 dias úteis (1) inclui Porto Rico. (2) inclui Venezuela, a partir de agosto/ ,9 100,0 100,0 IMPORTAÇÃO BRASILEIRA POR CATEGORIA DE USO SETEMBRO-2012/2011 E AGOSTO US$ MILHÕES FOB Setembro Var.% 2012/11 Agosto Var. % set-12/ago Média 2011 Média p/média diária 2012 Média p/média diária Bens de Capital , ,0 9, ,8 10,6 Matérias-primas e intermediários , ,1-3, ,3 2,2 Bens de Consumo , ,8-1, ,0 6,1 - Não-duráveis , ,1 13, ,7 21,1 - Duráveis , ,7-12, ,3-4,5. Automóveis , ,5-32, ,6-21,6 Combustíveis e lubrificantes , ,7-25, ,7 61,5 - Petróleo , ,7 1, ,0 161,1 - Demais , ,0-37, ,7 26,4 Total , ,5-4, ,8 10,2 Setembro/2012: 19 dias úteis; Setembro/2011: 21 dias úteis; Agosto/2012: 23 dias úteis. 8

9 IMPORTAÇÃO BRASILEIRA POR CATEGORIA DE USO JANEIRO/SETEMBRO 2012/ US$ MILHÕES FOB Janeiro/Setembro Var.% 2012/11 Part. % p/média diária Bens de Capital ,1 21,8 21,1 Matérias-primas e intermediários ,3 44,9 45,8 Bens de Consumo ,2 17,6 17,4 - Não-duráveis ,5 7,6 7,0 - Duráveis ,7 10,0 10,4. Automóveis ,2 4,3 5,0 Combustíveis e lubrificantes ,4 15,6 15,7 - Petróleo ,4 6,2 6,2 - Demais ,7 9,5 9,4 Total ,2 100,0 100,0 Janeiro-setembro/2012: 189 dias úteis; Janeiro-setembro/2011: 189 dias úteis IMPORTAÇÃO POR CATEGORIA DE USO - SETEMBRO 2012/2011 SETEMBRO 2012 SETEMBRO 2011 Var. % Set12/Set11 US$ FOB US$ FOB pela média diária US$ Média US$ Média Valor T O T A L G E R A L ,6 1-BENS DE CAPITAL ,2 MAQUINARIA INDUSTRIAL ,8 MAQUINAS E APARELHOS DE ESCRITORIO,SERVICO CIENTIFICO ,4 EQUIPAMENTO MOVEL DE TRANSPORTE ,4 PARTES E PECAS PARA BENS DE CAPITAL PARA INDUSTRIA ,3 ACESSORIOS DE MAQUINARIA INDUSTRIAL ,3 OUTROS BENS DE CAPITAL ,6 2-BENS DE CONSUMO ,9 21-BENS DE CONSUMO NAO DURAVEIS ,3 PRODUTOS FARMACEUTICOS ,3 PRODUTOS ALIMENTICIOS ,9 VESTUARIO E OUTRAS CONFECCOES TEXTEIS ,5 PRODUTOS DE TOUCADOR ,7 BEBIDAS E TABACOS ,2 OUTROS BENS DE CONSUMO NAO DURAVEIS ,9 22-BENS DE CONSUMO DURAVEIS ,5 AUTOMOVEIS DE PASSAGEIROS ,5 OBJETOS DE ADORNO,DE USO PESSOAL E OUTROS ,6 MAQUINAS E APARELHOS DE USO DOMESTICO ,4 PARTES E PECAS PARA BENS DE CONSUMO DURAVEIS ,6 MOVEIS E OUTROS EQUIPAMENTOS PARA CASA ,0 OUTROS BENS DE CONSUMO DURAVEIS ,5 3-COMBUSTIVEIS E LUBRIFICANTES ,6 4-MATERIAS-PRIMAS E PRODUTOS INTERMEDIARIOS ,6 PRODUTOS QUIMICOS E FARMACEUTICOS ,1 PRODUTOS MINERAIS ,9 OUTRAS MATERIAS-PRIMAS PARA AGRICULTURA ,8 PRODUTOS INTERMEDIARIOS - PARTES E PECAS ,3 ACESSORIOS DE EQUIPAMENTOS DE TRANSPORTE ,0 PRODUTOS AGROPECUARIOS NAO ALIMENTICIOS ,4 PRODUTOS ALIMENTICIOS ,0 OUTRAS MATERIAS-PRIMAS E PRODS INTERMEDIARIOS ,8 Fonte: SECEX/MDIC 9

