Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4"

Transcrição

1 Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE ÍNDICE Índice 1 Introdução 2 Equipamentos Utilizados 3 Modelo de Propagação do Sinal 5 Zona de Fresnel 6 Link Budget 8 Testes Realizados 9 Teste Realizado Utilizando Antena Ominidirecional 9 Ambiente de realização do teste 9 Topologia de rede dos equipamentos 10 Cálculo da Zona de Fresnell do ambiente de realização do teste 10 Cálculo do Link Budget dos pares de equipamentos 11 Resultados obtidos após a realização do teste 11 Teste Realizado Utilizando Antena de Grade no AirGate-Modbus Pai do AirGate -Modbus e Setorial no AirGate- Modbus Pai do RHT-Air 13 Ambiente de realização do teste 13 Topologia de rede dos equipamentos 14 Cálculo da Zona de Fresnell do ambiente de realização do teste 14 Cálculo do Link Budget dos pares de equipamentos Resultados obtidos após a realização do teste 15 Teste Realizado Utilizando Antena Setorial no AirGate - Modbus Pai do AirGate- Modbus e de Grade no AirGate - Modbus Pai do RHT -Air 17 Ambiente de realização do teste 17 Topologia de rede dos equipamentos 18 Cálculo da Zona de Fresnell do ambiente de realização do teste 18 Cálculo do Link Budget dos pares de equipamentos Resultados obtidos após a realização do teste 19 Comparação de Resultados 21 Conclusão 22 Nota

2 INTRODUÇÃO Este documento tem como objetivo relatar o estudo das características de comunicação Wireless dos equipamentos AirGate-Modbus e RHT-Air em longas distâncias. Para o desenvolvimento deste relatório, diversos testes foram realizados, utilizando diferentes equipamentos, diferentes tipos de antenas em diversas situações. Além de relatar os testes realizados, este documento busca orientar o usuário a melhor forma de instalação dos equipamentos, bem como a realização de testes para validação dos equipamentos instalados. Para realização da instalação de equipamentos sem fio em condições próximas as distâncias limites de operação, é necessário ter consciência de alguns fatores que podem interferir na qualidade do sinal. Neste relatório serão abordados alguns destes fatores para que o usuário possa compreender e levar em consideração antes da instalação dos equipamentos. Este relatório abrange apenas situações de comunicação com equipamentos Novus que possuam comunicação sem fio IEEE , o qual possui frequência de operação na faixa de 2,4 GHz, com modelo de propagação conforme explicado no capítulo Modelo de Propagação do Sinal e em zona de visada, ou seja, ambientes livres de obstáculos com será explicado no capítulo Zona de Fresnel. Após a leitura deste documento, o usuário estará apto a seguir 2 etapas importantes a serem realizadas antes da instalação de equipamentos sem fio que se localizem em linha de visada a distâncias próximas aos limites de operação dos equipamentos: 1. Zona de Fresnel 2. Link Budget Além disso, o usuário estará apto a identificar que a perda do sinal não é linear em relação à distância, como pode ser visto no capítulo Modelo de Propagação do Sinal, e irá compreender que os limites de operação dos equipamentos só são atingidos quando se segue as orientações dos passos 1 e 2, podendo estes limites diminuírem em até 50% se os passos não forem seguidos corretamente. 02

3 EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NOME COMERCIAL IMAGEM DESCRIÇÃO TÉCNICA FieldLogger O FieldLogger é um equipamento que tem como principal função datalogger e foi utilizado como mestre Modbus dos equipamentos testados. Ele foi utilizado para obtenção dos dados de LQI (Link Quality Indicator - Indicador de Qualidade do Link) para tornar possível a análise do link de comunicação. AirGate-Modbus O AirGate-Modbus é um Gateway RS485/wireless que tem a função de interface de ligação entre uma rede com protocolo Modbus RTU sobre RS485 e uma rede sem fio com protocolo proprietário Novus sobre IEEE Opera na frequência de 2,4 GHz. - Opera com potência máxima de transmissão de 20 dbm. - Possui sensibilidade de recepção de -96 dbm. - Foram utilizados 3 equipamentos com versão de firmware V1.27. RHT-Air O RHT-Air é um transmissor wireless de temperatura, pressão e ponto de orvalho em uma rede sem fio com protocolo proprietário Novus sobre IEEE Opera na frequência de 2,4 GHz. - Opera com potência máxima de transmissão de 14 dbm. - Possui sensibilidade de recepção de -96 dbm. - Foi utilizado 1 equipamento com versão de firmware V1.04. AR00357W0119N A AR00357W0119N é uma antena WLAN omnidirecional, com impedância nominal de 50 ohm, faixa de operação de 2,4 a 2,4835 GHz, com polarização Vertical, e ganho de 2 dbi. Essa é a antena que acompanha os produtos AirGate-Modbus e RHT-Air. 03

4 EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NOME COMERCIAL IMAGEM DESCRIÇÃO TÉCNICA MM_2412_S60 A MM_2412_S60 é uma antena setorial vendida pela empresa Aquário. Ela possui impedância nominal de 50 ohm, faixa de operação de 2,4 a 2,5 GHz, com polarização Vertical e Horizontal e ganho de 12 dbi. MM_2420 A MM_2420 é uma antena parabólica de grade vendida pela empresa Aquário. Ela possui impedância nominal de 50 ohm, faixa de operação de 2,4 a 2,5 GHz, com polarização Vertical e Horizontal e ganho de 20 dbi. MP-10 O MP-10 é um cabo extensor de antenas vendido pela empresa Aquário. Ele possui conector RP-SMA Male para conexão com o equipamento, conector N Male para conexão com a antena e é formado com o cabo RGC-58, o qual possui perda de 0,62 db por metro para a frequência de 2,4 GHz. Para os testes, foi utilizado um cabo MP-10 de 10 metros conectado a antena MM_2420 e um cabo MP-10 de 5 metros conectado a antena MM_2412_S60. 04

5 MODELO DE PROPAGAÇÃO DO SINAL O meio físico sem fio possui características que atenuam qualquer tipo de onda eletromagnética. Essa atenuação é diferenciada para cada tipo de onda eletromagnética, frequência e diferentes condições ambientais de umidade e temperatura. Desde as primeiras tentativas de comunicação entre dois aparelhos sem fio, diversos pesquisadores tentaram modelar matematicamente a perda do sinal com relação ao meio. Dentre os diversos modelos, o que mais se aproxima da realidade para simulação de perdas no espaço livre, segue demonstrada na fórmula abaixo: Utilizando esta fórmula, é possível deduzir a atenuação do sinal no espaço livre (L) a partir da frequência de operação f e da distância d. Utilizando a formula, a tabela e o gráfico abaixo ilustram a atenuação do sinal com relação à distância para a frequência de operação de 2,4 GHz. FREQUÊNCIA (MHz) DISTÂNCIA (m) ATENUAÇÃO (db) 0,1 20,00 0,5 33, , , , , , , , , , , , ,00 120,00 Distância (m) x Atenuação (db) Atenuação (db) 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 0, Distância (m) Frequência 2,4 Ghz 05

