UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Ana Carolina Camargo de Oliveira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Ana Carolina Camargo de Oliveira"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Ana Carolina Camargo de Oliveira CONTROLE DE QUALIDADE DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL EM UM ESTABELECIMENTO DE VAREJO CURITIBA 2009

2 1 CONTROLE DE QUALIDADE DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL EM UM ESTABELECIMENTO DE VAREJO CURITIBA 2009

3 2 Ana Carolina Camargo de Oliveira CONTROLE DE QUALIDADE DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL EM UM ESTABELECIMENTO DE VAREJO Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso de Medicina Veterinária da Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Tuiuti do Paraná, como requisito parcial para a obtenção do título de Médica Veterinária. Professora Orientadora: Profª. Elza Maria Galvão Ciffoni Orientadora Profissional: Cássima Garcia Laureano dos Santos CURITIBA 2009

4 3 Reitor Prof. Luiz Guilherme Rangel Santos Pró-Reitor Administrativo Sr. Carlos Eduardo Rangel Santos Pró-Reitora Acadêmica Profª. Carmen Luiza da Silva Pró-Reitor de Planejamento e Avaliação Sr. Afonso Celso Rangel Santos Pró-Reitor de Pós-graduação, Pesquisa e Extensão Prof. Roberval Eloy Pereira Diretor da Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde Prof. João Henrique Faryniuk Coordenadora do Curso de Medicina Veterinária Profª. Ana Laura Angeli Coordenadora de Estágio Curricular do Curso de Medicina Veterinária Profª. Ana Laura Angeli Metodologia Científica Prof. Jair Mendes Marques CAMPUS PROF. SIDNEY LIMA SANTOS Rua Sidney A. Rangel Santos, 238 Santo Inácio CEP: Curitiba Paraná Telefone:

5 4 TERMO DE APROVAÇÃO Ana Carolina Camargo de Oliveira CONTROLE DE QUALIDADE DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL EM UM ESTABELECIMENTO DE VAREJO Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado e aprovado para obtenção de título de Médica Veterinária por uma banca examinadora do Curso de Medicina Veterinária da Universidade Tuiuti do Paraná. Curitiba, 30 de junho de 2009 Medicina Veterinária Universidade Tuiuti do Paraná Orientador: Profª. Elza Maria Galvão Ciffoni Universidade Tuiuti do Paraná Prof. Luiz Augusto Martins Gasparetto Universidade Tuiuti do Paraná Profª. Welington Hartmann Universidade Tuiuti do Paraná

6 5 APRESENTAÇÃO Este trabalho de Conclusão de Curso (T.C.C.) apresentado ao Curso de Medicina Veterinária da Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Tuiuti do Paraná, Campus Barigüi, pela universitária Ana Carolina Camargo de Oliveira, como requisito parcial para a obtenção de título de Médica Veterinária, é composto de Relatório de Estágio, no qual são descritas as atividades realizadas durante o período de 09 de fevereiro à 17 de março de 2009 na empresa Condor Super Center Ltda., localizada no município de Curitiba PR, dando ênfase a rotulagem de alimentos.

7 6 Aos meus pais por investirem tudo o que podiam e o que não podiam também para que eu pudesse me tornar gente. DEDICO

8 7 AGRADECIMENTOS Aos meus pais Sérgio e Ana por confiarem na minha capacidade e investirem naquilo que eu tenho de mais precioso: o conhecimento! Ao meu companheiro e amor Rogério pela paciência, por toda a ajuda e por ter confiado e esperado por mim nos momentos mais difíceis, amo! Agradeço aos meus irmãos Marcelo e Marina pelo constante interesse no meu trabalho que tanto me motivou a seguir em frente. À minha amada avó, Lázara por estar ao meu lado em todos os momentos me alimentando e cuidando de mim, obrigada! Aos meus mestres, em especial a Elza Ciffoni que mais do que professora se tornou uma amiga. À equipe do Condor Super Center, em especial a Cássima por ter me orientado não só na realização deste trabalho como também nos meus primeiros passos como profissional. Ao Renato pelo voto de confiança. Aos meus amigos de uma vida inteira que confiam a mim suas preciosidades, Rafaela e a Rhéa por me auxiliar neste e em tantos outros trabalhos durante toda a graduação, obrigada minhas amigas! Finalmente a minha Mel, sem ela eu não teria nem começado.

9 8 RESUMO O estágio curricular obrigatório foi realizado na empresa Condor Super Center Ltda., na cidade de Curitiba - PR. O período de estágio foi entre 09 de fevereiro e 17 de março de 2009, totalizando 360 horas. As atividades desenvolvidas estão relacionadas à Tecnologia de Produtos de Origem Animal, Inspeção Sanitária, Boas Práticas de Fabricação e Aplicação das Legislações Sanitárias Vigentes. Todas essas atividades visaram aperfeiçoar a formação acadêmica possibilitando a aplicação prática dos conhecimentos adquiridos na teoria em sala de aula e em visitas técnicas realizadas durante o período acadêmico. Palavras-chave: Responsável Técnico, Rotulagem, Fluxo de Produção.