10 IMPORTAÇÃO BRASILEIRA PRINCIPAIS BLOCOS ECONÔMICOS SETEMBRO-2012/2011 E AGOSTO US$ MILHÕES FOB Setembro Var. % 2012/11 Agosto Var.% set-12/ago Média 2011 Média p/média diária 2012 Média p/média diária Ásia , ,0-2, ,1 10,6. China , ,3 1, ,5 9,1 União Europeia , ,8 1, ,6-3,0 América Latina e Caribe , ,3-3, ,0 6,3 - Mercosul (2) , ,1 5, ,4 10,4. Argentina , ,2 2, ,8 1,2 - Demais da AL e Caribe , ,2-13, ,6 1,0 EUA (1) , ,9-8, ,3 11,0 Oriente Médio , ,1 84, ,2 490,7 África , ,8-39, ,7 1,6 Europa Oriental , ,2-6, ,2 8,4 Demais , ,4-24, ,8 6,5 TOTAL , ,5-4, ,8 10,2 Setembro/2012: 19 dias úteis; Setembro/2011: 21 dias úteis; Agosto/2012: 23 dias úteis. (1) inclui Porto Rico. (2) inclui Venezuela, a partir de agosto/2012. IMPORTAÇÃO BRASILEIRA PRINCIPAIS BLOCOS ECONÔMICOS JANEIRO/SETEMBRO 2012/ US$ MILHÕES FOB Janeiro/Setembro Var.% 2012/11 Part. % p/média diária Ásia ,6 31,6 31,4. China ,9 15,2 14,5 União Européia ,2 21,4 20,4 América Latina e Caribe ,3 16,8 16,6 - Mercosul (2) ,4 8,6 9,0. Argentina ,3 7,0 7,4 Demais da AL e Caribe ,1 8,2 7,5 EUA (1) ,0 14,5 15,0 África ,3 6,4 7,0 Oriente Médio ,7 3,4 2,6 Europa Oriental ,6 1,6 2,2 Demais ,8 4,3 4,9 TOTAL ,2 100,0 100,0 Janeiro-setembro/2012: 189 dias úteis; Janeiro-setembro/2011: 189 dias úteis (1) inclui Porto Rico. (2) inclui Venezuela, a partir de agosto/

11 EXPORTAÇÃO BRASILEIRA POR FATOR AGREGADO SETEMBRO-2012/2011 E AGOSTO US$ MILHÕES FOB Setembro Agosto Var.% 2012/11 Var.% set-12/ago Média 2011 Média p/média diária 2012 Média p/média diária BÁSICOS , ,6-7, ,1 6,2 Minério de ferro , ,5-34, ,9 6,8 Petróleo em bruto , ,7 19, ,5-22,4 Soja em grão , ,4-23, ,0-14,3 Milho em grão , ,0 85, ,6 40,7 Farelo de soja , ,5 30, ,1 6,1 Carne de frango , ,0 10, ,3 33,5 Fumo em folhas , ,2 20, ,5 71,5 Carne bovina , ,6 19, ,3 20,9 Café em grão , ,0-41, ,2 7,0 Algodão em bruto , ,3 15, ,6 55,2 Demais , ,5 3, ,0 21,6 SEMIMANUFATURADOS , ,2-15, ,7 6,1 Açúcar em bruto , ,5-13, ,2 21,9 Celulose , ,6-4, ,4 21,4 Semimanufaturados de ferro/aço , ,7-19, ,1 17,6 Ferro-ligas 167 8, ,4-6, ,0-26,5 Couros e peles 161 8, ,8 9, ,3 1,6 Óleo de soja em bruto 129 6, ,2-39, ,0-24,9 Ferro fundido 117 6,2 89 4,2 46,0 65 2,8 117,2 Ouro semimanufaturado 101 5, ,5-57, ,8-50,6 Alumínio em bruto 70 3, ,2-29,0 88 3,8-3,5 Demais , ,3-13, ,2 1,7 MANUFATURADOS , ,6 2, ,7 10,7 Aviões , ,5-13, ,2-17,0 Etanol , ,0 149, ,7 78,8 Óleos combustíveis , ,0 183, ,9 1,4 Autopeças , ,2-5, ,7 3,9 Automóveis de passageiros , ,9 1, ,1 14,1 Açúcar refinado , ,0 4, ,0 57,4 Motores para veículos e partes , ,9-10, ,0 12,9 Motores e geradores elétricos , ,4 52, ,5 7,9 Óxidos e hidróxidos de alumínio 175 9, ,4-19, ,3 75,1 Polímeros plásticos 174 9, ,4-11, ,9 3,3 Veículos de carga 173 9, ,1 11, ,7 4,2 Máqs. e apars. p/fabr. celulose 145 7,6 12 0,6 1235,5 5 0, ,5 Laminados planos 136 7, ,7 26, ,3-1,3 Máqs. e apars. p/terraplanagem 122 6, ,6-32, ,7-16,1 Suco de laranja não congelado 120 6,3 98 4,7 35,3 66 2,9 120,1 Pneumáticos 120 6, ,7-6, ,3 0,4 Demais , ,1-2, ,4 5,7 OPERAÇÕES ESPECIAIS , ,4 3, ,6 25,8 TOTAL , ,8-5, ,1 8,2 Fonte: SECEX/MDIC. Setembro/2012: 19 dias úteis; Setembro/2011: 21 dias úteis; Agosto/2012: 23 dias úteis. 11

