Planejamento Determinativo de Termelétricas Estruturantes O elo de integração entre eletricidade e gás natural no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejamento Determinativo de Termelétricas Estruturantes O elo de integração entre eletricidade e gás natural no Brasil"

Transcrição

1 Planejamento Determinativo de Termelétricas Estruturantes O elo de integração entre eletricidade e gás natural no Brasil DIOGO LISBONA (GEE - IE/UFRJ) EDMAR DE ALMEIDA (GEE IE/UFRJ) LUCIANO LOSEKANN (GEE - UFF)

2 Motivações Necessidade de geração térmica na base Janela de oportunidade: aproveitamento do gás do pré-sal Reestruturação/Abertura do setor do gás Entrada de novos players Saída da Petrobras Garantia de suprimento e provisão de flexibilidade Planejamento indicativo gás-eletricidade truncado Maturidade da indústria doméstica de gás requer maior coordenação

3 BRASIL: matriz renovável em expansão dez.2015 FONTE: ONS, EPE, CCEE

4 Flexibilidade Térmica para Otimizar Variabilidade Hídrica Operador otimiza despacho hidro-térmico Térmicas flexíveis baixo custo fixo, mas elevado custo variável (R$ 2 bi a.m.) FONTE: ANEEL

5 Novo Paradigma Operativo: Geração térmica na base Maior intermitência (eólica, UHE fio d água, solar...) + perda de regularização dos reservatórios deplecionamento hídrico acentuado Despacho térmico recorrente e duradouro Flexibilidade custosa e inadequada FONTE: ONS

6 Oferta Doméstica de Gás: Inflexível FONTE: MME

7 Expansão Térmica a Gás Natural: Alterna Fases de Expansão e Estagnação Flexibilidade representa entrave à integração GNL foi solução encontrada para prover flexibilidade Expansão elétrica desconsidera risco de suprimento por volatilidade de custo de combustível e por dependência energética FONTE: MME

8 FONTE: MME, EPE

9 Planejamento Planejamento deve estabelecer metas de desenvolvimento para o setor Metas alinhadas com política energética e flexíveis Planejamento reduz riscos e induz a alocações eficientes Planejamento pode ser indicativo ou determinativo Historicamente: caráter determinativo Após liberalização e reestruturação: caráter indicativo PDE Indicativo PEMAT Determinativo (só considera expansão térmica contratada) Instrumento determinativos: Leilões Estruturantes, Fontes Alternativas e de Reserva (além de discricionariedade das regras)

10 Maior Participação de Térmicas a Gás na Matriz Projetada PDE indica expansão térmica preferencialmente a gás natural para não comprometer a expansão renovável FONTE: EPE

11 Entraves às térmicas a gás Inflexibilidade máxima permitida de apenas 50% Exigência, a todas as térmicas candidatas, de comprovação de reserva para lastro de combustível para o despacho integral por todo o contrato Não se admite consórcio de supridores Penalidades não diferenciam indisponibilidades conjunturais de estruturais Externalidades positivas não são contabilizadas na seleção dos projetos

12 Custos da disponibilidade e da flexibilidade são refletidos no preço do gás natural Considerando: consumo específico (heat rate) de cada central, CVU da semana operativa 20/5/2016 a 27/05/2016, O&M variável de US$ 6/MWh e taxa de câmbio de R$ 3,50/US$. FONTE: MME, ONS

13 Térmicas Estruturantes a Gás Natural Projeto específico com caráter estratégico e interesse público Características da Térmica Estruturante a Gás Natural Operação na base da carga (inflexibilidade > 50%) Localização adequada, para setor elétrico e para malha de gasodutos Combustível utilizado proveniente de recursos domésticos (NÃO GNL) Proposta com caráter geral, para gás onshore e offshore

14 Caráter Estratégico e Interesse Público

15 Premissas da Proposta Caráter estruturante Geração de externalidades positivas Princípio da Contestabilidade Bases competitivas em relação às alternativas de expansão (GNL) Atendimento ao mercado não térmico Oferta de gás natural deve ser superior à demanda da termelétrica Induzir concorrência entre produtores Dificuldade com oferta restrita: produtores complementam, não concorrem