10 9 LISTA DE TABELAS TABELA 1 TEMPERATURA DE ARMAZENAMENTO DOS PRODUTOS PERECÍVEIS...36

11 10 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 MODELO DE CHANCELA DO SIF FIGURA 2 MODELO DE CHANCELA DO SIP...22 FIGURA 3 MODELO DE CHANCELA DO SIM CURITIBA FIGURA 4 VEÍCULO DA CENTRAL DE DISTRIBUIÇÃO CONDOR...25 FIGURA 5 FUNCIONÁRIOS RECEBENDO MERCADORIAS...26 FIGURA 6 NOTA FISCAL DE RECEBIMENTO DE PRODUTOS...27 FIGURA 7 NOTA DE CONTROLE DE LACRE. 27 FIGURA 8 RÓTULO NA CAIXA DO PRODUTO...28 FIGURA 9 TEMPERATURA DE PRODUTO SENDO AFERIDA NO MOMENTO DO RECEBIMENTO FIGURA 10 TERMÔMETRO EXTERNO DA CÂMARA FRIA FIGURA 11 PRODUTOS IDENTIFICADOS COM ETIQUETA DO ESTABELECIMENTO...33 FIGURA 12 PLACA DE IDENTIFICAÇÃO DA CÂMARA FRIA...34 FIGURA 13 TRILHOS DE DIANTEIRO DENTRO DA CÂMARA FRIA DE CARNES FIGURA 14 PRODUTOS TRANSFORMADOS...37 FIGURA 15 BALCÃO DE ATENDIMENTO FIGURA 16 BALCÃO DE AUTOSSERVIÇO FIGURA 17 EXEMPLO DE RÓTULO DE IDENTIFICAÇÃO...45 FIGURA 18 LIXEIRA DE PEDAL FIGURA 19 LAVA-BOTAS FIGURA 20 PIA DE LAVAGEM DE MÃOS COM TOALHEIRO E SABONETEIRA...47 FIGURA 21 TANQUE DE LAVAGEM DE UTENSÍLIOS FIGURA 22 LÂMPADAS DA SALA DE MANIPULAÇÃO COM PROTEÇÃO ANTI-ESTILHAÇAMENTO...49 FIGURA 23 MOEDOR DE CARNE FIGURA 24 ARMÁRIO DE EMBALAGENS FIGURA 25 SERRA FITA...51 FIGURA 26 PROCEDIMENTO DE LAVAGEM DE FACAS FIGURA 27 PRODUTOS DE LIMPEZA JOHNSON 54 FIGURA 28 SABONETE LÍQUIDO ANTISSÉPTICO FIGURA 29 PROCEDIMENTO PARA LAVAGEM DE MÃOS...56 FIGURA 30 CARTAZ INFORMATIVO SOBRE USO DE ADORNOS 56 FIGURA 31 PANO DESCARTÁVEL SONTARA FIGURA 32 COMPROVANTE DE DEDETIZAÇÃO... 59

12 11

13 12 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO DO LOCAL DE ESTÁGIO ATIVIDADES DESENVOLVIDAS RESPONSÁVEL TÉCNICO SERVIÇO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL (SIPOA) PROCEDIMENTOS ACOMPANHADOS NO PONTO DE VENDA A VAREJO (LOJAS) RECEPÇÃO DE MERCADORIAS CONFERÊNCIA DO LACRE CONFERÊNCIA DA QUANTIDADE RECEBIDA TEMPERATURA CONFERÊNCIA DA DATA DE VALIDADE ARMAZENAMENTO DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO ESTABELECIMENTO CÂMARA FRIA DE CARNES CÂMARA FRIA DE AVES CÂMARA DE CONGELADOS TRANSFORMAÇÃO DOS PRODUTOS BALCÃO DE ATENDIMENTO BALCÃO DE AUTOSSERVIÇO IDENTIFICAÇÃO DOS PRODUTOS NO PONTO DE VENDA IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO (DENOMINAÇÃO DE VENDA) LISTA DE INGREDIENTES DATA DE FABRICAÇÃO DATA DE VALIDADE PESO LÍQUIDO PREÇO POR QUILO ($\Kg) PREÇO FINAL NÚMERO DO LOTE FORMA DE CONSERVAÇÃO SALA DE MANIPULAÇÃO PROCEDIMENTOS DE HIGIENE E LIMPEZA DOS SETORES HIGIENE PESSOAL CONTROLE DE VETORES E PRAGAS URBANAS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 62

14 13 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho de conclusão do curso de Medicina Veterinária foi descrito pela acadêmica Ana Carolina Camargo de Oliveira, como requisito parcial para obtenção de título de Médica Veterinária pela Universidade Tuiuti do Paraná, campus Barigui. O estágio curricular foi realizado na empresa Condor Super Center Ltda., na cidade de Curitiba, Estado do Paraná, no período de 9 de fevereiro a 17 de abril de 2009, com carga horária de 360 horas, sob a supervisão profissional da Médica Veterinária Cássima Garcia L. dos Santos, CRMV-PR 4893, e orientação acadêmica da professora Elza Maria Galvão Ciffoni, CRMV-PR A carga horária foi cumprida de segunda a sexta-feira, das 8:00 às 17:00 horas, com intervalo de 1 hora para o almoço. Por dia, eram visitadas de duas a três lojas, conforme a necessidade de atenção dispensada a cada loja. O conteúdo deste trabalho foi baseado nas atividades desenvolvidas durante o período do estágio, em legislações vigentes, na teoria aprendida em sala de aula e na literatura existente sobre o tema abordado. Neste relatório está descrito o fluxo de produção de um ponto de venda de produtos de origem animal no varejo. Esse fluxo vai desde a recepção das mercadorias na loja até sua exposição para o cliente final. Um dos pontos importantes desse processo é a identificação do produto para o cliente. Este trabalho relata aspectos importantes da rotulagem de alimentos. A rotulagem de um alimento deve trazer todas as informações necessárias para identificar

15 14 o produto quanto à sua procedência, datas de fabricação, validade e registro no serviço de inspeção de produtos de origem animal. Todas essas atividades visaram aperfeiçoar a formação acadêmica possibilitando a aplicação prática dos conhecimentos adquiridos na teoria em sala de aula e em visitas técnicas realizadas durante o período acadêmico.