12 EXPORTAÇÃO BRASILEIRA POR FATOR AGREGADO JANEIRO/SETEMBRO 2012/ US$ MILHÕES FOB Janeiro/Setembro Var. % 2012/11 Part. % p/média diária BÁSICOS ,4 47,7 47,9 Minério de ferro ,4 12,7 16,1 Soja em grão ,6 9,2 7,4 Petróleo em bruto ,1 8,7 8,3 Carne de frango ,2 2,7 2,7 Farelo de soja ,7 2,7 2,3 Café em grão ,4 2,3 3,0 Carne bovina ,5 1,8 1,6 Milho em grão ,5 1,4 0,9 Fumo em folhas ,6 1,4 1,1 Algodão em bruto ,9 0,7 0,4 Demais ,5 4,2 4,0 SEMIMANUFATURADOS ,0 13,2 14,1 Açúcar em bruto ,7 3,5 4,3 Celulose ,3 1,9 2,0 Semimanufaturados de ferro/aço ,0 1,7 1,9 Ferro-ligas ,3 1,2 1,0 Ouro semimanufaturado ,9 1,0 0,9 Óleo de soja em bruto ,7 0,9 0,8 Couros e peles ,9 0,8 0,8 Ferro fundido ,4 0,6 0,7 Alumínio em bruto ,6 0,4 0,5 Demais ,7 1,2 1,4 MANUFATURADOS ,4 36,8 35,9 Óleos combustíveis ,7 2,1 1,5 Aviões ,9 1,8 1,3 Autopeças ,0 1,6 1,6 Automóveis de passageiros ,3 1,5 1,6 Motores para veículos e partes ,4 1,2 1,2 Açúcar refinado ,6 1,0 1,4 Máqs. e apars. p/terraplanagem ,7 0,9 0,9 Polímeros plásticos ,8 0,9 0,9 Motores e geradores elétricos ,3 0,9 0,6 Veículos de carga ,7 0,9 0,8 Óxidos e hidróxidos de alumínio ,7 0,8 0,9 Etanol ,2 0,7 0,5 Bombas e compressores ,6 0,7 0,6 Pneumáticos ,1 0,7 0,6 Laminados planos ,0 0,7 0,8 Suco de laranja não congelado ,2 0,6 0,6 Demais ,9 19,8 20,0 OPERAÇÕES ESPECIAIS ,9 2,3 2,1 TOTAL ,9 100,0 100,0 Janeiro-setembro/2012: 189 dias úteis; Janeiro-setembro/2011: 189 dias úteis 12

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012 US$ milhões FOB Período Dias Úteis EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil p/dia

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO São Paulo, 20 de março de 2016 Fevereiro 2016 BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO Em fevereiro, a corrente de comércio brasileira totalizou US$ 23,7 bilhões,

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA DEZEMBRO 2016

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA DEZEMBRO 2016 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA DEZEMBRO 2016 Período Dias Úteis US$ milhões FOB EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil

Leia mais

Dezembro 2014 São Paulo, 21 de janeiro de SUPERÁVIT ANUAL COM A CHINA É O MENOR DOS ÚLTIMOS SEIS ANOS

Dezembro 2014 São Paulo, 21 de janeiro de SUPERÁVIT ANUAL COM A CHINA É O MENOR DOS ÚLTIMOS SEIS ANOS Dezembro 2014 São Paulo, 21 de janeiro de 2015. SUPERÁVIT ANUAL COM A CHINA É O MENOR DOS ÚLTIMOS SEIS ANOS Apesar do saldo superavitário com a China, 2014 registrou o menor saldo positivo com o parceiro

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM 2013 Exportações A contabilização como exportação de três plataformas de petróleo e gás somou

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JULHO Exportações As exportações da indústria atingiram o nível mais baixo desde 2006 para o

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM AGOSTO Exportações As exportações da indústria registraram o nível mais baixo para o mês desde

Leia mais

Análise da Balança Comercial Brasileira de 2011

Análise da Balança Comercial Brasileira de 2011 Análise da Balança Comercial Brasileira de 2011 Saldo comercial aumenta em função das altas cotações das commodities No ano de 2011, as exportações em valor cresceram 26,8%, em relação ao ano de 2010.