6 ZONA DE FRESNEL No ambiente de comunicação Wireless, quando falamos em zona de visada, ou ambientes livres de obstáculos não devemos nos referir apenas à situação em que uma antena enxerga a outra, devemos levar em consideração também a Zona de Fresnel. Especificamente a Zona de Fresnel é a área ao redor da linha de visada que o sinal de rádio espalha após sair da antena. É imprescindível que a Zona de Fresnel esteja Livre de obstáculos (morros, prédios, árvores, carros, água, etc.). Vale ainda lembrar que o formato da Zona de Fresnel é como uma bola de futebol-americano. Ou seja, deve estar livre a quantidade de metros descrito na fórmula abaixo para esquerda, direita, cima e para baixo. Tipicamente 20% de bloqueio da Zona de Fresnel é aceitável por equipamentos adequados. Acima de 40% de bloqueio, a perda de sinal é muito significante. Estes cálculos levam em consideração apenas a "terra chata". Não leva em consideração a curvatura terrestre, ou seja, este cálculo é especialmente útil para enlaces de até 20 km. Acima destes valores, uma analise de espectro, incluindo a topografia, deve ser considerada. A imagem abaixo ilustra o comportamento da onda, exemplificando o que é a Zona de Fresnel: Zona de Fresnel Linha de visada raio A formula para o cálculo da Zona de Fresnel, assim como uma tabela e um gráfico relacionando a distância d (Km), a frequência f (GHz) com o raio mínimo r (m), ou seja, a altura mínima que as antenas devem estar para não sofrerem interferência, segue ilustrado abaixo: 06

7 FREQUÊNCIA (MHz) DISTÂNCIA (m) RAIO (m) 0,1 0, ,0559 0,125 0, ,559 1, , , , , , , , , ,6772 Distância (m) x Raio de Fresnel (m) Raio de Fresnel (m) Distância (m) Frequência 2,4 Ghz 07

8 LINK BUDGET O Link Budget é o cálculo final de potência em todo o percurso entre um equipamento e outro. Ele é um calculo que avalia toda a perda de sinal desde o equipamento transmissor até o equipamento receptor. Este cálculo deve ser realizado em duas vias, ou seja, de um equipamento A para um equipamento B e de um equipamento B para um equipamento A que possuam um link de comunicação em visada conforme visto no capítulo Zona de Fresnel. O resultado do cálculo do Link Budget nos informa o MAPL (Maximum Allowed Path Loss - Perda Máxima Permitida no Caminho). Este parâmetro nos informa qual o LQI restante para que ainda haja Link de comunicação. O MAPL é calculado da seguinte forma: MAPL = Ptx At_Cabo_Tx + G_Ant_Tx L + G_Ant_Rx At_Cabo_Rx - S_Rx Onde todos os parâmetros devem ser inseridos em db, dbi ou dbm, sendo o resultado do MAPL expresso em db. Abaixo segue o significado de cada um dos parâmetros: Ptx - Potência de transmissão do equipamento A; At_Cabo_Tx - Atenuação do cabo do equipamento A; G_Ant_Tx - Ganho da antena do equipamento A; L - Atenuação do sinal no espaço livre; G_Ant_Rx - Ganho da antena do equipamento B; At_Cabo_Rx - Atenuação do cabo do equipamento B; S_Rx - Sensibilidade de recepção do equipamento B. Após calcular o MAPL do equipamento A para o equipamento B, deve-se refazer o mesmo cálculo, porém do equipamento B para o equipamento A. Ao obter os dois resultados, deve-se pegar o menor valor entre eles e realizar a seguinte análise para os equipamentos que operem com o protocolo IEEE na faixa de 2,4 GHz: MENOR MAPL QUALIDADE ÍCONE 0 db <= MAPL Sem conexão 0 db < MAPL <= 10 db Ruim 10 db < MAPL <= 20 db Regular 20 db < MAPL <= 30 db Bom 30 db < MAPL <= 40 db Muito Bom 40 db < MAPL Ótimo 08

9 TESTES REALIZADOS TESTE REALIZADO UTILIZANDO ANTENA OMINIDIRECIONAL Para realização dos testes foram utilizados um Fieldlogger (mestre da rede Modbus) conectado a interface RS485 dos AirGates com endereço Modbus 1 e 9, onde o AirGate- Modbus com endereço 1 possuía um link de comunicação com outro AirGate-Modbus com endereço 2 e o AirGate-Modbus com endereço 9 possuía um link de comunicação com um RHT-Air com endereço 10, conforme pode ser visualizado na figura do capítulo Topologia de rede dos equipamentos. Esse Fieldlogger tinha o papel de monitorar o LQI entre os dois links criados a uma distância de 1143 metros: Link 1: Caminho entre Address 1 e Address 2; Link 2: Caminho entre Address 9 e Address 10. AMBIENTE DE REALIZAÇÃO DO TESTE Conforme pode ser visualizado na figura abaixo, havia um link de comunicação de 1143 metros entre o alto do morro na saca de uma residência (aproximadamente 40 metros de altura) e o alto de um prédio de 12 andares (aproximadamente 30 metros de altura), o que poríamos considerar uma zona de visada, ou Zona de Fresnel livre, conforme pode ser visto no capítulo Cálculo de Zona de Fresnel do ambiente de realização do teste. Entretanto, conforme pode ser visualizado na figura abaixo, existem alguns obstáculos não diretos que estão dentro do raio de Fresnel, e podem interferir atenuando o sinal. Supondo que eles abrangem menos de 20% da Zona de Fresnel, podemos supor que a atenuação será suficientemente baixa para não causar perda de link de comunicação. 09

10 A atenuação causada por esses obstáculos será discutida no capítulo Resultados obtidos após a realização do teste. Possíveis interferências para a Zona de Fresnel TOPOLOGIA DE REDE DOS EQUIPAMENTOS CÁLCULO DA ZONA DE FRENELL DO AMBIENTE DE REALIZAÇÃO DO TESTE O que significa que ambas antenas devem ficar a pelo menos 5,96 metros de altura acima de qualquer obstáculo que possa estar no meio do caminho entre as duas. 10

11 CÁLCULO DO LINK BUDGET DOS PARES DE EQUIPAMENTOS Atenuação do sinal no espaço livre: L = 32,4 + 20*log( MHz) + 20*log(1,14 Km) = 101,14 db. Perda Máxima Permitida no Caminho entre Address 1 e Address 2: MAPL_Addr1_to_Addr2 = 20 dbm 0 db + 2 dbi 101,14 db + 2 dbi 0dB - (-96 dbm) = 18,86 db; MAPL_Addr2_to_Addr1 = 20 dbm 0 db + 2 dbi 101,14 db + 2 dbi 0dB - (-96 dbm) = 18,86 db; Isso nos permite identificar, antes mesmo de colocar os equipamentos em campo, que ao obedecer a Zona de Fresnel do cálculo anterior, o link entre o Address 1 e o Address 2 deve ficar próximo de 18,86 db, sendo o link Regular Perda Máxima Permitida no Caminho entre Address 9 e Address 10: MAPL_Addr9_to_Addr10 = 20 dbm 0 db + 2 dbi 101,14 db + 2 dbi 0dB - (-96 dbm) = 18,86 db; MAPL_Addr10_to_Addr9 = 14 dbm 0 db + 2 dbi 101,14 db + 2 dbi 0dB - (-96 dbm) = 12,86 db; Isso nos permite identificar, antes mesmo de colocar os equipamentos em campo, que ao obedecer a Zona de Fresnel do cálculo anterior, o link entre o Address 9 e o Address 10 deve ficar próximo de 12,86 db, sendo o link Regular RESULTADOS OBTIDOS APÓS A REALIZAÇÃO DO TESTE Conforme pode ser observado no gráfico abaixo, o qual informa o LQI de recepção de cada um dos equipamentos em teste durante o período de 16 horas e 24 minutos a 18 horas e 19 minutos (aproximadamente 2 horas de duração), sempre houve link de comunicação, não havendo perdas no sinal. Os LQI lidos obtiveram uma variação relativamente estável, variando em no máximo 6 db, como pode ser observado nas informações que seguem na tabela abaixo do gráfico. 11