16 15 2. DESCRIÇÃO DO LOCAL DE ESTÁGIO A empresa Condor Super Center Ltda. é uma empresa varejista fundada em 1974, que atualmente possui 28 lojas sendo 11 hipermercados, 15 supermercados e duas centrais de distribuição. As lojas estão distribuídas nas cidades de Curitiba, Araucária, Campo Largo, São José dos Pinhais, Lapa, Ponta Grossa, Paranaguá, Maringá, Apucarana e Londrina. Além dos pontos de venda a varejo (lojas), a empresa possui duas grandes centrais de distribuição: Central de Distribuição Condor (CD) e uma central de distribuição dentro do Ceasa de Curitiba. CEASA (Central de Abastecimento do Paraná): Central de recebimento e distribuição de hortifrutigranjeiros. CENTRAL DE DISTRIBUIÇÃO CONDOR: Central de recebimento, armazenamento e distribuição de produtos de mercearia, bazar, eletrodomésticos, eletroeletrônicos, não alimentos e perecíveis. Central de Distribuição de Perecíveis (CD): Fica localizada dentro da Central de Distribuição, em local de acesso exclusivo, onde ocorre o recebimento, manipulação, armazenamento e expedição de produtos perecíveis. Por se tratar de uma empresa estritamente paranaense, a Central de Distribuição de Perecíveis possui Serviço de Inspeção do Paraná (SIP). Essa fiscalização permite a comercialização intermunicipal (dentro do estado do Paraná) dos produtos de origem animal pelo estabelecimento comercializador. As lojas da capital possuem o Serviço de Inspeção Municipal, SIM - Curitiba, que é necessário para estabelecimentos com sistema de autosserviço.

17 16 O objetivo principal da empresa é a venda a varejo, oferecendo produtos com alto padrão de qualidade e variedade, que atenda às necessidades dos clientes de forma diferenciada da concorrência, buscando junto ao fornecedor preço competitivo, com intuito de aumentar as vendas, reduzindo custos e cumprindo as margens e lucratividades previstas.

18 17 3. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS O local no qual foi cumprida a carga horária do estágio é um estabelecimento comercial com objetivo principal de venda a varejo. O trabalho desenvolvido durante o tempo de permanência na empresa foi direcionado a esta área. Para tanto, todos os procedimentos realizados na empresa nesse período, visaram estabelecer e primar pela qualidade, bem como pelas informações inscritas na legislação vigente, para garantir aos consumidores produtos de melhor qualidade e garantir a venda. As atividades desenvolvidas estão relacionadas à Tecnologia de Produtos de Origem Animal, Inspeção Sanitária, Boas Práticas de Fabricação e Aplicação das Legislações Sanitárias Vigentes. A rotina do estágio incluiu visitas técnicas às lojas de Curitiba, Araucária, Campo Largo e São José dos Pinhais com objetivo de fornecer aos funcionários dos setores de perecíveis orientações técnicas com relação à higiene e limpeza do setor, higiene pessoal, procedimentos operacionais, manipulação de alimentos e fluxo de produção, da recepção à venda dos produtos comercializados. Todas essas orientações têm por objetivo diminuir riscos de contaminação e garantir a qualidade do alimento comercializado. Foi possível, durante o estágio, verificar as informações contidas nos rótulos dos alimentos perecíveis, acompanhar a execução de projetos arquitetônicos em novas instalações, acompanhar visitas rotineiras e de inspeção da Vigilância Sanitária as lojas, verificação da aplicabilidade do manual de Procedimentos Operacionais Padrão (PPO) da empresa pelos setores de perecíveis das lojas.

19 18 Foram elaborados e executados cursos de manipulação e Boas Práticas de Fabricação, Treinamentos de Manipuladores de Alimentos e verificação do fluxo de mercadorias e fluxo de produção. Essas atividades foram desenvolvidas na área de perecíveis nas lojas onde ocorre venda a varejo e na Central de Distribuição de Perecíveis, onde é realizado o manejo de produtos em atacado (recepção, armazenagem, manipulação e expedição). O trabalho foi realizado em conjunto com a orientadora profissional, supervisores, gerentes, gerentes de perecíveis, encarregados de setor e demais funcionários a fim de gerar melhorias e garantir um bom funcionamento de todo o fluxo de produção.

20 19 4. RESPONSÁVEL TÉCNICO Cada vez mais o comércio sente a necessidade de ter um maior respaldo em procedimentos e em seus embasamentos legais, visto que a qualidade dos seus produtos é fator indispensável para a rentabilidade do setor. As atividades realizadas por um responsável técnico nessa área de atuação incluem higiene e manipulação de alimentos, procedimentos operacionais e fluxo de mercadorias, da recepção à venda dos produtos comercializados, além do treinamento de funcionários. É de suma importância conhecer as normas que regulamentam suas atividades. De acordo com a legislação estas funções devem ser exercidas por um Médico Veterinário, qualificado como Responsável Técnico, devido ao fato de possuir habilidade técnica específica para atuar na área de produtos de origem animal, bem como de possuir todo conhecimento que envolve a qualidade de diferentes processos (CRMV-PR, 2005). Os alimentos de origem animal constituem uma fonte essencial de proteína para o desenvolvimento do ser humano. Esse nutriente, por ser altamente nobre, deve ser aproveitado integralmente, para isso sua produção, manipulação e destinação devem ser extremamente elaboradas (GERMANO, 2003). O Médico Veterinário tem a responsabilidade de decidir sobre o que é apropriado para consumo e condenar o que é impróprio (produtos vencidos e com características organolépticas fora dos padrões), verificar as condições higiênico-sanitária dos estabelecimentos e dar o parecer final sobre os produtos inspecionados (SANTOS, ROCHA & CASALE, 2007).