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL

BALANÇA COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL BALANÇA COMERCIAL Tatiana Lacerda Prazeres Secretária de Comércio Exterior Indicadores Sócioeconômicos dos Países do Mercosul 2010 BRASIL ARGENTINA PARAGUAI URUGUAI PIB (US$ bi) 2.090,3 370,3 18,5 40,3

Leia mais

ano IV, n 46 Fevereiro de 2015

ano IV, n 46 Fevereiro de 2015 ano IV, n 46 Fevereiro de 2015 SÍNTESE JANEIRO DE 2015 Em US$ milhões Período Exportações Importações Saldo Janeiro 13.704 16.878-3.174 Variação em relação a Janeiro de 2014-14,5 % -16,0 % 894 Acumulado

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares

BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares 1 BALANÇA COMERCIAL GOIÁS OUTUBRO 2015 US$ FOB MÊS EXPORTAÇÕES IMPORTAÇÕES SALDO OUTUBRO/2015 516.095.546 262.729.719 253.365.827 2 EVOLUÇÃO DA

Leia mais

Gráfico 1 Corrente de comércio Brasil - China entre 2006 e 2015 (US$ milhões)

Gráfico 1 Corrente de comércio Brasil - China entre 2006 e 2015 (US$ milhões) INFORMATIVO Nº. 48. JANEIRO de 216 COMÉRCIO BILATERAL BRASIL-CHINA Balança Comercial Em 215, a corrente de comércio Brasil-China totalizou 66,3 bilhões, de acordo com dados divulgados pelo Ministério do

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 20 de março de 2015 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2015 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

BRASIL. Comércio Exterior. ( Janeiro de 2016 )

BRASIL. Comércio Exterior. ( Janeiro de 2016 ) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior ( Janeiro de 2016 ) Fevereiro de 2016

Leia mais

SENEGAL Comércio Exterior

SENEGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SENEGAL Comércio Exterior Agosto de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

INFORME ESTATÍSTICO DA ECONOMIA BRASILEIRA

INFORME ESTATÍSTICO DA ECONOMIA BRASILEIRA Documento Interno para discussão Nº LC/BRS/R.289/Add.10-12 Outubro-Dezembro 2014 Original: Espanhol CEPAL COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE Escritório em Brasília INFORME ESTATÍSTICO

Leia mais

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas NOTA TÉCNICA MERCOSUL Estados Associados* 2010-2014 * Mercado Comum do Sul Estados Associados é composto por República do Chile, República da Colômbia, República do Equador, República Cooperativa da Guiana,

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até maio de Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até maio de Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de maio de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Relações Comerciais Brasil-Alemanha

Relações Comerciais Brasil-Alemanha Relações Comerciais Brasil-Alemanha Balança Comercial Brasil Alemanha / 2002 Mar 2015 (em mil US$ - FOB) Ano Exportação Importação Saldo Volume de Comércio 2002 2.539.954 4.418.971-1.879.016 6.958.926

Leia mais

NOTA TÉCNICA CHINA. Período: 2014 / 2015* *Valores em US$ FOB. Fonte: Aliceweb/Exportaminas. BALANÇA COMERCIAL BRASIL X CHINA

NOTA TÉCNICA CHINA. Período: 2014 / 2015* *Valores em US$ FOB. Fonte: Aliceweb/Exportaminas. BALANÇA COMERCIAL BRASIL X CHINA NOTA TÉCNICA CHINA Período: 2014 / 2015* *Valores em US$ FOB. Fonte: Aliceweb/. Brasil Gráfico 1. BALANÇA COMERCIAL BRASIL X CHINA Balança Comercial Brasil X China 40.616 37.345 35.608 30.719 US$ 2014

Leia mais

LÍBANO Comércio Exterior

LÍBANO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC LÍBANO Comércio Exterior Junho de 2014 Índice. Dados Básicos. Principais

Leia mais

IGP-M registra variação de 0,51% em março

IGP-M registra variação de 0,51% em março Segundo Decêndio Março de 2014 IGP-M registra variação de 0,51% em março O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,51%, em março. Em fevereiro, o índice variou 1,29%. Em março de 2015, a variação

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Bélgica. Período: 2010 a 2015*

NOTA TÉCNICA. Bélgica. Período: 2010 a 2015* NOTA TÉCNICA Bélgica Período: 2010 a 2015* *de 2010 a 2014 foram considerados valores em US$ de janeiro a dezembro. Para 2015 foram considerados os valores em US$ acumulados entre janeiro e agosto do ano

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

As exportações chinesas e o impacto na FIAM 2009

As exportações chinesas e o impacto na FIAM 2009 As exportações chinesas e o impacto na Zona Franca de Manaus FIAM 2009 Modelo econômico de desenvolvimento chinês P d Produção para exportação China A retração do mercado americano e europeu As alternativas