12 LQI DO LINK SINAL MÍNIMO SINAL MÉDIO SINAL MÁXIMO VARIAÇÃO MÁXIMA STATUS DO PIOR CASO ÍCONE DO STATUS Addr1_to_Addr2-96 dbm -93,14 dbm -90 dbm 6 db Ruim Addr2_to_Addr1-98 dbm -94,69 dbm -92 dbm 6 db Addr9_to_Addr10-91 dbm -88,50 dbm -87 dbm 4 db Addr10_to_Addr9-97 dbm -95,33 dbm -93 dbm 4 db Ruim Ruim Ruim Apesar do LQI ter estado ruim em ambos os links de comunicação, não houve perda do sinal, o que significa que os equipamentos se mantiveram operantes durante a realização do teste. Entretanto, no pior dos casos (LQI de -98 dbm), houve uma margem de apenas 2 db para a perda do link de comunicação, o que é uma área de risco, pois qualquer evento externo, como por exemplo uma chuva forte, pode fazer perder o link de comunicação. A partir dos resultados expostos, é possível realizar um comparativo com os cálculos de enlace realizados no capítulo Cálculo do Link Budget dos pares de equipamentos. Para relacionar o MAPL de cada link com o LQI de cada Link, é necessário converter o MAPL para a potência de recepção expressa no equipamento receptor. Para isso, deve-se somar o MAPL a 100 dbm que representa o LQI mínimo de recepção. Estes dados seguem relacionados na tabela abaixo: LQI DO LINK MAPL DO LINK MAPL CONVERTIDO PARA LQI LQI MÉDIO DIFERENÇA ENTRE LQI MÉDIO E MAPL STATUS Addr1_to_Addr2 18,86 db -81,14 dbm Addr2_to_Addr1 18,86 db -81,14 dbm Addr9_to_Addr10 18,86 db -81,14 dbm Addr10_to_Addr9 12,86 db -87,14 dbm -93,14 dbm -12 db -94,69 dbm -13,55 db -88,50 dbm -7,36 db -95,33 dbm -8,17 db Os resultados expressos nessa tabela demonstram que o LQI Médio real ficou entre 7,36 db e 13,55 db pior que o LQI teórico calculado. Isso pode ser explicado devido ao fato do ambiente não apresentar uma Zona de Fresnel Livre perfeita. 12

13 TESTE REALIZADO UTILIZANDO ANTENA DE GRADE NO AIRGATE-MODBUS PAI DO ARGATE-MODBUS E SETORIAL NO AIRGATE-MODBUS PAI DO RHT-AIR Para realização dos testes foram utilizados um Fieldlogger (mestre da rede Modbus) conectado a interface RS485 dos AirGates com endereço Modbus 1 e 9, onde o AirGate- Modbus com endereço 1 possuía um link de comunicação com outro AirGate-Modbus com endereço 2 e o AirGate-Modbus com endereço 9 possuía um link de comunicação com um RHT-Air com endereço 10, conforme pode ser visualizado na figura do capítulo Topologia de rede de equipamentos. Esse Fieldlogger tinha o papel de monitorar o LQI entre os dois links criados a uma distância de 1143 metros: Link 1: Caminho entre Address 1 e Address 2; Link 2: Caminho entre Address 9 e Address 10. AMBIENTE DE REALIZAÇÃO DO TESTE Conforme pode ser visualizado na figura abaixo, havia um link de comunicação de 1143 metros entre o alto do morro na saca de uma residência (aproximadamente 40 metros de altura) e o alto de um prédio de 12 andares (aproximadamente 30 metros de altura), o que poríamos considerar uma zona de visada, ou Zona de Fresnel livre, conforme pode ser visto no capítulo Cálculo da Zona de Fresnell do ambiente de realização do teste. Entretanto, conforme pode ser visualizado na figura abaixo, existem alguns obstáculos não diretos que estão dentro do raio de Fresnel, e podem interferir atenuando o sinal. Supondo que eles abrangem menos de 20% da Zona de Fresnel, podemos supor que a atenuação será suficientemente baixa para não causar perda de link de comunicação. A atenuação causada por esses obstáculos será discutida no capítulo Resultados obtidos após a realização do teste. 13

14 Possível interferências para a Zona de Fresnel TOPOLOGIA DE REDE DOS EQUIPAMENTOS CÁLCULO DA ZONA DE FRESNELL DO AMBIENTE DE REALIZAÇÃO DO TESTE O que significa que ambas antenas devem ficar a pelo menos 5,96 metros de altura acima de qualquer obstáculo que possa estar no meio do caminho entre as duas. CÁLCULO DO LINK BUDGET DOS PARES DE EQUIPAMENTOS Atenuação do sinal no espaço livre: L = 32,4 + 20*log( MHz) + 20*log(1,14 Km) = 101,14 db. 14

15 Perda Máxima Permitida no Caminho entre Address 1 e Address 2: MAPL_Addr1_to_Addr2 = 20 dbm (10*0,62) db + 20 dbi 101,14 db + 2 dbi 0dB - (-96 dbm) = 30,66 db; MAPL_Addr1_to_Addr2 = 20 dbm (10*0,62) db + 20 dbi 101,14 db + 2 dbi 0dB - (-96 dbm) = 30,66 db; Isso nos permite identificar, antes mesmo de colocar os equipamentos em campo, que ao obedecer a Zona de Fresnel do cálculo anterior, o.ink entre o Address 1 e o Address 2 deve ficar próximo de 30,66 db, sendo o link Muito Bom. Perda Máxima Permitida no Caminho entre Address 9 e Address 10: MAPL_Addr1_to_Addr2 = 20 dbm (5*0,62) db + 12 dbi 101,14 db + 2 dbi 0dB - (-96 dbm) = 25,76 db; MAPL_Addr1_to_Addr2 = 14 dbm 0dB + 2 dbi 101,14 db + 12 dbi (5*0,62) db - (-96 dbm) = 19,76 db; Isso nos permite identificar, antes mesmo de colocar os equipamentos em campo, que ao obedecer a Zona de Fresnel do cálculo anterior, o link entre o Address 9 e o Address 10 deve ficar próximo de 19,76 db, sendo o link Regular. RESULTADOS OBTIDOS APÓS A REALIZAÇÃO DO TESTE Conforme pode ser observado no gráfico abaixo, o qual informa o LQI de recepção de cada um dos equipamentos em teste durante o período de 9 horas e 0 minutos a 11 horas e 24 minutos (aproximadamente 2 horas e 24 minutos de duração), sempre houve link de comunicação, não havendo perdas no sinal. Os LQI lidos obtiveram uma variação relativamente estável, variando em no máximo 2 db, como pode ser observado nas informações que seguem na tabela abaixo do gráfico. 15