21 20 O trabalho do Responsável Técnico em uma rede de varejo é bastante amplo, visto que ele atua auxiliando o comerciante desde o momento de solicitar o alvará do estabelecimento bem como a licença sanitária até o acompanhamento dos procedimentos rotineiros dos estabelecimentos. A dificuldades estão presentes, pois na maioria das empresa de varejo, como é o caso da empresa Condor Super Center, existem diversas lojas com diferentes estruturas, o que torna o acompanhamento de cada loja mais individualizado e complexo. O Responsável Técnico de um estabelecimento é co-responsável com este, em casos de fiscalizações, processos ou intimações por qualquer órgão fiscalizador, pelo próprio consumidor, ou em todo e qualquer processo que envolva a saúde pública. Diante disso, faz-se necessária recomendações por escrito, como forma comprobatória da ação do Responsável Técnico diante da empresa. 5. SERVIÇO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL (SIPOA) As matérias-primas de origem animal devem ser provenientes de distribuidores fiscalizados por Serviços de Inspeção de Origem Animal. Produtos sem fiscalização adequada, clandestinos, expõem a população a grande risco de contrair doenças de origem alimentar, bem como de caráter zoonótico (comum entre homens e animais) (GERMANO, 2003). O Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal é necessário em estabelecimentos produtores, fracionadores, manipuladores, transformadores e industrializadores de alimentos visando garantir a segurança alimentar dos produtos

22 21 comercializados. A atividade de inspeção de produtos de origem animal é exclusiva do Médico Veterinário, que tem por função inspecionar e fiscalizar os produtos destinados ao comércio nacional ou internacional, adotando medidas sanitárias de prevenção e manutenção da saúde humana e animal. O RIISPOA (Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitário de Produtos de Origem Animal) através da lei 1283 de 18 de dezembro de 1950, tornou obrigatória a prévia fiscalização, sob o ponto de vista industrial e sanitário, de todos os produtos de origem animal, preparados, transformados manipulados, recebidos acondicionados, depositados e em trânsito. Os alimentos, em sua origem, são considerados como insumos e portanto pertencem à área econômica, isto é, a Agricultura. Uma vez transformados, passam a ser considerados bens de consumo que fazem parte do setor social e se tornam preocupação de saúde pública (GERMANO, 2003). A inspeção pode ser realizada em três alçadas: a) Federal (Serviço de Inspeção Federal - SIF): é controlado pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento e que permite que os produtos que possuam essa fiscalização (figura 1) possam ser comercializados em todo território nacional e possam ainda ser exportados (BRASIL, 1989).

23 22 FIGURA 1 MODELO DE CHANCELA DO SIF FONTE: Brasil, 2008 b) Estadual: A lei estadual n /94, torna obrigatória a prévia inspeção sanitária e industrial, em todo o território do Estado do Paraná, de todos os produtos de origem animal. Diante disso criou-se o Serviço de Inspeção Estadual (SIE) que é controlado pela Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (SEAB), responsável pelo registro e fiscalização (figura 2) das empresas que produzam matéria prima, manipulem, beneficiem, transformem, industrializem, preparem, acondicionem e embalem produtos de origem animal. FIGURA 2 MODELO DE CHANCELA DO SIP FONTE: Paraná, 2000

24 23 c) Municipal: A lei municipal 10168/2001 aprovada pelo decreto 70 do município, criou o Serviço de Inspeção Municipal de Produtos de Origem Animal de Curitiba - SIM CURITIBA que fiscaliza e inspeciona estabelecimentos suscetíveis de comercialização exclusiva no município de Curitiba. A fiscalização do SIM - Curitiba é realizada pela Secretaria Municipal de Saúde. Em Curitiba, a legislação prevê que somente estabelecimentos que possuam Serviço de Inspeção Municipal SIM possam ter produtos comercializados em sistema de autosserviço (CURITIBA, 2001). O artigo 33 do decreto 70 do município de Curitiba (2002), torna obrigatório o estabelecimento que comercializa produto de origem animal possuir um Medico Veterinário como responsável técnico habilitado. Estão sujeitos à rotulagem no SIM Curitiba, todos os produtos de origem animal que tenham sido de alguma forma transformados (manipulados) por estabelecimentos comerciais (CURITIBA, 2001). A chancela do SIM (figura 3), de acordo com o artigo 29 do decreto 70 do município (2002) deve conter alguns dizeres obrigatórios. Na curvatura superior da elipse deve conter a frase SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE em caixa alta e sem aspas; "SIM-CURITIBA" em caixa alta e sem aspas, dentro do semicírculo superior interno ao círculo maior; o número do registro do estabelecimento em substituição aos "zeros" no interior do semicírculo inferior; letras que classificam o estabelecimento em substituição aos "XX" no semicírculo inferior (AS para estabelecimentos de autosserviço); a palavra "INSPECIONADO" em caixa alta e sem aspas, no espaço entre os dois semicírculos internos. A chancela deve seguir o modelo 03 da lei que é utilizado para embalagens,

25 24 rótulos e outras identificações genéricas. FIGURA 3 - MODELO DE CHANCELA DO SIM - CURITIBA FONTE: Curitiba, 2002 Segundo o RIISPOA (1950) é expressamente proibida em todo o território nacional, a duplicidade de fiscalização industrial e sanitária em qualquer estabelecimento industrial ou entreposto de produtos de origem animal, que será exercida por um único órgão. 6. PROCEDIMENTOS ACOMPANHADOS NO PONTO DE VENDA A VAREJO (LOJAS) 6.1 RECEPÇÃO DE MERCADORIAS As mercadorias chegam às lojas em veículos vindos da Central de Distribuição Condor ou direto do fornecedor (figura 4). Esses veículos devem estar em perfeito estado de conservação para garantir a integridade e a qualidade a fim de impedir a

26 25 contaminação e a deterioração dos produtos transportados. FIGURA 4 - VEÍCULO DA CENTRAL DE DISTRIBUIÇÃO CONDOR A recepção dos produtos de origem animal ocorre em uma área destinada exclusivamente para esta finalidade, onde o veículo é estacionado em plataforma ou em local próprio, dependendo da estrutura da loja (figura 5). Os produtos chegam acompanhados da nota fiscal e de uma nota de controle de lacre. As notas são fornecidas pelo entregador e conferidas antes de autorizar o recebimento.