Leia mais

JAPÃO Comércio Exterior

JAPÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC JAPÃO Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

IGP-M registra variação de 0,33% em abril

IGP-M registra variação de 0,33% em abril Segundo Decêndio Março de 2014 IGP-M registra variação de 0,33% em abril O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,33%, em abril. Em março, o índice variou 0,51%. Em abril de 2015, a variação foi

Leia mais

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC NOVA ZELÂNDIA Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DAS RELAÇÕES ECONÔMICAS E COMERCIAIS. BRASIL x CHINA

SUMÁRIO EXECUTIVO DAS RELAÇÕES ECONÔMICAS E COMERCIAIS. BRASIL x CHINA Ministério das Relações Exteriores MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos DPR Divisão de Inteligência Comercial DIC SUMÁRIO EXECUTIVO DAS RELAÇÕES ECONÔMICAS E COMERCIAIS BRASIL x CHINA

Leia mais

ARGENTINA. Comércio Exterior

ARGENTINA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

GUIANA Comércio Exterior

GUIANA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC GUIANA Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003:

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: CONDIÇÕES ADVERSAS DO MERCADO INTERNO LIMITAM A RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL Segundo o IBGE, em novembro, a produção industrial cresceu 0,8% na comparação com o mês outubro,

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Dezembro/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

URUGUAI. Comércio Exterior

URUGUAI. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC URUGUAI Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

É Sustentável a Melhora do Resultado Comercial? O Comércio Exterior Brasileiro no Início de 2002

É Sustentável a Melhora do Resultado Comercial? O Comércio Exterior Brasileiro no Início de 2002 É Sustentável a Melhora do Resultado Comercial? O Comércio Exterior Brasileiro no Início de 2002 Exportações e importações caíram; o que explica o superávit é a queda maior das importações. Nos primeiros

Leia mais

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2014

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2014 Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2014 No ano de 2014, as exportações 1 do Estado de São Paulo somaram US$ 51,46 bilhões (22,9% do total nacional), e as importações 2,

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA CATARINENSE

CONJUNTURA ECONÔMICA CATARINENSE CONJUNTURA ECONÔMICA CATARINENSE 27 DE JUNHO 2012 FOCO DA ANÁLISE: Perspectivas das exportações em 2012; Impacto da crise econômica mundial nas exportações da indústria catarinense; Possível Acordo Mercosul

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados de 2011 Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular São Paulo, 07 de fevereiro de 2012 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior -

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Rio Grande Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais

Leia mais

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ESTADOS UNIDOS Comércio Exterior Março de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATOGROSSENSES JANEIRO a NOVEMBRO / Balança Comercial

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATOGROSSENSES JANEIRO a NOVEMBRO / Balança Comercial ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATOGROSSENSES JANEIRO a NOVEMBRO - 2010/2009 1- Balança Comercial Mato Grosso registrou até novembro desse ano, um superávit acumulado na Balança Comercial de US$ 6,95 bilhões,

Leia mais

IGP-M. Janeiro/ de janeiro de Secretaria de Política Econômica

IGP-M. Janeiro/ de janeiro de Secretaria de Política Econômica IGP-M Janeiro/2016 28 de janeiro de 2016 jan 99 jul 99 jan 00 jul 00 jan 01 jul 01 jan 02 jul 02 jan 03 jul 03 jan 04 jul 04 jan 05 jul 05 jan 06 jul 06 jan 07 jul 07 jan 08 jul 08 jan 09 jul 09 jan 10

Leia mais

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi);

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi); Abril / 2014 Resultados de Abril de 2014 - Exportação: US$ 19,7 bi em valor e média de US$ 986,2 milhões, 5,2% acima da média de abr-13 (US$ 937,8 milhões); 2ª maior média de exportação para abril (1º

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.200 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; Sede nacional

Leia mais

Região Norte. Regional Maio 2015

Região Norte. Regional Maio 2015 Regional Maio 2015 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Norte engloba a Fiemg Regional Norte, Vale do Jequitinhonha e Mucuri. Região Norte

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Dezembro de 2014 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial no Ano de 2014... 4 3.