16 Planejamento Estrutural 1º PLANEJAMENTO 2º MANIFESTAÇÕES 3º PROJETO 4º LEILÃO 5º LEILÃO DA ESTRUTURANTE DE INTERESSE TÉCNICO DE GÁS TÉRMICA Integração PDE - PEMAT Estudos conceituais EPE: identificar potenciais de oferta e demanda de gás (de TODOS os segmentos) Identificação de locais ideais (indústria do gás e setor elétrico) Escolha (e justificativa) de um projeto estruturante Local Projeto conceitual

17 Manifestação de Interesse 1º PLANEJAMENTO 2º MANIFESTAÇÕES 3º PROJETO 4º LEILÃO 5º LEILÃO DA ESTRUTURANTE DE INTERESSE TÉCNICO DE GÁS TÉRMICA Pré-Edital do Leilão de Gás ANP Manifestação de Interesse dos Supridores Declaração de capacidade de entrega (prazo e volume) Definição de oferta máxima Manifestação de Interesse de Consumidores Não-térmicos Definição de Demanda Adicional Eventual revisão do Projeto Técnico Redimensionamento (térmica / transporte e/ou escoamento) Condições contratuais

18 Projeto Técnico 1º PLANEJAMENTO 2º MANIFESTAÇÕES 3º PROJETO 4º LEILÃO 5º LEILÃO DA ESTRUTURANTE DE INTERESSE TÉCNICO DE GÁS TÉRMICA Elaborado pela EPE + AGENTE INVESTIDOR Contempla: Térmica + Transporte e/ou Escoamento (Escoamento offshore = tronco de gasoduto + UPGN) Definição do tamanho da térmica, parâmetros e especificidades Localização específica Inflexibilidade Eficiência Preço-teto para eletricidade / gás natural Tarifa máxima de transporte e/ou escoamento Obtenção do sítio e de licença ambiental prévia (LI) MME propõe e CNPE aprova projeto de Térmica Estruturante

19 Leilão de Gás 1º PLANEJAMENTO 2º MANIFESTAÇÕES 3º PROJETO 4º LEILÃO 5º LEILÃO DA ESTRUTURANTE DE INTERESSE TÉCNICO DE GÁS TÉRMICA Edital Qualificação dos participantes (vendedores) Leilão de Gás ANP Oferta firme de Gás Natural Possibilidade de complementação de ofertas (prazo e volume) Comprovação de reserva não é necessária para todo período Leilão define preço do gás e indexadores Leilão térmico Contratação da infraestrutura (transporte / distribuição / escoamento) Eventual adequação do Projeto Técnico

20 Leilão da Térmica 1º PLANEJAMENTO 2º MANIFESTAÇÕES 3º PROJETO 4º LEILÃO 5º LEILÃO DA ESTRUTURANTE DE INTERESSE TÉCNICO DE GÁS TÉRMICA Edital de Leilão da Térmica ANEEL Leilão da Térmica CCEE Leilão por menor tarifa (custo combustível já definido) ICB é desnecessário Disputa pelo Projeto Técnico Vencedor ressarce AGENTE INVESTIDOR AGENTE INVESTIDOR tem preferência (direito a último lance)

21 Desafios Tronco de gasoduto offshore + UPGN Como planejar e viabilizar investimento no escoamento e manter um ambiente de competição entre produtores de gás? Como estabelecer e conciliar prazos de contratação de gás diferentes para térmica e outros segmentos? Cronograma do leilão da térmica estruturante e gasoduto de transporte Tarifa máxima de transporte deve ser estabelecida antes das manifestações de consumidores não térmicos

22 OBRIGADO DIOGO LISBONA ROMEIRO

O Protagonismo das Novas Energias Renováveis e o Desafio de Remunerar a Maior Flexibilidade Exigida aos Sistemas Elétricos

O Protagonismo das Novas Energias Renováveis e o Desafio de Remunerar a Maior Flexibilidade Exigida aos Sistemas Elétricos O Protagonismo das Novas Energias Renováveis e o Desafio de Remunerar a Maior Flexibilidade Exigida aos Sistemas Elétricos DIOGO LISBONA (GEE - IE/UFRJ) CLARICE FERRAZ (GEE - EQ/UFRJ) Roteiro da Apresentação

Leia mais

AGENDA DA INDÚSTRIA DE GÁS NATURAL PARA O PRÓXIMO GOVERNO

AGENDA DA INDÚSTRIA DE GÁS NATURAL PARA O PRÓXIMO GOVERNO AGENDA DA INDÚSTRIA DE GÁS NATURAL PARA O PRÓXIMO GOVERNO Professor Marcelo Colomer Novembro de 2014 Contexto Atual da Indústria de Gás Natural no Brasil Pelo lado da demanda Elevado crescimento da demanda