27 26 FIGURA 5 - FUNCIONÁRIOS RECEBENDO MERCADORIAS Na nota fiscal deve constar endereço, razão social, quantidade e descrição dos produtos (figura 6). A nota de controle de lacre deve conter o número do lacre que deve ser o mesmo que vem fixado na porta do caminhão (figura 7). Os produtos chegam acompanhados da nota fiscal e de uma nota de controle de lacre. As notas são fornecidas pelo entregador e conferidas antes de autorizar o recebimento. Após a conferência das notas são aferidas as temperaturas dos produtos as quais devem estar adequadas de acordo com a determinação do fabricante no rótulo do produto. As mercadorias são descarregadas, pesadas e são avaliadas a data de validade, quantidade e qualidade observando as condições das embalagens que armazenam as mercadorias.

28 27 FIGURA 6 - NOTA FISCAL DE RECEBIMENTO DE PRODUTOS FIGURA 7 - NOTA DE CONTROLE DE LACRE O responsável pela recepção deve observar as condições do entregador, que deve estar com uniforme adequado e limpo. Conferir na rotulagem do produto o nome e

29 28 composição, lote, data de fabricação e validade, número de registro no órgão oficial, CNPJ, endereço de fabricante e distribuidor (figura 8). A carga toda é conferida e levada para os setores onde é armazenada de acordo com a categoria: carnes bovinas, suínas, frangos e linguiças em câmaras frias do açougue e frios e embutidos na câmara fria da fiambreria. FIGURA 8 - RÓTULO NA CAIXA DO PRODUTO 6.2 CONFERÊNCIA DO LACRE É necessário verificar a presença e integridade do lacre do veículo de transporte que fica na porta do caminhão, ele deve estar íntegro, sem sinais de violação e deve ter o mesmo número da nota de controle de lacre.

30 CONFERÊNCIA DA QUANTIDADE RECEBIDA É realizada a contagem dos produtos e conferida com a nota fiscal fornecida pelo entregador, os valores têm que ser equivalentes. 6.4 TEMPERATURA De acordo com procedimentos padronizados internos (PPO), é utilizado termômetro digital que mede a temperatura de superfície do produto, visto que para utilizar o termômetro de haste, que mede o centro geométrico do produto, seria necessário violar embalagens e não haveria como controlar uma possível contaminação (figura 9). Caso produtos de origens diferentes sejam transportados em um mesmo veículo, a temperatura deve ser mantida de acordo com o produto que exige menor temperatura. Em caso de não haver descrição legal segue-se a indicação de temperatura de transporte indicada pelo fabricante. É aceitável uma variação de 2ºC para mais no momento do recebimento. As temperaturas são registradas em planilha no recebimento para garantir um monitoramento das mesmas e a qualidade dos produtos comercializados.

31 30 FIGURA 9 - TEMPERATURA DE PRODUTO SENDO AFERIDA NO MOMENTO DO RECEBIMENTO 6.5 CONFERÊNCIA DA DATA DE VALIDADE O prazo de validade é verificado em todos os lotes, ou caixa por caixa no caso de produtos que venham em caixas de papelão. As mercadorias são conferidas com relação à data de validade, sendo que esta deve estar dentro do prazo de 2/3 de vida útil do produto para evitar o seu vencimento, levando em conta o tempo necessário para a armazenagem, manipulação e exposição do produto com uma margem de segurança para o tempo de comercialização. Qualquer produto que esteja fora dos padrões acima exigidos são devolvidos ao fornecedor com justificativa do problema identificado: produto fora do prazo de validade, produto com prazo de validade muito curto, embalagem violada, temperatura fora da recomendada, entre outros.

32 31 7. ARMAZENAMENTO DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO ESTABELECIMENTO Depois dos procedimentos de recepção das mercadorias, os produtos são encaminhados para o setor de perecíveis do estabelecimento, podendo ser para a área de açougue ou fiambreria, dependendo do produto. O tempo máximo de armazenagem de um produto varia de acordo com o grau de perecibilidade do mesmo, e com o tipo de armazenagem, devendo este período estar rigorosamente de acordo com as especificações dos alimentos estocados (GERMANO, 2003). No açougue são armazenadas carnes bovinas, suínas e de frango in natura, frangos temperados, miúdos de frango e de carne bovina e linguiças. A temperatura do local de armazenamento é essencial, pois a velocidade das reações biológicas nos alimentos eleva-se em relação direta ao aumento de calor (SOUZA, FARIA & NEVES, 2003). Como a temperatura influencia a multiplicação microbiana, a falta de controle da temperatura de conservação dos alimentos perecíveis acarreta perdas econômicas, nutricionais e a segurança sanitária alterando as características organolépticas dos alimentos (VALENTE & OLIVEIRA, 2003). A disposição dos produtos nas câmaras frias deve obedecer a data de vencimento. Produtos com a data de vencimento mais próxima são posicionados a serem comercializados em primeiro lugar (sistema PVPS - primeiro que vence primeiro que sai). Todas as câmaras frias possuem termômetro que possibilitam a leitura da

33 32 temperatura do lado de fora da câmara, o que garante a uniformidade da mesma na conservação dos produtos armazenados (figura 10). FIGURA 10 TERMÔMETRO EXTERNO DA CÂMARA FRIA Todos os produtos devem estar adequadamente identificados (figura11) com etiqueta do fabricante ou na impossibilidade de manter o rótulo original do produto, as informações devem ser transcritas em etiqueta apropriada com o nome, data de fabricação e data de validade.

34 33 FIGURA 11 PRODUTOS IDENTIFICADOS COM ETIQUETA DO ESTABELECIMENTO As mercadorias são protegidas contra contaminação cruzada, sendo separadas, nas prateleiras ou pallets, de acordo com o layout pré-estabelecido pelo projeto arquitetônico, em cada câmara fria. Os produtos devem ser separados por origem: carne bovina, de frango, carne suína e lingüiças não podem ter contato no armazenamento. Todos os produtos armazenados que já tenham sido transformados devem estar adequadamente identificados com etiqueta que determine a designação do produto (figura 12), sua data de fabricação ou fracionamento e validade, após a abertura ou retirada da embalagem original (BRASIL, 2004).