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR DO TOCANTINS 1º Trimestre 2016

COMÉRCIO EXTERIOR DO TOCANTINS 1º Trimestre 2016 1. BALANÇA COMERCIAL DO TOCANTINS 97.051.268 Exportação Importação O Saldo da Balança Comercial (exportação importação) se manteve positivo, sendo 67% superior ao mesmo período de 55.371.631 2015. 25.178.948

Leia mais

Perfil País. Moçambique

Perfil País. Moçambique Perfil País Moçambique Elaborado pela: Unidade de - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55 613426.0202 Fax: +55 613426.0332 www.apexbrasil.com.br 1 Moçambique Indicadores Econômicos Crescimento do PIB

Leia mais

IGP-M. Fevereiro/ de fevereiro de Secretaria de Política Econômica

IGP-M. Fevereiro/ de fevereiro de Secretaria de Política Econômica IGP-M Fevereiro/2016 26 de fevereiro de 2016 fev 99 ago 99 fev 00 ago 00 fev 01 ago 01 fev 02 ago 02 fev 03 ago 03 fev 04 ago 04 fev 05 ago 05 fev 06 ago 06 fev 07 ago 07 fev 08 ago 08 fev 09 ago 09 fev

Leia mais

Região Norte. Regional Abril 2014

Região Norte. Regional Abril 2014 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Norte engloba a Fiemg Regional Norte, Vale do Jequitinhonha e Mucuri. Região Norte GLOSSÁRIO Setores

Leia mais

Nº 016 JUNHO 16. Vendas As vendas de produtos siderúrgicos

Nº 016 JUNHO 16. Vendas As vendas de produtos siderúrgicos E S T A T Í S T I C A Preliminar Notas Nº 016 JUNHO 16 www.acobrasil.org.br (21) 3445-6300 acobrasil@acobrasil.org.br Produção A produção brasileira de aço bruto em junho de 2016 foi de 2,5 milhões de

Leia mais

ano V, n 46, Fevereiro de 2015

ano V, n 46, Fevereiro de 2015 ,, Fevereiro de 2015 EM FOCO O Índice de rentabilidade das exportações registrou queda de 10,1% em janeiro de 2015 na comparação com janeiro de 2014 (Tabela 1). A queda do Índice resultou da forte diminuição

Leia mais

ISLÂNDIA. Comércio Exterior

ISLÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ISLÂNDIA Comércio Exterior Fevereiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

IGP-M. Junho/ de junho de Secretaria de Política Econômica

IGP-M. Junho/ de junho de Secretaria de Política Econômica IGP-M Junho/2016 29 de junho de 2016 jun 99 dez 99 jun 00 dez 00 jun 01 dez 01 jun 02 dez 02 jun 03 dez 03 jun 04 dez 04 jun 05 dez 05 jun 06 dez 06 jun 07 dez 07 jun 08 dez 08 jun 09 dez 09 jun 10 dez

Leia mais

Conceito de Comércio exterior

Conceito de Comércio exterior Conceito de Comércio exterior atividade de compra e venda internacional de produtos e serviços de um determinado país. Do comércio exterior participam empresas de pequeno, médio e grande porte, muitas

Leia mais

INFORMATIVO DE BUENOS AIRES

INFORMATIVO DE BUENOS AIRES Informativo CNI Importações: balanço do primeiro 2 quadrimestre do ano INFORMATIVO DE BUENOS AIRES Fechado o acordo automotivo: manutenção do flex e livre comércio previsto para 2020 Nesta sexta-feira,

Leia mais

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Comunicação e tecnologia. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.2 Conteúdos A presença da economia

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças abr/14 mai/14 jul/14 ago/14 out/14 nov/14 jan/15 fev/15 abr/14 mai/14 jul/14 ago/14 out/14 nov/14 jan/15 fev/15-822 -869-928 -761-829 -678-749 -708-748 -537-482 -349 I Resultados Mensal: -31,9% Acum. Ano:

Leia mais

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%).

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). O PIB encerrou o ano de 2014 com variação de 0,1%. Nessa comparação, a Agropecuária (0,4%) e os Serviços (0,7%) cresceram e a Indústria caiu (- 1,2%).

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

NEPAL Comércio Exterior

NEPAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC NEPAL Comércio Exterior Fevereiro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

IGP-M. Outubro/ de outubro de Secretaria de Política Econômica

IGP-M. Outubro/ de outubro de Secretaria de Política Econômica IGP-M Outubro/2015 29 de outubro de 2015 out 98 abr 99 out 99 abr 00 out 00 abr 01 out 01 abr 02 out 02 abr 03 out 03 abr 04 out 04 abr 05 out 05 abr 06 out 06 abr 07 out 07 abr 08 out 08 abr 09 out 09

Leia mais

IGP-M. Abril/ de abril de Secretaria de Política Econômica

IGP-M. Abril/ de abril de Secretaria de Política Econômica IGP-M Abril/2016 28 de abril de 2016 abr 99 out 99 abr 00 out 00 abr 01 out 01 abr 02 out 02 abr 03 out 03 abr 04 out 04 abr 05 out 05 abr 06 out 06 abr 07 out 07 abr 08 out 08 abr 09 out 09 abr 10 out

Leia mais

Conjuntura Econômica do Brasil Fevereiro de 2013

Conjuntura Econômica do Brasil Fevereiro de 2013 1 Conjuntura Econômica do Brasil Fevereiro de 2013 Profa. Anita Kon 1 Último dado Dado Anterior Tend. PIB pm (1990=100) 2004 III. 12* 0,9 0,5 Δ Expectativas de mercado (% de crescimento anual) *** III.