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores:

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores: USINAS TERMELÉTRICAS Autores: Hermínio Fonseca Almeida ONS Joel Mendes Pereira ONS José Renato Dantas ONS Marcelo Prais ONS Ney Fukui da Silveira ONS Paulo César P. da Cunha ONS Túlio Mascarenhas Horta

Leia mais

Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético. Maio de 2017

Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético. Maio de 2017 Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético Maio de 2017 Instabilidade do preço-teto nos leilões O preço teto para a fonte biomassa tem

Leia mais

Planejamento Energético Matriz Futura

Planejamento Energético Matriz Futura Planejamento Energético Matriz Futura Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor PROMOÇÃO Belo Horizonte, MG 24 de Abril de 2014 O planejamento energético é orientado para atender

Leia mais

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural João Carlos de Souza Meirelles Secretário Potência de Geração de Energia Elétrica Comparativo entre São Paulo e o Brasil Tipos de Geração Capacidade Instalada

Leia mais

Fórum. Abraceel CanalEnergia. O desenvolvimento do mercado brasileiro de energia, a experiência européia e os desafios e perspectivas para a expansão

Fórum. Abraceel CanalEnergia. O desenvolvimento do mercado brasileiro de energia, a experiência européia e os desafios e perspectivas para a expansão Fórum Abraceel CanalEnergia O desenvolvimento do mercado brasileiro de energia, a experiência européia e os desafios e perspectivas para a expansão Edson Luiz da Silva Gerente de Assunto Regulatórios e

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Por Dentro da Tractebel Florianópolis, 1º de agosto de 2013 Manoel Zaroni Torres - CEO Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Expansão da Matriz

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Março de 2014 1 Conjuntura do Sistema 2 Recordes de demanda mensal de energia elétrica... Fev/14 68.500 61.106

Leia mais

Visão de Futuro da Indústria de Gás no Brasil

Visão de Futuro da Indústria de Gás no Brasil Visão de Futuro da Indústria de Gás no Brasil 1 INTRODUÇÃO A indústria de gás natural brasileira atravessa um momento crucial para o seu desenvolvimento. Esta indústria foi organizada e estruturada tendo

Leia mais

Expansão da Malha de Transporte de Gás Natural no Brasil

Expansão da Malha de Transporte de Gás Natural no Brasil Expansão da Malha de Transporte de Gás Natural no Brasil Professor Marcelo Colomer Grupo de Economia da Energia IE.UFRJ Porque Expandir a Malha de Transporte de Gás Natural no Brasil? Crescimento da Indústria

Leia mais

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Palestra Apimec RJ 19/set/2011 Leonardo Lima Gomes Agenda 1. Visão Geral do Setor 2. Mercado de Energia Elétrica 3. Perspectivas Desenvolvimento Mercado 4. Perspectivas

Leia mais

Incentivos para a Expansão da Oferta e Desenvolvimento da Demanda por Gás Natural

Incentivos para a Expansão da Oferta e Desenvolvimento da Demanda por Gás Natural Incentivos para a Expansão da Oferta e Desenvolvimento da Demanda por Gás Natural Workshop Perspectivas para o Setor de Gás Natural no Brasil São Paulo, 31 de outubro de 2016 José Mauro Coelho Diretoria

Leia mais

ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil

ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil Diversificação da Matriz Termelétrica Outubro de 2009 A Importância da Diversificação das Fontes no Sistema Elétrico Brasileiro Diversificação das Fontes

Leia mais

Apresentação para ENASE Modernização e Evolução do Modelo Setorial

Apresentação para ENASE Modernização e Evolução do Modelo Setorial Apresentação para ENASE Modernização e Evolução do Modelo Setorial Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do Operador Luiz Eduardo Barata Ferreira Diretor Geral Rio de Janeiro, 17 de maio de

Leia mais

Elbia Melo Presidente Executiva

Elbia Melo Presidente Executiva Elbia Melo Presidente Executiva QUEM SOMOS A ABEEólica Associação Brasileira de Energia Eólica congrega, em todo o Brasil, contando com 94 empresas pertencentes à cadeia produtiva direcionada à produção