35 34 FIGURA 12 PLACA DE IDENTIFICAÇÃO DA CÂMARA FRIA As caixas onde são armazenados os produtos são brancas e de material liso, lavável e impermeável, sem ficarem em contato direto com o piso, apoiadas sobre estrados ou pallets ou acondicionadas em prateleiras metálicas. Os produtos podem ainda ser armazenados nas próprias caixas de papelão em que são recebidos. Isso só é possível quando a comercialização desses produtos for rápida, para que a umidade da câmara não forme colônias fúngicas e esporos nas caixas de papelão. Normalmente produtos armazenados desta forma são aqueles que estão em oferta e que, portanto, possuem um giro rápido. O empilhamento máximo das caixas depende das especificações dos fabricantes, evitando que as mesmas fiquem encostadas nas paredes ou diretamente sobre o solo (GERMANO, 2003). Dentro das câmaras os produtos ficam afastados 10 cm das paredes, essa distância mínima é necessária para garantir a circulação de ar entre as caixas o que

36 35 garante a manutenção adequada da temperatura (SOUZA, FARIA & NEVES, 2003). 7.1 CÂMARA FRIA DE CARNES Nesta câmara a temperatura fica entre 0 e 3 C. Esta câmara possui trilhos para o armazenamento de dianteiros bovinos e costelas que são penduradas em ganchos (figura13). As lâmpadas possuem proteção contra estilhaçamento. FIGURA 13 TRILHOS DE DIANTEIRO DENTRO DA CÂMARA FRIA DE CARNES

37 CÂMARA FRIA DE AVES Nesta câmara a temperatura permanece entre 0 e 4 C. As lâmpadas possuem proteção contra estilhaçamento. 7.3 CÂMARA DE CONGELADOS Nesta câmara a temperatura fica entre 12 e -15 C. As lâmpadas possuem proteção contra estilhaçamento. TABELA 1: TEMPERATURA DE ARMAZENAMENTO DOS PRODUTOS PERECÍVEIS PRODUTO TEMPERATURA MÍNIMA TEMPERATURA MÁXIMA CARNES BOVINAS E MIÚDOS BOVINOS 0 Celsius 7 Celsius RESFRIADOS FRANGOS E MIÚDOS DE FRANGO 0 Celsius 4 Celsius RESFRIDOS LINGUIÇAS RESFRIADAS 0 Celsius 10 Celsius CONGELADOS - 10 Celsius - 12 Celsius

38 37 8. TRANSFORMAÇÃO DOS PRODUTOS Para cumprir o objetivo principal do estabelecimento que é a venda no varejo, os produtos recebidos devem ser transformados em porções menores (figura 14), para que viabilize a exposição ao consumidor. Nesta etapa a manipulação é realizada observando-se procedimentos que evitem a contaminação cruzada. FIGURA 14 PRODUTOS TRANSFORMADOS Até que seja distribuído e consumido a obtenção de produto seguro depende tanto da qualidade da matéria-prima quanto da sua manutenção (SOUSA, FARIA & NEVES, 2003).

39 38 A exposição desses produtos pode ser feita em duas formas, no balcão de atendimento ou o no balcão de autosserviço. 8.1 BALCÃO DE ATENDIMENTO No balcão de atendimento ficam expostos os produtos que ainda não possuem etiqueta final de peso e precificação, e que podem ainda ser transformados, fracionados de acordo com a solicitação do cliente que é atendido por um funcionário do açougue com conhecimento dos produtos expostos e treinado para atender prontamente a solicitação do cliente (figura 15). O produto pode ser fracionado e é embalado, pesado e etiquetado na presença do cliente. Existe ainda neste balcão a comercialização de produtos na embalagem do fabricante que são apenas pesados e etiquetados no momento da venda, já possuindo embalagem própria. 8.2 BALCÃO DE AUTOSSERVIÇO Entende-se por autosserviço a comercialização de produtos de origem animal manipulados, fracionados, embalados e etiquetados na ausência do consumidor e que fiquem expostos à disposição dos clientes (CURITIBA, 2001). Neste balcão os produtos transformados ficam expostos em bandejas de polipropileno, devidamente porcionados e precificados, o que garante agilidade na comercialização e comodidade ao consumidor, evitando filas e proporcionando maior

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais A embalagem é instrumento de identificação, proteção, movimentação e exposição das frutas e hortaliças frescas. Ela identifica o produto e o seu responsável.

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL Deijiane de Oliveira

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

DATA: 04/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS PALESTRANTE: NÁDYA MOLINA

DATA: 04/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS PALESTRANTE: NÁDYA MOLINA DATA: 04/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS PALESTRANTE: NÁDYA MOLINA Boas Práticas Para um bom resultado na manipulação de alimentos deve-se trabalhar aplicando

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária objetivo Este manual estabelece os critérios de higiene e de boas práticas operacionais para o controle

Leia mais

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 1 de 8 PAC 11 Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO SIM NÃO NA(*) 4.1 EDIFICAÇÃO, INSTALAÇÕES,

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC AEXO ROTERO PARA FSCALZAÇÃO/SPEÇÃO SATÁRA, E AUTOSPEÇÃO EM MMERCADOS, MERCADOS, SUPERMERCADOS, HPERMERCADOS E AFS. 1. DADOS DO ESTABELECMETO. RAZÃO SOCAL: OME FATASA: CPJ: EDEREÇO: TELEFOE: REPRESETATE

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BRÉSCIA SECRETARIA DA AGRICULTURA SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Responsável Legal: CPF: Responsável Técnico: CPF: CR : 2. Inspeção Data: Objetivo:

Leia mais

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo?