Leia mais

Fonte: Elaboração Própria com base nos dados do Alice Web / MDIC.

Fonte: Elaboração Própria com base nos dados do Alice Web / MDIC. O Gráfico 1 nos mostra a evolução das exportações do Brasil, estado de São Paulo e estado de São Paulo sem região metropolitana. O número 1 (um) após o nome de cada região na legenda da Figura 1 indica

Leia mais

Sem plataformas de petróleo parcela exportada da indústria cairia em 2013.

Sem plataformas de petróleo parcela exportada da indústria cairia em 2013. Informativo trimestral 4º trimestre de 2013 Para mais informações www.fiesp.com.br São Paulo, 19 de fevereiro de 2014 Sem plataformas de petróleo parcela exportada da indústria cairia em 2013. Coeficiente

Leia mais

Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3% e as importações 2,1%

Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3% e as importações 2,1% 09 de agosto de 2013 Estatísticas do Comércio Internacional Junho 2013 Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3 e as importações 2,1 As exportações de bens aumentaram 6,3 e as importações

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Indicadores selecionados do RS*

Indicadores selecionados do RS* 67 Indicadores selecionados do RS* Tabela 1 Taxas de crescimento da produção, da área colhida e da produtividade dos principais produtos da lavoura no Rio Grande do Sul /06 PRODUTOS / 2006/ (1) Produção

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças dez/13 jan/14 mar/14 abr/14 jun/14 jul/14 set/14 out/14 dez/13 jan/14 mar/14 abr/14 jun/14 jul/14 set/14 out/14-1.067-914 -822-869 -707-761 -829-928 -678-749 -708-528 I Resultados Mensal: -30,3% Acum.

Leia mais

DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS I R A Q U E

DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS I R A Q U E Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS I R

Leia mais

Aula9 A ECONOMIA BRASILEIRA. Débora Barbosa da Silva

Aula9 A ECONOMIA BRASILEIRA. Débora Barbosa da Silva Aula9 A ECONOMIA BRASILEIRA META Levar o aluno a compreender a organização econômica do Brasil e sua participação no mercado mundial. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Conhecer os diferentes

Leia mais

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Pesquisa mensal de comércio Junho de 2012 IBGE

Pesquisa mensal de comércio Junho de 2012 IBGE Pesquisa mensal de comércio Junho de 212 IBGE PMC Varejo restrito e ampliado Sumário Varejo Restrito - Receita nominal - Volume de vendas (Deflação da receita bruta com o IPCA e SINAPI) Varejo Ampliado

Leia mais

V AVISULAT Porto Alegre/RS

V AVISULAT Porto Alegre/RS V AVISULAT Porto Alegre/RS Avanços e desafios para o agronegócio brasileiro no mercado externo. Eduardo Sampaio Marques Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio SRI/MAPA Panorama do Agronegócio

Leia mais

ano V, n 47, Março de 2015

ano V, n 47, Março de 2015 ,, Março de 2015 EM FOCO Em fevereiro, o Índice de rentabilidade das exportações totais registrou aumento de 2,6%, em relação a janeiro. O aumento da Rentabilidade exportadora no mês foi devido ao impacto

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2016

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2016 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2016 Sumário DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR BAIANO MARÇO 2016 Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Leão Superintendência

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

Oportunidades de Negócios em Minas Gerais. Mauricio Cecilio Diretor de Promoção de Investimentos

Oportunidades de Negócios em Minas Gerais. Mauricio Cecilio Diretor de Promoção de Investimentos Oportunidades de Negócios em Minas Gerais Mauricio Cecilio Diretor de Promoção de Investimentos Aspectos de MG 588.000 km2 20 milhões de habitantes 18.000 escolas básicas 289 faculdades/universidades 265.000

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR JUNHO 2015

COMÉRCIO EXTERIOR JUNHO 2015 Leve aumento das exportações da região de Campinas surpreende, enquanto importações seguem tendência de forte retração Este relatório tem como objetivo analisar os resultados de comércio exterior dos 19

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças jul/15 ago/15 out/15 nov/15 jan/16 fev/16 abr/16 mai/16 jul/15 ago/15 out/15 nov/15 jan/16 fev/16 abr/16 mai/16-559 -457-490 -395-386 -404-359 -380-436 -327-226 -113 I Resultados Mensal: -14,22% Acum.

Leia mais

No comparativo Dez.13/ Dez.12 o setor têxtil apresentou crescimento de 2,49% e o vestuário apresentou queda de 4,9%.

No comparativo Dez.13/ Dez.12 o setor têxtil apresentou crescimento de 2,49% e o vestuário apresentou queda de 4,9%. 1- Comércio Exterior As Importações de têxteis e confeccionados em 2013 cresceram, em valor (US$), 2,4%, as exportações caíram 1,4%, enquanto o crescimento do déficit na Balança Comercial foi de 3,4% em

Leia mais

No mês de junho em 2015 a Produção Física do setor têxtil caiu 1,1% e o vestuário apresentou recuo de 0,4%. (Comparando Jun/15 com Maio/15).

No mês de junho em 2015 a Produção Física do setor têxtil caiu 1,1% e o vestuário apresentou recuo de 0,4%. (Comparando Jun/15 com Maio/15). 1- Comércio Exterior As Importações de têxteis e confeccionados em jan-jul.15 caíram, em valor (US$), 5,93%, as exportações caíram 8,66%, enquanto a queda do déficit na Balança Comercial foi de 5,38% em

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 2009

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 2009 DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 20 Em 20 a indústria catarinense enfrentou um ambiente econômico adverso, marcado por restrições de liquidez no mercado internacional e incertezas quanto ao futuro

Leia mais

FERTILIZANTES HERINGER S/A

FERTILIZANTES HERINGER S/A FERTILIZANTES HERINGER S/A 4,5 bilhões de anos Área + de 51 BILHOES de hectares 71% H2O Somente 3% agua doce +- 15 bilhoes de hectares de terra + de 1 BILHÃO HECTARES PLANTADOS 6.6 BILHOES HABITANTES Previsão

Leia mais

Aspectos do comportamento da indústria brasileira no primeiro trimestre de Luiz Dias Bahia Nº 12

Aspectos do comportamento da indústria brasileira no primeiro trimestre de Luiz Dias Bahia Nº 12 Aspectos do comportamento da indústria brasileira no primeiro trimestre de 2013 Luiz Dias Bahia Nº 12 Brasília, julho de 2013 ASPECTOS DO COMPORTAMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE

Leia mais

Produção Industrial Fevereiro de 2015

Produção Industrial Fevereiro de 2015 Produção Industrial Fevereiro de 201 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - FEVEREIRO/1 Em fevereiro, a indústria de Santa Catarina produziu 9,% menos na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Das

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Uruguai. Período: 2015* *Valores em US$ FOB. Fonte: Aliceweb/Exportaminas. Balança Comercial Minas Gerais X Uruguai US$ 2014 US$ 2015

NOTA TÉCNICA. Uruguai. Período: 2015* *Valores em US$ FOB. Fonte: Aliceweb/Exportaminas. Balança Comercial Minas Gerais X Uruguai US$ 2014 US$ 2015 NOTA TÉCNICA Uruguai Período: 2015* *Valores em US$ FOB. Fonte: Aliceweb/. MINAS GERAIS BALANÇA COMERCIAL MINAS GERAIS X URUGUAI Gráfico 1. Balança Comercial Minas Gerais X Uruguai 88 89 55 36 US$ 2014

Leia mais

A BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA: DESEMPENHO NO PERÍODO 1997/2000

A BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA: DESEMPENHO NO PERÍODO 1997/2000 Textos para Discussão 90 A BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA: DESEMPENHO NO PERÍODO 1997/2000 Maurício Serrão Piccinini Fernando Pimentel Puga* *Respectivamente, gerente e economista da Gerência Executiva de

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

Balança Comercial Brasileira no vermelho, em 2014

Balança Comercial Brasileira no vermelho, em 2014 Balança Comercial Brasileira no vermelho, em 2014 Déficit de US$ 3,9 bilhões interrompe ciclo de 13 anos de superávits Nos 253 dias úteis de 2014, o Brasil vendeu bens ao exterior em valor menor que o

Leia mais

Uma análise dos setores exportadores das economias brasileira e paranaense

Uma análise dos setores exportadores das economias brasileira e paranaense Uma análise dos setores exportadores das economias brasileira e paranaense Luciano Nakabashi * Luis Esteves ** Marcio José Vargas da Cruz *** RESUMO - O cenário internacional tem sido favorável tanto à

Leia mais

O Agronegócio e o Sucesso do Brasil no Mercado de Carnes Gedeão Silveira Pereira

O Agronegócio e o Sucesso do Brasil no Mercado de Carnes Gedeão Silveira Pereira O Agronegócio e o Sucesso do Brasil no Mercado de Carnes Gedeão Silveira Pereira Vice Presidente FARSUL Terra arável disponível, por pessoa no mundo Brasil EUA Rússia Índia China União Européia Congo Austrália

Leia mais

O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã

O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã Durval de Noronha Goyos Jr. PUC MINAS Poços

Leia mais