Leia mais

Licitação de Gasodutos de Transporte

Licitação de Gasodutos de Transporte Mesa Redonda sobre Energia no Brasil : O inicio de uma nova era energética? Licitação de Gasodutos de Transporte Melissa Cristina Mathias José Cesário Cecchi Superintendência de Comercialização e Movimentação

Leia mais

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Presidente Executivo Encontro Nacional do Setor Elétrico ENASE 2017 Rio de Janeiro (RJ) 18/05/2017 Focos Principais Representar

Leia mais

Fernando Henrique Schüffner Neto

Fernando Henrique Schüffner Neto Fernando Henrique Schüffner Neto 24/Março/2011 Tópicos i. Produção de Energia Elétrica ii. Comercialização da Energia Elétrica iii. Panorama Atual das Fontes Geração Grandes Centrais Hidrelétricas (UHE)

Leia mais

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Planejamento nacional e Integração elétrica regional Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Foz do Iguaçu, Brasil 27 de novembro de 2015 Planejamento nacional e Integração elétrica regional

Leia mais

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES POR QUE PLANEJAR? Há necessidade de prever as possibilidades do amanhã para esboçar, com

Leia mais

BASES DE DADOS EM ENERGIA

BASES DE DADOS EM ENERGIA BASES DE DADOS EM ENERGIA Ministério de Minas e Energia João Antonio Moreira Patusco Seminário sobre Bases de Dados de Energia Associação de Reguladores Iberoamericanos de Energia ARIAE RJ 17 e 18 de junho

Leia mais

Metodologias e Critérios para o planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila

Metodologias e Critérios para o planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Metodologias e Critérios para o planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila Curitiba-Brasil,

Leia mais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais 6º Painel - Direito da Concorrência e a Regulação Setorial harmonização e discordâncias Visão da Comercialização de Energia

Leia mais

07/04/2010. Abril/2008. Apresentação 5 e 6

07/04/2010. Abril/2008. Apresentação 5 e 6 Abril/2008 Apresentação 5 e 6 1 Bibliografia Mercado PDEE 2008-2017 Hipóteses: UM único cenário com créscimento médio do PIB de 4,9% a.a. e crescimento médio do consumo de energia elétrica de 5,4% a.a.

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro 15 de agosto de 2012 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Zilmar José de Souza Planejamento Termelétrico Brasileiro Rio de Janeiro RJ 11 de abril de 2012 A

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS POLÍTICAS PÚBLICAS E PROMOÇÃO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Marcelo Khaled Poppe, Secretário de Desenvolvimento Energético MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA BRASIL- MATRIZ ENERGÉTICA Petróleo 47,1% Nuclear 1,2%

Leia mais

Operação do SIN. PEA3496 Prof. Marco Saidel

Operação do SIN. PEA3496 Prof. Marco Saidel Operação do SIN PEA3496 Prof. Marco Saidel SIN: Sistema Interligado Nacional Sistema hidrotérmico de grande porte Predominância de usinas hidrelétricas Regiões (subsistemas): Sul, Sudeste/Centro-Oeste,

Leia mais

Tiago de Barros Correia Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. O SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRICIDADE: Desafios de curto e médio prazo

Tiago de Barros Correia Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. O SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRICIDADE: Desafios de curto e médio prazo Tiago de Barros Correia Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL O SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE ELETRICIDADE: Desafios de curto e médio prazo Roteiro Apresentação institucional As competências da ANEEL

Leia mais

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Painel 3 - INTEGRAÇÃO NO MERCOSUL Seminário Internacional de Integração Elétrica da América do Sul 7 de agosto de 2012 Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Sistema Interligado

Leia mais

FÓRUM E MOSTRA TECNOLÓGICA ÁGUA E ENERGIA.

FÓRUM E MOSTRA TECNOLÓGICA ÁGUA E ENERGIA. FÓRUM E MOSTRA TECNOLÓGICA ÁGUA E ENERGIA Sandra Carneiro ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA COMPARATIVA DE FONTES DE ENERGIA Vitória (ES), Junho de 2017. Sandra Carneiro PEDRO PACHECO BACHETI 2013 2014 2015

Leia mais

Perspectivas para o Novo Cenário do Gás Natural no Brasil

Perspectivas para o Novo Cenário do Gás Natural no Brasil Perspectivas para o Novo Cenário do Gás Natural no Brasil Prof. Edmar de Almeida Grupo de Economia da Energia Instituto de Economia UFRJ 1 Forum do Gás Natural Outline da Apresentação Contexto atual da