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

http://www.agricultura.sc.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download...

http://www.agricultura.sc.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download... Page 1 of 5 Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural Portaria SAR nº 17/2010, de 28/10/2010 O Secretário de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural, no

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO- MAPA OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO- MAPA OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 55 ISSN 0103-6068 Dezembro, 2003 Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 Resolução Nº 329, de 22 de julho de 1999 Institui o Roteiro de Inspeção para transportadoras

Leia mais

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 Aprova a Lista de Verificação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprova Normas para Cursos de Capacitação em Boas Práticas para

Leia mais

Semana da Alimentação: CEAGESP Rotulagem e Segurança Alimentar Auditório Nélson Loda 25 de outubro de 2012 14 horas

Semana da Alimentação: CEAGESP Rotulagem e Segurança Alimentar Auditório Nélson Loda 25 de outubro de 2012 14 horas Semana da Alimentação: CEAGESP Rotulagem e Segurança Alimentar Auditório Nélson Loda 25 de outubro de 2012 14 horas Subgerência de Alimentos Martha Virgínia Gewehr Machado Maria Cristina Junqueira de Castro

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Orientações 2014 Vigilância Sanitária Lei Federal 8.080 de 19 de setembro de 1990 1º Entende-se

Leia mais

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo?

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015 Prefeitura Municipal de Salvador- PMS Secretaria Municipal de Saúde- SMS Diretoria de Vigilância á Saúde- DVIS Subcoordenação de Vigilância Sanitária- VISA Setor de Produtos e Serviços de Interesse á Saúde-

Leia mais

RESPONSABILIDADE TÉCNICA T COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS

RESPONSABILIDADE TÉCNICA T COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS Serviço o Público P Federal Conselho Regional de Medicina Veterinária ria do RS Setor de Fiscalização RESPONSABILIDADE TÉCNICA T NO COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS RIOS Mateus da Costa Lange Médico Veterinário

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento D.O.U. Nº 225, sexta-feira, 24 de novembro de 2006. Pág. 10 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 65, DE 21 DE NOVEMBRO

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

Segurança Alimentar em cabo Verde. Quadro legal, Importância e Conceitos das legislação Sanitária

Segurança Alimentar em cabo Verde. Quadro legal, Importância e Conceitos das legislação Sanitária Segurança Alimentar em cabo Verde Quadro legal, Importância e Conceitos das legislação Sanitária Praia, 7,8,9 e 10 de Novembro de 2011 Segurança Alimentar em Cabo Verde 2 Mercado dos Géneros alimentícios

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS A rotulagem de alimentos apresenta uma importância muito relevante hoje para o consumidor, pois através da mesma, conseguimos repassar muitas informações aos mesmos, tais como prazo

Leia mais

Programa de rotulagem. O programa como um expositor de irregularidades

Programa de rotulagem. O programa como um expositor de irregularidades Programa de rotulagem O programa como um expositor de irregularidades RÓTULOS O rótulo identifica o produto, a sua quantidade, a sua origem e o seu responsável. A colocação do rótulo é uma exigência da

Leia mais

1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN- Estatutário [ ] Celetista [ ] Contratado [ ] Concursado Celetista [ ] Outro [ ] CRN- RT / QT

1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN- Estatutário [ ] Celetista [ ] Contratado [ ] Concursado Celetista [ ] Outro [ ] CRN- RT / QT CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA ALIMENTAÇÃO COLETIVA REFEIÇÃO CONVENIO / CESTA DE ALIMENTOS REFEIÇÃO CONVENIO

Leia mais

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 1 de 11 Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 2 de 11 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

NRR 5 - Produtos Químicos

NRR 5 - Produtos Químicos NRR 5 - Produtos Químicos 5.1. Esta Norma trata dos seguintes produtos químicos utilizados no trabalho rural: agrotóxicos e afins, fertilizantes e corretivos. 5.1.1. Entende-se por agrotóxicos as substâncias

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto;

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto; PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MACEIÓ DIRETORIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÄNCIA SANITÁRIA INSPETORIA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES GERAIS

Leia mais

AÇÕES DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM ALIMENTOS COMERCIALIZADOS EM TERESINA - PI

AÇÕES DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM ALIMENTOS COMERCIALIZADOS EM TERESINA - PI AÇÕES DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM ALIMENTOS COMERCIALIZADOS EM TERESINA - PI Ferreira, L.C.R.P. (1) ; Lima, N.A. (1) ; Muratori, M.C.S. (1) ; Júnior, M.H.K. (1) ; Costa, M.S.J. (2) ; Nascimento, I.V.

Leia mais

Rotulagem de alimentos embalados. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO

Rotulagem de alimentos embalados. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO Rotulagem de alimentos embalados Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO Rotulagem É toda inscrição, legenda, imagem ou toda matéria

Leia mais

Ministério Público do Rio Grande do Sul PROMOTORIA DE JUSTIÇA CÍVEL DE ERECHIM

Ministério Público do Rio Grande do Sul PROMOTORIA DE JUSTIÇA CÍVEL DE ERECHIM Procedimento n.º INQUÉRITO CIVIL: 00763.00041/2014 Investigada: ASSOCIAÇÃO CULTURAL E INDUSTRIAL DE ERECHIM TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA No dia 18 de novembro de 2014, o MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO.