16 LQI DO LINK SINAL MÍNIMO SINAL MÉDIO SINAL MÁXIMO VARIAÇÃO MÁXIMA STATUS DO PIOR CASO ÍCONE DO STATUS Addr1_to_Addr2-81 dbm -80,14 dbm -79 dbm 2dB Regular Addr2_to_Addr1-81 dbm -80,81 dbm -80 dbm 1 db Regular Addr9_to_Addr10-84 dbm -63,32 dbm -83 dbm 1 db Regular Addr10_to_Addr9-90 dbm -89,53 dbm -89 dbm 1dB Ruim Apesar de o LQI ter estado regular em 3 dos links e ruim em um deles, devido ao fato do RHT-Air operar com uma potência menor de transmissão, não houve perda do sinal, o que significa que os equipamentos se mantiveram operantes durante a realização do teste. Além disso, no pior dos casos (LQI de -90 dbm), há uma margem de 10 db para a perda do link de comunicação, o que é uma área de baixo risco, pois poucos eventos externos, como por exemplo uma chuva muito forte, pode fazer perder o link de comunicação. A partir dos resultados expostos, é possível realizar um comparativo com os cálculos de enlace realizados no capítulo Cálculo do Link Budget dos pares de equipamentos. Para relacionar o MAPL de cada link com o LQI de cada Link, é necessário converter o MAPL para a potência de recepção expressa no equipamento receptor. Para isso, deve-se somar o MAPL a 100 dbm que representa o LQI mínimo de recepção. Estes dados seguem relacionados na tabela abaixo: LQI DO LINK MAPL DO LINK MAPL CONVERTIDO PARA LQI LQI MÉDIO DIFERENÇA ENTRE LQI MÉDIO E MAPL STATUS Addr1_to_Addr2 30,66 db -69,34 dbm -80,14 dbm -10,8 db Addr2_to_Addr1 30,66 db -69,34 dbm -80,81 dbm -1,47 db Addr9_to_Addr10 25,76 db -74,24 dbm -83,32 dbm -9,08 db Addr10_to_Addr9 19,76 db -80,24 dbm -89,53 dbm -9,29 db Os resultados expressos nessa tabela demonstram que o LQI Médio real ficou entre 9,08 db e 11,47 db pior que o LQI teórico calculado. Isso pode ser explicado devido ao fato do ambiente não apresentar uma Zona de Fresnel Livre perfeita. 16

17 TESTE REALIZADO UTILIZANDO ANTENA SETORIAL NO AIRGATE-MODBUS PAI DO ARGATE-MODBUS E GRADE NO AIRGATE-MODBUS PAI DO RHT-AIR Para realização dos testes foram utilizados um Fieldlogger (mestre da rede Modbus) conectado a interface RS485 dos AirGates com endereço Modbus 1 e 9, onde o AirGate- Modbus com endereço 1 possuía um link de comunicação com outro AirGate-Modbus com endereço 2 e o AirGate-Modbus com endereço 9 possuía um link de comunicação com um RHT-Air com endereço 10, conforme pode ser visualizado na figura do capítulo Topologia de rede de equipamentos. Esse Fieldlogger tinha o papel de monitorar o LQI entre os dois links criados a uma distância de 1143 metros: Link 1: Caminho entre Address 1 e Address 2; Link 2: Caminho entre Address 9 e Address 10. AMBIENTE DE REALIZAÇÃO DO TESTE Conforme pode ser visualizado na figura abaixo, havia um link de comunicação de 1143 metros entre o alto do morro na saca de uma residência (aproximadamente 40 metros de altura) e o alto de um prédio de 12 andares (aproximadamente 30 metros de altura), o que poríamos considerar uma zona de visada, ou Zona de Fresnel livre, conforme pode ser visto no capítulo Cálculo da Zona de Fresnell do ambiente de realização do teste. Entretanto, conforme pode ser visualizado na figura abaixo, existem alguns obstáculos não diretos que estão dentro do raio de Fresnel, e podem interferir atenuando o sinal. Supondo que eles abrangem menos de 20% da Zona de Fresnel, podemos supor que a atenuação será suficientemente baixa para não causar perda de link de comunicação. A atenuação causada por esses obstáculos será discutida no capítulo Resultados obtidos após a realização do teste. 17

18 Possível interferências para a Zona de Fresnel TOPOLOGIA DE REDE DOS EQUIPAMENTOS CÁLCULO DA ZONA DE FRESNELL DO AMBIENTE DE REALIZAÇÃO DO TESTE O que significa que ambas antenas devem ficar a pelo menos 5,96 metros de altura acima de qualquer obstáculo que possa estar no meio do caminho entre as duas. CÁLCULO DO LINK BUDGET DOS PARES DE EQUIPAMENTOS Atenuação do sinal no espaço livre: L = 32,4 + 20*log( MHz) + 20*log(1,14 Km) = 101,14 db. 18

19 Perda Máxima Permitida no Caminho entre Address 1 e Address 2: MAPL_Addr1_to_Addr2 = 20 dbm (5*0,62) db + 12 dbi 101,14 db + 2 dbi 0dB - (-96 dbm) = 25,76 db; MAPL_Addr1_to_Addr2 = 20 dbm (5*0,62) db + 12 dbi 101,14 db + 2 dbi 0dB - (-96 dbm) = 25,76 db; Isso nos permite identificar, antes mesmo de colocar os equipamentos em campo, que ao obedecer a Zona de Fresnel do cálculo anterior, o link entre o Address 1 e o Address 2 deve ficar próximo de 25,76dB, sendo o link Bom. Perda Máxima Permitida no Caminho entre Address 9 e Address 10: MAPL_Addr1_to_Addr2 = 20 dbm (10*0,62) db + 20 dbi 101,14 db + 2 dbi 0dB - (-96 dbm) = 30,66 db; MAPL_Addr1_to_Addr2 = 14 dbm 0dB + 2 dbi 101,14 db + 20 dbi (10*0,62) db - (-96 dbm) = 24,66 db; Isso nos permite identificar, antes mesmo de colocar os equipamentos em campo, que ao obedecer a Zona de Fresnel do cálculo anterior, o link entre o Address 9 e o Address 10 deve ficar próximo de 24,66 db, sendo o link Bom RESULTADOS OBTIDOS APÓS A REALIZAÇÃO DO TESTE Conforme pode ser observado no gráfico abaixo, o qual informa o LQI de recepção de cada um dos equipamentos em teste durante o período de 21 horas e 50 minutos a 7 horas e 26 minutos (aproximadamente 10 horas e 29 minutos de duração), sempre houve link de comunicação, não havendo perdas no sinal. Os LQI lidos obtiveram uma variação relativamente estável, variando em no máximo 4 db, como pode ser observado nas informações que seguem na tabela abaixo do gráfico. 19

20 LQI DO LINK SINAL MÍNIMO SINAL MÉDIO SINAL MÁXIMO VARIAÇÃO MÁXIMA STATUS DO PIOR CASO ÍCONE DO STATUS Addr1_to_Addr2-87 dbm -86,27 dbm -83 dbm 4 db Regular Addr2_to_Addr1-89 dbm -88,19 dbm -86 dbm 3 db Regular Addr9_to_Addr10-75 dbm -73,13 dbm -73 dbm 2 db Bom Addr10_to_Addr9-81 dbm -79,25 dbm -79 dbm 2 db Regular Apesar de o LQI ter estado regular em 3 dos links e bom em um deles, não houve perda do sinal, o que significa que os equipamentos se mantiveram operantes durante a realização do teste. Além disso, no pior dos casos (LQI de -89 dbm), há uma margem de 11 db para a perda do link de comunicação, o que é uma área de baixo risco, pois poucos eventos externo, como por exemplo uma chuva muito forte, pode fazer perder o link de comunicação. A partir dos resultados expostos, é possível realizar um comparativo com os cálculos de enlace realizados no capítulo Cálculo do Link Budget dos pares de equipamentos. Para relacionar o MAPL de cada link com o LQI de cada Link, é necessário converter o MAPL para a potência de recepção expressa no equipamento receptor. Para isso, deve-se somar o MAPL a 100 dbm que representa o LQI mínimo de recepção. Estes dados seguem relacionados na tabela abaixo: LQI DO LINK MAPL DO LINK MAPL CONVERTIDO PARA LQI LQI MÉDIO DIFERENÇA ENTRE LQI MÉDIO E MAPL STATUS Addr1_to_Addr2 25,76 db -74,24 dbm -86,27 dbm -12,03 db Addr2_to_Addr1 25,76 db -74,24 dbm -88,19 dbm -13,95 db Addr9_to_Addr10 30,66 db -69,34 dbm -73,13 dbm -3,79 db Addr10_to_Addr9 24,66 db -75,34 dbm -79,25 dbm -3,91 db Os resultados expressos nessa tabela demonstram que o LQI Médio real ficou entre 3,91 db e 13,95 db pior que o LQI teórico calculado. Isso pode ser explicado devido ao fato do ambiente não apresentar uma Zona de Fresnel Livre perfeita. 20

21 COMPARAÇÃO DOS RESULTADOS Após analisar os diferentes testes realizados, é possível obter a tabela abaixo, a qual compara os diferentes tipos de antenas utilizados com os diferentes tipos de equipamentos. ANTENA UTILIZADA LQI MÉDIO Addr1_to_Addr2 LQI MÉDIO Addr2_to_Addr1 LQI MÉDIO Addr9_to_Addr10 LQI MÉDIO Addr10_to_Addr9 2 dbi -93,14 dbm -94,69 dbm -88,50 dbm -95,33 dbm 12 dbi -86,27 dbm -88,19 dbm -83,32 dbm -89,53 dbm 20 dbi -80,14 dbm -80,81 dbm -73,13 dbm -79,25 dbm Analisando a tabela acima, é possível concluir que a antena de 20 dbi apresenta uma relação de ganho de 13 db a 16,08 db com relação a antena de 2 dbi, enquanto a antena de 12 dbi apresenta uma relação de ganho de 5,8 db a 6,87 db com relação a antena de 2 dbi. Levando em consideração que o cabo utilizado na antena de 20 dbi possui uma atenuação de 6,2 db, sem o cabo, o ganho da antena ficaria entre 19,2 db e 22,08 db, ou seja, bem próximo aos 20 dbi especificados pela Aquário. Enquanto que a antena de 12 dbi, que possui um cabo com atenuação de 3,1 db, possuiria sem o cabo, um ganho de 8,9 db a 9,97 db, ou seja, de 2 db a 3 db abaixo do especificado pela Aquário. Isso indica que a antena mais adequada para uso em situações ponto a ponto de visada em longa distância é a MM_2420. Além disso, o ideal para a instalação dos equipamentos seria colocar uma antena MM_2420 em cada lado do link, tornando-o mais estável com melhor relação sinal ruído. 21

22 CONCLUSÃO Conforme pode ser visto na análise apresentada neste documento, independente do tipo de antena, ambos os equipamentos AirGate-Modbus e RHT-Air operaram com sucesso durante toda a realização dos testes. Entretanto, um ganho de sinal foi constatado com o uso de diferentes antenas, o que indica que é recomendável a avaliação e utilização de antenas direcionais em casos de aplicações ponto a ponto em longas distâncias. Além disso, é importante salientar que as orientações de instalação devem ser seguidas de acordo com o manual de cada antena, visto que cada uma possui características diferenciadas, o que interfere diretamente no ganho ou perda de sinal. Sendo assim, todas as informações contidas neste documento devem ser levadas em consideração para a obtenção de um bom link de comunicação. 22

23 NOTA Este documento possui caráter meramente informativo, o qual busca ilustrar testes realizados com diferentes tipos de antenas em diferentes situações de ambiente. Levando em consideração que o meio sem fio pode sofrer interferência por inúmeros fatores, a Novus não garante que os mesmos resultados serão obtidos em outros cenários. Todos os equipamentos sem fio da Novus estão homologados segundo resoluções da Anatel para operar apenas com a antena AR00357W0119N. Além disso, a Novus não comercializa outras antenas, tais como a MM_2412_S60 e a MM_2420 (comercializadas pela empresa Aquário). Portanto, o uso dos equipamentos da Novus com diferentes tipos de antena deve ser verificado junto com o fabricante da antena e seguir as resoluções da Anatel para atender o nível máximo de potência conforme potência de transmissão do equipamento e ganho da antena. RELATÓRIO DE TESTE DE DIFERENTES ANTENAS E EQUIPAMENTOS PARA O PROTOCOLO NOVUS IEEE AUTOR: Giuliano Guarese DESCRIÇÃO: Teste realizado para validar os equipamentos AirGate- Modbus e RHT-Air em suas distâncias limites de operação e verificar os benefícios de diferentes tipos de antena. 23

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena Transmissora Meio de

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-200

Descritivo Técnico AirMux-200 Multiplexador Wireless Broadband -Visualização da unidade indoor IDU e unidade outdoor ODU com antena integrada- Principais Características Rádio e multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1

Leia mais

PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL

PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE LOGÍSTICA E FINANÇAS DIVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA PROJETO DE ENLACE RADIO COMUNICAÇÃO DIGITAL FLORIANÓPOLIS JULHO

Leia mais

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA Caio Matheus Pereira Braga, Diego de Brito Piau, Heitor Ferreira Camargos Silva, Rafael Resende Moraes Dias, Yago Gomes Dos Santos Universidade

Leia mais

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Antonio Vivaldi Rodrigues Diretor de Engenharia CelPlan 2/32 Í N D I C E 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 2. INTRODUÇÃO... 6 3. SETUP

Leia mais

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO Diego de Brito Piau, Gilberto Arantes Carrijo Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia-MG diegopiau@yahoo.com.br, gilberto@ufu.br

Leia mais

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio Transmissor de áudio e vídeo sem fio Manual de operação Índice I. Introdução... 1 II. Informações de segurança... 1 III. Especificações... 1 IV. Instruções de instalação... 2 1. Opções de posicionamento...

Leia mais

AirGate-Modbus MANUAL DE INSTRUÇÕES. V1.1x B INTRODUÇÃO

AirGate-Modbus MANUAL DE INSTRUÇÕES. V1.1x B INTRODUÇÃO AirGate-Modbus MANUAL DE INSTRUÇÕES V1.1x B INTRODUÇÃO... 1 ESPECIFICAÇÕES... 2 CONEXÃO E INSTALAÇÃO... 3 OPERAÇÃO... 4 MODOS DE OPERAÇÃO... 5 UTILIZANDO OS MODOS DE OPERAÇÃO... 6 APLICAÇÃO COM LONGO ALCANCE...

Leia mais

Antenas Parabólicas -- Apostila Básica

Antenas Parabólicas -- Apostila Básica Antenas Parabólicas -- Apostila Básica Antenas parabólicas são usadas em UHF e Microondas. Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possuem um alto ganho. Uma antena receptora de satélites

Leia mais

5 - Antenas LINHAS DE TRANSMISSÃO. Antenas, Cabos e Rádio-Enlace. Componentes essenciais para uma comunicação Wireless ONDAS ELETROMAGNÉTICAS -OEM-

5 - Antenas LINHAS DE TRANSMISSÃO. Antenas, Cabos e Rádio-Enlace. Componentes essenciais para uma comunicação Wireless ONDAS ELETROMAGNÉTICAS -OEM- Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Componentes essenciais para uma comunicação Wireless Uso permitido por Luciano Valente Franz luciano@computech.com.br Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena

Leia mais

Nos links abaixo você encontrará maiores informações sobre o AirVIEW: página do produto software de instalação simulador web do AirVIEW

Nos links abaixo você encontrará maiores informações sobre o AirVIEW: página do produto software de instalação simulador web do AirVIEW AIRVIEW 2 - O Analisador espectro AirVIEW da Ubiquiti Networks é uma ferramenta que permite ao administrador de redes wireless determinar canais sobrecarregados e possíveis fontes de interferência que

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

Solução Acesso Internet Áreas Remotas

Solução Acesso Internet Áreas Remotas Solução Acesso Internet Áreas Remotas Página 1 ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL... 1 1. ESCOPO... 2 2. SOLUÇÃO... 2 2.1 Descrição Geral... 2 2.2 Desenho da Solução... 4 2.3 Produtos... 5 2.3.1 Parte 1: rádios

Leia mais

Apesar das vantagens, essa tecnologia apresenta a mesma desvantagem de outras tecnologias para a transmissão de dados: os cabos.

Apesar das vantagens, essa tecnologia apresenta a mesma desvantagem de outras tecnologias para a transmissão de dados: os cabos. Página 1 de 9 PROJETOS / Telecom 25/08/2008 10:44:40 Sistemas Wireless em chão de fábricas. Existem diversas opções de padrões de conexão entre equipamentos industriais e computadores. Dentre essas opções,

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-400

Descritivo Técnico AirMux-400 Multiplexador Wireless Broadband Principais Características Rádio e Multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1 e Ethernet; Opera na faixa de 2.3 a 2.5 Ghz e de 4.8 a 6 Ghz; Tecnologia do radio:

Leia mais

Este guia descreve como instalar a Antena Omnidirecional 10dbi da GTS Network (modelo: 78.0211A).

Este guia descreve como instalar a Antena Omnidirecional 10dbi da GTS Network (modelo: 78.0211A). Este guia descreve como instalar a Antena Omnidirecional 10dbi da GTS Network (modelo: 78.0211A). Apresenta como realizar a instalação, posicionamento correto e utilização com os principais equipamentos

Leia mais

Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011

Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011 Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011 valderez@adthec.com.br 25.08.2011 Uma analise dos modelos de propagação em função do tipo de recepção, através da predição de cobertura, modelos de

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg.

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg. UFSM-CTISM Comunicação de Dados - Exemplos práticos Aula-05 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Meio de é o caminho físico entre o transmissor e o receptor. Como visto numa aula anterior

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Link Budget. TE155-Redes de Acesso sem Fios

Link Budget. TE155-Redes de Acesso sem Fios Cálculo de perdas e ganhos nas instalações físicas Link Budget ( Contabilidade do Link) Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br

Leia mais

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL Broadband Wireless Access -Visualização da linha de produtos BreezeACCESS VL- Solução completa ponto multiponto para comunicação Wireless em ambiente que não tenha linda de visada direta, utiliza a faixa

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

RHT-Air 2 ESPECIFICAÇÕES 1 INTRODUÇÃO. EQUIPAMENTO WIRELESS DE TEMPERATURA E UMIDADE - MANUAL DE INSTRUÇÕES V1.0x

RHT-Air 2 ESPECIFICAÇÕES 1 INTRODUÇÃO. EQUIPAMENTO WIRELESS DE TEMPERATURA E UMIDADE - MANUAL DE INSTRUÇÕES V1.0x EQUIPAMENTO WIRELESS DE TEMPERATURA E UMIDADE - MANUAL DE INSTRUÇÕES V1.0x 1 INTRODUÇÃO O RHT-Air incorpora um sensor de alta precisão e estabilidade para medição de temperatura e umidade relativa. Por

Leia mais

Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C

Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C Agosto de 2012 1 Agenda Testes da Star One A Questão afeta toda a Banda C e não somente a Banda Estendida Tanto a Transmissão Digital quanto a Analógica

Leia mais

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT 1. Pré Requisitos Com base no que foi proposta, a rede wireless do Bloco K da Colina deve atender aos seguintes requisitos: Padrão IEEE

Leia mais

Conceitos de RF e Wireless Outdoor. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com

Conceitos de RF e Wireless Outdoor. Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Conceitos de RF e Wireless Outdoor Eng. Alessandro C. Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos

Leia mais

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas Antenas Parabólicas Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possui um alto ganho. Uma antena receptora de satélites de 3 metros de diâmetro, por exemplo, tem um ganho de 33dB, ou seja,

Leia mais

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00. COMPANHIA ESTADUAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS Especificações Técnicas Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.058 Cod.

Leia mais

ENH916-NWY. Manual do Usuário

ENH916-NWY. Manual do Usuário ENH916-NWY Manual do Usuário Aviso da FCC Este equipamento foi testado e se encontra em conformidade com os limites de dispositivo digital de Classe B, de acordo com a Parte 15 das Regras de FCC. Estes

Leia mais

WirelessHART Manager

WirelessHART Manager Descrição do Produto O uso de tecnologias de comunicação de dados sem fio em sistemas de automação industrial é uma tendência em crescente expansão. As vantagens do uso de tecnologia sem fio são inúmeras

Leia mais

Convivência Banda C Satélite e WiMAX

Convivência Banda C Satélite e WiMAX Convivência Banda C Satélite e WiMAX 16 de agosto de 2011 Interferência na Banda C Sinal satélite ( transmitido a 36.000 km de distância) recebido com potência muito menor que sinal WiMAX (transmitido

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA CATÁLOGO DE PRODUTOS Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA 2 Deltafire Ltda. R. Pinheiro Machado, 3271 Caxias do Sul, RS Tel. 54 3204-4000 CEP 95020-172 www.deltafire.com.br Central

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

NORMA Nº 15/96. CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz.

NORMA Nº 15/96. CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz. NORMA Nº 15/96 CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz. 1-OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer a canalização e as condições

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

MODELAGEM DE CANAL DE UMA REDE SEM FIO 802.16 APLICAÇÃO PARA A AVENIDA ENTRE ENTRADAS 2 E 3 DO CAMPUS I DA PUC-CAMPINAS

MODELAGEM DE CANAL DE UMA REDE SEM FIO 802.16 APLICAÇÃO PARA A AVENIDA ENTRE ENTRADAS 2 E 3 DO CAMPUS I DA PUC-CAMPINAS MODELAGEM DE CANAL DE UMA EDE SEM FIO 8.16 APLICAÇÃO PAA A AVENIDA ENE ENADAS E 3 DO CAMPUS I DA PUC-CAMPINAS Guilherme Cezarini eieira PUC-Campinas CEAEC gui_cezarini@puc-campinas.edu.br Norma eggiani

Leia mais

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek 6.5. Caracterização da saturação do LNBF A verificação de nível de saturação no LNBF foi feita com o aumento do nível de sinal de TX até que se observasse frequências espúrias no analisador de espectro.

Leia mais

MODELAGEM DE CANAL DE UMA REDE SEM FIO 802.16 APLICAÇÃO NO CENTRO TECNOLÓGICO DO CAMPUS I DA PUC- CAMPINAS

MODELAGEM DE CANAL DE UMA REDE SEM FIO 802.16 APLICAÇÃO NO CENTRO TECNOLÓGICO DO CAMPUS I DA PUC- CAMPINAS MODELAGEM DE CANAL DE UMA EDE SEM FIO 80.16 APLICAÇÃO NO CENO ECNOLÓGICO DO CAMPUS I DA PUC- CAMPINAS Gabriel Seicenti Fernandes PUC-Campinas Ceatec gabriel_sf87@hotmail.com Norma eggiani PUC-Campinas

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO. NanoStation5

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO. NanoStation5 MANUAL DE CONFIGURAÇÃO NanoStation5 NanoStation5 AAP Versão 1.0 Português Brasil HOMOLOGAÇÃO / CERTIFICAÇÃO Certificado de Homologação Nº 2805-08-4940 Este produto esta homologado pela Anatel de acordo

Leia mais

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 Versão 1.01 Infinium Automação Industrial Ltda contato@infiniumautomacao.com.br 1. APRESENTAÇÃO O rádio modem RMC-900 foi projetado para utilização em sistemas

Leia mais

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador WSI250 - HI Tecnologia W i re l e s s S i g n a l I n t e r fa c e O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador WSI250 da HI tecnologia

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO S501 CONNECT Versão 1.0.1 / Revisão 1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 S. Caetano do Sul - SP - Brasil Fone:

Leia mais

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores Attack 1.35 Software de controle e Monitoração de amplificadores 1 Índice 1 Hardware necessário:... 3 1.1 Requisitos do computador:... 3 1.2 Cabos e conectores:... 3 1.3 Adaptadores RS-232 USB:... 4 1.4

Leia mais

Telefonia Celular. Renato Machado

Telefonia Celular. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 23 de Setembro de 2011 Sumário 1 2 3 Fórmula de Friis

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

Análise do Enlace de Comunicação

Análise do Enlace de Comunicação Análise do Enlace de Comunicação Edmar José do Nascimento (Tópicos Avançados em Engenharia Elétrica I) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado

Leia mais

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO Dezembro de 2011 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406082 Revisão 0.0 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO 1... 1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1 ONDE

Leia mais

Guia de instalação WOM 5000

Guia de instalação WOM 5000 Guia de instalação WOM 5000 Roteador Wireless WOM 5000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O WOM 5000 com antena integrada de 12 dbi fornece uma solução completa

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

WLAN WIRELESS STATION. Manual do usuário MAIT0078R00

WLAN WIRELESS STATION. Manual do usuário MAIT0078R00 WIRELESS STATION MAIT0078R00 Manual do usuário 8 1 Especificações Técnicas PQPL-24XX CPE Proeletronic Frequência Ganho VSWR Relação Frente/costa OE/OH Polarização cruzada Impedância PQPL-2412 PQPL-2417

Leia mais

SpinCom Telecom & Informática

SpinCom Telecom & Informática Rastreador GPS/GSM modelo Com as fortes demandas por segurança e gestão de frota, a SpinCom, acaba de lançar o rastreador GPS/GSM modelo. O rastreador é indicado para aplicações de rastreamento de automóveis,

Leia mais

SafeLink Aplicações & seleção de Sistemas de Segurança

SafeLink Aplicações & seleção de Sistemas de Segurança SafeLink Aplicações & seleção de Sistemas de Segurança Productos Collet-Lok Cilindros giratórios Cilindros de apoio Cilindros lineares Fontes de acionamento Mostradoss: SLS-2 Sistema de Segurança oferece

Leia mais

1. Descrição do Produto

1. Descrição do Produto 1. Descrição do Produto Os repetidores óticos FOCOS/PROFIBUS AL-2431 e AL-2432 destinam-se a interligação de quaisquer dispositivos PROFIBUS, assegurando altíssima imunidade a ruídos através do uso de

Leia mais

Guia de Instalação WBN 900

Guia de Instalação WBN 900 Guia de Instalação WBN 900 WBN 900 Adaptador USB Wireless N Modelo Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O adaptador USB Wireless N WBN 900 é um dispositivo

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 4 Avaliação/validação da implementação do SMD 113

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 4 Avaliação/validação da implementação do SMD 113 Capítulo 4 Avaliação/validação da implementação do SMD 113 CAPÍTULO 4 AVALIAÇÃO/VALIDAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Para a avaliação e validação do SMD o equipamento biomédico utilizado foi um Oxímetro Dixtal,

Leia mais

Rede Wireless Para LAN e WAN

Rede Wireless Para LAN e WAN Rede Wireless Para LAN e WAN Marcos Macoto Iwashita CERNET Tecnologia e Sistemas macoto@cernet.com.br www.cernet.com.br INTRODUÇÃO Toda a tecnologia wireless não é nova, porém, em nossos dias apresenta

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas Página: 2 / 5 Telemetria para Medição de Consumo Introdução Este documento apresenta as características técnicas da solução de telemetria do consumo de água, gás e energia (e outros medidores com saída

Leia mais

4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição

4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição 4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição Neste capítulo são descritos o sistema de transmissão, recepção e aquisição de dados utilizados no experimento. São descritas, ainda, a metodologia utilizada

Leia mais

Redes Wireless. 26/1/07 Rui Santos

Redes Wireless. 26/1/07 Rui Santos Redes Wireless 26/1/07 Rui Santos Índice Introdução Classificação das redes sem fios Padrões Wi-Fi Equipamento necessário Segurança Links 05-02-2007 2 Introdução http://pt.wikipedia.org/wiki/rede_sem_fios

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Como utilizar o Router-OS na elaboração do laudo radiométrico. Por: Kleber de Albuquerque Brasil Beleza Network Provedor de Internet

Como utilizar o Router-OS na elaboração do laudo radiométrico. Por: Kleber de Albuquerque Brasil Beleza Network Provedor de Internet Como utilizar o Router-OS na elaboração do laudo radiométrico Por: Kleber de Albuquerque Brasil Beleza Network Provedor de Internet 1 Palestrante: Kleber de Albuquerque Brasil Mini Curriculum 1997 E.T.F.

Leia mais

5 Resultados. 1 Os resultados apresentados foram obtidos com 1 rodada do simulador.

5 Resultados. 1 Os resultados apresentados foram obtidos com 1 rodada do simulador. 5 Resultados A dificuldade em modelar analiticamente o comportamento de sistemas celulares hierarquizados faz com que grande parte dos estudos de desempenho destes sistemas seja baseada em simulações.

Leia mais

TE155-Redes de Acesso sem Fios Cabos e Acessórios

TE155-Redes de Acesso sem Fios Cabos e Acessórios Cabos e Acessórios Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br Cabos e Assessórios Cabos Coaxiais Conectores e Pigtails Cabos Coaxiais Irradiantes

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO MANUAL DO PRODUTO SISTEMA SEM FIO PARA ALARME DE INCÊNDIO ENDEREÇÁVEL WALMONOF ROTEADOR

MANUAL DO PRODUTO MANUAL DO PRODUTO SISTEMA SEM FIO PARA ALARME DE INCÊNDIO ENDEREÇÁVEL WALMONOF ROTEADOR SISTEMA SEM FIO PARA ALARME DE INCÊNDIO ENDEREÇÁVEL WALMONOF ACIONADOR MANUAL BWF/3V6 ROTEADOR RTWF/24 DETECTOR DE FUMAÇA DFEWF CRIA UMA ZONA SEM FIO QUE POSSIBILITAR COLOCAR BOTOEIRAS E DETECTORES SEM

Leia mais

PTTMETRO. 5º PTTForum

PTTMETRO. 5º PTTForum PTTMETRO AVALIAÇÃO DE REDES ÓPTICAS METROPOLITANAS 5º PTTForum 29 de Novembro de 2011 Salvador Rodrigues Equipe de Engenharia PTT.br AGENDA: - COMPONENTES DE REDE ÓPTICA

Leia mais

AirGate-Modbus MANUAL DE INSTRUÇÕES. V1.1x INTRODUÇÃO

AirGate-Modbus MANUAL DE INSTRUÇÕES. V1.1x INTRODUÇÃO AirGate-Modbus MANUAL DE INSTRUÇÕES V1.1x INTRODUÇÃO... 1 ESPECIFICAÇÕES... 2 CONEXÃO E INSTALAÇÃO... 3 OPERAÇÃO... 4 MODOS DE OPERAÇÃO... 5 UTILIZANDO OS MODOS DE OPERAÇÃO... 6 APLICAÇÃO COM LONGO ALCANCE...

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP 26430 - INST.FED.DE EDUC.,CIENC.E TEC.S.PERNAMBUCANO 158149 - INST.FED.EDUC.CIENC.E TEC.SERTãO PERNAMBUCANO RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - EQUIPAMENTO

Leia mais

Acompanha: 1 cabo de 4m 1 adaptador para plug p10 1 antena 1 receptor. Este microfone pode ser usado com ou sem fio.

Acompanha: 1 cabo de 4m 1 adaptador para plug p10 1 antena 1 receptor. Este microfone pode ser usado com ou sem fio. VX 101: Produto:VHF Sistema de Microfone sem fio de um canal Frequência de Recepção: VHF 165 270 Mhz Estabilidade de frequência:< 0.002% Sensibilidade: 80 dbm Taxa de S/N: > 70dB Voltagem de energia AC

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Guia de instalação WBN 241

Guia de instalação WBN 241 Guia de instalação WBN 241 Adaptador USB Wireless N 150 WBN 241 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O adaptador USB Wireless N 150 WBN 241 é um dispositivo

Leia mais

Sumário. 4. Clique no botão Salvar & Aplicar para confirmar as alterações realizadas no. Reiniciar o SIMET- BOX

Sumário. 4. Clique no botão Salvar & Aplicar para confirmar as alterações realizadas no. Reiniciar o SIMET- BOX Manual do usuário Sumário Introdução... 3! Instalar o SIMET-BOX... 4! Primeiro acesso ao SIMET-BOX... 5! Estado Atual... 7! Visão Geral... 7! Gráficos... 8! Rede... 9! Rede sem fio... 9! Ativar rede sem

Leia mais

TE155-Redes de Acesso sem Fios Antenas. Antenas

TE155-Redes de Acesso sem Fios Antenas. Antenas Antenas Antenas Ewaldo LuIz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br Antenas Ondas Eletromagnéticas Linha e Antena Cálculos em db / dbi Antenas para

Leia mais

Antenas Parabólicas. - Tela de alumínio; - Fibra de vidro; - Alumínio.

Antenas Parabólicas. - Tela de alumínio; - Fibra de vidro; - Alumínio. Antenas Parabólicas Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possui um alto ganho. Uma antena receptora de satélites de 3 metros de diâmetro, por exemplo, tem um ganho de 33dB, ou seja,

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE.

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE. Antena Coletiva: Projeto e Cuidados para Receber a TV Digital Este tutorial apresenta considerações para projeto de sistemas de antena coletiva para distribuir sinais de TV digital de alta definição, HD,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Rua Coronel Botelho, 64 - Alto da Lapa - CEP: 05088-020 São Paulo - SP - Brasil +55 (11) 3832-6102 PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 - MANUAL

Leia mais

Introdução. Configurações mínimas. A embalagem contém

Introdução. Configurações mínimas. A embalagem contém Introdução Obrigado por adquirir o Repetidor / Roteador Wi-Fi N High Power - 150 Mbps (1T1R) Comtac. Utilizado principalmente para aumentar a cobertura da rede Wi-Fi em locais distantes do roteador principal.

Leia mais

Sumário. Capítulo 2 COMPONENTES... 5

Sumário. Capítulo 2 COMPONENTES... 5 Sumário Capítulo 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 Apresentação... 3 1.2 Sobre este manual... 3 1.3 Instruções de segurança... 3 1.4 Instruções de instalação... 4 1.4.1 Fixação... 4 1.4.2 Ventilação... 4 1.4.3 Proteção

Leia mais

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez Advanced Wireless Networks Overview & Configuration Workshop by Nicola Sanchez Microwave Wireless Telecom - Brasil Distribuidor Mikrotik no Brasil Fornecedor de Soluções em Redes Wireless Consultoria e

Leia mais

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 Versão 1.00 Agosto 2012 Infinium Automação Industrial Ltda contato@infiniumautomacao.com.br 1. APRESENTAÇÃO O rádio modem RMC-900 foi projetado para utilização

Leia mais

TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO

TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE SOM 2.0 CANAIS HI-FI ÍNDICE Prefacio...2 Conteúdo da Embalagem...2 Informações de segurança...3 Funções do Painel Frontal...4 Funções Painel Traseiro...4 Conexões do

Leia mais

manual do usuário ANT 14 e ANT 17

manual do usuário ANT 14 e ANT 17 manual do usuário ANT 14 e ANT 17 ÍNDICE ANTES DE USAR...3 ESPECIFICAÇÕES DAS ANTENAS ANT14 E ANT17...4 CARACTERÍSTICAS...4 DIAGRAMAS DE FREQUENCIAS...5 DICAS DE INSTALAÇÃO E SEGURANÇA...6 INSTALAÇÃO...7

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Acionador Manual de Alarme de Incêndio Convencional Á Prova de Tempo (IP67) Resetável Código: AFMCPEIP67. O acionador manual de alarme de incêndio AFMCPEIP67 é um equipamento que deve ser instalado na

Leia mais

Senhor Pregoeiro: Chegou ao conhecimento desta Divisão de Hardware e Redes apresentação de questionamentos

Senhor Pregoeiro: Chegou ao conhecimento desta Divisão de Hardware e Redes apresentação de questionamentos Senhor Pregoeiro: Chegou ao conhecimento desta Divisão de Hardware e Redes apresentação de questionamentos ao Edital da Concorrência de Registro de Preços CR-RP N. 019/CELIC/2014, que trata da contratação

Leia mais

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO OUTORGA DE SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA SCM sendo um serviço fixo de telecomunicações de interesse

Leia mais

GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL

GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL GT PERSONAL GPS RASTREAMENTO PESSOAL Baseados em nossa experiência em aplicações de GPS e Telemetria, e devido às pequenas dimensões (70x40x20 mm) do GT PERSONAL GPS este dispositivo portátil executa o

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

ENH908-NWY. Manual do Usuário

ENH908-NWY. Manual do Usuário ENH908-NWY Manual do Usuário O dispositivo é um poderoso switch Fast Ethernet de alto desempenho, com todas as portas capazes de realizarem operações de negociação automática (NWay) de 10 ou 100 Mbps,

Leia mais

1 de 6 25/08/2015 10:22

1 de 6 25/08/2015 10:22 1 de 6 25/08/2015 10:22 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano Termo de Adjudicação

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

Manual de Operação TCU 100

Manual de Operação TCU 100 Manual de Operação TCU 100 INTRODUÇÃO Seguindo em sua constante busca pela satisfação de seus clientes, a Urano apresenta este seu novo produto, o TCU100. Trata-se de um terminal de consulta de preços

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Sumário DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS...4 LED DE STATUS DO MODULO...4 ESQUEMA DE LIGAÇÕES...5 LIGAÇÃO DO CABO DE COMUNICAÇÃO...6

Leia mais