Leia mais

Em ambos os casos, o Custo Variável Unitário CVU é constituído de duas parcelas: custo do combustível; e demais custos variáveis, ou seja:

Em ambos os casos, o Custo Variável Unitário CVU é constituído de duas parcelas: custo do combustível; e demais custos variáveis, ou seja: 1. OBJETIVO A Portaria MME Nº 113, de 1º de fevereiro de 2011, deflagrou a promoção dos leilões de compra de energia elétrica proveniente de novos empreendimentos de geração (A-3/2011) bem como a contratação

Leia mais

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002 O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO Walfrido Avila - 06/2002 1 1 - CENÁRIOS DE EVOLUÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO CENÁRIO DE REFERÊNCIA (1) Critérios com base na Resolução

Leia mais

Segurança energética: Geração térmica no Brasil

Segurança energética: Geração térmica no Brasil III Seminário sobre a Matriz e Segurança Energética -FGV Segurança energética: Geração térmica no Brasil Silvia Calou Diretora-Presidente CSPE ARSESP (Lei Complementar 1025/2007) Multissetorial: Gás Canalizado

Leia mais

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas.

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas. XX Simpósio Jurídico da ABCE Os 10 anos da Lei 10.848/2004, reflexões e perspectivas. São Paulo Outubro de 2014 Ricardo Brandão Procurador-Geral da ANEEL Marcos normativos antecedentes à Lei 10.848/2004

Leia mais

Matriz Elétrica Brasileira e

Matriz Elétrica Brasileira e Matriz Elétrica Brasileira e as REI s 3 0 Seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Rio de Janeiro, 20 de Setembro de 2016 Jeferson Borghetti

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E FONTES RENOVÁVEIS: UMA DISCUSSÃO SOBRE A MATRIZ ELÉTRICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS VI Congresso Brasileiro de energia Solar - UFMG BH Wilson Pereira Barbosa Filho Fundação

Leia mais

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético ABINEE TEC 2007 Matriz Energética Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de

Leia mais

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Fórum CanalEnergia: Viabilidade de Investimentos em Fontes Alternativas Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Rodrigo Oliveira RJ, 25 de março de 2008 Características do Modelo Atual de Contratação

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa pouco mais de 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios XXIII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRNSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios Políticas do Ministério de para o Setor Elétrico Brasileiro Altino Ventura

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 125, DE 14 DE JUNHO DE 2007. O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

CARVÃO MINERAL na Matriz Elétrica Brasileira

CARVÃO MINERAL na Matriz Elétrica Brasileira CARVÃO MINERAL na Matriz Elétrica Brasileira Eng. Fernando Luiz Zancan - ABCM Rio de Janeiro/RJ - 05 de julho de 2013 23/10/09 WWW.CARVAOMINERAL.COM.BR O que vamos falar... - O carvão é o maior recurso

Leia mais

HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL?

HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL? HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL? Mario Veiga mario@psr-inc.com Institute of the Americas Mesa Redonda sobre Energia no Brasil Rio de Janeiro, 1 de abril de 2011 A pergunta que não quer calar Dado

Leia mais

Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico

Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico COMISSÃO METROFERROVIÁRIA GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA Associação Nacional de Transportes Públicos

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

Comercialização de gás natural

Comercialização de gás natural Comercialização de gás natural Prof. Edmar de Almeida Grupo de Economia da Energia Instituto de Economia UFRJ Workshop sobre Atualidades Regulatórias do Gás Outline da Apresentação Contexto atual da Comercialização

Leia mais

Negociações com energia: o modelo mercantil do setor elétrico

Negociações com energia: o modelo mercantil do setor elétrico Negociações com energia: o modelo mercantil do setor elétrico José Antonio Sorge Ludo Energia Tópicos O atual modelo mercantil e de negócios com energia Discussão dos problemas atuais com o modelo e com

Leia mais

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 A Abragel Possui 16 anos de atuação Congrega 252 empresas associadas Consolidadas em 70 grupos econômicos

Leia mais

A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição

A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição A busca do equilíbrio financeiro no segmento da distribuição III Seminário Internacional Desafios da Regulação no Setor Elétrico Coimbra, 15 de novembro de 2016 GRUPO ENERGISA Visão Geral GRUPO ENERGISA

Leia mais

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste Campinas/SP 30 mar. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Leia mais

Formação de Preço de Curto Prazo no Setor Elétrico Sua Relação com a Expansão da Geração. São Paulo, 21 de março de 2012

Formação de Preço de Curto Prazo no Setor Elétrico Sua Relação com a Expansão da Geração. São Paulo, 21 de março de 2012 Formação de Preço de Curto Prazo no Setor Elétrico Sua Relação com a Expansão da Geração São Paulo, 21 de março de 2012 Agenda Critério de Suprimento Papel do Preço de Curto Prazo Formação de Preço e Critério

Leia mais

A Competitividade do Carvão Mineral Nacional na Produção de Energia Elétrica

A Competitividade do Carvão Mineral Nacional na Produção de Energia Elétrica A Competitividade do Carvão Mineral Nacional na Produção de Energia Elétrica Associação Brasileira do Carvão Mineral Rio de Janeiro 18 de maio de 2009 Agenda Motivação Balanço Energético SIN Matriz Energética

Leia mais

Planejamento da transmissão

Planejamento da transmissão MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Fórum: Os Desafios da Transmissão Planejamento da transmissão Thiago Guilherme Ferreira Prado CoordenadorGeral de Planejamento de Energia Elétrica Substituto 14 de abril de

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 293, DE 4 DE AGOSTO DE 2017. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa já representa quase 10% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

A inserção das fontes de energia renovável no processo de desenvolvimento da matriz energética do país

A inserção das fontes de energia renovável no processo de desenvolvimento da matriz energética do país A inserção das fontes de energia renovável no processo de desenvolvimento da matriz energética do país Drª Elbia Melo Presidente Executiva 82 Associados 2 82 Associados 3 Energia Eólica no Mundo 4 Ranking

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

2 Mercado de Gás Natural no Brasil

2 Mercado de Gás Natural no Brasil 2 Mercado de Gás Natural no Brasil Intuitivamente, deduz-se que em uma alocação ótima o gás natural seria alocado de forma que a oferta firme (oferta interna associada e importação com contratos de longo

Leia mais

Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade

Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade Situação atual do setor sucroenergético, com ênfase na geração de energia com bioeletricidade Zilmar de Souza Bioeletricidade CIBIO - Congresso Internacional de Biomassa Curitiba PR 16 de junho de 2016

Leia mais

Demanda tempo real Produção de fontes intermitentes. Realidade: penetração de energia eólica e solar é uma realidade no mundo todo

Demanda tempo real Produção de fontes intermitentes. Realidade: penetração de energia eólica e solar é uma realidade no mundo todo SMART-SEN: Um Modelo de Simulação do Sistema Elétrico Nacional com Presença de Geração de Renováveis Intermitentes: Impactos Operacionais, Regulatórios e Custos Equipe Básica: Prof. Dr. Paulo Barbosa Prof.

Leia mais

CENÁRIO ELÉTRICO 2006/2015. Grupo Temático Energia - COINFRA SISTEMA FIERGS / CIERGS

CENÁRIO ELÉTRICO 2006/2015. Grupo Temático Energia - COINFRA SISTEMA FIERGS / CIERGS CENÁRIO ELÉTRICO 2006/2015 Grupo Temático Energia - COINFRA SISTEMA FIERGS / CIERGS CENÁRIO ELÉTRICO 2006/2015 Objetivo Antecedentes Balanço oferta e demanda Riscos Conclusões Recomendações OBJETIVO Informar

Leia mais

21º Leilão de Energia Nova

21º Leilão de Energia Nova 1 21º Leilão de Energia Nova Realização: 30/04/2015 Categoria: A-5 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 17:30 do dia 29/04/2015)

Leia mais

O GÁS NATURAL E AS OPORTUNIDADES PARA O BRASIL

O GÁS NATURAL E AS OPORTUNIDADES PARA O BRASIL FÓRUNS ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO O Futuro do Gás Natural O GÁS NATURAL E AS OPORTUNIDADES PARA O BRASIL Marco Antonio Martins Almeida Secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Ministério

Leia mais

INFORME TÉCNICO Data: 15/05/2009

INFORME TÉCNICO Data: 15/05/2009 1. OBJETIVO Este informe técnico visa fornecer subsídios para a operacionalização do art. 5º da Portaria MME nº. 46, de 9 de março de 2007, com a redação dada na Portaria nº 175, de 16 de abril de 2009,

Leia mais

Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región

Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Taller de trabajo: Energía Solar Integración y despacho: desafíos para la región Ing. Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Ministério de Minas e Energia cristiano.trein@mme.gov.br

Leia mais

Desafios do Mercado de Gás Natural no Brasil

Desafios do Mercado de Gás Natural no Brasil Desafios do Mercado de Gás Natural no Brasil 6% (0.5) 10% (0.7) Álvaro Ferreira Tupiassú Gerente Geral de Comercialização de Gás Natural e GNL - Petrobras AGENDA I A Cadeia do Gás Natural II Participação

Leia mais

A Competitividade da Geração Termelétrica a Gás Natural no Brasil: Uma Avaliação Econômico- Regulatória

A Competitividade da Geração Termelétrica a Gás Natural no Brasil: Uma Avaliação Econômico- Regulatória A Competitividade da Geração Termelétrica a Gás Natural no Brasil: Uma Avaliação Econômico- Regulatória Amanda Tavares dos Santos (GEE/UFRJ) Edmar L. F. de Almeida (GEE/UFRJ) Introdução Contexto Setor

Leia mais

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios Zilmar Souza Federação das Indústrias do Estado de Goiás FIEG Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios 18ª Reunião Goiás - GO 18 de agosto de 2015 BIOELETRICIDADE DA CANA

Leia mais

18º Leilão de Energia Nova

18º Leilão de Energia Nova 1 18º Leilão de Energia Nova Realização: 13/12/2013 Categoria: A-5 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 17:30 do dia 12/12/2013)

Leia mais

Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais

Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais Seminário Internacional Desafios da Regulação do Setor Elétrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 12 de fevereiro de 2015 Universidade

Leia mais

Workshop Infraestrutura - Energia. Novos Modelos de Negócio para o Setor Elétrico

Workshop Infraestrutura - Energia. Novos Modelos de Negócio para o Setor Elétrico Workshop Infraestrutura - Energia Novos Modelos de Negócio para o Setor Elétrico Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica - EPE São Paulo, SP 18 de Julho de 2017 Agenda 1. Introdução 2.

Leia mais

Estrutura de um Sistema Elétrico

Estrutura de um Sistema Elétrico Estrutura de um Sistema Elétrico Fernando Umbria LPS Consultoria Energética Agenda Características gerais e conceitos importantes A importância do planejamento setorial As principais fontes de energia

Leia mais

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF BRAZIL WINDPOWER O&M 2015 Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2015 Dalmir Capetta Agenda Quadro Institucional Sistema de Medição para Faturamento

Leia mais

Renewable Energy Projects

Renewable Energy Projects Grid Connectivity for Renewable Energy Projects 2nd REFF Latin America 2009 28 de abril de 2009 Roberto Gomes Diretor ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Sumário Estrutura do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Energia Sustentável: Mudança de Paradigma

Energia Sustentável: Mudança de Paradigma Energia Sustentável: Mudança de Paradigma Eng. Cecilia Helena Negri de Magalhães CH Consultoria em Engenharia Ltda cecilia.helena@uol.com.br COPPE - 30/04/2014 Energia Sustentável Sustentável tudo aquilo

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.1 Apurações da energia ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES 7. ANEXOS Revisão Motivo

Leia mais

Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil. São Paulo, 29 de Setembro de 2016

Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil. São Paulo, 29 de Setembro de 2016 Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil São Paulo, 29 de Setembro de 2016 Aspectos institucionais e a expansão da transmissão Desafios conjunturais Desafios estruturais em São Paulo Aspectos

Leia mais

Panorama Geral do Setor Elétrico

Panorama Geral do Setor Elétrico 11º CONSTRUBUSINESS Congresso Brasileiro da Construção 2015 Panorama Geral do Setor Elétrico Ministro Eduardo Braga São Paulo, 09 de março de 2015 2 Condições Hidrológicas Desfavoráveis 29.909 21.438 22.413

Leia mais

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis

Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Perspectivas para os Setores Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Marco Antônio Martins Almeida Secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis spg@mme.gov.br Rio de Janeiro, 21

Leia mais

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007 FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA Guilherme Velho 14 / Março / 2007 Riscos do Setor Elétrico Risco de Déficit (tradicional); Importação de

Leia mais

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN 7º SENOP Brasília, junho de 2016. 1 Ambiente Institucional 2 Ambiente Institucional

Leia mais

4 Características do Mercado Brasileiro de Energia Elétrica

4 Características do Mercado Brasileiro de Energia Elétrica 4 Características do Mercado Brasileiro de Energia Elétrica Para que a modelagem matemática utilizada neste trabalho seja bem compreendida, nesta seção serão abordadas algumas características importantes

Leia mais

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA

4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA 4º CURSO SOBRE O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO PARA A MAGISTRATURA PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO A ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO E NO BRASIL AS OPÇÕES DE EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO NACIONAL Altino

Leia mais

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Zilmar José de Souza XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA Rio de Janeiro 23 de outubro de 2012 A UNICA A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA)

Leia mais

Charles Lenzi Cuiabá, 23 de junho de 2015.

Charles Lenzi Cuiabá, 23 de junho de 2015. Charles Lenzi Cuiabá, 23 de junho de 2015. A ABRAGEL Associação com foco na defesa de interesses dos empreendedores de Pequenas Centrais Hidrelétricas e Usinas Hidrelétricas até 50 MW 15 anos de atuação

Leia mais

Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas 5ª Reunião da CT Energia Rio de Janeiro, 27 de julho de 2017 Título da Palestra Título do Evento Resultado Esperado em 2017 Resultado Esperado em 2017 O FBMC entregará

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Nossa Atuação EMPRESA INTEGRADA NAS ÁREAS DE ENERGIA, INFRAESTRUTURA E GESTÃO DE NEGÓCIOS Desenvolvimento de Projetos Empresa especializada no desenvolvimento de projetos de

Leia mais

Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021

Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica da EPE Enase 2017: modernização e evolução do modelo setorial Rio de Janeiro, 17 de maio de 2017 Luiz Augusto Barroso Presidente Temário Avanços em atividades

Leia mais

A bioeletricidade no setor sucroenergético

A bioeletricidade no setor sucroenergético A bioeletricidade no setor sucroenergético Zilmar Souza Bioeletricidade Audiência Pública Comissão de Serviços de Infraestrutura Senado Federal Brasília DF 22 de agosto de 2016 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/

Leia mais

Energia Eólica Agosto / 2016

Energia Eólica Agosto / 2016 Energia Eólica Agosto / 2016 Associados 2 Histórico do Setor Elétrico - Brasileiro 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Base Conceitual do Novo Modelo - MPs 144 e 145 Instituição do PROINFA Regulamentação

Leia mais

PARNAÍBA GÁS NATURAL. Gas onshore Desafios e Oportunidades de Exploração em Bacias de Nova Fronteira

PARNAÍBA GÁS NATURAL. Gas onshore Desafios e Oportunidades de Exploração em Bacias de Nova Fronteira PARNAÍBA GÁS NATURAL Gas onshore Desafios e Oportunidades de Exploração em Bacias de Nova Fronteira QUEM SOMOS A PGN é uma empresa independente de exploração e produção que opera na Bacia do Parnaíba,

Leia mais

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis Biodiesel no Brasil Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis São Paulo, 18.11.2011 Papel do Biodiesel 2 Biodiesel como mais um Energético na Matriz 3 Concorre com outros produtos e

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Hidrelétricas sem Reservatórios Seremos cobrados pelas gerações futuras?

Ministério de Minas e Energia Hidrelétricas sem Reservatórios Seremos cobrados pelas gerações futuras? Ministério de Minas e Energia Hidrelétricas sem Reservatórios Seremos cobrados pelas gerações futuras? José Carlos de Miranda Farias Diretor de Estudos de Energia Elétrica - EPE Brasília, 05 de agosto

Leia mais

Cenários para o Setor Elétrico. Energia Competitiva no Nordeste

Cenários para o Setor Elétrico. Energia Competitiva no Nordeste Cenários para o Setor Elétrico Energia Competitiva no Nordeste BAHIA Atividade Econômica Estrutura da Produção Industrial Bahia Setores % Refino de petróleo e coque 30,1 Alimentos e Bebidas 17,8 Produtos

Leia mais

Florestas Dedicadas: Maior Termelétrica a partir de Biomassa da LATAM

Florestas Dedicadas: Maior Termelétrica a partir de Biomassa da LATAM Florestas Dedicadas: Maior Termelétrica a partir de Biomassa da LATAM Marco Tuoto mtuoto@treeflorestal.com.br Preparado para: Simpósio Internacional BIO.COMBRASIL Biomassa Sólida, Tecnologias e Negócios

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Curso Internacional de Recuperação Energética de Resíduos Sólidos Urbanos em Aterros Sanitários Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento Fundação Estadual

Leia mais