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO. ANEXO NORMAS SOBRE REQUISITOS, CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS PARA O REGISTRO DE ESTABELECIMENTO, BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO E EXPEDIÇÃO DOS RESPECTIVOS CERTIFICADOS. 1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA

COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA Salvador, 07 de agosto de 2014 COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA Diretoria de Vigilância á Saúde Vigilância Sanitária SPEIS COMIDA DE RUA: linhas de ação Ambulantes;

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO 1. Objetivo Este Regulamento Técnico fixa os requisitos mínimos exigidos para o registro e

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 (Do Sr. Alex Canziani) Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de cozinheiro. Congresso Nacional decreta: Art. 1º Considera-se cozinheiro, para efeitos desta

Leia mais

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Produtos Para a Saúde, Saneantes Domissanitários e Cosméticos Roteiro

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO

A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO Razão Social: RESTAURANTE E PIZZARIA MGM RIO CLARO LTDA Ramo de Atividade: Restaurantes e Similares CPF/CNPJ:

Leia mais

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação REGINALICE MARIA DA GRAÇA A BUENO Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos - ANVISA Controle sanitário dos alimentos Ações

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹.

UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹. UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹. DEON, Bárbara Cecconi ²; HECKTHEUER, Luiza Helena³; SACCOL, Silvana 4 ; MEDEIROS, Laissa Benites 5 ; ORSOLIN, Giulianna

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO SUL DO ESTADO DE ALAGOAS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO SUL DO ESTADO DE ALAGOAS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Este POP tem como objetivo fixar procedimentos para assegurar o correto recebimento de medicamentos, tanto em quantidade quanto em qualidade dos medicamentos. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: Recebimento

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) DOU 01-08-2005 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Higiênico-Sanitários para Manipulação de Alimentos e Bebidas Preparados com Vegetais.

Leia mais

1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Xanxerê

1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Xanxerê Inquérito Civil n. 06.2015.00001357-5 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA, representado neste ato pelo Promotor de Justiça da 1ª Promotoria de

Leia mais

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução - RDC nº 52, de 22 de outubro de 2009 Dispõe sobre o funcionamento de

Leia mais

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES C A ÇA D O R - S C DOCUMENTAÇÃO ALVARÁ SANITÁRIO 1. Requerimento DVS 2. CNPJ (jurídica) cópia atualizada 3. Documento do Veiculo 4. Taxa de Emissão de Alvará

Leia mais

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 Expediente: Textos: Elisangeles Souza e Marcos Andersen Revisão: Elisangeles Souza, Maria Silvia

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Tatuagem e Colocação de Adornos

Tatuagem e Colocação de Adornos ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde Tatuagem e Colocação de Adornos Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO ACERCA DA EMBALAGEM, ROTULAGEM E PROPAGANDA DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO ACERCA DA EMBALAGEM, ROTULAGEM E PROPAGANDA DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO ACERCA DA EMBALAGEM, ROTULAGEM E PROPAGANDA DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regulamento estabelece normas específicas

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 400, de 21 de março de 2013. DISPÕE SOBRE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL E VEGETAL NO MUNICIÍPIO DE IPIRANGA DO NORTE-MT E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ A Vigilância Sanitária Municipal é responsável pela fiscalização de todos os stands, espaços, barracas, postos e/ou pontos de venda da área

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 22, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2005.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 22, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2005. Situação: Vigente Instrução Normativa Nº 22, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2005 Publicado no Diário Oficial da União de 25/11/2005, Seção 1, Página 15 Ementa: Aprova o Regulamento Técnico para Rotulagem de Produto

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 SUDE/DILOG/CANE PROGRAMA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PEAE

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 SUDE/DILOG/CANE PROGRAMA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PEAE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 SUDE/DILOG/CANE PROGRAMA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PEAE 1. DO RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS 1.1 Cada escola é responsável pela guarda, controle,

Leia mais

QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR

QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR Elis Carolina de Souza Fatel* Aline Sarabia** Cássia Daiane Givigier** Eliane Kelly Silva Garcia** Indianara Cardoso

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

1 Documentação 1.1 S N NA

1 Documentação 1.1 S N NA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDEDORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE CONTROLE E VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE versão Maio/2011 ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Washington Reis) Dispõe sobre limpeza e inspeção de ar condicionado central, na forma que menciona. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º É obrigatória a realização anual

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL FOLHA 1

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL FOLHA 1 INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - O formulário deve ser preenchido em 2 vias. - Preencher a máquina ou por computador. FOLHA 1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 05/2009

RECOMENDAÇÃO Nº 05/2009 Procedimento Administrativo Tutela Coletiva nº 1.34.030.000124/2009-41 RECOMENDAÇÃO Nº 05/2009 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República signatário, no uso de suas atribuições constitucionais

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação

Boas Práticas de Fabricação Embrapa Hortaliças II Encontro Nacional do Agronegócio Pimentas (Capsicum spp.) Boas Práticas de Fabricação Fernando Teixeira Silva Embrapa Agroindústria de Alimentos I- Introdução As Boas Práticas de

Leia mais

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com PORTARIA Nº 176/2007/GBSES

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com PORTARIA Nº 176/2007/GBSES PORTARIA Nº 76/007/GBSES O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE, no uso das atribuições legais, e Considerando a Portaria nº 80 de 08 de outubro de 998, da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

DIPOA. Origem Animal. José Luis Ravagnani Vargas

DIPOA. Origem Animal. José Luis Ravagnani Vargas DIPOA Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal José Luis Ravagnani Vargas SIF (Competências) Fiscalização de estabelecimentos produtores de produtos de origem animal Exemplo: Matadouros frigoríficos,

Leia mais

Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS.

Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS. Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS Outubro/2006 Teresinha de Fátima Póvoa Diretora da GVMC/SVS/MG Programação Pactuada

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005

Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005 Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005 Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA MISTURAS PARA O PREPARO DE ALIMENTOS E ALIMENTOS PRONTOS PARA O CONSUMO". D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

SIMPÓSIO EM COMEMORAÇÃO AO CENTENÁRIO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO BRASIL. 09 a 12 de setembro de 2015

SIMPÓSIO EM COMEMORAÇÃO AO CENTENÁRIO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO BRASIL. 09 a 12 de setembro de 2015 SIMPÓSIO EM COMEMORAÇÃO AO CENTENÁRIO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO BRASIL 09 a 12 de setembro de 2015 Local de Realização: Escola de Veterinária Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais